Você está na página 1de 140

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica


Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás
Câmpus Goiânia

BACHARELADOEM
ENGENHARIA CIVIL
CÂMPUSGOIÂNIA

GOIÂNIA
2016
1
Ministério da Educação
Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás – IFG
Câmpus Goiânia

PLANO DE CURSO
CNPJ 33602608/0001- 45
Razão Social Instituto Federal de Educação, Ciência e
Tecnologia de Goiás – IFG
Nome Fantasia IFG / Câmpus Goiânia
Esfera Administrativa Federal
Endereço Rua 75 n° 46 Centro
Cidade/UF/CEP Goiânia/GO/74055-110
Telefone/Fax (62) 3227-2700
E-mail de contato diretoriageralcampusgoiania@gmail.com
Site da Unidade http://www.goiania.ifg.edu.br/
Área do Plano de Curso Engenharia Civil

HABILITAÇÃO, QUALIFICAÇÕES E ESPECIALIZAÇÕES


Habilitação: Bacharelado em Engenharia Civil Carga
Horária
Disciplinas do Núcleo Básico 1323
Disciplinas do Núcleo Profissionalizante 1215
Disciplinas do Núcleo Específico 891
Disciplinas Optativas 108
Estágio Curricular Supervisionado 400
TCC (Incluído na carga horária regular) 108
Atividades Complementares 120
4057

2
Ministério da Educação
Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás - IFG
Câmpus Goiânia

Jerônimo Rodrigues da Silva


Reitor

Adelino Candido Pimenta


Diretor Executivo

Adriana dos Reis Ferreira


Pró-Reitor de Ensino

Ruberley Rodrigues de Souza


Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação

Sandro Ramos di Lima


Pró-Reitor de Extensão

Weber Tavares da Silva Júnior


Pró-Reitor de Desenvolvimento Institucional

Ubaldo Eleutério da Silva


Pró-Reitor de Administração

Alexandre Silva Duarte


Diretor Geral – Câmpus Goiânia

Jussanã Milograna
Chefe do Departamento de Áreas Acadêmicas III

João Carlos de Oliveira


Coordenador do Curso de Engenharia Civil

3
Curso de Bacharelado em Engenharia Civil

IFG – Câmpus Goiânia

Equipe de elaboração do projeto original – Ano de 2012

Prof. Antonio Henrique Capuzzo Martins

Prof. Cláudio Marra Alves

Prof. Giovane Batalione

Prof. Glydson Ribeiro Antonelli

Prof. João Carlos de Oliveira

Profª Jussanã Milograna

Prof. Murilo Ferreira Paranhos

Prof. Ricardo Alves Cardoso

Profª. Sandra Kurotusch de Melo

Prof. Sebastião Ney Ferreira Otero

Equipe de reestruturação do projeto – Ano de 2015

Prof. Antonio Henrique Capuzzo Martins

Prof. Cláudio Marra Alves

Prof. Douglas Pereira da Silva Pitaluga

Prof. Glydson Ribeiro Antonelli

Prof. Humberto Rodrigues Mariano

Prof. João Carlos de Oliveira

Prof. João Dib Filho

Profª Liana de Lucca Jardim Borges

Prof. Murilo Ferreira Paranhos

Prof. Vinícius Carrião dos Santos

Prof. Wesley Pimenta de Menezes

4
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ....................................................................................................................................................... 7

2. JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS DO CURSO .................................................................................................... 8

2.1 JUSTIFICATIVA ................................................................................................................................................... 8


2.2 OBJETIVOS ....................................................................................................................................................... 10
2.2.1 Objetivo Geral ............................................................................................................................................ 10
2.2.2 Objetivos Específicos ................................................................................................................................. 10

3. REQUISITOS PARA ACESSO AO CURSO ......................................................................................................11

4. PERFIL PROFISSIONAL DOS EGRESSOS .....................................................................................................11

4.1 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS ........................................................................................................... 13

5. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ...................................................................................................................... 14

5.1 MATRIZ CURRICULAR ..................................................................................................................................... 16


5.2 EMENTA DAS DISCIPLINAS ...................................................................................................................... 21
5.3 ESTÁGIO SUPERVISIONADO .................................................................................................................... 21
5.4 ATIVIDADES COMPLEMENTARES ..................................................................................................................... 21
5.5 MONITORIA ................................................................................................................................................. 24
5.6 VISITAS TÉCNICAS ..................................................................................................................................... 24
5.7 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ............................................................................................................ 25
5.7.1 Particularidades do TCC ........................................................................................................................... 26
5.7.1.1 Definição de temas e do professor orientador ..................................................................................................... 26
5.7.1.2 Forma de apresentação de trabalho.................................................................................................................... 26
5.7.1.3 Avaliação do TCC e formação da banca examinadora ....................................................................................... 26
5.7.1.4 Defesa do trabalho e forma de depósito da versão final ..................................................................................... 27
5.7.1.5 Atribuições do NDE e disposições finais ............................................................................................................. 28
5.8 INICIAÇÃO CIENTÍFICA............................................................................................................................. 28
5.8.1 Programa Ciência sem Fronteiras no IFG ................................................................................................. 29
5.9 PROJETOS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO .................................................................................. 30
5.9.1 Núcleo de Estudo e Pesquisa em Engenharia Civil e Meio Ambiente (NUPE ENCIMA) .......................... 30
5.9.2 Ações de Extensão ...................................................................................................................................... 31
5.9.3 Educação Ambiental ................................................................................................................................... 33

6. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM.................................................................................... 35

7. FUNCIONAMENTO E METODOLOGIA ......................................................................................................... 35

7.1.1 Aspectos da acessibilidade no Câmpus Goiânia ........................................................................................ 36


7.2.1 Assistência Estudantil ................................................................................................................................. 37
7.2.2 Atendimento ao discente pelo departamento .............................................................................................. 37

8. PESSOAL DOCENTE E TÉCNICO – ADMINISTRATIVO ............................................................................ 40

5
9. COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ................................................................................... 42

10. INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS ........................................................................................................... 42

10.1 DEPARTAMENTO DE ÁREAS ACADÊMICAS E COORDENAÇÃO DO CURSO .................................. 42


10.2 BIBLIOTECA................................................................................................................................................. 43
10.2.1 Conteúdo e acesso digital ...................................................................................................................... 43
10.3 LABORATÓRIOS DA ÁREA DE CONSTRUÇÃO CIVIL ................................................................................ 44
10.3.1 Laboratório de Materiais de Construção ............................................................................................... 44
10.3.2 Laboratório de Solos e Pavimentação ................................................................................................... 47
10.3.3 Laboratório de Mecânica dos Fluidos ................................................................................................... 49
10.3.4 Laboratórios de Informática .................................................................................................................. 50
10.3.5 Laboratórios de Física e Matemática .................................................................................................... 50
10.3.6 Laboratório de Química ......................................................................................................................... 51

11. CONSIDERAÇÕES FINAIS ........................................................................................................................... 53

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ......................................................................................................................... 55

ANEXO 1 – EMENTAS, OBJETIVOS E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DAS DISCIPLINAS ................ 57

APÊNDICE 1 - RESOLUÇÃO Nº 41 DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012 CONSELHO SUPERIOR DO IFG ... 139

APÊNDICE 2 – LISTA REFERENCIAL DE RESOLUÇÕES E REGULAMENTOS DO IFG .......................... 140

6
1. INTRODUÇÃO

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG), criado pela Lei
Federal nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008, que transformou os Centros Federais de Educação
Tecnológica (CEFET) em Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, é uma autarquia
federal detentora de autonomia administrativa, patrimonial, financeira, didático-pedagógica e
disciplinar, equiparado às universidades federais. É uma instituição de educação superior, básica e
profissional, pluricurricular e multicampi, especializada na oferta de educação profissional e
tecnológica nas diferentes modalidades de ensino.
O IFG tem por finalidade formar e qualificar profissionais para os diversos setores da
economia, bem como realizar pesquisas e promover o desenvolvimento tecnológico de novos
processos, produtos e serviços, em estreita articulação com os setores produtivos e com a sociedade,
oferecendo mecanismos para a educação continuada.
A instituição oferece desde educação integrada ao ensino médio até aquela direcionada à
pós-graduação. Na educação superior são oferecidos cursos de bacharelado, especialmente na área
industrial, e licenciatura. Na educação profissional técnica de nível médio, o IFG atua atendendo
também ao público de jovens e adultos por meio do EJA (Educação Profissional Técnica de Nível
Médio para Jovens e Adultos). Além destes, o IFG oferece cursos na modalidade à distância em
diferentes pólos nas cidades onde mantém seus câmpus ou não.
Atualmente, são oferecidos cursos técnicos, tecnológicos, bacharelados, licenciaturas,
especialização e mestrado atendendo cerca de onze mil alunos nos câmpus distribuídos em:
Anápolis, Águas Lindas, Aparecida de Goiânia, Cidade de Goiás, Formosa, Goiânia, Goiânia Oeste,
Inhumas, Itumbiara, Jataí, Luziânia, Senador Canedo, Uruaçu e Valparaíso.
O Câmpus Goiânia possui cursos nas seguintes modalidades: mestrado, especializações,
cursos superiores em bacharelado e licenciatura, cursos técnicos integrados ao ensino médio,
técnicos subsequentes e curso técnico integrado ao ensino médio na modalidade de jovens e
adultos, sendo todos gratuitos.
Com mais de 105 anos completos em 2014, o Câmpus Goiânia é o pioneiro na história da
Instituição. Sua história remonta a antiga capital do Estado de Goiás, Vila Boa, onde foi criada, em
23 de setembro de 1909, a Escola de Aprendizes e Artífices, primeira instituição no Estado voltada
para formação técnica profissional.

7
Em 1942, com a mudança da capital do Estado para Goiânia, a escola foi transferida e
consolidou-se como centro de excelência no ensino técnico profissionalizante. No ano de 1999, a
Escola Técnica Federal de Goiás foi transformada em Centro Federal de Educação Profissional e
Tecnológica de Goiás (CEFET), passando a atuar também no ensino superior.
Hoje, o Instituto Federal de Goiás – nome adotado desde o final de 2008 – oferece
educação superior, básica e profissional, além da pós-graduação, com a finalidade de qualificar
profissionais para os diversos setores da economia, bem como realizar pesquisas e promover o
desenvolvimento tecnológico. Uma instituição que, independentemente de suas denominações, tem
se destacado ao longo desses anos e construindo uma grande história.

2. JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS DO CURSO

2.1 JUSTIFICATIVA

O momento contemporâneo da construção civil pode ser caracterizado como desafiador,


pois o Brasil tem necessidade urgente de acelerar investimentos em construção civil em virtude do
elevado e histórico déficit habitacional, da grande deficiência em infraestrutura urbana e das redes
de transportes, das barreiras para a universalização do saneamento básico e do combate às
inundações urbanas. Estes desafios requerem participação expressiva da Engenharia Civil nas mais
amplas áreas de conhecimento em que os profissionais nela graduados atuam, desde o planejamento
e execução de novos empreendimentos até a recuperação e reforma de obras já existentes.
A microrregião de Goiânia, a maior em termos demográficos e econômicos na
Mesorregião Centro Goiano de acordo com o boletim do Observatório Nacional do Trabalho e da
Educação Profissional e Tecnológica, é constituída por dezessete municípios: Abadia de Goiás,
Aparecida de Goiânia, Aragoiânia, Bela Vista de Goiás, Bonfinópolis, Caldazinha, Goianápolis,
Goiânia, Goianira, Guapó, Hidrolândia, Leopoldo de Bulhões, Nerópolis, Santo Antônio de Goiás,
Senador Canedo, Teresópolis de Goiás e Trindade. Para o funcionamento adequado desse
aglomerado é necessário um aumento significativo das obras de infraestrutura e das construções
urbanas devido à prospecção de desenvolvimento econômico na região, uma realidade que pode ser
vista na maior parte das cidades brasileiras.
Neste momento, portanto, há uma demanda por maior oferta de vagas para o curso de
Engenharia Civil, segundo informações obtidas pelo sistema e-MEC do Ministério da Educação
(2012). Do total 1.290 (um mil duzentos e noventa) vagas ofertadas em Goiás, 67,7% são
oferecidas por instituições privadas enquanto 33,3% são ofertadas em instituições públicas de
8
ensino e daquele total de vagas apenas 4,7% são oferecidas no período noturno por instituições
públicas.
Destaca-se ainda o predomínio do setor privado na oferta de vagas para o Curso de
Engenharia Civil em instituições de Ensino Superior no estado de Goiás, como pode ser verificado
mostra na Tabela 2. São nove as instituições de ensino superior que ofertam vagas para o Curso de
Bacharelado de Engenharia Civil, sendo três públicas e seis privadas,

Tabela 2 - Oferta de Bacharelado em Engenharia Civil em Instituições de Ensino Superior


em Goiás no ano de 2012.

Total de Instituições 9 100%


Instituições Públicas 3 33,3%
Instituições Privadas 6 67,7%
Total de Oferta de Vagas 1290 100%
Vagas nas Instituições Públicas 250 19,4%
Vagas nas Instituições Privadas 990 80,6%
Turno Matutino 300 - somente privadas 23,3%
60 - públicas 4,6%
Turno Vespertino
100 - privadas 7,8%
Turno Integral 180 - somente públicas 14,0 %
60 - públicas 4,6%
Turno Noturno
590 - privadas 45,7%
Fonte: Ministério da Educação - Sistema e-MEC, 2012.

Apoiada na reputação do Instituto Federal de Goiás de ofertar o ensino de qualidade na


área de construção civil, na capacidade de seu corpo docente em ministrar as disciplinas da área, e
na infraestrutura física e laboratorial existente no Câmpus Goiânia, a coordenação da Área
Acadêmica de Construção Civil apresentou o projeto pedagógico do Curso Superior de Engenharia
Civil para o início das atividades no primeiro semestre de 2013. Essa proposta surgiu após 12 anos
de experiência dos docentes nos cursos superiores de tecnologia e nos anseios de discentes e
egressos.
São ofertadas trinta (30) vagas/ano para o bacharelado em Engenharia Civil do Câmpus
Goiânia no período noturno. Dessa maneira foi ampliada a possibilidade de ingresso no curso, de
jovens trabalhadores provenientes de segmentos sociais menos privilegiados da região
metropolitana de Goiânia, condição facilitada também em função do atendimento da Lei de
Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB nº 9394/96 que reserva cinquenta por cento (50%)
dessas vagas a alunos oriundos de escolas públicas.

9
2.2 OBJETIVOS

2.2.1 Objetivo Geral

O objetivo geral do Curso Superior de Engenharia Civil do IFG - Câmpus Goiânia é


oferecer uma formação ampla, habilitando os futuros profissionais a atuar nas grandes áreas da
Engenharia Civil, a saber: construção civil, estruturas, geotecnia, instalações prediais, hidráulica,
saneamento e transportes. Os profissionais formados no curso poderão atuar nos âmbitos de projeto,
execução, consultoria e pesquisa, bem como desenvolver atividades de planejamento e
gerenciamento de empreendimentos.
A meta é proporcionar aos profissionais: a) uma formação adequada para atender a
sociedade com responsabilidade social e ambiental, especificamente, na promoção de infraestrutura
urbana e de condições dignas de vida, com visão direcionada à preservação do meio ambiente no
que se refere ao cumprimento das leis ambientais, sempre visando a qualidade e segurança dos
processos, b) capacitação para trabalhar além do âmbito regional, por todo o país ou fora dele, com
condições de complementar a formação através de cursos de pós-graduação e c) facultar a atuação
em atividades que exijam empreendedorismo, liderança e capacidade de tomar decisões, seja em
empresas e/ou instituições públicas ou privadas.

2.2.2 Objetivos Específicos

O Curso de Engenharia Civil tem os seguintes objetivos específicos:

 Desenvolver práticas inovadoras no ensino de Engenharia Civil;


 Motivar o afloramento de novas ideias e de espírito crítico de forma que o estudante
possa tomar consciência do processo no qual ele está inserido, possibilitando manifestar
sua capacidade de liderança e de tomada de decisões;
 Desenvolver atividades de ensino, pesquisa e extensão, gerando condições que
permitam ao recém-graduado ingressar com diversificada experiência acadêmica nos
programas de pós-graduação;
 Desenvolver a capacidade de trabalho do futuro profissional, aperfeiçoando sua
comunicação oral e escrita;
 Estimular o desenvolvimento de habilidades particulares, de acordo com as aptidões,
o interesse e o ritmo próprio de cada estudante;
 Responder às expectativas de mercado de maneira eficiente;
10
 Motivar o desenvolvimento da criatividade e do caráter exploratório do graduando;
 Intensificar a formação humanística do futuro profissional;
 Buscar atuação na comunidade externa, nas diferentes áreas do conhecimento,
contribuindo para efetivar a cidadania;
 Incentivar o pleno conhecimento dos anseios e necessidades locais, mostrando as
deficiências e estimulando a proposição de soluções concretas para os problemas sociais,
tornando o futuro profissional um agente transformador;
 Definir e adotar uma política ambiental interna, com vistas a estimular iniciativas e
participações em projetos e ações para recuperação e preservação dos ecossistemas locais e
regionais.

3. REQUISITOS PARA ACESSO AO CURSO

Para cursar o Bacharelado em Engenharia Civil o estudante deve:


a) Ter concluído o Ensino Médio e;
b) Ter sido aprovado no Processo Seletivo realizado pelo IFG - Câmpus Goiânia ou
através do Sistema de Seleção Unificada (SISU).
Cada processo seletivo é divulgado por intermédio de edital próprio publicado no site
institucional e divulgado na Imprensa Oficial, bem como em outros veículos informativos, no qual
estão contidos os requisitos para a seleção e o ingresso na Instituição no curso de Graduação em
Engenharia Civil, de forma a atender a Lei Federal nº 12.711/2012, no que diz respeito ao sistema
de cotas.
O recebimento de alunos por meio de transferência e para portadores de diplomas de
Ensino Superior está sujeita às existências de vagas e deve obedecer ao disposto no Regulamento
Acadêmico dos Cursos de Graduação da Instituição.

4. PERFIL PROFISSIONAL DOS EGRESSOS

No Brasil a área de atuação dos Engenheiros Civis é muito ampla e abrange os subsetores
de edificações, construção pesada e materiais de construção. Particularmente no subsetor de
edificações o Engenheiro Civil pode atuar na construção de edifícios residenciais, comerciais e
públicos, na elaboração de projetos em geral, supervisão, planejamento, acompanhamento,
gerenciamento e fiscalização de obras, além das reformas e manutenções correntes, seja qual for a
modalidade de contrato.
11
Em função de sua formação extensão, o engenheiro civil pode atuar em obras tão distintas
quanto ferrovias, aeroportos, portos, estradas e pavimentação, usinas hidroelétricas, sistemas de
saneamento básico e de abastecimento de água, além da área de construção convencional
(MONTEIRO FILHA et al., 2010).
Além destas áreas, os profissionais Engenheiros Civis podem atuar como consultores,
peritos, autônomos, pesquisadores e/ou professores em cursos técnicos, tecnólogos ou de graduação
e pós-graduação na sua área de competência.
Entretanto, o maior mercado de trabalho para os engenheiros civis se encontra no setor de
construção e execução, seja como responsável técnico ou como planejador e gerenciador de obras.
Neste campo, a maior demanda de contratação advém de empresas construtoras, de escritórios de
projetos, de indústrias e do setor de materiais de construção. Nos últimos anos, a atuação na
construção teve um aquecimento em função do grande número de obras infraestruturais resultantes
das ações de crescimento instituídas pelo Governo Federal, tais como pontes, viadutos e aeroportos.
O Brasil passou a se destacar no setor de exportações de serviços de engenharia, o que
pode levar ao estreitamento de relacionamentos e parcerias comerciais, à agregação de novas
empresas na cadeia produtiva e a um possível fortalecimento da imagem do país, assim como
contribuir para minimização de eventuais crises no mercado interno.
Na Resolução CNE/CES 11, de 11 de março de 2002, art. 3 o, assim é descrito o perfil dos
egressos de um curso de engenharia:

[...] o engenheiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, capacitado a


absorver e desenvolver novas tecnologias, estimulando a sua atuação crítica e criativa na
identificação e resolução dos problemas, considerando seus aspectos políticos, econômicos,
sociais, ambientais e culturais, com visão ética e humanística, em atendimento às demandas
da sociedade (BRASIL, 2002).

Com base em tais informações, o perfil do egresso do bacharel em Engenharia Civil do


IFG - Câmpus Goiânia deverá possibilitar ao profissional recém-formado a flexibilidade e os
conhecimentos técnicos, tecnológicos e científicos necessários para atender aos atuais rumos e os
novos desafios da Engenharia, tanto no plano nacional quanto internacional.
Além disso, sabe-se que o mercado de trabalho busca engenheiros que possam atender aos
anseios de assimilar e desenvolver novas tecnologias construtivas de maneira racionalizada,
econômica e eficiente.
Em um âmbito mais geral da construção civil, os egressos de Engenharia Civil podem
contribuir atuando no desenvolvimento de inovações de produtos, de processos, organizacionais e
de marketing na área de construção civil (MONTEIRO FILHA, et al., 2010, p. 378-377) e ainda
12
colaborar para a ampliação e melhoramento de atividades de ensino e pesquisa e extensão,
alinhados às demandas sociais, econômicas e ambientais.

4.1 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS

O curso de bacharelado em Engenharia Civil deve dar condições a seu egresso para
adquirir um perfil profissional que compreenda as habilidades e competências previstas na
Resolução CNE/CES 11, de 11 de março de 2002, art. 4:
A formação do engenheiro tem por objetivo dotar o profissional dos conhecimentos
requeridos para o exercício das seguintes competências e habilidades gerais:
I - aplicar conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e instrumentais à
engenharia;
II - projetar e conduzir experimentos e interpretar resultados;
III - conceber, projetar e analisar sistemas, produtos e processos;
IV - planejar, supervisionar, elaborar e coordenar projetos e serviços de engenharia;
V - identificar, formular e resolver problemas de engenharia;
VI - desenvolver e/ou utilizar novas ferramentas e técnicas;
VI - supervisionar a operação e a manutenção de sistemas;
VII - avaliar criticamente a operação e a manutenção de sistemas;
VIII - comunicar-se eficientemente nas formas escrita, oral e gráfica;
IX - atuar em equipes multidisciplinares;
X - compreender e aplicar a ética e responsabilidade profissionais;
XI - avaliar o impacto das atividades da engenharia no contexto social e ambiental;
XII - avaliar a viabilidade econômica de projetos de engenharia;
XIII - assumir a postura de permanente busca de atualização profissional (BRASIL, 2002).

As ocupações no mercado de trabalho dos profissionais formados neste curso, segundo a


Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), instituída pela Portaria Ministerial nº. 397, de 9 de
outubro de 2002, poderão ser:
 Engenheiro civil – código CBO: 2142-05;
 Engenheiro civil (aeroportos) – código CBO: 2142-10;
 Engenheiro civil (edificações) – código CBO: 2142-15;
 Engenheiro civil (estruturas metálicas) – código CBO: 2142-20;
 Engenheiro civil (ferrovias e metrovias) – código CBO: 2142-25;
 Engenheiro civil (geotecnia) – código CBO: 2142-30;
 Engenheiro civil (hidrologia) – código CBO: 2142-35;
 Engenheiro civil (hidráulica) – código CBO: 2142-40;
 Engenheiro civil (pontes e viadutos) – código CBO: 2142-45;
 Engenheiro civil (rodovias) – código CBO: 2142-55;
 Engenheiro civil (saneamento) – código CBO: 2142-60;
 Engenheiro civil (túneis) – código CBO: 2142-65;
 Engenheiro civil (transportes e trânsito) – código CBO: 2142-70.

13
5. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

O currículo do Bacharelado em Engenharia Civil do IFG - Câmpus Goiânia está


estruturado de modo a atender as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino de Graduação no
Brasil, definidas pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), no caso específico, através da
Resolução CNE/CES 11, de 11 de março de 2002.
A estruturação e a sistematização do currículo do Curso de Engenharia Civil se dão pela
subdivisão das áreas de conhecimento em disciplinas e atividades, hierarquizadas e integradas
horizontal e verticalmente, de modo que os futuros profissionais desenvolvam habilidades e
competências inter, multi e transdisciplinar.
As disciplinas estão agrupadas em três núcleos de conteúdos, segundo a Resolução
supracitada e serão contempladas no turno noturno:
 Núcleo de Conteúdos Básicos, abrangendo aproximadamente 30% da carga horária
mínima do curso;
 Núcleo de Conteúdos Profissionalizantes, abrangendo aproximadamente 15% da
carga horária mínima do curso;
 Núcleo de Conteúdos Específicos, consolidando o restante da carga horária total.
A dinâmica pedagógica do currículo do curso tem como embasamento a compreensão de
que o currículo e o próprio conhecimento devem ser vistos como construções e produtos de relações
sociais particulares e históricas, mantendo a sua identidade metodológica a fim de alcançar os
objetivos propostos.
As disciplinas básicas e profissionalizantes, preconizadas pela Diretriz Curricular para os
Cursos de Graduação em Engenharia do CNE, estão definidas no currículo pleno do Curso de
Engenharia Civil e proporcionam ao estudante o embasamento teórico e prático para formação
generalista do engenheiro civil. As disciplinas básicas servirão de suporte para os aprendizados
subsequentes e as de conteúdo profissional essencial são as disciplinas necessárias para a completa
formação do futuro profissional.
A matriz curricular do curso de Engenharia Civil almeja, como diferencial, contribuir ainda
com o perfil humanístico do profissional visando a formação completa deste. Na Tabela 3 estão
organizadas as disciplinas necessárias para efetivação do curso de engenharia civil em seus
respectivos núcleos assim como suas cargas horárias semanais e totais.

14
Tabela 3 – Composição curricular de disciplinas para efetivação do curso com as respectivas cargas
horárias.

Área Núcleo Disciplina Aulas¹ C.H.


1 Cálculo Diferencial e Integral I 6 81
2 Cálculo Diferencial e Integral II 6 81
3 Cálculo Diferencial e Integral III 4 54
4 Geometria Analítica 4 54
Matemática Básico
5 Álgebra Linear 2 27
6 Cálculo Numérico 4 54
7 Equações Diferenciais 4 54
8 Estatística e Probabilidade 4 54
Física:Mecânica 4 54
9
Laboratório de Mecânica 2 27
Física: Fluidos, Ondas e Calor 4 54
Física Básico 10
Laboratório de Fluidos, Ondas e Calor 2 27
Física: Eletromagnetismo 4 54
11
Laboratório de Eletromagnetismo 2 27
Química Básico 12 Química Geral 4 54
Informática Profissional 13 Algoritmo e Técnicas de Programação 4 54
Ciência e
Tecnologia dos Profissional 14 Ciência dos Materiais 2 27
Materiais
Comunicação e 15 Redação Técnica 4 54
Básico
Expressão 16 Metodologia Científica 2 27
Humanidades Básico 17 Sociologia do Trabalho, Tecnologia e Cultura 2 27
Administração e 18 Introdução à Administração 2 27
Básico
Economia 19 Introdução à Economia 2 27
20 Desenho Técnico Civil I 4 54
Expressão
Básico 21 Desenho Técnico Civil II 4 54
Gráfica
22 Desenho Técnico Civil III 4 54
Fenômenos de
Básico 23 Fenômenos de Transporte 4 54
Transporte
24 Mecânica Geral 4 54
Mecânica dos
Básico 25 Resistência dos Materiais I 4 54
Sólidos
26 Resistência dos Materiais II 4 54
Ciências do
Básico 28 Ciências do Ambiente 2 27
Ambiente
28 Tecnologia das Construções I 4 54
29 Tecnologia das Construções II 4 54
30 Gerenciamento e Planejamento de Obras 4 54
Construção Civil Profissional
31 Orçamento I 4 54
32 Orçamento II 4 54
33 Noções de Arquitetura e Urbanismo 4 54
Legislação Específico 34 Legislação Aplicada 2 27
Qualidade Específico 35 Gestão da Qualidade 2 27
36 Mecânica dos Solos I 4 54
Profissional
37 Mecânica dos Solos II 4 54
Geotecnia
38 Barragens e Obras de Terra 2 27
Específico
39 Projeto e Estruturas de Fundações 4 54
Higiene e
Profissional 40 Conforto, Higiene e Segurança do Trabalho 4 54
Segurança
15
Área Núcleo Disciplina Aulas¹ C.H.
41 Materiais de Construção I 4 54
Materiais de Profissional
42 Materiais de Construção II 4 54
Construção
Específico 43 Patologia das Construções 4 54
44 Hidráulica I 4 54
45 Hidrologia 4 54
Hidráulica, Profissional 46 Hidráulica II 2 27
Hidrologia e
48 Coleta e Tratamento de Águas e Resíduos I 4 54
Saneamento
49 Coleta e Tratamento de Águas e Resíduos II 4 54
Específico 47 Projeto e Instalações Hidrossanitárias 4 54
50 Teoria das Estruturas I 4 54
Profissional
51 Teoria das Estruturas II 6 81
52 Projeto de Estruturas de Concreto I 4 54
Sistemas 53 Projeto de Estruturas de Concreto II 4 54
Estruturais 54 Projeto de Estruturas de Aço 4 54
Específico
55 Projeto Estrutural em Concreto Armado 4 54
56 Estruturas de Madeira 2 27
57 Pontes e Obras de Arte 4 54
Topografia e 58 Topografia I 6 81
Profissional
Geodésia 59 Topografia II 6 81
60 Projeto e Construção de Estradas 6 81
Transporte e
Específico 61 Planejamento e Sistemas de Transportes 4 54
Logística
62 Pavimentação 4 54
Instalações
Específico 63 Projeto e Instalações Elétricas 4 54
Elétricas
Optativas - 64 Optativas 8 108
Específico 65 Trabalho de Conclusão de Curso I 4 54
TCC
Específico 66 Trabalho de Conclusão de Curso II 4 54
CH Total 262 3537
Estágio Curricular Obrigatório 400
Atividades Complementares 120

__¹ Número de aulas semanais (45 minutos por aula)

5.1 MATRIZ CURRICULAR

Na Tabela 4 é apresentada a matriz curricular proposta para o curso de Engenharia Civil do


Câmpus Goiânia dividida em semestres como sugestão de sequência para a efetivação do curso. O
fluxograma proposto para o curso encontra-se detalhado na Figura 2.
Os demais componentes curriculares constantes da matriz curricular, as atividades
passíveis de serem desenvolvidas em paralelo no curso e as respectivas normas institucionais do
IFG encontram-se descritos nos itens 5.3 a 5.9. No Anexo 1 estão reunidas as ementas das
disciplinas listadas nas Tabelas 3 e 4.

16
Tabela 4 – Distribuição do curso em semestres com as respectivas cargas horárias e pré-requisitos

CÓD PERÍODO DISCIPLINAS AULAS C.H. PRÉ-REQ.


1.1 QUÍMICA GERAL 4 54 -
1.2 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 6 81 -
1.3 LÍNGUA PORTUGUESA 4 54 -
1.4 1º GEOMETRIA ANALÍTICA 4 54 -
1.5 DESENHO TÉCNICO CIVIL I 4 54 -
1.6 ALGORITMOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO 4 54 -
TOTAL CREDITOS 1º PERÍODO 26 351 -
2.1 FÍSICA : MECÂNICA 4 54 -
2.2 LABORATÓRIO DE MECÂNICA 2 27 -
2.3 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II 6 81 1.2
2.4 2º TOPOGRAFIA I 6 81 1.5
2.5 DESENHO TÉCNICO CIVIL II 4 54 1.5
2.6 CÁLCULO NUMÉRICO 4 54 1.6
TOTAL CREDITOS 2º PERÍODO 26 351
3.1 FÍSICA - FLUIDOS, ONDAS E CALOR 4 54 1.2 - 2.1
3.2 LABORATÓRIO DE FLUIDOS, ONDAS E CALOR 2 27 2.1 – 2.2
3.3 DESENHO TÉCNICO CIVIL III 4 54 2.5
3.4 METODOLOGIA CIENTIFICA 2 27 -
3.5 3º TOPOGRAFIA II 6 81 2.4
3.6 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL III 4 54 2.3
3.7 ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE 4 54 -
TOTAL CREDITOS 3º PERÍODO 26 351
4.1 NOÇÕES DE ARQUITETURA E URBANISMO 4 54 2.4 - 3.3
4.2 EQUAÇÕES DIFERENCIAIS 4 54 3.6
4.3 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I 4 54 1.1
4.4 MECÂNICA GERAL 4 54 2.1 - 2.2 – 2.3
4.5 4º FÍSICA: ELETROMAGNETISMO 4 54 1.2 - 2.1
4.6 LABORATÓRIO DE ELETROMAGNETISMO 2 27 2.1 – 2.2
4.7 ÁLGEBRA LINEAR 2 27 -
4.8 CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2 27 -
TOTAL CREDITOS 4º PERÍODO 26 351
5.1 TEORIA DAS ESTRUTURAS I 4 54 4.4
5.2 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I 4 54 4.4
5.3 FENÔMENOS DE TRANSPORTE 4 54 4.2
5.4 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II 4 54 4.3
5.5 5º MECÂNICA DOS SOLOS I 4 54 -
5.6 CIÊNCIAS DO AMBIENTE 2 27 -
5.7 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO 2 27 -
5.8 INTRODUÇÃO À ECONOMIA 2 27 -
TOTAL CREDITOS 5º PERÍODO 26 351
6.1 MECÂNICA DOS SOLOS II 4 54 5.5
6.2 RESISTÊNCIAS DOS MATERIAIS II 4 54 5.2
6.3 6º TEORIA DAS ESTRUTURAS II 6 81 5.1
6.4 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I 4 54 3.5 - 5.4 - 5.5
6.5 PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS 6 81 3.5 - 5.5

17
CÓD PERÍODO DISCIPLINAS AULAS C.H. PRÉ-REQ.
SOCIOLOGIA DO TRABALHO, TECNOLOGIA E
6.6 2 27 -
CULTURA
TOTAL CREDITOS 6º PERÍODO 26 351
CONFORTO, HIGIENE E SEGURANÇA DO
7.1 4 54 6.4
TRABALHO
7.2 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES II 4 54 6.4
7.3 HIDRÁULICA I 4 54 5.3
7.4 7º PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO I 4 54 3.3 - 6.3
7.5 HIDROLOGIA 4 54 2.4 - 3.7 - 5.3
7.6 LEGISLAÇÃO APLICADA 2 27 6.4
7.7 PAVIMENTAÇÃO 4 54 6.5
TOTAL CREDITOS 7º PERÍODO 26 351
8.1 PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO II 4 54 7.4
8.2 HIDRAULICA II 2 27 7.3
8.3 PROJETO E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 4 54 3.3 - 4.5
8.4 PROJETO E ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES 4 54 3.3 - 6.1 - 7.4

8.5 PROJETO E INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 4 54 3.3
8.6 GESTÃO DA QUALIDADE 2 27 7.2
8.7 PLANEJAMENTO E SISTEMAS DE TRANSPORTES 4 54 6.5
TOTAL CREDITOS 8º PERÍODO 24 324
9.1 COLETA E TRATAMENTO DE ÁGUAS E RESIDÚOS I 4 54 1.1 - 8.5
9.2 GERENCIAMENTO E PLANEJAMENTO DE OBRAS 4 54 8.6
9.3 ORÇAMENTO I 4 54 7.2-8.1-8.3-8.4-8.5
9.4 PROJETO E ESTRUTURAS DE AÇO 4 54 6.2 - 6.3

9.5 PROJETO ESTRUTURAL EM CONCRETO ARMADO 4 54 8.1 - 8.4
9.6 TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO I 4 54 1.3-3.4-6.5-7.2-8.5
9.7 OPTATIVA I 4 54
TOTAL CREDITOS 9º PERÍODO 28 378
10.1 BARRAGENS E OBRAS DE TERRA 2 27 6.1 - 6.5 -7.5
10.2 COLETA E TRATAMENTO DE ÁGUAS E RESIDÚOS II 4 54 9.1
10.3 ESTRUTURAS DE MADEIRA 2 27 6.2 -6.3
10.4 PONTES E OBRAS DE ARTE 4 54 7.5 - 8.1
10.5 10º ORÇAMENTO II 4 54 6.5 - 9.3
10.6 OPTATIVA II 4 54
10.7 PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES 4 54 7.2
10.8 TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO II 4 54 9.6
TOTAL CREDITOS 10º PERÍODO 28 378

O aluno deve cumprir a carga horária mínima de 108 horas em disciplinas optativas que
serão oferecidas, preferencialmente, intercaladas de modo a estarem distribuídas em diferentes
semestres. As disciplinas optativas a serem oferecidas estão descritas na Tabela 5. Na Tabela 6 está
detalhada a carga horária total do curso, atendendo à Resolução CNE/CES n° 11 de 11 de março de
2002.

18
Tabela 5 – Grade de disciplinas optativas do curso de Engenharia do IFG Câmpus Goiânia

ÁREA NOME DA DISCIPLINA OPTATIVA¹ C.H. PRÉ-REQ.


DESENHO 1 DESENHO TÉCNICO ASSISTIDO POR COMPUTADOR 54 2.5
2 PROJETO DE ESTRUTURA EM CONCRETO PROTENDIDO 54 8.1
ESTRUTURA
3 PROJETO DE PONTES 54 7.5 – 9.5

MATERIAIS DE
4 DOSAGEM DE CONCRETOS 54 4.3
CONSTRUÇÃO
5 ENGENHARIA DE TRÁFEGO 54 4.1
TRANSPORTES
6 CONSERVAÇÃO DE VIAS 54 6.5 - 7.7
ESTAÇÕES DESCENTRALIZADAS DE TRATAMENTO DE
7 54 3.3 – 8.2
ESGOTOS
SUSTENTABILIDADE E ACESSIBILIDADE NO AMBIENTE
MEIO AMBIENTE 8 54 4.1 – 5.6
CONSTRUÍDO
5.6 - 7.5 - 8.5 -
9 REUSO E REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA 54
9.1
GEOMÁTICA 10 SIG APLICADO A ENGENHARIA 54 3.5
RECURSOS
11 SISTEMAS DE DRENAGEM URBANA 54 7.5 - 8.2
HÍDRICOS
12 LIBRAS 54 -
HUMANAS
13 RELAÇÕES ETNICO RACIAIS 54 -

1_Todas as disciplinas optativas têm 04 aulas semanais

Tabela 6 – Carga horária total do curso de Engenharia Civil

Carga Horária Percentual de


Detalhamento do Curso
(em horas) carga horária
Núcleo Básico 1323 32,61%
Núcleo Profissionalizante 1215 29,95%
Núcleo Específico 891 21,96%
Disciplinas Optativas 108 2,66%
Estágio Curricular Obrigatório 400 9,86%
Atividades Complementares 120 2,96%
Total de Horas 4057 100

19
FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL IFG - CAMPUS GOIÂNIA - MA

1o Período 2o Período 3o Período 4o Período 5o Período 6o Período 7o Período

PROJETO
CÁLCULO METODOLOGIA MECÂNICA TEORIA DAS TEORIA DAS
1 QUÍ MICA GERAL
NUMÉRICO CIENTÍ FICA GERAL ESTRUTURAS I ESTRUTURAS II
ESTRUTURAS
CONCRETO I

RESISTÊNCIA
CALC. DIF. CALC. DIF. CALC. DIF. EQUAÇÕES RESISTÊNCIA
2 INTEGRAL I INTEGRAL II INTEGRAL III DIFERENCIAIS DOS MATERIAIS I
DOS MATERIAIS HIDROLOGIA
II

FÍ SICA: FÍ SICA: SOCIOLOGIA DO


LÍ NGUA FÍ SICA: FENÔMENOS DE
3 PORTUGUESA MECÂNICA
FLUIDOS, ONDAS ELETROMAGNE-
TRANSPORTE
TRAB. TECNOL. E HIDRÁULICA I
E CALOR TISMO CULTURA

LAB. FÍ SICA: LAB.


GEOMETRIA LABORATÓRIO MECÂNICA DOS MECÂNICA DOS LEGISLAÇÃO
4 FLUIDOS, ONDAS ELETROMAGNE-
DISCIPLINAS

ANALÍ TICA DE MECÂNICA SOLOS I SOLOS II APLICADA


E CALOR TISMO

NOÇÕES DE
DESENHO DESENHO DESENHO CIÊNCIAS DO PROJ. CONST.
5 TÉCNICO CIVIL I TÉCNICO CIVIL II TÉCNICO CIVIL III
ARQUITETURA E
AMBIENTE ESTRADAS
PAVIMENTAÇÃO
URBANISMO

ALGORÍ TMOS MATERIAIS DE MATERIAIS DE TECNOL. TECNOL.


6 TECN. PROG.
TOPOGRAFIA I TOPOGRAFIA II
CONSTRUÇÃO I CONSTRUÇÃO II CONSTRUÇÕES I CONSTRUÇÕES II

CONFORTO,
7
EST AT ÍST ICA E INT ROD.
ÁLGEGRA LINEAR HIGIENE E SEG.
P ROB A B ILIDA DE A DM INIST RA ÇÃ O
TRABALHO

CIÊNCIA DOS INTROD.


8 MATERIAIS ECONOMIA

Figura 2 – Fluxograma de execução proposto para o curso


5.2 EMENTA DAS DISCIPLINAS

As ementas das disciplinas, os objetivos e a bibliografia recomendada estão descritos no


Anexo 01 deste documento.

5.3 ESTÁGIO SUPERVISIONADO

O estágio supervisionado ou curricular previsto para o curso de Engenharia Civil no


Câmpus Goiânia do IFG é de 400 horas e deve ser desenvolvido de acordo com a
regulamentação específica do IFG.
No Câmpus Goiânia a Coordenação de Interação Escola–Empresa (COSIE-E) é a
instância responsável pela promoção e realização da interação entre as ações institucionais, os
alunos e profissionais formados pela Instituição e o mundo do trabalho. Subordinado à Gerência
de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão do Câmpus, a COSIE-E atua sistematicamente na
geração de estágios e empregos e no acompanhamento da atuação dos profissionais formados
pelo IFG – Câmpus Goiânia.
A COSIE-E possui parcerias com diversos agentes integradores, o que amplia a oferta de
estágios. O setor é responsável pela captação e distribuição de vagas de estágio curricular
obrigatório, bem como de toda documentação de convênio, controle e avaliação. Além das vagas
de estágio ofertadas por meio das empresas conveniadas, o IFG oferta vagas de estágio
remunerado para os alunos atuarem dentro do próprio Câmpus.
Ao estudante é permitido realizar o estágio curricular após concluir todas as disciplinas
até o sexto período. Antes desse período o estágio é considerado não curricular, servindo, no
entanto, para o aprimoramento do relacionamento do aluno com as empresas do mercado.
Contudo, independente do caráter do estágio, este é incentivado desde os primeiros semestres do
curso. Excepcionalidades eventuais serão resolvidas pela coordenação e NDE do curso.

5.4 ATIVIDADES COMPLEMENTARES

As Atividades Complementares previstas neste PPC para o curso de Engenharia Civil do


Câmpus Goiânia devem ser realizadas durante os períodos do curso de forma que, ao concluí-lo,
o aluno integralize 120 horas. O aproveitamento da participação do acadêmico nestas atividades
deve obedece à regulamentação específica do IFG. São atividades complementares:

 Visitas técnicas
 Atividades/aulas práticas de campo e de laboratório,

21
 Participação em eventos técnicos, científicos, culturais, artísticos e esportivos,
 Participação em comissões organizadoras de eventos institucionais e outros,
 Apresentação de trabalhos em feiras, congressos, simpósios, seminários e outros,
 Monitorias e participação em projetos e programas de iniciação científica e tecnológica
 Participação em projetos de pesquisa
 Participação em projetos de extensão
 Participação em núcleos institucionais de ensino e de pesquisa (ENCIMA)
 Participação ou ministério de cursos e de minicursos
 Estágios curriculares não obrigatórios
 Participação como representante discente nas instâncias da instituição
 Participação em órgãos e entidades estudantis, de classes, sindicais ou comunitárias
 Participação como ouvinte em defesas de trabalhos acadêmicos (TCC, Dissertação e teses)

Estas atividades podem ser desenvolvidas pelos discentes através da participação em ações
variadas promovidas pelo IFG como as que aqui listamos e que serão mais bem detalhadas nos
itens a seguir.

 Fórum Mundial de Educação Profissional e Tecnológica (FMEPT),


 Jogos dos Institutos Federais (JIF)
 Festival de Artes de Goiás
 Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SECITEC)
 Encontro de Culturas Negras e Seminário de Educação para as Relações Étnico-raciais
 Semana da Construção civil e Fórum das Áreas de Construção Civil, Geomática e
Transportes
 Simpósio de Pesquisa, Ensino e Extensão (Simpeex),
 Diálogos com a Educação de Jovens e Adultos (EJA) e com a Educação à Distância (EAD);
 Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID),
 Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC),
 Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica no Ensino Médio (PIBIC-EM)
 Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação
(PIBITI)
 Simpósio Gênero e Diversidade;
 Programa de Avaliação das Políticas e das Ações de Assistência Estudantil.

22
 Programa Institucional de Incentivo à Participação em Eventos Científicos e Tecnológicos
para Servidores do IFG (PIPECT/IFG)
 Programa Institucional de Incentivo para Estudantes do IFG apresentarem trabalhos em
Eventos Científicos e Tecnológicos (PAECT).

Destaca-se, dentro das atividades complementares no IFG, a inserção de temas


transversais que colaboram com a formação acadêmica e cidadã do discente, condição que o
projeto político pedagógico institucional visa garantir.
Uma ação expressiva com este foco é a realização do Encontro de Culturas Negras e
Seminário de Educação para as Relações Étnico-raciais. É um evento anual com temas variados,
que incluem atividades acadêmicas e culturais, como conferências, mesas de diálogos, rodas de
conversas, oficinas, mostra de cinema-afro, feira multicultural e apresentações teatrais e musicais
de caráter étnico e regional. “O espaço das Mulheres Negras no Estado de Goiás”, “A Afro-
perspectiva e educação no Brasil: sujeitos, identidades e corporeidades” e a “Educação e
antirracismos no horizonte da Lei 10.639/2003” fazem parte dos importantes temas abordados
neste evento.
A realização institucional e a participação do discente em eventos como este permitem
tratar os conceitos de etnia, raça, racialização, identidade, diversidade, diferença dentro da
compreensão da realidade dos grupos étnicos minoritários e dos processos de colonização e pós-
colonização podendo-se vislumbrar maior sucesso de políticas afirmativas para populações
étnicas e políticas afirmativas específicas em educação. O objetivo é construir uma abordagem
didático-pedagógica de educação antirracista, que valorize a história e cultura étnicas no
ambiente escolar, com o intuito de revelar sua indissociabilidade de outras categorias de
diferenças culturais. Oportunidades como esta, no campo das etnociências, dentro e fora da sala
de aula permitem maior valorização dos movimentos sociais e da educação não formal.
A intenção é levar o discente do IFG, e aqui especialmente o aluno do curso de
Engenharia Civil, a permanentemente refletir e compreender o “outro”, o diferente, percebendo a
complexidade de formações culturais distintas, de modo a entender outras práticas culturais
dentro de uma lógica própria, partindo de seus próprios parâmetros. É oportunizado ao aluno
desenvolver uma percepção de que a nossa cultura é apenas uma das formas possíveis de
apreender e interpretar o mundo e que todas as culturas são igualmente válidas e fazem sentido
para seus participantes.

23
5.5 MONITORIA

A instituição abre espaço, também, aos alunos que pretendem atuar como monitor. As
atividades de monitoria são desenvolvidas dentro de disciplinas específicas que necessitam de
um apoio complementar às aulas ministradas pelos professores. A principal atividade do aluno
monitor é atender e auxiliar outros alunos nas atividades teóricas e práticas da disciplina em que
pretende atuar.
A seleção de estudantes monitores é realizada por meio de edital publicado pela Pró-
Reitoria de Ensino a cada semestre letivo. A classificação e avaliação dos candidatos a monitores
se dá através da média ponderada dos seguintes critérios: a nota que o aluno obteve na disciplina
quando a cursou, o coeficiente de rendimento acadêmico e a nota obtida na entrevista realizada
pela banca avaliadora vinculada ao edital.
Como monitor o aluno entra em contato com aspectos mais abrangentes de caráter
didático-pedagógico, bem como com a necessidade de aprofundamento na disciplina em questão.
O monitor deve cumprir uma carga horária diária de quatro horas, perfazendo 20 (vinte) horas
semanais, sendo que 12 (doze) horas semanais são destinadas ao atendimento aos alunos e 08
(oito) horas destinadas ao estudo individual e ao acompanhamento do professor responsável. Ao
monitor que concluir satisfatoriamente as atividades da monitoria, condição avaliada pelo
professor responsável, é fornecido um certificado de 30h de dedicação. As atividades de
monitoria são objeto de regulamentação específica do IFG.

5.6 VISITAS TÉCNICAS

As visitas técnicas são elementos motivadores e instrumentos pedagógicos


complementares do curso de graduação. Essas atividades são programadas dentro do contexto de
cada disciplina, havendo o acompanhamento do professor responsável e o aval da instituição. As
visitas tem importância fundamental para a formação do aluno em função do caráter integrador
entre disciplinas e é definida em regulamento específico do IFG. Estas atividades permitem aos
alunos participarem efetivamente do processo, desde o planejamento à realização, tornando-se
uma ferramenta empírica, cujos objetivos baseiam-se em resultados compartilhados pelas
disciplinas de cada semestre da matriz curricular do curso.
A instituição, por meio da Coordenação do Curso, oferece visitas técnicas de acordo com
as demandas solicitas pelos professores das respectivas disciplinas. O IFG disponibiliza o
transporte e auxílios financeiros para os alunos participarem das visitas técnicas institucionais.

24
5.7 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é um componente curricular obrigatório,


parcelado em duas etapas de 54h cada, caracterizadas como disciplinas: Trabalho de Conclusão
de Curso I e Trabalho de Conclusão de Curso II. A carga horária total é de 108 horas, possíveis
de serem cursadas pelos alunos desde que cumpridos os pré-requisitos previstos na matriz
curricular e a critério do professor orientador. Esse componente curricular é orientado pelo
Regulamento relativo ao Trabalho de Conclusão de Curso dos cursos de graduação do IFG.
Essencialmente, a elaboração de um TCC pressupõe o desenvolvimento de atividades de
síntese, integração ou aplicação dos conhecimentos adquiridos, de natureza científica ou
tecnológica, visando a integralização dos conceitos estudados ao longo do curso, que apresente
resultado de estudo que expresse conhecimento do tema escolhido.
O TCC visa promover a capacidade de identificação de temáticas, a formulação de
problemas, a elaboração de projetos, a identificação de métodos e de técnicas de pesquisa e o
controle de planejamento, integrando conhecimentos nas áreas de formação dos cursos ofertados
pela instituição.
Os métodos de trabalho podem ser investigativos, buscando encontrar respostas práticas
para um problema técnicos-profissional, tecnológico ou técnico-cientifico; bem como, pode-se
usar métodos teóricos, por meio de pesquisas bibliográficas e estudos de caso. Obrigatoriamente,
os temas e os métodos de estudo devem ser vinculados às disciplinas e programas ministrados
durante o curso.
Os procedimentos para a realização do TCC, bem como, a metodologia de execução das
atividades, deveres e obrigações do discente e do docente orientador, no que diz respeito ao
início, ao desenvolvimento, a avaliação e a conclusão do TCC, devem seguir as orientações
preconizadas no Regulamento de Trabalho de Conclusão de Cursos de Graduação do IFG em
vigor.
O Trabalho de Conclusão de Curso será executado individualmente, sob orientação de
um docente do Departamento que comporta o curso. Excepcionalmente, a critério do docente
orientador e do NDE do curso, pode-se admitir que o Trabalho de Conclusão de Curso seja
executado por até dois discentes, sob orientação de um docente orientador.
A operacionalização dos procedimentos e tramites do TCC é realizada pela coordenação
do curso juntamente com o NDE do curso.

25
5.7.1 Particularidades do TCC

5.7.1.1 Definição de temas e do professor orientador

Todos os docentes do curso terão que apresentar à coordenação do curso os temas para
TCC. Após passar pela anuência do NDE do curso, a coordenação de curso, previamente,
publicará os temas aos discentes aptos a fazer o TCC, que por sua vez, deverão escrever o seu
pré-projeto em cima de um tema proposto pelos docentes. Posteriormente, o docente responsável
pelo tema emitirá o aceite/rejeite do pré-projeto. Em caso de aceite, o pré-projeto será
encaminhado ao NDE (Núcleo Docente Estruturante) do curso para os devidos
procedimentos/encaminhamentos. Em caso de rejeite, os discentes poderão solicitar ao NDE do
curso a reavaliação que culminou no rejeite do pré-projeto. Ainda, em caso de rejeite, os
discentes poderão escrever outro pré-projeto em outro tema, previamente disponibilizado pela
coordenação, em regime de segunda chamada. Cada docente poderá orientar até 2 (dois)
Trabalhos de Conclusão de Curso. Excepcionalmente, a critério do NDE (Núcleo Docente
Estruturante) do curso, o docente poderá orientar até 4 (quatro) Trabalhos de Conclusão de
Curso.

5.7.1.2 Forma de apresentação de trabalho

O TCC será escrito conforme as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas


(ABNT) em vigor, as quais preconizam as formas de escrita dos trabalhos técnicos-científicos,
levando em consideração a forma de apresentação do trabalho.
A critério do docente orientador, o TCC poderá ser apresentado e defendido em dois
formatos: Monografia ou Artigo Científico. No formato de Artigo Científico, fica condicionado à
submissão de, pelo menos, um artigo a revistas com classificação mínima Qualis B2 para, assim,
caracterizar entrega da versão final.

5.7.1.3 Avaliação do TCC e formação da banca examinadora

A avaliação final do TCC é feita por meio de uma banca examinadora composta,
obrigatoriamente, pelo docente orientador, na figura de presidente da banca, por um docente do
Departamento, prioritariamente, o docente do quadro da grande área ligada ao tema, e, por um
docente/profissional convidado, pertencente à instituição ou não, que atua/atuou com o tema do
trabalho. Para definir qual docente ocupará a cadeira como membro do Departamento, será feito
um sorteio entre os professores da grande área ligada ao tema. A critério do docente orientador e
do NDE do curso, poderá ser convidado um quarto membro para a banca, bem como, poderão

26
ser convidados docentes/profissionais de outras instituições para compor a banca, desde que o
visitante atua/atuou com atividades vinculadas ao tema.
Excepcionalmente, os componentes da banca examinadora, por motivo de necessidade
dos professores e/ou da coordenação do curso, poderão ser mudados até 7 (sete) dias antes da
data prevista para a defesa, quando então deverão ser definitivamente formalizadas.

5.7.1.4 Defesa do trabalho e forma de depósito da versão final

A finalidade da defesa é permitir que o autor explique o projeto executado, bem como,
sane as dúvidas dos membros da banca surgidas durante a leitura do trabalho impresso.
As defesas serão realizadas nas dependências do IFG Câmpus Goiânia, em sessão
pública. O discente fará a defesa oral e expositiva do seu trabalho à banca examinadora por meio
de apresentação de slides. Após a defesa do TCC, cada examinador atribuirá nota de 0,0 (zero) a
10,0 (dez). A nota final será a média aritmética das notas de cada examinador. Será considerado
aprovado o aluno que obtiver média igual ou superior a 6,0 (seis) e reprovado, o aluno que
obtiver média inferior a 6,0 (seis). O discente reprovado deverá matricular-se novamente na
disciplina, iniciando um novo ciclo ou dando continuidade ao já iniciado, a critério do docente
orientador e do NDE do curso.
O discente deverá entregar ao docente orientador, em data não posterior a 15 (quinze)
dias da data marcada para a defesa do trabalho, 03 (três) cópias do trabalho finalizado, que por
sua vez, serão entregues aos membros da banca examinadora. Sugere-se que o discente leve para
a defesa uma cópia do trabalho para fazer as devidas anotações sugeridas pela banca
examinadora.
A banca examinadora será divulgada pela coordenação do curso, com antecedência
mínima de 20 (vinte) dias da data marcada para defesa do trabalho.
O NDE do curso definirá o período dedicado exclusivamente para as defesas dos TCC’s.
Sugestivamente, o NDE do curso definirá, no início de cada período letivo, os dias dedicados
exclusivamente às defesas.
O depósito do trabalho final será feito em mídia eletrônica, com arquivos na
extensão .pdf, gravados em CD. Deverão ser entregues 5 (cinco) discos compactos (CD)
devidamente gravados. Na versão final, deverá constar a ficha catalográfica emitida pelo
bibliotecário da Instituição. O trabalho final para depósito será aceito/recebido somente mediante
a apresentação de uma declaração, assinada pelo docente orientador, indicando que o discente
concluiu todas as etapas do TCC e entregou e versão final ao respectivo orientador antes de
efetuar o depósito.

27
5.7.1.5 Atribuições do NDE e disposições finais
Ao NDE do curso reserva-se o direito de definir os temas prioritários para a realização
de TCC, visando atender as atividades de cunho social e/ou tecnológicos e científicos
emergenciais. Bem como, poderão ser desconsiderados como temas prioritários, aqueles que
demandam infraestrutura, recursos, corpo técnico, equipamentos e insumos indisponíveis na
instituição.
Os casos omissos serão resolvidos pela coordenação e NDE do curso.

5.8 INICIAÇÃO CIENTÍFICA

No Câmpus Goiânia, a Coordenação de Pesquisa e Inovação tem a função de promover


e executar os programas de pesquisa e inovação inseridos nas atividades acadêmicas em atenção
às orientações da Gerência de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão. Entre suas atribuições,
compete ao setor promover ações que garantam a articulação entre o ensino, a pesquisa e a
extensão e incentivar professores e estudantes a elaborarem projetos de pesquisa e inovação de
interesse institucional e social.
Para os estudantes de graduação do IFG existem os seguintes programas de iniciação à
pesquisa respaldados pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPPG): Programa de
Iniciação à Pesquisa (PIBIC), Programa de Iniciação Tecnológica (PIBIT), Programa de
Iniciação Científica Voluntária (PIVIC), Programa Ciência sem Fronteiras e Jovens Talentos para
a Ciência. A instituição disponibiliza bolsas para alunos que participam desses programas, bem
como, auxílios financeiros para que estes acadêmicos apresentarem seus trabalhos em eventos
científicos.
A participação em Programas de Iniciação Científica configura uma das atividades
complementares mais importantes durante o curso na qual o aluno passa a fazer parte de uma
equipe de pesquisa, tornando-se responsável pelo desenvolvimento de um tema e do próprio
conhecimento organizado. Esse tema se encaixa em trabalhos maiores, envolvendo ainda outros
alunos de graduação e pós-graduação. O aluno aprende técnicas não desenvolvidas em sala de
aula e acaba por se especializar no assunto abordado. Além do conhecimento adquirido durante a
execução da pesquisa, o acadêmico desenvolve sua capacidade de trabalho, independência e
responsabilidade.
A participação do aluno em projetos de pesquisa dos Programas de Iniciação Científica
e Tecnológica como titular do projeto, bolsista ou voluntário, facultará a integralização de 30
horas de atividade complementar, desde que esta participação tenha sido concluída e considerada
satisfatória pelo professor responsável.

28
5.8.1 Programa Ciência sem Fronteiras no IFG

O Ciência sem Fronteiras é um programa que busca promover a consolidação,


expansão e internacionalização da ciência e tecnologia, da inovação e da competitividade
brasileira por meio do intercâmbio e da mobilidade internacional. A iniciativa é fruto de esforço
conjunto dos Ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e do Ministério da
Educação (MEC), por meio de suas respectivas instituições de fomento – Conselho Nacional de
Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Coordenação de Aperfeiçoamento de
Pessoal de Nível Superior (Capes) e Secretarias de Ensino Superior e de Ensino Tecnológico do
MEC.
O projeto prevê a utilização de bolsas para promover intercâmbio, de forma que alunos
de graduação e pós-graduação façam estágio no exterior com a finalidade de manter contato com
sistemas educacionais competitivos em relação à tecnologia e inovação. Além disso, busca atrair
pesquisadores do exterior que queiram se fixar no Brasil ou estabelecer parcerias com os
pesquisadores brasileiros nas áreas prioritárias definidas no Programa, bem como criar
oportunidade para que pesquisadores de empresas recebam treinamento especializado no
exterior.
No Câmpus Goiânia, antecipando à regulamentação do programa governamental
CIÊNCIA SEM FRONTEIRA, uma aproximação com universidades alemãs foi estabelecida por
iniciativa de um grupo de professores da área tecnológica de química. Assim, em 2009, dois
estudantes do curso de tecnologia em química agroindustrial do câmpus foram aprovados em
processo seletivo e realizaram programas de estudos e pesquisa na Alemanha, um intercâmbio
resultante da cooperação entre o IFG e a Universidade de Ciências Aplicadas de Trier (UCB/FH
Trier).
Mais tarde, em 2011, o Câmpus Goiânia teve a oportunidade de receber um aluno do
curso de Engenharia Industrial/ Planejamento Ambiental da UCB/FH Trier – Campus de Meio
Ambiente de Birkenfeld, na Alemanha.
Em 2012, seis alunos do IFG fizeram graduação sanduíche no exterior, beneficiados
pelo Programa Ciência sem Fronteiras. Os alunos do IFG estudaram em universidades dos
Estados Unidos, Suécia, Itália, Austrália e Canadá, onde tiveram oportunidades acadêmicas de
agregar novos conhecimentos à formação superior. Já em 2013 foram dezesseis alunos do IFG
selecionados para intercâmbio pelo Programa Ciência sem Fronteiras.
Em 2014, 121 alunos de diversos Câmpus do IFG se inscreveram no programa Ciência
sem Fronteiras e 95 deles tiveram suas inscrições homologadas para estudar no Canadá, Estados
Unidos, Japão, Austrália e em países da Europa. É importante ressaltar que a maioria destes

29
discentes que tiveram suas inscrições homologadas são alunos de cursos de engenharia, campo
prioritário de interesse do Programa Ciência sem Fronteiras.

5.9 PROJETOS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

5.9.1 Núcleo de Estudo e Pesquisa em Engenharia Civil e Meio Ambiente (NUPE ENCIMA)

Inseridos em um mundo complexo, que envolve questões de ordem política, econômica,


social, cultural, no qual os desafios ambientais se agigantam, é imperioso que a sociedade
contemporânea elabore novas ideias e soluções de desenvolvimento que considerem as relações
conflituosas existentes entre sociedade e ambiente.
Reconhecendo os conflitos ambientais provenientes das atividades da Engenharia Civil,
professores da Área de Construção Civil, em conjunto com docentes da área de Meio Ambiente
propuseram, em julho de 2015, a criação do Núcleo Estudos e Pesquisas em Engenharia Civil e
Meio Ambiente (NUPE ENCIMA) que visa aprofundar o conhecimento científico nas áreas de
materiais, componentes da construção civil e instalações prediais; planejamento integrado dos
recursos hídricos, drenagem urbana e controle/prevenção de enchentes; processos simplificados,
técnicas avançadas e convencionais para o tratamento de água de abastecimento e residuárias;
resíduos sólidos, domésticos e industriais; microbiologia aplicada, engenharia sanitária e
qualidade do ar, das águas e do solo; manejo, conservação do solo, recuperação e gestão de áreas
degradadas.
As linhas de pesquisa do Núcleo ENCIMA estão inseridas no contexto de interação entre
Engenharia Civil e Meio ambiente, na tentativa de construir de maneira interdisciplinar a
oportunidade de consolidação do conhecimento entre os discentes do IFG, por meio de projetos
de pesquisa que contemplam iniciação científica, trabalhos de conclusão de cursos, pesquisas
fomentadas por órgãos e fundações externas ao IFG, além de atendimento a programas de
estágios e de monitorias .
O NUPE ENCIMA pretende que seus estudos proporcionem produções científicas, tais
como monografias, artigos, palestras, desenvolvimento de processos e de tecnologia, entre
outros, além de consultorias especializadas, principalmente os referentes à otimização de
processos e a elaboração e gerenciamento de projetos com vistas à sustentabilidade econômica e
ambiental.
Até o presente momento os projetos propostos e em desenvolvimento para o NUPE
ENCIMA abarcam:

 10 Trabalhos de Conclusão de Curso – TCC’s;

30
 04 Projetos de Pesquisa PIBITI contemplados pelo Edital nº 003/2015-PROPPG;
 02 Projetos de pesquisa fomentado pela FAPEG – Chamada Pública nº05/2012 – FAPEG
Universal;
 01 Projeto de Pesquisa oriundo de orientação de Mestrado;
 02 Projetos de Pesquisa provenientes de Teses de Doutorados de docentes do IFG-
Campus Goiânia membros do NUPE ENCIMA

As professoras Patrícia Layne e Fernanda Porsh Rios são respectivamente a líder e vice-
líder do núcleo e compartilham a fundação do núcleo junto com os seguintes pesquisadores e
docentes do IFG, Câampus Goiânia: Rosana Gonçalves Barros, Rosângela Mendanha da Veiga,
João Carlos de Oliveira, Jussanã Milograna, Sandra Kurotsch de Melo, Giovane Batalione,
Vinícius Fagundes Barbara e Waléria Rodovalho. Ainda participam os colaboradores externos
Aline Arvelos Salgado e Marco Antônio Borges Traldi e 27 alunos de cursos superiores de
bacharelado e tecnologia do IFG das áreas de Construção Civil e Meio Ambiente.
O Núcleo de Pesquisa ENCIMA contribuirá, a partir do desenvolvimento de seus
projetos, para a formação de profissionais especializados e pesquisadores para atender às
necessidades do desenvolvimento regional e nacional, propondo soluções para questões das áreas
de atuação do núcleo, além de buscar ampliar e divulgar essas ações através da valorização da
participação em eventos técnicos científicos e a submissão de artigos em periódicos científicos
indexados.

5.9.2 Ações de Extensão

O trabalho institucional de extensão é compreendido como um processo político-social de


caráter interdisciplinar educativo, científico, tecnológico, filosófico, esportivo e cultural, com o
objetivo de proporcionar a integração e o diálogo do IFG com a sociedade, possibilitando a troca
de saberes sistematizados, com a intenção de produzir conhecimento a partir do confronto com a
realidade social. Visa atingir contingentes da população para além daqueles já atendidos pelas
modalidades de ensino regularmente ofertadas. Dentre as principais atividades de extensão do
IFG podem ser citadas:

 Fórum Mundial de Educação Profissional e Tecnológica (FMEPT), com a participação de


gestores, docentes e discentes no evento que surgiu do Fórum Mundial de Educação e do
Fórum Social Mundial
O evento tem o apoio do Ministério da Educação (MEC) e do Conselho Internacional e
do Comitê Organizador do qual o IFG fez parte por meio da Pró-Reitoria de Extensão e da

31
Coordenação de Relações Internacionais. É parte de um movimento pela cidadania e pelo direito
universal à educação que reúne instituições, entidades e associações do mundo inteiro. A
programação do evento conta com conferências, palestras e debates, apresentações culturais,
mostras tecnológicas, oficinas, além de feiras temáticas.
 Jogos dos Institutos Federais (JIF)
Acontecimento marcante no calendário da programação de eventos do IFG. O evento,
que já está em sua 4ª edição, foi realizado, em 2015, no Câmpus Goiânia e teve, além das
competições em várias modalidades esportivas, diversificadas atividades voltadas para
estudantes da Instituição. O JIF tem como finalidade o fortalecimento da educação física e do
desporto na Instituição e ainda é ação fortalecedora da integração entre alunos e servidores dos
vários Câmpus.
 Festival de Artes de Goiás
Evento que leva arte e cultura local e nacional para a comunidade interna e externa do
IFG. É realizado no Câmpus na Cidade de Goiás com a participação de agentes de todos os
demais câmpus e reúne apresentações e momentos de discussão a respeito da dança, da música,
do teatro, das artes visuais e da produção audiovisual.
 Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SECITEC)
Evento que mobiliza servidores e estudantes da instituição com a promoção de diversas
ações internas, atividades acadêmicas e culturais de divulgação do que se produz e se elabora
dentro da Instituição.
 Semana da Construção civil e Fórum das Áreas de Construção Civil, Geomática e
Transportes
Os eventos oportunizam a aquisição de conhecimentos sobre técnicas, processos e
equipamentos modernos nas áreas englobadas pelos três campos envolvidos e que compõe o
chamando Departamento de Áreas Acadêmicas III (DAA III) do Câmpus Goiânia e que promove
o evento. Profissionais de destaque e pesquisadores de instituições de ensino superior são
convidados para falar aos participantes durante palestras e mesas-redondas. Infraestrutura,
sustentabilidade e mapeamento em cidades e construções são os temas principais abordados
nestes eventos.
 Simpósio de Pesquisa, Ensino e Extensão (Simpeex),
O Simpeex é uma ação que engloba as áreas de Ensino, Pesquisa e Pós-Graduação e
Extensão e tem por objetivo integrar esses âmbitos institucionais e promover atividades para toda
a comunidade. Abordando temas relacionados à Educação, Ciência e Diversidade, o Simpeex
incorporada atividades diversificadas, visando públicos diversos, sobretudo os alunos da
Instituição.

32
Durante este simpósio tem se consolidado a ocorrência de eventos particulares destinados
à discussão, reflexão e melhoria dos programas que alimentam a Pesquisa, Ensino e Extensão na
Instituição; tais como:
1. Diálogos com a Educação de Jovens e Adultos (EJA) e com a Educação À
Distância (EAD);
2. Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID), Programa
Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), o Programa Institucional de Bolsas de
Iniciação Científica no Ensino Médio (PIBIC-EM) e do Programa Institucional de Bolsas de
Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI) do Instituto Federal de Goiás
(IFG).
3. Simpósio Gênero e Diversidade;
4. Avaliação das Políticas e das Ações de Assistência Estudantil.
5. Programa Institucional de Incentivo à Participação em Eventos Científicos e
Tecnológicos para Servidores do IFG (PIPECT/IFG) e o Programa Institucional de Incentivo
para Estudantes do IFG apresentarem trabalhos em Eventos Científicos e Tecnológicos
(PAECT).

5.9.3 Educação Ambiental

O adjetivo ambiental designa uma classe de características que qualificam a prática


educativa, diante da crise ambiental que ora o mundo vivencia. Entre essas características, está o
reconhecimento de que a educação tradicionalmente tem sido não sustentável, assim como os
demais sistemas sociais, e que para permitir a transição societária rumo à sustentabilidade,
precisa ser reformulado.
Educação Ambiental, portanto é o nome que historicamente se convencionou dar às
práticas educativas relacionadas à questão ambiental. Assim, “Educação Ambiental” designa
uma qualidade especial que define uma classe de características que juntas, permitem o
reconhecimento de sua identidade, diante de uma Educação que antes não era ambiental.
Em 1999 foi instituída a Política Nacional de Educação Ambiental, por meio da Lei Nº
9.795 que estabelece a obrigatoriedade da educação ambiental e indica sua presença na forma
articulada, em todos os níveis e modalidades do processo educativo. Este conceito se consolidou
mais tarde com a organização das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental,
em 2012, que indica que a Educação Ambiental, respeitando a autonomia da dinâmica escolar e
acadêmica, deve ser desenvolvida como uma prática educativa integrada e interdisciplinar,

33
contínua e permanente em todas as fases, etapas, níveis e modalidades, não devendo, como regra,
ser apenas implantada como disciplina ou componente curricular específico.
Deste modo, o IFG assume a responsabilidade de desenvolver uma educação ambiental
crítica, que tem suas raízes nos ideais democráticos e emancipatórios do pensamento crítico e
defende a educação como formadora de sujeitos sociais emancipados, isto é, autores de sua
própria história, buscando religar o conhecimento do mundo à vida dos educandos para torná-los
leitores críticos do seu mundo.
Inspirado neste conceito, o grupo de professores da Engenharia Civil do Câmpus Goiânia
assume uma posição de educação imersa na vida, na história e nas questões urgentes de nosso
tempo, com a intenção de romper com uma visão de educação tecnicista, difusora e repassadora
de conhecimentos, acreditando que a educação precisa assumir a mediação na construção social
de conhecimentos implicados na vida dos sujeitos.
É reconhecido que a compreensão de que a natureza/meio ambiente contribui para
entendimento da problemática ambiental. Assim, vai se abandonando o comportamento de
ambientalistas ingênuos que tentam colocar a natureza como princípio perfeito e defendem a
necessidade imperiosa de reconciliação com ela, numa crença absurda de se conseguir viver de
modo harmônico com ela, desconsiderando que a sociedade é, por si mesma, conflituosa e
contraditória.
Tem-se clareza de que em muitas situações os políticos, os empresários e os economistas
colocam a exploração e a poluição como preço que se paga pelo progresso, tratando a
degradação ambiental apenas como externalidades negativas, e que o uso de expressões como:
“Impacto antrópico”/ “agressão humana”/ “o homem polui“ – vem para a diluição velada das
responsabilidades.
No entanto, em todo o tempo de formação acadêmica do discente de Engenharia Civil no
IFG é assumida a responsabilidade de se questionar as relações sociais e os modos de produção
capitalista, caso contrário, a educação ambiental ficaria restrita a apenas mostrar os problemas e
suas gravidades, sem contemplar o mais importante que é evitá-los, mitigá-los e resolvê-los.
Procura-se evitar práticas pedagógicas focadas essencialmente em ações para mudança de
comportamento, que trazem um discurso com forte apelo moral e de “culpabilização” do sujeito
individual, pois não basta a sensibilização do sujeito, é necessário repensar a visão de Natureza e
Meio ambiente, compreendendo-o como um lugar determinado e percebido onde os aspectos
naturais e sociais estão em relação dinâmica e em constante interação.

34
6. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM

A avaliação é entendida como um processo abrangente e contínuo. Ela se dá através do


acompanhamento das diversas atividades que integram a vida acadêmica do aluno, elegendo
como conteúdos: os conceituais, os procedimentais e os atitudinais. Portanto, aspectos
quantitativos e qualitativos integram equitativamente o processo avaliativo. Por essa razão, o
professor deve propor metodologias diversificadas, que contemplem diferentes contextos e
modalidades, adequando os mesmos às características de cada disciplina. Nesse contexto a
periodicidade das avaliações e a modalidade envolvida também podem diferenciar conforme a
disciplina, sendo pautadas por regulamentação específica da instituição (VER APÊNDICE 2).

7. FUNCIONAMENTO E METODOLOGIA

As aulas do Curso de Graduação em Engenharia Civil são ministradas de segunda a


sexta feira no período noturno e no sábado no período matutino.
A entrada de alunos no curso é anual e de 30 alunos/ano, realizada no primeiro semestre
do ano com um regime de disciplinas semestral. O curso tem a duração normal e mínima de 5
(cinco) anos, divididos em 10 (dez) períodos, sendo que o tempo para a efetiva integralização do
curso é de 20 (vinte) semestres ou períodos letivos. Para o cumprimento da carga horária
especificada para cada período contam-se 18 (dezoito) semanas letivas por semestre com o
número mínimo de 100 (cem) dias letivos.
A alteração para o regime de entrada semestral, de modo a compatibilizar
adequadamente com o regime de disciplinas, como estruturado no PPC original, foi solicitada à
Direção do Câmpus Goiânia e à Reitoria para o ano de 2016.
Os conteúdos das disciplinas são transmitidos por meio de aulas teóricas, aulas práticas
ou experimentais, de laboratório e de campo, realização de visitas técnicas a empresas e obras,
realização de palestras técnicas e participação em eventos técnicos e científicos da área. A meta
do curso é a formação integral do aluno, instrumentalizando-o para que possa ter, além do
conhecimento científico, o senso crítico para utilizá-lo.
A autorização de funcionamento do curso foi concedida pelo Conselho Superior do IFG
em por meio da Resolução nº 41 de 13 de novembro de 2012 e consta do Apêndice 1 deste
documento.

7.1 ACESSIBILIDADE FÍSICA NO CÂMPUS GOIÂNIA

35
A Norma Brasileira 9050 (NBR 9050) da Associação Brasileira de Normas Técnicas
(ABNT) define acessibilidade como “possibilidade e condição de alcance para utilização, com
segurança e autonomia, de edificações, espaço, mobiliário e equipamentos urbanos”.
A Assembleia Geral das Nações Unidas (Brasil, 1948) proclamou a Declaração Universal
dos Direitos Humanos, na qual reconhece que “Todos os seres humanos nascem livres e iguais,
em dignidade e direitos (Art. 1º.), em seu Artigo 26, inciso I, estabelece que toda a pessoa tem
direito à educação e essa deve ser gratuita.
Desde 02 de dezembro de 1999, vem ocorrendo um considerável avanço no que se trata
de acessibilidade aos espaços de ensino superior ao ser publicada a portaria n.º 1.679 que
assegura aos portadores de necessidades especiais e sensoriais condições básicas de acesso ao
ensino superior, de mobilidade e de utilização de equipamentos e instalações das instituições de
ensino, tendo como referência à NBR 9050.
A dificuldade de acesso físico, não se restringe apenas aos chamados deficientes e
cadeirantes, mas também àqueles que possuem mobilidade reduzida temporária (gerada por
fatores como idade, gravidez, deficiência auditiva ou visual) ou definitiva. Por isso existe a
necessidade da construção ou adaptação de edifícios para que sejam acessíveis a todos, sendo
frequente e contínua as intervenções para o melhoramento, otimização e ampliação dos quesitos
de acessibilidade no Câmpus Goiânia, considerando a diversificada condição dos prédios, dentre
os quais se incluem edifícios que constituem patrimônio de interesse e histórico artístico
nacional.

7.1.1 Aspectos da acessibilidade no Câmpus Goiânia

As entradas do câmpus, as áreas e vagas de estacionamento de veículos, os sanitários e os


equipamentos exclusivos para o uso de pessoas deficientes estão adequadamente sinalizadas.
Há a preocupação da Direção do Câmpus e da Diretoria de Infraestrutura da Reitoria em
ajustar os tipos e materiais dos pisos das edificações, de modo a garantir superfícies regulares,
firmes, estáveis e antiderrapantes, com inclinação transversal adequada e distinta para pisos
internos e externos, assim como inclinação longitudinal máxima de 5%. Inclinações superiores a
5% são consideradas rampa. As rampas compõem o sistema básico de circulação vertical dos
edifícios do câmpus e têm áreas de descanso nos patamares intercaladas por, no máximo, 25m de
percurso.
Os corredores, elementos de circulação horizontal e de distribuição do, estão
dimensionados de acordo com o fluxo de pessoas e a legislação construtiva pertinente ao período

36
do projeto do edifício, assegurando a inexistência de barreiras ou obstáculos com as intervenções
físicas possíveis.
O conjunto de sanitários acessíveis obedece aos parâmetros estabelecidos no que diz
respeito à instalação de bacias, mictórios, lavatórios e acessórios, como barras de apoio, além das
áreas de circulação, transferência, aproximação e alcance. Os sanitários localizam-se em rotas
acessíveis, próximos à circulação principal, preferencialmente próximo ou integrado às demais
instalações sanitárias.

7.2 ATENDIMENTO AO DISCENTE

O Câmpus Goiânia dispõe das atividades direcionadas para o atendimento ao aluno.

7.2.1 Assistência Estudantil

A Coordenação de Assistência Estudantil (CAE) tem a função de promover e efetivar o


atendimento assistencial ao alunado e é subordinada à Gerência de Pesquisa, Pós-Graduação e
Extensão do Câmpus, setor responsável pelo desenvolvimento das políticas de inclusão social, de
apoio e assistência ao estudante, na perspectiva de atendimento às suas expectativas,
necessidades e carências, para a viabilização de sua permanência, desenvolvimento e conclusão
de curso, projeto ou outras ações sociais promovida pelo IFG.
A Coordenação de Assistência Estudantil atualmente oferece os seguintes programas
aos alunos em situação de vulnerabilidade: Auxílio Alimentação, Auxílio Permanência e Auxílio
Transporte. Além disso, a CAE atua ainda nos campos de assistência à saúde e de serviço social.
Na área da saúde, são disponibilizados médico, dentista e técnica em enfermagem. Todos eles
atendem os alunos no que tange às suas necessidades emergenciais e outras de longo prazo.
Quanto ao serviço social, o atendimento é realizado por equipe especializada, incluindo
atendimento psicológico, que auxiliam os alunos com problemas de ordem emocional.

7.2.2 Atendimento ao discente pelo departamento

O curso de Bacharelado em Engenharia Civil do Câmpus Goiânia está vinculado ao


Departamento III. Para atender o aluno nas suas necessidades e expectativas, o Departamento
possui uma Coordenação de Apoio Pedagógico ao Discente, composta por uma pedagoga, uma
psicóloga e uma assistente de discentes. As atividades permanentes dessa coordenação são:
recepção dos alunos ingressantes, acompanhamento escolar de alunos e de turmas, reunião de
pais e responsáveis, auxílio na resolução de conflitos, orientações a alunos e pais, participação

37
em colegiados, conselhos e comissões, encaminhamentos de diversas naturezas. Além da
Coordenação de Apoio Pedagógico ao Discente, o departamento conta com a Coordenação
Acadêmica e a Coordenação do Curso de Engenharia Civil, que contemplam, dentro das suas
atribuições, o atendimento ao aluno.

7.3 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO APLICADA AO CURSO

A Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) engloba um conjunto de recursos


tecnológicos interligados entre si, proporcionados por meio de hardware, software e
telecomunicação, que permitem o trânsito de informações entre os organismos envolvidos no
processo. No curso de Engenharia Civil do Câmpus Goiânia, a TIC está sendo implantada
gradativamente através de diversos mecanismos que poderão se apresentar de forma global e
localizada.
Em termos globais, a informatização permitirá que informações de interesse do curso
possam ser viabilizadas através da elaboração de Home Page, onde notícias, informações,
conteúdos de interesse geral serão disseminadas e circuladas livremente entre o público
interessado. Em sala de aula, o uso da TIC deve permitir que estratégias pedagógicas sejam
empregadas com o uso de recursos computacionais no contexto educativo (data show, DVD,
televisor, computador, retroprojetor), o que proporciona um padrão de ensino mais interativo,
aberto e dinâmico. Isso permitirá que o aluno desempenhe um papel mais dinâmico no seu
processo de aprendizagem, pois o docente poderá utilizar de ambientes virtuais de aprendizagem,
da produção e publicação de materiais didáticos digitais, e também recursos multimídias em
âmbito de educação presencial.
Para o desenvolvimento de atividades práticas são disponibilizados laboratórios de
informática equipados com computadores, impressoras e outros dispositivos inerentes aos
procedimentos didáticos, além da disponibilidade de softwares licenciados para utilização em
aulas teóricas. O campus possui uma cinemateca, dois anfiteatro e um teatro, como instalações
disponíveis para a realização de atividades aplicadas no curso.

7.4 AUTOAVALIAÇÃO DO CURSO

A avaliação tem como principais objetivos produzir conhecimentos, reestruturar o


conjunto de atividades e finalidades a serem cumpridas pelo curso, identificar as causas de
problemas e deficiências, aumentar a consciência pedagógica e acapacidade profissional do
corpo docente e técnico-administrativo, fortalecer as relações de cooperação entre os diversos

38
atores institucionais, tornar mais efetiva a vinculação da Instituição com a comunidade, julgar
acerca da relevância científica e social das atividades e produtos do curso.
A avaliação do curso pode ser feita através:
I. Dos resultados obtidos da aplicação do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes,
resultados estes contidos no Relatório da Instituição disponibilizado pelo Instituto de Estudos e
Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP);
II. Da análise dos dados da aplicação do Questionário Socioeconômico respondido por
ingressantes e concluintes de cada um dos cursos participantes do referido exame, resultados
estes contidos no Relatório da Instituição disponibilizado pelo Instituto de Estudos e Pesquisas
Educacionais Anísio Teixeira (INEP);
III. Do Colegiado de áreas Acadêmicas do Departamento, onde o mesmo tem como
atribuição: propor e aprovar, no âmbito do departamento, projetos de reestruturação, adequação e
realocação de ambientes do departamento, a ser submetido à Direção-Geral do Câmpus, bem
como emitir parecer sobre projetos de mesma natureza propostos pela Direção-Geral;
IV. Do Conselho Departamental, onde o mesmo tem como atribuições: aprovar os planos de
atividades de ensino, pesquisa e extensão no âmbito do departamento; julgar questões de ordem
pedagógica, didática, administrativa e disciplinar no âmbito do departamento;
V. Da avaliação dos professores do curso pelos discentes, auto-avaliação do professor,
avaliação do professor pelo coordenador de curso, conduzidas pela CPPD – Comissão
Permanente de Pessoal Docente;
VI. Dos relatórios de estágios curriculares de alunos;
VII. Do envolvimento prévio da CPA – Comissão Própria de Avaliação, instituída pelo
SINAES, na organização do processo de avaliação dos cursos;
VIII. Do NDE – Núcleo de Docente Estruturante, grupo de docentes com atribuições
acadêmicas de acompanhamento, atuante no processo de concepção, consolidação e contínua
atualização do projeto pedagógico do curso.
IX. Da Semana de Educação, Ciência e Tecnologia do IFG. Evento anual com participação de
empresas e encontro de egressos.

7.5 CERTIFICADOS E DIPLOMAS EXPEDIDOS AOS CONCLUINTES

É concedido pelo IFG o Certificado de Bacharel em Engenharia Civil ao aluno que


concluir todas as atividades previstas na matriz curricular do Curso, alcançar aprovação em todas
as disciplinas e obtiver, pelo menos, 75% (setenta e cinco por cento) de frequência em cada
disciplina que integra a estrutura curricular.

39
8. PESSOAL DOCENTE E TÉCNICO – ADMINISTRATIVO

A seguir são apresentados os quadros de pessoal docente e técnico administrativo no


Câmpus Goiânia que atuam no curso de Engenharia Civil. A complementação desses quadros
deve ocorrer segundo as necessidades do câmpus e demandas do curso.

Quadro 1 – Corpo docente do curso, formação e regime de trabalho – Núcleo profissional e


específico

Docente – Núcleo Profissional e Regime de


Formação Titulação
Específico Trabalho
ANTÔNIO HENRIQUE CAPUZZO Eng. Civil Mestre/Doutorando DE
CARLOS ABERTO SQUEFF SAHB Eng. Civil Mestre DE
CLAUDIO MARRA ALVES Eng. Civil Mestre 40 horas
DÁLCIO RICARDO BOTELHO ALVES Eng. Agrícola Doutor DE
Tecnologia em
DOUGLAS PEREIRA DA SILVA
PITALUGA
Construção Mestre DE
Civil
EDISON DE ALMEIDA MANSO Eng. Civil Mestre/Doutorando DE
ELIAS CALIXTO CARRIJO Eng. Civil Doutor 40 horas
ENIO RODRIGUES MACHADO Eng. Civil Mestre/Doutorando DE
Eng. de
FABIO CAMPOS MACEDO Doutor DE
Agrimensura
FÁBIO DE SOUZA Arquitetura Mestre/Doutorando DE
FERNANDA POSCH RIOS Eng. Civil Doutora DE
GIOVANE BATALIONE Eng. Civil Mestre DE
GLYDSON RIBEIRO ANTONELLI Eng. Civil Mestre DE
Tecnologia em
HALAN FARIA LIMA Mestre DE
agrimensura
HUMBERTO RODRIGUES MARIANO Eng. Civil Mestre DE
JOÃO CARLOS DE OLIVEIRA Eng. Civil Doutor DE
JOÃO DIB FILHO Eng. Elétrica Mestre/Doutorando DE
JUSSANA MILOGRANA Eng. Civil Doutora DE
LIANA DE LUCCA JARDIM BORGES Eng. Civil Doutora DE
MATILDE BATISTA MELO Eng. Civil Mestre DE
MARIANA DE PAIVA Eng. Civil Doutora DE
MURILO FERREIRA PARANHOS Arquitetura Mestre DE
PATRÍCIA LAYNE ALVES TRALDI Arquitetura Doutora DE

40
PAULO CÉSAR PEREIRA Eng. Civil Mestre DE
PAULO FRANCINETE SILVA JÚNIOR Eng. Civil Mestre/Doutorando DE
RICARDO ALVES CARDOSO Eng. Civil Mestre 40 horas
RICARDO ALCANTARA FERREIRA Eng. Civil Especialista/Mestrando DE
SANDRA KUROTUSCH DE MELO Eng. Civil Mestre DE
VALDEIR FRANCISCO Eng. Civil Doutor DE
VINÍCIUS CARRIÃO DOS SANTOS Arquitetura Mestre DE
WESLEY PIMENTA MENEZES Eng. Civil Especialista DE
Legenda:
DE: Dedicação Exclusiva

Quadro 2 – Corpo docente do curso, formação e regime de trabalho – Núcleo Básico

Regime de
Docente – Núcleo Básico Formação Titulação
Trabalho
CLÁUDIO JOSÉ DA SILVA Física Doutor DE
LEONARDO SANTIAGO LIMA
MARENGÃO
Física Mestre DE
FABIANO CAETANO DE SOUZA Física Doutor DE
BREYTNER RIBEIRO MORAIS Física Especialista DE
LUCAS NONATO DE OLIVEIRA Física Pós-doutor DE
KARISE GONÇALVES DE OLIVEIRA Matemática Doutora DE
RICARDO VIDAL GOLOVATY Ciências Sociais Doutor DE
TAÍSE TATIANA QUADROS DA SILVA História Doutora DE
SORAYA BIANCA REIS DUARTE Fonoaudiologia Mestre DE
Legenda:
DE: Dedicação Exclusiva

O suporte administrativo, relacionado especificamente ao curso de Engenharia Civil se


dá nas instâncias dos laboratórios, do apoio ao discente e nas atividades administrativas do
Departamento III. O Quadro 3 relaciona o corpo técnico-administrativo e suas funções.

Quadro 3 - Formação do corpo técnico-administrativo vinculado ao Departamento III

Nome Formação Titulação Função


Tecnologia em
BENEDITA ALVES DA
SILVA Planejamento de Graduação Apoio Administrativo
Transportes
Tecnologia em
DANYLLO DIAS. R. DE Técnico em Laboratório
OLIVEIRA
Planejamento de Graduação
de Transportes
Transportes
KENEDY SOUSA
MORAES
Ensino Médio Apoio Administrativo

41
MARTA HELENA DE Coordenadora
MORAES Ensino Médio
Administrativa
SANDRO BORGES Tecnologia em Estradas Técnico do Laboratório
VALE
Graduação
/Engenharia Civil de Solos
Técnico/ Técnico do Laboratório
SÉRGIO AZEVEDO
COELHO
Técnico em edificações Graduando em de Materiais de
Eng. Civil Construção
PAULA ADORNELAS
DE OLIVEIRA
Bacharel em Direito Graduação Apoio Discente

Tecnologia em Construção Técnico do Lab. de


ALFREDO PORTELLA Graduação
de Edifícios Mecânica dos Fluidos
RIVADÁVIA ALVES DE
ANDRADE JÚNIOR
Ensino Médio Assistente de Alunos
CLÁUDIA MARIA
OLIVEIRA SANTANA
Pedagogia Graduação Pedagoga

JÚLIA ANDRÉS ROSSI Psicologia Graduação Psicóloga

9. COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

Será instituído o Colegiado do Curso de Bacharelado em Engenharia Civil do IFG –


Câmpus Goiânia, cuja regulamentação está em estudo no NDE. Pretende-se criar com o
colegiado uma instância permanente e deliberativa responsável pela fixação das diretrizes
didático-pedagógicas do curso e atuará no planejamento, acompanhamento e avaliação das
atividades de ensino, pesquisa e extensão a partir da contribuição de discentes, docentes e
servidores técnico-administrativos que atuam no curso.

10. INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS

10.1 DEPARTAMENTO DE ÁREAS ACADÊMICAS E COORDENAÇÃO DO CURSO

A Coordenação da área Construção Civil, responsável pelo curso de Engenharia Civil,


está ligada ao Departamento das Áreas Acadêmicas III e compartilha uma área destinada às
funções administrativas de 258,22 m². Este departamento possui salas de coordenação acadêmica
(16,12 m²), chefia departamental (16,51 m²), recepção e coordenação administrativa para
atendimento de agentes internos e externos do departamento (34,53 m²), além dos espaços das
coordenações das áreas de Geomática (12,70 m²), Construção Civil (12,70 m²) e Transportes
(12,70 m²).

42
Neste espaço existem também as salas de reuniões/permanência de docentes (28,18 m²)
e um laboratório de informática (42,25 m²), uma copa (10,10 m²) e uma sala de apoio
acadêmico/administrativo (12,70 m²).
Trabalham neste ambiente sete técnico-administrativos e cinco servidores docentes
ocupando os cargos/funções de chefia departamental, de coordenação acadêmica, de
coordenadores de cursos das áreas de Construção Civil e de coordenação das áreas de Geomática
e Transportes.
Esta estrutura permite atendimento nos três turnos dos alunos dos cursos vinculados a
estas coordenações tanto de nível médio/técnico como superior. O atendimento pode ser
realizado de forma individualizada na sala de chefia, coordenação acadêmica e na coordenação
de curso ou de forma coletiva na sala de reunião de docentes.
O departamento conta com dez computadores, uma impressora laser compartilhada e
um scanner. As instalações do departamento encontram-se no terceiro pavimento do denominado
Bloco 700, com acesso por escada, rampa ou elevador.

10.2 BIBLIOTECA

O acervo da Biblioteca Acadêmica do Câmpus Goiânia contribui no contexto do


programa com mais de 17.831 títulos e mais de 36.060 exemplares. A Biblioteca conta com uma
área nova construída de 1.540 m2 (um mil e quinhentos e quarenta metros quadrados), sendo o
espaço para os usuários de 750 m² (atividades de leitura e o atendimento aos usuários) e 40 m²
para a administração. O número de assentos para os usuários tem a seguinte distribuição:
- Sala de estudo individual, com área de 300 m2, com 104 lugares;
- Sala de estudo coletivo e em grupo, com área de 300 m 2, com mesas de 4, 6, 8 lugares
e um total geral de 116 lugares;
- Sala de projeção de vídeo/multimídia, com área de 118 m2, com 80 lugares;
- Sala de consulta à Internet, com área de 75 m 2, com 25 computadores.
Complementam os espaços da biblioteca a sala de acervo, com capacidade para 50.000
volumes, um espaço cultural para exposições de 75 m 2, além da área de 40 m2 para a Recepção.

10.2.1 Conteúdo e acesso digital

O Portal digital de Periódicos da CAPES é de acesso livre e gratuito para a comunidade


do IFG. Professores, pesquisadores, alunos e funcionários da instituição têm acesso à produção
científica mundial atualizada oferecida por deste serviço da CAPES. A partir de qualquer
terminal ligado à Internet localizado dentro do IFG pode ser feita a pesquisa. E ste recurso é

43
fundamental para os estudantes e os docentes, sobretudo aqueles envolvidos na pós-graduação,
pesquisa e graduação por terem acesso a material científico de qualidade que contribui para uma
maior produtividade intelectual e institucional.
O Câmpus Goiânia também oferece, a alunos e servidores, livre consulta às instruções
normativas publicadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) a partir dos
terminais de computadores do câmpus. Este recurso é resultado de um contrato do IFG,
coordenado pela biblioteca, com aquela instituição e que facilita o desenvolvimento das
atividades acadêmicas baseadas em normativas da sociedade.

10.3 LABORATÓRIOS DA ÁREA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

O Curso de Bacharelado em Engenharia Civil terá à sua disposição um laboratório de


solos e betumes com 4 ambientes para ministrar as atividades de ensino teóricas e práticas, além
de um almoxarifado para armazenamento e manutenção dos equipamentos, e sala de
coordenação, totalizando uma área de 254,39 m 2. Estes ambientes estão identificados como salas
T404, T405, T407B e T408.
O laboratório de materiais de construção civil, por sua vez, é composto de 7 ambientes,
sendo 4 deles adaptados para ministrar aulas teóricas e 3 para ministrar aulas práticas e
desenvolver ensaios de tecnologia, além de uma sala de coordenação. Estes ambientes totalizam
uma área total de 403,37 m 2, identificados como salas T501 e T502. Além destes laboratórios
específicos do curso, o quadro discente tem à sua disposição um laboratório de informática
vinculado à Área de Transportes e o laboratório de material topográfico vinculado aos cursos da
Área de Geomática, ambos pertencentes ao Departamento de Áreas Acadêmicas III do Câmpus
Goiânia.

10.3.1 Laboratório de Materiais de Construção

No ambiente denominado de T501-A, com 55,85 m 2, encontra-se a infraestrutura para a


realização dos ensaios mecânicos destrutivos e não destrutivos, contendo duas prensas universais
e seus dispositivos auxiliares. Esta sala, além de atender a todos as atividades de ensino é
utilizada no desenvolvimento dos trabalhos de conclusão de curso.
O ambiente identificado com T502 é constituído de 3 salas de aula teóricas, totalizando
área de 84,68 m 2, além da sala da coordenação do laboratório, 1 sala teórica-prática (laboratório
2
de argamassa) e um espaço de canteiro de obra, com área de 145,27 m , utilizado para as aulas
das disciplinas das áreas de tecnologias das construções e materiais de construção, durante o
desenvolvimento de atividades práticas. Este ambiente dispõe ainda de duas áreas

44
complementares: uma câmara úmida, com área de 13m 2 e uma sala com isolamento acústico para
realizar ensaios de desgaste por Abrasão Los Angeles e ensaio de granulometria de agregado
graúdo com área de 8,58 m 2.
2
O Laboratório de argamassa é climatizado e conta com área de 80,37 m . Nele são
realizados todos os ensaios pertinentes aos ensaios de argamassas, aglomerantes e agregados. O
ambiente possui equipamentos suficientes para atender à demanda das aulas e atividades de
pesquisa, bem como trabalhos de conclusão de curso.
No laboratório de materiais de construção é possível realizar ensaios de caracterização
física e mecânica de agregados, aglomerantes, concretos, madeira, materiais cerâmicos, materiais
metálicos, e também alguns ensaios especiais com o concreto, definidos pela Associação
Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
A tabela a seguir discrimina os equipamentos disponíveis nos Laboratórios de materiais
de construção.

Qtde. Especificações
1 Acessórios p/ testes de compressão e flexão em corpos de 4x4x16cm
1 Anel dinamométrico cap. Máx. 10000 kgf
1 Anel dinamométrico cap. Máx. 100000 kgf tração/compressão ADCT-100
1 Anel dinamométrico cap. Máx. 2000 kgf
2 Anel dispositivo p/ ensaio de compressão de concreto
6 Base magnética ref. 7011 SN base 50x60x230mm
1 Comparador de expansibilidade C/ padrão de aço ref. 125
1 Cronômetro digital 60min tempo min 60min marque H min seg
1 Dispositivo p/ ensaio de tração mod. C-3015
1 Extensômetro curso: 5mm leit. 0,001mm kaffer Nº 3154
5 Extensômetro digital M/digimess. Resolução 0,01mm faixa 0 a 12mm
2 Extensômetro digital M/silva e resolução 0,001mm faixa 0 a 12mm
1 Extensômetro eletrônico p/ testes de tração em aço c/ RS232
1 Extensômetro mec. P/ determ. De elasticidade 252.01.00, c/ acessórios.
1 Extensômetro mitutoyo leit. 0,01mm curso: 10mm
2 Manômetro p/ medir pressão de água mod. 25 kgf
1 Manômetro p/ medir pressão de água mod. 4 kgf
1 Máquina p/ marcação de refer. Aux. Nas barras de aço EMIC. R. 352.01.00
1 Máquina Universa; de Ensaios c/ acessórios cap. 60 KN
1 Microcomputador proc. 450 MHZ, Window 95/98 M/ tsrct. Pentium
1 Paquímetro de precisão
2 Paquímetro dig. Starret, ref. 727-8/200 resol. 0,01mm
1 Paquímetro quadrimensional cap. 300mm L. 0,05x1/128mm mitutoyo
1 Pêndulo de charpy
1 Prensa hidráulica elétrica, cap. 100 T. c/ subdiv. 200/40 kgf
2 Termômetro hidrográfico instrutherm. Mod. T2-18
14 Agulhas de Le Chatelier
1 Aparelho banho-maria elétrico 220v 301120 c mod. 1063
3 Aparelho de vicat (manual)
1 Aparelho de vicat automático

45
Qtde. Especificações
1 Aparelho permeâmetro de blaine c/ vazador de óleo e papel filtro
1 Argamassadeira monofásica 220V cap. 20litros
1 Balança eletrônica de precisão mosd B DC-5500
1 Balança eletrônica digital cap. 10000mg 110/220v M. marte mod.ALOR
1 Balança eletrônica marte mod. AS5500 cap. 5000g
1 Balança hidrostática cap. 10kg precisão de 0,01 e 0,1g
1 Estufa FANEM Mod. 315 S e tamanho 07
2 Forma p/ moldagem de corpos de prova prismático 24x24x240 mm
1 Fritadeira elétrica NKS c/ cuba cap. 1 litro antiaderente
1 Mesa de laboratório p/ teste de fluxo de consistt. Rot. Manual c/ manivela
1 Microondas 38L 220v 900w
1 Misturador de argamassa motor trif. 0. 3HP 220v c/ acessórios
54 Molde cilíndrico com 5cm de diâmetro e 10cm de altura (padrão NBR 7215)
2 Peneira c/ armação de latão malha 0,075mm
6 Soquetes p/ moldagem de corpos de prova
1 Termo-higrômetro registrador
2 Aparelho medidor de ar incorporado
1 Balança ARJA NR. 2022 cap. 300kg
1 Balança eletrônica com precisão de 20g, carga máxima 100kg
1 Betoneira BSK cap. 100L tipo Plus
1 Betoneira Menegotti sem caçamba dosadora cap. 250L
3 Compressor de ar elétrico, mod MSL 10/75
3 Conjunto completo p/ slump teste do concreto
5 Dispositivo p/ capeamento c/ enxofre de cp 10x20cm
5 Dispositivo p/ capeamento c/ enxofre de cp 15x30cm
5 Dispositivo p/ capeamento c/ enxofre de cp 5x10cm
2 Esclerômetro tipo SHIMIDIT
1 Mangote p/ vibrador c/ agulha diâmetro 35mmx340mm
1 Máquina de ensaios à compressão com capacidade nominal de 120T
2 Máquina elétrica de corte / cerâmica
1 Máquina Extratora
1 Máquina extratora c/ motor elet. Trif. Mod. Ex-50, c 2026 c/ acessórios
2 Máquina p/ corte de materiais cliper mod. BW-II c/ dispositivo diam. Norton
32 Molde cilíndrico com 10cm de diâmetro e 20cm de altura
59 Molde cilíndrico com 15cm de diâmetro e 30cm de altura
1 Morsa de bancada N. 02 somar
2 Nivel laser automático mod. BL100, c/ tripe, nivelador e sist. Elevatório
1 Penetrômetro de solo c/ anel de 100 kgf em estojo metálico
1 Penetrômetro, p/ determinar o tempo de pega do concreto c/ anel dinamômetro.
1 Policorte de bancada p/ corte de aço, fancorte c/ motor 3 CV/220V
2 Régua p/ medição c/ sist. De elevação mod. BLM 260
1 Torno de bancada NR 03 em aço modular
2 Torno de bancada NR 08 em aço modular
1 Ultra-som para concreto
1 Vibrador de imersão para concreto
1 Agitador mecânico p/ agregado miúdo motorizado, bender SN 1192
1 Aparelho med. De retração de corpos de prova em argamassa
1 Balança eletrônica toledo mod. 2027-P SENS, 26R 220VCA 60HZ
1 Conjunto c/ 6 peneiras p/ agregado graúdo completo c/ tampa e fundo

46
Qtde. Especificações
1 Estufa p/ laboratório FANEN. Mod. 315/2, 35x30x40cm, P/200 º C,
1 Fundo p/ peneira de agitador eletromecânico de agregado graúdo
1 Jogo de peneiras c/ armação de latão c/ 8"x2" de comprim. c/ 12 peneiras
2 Jogo de peneiras c/ armação de latão c/ 8"x2" de comprim. c/ 13 peneiras
1 Medidor de volume p/ determinar peso específico absoluto 18x35cm bico sifon.
4 Peneira c/ armação de latão malha 0,15mm
1 Peneira c/ armação de latão malha 0,30mm
1 Peneira c/ armação de latão malha 0,84mm
2 Peneira c/ armação de latão malha 1,2mm
2 Peneira c/ armação de latão malha 12,5mm
2 Peneira c/ armação de latão malha 19mm
1 Peneira c/ armação de latão malha 2,4mm
2 Peneira c/ armação de latão malha 4,8mm
1 Peneira c/ armação de latão malha 6,3mm
1 Peneira c/ armação de latão malha 9,5mm
1 Peneirador eletromagnético p/ peneiras circulares 200mm ALIM 220V
2 Peneirador eletromecânico p/ peneiras quadradas 500x100mm
2 Recipiente metálico p/ determ. De massa unitária diam. 316x316x200mm
1 Recipiente metálico p/ determ. De massa unitária p/ agregado graúdo
1 Recipiente metálico p/ determ. De massa unitária p/ agregado miúdo
1 Tampa p/ peneira de agitador eletromecânico de agregado graúdo

10.3.2 Laboratório de Solos e Pavimentação

O laboratório de Solos e Pavimentação está dividido em quatro ambientes que são


utilizados no desenvolvimento das atividades acadêmicas de ensino e pesquisa. Esses ambientes
ficam disponibilizados para o quadro docente, técnico administrativo, discentes do IFG e
discentes de outras instituições de ensino com as quais se mantêm convênio nos três períodos de
funcionamento da instituição.
2
O Laboratório de Solos I (Sala T-405) é climatizado, possui uma área de 75,56me
destina-se à realização de aulas práticas e teóricas, estando preparado para ensaios pertencentes
ao currículo do curso de engenharia civil. Este ambiente possui equipamentos suficientes para
atender toda a demanda das aulas, além dos trabalhos de conclusão de curso e dispõe inclusive
de equipamentos para reposição. Nesse ambiente são realizados ensaios de caracterização dos
solos, ensaios de compactação, Índice Suporte Califórnia, ensaios de campo, compressão
simples, metodologia MCT (solos tropicais) e outros.
2
O Laboratório de Solos II (Sala T-407 C) é climatizado e possui área de 57,71m . Nele
são realizadas atividades de pesquisa e os ensaios denominados de especiais, tais como
permeabilidade de carga variável e constante, adensamento, cisalhamento direto, triaxial e
erodibilidade.

47
O Laboratório de Pavimentação possui uma área de 37,46 m 2. Nele são realizados
ensaios com agregados, ligantes asfálticos e misturas asfálticas, tais como viscosidade, ponto de
fulgor, teor de betume, Marshall, adesividade, composição de CBUQ, pendulo inglês e
densímetro.
O laboratório de Solos e Pavimentação também dispõe de uma sala de aula teórica com
área de 33,06 m2, além de almoxarifado e sala de coordenação com a permanência de professores
para dar apoio às atividades desenvolvidas.
Os equipamentos disponíveis nos Laboratórios de solo e pavimentação estão descritos
na tabela a seguir.

Qtde. Especificações
07 Aparelho de casa grande c/ base ebonita e concha latão manual e c/ cinzéis
03 Aparelho speedy para teor de umidade
03 Balança eletrônica de precisão capacidade 5000g
1 Calculadora eletrônica cientifica
1 Conjunto de apar. P/ determ. Equiv. De areia, c/ est. Ref. ESP-015
03 Conjunto de apar. P/ determ. Densidade In situ
2 Dispersor de amostra c/ hélice substituível
16 Extensômetro c/ curso 10mm leit. 0,01mm
5 Peneira de latão de 8"x2", abertura 0,074mm, Nº 200
1 Peneira de latão de 8"x2", abertura 0,210mm, Nº 70
4 Peneira de latão de 8"x2", abertura 0,42mm
1 Peneira de latão de 8"x2", abertura 0,60mm
2 Peneira de latão de 8"x2", abertura 0,84mm, Nº 20
2 Peneira de latão de 8"x2", abertura 1,19mm
4 Peneira de latão de 8"x2", abertura 12,7mm
4 Peneira de latão de 8"x2", abertura 19,1mm, 3/4"
4 Peneira de latão de 8"x2", abertura 2,0mm
4 Peneira de latão de 8"x2", abertura 25,4mm
1 Peneira de latão de 8"x2", abertura 3" ou 76mm
5 Peneira de latão de 8"x2", abertura 4,76mm
3 Peneira de latão de 8"x2", abertura 4,8mm, Nº 4
4 Peneira de latão de 8"x2", abertura 9,5mm
4 Peneira de latão de 8"x2,5", abertura 12,7mm
4 Peneira de latão de 8"x2,5", abertura 19,1mm
4 Peneira de latão de 8"x2,5", abertura 25,4mm
1 Peneira de latão de 8"x2,5", abertura 9,5mm
1 Balança eletrônica digital mod. A40K, 110/220V. 60HZ
1 Balança eletrônica digital mod. A40K, 110/220V. 60HZ
53 Cilindro metálico para compactação de solos p/ CBR com base perfurado
07 Disco espaçador p/ CBR
12 Disco anelar bipartido p/ sobrecarga
1 Extrator de amostras mecânico
1 Extrator de amostras hidráulico
1 Estufa FANEM mod.315SE tamanho 07
178 Peso anelar bipartido p/ ensaio CBR-PAR

48
Qtde. Especificações
48 Prato perfurado de aço c/ haste central ajust. P/ CBR
26 Porta extensômetro tipo semi circular
19 Porta extensômetro tipo tripé
1 Prensa calif. Eletr. Cap. 4000kg c/ dinamômetro e extensômetro
1 Repartidor de amostras c/ 14 abert. De 1/2"
1 Repartidor de amostras c/ 14 abert. De 1/2"
10 Soquete cilíndrico para compactação de aço proctor
2 Vibrador p/ peneiras diâmetro de 8”
01 Penetrômetro universal para materiais betuminoso
3 Cilindro metálico p/ compactação massa asfáltica em aço compl. R. C-1005
01 Viscosímetro Saubot Furol
01 Prensa com anel dinamometrico para medir resistência de corpos de prova de materiais
01 Extrator de betume (Rotarex)
betuminosos
01 Banho Maria para 08 copos
01 Aparelho de Fulgor Vaso aberto
01 Aparelho de Fulgor para óleo Vaso fechado
01 Aparelho para ponto de amolecimento material betuminoso
01 Conjunto frasco de Chapman
01 Aparelho Elétrico Extrator de betume
01 Aparelho Dutilômetro
01 Aparelho para medir coeficiente de atrito do revestimento do pavimento
05 Termômetro metálico para massa asfáltica
01 Soquete para compactação massa asfáltica
03 Cilindros para compactação massa asfáltica
03 Conjunto cilindro para compactação CBUQ (massa asfaltica)
01 Destilador de água pilsen fanem c/ automático mod. 724-A/1
01 Conjunto equipamento para ensaio triaxial
01 Computador
01 Estufa
01 Prensa para compressão simples
01 Conjunto para ensaio permeabilidade (carga variável e constante)
01 Balança hidrostática cap. 5000g

10.3.3 Laboratório de Mecânica dos Fluidos

O Laboratório de Mecânica dos Fluidos (Sala T-501) visa atender às necessidades das
disciplinas de Fenômenos dos Transportes e Hidráulica. Diversos estudos podem ser realizados
observando o comportamento físico, propriedades e esforços submetidos aos fluidos, bem como
a sua importância nas áreas de hidrostática e hidrodinâmica.
O laboratório é organizado a partir das seguintes instalações:
Bancada de Associação de Bombas - Equipamento para demonstração do
comportamento do sistema relativo à vazão e pressão, no momento em que se associam as
bombas em série e paralelo, verificando também o rendimento e potência do conjunto.
Bancada com a Turbina Pelton - Equipamento que converte energia de fluxo de água
em energia mecânica dada pela rotação de um eixo. Podem ser desenvolvidos estudos de

49
variação de potência efetiva em função de rotação, variação de rendimento em função de rotação
e variação da vazão aduzida em função da rotação.
Bancada com a Turbina Francis – Equipamento que auxilia no estudo de máquinas de
fluxo geratrizes. O sistema simula as condições geográficas nas quais existem pequenas quedas e
grandes vazões e ensaios podem ser realizados para a determinação de curvas características.
Bancada Horizontal de Reynolds – Equipamento destinado à análise dos diferentes
tipos de escoamento laminar e turbulento, conforme os estudos de Reynolds.
Bancada de Hidráulica - equipamento capacitado a realizar ensaios relativos à
Mecânica dos Fluidos, Teorema de Torricelli, Efeito Venturi, Hidrodinâmica, Hidrostática, perda
de carga contínua em condutos fechados e perda de carga localizada. Nessa bancada encontra-se
condutos de diferentes diâmetros, diferentes tipos de peças e conexões, assim como dispositivos
para medição de vazão e pressão.
Quadro de Stevin e Pascal – equipamento empregado nos estudos da Hidrostática:
distribuição de pressão, condições de pressão, etc.
Canal de escoamento aberto – equipamento dedicado à verificação do comportamento
dos fluidos através do escoamento dentro de um canal, facilitando assim a compreensão dos
fenômenos do escoamento e suas consequências em condutos abertos ou livres.

10.3.4 Laboratórios de Informática

As aulas de informática do curso de Engenharia Civil são ministradas nos laboratórios


específicos da área de Tecnologia da Informação, em salas climatizadas e dotadas de escaninhos
para guarda de pertences pessoais. Para atender as disciplinas do curso de Engenharia Civil que
demandam o uso de computadores e softwares específicos, o campus Goiânia dispõe de nove
salas, sendo cada sala equipada com um projetor data show e trinta computadores Intel AMD 4
Gb de memória RAM, HD de 500 GB, seus respectivos monitores, mesas e cadeiras giratórias.
Em todos os computadores estão instalados os sistemas operacionais: Windows 7 e Ubuntu
13.10. e dentre os softwares instalados nas máquinas para uso nas atividades acadêmicas estão:
Adobe Reader 8, Libre Office 4.1, Google Chrome 30.1, FireFox 25.0, Scilab 5.4.1. AutoCad
2013.

10.3.5 Laboratórios de Física e Matemática

As instalações e equipamentos do laboratório de Física permitem a realização de um


número diversificado de experimentos essenciais para a complementação e fixação dos

50
conhecimentos teóricos adquiridos pelos discentes em cada núcleo de ensino da área: mecânica,
ondas, fluidos e calor, e eletromagnetismo.
Para atender às necessidades das disciplinas de Cálculo e também de Física são
mantidos laboratórios de informática exclusivos na área da Matemática. São duas salas
climatizadas equipadas com 38 computadores ao todo com aplicativos gratuitos para ensino e
pesquisa em matemática e outras áreas, além do software Maple.

10.3.6 Laboratório de Química

O Laboratório de Química busca atender aos objetivos das disciplinas Química e


Química Experimental. A infraestrutura laboratorial da Área de Química e que atende a
Engenharia Civil é constituída por salas de experimentos específicos além dos laboratórios de
Tecnologia de Tratamento de Resíduos, de Análise química e bromatologia, de águas residuais e
microbiologia. Dentre os instrumentos e materiais para análises temos:

Qtde. Especificações
Aparelho de Fotometria de chama ANALYZER 910 para diferentes propósitos na
1 determinação de íons alcalinos (Na, K, Li) e alcalinos terrosos (Ca) e parâmetros gerais
de qualidade de águas, bebidas, alimentos, bem como caracterização de efluentes.
Medidor condutividade/TDS de bancada, condutividade EC: de 0,00 a 29,99 S/cm; de
30,0 a 500,0 S/cm; Sólidos dissolvidos TDS: 0,00 a 14,99 mg/l; de 15,0 a 149,9 mg/l ;
1
de 150 a 1499 mg/l, até 400,0 g/l, soluções de calibração para: NaCl, Condutividade
(três diferentes soluções com condutividades diferentes).
Aparelhos pH-metros de bancada (DIGIMED DM 20) e um medidor de pH, EC,
TDS, °C do tipo portátil com maleta para transporte, com capa de borracha prova de
6
choque, pH 0,00-14,00; EC 0,00-20,00 mS/cm. Solução padrão pH 7,01 e 1,413 mS/cm
EC, Solução e potenciômetro com aplicações diversas.
Medidor OD (Oxigênio dissolvido) à prova d´água, portátil, com maleta para transporte,
Faixa estendida (0,00 a 45,00 mg/L), Resolução (pelo menos): 0,01 mg/L, Precisão (pelo
1 menos): ± 1,5% G.C. Com sonda de medição, solução eletrolítica para Oxigênio
dissolvido e cinco Membranas em teflon para reposição na sonda de Oxigênio
Dissolvido.
1 Turbidimetro, aplicada na análise de águas, efluentes e outros fins.
Espectrofotômetro de Bancada para DQO (Demanda Química de Oxigênio) e mais
parâmetros, incluindo acessórios para determinação de DQO, Ácido cianúrico,
Alumínio, Amônia MR, Amônia LR, Prata, Dióxido de Cloro, Bromo, Cianeto, Cloro
1 livre, Cloro total, CrVI (hexavalente), dureza Ca, dureza Mg, Ferro HR, Ferro LR,
Fluoreto LR, Fosfato HR, Fosfato LR, Fósforo, Hidrazina, Zinco, Iodo, Manganês LR,
Manganês HR, Molibdênio, Nitrato, Nitrito HR, Nitrito LR, Cobre, Sílica. Filtros de
banda estreita. 420/525/575/610 nm.
Analisador de umidade por infravermelho Marca MARTE, modelo ID50; carga máxima
de 200 g; resolução pelo menos 0,001 g; precisão menor 0,1%; faixa de 0,0 até 100%;
1
possibilidade de seleção de tempo e temperatura bem como a secagem automática; saída
para computador (serial ou USB).
1 MICROSCÓPIO ÓPTICO COM TELA/MONITOR ACOPLADO. Microscópio com

51
câmera acoplado transferência de imagens para um Computador por USB. Com
ampliação de até 400 vezes com possibilidade de até 1600 vezes, Caixa para transporte
inclusa, Câmera Digital Built- in de 1,3 Mega Pixels - aumento do visor de 10x, Parte
superior e inferior com iluminação por LED, Mesa com ajuste mecânico: 3,5 x 3,5 pol.
(88 x 88 mm), Lentes objetivas - 4x, 10x, e 40x, Controle de brilho com filtro até seis
posições cores. Tela externa de 3,5 pol. (88 mm) com Zoom Digital 4x e Memória
interna: 128MB, Entrada para cartão SD.
Sistema de Cromatografia Líquida de Alto Desempenho Marca Younglin (Coreia)
modelo HPLC 9100 YL, injeção manual (rheodyne), detector de UV, incluindo todos os
itens necessários para o funcionamento de detecção, controle com software (HPLC 9100
YL Clarity) para tratamento dos dados e gerenciamento do sistema cromatográfico.
Desgaseificador a vácuo incluindo módulo de desgaseificação a vácuo para quatro
1
solventes, tubulações, conexões, recipiente e organizador. Bomba Quaternária. Coluna
Analítica (C18, 250 mm, 4,6mm) para HPLC. Para propósitos gerais com uma larga
faixa de compostos hidrofóbicos. Faixa de pH de 2,5-7,5 com limite de temperatura em
80 graus Celsius. Computador compatível 1,86 GHz, 2GB, mouse USB, monitor LCD
19 e impressora.
Cromatógrafo Gasoso com PPC controlado por microprocessador, Marca Younglin
(Coréia). Injetor programável (PSS), no canal A, com controle de temperatura,
capacidade de injeção de grandes volumes (LVI). Dotado de leitura digital de pressão e
controle automático de válvula selenóide do "Split-Vent". Capacidade para trabalhar
com colunas capilares, wide-bore ou modo "on column". Detector de ionização de
1
chama (FID) com PPC no canal A. Inclui amplificador, controle pneumático
programável dos gases de combustão e dispositivo de ignição automático de chama.
Software para cromatográfica gasosa. Coluna capilar com medidas: 30 m x 0,25mm x
0,25 micrometro. Temperatura: -0 a 330/350 graus Celsius. Computador configuração
1,86 GHz, 2GB, unidade de disco rígido 160 GB. Mouse USB.
Espectrômetro de Infravermelho - Fourier-Transformed - FT-IR. Marca Raleigh, modelo
WQF-520 FTIR Spectrometer. Especificações: Faixa de medida pelo menos: 230-7800
cm-1 (numero de onda=wavenumber); Signal-to-noise pelo menos: 35000:1 RMS;
Wavelength accuracy: Melhor do que 0,1 cm-1 em 1600 cm-1; Sistema ótica e
Michelson Interferometer com auto ajuste e auto alinhamento; Óptica selada e
1 dessecada; Compensação Atmosférica em relação com vapor de água e CO2;
Acessório(s) para medidas de líquidos e sólidos pelo método - Attenuated total reflection
ATR- (Refletância Atenuada Total); Software de controle do espectrômetro com
microcomputador e Software para análise qualitativa e quantitativa para
microcomputador, com a possibilidade de comparação de espectros com bancos de
dados.
Chapas aquecedoras retangulares com plataforma de ferro, corpo em aço com controle
de temperatura tipo controlador-programador com capilar de aço inox, embutido no
1 corpo do aparelho. Faixa de trabalho entre 20ºC acima da temperatura ambiente até
300ºC na plataforma e painel com interruptor geral, lâmpadas piloto sinalizadoras e
termostato com escala de referência entre pontos de 1 a 1.
5 Termômetros digitais com haste de 25 cm escala de -50 a 300 ºC.
Refratômetros do tipo portátil: ocular com ajuste para focalização com compensação
automática de temperatura. Medição da salinidade, do conteúdo de açúcar em soluções,
2
índice de refração de vidros óticos, determinação da pureza, concentração e dispersão de
soluções, determinação da concentração de um polímero numa mistura binaria.
Reatores de bancada e em escala piloto aplicados em experimentos de tratamentos de
3 efluentes, de fotocatálise, sendo um reator de bancada (escala laboratorial) para até 1 L e
outro para níveis de ensaio piloto com capacidade de 30 L;

52
Capelas grandes com sistema de exaustão e de lavagem de gases ácidos tipo Cortina de
2 Água com solução de hidróxido de sódio - NaOH, aplicada em experimentos com
solubilização ou abertura ácida;
Aparelho de Reator de bancada (laboratorial) adaptado para experimentos de digestão
1
anaeróbica (Biogás);
Reatores de bancada desenvolvido no IFG para experimentos com carbonização
3
hidrotermal (250 mL, 3 MPa, 200 °C).
1 Sistema de Osmose Reversa no tratamento e purificação de água; Marca GEHAKA.
1 Sistema de Ultra Purificação de água (MARCA MEGAPURITY, Modelo MEGA UP)
1 Sistema Ecológico para digestão ácida de amostras;
Bombas de vácuo que funcionam pelo princípio de rotor centrifugo com palhetas
3
imersas, baixo ruído, reservatório interno de óleo.
Aparelhos de Evaporador rotativo, capacidade cube 4,5 L, para extração de compostos
2
orgânicos ou naturais.
Prensa mecânica para preparação de amostras de Brometo de Potássio para
1
espectroscopia de Infravermelho. Produção de micro e macro pastilhas.
Mufla para aquecimento até 1200 °C. Porta com contra peso e abertura tipo bandeja para
proteger o operador e respiros frontais e superiores para eventual saída de gases e
2 descompressão. Controlador eletrônico micro processado de temperatura com precisão
de ± 7ºC, resolução de 1ºC e Indicação digital da temperatura programável com as
funções de set point e auto sintonia e PID.
2 Estufas de aquecimento até 300 0C;
2 Conjunto de densímetros para misturas de etanol e água.
2 Destilador automático.
4 Balanças analíticas de precisão;
2 Aparelho de determinação de ponto de fusão;
3 Agitador magnético;
Computadores com recursos de multimídia e com uma impressora a laser, scanner.
5 Softwares: Windows XP home, Windows 7, Open Br-Office, aplicados nas atividades
nos laboratórios.
Viscosímetro Copo Ford, Marca GEHAKA, para determinação da viscosidade
1 cinemática de tintas, vernizes, resinas e outros líquidos com propriedades newtonianas,
de escoamento entre 20s a 100s, com orifícios nº 2,3, 4, 5, 6, 7 e 8.
Sonda multi parâmetro para água, Marca HANNA, Brasil, modelo HI 9828. Instrumento
portátil, que monitoriza até 13 parâmetros de qualidade da água diferentes (8 medidos, 5
1
calculados), sendo pH, ORP, OD, Condutividade, Resistividade, TDS, salinidade,
pressão atmosférica, temperatura.
Titulador automático, marca HANNA, HI 902-01 Titulador Automático completo com
1
end point com uma bureta de 25 mL.
Almoxarifado de produtos químicos: Produtos químicos e vidrarias diversos aplicáveis a
-
diferentes experimentos.

11. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O que se almeja com as considerações e colocações apresentadas neste documento pela


Coordenação da Área de Construção Civil e o Departamento de Áreas Acadêmicas III é o
reconhecimento do curso de Engenharia Civil no Câmpus Goiânia do Instituto Federal de Goiás
já em funcionamento desde 2013.

53
A infraestrutura física do câmpus tem atendido de maneira satisfatória o desenvolvimento
das atividades do curso. Os laboratórios descritos estão completos e em uso. Entretanto, é
necessário enfatizar a continuidade de investimentos para a atualização e complementação dos
equipamentos didáticos laboratoriais para que o atendimento a docentes e alunos se faça da
forma cuidadosa e primorosa como é uma constante no IFG.

Além da infraestrutura física, a Área de Construção Civil permanece com seu quadro de
professores, em número, maturidade e capacidade profissional adequada à plena continuidade e
desenvolvimento do curso. Com um corpo docente em permanente qualificação, a Coordenação
de Construção Civil considera que o departamento e a direção do IFG têm condições de
proporcionar o pleno funcionamento e desenvolvimento do curso nos quesitos qualidades e
quantidade de professores.

O presente projeto apresenta o perfil do egresso e as atividades necessárias para o


cumprimento das diretrizes curriculares mínimas para alcançar esse perfil, assim como as
habilidades, competências e conteúdos necessários à formação desse profissional.

O bom andamento do curso de engenharia civil do Câmpus Goiânia tem sido resultado do
envolvimento de toda a comunidade acadêmica: docentes, discentes e técnicos administrativos,
têm proposto, de forma permanente e aberta, mudanças e adequações para as metas estabelecidas
para o curso, vislumbrando sempre o aprimoramento das condições de trabalho e estudo e tendo
como foco o processo de formação do aluno.

54
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da


educação nacional. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm>.
Acesso em 15 jan. 2012.

CEFET – Centro Federal de Educação e Tecnologia de Goiás. Curso Superior Tecnologia em


Manutenção Eletromecânica Industrial – Projeto Reconhecido pelo MEC, 2003

BRASIL. Lei nº 11.788/, de 25 de setembro de 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes.


Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11788.htm>.
Acesso em 15 jan. 2012.

Brasil. Lei nº 11.892, de 29 de Dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação


Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e
Tecnologia, e dá outras providências. Disponível em <
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm>. Acesso em 15 de
jan. 2012.

Brasil. Lei nº 11.892, de 29 de Dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação


Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e
Tecnologia, e dá outras providências. Disponível em <
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm>. Acesso em 15 de
jan. 2012.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (Brasil). Câmara de educação superior. Resolução


n. 2, de 18 de junho de 2007. Dispõe sobre carga horária mínima e procedimentos relativos à
integralização e duração dos cursos de graduação, bacharelados, na modalidade presencial.
Disponível em <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/2007/rces002_07.pdf>. Acesso em 15
dez. 2011.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (Brasil). Câmara de educação superior. Resolução


n. 11, de 11 de março de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de
Graduação em Engenharia. Disponível em
<http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES112002.pdf>. Acesso em 15 dez. 2011.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (Brasil). Conselho Nacional de Educação. Parecer n. 28, de 2


de outubro de 2001. Diponível em <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/028.pdf>. Acesso
em 15 dez. 2011.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (Brasil). Secretaria de educação profissional e tecnológica.


Plano de Expansão da Rede Federal de Educação Tecnológica. Disponível em:
<http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/expansao_plano.pdf>. Acesso em 15 dez. 2011.

MINISTÉRIO DO TRABALHO. Evolução de Emprego do CAGED – EEC, 2011. Disponível


em
http://bi.mte.gov.br/pdet/pages/consultas/evolucaoEmprego/consultaEvolucaoEmprego.xhtml#re
latorioSetor . Acesso em 19 dez. 2011.

55
MONTEIRO FILHA, D. C. et al. Construção civil no Brasil: investimentos e desafios. In:
Perspectivas do Investimento 2010-2013. Brasília: BNDES, 2010. Disponível em
<http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/Publicacoes/Paginas/perspe
ctivas_investimento2010.html> Acesso em 07 fev. 2012.

RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 2, DE 18 DE JUNHO DE 2007, republicada no DOU de


17/09/2007, seção 1, pág. 23, por ter saído no DOU de 19/06/2007, seção 1, pág. 6, com
incorreção no original.

RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 11, DE 11 DE MARÇO DE 2002, publicada no DOU de


9/04/2002, seção 1, pág. 32.

PARECER CNE/CES Nº 153/2008, publicado no DOU em 2626/09/2008.

56
ANEXO 1 – EMENTAS, OBJETIVOS E REFERÊNCIAS
BIBLIOGRÁFICAS DAS DISCIPLINAS

57
Disciplina: ALGORITMOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO
Formação: Profissionalizante Série/Período: 1º Carga Horária: 54h
Pré-requisito: -
Ementa:
Fundamentos de algoritmos e sua representação em linguagens de alto nível. Procedimento e
algoritmos fundamentais de sistemas computacionais. Estudo dos recursos de linguagens de
programação de alto nível. Desenvolvimento e implementação de programas. Modularidade,
depuração, testes, documentação de programas.
Objetivo:
Conhecer os conceitos básicos de computação. Conscientizar-se da importância da
computação frente aos desafios científicos e tecnológicos. Utilizar-se de algoritmos e de
técnicas de programação para formular adequadamente a solução de problemas de
engenharia. Dominar ambientes de programação e utilizar linguagens de programação
científica.
Bibliografia:

Básica
MANZANO, José Augusto N. G. “Algoritmos: lógica para desenvolvimento de
programação”. São Paulo: Editora Érica.
FEIJÓ, Bruno; CLUA, Esteban; SILVA, Flávio S. Correa da. “Introdução à Ciência da
Computação com Jogos – Aprendendo a programar com entretenimento”. São Paulo:
Editora Câmpus.
GUIMARÃES, A. M. e LAGES, N. A. C. "Algoritmos e Estruturas de Dados", Rio de
Janeiro: Editora LTC.

Complementar
EDELWEISS, Nina; GALANTI, Renata. “Algoritmos e Programação com Exemplos em
Pascal e C, Vol. 23”. Série Livros Didáticos Informática UFRGS. Porto Alegre:
Editora Bookman.
SALVETTI, Dirceu Douglas; BARBOSA, Lisbete Madsen. “Algoritmos”. São Paulo:
Editora Pearson
ASCENCIO, Ana Fernanda Gomes. “Fundamentos de Programação de Computadores:
Algoritmos, Pascal, C/C++ (padrao ansi) e Java”. São Paulo: Editora Pearson.
CORMEN, T.H. et al. “Algoritmos: teoria e prática”. Rio de Janeiro: Editora Elsevier.
ZIVIANI, Nivio. “Projeto de Algoritmos: com implementação em pascal e C”. São Paulo:
Editora Cengage Learning.

58
Disciplina: ÁLGEBRA LINEAR
Formação: Básico Série/Período: 4º Carga Horária: 27h

Pré-requisito: -

Ementa:
Sistemas lineares e matrizes, Espaços vetoriais, Transformações lineares, Autovalores e
Autovetores. Diagonalização de operadores, Produto interno, Aplicações.
Objetivo:
Estudar os conceitos e resultados básicos dos conteúdos da ementa, fornecendo ao estudante
conhecimentos e técnicas que lhe sejam úteis posteriormente. Capacitar o aluno a uma
apreciação da disciplina não só como expressão da criatividade intelectual, mas como
instrumento para o domínio da ciência e da técnica dos dias de hoje. Desenvolver e
consolidar atitudes de participação, comprometimento, organização, flexibilidade, crítica e
autocrítica no desenrolar do processo de ensino-aprendizagem. Aplicar a Álgebra Linear
em procedimentos computacionais e na resolução de situações-problemas. Aplicação de
conhecimentos da Álgebra Linear nas ciências naturais, engenharia, ciências sociais e
outras.
Bibliografia:
Básica
LANG, Serge. “Álgebra Linear”. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna.
LAY, D.C. “Álgebra Linear e suas aplicações”. Rio de Janeiro: Editora LTC
LEITHOLD, L. "O Cálculo com Geometria Analítica", volumes 1 e 2. São Paulo: Editora
Harbra.
LIMA, E. L. “Álgebra Linear”, Rio de Janeiro: Projeto Euclides, IMPA/CNPq.

Complementar
BOLDRINI, J. L., COSTA, S. I. R., FIGUEIREDO, V. L., WETZLER, H. G. “Álgebra
Linear”. São Paulo: Editora Harbra.
BOULOS, P., CAMARGO, I. "Geometria Analítica – Um Tratamento Vetorial". São Paulo:
Editora Pearson.
LIPSCHUTZ, Saymour. “Álgebra Linear: teoria e problemas”. São Paulo: Editora McGraw-
Hill.
SILVA, V. V. “Álgebra Linear”. Goiânia: CEGRAF UFG.
STEINBRUCH, A. “Introdução à Álgebra Linear”. São Paulo: Editora Pearson.

59
Disciplina: BARRAGENS E OBRAS DE TERRA
Formação: Específica Série/Período: 10º Carga Horária: 27 h
Pré-requisito: Mecânica dos Solos II, Projeto e Construção de Estradas e Hidrologia
Ementa:
Barragens de terra e enrocamento (investigação geológica-geotécnica e elementos principais
das barragens. Análises de fluxo, estabilidade e tensão-deformação. Execução de escavações
e aterros de grandes dimensões. Aterros sobre solos moles. Melhoria de solos
Objetivo:
Propiciar o entendimento dos diferentes tipos de solicitações a que um maciço de terra pode
estar submetido e dos diversos métodos de análise de sua estabilidade. Fornecer critérios de
análise e métodos de cálculo para se projetar obras de terra, provisórias ou definitivas.
Bibliografia:

Básica
CRUZ, Paulo Teixeira da. 100 Barragens Brasileiras. São Paulo: Editora Oficina de Textos.
GAIOTO, Nélio. Barragens de Terra e Enrocamento. São Carlos: Escola de Engenharia de
São Carlos.
LOPES, José Dermeval Saraiva. Pequenas barragens de terra: planejamento,
dimensionamento e construção. Viçosa-MG: Editora Aprenda Fácil.

Complementar
SILVEIRA, João Francisco Alves. Instrumentação e Comportamento de Fundações de
Barragens de Concreto. São Paulo: Editora Oficina de Textos.
MASSAD, Faiçal. Obras de Terra: Curso Básico de Geotecnia. São Paulo: Oficina de
Textos.
GAIOTO, Nélio. Métodos Construtivos de Barragens de Terra e Enrocamento. São Carlos:
Escola de Engenharia de São Carlos.
GAIOTO, Nélio. Noções de Resistência ao Cisalhamento dos Solos. São Carlos: Escola de
Engenharia de São Carlos da USP.
MENESCAL, Rogério de Abreu. A segurança de barragens e a gestão de recursos hídricos
no Brasil. Brasília: Editora Proágua.

60
Disciplina: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I
Formação: Básico Série/Período: 1º Carga Horária: 81h

Pré-requisito: -

Ementa:
Estudo de limite das funções de uma variável, diferenciação de funções de uma variável e
aplicações, integração de funções de uma variável e aplicações.
Objetivo:
Utilizar o Cálculo Diferencial e Integral de funções a uma variável como ferramenta para
resolver problemas na área de tecnologia e construir embasamento teórico adequado para o
desenvolvimento de outras disciplinas afins. Despertar no aluno o espírito crítico, criativo e
de pesquisa, contribuindo para o desenvolvimento da capacidade de raciocínio e
instrumentalizar o aluno para que ele possa adquirir técnicas e estratégias para serem
aplicadas nas diversas áreas do conhecimento, assim como para a atividade profissional,
permitindo a ele desenvolver estudos posteriores.
Bibliografia:
Básica
FLEMMING, D. M. “Cálculo A: funções limite, derivação e integração”. São Paulo: Editora
Makron Books.
GUIDORIZZI, H. L., “Um Curso de Cálculo”. Volume 1. Rio de Janeiro: Editora LTC.
LEITHOLD, L. "Cálculo com Geometria Analítica". Volume 1. São Paulo: Editora Harbra.
SWOKOWSKI, E. W. “O cálculo com geometria analítica”. Volumes 1 e 2. São Paulo:
Editora Makron Books.

Complementar
AYRES JR, F. “Cálculo Diferencial e Integral”. São Paulo: Editora Makron Books.
BOULOS, P. “Cálculo Diferencial e Integral”. Volume 1. São Paulo: Editora Makron Books.
HOFFMANN, L. D. “Cálculo. Um curso moderno e suas aplicações”. Volume 1. Rio de
Janeiro: Editora LTC.
MUNEM, M. A. e FOULIS, D. J. “Cálculo”. Volume 1. Rio de Janeiro: Editora LTC.
SIMMONS, G. F. “Cálculo com Geometria Analítica”. Volume 1. São Paulo: Editora
Mcgraw-Hill.

61
Disciplina: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II
Formação: Básico Série/Período: 2º Carga Horária: 81h

Pré-requisito: Cálculo Diferencial e Integral I

Ementa:
Funções de várias variáveis, Limite e continuidade de funções de várias variáveis, Derivadas
parciais, Máximos e mínimos, Seqüências, Séries e séries de potência.
Objetivo:
Utilizar o Cálculo Diferencial e Integral de funções a várias variáveis como ferramenta para
resolver problemas nas áreas tecnológicas. Despertar no aluno o espírito crítico, criativo e de
pesquisa, contribuindo para o desenvolvimento da capacidade de raciocínio e
instrumentalizar o aluno para que ele possa adquirir técnicas e estratégias para serem
aplicadas nas diversas áreas do conhecimento, assim como para as atividades profissionais,
permitindo a ele desenvolver estudos posteriores.
Bibliografia:
Básica
FLEMMING, D. M. e GONÇALVES, M. B. “Cálculo B: funções de várias variáveis –
integrais duplas e triplas”. São Paulo: Editora Makron Books
LEITHOLD, L. "O Cálculo com Geometria Analítica", São Paulo: Editora Harbra.
SIMMONS, G. F. “Cálculo com Geometria Analítica”. Volume 2. São Paulo: Editora
McGraw-Hill.

Complementar
GUIDORIZZI, H. L. “Um Curso de Cálculo”, Volume 2. Rio de Janeiro: Editora LTC.
MAURER, W. A. “Curso de cálculo diferencial e integral”. Volume 1. São Paulo: Editora
Edgard Blucher.
SPIEGEL, M.R. “Manual de Fórmulas Matemáticas”. Rio de Janeiro: Editora LTC.
STEWART, J. “Cálculo”. Volume 1. São Paulo: Editora Cengage Learning.
THOMAS, G.B. et al. “Cálculo”. Volume 2. São Paulo: Editora Pearson.

62
Disciplina: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL III
Formação: Básico Série/Período: 3º Carga Horária: 54h

Pré-requisitos: Cálculo Diferencial e Integral II

Ementa:
Integrais Duplas, Integrais Triplas, Integrais de Linha e suas aplicações

Objetivo:
Desenvolver a técnica para o cálculo das integrais duplas triplas e de linha. Fazer uso das
técnicas acima nas resoluções de problemas que surgem em física, engenharia e nas ciências
em geral
Bibliografia:
Básica
GONÇALVES, M. B. e FLEMMING, D. M. “Cálculo B: Funções de Várias Variáveis,
Integrais Múltiplas, Integrais Curvilíneas e de Superfícies”. São Paulo: Makron
Books.
LEITHOLD, L. "O Cálculo com Geometria Analítica". Volume 2. São Paulo: Editora
Harbra.
SWOKOWSKI, E.W. “Cálculo com Geometria Analítica”. Volume 2. São Paulo: editora
Makron Books.

Complementar

ANTON, H. “Cálculo – um novo horizonte”. Volume 2. Rio de Janeiro: Editora Bookman.


ÁVILA, G. “Introdução ao Cálculo”. Volumes 2 e 3. Rio de Janeiro: Editora LTC.
HOFFMANN, L. D. “Cálculo: um curso moderno e suas aplicações”. Rio de Janeiro:
Editora LTC.
KRUPZIG, E. “Matemática Superior”. Rio de Janeiro: Editora LTC.
MAURER, W.A. “Cálculo Diferencial e Integral”. Volume 4. São Paulo: Editora Edgard
Blucher.

63
Disciplina: CÁLCULO NUMÉRICO
Formação: Básico Série/Período: 2º Carga Horária: 54h

Pré-requisitos: Algoritmo e técnicas de programação

Ementa:
Erros em processos numéricos; soluções numéricas de equações e sistemas de equações
lineares; aproximação de funções; integração numérica; soluções numéricas de equações
diferenciais ordinárias.
Objetivo:
Levar o aluno perceber que nem todos os problemas matemáticos possuem métodos para
obtenção de seus resultados, mas que essa deficiência pode ser sanada em muitos casos pela
aplicação de um método numérico que não geram resultados precisos, mas valores
aproximados e com erro estimado. Isso em aplicações práticas é aceitável, pois nessas
situações sempre trabalhamos com aproximações.
Bibliografia:

Básica
FRANCO, N. B. "Cálculo numérico", São Paulo: Pearson Prentice Hall.
RUGGIERO, M. A. G. e LOPES, V. L. da R., "Cálculo numérico: aspectos teóricos e
computacionais", São Paulo: Editora Makron Books
SPERANDIO, D. et al. "Cálculo numérico: Características Matemáticas", São Paulo:
Pearson Prentice Hall.

Complementar
ALBRECHT, P. “Análise Numérica: um curso moderno”. Rio de Janeiro: Editora LTC.
ARENALES, S. e DAREZZO, A. "Cálculo numérico: aprendizagem com apoio de
software". São Paulo: Editora Thomson Learning.
ROQUE, W. L. "Introdução ao Cálculo Numérico". São Paulo: Editora Atlas.
MILNE, W.E. “Cálculo Numérico”. São Paulo: Editora Scipione.
HUMES, A. F. P. de C. “Noções de Cálculo Numérico”. São Paulo: Editora Mc-Graw Hill.

64
Disciplina: CIÊNCIAS DO AMBIENTE
Formação: Básico Série/Período: 5º Carga Horária: 27 h
Pré-requisito: -
Ementa:
A engenharia no contexto ambiental, degradação ambiental, biosfera, ciclos biogeoquímicos,
poluição e contaminação dos recursos naturais, impacto ambiental, saneamento, recurso
natural renovável (ar, água, solo), geração e disposição de resíduos sólidos, Legislação
ambiental em geral.
Objetivo:
Ao final do curso, o aluno deverá capaz de compreender os fundamentos necessários da
dinâmica ambiental de modo a intervir no meio ambiente, buscando obter o máximo de
benefícios para os sistemas físicos, bióticos, sociais, econômicos e culturais existentes na área
de inserção das vias terrestres.
Bibliografia:

Básica:
MILLER JR, G. Tyler. Ciência Ambiental. Tradução de: All Tasks. Revisão técnica de:
DELITTI, Welington Braz Carvalho. São Paulo: Cengage Lerning.
PORTO-GONÇALVES, C. W. Os (des)caminhos do meio ambiente. São Paulo: Contexto.
SANCHÉZ, Luis Enrique. Avaliação de impacto ambiental. São Paulo: Editora Oficina de
Textos.

Complementar
LEFF, Enrique. A complexidade ambiental. AmbientalMENTE sustentable, v. 1. São Paulo:
Editora Cortez.
ALMEIDA, Josimar Ribeiro de et al. Ciências ambientais. Rio de Janeiro: Editora ABES.
BORÉM, Aluízio; DEL GIÚDICE, Marcos. Biotecnologia e meio ambiente. Universidade
Federal de Viçosa..
OLIVEIRA, Gilvan Sampaio de. Conservação do meio ambiente, aquecimento global e
desafios para o seculo 21. São Paulo : Barsa Planeta.
JACOBI, Pedro Roberto. Cidade e meio ambiente: percepções e práticas em São Paulo. São
Paulo: Editora Annablume.
DOS SANTOS, Celeste Leite. Crimes contra o meio ambiente: responsabilidade e sanção
penal. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira, 2002.
GONÇALVES, Pólita. A reciclagem integradora dos aspectos ambientais, sociais e
econômicos. Rio de Janeiro: Editora DP&A.

65
Disciplina: CIÊNCIA DOS MATERIAIS
Formação: Profissionalizante Série/Período: 4º Carga Horária: 27 h
Pré-requisito:
Ementa:
Classificação dos materiais. Revisão sobre estrutura atômica dos materiais. Propriedades
mecânicas e termoelétricas dos materiais. Estrutura dos metais e das Cerâmicas. Estrutura
dos polímeros. Imperfeições e falhas no sólido. Diagrama de fases. Transformações de fase.
Objetivo:
Ao final do curso, o aluno deverá ser capaz de compreender o comportamento e as
propriedades dos materiais metálicos, cerâmicos e polímeros com base nas suas estruturas.
Bibliografia:

Básica
CALLISTER JR., W. D. Ciência e Engenharia dos Materiais - Uma Introdução. Rio de
Janeiro: LTC.
CAMPOS FILHO, Mauricio Prates de. A estrutura dos materiais. Campinas : UNICAMP.
VAN VLACK, L. H.: Princípio de ciências e tecnologia dos materiais. Rio de Janeiro:
Elsevier.

Complementar
CALLISTER JR., W. D. Fundamento da Ciência e Engenharia dos Materiais - Uma
abordagem integrada. Rio de Janeiro: LTC.
HIGDON, ARCHIE. Mecânica dos materiais. Rio de janeiro: Guanabara Dois.
MANO, ELOISA BIASOTTO. Polímeros como materiais de engenharia. São Paulo:
Edgar Blucher.
SHACKELFORD, JAMES F. Ciência dos materiais. São Paulo: Pearson.
VAN VLACK, L. H.: Princípio de ciências dos materiais. São Paulo: Edgar Blucher.

66
Disciplina: COLETA E TRATAMENTO DE ÁGUAS E RESIDÚOS I
Formação: Profissionalizante Série/Período: 9º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Química Geral e Projeto e Instalações Hidrossanitárias
Ementa:
O saneamento básico - saúde pública, órgãos de saneamento, serviços públicos, padrões de
qualidade das águas, sistemas de esgotos, estudo populacional, planejamento. Sistemas de
abastecimento de água. Partes constitutivas do sistema· Estudos demográficos. Parâmetros
para dimensionamento. Concepção dos sistemas. Captações de águas superficiais e
subterrâneas. Estações elevatórias e linhas de recalque. Sistemas de distribuição de água.
Controle operacional dos sistemas de distribuição de água, controle de perdas, projeto,
operação e manutenção no sistema. Noções sobre tratamento de água, partes constituintes,
floculação, decantação, filtração, desinfecção e estabilização, elementos de projeto .
Objetivo:
Apresentar aos alunos uma visão integrada dos principais componentes dos sistemas de
abastecimento de água.
Bibliografia:

Básica
HELLER, LEO; PADUA, VALTER LUCIO DE. Abastecimento de água para consumo.
Belo Horizonte: Editora UFMG.
RICHTER, C. & AZEVEDO NETO, J.M. – Tratamento de água – Tecnologia atualizada.
São Paulo: Editora Edgard Blücher.
MIERZWA, José Carlos; HESPANHOL, Ivanildo.Água na indústria: uso racional e reúso.
São Paulo: Editora Oficina de Textos.

Complementar
RICHTER, Carlos A. Água: métodos e tecnologia de tratamento. Edgard Blucher, 2009.
COSTA, Regina HPG; TELLES, Dirceu D. Reúso de água: conceitos, teorias e práticas. 1ª.
ed. São Paulo: Editora Blucher, 2007.
LIBÂNIO, Marcelo. Fundamentos de qualidade e tratamento de água. Átomo, 2008.
VON SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos.
DESA/UFMG
AZEVEDO NETTO, Jose Martiniano de et al. Técnica de abastecimento e tratamento de
água. CETESB/ASCETESB, 1973..

67
Disciplina: COLETA E TRATAMENTO DE ÁGUAS E RESIDÚOS II
Formação: Profissionalizante Série/Período: 10º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Coleta e Tratamento de Águas e Resíduos I
Ementa:
Sistemas de Esgotamento Sanitário. Estudo de concepção. Vazões de contribuição. Unidades
componentes: ligações prediais, rede coletora, poços de visita, sifões invertidos, estações
elevatórias, grandes coletores e interceptores. Grau de tratamento de esgotos: tratamento
preliminar, primário, secundário e terciário. Operações e processos das unidades de
tratamento de esgotos: gradeamento, desarenação, decantação, flotação, lodos ativados,
filtração biológica, reatores de contato, lagoas de estabilização, lagoas aeradas. Destinação
final dos esgotos. Tratamento e destinação final do lodo: espessamento, estabilização,
desidratação, destinação final.
Objetivo:
Apresentar aos alunos uma visão integrada dos principais componentes dos sistemas de
esgotamento sanitário
Bibliografia:

Básica
IMHOFF, K. R. Manual de Tratamento de Águas Residuárias. São Paulo: Edgard
Blucher.
VON SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos.
Belo Horizonte: DESA - UFMG.
NUVALARI. A. Esgoto sanitário: coleta, transporte, tratamento e reuso agrícola. São
Paulo: Edgard Blucher..
LEME, F. P. Planejamento e Projeto dos Sistemas Urbanos de Esgotos Sanitários. São
Paulo: Editora S.C.P.

Complementar
KELLNER, E. Lagoas de Estabilização: projeto e operação. Rio de Janeiro: ABES.
VON SPERLING, M. Lagoas de estabilização: princípios do tratamento biológico de
águas residuárias. Belo Horizonte: Editora UFMG.
PESSOA, C. A. Tratamento de Esgoto Doméstico. Rio de Janeiro: Editora S.C.P.
ANDREOLI, C. V. Lodo de esgoto: tratamento e disposição final. Belo Horizonte: Editora
UFMG.
ANDRADE NETO, C. O. Sistemas simples para tratamento de esgoto sanitário:
experiência brasileira. Rio de Janeiro: ABES.
MALINA, J. F. Design of anaerobic processes for the treatment of industrial and
municipal wastes. Boca Raton : CRC Press.
GONDIM, J. C.C. Valos de oxidação aplicados a esgoto doméstico. São Paulo: Editora
S.C.P..
PITALUGA, D. P. S.; ALMEIDA, R. A.; REIS, R. P. A. Wetland construído no tratamento
de esgotos sanitários: Substratos. Saarbrücken: Novas Edições Acadêmicas.

68
Disciplina: CONFORTO, HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO
Formação: Profissionalizante Série/Período: 7º Carga Horária: 54h
Pré-requisito: - Tecnologia das Construções I
Ementa:
Acidente do trabalho, conforto no canteiro de obras, agentes ambientais, Comissão interna
de prevenção de acidente (CIPA), equipamento de proteção individual (EPIs), equipamento
de proteção coletiva (EPCs),primeiros socorros, insalubridade ,periculosidade, política de
segurança, proteção contra incêndio e Programa de Condições e Meio Ambiente no
Trabalho na indústria da construção (PCMAT).
Objetivo:
Apresentar ao aluno a importância da Engenharia de Segurança, introduzindo conceitos
básicos de higiene, dando a ele condições de conhecer as medidas que devem ser tomadas
para evitar condições e atos inseguros, identificar os riscos ambientais no trabalho,
identificar e utilizar os equipamentos de proteção individuais e coletivos, aplicar e
interpretar as Normas Regulamentadoras, específicas, de manutenção e de segurança no
local de trabalho, conforme legislação vigente no Brasil para a indústria da construção civil,
conhecer a política de segurança e elaborar um PCMAT na indústria da construção.
Bibliografia:

Básica
PACHECO Jr, Waldemar. Qualidade na Segurança e Higiene do Trabalho; serie SHT 9000
normas para a gestão e garantia da segurança São Paulo: Editora Atlas
EQUIPE ATLAS. Manual de legislação: segurança e medicina do trabalho. São Paulo:
Editora Atlas.
ZICCHIO, Á. Prática e prevenção de acidentes. Rio de Janeiro: Editora LTC.
MENDES, R. Patologia do Trabalho. Rio de Janeiro: Editora Atheneu.

Complementar
DE CICCO, F. Manual sobre Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho: a nova
norma BS 8800, v. 2. São Paulo: Editora QSP.
ROJAS, P. Segurança do Trabalho. Porto Alegre: Editora Bookman.
GOELZER, Berenice I. F., COX, Joe Wallace. A Higiene do Trabalho na Construção Civil.
São Paulo: FUNDACENTRO.
FUNDACENTRO. Engenharia de Segurança do Trabalho na Indústria da Construção São
Paulo. São Paulo: FUNDACENTRO.
______________. Diretrizes sobre sistema de gestão de Segurança e Saúde do Trabalho.
São Paulo: Editora FUNDACENTRO.
BARBOSA FILHO, Antônio Nunes. Segurança do Trabalho na Construção. São Paulo:
Editora Atlas.
AMORIM, Celso, LUIZ, Fernando, CARVALHO, Maria, FREITAS, Marta. Saúde e
Segurança do Trabalho: Novos Olhares e Saberes. Belo Horizonte: Editora
FUNDACENTRO.
ALVES, Paulo Maia. Estimativa de Exposições Não Contínuas a Ruído. São Paulo.
BRASIL LEIS E DECRETOS. Acidentes, Segurança, Higiene e Medicina. São Paulo:
Editora S.C.P.

69
Disciplina: CONSERVAÇÃO DE VIAS
Formação: Profissionalizante Série/Período: Optativa Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Projeto e Construção de Estradas, Pavimentação
Ementa:
Inventário dos elementos geradores dos serviços de conservação. Determinação das
necessidades relacionadas com a conservação. Programação dos serviços. Conservação de
vias não pavimentadas. Conservação de vias pavimentadas. Conservação dos sistemas de
drenagem e das obras complementares.
Objetivo:
Propiciar aos alunos (as) a compreensão de todas as etapas de planejamento da conservação
de vias. Identificando, quantificando e determinando a intensidade dos serviços dos
elementos geradores de conservação, ou seja, os defeitos, causas e correções. Eles (as) terão
a capacidade técnica de execução, fiscalização e de gerenciamento dos serviços de
conservação. Hão de conhecer as especificações de serviços e terão noção do projeto de
conservação e/ou restauração de vias terrestres, sejam pavimentadas ou não. Conhecerão os
recursos humanos, equipamentos e materiais necessários para a execução dos respectivos
serviços.
Bibliografia:
Básica
DNIT. Manual de Conservação Rodoviária. 2ed. Rio de Janeiro: IPR, 2005.
DNIT. Manual de Restauração de Pavimentos Asfálticos. 2ed. Rio de Janeiro: IPR, 2005.
DNIT. Manual Rodoviário de Conservação, Monitoramento e Controle Ambientais.2ed. Rio
de Janeiro: IPR, 2005.

Complementar
DNER. Manual de Pavimentação. 2ed. Rio de Janeiro: IPR, 1996.
SENSO, Wlastermiller de. Manual de Técnicas de Pavimentação.São Paulo: PINI, 1997.
MEDINA, Jaques de e MOTTA, Laura M. Goretti da. Mecânica dos Pavimentos, 2ª Ed.Rio
de Janeiro: SIBI/UFRJ, 2005.
PARKER, Donald R. Conservação de Estradas não Pavimentadas. Rio de Janeiro:IPR,1981.
IPC-PIH.Manual Internacional de Conservação Rodoviária. V. 1,2 e 3.

70
Disciplina: DESENHO TÉCNICO CIVIL I
Formação: Básico Série/Período: 1º Carga Horária: 54h
Pré-requisito: -
Ementa: Enfoca aspectos que desenvolvem habilidades técnicas no uso do material e
instrumentos de desenho; apresenta, de forma introdutória, um sistema computacional para
o desenvolvimento de desenhos técnicos; capacita o aluno a análise de múltiplas formas,
suas relações espaciais e diretrizes de movimento; consolida hábitos de limpeza,
organização, precisão, estética e ordem. Utiliza de conceitos da Geometria Plana e da
Geometria Descritiva para Introduzir o conteúdo específico do Desenho Técnico Projetivo
voltado à Engenharia Civil.
Objetivo: Introduzir conceitos relacionados aos desenhos técnicos específicos do curso, o
que possibilitará ao aluno a compreensão, interpretação e execução de projetos relacionados
à Engenharia Civil.
Bibliografia:

Básica
DELMAR. P. I. Curso Prático de Leitura de Desenho Técnico. Rio de Janeiro: Editora
Record.
PRINCIPE, JR. Noções de Geometria Descritiva. vol. 1. São Paulo: Editora Nobel.
PRINCIPE, JR. Noções de Geometria Descritiva. vol. 2, São Paulo: Editora Nobel.

Complementar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8043: Aplicação de linhas
em desenho – tipos de linhas – larguras das linhas. Rio de Janeiro.
_______. NBR 10068: leiaute e dimensões. Rio de Janeiro.
_______. NBR 13142: desenho técnico – dobramento de cópia. Rio de Janeiro.
_______. NBR 10647: desenho técnico. Rio de Janeiro.
BUENO, C.P. Desenho Técnico para engenharias. Curitiba: Editora JURUA
ESTEPHANIO, C. Desenho Técnico Básico. Rio de Janeiro: S.C.P.
FREDO, B. Noções de Geometria e Desenho Técnico. São Paulo: Editora Ícone.
PEREIRA, A. D. Desenho Técnico Básico. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves
SCHMITT, A. Desenho Técnico Fundamental. São Paulo: Editora E.P.U.

71
Disciplina: DESENHO TÉCNICO CIVIL II
Formação: Básico Série/Período: 2º Carga Horária: 54 h

Pré-requisito: Desenho Técnico Civil I


Ementa:
Introdução ao desenho arquitetônico e seus elementos complementares; normatização para o
desenho técnico e o projeto de arquitetura; confecção, leitura e interpretação de desenhos de
um projeto arquitetônico básico (planta baixa, fachadas, cortes, diagrama de cobertura,
locação e situação). Observação e representação de componentes arquitetônicos (alvenarias,
esquadrias, pavimentações, equipamentos e elementos de cobertura). Apresenta técnicas de
domínio de instrumentos para confecção de desenhos com o uso de prancheta, com uso de
grafite. Demonstra como exemplo em paralelo, um sistema computacional utilizado para o
desenvolvimento de desenhos técnicos de arquitetura.
Objetivo:
Possibilitar o domínio das técnicas de elaboração de desenho arquitetônico e de
interpretação do espaço construído. Capacitar ao uso do instrumental técnico de desenho e
de levantamento técnico com base na elaboração, leitura e interpretação do projeto
arquitetônico.
Bibliografia:

Básica
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6492: Representação de
projetos de arquitetura. Rio de Janeiro.
CHING, F. D. K. Representação Gráfica em Arquitetura. Porto Alegre: Editora Bookman.
FERREIRA, P. Desenho de arquitetura. São Paulo: Editora Atual, 2011.
MONTENEGRO, Gildo A. Desenho Arquitetônico. São Paulo: Editora Edgard Blücher,
2001.

Complementar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10067: Princípios Gerais
de Representação em Desenho Técnico. Rio de Janeiro.
MOLITERNO, A. Caderno de projetos de telhados em estruturas de madeira. São
Paulo: Editora Edgard Blücher, 1988.
OBERMEYER, T. L. Manual AutoCAD para Desenho de Arquitetura. São Paulo:
Editora McGraw-Hill, 1990.
REBELLO, Y. C. P. Bases para projeto estrutural na arquitetura. São Paulo: Editora
Zigurate, s.d.
SARAPKA, E. M. Desenho arquitetônico básico. São Paulo: Editora PINI, 2009.

72
Disciplina: DESENHO TÉCNICO CIVIL III
Formação: Específico Série/Período: 3º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Desenho Técnico Civil II
Ementa: A disciplina de Desenho Técnico III, introduz conteúdos avançados na confecção e
compreensão de projetos de arquitetura. Demonstra o desenvolvimento de diagramas de
cobertura, detalhando também a sua estrutura de sustentação. Trabalha com edifícios de
múltiplos pisos detalhando os sistemas de acesso vertical (rampas, escadas e elevadores).
Apresenta a estrutura de um edifício e demonstra o funcionamento de vigas, pilares e lajes.
Para o exercício do conteúdo, desenvolve com os discentes um projeto de um edifício de três
pavimentos com desenhos desenvolvidos conforme normas técnicas, tais como, plantas
baixas, diagrama de cobertura, cortes, fachadas, planta de locação, implantação e situação.
Introduz os comandos básicos para construção, edição, textos, dimensionamento, espessuras
de linhas, configuração de layer e plotagem, para a confecção desses desenhos
arquitetônicos em duas dimensões, usando um programa de computador específico.
Objetivo:
Possibilitar o domínio de técnicas de desenho arquitetônico, com o uso de um sistema
computacional específico na representação de edifícios de mais de um pavimento.
Bibliografia:

Básica
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6492 - Representação de
projetos de arquitetura. Rio de Janeiro.
MONTENEGRO, Gildo A.; Desenho arquitetônico. São Paulo: Editora Edgar Blucher,
2001.
OBERMEYER, Thomas L; Manual AutoCAD para Desenho de Arquitetura. São Paulo:
Editora McGraw Hill,1990.

Complementar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10067 - Princípios Gerais
de Representação em Desenho Técnico. Rio de Janeiro.
CHING, F. D. K. Representação Gráfica em Arquitetura. Porto Alegre: Editora
Bookman.
FERREIRA, Patrícia. Desenho de arquitetura. Editora Atual, 2011.
MOLITERNO, Antonio. Caderno de Projetos de Telhado em Estrutura de Madeira. São
Paulo: Editora Edgard Blucher, 1988.
NESE, F. J. M. “Como ler plantas e projetos : guia visual de desenhos de construção”.
REBELLO, Yopanan Conrado Pereira. Bases para projeto estrutural na arquitetura. São
Paulo: Editora Zigurate.
SARAPKA, Elaine Maria. Desenho arquitetônico básico. São Paulo: Editora PINI, 2009.

73
Disciplina: DESENHO TÉCNICO ASSISTIDO POR COMPUTADOR
Formação: Optativa Série/Período: Carga Horária: 54h
Pré-requisito: Desenho Técnico Civil II
Ementa:
Esta disciplina desenvolve habilidades no domínio dos comandos de um programa
específico para os desenhos técnicos usados em engenharia civil. Ela introduz conceitos de
construção e edição de gráficos em duas e três dimensões. Enfoca, em detalhes, a
configuração da área de trabalho; comandos de construção; visualização; edição; textos;
biblioteca de símbolos; escalas; cotagem; espessura de traçados; impressão; simulação e
validação de desenhos.
Objetivo:
Desenvolver nos alunos habilidades técnicas para a execução de desenhos de engenharia
civil, com o uso de um programa de computador específico.
Bibliografia:

Básica
BALDAM, Roquemar, COST, Lourenço. Autocad 2013: Utilizando Totalmente. s.e. , 2007.
OBERMEYER, Thomas L. Manual AutoCAD para Desenho de Arquitetura. 1ed. São
Paulo: Editora McGraw Hill,1990.
MONTENEGRO, Gildo A. Desenho arquitetônico. São Paulo: Edgar Blucher, 2001

Complementar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10067 - Princípios Gerais
de Representação em Desenho Técnico. Rio de Janeiro.
CHING, F. D. K. Representação Gráfica em Arquitetura. Porto Alegre: Editora
Bookman, s.d.
FERREIRA, Patrícia. Desenho de arquitetura. Editora Atual, 2011.
REBELLO, Yopanan Conrado Pereira. Bases para projeto estrutural na arquitetura. São
Paulo: Editora Zigurate.
SARAPKA, Elaine Maria. Desenho arquitetônico básico. São Paulo: Editora PINI, 2009.

74
Disciplina: DOSAGEM DE CONCRETOS
Formação: Profissionalizante Série/Período: Optativa Carga Horária: 54h
Pré-Requisito: Materiais de Construção I
Ementa: Concreto de cimento Portland e materiais constituintes, tipos de concreto, critérios
de desempenho de acordo com a NBR 6118, princípios e critérios de dosagem, dosagens de
concretos convencional, alto desempenho e autoadensável.
Objetivo: saber dosar e avaliar as propriedades de um concreto, conhecendo princípios e
parâmetros de dosagem.
Bibliografia:

Básica

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118: Projeto de


estruturas de concreto - procedimento. ABNT: 2014.
_____ NBR 12655 Concreto de Cimento Portland- Preparo, controle, recebimento e
aceitação – Procedimento ABNT 2015.
_____ NBR 8953 Concretos para fins estruturais- classificação pela massa especifica por
grupos de resistência e consistência ABNT 2015
HELENE, P; TERZIAN, P. Manual de dosagem e controle do concreto. 1. Ed. São Paulo:
PINI, 1993.
MEHTA, P. K; MONTEIRO, P. J. M. (1994). Concreto: estrutura, propriedades e materiais.
Editora PINI.
NEVILLE, A. (1997). Propriedades do concreto. Editora PINI.
Complementar

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Normas do CB 18.


AITCIN, P.; tradução de Geraldo G. Serra: Concreto de Alto Desempenho. São Paulo:
Editora PINI, 2000
FREIRE, W.J.E.; BERALDO, A. L. Tecnologias e Materiais de Construção; São Paulo:
UNICAMP, 2003.
DAL MOLIN, D., VIEIRA, F., WOLF, J. Concreto de Alta Resistência. CD- room CAR-
ABCP
FREIRE, W.J.E.; BERALDO, A. L. Tecnologias e Materiais de Construção; São Paulo:
UNICAMP, 2003.

75
Disciplina: ENGENHARIA DE TRÁFEGO
Formação: Específica Série/Período: Optativa Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Noções e Arquitetura e Urbanismo
Ementa:
Elementos do tráfego que compõem o meio urbano juntamente com a necessidade de
deslocamento. Agentes participantes do tráfego urbano, assim como as variáveis do trânsito.
Características do tráfego, identificação da demanda veicular de um sistema viário e noção
de planejamento da oferta. Circulação e os sistemas inteligentes de transporte. Normas
técnicas referentes à sinalização do trânsito com base no ANEXO II do Código de Trânsito
Brasileiro.
Objetivo:
Conhecer os elementos que fazem parte da Engenharia de Tráfego, como usuários, veículos,
vias, ambiente e meios de circulação. Capacitar o aluno a perceber que as inter-relações
entre o sistema viário, os tipos de transporte, a ocupação e o uso do solo formam um mesmo
sistema que influenciam as atividades de controle do tráfego.
Bibliografia:

Básica
PORTUGAL, Licínio da Silva. Estudo de polos geradores de trafego e de seus impactos nos
sistemas viários e de transportes. São Paulo: Edgard Blucher.
SARAIVA, Marcio. A cidade e o tráfego: uma abordagem estratégica. Recife: Universidade
Federal de Pernambuco.
FILLIZZOLA, E. P.; NETO, F. M.; SCATENA, J. C.; PAULA, M. E. B. de; KAYAL, M.;
CUSTÓDIO, P. S. Noções Básicas de Engenharia de Tráfego. Boletim Técnico da
CET número 5. São Paulo.

Complementar
MORLOK, Edward. Introductions to Transportation Engineering and Planning. São Paulo:
Editora MCGRAW-HILL.
DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRANSITO. Manual de procedimentos para o
tratamento de polos geradores de trafego. Brasília: Denatran / FGV.
PORTUGAL, L. Polos Geradores de Viagens Orientados a Qualidade de Vida e Ambiental:
Modelos e Taxas de Geração de Viagens. Rio de Janeiro: Editora Interciência.
LINDAU, L. A. Engenharia de trafego e transportes 2000: avanços para uma era de
mudanças. Rio de Janeiro: ANPET.
LEITE, Jose Geraldo. Engenharia de trafego. CET

76
Disciplina: EQUAÇÕES DIFERENCIAIS
Formação: Básico Série/Período: 4º Carga Horária: 54h
Pré-requisitos: Cálculo Diferencial e Integral III

Ementa:
Equações Diferenciais Ordinárias, Equações Diferenciais Lineares de Ordem Superior,
Aplicações de Equações Diferenciais de Segunda Ordem, Sistemas de Equações Diferenciais
Lineares, Sistemas de Equações Lineares homogêneos, Matrizes e Sistemas de Equações
Lineares de Primeira Ordem, Matrizes e Sistemas de Equações Lineares de Primeira Ordem
Objetivo:
Objetiva-se que os estudantes adquiram conhecimentos de séries numéricas e de funções,
convergências simples e uniformes, séries de potências e funções analíticas, bem como
Equações Diferenciais Ordinárias (EDO’s), de 1a e 2a ordem, Sistemas de Equações
Diferenciais Ordinárias Lineares e Aplicações. Ao término da disciplina, o aluno deverá ser
capaz de: - resolver problemas envolvendo séries numéricas de funções, séries de potências e
funções analíticas; - resolver problemas envolvendo Equações Diferenciais Ordinárias e
sistemas de equações diferenciais lineares ordinárias, oriundas, principalmente, da
modelagem matemática de problemas físicos. - utilizar o computador e softwares
matemáticos para a resolução de problemas em EDO’s e, dentro do possível,
instrumentalizar a resolução destes para o ensino o Ensino Fundamental e Médio.
Bibliografia:
Básica
BOYCE, W. E., DIPRIMA, C. R. “Equações diferenciais elementares e problemas de valores
de contorno”. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Dois.
BRONSON, R. Moderna introdução às equações diferenciais. São Paulo: McGraw Hill.
STEWART, J. Cálculo. v. 1 e 2, 4a. ed. São Paulo: Pioneira, 2001. 1151 p.

Complementar
DIACU, F. “Introdução a equações diferenciais: teoria e aplicações”. Rio de Janeiro: Editora
LTC.
FIGUEIREDO, D. G. de. “Análise de Fourier e equações diferenciais parciais”. Rio de
Janeiro: Instituto de Matemática Pura e Aplicada.
SWOKOWSKI, E.W. “Cálculo com geometria analítica”. Volumes 1 e 2. São Paulo: Editora
Makron Books.
THOMAS, G. B. “Cálculo”. Volumes 1 e 2. São Paulo: Editora Pearson.
ZILL, D. G., CULLEN, M. R. “Equações diferenciais”. Volumes 1 e 2. São Paulo: Editora
Makron Books.

77
Disciplina: ESTAÇÕES DESCENTRALIZADAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS
Formação: Optativa Série/Período: Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Desenho Técnico Civil III e Hidráulica II
Ementa:
Conceitos básicos sobre as estações descentralizadas de tratamento de esgotos,
empregabilidade e eficiência. Os impactos e as tendências dos sistemas de tratamento
descentralizados. Estudos de concepção. Unidades componentes: ligações prediais, caixa de
gordura, caixa de passagem e inspeção, rede de esgoto e rede coletora. Operações e
processos das unidades de tratamento de esgotos: Wetlands Construído, Tanque Séptico,
Filtro Biológico, Biodigestores, Biorreator, Sumidouro, Valas de Infiltração, Reator UASB,
Estações e Unidades Pré-moldadas. Destinação final dos esgotos.
Objetivos:
Apresentar aos alunos os principais componentes dos sistemas descentralizados de
tratamento de esgotos. Aprimorar o conhecimento dos alunos referente ao sistema de
esgotamento sanitário e suas particularidades.
Bibliografia:

Básica
ANDRADE NETO, C. O. Sistemas simples para tratamento de esgoto sanitário: experiência
brasileira. Rio de Janeiro: ABES.
NUVALARI. A. Esgoto sanitário: coleta, transporte, tratamento e reuso agrícola. São Paulo:
Editora Edgard Blucher.
PESSOA, C. A. Tratamento de Esgotos Domésticos; concepções clássicas de tratamento de
esgotos. Rio de Janeiro: Editora S.C.P.
PITALUGA, D. P. S.; ALMEIDA, R. A.; REIS, R. P. A. Wetland construído no tratamento
de esgotos sanitários: Substratos. Frankfurt, Germany: Saarbrücken: Novas Edições
Acadêmicas.

Complementar
IMHOFF, K. R. Manual de Tratamento de Águas Residuárias. São Paulo: Editora Edgard
Blucher.
LEME, F. P. Planejamento e Projeto dos Sistemas Urbanos de Esgotos Sanitários. São Paulo:
Editora S.C.P.
PESSOA, C. A. Tratamento de Esgoto Doméstico. São Paulo: Editora S.C.P.
VON SPERLING, M. Princípios básicos do tratamento de esgotos. São Paulo: Editora
UFMG.
VON SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. São
Paulo: Editora DESA - UFMG.

78
Disciplina: ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE
Formação: Básico Série/Período: 3° Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: -

Ementa:
Análise de observações. Modelo matemático. Experimento aleatório e Espaço amostral.
Axiomas e teoremas básicos. Variáveis aleatórias. Distribuições e suas características.
Covariância e correlação. Distribuição conjunta. Principais modelos: Discretos e contínuos.
Estatística descritiva. Ajustamentos de Funções reais. Correlação e regressão. Noções de
amostragem e Testes de hipóteses. Aplicações.
Objetivo:
Utilizar os fundamentos da Estatística no domínio da aplicação e da análise em problemas de
engenharia.
Fornecer subsídios teóricos para que os alunos possam: realizar as análises exploratórias de
dados, determinar probabilidades de ocorrência de eventos, realizar inferências
populacionais, determinar modelos estatísticos para dados experimentais e tomar decisões
estatísticas.
Habilitar o aluno a adquirir técnicas a serem aplicadas nas diversas áreas do conhecimento,
assim como para as atividades profissionais, permitindo a ele desenvolver estudos
posteriores.
Bibliografia:

Básica
CRESPO, A. A. "Estatística Fácil". São Paulo: Editora Saraiva.
FONSECA, J. S. e MARTINS, G. de A. “Curso de Estatística”. São Paulo: Editora Atlas.
SPIEGEL, M. R. “Estatística”. São Paulo: Editora Mc Graw-Hill.

Complementar
MEYER, P. L. “Probabilidade: Aplicações à Estatística”. Rio de Janeiro: Editora LTC.
MORETTIN, P. A. “Introdução a Estatística para Ciências Exatas”. São Paulo: Editora Atual.
MORETTIN, L. G. “Estatística Básica”. Volumes 1 e 2. São Paulo: Editora Makron Books.
MONTEIRO FILHO, G. “Estatística Prática e Geral”. Goiânia: Editora Vieira.
STEVENSON, W. J. “Estatística Aplicada à Administração”. São Paulo: Editora Harbra.
BRAULE, R. “Estatística aplicada com Excel”. Rio de Janeiro: Editora Campus.
MONTGOMERY, D. C. “Estatística aplicada e probabilidade para engenheiros”. Rio de
Janeiro: Editora LTC.

79
Disciplina: ESTRUTURAS DE MADEIRA
Formação: Específico Série/Período: 10º Carga Horária: 27 h
Pré-requisito: Resistências dos materiais II e Teoria das estruturas II.
Ementa:
Introdução. Tipos de madeira e Produtos de madeira. Dimensionamento e detalhamento de
elementos estruturais tracionados. Dimensionamento e detalhamento de ligações
parafusadas. Dimensionamento e detalhamento de ligações do tipo entalhe.
Dimensionamento e detalhamento de elementos estruturais comprimidos. Dimensionamento
e detalhamento de elementos estruturais fletidos.
Objetivos:
Fornecer ao aluno conhecimentos básicos e necessários para análise, dimensionamento e
detalhamento de elementos estruturais e ligações em madeira.
Bibliografia:

Básica
ABNT. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7190 – Projeto de
Estruturas de Madeira. ABNT.
MOLITERNO, A. “Caderno de projetos de telhados em estruturas de madeira. São Paulo:
Editora Edgard Blucher..
PFEIL, W. , PFEIL, M. “Estruturas de Madeira: dimensionamento segundo a Norma
Brasileira NBR7190”. Rio de Janeiro: Editora LTC.

Complementar
ALVIM, R. de C. “Projeto de Estruturas de Madeira: Peças Compostas Comprimidas”. São
Paulo: Editora Edgard Blucher.
CALIL JR, C.; LAHR, F.A.R.; DIAS, A.A. “Dimensionamento de elementos estruturais de
madeira”. Barueri: Editora Manole.
CALIL JR., C.; MOLINA, J. C. “Coberturas em Estruturas de Madeira: Exemplos de
Cálculo”. São Paulo: Editora PINI.
NENNEWITZ, I.; NUTSCH, W.; PESCHEL, P.; SEIFERT, G. “Manual de Tecnologia da
Madeira”. São Paulo: Editora Edgard Blucher.
PEREIRA, A. F. “Madeiras Brasileiras: Guia de Combinação e Substituição”. Apoio
FAPEMIG. São Paulo: Editora Edgard Blucher.
PINI. “Fichas de Materiais e Serviços: Portas, Forros e Telhados – Alternativas Tecnológicas
para Edificações”. São Paulo: Editora PINI.

80
Disciplina: FENÔMENOS DOS TRANSPORTES
Formação: Básico Série/Período: 5º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Equações Diferenciais
Ementa:
Mecânica dos fluidos: Propriedades dos fluidos; Estática dos fluidos - manometria, forças
em superfícies planas e curvas, empuxo, estabilidade de corpos submersos e flutuantes.
Estudo dos fluidos em movimento - tipos de escoamento, conceitos de sistema e volume de
controle, conservação de massa, equação de energia e suas aplicações, equação de
Bernoulli, linhas de gradiente de energia, equação da quantidade de movimento e suas
aplicações. Análise dimensional e semelhança dinâmica; Escoamentos internos - efeitos
de viscosidade, escoamentos laminar e turbulento, perdas distribuídas e localizadas,
escoamento permanente à superfície livre. Máquinas de fluxo - teoria, diagrama de
velocidades, equações teóricas das máquinas, aplicações simples de curvas de bombas e
curvas de sistema; Escoamentos externos. Escoamento de fluidos compressíveis.
Transferência de massa: Difusão molecular e difusividade; Transferência de massa por
convecção e difusão turbulenta. Transmissão de calor.
Objetivo:
Transmitir ao estudante os princípios básicos e os conceitos de Mecânica dos Fluidos, que
são essenciais na análise e projeto dos sistemas em que o fluido é o meio atuante.
Bibliografia:

Básica
AZEVEDO NETTO, J. M., et al. Manual de Hidráulica. São Paulo: Editora Edgard Blucher.
BRUNETTI, F. Mecânica dos Fluidos. São Paulo: Editora. Pearson Prentice Hall.
INCROPERA, F. P.; DEWITT, D. P. Fundamentos de Transferência de Calor e Massa.
Tradução: Queiroz, E.M. e Pessoa, F.L.P. Rio de Janeiro: Editora LTC.

Complementar
KREITH, FRANK. e BOHN, M.S. Princípios de transferência de calor. Tradução: VICHI,
F.M. e MANSOR, M.T.C. São Paulo: Editora Pioneira Thomsom Learning.
FOX, R. W.; McDONALD, A. T. Introdução à Mecânica dos Fluidos. Rio de Janeiro:
Editora LTC.
MUSON, B. R.; YOUNG, D. F.; OKIISHI, T. H. Fundamentos da Mecânica dos Fluídos.
São Paulo: Editora Edgard Blücher.
VAN WYLEN, G. Fundamentos da Termodinâmica Clássica. São Paulo: Editora Edgard
Blucher.
ROMA, W. N. L. Fenômenos de Transporte para Engenharia. São Carlos: Editora Rima.

81
Disciplina: FÍSICA: MECÂNICA
Formação: Básico Série/Período: 2º Carga Horária: 81h
Pré-requisito: -
Ementa:
Medidas físicas. Vetores. Movimento em uma, duas e três dimensões. Leis de Newton.
Aplicações das leis de Newton. Trabalho e energia. Conservação da energia. Sistemas de
partículas. Impulso, momento linear e sua conservação. Colisões. Torque. Momento angular
da partícula e de sistemas de partículas. Conservação do momento angular. Rotação de
corpos rígidos.
Objetivo:
Desenvolver no discente os conceitos básicos da mecânica Newtoniana utilizando o
formalismo do cálculo diferencial e integral e da álgebra de vetores. Tratar fenômenos
físicos utilizando as leis de Newton e as leis de conservação. Aprimorar raciocínio lógico na
interpretação de problemas físicos. Verificar a presença de simetrias nos fenômenos naturais.
Bibliografia:

Básica
HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física. Rio de Janeiro:
Editora LTC.
SEARS, F. W.; ZEMANSKY, M,W. Física. Rio de janeiro: Editora LTC.
NUSSENZVEIG, H. M. Curso de Física Básica 1 - Mecânica. Rio de Janeiro: Editora
Edgard Blücher.

Complementar
ALONSO, M. Física: Um curso universitário. São Paulo: Editora Edgard Blucher.
ALAOR CHAVES. Física Básica. Rio de Janeiro: Editora LTC & LAB.
GOLDEMBERG, J. Física geral e experimental. São Paulo: Editora Nacional.
SONNINO, S. Mecânica Geral. São Paulo: Editora S.C.P.
RAMOS, L. A. M. Física Experimental. Porto Alegre: Editora Mercado Aberto.

82
Disciplina: LABORATÓRIO DE MECÂNICA
Formação: Básico Série/Período: 2º Carga Horária: 81h
Pré-requisito: -
Ementa:
Medida. Gráficos. Movimento em uma dimensão. Queda livre. Movimento uniformemente
variado. Força elástica. Equilíbrio de forças. Segunda lei de Newton. Conservação da
energia e do momento linear. Pêndulo balístico. Centro de massa.
Objetivo:
Introduzir os métodos de aquisição e análise de dados em física experimental. Compreender
a física como ciência empírica, reconhecendo a importância do processo de medida e da
interpretação dos resultados frente ao erro experimental.
Bibliografia:

Básica
HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física. Rio de Janeiro:
Editora LTC.
SEARS, F. W.; ZEMANSKY, M,W. Física. Rio de janeiro: Editora LTC.
NUSSENZVEIG, H. M. Curso de Física Básica 1 - Mecânica. Rio de Janeiro: Editora
Edgard Blücher.

Complementar
ALONSO, M. Física: Um curso universitário. São Paulo: Editora Edgard Blucher.
ALAOR CHAVES. Física Básica. Rio de Janeiro: Editora LTC & LAB.
GOLDEMBERG, J. Física geral e experimental. São Paulo: Editora Nacional.
SONNINO, S. Mecânica Geral. São Paulo: Editora S.C.P.
RAMOS, L. A. M. Física Experimental. Porto Alegre: Editora Mercado Aberto.

83
Disciplina: FÍSICA: FLUIDOS, ONDAS E CALOR
Formação: Básico Série/Período: 3º Carga Horária: 81h
Pré-requisito: Cálculo Diferencial e Integral I; Física: mecânica
Ementa:
Gravitação. Oscilações. Ondas em meios elásticos. Ondas sonoras. Fluidos. Calor e
temperatura. Leis da Termodinâmica. Teoria cinética dos gases. Entropia.
Objetivo:
Ao final do curso pretende-se que os alunos sejam capazes investigar de compreender e
distinguir os conceitos de calor e temperatura, expressar em linguagem científica as leis da
termodinâmica e relacionar a teoria com as aplicações tecnológicas afins, em particular na
compreensão de máquinas térmicas e refrigeradores. Pretende-se também que os discentes
sejam capazes de investigar fenômenos ondulatórios utilizando os fundamentos teóricos
construídos. Por fim, deseja-se que os mesmos saibam equacionar e resolver problemas de
hidrostática e hidrodinâmica.
Bibliografia:

Básica
ALONSO, M. Física: um curso universitário. São Paulo: Editora Edgard Blucher.
HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física – volume 2. Rio de
Janeiro: Editora LTC.
NUSSENZVEIG, H. M. Curso de Física Básica 2 - Fluídos, Oscilações e Ondas. São Paulo:
Editora Edgard Blücher.
SEARS, F. W.; ZEMANSKY, M. W. Física. Rio de janeiro: Editora LTC.

Complementar
CHAVES, A.; SAMPAIO, J. F. Física Básica – Gravitação/Fluídos/Ondas/Termodinâmica.
Rio de Janeiro: Editora LTC.
GOLDEMBERG, J. Física geral e experimental. São Paulo: Editora CIA Nacional.
HENNIS, C. E., GUIMARÃES, W. O. N., ROVERSI, J. A. Problemas Experimentais em
Física. São Paulo: Editora da Unicamp.
RAMOS, LUÍS ANTÔNIO M. Física Experimental. Porto Alegre: Editora Mercado Aberto.
SEARS, F., YOUNG, H. D., FREEDMAN, R. A., ZEMANNSKY, M. W.; Física 2 –
Termodinâmica e ondas. Editora Addison Wesley.

84
Disciplina: LABORATÓRIO DE FLUIDOS, ONDAS E CALOR
Formação: Básico Série/Período: 3º Carga Horária: 81h
Pré-requisito: Física: mecânica; Laboratório de mecânica.
Ementa:
Pressão atmosférica e vácuo. Princípio de Arquimedes. Ondas na água. Oscilações
harmônicas e amortecidas. Ondas em uma corda. Ondas sonoras. Lei de resfriamento de
Newton. Calor específico de sólidos e líquidos. Calor latente de fusão e ebulição. Condução
do calor. Equivalente mecânico/elétrico do calor.
Objetivo:
Observar fenômenos ondulatórios e identificar e reconhecer, por meio de medidas, as suas
características. Inferir sobre a relação entre temperatura e calor em processos térmicos
realizados no laboratório.
Bibliografia:

Básica
ALONSO, M. Física: um curso universitário. São Paulo: Editora Edgard Blucher.
HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física – volume 2. Rio de
Janeiro: Editora LTC.
NUSSENZVEIG, H. M. Curso de Física Básica 2 - Fluídos, Oscilações e Ondas. São Paulo:
Editora Edgard Blücher.
SEARS, F. W.; ZEMANSKY, M. W. Física. Rio de janeiro: Editora LTC.

Complementar
CHAVES, A.; SAMPAIO, J. F. Física Básica – Gravitação/Fluídos/Ondas/Termodinâmica.
Rio de Janeiro: Editora LTC.
GOLDEMBERG, J. Física geral e experimental. São Paulo: Editora CIA Nacional.
HENNIS, C. E., GUIMARÃES, W. O. N., ROVERSI, J. A. Problemas Experimentais em
Física. São Paulo: Editora da Unicamp.
RAMOS, LUÍS ANTÔNIO M. Física Experimental. Porto Alegre: Editora Mercado Aberto.
SEARS, F., YOUNG, H. D., FREEDMAN, R. A., ZEMANNSKY, M. W.; Física 2 –
Termodinâmica e ondas. Editora Addison Wesley.

85
Disciplina: FÍSICA: ELETROMAGNETISMO
Formação: Básico Série/Período: 4º Carga Horária: 81h
Pré-requisito: Cálculo Diferencial e Integral I; Física: mecânica
Ementa:
Carga elétrica. Campo elétrico. Lei de Gauss. Potencial elétrico. Capacitância. Corrente
elétrica e resistência. Circuitos de corrente contínua. Campo magnético e força magnética.
Fontes de campo magnético. Indução eletromagnética. Indutância. Corrente alternada.
Equações de Maxwell.
Objetivo:
Desenvolver no discente os princípios fundamentais do eletromagnetismo. Dar subsídios ao
discente para que o mesmo possa articular os conceitos eletromagnéticos teóricos com as
práticas e as tecnologias da contemporaneidade.
Bibliografia:

Básica
HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física – volume 3. Rio de
Janeiro: Editora LTC.
NUSSENZVEIG, H. M.: Curso de Física Básica - Eletromagnetismo. Rio de Janeiro:
Edgard Blücher.
SEARS, F. W.; ZEMANSKY, M,W. Física. Rio de Janeiro: Editora LTC.

Complementar
ALONSO, M. Física; um curso universitário. São Paulo: Editora Edgard Blucher.
ALAOR CHAVES. Física Básica. Rio de Janeiro: Editora LTC & LAB
GOLDEMBERG, J. Física geral e experimental. São Paulo: Editora CIA Nacional.
PAULI, R. U. Física básica: eletricidade. São Paulo: Editora E.P.U.
RAMOS, L. A. M. Física Experimental. Porto Alegre: Editora Mercado Aberto.

86
Disciplina: LABORATÓRIO DE ELETROMAGNETISMO
Formação: Básico Série/Período: 4º Carga Horária: 81h
Pré-requisito: Física: mecânica; Laboratório de mecânica
Ementa:
Experimentos de laboratório envolvendo assuntos da eletrostática, eletrodinâmica,
magnetismo e eletromagnetismo, tais como: princípios da eletrostática, lei de Coulomb e
campo elétrico, lei de Gauss, potencial elétrico, capacitores e dielétricos, corrente e
resistência elétrica e força eletromotriz, circuitos e instrumentos de corrente contínua, campo
magnético de uma corrente, forças magnéticas sobre correntes, força eletromotriz induzida e
circuitos de corrente alternada.
Objetivo:
Introduzir os discentes na experimentação básica de eletricidade, capacitando-os para
compreender circuitos elétricos simples e manusear aparelhos de medição.
Bibliografia:

Básica
HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física – volume 3. Rio de
Janeiro: Editora LTC.
NUSSENZVEIG, H. M.: Curso de Física Básica - Eletromagnetismo. Rio de Janeiro:
Edgard Blücher.
SEARS, F. W.; ZEMANSKY, M,W. Física. Rio de Janeiro: Editora LTC.

Complementar
ALONSO, M. Física; um curso universitário. São Paulo: Editora Edgard Blucher.
ALAOR CHAVES. Física Básica. Rio de Janeiro: Editora LTC & LAB
GOLDEMBERG, J. Física geral e experimental. São Paulo: Editora CIA Nacional.
PAULI, R. U. Física básica: eletricidade. São Paulo: Editora E.P.U.
RAMOS, L. A. M. Física Experimental. Porto Alegre: Editora Mercado Aberto.

87
Disciplina: GEOMETRIA ANALÍTICA
Formação: Básico Série/Período: 1º Carga Horária: 54h

Pré-requisitos: -

Ementa:
Estudo do plano: distância entre dois pontos, vetores no plano, operações com vetores,
equação da reta, ângulos entre retas, distância de um ponto a reta. Cônicas: Parábola, elipse,
hipérbole. Translação de eixo e rotação de eixo. Estudo do espaço: Sistema de coordenadas,
distância entre dois pontos, vetores, operações com vetores. Equação do plano. Distância de
um ponto a um plano, de um ponto a uma reta e distância entre retas reversas. Quádricas:
Superfícies quádricas centradas e não centradas. Superfície cônica. Superfície cilíndrica.
Objetivo:
Visa familiarizar os alunos com a geometria analítica no plano e no espaço, com ênfase nos
seus aspectos geométricos e suas traduções em coordenadas cartesianas
Bibliografia:
Básica
WINTERLE, P., STEINBRUCH, A. “Geometria Analítica: um tratamento vetorial”. Rio de
Janeiro: Editora Mc Graw- Hill.
REIS. G. L. dos, SILVA, V. V. da. “Geometria Analítica”. Rio de Janeiro: Editora LTC.
BOULOS, P., CAMARGO, I. de. “Geometria analítica - um tratamento vetorial”. São
Paulo: Editora Prentice Hall.

Complementar
MACHADO, N. J. “Matemática por assunto: Geometria Analítica”. Volume 7. Rio de
Janeiro: Editora Scipione.
KRIKORIAN, J. “Geometria Analítica”. São Paulo: Editora Scipione.
KINDLE, J. H. “Geometria Analítica”. Rio de Janeiro: Editora Ao Livro Técnico
WINTERLE, P. “Vetores e geometria analítica”. São Paulo: Editora Makron Books.
SIMMONS, G. F. “Cálculo com Geometria Analítica”. São Paulo: Editora McGraw-Hill.

88
Disciplina: GERENCIAMENTO E PLANEJAMENTO DE OBRAS
Formação: Profissionalizante Série/Período: 9º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Tecnologia das Construções II, Gestão da Qualidade
Ementa:
Introdução ao gerenciamento de obras. Gerenciamento do Custo e Tempo da Construção.
Gerenciamento de Contratos. Gerenciamento da Obra.
Objetivo:
Preparar o aluno para gerenciar e estruturar equipes de trabalho, correlacionando conceitos
de produção, produtividade, contratos de serviços, segurança do trabalho e analisando o
desempenho em todo o canteiro de obras, de forma a possibilitar o planejamento através do
orçamento e cronograma físico-financeiro.

Bibliografia:

Básica
GOLDMAM, P. Introdução ao Planejamento e controle de custos na construção civil. São
Paulo: Editora PINI.
NETO, A. V. Como gerenciar construções. São Paulo: Editora PINI.
THOMAZ, É. Tecnologia, gerenciamento e qualidade na construção. São Paulo: Editora
PINI.

Complementar
LIMMER, C. V. Planejamento, Orçamento e Controle de Projetos e Obras. Rio de Janeiro:
Editora LTC.
PTACEK, Frantisek. O custo de Construção. São Paulo: Editora S.C.P.
CIMINO, R. Planejar para construir. São Paulo: Editora PINI.
CAMPBEL, P. Gerência de programas e projetos. São Paulo Editora PINI.
GIAMMUSSO, S. E. Orçamento e custos na construção civil. São Paulo: Editora PINI.

89
Disciplina: GESTÃO DA QUALIDADE
Formação: Específica Série/Período: 8º Carga Horária: 27 h
Pré-requisito: Tecnologia das Construções II
Ementa:
Qualidade: conceitos e filosofia. O Controle da Qualidade nas Empresas. Programa 5S.
Controle dos processos. Ferramentas utilizadas na Gestão da Qualidade. Normalização e
Padronização: série de normas NBR ISO 9000.
Objetivo:
Identificar os processos, métodos, técnicas e ferramentas utilizadas num sistema de gestão da
qualidade aplicado em empresas construtoras de edifícios, possibilitando ao profissional o
acompanhamento e intervenção a fim de garantir padrões e melhorias contínuas

Bibliografia

Básica
BARROS, C. D. C. Excelência em serviços: uma questão de sobrevivência no mercado. Rio
de Janeiro: Editora Qualitymark.
JURAN, J. M. Planejando para a qualidade. São Paulo: Editora Pioneira.
THOMAZ, E. Tecnologia, gerenciamento e qualidade na construção. São Paulo: Editora
PINI.

Complementar
AMBROZEWICZ, P. H. L. Qualidade na prática: conceitos e ferramentas. Curitiba: Editora
Senai-PR.
BERNARDES, C. et al. Qualidade e o Custo das Não-conformidades em Obras de Construção
Civil. São Paulo: Editora PINI.
HRADESKY, J. L. Aperfeiçoamento da qualidade e da produtividade: guia prático para a
qualidade. São Paulo: Editora McGraw Hill.
JURAN, J. M. Controle da qualidade: conceitos, políticas e filosofia de qualidade. São Paulo:
Editora MAKRON BOOKS.
LABOVITZ, G.; ROSANSKY, V. CHANG, Y. S. Qualidade na prática: um manual da
liderança para gerências orientadas para resultados. Rio de Janeiro: Editora Campus.

90
Disciplina: HIDRÁULICA I
Formação: Específico Série/Período: 7º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Fenômeno dos Transportes
Ementa:
Propriedades físicas dos fluidos. Hidrostática. Hidrodinâmica dos orifícios, bocais e
vertedores. Condutos forçados. Cinemática: classificação dos movimentos; linhas de
corrente e tubos de corrente;Equação da Continuidade. Equação de Bernoulli. Hidráulica
dos sistemas de recalque. Tipos de bomba. Cavitação, NPSH. Aplicações no Laboratório.
Objetivo:
Proporcionar ao estudante de Engenharia Civil conhecimentos básicos de hidráulica para
aquisição de competência e habilidade para tratar com assuntos relacionados ao
dimensionamento de condutos, estações elevatórias e temas afins em obras civis.
Incentivando-o a conduzir e interpretar experimentos na área dos problemas hidráulicos.
Bibliografia:

Básica
AZEVEDO NETTO, J. M., et al. Manual de Hidráulica. São Paulo: Editora Edgard Blucher.
BAPTISTA, Marcio Benedito. Fundamentos de Engenharia hidráulica. Belo Horizonte:
Editora UFMG.
BRUNETTI, F. Mecânica dos Fluidos. São Paulo: Editora Pearson Prentice Hall.

Complementar
CHAVES, Roberto. Manual Prático de Instalações Hidráulicas e Sanitárias. Rio de Janeiro:
Editora LTC.
CREDER, Hélio. Instalações Hidráulicas e Sanitárias. Rio de Janeiro: Editora LTC.
GARCEZ, Lucas Nogueira. Elementos de Engenharia Hidráulica e Sanitária. São Paulo:
Editora S.C.P.
MACINTYRE, Archibald Joseph. Manual de instalações hidráulicas e sanitárias. Rio de
Janeiro: Editora LTC.
MELO, Vanderley de Oliveira, NETTO, José Martiniano de Azevedo. Instalações Prediais
Hidráulico-Sanitárias. São Paulo: Editora Edgard Blucher.

91
Disciplina: HIDRÁULICA II
Formação: Específico Série/Período: 8º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Hidráulica I
Ementa:
Escoamentos livres: conceitos fundamentais, energia nos escoamentos livres; escoamento
uniforme, fórmula de Manning; Estruturas hidráulicas; Escoamento gradualmente variado,
formas e cálculo de linha d'água; escoamento bruscamente variado, ressalto hidráulico.
Estruturas hidráulicas: barragens, vertedores, estruturas dissipadoras de energia, canais,
bueiros, pontes.
Objetivo:
Proporcionar ao estudante de Engenharia Civil conhecimentos básicos de hidráulica para
aquisição de competência e habilidade para tratar com assuntos relacionados ao
dimensionamento de condutos, estações elevatórias e temas afins em obras civis.
Incentivando-o a conduzir e interpretar experimentos na área dos problemas hidráulicos.
Bibliografia:

Básica
AZEVEDO NETTO, J. M., et al. Manual de Hidráulica. São Paulo: Editora Edgard
Blucher.
BAPTISTA, Marcio Benedito. Fundamentos de Engenharia hidráulica. Belo Horizonte:
Editora UFMG.
BRUNETTI, F. Mecânica dos Fluidos. São Paulo: Editora Pearson Prentice Hall.

Complementar
CHAVES, Roberto. Manual Prático de Instalações Hidráulicas e Sanitárias. Rio de Janeiro:
Editora LTC.
CREDER, Hélio. Instalações Hidráulicas e Sanitárias. Rio de Janeiro: Editora LTC.
GARCEZ, Lucas Nogueira. Elementos de Engenharia Hidráulica e Sanitária. São Paulo:
Editora S.C.P.
MACINTYRE, Archibald Joseph. Manual de instalações hidráulicas e sanitárias. Rio de
Janeiro: Editora LTC.
MELO, Vanderley de Oliveira, NETTO, José Martiniano de Azevedo. Instalações Prediais
Hidráulico-Sanitárias. São Paulo: Editora Edgard Blucher.
GAIOTO, Nelio. Barragens de Terra e Enrocamento. São Carlos: Editora Escola de
Engenharia de São Carlos.

92
Disciplina: HIDROLOGIA
Formação: Específica Série/Período: Optativa Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Topografia II / Estatística e Probabilidade / Fenômenos de Transporte
Ementa:
Ciclo hidrológico e bacia hidrográfica. Precipitação. Evaporação e evapotranspiração.
Infiltração da água no solo. Escoamento superficial. Estudo da vazão de cursos d’água.
Modelos hidrológicos para aplicação em bacias hidrográficas. Estatística aplicada.
Regularização de vazões Transporte de sedimentos. Previsão de enchente.

Objetivo:
Colocar o estudante de Engenharia Civil em contato com os principais fenômenos
hidrológicos, necessários à sua formação para aquisição de competência e habilidade para
conduzir os problemas hidrológicos correlacionados à obras civis.
Bibliografia:

Básica
GARCEZ, Lucas Nogueira e ALVAREZ, Guillermo Acosta. Hidrologia. Ed. Edgard
Blucher, São Paulo – SP.
SOUZA PINTO, Nelson. L.; HOLTZ, Antonio Carlos Tatit; MARTINS, José Augusto;
GOMIDE, Francisco Luiz Sibut. Hidrologia Básica. Ed. Edgard Blucher, São Paulo –
SP.
VILLELA, Swami Marcondes e MATTOS, Arthur. Hidrologia Aplicada. Ed. McGRAW-
HILL, São Paulo-SP.

Complementar
BAPTISTA, Márcio B.; Nascimento, Nilo Oliveira; BARRAUD; Sylvie Técnicas
compensatórias em drenagem urbana. Porto Alegre. ABRH.
CANHOLI, Aluísio Pardo. Drenagem urbana e controle de enchentes. São Paulo. Oficina
de textos.
BOTELHO, Manoel Henrique Campos. Águas de chuvas: engenharia das aguas pluviais
nas cidades. São Paulo. Edgard Blucher.
NAGHETTINI, Mauro da Cunha. Notas de aula de Engenharia de Recursos Hídricos.
EHR/UFMG. Disponível em: http://www.ehr.ufmg.br/graddet.php?numaut=13
NAGHETTINI, Mauro da Cunha; PINHEIRO, Mário Cicarelli; VERSIANI, Bruno Rabelo;
e NASCIMENTO, Nilo de Oliveira. Notas de Aula de Hidrologia Aplicada.
UFMG/EHR.
TUCCI, Carlos Eduardo Morelli. Hidrologia Ciência e Aplicação. Porto Alegre. ABRH.

93
Disciplina: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO
Formação: Básico Série/Período: 5º Carga Horária: 27 h
Pré-requisito: -
Ementa:
O papel da administração e do administrador das finanças da empresa. Conceitos
econômicos básicos. Risco, retorno e valor. Administração do Capital de Giro. Fontes de
financiamento a curto e longo prazo. Investimento e custo de capital. Teorias de
administração. Princípios de administração. As funções de planejamento e controle.
Administração da produção, financeira, pessoal e suprimentos. Noções e contabilidade e
balanço.
Objetivo:
Adquirir noções da área de administração.
Bibliografia:

Básica
AZEVEDO, A. C. S. Introdução à engenharia de custos: fase investimento. São Paul: Editora
PINI.
BORGES, A. A. Introdução à Administração de Empresas. São Paulo: Editora Ática.
CHIAVENATO, I. Introdução à teoria geral da administração. São Paulo: Editora Mc Graw-
Hill.
MAXIMIANO, A. C. A. Introdução à administração. São Paulo: Editora Atlas.
MOTTA, F. C. P. Teoria geral da administração: uma introdução. São Paulo: Editora
Pioneira.

Complementar
CASAROTO F. N. Análise de Investimento. São Paulo: Atlas.
FINNERTY, J. D. Project Finance: engenharia financeira baseada em ativos. Rio de Janeiro:
Qualitimark.
GITMAN, L. J. Princípios de Administração Financeira. São Paulo: Editora Harbra.
KWASNICKA, E. L. Introdução à Administração. São Paulo: Atlas.
SAMANEZ, C. P. Matemática Financeira: Aplicações a Análise de Investimentos. São
Paulo: Makron Books.

94
Disciplina: INTRODUÇÃO À ECONOMIA
Formação: Básico Série/Período: 5º Carga Horária: 27 h
Pré-requisito: -
Ementa:
Introdução aos tópicos fundamentais da ciência econômica: escassez, bens e serviços, fatores
de produção, sistemas econômicos e fluxos econômicos, noções de microeconomia:
demanda, oferta, equilíbrio de mercado e estruturas de mercado; noções de macroeconomia:
agregados macroeconômicos, politicas macroeconômicas, seus objetivos e instrumentos
(politica fiscal, monetária, cambial, comercial e de rendas) e noções de contabilidade
nacional.
Objetivo:
Dominar os conhecimentos básicos necessários à compreensão dos fenômenos da economia..

Bibliografia:

Básica
BIELSCHOWSKY, Ricardo. Pensamento Econômico Brasileiro. 5ª ed. Rio de Janeiro:
Contraponto, 2004 (5exempl)
KRUGMAN, Paul R. Introdução à Economia. Rio de Janeiro: Elsevier.
MANKIW, N. G. Introdução à Economia. São Paulo: Cengage Learning.

Complementar
HUNT, E. K. História do Pensamento Econômico: uma perspectiva crítica. São Paulo:
Campus.
ROSSETI, José Paschoal. Introdução à economia. São Paulo: Atlas.
SHAUSHA, Samer. Estrutura a termo da taxa de juros e dinâmica macroeconômica no
Brasil. Rio de Janeiro: BNDES.
VASCONCELLOS, Marco Antonio S. de. Economia: Micro e Macro. São Paulo: Atlas.
WONNACOTT, Paul; WONNACOTT, Ronald. Economia. São Paulo: Makron Books.

95
Disciplina: LEGISLAÇÃO APLICADA
Formação: Específico Série/Período: 10º Carga Horária: 27h

Pré-requisito: - Tecnologia das Construções I

Ementa:
Noções de Direito Civil. Legislação Municipal relativo às Edificações. Embargos e
Regularização das Construções. Legislação Profissional. Código de Ética Profissional.
Código de Defesa do Consumidor. Noções de Direito do Trabalho. Legislação Ambiental.

Objetivo:
Dar ao aluno a oportunidade de estudar as leis que deverão ser observadas no exercício da
profissão, além de confirmar os princípios éticos, através de aspectos filosóficos e do
Código de Ética Profissional.

Bibliografia:
Básica
BRASIL. Constituição Federal; Códigos (Civil, Consumidor, Águas, Legislação Ambiental,
CLT).
COTRIN, G. V. Direito e Legislação (Introdução ao Direito), Rio de Janeiro: Ed. Saraiva.
CHIAVENATO, A. Iniciação à Administração Geral, São Paulo: Ed. Makron Books.

Complementar
NALINI, J. R. Ética Geral e Profissional. São Paulo: Editora Rt.
VALLS, Á. L. M. O Que é Ética. São Paulo: Editora Brasiliense.
MEDEIROS, J. A perícia judicial - como redigir laudos e argumentos dialeticamente. São
Paulo: Editora PINI.
MARTINS, S. P. Instituições de Direito Público e Privado. São Paulo: Editora Atlas.
PINHO, R. R. Instituições de Direito Público e Privado. São Paulo: Editora Atlas.

96
Disciplina: LIBRAS
Formação: Básica Série/Período: Optativa Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: -
Ementa:
Aspectos históricos, legais, culturais, conceituais, gramaticais e linguísticos da Língua
Brasileira de Sinais (LIBRAS). Introdução às práticas de conversação e tradução em
LÍBRAS. A LÍBRAS como instrumento básico no processo de inclusão educacional do surdo
e instrumento da prática docente.
Objetivo:
Contextualizar os aspectos históricos e legais da vida social e educacional do surdo.
Apresentar e discutir a cultura e os conceitos que envolvem a pessoa surda. Construir
enunciados com o uso apropriado da gramática e dos conceitos linguísticos. Romper o
paradigma da exclusão e promover a inclusão social e educacional do surdo em sala de aula.
Bibliografia:

Básica
CAPOVILLA, Fernando C.; RAPHAEL, Walquiria D. Dicionário Enciclopédico Ilustrado
Trilingue da Língua de Sinais Brasileira. 3. ed.São Paulo: Edusp, 2001.
GESSER, Audrei. LIBRAS: que língua é essa? São Paulo: Parábola, 2009
QUADROS, Ronice M. de; KARNOPP, Lodenir B. Língua de sinais brasileira: estudos
linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

Complementar

BRASIL. Lei n.° 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais -
Libras e dá outras providências. Disponível em:
<http://planalto.gov.br/CCIVIL_03/LEIS/2002/L10436.htm>. Acesso em 04 out. 2012.
BRASIL. Decreto n.° 5626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24
de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da
Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000.
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm>.
Acesso em 04 out. 2012.
BRITO, Lucinda Ferreira. Por uma gramática de línguas de sinais. Rio de Janeiro: Editora
Tempo Brasileiro.
FELIPE, Tânia A. Libras em contexto. Brasília Editor: MEC/SEESP Nº Edição: 7 Ano: 2010.
QUADROS, R. M. O tradutor de língua brasileira de sinais e língua portuguesa. 2. ed.
Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007. Disponível
em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/tradutorlibras.pdf>. Acesso em: 24
nov. 2011.
THOMA, Adriana da Silva; LOPES, Maura Corcini (Org.). A invenção da surdez: cultura,
alteridade e identidade e diferença no campo da educação. Santa Cruz do Sul:
EDUNISC, 2004. p. 73-82.

97
Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA
Formação: Básico Série/Período: 1º Carga Horária: 54h

Pré-requisito: -

Ementa:
Linguagem e processo de comunicação. Elementos estruturais do texto oral e escrito. Prática
de leitura e produção. Usos e funções da linguagem. Os vários níveis de leitura.
Objetivo:
Aperfeiçoar e/ou atualizar noções teóricas e de uso de Língua Portuguesa com a finalidade
de habilitar o aluno a compreender, organizar e produzir textos claros, coerentes, objetivos e
completos, de acordo com a exigência específica de sua área de atuação.
Bibliografia:

Básica
ANDRADE,M. M.;HENRIQUES, A. Língua Portuguesa: noções básicas para cursos
superiores. São Paulo: Editora Atlas.
CUNHA,C.; CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro:
Editora Nova Fronteira.
FIORIN, J. L.; SAVIOLI, F. P. Para entender o texto: leitura e redação. São Paulo:
Editora Ática.

Complementar
BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. São Paulo: Editora Moderna.
BELTRÃO, O; BELTRÃO, M. Correspondência-linguagem & comunicação. São Paulo:
Editora Atlas.
GARCIA, O. M. Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro: Editora Fundação
Getúlio Vargas.
MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. São
Paulo: Editora Atlas.
MEDEIROS, João Bosco. Português instrumental: para cursos de contabilidade,
economia e administração. São Paulo: Editora Atlas.

98
Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I
Formação: Profissionalizante Série/Período: 4º Carga Horária: 81 h
Pré-requisito: Química
Ementa:
Identificação e classificação dos materiais de construção civil. Produção e aplicação dos
materiais rochosos. Produção, classificação e caracterização dos agregados para argamassas
e concretos. Definição, classificação, produção e avaliação das propriedades dos
aglomerantes minerais. Aditivos e adições minerais para argamassas e concretos. Produção,
aplicação e propriedades de argamassas. Tipos de concreto de cimento Portland, produção e
propriedades tecnológicas.
Objetivo:
Ao final do curso, o aluno deverá ser capaz de identificar, selecionar e especificar os
materiais a serem utilizados na construção civil, com base em suas propriedades
tecnológicas e processos de produção, atendendo aos critérios de desempenho e durabilidade
e às recomendações das normas técnicas da ABNT.
Bibliografia:

Básica
ALVES, JOSÉ D. Materiais de construção. Goiânia: Editora UFG.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Normas do Comitê Brasileiro de
cimento, concreto e agregados (CB18). <Disponível em:
http://www.abntcolecao.com.br/ifg/>
GUIMARÃES, JOSÉ E. P. A. cal: fundamentos e aplicações na engenharia civil. São Paulo:
Editora PINI.
HELENE, P. Manual de dosagem e controle do concreto. São Paulo: Editora Artes Gráficas..
MEHTA, P. K.; MONTEIRO, P. Concreto: estrutura, propriedade e materiais. São Paulo:
Editora PINI.
PETRUCCI, ELADIO G. G. Materiais de construção. Porto Alegre: Editora Globo.
PETRUCCI, ELADIO G. G. Concreto de Cimento Portland. Porto Alegre: Editora Globo.

Complementar
BAUER, LUIZ A. F. Materiais de construção. Rio de Janeiro: Editora LTC.
GIOVANNETTI, EDIO. Princípios básicos sobre concreto fluido. São Paulo: Editora PINI.
OLIVEIRA, ANTÔNIO M.S.; NERTAM, SÉRGIO. Geologia de engenharia. Rio de Janeiro:
Editora ABGE.
RIPPER, E. Manual prático de materiais de construção: recebimento, transporte interno,
estocagem, manuseio e aplicações. São Paulo: Editora PINI.
TARTUCE, RONALDO. Dosagem experimental do concreto. São Paulo: Editora PINI.

99
Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II
Formação: Profissionalizante Série/Período: 5º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Materiais de construção I
Ementa:
Aços para estruturas metálicas e de concreto armado. Produção, estrutura anatômica,
propriedades físicas e mecânicas da madeira. Produção, aplicação e propriedades físicas e
mecânicas dos tijolos maciços, blocos e telhas cerâmicas. Produção e características
tecnológicas das placas cerâmicas. Tintas e vernizes. Vidro na construção civil. Produção e
propriedades tecnológicas dos blocos de concreto. Introdução aos ligantes e concretos
asfálticos.
Objetivo:
Ao final do curso, o aluno deverá ser capaz de identificar, selecionar e especificar os
materiais a serem utilizados na construção civil, com base em suas propriedades
tecnológicas e processos de produção, atendendo aos critérios de desempenho e durabilidade
e às recomendações das normas técnicas da ABNT.

Bibliografia:

Básica
ALVES, JOSÉ D. Materiais de construção. Goiânia: Editora UFG.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Normas referentes a materiais
cerâmicos, madeira, aço, blocos de concreto. <Disponível em:
http://www.abntcolecao.com.br/ifg/>
BAUER, LUIZ A. F. Materiais de construção. Rio de Janeiro: Editora LTC.
PETRUCCI, ELADIO G. G. Materiais de construção. Porto Alegre: Editora Globo.

Complementar
KUNIOSHI, SINZO. Aço - propriedades, características e aplicações. São Paulo: ETFSP.
NASCIMENTO. OTÁVIO LUIZ DO. Alvenaria – sistemas de revestimento. Rio de Janeiro:
Editora IBS/CBCA.
MANO, ELOISA BIASOTTO. Polímeros como materiais de engenharia. São Paulo: Edgard
Blucher.
REQUENA, JOAO ALBERTO VENEGAS. Classificação e determinação das características
físicas e mecânicas das espécies de madeira. Goiânia: Editora UCG.
FAZENDA, JORGE M.R.(COORD). Tintas e vernizes. São Paulo: Edgard Blucher.

100
Disciplina: MECÂNICA DOS SOLOS I
Formação: Profissionalizante Série/Período: 5º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: -
Ementa:
Os solos sob o ponto de vista da Engenharia – Conceitos Básicos; Origem e Formação dos
Solos; Índices físicos dos solos; Amostragem e noções sobre prospecção dos solos;
Caracterização e classificação dos solos; Compactação dos solos; ISC ou CBR e módulo de
resiliência; Tensões geostáticas; Permeabilidade e Fluxo d’água nos solos.
Objetivo:
Mostrar a importância do estudo dos solos como materiais de suporte e/ou construção das
obras em geral; Transmitir conhecimentos teóricos e experimentais da Mecânica dos Solos e
estudar seus campos de aplicação nas obras e estudos técnicos da área de Engenharia Civil.
Bibliografia:

Básica
BRAJAS, M. Fundamentos da engenharia geotécnica. São Paulo: Editora Thomson.
CAPUTO, Homero Pinto. Mecânica dos solos e suas aplicações. Volume. 1, 2 e 3. Rio de
Janeiro: Editora LTC.
PINTO, C. S. Curso básico de mecânica dos solos. São Paulo: Editora Oficina de Textos.

Complementar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Normas diversas – disponíveis
para consulta online no site do IFG.
CRAIG, R. F.. Mecânica dos Solos. Rio de Janeiro: Editora LTC.
NOGUEIRA, João Baptista. Mecânica dos Solos. São Carlos: Editora Escola de Engenharia
de São Carlos.
STANCATI, Gene, VILAR, Orêncio Monje. Mecânica dos Solos – volumes 1 e 2. São Carlos:
Escola de Engenharia de São Carlos.
VARGAS, M. Introdução à mecânica dos solos. São Paulo: Editora SCP.

101
Disciplina: MECÂNICA DOS SOLOS II
Formação: profissionalizante Série/Período: 6º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Mecânica dos Solos I
Ementa:
Acréscimos de Tensões nos Solos; Compressibilidade dos solos e Recalques elásticos; Teoria
do Adensamento e Parâmetros de compressibilidade; Resistência ao cisalhamento dos solos;
Empuxos de Terra e Muros de Arrimo; Estabilidade de Taludes.
Objetivo:
Mostrar a importância do estudo dos solos como materiais de suporte e/ou construção das
obras em geral; Transmitir conhecimentos teóricos e experimentais da Mecânica dos Solos e
estudar seus campos de aplicação nas obras e estudos técnicos da área de Engenharia Civil.
Bibliografia:

Básica
PINTO, C. S. Curso básico de mecânica dos solos. São Paulo: Editora Oficina de textos.
BRAJAS, M. Fundamentos da engenharia geotécnica. São Paulo: Editora Thomson..
CAPUTO, Homero Pinto. Mecânica dos solos e suas aplicações. Volume. 1, 2 e 3. Rio de
Janeiro: Editora LTC.

Complementar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Normas diversas – disponíveis
para consulta online no site do IFG.
BUENO, Benedito de Souza, VILAR, Orencio Monje. Mecânica dos Solos. São Carlos:
Escola de Engenharia de São Carlos.
GAIOTO, Nélio. Noções de Resistência ao Cisalhamento dos Solos. São Carlos: Escola de
Engenharia de São Carlos.
GUIDICINI, Guido. Estabilidade de taludes naturais e de escavação. São Paulo: Editora
Edgard Blucher.
NOGUEIRA, João Baptista. Mecânica dos Solos. São Carlos: Editora Escola de Engenharia
de São Carlos.
VARGAS, M. Introdução à mecânica dos solos. São Paulo: Editora SCP.

102
Disciplina: MECÂNICA GERAL
Formação: Básico Série/Período: 4º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Cálculo Diferencial e Integral II, Física: Mecânica, Laboratório: Mecânica
Ementa:
Princípios e conceitos fundamentais. Estática das partículas e dos corpos rígidos. Sistemas
de forças equivalentes. Energia e Trabalho Virtual. Cinemática dos corpos rígidos.
Movimento plano dos corpos rígidos. Vibrações mecânicas.
Objetivo:
Desenvolver, no estudante de engenharia, a capacidade de analisar problemas de maneira
simples e lógica. Mostrar que os conceitos estudados se aplicam aos pontos materiais, aos
corpos rígidos isolados e aos sistemas de corpos rígidos.
Bibliografia:

Básica
BEER, R. P. “Mecânica vetorial para engenheiros: estática”. Porto Alegre: Editora AMGH.
BEER, R. P. “Mecânica vetorial para engenheiros: cinemática e dinâmica”. São Paulo:
Makron Books.
HIBBELER, R. C. “Estática: mecânica para engenharia”. São Paulo: Editora Pearson.

Complementar
HIBBELER, R. C., RITTER, J. “Dinâmica: mecânica para engenharia”. São Paulo: Editora
Pearson.
SHAMES, I. H. “Estática: mecânica para engenharia”. São Paulo: Editora Prentice Hall.
TIMOSHENKO, S. P. “Mecânica técnica: Dinâmica”. Rio de Janeiro: Editora Ao Livro
Técnico.
NUSSENZVEIG, H. M.: “Curso de Física Básica: Mecânica”. Rio de Janeiro: Editora
Edgard Blücher. .
BEER, R. P. “Resistência dos Materiais”. São Paulo: Editora McGraw-Hill.

103
Disciplina: METODOLOGIA CIENTÍFICA
Formação: básico Série/Período: 3º Carga Horária: 27 h
Pré-requisito: -
Ementa:
Linguagem, comunicação e conhecimento. Ciência e Método. Elaboração de projeto de
pesquisa. Normas básicas de elaboração e apresentação de texto científico.
Objetivo:
Desenvolver no aluno habilidades de leitura, sistematização de dados de investigação
da realidade de acordo com as exigências da ciência, da tecnologia e de produção de
trabalhos acadêmicos e científicos para o desenvolvimento do trabalho monográfico.

Bibliografia:

Básica
LAKATOS, E. M.. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Editora Atlas.
FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Tradução de Joice E.Costa. Porto Alegre:
Editora Bookman.
MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil.

Complementar
MARCONI, M. A; LAKATOS, E. M. Fundamentos de Metodologia. São Paulo: Editora
Atlas.
CHASSOT, Á. I. A ciência através dos tempos. São Paulo: Editora Moderna.
CARVALHO, M. C. M. Construindo o Sabe. Técnicas de metodologia científica.
Campinas: Editora S.C.P.
JANTSCH, A.P.; BIANCHETTI, L. Interdisciplinaridade para além da filosofia do
sujeito. Petrópolis: Editora Vozes.
BAZZO, W.A.; PEREIRA, L.T.V. Conversando sobre educação tecnológica.
Florianópolis: Editora UFSC.
BAZZO, W.A. De técnico e de humano. Questões contemporâneas. Florianópolis:
Editora UFSC.

104
Disciplina: NOÇÕES ARQUITETURA E URBANISMO
Formação: profissionalizante Série/Período: 4º Carga Horária: 54h
Pré-requisito: Desenho Técnico Civil III
Ementa:
Caracterização das configurações urbanas através das relações entre espaço e sociedade.
Enfoque sobre a urbanização a partir das transformações ocorridas principalmente na França e
Inglaterra e nas cidades norte-americanas. As formas urbanização sul-americana e brasileira. As
transformações ocorridas na indústria, a influência do processo de industrialização na
concepção e nos programas dos edifícios, o debate estético. As novas ideologias de projeto.
Análise da relação entre espaço e as características socioeconômicas da população.
Objetivo:
Oferecer ao aluno, através de textos, discussões e trabalhos práticos, uma visão crítica da cidade
e da estrutura urbana a partir de seus componentes físicos (naturais e artificiais), econômicos e
sociais. A partir de áreas urbanas específicas e de análises do contexto, introduzir o aluno em
projetos arquitetônicos e urbanísticos, com ênfase neste último. Através de exercícios de
intervenção em um setor urbano, trabalhar com questões metodológicas e da vinculação entre
Arquitetura Urbana e as redes de infra-estrutura.
Bibliografia
Básica
BENEVOLO, L. História da cidade. São Paulo: Editora Perspectiva.
CHING, F. K. Representação Gráfica em Arquitetura. Porto Alegre: Bookman.
ROAF, S. A adaptação de edificações e cidades as mudanças climáticas. RS: Bookman.
GREGORY, R. As mais importantes edificações contemporâneas: plantas, cortes e
elevações. São Paulo: Bookman.
Complementar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6492: Representação de
Projetos de Arquitetura. Rio de Janeiro: ABNT..
__________________. NBR 5671: Participação dos intervenientes em serviços e obras de
engenharia e arquitetura. RJ: ABNT.
__________________. NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e
equipamentos urbanos. Rio de Janeiro: ABNT.
__________________. NBR 13531: Elaboração de Projetos de Edificações – Atividades
Técnicas. Rio de Janeiro: ABNT..
__________________. NBR 13532: Elaboração de Projetos de Edificações - Arquitetura.
Rio de Janeiro: ABNT..
BRASIL. Lei nº 10.257 de 10 de julho de 2001. Disponível
em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10257.htm>. Acesso em 06
nov. 2015. Estatuto da cidade.
CHING, F. K. Técnicas de construção ilustradas. Porto Alegre: Bookman.
GOIANIA. Lei complementar nº171 de 29 de maio de 2007. Diário Oficial Município de
Goiânia, Goiânia, GO, nº 4147, 26 jun. 2007. Plano Diretor de Goiânia
MARICATO, E. Brasil, cidades: alternativas para a crise urbana. Petrópolis: Vozes.
MONTENEGRO, G. Desenho Arquitetônico. São Paulo: Edgard Blucher.
MUMFORD, L. A cidade na História. São Paulo; Martins Fontes.
NEUFERT, P. Arte de projetar em arquitetura. São Paulo: Editora Barcelona.
RYKWERT, J. A sedução do lugar: a história e o futuro da cidade. São Paulo: Martins
Fontes.

105
Disciplina: ORÇAMENTO I
Formação: Profissionalizante Série/Período: 9º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Tecnologia das Construções II, Projeto e Estruturas de Concreto I,
Projeto e Instalações Elétricas, Projeto e Estruturas de Fundações, Projeto e Instalações
Hidrossanitárias.
Ementa:
Memorial Descritivo, Especificações técnicas dos materiais, Caderno de Encargos,
conceitos e definições. Normas técnicas, Levantamento Quantitativo, Custos diretos e
indiretos. Composição Unitária: BDI, mão-de-obra, materiais e equipamentos. Elaboração
da Planilha Orçamentária.
Objetivo:
Apresentar ao aluno as etapas de elaboração de memoriais descritivos, especificações
técnicas de materiais e serviços, cadernos de encargos dos serviços técnicos e quantificação
dos serviços, composição unitária e planilha orçamentária.

Bibliografia:

Básica
GIAMUSSO, S. Orçamento e custos na construção civil. São Paulo: Editora PINI.
LIMMER, C. V. Planejamento, Orçamento e Controle de Projetos e Obras. Rio de Janeiro:
Editora LTC.
TCPO – Tabela de Composição de Preços para Orçamento. São Paulo: Editora PINI.

Complementar
GOLDMAN P. Introdução ao Planejamento e Controle de custos na Construção Civil
Brasileira. São Paulo: Editora PINI.
PTACEK, F. O custo da construção. São Paulo: Editora SCP.
SILVA, M. B. Manual de BDI: como inclui benefícios e despesas indiretas em orçamentos
de obras de construção civil. São Paulo: Edgard Blucher.
CIMINO, R. Planejar para construir. São Paulo: Editora PINI.
CAMPBEL, P. Gerência de programas e projetos. São Paulo: Editora PINI.

106
Disciplina: ORÇAMENTO II
Formação: Profissionalizante Série/Período: 10º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Projeto e Construções de Estradas, Orçamento I
Ementa:
Levantamento de quantitativos e memorial de cálculo para obras rodoviárias e ferroviárias;
montagem de planilha orçamentária; custo horário de equipamentos, máquinas e veículos;
composição de custos ou preços unitários; Benefício e Despesas Indiretas (BDI);
Cronogramas Físico-financeiros; Curvas ABC, Planejamento e Controle de Obras; sistemas
de medições de obras.
Objetivo:
Ao final do curso o aluno deverá ser capaz de compreender os conceitos relacionados a
orçamento e especificações de obras rodoviárias e ferroviárias, e saber aplicá-los na área
profissional.
Bibliografia:

Básica
AGETOP. Especificações Gerais para Obras Rodoviárias. Vol. I. Goiânia: Agência Goiana
de Transportes e Obras Públicas – AGETOP.
SILVA, M. B. Manual de BDI : como inclui benefícios e despesas indiretas em orçamentos
de obras de construção civil. São Paulo: Edgard Blucher.
PINI. Tabelas de composição de preços para orçamento - TCPO. São Paulo: Editora PINI.

Complementar
AGETOP / DNIT: Custo horário de equipamentos – analítico (s/ bonificação); Tabelas de
composição de serviços de terraplenagem e pavimentação; Tabelas de composição de
serviços de obras de arte especiais, etc. Tabelas disponíveis no site www.dnit.gov.br
link do IPR e www.agetop.go.gov.br .
CIMINO, R. Planejar para construir. São Paulo: Editora PINI.
DNIT - Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes - IPR – Instituto de
Pesquisas Rodoviárias. (Antigo DNER – Departamento Nacional de Estradas de
Rodagem). Normas disponíveis no site www.dnit.gov.br link do IPR.
GIAMMUSSO, S. Orçamento e custos na construção civil. São Paulo: Editora PINI.
LIMMER, C. Planejamento, orçamento e controle de projetos de obras. Rio de Janeiro:
Editora LTC.
TISOKA, M. Orçamento na construção civil: consultoria, projeto e execução. São Paulo:
Editora PINI.

107
Disciplina: PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES
Formação: Específica Série/Período: 10º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Tecnologia das Construções II
Ementa:
Conceitos de durabilidade, patologia e vida útil das estruturas. Patologias nas estruturas de
concreto, alvenaria, revestimentos cerâmicos, argamassas, impermeabilização e pinturas.
Origem dos problemas nas etapas do processo construtivo (planejamento/projeto, materiais,
execução e utilização).
Objetivo.
Pretende esclarecer o mecanismo das manifestações patológicas nas construções e as
diversas formas de prevenção e recuperação.

Bibliografia:

Básica
ANDRADE, C. Manual para diagnóstico de obras deterioradas por corrosão de armaduras.
São Paulo: Editora PINI.
HELENE, P. R. do L. Manual para reparo, reforço e proteção de estruturas de concreto. São
Paulo: Editora PINI.
THOMAZ, É. Trincas em edifícios: causas, prevenção e recuperação. São Paulo: Editora
PINI.

Complementar
FERNANDEZ, C. M. Patologia e terapia do concreto armado. São Paulo: Editora PINI.
SOUZA, V. C. M. de. Patologia, recuperação e reforço de estruturas de concreto. São Paulo:
Editora PINI.
HELENE, P. R. do L. Corrosão em armaduras para concreto armado. São Paul: Editora
PINI.
PICCHI, F. A. Impermeabilização da cobertura. São Paulo: Editora PINI.
VERCOZA, E. J. Impermeabilização na Construção. Porto Alegre: Editora SAGRA.

108
Disciplina: PAVIMENTAÇÃO
Formação: Específica Série/Período: 7º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Mecânica dos Solos I e Projeto e Construção de Estradas
Ementa:
Terminologia de Pavimentos Viários. Dimensionamento de Pavimentos Asfálticos.
Dimensionamento de Pavimentos Rígidos. Dimensionamento de Pavimentos Intertravados.
Estudos dos materiais constituintes dos pavimentos. Estudos de misturas betuminosas.
Projeto de Pavimentação.
Objetivo:
Propiciar aos alunos (as) a compreensão de todas as etapas de um projeto de pavimentação
de via terrestre, utilizando as teorias e práticas adotadas atualmente na execução de projetos
finais de engenharia, com emprego de métodos convencionais e ferramentas
computacionais. Eles (as) serão capazes de: identificar a terminologia dos pavimentos
flexíveis e rígidos de rodovias; identificar e classificar o tráfego nas rodovias; dimensionar
pavimentos rodoviários; compreender os diferentes tipos de estruturas dos pavimentos de
rodovias e ferrovias; identificar os elementos técnico-econômicos de vias terrestres;
conhecer, selecionar e aplicar os materiais utilizados na construção de pavimentos de vias
terrestres. Conhecer e projetar misturas betuminosas.
Bibliografia:

Básica
BALBO, José Tadeu. Pavimentação Asfáltica: materiais, projetos e restauração. São Paulo:
Oficina de Textos.
BERNUCCI et al. Pavimentação Asfáltica – Formação Básica para Engenheiros. Rio de
Janeiro: PETROBRÁS & ABEDA.
DNER. Manual de Dimensionamento de Pavimentos Flexíveis. Rio de Janeiro: IPR.
SENCO, Wlastermiller de. Manual de Técnicas de Pavimentação. São Paulo: PINI.

Complementar
BAPTISTA, Cyro de Freitas Nogueira. Pavimentação – volumes 1, 2, 3. Porto Alegre:
Globo.
BALBO, José Tadeu. Pavimentos de Concreto. São Paulo: Editora Oficina de Textos.
DNER. Manual de Pavimentação. Rio de Janeiro: IPR (disponível em
http://www.dnit.gov.br)
DNIT. Manual de Pavimentação. Rio de Janeiro: IPR. (disponível em
http://www.dnit.gov.br)
DNIT. Manual de Pavimentos Rígidos. Rio de Janeiro: IPR. (disponível em
http://www.dnit.gov.br)
MEDINA, Jacques de. Mecânica dos Pavimentos. Rio de Janeiro: SIBI/UFRJ.

109
Disciplina: PLANEJAMENTO E SISTEMAS DE TRANSPORTES
Formação: Específica Série/Período: 8º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Projeto e Construção de Estradas
Ementa:
Planejamento de sistemas viários, redes e modalidades de transportes. Caracterização da
circulação viária no contexto do fenômeno de metropolização e da reorganização dos
espaços urbanos. Mobilidade e transportes urbanos frente à dinâmica socioeconômica e suas
transformações diante das atividades urbanas. Planejamento para infraestrutura e
equipamentos de apoio à mobilidade urbana. Sistemas de drenagem urbana e obras-de-arte
correntes.
Objetivo:
Proporcionar ao aluno uma formação sobre políticas, estado da arte, planejamento, operação,
custos e análise de projetos de transportes urbanos frente ao fenômeno de metropolização,
reorganização dos espaços urbanos e novas demandas sobre infraestrutura e mobilidade
urbana.
Bibliografia:

Básica
KAWAMOTO, Eiji. Análise de sistemas de transportes. São Paulo: Editora USP.
CAIXETA FILHO, J. V.; GAMEIRO, A. H. (Org.). Sistemas de gerenciamento de
transportes: modelagem matemática. São Paulo: Editora Atlas
GOMES, S. M. C. Tráfego: teoria e aplicações. McGraw-Hill. São Paulo

Complementar
ASSOCIACAO NACIONAL DE TRANSPORTES PUBLICOS. Transporte humano:
cidades com qualidade de vida. São Paulo: ANTP.
ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TRANSPORTES PÚBLICOS. Mobilidade e cidadania.
ANTP. São Paulo.
PORTUGAL, L. S. Polos Geradores de Viagens Orientados a Qualidade de Vida e
Ambiental: Modelos e Taxas de Geração de Viagens. Rio de Janeiro: Editora
Interciência.
PORTUGAL, L. S. Estudo de polos geradores de tráfego e de seus impactos nos
sistemas viários e de transportes. São Paulo: Editora Edgard Blucher.
ROTHEM, M. L. Introdução ao controle de tráfego. Goiânia: Editora IFG.
RODRIGUES, Paulo Roberto Ambrósio. Introdução aos sistemas de transporte no Brasil
e a logística internacional. São Paulo: Aduaneiras.

110
Disciplina: PONTES E OBRAS DE ARTE
Formação: Específico Série/Período: 10º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Hidrologia e Projeto e Estruturas de Concreto II.
Ementa:
Histórico sobre Construção e Concepções Estruturais de Pontes e Obras de Arte.
Classificação das pontes. Características Geométricas das Rodovias. Definição do
Carregamento Permanente. Cargas acidentais. Definição da Carga Móvel. Linhas de
Influência isostática e hiperestática. Método de dimensionamento das Lajes do Tabuleiro.
Envoltória de Esforços nas Vigas Principais (Longarinas). Método de dimensionamento das
Vigas Principais (Longarinas). Método de dimensionamento das Transversinas. Alas, Vigas
de Fechamento e Lajes de aproximação. Critérios para Aparelhos de Apoio. Método de
dimensionamento dos Pilares e Travessas. Método de dimensionamento das Fundações.
Critérios construtivos.
Objetivos:
Fornecer ao aluno conhecimentos básicos e necessários para leitura, elaboração de projeto,
análise, e critérios de dimensionamento de elementos estruturais de Pontes e Obras de Arte.
Bibliografia:

Básica
O´CONNOR, C. “Pontes – Superestruturas”. Volumes 1 e 2. Rio de Janeiro: Editora LTC.
RIBEIRO, G. “Especificações para o cálculo de pontes”. Rio de Janeiro: Editora Scipione.
NORONHA, A. A. de. “Pontes e grandes estruturas”. Rio de Janeiro: Editora Scipione.
PINHO, F. O. “Pontes e viadutos em vigas mistas” – Série Manual de Construção em Aço.
Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Siderurgia – CBCA.
HIBBELER, R. C. “Análise de Estruturas”. São Paulo: Editora Pearson.

Complementar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118: Projeto e Execução
de Obras de Concreto Armado e Protendido. Rio de Janeiro.
__________. NBR 7187: Projeto de Pontes de Concreto Armado e Protendido. Rio de
Janeiro.
__________. NBR 7188: Carga móvel em ponte rodoviária e passarela de pedestre. Rio de
Janeiro.
__________. NBR 8681: Ações e segurança nas estruturas - Procedimento. Rio de Janeiro.
__________. NBR 10839: Execução de obras de arte especiais em concreto armado e
concreto protendido - Procedimento. Rio de Janeiro.
__________. NBR 6120: Cargas para o cálculo de estruturas de edificações. Rio de Janeiro.
DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM (Diretoria de
Desenvolvimento Tecnológico e Divisão de Capacitação Tecnológica). “Manual de
projeto de obras-de-arte especiais”. Rio de Janeiro.
FRAENKEL, B. B. “Especificações gerais para construção de estradas e pontes”. Rio de
Janeiro: Editora Record.
MASON, J. “Pontes metálicas e mistas em viga reta: projeto e cálculo”. RJ: Scipione.
PFEIL, W. “Manual de Inspeção de Pontes Rodoviárias”. Rio de Janeiro: Departamento
Nacional de Estradas de Rodagem.

111
Disciplina: PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO
Formação: Específico Série/Período: 9º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Resistências dos materiais II e Teoria das estruturas II.
Ementa:
Introdução. Tipos de aços e Perfis estruturais. Dimensionamento e detalhamento de
elementos estruturais tracionados. Dimensionamento e detalhamento de ligações
parafusadas. Dimensionamento e detalhamento de ligações soldadas. Dimensionamento e
detalhamento de elementos estruturais comprimidos. Dimensionamento e detalhamento de
elementos estruturais fletidos. Dimensionamento e detalhamento de elementos estruturais
submetidos à flexão-composta.
Objetivos:
Fornecer ao aluno conhecimentos básicos e necessários para leitura, elaboração de projeto,
análise, dimensionamento e detalhamento de elementos estruturais e ligações em aço.
Elaborar um projeto estrutural em aço.
Bibliografia:

Básica
PFEIL, W., PFEIL, M. “Estruturas de aço: dimensionamento prático”. Rio de Janeiro:
Editora LTC.
DIAS, L. A. de M. “Estruturas de aço: conceitos, técnica e linguagem”. São Paulo: Editora
Zigurate.
CARNASCIALI, C. C. “Estruturas metálicas na prática”. São Paulo: Editora Scipione.
PINHEIRO, A. C. F. B. “Estruturas Metálicas: Cálculos, detalhes, exercícios e projetos”.
São Paulo: Editora Edgard Blucher.

Complementar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8681: Ações e segurança
nas estruturas - Procedimento. Rio de Janeiro.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6120: Cargas para o
cálculo de estruturas de edificações. Rio de Janeiro.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8800: “Projeto de
estrutura de aço e de estrutura mista de aço e concreto de edifícios”. Rio de Janeiro:
Associação Brasileira de Normas Técnicas.
BELLEI, I. H. “Edifícios de múltiplos andares em aço”. São Paulo: Editora PINI.
BELLEI, I. H. “Interfaces Aço-Concreto”. Rio de Janeiro: Manual de Construção em Aço –
IBS/CBCA.
DIAS, L. A. de M. “Aço e Arquitetura: Estudo de Edificações no Brasil”. São Paulo: Editora
Zigurate.
DIAS, L. A. de M. “Edificações de Aço no Brasil”. São Paulo: Editora Zigurate.
QUEIROZ, G. “Elementos das Estruturas Mistas Aço-Concreto”. Belo Horizonte: Editora O
Lutador.
SANTOS, A. F. dos. “Estruturas Metálicas: Projetos e Detalhes para Fabricação”. São Paulo:
Editora Mc Graw-Hill.
VASCONCELLOS, A. L. “Ligações em estruturas metálicas”. Volumes 1 e 2. Rio de
Janeiro: Instituto Aço Brasil.

112
Disciplina: PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO I
Formação: Específico Série/Período: 7º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Desenho Técnico Civil III e Teoria das Estruturas II.
Ementa:
Introdução ao estudo do concreto armado. Introdução ao Projeto estrutural de Concreto
Armado. Projeto da armadura longitudinal de peças fletidas (flexão simples). Projeto da
armadura transversal de peças fletidas (cisalhamento).

Objetivos:
Fornecer ao aluno conhecimentos básicos e necessários para leitura, elaboração de
projeto, análise, dimensionamento e detalhamento de elementos de estruturas em viga e
laje de concreto armado. Determinar valor da Armadura de flexão para vigas e lajes
maciças. Determinar a armadura de cisalhamento para vigas. Verificar os estados limites
de utilização. Detalhar a armadura longitudinal e transversal na seção transversal.
Detalhar a armadura longitudinal ao longo de vigas e lajes maciças. Elaborar projetos
estruturais em concreto armado desses elementos.
Bibliografia:

Básica
CARVALHO, R. C., FIGUEIREDO FILHO. J. R. “Cálculo e detalhamento de estruturas
usuais de concreto armado”. São Carlos: Editora EdUFSCar.
CLÍMACO, J. C. T. de S. “Estruturas de Concreto Armado: Fundamentos, Projeto e
Verificação”. Brasília: Editora UnB.
GRAZIANO, F. P. “Projeto e execução de estruturas de concreto armado”. São Paulo:
Editora O Nome da Rosa.

Complementar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118. “Projeto e
execução de estruturas de concreto”. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de
Normas Técnicas.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6120. “Cargas para o
cálculo de estruturas de edificações”. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de
Normas Técnicas.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8681. “Ações e
segurança nas estruturas”. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas
Técnicas.
BOTELHO, M. H. C. “Concreto Armado Eu Te Amo”. Volumes 1 e 2. São Paulo: Editora
Edgard Blucher.
GUERRIN A., LAVAUR, R. C. “Tratado de concreto armado”. Volumes 1 a 3. São Paulo:
Editora Hemus.
PFEIL, W. “Concreto Armado”. Volumes 1 e 2. Rio de Janeiro: Editora LTC.
ROCHA, A. M. da. “Concreto Armado”. Volumes 1 e 2. São Paulo: Editora Nobel.

113
Disciplina: PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO II
Formação: Específico Série/Período: 8º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Projeto de Estruturas de Concreto I.
Ementa:
Projeto de pilares. Projeto de escadas. Projeto de marquises. Projeto de vigas parede. Projeto
de reservatórios. Projeto de vigas submetidas à torção.
Objetivos:
Fornecer ao aluno conhecimentos básicos e necessários para leitura, elaboração de projeto,
análise, dimensionamento e detalhamento de elementos específicos de edificações tais como
pilares, escadas, marquises, vigas parede, reservatórios e vigas sob torção. Elaborar projetos
estruturais em concreto armado destes elementos.
Bibliografia:

Básica
CARVALHO, R. C., FIGUEIREDO FILHO. J. R. “Cálculo e detalhamento de estruturas
usuais de concreto armado”. São Carlos: Editora EdUFSCar.
CLÍMACO, J. C. T. de S. “Estruturas de Concreto Armado: Fundamentos, Projeto e
Verificação”. Brasília: Editora UnB.
GRAZIANO, F. P. “Projeto e execução de estruturas de concreto armado”. São Paulo:
Editora O Nome da Rosa.

Complementar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118. “Projeto e execução
de estruturas de concreto”. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 6120. “Cargas
para o cálculo de estruturas de edificações”. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de
Normas Técnicas.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8681. “Ações e segurança
nas estruturas”. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas.
BOTELHO, M. H. C. “Concreto Armado Eu Te Amo”. Volumes 1 e 2. São Paulo: Editora
Edgard Blucher.
GUERRIN A., LAVAUR, R. C. “Tratado de concreto armado”. Volumes 4 a 6. São Paulo:
Editora Hemus.
PFEIL, W. “Concreto Armado”. Volumes 2 e 3. Rio de Janeiro: Editora LTC.
ROCHA, A. M. da. “Concreto Armado”. Volumes 3 e 4. São Paulo: Editora Nobel.

114
Disciplina: PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO PROTENDIDO.
Formação: Optativa Série/Período: 9º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Projeto de Estruturas de Concreto II.
Ementa:
Introdução ao Concreto Protendido; Materiais utilizados no Concreto protendido.
Equipamentos utilizados no Concreto protendido. Aplicações Práticas do Concreto
protendido. Revisão de Flexão Normal Composta; Perdas na Protensão. Dimensionamento à
Flexão com Armadura Ativa Aderente e Não Aderente. Dimensionamento ao Cisalhamento
no Concreto Protendido. Análise de Vigas Isostáticas Protendidas. Dimensionamento e
Detalhamento das lajes Protendidas com Cordoalha Engraxada. Análise e Cálculo dos
Quantitativos: Concreto, Aço, Forma, Cordoalhas, etc.
Objetivos:
Fornecer ao aluno conhecimentos básicos e necessários para leitura, elaboração de projeto,
análise, dimensionamento e detalhamento de elementos (peças) estruturais protendidos.
Elaborar projetos estruturais em concreto protendido, destes elementos.
Bibliografia:

Básica
EMERICK, A.A. Projeto e Execução de Lajes Protendidas. Brasília: Editora Interciência.
PFEIL, W. “Concreto Protendido”. Volumes 1 e 2. Rio de Janeiro: Editora LTC.
SILVA, G. R. da. “Prática de Concreto Protendido”. Rio de Janeiro: Editora Scipione.

Complementar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118 - “Projeto e
execução de estruturas de concreto”. Rio de Janeiro: ABNT.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6120 - “Cargas para o
cálculo de estruturas de edificações”. Rio de Janeiro: ABNT,
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8681 - “Ações e
segurança nas estruturas”. Rio de Janeiro: ABNT.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7187 - “Projeto e
Execução de Pontes de Concreto Armado e Concreto Protendido”. Rio de Janeiro:
ABNT.
CARVALHO, R. C. “Estrutura em Concreto Protendido: pré-tração, pós-tração, cálculo e
detalhamento”. São Paulo: Editora PINI.
CHOLFE, L., BONILHA, L. “Concreto Protendido: Teoria e Prática”. São Paulo: Editora
PINI.

115
Disciplina: PROJETO DE ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES
Formação: Específico Série/Período: 8º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Desenho Técnico Civil III, Mecânica dos Solos II, Projeto de Estruturas de
Concreto I
Ementa:
Investigações geotécnicas para fins de fundações. Definições e tipos de fundações. Critérios
para escolha do tipo de fundações. Fundações diretas (tipos, capacidade de carga, recalque e
Projeto); Análise e dimensionamento de blocos, sapatas (isoladas, associadas, contínuas e em
divisas), vigas de equilíbrio, radier. Ruptura externa e interna de fundações diretas. Fundações
profundas (estacas, tubulões, blocos de coroamento, capacidade de carga, recalques e provas de
carga em fundações profundas). Tópicos do cálculo estrutural de fundações profundas.
Objetivo:
Capacitar o aluno a escolher e projetar fundações, satisfazendo critérios geotécnicos,
econômicos e de equilíbrio estático. Torná-lo apto a interpretar os resultados de investigações
geotécnicas para projeto de fundações. Proporcionar ao aluno conhecimento para o
reconhecimento dos tipos de fundações mais adequadas e também as fundações inadequadas
para diferentes casos de carregamento (edificações) e perfis geotécnicos.
Bibliografia:

Básica
CINTRA, Jose Carlos Angelo, ALBIERO, José Henrique. Capacidade de Carga e Recalques de
Fundações Diretas. São Carlos: Escola de Engenharia de São Carlos – USP.
CINTRA, Jose Carlos Angelo, ALBIERO, José Henrique. Capacidade de Carga de Estacas. São
Carlos: Escola de Engenharia de São Carlos – USP.
HACHICH, W. Fundações: Teoria e Prática. São Paulo: Editora PINI.
MORAIS, M. da C. Estruturas de Fundações. São Paulo: Editora S.C.P.

Complementar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6122: Projeto e Execução de
Obras de Fundações. Rio de Janeiro: ABNT.
ALONSO, U. R. Exercícios de Fundações. São Paulo: Editora Edgard Blücher.
ALONSO, U. R. Previsão e Controle das Fundações. São Paulo: Editora Edgard Blücher.
ALONSO, U. R. Dimensionamento de Fundações Profundas. São Paulo: Editora Edgard
Blucher.
CINTRA, J. C. A. et. al., Tensões Admissíveis em Fundações Diretas. São Carlos/SP: RiMa
Editora, 2003.
CINTRA, J. C. A., ALBIERO, J. H. Projeto de Fundações – volume 1. São Carlos: Escola de
Engenharia de São Carlos – USP.
SCHNAID, F. Ensaios de Campo e suas Aplicações à Engenharia de Fundações. São Paulo:
Oficina de Textos.

116
Disciplina: PROJETO DE PONTES
Formação: Optativa Série/Período: Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Hidrologia; Projeto Estrutural em Concreto Armado
Ementa:
Lançamento do Projeto Piloto. Determinação dos esforços. Dimensionamento e
Detalhamento da superestrutura e mesoestrutura. Análise e Cálculo dos Quantitativos:
Concreto, Aço, Forma. Elementos Compostos e Mistos.
Objetivos:
Capacitar o aluno a elaborar um projeto estrutural completo de uma ponte em concreto
armado com duas longarinas.
Bibliografia:

Básica
O´CONNOR, C. “Pontes – Superestruturas”. Volumes 1 e 2. Rio de Janeiro: Editora LTC.
RIBEIRO, G. “Especificações para o cálculo de pontes”. Rio de Janeiro: Editora Scipione.
NORONHA, A. A. de. “Pontes e grandes estruturas”. Rio de Janeiro: Editora Scipione.
PINHO, F. O. “Pontes e viadutos em vigas mistas” – Série Manual de Construção em Aço.
Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Siderurgia – Centro Brasileiro de Construção
em Aço.
HIBBELER, R. C. “Análise de Estruturas”. São Paulo: Editora Pearson.

Complementar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118: Projeto e Execução
de Obras de Concreto Armado e Protendido. Rio de Janeiro.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7187: Projeto de Pontes
de Concreto Armado e Protendido. Rio de Janeiro.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7188: Carga móvel em
ponte rodoviária e passarela de pedestre. Rio de Janeiro.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8681: Ações e segurança
nas estruturas - Procedimento. Rio de Janeiro.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10839: Execução de
obras de arte especiais em concreto armado e concreto protendido - Procedimento.
Rio de Janeiro.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6120: Cargas para o
cálculo de estruturas de edificações. Rio de Janeiro.
DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM (Diretoria de
Desenvolvimento Tecnológico e Divisão de Capacitação Tecnológica). “Manual de
projeto de obras-de-arte especiais”. Rio de Janeiro.
FRAENKEL, B. B. “Especificações gerais para construção de estradas e pontes”. Rio de
Janeiro: Editora Record.
MASON, J. “Pontes metálicas e mistas em viga reta: projeto e cálculo”. Rio de Janeiro:
Editora Scipione.
PFEIL, W. “Manual de Inspeção de Pontes Rodoviárias”. Rio de Janeiro: Departamento
Nacional de Estradas de Rodagem.

117
Disciplina: PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS
Formação: Específica Série/Período: 6º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Topografia II e Mecânica dos Solos I
Ementa:
Escolha do traçado de uma estrada; Elementos básicos para o projeto geométrico; Curvas e
concordância horizontal; Perfil longitudinal; Perfil transversal; Projeto de terraplenagem.
Serviços Preliminares. Ensaios Geotécnicos para a Execução e Controle de Obras
Rodoviárias. Escavações. Aterros. Medição dos Serviços. Drenagem Superficial. Drenagem
Profunda. Estruturas de Contenção. Aterros sobre Solos Moles.
Objetivo:
Capacitar o aluno para escolher o traçado de rodovias e ferrovias e comparar alternativas
possíveis através de análises técnicas e sócio-econômicas. Dominar o conhecimento de
execução da concordância geométrica em planta e perfil. Aplicar superelevação e
superlargura nas curvas horizontais. Analisar as curvas horizontais e verticais para as
visibilidades em planta e perfil. Determinar os volumes de terraplenagem e otimizar a
execução dessa etapa com uso do diagrama de massas. Elaborar orçamentos para a execução
de projetos de rodovias. Conhecimento de sinalização horizontal e vertical. Compreender o
traçado de interseções em nível e em níveis separados. Pretende-se que os alunos possam ser
capazes de compreender todas as etapas da execução, fiscalização, qualificação e
quantificação dos serviços realizados na construção de vias terrestres. Eles conhecerão as
especificações de serviços de terraplenagem, drenagem, estruturas de contenções, aterros
sobre solos moles e farão a leitura do Projeto Final de Engenharia para os respectivos
serviços.
Bibliografia:

Básica
PIMENTA, C. R. T.; OLIVEIRA, M. P. Projeto Geométrico de Rodovias. São Carlos:
Editora Rima.
CARVALHO, Carlos Alexandre Braz de. Estradas - projeto: introdução. concordância
horizontal superelevação e superlargura. Viçosa: UFV.
SENÇO, Wlastermiller de. Estradas de Rodagem: Projeto. São Paulo: S.C.P.
FRAENKEL, Benjamin B. Engenharia Rodoviária. Rio de Janeiro: Guanabara Dois.

Complementar
DNIT. Manual de Implantação Básica de Rodovia. Rio de Janeiro: IPR. (disponível em
www.dnit.gov.br)
DNIT. Manual de Projeto Geométrico de Rodovias Rurais. Rio de Janeiro: IPR (disponível
em www.dnit.gov.br)
DNIT. Diretrizes Básicas para Estudos e Projetos Rodoviários: escopos básicos/instruções
de serviços. Rio de Janeiro: IPR. (disponível em www.dnit.gov.br)
CARVALHO, M. P. Curso de Estradas - 2 volumes. Rio de Janeiro: Editora Científica.
PONTES FILHO, G. Estradas de Rodagem – Projeto Geométrico. São Paulo: Câmara
Brasileira do Livro.
RICARDO, Hélio de Souza. Manual Prático de Escavação: terraplenagem e escavação de
rocha. São Paulo: Editora PINI.

118
Disciplina: PROJETO ESTRUTURAL EM CONCRETO ARMADO.
Formação: Específica Série/Período: 9º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Projeto de Estruturas de Concreto II; Projeto de Estruturas de Fundações.
Ementa:
Análise da Arquitetura e Lançamento da Estrutura. Cargas a Considerar sobre a Estrutura.
Pré-Dimensionamento de Lajes, Vigas e Pilares. Análise da Estabilidade Global. Definição
das Seções dos Pilares e elaboração da planta de locação. Definição e elaboração das Plantas
de Formas. Dimensionamento, Detalhamento e elaboração das plantas de armaduras das
Lajes. Dimensionamento, Detalhamento e elaboração das plantas de armaduras das Vigas.
Dimensionamento, Detalhamento e elaboração das plantas de armadura dos Pilares.
Dimensionamento, Detalhamento e elaboração das plantas de armaduras das Escadas.
Dimensionamento, Detalhamento e elaboração das plantas de forma e armaduras do
Reservatório Elevado. Análise e Cálculo dos Quantitativos: Concreto, Aço e Forma.
Objetivos:
Fornecer ao aluno conhecimentos básicos e necessários para leitura, elaboração de projeto,
análise, dimensionamento e detalhamento de elementos (peças) estruturais em concreto
armado. Elaborar projeto estrutural completo em concreto armado.
Bibliografia:

Básica
CARVALHO, R. C., FIGUEIREDO FILHO. J. R. “Cálculo e detalhamento de estruturas
usuais de concreto armado”. São Carlos: Editora EdUFSCar.
CLÍMACO, J. C. T. de S. “Estruturas de Concreto Armado: Fundamentos, Projeto e
Verificação”. Brasília: Editora UnB.
GRAZIANO, F. P. “Projeto e execução de estruturas de concreto armado”. São Paulo:
Editora O Nome da Rosa.

Complementar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118. “Projeto e execução
de estruturas de concreto”. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 6120. “Cargas
para o cálculo de estruturas de edificações”. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de
Normas Técnicas.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8681. “Ações e segurança
nas estruturas”. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas.
BOTELHO, M. H. C. “Concreto Armado Eu Te Amo”. Volumes 1 e 2. São Paulo: Editora
Edgard Blucher.
GUERRIN A., LAVAUR, R. C. “Tratado de concreto armado”. Volumes 1 a 6. São Paulo:
Editora Hemus.
KIMURA, A. “Informática aplicada em estruturas de concreto armado: cálculos de edifícios
com uso de sistemas computacionais”. São Paulo: Editora PINI.
PFEIL, W. “Concreto Armado”. Volumes 1, 2 e 3. Rio de Janeiro: Editora LTC.
ROCHA, A. M. da. “Concreto Armado”. Volumes 1 a 4. São Paulo: Editora Nobel.

119
Disciplina: PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
Formação: Específica Série/Período: 8º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Desenho Técnico Civil III - Física III
Ementa:
Ler, interpretar e executar projetos de uma instalação elétrica residencial em baixa tensão,
obedecendo às normas da ABNT e CELG; Conferir a execução de uma instalação
elétrica;· Planejar instalação elétrica para canteiro de obras, visando segurança contra
choque elétrico e tipo de carga.
Objetivo:
Promover o interesse pelas questões relacionadas ao sistema elétrico no Brasil e através
desenvolvimento de um projeto elétrico residencial, desenvolver a competência para ler,
interpretar e executar projetos de uma instalação elétrica residencial em baixa tensão,
obedecendo às normas da ABNT e CELG.
Bibliografia:

Básica
CAVALIN, Geraldo; CERVELIN, Severino. Instalações Elétricas Prediais. São Paulo:
Editora Érica.
COTRIM, Ademaro, BITTENCOURT, A. M. Instalações elétricas. São Paulo: Editora
Pearson.
PETRUZELLA, F. D. Eletrotécnica – volumes 1 e 2. São Paulo: Editora Bookman.
NISKIER, Júlio. Instalações elétricas. Rio de Janeiro: Editora LTC / Bookman.

Complementar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5410 - Instalações
elétricas de baixa tensão. Rio de Janeiro: ABNT.
__________. NBR 5444: Símbolos gráficos para instalações elétricas prediais. Rio de
Janeiro: ABNT.
CAVALIN, Geraldo. Instalações Elétricas Prediais: teoria e prática. Curitiba: Editora Base.
CENTRAIS ELÉTRICAS DE GOIÁS. NTC 04 – Fornecimento de energia elétrica em
tensão secundária de distribuição. Goiânia: CELG, 2004.
CREDER, Hélio. Instalações Elétricas. Rio de Janeiro: Editora LTC.
REIS, Lineu B. dos. Energia Elétrica para o Desenvolvimento Sustentável. São Paulo:
Editora da Universidade de São Paulo.

120
Disciplina: PROJETO DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS
Formação: Específica Série/Período: 8º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Desenho Técnico Civil III
Ementa:
Sistema de instalações hidráulicas e os subsistemas de água fria e combate a incêndio.
Sistema de instalações hidráulicas de água quente, esgoto sanitário e água pluvial. Inter-
relação entre os sistemas hidrossanitários e os sistemas estruturais e de vedação.
Objetivo:
Ao final do curso, o aluno deverá capaz de acompanhar, desenvolver e gerenciar projetos e
execução de instalações hidrossanitárias, segundo normas e exigências técnicas.
Bibliografia:

Básica
MACINTYRE, Archibald Joseph. Instalações hidráulicas: prediais e industriais. Rio de
Janeiro: Grupo Gen-LTC.
CREDER, Hélio. Instalações hidráulicas e sanitárias. Rio de Janeiro: LTC.
BOTELHO, Manoel Henrique Campos; JUNIOR, Geraldo de Andrade Ribeiro.Instalações
hidráulicas prediais: usando tubos de pvc e ppr. São Paulo: Editora Edgard Blucher.

Complementar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5626: Instalação Predial
de Água Fria. Rio de Janeiro.
________NBR 7198: Projeto e execução de instalações prediais de água quente Rio de
Janeiro.
________NBR 1097: Proteção contra incêndio por chuveiro automático. Rio de Janeiro.
________ NBR 13714: Sistema de hidrantes e mangotinhos para o combate a incêndio. Rio
de Janeiro.
SILVA, V. P.; VARGAS, M. R.; ONO, R. Prevenção contra incêndio no Projeto de
Arquitetura. Rio de Janeiro: IABr.
MELO, Vanderley de Oliveira; AZEVEDO NETTO, José M. de. Instalações prediais
hidráulico-sanitárias. São Paulo: Editora Edgard Blücher.
MACINTYRE, Archibald Joseph. Bombas e instalações de bombeamento. In: Bombas e
instalações de bombeamento. Rio de Janeiro: Guanabara Dois.
BORGES, Ruth Silveira; BORGES, Wellington Luíz. Instalações prediais hidráulico-
sanitárias e de Gás. São Paulo: Editora PINI.
GARCEZ, Lucas Nogueira. Elementos de engenharia hidráulica e sanitária. São Paul:
Edgard Blucher..

121
Disciplina: QUÍMICA GERAL
Formação: Básico Série/Período: 1º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: -
Ementa:
Trabalho seguro no laboratório. Soluções. Termoquímica. Sólidos. Noções de equilíbrio
químico. Eletroquímica e corrosão
Objetivo:
Proporcionar ao estudante conhecimentos de química necessários no seu desempenho
científico e tecnológico, considerando suas diferentes atribuições profissionais. Desenvolver
o pensamento científico e o senso da importância do conhecimento da ciência básica para
alicerçar a formação do futuro profissional de engenharia. Discutir os aspectos químicos
mais relevantes dos modelos de estrutura interna da matéria, de sua correlação com as
propriedades dos diversos materiais.
Bibliografia:

Básica
ATKINS, P.; JONES, L. Princípios de química: questionando a vida moderna e o meio
ambiente. Porto Alegre: Bookman.
KOTZ, J. C.; TREICHEL JR, P. M. Química Geral e Reações Químicas – volumes 1 e 2.
São Paulo: LTC.
BROWN, T. L. ; LEMAY Jr, H. E.; BURSTEN, R. E. Química A Ciência Central. São
Paulo: Prentice Hall.

Complementar
RUSSELL, J.B. Química Geral. vol 1 e 2. São Paulo: McGraw-Hill.
MAHAN, B.H. Química um curso universitário. São Paulo: Edgard Blucher.
EBBING, D.D. Química Geral. vol. 1 e 2, Rio de Janeiro: LTC.
BRADY, J. E; HUMISTON, G. E. Química Geral. Rio de Janeiro: LTC.
CHANG, R. Química Geral: Conceitos essenciais. Porto Alegre: Bookman.

122
Disciplina: RELAÇÕES ETNICO RACIAIS
Formação: Optativa Série/Período: - Carga Horária: 54h

Pré-requisito: -

Ementa:
Tratar os conceitos de etnia, raça, racialização, identidade, diversidade, diferença.
Compreender os grupos étnicos “minoritários” e processos de colonização e póscolonização.
Políticas afirmativas para populações étnicas e políticas afirmativas específicas em educação.
Populações étnicas e diáspora. Racismo, discriminação e perspectiva didático-pedagógica de
educação anti-racista. Currículo e política curriculares. História e cultura étnica na escola e
itinerários pedagógicos. Etnia/Raça e a indissociabilidade de outras categorias da diferença.
Cultura e hibridismo culturais. As etnociências na sala de aula. Movimentos Sociais e
educação não formal. Pesquisas em educação no campo da educação e relações étnico-
raciais.
Objetivo:
A disciplina Educação e Relações étnico-raciais propõem-se a mudar o ponto de referência
do aluno para pensar o “outro”, o diferente, percebendo a complexidade de outras formações
culturais e entendendo outras práticas culturais dentro de uma lógica própria, partindo de
seus próprios parâmetros, construindo desta forma, uma percepção de que a nossa cultura é
apenas uma das formas possíveis de perceber e interpretar o mundo e que todas as culturas
são igualmente válidas e fazem sentido para seus participantes.
Bibliografia:
Básica
ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da Educação. São Paulo: Moderna.
ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da Educação e Pedagogia. São Paulo: Moderna.
EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. São Paulo: Editora UNESP.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós- modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva. Rio
de Janeiro: DP&A.
PEREIRA, Edmilson de Almeida. Malungos na escola: questões sobre culturas afrodescentes
em educação. São Paulo: Paulinas.

Complementar
CULTURAS HÍBRIDAS: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: EDUSP.
CERTEAU, Michel. A Invenção do cotidiano: Artes de fazer. Petrópolis: Vozes.
CUCHE, Denys. A noção de cultura nas ciências sociais. São Paulo.
BHABHA, Homi K. O local da cultura. Minas Gerais: Editora UFMG.
SANTOS, Renato Emerson dos. Diversidade, espaço e relações étnico-raciais: o negro na
geografia do Brasil. Belo Horizonte: Gutemberg.

123
Disciplina: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I
Formação: Básico Série/Período: 5º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Mecânica Geral
Ementa:
Princípios e conceitos de Resistência dos Materiais. Fundamentos teóricos do
comportamento mecânico dos sólidos deformáveis. Reconhecer as limitações das hipóteses
de cálculo adotadas. Comportamento e propriedades dos materiais. Determinação das
Propriedades geométricas das seções transversais (centróide, Momento de Inércia, Módulo
de Resistência Elástico e Plástico, Raio de Giração, Centro de Torção). Estudo das tensões
normais e deformações em tirantes. Estudo das tensões normais e de cisalhamento em vigas
(Flexão Pura e Simples). Estudo das deformações normais e de cisalhamento em vigas.
Estudo das deflexões em vigas. Projeto de vigas.
Objetivos:
Fornecer aos alunos conhecimentos básicos e necessários sobre os conceitos fundamentais e
limitações do comportamento mecânico dos sólidos deformáveis. Fornecer subsídios
também para que possam conhecer, entender, identificar e determinar as principais
propriedades geométricas das seções transversais, tensões atuantes, tensões resistentes e
deformações em elementos estruturais tracionados, fletidos e submetidos a torção. Conhecer,
compreender, identificar as principais propriedades físicas dos materiais.
Bibliografia:

Básica
BEER, F. P., JOHNSTON JR., E. R. “Resistência dos Materiais”. São Paulo: Editora
McGraw-Hill.
BEER, F. P.; DEWOLF, J. T.; JOHNSTON JR, E. R.; MAZUREK, D. F. “Estática e
Mecânica dos Materiais”. São Paulo: Editora McGraw-Hill.
CARVALHO, M. S. de. “Resistência dos Materiais”. Rio de Janeiro: Editora Rio Gráfica.
HIBBELER, R. C. “Resistência dos Materiais”. São Paulo: Editora Prentice Hall.
MELCONIAN, S. “Mecânica Técnica e Resistência dos Materiais”. São Paulo: Editora
Érica.
GARCIA, A., SPIM, J. A. Ensaios dos materiais. Rio de Janeiro: LTC

Complementar
ARRIVALENE, V. “Resistência dos Materiais”. São Paulo: Editora Makron Books.
BOTELHO, M. H. C. “Resistência dos Materiais: para entender e gostar”. São Paulo:
Editora Edgard Blucher.
DI BIASI, C. G. “Resistência dos Materiais”. Rio de Janeiro: Editora Freitas Bastos.
NASH, W. A. “Resistência dos materiais”. São Paulo: Editora McGraw Hill.
POPOV, E. P. “Introdução à Mecânica dos Sólidos”. São Paulo: Editora Edgard Blücher.
SOUZA, H. R. de. “Resistência dos Materiais”. São Paulo: Editora Scipione.
TIMOSHENKO, S. P., GERE, J. E. “Mecânica dos Sólidos”. Volume 1. Rio de Janeiro:
Editora LTC.

124
Disciplina: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS II
Formação: Básico Série/Período: 6º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Resistência dos Materiais I
Ementa: Estudo da torção de eixos e tubos. Flexão oblíqua e flexão composta. Flexão geral.
Análise das tensões e deformações. Flambagem de Colunas. Projeto de Colunas submetidas
a carregamento centrado. Projeto de Colunas submetidas a carregamento excêntrico.
Métodos de Energia.
Objetivos:
Fornecer subsídios para que possam determinar as principais propriedades geométricas das
seções transversais, tensões atuantes, tensões resistentes e deformações em elementos
estruturais submetidos a torção. Fornecer ao aluno conhecimentos básicos e necessários
sobre os tipos de flexão e exemplos. Fornecer ao aluno conhecimentos básicos e necessários
sobre análise de tensões e deformações e métodos de energia. Fornecer subsídios também
para que possa conhecer, entender e determinar as tensões atuantes, tensões resistentes e
deformações em elementos estruturais flexo-tracionados e flexo-comprimidos (Pilares).
Complementar conceitos e técnicas de cálculo naqueles assuntos mais do interesse da
Engenharia Civil, objetivando-se dar ao aluno base teórica para as disciplinas de aplicação e
suficiente domínio das técnicas de cálculo prático.
Bibliografia:

Básica
BEER, F. P., JOHNSTON JR., E. R. “Resistência dos Materiais”. São Paulo: Editora
McGraw-Hill.
BEER, F. P.; DEWOLF, J. T.; JOHNSTON JR, E. R.; MAZUREK, D. F. “Estática e
Mecânica dos Materiais”. São Paulo: Editora McGraw-Hill.
CARVALHO, M. S. de. “Resistência dos Materiais”. Rio de Janeiro: Editora Rio Gráfica.
HIBBELER, R. C. “Resistência dos Materiais”. São Paulo: Editora Prentice Hall.
MELCONIAN, S. “Mecânica Técnica e Resistência dos Materiais”. São Paulo: Editora
Érica.
GARCIA, A., SPIM, J. A. Ensaios dos materiais. Rio de Janeiro: LTC

Complementar
ARRIVALENE, V. “Resistência dos Materiais”. São Paulo: Editora Makron Books.
BOTELHO, M. H. C. “Resistência dos Materiais: para entender e gostar”. São Paulo:
Editora Edgard Blucher.
DI BIASI, C. G. “Resistência dos Materiais”. Rio de Janeiro: Editora Freitas Bastos.
NASCH, W. A. “Resistência dos materiais”. São Paulo: Editora McGraw Hill.
POPOV, E. P. “Introdução à Mecânica dos Sólidos”. São Paulo: Editora Edgard Blücher.
SOUZA, H. R. de. “Resistência dos Materiais”. São Paulo: Editora Scipione.
TIMOSHENKO, S. P., GERE, J. E. “Mecânica dos Sólidos”. Volume 2. Rio de Janeiro:
Editora LTC.

125
Disciplina: REUSO E REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA
Formação: Optativa Série/Período: 10º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Ciências do Ambiente, Hidrologia e Projeto e Instalações Hidrossanitárias,
Coleta e Tratamento de Águas e Resíduos I
Ementa:
Conceitos básicos sobre reuso e reaproveitamento de água, empregabilidade, tendências.
Conservação de água. Consumo de água. Escassez de água: causas, impactos ambientais,
impactos sociais. Águas: amarela, marrom, cinza, azul. Sistemas prediais de reuso de água:
coleta, transporte, tratamento e abastecimento. Sistemas prediais de reaproveitamento de
água: coleta, transporte, tratamento e abastecimento. Tipos de reuso e reaproveitamento.
Riscos eminentes.
Objetivos:
Despertar nos alunos a importância do uso racional da água nos edifícios, levando em
consideração a eminente escassez de água. Apresentar os principais componentes dos
sistemas de reuso e reaproveitamento de água. Aprimorar o conhecimento dos alunos
referente às instalações hidrossanitárias de uma edificação.
Bibliografia:

Básica
CUTOLO, S. A. Reuso de águas residuárias e saúde pública. São Paulo: Editora Annablume,
FAPESP.
MANCUSO, P. C. S. Reuso de água. São Paulo: Editora Manole.
TELLES, D. A. (coord.). Reuso da água: conceitos, teorias e práticas. São Paulo: Edgard
Blucher.

Complementar
BOTELHO, Manoel Henrique Campos. Águas de chuvas: engenharia das águas pluviais nas
cidades. São Paulo: Editora Edgard Blucher.
CARVALHO JÚNIOR, R. Instalações hidráulicas e o projeto de arquitetura. São Paulo:
Edgard Blucher.
CREDER, Hélio. Instalações hidráulicas e sanitárias. Rio de Janeiro: Editora Livros
Técnicos e Científicos.
GARCEZ, Lucas Nogueira e ALVAREZ, Guillermo Acosta. Hidrologia. São Paulo: Editora
Edgard Blucher.
HELLER, Léo, PADUA, Valter Lúcio de. Abastecimento de água para consumo humano.
Belo Horizonte: Editora UFMG.
HOGAN, Daniel Joseph, MARANDOLA JR., Eduardo, OJIMA, Ricardo. População e
ambiente: desafios a sustentabilidade. São Paulo: Editora Edgard Blucher.
OLIVEIRA, G. S. Conservação do meio ambiente, aquecimento global e desafios para o
século 21. São Paulo: Barsa Planeta.
PESSOA, C. A. Tratamento de Esgoto Doméstico. Rio de Janeiro: Editora S.C.P.

126
Disciplina: SISTEMAS DE DRENAGEM URBANA
Formação: Optativa Série/Período: Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Hidrologia, Hidráulica II
Ementa:
A água no meio urbano. Características da urbanização e seu impacto na infraestrutura
hídrica. Chuvas intensas e o escoamento superficial. Hidrometria. Inundações urbanas. A
evolução histórica do conceito de drenagem urbana. Gerenciamento da drenagem urbana:
controle e mitigação dos impactos. A visão moderna do controle na drenagem urbana.
Mecanismos institucionais e de gestão. Planos diretores de drenagem urbana. Drenagem
urbana sustentável. Sistemas de microdrenagem. Sistemas de macrodrenagem. O aspecto
qualitativo das águas urbanas.

Objetivo:
Levar o aluno a compreender os efeitos da urbanização sobre o escoamento superficial e a
identificar os métodos e técnicas modernos de planejamento dos sistemas de drenagem para
mitigação desses impactos com efeito na redução da frequência de enchentes.
Bibliografia:

Básica
BAPTISTA, M. B., NASCIMENTO, N. O e BARRAUD, S. Técnicas Compensatórias em
Drenagem Urbana. Ed. ABRH, 2005.
FENDRICH, R., OBLADEN, N.L., AISSE, M. M. e GARCIAS, C.M. Drenagem e Controle
da Erosão Urbana. Editora Universitária Champagnat, Curitiba, Brasil, 1997.
TUCCI, C. E. M. Hidrologia Ciência e Aplicação. ABRH, Ed. da UFRGS, Porto Alegre,
Brasil, 1993.

Complementar
GRIBBIN, J. E. Hidráulica, Hidrologia e Gestão de Águas Pluviais. Ed. Cengage Learning.
São Paulo, 2009.
TUCCI, C. E. M., PORTO, R. L. L., BARROS, M. T. Drenagem Urbana. ABRH, Ed. Da
UFRGS, Porto Alegre, Brasil, 1995.

127
Disciplina: SIG APLICADO A ENGENHARIA
Formação: Optativa Série/Período: - Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Topografia II
Ementa:
Conceitos; elementos fundamentais; banco de dados; equipamentos para SIG; programas
para SIG; um projeto de SIG; áreas de aplicação de um SIG na engenharia; custos X
benefícios de um SIG. Cruzamento de informações e suas aplicações na engenharia civil.
Objetivo:
Ao final do semestre o aluno deve estar apto a: Saber utilizar um sistema de
geoprocessamento de informações georreferenciadas, bem como também desenvolver um
SIG de pequenas proporções.
Bibliografia:

Básica

CÂMARA G, Geoprocessamento para projeto ambiental. 2 ed. São José dos Campos (SP):
INPE, 1998.
PAREDES, E. A, Sistema de Informação Geográfica: princípios e aplicações. São Paulo :
Erica, 1994. 696 p.
ANDRADE, José Bittencourt de, SCHMIDLIN Dirley, SIEBERT Udo, VUAÇA Flávio –
Geoprocessamento, Introdução, Sagres Editora Ltda.

Complementar

ARONOFF, S. Geographic Information Systems: A management perspective. 2a edição.


Ottawa, WDL, 1991. 294 p.
BURROUGH, P.A. Principles of Geographical Information Systems for Land Resources
Assessment. Oxford, ButlerandTanner, 1986. 194 p.
ROSA, R. E BRITO J. L. S.Introdução ao Geoprocessamento: Sistema de Informações
Geográficas. Universidade Federal de Uberlândia, 1996.
SILVA, A. B. Sistemas de Informações Geo-Referenciadas – Conceitos e Fundamentos.
Editora da Unicamp, 2003
LONGLEY, P.A; GOODCHILD, M. F.; MAGUIRE, D. J.; RHID, D. W. Sistemas e Ciência
da Informação Geográfica. Bookman Companhia Editora Ltda. Porto Alegre. 2013. 3. ed.

128
Disciplina: SOCIOLOGIA DO TRABALHO, TECNOLOGIA E CULTURA
Formação: Básico Série/Período: 6º Carga Horária: 27h

Pré-requisito: -

Ementa:
Sociologia como ciência. Sociologia geral e sociologias especiais. Formação da Sociologia.
Pensamento Clássico em Sociologia. Temas fundamentais da sociologia. Trabalho e
sociedade. Trabalho no capitalismo. Mudanças recentes nas relações de trabalho.
Objetivo:
Oferecer aos alunos uma visão panorâmica dos principais temas abordados pela Sociologia
do Trabalho. Instrumentalizar os alunos para que eles sejam capazes de fazer reflexões,
críticas sobre a conjuntura social do mundo do trabalho.
Bibliografia:
Básica
ANTUNES, R. Adeus ao Trabalho?: Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do
mundo do trabalho. São Paulo: Cortez Editora / Editora Unicamp.
PINTO, G. A. A Organização do Trabalho no século 20: Taylorismo, Fordismo, e
Toyotismo. São Paulo: Expressão Popular.
MARX, Karl. Manuscritos Econômico-Filosóficos. São Paulo: Martin Claret.
VIANA, N. Introdução à Sociologia. Belo Horizonte: Autêntica.

Complementar
ALVES, Giovanni. Trabalho, corpo e subjetividade: toyotismo e formas de precariedade no
capitalismo global, In: Trabalho, Educação e Saúde, vol.3, n°2, 2005, p.409-428.
ANTUNES, Ricardo. ALVES, Giovanni. As mutações no mundo do trabalho na era da
mundialização do capital, In: Educação & Sociedade, vol.25, n°87, 2004, p.335-351.
COSTA, C. Sociologia: introdução à ciência da sociedade. São Paulo: Ed. Moderna.
COSTA, Luciano. TOMASI, Antônio. De peão a colaborador: racionalização e
subcontratação na construção civil, In: Caderno CRH, Salvador, vol.27, n° 71,
maio/agosto 2014, p.347-365.
QUINTANEIRO, Tania. Um toque de clássicos: Marx, Durkheim e Weber. Belo Horizonte:
Editora da UFMG.
HIRANO, Sedi. Casta, estamento e classes sociais: introdução ao pensamento sociológico
de Max Weber. Campinas/SP: Editora da Unicamp.
MARTINS, C. B. O Que é Sociologia. São Paulo: Brasiliense.
MARX, K. O Capital. 5 vols. São Paulo: Nova Cultural.
MARX, K. Contribuição à crítica da Economia Política. São Paulo: Martins Fontes.
NAVARRO, V. L. PADILHA, V. Dilemas do trabalho no capitalismo contemporâneo, In:
Psicologia & Sociedade, vol.19, n° especial 1, 2007, p.14-20.
SALAMA, P. Pobreza e Exploração do Trabalho na América Latina. São Paulo: Bomtempo.
VIANA, N. O Capitalismo na era da Acumulação Integral. São Paulo: Ideias e Letras.
VILLELA, Fábio F. Indústria da construção civil e reestruturação produtiva: as novas
tecnologias e a construção de cidades contemporâneas, In: Perspectivas, São Paulo,
vol.34, jul/dez 2008, p.37-51.

129
Disciplina: SUSTENTABILIDADE E ACESSIBILIDADE NO AMBIENTE
CONSTRUÍDO
Formação: Optativa Série/Período: Carga Horária: 54h
Pré-requisito: Noções de Arquitetura e Urbanismo e Ciências do Ambiente
Ementa:
Sustentabilidade: Conceitos básicos sobre ambiente construído, qualidade e sustentabilidade.
Aspecto urbano, ambiental e social da sustentabilidade. O problema do edifício; abordagens
atuais, impactos e tendências. Materiais e técnicas construtivas sustentáveis.
Aperfeiçoamento dos sistemas de gestão, otimização de processos construtivos e redução de
desperdício, inovações recentes, aplicabilidade e ganhos em desempenho e sustentabilidade.
Desempenho de tecnologias inovadoras. Apropriação tecnológica e tecnologias construtivas
não convencionais. Certificações Ambientais. Indicadores da sustentabilidade ambiental.
Legislação aplicada à Sustentabilidade. Normatização relativa a acessibilidade.
Objetivos:
Introduzir os alunos na temática de desenvolvimento sustentável do ambiente construído,
entendido como o edifício, sua infraestrutura imediata e mediata, visando instrumentá-los a
integrar as dimensões da acessibilidade e da sustentabilidade em suas atividades
profissionais e de pesquisa, assim como, aprimorar o entendimento da influência da
acessibilidade nas decisões arquitetônicas e estruturais das edificações/ambiente construído.
Bibliografia:

Básica
GOLDEMBERG, Jose. Energia e desenvolvimento sustentável. São Paulo: Blucher.
HOGAN, Daniel Joseph, MARANDOLA JR., Eduardo, OJIMA, Ricardo. População e
ambiente: desafios a sustentabilidade. São Paulo: Blucher.
PEREIRA, Paulo Affonso Soares. Rios, redes e regiões: a sustentabilidade a partir de um
enfoque integrado dos recursos terrestres. Porto Alegre: AGE.
Complementar
AMATO NETO, João. Sustentabilidade e produção: teoria e pratica para uma gestão
sustentável. São Paulo: Atlas.
FORMIGA, Manuel Marcos Maciel et al.. Engenharia para o desenvolvimento: inovação,
sustentabilidade e responsabilidade social como novos paradigmas. Brasília:
SENAI/DN.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: acessibilidade a
edificações, mobiliários, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro: ABNT.
_________________. NM 313: Elevadores de passageiros - Requisitos de segurança
para construção e instalação - Requisitos particulares para a acessibilidade das
pessoas, incluindo pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: ABNT.
_________________. ISO 9386-1: Plataformas de elevação motorizadas para pessoas
com mobilidade reduzida — Requisitos para segurança, dimensões e operação
funcional. Parte 1: Plataformas de elevação vertical. Rio de Janeiro: ABNT.
_________________. ISO 9386-2: Plataformas de elevação motorizadas para pessoas
com mobilidade reduzida — Requisitos para segurança, dimensões e operação
funcional. Parte 2: Elevadores de escadaria para usuários sentados, em pé e em
cadeira de rodas, deslocando-se em um plano inclinado. Rio de Janeiro: ABNT.

130
Disciplina: TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I
Formação: Profissionalizante Série/Período: 7º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Topografia II, Materiais de Construção II, Mecânica dos Solos I
Ementa:
Introdução a Construção Civil. Serviços Técnicos Preliminares. Limpeza do terreno.
Canteiro de obras. Movimento de terra. Locação. Fundações. Alvenarias. Estrutura.
Andaimes.
Objetivo:
Pretende-se identificar os processos, métodos e técnicas aplicadas aos serviços da etapa
inicial e da obra bruta da execução das edificações, possibilitando ao profissional o
acompanhamento e intervenção nestas fases da construção.
Bibliografia:

Básica
AZEREDO, H. A. O Edifício até sua cobertura. São Paulo: Edgard Blücher.
CARDÃO, C. Técnica da Construção. Belo Horizonte: Edições Engenharia e Arquitetura.
MORAES, M. C. Estruturas de Fundações. São Paulo: McGraw-Hill.
RIPPER, E. Como Evitar Erros na Construção. São Paulo: PINI.

Complementar
BAUD, G. Manual da Construção. São Paulo: Hemus.
CIMINO, R. Planejar para construir. São Paulo: Ediouro.
THOMAZ, É. Tecnologia, gerenciamento e qualidade na construção. São Paulo: Editora
PINI.
THOMAZ, É. Trincas em Edifícios: causas, prevenção e recuperação. São Paulo:
PINI/EPUSP/IPT.
VIGORELLI, R. Manual prático do construtor e mestre de obras. São Paulo: Hemus.

131
Disciplina: TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES II
Formação: Profissionalizante Série/Período: 7º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Tecnologia das Construções I
Ementa:
Telhado. Cobertura. Impermeabilização. Revestimento. Pavimentação. Forros. Esquadrias.
Vidros. Pintura. Limpeza geral da obra.
Objetivo:
Pretende-se identificar os processos, métodos e técnicas aplicadas, possibilitando ao
profissional o acompanhamento e intervenção em qualquer etapa dos serviços referentes à
construção de edifícios.
Bibliografia:

Básica
CARDÃO, C. Técnica da Construção. Belo Horizonte: Edições Engenharia e Arquitetura.
AZEREDO, H. A. O Edifício e seu Acabamento. São Paulo: Edgard Blucher.
AZEREDO, H. A. O Edifício até sua Cobertura. São Paulo: Editora Edgar Blücher.
THOMAZ, E. Trincas em Edifícios: causas, prevenção e recuperação. São Paulo:
PINI/EPUSP/IPT.

Complementar
FIORITO, A. J. S. I. Manual de Argamassas e Revestimentos – Estudos e Procedimentos de
Execução. São Paulo: Editora PINI.
BORGES, A. C.; MONTEFUSCO, E.; LEITE, J. L. Prática das Pequenas Construções.
volumes I e II. São Paulo: Editora Edgar Blücher.
MOLITERNO, A. Caderno de Projetos de telhado em estrutura de madeira. São Paulo:
Edgard Blucher.
VIGORELLI, R. Manual prático do construtor e mestre de obras. São Paulo: Hemus.
YAZIGI, W. A Técnica de Edificar. São Paulo: Editora PINI.
VERÇOSA, E. J. Impermeabilização na Construção. Porto Alegre: Editora SAGRA.

132
Disciplina: TEORIA DAS ESTRUTURAS I
Formação: Profissionalizante Série/Período: 5º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Mecânica geral
Ementa:
Conceitos Gerais de estruturas. Classificação: Hipostáticas, Isostáticas e Hiperestáticas.
Estruturas Isostáticas: Definições de estrutura, vínculos e apoios, carregamentos,
esforços seccionais. Classificação das estruturas quanto à estaticidade (determinação do
grau de estaticidade) e estabilidade. Estudo de vigas, pórticos, treliças e grelhas
isostáticas submetidas a cargas fixas. Linhas de Influência. Análise computacional de
estruturas (Utilização de Software livre): Aplicação em vigas, pórticos, treliças e
grelhas.
Objetivos:
Fornecer aos alunos conhecimentos relativos ao comportamento e análise das estruturas
isostáticas, do ponto de vista de ações externas, esforços solicitantes, considerando suas
aplicações nos sistemas estruturais.
Bibliografia:

Básica
BEER, F. P. “Mecânica Vetorial para Engenheiros: Estática”. Porto Alegre: Editora
AMGH.
GORFIN, B., OLIVEIRA, M. M. de. “Estruturas Isostáticas”. Rio de Janeiro. Editora
LTC.
HIBBELER, R. C. “Análise das Estruturas”. São Paulo: Editora Pearson.
LEET, K. M.; UANG, C; GILBERT, A. M. “Fundamentos da Análise Estrutural –
volume único”. São Paulo: Editora McGraw Hill.

Complementar
AMARAL, O. C. do. “Estruturas Isostáticas”. Belo Horizonte: Editora Scipione.
HIBBELER. R.C. “Estática – Mecânica para Engenharia”. São Paulo: Editora Pearson.
MARTHA, L. F. FTOOL – Programa Gráfico-Interativo para Ensino de
Comportamento de Estruturas. Rio de Janeiro: PUC-RIO.
ROCHA, A. M. da. “Teoria e Prática das Estruturas”. Rio de Janeiro: Editora Científica.
SALGADO, J. C. P. “Estruturas na Construção Civil”. São Paulo: Editora Érica.
SHAMES, I. H. “Estática: Mecânica para Engenharia”. Volume 1. São Paulo: Editora
Prentice Hall.
TIMOSHENKO, S. P. “Teoria das Estruturas”. Rio de Janeiro: Editora Scipione.

133
Disciplina: TEORIA DAS ESTRUTURAS II
Formação: profissionalizante Série/Período: 6º Carga Horária: 81 h
Pré-requisito: Teoria das Estruturas I
Ementa:
Métodos de energia para cálculo de deslocamentos e inclinações de estruturas isostáticas.
Estruturas Hiperestáticas. Generalidades. Método das forças aplicado a estruturas
hiperestáticas. Método dos Deslocamentos aplicados a estruturas hiperestáticas.
Deslocamentos aplicados em vigas contínuas, pórticos, treliças e grelhas. Determinação dos
esforços e diagramas. Efeitos de recalques nos apoios, variação de temperatura e vínculos
elásticos. Análise computacional de estruturas (Utilização de Software livre): Aplicação em
vigas contínuas, pórticos, treliças e grelhas.
Objetivos:
Fornecer os conhecimentos relativos ao comportamento e análise das estruturas
hiperestáticas, do ponto de vista de ações externas, esforços solicitantes e deslocamentos,
considerando suas aplicações nos sistemas estruturais.
Bibliografia:

Básica
HIBBELER, R. C. “Análise das Estruturas”. São Paulo: Editora Pearson.
MARTHA, L. F. “Análise de Estruturas: conceitos e métodos básicos”. Rio de Janeiro:
Editora Campus Elsevier.
POLILLO, A. “Exercícios de Hiperestática”. Rio de Janeiro: Editora Científica.
SÜSSEKIND, J. C. “Curso de Análise Estrutural”. Volume 2. Rio de Janeiro: Editora
Globo.

Complementar
MARTHA, L. F. FTOOL – Programa Gráfico-Interativo para Ensino de Comportamento de
Estruturas. Rio de Janeiro: PUC-RIO.
MAU, S. T. “Introdução à Análise Estrutural: Método dos Deslocamentos e das Forças”. Rio
de Janeiro: Editora Ciência Moderna.
ROCHA, A. M. “Teoria e prática das estruturas”. Volume 3. Rio de Janeiro: Editora
Científica.
SCHREYER, K. “Estática das Construções”. Volume 2. Rio de Janeiro: Editora Globo.
SORIANO, H. L.; LIMA, S. de S. “Análise de Estruturas: Método das Forças e Método dos
Deslocamentos”. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna.

134
Disciplina: TOPOGRAFIA I
Formação: Profissionalizante Série/Período: 2º Carga Horária: 81 h
Pré-requisito: Desenho Técnico Civil I
Ementa:
Unidades de medidas, Sistema de posicionamento, Planimetria, Locação de obra, Altimetria,
Equipamento altimétrico, Nivelamento geométrico, Nivelamento trigonométrico. Plantas
topográficas: normas, especificações e recomendações da ABNT.
Objetivo:
Habilitar o aluno no manejo de equipamentos utilizados para levantamentos topográficos e
locações. Dar ao aluno o domínio das técnicas de execução de levantamentos topográficos
planialtimétricos. Desenvolver capacidade para calcular e processar os dados obtidos no
campo e para elaborar, interpretar e obter informações de plantas topográficas
Bibliografia:

Básica
BORGES, Alberto de Campos. Topografia – Volume I. São Paulo: Editora Edgard Blucher.
COMASTRI, J. A. e GRIPP JUNIOR, J. Topografia Aplicada-medição, divisão e
demarcação. Viçosa: Imprensa Universitária.
COMASTRI, J. A. e TULER, J.C. Topografia-Altimetria. Viçosa: Imprensa Universitária.

Complementar
BORGES, Alberto de Campos. Topografia – Volume II. São Paulo: Editora Edgard
Blucher.
BORGES, A. de C. Exercício de Topografia. São Paulo: Editora Edgard Blucher.
ESPARTEL, L. Curso de Topografia. Porto Alegre – RS: Editora Globo.
GARCIA, G. e PIEDADE, G.C.R. Topografia Aplicada às Ciências Agrárias. Porto
Alegre: Editora Nobel.
LOCH, C & CORDINI, J. Topografia Contemporânea – Planimetria. Florianópolis:
Editora UFSC.

135
Disciplina: TOPOGRAFIA II
Formação: Profissionalizante Série/Período: 3º Carga Horária: 81 h
Pré-requisito: Topografia I
Ementa:
Execução de desenho topográfico. Sistema de Posicionamento Global – GPS .
Terraplenagem. Locações especiais. Modelagem Digital do loteamento. Técnicas de
Posicionamento pelo GPS. Sistema de Projeção Universal Transverso de Mercator – UTM .
Georreferenciamento .
Objetivo:
Habilitar o aluno no domínio das técnicas para cálculo de volumes de corte e aterro e
implantação de projeto de terraplenagem; conhecimentos para realizar locações precisas de
obras de engenharia; capacidade para executar a modelagem digital do terreno;
conhecimentos para planejar e realizar posicionamentos com uso do GPS; conhecimentos
para calcular com uso de programas de computador coordenadas plano-retangulares e
geodésicas e transformações entre elas; informações para realizar georreferenciamentos.
Bibliografia:

Básica
LOCH, C. “Topografia Contemporânea”. Florianópolis: Editora UFSC.
BORGES, A. C. “Topografia”. Volumes I e II. São Paulo: Editora Edgard Blucher.
CARVALHO, M. P. de. “Caderneta de campo”. Rio de Janeiro: Editora Científica.
CARVALHO, M. P. de. “Curso de Estradas”. Rio de Janeiro: Editora Científica.

Complementar
CARDÃO, C. “Topografia”. Belo Horizonte: Editora Scipione.
DNER [1999]. Diretrizes Básicas para Elaboração de Estudos e Projetos Rodoviários.
Disponível em http://www1.dnit.gov.br/download/DiretrizesBasicas.pdf
PARADA, M. de O. “Elementos de topografia”. São Paulo: Editora Scipione.
RODRIGUES, J. C. “Topografia”. Rio de Janeiro: Editora LTC.
UZEDA, O. G. de. “Topografia”. Rio de Janeiro: Editora LTC.

136
Disciplina: TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO I.
Formação: Específico Série/Período: 9º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Redação técnica; Metodologia cientifica; Projeto e construção de estradas;
Tecnologia das construções II; Projeto de instalações hidrossanitárias.

Ementa: Elaboração de dissertação de trabalho, desenvolvido no âmbito da Engenharia


Civil, em obras, escritórios ou laboratórios, sob a orientação de docente, conforme
regulamento específico do Curso de Engenharia Civil: Definição da metodologia de
trabalho, revisão bibliográfica e início do desenvolvimento do trabalho.
Objetivos:
Fornecer ao aluno a orientação necessária para que consiga pesquisar, estruturar, elaborar e
apresentar uma dissertação no âmbito do conhecimento de determinada área técnica ou
correlata da Engenharia Civil.
Bibliografia:
Básica
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR6023: Informação e documentação
– Referências – Elaboração.
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR6024: Informação e documentação
– Numeração progressiva das seções de um documento escrito – Apresentação.
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR6027: Informação e documentação
– Sumário – Apresentação.
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR6028: Informação e documentação
– Resumo – Apresentação.
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR6034: Informação e documentação
– Índice – Apresentação.
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR10520: Informação e
documentação – Citações em documentos – Apresentação.
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR14724: Informação e
documentação – Trabalhos Acadêmicos – Apresentação.
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR15287: Informação e
documentação – Projeto de Pesquisa – Apresentação.
Normas de Apresentação de Trabalhos Técnicos do IFG.

137
Disciplina: TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO II.
Formação: Específico Série/Período: 10º Carga Horária: 54 h
Pré-requisito: Trabalho de Conclusão de Curso I.
Ementa: Elaboração de dissertação de trabalho, desenvolvido no âmbito da Engenharia
Civil, em obras, escritórios ou laboratórios, sob a orientação de docente, conforme
regulamento específico do Curso de Engenharia Civil: Continuação e término do
desenvolvimento do trabalho, resultados, conclusões e sugestões.
Objetivos:
Fornecer ao aluno a orientação necessária para que consiga pesquisar, estruturar, elaborar e
apresentar uma dissertação no âmbito do conhecimento de determinada área técnica ou
correlata da Engenharia Civil.
Bibliografia:
Básica
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR6023: Informação e documentação
– Referências – Elaboração.
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR6024: Informação e documentação
– Numeração progressiva das seções de um documento escrito – Apresentação.
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR6027: Informação e documentação
– Sumário – Apresentação.
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR6028: Informação e documentação
– Resumo – Apresentação.
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR6034: Informação e documentação
– Índice – Apresentação.
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR10520: Informação e
documentação – Citações em documentos – Apresentação.
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR14724: Informação e
documentação – Trabalhos Acadêmicos – Apresentação.
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR15287: Informação e
documentação – Projeto de Pesquisa – Apresentação.
Normas de Apresentação de Trabalhos Técnicos do IFG.

138
APÊNDICE 1 - RESOLUÇÃO Nº 41 DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012
CONSELHO SUPERIOR DO IFG

139
APÊNDICE 2 – LISTA REFERENCIAL DE RESOLUÇÕES E
REGULAMENTOS DO IFG
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS.
Conselho Superior. Resolução n° 057 de 17 de novembro de 2014. Dispõe sobre o
regulamento de Estágio Curricular dos Cursos de Educação Técnica de Nível Médio e
do Ensino Superior do IFG. Disponível em <
http://www.ifg.edu.br/proen/index.php/legislacao-academica/109-legislacaoacademica>.
Acesso em: 24. nov. 2015.
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS.
Conselho Superior. Resolução nº 16 de 26 de dezembro de 2011. Dispõe sobre o
regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do IFG.
Disponível em < http://www.ifg.edu.br/proen/index.php/legislacao-academica/109-
legislacaoacademica>. Acesso em: 24. nov. 2015.
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS.
Conselho Superior. Resolução nº 28, de 11 de agosto de 2014. Dispõe sobre o
regulamento relativo ao Trabalho de Conclusão de Curso dos cursos de graduação do
IFG. Disponível em < http://www.ifg.edu.br/proen/index.php/legislacao-academica/109-
legislacaoacademica>. Acesso em: 24. nov. 2015.
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS.
Conselho Superior. Resolução nº 14 de 02 de junho de 2014. Dispõe sobre o
regulamento institucional do programa de monitoria de ensino do IFG. Disponível em <
http://www.ifg.edu.br/proen/index.php/legislacao-academica/109-legislacaoacademica>.
Acesso em: 24. nov. 2015.
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS.
Conselho Superior. Resolução nº 55 de 13 de outubro de 2014. Dispõe sobre o
regulamento de visitas técnicas do IFG. Disponível em <
http://www.ifg.edu.br/proen/index.php/legislacao-academica/109-legislacaoacademica>.
Acesso em: 24. nov. 2015.
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS.
Conselho Superior. Resolução nº 19 de 26 de dezembro de 2011. Dispõe de regulamento
Acadêmico dos Cursos de Graduação. Disponível em <
http://www.ifg.edu.br/proen/index.php/legislacao-academica/109-legislacaoacademica>.
Acesso em: 24. nov. 2015.

140