Você está na página 1de 36

E s p a n h o l • F r a n c ê s • I n g l ê s • P o r t u g u ê s

Diálogo: 25 anos de
ministério global
Uma nova “trindade”
Um momento para
relembrar
E se eu aceitar a
evolução teísta?
O que os adventistas
têm a dizer sobre gestão
ambiental?

2
Vo l u m e 2 5
REPRESENTANTES REGIONAIS
DIVISÃO AFRICANA MERIDIONAL-
OCEANO ÍNDICO
P. O. Box 4583 Rietvalleirand 0174, ÁFRICA DO
CONTEÚDO
SUL
Ella Kamwendo kamwendoe@sid.adventist.org
Busi Khumalo khumalob@sid.adventist.org
ARTIGO ESPECIAL
DIVISÃO AFRICANA OCIDENTAL 5 Diálogo: 25 anos de ministério global
Humberto M. Rasi
22 Boîte Postale 1764, Abidjan 22, COSTA DO
MARFIM
Chiemela Ikonne cikonne@wad-adventist.org
N. John Enang njenang@wad-adventist.org artigos
8
DIVISÃO AFRICANA ORIENTAL
P.O. Box 14756, 00800-Westlands, Nairobi, Uma nova “trindade”
QUÊNIA Um dos autores da primeira edição de Diálogo reflete sobre o passado
Andrew Mutero muteroa@ecd.adventist.org
Mwagulilo Mwakalonge mwakalongem@ecd. à luz do presente e pergunta: “O que aconteceu comigo ao longo de 25
adventist.org anos? Tem minha fé se desenvolvido no decorrer de minhas experiências
DIVISÃO ÁSIA-PACÍFICO NORTE de vida?”
P.O. Box 43, Koyang Ilsan 411-600, COREIA
Chek Yat Phoon cyphoon@nsdadventist.org Michael Pearson

11
Nak Hyujg Kim youth@nsdadventist.org
Um momento para relembrar, um chamado
DIVISÃO ÁSIA-PACÍFICO SUL
P.O. Box 040, 4118 Silang, Cavite, FILIPINAS para prosseguir
Lawrence Domingo ldomingo@ssd.org No 150º aniversário da Associação Geral, o presidente da Igreja mundial
Jobbie Yabut jyabut@ssd.org
emitiu um chamado destacando a importância de relembrar a história da
DIVISÃO EURO-ASIÁTICA redenção e prosseguir rumo aos seus capítulos finais.
Krasnoyarskaya Street 3, 107589 Moscou, FED.
RUSSA Ted N.C. Wilson
Vladimir Tkachuk vtkachuk@esd-sda.ru
Kasap Gennady kgennady@esd-sad.ru
15 E se eu aceitar a evolução teísta?
A evolução teísta não é a solução para os conflitos aparentes entre as
DIVISÃO INTERAMERICANA
P.O. Box 830518, Miami, FL 33283-0518, EUA interpretações bíblicas e científicas sobre as origens. Aqui está o porquê.
Gamaliel Florez gflorez@interamerica.org
Benjamín Carballo carballobe@interamerica.org Raúl Esperante
DIVISÃO intereuropEia
Schosshaldenstrasse 17, 3006 Berna, SUÍÇA 18 O que os adventistas têm a dizer sobre
Barna Magyarosi barna.magyarosi@eud.adventist. gestão ambiental?
org
Stephan Sigg stephan.sigg@eud.adventist.org Os adventistas do sétimo dia reconhecem e apóiam a convocação bíblica
para o cuidado ambiental. Eles se envolvem com o cuidado da criação de
DIVISÃO NORTE-AMERICANA
12501 Old Columbia Pike, Silver Spring, MD várias maneiras de modo individual e corporativo. A Igreja Adventista pode
20904-6600, EUA fazer mais para promover o cuidado da criação? A resposta é “sim”, e o
Larry Blackmer larry.blackmer@nad.adventist.org
James Black james.black@nad.adventist.org tempo de fazê-lo é agora.
Gary Councell gary.councell@nad.adventist.org Floyd E. Hayes e William K. Hayes
DIVISÃO PACÍFICO SUL
Locked Bag 2014, Wahroonga, N.S.W. 2076,
AUSTRÁLIA
SeçÕes
Malcom Coulson mcoulson@adventist.org.au
Nick Kross nkross@adventist.org.au EDITORIAL 31 The Book that Changed the World:
DIVISÃO SUL-AMERICANA
Caixa Postal 02600, Brasília, 70279-970 DF,
3 Diálogo: celebrando um ministé-
rio contínuo
The Story of the King James Version
Editado por Nikolaus Satelmajer
BRASIL John M. Fowler Resenha de Remwil R. Tornalejo
Edgard Luz edgard.luz@adventistas.org.br
Areli Barbosa areli.barbosa@adventistas.org.br PerfiL Para sua informação
DIVISÃO SUL-ASIÁTICA 23 Margaret C. Ashby
Entrevistada por Lorena Mayer
32 Declaração de Consenso da
Igreja Adventista do Sétimo Dia
P.O. Box 2, HCF Hosur, 635 110 Tamil Nadu,
ÍNDIA sobre a Teologia da Ordenação
Nageshwara Rao gnageshwarrao@sud-adventist.org
Lionel Lyngdoh lyngdoh@sud-adventist.org
26 Amalia Suaña
Entrevistada por Estela Tapia e EM AÇÃO
DIVISÃO TRANSEUROPeIA
Isidro Mamani 33 Estudante adventista recebe
119 St. Peter’s St., St. Albans, Herts, AL13EY, Livros importante prêmio na Austrália
Johnny Wong
INGLATERRA
Daniel Duda dduda@ted-adventist.org 30 Management: A Faith-Based
Paul Tompkins ptompkins@ted-adventist.org Perspective
Michael E. Cafferky
Resenha de Annette M. Gibson e
Charles H. Tidwell, Jr.
2 DIÁLOGO 25 • 2 2013
EDITORIAL
Esta revista internacional de fé,
Diálogo: pensamento e ação é publicada três vezes
por ano em quatro edições paralelas
celebrando um ministério contínuo (espanhol, francês, inglês e português)
sob o patrocínio da Comissão de Apoio a
Universitários e Profissionais Adventistas
(Caupa), organismo da Associação Geral
Dos 25 anos de ministério de Diálogo, tive o privilégio único de passar 22 deles dos Adventistas do Sétimo Dia.
como editor. Estabeleci, nesse período, uma conexão íntima com seu ímpeto filosó-
Volume 25, Número 2
fico e afirmações teológicas. Cada edição com suas diferentes temáticas me desafiou Copyright © 2013 pela Caupa.
a refletir, pensar continuamente e, por fim, reafirmar minha atuação pessoal e meu Todos os direitos reservados.
ministério inseridos no adventismo. Assim, para mim, Diálogo não é apenas uma Diálogo afirma as crenças fundamentais
revista, mas um chamado a viver os fundamentos adventistas e refletir sobre eles. da Igreja Adventista do Sétimo Dia e apoia
O impulso filosófico que Diálogo corajosamente deu por um quarto de século sua missão. Os pontos de vista publicados
ofereceu aos jovens adventistas em campi seculares uma maneira de lidar com a ques- na revista, entretanto, representam o
pensamento independente dos autores.
tão da identidade pessoal com responsabilidade comunitária. Ser José na sedutora
casa de Potifar, ser Daniel na cova dos leões ou no palácio imperial, ou Ester em um Equipe Editorial
Editora-chefe Lisa Beardsley
concurso de beleza e na subsequente batalha espiritual que ela enfrentou representam
Editor John M. Taylor V
desafios com que nos deparamos. A questão que cada filho de Deus enfrenta em Assistente Editorial Susana Schulz
uma terra estranha é: “Quem sou eu e a quem pertenço?” Propriedade e administra- Edições Internacionais Susana Schulz
ção são dois fatores filosóficos que orientam a vida para um futuro seguro e definem Secretários editoriais internacionais
Susana Schulz (Espanhol)
quem controla nossa vida presente. Nenhuma filosofia humana pode dar uma res-
Monique Lemay (Francês)
posta segura e definitiva para tais questões. A resposta segura e certa só pode vir da Ildete Silva (Português)
afirmação bíblica da criação humana: “Então disse Deus: ‘Façamos o homem à nossa
Correspondência Editorial
imagem, conforme a nossa semelhança’”(Gênesis 1:26, NVI). Diálogo
O fato de que “fomos feitos à imagem de Deus” oferece a convicção mais elevada 12501 Old Columbia Pike
de dignidade para os seres humanos. A ciência não pode se igualar. A filosofia não Silver Spring, MD 20904-6600; EUA.
Telefone 301 680-5060
oferece alicerce. A economia não pode atribuir seu valor. Os seres humanos não são
Fax 301 622-9627
acidentes cósmicos, eles não são uma somatória de átomos, não são matéria sem E-mail schulzs@gc.adventist.org
sentido, não são animais. Eles são filhos de Deus, Sua obra, o bem mais valioso
Comissão (CAUPA)
do Infinito que os fez segundo Sua imagem. Essa imagem significa que o Criador Presidente Geoffrey Mbwana
escolheu compartilhar parte de Seu próprio caráter com Suas criaturas: criatividade, Vice-Presidente Gary R. Councell
liberdade, responsabilidade, consciência, conhecimento. Ao contrário dos animais, os Secretária Lisa Beardsley
Membros Mario Ceballos, Lyndelle
homens e mulheres estão no centro da existência, e refletem sobre o passado, o pre-
Chiomenti, Gary Councell, John M.
sente e o futuro. A história, a ação e a esperança fazem parte da jornada humana. Fowler, Linda Koh, Kathleen Kuntaraf,
Durante 25 anos, Diálogo tem projetado o Deus Criador como a fonte fundamen- Dionne Rowe, Roy Ryan
tal de significado e relevância da vida humana. Correspondência sobre circulação
Isso não é tudo. A Bíblia apresenta não só o alto nível em que Deus colocou os Deve ser dirigida ao Representante
seres humanos a partir de sua criação, mas também o baixo nível a que desceram Regional da Caupa na região em que
como resultado de sua própria escolha. Se a Criação coloca os seres humanos como reside o leitor. Os nomes e endereços
desses representantes encontram-se na
filhos de Deus com toda a glória e dignidade, a escolha que os seres humanos têm p. 2.
feito de se rebelar contra Deus e voltar-se para o pecado transformou-os em objetos
Assinaturas US$13.00 por ano (três
indefesos da depravação e da morte. Isaías apresenta um quadro horrível dessa depra- números, via aérea). Ver cupom na p. 6
vação: “Toda a cabeça está ferida, todo o coração está sofrendo. Da sola do pé ao para detalhes.
alto da cabeça não há nada são; somente machucados, vergões e ferimentos abertos” Website http://dialogue.adventist.org
(Isaías 1:5,6, NVI).
Diálogo tem recebido correspondência
A depravação em todo o seu horror não é o destino pretendido por Deus para de leitores de 120 países ao redor do
os seres humanos. Apesar de pecadores, que estão em rebelião constante contra seu mundo.
Criador, os seres humanos não estão abandonados aos resultados de sua escolha ter-
rível segundo a antropologia bíblica. Gênesis apresenta a situação dos seres humanos,
mas também proclama alegremente que o Criador tomou a iniciativa redentora de
oferecer aos seres humanos a escolha de voltar para casa, para a glória (Gênesis 3:15).

DIÁLOGO 25 • 2 2013 3
Cartas
Ao celebrar os 25 anos de Diálogo, de maneira irregular têm grande cir-
queremos compartilhar algumas das culação nos diversos campi da nossa
centenas de cartas que recebemos ao universidade. Jerry K
longo desses anos.
2004 – dos ESTADOS UNIDOS
1990 – das FILIPINAS (Ásia) (América do Norte)
Considero as temáticas abordadas É muito difícil ser adventista e estu-
pela Diálogo muito relevantes para dar em um ambiente educacional onde
minha vida de estudante adventista em a evolução ateísta é ensinada como um
uma universidade secular. Dennis I. fato. Por essa razão, receber Diálogo
tem sido uma imensa bênção para
1991 – dos ESTADOS UNIDOS mim. Valerie R.
(América do Norte)
Homens e mulheres não estão, portanto, Tenho recebido Diálogo com regula- 2004 – do BRASIL (América do Sul)
desesperançados. Eles não estão abando- ridade. Considero seu conteúdo muito Há momentos em que eu me sinto
nados. Eles não estão sozinhos. Eles são informativo e interessante. John A. quase esmagado pelas filosofias natu-
resgatados pelo precioso sangue de Jesus ralista e secular apresentadas por meus
(1 Pedro 1:19). 1999 – do EQUADOR (América do professores da universidade pública.
Durante 25 anos, Diálogo tem consis- Sul) Então eu receber Diálogo... e me enco-
tentemente proclamado uma antropologia Sinto orgulho de compartilhar rajado a viver e partilhar minha fé.
bíblica – a criação celebrada pelo cântico Diálogo com meus amigos não-adven- Anderson M.
dos anjos, a queda que feriu o coração de tistas. Zacarias M.
Deus, a redenção que custou a vida de 2005 – de BARBADOS (América
Seu Filho e uma escatologia que promete 2000 – de PAPUA- NOVA GUINÉ Central)
renovação total. (Oceania) As entrevistas com pesquisadores
Dentro do contexto da cosmovisão Sou um grande fã de Diálogo. Toda a adventistas são especialmente inspirado-
revista é inspirada por Deus. Wake M. ras e motivacionais. Andrew M.
bíblica – cristocêntrica, bíblica, redentora
e escatológica –, Diálogo tem ministrado
2001 – da FRANÇA (Europa) 2005 – da ALEMANHA (Europa)
a estudantes adventistas em campi secu-
Como o único estudante adven- Leio Diálogo e gosto muito de seu
lares, alicerçado sua fé e aumentando sua tista em minha faculdade, às vezes, conteúdo. É uma ótima revista para os
busca pela verdade. Isso lhes permite ser encontro-me lutando com sentimentos alunos adventistas. Jakob W.
testemunhas vivas de um Deus que Se de solidão. No entanto, Diálogo é um
importa com cada pessoa. Este ministério amigo acolhedor. Cada edição me 2006 – de MADAGÁSCAR (África)
deve continuar. enriquece intelectual e espiritualmente. É agradável encontrar uma revista
Andrea S. que aborda biblicamente temas difíceis.
Paul P.
2002 – de MARTINICA (América
John M. Fowler, editor Central) 2007 – da NIGÉRIA (África)
Diálogo Cada edição de Diálogo oferece abun- Obrigado por publicar Diálogo, uma
dante conteúdo que estimula a reflexão. revista que fortalece a fé e nos moti-
Sandrine C. va a viver como verdadeiros cristãos.
John M. Fowler (Ed.D. pela Peter L.
Universidade Andrews) tem editado 2003 – da REPÚBLICA
Diálogo ao longo dos últimos 22 anos. DEMOCRÁTICA DO CONGO 2009 – da ÍNDIA (Ásia)
Contribuiu com o Relatório de Ação (África) Estou muito feliz e grato pela
para a edição inaugural de Diálogo Aqui não há nenhuma outra revista publicação dessa revista cujos os arti-
(1989) vol. 1. Atuou como repre- mais atrativa para os alunos adventistas. gos se destacam pela alta qualidade.
sentante regional da Divisão da Ásia Os poucos exemplares que nos chegam Robinson K.
Meridional.

4 DIÁLOGO 25 • 2 2013
ARTIGO ESPECIAL
Diálogo: 25 anos de ministério global
Humberto M. Rasi
A história desta revista começa com um
lançamento ambicioso, uma perspectiva
internacional, e uma lista crescente de
autores e leitores em meio a surpresas
ao longo do caminho.

O 25º aniversário de uma revista


oferece a ocasião perfeita para cele-
brar e relembrar. Em 1988, Diálogo
Universitário nasceu em resposta a uma
necessidade : milhares de brilhantes estu-
dantes adventistas ao redor do mundo
frequentavam instituições públicas de
ensino superior e corriam o risco de per-
der a crença em Deus, abandonando os
princípios bíblico-cristãos. Havia pouco
para ajudá-los a sustentar a fé.
Tendo sido estudante na Argentina
e nos Estados Unidos e me encontrado
com muitos outros estudantes durante
minhas viagens internacionais, eu conhe-
cia bem os desafios. Nutrir e desafiar
a mente dos universitários era essencial.
Senti que deveria mantê-los engajados
na missão adventista como alunos e
depois como profissionais. A experiência
como vice-presidente de desenvolvimen-
to editorial da Pacific Press Publishing
Association me deu o conhecimento
necessário para planejar o lançamento de
uma nova revista, mas o caminho não
era fácil, e eu já estava comprometido
com um trabalho significativo.
No entanto, com o apoio do depar-
tamento de Educação da Associação
Geral e com o encorajamento de outros
dois departamentos, decidimos seguir
em frente, produzindo uma edição teste
com um levantamento de potenciais
leitores. A revista foi projetada para ser
a primeira publicação da sede mundial
da Igreja Adventista a ser publicada
simultaneamente em quatro idiomas
paralelos: inglês, francês, português e

DIÁLOGO 25 • 2 2013 5
espanhol. A linha editorial estabeleceu Universitário número 1, com 36 páginas, edições, por favor, inclua artigos escri-
objetivos essenciais para a revista : ajudar foi para o prelo em 1989, com uma tira- tos por alunos sobre como se envolver
os estudantes universitários a (1) conhecer gem otimista de 33.500 cópias – 18.500 na vida da igreja, como levar Cristo à
melhor sua fé, (2) viver sua fé de modo em inglês, 8.500 em espanhol, 4.000 em faculdade, e como mantê-Lo em primei-
mais consistente, e (3) compartilhar sua português e 2.500 em francês.* ro lugar em nossa vida quando somos
fé de maneira mais eficaz. A página de Logo começaram a chegar os formu- tentados por outros estilos de vida.” Em
conteúdo apresentava esta estrutura: lários de pessoas interessadas na revista. resposta, durante o segundo ano de
Ensaios, Perfis, Logotipo, Vida no Estávamos convencidos de que essa nova publicação, nós adicionamos uma seção
Campus, Relatório de Ação e Para Sua publicação tinha alimentado a fome inte- de cartas.
Informação. lectual e espiritual de dezenas de milha- Outra seção, chamada “Intercâmbio”,
O passo seguinte foi: Que nome dar res de estudantes universitários. Depois tornou-se muito popular. Ela listava o
à nova revista ? Depois de fazermos uma disso, chegou uma torrente de cartas nome, endereço e uma breve biografia
lista, pedimos a participação do recém- de leitores engajados, com carimbos de de leitores interessados ​​em se correspon-
criado Comitê de Ministério para a Botsuana, Canadá, Colômbia, França, der com outros estudantes adventistas e
Faculdade e Estudantes Universitários, República Dominicana, Papua-Nova profissionais de todo o mundo. A cres-
de seus representantes regionais e de estu- Guiné, e muitos mais. Nossos leitores cente troca de cartões-postais, cartas e
dantes universitários. Gordon Madgwick, faziam perguntas, enviavam questões lembranças resultou em amizades e, em
secretário-executivo da Comissão de direcionadas aos autores e apresentavam alguns casos, até mesmo em casamento.
Educação Superior da Divisão Norte- observações e informações relevantes. Recebemos notas apreciativas e também
Americana, recomendou o nome defi- N. Axford, do Clark Community fotos de casais de Chile e Noruega,
nitivamente aprovado. “Se você deseja College, em Vancouver, Washington, Cuba e México, e Norte e Sul do Brasil.
participar deste grupo especial de leitores nos Estados Unidos, agradeceu-nos por Alguns deles com filhos! Posteriormente,
internacionais”, observou ele, “Diálogo Diálogo, afirmando: “Há tão pouco Diálogo incluiu histórias em primeira
deve ser parte do nome da revista”. As publicado para nós! Estamos sendo pessoa, resenhas de livros e uma coluna
páginas e a capa foram projetadas ainda esquecidos e, como resultado, estamos de fórum aberto, completando um cardá-
sem o uso de computador. A Diálogo nos esquecendo da igreja. Nas próximas pio rico para um público em expansão.
 A revista promoveu a criação de asso-
ciações de estudantes adventistas em
muitos países, fornecendo orientações e
sugestões para as atividades, bem como
Assine promovendo nomeações de capelães.
Essas associações realizavam círculos
Diálogo de oração, organizavam dias da Bíblia,
doavam livros adventistas a bibliotecas
Você quer ser um pensador e não meramente um refletor do pensamento de outras pessoas? A
e lançaram programas de alcance social.
DIÁLOGO continuará a desafiá-lo a pensar criticamente, como um cristão. Fique em contato com
o melhor da ação e do pensamento adventista ao redor do mundo. Assine DIÁLOGO. Em vários casos, as associações foram
formalmente registradas, adquirindo
Assinatura anual (3 exemplares – via aérea): US$13.00 representatividade frente aos dirigentes
Números atrasados: US$4.00 cada. de campi públicos. No Quênia, por
Gostaria de assinar DIÁLOGO em o Inglês o Francês o Português o Espanhol exemplo, os estudantes adventistas têm se
Edições Iniciem minha assinatura com a próxima edição. reunido para animados cultos em várias
Gostaria de receber estes números anteriores: Vol.______. No ______. universidades públicas. Em duas outras
Pagamento Estou juntando um cheque internacional ou ordem de pagamento. universidades públicas do continente afri-
Meu Mastercard ou VISA é _____________________________ cano, as autoridades doaram terreno no
Data de validade: ________________________
campus para a construção de uma igreja
Por favor, preencha: e um centro de serviços que fornece
Nome ___________________________________________________________ refeições gratuitas, cursos de como deixar
Endereço ___________________________________________________________ de fumar, entre outras iniciativas. Como
___________________________________________________________ resultado, alunos e membros do corpo
Remeta os dados para: DIALOGUE Subscriptions, Linda Torske docente pararam de fumar e iniciaram
12501 Old Columbia Pike; Silver Spring, MD 20904-6600; EUA. uma dieta balanceada graças à atuação da
FAX 301 622 9627 associação estudantil.
E-mail torskel@gc.adventist.org Em outros países, no entanto, o desa-

6 DIÁLOGO 25 • 2 2013
fio de aulas obrigatórias e estágios no versário – precisamente a média de idade * Atualmente a versão impressa têm
sábado persistiram. Diálogo informou de nossos leitores –, agradecemos a Deus 11.350 exemplares em espanhol; 7.200
que, em um país asiático, as universida- por Sua orientação no decorrer dos anos. em inglês; 7.000 em português; 1.850
des públicas requeriam que os alunos As 72 edições de Diálogo, centenas de em francês. A revista completa é publi-
que concluíssem medicina e odontologia artigos e cerca de dois milhões de cópias cada no site http://dialogue-adventist.org
comparecessem à formatura no sábado em quatro línguas continuam a chegar nas quatro línguas. Em breve haverá uma
para receber seu diploma. Estudantes aos leitores de todo o mundo, ajudando- versão disponível em italiano.
adventistas fiéis esperaram seis ou sete os a melhor conhecer, viver e partilhar
anos até que, com a resposta de Deus à a fé bíblico-cristã sob a bênção de Deus.
oração, uma exceção foi feita de modo Aqueles leitores que gostariam de ler
que eles puderam receber o diploma e alguns dos artigos publicados nas edições
começar a carreira. anteriores podem acessar o site da revista:
Em um país da África Ocidental, o http//:dialogue.adventist.org. Que Deus
capelão adventista regional se reuniu com possa manter um vigoroso diálogo com
a mais alta autoridade nacional de educa- os leitores conectados com Cristo até que
ção para intervir em favor dos estudantes Ele volte em glória !
que estavam ficando para trás em seus
estudos devido à necessidade de assistir
às aulas e fazer os exames aos sábados. Humberto M. Rasi (Ph.D. pela
O capelão levou exemplares de Diálogo Universidade Stanford) é o funda-
em inglês e francês para mostrar que as dor de Diálogo, atuou como editor-
associações de estudantes adventistas chefe da revista (1989-2007) e ex-
locais faziam parte de uma sociedade diretor de Educação da Associação
internacional organizada. O ministro da Geral dos Adventistas do Sétimo
Educação ficou tão impressionado com Dia. E-mail: hmrasi@gmail.com
a revista que publicou uma carta oficial
concedendo aos estudantes permissão
para fazer exames em outros dias. No
final da entrevista, o ministro também
pediu uma assinatura de Diálogo.
Nesse meio tempo, a lista internacional
de profissionais adventistas que sobre- Durante 25 anos, o projeto
viveram aos desafios de uma educação gráfico de Diálogo passou
universitária secular tem crescido, como por diversas mudanças.
evidenciado pelo perfil das entrevistas
na revista e diversidade de autores. Com
satisfação, nós também temos visto arti- Veja na página 35.
gos de Diálogo ser citados em publicações
e meios acadêmicos.
Quatro pessoas foram fundamentais
para ajudar a revista chegar a esse pata-
mar. Gerard Latchman habilmente fez a
transição do design manual de Diálogo
para a diagramação em computador.
Beverly Rumble verificava a exatidão e
clareza de expressão do texto em inglês.
Julieta Rasi liderava o processo de tra-
dução em três idiomas, auxiliada por
uma equipe talentosa de contribuintes, e
administrava sua impressão e distribuição
internacional. John Fowler trouxe a edi-
ção de inglês a um nível profissional.
Agora que Diálogo chegou ao 25 º ani-

DIÁLOGO 25 • 2 2013 7
Uma nova “trindade”
Michael Pearson
Um dos autores da primeira edição de
Diálogo reflete sobre o passado à luz do
presente e pergunta: “O que aconteceu
comigo ao longo de 25 anos? Tem minha
fé se desenvolvido no decorrer de
minhas experiências de vida?”

Parabenizo a Diálogo por suas Bodas experimentei alegrias inimagináveis. o ensino adventista tem oferecido para
de Prata! Essa conquista aconteceu Fora de meu pequeno mundo muita mim é a compreensão de que a vida
graças aos editores e colaboradores que coisa aconteceu. O muro de Berlim é multifacetada. Somos, sem dúvida,
ao longo de muitas edições têm se dedi- caiu. A tecnologia revolucionou a vida uma totalidade.
cado a publicar uma revista que serve de maneira impensável em 1989. Nosso
de sustentação para a vida espiritual de planeta se mostrou mais frágil do que Fé e incerteza
inúmeros estudantes. Na universidade, imaginávamos. O que aconteceu com As minhas preocupações não muda-
você pode encontrar um ambiente inte- minha fé? ram. Quero afirmar que não devemos
lectual e social às vezes hostil ao desen- ter medo de nos abrir o mais ampla-
volvimento da fé, pode sentir-se isolado. O primeiro artigo: “Fé, razão e mente possível para o mundo. Quero
Diálogo sempre ofereceu uma esfera vulnerabilidade” dizer que ter fé não significa sempre
importante de companheirismo. Acabo de reler meu primeiro artigo, ter certeza. Na realidade, a ideia de
Quando me pediram para contribuir intitulado “Fé, razão e vulnerabilidade”. que ter fé nos livra de toda incerteza é
com um artigo em 1989, alegrei-me em “Fé” e “razão” são termos comumente profundamente falsa. Temos de fazer
poder compartilhar minha experiência. correlacionados. Mas “vulnerabilidade” escolhas e estabelecer compromissos
Mas senti-me um pouco apreensivo, é uma palavra inusitada que integra cruciais. Todos precisamos conviver
como qualquer colaborador do “volume essa “trindade”. Meu intuito foi expres- com perguntas sem resposta, e algumas
1, número 1” se sentiria. Indaguei-me: sar a preocupação de que minha fé, delas são inquietantes. Quero afirmar
“Será que essa publicação seguirá o como uma camada de gelo em um lago que é importante engajar-se na busca
caminho de outras publicações seme- congelado, fosse incapaz de resistir ao pelas perguntas certas, mesmo que
lhantes, mantendo ambições pouco rea- peso das exigências cotidianas. Minha você ainda não tenha condições de
listas face às demandas do processo de fé precisava ter um fundamento, ser respondê-las.
produção?” O fato é que esse receio se inteligente, embora não devesse ser algo É aí que reside a vulnerabilidade da
mostrou infundado. Diálogo alcançou simplesmente racional. Não havia como qual falei. Às vezes, a fé torna-se inquie-
a maioridade. As indagações agora são ignorar as perguntas difíceis. Minha tante face aos avanços do mundo em
outras. “O que aconteceu comigo no fé era necessária para que eu pudesse que você estuda. Essas transformações
intervalo de 25 anos? Como minha fé responder, sem intimidações, aos desa- podem ser perturbadoras. O resultado
se desenvolveu nesse tempo?” fiadores postulados de muitas áreas do é que alguns abandonam a crença ou
Algumas coisas que nos definem na saber. julgam inadequada a comunidade de fé
“manhã” da vida podem ser revelar Também era necessário desenvolver diante do mundo acadêmico moderno.
inapropriadas para a “noite” de nossa várias modalidades de inteligência. A fé Apesar de lamentar essa escolha, com-
existência. Nesses 25 anos, fui pai de não é apenas uma questão cerebral, mas preendo aqueles que perdem a susten-
um adolescente que agora é um adulto está relacionada com emoções, vonta- tação da fé e deixam a igreja. Muitos
com filhos. Tornei-me avô. Vivenciei a de, intuições, condição social, senso desistem porque não foram capazes
perda de familiares e amigos. Também estético. Um dos grandes presentes que de conciliar a espiritualidade com a

8 DIÁLOGO 25 • 2 2013
vida cotidiana e, lamentavelmente, a que têm cultura, vivência e personali- lidade podem estar acompanhados de
comunidade da igreja não reconheceu dade diferentes da nossa. Isso pode não contentamento.
sua luta. Mas quero dizer que essa dis- ser nada fácil. Podemos sentir aversão Muitas vezes, você não pode planejar
sonância não precisa ser uma razão para por aqueles que não fazem parte do a alegria. Em diversas ocasiões, ela nos
desistir. grupo de adicionados do Facebook. arrebata subitamente. O livro que conta
Eles podem ser todas as coisas que não a história da conversão do grande apo-
Uma nova “trindade” somos. Podemos temer que eles nos logista cristão C.S. Lewis chama-se
Eu ofereço uma “trindade” para peçam algo. Surpreendido pela alegria. Esse sen-
2014. Ela tem um componente comum A mensagem clara dos evangelhos é timento está fora de nosso controle.
com o que mencionei em 1989. A “vul- que devemos receber a todos do modo Você pode encontrá-lo na adoração. Da
nerabilidade” sobre a qual falo neste como são. Compartilhar um espaço mesma forma, pode encontrá-lo em um
artigo é o fio de ligação. David Ford acolhedor em nossa vida não significa terminal de chegada do aeroporto. Pode
escreveu, em seu livro The Shape of que os valores do outro serão sobrepos- experimentá-lo ao ouvir ou compor
Livingthat, sobre como viver a vida cris- tos aos nossos. Mas o claro ensino da música. Pode encontrá-lo nos braços
tã no mundo moderno. Temos de saber Bíblia é este: estranhos, muitas vezes, da pessoa amada ou ao escalar uma
que seremos repetidamente submersos. trazem presentes inesperados. Um dos montanha. Mas você também pode
O batismo por imersão é o rito de pas- presentes mais comuns é o desperta- encontrá-lo com a morte de um ente
sagem que simboliza esse desafio. O mento para uma nova visão sobre nós querido depois de um período de sofri-
fato de que somos diariamente submer- mesmos e o mundo. Sua presença exige mento confinado a uma cama.
sos pelo mundo em que vivemos – por uma revisão e renovação de nossos pró-
seus avanços tecnológicos, horrores de prios pontos de vista em uma realidade Hospitalidade, contentamento e
guerra, catástrofes naturais, sofrimento, repleta de complexidade. vulnerabilidade
uma falha pessoal, uma decepção – só O que há de comum entre hospita-
é suportável porque estamos envolvidos Alegria lidade e alegria é que ambos nos tiram
pela grande bondade e providência de O segundo componente da minha de nossa zona de conforto e nos levam
Deus. “trindade” é a alegria. Lecionei como para além do ponto em que estamos no
Diante disso, apresento uma nova professor da disciplina de ética por controle. A presença do outro pode nos
“trindade”: hospitalidade, alegria e vul- muitos anos. Ética tem a ver com a desafiar. Há muitos exemplos bíblicos
nerabilidade. Considero-as três impor- resposta a esta pergunta: “Qual é a do desconforto que surge da situação.
tantes características da vida de fé que coisa certa a fazer?” Podemos consultar Estranhos, muitas vezes, trazem pre-
eu gostaria de exercer, da igreja à qual a lei ou as autoridades e descobrir qual sentes, mas nem sempre são aqueles que
gostaria de pertencer. é nosso dever. Além disso, podemos desejamos. Assim, tanto hospitalidade
considerar o comportamento mais quanto alegria nos fazem vulneráveis.
Hospitalidade aceitável e agir em conformidade com Grande parte da vida é estrutura-
Em primeiro lugar, meu conceito de ele. Se quisermos viver bem, tudo isso é da de maneira a minimizar o risco e
hospitalidade não está, de modo algum, importante. Mas não é o suficiente. diminuir a vulnerabilidade. A verdade
limitado a abrigar alguém em casa e Ética tem a ver com caráter. É sobre difícil da vida espiritual é que, pela sua
prover alimento. “Hospitalidade”, “hos- o que uma pessoa que possui virtude própria essência, ela deve ser vivida de
pital”, “hospício” são palavras que deri- faria em determinadas circunstâncias. maneira vulnerável, embora a vida de fé
vam do latim hospe que significa “hós- Assim, a questão ética fundamental tenha sido muitas vezes descrita como
pede” ou “hospedeiro”. Todos os termos é esta: “Como devo ser?” A resposta uma defesa contra a vulnerabilidade, a
estão relacionados com receber pessoas bíblica, que é parte importante da busca de imunidade às piores dores da
com diferentes tipos de necessidades. vida de uma pessoa de fé, é “alegre”. É vida. Na realidade, somos seguidores
Ouvir atentamente alguém é, por comum termos uma religião ligada ao da suprema vulnerabilidade. Deus se
exemplo, uma forma de hospitalidade. dever a ponto de obscurecer a alegria. fez humano em Cristo. Não consigo
Com frequência, esperamos a oportuni- Alegria não é o mesmo que prazer ou pensar em outra história de alguém que
dade de oferecer nosso discurso, condu- diversão. Alegria ou contentamento é se entrega mais a vulnerabilidade do
zindo o diálogo de acordo com nossos algo profundo que temos no coração. que essa.
desejos. Mas estar presente diante do O contentamento pode existir em meio
outro, de suas necessidades, interesses, ao sofrimento e tristezas. A Bíblia cita A vida universitária
alegrias e tristezas é, verdadeiramente, o parto como uma metáfora para o Acredito que a vida na universidade
uma forma de hospitalidade. contentamento. Desconforto, inconve- é para ser vivida dessa forma. Com a
Hospitalidade inclui acolher aqueles niência, dor e aumento da responsabi- aceitação daqueles cujo mundo é muito

DIÁLOGO 25 • 2 2013 9
diferente do nosso. Não se trata de ça, amizade, acolhimento, inteligência,
concordar ou tolerar. A vida cristã é empatia, mobilização social e presença
uma vida de risco. Qualquer um que real. Características que se entrelaçam
a vê como uma vida de segurança está em uma vida que terá seu próprio
distorcendo a realidade. impacto sem a necessidade de qualquer
Esta revista se chama Diálogo. subterfúgio artificial. Há muitas pes-
“Diálogo” significa a partilha de pontos soas que frequentam universidades que
de vista diferentes com o objetivo de estão receptíveis à postura cuidadosa,
encontrar compreensão mútua. Essa suave, firme e coerente de pessoas que
meta nunca é alcançada se um inter- têm a vida centrada em Deus.
locutor acredita que ele ou ela detém Lamento não ter entendido isso
todo o direito de dar as respostas. Esta melhor quando era um estudante uni-
revista nos chama para um verdadeiro versitário. Sucumbi inúmeras vezes
compromisso. diante da tentação de correr para a
Esse compromisso real pode trazer segurança que encontrava em pessoas
alegria genuína. A vida de fé que eu com interesses semelhantes. Há, evi-
recomendo aqui não é fácil. Significa dentemente, um lugar importante para
vivenciar momentos e estar em lugares a interação com outros crentes. Mas os
em que a interação real sobre questões lugares em que a fé consistente é desen-
reais está presente. Isso implica ter a volvida são os auditórios de palestras,
coragem de expressar sua opinião, que dormitório, refeitório da universidade,
pode ser contracultural. O caminho residenciais universitários, eventos e
de Jesus sempre foi contracultural. redes sociais. Esses lugares suscitam
Expressar-se pode fazer de você um a importante pergunta: “Minha fé
alvo de chacotas, ao julgarem que sua cristã adventista é capaz de suportar as
visão de vida é idealizada, puritana e demandas e complexidades com que
irracional. A vida cristã significa desen- me confrontarei em 2014?”
volver confiança em seu Deus: “Eu sei Se a fé manifestada pelos jovens
em quem tenho acreditado.” adventistas inteligentes é para ter
Cada um de nós pode ser uma pessoa credibilidade, se é para ser crível por
definida pela convicção moral, confian- colegas, ela deve ser colocada à prova
diariamente nos campi universitários
ao redor do mundo. Devemos confron-
tar ideias que surgem como ameaças.
Assinatura Devemos aprofundar nossa própria vida
em Deus. Temos de encontrar novas
gratuita para maneiras de estar diante de Deus, por-
a biblioteca de que precisamos dEle não apenas por
interesse pessoal.
sua faculdade ou Isso pode ser uma experiência esma-
gadora. Mas somos filhos de Alguém
universidade! que nos envolve com Sua graça.
Deseja ver a Diálogo disponível na
biblioteca de sua faculdade ou universida-
de, de modo que seus amigos possam ter Michael Pearson (Doutor em
acesso à revista? Procure o bibliotecário e Filosofia, Universidade de Oxford)
sugira que solicite uma assinatura gratui- é professor titular de ética
ta, usando papel timbrado da instituição. do Departamento de Estudos
Cuidaremos do resto! As cartas devem Teológicos do Newbold College,
ser endereçadas a: Dialogue Editor-in- Inglaterra. E-mail: mpear-son@new-
Chief; 12501 Old Columbia Pike; Silver bold.ac.uk
Spring, MD 20904-6600; EUA.

10 DIÁLOGO 25 • 2 2013
Um momento para relembrar,
um chamado para prosseguir

Ted N. C. Wilson
No 150º aniversário da Associação Geral,
o presidente da Igreja mundial emitiu
um chamado destacando a importância
de relembrar a história da redenção e
prosseguir rumo aos seus capítulos finais.

O dia da grande decepção deixou belecimento da Associação Geral da Ele. Mas essa expectativa é sempre em
muitos em desespero e perplexidade. Igreja Adventista do Sétimo Dia. O que função de Sua fidelidade para conosco
Mas um pequeno grupo de crentes começou como uma organização com no passado. Quando Deus concedeu
prosseguiu com a certeza da segunda 125 igrejas e 3.500 membros, com sede Sua lei a Israel e esperou por obedi-
vinda de Jesus e a confiança infalível na nos Estados Unidos, tornou-se uma ência, Ele pessoalmente advertiu Seu
palavra profética. Eles não sucumbiram família mundial de fé e missão. De povo escolhido de que Sua expectativa
à depressão. Dedicaram-se ao estudo acordo com dados de 2011, atualmente, estava enraizada em Sua ação histórica:
profundo da Palavra de Deus. Com há 72.144 igrejas e 67.078 instituições “Eu sou o Senhor, o Teu Deus, que te
sinceridade e persistência, indivíduos em 208 países, totalizando 17,5 milhões tirou do Egito, da terra da escravidão”
e grupos entregaram-se à oração a fim de membros adultos à espera da manhã (Êxodo 20:2).1
de descobrir a vontade de Deus para gloriosa. Mais tarde, Josué conclama os israe-
sua comunidade e fé. A união e a busca Recentemente, o comitê executivo da litas para que se apeguem “ao Senhor,
pelos caminhos de Deus os conduziram Associação Geral se reuniu em Battle o Teu Deus” (Josué 23:8), porque o
a algumas das grandes verdades que os Creek, Michigan, para relembrar as Senhor foi fiel à Sua promessa de que
distinguem como um povo separado bênçãos divinas durante esses 150 anos levaria Israel à Terra Prometida. O
com uma mensagem especial para os de oração e estudo, sacrifício e doação, povo respondeu ao apelo emociona-
últimos dias. Essa mensagem inclui crescimento e desenvolvimento na pers- do de Josué, dizendo: “Longe de nós
o sábado do sétimo dia, o santuário pectiva local e na missão e ministério abandonarmos o Senhor para servir a
celestial, o dom do Espírito de Profecia, mundiais. Todos estamos unidos em outros deuses! Foi o próprio Senhor,
as três mensagens angélicas, a imortali- função da esperança eterna de que em o nosso Deus, que nos tirou, a nós e a
dade condicional e o conceito da igreja breve Jesus voltará. nossos pais, do Egito, daquela terra de
remanescente com uma missão mun- Como igreja mundial, nunca deve- escravidão, e realizou aquelas grandes
dial. A descoberta de verdades únicas e mos esquecer o que Deus tem feito maravilhas diante dos nossos olhos.
a necessidade de compartilhá-las com por nós como Seu povo para que Ele nos protegeu no caminho e entre
as pessoas em todos os lugares levaram prossigamos na jornada com vivaci- as nações pelas quais passamos” (Josué
esse pequeno grupo de adventistas saba- dade e esperança. Deus espera nossa 24:16, 17) .
tistas a organizar-se e fundar a Igreja fidelidade. Nossa missão pressupõe isso. Tempos mais tarde, Samuel cobrou
Adventista do Sétimo Dia. A primeira Nossa história nos conduz a isso. Nosso os israelitas para que relembrassem o
assembleia organizacional ocorreu caminho, portanto, deve ser sempre compromisso histórico deles com o
nos dias 20 e 21 de maio de 1863, em ascendente. Senhor, e o que Ele esperava do povo
Battle Creek, Michigan, 19 anos após o no presente: “Somente temam ao
desapontamento de 1844. A fidelidade de Deus Senhor e sirvam-No fielmente de todo
Em 2013, chegamos ao ano que É um axioma da jornada cristã o fato o coração” (1 Samuel 12:24). De fato,
marcou o 150º aniversário do esta- de Deus esperar que sejamos fiéis a grandes coisas O Senhor fez pelo Seu

DIÁLOGO 25 • 2 2013 11
povo! Mas a Palavra de Deus mostra
quão terrível foi a queda deles quan-
do as gerações posteriores falharam
em reconhecer a liderança do Senhor.
“Depois que toda aquela geração foi
reunida aos seus antepassados, surgiu
uma nova geração que não conhecia
o Senhor e o que Ele havia feito por
Israel. Então os israelitas fizeram o que
o Senhor reprova e prestaram culto aos
baalins” (Juízes 2:10-12).
Anos mais tarde, Jeremias, porta-voz
de Deus, resumiu a persistente negli-
gência de Israel em recordar a liderança
do Senhor e sua consequente aposta-
sia: “Dei-lhes, entretanto, esta ordem:
Obedeçam-me, e Eu serei o seu Deus e
vocês serão o Meu povo. Vocês andarão A história assim nos dirige continuamos nos esquecendo? Será que
em todo caminho que Eu vos ordenar, Ao celebrarmos o 150º aniversário estamos negligenciando a mais sagrada
para que tudo lhes vá bem. Mas eles de nossa organização como igreja, responsabilidade de manter viva em
não Me ouviram nem Me deram aten- com um ministério e missão especiais, nossa memória a liderança e os ensinos
ção. Antes, seguiram o raciocínio rebel- jamais deveríamos negligenciar o dever do Senhor no percurso de nossa história
de de seus corações maus” (Jeremias sagrado de trazer à mente a história passada? Estamos avançando em obedi-
7:23-24). passada sobre a direção do Senhor e de ência ao Seu chamado?
A trágica história de Israel em esque- Seu ensino. Hoje, assim como foi para
cer a direção de Deus e abandonar o Israel antigo, Deus espera nossa fide- A missão assim nos dirige
Suas instruções não é uma história para lidade fundamentada na confiança na Recentemente, estive na cidade de
ser lida e esquecida. O apóstolo Paulo direção e ensino concedidos por Ele. Zagreb, na Croácia. Ali visitei um
explica, de maneira clara, que a rebelião Há alguns meses, representantes fascinante museu com um nome inco-
do antigo Israel está registrada para da igreja mundial em Battle Creek, mum: “Museu dos Relacionamentos
que sirva de aviso espiritual ao Israel Michigan, reuniram-se para celebrar Desfeitos.” É um museu sobre
que está vivendo um pouco antes do e relembrar os 150 anos de direção e indivíduos que tiveram o relacio-
retorno de Cristo. Depois de analisar bênçãos de Deus, 150 anos do início namento romântico desfeito. É um
os erros de Israel do passado, o apóstolo da Associação Geral dos Adventistas museu sobre vidas e pessoas quebra-
nos adverte: “Essas coisas aconteceram do Sétimo Dia. Foi um fim de semana das. Havia pequenos souvenirs sobre
a eles como exemplos e foram escritas maravilhoso de celebração especial, corações e promessas quebradas.
como advertência para nós, sobre quem com excelentes reuniões sobre nossa fas- Em 2011, o museu ganhou um prê-
tem chegado o fim dos tempos” cinante história e a incrível bênção de mio de o mais inovador da Europa.
(1 Coríntios 10:11). Deus sobre o Seu povo. Histórias ins- Pergunto-me como seria um Museu
Da mesma forma, o Senhor acon- piradoras, seminários, visitas inesque- de Relacionamentos Desfeitos do Céu.
selha aqueles que vivem nos “últimos cíveis aos locais históricos e poderosos Contaria a história passada e atual de
tempos”: “Ao recapitular nossa história devocionais foram colocados no altar acordos e relacionamentos desfeitos
passada, havendo revisado cada passo da memória sagrada para lembrarmos e entre Deus e Seu povo? Não quero ser
de progresso até nosso nível atual, jamais esquecermos quem somos e por parte desse museu. Tenho certeza de
posso dizer: ‘Louvado seja Deus!’ Ao que estamos aqui. que você também não.
ver o que Deus tem realizado, encho- Com certeza, somos gratos por poder Infelizmente, há vozes, até mesmo na
me de admiração e de confiança na comemorar os 150 anos de história. igreja atual, que desejam romper com a
liderança de Cristo. Nada temos que Mas, na realidade, essa é uma data forte compreensão histórico-bíblica da
recear quanto ao futuro, a menos que triste. Deveríamos estar em nosso lar palavra preciosa de Deus. Há aqueles
esqueçamos a maneira em que o Senhor eterno! O Senhor desejava ter vindo que buscam reinterpretar o que Deus
nos tem guiado, e os ensinos que nos muito antes. Por que celebrar aniversá- disse claramente, de modo a adaptar
ministrou no passado.”2 rios se deveríamos já estar no Céu? Por Suas palavras de acordo com seu pró-
que não estamos lá ainda? Será porque prio entendimento pessoal e, assim,

12 DIÁLOGO 25 • 2 2013
quebrar a aliança de Deus com Seu • Que é hora de colher os resultados colocadas sob os cavalos e as pessoas
povo. da distribuição de livros missioná- prosseguiram com a viagem. O cami-
Os líderes e membros da Igreja rios como O Grande Conflito. nho foi ficando cada vez mais estreito
Adventista do Sétimo Dia não são • Que é hora de entrar nas grandes e as pessoas foram obrigadas a andar
parte do Museu de Relacionamentos cidades do mundo com o poder do bem junto à parede para não cair no
Desfeitos com Deus, pois estão firma- alto clamor com o nosso projeto precipício. A bagagem sob os cavalos,
dos na Palavra de Deus e no “Assim relacionado à missão para as cida- encostando na parede, pressionava
diz o Senhor!”. Eu quero manter meu des. os viajantes em direção ao precipício.
relacionamento pessoal com o Senhor • Que este é o momento de utilizar Finalmente, desesperadas, as pessoas
e desejo que Sua preciosa igreja man- plenamente o ministério abran- jogaram as bagagens no precipício
tenha seu compromisso de ser, até o gente de saúde para atuar como e continuaram a viagem à cavalo,
último dia, o povo remanescente, “os o braço direito da mensagem do temendo que nos lugares mais estrei-
que obedecem aos mandamentos de evangelho. tos caíssem e morressem. Ellen White
Deus e se mantêm fiéis ao testemunho • Que este é o momento de colocar escreveu: “Certa mão parecia tomar as
de Jesus” (Apocalipse 12:17). em prática o desafio “Diga ao rédeas e guiar-nos pelo perigoso cami-
Deus está nos chamando hoje para Mundo”. nho.”
nos lembrarmos de Sua liderança e Quando olhamos para trás e vemos Como o caminho ficou ainda mais
ensino no decorrer da história. Lembre- os 150 anos de direção de Deus, esta- estreito, os viajantes decidiram que
se: mos certos de que, pela graça dEle, a não podiam mais usar os cavalos e
• De como Deus conduziu o movi- Associação Geral, como um órgão de prosseguiram a pé em fila indiana.
mento adventista do sétimo dia dos supervisão do trabalho de Deus em Nesse momento, algo muito incomum
primórdios do século 19 até os dias todo o mundo, vai prosseguir defen- aconteceu: surgiram pequenas cordas
atuais. dendo firmemente a verdade divina. da parte superior da parede branca.
• Da compreensão de Daniel 8:14 Prosseguirá sem diminuir sua forte Rapidamente, as pessoas as agarraram
e de sua importância para a men- orientação e suprindo a missão dos a fim de manter o equilíbrio. As cordas
sagem do santuário, incluindo o adventistas do sétimo dia em todo o se moviam junto com as pessoas. O
juízo investigativo. mundo até os eventos finais da história, caminho ficou ainda mais estreito. Para
• Do estabelecimento da Associação quando a perseguição religiosa, em últi- ter mais segurança, as pessoas tiraram
de Michigan, em 1861. ma análise, impedirá o funcionamento os sapatos e continuaram caminhando
• Da criação da Associação Geral, das organizações. Mesmo quando isso sem eles. Logo eles tiraram também
em 21 de maio de 1863, em Battle acontecer, Deus nunca deixará de guiar as meias e prosseguiram com os pés
Creek. Seu povo, independentemente dos descalços. Eles começaram a pensar
• Da enorme expansão da Igreja acontecimentos. Este é o Deus a Quem em quem não estava acostumado com
de Deus em quase 210 países do servimos. Sua promessa em Mateus dificuldades. Olharam para vê-los, mas
mundo, com centenas de idiomas e 28:20 é para nunca perdemos a con- eles não se encontravam mais entre o
mais de 17 milhões de membros. fiança. pequeno grupo de crentes. Em cada
Este chamado à lembrança é também ponto de dificuldade, alguns ficavam
um convite a nunca nos esquecermos A jornada é sempre para cima e para trás. Apenas aqueles que tinham se
de: para frente acostumado com as dificuldades dura-
• Deus, Sua Palavra, Seu Espírito de Cinco anos após a fundação da douras continuavam. As dificuldades
Profecia e Seu plano de proclamar Associação Geral, Ellen White teve um fizeram com que esses viajantes piedo-
as três mensagens angélicas por sonho fascinante3, curiosamente quan- sos continuassem prosseguindo com
meio de Seu povo escolhido. do estava em Battle Creek. Ela sonhou mais empenho.
• Que somos um povo único, com que estava entre um grande grupo de O perigo de cair do caminho aumen-
uma mensagem única, em um pessoas, do qual uma parte começou tou. Eles se encostavam à parede, mas
momento único na história da a se preparar para uma viagem. Eles não conseguiam colocar todo o pé no
Terra. tinham carroças abarrotadas. Durante caminho, pois era muito estreito. Ellen
• Que todos os sinais apontam para a viagem, a estrada se tornou íngreme. White diz: “Apoiamos então quase
o clímax da história da Terra e que De um lado, estava um precipício; e todo o nosso peso nas cordas, excla-
Jesus está voltando. do outro, uma parede branca e lisa. A mando: ‘Temos apoio de cima! Temos
• Que é hora de proclamar a mensa- estrada se tornou mais estreita e íngre- apoio de cima!’” As mesmas palavras
gem dos três anjos com o poder do me. Finalmente, não era mais possível foram proferidas por todos aqueles que
Espírito Santo. levar as carroças. As bagagens foram estavam no caminho estreito. Enquanto

DIÁLOGO 25 • 2 2013 13
caminhavam, podiam ouvir sons pro- presa a corda?’ Por alguns momentos, haverá outra igreja remanescente. Você
venientes do precipício. Eram sons de hesitamos em nos arriscar. Então excla- e eu fazemos parte da última igreja que
divertimento, orgia, música mundana, mamos: ‘Nossa única esperança está Deus preparou. Cento e cinquenta anos
cantos de guerra, músicas dançantes, em confiar inteiramente na corda. Dela de Associação Geral são, simplesmente,
música instrumental, gargalhadas, temos dependido em todo o caminho um chamado para avançar na extensa
xingamentos, gritos de angústia e difícil. Ela não falhará agora.’ Ainda via de um caminho estreito, permitin-
choro amargurado. Os que estavam no estávamos hesitantes e angustiados. do a Deus que realize um reavivamento
caminho estreito, no entanto, ficaram Foram então proferidas estas palavras: e reforma em nossa vida e igreja. É um
mais ansiosos do que nunca em seguir ‘Deus segura a corda. Não devemos chamado para reformar nossos cami-
adiante. A maior parte do tempo, tive- temer.’ Essas palavras foram então repe- nhos egoístas e depositar nossos sonhos
ram que apoiar todo o peso do corpo tidas por aqueles que estavam atrás de e esperanças na Santa Palavra e na
nas cordas, que aumentou de tamanho nós, e acompanhadas destas outras: ‘Ele Palavra Viva de Jesus Cristo.
à medida que a viagem prosseguia. não nos faltará agora. Trouxe-nos até Deus nos chama hoje para não
Ellen White escreveu: “Notei que a aqui em segurança.’ Meu marido deu termos medo e para nunca nos esque-
bela parede branca estava manchada de então um salto por sobre o assustador cermos de que Deus nos conduzirá
sangue.” Em sua visão, esse poderia ser abismo ao belo campo além. Eu segui se confiarmos completamente nEle e
um sinal de encorajamento para que as imediatamente. Oh, que sensação de permitirmos que o Espírito Santo con-
pessoas que vinham atrás não desani- alívio e gratidão a Deus experimenta- trole, ao máximo, cada um de nossos
massem, pois os que já haviam passado mos! Ouvi levantarem-se vozes em lou- pensamentos e ações. Ele quer nos
antes pelo caminho, mesmo em meio a vor triunfal a Deus. Eu era feliz, perfei- reclamar como seus. Ele quer voltar
dificuldades, persistiram. tamente feliz. Despertei, e vi que, pela para nos levar para casa em breve, não
Finalmente, chegaram a um grande ansiedade que experimentara ao passar deseja mais aniversários. Tenhamos fé
abismo onde o caminho terminou. Não pelo caminho difícil, todos os meus em Deus!
havia nenhum apoio para os pés ou para nervos pareciam estar a tremer. Esse
descansar. Toda a confiança dessas pes- sonho não necessita de comentário.
soas estava depositada nas cordas, que Produziu-me uma impressão tal que Ted N.C. Wilson (Ph.D.,
se tornaram do tamanho do corpo dos provavelmente cada minúcia perma- Universidade de New York) é
viajantes. Eles se sentiam angustiados, necerá vívida diante de mim enquanto o presidente mundial da Igreja
pois não sabiam onde as cordas estavam minha memória perdurar.” Adventista do Sétimo Dia.
presas. No sonho, Tiago White estava
à frente de Ellen White, que podia ver Nossa jornada de hoje
grandes gotas de suor escorrendo do Hoje, à medida que progredimos REFERÊNCIAS
rosto de seu marido. As veias de seu em nossa jornada, devemos fazê-lo 1. Todas as passagens bíblicas são da Nova
Versão Internacional (NVI).
pescoço e as têmporas estavam o dobro com total confiança no Deus que nos 2. Ellen G. White, Testemunhos Seletos. v.3
de seu tamanho normal. Gemidos ago- conduziu no passado e que estende as (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira,
nizantes vinham de seus lábios. O suor “cordas” de orientação e segurança para 2001), p. 443 [CD-ROM].
3. _____, Vida e Ensinos (Tatuí, SP: Casa
escorria do rosto de Ellen White, e ela nós. Devemos nos voltar totalmente Publicadora Brasileira, 2001), p. 179-184
se sentiu angustiada como nunca antes, a Jesus Cristo e à Sua justiça diante [CD-ROM].
pois uma terrível luta estava diante de cada necessidade, prosseguindo
deles. Se eles desistissem naquele ponto, confiantemente sustentados pelo Seu
a jornada teria sido inútil. poder. Deus quer que compreendamos
Do outro lado do abismo, havia que mesmo chegando a 150 anos de
um belo campo com grama verde, Sua liderança, não temos nada a temer
que brilhava, com vigas brilhantes quanto ao futuro. Podemos proclamar
maleáveis que pareciam ser de ouro a mensagem do advento com poder,
ou prata refinada. Nada comparado porque somos a igreja remanescente
com que já tinha visto na Terra. Ela de Deus, com uma história marcante
se perguntou se conseguiriam chegar sobre a liderança DEle em Sua igreja.
àquele belo campo ou se a corda que Ele nos chama para proclamar especial-
os sustentava se romperia e morreriam. mente as três mensagens angélicas de
Esses momentos finais são descritos por Apocalipse 14.
ela da seguinte forma: “Mais uma vez, Essa mensagem do advento não
em angústia sussurrei: ‘Em que estará passará a outro grupo ou igreja. Não

14 DIÁLOGO 25 • 2 2013
E se eu aceitar a evolução teísta?
Raúl Esperante
A evolução teísta não é a solução
para os conflitos aparentes entre as
interpretações bíblicas e científicas sobre
as origens. Aqui está o porquê.

Os cristãos são frequentemente con- devem fazer) é interagir.”3 Filósofos e criar a vida como nós a conhecemos.
frontados com um dilema de fé: por cientistas têm argumentado que essa Pelo contrário, ela fala claramente sobre
um lado, eles têm o ensino bíblico de não é uma posição neutra. Na verdade, o modo e o momento da criação: Deus
que Deus é o Criador do Universo, ela só permite que a ciência (fatos e criou a vida pela palavra5 durante o
incluindo a Terra e tudo o que ela interpretações) vença a religião (fé) toda período de uma semana. A ideia de que
contém; por outro, todos os dias, eles vez que uma encontra a outra. Além os dias do relato de Gênesis da criação
enfrentam o ensino comum de que a disso, tal abordagem dicotômica forne- representam milhões de anos de evo-
vida é resultado de processos químicos ce aos cientistas uma maneira fácil de lução não vem da Bíblia, mas de fora
não guiados e que a diversidade biológi- suplantar a autoridade da religião (da dela. Para que a evolução teísta fun-
ca surgiu através de milhões de anos de Bíblia em particular). cione, a Bíblia deve ser vista como um
evolução. O confronto de ideias é con- Outra abordagem é acomodar as rei- livro de mitos, em vez de um registro
fuso, e muitos concluem que a ciência vindicações da ciência e da religião na histórico da ação divina no mundo.
e a crença na Bíblia estão em conflito perspectiva da evolução teísta. Essa visão Em segundo lugar, a evolução teísta
(pelo menos sobre a questão das ori- tenta harmonizar as interpretações bíbli- muda a maneira de pensar sobre a ins-
gens), e que não há nenhuma maneira cas com as científicas, alegando que a piração, porque desafia a validade da
de harmonizá-las. evolução é o método da criação de Deus. Bíblia como Palavra inspirada de Deus.
No entanto, alguns têm tentado har- Ele criou o Universo e a vida, mas teria O relato de Gênesis indica claramente
monizar as duas visões contrastantes. utilizado os processos de evolução ao um período de seis dias, criação literal,
Uma maneira de resolver essa tensão longo de milhões de anos para realizar recente. O restante da Bíblia – incluin-
é crer que a religião1 e a ciência são Seus objetivos.4 Muitos cristãos veem do o livro de Salmos, os Evangelhos,
domínios separados do conhecimento, essa alternativa como uma solução capaz as Epístolas e o livro de Apocalipse
e as duas não podem ser comparadas de explicar como a matéria evoluiu para – reafirma claramente o conteúdo de
e contrastadas, abrindo assim espaço a vida complexa, mantendo ao mesmo Gênesis. Se a Bíblia afirma Deus como
para a contradição. Galileu Galilei tempo a autoridade de Deus sobre a Criador, de onde é que vamos tirar um
afirmou: “A intenção do Espírito Santo natureza. Essa visão tem sido ampla- Deus evolucionista? Deus teria sido um
é ensinar-nos como se vai para o Céu, mente aceita no mundo acadêmico mentiroso ao afirmar em Gênesis e em
e não como os Céus vêm a nós.”2 Se cristão, apesar de apresentar problemas outras partes da Bíblia que Ele criou o
a ciência e a religião, dentro de seus teológicos e científicos intransponíveis. mundo em seis dias, quando na verda-
próprios domínios, não interagem, não Este artigo trata de alguns desses de Ele não o fez.
pode haver conflito. Muitos cientistas problemas teológicos e científicos. Em terceiro lugar, a evolução teísta
têm adotado essa abordagem, apesar exige que vejamos as Escrituras de uma
de ela não resolver as aparentes contra- O problema da incompatibilidade maneira diferente daquela que Jesus fez.
dições e não responder às perguntas. A evolução teísta exige uma profunda Jesus sempre falou do relato de Gênesis
Recentemente, Stephen Jay Gould, mudança na maneira de ver e inter- como literalmente verdadeiro, e não
um paleontólogo ateu, defendeu a pretar a Bíblia. A Bíblia não sugere ou como sendo um mito. Assim, a evolu-
separação entre religião e ciência: “Elas mesmo insinua a possibilidade de que ção teísta muda a maneira como consi-
pertencem a diferentes domínios do Deus usou o lento processo de seleção deramos os ensinamentos de Jesus, por-
conhecimento e o que não fazem (e não natural da evolução darwiniana para que ela desafia Suas declarações sobre a

DIÁLOGO 25 • 2 2013 15
criação. Ele referiu-Se ao Criador e ao evangelho eterno para proclamar aos nos enganou com a Bíblia. Se Deus
princípio, quando Deus “os fez homem que habitam na Terra, a toda nação, não queria dizer o que disse, por que
e mulher” (Marcos 10:6) 6, uma clara tribo, língua e povo. Ele disse em alta não disse o que Ele queria dizer? Uma
referência ao relato da criação. Se voz: ‘Temam a Deus e glorifiquem- perspectiva evolucionária das origens
aceitarmos a evolução teísta, temos de No, pois chegou a hora do Seu juízo. sempre terá dificuldade para acomodar
reinterpretar Jesus, e se questionarmos Adorem Aquele que fez o céu, a terra, as declarações bíblicas sobre a criação,
as afirmações de Jesus sobre a criação, o mar e as fontes das águas’.” Se Deus a Queda e o Dilúvio. De fato, a evolu-
o que acontecerá com a credibilidade e não criou o mundo por meio de Sua ção teísta é uma tentativa de distanciar
o valor de Suas outras afirmações? E o palavra, mas usou a evolução para criar Deus do sofrimento e da morte, mas
que diremos sobre Seus milagres? Eles a diversidade da vida, por que devemos ela realmente O mantém como autor
também deveriam ser reinterpretados? pregar o “evangelho eterno”, que é a de todos esses males. Além disso, ela
Em quarto lugar, a evolução teísta mensagem da criação? Deve o evange- O torna um ser distante e nega a ação
muda a maneira como consideramos lho eterno ser pregado de acordo com a divina. Aceitar a evolução teísta afeta
o pecado, o sofrimento e a morte. Em evolução teísta? Onde está a esperança doutrinas baseadas na compreensão
um cenário evolutivo, a morte de orga- de que Deus vai destruir a morte e que histórica de Gênesis 1-11, incluindo o
nismos multicelulares teria existido há a luta contra o pecado vai acabar para casamento, a sexualidade, a natureza
mais de 600 milhões de anos. A morte sempre? Invocar a doutrina de uma humana, a origem do pecado, a reden-
e o sofrimento seriam parte do plano alma imortal faz pouco para inserir as ção etc...
de Deus para a criação e a população boas-novas fora do quadro da evolução
do mundo. A morte não estaria relacio- teísta. Problemas científicos
nada com o pecado; não seria o salário Em sétimo lugar, a evolução teísta A ideia de que Deus criou a vida na
do pecado, mas o resultado da luta pela muda a maneira como vemos o Céu Terra usando os processos de mutação
sobrevivência; não seria o último ini- e a salvação. Jesus prometeu que Ele e seleção natural tem inúmeros proble-
migo a ser vencido (1 Coríntios 15:26), iria voltar e viver eternamente conosco mas científicos. As dificuldades surgem
mas uma parte natural da vida. Se a na nova casa que Ele está preparando da implausibilidade da teoria para
morte não foi o resultado do pecado, a (João 14:1-3). No livro de Apocalipse, explicar as características que vemos
morte de Cristo na cruz requer grande há a promessa de que não haverá mais tanto no registro fóssil quanto na natu-
reinterpretação. lágrimas ou morte (7:17 e 21:4). Se o reza viva.
Em quinto lugar, a evolução teísta sofrimento e a morte são o caminho Primeiramente, se Deus criou por
muda a maneira de pensar em relação para melhorar a natureza, por que meio da evolução gradual ao longo de
ao caráter de Deus. Como poderia um Deus promete acabar com eles? Se o milhões de anos, seria esperado vermos
Deus que observa quando um pardal objetivo final de Deus é proporcionar o aparecimento gradual de organismos
cai (Mateus 10:29) ter usado um pro- um mundo melhor para as pessoas, por no registro fóssil. Se as camadas sedi-
cesso evolutivo baseado no sofrimento que Ele promete destruir e restaurar a mentares são o registro de milhões de
e na morte? Como poderia o Deus de Terra, em vez de deixar que a evolução anos de sedimentação gradual e lenta,
Lázaro e do Bom Samaritano, o cura- consiga isso? Ou será que Deus perce- e se o registro fóssil é a história da evo-
dor de leprosos e cegos, ter usado um beu que a evolução não pode fazer isso lução gradual, seria esperado vermos
sistema para criar organismos cada vez e Ele está fornecendo outra solução? também o aparecimento gradual de
mais ajustados recorrendo aos mesmos Será que Deus falhou em Seus planos formas de vida nos fósseis. As camadas
elementos destrutivos da natureza para iniciais ao usar a evolução como uma inferiores de sedimento deveriam conter
eliminar de nosso meio os doentes e força criativa? Se a Terra e seus habitan- uma baixa diversidade de organismos
fracos? Deus teria estado trabalhando tes são o resultado de milhões de anos fósseis simples, e as camadas superiores
contra Seus próprios métodos, curando de evolução, a promessa de Deus de teriam diversos fósseis representando
as pessoas que, de acordo com a teoria um novo Céu e uma Nova Terra (Isaías organismos altamente complexos. Isso
evolucionista, deveriam ter sido elimi- 65:17) não faz sentido. Será que Deus seria consistente com um modelo de
nadas. precisa de milhões de anos para criar a aparecimento gradual da diversidade e
Em sexto lugar, a evolução teísta Nova Terra e a Nova Jerusalém? complexidade das formas de vida.
muda a maneira como vemos a evange- A evolução teísta está em clara con- Mas esse não é o caso. O registro
lização e o grande conflito. De acordo tradição com o livro de Gênesis e os fóssil mostra o aparecimento súbito
com Apocalipse 14:6-7, a mensagem do ensinamentos de Jesus e dos apóstolos. de complexidade e diversidade nas
remanescente inclui a afirmação de que Ela sugere que Deus criou usando a camadas sedimentares inferiores. Um
Deus é o Criador: “Então vi outro anjo, morte, a dor, a luta pela sobrevivência exemplo dramático disso é chamado de
que voava pelo céu e tinha na mão o e o sofrimento. Ela sugere que Deus “Explosão Cambriana”, que representa

16 DIÁLOGO 25 • 2 2013
o aparecimento abrupto de organismos Um terceiro problema científico da ciência, deixando que o Espírito
fossilizados em camadas de rocha perto para a evolução teísta surge da nature- Santo nos guie em ambos os caminhos.
da parte inferior da coluna geológica. A za complexa das estruturas biológicas Na vida, o conhecimento imperfeito
maioria desses organismos cambrianos (moléculas, células e órgãos). O estudo e mentes imperfeitas, inevitavelmente,
são interpretados como sendo espécies das vias metabólicas – a integração de levam a tensões em nossa compreensão
do fundo do mar. Há outros organis- informações e função nas células – tem da realidade. A questão é: Qual tensão
mos enterrados nas rochas abaixo das levado muitos cientistas a acreditar nós estamos dispostos a viver? Todos
camadas cambrianas (chamados pré- que, pelo menos, alguns sistemas de vivem pela fé: os cristãos por uma fé, os
cambrianos ou fauna de Ediacara). Essa dentro das células são irredutivelmente darwinistas por outra. É melhor reco-
ocorrência também é intrigante para os complexos. Eles têm propriedades que nhecermos isso do que abraçarmos uma
evolucionistas porque aparece abrup- indicam ser improvável um surgimento falsa solução como a evolução teísta.
tamente no registro fóssil e não tem, por sucessivas etapas diretas de aqui-
aparentemente, relação alguma com os sição mediadas pela seleção natural.
organismos cambrianos. Então como é Uma série de numerosas mutações Raúl Esperante (Ph.D., Universidade
que tanto organismos pré-cambrianos positivamente coordenadas e de outras de Loma Linda) é diretor associado
quanto da fauna cambriana se torna- alterações genéticas seria necessária para do Geoscience Research Institute,
ram fósseis? Nós realmente não sabe- produzir tais estruturas. Além disso, em Loma Linda, Califórnia. E-mail:
mos. Sua súbita aparição não se encaixa os fósseis intermediários seriam imper- resperante@llu.edu
bem dentro de um modelo evolucio- feitos ou menos aptos do que os seus
nista, mas pode ser explicada dentro de contemporâneos, e pelos padrões evolu-
um modelo de inundação, em que esses cionários deveriam ter sido eliminados REFERÊNCIAS
organismos estavam entre os primeiros pela seleção natural. Por que Deus 1. Neste artigo, uso os termos religião e fé alter-
nadamente e em referência à fé cristã no relato
a ser enterrados no início da inundação criaria estruturas ou órgãos impróprios, de Gênesis sobre a criação.
mundial de Gênesis.7 imperfeitos, incompletos que precisam 2. Em uma carta para a Grã-Duquesa Christina
Em segundo lugar, a evolução gradu- ser melhorados por mutações? Por que (1615), Galileu citou “algo que foi ouvido de
um eclesiástico do mais eminente grau”.
al, seja guiada ou não guiada por Deus, Deus criaria por meio de tal processo, 3. Gould cunhou o termo NOMA (Non-
implica na existência de inúmeras for- quando Ele pode fazê-lo de modo ins- Overlapping Magisteria) para indicar que a
tantâneo? ciência e a religião têm um “legítimo magis-
mas intermediárias ou de transição no tério ou o domínio da autoridade de ensinar”.
registro fóssil. Se a mudança evolutiva Esses dois domínios não se sobrepõem. Ver
aconteceu, então devemos ser capazes Conclusão Stephen Gould, Rock of Ages: Science and
Religion in the Fullness of Life (New York:
de ver numerosos organismos de transi- Esses são alguns dos problemas teo- Ballantine Books, 2002).
ção das formas antigas para as moder- lógicos e científicos da evolução teísta. 4. Alguns ajustam a Bíblia à evolução, defenden-
nas. Mais uma vez, o registro fóssil não A evolução teísta não é a solução para do que os dias da criação não foram literais de
24 horas, mas de milhões de anos, a chamada
suporta isso. O que vemos é um súbito os conflitos aparentes entre as inter- Teoria do Dia-Era.
aparecimento de formas de vida em pretações da ciência e da Bíblia. Essa 5. Significa que Deus criou por comando ou ato
diferentes níveis do registro sedimen- linha de raciocínio cria mais problemas sem esforço suplementar.
6. Todas as referências bíblicas foram extraídas da
tar. Na realidade, diferentes grupos ou em vez de resolvê-los, pois exige uma Nova Versão Internacional.
organismos aparecem em diferentes reelaboração de cada aspecto de nossa 7. A Bíblia diz: “Nesse mesmo dia todas as fontes
níveis. Por exemplo, os anfíbios apare- fé baseada na Bíblia. Em outras pala- das grandes profundezas jorraram, e as com-
portas do céu se abriram.” Estudiosos da Bíblia
cem nas camadas inferiores aos répteis, vras, não é uma posição bíblica viável, é sugerem que “as fontes das grandes profunde-
e estes últimos aparecem abaixo dos uma visão completamente diferente da zas” se referem a fontes submarinas de águas
mamíferos. Mas isso não indica, neces- realidade, de Deus, da Bíblia, da huma- que inundaram o fundo do mar. É possível que
tal processo tenha matado e enterrado muitos
sariamente, a evolução gradual dos nidade, da salvação, da natureza, e do organismos, o que seria a primeira camada, o
anfíbios a répteis, e destes a mamíferos. bem e do mal. Uma solução melhor registro fóssil formado durante o Dilúvio.
8. Por exemplo, a transição de anfíbio para rép-
Para isso, o registro deve mostrar uma é dizermos: “Aqui estão os problemas til, de réptil para mamífero ou na sequência
transição suave entre os diferentes gru- com a ciência atual, se aceitarmos o cavalo. Alguns paleontólogos indicam que
pos de animais e plantas. Esperaríamos o modelo bíblico da criação. E aqui as camadas intermediárias não são transições,
mas mosaicos, que consistem em formas mistas
encontrar centenas ou milhares de for- estão os problemas teológicos, se acei- com características que não mostram uma
mas de transição. Mas elas não existem. tarmos os modelos darwinistas sobre alteração linear de um grupo para outro.
Algumas têm sido sugeridas,8 mas as a origem.” Em vez de perdermos a fé
poucas formas de transição questioná- na Bíblia ou na ciência, ou em ambos,
veis ​​evidenciam sua raridade no registro aprofundemo-nos nas questões difíceis,
fóssil ao invés de sua abrangência. por meio do estudo das Escrituras e

DIÁLOGO 25 • 2 2013 17
O que os adventistas têm a dizer
sobre gestão ambiental?

Floyd E. Hayes
e William K. Hayes
Os adventistas do sétimo dia
reconhecem e apóiam a convocação
bíblica para o cuidado ambiental. Eles
se envolvem com o cuidado da criação
de várias maneiras de modo individual
e corporativo. A Igreja Adventista pode
fazer mais para promover o cuidado da
criação? A resposta é “sim”, e o tempo de
fazê-lo é agora.
Os adventistas do sétimo dia baseiam concedeu Suas bênçãos a todas as cria- A criação não é sagrada nem má,
suas crenças na Bíblia, a Palavra inspi- turas vivas, abençoando primeiramente mas um meio para alcançar os
rada de Deus. Como tal, sua compreen- as criaturas não humanas no quinto objetivos do Criador
são da gestão ambiental está enraizada dia da criação (Gênesis 1:22), depois Filosofias associadas com o gnos-
em uma cosmovisão bíblica. Este artigo os seres humanos no sexto dia (Gênesis ticismo antigo identificaram o locus
resume, em uma série de declarações, 1:28). Deus também abençoou o séti- do mal na matéria. As linhas de pen-
o que os adventistas têm a dizer ao mo dia como o sábado – um perpétuo samento associadas com o panteísmo
mundo sobre gestão ambiental ao serem lembrete de que Deus é o Criador e Ele das religiões orientais identificaram
guiados pela compreensão bíblica aliada se importa com toda a Sua criação.3 objetos animados e inanimados como
ao conhecimento científico atual.1 O amor de Deus e a preocupação veículos do divino e, portanto, o bom
pela criação são expressos repetida- e o sagrado. Em contraste, a posição
O mundo foi criado, e tem valor mente em toda a Bíblia, incluindo Jó bíblica é de que ambos os aspectos
para o Criador (40, 41), Jonas (4:10, 11), Salmos (36, animados e inanimados da criação não
Porque a Bíblia revela Deus como 96, 104, 145, 147, 148) e as palavras são nem sagrados nem maus. Em vez
o designer e Criador do Universo, de Jesus (Mateus 6:26, 10:29, Lucas disso, a Bíblia corajosamente declara
incluindo a vida e os sistemas de 12:6). Quando ameaçadas pela mal- que a Terra e tudo o que nela há não
suporte à vida em nosso planeta, os dade humana, muitas criaturas vivas são iguais a Deus, mas pertencem a
adventistas acreditam que o mundo é foram miraculosamente preservadas Deus, que é o governante de Sua cria-
resultado da criação divina, não um por Deus durante o Dilúvio (Gênesis ção (Salmos 24:1, 1 Coríntios 10:26).
acidente (Gênesis 2:2, 3).2 Deus consi- 6). Por intermédio de vários profetas, Os parâmetros da sintonia fina do
derou repetidamente “bons” Seus atos Deus advertiu sobre as consequências Universo e os ciclos biogeoquímicos
criativos antes que os humanos fossem ambientais do pecado (Isaías 24:5, 6; engenhosamente concebidos de nosso
criados. Isso incluía tanto os compo- Oséias 4:1-3). Porque Deus amou o planeta resultam em uma homeostase
nentes vivos quanto os não vivos da mundo, Ele enviou Seu Filho para biogeoquímica que perpetuamente
criação (Gênesis 1:4, 10, 12, 18, ​​21, 25, resgatá-lo (João 3:16), prometendo sustenta a vida, revelando a intenção
31), revelando que Deus cuida de todos restabelecer a criação original e não divina de que a Terra é “para ser habi-
os aspectos de Sua criação, não apenas apenas os seres humanos (Isaías 11:6-9, tada” (Isaías 45:18)4. Assim, a criação
dos seres humanos. Além disso, Deus Ezequiel 36:33-35, Romanos 8:19 -23). não é sagrada nem má, em vez disso,

18 DIÁLOGO 25 • 2 2013
é um meio para atingir os objetivos do para se alimentar (Gênesis 9:03). O as criaturas, não apenas as dos seres
Criador, que trouxe à existência um “domínio” é claramente um mandato humanos ou das espécies que oferecem
planeta repleto de criaturas vivas e uma para uma administração responsável benefícios diretos para os seres huma-
raça de seres inteligentes, feitos à ima- da Terra, em vez de uma licença para nos (Jó 38:19-41, Salmos 36:6, 104:27,
gem de Deus para que gerenciassem o pilhar os recursos do planeta. 28, 147:9; Jonas 4:11, Mateus 6:26).
planeta (Gênesis 1:26). Depois de ser colocado no Jardim do Deus nos lembrou repetidamente de
Éden, Adão recebeu a ordem de cuidar nossa obrigação moral de tratar bem os
O sábado é um memorial da do jardim e cultivá-lo (Gênesis 2:15). animais, proporcionando-lhes descanso
criação e um lembrete perpétuo Mais tarde, Deus ordenou a Seu povo e alimento suficiente (Êxodo 23:5, 12;
de nossa obrigação moral de que cuidasse da Terra (Êxodo 23:10,11; Deuteronômio 25:4), resgatando-os do
cuidar dela Levítico 25:2-7, 23, 24), além de tra- mal (Mateus12:11) e nunca os tortu-
Os adventistas estão empenhados em tar bem os animais (Êxodo 23:5, 12; rando (Números 22:23-33). Embora
manter o quarto mandamento: lembrar Números 22:23-33 , Deuteronômio alguns animais devam ser sacrificados
o sétimo dia, o sábado, para o santificar 25:4, Mateus 12:11). Esses textos para sustentar a vida humana, qualquer
e abster-se do trabalho (Êxodo 20:8- revelam claramente o desejo de Deus uso que cause dor, sofrimento e morte
11).5 As bênçãos do sábado são esten- para nós em relação a como devemos de animais para o benefício dos seres
didas a toda a criação, e não apenas gerenciar a criação. Deus não apenas humanos ou de outros animais deve ser
aos seres humanos, porque o sábado nos dotou com a inteligência e a capa- moralmente justificado. Porque Deus
representa um lembrete da provisão de cidade de estudarmos e utilizarmos a cuida de toda a Sua criação, devemos
Deus para as necessidades de todas as criação para tornarmos nossa vida mais reconhecer que a criação não humana
criaturas, incluindo o descanso do tra- confortável, Ele também nos deu a tem valor moral. No entanto, como
balho para os animais de carga (Êxodo liberdade de fazermos escolhas, mesmo exemplificado pelo Dilúvio e por outros
23:12). Libertados da labuta diária no que nossas escolhas, em última análise, epsódios relatados nas Escrituras, Deus
sábado, os adventistas costumam passar prejudiquem a criação. considera a vida animada mais impor-
pelo menos parte do dia em contato O ponto de vista bíblico da mordo- tante do que objetos inanimados, e a
com a natureza e aprendendo sobre a mia engloba tempo, dinheiro, posses, vida humana mais importante do que a
criação de Deus, alimentando, assim, saúde e oportunidades, bem como vida não humana.
uma relação íntima com o Criador e recursos naturais.6 No entanto, a Bíblia A vida é um dom de Deus. Portanto,
com outros seres criados. Ao reforçar diz claramente que nem um desses devemos respeitá-la. Somos moralmente
a relação entre o Criador e a criação, a recursos é propriamente nosso. Na obrigados a protegê-la e a preservá-la.
comemoração do sábado semanal nos realidade, o mundo e tudo o que nele Portanto, nunca devemos matar ou
lembra de que nossa vida depende de há pertencem a Deus (Levítico 25:23, ferir qualquer animal por mero esporte
sistemas de suporte da vida do planeta. Salmo 24:1, 1 Coríntios 6:15-20, ou lazer. Devemos sempre nos esforçar
Por isso, devemos adotar uma aborda- 10:26). Por causa da ganância huma- para alimentá-los e nunca maltratar
gem holística em nossa relação com a na, Deus proibiu especificamente aos qualquer animal sob nossos cuidados.
criação. governantes a acumulação de cavalos, Opomo-nos a um tratamento desuma-
prata e ouro (Deuteronômio 17:16,17). no a todos os animais na indústria da
Somos uma parte da criação, Em vez disso, Deus associou o domínio pecuária, em experimentos biomédicos
mas intencionalmente separados real com a benevolência para com os e outras pesquisas, e na indústria pet.
pelo Criador para gerenciarmos a mais fracos e necessitados (Salmo 72:8- Os cristãos que têm fácil acesso a uma
criação de modo responsável 14). Jesus, o Criador (João 1:1-3), foi dieta baseada em vegetais, que era o
Pouco tempo depois da criação dos enviado ao mundo para ensinar, curar plano original de Deus, devem abster-
seres humanos, Deus lhes concedeu e nos redimir. Ele demonstrou como se de comer animais ou pelo menos
“domínio” e colocou-os para “gover- devemos interagir com outros seres consumir menos produtos de origem
nar” sobre todas as coisas vivas e humanos e co-habitantes do planeta. animal. Uma dieta vegetariana impac-
“dominar” a Terra (Gênesis 1:26, 28). ta o meio ambiente muito menos do
A permissão para “governar” e “domi- O Criador valoriza todas as que uma dieta baseada em carne.7 No
nar” sobre todas as coisas vivas foi dada formas de vida e ternamente entanto, algumas populações humanas
anteriormente ao pecado entrar no pla- supre suas necessidades, não têm escolha a não ser consumir
neta (Gênesis 3), antes que peles fossem esperando que nós sigamos Seu carne. Embora a manipulação genética
necessárias para o vestuário (Gênesis exemplo na maneira de ver e possa nos ajudar a responder às
3:21) e muito antes que os seres huma- tratar as outras espécies necessidades dos doentes e famintos de
nos fossem autorizados a matar animais Deus supre as necessidades de todas maneira mais eficaz (Mateus 25:34-

DIÁLOGO 25 • 2 2013 19
36), um estudo aprofundado deve mente, foram globalmente avaliados em doras de que os seres humanos têm, de
ser efetuado antes da aprovação de US$ 33 trilhões por ano, o que reflete fato, contribuído grandemente para o
qualquer prática para assegurar que os seu insubstituível valor.9 Sem esses ritmo acelerado da extinção de espécies
benefícios superam fortemente qualquer serviços, os quais estamos degradando provocada pela degradação de habitats,
problema de saúde ou efeito ambiental rapidamente sem poder substituí-los introdução de espécies não nativas
potencialmente adverso. com facilidade, nossa qualidade de vida (exóticas), poluição excessiva, superex-
seria radicalmente diminuída. ploração e propagação de doenças.
A noção de vida integral engloba
não apenas o corpo, a mente e O estado atual da criação é A gestão responsável da
o espírito, mas também o meio desonroso e vai contra a vontade criação envolve compromissos
ambiente; assim, os ecossistemas do Criador que exigem o nosso melhor
saudáveis ​são essenciais para Logo após a queda de Adão e Eva, as discernimento
sustentar a vida humana consequências do pecado arruinaram A irresponsável ação dos seres huma-
Porque o nosso corpo é o templo do cada vez mais a criação. A mudança nos no planeta Terra tem alterado
Espírito Santo (1 Coríntios 6:19, 20), tornou-se evidente em todos os níveis, substancialmente muito da criação de
os adventistas acreditam que devemos tendo a morte um lugar de destaque Deus. Ele proveu os imensos recursos
cuidar dele de modo inteligente.8 Esse nos ciclos que regem o círculo da vida. do planeta para o nosso benefício, com
ponto de vista, combinado com os Quando comparamos a condição atual a intenção de que eles enriquecessem
esforços para aliviar o sofrimento, tem do mundo natural com as descrições nossa vida e nos ajudassem a atender as
motivado os adventistas a adotar uma do Éden antes de ter sido amaldiçoado nossas necessidades. Ele também espera
ênfase distintiva em relação à saúde (Gênesis 1:30) e após a sua restauração que compartilhemos esses recursos de
humana conforme o ministério de cura (Isaías 11:6-9), não podemos ter dúvi- forma amigável entre nós e com outras
de Jesus. das de que o estado atual da criação é espécies criadas. Mas há um conflito
O conceito de vida integral abrange desonroso. Nas palavras de Paulo, “toda em dois níveis sobre como melhor uti-
o cuidado diligente das necessidades a natureza criada geme até agora, como lizar esses recursos naturais: entre as
emocionais, físicas e espirituais. Mas em dores de parto” (Romanos 8:22). decisões tomadas pelo indivíduo e as
essas necessidades estão profunda e Por meio do Dilúvio, Deus agiu com decisões tomadas pelos governos locais
irremediavelmente entrelaçadas com os o objetivo de limpar o mundo. Isso foi ou nacionais. Inevitavelmente, as deci-
ambientes em que vivemos. Ambientes necessário, em parte, porque “a Terra sões que tomamos refletem compro-
saudáveis ​​proporcionam recursos natu- estava corrompida aos olhos de Deus” missos que exigem nosso melhor dis-
rais e processos que sustentam a vida (Gênesis 6:11). Pelo menos em parte, cernimento. O grau de utilização dos
humana. Coletivamente, esses produtos essa corrupção se deu pela presença da recursos que temos hoje pode resultar
são conhecidos como serviços ecossistê- humanidade, “porque a Terra encheu-se em profundas consequências econômi-
micos. Ambientes insalubres fornecem de violência por causa deles” (Gênesis cas e impactar a qualidade de vida, em
serviços ecossistêmicos diminuídos e 6:13). Deus destinou a arca para per- prejuízo de criaturas não humanas de
podem promover doença e enfermida- petuar Suas formas de vida criadas. nosso planeta. Atualmente, o uso de
de. Depois da saída da arca, quando as recursos também pode afetar a disponi-
A maioria de nós admite como certo águas baixaram, Ele prometeu: “Nunca bilidade desses recursos para as futuras
os abundantes serviços ecossistêmicos mais almaldiçoarei a Terra por causa do gerações dos seres humanos.
do qual dependemos diariamente. homem [...]. E nunca mais destruirei Nossos valores e atitudes influenciam
Esses serviços incluem, entre outros, o todos os seres vivos” (Gênesis 8:21). grandemente a maneira como gerencia-
fornecimento de comida e água; a poli- Claramente, Deus lamenta a corrupção mos escolhas mutuamente excludentes.
nização de plantas nativas e agrícolas; do ser humano na Terra. Isso exige nossos melhores esforços na
a ciclagem de nutrientes; a moderação Hoje, muitos cientistas acreditam que identificação e observação dos princí-
de condições metereológicas extremas, estamos sendo confrontados com um pios bíblicos. Em lados opostos de uma
incluindo a redução das inundações e dos maiores eventos de todos os tem- sequência contínua estão aqueles que
da seca, a proteção contra a erosão; o pos: a extinção do planeta, resultado apóiam totalmente a agenda ambiental
controle de pragas de plantas e organis- de um colapso ecológico e da crise da e aqueles que zombam dela, com inú-
mos causadores de doenças humanas; a biodiversidade, em grande parte desen- meros posicionamentos entre esses dois
decomposição e a perda da toxidade de cadeada pelas nossas próprias decisões. lados. Os indivíduos que se identificam
resíduos; a purificação do ar e da água, Alguns indivíduos, incluindo cristãos, como conservadores do ponto de vista
e manutenção da biodiversidade. Esses descartam a urgência dessa preocupa- político, social e econômico – incluindo
serviços, que nos foram dados gratuita- ção. No entanto, há evidências avassala- muitas pessoas religiosas – são mais

20 DIÁLOGO 25 • 2 2013
propensos do que os outros a descartar moderação no uso dos recursos do pela natureza, e visitas a centros de
a responsabilidade pessoal para com o mundo.14 natureza, zoológicos e museus, especial-
meio ambiente e a apresentar resistência Esses princípios podem orientar mente aos sábados à tarde. Nós tam-
às políticas governamentais destinadas nossas decisões quando se trata de bém gostávamos de acampar regular-
a proteger o planeta. Na verdade, esse muitas atividades que impactam o mente. O nosso crescente fascínio pela
grupo também demonstra menos pre- meio ambiente. Podemos procurar ser natureza, incentivado por nossos pais,
ocupação com a degradação ambiental responsáveis em diversas questões rela- aprofundou nosso respeito pela criação
do que o público em geral.10 cionadas ao planejamento urbano e a e nos protegeu durante nossos anos de
Embora o posicionamento oficial construções civis; formas de produção, formação de influências negativas.
permaneça indefinido entre os adven- empacotamento e distribuição de ali- O ensino superior adventista oferece
tistas do sétimo dia, certamente exis- mentos; procedência dos produtos que novas oportunidades para tornar-nos
tem diversos pontos de vista em relação adquirimos e manejo de resíduos que mais bem informados sobre as ques-
ao meio ambiente. Em três declarações geramos; escolhas de viagens e entrete- tões ambientais, embora a extensão
oficiais, a Igreja reconheceu que há nimentos; educação ambiental dos mais dessa educação dependa em grande
uma crise ecológica11 e que ela está jovens e decisões relacionadas a como parte do foco de estudo da pessoa, das
“enraizada na ganância e na recusa a se nós nos importamos com nossa saúde. matérias escolhidas e das atividades
praticar a boa e fiel mordomia dentro Essas questões evidenciam também extracurriculares. Muitas universidades
dos limites divinos da criação da huma- a maneira como nos envolvemos na adventistas patrocinam programas de
nidade”.12 Mas a orientação da Igreja política sobre preservação ambiental. pesquisa sobre conservação. Esses pro-
para aqui. No geral, somos deixados a Esforços individuais não podem resol- gramas abrangem uma ampla gama de
responder às nossas perguntas sobre o ver todos os desafios enfrentados por projetos, incluindo o estudo de espécies
uso pessoal dos recursos e a agir diante nosso meio ambiente. O processo polí- ameaçadas de extinção, a implementa-
da imposição de regulamentos gover- tico é o meio pelo qual as sociedades ção de ações de conservação e as possí-
namentais que restrinjam o uso dos democráticas tomam as decisões. Para veis maneiras de educar o público sobre
recursos. As respostas não são fáceis, abraçar a sustentabilidade, talvez neces- questões ambientais.
mas como pessoas de fé, os adventistas sitemos apoiar políticas que poderiam Para o cristão, a educação ambiental
procuram identificar e seguir os princí- limitar o uso de recursos naturais e ter deve incluir as seguintes perspectivas:
pios bíblicos. repercussões econômicas impopulares. evidências científicas e fé inteligente. A
A partir das Escrituras, podemos Ficar sentado de braços cruzados, sem relação entre a atividade humana e as
identificar três grandes princípios fazer nada para impedir o dano acelera- consequências ambientais deveria ser
orientadores para tomada de decisão.13 do dos ecossistemas, não é uma opção fundamentada em ciência sólida, de
Em primeiro lugar, Deus valoriza todos aceitável. preferência livre de distorções cultu-
os aspectos de Sua criação, tendo decla- rais. A sensibilidade sobre as questões
rado repetidamente que Sua criação A boa mordomia da criação ambientais deveria ser reforçada com o
era “boa” (Gênesis 1:10, 12, 21, 25, engloba educação, pesquisa de chamado para liderança exposto pela
31). Em segundo lugar, Deus espera conservação e gestão dos recursos Escritura. Por causa da última pers-
que sejamos bons mordomos da criação, naturais do meio ambiente, que pectiva, os cristãos, inclusive os adven-
como Ele autorizou na primeira “Lei incluem tanto a ação individual tistas, devem se tornar ambientalistas
de Proteção Ambiental” (Gênesis quanto a regulamentação exemplares.
1:28) e no primeiro “Ato a favor das governamental responsável. Não podemos culpar a “sociedade”
Espécies Ameaçadas” (Gênesis 6:19), A educação ambiental geralmente pelos problemas ambientais, pois os
fato evidenciado na advertência àque- começa em casa e na igreja local, onde problemas são causados ​​por indivídu-
les que exploram e trazem prejuízos a natureza, considerada o “segundo os. Assim, a resolução de problemas
para Sua criação (Apocalipse 7:3; livro” divino, tem sido tradicional- ambientais deve começar com o indi-
11:18). Em terceiro lugar, Deus espera mente respeitada. O reforço continua víduo, mas pode ser reforçada com
que utilizemos os recursos de forma que na escola primária e secundária, espe- o apoio organizacional e até mesmo
sejam sustentáveis, tendo afirmado que cialmente para aqueles que participam governamental. Tendo em vista a natu-
“o homem bom deixa herança para de atividades destinadas aos jovens e reza global do comércio na atualidade e
os filhos de seus filhos” (Provérbios acampamentos de verão, onde a comu- da economia em expansão, os esforços
13:22). Em suma, os adventistas nhão com a natureza bem como o pessoais podem ter um alcance surpre-
incentivam a todos a viver um estilo estudo da mesma são incentivados. Em endente. Um lema de grande utilidade
de vida simples, saudável, mostran- nossa infância, apreciávamos piqueni- seria “pensar globalmente, agir local-
do respeito pela criação e exercendo ques frequentes ao ar livre, caminhadas mente”.

DIÁLOGO 25 • 2 2013 21
Embora nos esforcemos para prometem com projetos válidos, que Farber, M. Grasso, B. Hannon, K. Limburg,
S. Naeem, R.V. O’Neill, J. Paruelo, R.G.
desfazer o mal que causamos ao promovem educação ambiental e gestão Raskin, P. Sutton, e M. van den Belt, “The
planeta, a total restauração será da conservação. Precisamos reconhecer value of the world’s ecosystem services and
completa apenas quando Deus a importância da questão ambiental natural capital”, Nature 387 (1997): 253-260.
10. J.L. Guth, J.C. Green, L.A. Kellstedt, e C.E.
fizer novas todas as coisas. para o testemunho cristão, incorporan- Smidt, “Faith and the environment:
Deus nos confiou o cuidado de Sua do-a de maneira mais eficaz a outras Religious beliefs and attitudes on environ-
criação. Um dia Ele irá requerer isso de mensagens do advento, incluindo a mental policy”, American Journal of Political
Science 39 (1995):364-382; P.W. Schultz, L.
nós (Isaías 35). Nossa responsabilidade, saúde, a educação e o evangelismo. Zelezny, e N.J. Dalrymple, “A multinational
até então, é cuidar da parte da criação perspective on the relation between Judeo-
Christian religious beliefs and attitudes of
que nos foi confiada. Se não cuidamos environmental concern”, Environment and
do planeta nesta vida, deveríamos espe- Floyd E. Hayes (Ph.D., Universidade Behavior 32 (2000):576-591; A.M. McCright
rar que Deus nos dê um planeta reno- de Loma Linda) é professor de e R.E. Dunlap, “Defeating Kyoto: The
biologia no Pacific Union College, conservative movement’s impact on U.S.
vado na vida porvir? climate change policy”, Social Problems 50
No final dos tempos, Deus fará Angwin, Califórnia. É editor-chefe (2003):348-373; R.S. Allen, E. Castano,
novas todas as coisas. O Éden da cria- do Journal of Caribbean Ornithology. e P.D. Allen, “Conservatism and concern
for the environment”, Quarterly Journal of
ção original será restaurado. A Escritura Ideology 30(3/4) (2007):1-25; D.E. Sherkat e
retrata uma Terra muito diferente da William K. Hayes (Ph.D., C.G Ellison, “Structuring the religion-
que nos foi dada para gerenciar. Será Universidade de Wyoming) é environment connection: Identifying religious
influences on environmental
um lugar em que não haverá morte professor de biologia e dire- concern and activism”, Journal for the Scientific
nem sofrimento, onde a ganância tor do Centro de Estudos da Study of Religion 46 (2007):71 -85; D.M.
humana não mais ameaçará os recursos Biodiversidade e Conservação Konisky, J. Milyo, e L.E. Richardson, Jr.,
“Environmental policy attitudes: Issues,
naturais. Não existirão predadores para da Universidade de Loma Linda, geographic scale, and political trust”, Social
prejudicar e destruir as pessoas (Isaías Califórnia. Science Quarterly 89 (2008):1066-1085; M.N.
65:17-25, Apocalipse 21:1-7)15. Até esse Peterson e J. Liu, “Impacts of religion on
environmental worldviews: The Teton Valley
dia, nossos melhores esforços não pode- case”, Society and Natural
rão desfazer completamente o mal que REFERÊNCIAS Resources 21 (2008):704-718.
1. Este ensaio reduz um pouco o capítulo final 11. Ver Appendices in Entrusted: Adventists and
fizemos nem poderão apagar a mancha do recém-lançado livro sobre conceitos adven- Environmental Care (nota final 1).
do pecado neste planeta. Ansiamos pelo tistas em relação a questões ambientais, escrito 12. De “A Statement on the Environment”,
dia em que veremos a biodiversidade por alguns dos principais acadêmicos e pesqui- a declaração de 1995 em Apêndice B in
sadores adventistas. Ver Entrusted: Adventists Entrusted: Adventists and Environmental Care
em sua maior riqueza e os ecossistemas and Environmental Care eds. Stephen G. (nota final 1).
funcionando em seu estado mais har- Dunbar, L. James Gibson, e Humberto M. 13. J.T. Baldwin, “Keepers of the garden:
monioso. Rasi (Boise, Idaho: Publicadora Pacific Press. Christians and the environment”, Diálogo
Assn., 2013). Agradecemos aos editores desse 14(1) (2002):8-11; A. von Maur, “How can
livro por sugerirem alguns dos grandes temas we build and dwell as stewards of the natural
Conclusão em que este artigo está organizado. environment?” Capítulo 16 de Entrusted:
Os adventistas do sétimo dia reco- 2. Gênesis 1; ver também Crença Fundamental Adventists and Environmental Care (nota
Adventista #6 (http://www.adventist.org/ final 1).
nhecem e apoiam a convocação bíblica beliefs/fundamental/index.html). 14. De “A Statement on the Environment”,
para o cuidado ambiental. Eles se 3. Crença Fundamental Adventista #20. Apêndice B em Entrusted: Adventists and
envolvem com o cuidado da criação de 4. Todas as passagens bíblicas, salvo indi- Environmental Care (nota final 1).
cação em contrário, são da Nova Versão 15. Crença Fundamental Adventista #28.
várias maneiras e em níveis individuais Internacional.
e corporativos. Pode a Igreja Adventista 5. Crença Fundamental Adventista #20. Este artigo é uma versão adaptada do original
fazer mais para promover o cuidado da 6. Crença Fundamental Adventista #21. que apareceu como o capítulo final do livro
7. Ver, por exemplo, H.J. Marlow, W.K. Hayes, recém-lançado sobre os conceitos adventistas de
criação? A resposta é “sim”, e o tempo S. Soret, R.L. Carter, E.R. Schwab, e gestão ambiental, escrito pelos principais líderes
de fazê-lo é agora. Precisamos aumentar J. Sabate, “Diet and the environment: Does intelectuais e eruditos adventistas. Veja: Adventists
what you eat matter?” American Journal of and Environmental Care, eds. Stephen G. Dunbar,
o número de pessoas que compartilham Clinical Nutrition 89 (2009): 1699S-1703S. L. James Gibson, e Humberto M. Rasi (Boise,
das preocupações e metas ambientais. 8. Crença Fundamental Adventista #22. Idaho: Pacific Press Pub. Assn, 2013). Usado com
Precisamos apoiar aqueles que se com- 9. R. Costanza, R. d’Arge, R. de Groot, S. permissão.

22 DIÁLOGO 25 • 2 2013
Perfil
Margaret C. Ashby
Diálogo com uma destacada funcionária
adventista do serviço de correios de
Barbados
Entrevistada por Lorena Mayer

Ela jamais poderia imaginar que tunidades em seu país e em âmbito Deus revelou de maneira clara que eu
um dia seria chamada para servir ao internacional. Desde outubro de 2012, precisava voltar a estudar. Confesso que
país em uma posição de alto escalão. Ashby é assessora do chefe geral dos isso foi um pouco demais para mim.
Margaret C. Ashby é uma respeitada correios de Barbados. Além disso, Sentia medo da matemática, discipli-
e reconhecida funcionária pública que representa seu país como integran- na obrigatória para a área de minha
atua na alta administração do serviço te oficial do comitê da União Postal escolha. Além disso, minha autoestima
de correios de Barbados. Universal, uma agência especializada não era particularmente elevada. Eu
Nascida em um lar adventista, Ashby das Nações Unidas. Ashby é casada também havia me afastado de Deus por
sentia satisfação em pertencer à igreja com Michael e tem duas filhas, Lisa e certo tempo. Por isso minha fé nEle era
em um país em que 6% da população é Lana. fraca. No entanto, ficou claro que Deus
adventista. No entanto, quando jovem, Ela é líder do departamento de queria que eu retornasse aos estudos e
afastou-se de Deus. Esses tempos con- Ministério Pessoal na igreja adventista que Ele tinha um plano para mim.
turbados lhe ensinaram sobre um Deus que frequenta em Barbados.
que foi muito paciente com ela. Após n Você se graduou em ciência da com-
longo período afastada, ela voltou para n Margaret, conte-nos um pouco sobre o putação e gerenciamento. O que aconte-
a igreja. início de sua carreira na empresa de cor- ceu com o seu medo da matemática?
Seu novo relacionamento com Deus reios de Barbados. Para retornar aos estudos, precisava
teve impacto em sua vida pessoal e Eu acabara de me formar no ensino ser aprovada em um exame que exigia
profissional. Sua atuação na empresa médio. Não tinha grandes sonhos porque conhecimentos avançados em mate-
de correios, que começara em 1977, minha capacidade de aprendizado era mática. Não achava que fosse possível
assumiu uma nova perspectiva. Depois lenta. Isso era um obstáculo real para passar nessa prova. Mas Deus me diri-
de anos de um trabalho aparentemente conseguir sucesso em qualquer área. giu para um livro de matemática que
imperceptível, Deus a impressionou a Nessa época, comecei a trabalhar nos eu tinha em casa. O estudo daquele
voltar a estudar. Ela iniciou os estudos correios. Depois de mais de 30 anos, livro me ajudou. Mas durante o exame,
mesmo sem acreditar em sua capaci- encontrava-me no mesmo cargo que sem olhar para cada uma das questões,
dade, principalmente na área de mate- assumi quando ingressei na empresa detive-me na complexidade da prova
mática, matéria imprescindível para o na área de atendimento ao cliente. Não como um todo. Olhei para o papel e
campo de estudos que havia escolhido. houve qualquer promoção, e eu não visu- tive certeza de que eu iria falhar. Não
Com o auxílio divino, ela obteve seu alizava possibilidades de crescimento. conseguia imaginar como resolver as
bacharelado em ciência da computação questões. Então, antes dos primeiros
e gerenciamento, e fez um mestra- n Você ocupa agora uma das mais altas 15 minutos de exame, peguei meus
do em gestão de recursos naturais e posições na empresa. Como isso aconteceu? documentos e estava pronta para entre-
mudanças climáticas. Deus fez algo especial por mim. Eu gar a prova em branco. Quando me
Deus tem lhe dado muitas opor- já era casada e tinha duas meninas, mas levantei para sair, senti uma pressão nos

DIÁLOGO 25 • 2 2013 23
n Como eles reagiram quando você falou
sobre sua fé?
A Igreja Adventista é bem conhecida
em Barbados, e a maioria da população
é cristã. Não é difícil falar sobre essas
questões.

n Você foi chamada para trabalhar aos


sábados?
Geralmente, em Barbados, os cor-
reios não prestam serviços aos fins
de semana, exceto quando há feriado
prolongado. No entanto, desde o início,
falei sobre minhas crenças e fiquei firme
em minha decisão de não trabalhar aos
sábados. Meus colegas sempre respei-
taram minha decisão. Eles sabem que
podem contar comigo para tudo que for
preciso, e eles apreciam minha posição.
Representando os interesses de seu país sobre assuntos postais, em uma sessão
plenária na União Postal Universal. n Você chegou a uma função de lide-
rança. Como isso aconteceu?
Eu obtive sucesso na disputa por uma
joelhos e voltei a me sentar na carteira. n Você acha que Deus quis ensinar-lhe vaga como oficial sênior da Divisão
Deus me perguntou: “Onde você vai? algo por meio de seu medo de matemática Administrativa de Treinamento, setor
Olhe para as questões mais uma vez, e da baixa autoestima? governamental de formação de recursos
não olhe para o quadro geral. Prossiga Sim, Deus queria me mostrar que humanos. Após 18 meses nessa função,
pouco a pouco.” Fiz isso e consegui não há nada muito difícil para Ele. eu poderia voltar para minha antiga
resolver todas as questões. Quando ter- Na mesma noite, enquanto saía de função no posto do correio. Mas por
minei e saí da sala, compartilhei minhas carro do campus, ouvi claramente uma meio de um processo seletivo, que me
respostas com um colega, com a certeza voz, vinda do banco detrás, dizer-me: levou à posição que hoje ocupo, vi cla-
de que havia errado tudo. Mas ele disse: “Margaret, quando você vai confiar em ramente a mão de Deus me conduzin-
“Estas respostas estão corretas!” mim?” Olhei para trás, mas não havia do. Lembro-me, por exemplo, de que
ninguém. Percebi que Deus se interes- ao receber o comunicado informando
n Então, qual foi o resultado do exame? sava por mim e que o sucesso estava que eu havia sido pré-selecionada para
Primeiro, eles perderam minha folha disponível mesmo para alguém que o cargo de assistente do chefe geral dos
de respostas. Sabiam que eu havia con- aprendia tão lentamente quanto eu. correios eu não estava em Barbados,
cluído o exame, mas não conseguiam pois havia ido assistir à formatura
achar minha folha de respostas. Após n Você aprendeu bem suas lições, pois de minha filha na Universidade de
três semanas, encontraram-na. Em tem contribuído com projetos para o for- Cambridge, na Inglaterra. Entrei em
seguida, após muitas semanas, eu ainda talecimento da autoestima. contato com a agência de recursos
estava à espera do resultado. Uma noite, Acredito que melhorei nesse aspecto. humanos do governo e informei-lhes
quando me dirigia à aula, ouvi a voz Pediram-me para contribuir com o de meu compromisso. Para minha
da professora responsável pelo exame. treinamento nas áreas de autoestima surpresa, eles esperaram eu voltar
Eu não podia esperar mais. Com um e atendimento ao cliente durante um da Inglaterra para fazer a entrevista.
ímpeto completamente incomum para curso oferecido recentemente para Quando anunciaram minha nomeação,
mim, fui até a professora. Entrei em novos funcionários dos correios. Foi fiquei maravilhada. Deus estava em
uma sala com uns 30 alunos e pergun- uma experiência gratificante, pois tive a todos os passos do caminho. E eu sabia
tei para ela sobre meu desempenho no oportunidade de contar minha história que Ele sempre estaria comigo.
exame. Ela disse: “Não há razão para e falar o que creio que Deus pode fazer
se preocupar, Margaret, você tirou quando reconhecemos que precisamos n Você não ficou apenas nessa função,
B.” Imediatamente, respondi: “Isso é de ajuda. pois agora também representa seu país nas
impossível!” Toda a classe riu. Nações Unidas.

24 DIÁLOGO 25 • 2 2013
Barbados atua na presidência de n O que lhe interessa mais no serviço dos n Que mensagem final você gostaria de
um dos comitês do Conselho de correios? deixar aos leitores de Diálogo?
Administração, que é responsável Inovação. Acredito que os correios Primeiro, eu gostaria de dizer que
pela cooperação e desenvolvimento têm grande potencial de inovar. Em ser adventista não significa isolamento.
no âmbito da União Postal Universal, certas localidades do mundo, esse Estou muito feliz de ser adventista e ser
uma agência especializada das Nações também pode ser o aspecto mais desa- capaz de servir ao governo de meu país.
Unidas. As reuniões ocorrem duas fiador. Os correios têm uma longa Deus precisa de adventistas em todos
vezes por ano com delegados de 192 história. Podemos construir sobre essa os caminhos da vida, e Ele promete
países. Nesse comitê, lidamos com fundação, priorizando a melhora de seu Sua orientação para quem está dispos-
questões de desenvolvimento que são funcionamento, seguindo o desenvol- to a seguir por onde Ele conduz. Em
fundamentais para o crescimento do vimento da economia e da sociedade. segundo lugar, gostaria de deixar uma
setor postal em uma escala internacio- Gosto de pensar em marketing criativo, mensagem para os estudantes. Não
nal. É uma honra para Barbados lide- em estratégias que podem contribuir acho que seja por acaso que estou sendo
rar as discussões nessa área. Sinto-me com a modernização desse sistema. entrevistada por uma revista voltada
muito privilegiada de poder servir não Criatividade inovadora precisa de uma a universitários. A pior coisa que você
apenas ao meu país, mas também a boa metodologia, e essa combinação é pode fazer é se afastar de Deus enquan-
outros países membros da União Postal particularmente atrativa para mim. to prossegue com os estudos. Muitas
Universal. vezes, você acredita que quanto mais
tempo gasta com seus livros, melhor
será para o seu aprendizado. Mas não
é bem assim. A receita para o sucesso é
ter certeza de que você está atuante na
igreja e que está se dedicando ao máxi-
mo a essa responsabilidade. Além disso,
é importante que a participação nas ati-
vidades regulares da igreja se torne um
hábito. Se você aprende rápido, pode se
destacar em seu próprio país. Contudo,
não podemos prever onde Deus pode
levá-lo se você decidir servi-Lo em pri-
meiro lugar. Se você não tem facilidade
de aprendizagem, mas Deus vem em
primeiro lugar em sua vida, Ele pode
colocá-lo em altas posições. Priorize
seu envolvimento na igreja. Deus está
esperando por você. Ele tem um plano
especial para sua vida.

Lorena Mayer (Mestrado em


Comunicação Internacional
pela Universidade de Southern
Queensland, Austrália) trabalha na
União Postal Universal em Berna,
Suíça.

E-mail: lofimay@gmail.com

E-mail de Margaret C. Ashby: marga-


ret_ashby@bps.bb

Margaret Ashby em frente à sede da União Postal Universal, em Berna, Suíça.

DIÁLOGO 25 • 2 2013 25
PROFILE
Amalia Suaña
Diálogo com uma educadora de
Educação Infantil no Peru
Entrevistada por Estela Tapia e Isidro Mamani

A mídia peruana publicou a notícia de transporte, Amalia construiu seu tagiante. Quando nos encontramos
com grande destaque. Informavam próprio catamarã para transportá-los. com ela, vestia uma roupa amarela e
que a primeira-dama da nação e A professora Suaña se dedica de laranja típica, e duas flores em tran-
muitas outras autoridades locais corpo e alma à educação das crian- ças individuais. Ao lado de sua família,
haviam viajado para a ilha Tupiri, na ças, dividindo suas classes conforme ela se dintingue por suas cores bri-
província de Puno, para reconhecer o a idade de seus alunos. Ela é uma lhantes e primaveris.
trabalho e os esforços abnegados de mulher plena de gratidão, primeiro
Amalia Suaña, vencedora do “Prêmio a Deus, mas também à sua família. n Professora, conte-nos como você se
Integração 2011”. Outros relatórios “Quando uma criança incorpora uma sente depois de ser reconhecida e recom-
acrescentavam que a professora das palavras que estou tentando ensi- pensada por esse trabalho tão nobre.
Amalia Suaña tinha recebido o prêmio nar, sinto uma alegria imensa. Não Feliz, muito feliz, embora ainda um
por seus projetos educacionais entre posso deixar de agradecer a Deus pouco atordoada.
os uros, um grupo étnico que vive por ter me dado a oportunidade de
nas ilhas flutuantes do Lago Titicaca ajudar às crianças”, diz convicta. n Gostaríamos de saber mais sobre sua
nos planaltos do sul do Peru. Amalia Quem realmente é Amalia Suaña? vida e seus estudos.
Suaña havia criado a primeira escola Dispostos a conhecer mais do que a Quando criança, não tive a oportu-
de educação infantil na área, chamada mídia informara, dirigimo-nos às ilhas nidade de cursar a educação infantil
de “Sumita Corazón”. flutuantes dos Uros, cerca de quatro porque naquela época não existia essa
O sonho que durante tanto tempo quilômetros da cidade de Puno. Estas opção. Muito menos aqui nas ilhas.
a professora Suaña havia acalentado ilhas estão construídas artificialmente Comecei minha educação funda-
finalmente se tornara realidade. A sobre totoras, plantas de folhas finas mental na Escola Adventista de Los
realização desse sonho permitiria que e longas que crescem no lago. Para Uros. Fiz o ensino médio no colégio
as crianças das ilhas flutuantes pudes- chegar lá, é aconselhável percorrer a San Juan Bosco e, finalmente, cursei
sem ser instruídas e preparadas para distância de cerca de vinte minutos a Universidade Adventista Peruana
o ensino fundamental. Assim foi que em um barco a motor. Nas ilhas, Unión, onde me graduei em Educação
Amalia Suaña decidiu incorporar à sua ainda se conservam as vestimentas e Infantil.
casa uma aconchegante sala de aula. os terraços característicos do povo
Para esta educadora não há barrei- inca. n O que você mais destaca de sua edu-
ras. Nem mesmo a falta de materiais Assim fomos à Ilha “Tupiri cação?
educativos serve de impedimento. Corazón”, lugar em que a professora Eu tenho muito a dizer, em primei-
Ela não hesitou em usar os recursos Suaña ainda vive com seus irmãos e ro lugar, sobre a minha escolinha, que
naturais da área. Por exemplo, quan- pais. me deu a oportunidade de conhecer
do descobriu que as crianças não Amalia Suaña tem 24 anos. É de a Jesus. No ensino fundamental,
podiam frequentar a escola por falta uma alegria efervescente e calor con- pude entender a necessidade das

26 DIÁLOGO 25 • 2 2013
crianças destas ilhas. Então fui para a gostei muito de passar tempo com grande sacrifício, mas faço pelo amor
Universidade Peruana Unión, já que elas, fazer parte do que elas pensam às crianças. Como disse, aprendi na
eu tinha o sonho de iniciar a educação e sentem. É maravilhoso que uma universidade a estudar e refletir sobre
pré-escolar aqui neste lugar. Agradeço criança deposite sua confiança em o exemplo de Jesus. O mesmo pode
aos meus professores que me deram alguém que lhe demonstre seu amor, acontecer com qualquer um de nós.
uma boa educação, com valores cris- de tal maneira que prefira estar com Se recebemos uma educação sem pro-
tãos. Aprendi que antes de tudo está essa pessoa em vez de estar com seus pósito definido, é quase impossível
Deus. Se confiamos nEle, podemos pais. Posso dizer que sou muito feliz nos desenvolvermos adequadamente.
realizar muitas coisas. Em minha por tudo o que podemos oferecer e Ao passo que se a educação que rece-
mente sempre está presente o versí- pelos esforços que fazemos para avan- bemos tem valores, como no meu
culo que diz: “Tudo posso em Cristo çar no caminho do conhecimento. É caso, sinto que qualquer projeto, por
que me fortalece” (Filipenses 4:13). algo que me dá alegria profunda. difícil que seja, é possível.
Decidi apegar-me a essa promessa.
n Que influências específicas você rece- n O que fez diferença em sua vida?
n Você pode detalhar em que consistia beu na universidade? Definitivamente, a presença de
seu sonho? Na universidade me ensinaram real- “minhas” crianças. A possibilidade
Como mencionei, meu sonho era mente a conhecer a Deus. Aprendi e de educar as crianças e de que elas
dar início à educação infantil entre compreendi que quando Jesus esteve se sintam felizes comigo. Apenas um
os uros, para que as crianças desse nesta Terra, sempre se preocupou em sorriso, ver a alegria de uma criança,
grupo étnico tivessem acesso a esse demonstrar Seu amor pelas crianças. são motivos de profunda satisfação.
nível de formação inicial. Eu queria É evidente que tenho um modelo, e Prefiro esse sorriso a qualquer remu-
que eles tivessem a oportunidade que esse modelo é Jesus. Quando comecei neração ou salário.
eu nunca tive, de modo que pela edu- minha vida profissional, não tinha
cação infantil eles pudessem conhecer nada mais que uma pequena e simples n Mas, então, você quer dizer que os
a Jesus. Ansiava que eles pudessem casa de totoras. Mas pusemos em prá- seus serviços são gratuitos?
entender que Ele é nosso Pai Celestial tica nossa criatividade. Foi nessa casa Sim, mas não só isso: ao ver que
e que, ao lado dEle, podemos realizar que começamos a oferecer educação era difícil para as próprias crianças
todas as coisas. Ele cuida de nós e nos para as crianças da comunidade. virem para a ilha onde está a escola,
protege. comecei a ir ilha por ilha para buscá-
n Fazer parte da Igreja Adventista do -los. Ao fazer isso, aprendi muitas
n Vamos voltar um pouco a seu pas- Sétimo Dia tem lhe ajudado? coisas. As crianças começaram a me
sado. Como você descreveria a educação Com certeza. Em primeiro lugar, contar o que acontecia com elas.
que recebeu de seus pais? sinto que Deus me tem dado essa Compartilhamos alegrias e tristezas,
Meus pais me ensinaram a diferen- oportunidade. Ele atuou em minha bem como cantamos e oramos juntos.
ça entre o bem e o mal. Foram eles vida me dando educação de quali- É uma experiência maravilhosa que
quem primeiro me falaram de Jesus. dade. Estudei na Escola Adventista nunca vou esquecer. Também é uma
Fizeram seu melhor para me dar uma de Los Uros e mais tarde na satisfação ter meu trabalho reconheci-
boa educação. Eu sou muito grata. Universidade Adventista Peruana do pelo governo. Quero seguir orando
Tanto meu irmão quanto eu conse- Unión. Aos poucos, aprendi a deixar pelas pessoas que me apoiaram, espe-
guimos estudar, mas as minhas duas tudo nas mãos de Deus. Sinto que Ele cialmente por parte das autoridades
irmãs mais velhas não tiveram essa sempre me dirigiu em cada passo. Eu da área educacional, na região de
oportunidade por falta de recursos só tenho palavras de agradecimento Puno.
financeiros. Por isso e muitas outras a Ele por me permitir obter vitórias a
coisas, sou muito agradecida a eles e favor dessas crianças. n Conte-nos sobre o sucesso de seu
a Deus. modelo educacional. O que foi que a
n Como você relaciona o que faz com motivou realizar seu projeto?
n Como surgiu esse amor que você sente a missão da igreja? Você acha que de Jesus é meu modelo. Sei que Ele
pelas crianças? Houve alguma experiên- alguma forma está contribuindo para ama as crianças. Desde que estava no
cia que a marcou e a motivou a desen- essa missão? ensino médio, meu sonho era iniciar
volver esse profundo interesse por elas? Sem dúvida! Como filhos de Deus, um projeto de educação infantil entre
Não posso apontar um evento espe- todos nós temos um mandato para os Uros. Para isso, precisava preparar-
cífico. Creio que o Senhor me deu o servir, e eu quero continuar servin- me. Fui então para a Universidade
dom de estar com as crianças. Sempre do. O que fazemos aqui requer um Adventista Peruana Unión. Sonhava

DIÁLOGO 25 • 2 2013 27
em terminar meus estudos, voltar para
as ilhas dos Uros e tornar meu pro-
jeto uma realidade. Então, em 2009,
um ano depois de terminar minha
formação acadêmica, comecei o pro-
jeto. No início, não tínhamos quase
nada. Era apenas uma pequena casa
e nada de dinheiro. Então, comecei a
pedir ajuda. Pedi a ajuda de meus pais
e meus irmãos. Graças a Deus, eles
me ajudaram a tornar realidade esse
sonho há muito esperado. Mais uma
vez, agradeço a Deus por ter me dado
os pais maravilhosos que tenho. Em
janeiro e fevereiro de 2009, começa-
mos a campanha. Os resultados me
deixaram impressionada, pois logo
havia um grande número de crianças
interessadas. A pequena casa ficou
lotada. Tentei acomodá-los, comecei
a separá-los de acordo com a idade,
mas não foi o suficiente. Então come-
cei a orar pelas crianças e, ao mesmo
tempo, procurar um local com mais Claro que sim. Todos os dias, a do e a maré tinha se acalmado. Ele
espaço, porque já estávamos com primeira atividade que realizamos em tinha aberto uma espécie de caminho
quase trinta crianças. conjunto é orar. A seguir, normalmen- que me ajudou a chegar à minha casa.
te cantamos o hino “Jesus nos ama”. Eu nunca vou esquecer aquela noite,
n Quando começou a ensinar, pensou porque senti, de maneira muito vívi-
em ganhar algum prêmio ou em ser n Você poderia nos dar um exemplo da, que Deus me protegia.
reconhecida algum dia pelo seu trab- concreto da maneira pela qual sua Mais tarde, contei essa experiência
alho? atividade lhe tem motivado a pôr em a meus pais e alunos. Lembrei-lhes,
Sempre esperei que um dia a escola prática a sua fé? então, que Deus sempre nos protege,
de educação infantil fosse reconheci- Sinto que Jesus sempre me acom- e não deixo de lembrar-lhes o versí-
da. Esperava, dessa forma, que Deus panhou por toda parte. Por exemplo, culo que diz: “Deus é o nosso refúgio
enviasse pessoas apropriadas para que durante a estação das chuvas é muito e fortaleza, socorro bem presente na
vissem as crianças e entendessem as perigoso viajar de barco. Por causa de angústia. Portanto não temeremos,
necessidades que elas têm. Olhando meus estudos, eu viajava quase todo o ainda que a terra trema e os montes
para trás, agora posso ver que o ano. Sempre elevava uma oração antes afundem no coração do mar” (Salmos
Senhor permitiu isso. Deus usou a de sair de casa ou quando precisava 46:1-2) .
rádio Programas del Peru e muitas viajar de barco. Eu pedia que as chu- Minha família e eu sempre seremos
outras pessoas que me apoiaram para vas não caíssem enquanto durasse a gratos a Deus. Eu sei que temos a
tornar esse sonho uma realidade. travessia, pois chegava a casa às 21 ou obrigação de ter uma vida exemplar.
Tudo que almejava era beneficiar as 22h. Em uma noite completamente É com humildade que buscamos esse
crianças. Eu orava muito pelo projeto, escura, a chuva torrencial não para- ideal. Por exemplo, quando minha
e costumava dizer para os pais que va de cair. Naquele momento, senti mãe cozinhava, costumava guardar
nunca perdessem a fé, pois um dia muito medo, mas logo me lembrei de uma parte da comida para mim.
alcançaríamos os objetivos. E assim que Ele estava ali ao meu lado. Assim, Mas, quando eu via que algumas das
aconteceu. Deus ajudou os planos a se sem hesitação, elevei uma oração e crianças estavam com fome, eu não
tornarem realidade. Hoje os pais das entrei no barco. Enquanto avançava podia deixar de compartilhar a minha
crianças estão muito felizes. pelas águas escuras, comecei a cantar comida com elas. No início, minha
e a orar. Logo pude ver o milagre de mãe não ficava muito feliz que eu
n Você crê que sua fé tem impacto no Deus, porque, no exato lugar em que ficasse sem comer, mas lhe fiz ver que
trabalho que realiza? o barco atravesava, não estava choven- havia crianças muito mais necessita-

28 DIÁLOGO 25 • 2 2013
das de alimento que eu. Agora, fico
muito feliz ao ver que elas também
compartilham o pouco que têm entre
elas mesmas. Às vezes, é apenas uma
laranja ou um pedaço de pão, mas
vejo que elas estão sempre dispostas a
partilhar sua comida. Isso me dá uma
enorme satisfação.

n Quais são seus planos para o futuro?


Não parei de sonhar. Eu gostaria
que a escola tivesse seus próprios
flutoadores, que ela se expanda, que
tenha todos os equipamentos necessá-
rios, tais como banheiros de compos-
tagem, entre muitas outras coisas.

n Você gostaria de deixar uma mensa-


gem para os leitores de Diálogo?
Gostaria de pedir aos que são pais
que não se esqueçam de dar a seus
filhos uma boa educação baseada
em valores. Posso assegurar que essas Na Escola Adventista "Los Uros" onde Amalia Suaña aprendeu a lêr e escrever,
crianças nunca esquecerão esse apren- ainda hoje estudam muitas crianças.
dizado. Isso lhes servirá para mais
tarde contribuírem positivamente no Los Uros” e a Escola Adventista. E Pouco tempo depois que foi realizada
meio em que vivem, superando os agora, graças ao trabalho da professo- esta entrevista, soubemos que o go-
problemas. Tive muitas dificuldades, ra Suaña, existe a primeira Instituição verno peruano decidiu dar uma ajuda
especialmente quando estudava, mas de Educação Infantil Sumita de custo para Amalia Suaña e sua
Deus nunca me deixou sozinha. Por Corazón, que significa “belo coração”, escola.
exemplo, lembro-me da época em que em aimará. Neste último caso, as Os editores
meu irmão ficou doente e tivemos que crianças de três a cinco anos assistem
levá-lo para a emergência do hospital. às aulas todos os dias para recebe-
Ele esteve em situação muito grave. rem lições que as fortaleçam em seus
Mais tarde, eu me lembro da época conhecimentos e lhes ajudem a iniciar
em que não tínhamos quase nada um processo adequado de socializa-
para comer, mas meus pais insistiram ção. O plano é que essas crianças con-
que eu tinha que continuar estudan- tinuem seus estudos no ensino funda-
do e orando. Só posso agradecer aos mental na Escola Adventista de Los
meus professores. Eles fortaleceram e Uros e, finalmente, na Universidade
alimentaram minha fé. Finalmente, Adventista Peruana Unión.
deixem-me dizer-lhes: Confiem em
Deus e vocês alcançarão todos os seus
sonhos. Para aqueles que trabalham Estela Tapia (Lic. em Ciências da
ou querem trabalhar com crianças, Comunicação) Prof. Isidro Mamani
ame-as de todo o coração. Há poucas (Departamental de Comunicações
satisfações que são maiores do que ver da Missáo do Lago Titicaca.)
o sorriso de uma criança.

n Pós-escrito
Vale ressaltar que as ilhas de Uros
têm atualmente 43 pequenas ilhas.
Entre elas está o “Templo Flotante de

DIÁLOGO 25 • 2 2013 29
Livros a comunidade (p. 8). Por exemplo, na aplicação do modelo da
pirâmide administrativa para o conceito de indivíduo, “o ser e
Management: o tornar-se”, ele descreve quem nós somos (identidade, espiri-
A Faith-Based Perspective tualidade, valores, caráter, cosmovisão etc.). Os verbos “pensar
Michael E. Cafferky (Pearson Education, e sentir” dizem respeito à consciência de si mesmo, dos outros
2012; 619 págs; capa dura). e do contexto, enquanto que a “ação” enfoca os passos toma-
dos, que afetam não só a própria pessoa, mas também outras
Resenha de Annette M. Gibson e pessoas, incluindo as organizações e a comunidade em geral.
Charles H. Tidwell Jr. Cafferky se refere a essa pirâmide como sendo o dispositivo de
enquadramento para o livro inteiro.
O texto trata de temas comuns à área da administração em
um texto básico, tais como: história da administração, ques-
tões ambientais, administração multicultural, responsabilidade
moral e social, planejamento e tomada de decisão, pensamento
estratégico, gestão de recursos humanos, comunicação, motiva-
Um dos desafios na área de ensino tanto para o professor de ção, liderança, mudança, poder e conflito; e controle de gestão
administração quanto para o estudante cristão é a falta de livros e prestação de contas.
especializados que tratem da integração entre a fé e a aprendi- Um capítulo que distingue o livro é intitulado “Espiritual-
zagem em sala de aula. Management: A Faith-Based Perspective, idade, Fé e Administração” (Capítulo 15). Cafferky identifica
de Michael Cafferky, supre essa lacuna. Neste livro, Cafferky, uma série de aspectos da espiritualidade e destaca as diferenças
professor de Administração de Empresas na Universidade entre religião e espiritualidade. O capítulo, no entanto, não é
Adventista Southern, mostra como a administração pode tão bem estruturado como esperado e não resume adequada-
ser considerada a partir de “uma perspectiva baseada na fé mente o papel da espiritualidade e da fé no trabalho. Na parte
fundamentada em valores e ensinamentos comuns” para os final do texto, uma síntese mais completa da importância da
cristãos. Cafferky parte do princípio de que o leitor reconheça, espiritualidade e da fé na área administrativa teria sido útil.
em primeiro lugar, a importância de uma abordagem sobre a De maior interesse (e ajuda, a partir da perspectiva de
administração que considera a perspectiva pessoal; e, em segun- um professor) é o apêndice sobre os pressupostos da admi-
do, a validade da perspectiva da fé religiosa quando se trata de nistração. Essa discussão sobre os princípios encontrados na
“questões da vida e do trabalho que têm significado e em que maioria dos livros de administração e como essas hipóteses se
os valores são elementos-chave que influenciam” (xv). encaixam na cosmovisão cristã é particularmente útil para os
A metodologia adotada é a de “integrar fé e aprendizagem estudantes e professores que lutam com a integração entre as
na perspectiva da administração” (xx), com uma seção sobre Escrituras e as filosofias de administração tradicionais.
a Bíblia e uma seção sobre administração contemporânea em O início de cada capítulo apresenta um breve relato que
cada capítulo. Essa abordagem paralela permite que o leitor veja destaca o tema central. No final dos capítulos, há um resumo
o que a Bíblia tem a dizer sobre um tópico de gerenciamento bem estruturado. Referências substanciais nas notas finais de
específico e, ao mesmo tempo, descubra o que o pensamento cada capítulo são especialmente úteis para os professores que
atual sobre administração tem a dizer sobre o mesmo tema. O quiserem acompanhar uma citação ou um item particular.
objetivo é que, após a compreensão das duas perspectivas, os Cada capítulo contém também boas questões para discussão e
alunos e professores considerem cuidadosamente o que a pró- exercícios. Finalmente, existem dez relatos sintetizados no fim
pria fé religiosa irá levá-los a fazer em uma situação de gestão do livro que estão integrados aos tópicos dos capítulos por
semelhante (xxi). Cafferky adverte o leitor a não esperar que meio de uma tabela impressa na parte de dentro da capa. Para
as Escrituras respondam cada pergunta sobre administração os professores, esses relatos bem como a tabela são extrema-
nem considerar que as respostas apresentadas sejam sempre mente úteis para discussão dos conceitos em sala de aula.
exclusivas à religião cristã. Ele, no entanto, espera que a partir Management: A Faith-Based Perspective não é um livro para
das reflexões propostas, o leitor considere cuidadosamente quais aqueles que não querem pensar. Felizmente, Cafferky não o
teorias de administração são aceitáveis ​​para a prática da admi- escreveu pensando apenas no aluno. Apesar disso, ele firmou
nistração por parte dos cristãos. os fundamentos sobre a integração proposta, fornecendo
Um ponto central para a compreensão do livro é a explicação informações que vão exigir tanto o ensino cuidadoso (pelo
do modelo da pirâmide administrativa de Cafferky (p. 5). O professor) quanto a reflexão cuidadosa (pelo aluno). Ao alcan-
modelo ilustra três elementos-chave – “ser e tornar-se”, “pensar ce dos professores está um livro a ser utilizado para conduzir
e sentir” e “ação” – em uma pirâmide. Ele oferece inúmeros a aprendizagem em sala de aula, que dá ampla oportunidade
textos bíblicos para ilustrar esses elementos (p. 7) e depois os aos alunos de discutir o assunto a partir de várias perspec-
expande do indivíduo para a organização e, finalmente, para tivas. Não é isso que a integração entre fé e aprendizagem

30 DIÁLOGO 25 • 2 2013
exige? Se assim for, Cafferky deu aos seus leitores um bom social. Situação que, finalmente, pode levar a civilização oci-
ponto de partida. dental ao colapso.
A terceira seção apresenta a importância da KJV para
a comunidade religiosa afro-americana. Considera-se que
Annette M. Gibson (Ph.D., Universidade do Estado de talvez até mesmo no período mais dramático da história do
Washington) é professora emérita, ex-presidente do povo norte-americano – o período de escravidão –, a Bíblia
Hasso Endowed Chair of Business Ethics e ex-reitora da King James tocou a vida daqueles que foram privados de sua
Faculdade de Administração de Empresas na Universidade dignidade e liberdade. Menciona-se como esses escravos, a
Andrews, Berrien Springs, Michigan. Charles H. Tidwell maioria deles analfabetos, ouviram pregadores eloquentes
Jr. (Ph.D., Universidade de Calgary) é decano emérito que liam a Bíblia e contavam suas belas histórias, reprodu-
e ex-reitor da Afiliação e Programas de Extensão da zindo a cadência rítmica das passagens da KJV. Essas pre-
Universidade Andrews. gações alimentaram a esperança de dias melhores em uma
terra melhor. De fato, muitos abolicionistas eloquentemente
“defendiam a liberdade por meio da palavra e do pensamen-
to influenciados pela linguagem e imagens expressivas da
versão King James”.
The Book that Changed the A seção também aborda o impacto da KJV na então
World: The Story of the King recém-fundada Igreja Adventista do Sétimo Dia. Segundo
James Version Woodrow Whidden, a KJV representa uma herança protes-
Editado por Nikolaus Satelmajer tante com a qual os adventistas se identificam fortemente.
(Nampa, Idaho: Pacific Press, 2012; 153 Há uma grande dívida da igreja com a KJV, que teve impac-
p.; brochura) to na formulação teológica e doutrinária da igreja, embora a
posição teológica adventista não esteja exclusivamente vincu-
Resenha de Remwil R. Tornalejo lada à KJV. A Igreja e seus estudiosos, comprometidos com a
Bíblia, reconhecem o valor de outras versões.
A quarta parte do livro descreve como a KJV foi acolhida
por pessoas em uma época em que poucos eram alfabetiza-
dos. O livro destaca que a beleza oral da KJV, sua cadência
Este é um livro comemorativo do 400º aniversário de rítmica, cativou corações e mentes. Não é de estranhar que
publicação da versão King James da Sagrada Escritura os versos da KJV, mais do que qualquer outra obra literária,
(KJV). A obra é composta por 11 capítulos, de autoria de encontraram um lugar em discursos famosos, composições
diferentes colaboradores, e dividida em quatro seções. A dramáticas e outras obras de literatura. Este legado da KJV
primeira seção apresenta uma breve história da Bíblia King continua.
James, também conhecida como Versão Autorizada. A Os capítulos finais do livro, além de reconhecerem a influ-
KJV seria uma versão “refinada” das versões traduzidas por ência de longo alcance da KJV, convidam os leitores para tor-
Wycliff e Tyndale, e de outras traduções em inglês que a pre- nar a Bíblia parte de sua vida diária, comprometendo-se com
cederam. Os capítulos iniciais apresentam o contexto político ela, seja qual for a versão de preferência.
e religioso da Inglaterra durante o século 13, relacionando-o Sendo que grande parte das informações nos capítulos
com a visão da época que objetivava traduzir a Bíblia sem introdutórios do livro não são inéditas, os autores e editores
que houvesse qualquer viés denominacional. poderiam ter evitado discussões sobrepostas de vários temas.
A segunda seção discute o amplo impacto da KJV na vida Ainda assim, a obra como um todo tem muitas contribuições
dos ingleses. Fica evidente que esse alcance se estendia muito positivas. O mais importante é a ênfase na importância da
além da vida religiosa, influenciando no desenvolvimento e Palavra de Deus para a sociedade do passado e contemporâ-
progresso contínuo de outras áreas, como literatura, lingua- nea, que enfrenta desafios de uma época marcada pela cultu-
gem, política, música, arte e história social inglesa. Segundo ra pluralista e pós-moderna.
os autores, a KJV moldou os valores fundamentais da civili- O livro como um todo proporciona uma boa leitura.
zação ocidental, especialmente seus valores democráticos.
O livro levanta uma questão instigante. Atribui o atual
declínio da civilização ocidental ao “contínuo ataque pós-ilu- Remwil R. Tornalejo (mestre em teologia pelo Instituto
minista à autoridade da Escritura judaico-cristã”. Em outras Adventista Internacional de Estudos Avançados nas
palavras, o enfraquecimento da autoridade da Bíblia – um Filipinas).
livro que representa a fibra moral da sociedade do passado e
da contemporânea – tem resultado em decadência moral e

DIÁLOGO 25 • 2 2013 31
Para sua informação

Em resposta a uma requisição feita de Cristo, todos estão unidos pela fé bíteros e diáconos ministram em con-
por um delegado da 59ª Assembleia por meio do batismo (Efésios 4:4-6), textos locais, alguns pastores itinerantes
da Associação Geral em Atlanta, a tornando-se, assim, um sacerdócio real atuam em territórios maiores com
comissão administrativa da conferência com uma missão: “Anunciar as virtudes várias congregações, o que pode refletir
nomeou o Comitê de Estudos sobre dAquele que vos chamou das trevas o ministério de pessoas como Timóteo
Teologia da Ordenação (TOSC). O para a Sua maravilhosa luz” (1 Pedro e Tito (1 Timóteo 1:3, 4; Tito 1:5).
comitê é composto por representantes 2:9, NVI). Os crentes pertencem ao No ato da ordenação, a Igreja confere
da igreja mundial, teólogos, acadêmicos ministério da reconciliação (2 Coríntios autoridade representativa a indivíduos
e leigos. Há representantes de ambos 5:18-20). Eles foram chamados e habi- para o trabalho específico do ministério
os sexos e de diferentes grupos de litados pelo poder do Espírito e pelos para o qual foram designados (Atos
interesse. O comitê reuniu-se em de dons que Ele concede para compor a 6:1-3; 13:1-3; 1 Timóteo 5:17; Tito
julho de 2013, com o resultado de Grande Comissão (Mateus 28:18-20). 2:15). Esse ministério pode incluir
86 votos a favor e 8 contra, o TOSC Embora todos os crentes tenham sido representar a Igreja, proclamar o evan-
emitiu uma declaração de consenso chamados a usar seus dons espirituais gelho, realizar a Ceia e o batismo do
sobre a Teologia de Ordenação. Essa para o ministério, as Escrituras identi- Senhor, plantar e organizar igrejas,
declaração foi submetida ao Concílio ficam posições específicas de liderança orientar e alimentar os membros, opor-
Anual, realizado em outubro de 2013. que são acompanhadas do respaldo se a falsos ensinamentos, prestar servi-
Em 2015, o documento será subme- público da Igreja dado a pessoas que ços em geral para a congregação (Atos
tido à 60ª Assembleia da Associação atendem às qualificações bíblicas 6:3; 20:28, 29; 1 Timóteo 3:2, 4, 5;
Geral, em San Antonio, Texas, Estados (Números 11:16, 17; Atos 6:1-6; 13:1- 2 Timóteo 1:13, 14; 2:2; 4:05; Tito
Unidos. A resolução do TOSC está 3; 14:23; 1 Timóteo 3:1-12; Tito 1:5- 1:5, 9). A ordenação contribui para o
disponível no site do Departamento de 9). Esse respaldo, por vezes, é mani- andamento da igreja, mas não transmi-
Arquivos, Estatísticas e Pesquisa: festado com a “imposição das mãos”. te qualidades especiais para as pessoas
www.adventistarchives.org/about-tosc Versões em português das Escrituras ordenadas, nem introduz uma hierar-
usam a palavra ordenação, traduzida quia monárquica dentro da comu-
Lisa M. Beardsley-Hardy de diferentes termos gregos e hebraicos nidade de fé. Os exemplos bíblicos de
Editora-chefe de Diálogo cujo significado remete às palavras ordenação incluem a doação de uma
seleção ou nomeação. Essas palavras des- taxa, imposição das mãos, jejum e
crevem a posse dessas pessoas em seus oração, e comprometimento daque-
Declaração de respectivos cargos. Ao longo da história les separados pela graça de Deus
Consenso da cristã, o termo ordenação adquiriu
significados diferentes daqueles que ori-
(Deuteronômio 3:28; Atos 6:6; 14:26;
15:40).
Igreja Adventista ginalmente essas palavras significavam. As pessoas ordenadas dedicam seu
Contra isso, os adventistas do sétimo talento ao Senhor e a Sua igreja para
do Sétimo Dia dia entendem a ordenação, em um uma vida de serviço. O modelo fun-
sobre a Teologia sentido bíblico, como a ação da Igreja
em reconhecer publicamente aqueles
dacional da ordenação é Jesus que
nomeou os doze apóstolos (Mateus
da Ordenação a quem o Senhor chamou e capacitou 10:1-4; Marcos 3:13-19; Lucas 6:12-
para o ministério da igreja local e glo- 16). O modelo final do ministério
RECOMENDA-SE adotar o docu- bal. cristão é a vida e obra de nosso Senhor,
mento “Declaração de Consenso da Além do ministério especial exercido que não veio para ser servido, mas para
Igreja Adventista do Sétimo Dia sobre pelos apóstolos, o Novo Testamento servir (Marcos 10:45; Lucas 22:25-27;
a Teologia da Ordenação”, que diz o identifica as seguintes categorias de João 13:1-17).
seguinte: líderes ordenados: ancião/pastor (Atos
Em um mundo alienado de Deus, a 14:23; 20:17, 28; 1 Timóteo 3:2-7;
Igreja é composta por aqueles que Deus 4:14; 2 Timóteo 4:1-5; 1 Pedro 5:1)
reconciliou consigo mesmo e uns com e diácono (Filipenses 1:1; 1 Timóteo
os outros. Com base na obra salvífica 3:8-10). Enquanto a maioria dos pres-

32 DIÁLOGO 25 • 2 2013
EM AÇÃO
Estudante adventista
recebe importante
prêmio na Austrália
Johnny Wong

Garry Kuan, um estudante adven- comunitários e leva pessoas a Cristo? da mensagem adventista. Após ser
tista da Malásia, recebeu o Prêmio Kuan veio para Melbourne há cerca rebatizado, Kuan estava motivado e
Multicultural 2012 por Excelência, de cinco anos. Enquanto era estudante, apaixonado pela missão de comparti-
em Victoria, Austrália. O Prêmio ele participou das séries Discover, de lhar o evangelho na Universidade de
Embaixador VMC (pessoa jovem) Mark Finley, e ficou convencido da Victoria, onde não havia outros estu-
reconhece as realizações de um jovem importância e dos elementos essenciais dantes adventistas. Ele viu o Gateway
em assuntos multiculturais e serviços
comunitários. A cerimônia foi organi-
zada pelo governador de Victoria, Alex
Chernov, e por sua esposa, Elizabeth
Chernov, em Melbourne, Austrália, em
dezembro de 2012. O prêmio foi entre-
gue por Nicholas Kotsiras, ministro de
assuntos multiculturais e de cidadania,
e por Ted Baillieu, primeiro-ministro.
Garry Kuan, o único estudante inter-
nacional a receber um prêmio tão pres-
tigiado, é membro da Igreja Adventista
de Gateway Centre.
Anteriormente, em maio de 2012, o
Conselho de Estudantes Internacionais
na Austrália (organismo que representa
500 mil estudantes internacionais na
Austrália) nomeou Kuan o Estudante
International do Ano, o primeiro estu-
dante adventista a receber essa condeco-
ração na Austrália.
O ancião da igreja de Kuan, John
Kitevski, disse: “Garry é como um
Daniel moderno na Babilônia. Ele não
só se destaca academicamente, mas
também como um ganhador de pes-
soas para Jesus.” De que maneira isso
ocorre? Como é que um estudante de
doutorado, ocupado com especialização
em psicologia do esporte e comprome-
tido com as pesadas exigências da vida
acadêmica, também se dedica a serviços

DIÁLOGO 25 • 2 2013 33
Adventist Center (GAC) plantando comunitários. A Semana Multicultural cientistas do esporte na convenção pré-
igrejas nas Universidades Melbourne e é considerada atualmente como um olímpica, em Glasgow. Depois disso,
Monash e queria que o mesmo aconte- dos dez eventos centrais do calendário ajudou a preparar vários atletas austra-
cesse em sua universidade. anual da universidade. Em 2011, Kuan lianos para eventos olímpicos. Embora
também foi eleito para o Conselho nenhum dos atletas em seu estudo
Serviço comunitário e religioso Universitário, órgão da universidade tenha conquistado medalhas, dois atle-
Kuan estava convencido de que Ellen presidido pelo reitor. Ele também atua tas chegaram entre os melhores em dez
White estava certa quando escreveu como membro de várias comissões da de suas categorias, um resultado acima
que “o Salvador misturava-Se com os universidade. da expectativa.
homens como uma pessoa que Lhes Junto com a ACF, Kuan ministra O serviço comunitário de Kuan
desejava o bem [...]. Ordenava então: aulas semanais gratuitas de violino, não se restringe a atividades esporti-
‘Segue-Me’”.1 Por isso, tomou uma ensinando alunos, funcionários e vas e sociais. Desde que o Australian
resolução: envolver-se com a comunida- comunidades ao redor dos subúrbios de Christian Fellowship começou, o
de, compartilhar o amor de Deus com Melbourne. Por meio dessas aulas, ele Gateway Adventist Centre lançou ati-
os alunos no campus e ganhá-los para tem ensinado mais de 100 pessoas, com vidades de fundação de igrejas na zona
Cristo. Ele fundou um clube de estu- idade entre cinco e 70 anos. A ACF oeste de Melbourne. A igreja Gateway
dantes conhecido como o Australian também executa diversas atividades no West, financiada pela Missão Global,
Christian Fellowship (ACF) no início campus, tais como passeios, aulas de foi inaugurada em agosto de 2012,
de 2008. Com a ajuda do pastor asso- conversação em inglês, seminários sobre tendo Kuan como membro fundador
ciado, dos líderes da igreja e dos mem- carreiras, aulas de culinária e seminá- principal. A igreja cresceu e ganhou 22
bros, a ACF iniciou oferecendo almoços rios bíblicos. membros em quatro anos.
grátis e reuniões de companheirismo. Por sua contribuição com o corpo O exemplo de Garry Kuan e de seus
Desde setembro de 2008, a ACF vem discente e comunidade em geral, Kuan colegas de equipe em testemunhar
operando semanalmente “o grupo de recebeu vários prêmios. Em novembro demonstra um ponto-chave para todos
cuidados”, que se reúne todas as sextas- de 2011, ele recebeu o Atsushi Fujita os estudantes adventistas em universi-
feiras à noite para a comunhão e auxílio Student Research Award, em Taiwan, dades seculares: a excelência acadêmica
mútuo. reconhecendo a importância de sua não é empecilho para o testemunho
Em 2010, por causa de sua dedicação pesquisa para a área do esporte e do espiritual.
em ajudar os alunos no campus, Kuan exercício, psicologia e aprendizagem
foi nomeado presidente da Associação motora na Asian South Pacific Sport
de Estudantes Internacionais da Psychology. Em janeiro de 2012, Johnny Wong é pastor do Gateway
Universidade de Victoria. Ele se Melbourne escolheu Kuan como um Adventist Centre, Melbourne,
destacou ao revitalizar a Semana dos 20 participantes no programa inau- Austrália.
Multicultural da Universidade. Esse gural da cidade International Student
evento havia sido extinto em 2008, mas Leader’s Edge. Em julho de 2012, ele
ele foi capaz de restabelecer o festival foi premiado com uma bolsa de estudos
em que mais de 20 culturas foram para jovens pesquisadores e convidado 1. Ellen G. White, Ciência do Bom Viver (Tatuí,
SP: Casa Publicadora Brasileira, 1942), 143.
representadas por alunos e grupos a apresentar sua tese para os principais

34 DIÁLOGO 25 • 2 2013
DIÁLOGO 25 • 2 2013 35
E s p a n h o l • F r a n c ê s • I n g l ê s • P o r t u g u ê s

A lgumas coisas nunca mudam – assim como


a missão e o foco da Diálogo. Mas outras coisas são
transformadas e ampliadas – é o que acontece com os
novos caminhos para você ter acesso à revista. Além
da versão impressa, Diálogo está disponível online, no
seguinte endereço: dialogue.adventist.org.
No site da Diálogo, você terá a oportunidade de ler
todos os artigos, desde a primeira edição até a mais
recente. Além disso, você poderá ler os artigos em qual-
quer um dos quatro idiomas em que a Diálogo é publi-
cada. Espalhe essa boa notícia para seus amigos e colegas
para que todos tenham acesso à Diálogo. Queremos que
a Diálogo esteja disponível a todas as pessoas em todos
os lugares!

dialogue.adventist.org.

36 DIÁLOGO 25 • 2 2013