Você está na página 1de 25

Superintendência Comercial

MEDIÇÃO DE ENERGIA

ETC 4.04 - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA


PARA MEDIDORES DE ENERGIA

JANEIRO/2008

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet


DMEN ETC 4.04

Sumário
1- DESCRIÇÃO...................................................................................................................................................................3
2- CÓDIGO COPEL DO MATERIAL................................................................................................................................3
3- NORMAS APLICÁVEIS................................................................................................................................................3
4- REQUISITOS GERAIS...................................................................................................................................................4
4.1- Condições Gerais ....................................................................................................................................................4
4.2 – Critérios para aprovação de ficha técnica..............................................................................................................4
4.3- Condições de Serviço..............................................................................................................................................4
4.4- Assistência Técnica.................................................................................................................................................4
4.5- Manual de Instruções Técnicas e de Manutenção...................................................................................................5
4.6- Acessórios................................................................................................................................................................5
4.7- Treinamento.............................................................................................................................................................5
5- REQUISITOS ESPECÍFICOS.........................................................................................................................................6
5.1- Arquitetura...............................................................................................................................................................6
5.2- Características Funcionais.......................................................................................................................................6
5.3- Características Elétricas...........................................................................................................................................6
5.4- Características Construtivas....................................................................................................................................6
5.5- Características Não Funcionais.............................................................................................................................10
5.6- Condições de Funcionamento...............................................................................................................................12
6- ENSAIOS.......................................................................................................................................................................12
7- EMBALAGEM..............................................................................................................................................................13
7.1- Generalidades........................................................................................................................................................13
7.2- Marcação dos Volumes.........................................................................................................................................13
7.3- Transporte..............................................................................................................................................................14
8- INFORMAÇÕES A SEREM FORNECIDAS COM A PROPOSTA...........................................................................14
9- GARANTIA...................................................................................................................................................................15
10- ANEXOS......................................................................................................................................................................15

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 2-25


DMEN ETC 4.04

1- DESCRIÇÃO
Esta especificação estabelece os requisitos mínimos que deverão ser atendidos pelos fabricantes
para o fornecimento de medidores de energia ativa, reativa, demanda, convencionais ou especiais,
monofásicos ou polifásicos, eletromecânicos ou eletrônicos.
Quando se tratar de medidores com requisitos ou funções especiais, estes terão além dessa
especificação outra complementar própria, sem prejuízo dos requisitos mínimos aqui mencionados.

2- CÓDIGO COPEL DO MATERIAL


Os medidores aos quais se refere esta Especificação possuem os códigos de materiais conforme
anexo VII.
Nota: Os códigos de materiais indicados no anexo VII se destinam à contabilização e distribuição
dos equipamentos nos almoxarifados da COPEL e deverão estar indicados nos processos de
fornecimento de medidores novos ou recuperados.

3- NORMAS APLICÁVEIS
Os medidores devem atender as características constantes nesta especificação e as condições
mínimas exigíveis nas Normas Brasileiras relacionadas a seguir:
NBR 5313 - Aceitação de Lotes de Medidores de Energia Ativa
NBR 8377 - Medidor de Energia Ativa - Especificação
NBR 8378 - Medidor de Energia Ativa - Ensaios - Método de Ensaio
NBR 8379 - Medidor de Energia Ativa e Reativa - Valores Nominais, Disposições dos terminais,
Dimensões e Ligações Padronização
NBR 14519 - Medidores eletrônicos de energia elétrica (estáticos) - Especificação;
NBR 14520 - Medidores eletrônicos de energia elétrica (estáticos) - Método de Ensaio;
NBR 14521 – Aceitação de lotes de medidores eletrônicos de energia elétrica - Procedimento
NBR 14522 - Intercâmbio de Informações para Sistemas de Medição de Energia Elétrica -
Padronização;
NBR 12889 - Sensor ótico para medidores de energia elétrica;
NBR 6146/1980 - Invólucros de equipamentos elétricos – Proteção;
ABNT - NBR 8402, 8403, 10126, 8993, 10067, 10582, 10647, 10582 - Desenho Técnico
NBR 6146 – Invólucros de equipamentos elétricos - Proteção - Especificação;
NBR 5456 – Eletricidade Geral – Terminologia;
NBR 6509 - Instrumentos elétricos e eletrônicos de medição – Terminologia;
NBR 5419 - Proteção contra descargas atmosféricas - Procedimento;
Relatório CODI - 1.2.07.07.0 – Recuperação de medidores de energia elétrica;
Norma NBR-13085 – Equipamento Leitor Programador para registradores digitais de grandezas
elétricas Leitora/Programadora direcional para registradores digitais de grandezas elétricas;
NORMA COPEL – EMBALAGEM UNITIZADA- Desenhos 0-07-00-005 e 3-31-02-001 (anexos);
Regulamento Técnico Metrológico - Portaria INMETRO no 88 de 06 de abril de 2006;

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 3-25


DMEN ETC 4.04

Outra – o fabricante poderá, mediante prévia consulta à COPEL utilizar outra norma de
reconhecimento público que não esteja aqui indicada. Caberá, no entanto à COPEL a aceitação ou
não da referida Norma.

4- REQUISITOS GERAIS
4.1- Condições Gerais
Os medidores ofertados deverão ter ficha técnica aprovada na COPEL e Portaria de Aprovação de
Modelo do INMETRO. O projeto, a matéria prima, a mão-de-obra, a fabricação e o acabamento
deverão incorporar, tanto quanto possível, os melhoramentos que a técnica moderna sugerir, mesmo
quando não referidos nesta especificação.
Todas unidades sob um mesmo item de encomenda deverão possuir o mesmo projeto e ser
essencialmente iguais, com todas as suas peças correspondentes iguais e intercambiáveis. O projeto
deverá sempre permitir a fácil manutenção, conserto e substituição de peças.
Os manuais ou instruções técnicas e quaisquer documentos ou dados adicionais devem ser
fornecidos no idioma Português. Os manuais e instruções devem ser apresentados
preferencialmente em meio eletrônico, utilizando-se editor de texto executável em ambiente
Windows. Os manuais deverão ser enviados juntamente com os desenhos para aprovação.

4.2 – Critérios para aprovação de ficha técnica


Os medidores propostos deverão ter a ficha técnica aprovada na data da abertura da proposta.
Os procedimentos para aprovação de ficha técnica estão disponíveis na página da COPEL na
Internet (www.copel.com - para sua Empresa - medição).
Para aprovação de ficha técnica o fornecedor deverá enviar à COPEL, pelo menos três amostras
para ensaios, juntamente com os desenhos, ensaios realizados em laboratório independente e O
número da portaria de aprovação do INMETRO.
Em caso de não aprovação das amostras, a COPEL se considera desobrigada de informar ao
fabricante detalhes dos ensaios realizados as suas expensas.
Alterações posteriores efetuadas pelo Fabricante nos desenhos ou nos modelos já aprovados ou
ainda nos componentes intercambiáveis listados no item 4.4, deverão ser submetidas a prévia
aprovação pela COPEL. Constituem-se estes procedimentos, caso não aprovados, em não
conformidade para efeito de inspeção.

4.3- Condições de Serviço


Os medidores abrangidos por esta especificação deverão ser adequados para operar com
temperatura ambiente de –10°C até 60°C e umidade relativa de 0% até 95% sem condensação. Os
medidores devem estar protegidos contra a penetração de poeira e água conforme NBR 6146

4.4- Assistência Técnica


O proponente deverá detalhar na proposta os critérios adotados para prestação de serviços de
manutenção e assistência técnica para os produtos ofertados, tanto para cobertura de falhas de
fabricação ocorridas no período de garantia, como para consertos ou recuperação de iniciativa da
COPEL Também deverá disponibilizar lista de peças sobressalentes para conserto, dispondo-se ao
fornecimento das mesmas quando solicitado.
O proponente deverá fornecer durante um período de 10 (dez) anos, a contar da data de entrega,
qualquer peça cuja substituição venha a ser necessária.

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 4-25


DMEN ETC 4.04

Os medidores de um mesmo tipo ou modelo devem ser exatamente iguais entre si, empregar o
mesmo princípio de funcionamento e possuir no mínimo as seguintes peças intercambiáveis:
- tampa principal;
- bloco de terminais
- tampa do bloco de terminais;
- parafusos dos terminais de corrente;
- parafusos dos terminais de potencial;
- parafuso da tampa do bloco de terminais;
- mancais;
- registradores;
- elementos móveis.
As peças sobressalentes quando fornecidas em separado serão submetidas à inspeção, devendo ser
idênticas às utilizadas no medidor aprovado como modelo.

4.5- Manual de Instruções Técnicas e de Manutenção


O Fornecedor deverá enviar junto com os medidores quando for o caso, manuais ou disquetes
contendo instruções técnicas para operação, ensaios de exatidão e manutenção. Estas instruções
devem incluir a relação de todas as peças componentes de cada equipamento. Para as peças e
acessórios deverá também ser informada a respectiva numeração de catálogo.
Os manuais deverão conter, no mínimo, as seguintes informações:
a) Instruções, descrição, funcionamento, manuseio, instalação, ajustes, operação, manutenção e
reparos.
b) Relação de todos os componentes e acessórios, incluindo nome, descrição, número de catálogo,
quantidade usada, identificação do desenho e instruções para aquisição quando necessários.
c) Deverão constar nos manuais obrigatoriamente procedimentos específicos relativos ao descarte
dos equipamentos propostos, quer ao final da sua vida útil, quer em caso de inutilização por avaria.

4.6- Acessórios
O fornecedor deverá incluir na proposta os componentes acessórios do sistema, detalhando as
características e o custo, devendo garantir o perfeito funcionamento dos mesmos, inclusive quando
fabricados por terceiros.

4.7- Treinamento
Quando se tratar de equipamento com tecnologia nova, os proponentes devem fornecer treinamento
quanto a sua operação, programação, instalação, manutenção e ensaio de exatidão.

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 5-25


DMEN ETC 4.04

5- REQUISITOS ESPECÍFICOS
5.1- Arquitetura
Os medidores devem incorporar tanto quanto possível, características construtivas e funcionais de
uso corrente, de forma a facilitar a sua aplicação, minimizando os inconvenientes das adaptações
operacionais tanto nos procedimentos de instalação como de leitura e alterações nas entradas de
serviço.
As dimensões máximas dos medidores devem estar de acordo com os desenhos anexos: ANEXO II,
ANEXO III, ANEXO IV e ANEXO V.

5.2- Características Funcionais


Deve permitir fácil ensaio de exatidão, ajustes, manutenção e substituição de peças. As partes
metálicas internas ou externas devem estar adequadamente protegidas contra corrosão e quando
energizadas, possuir isolamento compatível com a tensão de serviço.
Nos medidores eletromecânicos, a velocidade nominal do elemento móvel deve estar compreendida
entre 8 e 18 rpm.
Nos medidores eletrônicos a constante para ensaio de exatidão deverá ser menor ou igual a 1Wh
por pulso. O led ou dispositivo indicador de pulsos deverá ser de luz visível e estar permanente
ativado e pulsando proporcionalmente à carga.

5.3- Características Elétricas


Os medidores objetos desta especificação deverão apresentar as seguintes características:
CARACTERÍSTICAS A B
MONOFÁSICOS POLIFÁSICOS
Número de fios 2 2 3 3 3 4 4 4
Número de el. Motores 1 1 1 2 2 3 3 3

Tensão nominal (V) 120 220 240 120 120 120 240 120
Freqüência nominal (Hz) 60 60 60 60 60 60 60 60
Corrente nominal (A) 15 15 15 2,5 15 15 2,5 30
Corrente máxima (A) 100 100 100 10 ou 20 120 120 10 ou 20 200

5.4- Características Construtivas


5.4.1- Condições do Projeto
Os materiais usados na fabricação dos medidores não deverão conter produtos ou componentes
tóxicos ou radioativos, em percentuais acima dos limites tolerados ou que venham ao longo do
tempo manifestar efeitos perigosos, nocivos ou poluidores do meio ambiente. Não deverão em
qualquer hipótese propagar fogo, emitir gases tóxicos, inflamáveis ou explosivos.

5.4.2- Base
Os medidores eletromecânicos para conexão direta do grupo B devem possuir a base metálica
tratada (preferencialmente alumínio-silício fundido), dadas às peculiaridades de sua aplicação bem
como as particularidades de funcionamento.
Nos medidores eletrônicos a base deve ser de construção rígida, com o bloco de terminais
preferencialmente independente, resistente ao calor, indeformável a pressões mecânicas externas, e

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 6-25


DMEN ETC 4.04

resistente à ação de produtos químicos comuns. O material da base não deverá apresentar fissuras,
rugosidade, escamas, descoloração, falhas ou deformações ao longo do tempo.
A base não deve em qualquer dos casos, ter parafusos, rebites ou dispositivos de fixação das partes
internas do medidor que possam ser retirados sem violação dos selos da tampa do medidor. Deverá
possuir bom acabamento tanto interno como externo, não ter cantos ou arestas cortantes, de forma a
não causar acidentes ao operador e proporcionar fácil manuseio, embalagem ou transporte.
A base deve ter dispositivos para sustentar o medidor na parte superior e um ou mais furos de
fixação na parte inferior, localizados no interior bloco de terminais, de modo a impedir a remoção
do medidor sem violação dos selos da tampa do bloco. Os furos de fixação deverão possuir
diâmetro mínimo de 5mm.
O dispositivo superior de sustentação do tipo alça, pode ser embutido ou saliente. Quando saliente
deve ser rígido e não sofrer deformações na embalagem e manuseio, sendo as suas dimensões
consideradas nas dimensões máximas admissíveis para o medidor. Quando for embutido, a
profundidade mínima, para alojamento do parafuso de sustentação, deverá ser de 6 mm. Os
dispositivos inferiores de fixação devem ficar protegidos pela tampa do bloco de terminais.

5.4.3- Estrutura
A estrutura ou armadura interna que sustenta os elementos motores deve ter rigidez suficiente e
estabilidade termomecânica assegurada para evitar deformações que possam afetar a exatidão do
medidor, podendo formar com a base uma única peça. As bobinas devem ser montadas e fixadas à
armadura de modo a não produzirem vibrações e ruídos.

5.4.4- Tampa do Medidor


A tampa do medidor deve ser inteiriça, preferencialmente em vidro, moldada em uma única peça,
indeformável, transparente na parte frontal, adaptável à base de modo a impedir a entrada de insetos
e de poeira, bem como impedir a fraude por introdução de corpos estranhos. As suas vedações não
devem se deteriorar nas condições normais de serviço. A tampa não deve possuir dispositivos de
encaixe no lado externo da base, do tipo pinças ou ganchos, vulneráveis ou estimuladores de fraude.
Para tampas de policarbonato ou materiais sintéticos, o ponto de injeção deve apresentar bom
acabamento e estar situado em local que não prejudique a visibilidade do interior do medidor e o
acoplamento ótico do sensor na verificação da exatidão do medidor. As tampas de policarbonato ou
outro material sintético estão sujeitas às mesmas condições e exigências relativas aos requisitos
mecânicos, aplicáveis aos medidores equipados com tampas de vidro. As tampas de policarbonato
ou outro material sintético devem ainda possuir na face frontal, um friso sobressalente de contorno,
para protegê-las contra riscos e danos devidos a atritos causados na embalagem ou em contato com
outros materiais. O friso deve apresentar bom acabamento e estar situado em local que não
prejudique a visibilidade do interior do medidor nem a focalização de sensor para ensaio de
exatidão. A durabilidade e a transparência do material deve ser garantida por toda a vida útil do
medidor, independentemente dos prazos de garantia contratual do mesmo.
A tampa deve possuir dispositivo que permita sua selagem, independentemente da selagem da
tampa do bloco de terminais. Estes dispositivos, inclusive os destinados a selar botões de reposição
de demanda ou de programação, não deverão ser passíveis de deslocamentos por pressão manual ou
ações mecânicas. Os diâmetros dos orifícios dos dispositivos de selagem não devem ser inferiores a
2mm. A fenda do parafuso de fixação deve ser perpendicular ao orifício de selagem.

5.4.5- Bloco de Terminais


O bloco de terminais deve ser feito de material isolante, e não deve apresentar deformações visíveis
com o medidor funcionando em regime permanente com a corrente máxima. Não deverá apresentar

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 7-25


DMEN ETC 4.04

fissuras, rugosidade, escamas, descoloração, falhas ou deformações ao longo do tempo. Deve ter
tampa independente da tampa do medidor, estar adaptado à base de modo a impedir a entrada de
insetos e poeira e não permitir fraudes por introdução de corpos estranhos. A sua fixação à base
deve ser feita de forma que somente possa ser retirado com o rompimento dos selos da tampa do
medidor ou dos selos da tampa de bloco de terminais. O bloco de terminais deverá ser
intercambiável, possibilitando fácil manutenção e reposição quando necessário.
A posição dos terminais do neutro deve ser identificada pela cor azul, na face frontal do bloco de
terminais, visto pelo lado da cabeça dos parafusos.

5.4.6- Tampa do Bloco de Terminais


A tampa do bloco de terminais deve ser construída em metal ou, mediante consulta, em material
sintético. Deve ser curta e. quando feita de material metálico, deve ser eletricamente isolada na sua
face interior. Deverá conter a inscrição LINHA - CARGA, ser de fácil operação e não permitir
deformações. Não deve conter arestas ou cantos cortantes de forma a assegurar o seu manuseio
seguro. Deve possuir dispositivo que permita sua selagem independentemente da selagem da tampa
do medidor. Os diâmetros dos orifícios dos dispositivos de selagem não devem ser inferiores a
2mm. O parafuso de fixação, quando existir, deve ser solidário a tampa. A fenda do parafuso de
fixação deve ser perpendicular ao orifício de selagem.

5.4.7 - Registrador
O dispositivo indicador de consumo pode ser do tipo ciclométrico mecânico ou eletromecânico, ou
mostrador eletrônico. Os dígitos de indicação devem ser de fácil leitura. O registrador deve ser de
fácil substituição. O valor da constante de registro Rr deve ser indicado na face frontal do
mostrador. Quando o mostrador e a placa de identificação formarem um mesmo conjunto
removível, o registrador deve possuir também indicação do Rr no próprio corpo, indelével, em local
visível.
Nos registradores eletromecânicos as engrenagens deverão ser preferencialmente metálicas e não
devem sofrer envelhecimento, ressecamento, oxidação ou outras alterações devidas a aquecimento e
à umidade, nas condições normais de utilização do medidor.
Para os medidores com mostrador eletrônico, deverão ter garantidas a visibilidade, legibilidade e a
inviolabilidade das indicações. O projeto deverá assegurar também a manutenção de valores
registrados, em qualquer tempo, não sendo admitida perda de dados nem a ocorrência de falhas
funcionais que dificultem ou impossibilitem a leitura ou o resgate futuro da mesma, caso o medidor
venha a ser desinstalado.
As partes metálicas do registrador deverão ser adequadamente tratadas para evitar oxidação ou
corrosão.

5.4.8- Terminais de Corrente e de Potencial


Os terminais de corrente dos medidores devem possuir resistência mecânica compatível com o
torque necessário ao aperto dos parafusos, boa dissipação térmica para caso de sobreaquecimento e
conter dois parafusos de modo a garantir a fixação segura e permanente dos seguintes condutores:
- Para medidores monofásicos - (I nom. = 15/100 A) - 35 mm2;
- Para medidores polifásicos - (I nom. = 15/120 A) - 35 mm2 a 50 mm2;
- Para medidores polifásicos - (I nom. = 30/200 A) - mínimo 120 mm2;
- Para medidores polifásicos - (I nom. = 2,5/10 A) – potencial 2,5 mm2 e corrente de 4 mm2 a 16
mm2 .

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 8-25


DMEN ETC 4.04

Os terminais de potencial para medidores de conexão indireta devem possuir seção circular com no
mínimo 2,5 mm2, e conter um ou dois parafusos para fixação segura e permanente dos
condutores.Para os medidores monofásicos de dois fios que possuam terminais de prova, estes
devem ser internos ao medidor. Nos medidores monofásicos de três fios os terminais de prova
devem ser internos, visíveis, de fácil acesso e de operação segura.
Em qualquer caso, os elos de prova devem estar situados em local de fácil inspeção e operação e
sua condição de ligados / desligados deve ser passível de detecção visual.
Os terminais de potencial ou de corrente localizados no bloco de terminais não devem ser passíveis
de deslocamentos para o interior do medidor.

Os parafusos de fixação dos condutores nos terminais de corrente deverão possuir as seguintes
características:
• Diâmetro mínimo equivalente a dois terços do diâmetro da seção do terminal;
• Parafuso com cabeça e ponta plana com chanfro;
• A fenda deverá se estender por toda a largura do parafuso;
• A fenda deverá ser dimensionada de forma a resistir à ação de esforços mecânicos necessários
ao aperto dos parafusos;
• Para os medidores com corrente máxima de 200A, os parafusos devem ter orifício sextavado
interno para operação com chaves Allen – 5mm.

Os circuitos de corrente devem ser simétricos conforme anexos: ANEXO II, ANEXO III, ANEXO
IV e ANEXO V.

5.4.9- Elementos móveis


Os medidores eletromecânicos devem possuir mancais do tipo suspensão ou repulsão magnéticas. O
elemento móvel deve ter rigidez suficiente para evitar empeno em condições normais de serviço,
armazenamento e transporte. Na borda do(s) disco(s) deve existir uma marca indelével de cor preta
fosca para referência na contagem eletrônica das suas rotações e 100 divisões numeradas a partir da
marca de ensaio de exatidão, para comparação visual com medidor padrão. O sentido de rotação do
disco deve ser da esquerda para a direita do medidor visto de frente e deve ser indicado por uma
seta em lugar visível.
Os medidores eletrônicos devem possuir indicadores de luz visível, para sinalização de consumo e
referência para ensaio de exatidão.
Os medidores eletromecânicos polifásicos com corrente nominal de 2,5A podem ou não possuir
catraca, que impeça o movimento do(s) disco(s) em sentido contrário ao normal. Esta informação
deverá constar no pedido de compra.

5.4.10 - Placa de Identificação


Todo medidor deve ser provido de placa de identificação fabricada com material rígido,
indeformável e adequado a todas as condições de funcionamento do medidor.
Deverá estar fixada na parte frontal do medidor, de modo a ser visível estando o mesmo fechado.
Deverá conter no mínimo, as seguintes informações, em português:
a) nome ou marca do fabricante (Nota 1);
b) número da portaria de aprovação INMETRO;
c) modelo do medidor;
d) ano de fabricação;

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 9-25


DMEN ETC 4.04

e) tensão, freqüência e corrente nominais (Nota 2) ( V / Hz / A);


g) número de elementos motores (elementos ou el.);
h) número de fios (fios);
i) constante do disco (Kd) ou constante eletrônica Ke (Kd = Wh/rot , Ke = Wh/pulso);
j) corrente máxima (Imáx A);
k) espaço destinado à identificação (NIO - Número de Identificação Operacional COPEL em
algarismos e em código de barras) e logotipo da Concessionária, com dimensões mínimas de 10 X
50 mm; O código de barras Padrão EAN 128 deve ser posicionado acima ou abaixo do NIO em
algarismos.
l) diagrama de ligação do medidor; (Nota 1);
m) classe de exatidão;
o) os códigos de grandezas/funções devem ser indicados na parte frontal do medidor quando o
mostrador não for alfa numérico ou que não possa descrever todas as funções.
p) a constante do registrador Rr quando o mostrador e placa formarem uma única peça;
q) número de traços do disco, número de pulsos por rotação e a constante de pulsos - Wh/pulso
quando o medidor tiver dispositivo emissor de pulsos;
s) diagrama de ligações do cabo de saída de sinais de pulsos.

Notas:
1) O nome e o diagrama de ligação do medidor deverão estar indicados no mostrador ou na placa de
identificação. O nome ou marca do fabricante deverá ser somente o nome oficial que consta na
Portaria de aprovação do Modelo;
2) Na placa de identificação deve constar apenas um valor nominal para tensão, corrente e
freqüência.
O valor da tensão nominal, quando se tratar do medidor 220 ou 240Volts, deverá ser destacado
utilizando fonte em negrito com altura mínima de 3 mm e máxima de 5 mm.
3) No espaço destinado à identificação do usuário deverá ser gravado o logotipo da COPEL, o
número de Identificação Operacional - NIO composto de 10 dígitos e o código de barras
representando apenas o NIO. Deverão estar em primeiro plano, alinhados, o Logotipo COPEL e o
NIO em algarismos. Não serão admitidas outras informações agregadas ao código de barras. O
fornecedor deverá solicitar à COPEL antes do início da fabricação dos produtos, modelo para
elaboração do Logotipo série de números operacionais a ser usada na identificação dos medidores.
A identificação dos medidores poderá ser feita através de marcação, fosqueamento a laser ou
etiqueta adesiva fixada neste espaço. Quando usado etiqueta adesiva esta não deverá sofrer
alterações nem descolar sob efeito do calor ou exposição ao sol nas condições normais de utilização
do medidor.
4) As faixas numéricas dos NIOs de cada lote serão fornecidas pela COPEL mediante solicitação do
fornecedor após este ter recebido a Ordem de Compra ou na época de início da fabricação dos
medidores. As dimensões dos dígitos e do logotipo deverão ser as indicadas no desenho ANEXO I.

5.5- Características Não Funcionais


5.5.1- Segurança
O equipamento deve ter dispositivos que permitam a selagem do acesso ao circuito interno e ao
botão de reposição de demanda quando existir.

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 10-25


DMEN ETC 4.04

Os medidores objetos desta especificação devem ser verificados e selados pelo fabricante com selos
de policarbonato transparente que estejam homologados na COPEL. Os selos deverão ser
numerados e identificados com o logotipo e o número do PAV (Posto de verificação) de um lado,
e do outro lado o logo do INMETRO. Tanto a numeração quanto o símbolo do fabricante e do
INMETRO deverão ser gravados de forma indelével e à prova de alteração ou imitação.

5.5.2- Confiabilidade
a) Os terminais dos medidores devem apresentar ligação segura e permanente dos condutores de
entrada e saída e suportar sem sofrer avarias, correntes pelo menos 25% superiores à corrente
máxima indicada.
b) Os medidores eletrônicos devem apresentar um MTBF superior a 30.000 horas;

5.5.3- Conectividade
O dispositivo de saída ótica deve ser compatível com o conector ótico magnético como descrito na
norma NBR 13085 – Equipamento Leitor Programador para registradores digitais de grandezas
elétricas.
A comunicação com a leitora e a saída de sinais seriais para o consumidor deve seguir o protocolo
de comunicação previsto pelo projeto de norma da NBR 14522 - Intercâmbio de Informações para
Sistemas de Medição de Energia - Padronização;

5.5.4- Exatidão
a) Os medidores eletromecânicos devem ter uma classe de exatidão de 2% ou melhor e os
eletrônicos, 1% ou melhor.
b) A base de tempo do relógio quando este existir, deve apresentar um desvio inferior a 30 ppm em
toda faixa de temperatura.
c) O fabricante deverá garantir a rastreabilidade metrológica de seu sistema de ensaio de exatidão,
fornecendo à COPEL, por ocasião da inspeção ou entrega dos medidores, ou ainda quando
solicitado, cópia atual do certificado de calibração do seu padrão de Wh primário.
d) O fabricante deverá fornecer ao inspetor da COPEL por ocasião da inspeção, em meio eletrônico,
o relatório dos ensaios de todos os medidores, conforme Regulamento Técnico Metrológico e
padronização de dados.

5.5.5- Suportabilidade
a) Os medidores deverão ser construídos com rigidez mecânica suficiente para evitar riscos de
danos no seu manuseio normal e dispor de proteção contra penetração de água, poeira e objetos
sólidos. As partes sujeitas a corrosão devem ser protegidas, e, caso haja revestimento protetor, o
mesmo deve apresentar boa resistência a abrasivos, não permitindo danos por manuseio normal
de operação;
b) O material utilizado na construção dos medidores deve oferecer blindagem suficiente a campos
eletromagnéticos externos, de modo a assegurar a estabilidade de desempenho e confiabilidade
nas condições normais de operação;
c) O bloco de terminais deve ser construído com material isolante não higroscópico, capaz de
suportar temperaturas elevadas sem apresentar deformações ao longo da vida útil do medidor. A
isolação elétrica deve ser compatível com o previsto nas normas aplicadas e com o valor da
tensão nominal do medidor. Deve ser impedida a remoção do bloco de terminais sem a violação
dos selos do medidor.

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 11-25


DMEN ETC 4.04

d) Os terminais para alimentação de tensão e corrente dos medidores e dispositivos de comunicação


devem ser galvanicamente isolados entre si e a base, oferecendo isolação elétrica compatível
com as tensões de serviço.
e) A COPEL poderá excepcionalmente, sem prejuízo de seus interesses e sem prejuízo da qualidade
exigida para os medidores, abdicar de determinados requisitos constantes desta Especificação,
não se constituindo este fato como adoção definitiva das modificações aceita nos produtos
ofertados.

5.6- Condições de Funcionamento


a) Os equipamentos devem funcionar corretamente na presença de campos magnéticos de até
0,5mili-Tesla a 60Hz, e de até 0,5 Tesla em campos contínuos;
b) Os equipamentos devem funcionar corretamente na presença de perturbações transitórias de
baixa freqüência (50Hz a 100kHz) e de alta freqüência (100kHz até a faixa de microondas);

6- ENSAIOS
Os ensaios de inspeção, aceitação de lotes, de aprovação de modelo ou de protótipo, serão
efetuados com base nas normas específicas publicadas pela ABNT e com base no Regulamento
Técnico Metrológico (portaria INMETRO no 88 item 5.2 e portaria INMETRO no 66) ou outra
norma de reconhecimento público que venha substituí-la, aplicável a cada tipo ofertado. Quando
não existir norma aplicável, estes ensaios serão definidos conforme as Especificações Técnicas
fornecidas para compra.
A COPEL, a seu critério, efetuará a inspeção dos medidores nos laboratórios do fornecedor ou em
seus laboratórios próprios, reservando-se o direito de inspecionar e ensaiar os medidores abrangidos
por esta especificação, quer no período de fabricação, quer no período de embarque ou a qualquer
momento que julgar necessário. O fornecedor deverá tomar todas as providências para que a
inspeção por parte da COPEL se realize em condições adequadas de acordo com as Normas citadas
e com esta especificação. O fornecedor deverá comunicar a COPEL com antecedência mínima de
15 dias para fornecedor nacional, e 30 dias para fornecedor estrangeiro, a data em que os medidores
estarão disponíveis para inspeção. O período para inspeção deverá ser dimensionado pelo
fornecedor de tal forma que esteja contido nos prazos de entrega estipulados na Ordem de Compra.
Serão aceitos para inspeção somente lotes completos, em quantidades previstas no respectivo item
da Ordem de Compra, prontos para embarque, e que atendam todas as condições especificadas e
contratuais.
Se a COPEL optar pela inspeção dos medidores em seu próprio laboratório, será emitida uma
comunicação liberando a inspeção.

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 12-25


DMEN ETC 4.04

7- EMBALAGEM
7.1- Generalidades
As embalagens estão sujeitas a inspeção, que será efetuada baseando-se nos desenhos aprovados.
Tanto o projeto de embalagem como a metodologia de acondicionamento dos medidores deverão
garantir um transporte seguro em quaisquer condições, quer terrestres, aéreas ou marítimas, contra
quebras e danos de qualquer espécie, desde a saída da fábrica até a chegada ao local de destino.
As embalagens deverão ser preenchidas com a totalidade de medidores previstas para as mesmas,
podendo a última ser incompleta, desde que seja indicado de forma destacada, o número de
unidades nela contido.
Os medidores deverão ser embalados em sacos plásticos individuais e agrupados seqüencialmente
nas embalagens, sendo estas dispostas em paletes padronizados para transporte, conforme ANEXO
VII e ANEXO VIII. Os paletes deverão ser protegidos contra umidade filme plástico, conforme
instruções do ANEXO VIII. Quando se tratar de pequenas quantidades de medidores, que não
justifiquem a paletização, esta poderá ser dispensada, porém, as embalagens deverão garantir a
segurança dos medidores no transporte e armazenagem.
As peças sobressalentes (quando aplicável), devem ser embaladas separadamente em caixas com a
marcação "PEÇAS SOBRESSALENTES".
Nota: Cada volume não poderá conter materiais ou medidores de diferentes códigos ou Ordens de
Compra. As embalagens não serão devolvidas ao Fornecedor.

7.2- Marcação dos Volumes


Cada volume deverá ser identificado conforme modelo indicado no ANEXO IX, apresentando de
forma indelével e legível, os seguintes dados:
- nome do Fornecedor;
- o nome da "COPEL";
- número e item da Ordem de Compra;
- número do volume;
- números de identificação operacional - NIO, de cada medidor com o respectivo código de barras;
- identificação do medidor (modelo, tensão e corrente nominal e número de elementos);
- quantidade de medidores contida em cada volume;
- massa total do volume (massa bruta), em quilogramas;
- código de material COPEL em destaque. O fornecedor poderá usar marcações adicionais que
julgar necessárias para facilitar o despacho, transporte, embarque ou desembaraço aduaneiro do
material.
Os paletes ou containers deverão conter no mínimo as seguintes informações:
- Número do palete ou container
- Número da Nota fiscal
- Ordem de compra
- Item da Ordem de compra
- Quantidade de volumes
- Quantidade de medidores
- Destino
Nota: Cada palete não poderá conter materiais ou medidores de diferentes códigos ou Ordens de
Compra ou ainda com diferentes destinos. Os paletes não serão devolvidos ao fornecedor.

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 13-25


DMEN ETC 4.04

Quando inspecionados em fábrica, os medidores serão liberados para embarque depois de


devidamente inspecionados e aprovados.

7.3- Transporte
Os medidores já paletizados deverão ser transportados em veículos com carroceria fechada (tipo
furgão) no caso de transporte terrestre ou em containers no caso de transporte marítimo. Quando
houver a necessidade de adoção de outra modalidade de transporte, a COPEL deverá ser consultada.
No caso de transporte contratado pela COPEL, e inspeção em fábrica, o fornecedor deverá, após a
liberação do material pelo inspetor, solicitar a área de suprimento da COPEL autorização para
embarque do material.
No caso de transporte contratado pela COPEL e inspeção na COPEL a autorização para embarque
deverá ser solicitada após a confirmação da liberação de inspeção. Neste caso, tanto a liberação de
inspeção como a autorização para embarque terão validade de 15 dias, sem prejuízo dos prazos de
entrega. Decorrido este prazo, a COPEL, a seu critério, poderá adotar outro procedimento.
Nota: A Liberação de Inspeção indica que os ensaios de inspeção serão executados nos laboratórios
da COPEL, não eximindo o fornecedor de outras obrigações contratuais.

8- INFORMAÇÕES A SEREM FORNECIDAS COM A PROPOSTA


Deverão ser fornecidas as informações solicitadas nesta especificação e outras que o fornecedor
julgue interessantes ou necessárias ao conhecimento e análise dos produtos ofertados, como por
exemplo:
a) Lista de exceções ou desvios desta especificação;
b) Cópias das normas de fabricação não citadas no item 2;
c) Características elétricas, curvas de classe de exatidão e consumo do equipamento;
d) Publicações e/ou catálogos
e) Relatórios de ensaios especiais
f) Certificações do produto quando aplicáveis

O fornecedor deverá informar ainda as Características Técnicas, conforme ANEXO VI -


INFORMAÇÕES TÉCNICAS DO PROJETO
Nota: A COPEL reserva-se o direito de desconsiderar as propostas incompletas, que não atendam às
disposições desta especificação, que não contenham as informações necessárias a perfeita
identificação dos medidores, acessórios e peças sobressalentes ou que não atendam aos requisitos
específicos detalhados no Edital de Licitação, na Especificação Técnica ou na própria Ordem de
Compra.

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 14-25


DMEN ETC 4.04

9- GARANTIA
Os medidores deverão ser garantidos pelo fornecedor contra falhas ou defeitos de funcionamento
que venham a ocorrer no período mínimo de 24 (vinte e quatro) meses a contar da data da entrega
quando a inspeção for feita em fábrica, ou a partir da liberação definitiva do material quando a
inspeção for realizada na COPEL.
No decurso do prazo de garantia o fornecedor se compromete a reparar todos os defeitos de
fabricação que venham a ocorrer e, se necessário, a substituir os medidores defeituosos, às suas
expensas, responsabilizando-se por todos os custos decorrentes, sejam de material, de mão-de-obra
ou de transporte.
Se a falha constatada for oriunda de erro de projeto ou de produção, tal que comprometa todas as
unidades do lote, o fornecedor deverá substituí-las a qualquer tempo, independentemente da
ocorrência de defeito em cada uma delas e independentemente dos prazos de garantia..
Nota: Direito de Operar com Material Insatisfatório:
Mediante a devida comunicação da ocorrência do defeito ao fornecedor, a COPEL reserva-se o
direito de optar pela permanência dos medidores insatisfatórios em operação, até que possam ser
retirados de serviço sem prejuízo para o sistema e entregues ao fornecedor para os reparos
definitivos.

10- ANEXOS
ANEXO I – PLACA DE IDENTIFICAÇÃO
ANEXO II – DIMENSÕES MÁXIMAS EM MILÍMETROS MEDIDORES MONOFÁSICOS
ANEXO III – DIMENSÕES MÁXIMAS EM MILÍMETROS MEDIDORES POLIFÁSICOS –
LIGAÇÃO DIRETA GRUPO B
ANEXO IV – DIMENSÕES MÁXIMAS EM MILÍMETROS MEDIDORES POLIFÁSICOS –
LIGAÇÃO INDIRETA
ANEXO V – DIMENSÕES MÁXIMAS EM MILÍMETROS MEDIDORES POLIFÁSICOS -
LIGAÇÃO DIRETA GRUPO B = 30/200A - 3 elementos
ANEXO VI - INFORMAÇÕES TÉCNICAS DO PROJETO
ANEXO VII - CÓDIGO DE MATERIAL A SER INFORMADO NOS FORNECIMENTOS
ANEXO VIII - EMBALAGEM E PALETIZAÇÃO
ANEXO IX – ETIQUETA DE EMBALAGEM

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 15-25


DMEN ETC 4.04

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 16-25


DMEN ETC 4.04

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 17-25


DMEN ETC 4.04

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 18-25


DMEN ETC 4.04

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 19-25


DMEN ETC 4.04

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 20-25


DMEN ETC 4.04

ANEXO VI - INFORMAÇÕES TÉCNICAS DO PROJETO


VALORE
UNIDAD S
REF. DESCRIÇÃO PROPOS
E
TOS
01 Número de fios -
02 Número de elementos motores -
03 Tensão nominal V
04 Freqüência nominal Hz
05 Corrente nominal A
06 Corrente máxima A
07 Corrente de partida %
08 Margem do ensaio de exatidão Carga nominal %
Carga pequena %
Carga indutiva %
Equilíbrio dos conjugados %
09 Velocidade do elemento móvel p/carga nominal rpm
10 Constante do disco Wh/rot
11 Conjugado motor para carga nominal gf.cm
12 Perdas nos circuitos de potencial Ativa W
Aparente VA
13 Perdas nos circuitos de corrente Ativa (I nom.) W
Aparente (I nom.) VA
Ativa (I máx.) W
Aparente (I máx) VA
14 Isolamento da bobina de potencial kV
15 Peso do medidor gf
16 Dimensões máximas ( larg. X altura X profundidade ) mm
17 Tipo do mancal -
18 Número de discos -
19 Material da base -
20 Material da tampa do medidor -
21 Número de cilindros ciclométricos -
22 Constante de leitura do medidor (K) -
23 Relação do registrador (Rr) -
24 Relação de acoplamento (Ra)
25 Constante do disco ou constante eletrônica (kd ou ke/kh)
26 Diâmetro interno dos terminais de corrente mm
27 Diâmetro interno dos terminais de potencial mm
28 Outras informações importantes -

Deverão ser diferenciados os valores garantidos dos valores apenas indicados.

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 21-25


DMEN ETC 4.04

ANEXO VII - CÓDIGO DE MATERIAL A SER INFORMADO NOS FORNECIMENTOS

CODIGO TIPO DE MEDIDOR MEDIÇÃO EL FI V In Im


011759-5 ELETROMEC. DE IND. kWh 2EL 3F 120V 02,5A 020A
012150-9 ELETRONICO MULTIFUNÇÃO THS 3EL 4F 120V 02,5A 010A
012515-6 ELETROMEC. DE IND. Qh 3EL 4F 120V 15,0A 060A
012515-6 ELETROMEC. DE IND. Qh 3EL 4F 120V 15,0A 120A
012516-4 ELETROMEC. DE IND. Qh 3EL 4F 120V 30,0A 200A
013445-7 ELETRÔNICO kW/kVA/kWh/kVArhi/kVArhc 3EL 4F 120V 02,5A 010A
013562-3 ELETRONICO kWh/kVArhi/kVArhc - MPFP 3EL 4F 120V 15,0A 120A
013563-1 ELETRÔNICO kWh/kVArhi/kVArhc - MPFP 3EL 4F 120V 30,0A 200A
014041-4 ELETROMEC. DE IND. kWh - 2 REG. TAM C/FOTO SENSOR 3EL 4F 120V 15,0A 120A
014042-2 ELETROMEC. DE IND. kWh - 2 REG. TAM C/FOTO SENSOR 2EL 3F 120V 15,0A 120A
014084-8 ELETRÔNICO kWh - TAM / TMA 3EL 4F 120V 30,0A 200A
014169-0 ELETROMEC. DE IND. kWh - 2 REG. TAM C/FOTO SENSOR 3EL 4F 120V 02,5A 010A
014170-4 ELETRÔNICO kWh - TAM / TMA 3EL 4F 120V 02,5A 010A
014171-2 ELETRÔNICO MULTIFUNÇÃO THS P/CONCENTR 3EL 4F 120V 02,5A 010A
015534-9 ELETROMEC. DE IND. kWh - 2 REG. TAM C/FOTO SENSOR 1EL 2F 120V 15,0 100A
015535-7 ELETRÔNICO kWh - TAM / TMA 3EL 4F 120V 15,0A 120A
015646-9 ELETRÔNICO MULTIFUNÇÃO THS CONEXÃO DIR. 3EL 4F 120V 15,0A 120A
016134-9 ELETROMEC. DE IND. kWh 1EL 2F 230V 15,0A 100A
435305-6 ELETROMEC. DE IND. kWh 1EL 2F 120V 15,0A 100A
435320-0 ELETROMEC. DE IND. kWh 2EL 3F 120V 15,0A 060A
435320-0 ELETROMEC. DE IND. kWh 2EL 3F 120V 15,0A 120A
435325-0 ELETROMEC. DE IND. KWh 2EL 3F 120V 30,0A 120A
435340-4 ELETROMEC. DE IND. KWh 3EL 4F 120V 15,0A 060A
435340-4 ELETROMEC. DE IND. KWh 3EL 4F 120V 15,0A 120A
435356-0 ELETROMEC. DE IND. kWh - C/FOTOSENSOR 2EL 3F 120V 02,5A 010A
435360-9 ELETROMEC. DE IND. KWh 3EL 4F 120V 02,5A 020A
435361-7 ELETROMEC. DE IND. kWh - C/FOTOSENSOR 3EL 4F 120V 02,5A 010A
435370-6 ELETROMEC. DE IND. kW/kWh – MECANICO.C/TOTALIZ 2EL 3F 120V 05,0A 010A
435375-7 ELETROMEC. DE IND. kW/kWh – MECANICO.C/TOTALIZ 3EL 4F 120V 05,0A 010A
435377-3 ELETROMEC. DE IND. KWh 3EL 4F 240V 15,0A 120A
435397-8 ELETROMEC. DE IND. KWh 3EL 4F 120V 50,0A 100A
435398-6 ELETROMEC. DE IND. kWh - 2 REG. TAM C/TIMER INTER. 2EL 3F 120V 15,0A 120A
435399-4 ELETROMEC. DE IND. kWh - 2 REG. TAM C/TIMER INTER. 3EL 4F 120V 15,0A 120A
453445-0 ELETROMEC. DE IND. kW/kWh – MECANICO.S/TOTALIZ 3EL 4F 120V 30,0A 120A

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 22-25


DMEN ETC 4.04

ANEXO VII - CÓDIGO DE MATERIAL A SER INFORMADO NOS FORNECIMENTOS

(CONTINUAÇÃO)

CODIGO TIPO DE MEDIDOR MEDIÇÃO EL FI V In Im


453446-8 ELETROMEC. DE IND.. kWh - I.PULSO 2EL 3F 120V 02,5A 010 A
453447-6 ELETROMEC. DE IND.. kWh 1 REG. C/FOTO SENSOR 1EL 2F 120V 15,0A 100 A
453448-4 ELETROMEC. DE IND.. kWh 1 REG. C/FOTO SENSOR 2EL 3F 120V 15,0A 100 A
453449-2 ELETROMEC. DE IND.. kWh 1 REG. C/FOTO SENSOR 3EL 4F 120V 15,0A 100 A
453455-7 ELETROMEC. DE IND.. kW/kWh – MECANICO.C/TOTALIZ 3EL 4F 120V 30,0A 120 A
453456-5 ELETROMEC. DE IND.. kW/kWh – MECANICO.S/TOTALIZ 3EL 4F 120V 50,0A 100 A
453457-3 ELETROMEC. DE IND.. kW/kWh – MECANICO.C/TOTALIZ 2EL 3F 240V 05,0A 010 A
735431-2 ELETROMEC. DE IND.. KWh 3EL 4F 240V 30,0A 120 A
739038-6 ELETROMEC. DE IND.. KWh 1EL 3F 240V 15,0A 100 A
782364-9 ELETROMEC. DE IND.. kWh - C/FOTO SENSOR 3EL 4F 240V 02,5A 010 A
782365-7 ELETROMEC. DE IND.. KWh 3EL 4F 240V 02,5A 010 A
782467-0 ELETROMEC. DE IND.. kW/kWh – MECANICO.C/TOTALIZ 3EL 4F 240V 05,0A 010 A
999999-9 ELETRÔNICO SIST. DE MED. REMOTA / CONCENT. 3EL 4F 120V 02,5A 010 A
999999-9 ELETRÔNICO THS C/SINC MEST/ESC 2/4Q-TOT 3EL 4F 120V 02,5A 010 A
999999-9 ELETRÔNICO THS MEST/ESCR C/GPS CL 0.2 3EL 4F 120V 02,5A 010 A
999999-9 ELETRÔNICO MULTIF, C/ POWER QUALITY 2EL 3F 120V 02,5A 010 A
999999-9 ELETRÔNICO MULTIF,C/ POWER QUALITY 3EL 4F 120V 02,5A 010 A
999999-9 ELETRÔNICO MEDICAO CENTRALIZ. UVI 1EL 2F 120V 15,0A 070 A

999999-9 ELETRÔNICO kW/kVA/kWh/kVArhi/kVArhc 3EL 4F 120V 15,0A 120 A

Notas:
- Quando se tratar de equipamento novo, não constante da tabela, o fornecedor deverá observar o
contido no contrato.
- A indicação - “999999-9” refere-se a medidores ou equipamentos cujo código de material não está
definido.
- A presente especificação se aplica integralmente em alguns medidores ou equipamentos
constantes da tabela e parcialmente em outros, dependendo das características específicas de cada
um.
- Situações não previstas serão esclarecidas mediante consulta prévia à COPEL.

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 23-25


DMEN ETC 4.04

ANEXO VIII - EMBALAGEM E PALETIZAÇÃO

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 24-25


DMEN ETC 4.04

ANEXO IX - ETIQUETA DE EMBALAGEM

Nota:

Cada caixa deverá ser etiquetada em uma das faces, conforme modelo abaixo.
O fornecedor poderá adotar sua própria etiqueta desde que contenha as informações completas.

A etiqueta deve ser ;


1.Confeccionada conforme modelo e medidas abaixo;
2.Em papel sulfite 20 kg ou similar, na cor branca;
3.Impressa e preenchida com tinta indelével e de forma legível;
4.Fixada com cola insolúvel em água, na face da caixa que estiver voltada para fora do palete;
5.Colada nas caixas de papelão, nas faces onde não exista fita gomada.

Número Descrição do Marca Cód. Quant.


do Lote Material modelo Material Medidores
Medidor números e
Eletromecânico 435320-0 cód. de
Bifásico 120V barras
15/120A

Fabricante:

Concessionária:

Dimensões: 150 mm X 100 mm

CÓPIA NÃO CONTROLADA – Verificar versão atualizada na Internet 25-25