Você está na página 1de 13

Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.

br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 4 • Número 12 • maio 2014
Edição Especial • Homenageado
F E R N A N D O T A R A L L O

VERTENTES DA SOCIOLINGUÍSTICA NO BRASIL

Ricardo Cavaliere (UFF)


cavaliere@oi.com.br

RESUMO: Este texto discorre sobre as origens da Sociolinguística, com referência aos fatores de caráter
historiográfico que deram oportunidade a seu surgimento como área específica da Linguística no século
XX. Em aditamento, o texto oferece um breve panorama da Sociolinguística no Brasil, suas vertentes
teóricas, sua presença no ensino da língua vernácula e na formação do professor de português.

PALAVRAS-CHAVE: Sociolinguística; origens, Brasil.

ABSTRACT: This text discusses the origins of sociolinguistics, with reference to the main
historiographical factors that gave opportunity to its emergence as a specific área of linguistics in the
20thcentury. In addition, the text offers a brief overview of sociolinguistics in Brazil, including its
theoretical aspects, its presence in the teaching of vernacular language and in the training of language
teachers.

KEYWORDS: Sociolinguistics; origins; Brazil

1. Breve relato sobre as origens da Sociolinguística

Em um de seus estudos sobre a história recente da Linguística (1991), Konrad


Koerner traça instigante comentário sobre o surgimento da Sociolinguística como ramo
bem definido da Linguística no século XX. A análise oferecida por Koerner se faz
introduzir por uma lamentosa (e recorrente) constatação de que há entre os linguistas
uma insaciável busca de novidade, de novas ideias e teorias, fato que, aliado à pouca
importância que ordinariamente se confere ao estudo histórico da ciência, acaba por dar
ares de ineditismo a teses que, rigorosamente, não vão além de uma nova “rotulagem”
de antigos conceitos. Como atesta Koerner, “o passado é logo esquecido, e as pessoas
ficam felizes por pertencer a um presente ultramoderno que nos oferece a promessa de
tornar-se o futuro” (1991, p. 57)1.

1
No original, “the past is soon forgotten, and people are happy to be part of a trendy present which holds
out the promise of becoming the future”.

Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai. 2014 612
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 4 • Número 12 • maio 2014
Edição Especial • Homenageado
F E R N A N D O T A R A L L O

A par desse fato, verifica-se igualmente que um dado ramo da ciência


linguística costuma subdividir-se em subáreas no decurso do tempo, que posteriormente
se tornam tão distintas entre si que dificilmente alguém alheio aos estudos
historiográficos poderá imaginar que tenham partilhado o mesmo berço. No caso da
Sociolinguística, hoje, podemos identificar a vertente laboviana2, conhecida como
Sociolinguística variacionista, além do ramo mais vinculado à Sociologia, a que
Koerner prefere denominar Sociologia da Linguagem3; tome-se, ainda, o programa
baseado na Antropologia e na Etnografia4, sem contar com a mais recente abordagem
interacionista, vinculada ao contato interpessoal direto em situações discursivas
específicas, cujos vínculos também se associam à Análise do Discurso.

A história da Sociolinguística no século XX, como assinala Koerner (1991:57),


carece de estudos mais aprofundados. As informações disponíveis dão conta de uma
Sociolinguística derivada dos estudos românicos, em especial os dedicados à
dialetologia, mas as fontes de que nos servimos, decerto, não são definitivas a respeito
dessa origem, não obstante viável do ponto de vista historiográfico. Koerner conduz-nos
à leitura dos extensíssimos três volumes que compõem a coletânea Sociolinguistics
(2006[11988]), organizada por Ulrich Ammon, Norbert Dittmar, Klaus J. Mattheiere
Peter Trudgill, no qual há uma seção dedicada à história da Sociolinguística.

Uma pesquisa mais acurada sobre as fontes da Sociolinguística que floresceu na


segunda metade do século XX conduz o historiógrafo à interseção de vertentes de
pesquisa linguística, geográfica e antropológica (com sensível viés etnográfico) a partir
da segunda metade do século XIX. A rigor, a concepção de língua como fato social,
presente na obra de William Dwight Whitney (1827-1894) e, mais tarde utilizada por

2
Atribui-se ao texto The Social Stratification of English in New York City (1966), publicado por Labov na
década dos anos 60, o ponto de partida da Sociologia variacionista, que viria a ser mais sedimentada
teoricamente no texto Sociolinguistic Patterns (1972).
3
Esta corrente, pautada nas teses de Basil Bernstein (1960) sobre comportamento humano e padrões de
linguagem, gerou vários trabalhos na área da criminologia, em frequente associação com princípios
comportamentais agasalhados pela Psicolinguística (Cf. Brown, 1990). Sobre a visão sociolinguística de
Bernstein e seus conflitos com a Linguística teórica, leia Atkinson (1985).
4
Em especial, a obra de Hymes (1977, 1983).

Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai. 2014 613
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 4 • Número 12 • maio 2014
Edição Especial • Homenageado
F E R N A N D O T A R A L L O

Ferdinand de Saussure (1857-1913) na edificação da dicotomia langue-parole5, resulta


de uma contrarreação às ideias naturalistas de August Schleicher (1821-1868), que
concebiam a língua como organismo vivo, portanto independente do homem e dotado
de autonomia do ponto de vista ontológico. Daí advém, decerto em face de um candente
embate de epistemes nos últimos decênios do século XIX, uma concepção humanística
de língua, absolutamente antagônica à concepção biológica, que a situaria como fruto da
organização do homem em sociedade.

A mudança de paradigmas que se observa nesse momento da história da


Linguística dá oportunidade a uma inevitável aproximação entre os estudos sobre a
língua e as pesquisas antropológicas que cuidavam da expansão e espraiamento da
cultura humana em várias regiões do globo terrestre, de que decorrem os primeiros ecos
de uma Geografia Linguística de caráter eminentemente sociológico. O estudo da
mobilidade humana, de seu inventário cultural e de sua expressão pela língua criam as
bases de uma Sociolinguística que, em princípio, ocupou-se primacialmente das
questões dialetológicas e dos fundamentos da mudança linguística. Vale aqui lembrar
uma passagem de Whitney (1867, p. 404) que bem expressa essa nova visão do
fenômeno linguístico:

A fala não é propriedade pessoal, mas social; ela pertence não ao indivíduo,
mas ao membro da sociedade. Nenhum elemento de uma língua existente
resulta do indivíduo; por tal motivo, podemos enfaticamente asseverar que
tal elemento não pertence à língua enquanto não for aceito e utilizado pelos
demais membros da sociedade. O desenvolvimento total da fala, embora
deflagrado por atos individuais, é operado pela comunidade 6

Não se estaria, pois, distante da verdade ao se afirmar que as fontes da


Sociolinguística que se sedimentaria nos novecentos estão no amplo campo da

5
Tem-se acatado a hipótese de que Saussure tomou ciência do conceito de fait social não em Durkheim,
mas pela leitura da obra de Whitney (cf. Koerner, 1973), mas não se pode asseverar que a mera omissão
de Durkheim em Saussure signifique que o mestre genebrino desconhecia a obra do sociólogo francês.
6
No original: “Speech is not a personal possession, but a social; it belongs, not to the individual, but to
the member of society. No item of existing language is the work of an individual; for what we may
severally choose to say is not language until it be accepted and employed by our fellows. The whole
development of speech, though initiated by the acts of individuals, is wrought out by the community”.

Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai. 2014 614
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 4 • Número 12 • maio 2014
Edição Especial • Homenageado
F E R N A N D O T A R A L L O

Geografia linguística do século XIX, aqui entendida em sentido lato, que envolve
igualmente os trabalhos na área da Antropologia Linguística e da Etnolinguística, os
quais buscavam, em perspectiva histórica, descrever a formação da civilização ao longo
do tempo. Destaquem-se, assim, no tocante à participação da Linguística nesse cenário
tão amplo e diversificado, os estudos dialetológicos, intimamente ligados às questões
macroculturais que estavam no escopo dos cientistas, tais como religião, arte e moral.
Entender as variantes linguísticas decerto contribuía para o igual entendimento dos
valores que conferiam distinção entre povos e mesmo entre grupos étnicos dentro de
uma mesma comunidade social7.

A linha genealógica que vincula a Geografia linguística do século XIX à


Sociolinguística XX é convincentemente descrita por Konrad Koerner (1991:62), que,
em magistral demonstração de acurada pesquisa biobibliográfica, estabelece vínculos
acadêmicos entre linguistas que tinham como traço comum o interesse pelo dialetologia
e pela mudança linguística. A relação entre Saussure e Whitney, já aqui referida, teria
germinado o conceito social de língua que o mestre genebrino desenvolveria no Cours;
durante o período em que trabalhou na École dês Hautes Études de Paris, entre 1881 e
1891, Saussure teve como aluno mais brilhante o francês Antoine Meillet(1866-1936),
que, a seu turno, foi professor de André Martinet (1908-1999). A importância da ligação
entre Saussure e Martinet para a história da Sociolinguística, segundo Koerner, está no
fato de que o linguista francês estudou variantes dialetais do francês, e também porque
“Labov, assim como Meillet e Martinet, sempre se interessou particularmente pelas
questões relacionadas à mudança linguística” (Koerner, 1991, p. 61)8.

Em prosseguimento à linhagem genealógica proposta, Koerner destaca o fato de


André Martinet haver lecionado na Universidade de Columbia, onde foi professor de
Uriel Weinreich (1926-1967), cuja tese de doutoramento seria publicada sob o título de
Languages in contact (Weinreich, 1953). Por fim, basta arrematar com a informação de
que William Labov desenvolveu seus estudos avançados em Linguística sob orientação

7
Uma preciosa bibliografia sobre a relação entre a Linguística, a Antropologia e a Etnologia (até os anos
60 do século passado) é oferecida por Goodell (1964).
8
No original, “Labov, like Meillet and Martinet, has always been particularly interested in questions of
language change”.

Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai. 2014 615
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 4 • Número 12 • maio 2014
Edição Especial • Homenageado
F E R N A N D O T A R A L L O

de Weinreich, com quem, inclusive, publicou, em companhia de Marvin Herzog (1927-


2013), um dos clássicos da teoria contemporânea sobre mudança linguística (Weinreich
et ali, 1968). Desses fatos, chega-se à seguinte linhagem9:

De Whitney a Labov

Whitney

Saussure

Meillet

Martinet

Weinreich

Labov

Figura 1: Genealogia da Sociolinguística segundo Konrad Koerner (1991, p. 62)

O foco da análise laboviana, que também se pode atribuir a Weinreich, é a


variação de uso da língua no contexto social e as implicações que essa variação projeta
no percurso da mudança da língua. Evidente que os resultados de uma pesquisa
desenvolvida segundo esses parâmetros nos confere ganhos significativos no tocante ao
próprio conhecimento do sistema linguístico, de que decorre hoje termos uma profícua
literatura linguística, atinente a línguas particulares, que descrevem acuradamente
formas variáveis no âmbito da fonologia, da morfologia, da sintaxe, etc., a par de
estabelecerem com exação em que segmentos da variação diastrática e diatópica essas
formas se manifestam.

A Sociolinguística variacionista, pois, é um modelo que trabalha no âmbito da


microlinguística, razão por que jamais contribuiu – sequer era seu escopo fazê-lo – para

9
O próprio Konrad Koerner reconhece a relativa “simplicidade” desta relação genealógica entre a
Geografia linguística e a Sociolinguística, que se revela carente de maiores evidências biográficas e
bibliográficas. A proposta, entretanto, a par de sua verossimilhança histórica, respalda-se nas reiteradas
referências e agradecimentos que Labov dedica em sua obra às figuras de Weinreich, Meillet e Saussure.

Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai. 2014 616
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 4 • Número 12 • maio 2014
Edição Especial • Homenageado
F E R N A N D O T A R A L L O

o entendimento da linguagem humana em âmbito universal. Por outro lado, o modelo


laboviano auferiu o mérito de construir uma linguística a um tempo sincrônica, já que
afeita à descrição de uma estado de língua (notadamente o estado contemporâneo) e
diacrônica10, pois carregava, como ainda carrega, para o âmbito da mudança linguística
as conquistas da análise empírica. Entende-se assim como e por que as línguas mudam
mediante estudo de suas variantes de uso.

Esse o fundamento de uma “linguística pancrônica”, ou de uma “sincronia a


serviço da diacronia”, conforme define acertadamente Mary Kato: “se a língua em cada
fase apresenta variação entre formas velhas e novas, é possível buscar no presente as
pistas para a língua do passado" (Kato, 1993, p.14). O variacionismo, assim, cuidou dos
usos das formas linguísticas unitárias, identificando os fatores de caráter linguístico e
extralinguístico que dão cabimento à variação. A lacuna do modelo está justamente na
relação entre os resultados da descrição variacionista e o funcionamento do sistema
linguístico. Em outros termos, a Sociolinguística de Labov espraia-se amplamente na
descrição da língua em uso, mas não dá conta de uma indagação: o falante usa a unidade
linguística de acordo com a função que ela tem no sistema, ou essa função é
determinada justamente pelo uso que dela faz o falante?

A busca da resposta a essa indagação representa um desvio de rota na genealogia


da Sociolinguística que nos oferece Konrad Koerner no quadro 1, especificamente na
pessoa de André Martinet (1908-1999). Rigoroso crítico do formalismo
“ensimesmado”, Martinet adverte que o estudo das unidades linguísticas só tem
cabimento em face da função que elas exercem no discurso, na construção frasal eleita
pelo falante, ou seja, uma unidade só pode ser considerada linguisticamente relevante se
for usada com valor funcional específico na construção do texto11. De certa forma, a
linha que vincula o estruturalismo ao funcionalismo de Martinet está na avaliação das
unidades sistêmicas ou estruturais da língua; a distinção está em que, no estruturalismo

10
Não poucos a denominam “pancrônica”. Nessa linha, leia Borba (1967:44).
11
Nas palavras de Martinet, a concepção realista da estrutura linguística como traço distintivo da
realidade da língua corre o perigo de ser confundida com a ingênua suposição de que tudo que está
fisicamente presente na língua é parte dessa realidade, sem leva em conta se exerce uma função e qual é
essa função (1971, p. 18).

Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai. 2014 617
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 4 • Número 12 • maio 2014
Edição Especial • Homenageado
F E R N A N D O T A R A L L O

dogmático, as unidades são avaliadas no plano da langue saussureana, ao passo que, na


ótica funcional, são consideradas pela função que desempenham no sistema em uso, ou
seja, no plano da parole saussureana.

Surge, assim, o conceito de pertinência comunicativa, decorrente do uso que o


falante faz das unidades linguísticas (no plano fonológico, sintático etc.)12. Situa-se, no
funcionalismo de Martinet, a ponte que vincula o formalismo estruturalista com os
fundamentos da Sociolinguística, uma vez que somente pelo estudo da língua em uso,
no corpo social, se pode verificar a pertinência comunicativa das unidades linguísticas a
que se refere o linguista francês. Em outros termos, o funcionalismo em Martinet
constitui uma vertente do estruturalismo que Sociolinguística distinta da que se
desenvolveu a partir de Labov, menos afeita ao empiricismo dos dados estatísticos e das
variantes de uso, mas igualmente livre das amarras que prendiam os modelos formais
aos limites do sistema.

O avanço de um estruturalismo funcionalista, simpático à análise da língua no


corpo da sociedade, para um funcionalismo efetivamente vinculado ao campo da
sociolinguística evidencia-se na obra de Eugenio Coseriu (1921-2002), Simon Cornelis
Dik (1940-1995), Michael Halliday, entre outros linguistas contemporâneos que fundam
o denominado funcionalismo europeu13. Conclui-se, assim, que em Martinet a
Sociolinguística subdivide-se em uma bifurcação que conduz de um lado ao
variacionismo de Labov e, de outro, ao funcionalismo de Coseriu, Dik e Halliday14.

2. A Sociolinguística no Brasil: influências e parâmetros.

12
Nas palavras de Martinet, a concepção realista da estrutura linguística como traço distintivo da realidade
da língua corre o perigo de ser confundida com a ingênua suposição de que tudo que está fisicamente
presente na língua é parte dessa realidade, sem leva em conta se exerce uma função e qual é essa função
(1971, p. 18).
13
O Funcionalismo europeu distingue-se do denominado “Funcionalismo Baseado no Uso” ou
Funcionalismo da Costa Oeste Norte-Americana, conforme afirma Joan Bybee (1999), por uma distinção
teleológica: enquanto o Funcionalismo europeu atribui o desempenho linguístico do falante às
possibilidades que lhe confere o sistema, o Funcionalismo Norte-Americano acredita que é o sistema se
amolda à maneira como a língua é usada pelo falante.
14
Leia, a respeito Feuillard (2012). Advirta-se, entretanto, não haver, do ponto de vista biográfico,
qualquer evidência de um contato direto entre Coseriu e Martinet.

Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai. 2014 618
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 4 • Número 12 • maio 2014
Edição Especial • Homenageado
F E R N A N D O T A R A L L O

Dos nomes até aqui citados, muitos tornaram-se fonte doutrinária direta dos
estudos sociolinguísticos no Brasil. A influência sobretudo de Coseriu e sua visão
linguística tridimensional em “sistema, norma e fala” (1979) deixa marcas teoréticas
bem nítidas na produção linguística brasileira do final do século XX, pelo que se
percebe, por exemplo, em Bechara (1999), cujas teses sobre descrição linguística
seguem os parâmetros estabelecidos pelo mestre romeno, sobretudo quanto à presença
de uma exemplaridade normativa no corpo da sociedade, que se expressa por um
conjunto de isoglossas consolidado historicamente e que se estabiliza pela escolha de
gerações sucessivas por cumprir o papel de comunicação mais eficientemente.

Com justeza, reconhece Maria Helena de Mouta Neves (1999) o pioneirismo de


Evanildo Bechara, ao lado de Rafael Eugenio Hoyos Andrade, quanto à aplicação da
vertente funcionalista nos estudos linguísticos brasileiros, o primeiro quanto às teses
coserianas, o segundo na linha teórica de André Martinet. O funcionalismo em Coseriu
e Martinet, como vimos, é uma rota oblíqua do estruturalismo que buscava analisar os
elementos sistêmicos em face de sua função, não apenas nos limites de sua forma ou
organização estrutural, de que resultou necessariamente levar em conta a figura do
falante como atribuidor dessas funções várias que uma mesma forma estrutural assume
no discurso. Aqui, situa-se a porta aberta que propiciou ao funcionalismo acesso à seara
mais ampla da sociolinguística.

A Linguística de Labov, por seu turno, chegou-nos indiretamente pela


construção de modelos de pesquisa de campo15, destinados ao levantamento dos fatos
linguísticos à luz de variáveis sociais. Desses modelos, puderam-se estabelecer
parâmetros de uso do português brasileiro em face de caraterísticas pessoais do falante,
tais como sexo, nível de escolaridade, idade, origem geográfica etc., de que decorreu,

15
Cite-se aqui o Projeto de Estudo da Norma Linguística Culta de Algumas das Principais Capitais do
Brasil. Implantado no Brasil sob inspiração do Proyecto de Estudio Del Habla Culta de lãs Principales
Ciudades de Hisponamerica, idealizado por Juan Blanch, o Projeto Nurc, como ficou posteriormente
conhecido, instalou-se sob coordenação geral de Nélson Rossi e, no Rio de Janeiro, sob responsabilidade
de Celso Cunha (1917-1989). Um relato sobre a formação do Nurc encontra-se em Silva (1996); em
aditamento, faculta-se ao consulente a consulta ao corpus do Nurc do Rio de Janeiro em
http://www.letras.ufrj.br/nurc-rj/.

Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai. 2014 619
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 4 • Número 12 • maio 2014
Edição Especial • Homenageado
F E R N A N D O T A R A L L O

posteriormente, uma ampla construção de corpora de pesquisa em língua oral que até
hoje vêm sendo usados em trabalhos de descrição linguística.

Coube a Fernando Tarallo (1951 – 1992), no hoje clássico A pesquisa


sociolinguística (1985), trazer para os leitores brasileiros os fundamentos do
variacionismo laboviano em obra de caráter didático e bem objetivo, sem descurar da
exposição conceitual aprofundada acerca do objeto de pesquisa e da metodologia com
que se busca analisá-lo. Decerto que antes de Tarallo, como já se observou, as ideias de
Labov já habitavam os meios acadêmicos, mas não com a dimensão exponencial que
passaram a usufruir após a publicação do opúsculo com que Tarallo discorre acerca de
questões práticas, tais como a operacionalização do modelo variacionista, o conceito de
variável, informante, encaixamento etc., bem como a metodologia de aplicação de testes
e formulação de questionários. Talvez tenha sido a feição extremamente prática e
objetiva de A pesquisa sociolinguística que não só tenha tornado o livro um grande
sucesso editorial, como também um potente propulsor da pesquisa variacionista no
Brasil, o que se comprova facilmente pelo número de projetos, grupos de pesquisa, teses
e dissertações que se vêm produzindo nesse campo nas últimas três décadas16.

Após a obra pioneira de Tarallo, outros compêndios deram seguimento à difusão


da teoria laboviana no Brasil (cf. Molica e Braga, 2003), de que decorreu maior difusão
das bases teóricas e metodológicas que dão amparo à pesquisa de campo. Essa
contribuição, sem dúvida, atuou positivamente na criação de inúmeros grupos de
pesquisa ora em pleno funcionamento, a maioria de cunho interinstitucional, dedicados
ao levantamento das variantes de uso do português brasileiro em todas as áreas do
estudo linguístico, sobretudo a da fonética e da sintaxe17.

Refira-se aqui, necessariamente, a um depoimento expressivo da Prof.ª Cláudia


Roncarati (1947- 2011) sobre o panorama dos estudos sociolinguísticos no Brasil 18, em
face de seu desenvolvimento nos últimos decênios. Nesse documento, Roncarati confere

16
Um tentáculo da Sociolinguística variacionista se estende na Sociolinguística quantitativa, campo em
que se desenvolvem instrumentos estatísticos destinados ao tratamento dos dados obtidos em pesquisa.
Sobre o tema, leia necessariamente Zilles e Guy (2007).
17
Sobre grupos de pesquisa brasileiros dedicados à Sociolinguística variacionista, leia Salomão (2011).
18
Entrevista à Revista Icarahy. Niterói: Universidade Federal Fluminense, n. 5, 2011.

Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai. 2014 620
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 4 • Número 12 • maio 2014
Edição Especial • Homenageado
F E R N A N D O T A R A L L O

um perfil mais amplo aos domínios da Sociolinguística brasileira, nos quais se inscreve
uma macroárea que inclui a dialectologia, a crioulística, o bilinguismo e
multilinguismo e a linguística histórica. A presença da linguística histórica na ótica de
Roncarati talvez se justifique em face das recentes aplicações de conceitos
sociolinguísticos à sócio-história do português do Brasil, campo de ampla e pujante
produção nos últimos anos19.

No plano internacional, a macroárea sociolinguística vislumbrada por Roncarati


decerto comporta o estudo das variantes de uso do português no âmbito da lusofonia,
com reflexos para a difusão da língua de Camões em todos os veículos de comunicação,
bem como a sua avaliação como instrumento de convergência em um cenário cultural
tão diversificado como o que nos oferecem os países lusofalantes. Nesse sentido, o
estudo das variedades do português europeu, americano, africano e asiático decerto
contribui bastante para aproximar culturalmente os povos que falam essa língua em
dimensões distintas, seja como língua veicular predominante, seja como língua oficial
de Estado restrita a uma minoria.

Será também no âmbito dessa “macrossociolinguística” que se inscreverá uma


vertente dedicada à política linguística, acentuadamente inspirada nas teses de Louis-
Jean Calvet (1995), cujo escopo reside no estudo da língua como instrumento de poder
na interação social, a que se aliam temas conexos, tais como norma gramatical e ensino,
preconceito linguístico, intervenção estatal em questões de linguagem, entre outros. O
Brasil, nessa área, tem produzido muitos trabalhos de grande valor para a reformulação
do ensino do português, a que se aliam outros de teor polêmico, não raro devido ao
radicalismo, para não dizer fundamentalismo, com que tais temas são trazidos à mesa de
discussão20.Por vezes, a atestação de que a diversidade de uso linguístico não pode ser
motivo de discriminação do indivíduo no seio da sociedade conduz a ações afirmativas
que, em vez de convalidar a voz de quem se vê oprimido, resultam em indesejável
sonegação pedagógica que condena o falante a uma opressão pelo avesso.

19
Sobre o tema, leia-se especialmente Roncarati e Abraçado (2003), Mattos e Silva (2004).
20
Entre as inúmeras obras dedicadas a esta vertente, cite-se Possenti (1996), Bagno (2001), Silva e Moura
(2002) e Bortoni-Ricardo (2004) e Scherre (2005).

Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai. 2014 621
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 4 • Número 12 • maio 2014
Edição Especial • Homenageado
F E R N A N D O T A R A L L O

Verifica-se, pois, que o panorama atual da Sociolinguística em solo brasileiro é


diverso e enriquecedor, tendo em vista sua vasta abrangência. A rigor, os cursos de
Letras não podem prescindir das disciplinas ligadas ao campo da Sociolinguística na
formação do professor de língua materna, visto que o papel do docente, hoje, vai bem
além da mera transmissão de regras gramaticais ou do ensino da metalinguagem. Cabe
ao professor apresentar a língua como expressão verbal em que se revela a diversidade
cultural que nos caracteriza, e nada mais adequado para semelhante tarefa do que o
tratamento adequado das variantes de uso, seja em plano diatópico ou diastrático. É
nesse sentido que a Sociolinguística exerce papel relevante de caráter pedagógico.

Enfim, verifica-se que, debaixo do amplo “guarda-chuva” em que se


transformou a Sociolinguística contemporânea – talvez devido à concepção de uma
macroárea em que se pode incluir toda pesquisa que, de alguma maneira, implique a
noção de uso linguístico –, coexistem setores díspares, de caráter teleológico bem
distintos, fato que confere a essa vertente da Linguística, hoje, o perfil mais eclético
entre todas que habitam o ambiente acadêmico dedicado ao estudo da língua no Brasil.

Referências bibliográficas

AMMON, Ulrich et alii. Sociolinguistics: an international handbook of the science of


language and society. 2 ed. Berlin: Walter de Gruyter GmbH & Co. 2006 [11988].
ATKINSON, Paul. Language, structure and reproduction; an introduction to the
sociology of Basil Bernstein. London: Methuen&Co., 1985.
BAGNO, Marcos. Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. São Paulo: Loyola,
2001.
BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 37 ed. Rio de Janeiro: Lucerna,
1999.
BORBA, Francisco da Silva. Introdução aos estudos lingüísticos. São Paulo:
Companhia Editora Nacional, 1967.
BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em língua materna: a sociolingüística na
sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai. 2014 622
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 4 • Número 12 • maio 2014
Edição Especial • Homenageado
F E R N A N D O T A R A L L O

BROWN, Patrícia. Research report: delinquency, a failure in language coping?


Melbourne: University of Melbourne, Doctoral Thesis, 1990. Disponível em:
http://www.criminologyresearchcouncil.gov.au/reports/12-82.pdf.
BYBEE, Joan L. Usage-based phonology. In: Darnell, Michael; Moravcsik, Edith A.;
Noonan, Michael; Newmeyer, Frederick J. e Wheatley, Kathleen. Functionalism and
formalism in Linguistics -Selected Papers of the 23rd UWM Linguistics
Symposium. Amsterdam, Philadelphia: John Benjamins, v. 1, 1999, p. 211-242.
CALVET, Louis-Jean. Les politiques linguistiques. Paris: PUF, Que sais-je? n.° 3075,
1995.
COSERIU, Eugenio. Sistema, norma e fala. In: ______. Teoria da linguagem e
linguística geral: cinco estudos. Rio de Janeiro, São Paulo: Presença/Edusp, 1979, p.
13-85.
FEUILLARD, Colette. Diket Martinet, deux approches du fonctionnalisme. La
Linguistique. v. 48, 2012, p. 27-58.
GOODELL, R. J. An ethnolinguistic bibliography with supporting material in linguistics
and anthropology. Anthropological Linguistics. Indiana: Indiana University, v. 6, n. 2,
1964, p. 10-32.
GUY, Gregory e Zilles, Ana. Sociolingüística quantitativa – instrumental de análise.
São Paulo: Parábola, 2007.
HYMES, Dell H. Essays in the history of linguistic anthropology. Amsterdan: John
Benjamins Publishing Company, 1983.
HYMES, Dell H. Foundations in sociolinguistics. London: Tavistock Publications
Limited, 1977.
KATO, Mary A. Como, o que e por que escavar? In: Roberts, Ian, Kato, Mary.
Português brasileiro: uma viagem diacrônica. Campinas: Unicamp, 1993.
KOERNER, E. F. Konrad. Ferdinand de Saussure: Origin and Development of his
Linguistic Theory in Western Studies of Language. Braunschweig: F. Vieweg, 1973.
KOERNER, Konrad. Toward a History of Modern Sociolinguistics. American Speech,
vol. 66, n. 1, 1991, pp. 57-70.
LABOV, William. Sociolinguistic Patterns. Philadelphia: University of Pennsylvania
Press, 1972.
LABOV, William. The social stratification of English in New York City. 2 ed.
Cambridge: Cambridge Unyversity Press, 2006 [11966].
MARTINET, André. El linguaje desde elpunto de vista funcional. Madrid: Editorial
Gredos S.A., version española de Maria Rosa Lafuente de Vicuña, 1971.
MARTINET, André. Éléments de linguistique générale. Paris: Librairie Armand Colin,
1960.

Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai. 2014 623
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 4 • Número 12 • maio 2014
Edição Especial • Homenageado
F E R N A N D O T A R A L L O

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. Ensaios para uma Sócio-História do Português


Brasileiro. São Paulo, Parábola, 2004
MOLLICA, Maria Cecília e Braga, Maria Luíza. Introdução à sociolingüística: o
tratamento da variação. Rio de Janeiro: Contexto, 2003.
NEVES, Maria Helena de Moura. Estudos funcionalistas no Brasil. Delta. v. 15, n.º
especial, 1999, p. 70-104.
POSSENTI, Sirio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas, SP: Mercado
das Letras, 1996.
RONCARATI, Claudia & Abraçado, Jussara (org.). Português brasileiro:
contatolingüístico, heterogeneidade e história. Rio de Janeiro: 7Letras, 2003.
SALOMÃO, Ana Cristina Biondo. Variação e mudança linguística: panorama e
perspectivas da sociolinguística variacionista no Brasil. Fórum Lingüístico.
Florianópolis: v. 8, n. 2, jul./dez. 2011, p. 187-207.
SCHERRE, Marta Maria Pereira. Doa-se lindos filhotes de poodle. Variação linguística,
mídia e preconceito. 2 ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.
SILVA, Fábio Lopes e MOURA, Heronides M. M. (orgs.) O direito à fala.
Florianópolis: Insular, 2002.
SILVA, Luiz Antônio da. Projeto Nurc: histórico. Linha d’Água. N. 10, julho de 1996,
p. 83-90.
WEINREICH, Uriel; Labov, William; Herzog, Marvin. Empirical foundations for a
theory of language change. Austin: University of Texas Press, 1968.
WHITNEY, William Dwight. Language and the study of language. New York:
Scribner. 1867.

Recebido Para Publicação em 20 de abril de 2014.


Aprovado Para Publicação em 9 de maio de 2014.

Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai. 2014 624