Você está na página 1de 19

Lucinda Nogueira Persona

Entre
uma noite
e outra
© 2014. Direitos desta edição reservados para Entrelinhas Editora.

Editora Maria Teresa Carrión Carracedo

Produção gráfica Ricardo Miguel Carrión Carracedo


Design da capa Helton Bastos, com obra de Regina Pena
Paginação Rafael Carracedo Ozelame
Arte finalização Maike Vanni
Revisão Marinaldo Custódio
Assistente na edição Walter Galvão
Imagem da capa e detalhes no interior Obra Noturno na vereda, de Regina Pena
(acrílica sobre tela, 25 x 55 cm, 2005)

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Persona, Lucinda Nogueira


Entre uma noite e outra / Lucinda Nogueira Persona.
-- Cuiabá, MT : Entrelinhas, 2014.

ISBN: 978-85-7992-073-8

1. Poesia brasileira I. Título

14-12889 CDD-869.91

Índices para catálogo sistemático:


1. Poesia : Literatura brasileira 869.91

Impresso no Brasil
1ª edição em dezembro de 2014 • 1.000 exemplares

Reprodução proibida
Art. 184 do Código Penal e Lei 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.
Nenhuma parte desta edição pode ser reproduzida ou utilizada – em quaisquer meio ou forma,
seja mecânico ou eletrônico, fotocópia ou gravação, etc, – nem apropriada ou estocada em
sistema de banco de dados sem expressa autorização.

ENTRELINHAS EDITORA
Av. Senador Metello 3.773 • Jardim Cuiabá
Cep 78.030-005 – Cuiabá, MT, Brasil
Distribuição e Vendas: (65) 3624 5294 • e-mail: vendas@entrelinhaseditora.com.br
www.entrelinhaseditora.com.br • e-mail: editora@entrelinhaseditora.com.br
À memória de meu sobrinho,
Mário Spinelli
Um só dia não me toca,
só sei falar de todos os dias
Walt Whitman
As fendas e os vãos

José Castello1

A matéria da poesia de Lucinda Persona é a insuficiência.


A vida – como os farelos beliscados pelos pombos –
não passa de um amontoado de ciscos. Trama de restos,
ela ainda assim nos maravilha. “Também quero ser /
destes que / só tendo sustento e vestes / estão com isso
contentes”. O mundo contemporâneo é regido pela ideia
fixa da grandeza. Queremos sempre mais e mais – e só a
poesia desmascara a miséria dessa fome. A vida, “como
soma de moléculas”, é uma representação do frágil. Quase
nada, de fato, possuímos: o tempo nos escapa, as coisas
nos fogem, a vida é frágil. Corajosa, Lucinda escreve a
partir dessas ruínas.

Como todos nós, humanos, também o poeta “tira forças /


de onde não tem”. Por isso, ostentamos a insígnia da
incerteza. Quem é o poeta – quem é a poeta Lucinda
Persona? É aquele (aquela) que se alimenta da hesitação.

1  Escritor, jornalista e crítico literário. Biógrafo de Vinícius de Moraes,


Rubem Braga e João Cabral de Melo Neto. Atualmente escreve para o jornal
“O Globo”. Recebeu, por duas vezes, o prêmio Jabuti.
Até porque, sabe Lucinda, o que se vê no topo do caos são
as estrelas. Poetas presunçosos, e cheios de si, assassinam
a poesia. Em seu nome, domesticam palavras. Os poetas
verdadeiros escrevem “com gestos calmos / que nunca
chegarão / ao conhecimento do mundo”. A poesia não
tem uma utilidade – habita as fendas e os vãos. Não é
prática, não produz resultados. Tampouco acredita na
salvação, até porque “nenhum dia é seguro / para quem
dentro dele respire”. Poesia não é solução – e Lucinda
distingue, assim, a escrita da insolência.

Por isso leva uma vida discreta, e escreve mais


secretamente ainda. A poesia não traz uma identidade, ao
contrário, ela a subtrai. Apesar de todo o esforço, só temos
uma parte da vida – e essa parte não chega a compor uma
imagem nítida. Poetas são seres sutis, conhecedores das
lacunas e do silêncio. Como diz Wislawa Szymborska,
citada por Lucinda: “já se avizinha a sexta / com um
roteiro que não conheço”. O poeta não apenas não sabe
o que faz: ele não sabe o que tem nas mãos. Sabe apenas
que “em cada coisa, existe também / aquilo que ela
não é”. A matéria da poesia é a ignorância, e por isso os
poetas sábios, como Lucinda Persona, se esquivam entre
as sombras das palavras. Ali, quieta e perplexa, Lucinda
escreve.
DOMINGO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Ameixas em compota . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Vertiginosa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Chegou da rua. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
O que dou à fome. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Minha janela. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Fios de ovos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Ai daquele que ficar só. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Concha de sopa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Feito ao vivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Tantas coisas desaparecem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Excessivos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
O vício da escuridão por existir. . . . . . . . . . . . . . . . 35

SEGUNDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Damascos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Escrevo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Do mesmo parto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Uma coisa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Cisco. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Folha de alface. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Mil vezes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Ovos às dúzias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
Chuva e tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Caracóis aos montes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Depois de longa seca. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Esse legado de um céu negro. . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
TERÇA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Penca de bananas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
Edifico em amor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
Em nossa nudez . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Sacola de pães. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
Tomam chá. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Pequeno lago. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
Conselhos gerais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
Que a recordação seja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
Ao amor maternal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
O tempo é. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
Um pássaro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
Quando ele chega, já é noite. . . . . . . . . . . . . . . . . . 68

QUARTA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
Ao figo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
Abismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Primeira refeição. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Homem no parque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
O sol do Cerrado se põe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
Acaso noturno. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79

QUINTA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
A pera. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
Ver rosas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Maço de couves. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Perpétua roxa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
Requentado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
Preta como a noite. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
SEXTA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
Pêssego em calda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
Tumulto em larga escala . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
Não quero mudar nada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
Acendemos velas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
Um amarelo de estrelas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
No escuro teto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98

SÁBADO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
Sereno o avião. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
Um hóspede . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
Praça de Cibeles . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
Restaurante Pinpilinpausha. . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
Praça de São Marcos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
Era quase noite no Cais da Ribeira. . . . . . . . . . . . 110
18
19
DOMINGO

Aujourd´hui c´est dimanche les


cinémas sont pleins
Les oiseaux dans les branches
regardent les humains
Jacques Prévert
Ameixas em compota

Existe
na vida completa
um amor que não aparece
e nem repousa tranquilo

ó eterna e doce supervisão


do muito que se tem a conservar

as formigas desfilam
num afrouxado cordão
diante dos meus olhos

(faço o que me agrada)

Meus olhos
(em lágrimas paradas)
sobrenadam
como ameixas em compota
em vidros envasadas.

23

Interesses relacionados