Você está na página 1de 40

&

ARQUITETURA AÇO
ARQUITETURA AÇO Uma publicação do Centro Brasileiro da Construção em Aço número 45 março de 2016

AEROPORTOS
Estruturas em aço viabilizam projetos
criativos e garantem rapidez na execução
O Centro Brasileiro da Construção em Aço – CBCA, entidade sem fins lucrativos gerida pelo
Instituto Aço Brasil, procura ampliar e promover a participação da construção em aço no mercado
nacional por meio de ações de incentivo ao conhecimento, divulgação, normalização e apoio
tecnológico. Conheça o CBCA!

Principais ações do CBCA

Cursos online e presenciais

Desenvolvimento de material técnico e didático, como as videoaulas e


manuais da construção em aço, disponibilizados gratuitamente em seu site

Pesquisas anuais junto às principais empresas do setor, traçando um


panorama da evolução e expectativas para o futuro desse sistema no país;

Promoção de palestras e Road Shows gratuitos por diversas cidades brasileiras

Realização do Concurso CBCA para Estudantes de Arquitetura, que


anualmente incentiva a investigação das possibilidades da construção em
aço e a manifestação criativa de alunos de arquitetura de todo o Brasil

Acesse o site
www.cbca-acobrasil.org.br
e descubra tudo que o CBCA tem a oferecer!
editorial

Aço: soluções criativas e


eficazes para aeroportos
Projetados para serem verdadeiros marcos arquitetônicos e servirem de
cartões-postais em algumas cidades do mundo, os projetos de aeroportos cada vez
mais têm adotado soluções em aço, não apenas em função dos exíguos prazos de
execução que precisam ser atendidos, mas, principalmente, pelas vantagens que
o aço oferece, como a flexibilidade para integrar-se aos mais distintos materiais,
facilitando reformas e ampliações; ou, ainda, seus atributos de leveza, racionalidade
construtiva, sustentabilidade e estética, entre outros.
No Brasil, as obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) iniciadas
antes da Copa do Mundo de 2014 pelo Governo, bem como as concessões do Plano
de Investimento em Logística, abriram uma oportunidade para a adoção de melho-
rias nos complexos aeroportuários nacionais e o aço, naturalmente, participa com
destaque nesses projetos. Nos aeroportos de Recife (PE), Guarulhos (SP), Viracopos
(SP), Brasília (DF), Natal (RN) e Curitiba (PR), todos apresentados nesta edição da
revista Arquitetura & Aço, o aço está presente, contribuindo com soluções interes-
santes para viabilizar estruturas, fechamentos e outros elementos, sempre aliando
os aspectos técnicos, criativos e econômicos dos empreendimentos.
Também trazemos o projeto para ampliação do aeroporto de Belo Horizonte
(MG), cuja obra deve ficar pronta até o fim deste ano, empregando 4,8 mil toneladas
de aço em sua estrutura. Em entrevista, o engenheiro e diretor de infraestrutura da
BH Airport, concessionária que administra o aeroporto, Adriano Gonçalves de Pinho,
comenta o avanço no uso do aço em obras desta tipologia no Brasil e no exterior.
Entre os projetos internacionais, destacamos as monumentais estruturas do
belíssimo Aeroporto Internacional de Suvarnabhumi, em Bancoc, na Tailândia. E,
ainda, em uma seção especial, elaborada com a valorosa colaboração do arquiteto
Marcelo Consiglio Barbosa, do Bacco Arquitetos Associados, apresentamos seis casos
de aeroportos nos quais se destacam a criatividade e qualidade técnica dos projetos,
sempre contando com a contribuição fundamental do aço para sua execução.
Boa leitura!

ARQUITETURA&AÇO 1
08.

04. 22.

sumário
Fábio Cortez/NOVO

Arquitetura & Aço nº 45


março 2016

entrevista 14
Adriano Gonçalves de Pinho, engenheiro e diretor
de Infraestrutura da BH Airport, fala sobre o uso do
Foto da capa: aço em aeroportos no Brasil e no exterior
Aeroporto Internacional
de Natal, RN contatOS 36
10. 17. 20.

24. 26. 30.

04. Aeroporto Internacional de Recife, PE: ampliado e modernizado, complexo passa a contar com novo termi-
nal com 52 mil m2 08. Aeroporto Internacional de Guarulhos, SP: design diferenciado das coberturas em aço
marca identidade do novo terminal internacional 10. Aeroporto Internacional de Brasília, DF: opção pelo aço
confere flexibilidade para a integração dos novos espaços e velocidade às obras na ampliação do aeroporto 17. Aeroporto
Internacional de Belo Horizonte, MG: totalmente estruturado em aço, Terminal 2 leva 4,8 mil toneladas do material em
obra que deve ficar pronta até o final do ano 20. Aeroporto Internacional de Natal, RN: arcos de aço vencem vãos
de 30 m e formam a cobertura da área de desembarque 22. Aeroporto Internacional de Viracopos, Campinas,
SP: grandes árvores em aço sustentam a cobertura do terminal de passageiros 24. Aeroporto Internacional de
Curitiba, PR: fechamentos laterais e cobertura em aço são os destaques na reforma do aeroporto 26. Aeroporto
Internacional de Suvarnabhumi, Bangcoc, Tailândia: estruturas em aço permitem vencer vãos de 126 m
30. Especial: arquiteto Marcelo Consiglio Barbosa, do Bacco Arquitetos Associados, seleciona e comenta alguns projetos
internacionais nos quais se destaca o uso criativo do aço
Preparado
para o
futuro
Considerado o mais moderno do Brasil,
intervenção no aeroporto de Recife traz
apuro estético e funcionalidade à obra,
que ganha novas estruturas em aço
em diversos pontos do terminal

Ampliar o Aeroporto Internacional


Gilberto Freyre, de Recife, Pernambuco, de
forma funcional e moderna foi o objetivo
do arquiteto Ubirajara Moretti, do Moretti
Arquitetura, ao projetar as novas estruturas
em aço para o complexo aereonáutico.
O aeroporto, construído originalmente
em 1958, já havia recebido inúmeras refor-
mas, mas entre 2004 e 2011 passou por
uma intensa reformulação arquitetônica
sob o comando do escritório, que viabili-
zou a construção de um novo terminal, com
52 mil m2, um novo conector, quatro pontes
de embarque, além de intervenções na pista
de pouso e decolagem. “Tudo foi feito em aço.
Queríamos deixar as estruturas metálicas
aparentes e não escondê-las. Nossa inten-
ção era mostrar ao público que frequenta o
local como as mesmas são importantes, no
suporte à cobertura e em outros pontos do
aeroporto”, explica o arquiteto.
Conforme revela o engenheiro estrutural
Paulo Trigueiro

Jeferson Andrade, da Andrade Rezende Enge-


nharia, o aeroporto tem piso em concreto,

4 ARQUITETURA&AÇO
Infraero/Divulgação

Na mais recente
ampliação, o
aeroporto Gilberto
Freyre passou a
contar com um novo
mas o seu conector, pontes de embarque e vencendo vãos de 15 m entre os pórticos e terminal com
cobertura são em aço. “Foram usados tubos de 30 m entre os apoios. 52 mil m2, além da
extensão do conector
metálicos retangulares em aço patinável da No embarque, as quatro novas pontes que e quatro novas
classe ASTM A588 em tais elementos”, afirma chegam ao conector, foram projetadas com pontes de embarque,
o engenheiro, que explica que a escolha do estrutura de aço em seções retangulares com todos feitos em aço

aço acaba sendo a mais indicada para esse faces treliçadas, tubos retangulares e quadra-
tipo de intervenção por vencer grandes vãos, dos. Também receberam vidro nas laterais, com
por sua leveza, maleabilidade e facilidade de aço inox na parte superior e chapa metálica
execução. “As estruturas utilizadas no projeto na face inferior. “O desenho das pontes é algo
foram produzidas em fábrica, sendo somente exclusivo. Não há outro igual”, declara Moretti.
montadas na obra por meio de um sistema A estrutura da cobertura também ocupa
de parafusamento”, complementa Andrade. papel de destaque no terminal. Projetada em
aço para cobrir uma área de aproximadamen-
Conexão direta te 26.400 m2, equivalente ao tamanho do Ter-
Parte do projeto inaugurado em 2004, o minal de passageiros, uma estrutura tubular
conector responsável pelo acesso dos passa- em aço patinável foi idealizada, formada por
geiros ao local de embarque também passou pórticos treliçados espaçados a cada 15 m de
por melhorias. seção retangular.
Como uma espécie de grande pris- Segundo Andrade,enquanto os pórticos têm
ma, que imita um caleidoscópio com sete faces treliçadas em tubos quadrados e retangu-
faces, o conector em perfil tubular de aço lares, vigas e terças correm na transversal dos
e vidro ganhou, recentemente, mais 150 m mesmos, formando uma grande grelha espa-
de extensão. Com a expansão, a estrutura cial. “O sistema fica apoiado em tirantes e has-
conta agora com 700 m de comprimento, tes também tubulares, em seções quadradas,

ARQUITETURA&AÇO 5
Paulo Trigueiro

Conectores, pontes de que convergem para os pilares principais da que o ruído das aeronaves causasse descon-
embarque e cobertura obra”, detalha o engenheiro do projeto. forto aos usuários.
receberam tubos
metálicos retangulares
A cor predominante no aeroporto é um Na cobertura, um sistema de telhas do
em aço patinável da azul bem claro, próximo do branco, que con- tipo sanduíche com proteção termoacústica
classe ASTM A588 fere leveza ao ambiente e não o sobrecarrega foi especificado. Segundo Moretti, o mesmo
em função da leveza,
com tonalidades fortes. Como o projeto arqui- permitiu um índice de isolação acústica de
flexibilidade e facilidade
de execução que o tetônico previu o uso de uma grande quan- 40 dB. “O aeroporto de Recife envelhecerá com
material oferece tidade de vidros nos fechamentos laterais e dignidade”, conclui o arquiteto, que vê o pro-
de metal na cobertura, o isolamento acústico jeto como um marco arquitetônico capaz de
ganhou uma atenção especial para impedir vencer a barreira do tempo. (N.L.) M
Fotos Infraero/Divulgação

6 ARQUITETURA&AÇO
> Projeto arquitetônico:
Moretti Arquitetura
> Área construída: 52 mil m²
> Aço empregado: ASTM A588
> Volume de aço: 3,5 mil t
> Projeto estrutural:
Andrade Rezende
> Fornecimento da estrutura
de aço: Medabil Estruturas
Metálicas
> Execução da obra:

Infraero/Divulgação
Construtora Norberto
Odebrecht e Queiroz Galvão
> Local: Recife, PE
> Data do projeto: 2000-2011
> Conclusão da obra: 2011

Integração Intermodal
Em 2014, poucos dias antes de começar a movimentação. Feita em aço e com peso
Copa do Mundo, uma passarela metálica superior a mil toneladas, a passarela
foi inaugurada para ligar o aeroporto ao tem 461,27m de comprimento e 9,6 m
metrô, e também a um dos terminais de largura, além de 15,5 m de altura.
integrados de ônibus. O elemento foi A estrutura foi instalada em frente ao
criado para facilitar o tráfego e acesso portão de embarque e conta com três
dos pedestres ao aeroporto, que se esteiras rolantes e um elevador, que dá
encontra cercado por vias de grande acesso ao interior do terminal integrado.

ARQUITETURA&AÇO 7
Helicamera Imagens Aéreas
Terminal Internacional
Prazo enxuto e vãos de 18 m determinam o uso do aço na estrutura
e cobertura do Terminal 3 do Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo

Em operação desde maio de 2014, o de alto desempenho com telhas zipadas com Com cinco níveis, o edifício
Terminal 3 do Aeroporto Internacional de material isolante termoacústico e placa de do Terminal 3 abriga
um subsolo técnico, um
Guarulhos (SP), exclusivo para voos interna- gesso. “O Terminal foi concebido segundo o piso de chegadas, um
cionais, conta com 2.400 toneladas de aço conceito one roof. Nele, o fluxo de passagei- pavimento de partidas, um
apenas em sua cobertura. Com design dife- ros segue um caminho único até o edifício mezanino de conexão e
outro comercial. O conjunto
renciado, ocupa aproximadamente 33 mil m2 retilíneo, ou píer, onde se encontram as salas
conta com fachadas de
e abriga a área de embarque em um ambien- de espera para as posições de contato com as vidros estruturadas em
te único. O destaque no projeto arquitetô- aeronaves”, explica Almeida. aço, que favorecem a
entrada de luz natural
nico fica por conta da fachada envidraçada Ainda de acordo com o arquiteto, a esco-
e das coberturas, fragmentadas e formadas lha do aço na estrutura da cobertura foi fun-
por planos inclinados – item que, segundo o damentada por determinantes relacionadas
arquiteto responsável pelo projeto, Andrei de ao prazo exíguo para a execução e também
Mesquita Almeida, da Divisão de Edificações e à existência de vãos de até 18 m no projeto.
Aeroportos da Engecorps, marca a identidade “O planejamento da ampliação foi iniciado
do edifício e favorece a entrada de luz natural. em 2012 e a inauguração estava prevista
A estrutura da cobertura foi construída para o primeiro semestre de 2014. Tais con-
em treliças de perfis metálicos, montadas dicionantes fizeram com que a nova admi-
sobre insertes nos pilares de concreto que nistração do aeroporto adiantasse os prazos,
conformam as fachadas do edifício, e aco- nos obrigando a otimizar os processos. Isso
moda, em sua face superior, uma cobertura tornou a arquitetura e a engenharia um

8 ARQUITETURA&AÇO
verdadeiro desafio”, diz Almeida ao lembrar

Fotos Helicamera Imagens Aéreas


da necessidade de concluir 192 mil m2 em
cerca de um ano.
Assim, a eleição de todos os métodos
construtivos adotados esteve em linha com
a determinação de edificar o Terminal em
curtíssimo prazo, permitindo a fabricação
antecipada da estrutura do edifício em diver-
sos canteiros fora do aeroporto para poste-
rior montagem in loco. “O mesmo conceito foi
aplicado na estrutura em aço da cobertura”,
elucida Almeida.
O aço foi empregado largamente na
estrutura de suporte da cobertura, mas apa-
rece, também, na estruturação das fachadas
envidraçadas, nas pré-passarelas de embar-
que, na rampa helicoidal interna e em ele-
mentos como totens das ilhas de check-in,
escadas internas, elevadores panorâmicos e
outros. No total, considerando a cobertura e
as demais estruturas, 5.197 toneladas de aço
foram usadas no novo terminal. (B.L.) M

> Projeto arquitetônico:


Typsa/ Engecorps
> Área construída: 192 mil m² – a área
da cobertura tem 33 mil m²
> Aço empregado na cobertura: chapas
e barras galvanizadas ASTM A572 GR50;
perfis laminados ASTM A572 GR50; tubos
de seção circular ou retangular ASTM A572
GR50; chumbadores galvanizados com porcas
da classe ASTM A563 e ASTM A572 GR50;
parafusos de alta resistência ASTM A325
> Volume de aço: 5.197 t
> Projeto estrutural: Typsa/ Engecorps
> Fornecimento da estrutura de aço:
Brafer Construções Metálicas S/A e CPC
Construções e Processos Científicos Ltda.
> Execução da obra: OAS S/A
> Local: Guarulhos, SP
> Data do projeto: 2013-2014
> Conclusão da obra: 2014

ARQUITETURA&AÇO 9
Foto cedida por CPC ESTRUTURAS
Flexibilidade para
Crescer Rápido
Marcante nas estruturas, fechamentos e na cobertura da recente ampliação do Aeroporto
de Brasília, no Distrito Federal, aço viabiliza a entrega da obra em menos de dois anos

Acima, visão geral da Para que o aeroporto de Brasília execução também ficaram mais organizadas.
estrutura em aço. As peças passasse da quarta para a segunda posição “Tínhamos 18 meses para executar o pro-
chegavam prontas ao
dentre os maiores do país em termos de jeto. Como também precisávamos vencer
canteiro para montagem,
resultando numa obra limpa movimentação de passageiros, a presença grandes vãos, optamos pela solução que fazia
e rápida, sem impactar a do aço em sua ampliação foi fundamental. o uso de peças mais leves e com menores
operação do Terminal. Ao
Segundo a Inframerica, concessionária que dimensões.”
lado, abaixo, o conector
com estrutura em aço liga o administra o local, o material foi imbatível E não foram apenas esses fatores que guia-
Terminal ao novo píer na obra de expansão terminada em 2014 por ram a escolha do material. Conforme aponta
suas propriedades construtivas. Com o uso a concessionária, a flexibilidade do aço, no
do aço, foi possível cumprir um cronograma que diz respeito à integração do mesmo com
mais enxuto, os processos de transporte e outros elementos construtivos, também foi
manuseio foram facilitados, assim como a essencial por não afetar as atividades ope-
montagem e a limpeza. Ou seja, as fases de racionais do Terminal. “A estrutura metálica

10 ARQUITETURA&AÇO
“ Tínhamos 18 meses para
executar o projeto. Como
também precisávamos vencer

grandes vãos, optamos pela
solução que fazia o uso de
peças mais leves e com
menores dimensões.

Fotos cedidas por CPC ESTRUTURAS

ARQUITETURA&AÇO 11
Fotos cedidas por CPC ESTRUTURAS
Acima, os novos píeres estruturados em aço, que acrescentaram 16 pontes de embarque ao aeroporto,
ampliando a área construída de 60 mil para 110 mil m2. Abaixo e à direita, área interna com espaços
comerciais. Em destaque a estrutura com hastes de aço que sustenta a cobertura, também metálica

precisava de apenas quatro pontos de apoio


no percurso entre os píeres e dois pontos de
apoio no conector metálico, que une o píer
sul ao terminal de passageiros antigo. Tam-
bém optamos pelo aço nos fechamentos e na
cobertura da edificação.”

Por dentro do projeto


As intervenções começaram a ser feitas pela
Inframerica a partir de dezembro de 2012,
com a finalidade de aumentar a área cons-
truída de 60 mil m2 para 110 mil m2. Para
tanto, o Terminal 2 passou por reformas e
o Terminal 1 ganhou novas salas de embar-
que: os píeres sul e norte, que recebem pas-
sageiros de voos domésticos. Modernas e
> Projeto arquitetônico: > Projeto estrutural: Engevix
Corporación América e Engevix confortáveis, as novas salas aumentaram a
>  ornecimento da estrutura de
F
> Área construída: 110 mil m² aço: CPC Estruturas Metálicas capacidade do Aeroporto de 13 para 29 pon-
> Aço empregado: perfis soldados, > Execução da obra: Consórcio tes de embarque, permitindo receber até 21
chapas de conexão e base, barras Helvix, composto pelas empresas milhões de passageiros por ano. No píer sul,
redondas e chapa dobrada ASTM Infravix - controlada pelo Grupo
A36; perfis laminados ASTM A572 dez pontes de embarque e cinco conjuntos de
Engevix - e Helport, construtora
GR50; perfis tubulares de seção do Grupo Corporación América esteiras rolantes, com 11 pontos comerciais,
circular ASTM A501 GR B e perfis
tubulares de seção quadrada ASTM
> Local: Brasília, DF são destaque. Já no píer norte, oito fingers e
A500 GR B > Data do projeto: 2012-2014 dois conjuntos de esteiras rolantes, além de
> Volume de aço: 5.200 t > Conclusão da obra: 2014 outros 11 pontos comerciais, estão presentes.

12 ARQUITETURA&AÇO
Ambos os píeres têm áreas de meza-
ninos com fundação e lajes estruturadas
em concreto pré-moldado. Os fechamentos
laterais e a cobertura, por sua vez, aparecem
em aço pintado na cor branca ao lado de
vidros duplos.
Parte das ligações entre os elementos de
aço foi feita com solda e parte, parafusada.
“As duas soluções foram utilizadas na obra,
de acordo com definições técnicas e visando
a facilidade na execução e a melhor gestão

Foto cedida por CPC ESTRUTURAS


dos custos”, pontua a empresa.
As peças em aço chegaram ao canteiro já
prontas para a montagem, sendo movimen-
tadas a partir de guindastes e caminhões
autoportantes. As fundações, por sua vez,
foram executadas com elementos de concre-
to armado pré-moldado. (B.L.) M
Aço: Solução Eficaz para Aeroportos

Engenheiro civil graduado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, Adriano


Gonçalves de Pinho é diretor de Infraestrutura da BH Airport, concessionária do
Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, que atualmente encontra-se em fase
de expansão. Atuou, ainda, em diversos projetos importantes do setor, inclusive
internacionais, como é o caso dos aeroportos de Quito, no Equador; de Curaçao, no
antigo arquipélago das Antilhas Holandesas, e de San José, na Costa Rica.
Pós-graduado em Finanças pelo Ibmec (Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais),
responde desde 2005 pelo desenvolvimento de novos negócios do Grupo CCR, onde
lida com licitações e contratos de concessão aeroportuárias do Brasil e do exterior.

“ O aço apresenta um ótimo custo-benefício, atendendo, principalmente,


os projetos que tenham uma arquitetura mais impactante do ponto de
vista visual, nos quais a forma e a leveza sejam prioridades, e também
onde seja necessário vencer grandes vãos.

AA – Do lançamento do PAC (Programa de
Aceleração do Crescimento) pelo Governo
até agora, com as novas concessões do Plano
de Investimento em Logística, no qual mais
quatro aeroportos serão destinados à ini-
ciativa privada, muitas foram e são as obras
aeroportuárias no Brasil. Como o senhor
avalia a adoção de estruturas em aço para os
empreendimentos dessa tipologia?
Adriano Gonçalves de Pinho – Quando fala-
mos em projetos para a área de transporte pú-
blico, sempre buscamos soluções que tragam
segurança não só para os passageiros que
Leo Drumond/ BH Airport/ Divulgação

circulam nos terminais, mas também para


a comunidade aeroportuária, que trabalha e
vive nas imediações do aeroporto. Não à toa,
o aço costuma ser especificado para esse tipo
de projeto, afinal, além do quesito segurança,
também traz mais agilidade para a constru-
ção. A estrutura metálica, como todos sabem,
é pré-fabricada, chega pronta ao local e exige

14 ARQUITETURA&AÇO
menos mão de obra, o que traz velocidade o melhor dos dois mundos em um projeto
para a construção, além de uma menor inter- a partir de estruturas mistas, em concreto
venção nas áreas já existentes do aeroporto. e aço, seja uma boa solução.
O fato dela ser fornecida de forma modular
e sequencial também acaba favorecendo, e AA – Na construção de pequenos aero-
muito, o cumprimento dos prazos. portos o aço também é uma solução
altamente recomendada?
AA – Foi este o caso do projeto para amplia- AGP – Não necessariamente. O concreto
ção do aeroporto de Belo Horizonte? acaba sendo mais eficiente na presença de
AGP – De fato, com a estrutura metálica po- vãos menores, o que explica a preferência
demos eliminar algumas etapas construtivas, de muitos empreendedores pelo uso do
e, com isso, trazer mais velocidade à obra. O mesmo em pequenos aeroportos do Brasil.
Aeroporto Internacional de Belo Horizonte Claro, nada impede que os pequenos aero-
foi projetado em aço para atender o crono- portos sejam feitos em aço, mas, como dis-
grama do cliente, de 14 meses, para a entrega se anteriormente, isso dependerá de uma
da obra. Para se ter uma ideia, do início dos série de fatores, entre eles da viabilidade
trabalhos até o término da operação, tivemos financeira e dos prazos do empreendedor.
apenas seis meses para concluir a montagem O que ocorre com os pequenos aeroportos
das estruturas de três níveis do local. Elimi- é que muitos deles foram projetados há
namos o concreto dos pilares, das paredes de 30 anos e, naquela época, o concreto era
contenção, vigas e fizemos tudo em aço para mais visado para a maioria dos projetos.
ganhar tempo. A forma de se enxergar a engenharia e os
custos eram diferentes, mas isso mudou.
AA – O senhor acredita que as estruturas Um aeroporto pequeno também pode
unicamente em aço são mais eficientes do contar com as vantagens do aço. Nestes
que as demais nesse tipo de intervenção? casos, é possível optar por uma estrutura
AGP – Cada projeto demanda uma solução e a mais simples, que utilize o aço e que esteja
escolha por uma ou outra estrutura depende- de acordo com os interesses do empreen-
rá de uma série de estudos e fatores. É preciso dedor. Acredito que, em breve, teremos no
considerar a proposta arquitetônica, comer- Brasil muitos aeroportos de pequeno porte
cial e, claro, o desejo e a viabilidade financeira estruturados em aço.
do empreendedor. O aço por si só apresenta
um ótimo custo-benefício atendendo, prin- AA – O senhor mencionou que a forma
cipalmente, os projetos que tenham uma de se enxergar as soluções de engenharia
arquitetura mais impactante do ponto de para os projetos de aeroportos era dife-
vista visual, ou seja, onde a forma e a leveza rente no passado. Qual era o cenário e o
sejam prioridades no projeto. Também acaba que mudou?
sendo mais cotado nos aeroportos quando há AGP – Até a década de 1960, o Brasil era
a necessidade de vencer grandes vãos, acima apaixonado pelo concreto. Contudo, com
de 30 m. Já as estruturas mistas, por sua vez, o passar dos anos, o aço ganhou espaço,
são mais indicadas para garantir uma melhor pois a engenharia evoluiu, a indústria se
estabilidade. Camisas em aço preenchidas desenvolveu e o preço internacional das es-
com concreto são uma excelente combinação truturas metálicas se tornou mais atrativo
para pilares, afinal é preciso uma certa inércia para o mercado. A partir daí, os profissio-
para garantir a estabilidade das estruturas. nais passaram a olhar o aço de uma forma
De qualquer maneira, ainda acredito que unir diferente. Perceberam que eliminar o

ARQUITETURA&AÇO 15
canteiro de obras e deixar que os elementos “ O Aeroporto Internacional de Belo
estruturais fossem feitos em uma fábrica
Horizonte foi estruturado em aço para
traria ganhos expressivos de valores e que as
propostas arquitetônicas seriam beneficiadas
com isso.

AA – Na sua opinião, os projetos de aeropor-


tos nacionais ainda estão muito atrasados
em relação aos internacionais quanto ao
trazer mais velocidade à obra. Nessa
obra, apenas os blocos de fundação são
em concreto. As lajes são do tipo steel
deck, mistas de aço-concreto.

uso do aço nas estruturas?
AGP – Olhando os aeroportos internacionais,
a presença do aço é praticamente unâni-
me. Quase não há projetos dessa tipologia se trata exatamente de uma questão do aço
sem estrutura metálica. Contudo, é preciso ou do concreto em si, mas, sim, do princípio
observar que em outros países, os aeroportos do negócio, da intenção do investidor. Aqui
acabam servindo, muitas vezes, de cartão de no Brasil, no Aeroporto Internacional de Belo
visita institucional, o que explica o inves- Horizonte, além da estrutura totalmente em
timento de companhias em projetos mais aço, também abusamos dos balanços, das
ousados do ponto de vista estrutural. No marquises – generosas em suas dimensões
Brasil, o uso do aço ainda não é tão desen- –, e optamos até pelo aço combinado ao con-
volvido frente aos projetos internacionais, creto na estrutura do viaduto de acesso ao
mas temos bons fornecedores do material. Aeroporto para atender o prazo e as necessi-
Por aqui, ainda vejo que a escolha do aço se dades do cliente com rapidez.
deve mais ao pragmatismo de ser eficiente
do que ao conceito poético que o aço pode AA – É possível afirmar, então, que o Brasil
trazer ao projeto. O custo-benefício fala mais está caminhando para a concepção de pro-
alto. Então, muitas vezes, o arrojo da obra jetos mais ousados?
e a liberdade do arquiteto acabam sendo AGP – Melhoria é uma coisa infinita. Exis-
um pouco limitados em função do quanto tem melhorias importantes tanto no pro-
o cliente está disposto a pagar. Em Pequim, cesso produtivo quanto na montagem das
o aeroporto Deng Xiaoping contou com um estruturas metálicas. Não estamos na Idade
vasto recurso financeiro para favorecer o da Pedra. Acredito que o Brasil de hoje tem
partido arquitetônico, que recebeu um design maturidade para usar as estruturas metáli-
estrutural arrojado e esbelto. Isso também cas em seus projetos aeroportuários e que
ocorreu em outras obras internacionais. Os essa possa ser uma oportunidade para os
aeroportos de Quito, no Equador, de Curaçao, empreendedores, especialmente para aque-
no antigo arquipélago das Antilhas Holan- les que não buscam apenas uma solução
desas, e de San José, na Costa Rica, todos têm tecnológica, mas um conjunto de benefícios,
em comum a presença do concreto e do aço como identidade, proposta de serviço, arrojo
para vencer grandes vãos e trazer ampli- e velocidade construtiva. É fato que ainda
tude e conforto aos locais. No aeroporto de temos muito a desenvolver para que isso
Munique, na Alemanha, a estrutura metálica chegue ao senso comum, mas acredito que
também trouxe destaque à obra. Então, não estamos no caminho certo. (E.Q.) M

16 ARQUITETURA&AÇO
Capacidade Dobrada
Cronograma enxuto e a flexibilidade conferida pelas estruturas metálicas guiam
a ampliação do Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Minas Gerais

Aliado na reforma e ampliação do

Fotos BH Airport/Divulgação
A ampliação permitirá que o
Aeroporto Internacional de Belo Horizonte
Aeroporto receba 13 milhões de
(MG), o aço mais uma vez ganha papel de passageiros por ano, mais do que
destaque por suas propriedades construtivas. o dobro da capacidade atual de
Na obra assinada pelo Bacco Arquitetos Asso- apenas 5 milhões de pessoas

ciados, cuja entrega deve ser concluída até o


fim deste ano, o material foi especificado nas
novas estruturas do complexo aeroportuário
em função da velocidade e flexibilidade que
imprimem ao projeto.
Segundo o arquiteto Marcelo Consiglio
Barbosa, 4,8 mil toneladas de aço estão sendo
usadas na construção do Terminal 2. “O novo
terminal terá mais de 600 m lineares – o equi-
valente em comprimento a seis quarteirões – e
51 mil m2 de área, além de 17 novas pontes de
embarque, que se somarão às nove já existen-
tes”, detalha o profissional.
O acesso ao Terminal 2 se dará a partir de
uma escada monumental e elevadores entre
os pavimentos, além de uma passarela metá-
lica. A ligação formal entre os dois terminais,

ARQUITETURA&AÇO 17
O novo terminal terá mais de 600 m de comprimento e se conectará ao espaço existente por meio de
uma grande cobertura metálica. Pilares, vigas, lajes e coberturas, o aço está presente em toda a obra

 rojeto arquitetônico:
P
Fotos BH Airport/Divulgação

>

Bacco Arquitetos Associados


>  rea construída: 77 mil m²
Á
no Terminal 1 e 51 mil m² no
Terminal 2
>  ço empregado: perfis
A
soldados e chapas de
aço estrutural com LE=350
MPa, perfis laminados
ASTM A572 GR50 e
cantoneiras ASTM A36
> Volume de aço: 4.800 t
>  rojeto estrutural:
P
Grupo 2 Engenharia e
Codeme Engenharia
>  ornecimento da estrutura
F
de aço: Codeme Engenharia
>  xecução da obra:
E
Dan-Hebert Engenharia e
Racional Engenharia
> Local: Confins, MG
> Data do projeto: 2014-2016
> Conclusão da obra: 2016

18 ARQUITETURA&AÇO
BH Airport/Divulgação

entretanto, acontecerá de forma sutil, por guindastes e fixadas por meio de parafusos.
meio de uma grande cobertura, formada por “Com isso, asseguramos uma execução rápida
telhas de aço zipadas e contendo isolamen- e um controle de qualidade único, que só esse
to termoacústico, que parte do Terminal 2 e tipo de sistema construtivo pode trazer.”
avança sobre o primeiro. O engenheiro Renato L. Pompéia Gioielli,
No terminal em construção, perfis solda- CEO do Grupo 2 Engenharia, empresa respon- “ Com o aço,
dos de aço estrutural com LE=350 MPa e lami- sável pelo desenvolvimento do projeto estru-
conseguimos vãos
nados ASTM A572 GR50 estão sendo empre- tural do Aeroporto, dá mais detalhes. “O píer
gados nos pilares, vigas, escadas e estruturas encontra-se apoiado sobre pilares circulares maiores, reduzimos
da fachada. Nas lajes de piso, foram utilizadas metálicos e balanços laterais que contrabalan-
formas metálicas do tipo steel deck. “A estrutu- ceiam o vão principal. A solução permitiu a
o número de pilares
ra metálica do Terminal 2, que mais parece um redução da altura das vigas e minimizou os e minimizamos
píer aéreo em função da quantidade de aviões custos do obra”, afirma Gioielli. “O uso da estru-
interferências na área
que ali ‘atracam’, foi criada a partir do pátio de
aeronaves na diagonal e de forma integrada ao
terminal para abrigar instalações comerciais.
A implantação de uma praça de movimenta-
ção automatizada de bagagens também está
tura metálica nesse projeto foi o mais indicado
por se tratar de uma ampliação. Com o aço, con-
seguimos vãos maiores, reduzimos o número
de pilares e minimizamos interferências na
área de circulação das aeronaves e demais vias
de circulação das
aeronaves e demais

prevista para o local”, explica Barbosa. operacionais. As estruturas metálicas também vias operacionais
No píer, que tem pé-direito de 9,5 m e ajudaram nos prazos de execução.” Eng. Renato L. Pompéia
estruturas em aço que vencem vãos de até Com a ampliação do Aeroporto, a expecta- Gioielli, CEO do Grupo
Dois Engenharia
30 m, o processo de montagem segue sem tiva é que o complexo administrado pela BH
entraves. Segundo o arquiteto, as peças fabri- Airport passe a receber 13 milhões de passagei-
cadas pela Codeme Engenharia chegam pré- ros por ano até o fim de 2016; sua capacidade
-pintadas à obra, são içadas com o auxílio de atual é de apenas 5 milhões de pessoas. (E.Q.) M
Fotos BH Airport/Divulgação

ARQUITETURA&AÇO 19
Estética e funcionalidade
Cobertura arqueada em aço é destaque no saguão de embarque
do Aeroporto de Natal, no Rio Grande de Norte

O Aeroporto de Natal, sediado no muni- A área do terminal de passageiros tem dois Arcos em aço que vencem vãos
de 30 m conferem beleza e
cípio vizinho de São Gonçalo do Amarante níveis operacionais, acrescidos de dois níveis
funcionalidade ao aeroporto
(RN), foi inaugurado em 2014, após dois anos de apoio. No térreo concentram-se as opera-
de obras executadas pela Inframerica, que ções de desembarque e no primeiro andar, os
assumiu o empreendimento em regime de fluxos de embarque. Os pisos intermediários
concessão. Por buscar uma concepção flexí- contam com escritórios, áreas técnicas e cir-
vel e modulada, que pudesse ser facilmente culações verticais. A cobertura, por sua vez,
expandida no futuro, a concessionária priori- com telhas metálicas e vidro, propicia uma
zou o uso do aço nas estruturas do Aeroporto, iluminação natural e contribui para a econo-
especialmente nos fechamentos e cobertu- mia de energia do Terminal. E é justamente a
ras do local. “O aço tem papel relevante no cobertura o diferencial do projeto.
projeto por proporcionar rapidez e facilida- Com desenho diferenciado e em forma
de de manuseio, logística e transporte. As de arco, a cobertura da área de desembarque
estruturas metálicas foram escolhidas por do Aeroporto de Natal estende-se por uma
reduzirem o prazo técnico da obra, por sua das extremidades do saguão até o viaduto de
leveza e estética”, afirma o engenheiro José acesso de automóveis, do outro lado. “Vigas
Luis Menghini, presidente da Inframerica. em perfil do tipo I soldadas formam um arco

20 ARQUITETURA&AÇO
Fotos divulgação
com raios de dimensões variadas, apoiados res internos, todos metálicos, sustentando as > Projeto arquitetônico:
em pilares tubulares”, explica Giovani Toscan, terças e treliças”, detalha o profissional. Corporación America
e Engevix
gerente de engenharia da Dagnese, empresa A estrutura da cobertura do saguão é com-
> Área construída:
responsável pelo projeto de ligações e forneci- posta por terças formadas por tubos quadra- 66.538,78 m²
mento das estruturas metálicas. dos, apoiados em tesouras treliçadas, forma- > Aço empregado: perfis
Segundo o profissional, os arcos vencem das por tubos de seção circular. As tesouras, soldados, chapas planas
e chumbadores ASTM
um vão de 30 m e sustentam terças tubula- por sua vez, estão apoiadas em colunas tubu-
A36, perfis laminados
res quadradas, além de perfis dobrados a frio. lares também circulares. “Cada tesoura foi ASTM A572 GR50, perfis
Cada segmento do arco é composto por 11 per- montada por meio da união de três segmen- tubulares circulares ASTM
fis metálicos, que foram parafusados para a tos com o uso de parafusos. Após a monta- A501 GRB, perfis tubulares
retangulares ASTM A500
pré-montagem in loco. Os arcos foram içados gem, as tesouras foram içadas e posicionadas”, GRB, perfis formados a
e posicionados para a conclusão do travamen- lembra Favreto. frio ASTM A570 GR33 e
to da estrutura. Pontes fixas, núcleos de embarque e prédios parafusos ASTM A325 N

“No plano transversal, garante-se estabi- anexos, como a cobertura do estacionamento,


> Volume de aço: 1.368 t
> Projeto estrutural:
lidade com o trabalho aporticado do arco e foram inteiramente executados com estrutu-
Helport SA
colunas. No plano longitudinal, contraventos ra metálica. “As seis pontes fixas que unem o
> Fornecimento da
transmitem os esforços horizontais para os núcleo ao saguão de embarque são tubulares, estrutura de aço: Dagnese
núcleos rígidos de concreto e para uma coluna com fechamento em vidro, e apresentam piso Soluções Metálicas

metálica tubular próxima”, descreve Toscan. em steel deck”, exemplifica Favreto. > Execução da obra:
Consórcio Construtor
A cobertura do nível superior do Termi- A estrutura metálica começou a ser exe-
Engeport
nal apoia-se em um único pilar intermediário, cutada em abril de 2013, com o início do envio > Local: São Gonçalo do
também metálico, a partir do saguão inferior, de materiais para o canteiro. Em fevereiro de Amarante, RN
segundo Jonatas Favreto, coordenador de pro- 2014, a mesma já havia sido inteiramente con- > Data do projeto: 2012-2014
jetos da Dagnese. “No saguão inferior, há pila- cluída. (E.C.L.) M > Conclusão da obra: 2014

ARQUITETURA&AÇO 21
ÁRVORES DE AÇO
Hastes de aço compõem estruturas semelhantes a árvores e são o grande destaque na concepção
estrutural do novo terminal de passageiros do Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP)

O novo terminal de passageiros é sua vez, recebeu as hastes da copa”, explica > Projeto arquitetônico:
uma das novidades da ampliação e moder- Ewerton Amaral, diretor-presidente da Emtec Naco (Netherlands Airport
Consultants)
nização do Aeroporto Internacional de Construções Metálicas. “Nas copas, o nosso
> Área construída: 178 mil m²
Viracopos, em Campinas (SP), e nele as estru- grande desafio foi encontrar uma solução de (novo terminal) e 150 mil m²
turas é que chamam a atenção. montagem rápida para cumprir o cronograma (edifício-garagem)
Na obra iniciada em 2012 e que ocupa da obra. Por isso, optamos por ligações parafu- > Aço empregado: ASTM A36
178 mil m2 de área construída, 35 “árvores” sadas para a conexão das hastes, que formam e ASTM A572
> Volume de aço: 11,3 mil t
com hastes metálicas – como galhos – sobre um quadrado de 10 x 10 m e pesam 48,5 tone-
> Projeto estrutural: Naco
pilares de concreto marcam o entorno e con- ladas cada conjunto.”
>  ornecimento da estrutura
F
ferem identidade ao conjunto. “Trata-se de Montadas no solo, as copas foram içadas
de aço: Acciaio, Emtec e
uma construção monumental, com módulos e instaladas sobre os pilares de concreto. “Elas DMC
de 30 m. A solução em aço foi a opção para foram pré-montadas no chão, onde receberam > Execução da obra:
vencer os grandes vãos previstos no projeto”, fechamento superior em claraboia”, afirma CCV (Consórcio Construtor
de Viracopos) e Aeroportos
explica Ricardo Constantino, diretor de enge- Amaral, que reforça que as claraboias foram
Brasil Viracopos
nharia do aeroporto. adotadas por permitirem a redução do consu- > Local: Campinas, SP
No terminal, as copas das árvores estru- mo energético no Aeroporto. > Data do projeto: 2012-2016
turais têm quatro hastes de aço cada, estão > Conclusão da obra:
dispostas sobre pilares de concreto em sete Montagem industrializada o píer A ficou pronto em 2014
eixos e cumprem a função de sustentar a Na fase de montagem das estruturas, em e o píer C foi entregue em
março desse ano
cobertura – também metálica e parcialmente cada linha de cinco pilares, dois guindastes
arqueada. “Os chumbadores na cabeça de cada atuavam simultaneamente. Enquanto um
pilar receberam uma cruzeta em aço, que, por dos equipamentos, com capacidade para

Viracopos EMTEC

22 ARQUITETURA&AÇO
750 toneladas, viabilizava o içamento de
três copas em uma das laterais do terminal,
o outro, com capacidade para 400 toneladas
concluía o levantamento de outras duas copas
do lado oposto. Os módulos das treliças tam-
bém foram pré-montados no solo, içados e
posicionados entre as árvores para garantir o
travamento do conjunto.
“Cada árvore tinha altura diferente, ou seja,
não havia repetitividade nas peças, e por isso
tivemos de executar as hastes previamente,
a partir de chapas planas em nossa fábrica”,
conta Amaral. “Os perfis receberam jateamento
em granalha de aço e demão de tinta epóxi
Os "galhos" em aço formam 35 árvores que sustentam a cobertura e conferem identidade
poliamida. Uma demão de tinta poliuretano marcante ao Terminal. As hastes de aço chegaram prontas ao canteiro da obra, onde foram
acrílico alifático, com espessura de 60 microns, pré-montadas em solo, aparafusadas e, a seguir, içadas sobre os pilares de concreto
foi utilizada no acabamento.”
Além da estrutura da cobertura, o aço foi
Fotos Viracopos EMTEC

empregado nos fechamentos laterais a partir


de perfis laminados com alturas superiores a
20 m. “As colunas, engastadas na base e fixadas
no topo, na estrutura da cobertura têm espaça-
mento de 5 m e receberam vigamento secun-
dário”, diz Amaral, que lembra que a estrutura
também contou com uma malha de tubos qua-
drados para apoiar os painéis de fechamento
lateral. “A montagem da estrutura metálica foi
feita em seis meses.”
Segundo Ricardo Constantino, o aço aparece
em destaque nas lajes do Terminal e nos conec-
tores de embarque. “Os quatro pavimentos
descontínuos, incluindo lajes técnicas, foram
executados em steel deck. Já os 28 gates, que
saem dos píeres e constituem a estrutura de
aproximação das aeronaves, têm estruturas e
fechamentos metálicos.”
Desde março, todos os voos domésticos
estão sendo atendidos pelo novo terminal. O
píer D, destinado aos voos internacionais, será
finalizado até dezembro. A expectativa de Cons-
tantino com o novo terminal é que o mesmo
possa ampliar a capacidade de passageiros
do Aeroporto de 10,3 milhões por ano, para
25 milhões até o final de 2016. A meta é que, até
2042, após novos ciclos de investimento, o Aero-
porto possa receber 80 milhões de passageiros
por ano. (E.C.L.) M

ARQUITETURA&AÇO 23
Diferencial em Aço
Aço tem papel-chave na ampliação e modernização do Aeroporto de Curitiba
(PR), que utilizou chapas de aço pré-pintadas no revestimento das fachadas

de Engenharia dos Estados Unidos, e passou Estruturas metálicas usadas


na ampliação dialogam com a
por diversas modernizações ao longo das últi-
concepção original do Aeroporto
mas décadas para favorecer os passageiros. e modernizam a área de
As obras da ampliação mais recente – que embarque e desembarque.
Em dezembro passado, foram
tiveram início em 2013 e foram concluídas
inauguradas oito novas pontes
neste ano – permitirão elevar o fluxo de passa- de embarque, 32 balcões de
geiros dos atuais 8,5 milhões para 14,8 milhões check-in, cinco esteiras de
Infraero/Divulgação

de usuários, segundo projeções da Infraero. bagagem, oito elevadores, oito


escadas rolantes, além de
Ao comentar o projeto, o arquiteto Paulo uma nova estrutura de canais
José Malucelli, do PJJ Malucelli Arquitetura e de inspeção e banheiros. Já
Engenharia, reforça que a escolha do aço, que em março, áreas comerciais e
administrativas, bem como novas
foi empregado nos fechamentos laterais, nas vias de acesso, foram entregues
coberturas e nas pontes de embarque, se deu
Ampliar e modernizar um aeropor- por conta da versatilidade, leveza e também
to em pleno funcionamento não é tarefa resistência do material.
Infraero/Divulgação

fácil. No projeto de ampliação do Aeroporto Perfis de aço tubulares curvos formam


Internacional Afonso Pena, de Curitiba (PR), a estrutura de sustentação da cobertura,
esta foi a principal condicionante no plane- que recebeu telhas metálicas trapezoidais
jamento elaborado pela equipe do escritório calandradas e pré-pintadas. Já os fecha-
PJJ Malucelli Arquitetura e Engenharia para mentos laterais foram idealizados em perfis
realizar as obras em três anos, e a premissa de aço por sua leveza plástica e facilidade
Consórcio IQS/PJJ

que levou à escolha do aço como protagonista de instalação.


do projeto. E são justamente estes fechamentos que
Localizado no município de São José dos trazem um diferencial arquitetônico e visual
Pinhais, na região da Grande Curitiba, o Aero- ao projeto. Externamente, os mesmos confe-
porto foi originalmente construído em concre- rem uma identidade particular à obra em fun-
to e aço durante a Segunda Guerra Mundial, ção das cores adotadas nas chapas metálicas
em 1945, em cooperação com o Departamento pré-pintadas que revestem a fachada, com-

24 ARQUITETURA&AÇO
pondo um grande mosaico. “Com esse design,
viabilizamos uma leitura contemporânea do
projeto, que também ganhou destaque e con-
traste junto às pontes de embarque, pintadas
em um vermelho bem vivo”, explica Malucelli.
O Aeroporto ganhou oito novas pontes de
embarque fixas, em aço, com dimensões entre
15 m e 25 m, que levam, cada uma, aproxi-
madamente 20 toneladas de aço ASTM A588,

Consórcio IQS/PJJ
de maior resistência à corrosão atmosférica.
“os materiais foram escolhidos para manter a
unicidade do projeto estrutural do Aeroporto”,
complementa o arquiteto. (N.L.) M
Fechamentos laterais em aço trazem modernidade à fachada do aeroporto

> Projeto arquitetônico:


PJJ Malucelli Arquitetura e
Engenharia
> Área construída: 77 mil m²
> Aço empregado: ASTM A570 e
A36, aço patinável ASTM A588
> Volume de aço: 1.110 t
> Projeto estrutural: Andrade
Rezende Engenharia de Estruturas
>  ornecimento da estrutura de
F
aço: Februce Estruturas Metálicas
Consórcio IQS/PJJ

> Execução da obra:


Sial Engenharia e JL Construtora
> Local: Curitiba, PR
> Data do projeto: 2013-2016
> Conclusão da obra: 2016

ARQUITETURA&AÇO 25
NAVEGAR É PRECISO
Gigantescas estruturas em aço do Aeroporto Internacional de Bangcoc, na
Tailândia, impressionam e parecem flutuar ao vencerem vãos de até 126 m

Ora um barco, ora um templo. ções e, também, às embarcações que atraves- Acima, estrutura da
Decifrar com precisão o design do Aeroporto sam os canais, parecendo flutuar a partir de cobertura do Suvarnabhumi
mede 567 x 210 m e é
Internacional de Suvarnabhumi, em Bangcoc, suas estruturas em balanço.
composta por placas de aço
na Tailândia, é um desafio tão grande quanto Segundo o arquiteto Helmut Jahn, do escri- soldadas, que formam
a tarefa de entender a arquitetura multifa- tório que assina o projeto, a estrutura da cober- oito vigas supertruss
(supertreliçadas)
cetada da cidade, que mistura elementos do tura do Suvarnabhumi mede 567 x 210 m e é
passado, como suntuosos templos budistas composta – em grande escala – por placas de
banhados a ouro, a modernos arranha-céus aço soldadas, que formam oito vigas super-
urbanos; e no aeroporto projetado por um truss (supertreliçadas) e vencem um vão cen-
consórcio liderado pela JAHN Architecture em tral de 126 m na face norte do Aeroporto. Nos
1995, esta ambiguidade é evidente. dois extremos do complexo, 16 supercolunas
Tal como a cidade, a construção idealizada – também em aço – auxiliam na sustentação
a partir de gigantescos elementos em aço faz, das estruturas metálicas da cobertura – cada
em duas frentes, alusão às grandiosas edifica- uma delas com 42 m de balanço.

26 ARQUITETURA&AÇO
Rainer Viertlböck

Carl D'Silva
Rainer Viertlböck

Já nos terminais de passageiros, o aço


Rainer Viertlböck

está presente nos cabeamentos e estrutu-


ras que sustentam as superfícies em vidro.
A escolha dos materiais foi motivada pela
leveza que conferem às fachadas e, ainda,
por questões sustentáveis, como garantir
um melhor aproveitamento da iluminação
natural e reduzir o consumo energético do
Aeroporto. “Com o aço, minimizamos os ele-
mentos de apoio, possibilitando aumentar a
transparência e garantindo, inclusive, a pre-
sença de uma iluminação natural constante”,
conta Carl D’Silva, vice-presidente e arquite-
to da JAHN Architecture.

ARQUITETURA&AÇO 27
> Projeto arquitetônico: Murphy Jahn
Fotos Rainer Viertlböck Architects (atual JAHN), como designer
líder da joint venture MJTA
> Área construída: 563 mil m²
> Aço empregado: tubos ST 52-3, aço
ASTM A36, aço inox AISI 304 e AISI 316
> Volume de aço: 60 mil t
> Projeto estrutural: Werner Sobek
Stuttgart e John A. Martin e Associados
> Fornecimento da estrutura de aço:
Yongnam, Mannesmann, Pfeifer, Brugg,
Arcus e Kinzi Thailand
> Execução da obra: ITO Joint Venture:
Italian Thai, Takenaka e Obayashi
> Local: Bangcoc, Tailândia
> Data do projeto: 1995-1999
> Conclusão da obra: 2006

28 ARQUITETURA&AÇO
Túneis de aço
Os terminais de embarque e desembarque
são como grandes túneis que se estendem por
todas as faces do aeroporto. Neles, um conjun-
to de vigas treliçadas em formato de arco dá
sustentação ao sistema de revestimento, que
combina vidro laminado e uma membrana de
tela translúcida, instaladas de forma intercala-
da, favorecendo a iluminação natural e, ainda,
conferindo um bonito efeito estético à noite.
Tanto para o interior quanto para o exte-
rior do complexo, D’Silva explica que foram
utilizadas ligas de aço inoxidável AISI 304 e
316, “selecionadas por sua aparência superior,
durabilidade e qualidade”. Nas estruturas que
precisaram receber pintura anticorrosiva, um
sistema de alto desempenho com três camadas
de poliuretano foi aplicado. “O Suvarnabhumi
surge como um Aeroporto moderno, que serve
como uma espécie de portão de entrada para a
Tailândia do século 21”, conta D’Silva.
Considerado uma “obra-prima do traba-
lho interdisciplinar entre arquitetos e enge-
nheiros”, o aeroporto Suvarnabhumi é fruto
de uma parceria internacional entre o arqui-
teto e engenheiro estrutural Werner Sobek,
o engenheiro mecânico Matthias Schuler e o
arquiteto Helmut Jahn.
Localizado no Círculo de Fogo do Pacífico
– uma das regiões geologicamente mais instá-
veis do mundo –, o projeto encontra-se a 24 km

Rainer Viertlböck
a leste de Bangcoc, tem 51 portões de embar-
que, 69 áreas para aeronaves e recebe, anual-
mente, mais de 45 milhões de pessoas. (M.P.) M

Ao lado, terminais de
Carl D'Silva

embarque e desembarque se
estendem como se fossem
túneis por todo o Aeroporto a
partir de estruturas metálicas
em formato de arco com 27 m

ARQUITETURA&AÇO 29
Especial: Referências Criativas

PRONTOS PARA DECOLAR


Aeroportos no mundo ganham curvas e formatos emblemáticos a partir do uso do aço em suas
estruturas. Conheça projetos que se tornaram, ou ainda irão se tornar, referência para o setor

Cada vez mais aeroportos em todo o mundo têm adota- bizantina”, diz o arquiteto Marcelo Consiglio Barbosa, do Bacco
do soluções em aço em suas estruturas e coberturas. A ousadia Arquitetos Associados, que vai além. “Estruturas metálicas em
dos projetos lançados, que, inspirados em formas orgânicas ou formato de árvore, para sustentar a cobertura, também têm
em elementos regionais, precisam de estruturas mais flexíveis sido comuns desde a inauguração do Aeroporto de Stuttgart, na
e leves para atingirem o objetivo proposto pelos escritórios de Alemanha, criada pela parceria entre Frey Otto e Meinhard von
arquitetura, recomenda a opção pelo aço. “Não há como negar Gerkan. Coberturas de grandes dimensões, mas com uma leveza
que, hoje, a questão cultural, da regionalidade e da forma tem similar à de uma membrana, também são uma constante em
falado mais alto nos projetos contemporâneos, colocando as muitos projetos.”
estruturas metálicas em evidência. Enquanto no Aeroporto do A seguir, e com a ajuda de Barbosa, apresentamos alguns
México temos uma cobertura em formato de águia ao lado casos que mostram porque o aço tem conquistado tantos pro-
de uma serpente, na Rússia a inspiração vem de uma catedral fissionais pelo mundo todo. (E.Q)

Aeroporto Internacional da Cidade do México – Benito Juárez


Projeto arquitetônico: Foster + Partners, FR-EE/ Fernando Romero Enterprise e Naco (Netherlands Airport Consultants) • Área construída: 470 mil m²
Local: Cidade do México, México • Data do projeto: 2014 • Conclusão da obra: 2014-2020

Imagens divulgação

Ousadia e regionalidade marcam a arquitetura do novo e icônico Aeroporto Internacional da Cidade


do México, apresentado em setembro de 2014. Projetado por Norman Foster, em parceria com o
mexicano Fernando Romero, a obra, que deverá ficar completamente pronta em 2020, tem consultoria
da Naco (Netherlands Airport Consultants) e se destaca por suas formas e apelo estético baseado na
cultura local. No Aeroporto, que ocupará uma área de 470 mil m2, vãos superiores a 100 m – três
vezes mais do que os encontrados em um complexo aéreo tradicional –, ditam o uso do aço não
só nas estruturas, mas em toda a cobertura do Terminal. Assim, tal como uma enorme membrana,
o sistema pré-fabricado que reveste o Aeroporto com vidros terá a função de garantir a eficiência
energética e o conforto termoacústico local. Monumental, o projeto terá tudo para ser o – se não um
dos – mais sustentáveis do mundo.

30 ARQUITETURA&AÇO
Aeroporto Internacional de Shenzhen Bao'an, China
Projeto arquitetônico: Studio Fuksas • Estruturas, fachadas e projeto paramétrico: Knippers Helbig Advanced Engineering • Área construída: 500 mil m²
Local: Guangdong, China • Data do projeto: 2008-2013 • Conclusão da obra: 2013
Imagens divulgação

Sexto maior da China, o Aeroporto Internacional de


Shenzhen Bao'an, tal como muitos outros no mundo,
também tem no seu caráter estético, regional e estrutural
a sua maior força. Projetado pelo Studio Fuksas, o
complexo aéreo lembra, externamente, uma grande
arraia feita a partir de estruturas em aço, com aberturas
zenitais em formato de colmeia na cobertura, que
também se repetem no interior do Aeroporto – tudo para
favorecer a iluminação natural. E se por fora a forma
orgânica é valorizada, internamente o apelo futurista é o
grande destaque, no qual as chapas de aço usadas nos
fechamentos conferem um visual arrebatador ao Terminal
3. “Além da questão regional e da forma orgânica, temos,
nesse Aeroporto, essa espécie de pele na cobertura, muito
usada em outras construções no mundo, que serve não só
para conferir identidade ao projeto, mas, também, resolve
bem a questão termoacústica local, trazendo, ainda, luz
natural para o interior do edifício”, explica Barbosa.

ARQUITETURA&AÇO 31
Especial: Referências Criativas

Aeroporto Internacional de Stuttgart, Alemanha


Projeto arquitetônico: Meinhard von Gerkan • Local: Stuttgart, Alemanha • Data do projeto: 1998 • Conclusão da obra: 2000-2004

Imagens divulgação

Um dos primeiros a contar com uma estrutura de pilares de aço em formato de árvore para a sustentação da cobertura, o Aeroporto de Stuttgart, na Alemanha, foi
projetado por Meinhard von Gerkan e Frey Otto em 1998 e, desde então, tem sido considerado uma referência para o setor. Na obra, 18 árvores metálicas cumprem a
função de sustentar o telhado escalonado, trazendo um diferencial arquitetônico ao projeto, cujas fachadas em vidro conferem iluminação natural ao interior do edifício.

“A estrutura metálica em árvore inspirou muitos outros profissionais de arquitetura a buscarem esta solução em seus projetos. Ela é ideal para a cobertura de aeroportos
que precisam vencer grandes vãos ou necessitam de um melhor aproveitamento visual do espaço para favorecer os passageiros”, pontua Barbosa.

32 ARQUITETURA&AÇO
Aeroporto Internacional de Istambul, Turquia
Projeto arquitetônico: Grimshaw Architects, Nordic Office of Architecture e Haptic Architects • Área construída: 1 milhão de m² • Local: Istambul, Turquia
Data do projeto: 2014-2019 • Conclusão da obra: 2019
Imagens divulgação

Impressionante por suas dimensões e projetado para receber 150 milhões de passageiros por ano, o Aeroporto Internacional de Istambul, na Turquia, ocupará uma área
de 1 milhão de m2 e deverá ser um hub internacional. O projeto arquitetônico, assinado pelo Grimshaw em parceria com o Nordic Office of Architecture e Haptic Architects,
será construído na costa do Mar Negro e terá a maior cobertura já vista nesse tipo de construção. As estruturas metálicas do terminal principal, inspiradas na arquitetura
local, servirão de base para a sustentação da cobertura abobadada, que viabilizará a entrada difusa da luz a partir de painéis perfurados, nos quais grandes claraboias se
destacarão. “O projeto segue o mesmo conceito do Aeroporto de Stuttgart, em que pilares metálicos em formato de árvores atendem à função de sustentar a cobertura”,
reforça Barbosa. Em Istambul, os pontos que receberão mais luz natural destacarão áreas importantes do terminal, como os guichês de check-in, segurança, controle
de passaportes e área de comércios.

ARQUITETURA&AÇO 33
Especial: Referências Criativas

Aeroporto Internacional de Pulkovo, Rússia


Projeto arquitetônico: Grimshaw Architects, Ramboll, Pascall+Watson Architecture • Área construída: 110 mil m² • Projeto estrutural: Arup
Local: São Petersburgo, Rússia • Data do projeto: 2012-2014 • Conclusão da obra: 2014

Inspirado na arquitetura local, o Aeroporto de Pulkovo, na Rússia, tem


nas estruturas e na cobertura metálica o seu diferencial. No interior da
construção, pilares em concreto suportam uma estrutura metálica que
vence grandes vãos e dá sustentação à cobertura em aço dourada
do Terminal. O edifício, com um formato afunilado e multifacetado,
remete à arquitetura bizantina das catedrais. “O maior destaque
dessa cobertura, que se assemelha a um diamante, é, talvez, sua
função de suportar condições atmosféricas rigorosas e resistir à neve,
por exemplo. Os pilares do Terminal, estruturados como árvores,
evidenciam como esse tipo de solução está em alta nas construções
de todo o mundo”, pontua Barbosa.

Imagens divulgação

34 ARQUITETURA&AÇO
Aeroporto Internacional de Kansai, Japão
Projeto arquitetônico: Renzo Piano Building Workshop e Ove Arup & Partners • Área construída: 300 mil m² • Local: Osaka, Japão
Data do projeto: 1988-1994 • Conclusão da obra: 1994

Estruturas metálicas curvas são o destaque do Aeroporto


de Kansai, no Japão. Projetado por Renzo Piano, na Baía
de Osaka, o complexo aéreo de 1,7 km de extensão foi
construído sobre uma ilha artificial para resistir a terremotos,
e conta com uma cobertura arrojada e funcional. Com um
formato ondulado e feita a partir de chapas de aço, a
mesma foi projetada para orientar e facilitar a distribuição
de ar no complexo aéreo, e também para refletir a luz
natural que adentra o interior do edifício pelas claraboias
presentes no teto. Conforme relata Renzo Piano, o telhado
é formado por uma série de arcos metálicos de diferentes
dimensões e por vigas tridimensionais de 80 m que
seguem, de forma assimétrica, o desenho da cobertura.
Em sua composição, foram empregados 82 mil painéis
de aço inoxidável. “A estrutura dessa obra é fantástica,
pois se apoia em um embasamento de concreto, mas
Imagens divulgação

é praticamente inteira metálica e feita para resistir a


terremotos”, pontua Barbosa.

ARQUITETURA&AÇO 35
contatos

> Escritórios Naco (Netherlands Airport Engecorps Engenharia S/A. Codeme Engenharia Construtora Norberto
de Arquitetura Consultants) www.engecorps.com www.codeme.com.br Odebrecht
www.naco.nl www.odebrecht.com
Engevix CPC Estruturas Metálicas
Bacco Arquitetos Associados Nordic Office of Architecture www.engevix.com.br www.cpcestruturas.com.br Dan-Hebert Engenharia
www.bacco.com.br nordicarch.com www.danhebert.com.br
Grupo 2 Engenharia Dagnese Soluções Metálicas
Corporación America Ove Arup & Partners www.grupo2.com.br www.dagnese.com.br Helport SA
www.corporacionamerica.com/ www.arup.com www.arhelport.com
helport Helport SA Emtec Construções Metálicas
Pascall+Watson Architecture www.arhelport.com Ltda Infravix
Engecorps Engenharia S/A. www.pascalls.co.uk www.emtec.eng.br www.infravix.com.br
www.engecorps.com John A. Martin e Associados
PJJ Malucelli Arquitetura e www.johnmartin.com Februce Estruturas Metálicas ITO Joint Venture: Italian Thai
Engevix Engenharia www.februce.com.br www.itd.co.th
www.engevix.com.br www.pjjmalucelli.com.br Knippers Helbig Advanced
Engineering Kinzi Thailand JL Construtora
FR-EE / Fernando Romero Ramboll www.knippershelbig.com www.kinzi.co.th www.construtorajl.com
Enterprise www.ramboll.com
www.fr-ee.org Werner Sobek Stuttgart Medabil Estruturas Metálicas OAS S/A
Renzo Piano Building www.wernersobek.de www.medabil.com.br www.oas.com
Foster + Partners Workshop
www.fosterandpartners.com www.rpbw.com Pfeifer Obayashi
> ESTRUTURA METÁLICA www.pfeifer.de www.obayashi.co.jp
Grimshaw Studio Fuksas
grimshaw-architects.com Acciaio Construções Yongnam Racional Engenharia
www.fuksas.it Metálicas Ltda. www.yongnam.com.sg www.racional.com
Haptic Architects www.acciaio.com.br
hapticarchitects.com > PROJETO Sial Engenharia
> EXECUÇÃO DA OBRA
ESTRUTURAL Arcus www.sial.eng.br
Jahn Architects www.arcuswire.com Aeroportos Brasil Viracopos
www.jahn-us.com Andrade Rezende Takenaka
Engenharia de Estruturas Brafer Construções Civis e www.viracopos.com
www.takenaka.co.jp
Meinhard von Gerkan www.andraderezende.com.br Montagem Ltda Construtora Queiroz Galvão
www.gmp-architekten.com www.brafer.com www.portal.queirozgalvao.com
Codeme Engenharia
Moretti Arquitetura www.codeme.com.br Brugg
www.morettiarquitetura.com.br www.bruggcables.com

expediente
Revista Arquitetura & Aço é uma publicação Roma Editora Endereço para envio de material:
trimestral do CBCA (Centro Brasileiro da Rua Barão de Capanema, 343, 6º andar Revista Arquitetura & Aço – CBCA
Construção em Aço) produzida pela Roma Editora CEP 01411-011 – São Paulo/SP Av. Rio Branco, 108 – 29º andar
CBCA: Av. Rio Branco, 108 – 29º andar Tel.: (11) 3061-5778 20040-001 – Rio de Janeiro/RJ
20040-001 – Rio de Janeiro/RJ cbca@arcdesign.com.br
Tel.: (21) 3445-6332 Tiragem: 5.000 exemplares
cbca@acobrasil.org.br Direção Distribuídos para os principais escritórios
www.cbca-acobrasil.org.br Cristiano S. Barata de engenharia e arquitetura do país,
construtoras, bibliotecas de universidades,
GESTOR: INSTITUTO AÇO BRASIL Coordenação Editorial professores de engenharia e arquitetura,
Eliane Quinalia
prefeituras, associações ligadas ao segmento
Conselho Editorial da construção e associados do CBCA.
Carolina Fonseca – CBCA Redação
Eneida Jardim - CSN Bruno Loturco, Eduardo Campos Lima, Eliane
Humberto Bellei – Usiminas Quinalia, Mônica Pileggi e Nicole Lallé É permitida a reprodução total dos textos, desde
Rosane Beviláqua – Gerdau que mencionada a fonte. É proibida a reprodução
Silvia Scalzo – ArcelorMittal Tubarão Revisão das fotos e desenhos, exceto mediante autorização
Deborah Peleias expressa do autor.
Supervisão Técnica
Arq. Silvia Scalzo Edição de arte
Cibele Cipola
Revisão Técnica
Arq. Roberto Inaba Design
Luiz Marques
Publicidade
Ricardo Werneck: (21) 3445-6332

números anteriores
Os números anteriores da revista Arquitetura & Aço estão disponíveis para download na área de biblioteca do site: www.cbca-acobrasil.org.br
A&A nº 01 - Edifícios Educacionais A&A nº 16 - Coberturas A&A nº 29 - Lazer e Cultura
A&A nº 02 - Edifícios de Múltiplos Andares A&A nº 17 - Instituições de Ensino II A&A nº 30 - Construção Sustentável
A&A nº 03 - Terminais de Passageiros A&A nº 18 - Envelope A&A nº 31 - Construções para Olimpíadas
A&A nº 04 - Shopping Centers e Centros Comerciais A&A nº 19 - Residências II A&A nº 32 - Instalações Comerciais II
A&A nº 05 - Pontes e Passarelas A&A nº 20 - Indústrias II A&A nº 33 - Hotéis
A&A nº 06 - Residências A&A Especial - Copa do Mundo 2014 A&A nº 34 - Shopping Centers
A&A nº 07 - Hospitais e Clínicas A&A nº 21 - Aeroportos A&A nº 35 - Hospitais e Edificações para a Saúde
A&A nº 08 - Indústrias A&A nº 22 - Copa 2010 A&A nº 36 - Pontes e passarelas
A&A nº 09 - Edificações para o Esporte A&A nº 23 - Habitações de Interesse Social A&A nº 37 - Estádios da Copa 2014
A&A nº 10 - Instalações Comerciais A&A nº 24 - Metrô A&A nº 38 - Mobilidade Urbana
A&A nº 11 - Retrofit e Outras Intervenções A&A nº 25 - Instituições de Ensino III A&A nº 39 - Varandas, Mezaninos e Escadas
A&A nº 12 - Lazer e Cultura A&A nº 26 - Mobilidade Urbana A&A nº 40 - Residências
A&A nº 13 - Edifícios de Múltiplos Andares A&A nº 27 - Soluções Rápidas A&A nº 41 - Centros de Pesquisa e Tecnologia
A&A nº 14 - Equipamentos Urbanos A&A nº 28 - Edifícios Corporativos A&A nº 42 - Especial 10 anos
A&A nº 15 - Marquises e Escadas A&A Especial - E stação Intermodal de Transporte A&A nº 43 - Edifícios Multiandares
Terrestre de Passageiros A&A nº 44 - Centros de Distribuição e Logística

36 ARQUITETURA&AÇO
CURSOS ONLINE

Introdução à Construção em Aço

Sistemas Estruturais em Aço

Dimensionamento de
Estruturas de Aço (básico)

Dimensionamento de
Estruturas de Aço (avançado)

Execução de Estruturas de Aço

Mais informações:

www.cbca-acobrasil.org.br
Tubos estruturais Vallourec.
Qualidade máxima para a expansão
do Aeroporto de Confins.
vallourec.com/br

Mais competitividade, economia e vantagens para o seu negócio. Os tubos


estruturais Vallourec oferecem a melhor solução para grandes vãos, reduzindo
significativamente os custos de execução do projeto.

Presente nas obras de expansão do Aeroporto Internacional Tancredo Neves,


em Confins, as soluções tubulares da Vallourec garantem resistência adicional
a esforços de compressão, torção e efeitos combinados.

Excelência comprovada em outros importantes aeroportos do Brasil e que


chega agora a Minas Gerais. A Vallourec é líder mundial em soluções tubulares
premium e atende aos setores petrolífero, industrial, automotivo, de energia e
da construção civil.

Vallourec. A solução para grandes desafios.

vendas.estrutural-bra@vallourec.com | +55 (31) 2102-4511