Você está na página 1de 74

ABO – Associação Brasileira de Odontologia

Curso de Aperfeiçoamento em Ortodontia


Professor Marcelo Trévia

Cefalometria Radiológica para


Diagnóstico e Planejamento em Ortodontia
Definição

Cefalometria Radiológica

É uma forma de análise morfológica do


complexo crânio-facial, por meio de
radiografias, que atende os objetivos da
Ortodontia.
Histórico

460 a 375 AC – Hipócrates


Pioneiro da Antropologia Física

1552 a 1519 – Leonardo da Vinci


Primeiros estudos métricos da cabeça
Histórico

1780 – Antropologia
Estabelecido Plano de Camper
(Base do Nariz – Conduto auditivo externo).
1884 – Craniometria
Estabelecido Plano de Frankfurt (Po – Or)

1895 – Marco
Descoberta do Raio X
(Wilhelm Conrad Rontgen)
Histórico

1931 – Holly Broadbent (“Pai da Cefalometria”)


"A new X-Ray technique and its application to orthodontics"

Invenção do Cefalostato (Padronização)

1980 – Era Digital


Cefalometria Computadorizada
Telerradiografias Cefalométricas

Frontal

Lateral
Lado direito do paciente voltado para o observador

Distância: 1,52 m (Feixe Rx – Plano Sagital Mediano)


Objetivos da Cefalometria

Análise estática Diagnóstico


Análise geral das estruturas anatômicas
Definição de um Padrão Morfológico e
tendência de crescimento Faciais
Análise do Perfil Tegumentar

Análise dinâmica Prognóstico


Estudos do Crescimento
Análise das modificações produzidas pelo tratamento
Documentação para fins jurídicos
Cefalograma

Desenho anatômico

Traçados de Orientação
Pontos

Linhas

Grandezas cefalométricas
(lineares e angulares)
Observações

O Cefalograma é uma figura bidimensional de uma


estrutura Tridimensional.

Detalhes anatômicos bilaterais são superpostos e sua


correta visualização exige conhecimento anatômico.

VER VISUALIZAR
Desenho Anatômico

Algumas estruturas não são desenhadas, porém devem


ser observadas e analisadas.

Espaço Nasofaríngeo
Adenoide
Perfil Tegumentar
Adenoide (Tonsila faríngea)

Formação linfoide com função imunológica, localizada


na região posterior da nasofaringe.

• Ausente
• Pequena
• Moderada
• Grande
• Muito grande
Adenoide (Tonsila faríngea)
Pontos cefalométricos
•S
•N
•Po
•Or
S
N
•Go
•Me Po Or

•Gn A Ls

•A
•B Go B
•Pog’
Gn Pg’
•Ls Me
Pontos cefalométricos

 Ponto Násio (N)


Ponto mais anterior
da sutura frontonasal s . N .

 Ponto Sela (S)


Centro da sela turca
Linhas e planos cefalométricos

 Linha Sela-Násio s . N .
(S – N)
Pontos cefalométricos

 Ponto Orbitário (Or)


Ponto mais inferior do
rebordo orbitário inferior.
. Po . O .
 Ponto Pório (Po)
Ponto mais superior da
projeção radiográfica do
porio acústico externo.
Linhas e planos cefalométricos

 Plano de Frankfurt
(Po – Or) . . .
Po O
Pontos cefalométricos
 Ponto mentoniano (Me)
Ponto mais inferior do contorno da
sínfise.
 Ponto Gônio (Go)
Ponto formado pela intercessão (bissetriz
do ângulo) das linhas traçadas tangente
ao ramo mandibular e a borda da
mandibular.

.
Go
.
Me
Go

Go construído
Linhas e planos cefalométricos

 Plano Mandibular (GoMe)

Go

Me
Pontos cefalométricos

 Ponto Gnátio (Gn)


Ponto mais anterior e inferior
do contorno da sínfise
mentoniana.

.
. Gn
Gn
Gn construído
Linhas Cefalométricas

 Eixo Y s .
(Linha S – Gn)

.
Gn
Pontos cefalométricos

 Ponto A- ponto mais


profundo no contorno da
projeção alveolar entre a
Espinha nasal anterior e a crista
alveolar superior.
 Ponto B- ponto mais .A
profundo no contorno da
projeção alveolar da mandíbula. .B
Linhas e planos cefalométricos

N
 Linha Násio-Ponto A
(Linha N – A)
A
Linhas e planos cefalométricos

 Linha Násio-Ponto B N

(Linha N – B)

B
Linhas e planos cefalométricos

 Longo Eixo dos


Incisivos Superiores
Linha que passa pelo
ápice e pelo bordo do
Incisivo Central superior
mais vestibularizado.
Linhas e planos cefalométricos

 Longo Eixo dos


Incisivos Inferiores
Linha que passa pelo
ápice e pelo bordo do
Incisivo Central Inferior
mais vestibularizado.
Pontos cefalométricos

 Ponto lábio Superior (Ls)


Ponto mais anterior na
protuberância do lábio superior
 Ponto Nariz (Pn) Pn .
Ponto mais anterior do Nariz
Ls
.
 Ponto Pogônio tegumentar
(Pog’)- Ponto mais anterior do
queixo (Tecido mole) .
Pog´
Linhas e Planos cefalométricos

 Linha H
(Linha de Holdaway)
 Linha que passa pelo Pn .
ponto Pog’ e pelo ponto Ls Ls
.

.
Pog´
Grandezas Cefalométricas
 São mensurações realizadas em:
Ângulos
 Grandezas angulares (Grauº)
Distâncias
 Grandezas Lineares (mm)
 Objetivo:
Determinar as posições e/ou tamanho das
estruturas faciais medidas na Telerradiografia,
comparando-as com medidas de normalidade.
ANÁLISE CEFALOMÉTRICA
SIMPLIFICADA PADRÃO USP

1. Padrão de crescimento
2. Bases ósseas
Bases ósseas x base do crânio
Bases ósseas entre si
3. Dentes x bases ósseas
Incisivos Superiores
Incisivos Inferiores
4. Análise do Perfil Mole
ANÁLISE CEFALOMÉTRICA
SIMPLIFICADA PADRÃO USP

1. Padrão de crescimento
2. Bases ósseas
3. Dentes x bases ósseas
4. Análise do Perfil Mole
ANÁLISE CEFALOMÉTRICA
SIMPLIFICADA PADRÃO USP

 Padrão Facial ou
Tendência de crescimento
 SN.Plano Mandibular

(GoMe) s . N .
. . .
 SN.SGn Po O
 FMA

Go
Gn
Me
Padrão Facial
 SN.GoMe (Plano Mandibular)

 Valor de Normalidade
 32º
s . N .
 >32º

 Dolicofacial

 <32º

 Braquifacial Go

Me
Como medir SN.GoMe

 Coloque a Ponto
S
linha de 90º
coincidente
com a linha SN
 Coincida o
ponto S com o
cruzamento
das linhas de
90º com 180º
Como medir SN.GoMe

 Coloque uma
régua
justaposta a
linha de 180º
do transferidor
 Deslize a
régua até a
linha de 90º
tocar o plano
mandibular
Como medir SN.GoMe

 Leia a medida
do Ângulo a
partir da linha
de 90º como
ponto zero até
o medição do
ângulo que
toca o plano
mandibular
Padrão Facial

 SN.Eixo Y(SGn)
 Linha SGn
s . N .
 Eixo Y

 Valor de Normalidade
 67º
 >67º
 Dolicofacial
 <67º .
 Braquifacial
Gn
Como medir SN.Gn

 Coincida a linha SN com a


Linha de 90º
 Coincida o cruzamento da
linha de 90º com a linha de
180º no ponto S
 Meça o ângulo considerando a
linha de 90º como ponto de
origem (0º)
Padrão Facial
 FMA
 Plano Horizontal de
Frankfurt(Po-Or)
 Plano Mandibular(Go-Me) . .
Po O
 Valor de Normalidade
 25º
Go
 >25º
 Dolicofacial
Me
 >25º
 Braquifacial
Como medir Frankfurt.PlM

 Coloque a linha de Ponto


90º coincidente com Or Plano de
o Plano de Frankfurt
Frankfurt.
Plano de
 Coincida o ponto Po
Frankfurt.PlM
com o cruzamento
das linhas de 90º
com 180º.
Como medir Frankfurt.PlM

 Leia a medida
Ponto
do Ângulo a Or Plano de
partir da linha Frankfurt
de 90º como
ponto zero até
Plano de
o medição do
Frankfurt.PlM
ângulo que
toca o plano
mandibular
ANÁLISE CEFALOMÉTRICA
SIMPLIFICADA PADRÃO USP

1. Padrão de crescimento
2. Bases ósseas
3. Dentes x bases ósseas
4. Análise do Perfil Mole
ANÁLISE CEFALOMÉTRICA
SIMPLIFICADA PADRÃO USP

 Bases ósseas
 Bases ósseas x Base do s . .N
crânio
 SNA
 SNB A
 Bases ósseas entre si
 ANB B
Maxila com a Base do Crânio

 SNA
 Linha S
s . .N
 Linha NA
 Determina a posição
da Maxila em relação A
à base do crânio
(Linha SN)
Maxila com a Base do Crânio

 SNA
 Valor de s . .N
Normalidade
 80º a 84º
 Maxila Protraída
A
 >84º
 Maxila Retraída
 <80º
Como medir SNA

 Coincida a Linha de
180º com a linha SN.
 Coincida o
cruzamento da linha
de 180º com a de 90º
no ponto N.
Como medir SNA

 A partir da Linha de
180º leia o Ângulo
formado entre a linha
SN e a Linha NA
Bases Ósseas
Mandíbula com a Base do Crânio

 SNB
 Linha S
s . .N
 Linha NB
 Determina a posição
da Mandíbula em
relação à base do
crânio (Linha SN) B
Mandíbula com a Base do Crânio

 SNB
 Valor de s . .N
Normalidade
 78º a 82º
 Mandíbula Protraída

 >82º
B
 Mandíbula Retraída
 <78º
Como medir SNB

 Coincida a Linha de
180º com a linha SN.
 Coincida o cruzamento
da linha de 180º com a
de 90º no ponto N
Como medir SNB

 A partir da Linha de
180º leia o Ângulo
formado entre a linha
SN e a Linha NB.
Bases Ósseas

 ANB
 Linha NA
 Linha NB
 Determina a posição
da Maxila em relação
à Mandíbula
B
Bases Ósseas

 ANB
 Valor de Normalidade
 2º - Boa relação das
bases
 >2º

 Tendência à Classe II
 <2º B
 Tendência à Classe III
Como medir o ANB?

 Com o transferidor
no mesmo ponto,
leia a distância entre
a linha A e a B.
 Ou faça a diferença
entre SNA e SNB
ANÁLISE CEFALOMÉTRICA
SIMPLIFICADA PADRÃO USP

1. Padrão de crescimento
2. Bases ósseas
3. Dentes x bases ósseas
4. Análise do Perfil Mole
Incisivo Superior . Maxila

 1.NA
 Valor de Normalidade .N
 22º
 >22º
 Incisivos Vestibularizados A
 <22º
 Incisivos Lingualizados
Incisivo Superior . Maxila

 Como medir?
 Coincida a linha
de 90º com a
linha NA.
Incisivo Superior . Maxila

 Como medir?
 Coincida o
cruzamento de
NA com o longo
eixo do incisivo
superior no
cruzamento da
Linha de 90º com
a 180º.
Incisivo Superior . Maxila

 Como medir?
 Faça a leitura do
ângulo da linha
de 90º, como o
ponto zero, até o
longo eixo do
incisivo superior.
Incisivo Superior . Maxila

 1 - NA
 Valor de Normalidade .N
 4mm
 > 4mm
 Incisivos Protraídos A
 < 4mm
 Incisivos Retraídos
Como medir
Incisivo Superior – Maxila

 Coloque a régua
perpendicular à linha NA
.N
 Meça a distância da
Linha NA até o ponto
mais anterior da face A
vestibular do incisivo
superior
Incisivo Inferior . Mandíbula

 1.NB
 Valor de Normalidade
.N
 25º
 >25º
 Incisivos
Vestibularizados
 <25º B
 Incisivos Lingualizados
Incisivo Inferior . Mandíbula

 Como medir?
 Coincida a
linha de 90º
com a linha
NB.
Incisivo Inferior . Mandíbula

 Como medir?
 Coincida o
cruzamento de NB
com o longo eixo do
incisivo inferior no
cruzamento da
Linha de 90º com a
180º.
Incisivo Inferior . Mandíbula

 Como medir?
 Faça a leitura do
ângulo da linha
de 90º, como o
ponto zero, até o
longo eixo do
incisivo Inferior.
Incisivo Inferior - Mandíbula

 1-NB
 Valor de Normalidade
 4mm
.N
 >4mm
 Incisivos Protraídos
 <4mm
 Incisivos Retraídos B
Como medir
Incisivo Inferior – Mandíbula

 Coloque a régua
perpendicular à linha NB
 Meça a distância da Linha .N
NB até o ponto mais
anterior da face vestibular
do incisivo inferior.

B
ANÁLISE CEFALOMÉTRICA
SIMPLIFICADA PADRÃO USP

1. Padrão de crescimento
2. Bases ósseas
3. Dentes x bases ósseas
4. Análise do Perfil Mole
Análise do Perfil Mole

 Linha H-Nariz (Linha de


Holdaway)
Linha que passa pelo
Pn .
ponto Pog’ e pelo ponto Ls.
Ls
.

.
Pog´
Análise do Perfil Mole

 Como medir
 Coloque a régua

perpendicular a linha H.
Pn .
 Meça a distância entra o

ponto mais proeminente Ls


.
do nariz e a linha H.
.
Pog´
Linha H- Nariz

 Valor de Normalidade
 9 a 11mm
 >11mm
 Tendência ao perfil côncavo
Pn .
 <9mm -1,5mm

Ls
 Tendência ao perfil convexo .

 * quando a medida é lida para fora do .


nariz é considerada negativa (-)
 * quando a medida é lida para dentro do Pog´
nariz é considerada positiva(+).
Análise do Perfil Mole

 Ângulo interincisivos (1.1)


Ângulo formado entre as
1
linhas referentes aos longos eixos .
dos incisivos (Sup/Inf).
.

.
1
Análise do Perfil Mole

 Ângulo interincisivos (1.1)


Valor de normalidade = 131o
1
.
 1.1 > 131º Perfil Côncavo
.
 1.1 < 131º Perfil Convexo
.
1
Considerações Finais