Você está na página 1de 9

Debussy, Prelúdio I — Danseuses de Delphes (apontamentos analíticos)

Estrutura cp. Orientação Densidade


[A] I
I 1-5 T: Sib – cadência autêntica a Fá (V) 10

V
6-10 T: Sib — repouso a Fá 10
[B] V II 11-14 MT: Sib (Mib), pedal Fá 11
15-20 T: Dó M, direcção a Fá 11
III 21-24 MT: Dó m (Ré m; Dó# m) 10

coda I 25-31 T: Sib – fixação s/ pedal cadencial V-I 11

Metatonalidade (MT): termo usado por alguns autores e que refere normalmente ao uso ainda da tonalidade como base, ou
ponto de partida, mas com vários cromatismos adicionados, que criam uma coloração desse sistema que se torna já antiquado (a
tonalidade). Os cromatismos tornam-se, paulatinamente, parte da harmonia e não apenas um reforço da tonalidade. É um termo
que se torna recorrente quando se refere precisamente a música do fim do século XIX.
Densidade harmónica: quantidade de sons/tons recorrentes num determinado local.
Exemplo – se um compasso (ou dois, ou até uma secção completa) se socorre meramente de modo pentatónico, a densidade
harmónica é de 5 (cinco notas que constituem o modo, independentemente de quantas vezes se tocam ou se articulam)
Se estiver em uso um modo dórico, por exemplo, a densidade é de 7 (modo heptatónico).
Debussy, Prelúdio 6

1.ª SECÇÃO Ré m (modal: eólio + dórico)

mt
8

Hexaf. (defectivo – falta


12 Ré)

2.ª SECÇÃO
16
19 mt

22

3.ª SECÇÃO
26

Ré m

29

Coda
32

(plagal)

Debussy, Prelúdio 6
Claude'DEBUSSY1'

Prelúdio'X'(La(cathédral(engloutie)'

'

'

Baseando=se'numa'lenda'de'uma'“cidade'dos'Y”'submersa'pelo'mar,'a'obra'contém'
características'de'interesse'musical'que'vão'muito'além'da'mera'descrição'sumária'de'
uma'narrativa.'

Um'imenso'espaço,'“doucement'sonore”'e'“profondémente'calme”,'abre=se'nos'
primeiros'compassos,'delimitado'pelos'extremos'grave'e'agudo'do'piano'por'uma'
quinta'—'Sol0=Ré6'—,'deixando'uma'ressonância'que'será'suportada'por'duas'células'de'
três'notas'—'Ré=Mi=Si'e'Sol=Lá=Mi'—,'em'quintas'paralelas,'ao'estilo'de'organum'
paralelo:'

'

'
'

Elementos'composicionais'do'Prelúdio:'

1) espaço'vasto'de'ressonância;'
2) célula'de'três'tons'que'mantém'essa'ressonância,'modificando=se'e,'cor'e'de'
intensidade.'

Apesar'de'simples'nas'suas'características,'revelar=se=ão'surpreendentemente'fecundos.'

Observe=se'que'as'duas'células'apresentadas'circunscrevem=se'no'modo'pentatónico,'
largamente'utilizado'ao'longo'de'toda'a'obra,'em'diferentes'transposições.'Entendem=se'
no'entanto'auditivamente,'não'tanto'como'um'modo,'mas'como'células'intervalares'de'
perfil'idêntico'—'uma'segunda'menor'e'uma'quinta'perfeita'(ou'a'sua'inversão:'4.ª'P),'
balanceando=se'através'de'uma'nota'comum.'Verdadeiro'material'composicional'de'
base,'esta'estrutura'interválica'toma'assim'uma'característica'invariável(
harmonicamente'('—'uma'invariável(harmónica'—'),'que'encontrará'apenas'meras'
alterações'em'transposições,'tessitura,'duração,'dinâmica,'mas'sempre'mantendo'a'
estrutura'génese.'

''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''
1'Tradução'livre'de'texto'incluído'em'“Les'24'Prelúdes'pour'piano'de'Debussy':'Le'mouvement'
musical'au'rythme'de'la'forme”,'publicado'na'revista'Analyse(Musical,'n.º'12;'3º'trimestre,'1988'

Claude'Debussy,'A'Catedral(submersa' 1'
Cp.!1&15'—'INTRODUÇÃO'

Cp.'7' Primeiro'tema'(doux(et(fluide):'sobre'uma'pedal'—'MI'—,'estabelece=se'a'
partir'das'células'iniciais'—'forma=se'por'duas'invariantes,'relacionadas'
por'Sol#,'nota'comum'–'pivot'de'balanço.' '

(Mi)' Dó#' Ré#' Sol#' —' Sol#' Lá#' Ré#' (Si)'


' tom pivot
1.ª paragem: 2M 4P
Mi agudo encontra Mi grave – 2M 4P
Mese [Sol-Fá-MI-Ré-Dó]

'

'

...'

A'nota'Mi,'suspensa'da'ressonância'harmónica'dos'cc.'1,'3'e'5,'torna=se'a'verdadeira'
ligação'da'introdução;'surge'através'do'baixo'que'descende'do'Sol'(principalis)'a'Fá'
(como'tom'de'passagem)'e'resolve=se'(temporariamente)'nesse'Mi,'nota'pólo'de'
estabilização'do'movimento'(cp.'6),'proporcionando'assim'uma'atenção'e'um'espaço'
para'um'primeiro'tema'e'oferecendo=se'a'ele'mesmo'como'um'ponto'emergente'(cp.'7).'
Concluir=se=á'este'primeiro'tema'na'ressonância'do'próprio'Mi'–'o'Si'(cp.'13).'

Observe=se'como'este'tema'encontra'o'seu'ponto'de'equilíbrio'sobre'o'Sol#,'nota'
comum'das'duas'invariantes'apresentadas:'

'

' ' ' Dó#' Ré#' Sol#' ' ' ' ' '
' ' ' ' ' Sol#' Lá#' Ré#' ' ' '
'

Claude'Debussy,'A'Catedral(submersa' 2'
Respondendo'à'estrutura'original'(2M,'4P/5P),'organizam=se'em'acordes'de'5.as,''agora'
ascendente'e'descendente,'com'vista'à'conclusão'da'Introdução'(cp.'14=15).'

'
Um'segundo'tema'(que'surgirá'grandioso'no'cp.'28)'é'imediatamente'trabalhada'a'partir'
do'compasso'imediatamente'seguinte'(cp.'16),'dissipando=se'toda'a'bruma'inicial'a'
partir'de'uma'progressão'das'invariantes'base:'

Cp.!16&18!
Transposição'da'célula'inicial:'Fá#'–'Sol#'–'Ré'
Alargamento'a'uma'invariante'no'baixo:'Si'–'Fá#'–'Sol#'

'
Cp.!19&21!
A'partir'de'uma'enarmonia'(Ré#'='Mib),'e'de'uma'preponderante'relação'Fá#'–'Mib,'
mudança'de'cor'emprestando'um'novo'ímpeto'ao'movimento,'balanceando=se'entre'as'
invariantes,'cada'vez'mais'cerradas:'

Sib'–'Dó'–'Fá'(ou'Sol)'
Mib'–'Fá'–'Sib'(cp.'20=21),'no'baixo.'

'

!
Cp.!22&27!
Repetição'obstinada'e'pesante'da'invariante'Sol'–'Lá'–'Ré,'impondo'um'contraponto'
reversível'no'modo'de'Ré,'em'direcção'ao'Dó'grave'do'piano.'

'

Claude'Debussy,'A'Catedral(submersa' 3'
Cp.!28&46!
Sobre'uma'majestosa'e'profunda'pedal'de'Dó,'formado'um'2.º'Tema'(Sonore(e(sans(
dureté).'Como'aquele'primeiro,'baseado'sobre'duas'invariantes'ligadas'por'uma'nota'
comum:'

' ' ' Dó' Ré' ' Sol' ' '


' ' Lá' ' Ré' Mi' ' ' '
![2.ª'tema]'

!
...!

Harmonização'em'modo'Sol'(finale'Sol'e'finale(Dó'c/'Sib),'

Preparado'desde'o'cp.'33,'o'apoio'sobre'o'Fá'(cp.'38)'contribui'para'a'solidez'harmónica'
da'pedal'em'Dó,'assim'firmemente'apoiada'pelas'suas'duas'quintas'Fá'–'Dó'–'Sol.'

O'1.º'Tema'decai'sobre'um'acorde'de'invariantes'—'Dó'–'Ré'–'Sol'(cp.'42=45),'
desvanecendo=se'pouco'a'pouco,'não'só'a'partir'das'dinâmicas'como'também'pela'
indefinição'de'um'baixo'que'introduz'subGrepticiamente'o'modo'hexáfono'(cp.'40=46).'A'
longa'pedal'de'Dó'desloca=se'em'direcção'a'Láb'=(Sol#,'introduzindo'a'segunda'parte'do'
Prelúdio.'

'

'

Claude'Debussy,'A'Catedral(submersa' 4'
Cp.!47!

Reaparecimento'do'1.º'Tema,'expressivo(e(concentrado,'s/'pedal'Sol#,'pivot'das'
invariantes'a'ele'referente.!

'
Insistência'e'amplificação'das'invariantes'Dó#–Ré#=Sol#'(cp.'51=56)'e'Fá#–Sol#–Dó#'
(cp.'57=58)'engrandecem'a'expressividade'até'ao'seu'clímax'no''cp.'61.'

'
A'cor'dos'acordes'de'7.ª'paralelos'(cp.'62=67),'criam'uma'momentânea'desordem'
auditiva'na'percepção'da'progressão'das'invariantes'base'sem'agitar,'no'entanto,'a'pedal'
Sol#.'Interessante'notar'densidade'10'sons'presente'nestes'cc.'62=67,'faltando'apenas'o'
Dó'e'Ré'naturais,'que'surgem'precisamente'no'compasso'imediato'(68)'e'seguintes.'

!
Cp.!84&89'|'Coda'—'Recuperação'das'células'iniciais.'

Claude'Debussy,'A'Catedral(submersa' 5'
Encadeamentos das invariantes e pólos dos diferentes planos sonoros da peça.
No'quadro'seguinte'pode'ser'observado'como'as'invariantes'se'encadeiam,'determinando'os'pólos'dos'diferentes'planos'sonoros'presentes'na'peça:'

'

'

'''

'

Claude'Debussy,'A'Catedral(submersa' 6'