Você está na página 1de 145
eres. Ven nag llustracdes: CLAUDIA ESO NNN AGO EXERCICIOS DE IMAGINACAO PARA PRODUZIR IDEIAS NOVAS. Vocé sabe que nao hé nada pior do que a rotina. Ela transforma tudo em chatice: sufoca o profissional, embota a vida amorosa, mata os sonhos e€ as ET cS ere ESS a EU E Se Quando uma pessoa estd comodamente refestelada na sua rotina, € preciso que coisas extraordindrias acontecam para leva-las a levantar e dizer: “Vou tentar algo diferente.” UM CHUTE NA ROTINA é um desses aconteci- mentos extraordindérios. Como num jogo de RPG, vocé vai descobrir os papéis, os personagens € as atitudes essenciais para melhorar seu desempenho Cerrone MU Cie Mem Com Cealey.1 bo MAIS UM SUCESSO DO MESMO AUTOR DE UM ‘TOC’ NA CUCA SS caer Mer Meera tt em USO TSM Uke OT OMe Reuven ate rom T oe CeHTomM Voli Melta me LCUCey maneiras comprovadas de liberar a criatividade que existe em cada um de nos... Um livro muito util.” BONN EVI os TORU COD CoM Cora ec Caco CO CULTURA ROGER VON OECH UM CHUTE N radusi CULTURA EDITORES ASSOCIADOS Indice Prefacio 10 Jack consulta 0 médico de idéias 13 Os quatro personagens do processo criativo 19 Explorador 31 Adote a visdo perceptiva... Identifique seu objetivo... Procu- re em outras areas... Procure idéias aos montes... Uma coisa pode levar a outra completamente diferente... Mude a sintonia... Nao subestime o Gbvio... Atente para os deta- Ihes... Observe 0 quadro geral... Mate um dragao... Use obstaculos para sair da rotina... Descubra idéias que vocé rocure coisas engragadas... Ponha no papel... i0...A buissola do explorador Artista 63. Acrescente alguma coisa... Artistas por todo lado... Adapte: mude o contexto... Imagine: pergunte “e se...?”.., Inverta: olhe avesso das coisas... Conecte: faga associagao de idéias... Compare: faca uma metafora... Elimine: quebre as normas... Parodie: brinque com as coisas... Incube: nao faca nada... Sumario... A paleta-do artista Juiz c Sua idéia provocaré um ah! ou um 60007... que ha de errado com esta idéia?... E se nao der certo?... Que pressu- postos usar?... Meus pressupostos esto na ordem do dia?... Qual é 0 viés da minha cultura’... que obscurece meu pensamento?... Ponha em cena 0 bobo da corte... A hora da decisao... Sumario... A balanga do juiz Guerreiro 121 Passe do dito ao feito... Planeje... Atice sua chama interior... Armese com um coracao de leao... Arregace as mangas e va em frente... Livrese dos pretextos... Reforce seu escudo_ Venda, venda, venda... Seja persistente... Sumario... 0 grito de guerra do guerreiro Recapitulando 145 Jack retorna ao médico de idéias 149 Notas 154 Sobre o autor 156 Prefacio Primavera, Verao, Outono, Inverno Norte, Sul, Leste, Oeste Terra, Fogo, Agua, Ar Mateus, Lucas, Marcos, Joao Calouro, Veterano, Janior, Sénior Guerra, Fome, Peste, Morte Soprano, Contralto, Tenor, Baixo Um, Dois, Trés, Ja Explorador, Artista, Juiz, Guerreiro HA tempos escrevi um livro intitulado UM ‘TOC’ NA CUCA. Sua idéia basica: todos nés nascemos com capacidade de pensar de forma original, mas, 4 medida que crescemos, assumimos atitudes que minam a criatividade. “E. proibido errar’, “Nao seja bobo”, “Isso no é da minha area’, “Seja pratico”, “Siga as normas” sao algumas delas. Tais atitudes sao perfeitamente adequadas & maioria das coisas que fazemos; porém, bloqueiam nossa imaginacao quando tentamos produzir idéias novas. Foi por isso que Ihes dei o nome de bio- queios mentais e apresentei algumas dicas para ensinar como rompélos. 0 ‘TOC’ repercutiu muito bem, e recebi comentarios € idéias de leitores do mundo inteiro. Este livro é a continuagao dos meus estudos sobre 0 processo criativo. Seu fundamento é a idéia de que nao existe uma forma nica de pensar, mas varias. Para ter sucesso como criadores, precisamos adotar um tipo diferente de pensamento criativo para cada fase do processo de criacao. UM CHUTE NA ROTINA trata disso. 0 titulo do livro, bem como o do anterior, expressa minha convicgao de que, quando uma pessoa esté como- damente refestelada na sua rotina, é preciso que coisas extraordinarias acontecam para levédas a levantar ¢ dizer: “Vou tentar fazer algo diferente” Gostaria de agradecer a varias pessoas que compar tilharam suas idéias comigo: Doug King, Jim Hornthal, Bob Wieder, Wiley Caldwell, Mitch Kapor, Dave Liddle, Mary Granius, Kathy Seligman, Lance Shaw, Nancy Parker, Bob Metcalfe, Alan Cooper, Linda Vlasic, Jack Grimes, Jean Caldwell, Nick Zirpolo, Doug Modlin, Bill Samuels, Bryan Mattimore e Scott Love. Agradeco também a ajuda da Grid Systems (0 livro foi escrito num computador Grid). Sou especialmente grato a Bill Shinker e Harriet Rubin, da editora Harper & Row. Meu caloroso muito obrigado a George Willet por suas ilustragGes. “<"Acima de tudo, gostaria de agradecer a minha familia — minha mulher e editora Wendy, minha filha Athena e meu filho Alexander — por seu apoio durante a execucao deste projeto. Roger von Oech Jack consulta o médico de idéias Ck yy . Jack consulta 0 médico de idéias. Jack consulta 0 médico de idéias Quem senta sobre os louros da vitéria poe sua gloria na extremidade errada. — Malcolm Kushner, filésofo Jack estava com a cabeca em peticao de miséria. De volta de uma reuniao com o chefe, havia descoberto que sua sonhada promogao nao iria sair. Avaliando 0 quadro, concluiu que seu desempenho andava periclitante nos liltimos tempos. Tinha perdido prazo em varios projetos importantes. E ele, que fora sempre tao gil, agora sO apresentava solug6es pifias para problemas complexos. Jack fez de tudo para acertar os parafusos e voltar a velha forma. Nada funcionou. Por fim, decidiu consultar o médico de idéias. “Sabe, doutor, parece que perdi o pique”, explicou. “Calma. Vou fazer algumas perguntas para saber qual € 0 seu problema”, disse 0 médico.“Antes de mais nada me diga: tem arriscado seu pescoco ultimamente?” “Nao que eu me lembre”, Jack respondeu. “Tem perguntado ‘e se...” para agucar sua imaginagao?” “Nao, Ando muito ocupado” “Tem mantido a mente aberta quando examina idéias novas?” ° “Nao. JA sei o que funciona e 0 que nao funciona’ O inquérito continuou por algum tempo. No final, Jack perguntou: “E entao, doutor, qual 6 0 diagndstico?” “Vocé esté atolado”, respondeu o médico de idéias. “Primeiro, pensei que fosse um simples caso de tartaro acumulado no cérebro, Se fosse isso, eu receitaria 0 uso de fio mental. Mas seu problema é bem mais sério” “Tao grave assim, doutor?”, disse Jack, encolhendose. “E.Vocé est com inversdo de extremidades? “O que” “Inversdo de extremidades. Veja bem: 0 corpo humano tem dois extremos. Um serve para criar; outro, para sentar. Se Jack consulta 0 médico de idéias vocé esta ativo, procura novas idéias, sua extremidade criativa se mantém em forma. Mas se vocé se encosta, fica sentado fazendo sempre as mesmas coisas, seu cérebro passa a andar em marcha a ré. Resultado: as extremidades se invertem?” Jack sabia que o médico havia acertado redondamente. “O que causa isso, doutor?”, quis saber. O médico de idéias respondeu: “Para evitar 0 desafio das coisas novas, algumas. pessoas assumem atitudes que as mantém confortavelmente estacionadas no lugar onde estao. Sao elas: Nao é importante. Nao tenho tempo. Ja sei a resposta. Nao sou criativo. “Essas atitudes sao perigosas, pois impedem que vocé perceba coisas importantes. Exemplo: se acha que pensar criativamente € algo sem interesse, também nao consegue apreender que a geracdo e o aperfeicoamento de novas idéias so recursos indispensaveis 4 sobrevivéncia num mundo em rapida transformagao. “Se passa seu tempo fazendo papel de bombeiro, apagando incéndio, extinguindo focos, cumprindo rotinas e se deixando dominar pelo trabalho — em vez de dominé-lo —,nao compreendeu sequer que suas tarefas ficariam mais faceis se vocé se engajasse num programa de criatividade em prevengao de incéndio. “Se € arrogante a ponto de achar que jé sabe a resposta, © enfoque corretos, nunca vai descobrir que pode haver um modo melhor de fazer 0 que faz. Ou talvez descubra, mas tarde demais... “E se sua auto-estima anda baixa, 6 porque nao Ihe ocorreu que,independentemente de ser ou ndo ser um futuro Picasso ou o prOximo Einstein, também vocé nasceu com capacidade para estar no mundo e vivenciélo de forma original. Realizar esse potencial é 0 seu grande desafio” Jack consulta 0 médico de idéias Jack ouviu atentamente a explicagao e disse: “O senhor est certo. Acho que todas essas atitudes realmente influenciaram meu modo de pensar durante todo 0 ano passado” Ele fez uma pausa e depois perguntou: “Posso esperar por alguma melhora? Existem meios para despertar meu poder criativo?” “Claro que sim’, disse 0 médico. “Alias, o remédio para isso existe ha séculos” “Entao me dé, doutor”’, disse Jack. Jack consulta 0 médico de idéias. “Ao ouvir isso,o médico de idéias se aproximou de Jack e deu-lhe um belo chute no traseiro. Jack ficou perplexo por um instante. A seguir, deu um salto e exclamou: “Vou sair e tratar de arranjar idéias novas. O negécio é fazer as coisas acontecerem? O chute fora o tranco necessario para repor as extre- midades do paciente em seus devidos lugares. “£ isso mesmo, Jack. As vezes ndo ha nada melhor do que um bom chute no traseiro para tirar as pessoas do marasmo e fazé-las criar o novo. Fico feliz por ter funcionado com vocé” Ao sair do consultério, Jack agradeceu: “Obrigado por tudo, doutor? Os quatro personagens do processo Criativo to Os quatro personagens do processo criativo Os quatro personagens do processo criativo O mundo todo é um palco E todos, homens e mulheres, apenas atores: Eles entram e saem de cena E cada qual a seu tempo representa diversos papéis. — William Shakespeare, dramaturgo Exercicio: Como anda seu desempenho criativo? (Preencha 0 espaco correspondente) Alto: Crio e aplico idéias novas todos os dias. Me io: Crio e aplico idéias novas de vez em quando. Baixo: Estou precisando de um bom chute no traseiro. Se vocé for como a maioria das pessoas, é provavel que tenha assinalado 0 quadrinho do meio*. Mas convém lembrar que as coisas estao mudando rapidamente. O que funcionava ontem pode nao ser solucao para os problemas de hoje ou talvez nao sirva para aproveitar as oportunida- des de amanha. Num ambiente como esse, vocé precisa apresentar idéias novas constantemente. Se esta disposto a fazer sua criatividade subir de nivel (ou quer impedir que ela deslize para a categoria “precisando de um bom chute no traseiro™ deveria perguntar a si mesmo: O que posso fazer para meu desempenho criativo ficar a mil? Meu conselho : use 0 explorador,o artista, 0 juiz e ¢ guerreiro que existem dentro de vocé, Para essa idéia ficar mais simples de aprender, proponho o seguinte exercicic * Se marcou “allo”, Gtimo, mas nao esquega: mesmo © melhor Jenhador precisa afiar seu machado de vez em quando. Portanto, continue lendo. Os quatro personagens do processo criativo Exercicio: Ha quatro perguntas listadas abaixo. Se vocé praticou qualquer das atividades apresentadas em cada questo, assinale o quadrinho existente ao lado da pergunta. 1. Alguma vez vocé mcacou sucata ou coisas de segunda mao? ™ examinou asa de borboleta em microscépio ou procurou constelacdo em telescopic? ® pesquisou mercado para um produto novo? massistiu a uma conferéncia fora de sua area de interesse? m fez a mesma pergunta com trés formulagées diferentes a uma pessoa para saber o que ela realmente pensava do assunto? macampou num lugar indspito ou selvagem? 2. Alguma vez vocé ™ preparou um jantar de especialidades gastron6micas? w fez a pergunta “e se. de calculo? m dangou 4 luz da lua, tarde da noite? mescreveu um poema ou inventou uma piada? mcriou uma fantasia extravagante para o Carnaval? @ ficou imaginando por que as arvores e os ios. tém formas parecidas? " diante de uma planilha 3. Alguma vez vocé msaiu para fazer cotagao de pregos? m classificou candidatos a partir de uma prova escrita? @ investiu em alguma coisa? mtomou a decisao de ter um filho? mvotou numa eleigao no obrigatéria? @ atuou como 4rbitro num evento esportivo? 4. Alguma vez vocé m vendeu alguma coisa por telefone? m esteve envolvido em esportes de competigao? m abriu uma empresa? @negociou um contrato? matuou na defesa de uma causa politica? Os quatro personagens do processo criativo Vamos examinar suas respostas daqui a pouquinho. Primeiro, trataremos de ver o que significa essa historia de “exploradorartistajuiz-guerreiro”. Nos Ultimos anos, tenho trabalhado com muitas pessoas criativas: especialistas em desenvolvimento de programas de computagao, administradores, produtores de TV, humoristas, estrategistas de mercado, jornalistas, cientistas e designers. A cada vez, observei que eles tam um padrdo para criar e implementar novas idéias. Descobri que a marca registrada das pessoas criativas é sua flexibilidade mental. Como os pilotos de corrida, que trocam as marchas de acordo com o tragado da pista, as pessoas inovadoras tém a capacidade de trocar de papéis, recorrendo a diferentes tipos de pensamento criativo conforme as exigéncias da situacao. As vezes sao receptivas e curiosas; as vezes, brincalhonas e excéntri- cas. Em outras ocasides, sao criticas e rigorosas. E sempre sao firmes e obstinadas na luta para atingir seus objetivos. A partir disso, conclui que 0 processo criativo consiste em desempenhar quatro papéis diferentes; cada qual com um tipo diferente de raciocinio, um modo especifico de pensar, Olhemos mais de perto esses papéis. Sao eles: Explorador Artista JUIZ Guerreiro Os quatro personagens do processo criativo Como pensador criativo vocé precisa, para comegar, da matéria-prima de que sao feitas as novas idéias: fatos, conceitos, conhecimento, sentimentos e tudo o mais que possa encontrar Pode procurar tudo isso nos lugares de sempre. Contudo, é mais provavel que encontre algo original se for se aventurar por trilhas menos batidas. Assim vocé se torna um exp/orador em busca dos materiais necessirios para construir sua idéia. No percurso, vai visitar campos desconhecidos, descobrir novos padrdes e levantar diversos tipos de informacao. As idéias que vocé juntar sero como aqueles pedaci- nhos de vidro colorido num caleidoscépio, Eles podem até formar um desenho, mas, se quiser algo novo e diferente, vai ter que sacudi-los uma ou duas vezes. E ai que vocé muda de papel e libera o seu lado de artista. Comega a experimentar outras abordagens. Segue sua intuigao. Reorganiza, vira e revira as coisas. Pergunta “e se..2”, Estabelece novas relacdes. Pode até quebrar as regras e criar as suas. Depois disso tudo, aparece corn uma nova idéia. ‘Agora, vocé pergunta:"Essa idéia é boa mesmo? Vale a pena insistir nela? Trara o retorno que espero? Sera que disponho dos meios para fazer acontecer 0 que pretendo?” Para decidir, vocé adota a postura do juiz. Enquanto avalia, pesa criticamente os prés e os contras. Procura falhas na idéia e imagina se o momento é propicio. Vocé faz a analise dos riscos, questiona pressupostos forma um juizo. Enfim, toma sua decisao. . Depois, chega a hora de pr sua idéia em pratica. Mas vocé sabe que o mundo nao esta disposto a aceitar todas. as idéias novas que surgem. Ao contrario,a competigao é violenta. Se pretende que sua idéia dé certo, vai ter que partir para o ataque. Ai entra o guerreiro e leva sua idéia para o campo de batalha. Como guerreiro, vocé precisara ser metade general e metade soldado. Desenhar seu plano estratégico € tratar pessoalmente de atingir o objetivo. Ter disciplina para 0 duro corpo-a-corpo das trincheiras e forca para enfrentar obstaculos, demolidores de idéias, recuos tempordrios e outros contratempos. Fundamental é ter coragem de fazer o que for necessario para transformar sua idéia em realidade. Os quatro personagens do processo criativo Eis 0 que recomendo para um desempenho altamente~ criativo: Ao sair em busca de novas informagoes, seja um explorador, em idéjas novas, % seja um artista. c we 5 Se) Ao ponderar sobre uma idéia, seja um juiz. Ao colocar sua idéia em pratica, seja um guerreiro. Os quatro personagens do processo criativo Vocé conhece esses papéis criativos, claro. Todo mundo conhece. Volte ao exercicio que fez ha pouco. Se tiver marcado o quadrinho 1, j4 dispde de alguns dos mecanismos basicos do explorador. Se marcou 0 2, é porque tem alguma idéia de como é um artista. Se assinalou 0 quadrinho 3, sabe como se comporta um juiz. Se escolheu o 4, deve ter vestido a armadura do guerreiro alguma vez. Vistos em conjunto, esses quatro personagens compéem seu elenco criativo para gerar e implementar novas idéias. Evidentemente, 0 padrao para a maioria das situagdes criativas nao é tao linear que progrida sempre na seqiiéncia exploradorartistajuiz-guerreiro. Em geral, ha idas e vindas de um papel para 0 outro. Exemplo: 0 juiz pode devolver uma idéia ao artista para posterior desenvolvimento. Talvez o artista aparega com uma idéia e mande o explora- dor garimpar informagées que lhe déem sustentagao. O guerreiro dir ao juiz o que funciona e o que nao funciona na pratica. Além do mais, nao existe um jeito Gnico de ser criativo. Na verdade, cada criador costuma ter seu estilo. Diante do desafio de desenvolver um conceito ou resolver um problema, certas pessoas comecam no papel do artista, saltando para o de efplorador ou juiz até atingirem seu objetivo. Outras fazem exatamente o contrdrio. Entretanto, © mais comum é usar mais 0 explorador nos estégios iniciais do processo criativo, 0 artista e o juiz na fase intermediéria ¢ o guerreiro na parte final. Os quatro personagens do processo criativo Exercicio: Agora, uma chance para vocé se avaliar em cada papel criativo. Como classificaria seu Explorador? (11. Meus amigos me chamam de “cabega de avestruz”. 02. $6 vejo o que esta diante do meu nariz, (13. Dou um tempo para explorar as coisas. (14,“Vou e vejo”, esse é meu apelido. (5. Junte Colombo, Madame Curie e a Apollo 11: sou eu. Como classificaria seu Artista? (1. Minha imaginacao esta de molho. C2. Consigo seguir uma receita. 1 3.Sou bom em idéias novas. (4. Sou parte magico, parte poeta, parte crianga. O15. Picasso e Einstein, abram alas que af vou eu! Como classificaria seu Juiz? C1. Decidir? Sei 14, mil coisas... U1 2.Vamos tirar cara ou coroa para facilitar 13. Costumo reconhecer uma boa idéia (14.Acerto mais do que erro. (15. Tipo sabedoria de Salomao. Como classificaria seu Guerreiro? C1. Um perfeito palerma. 1 2.Vou muito bem, até alguém comecar a me enrolar, 113. Levanto sempre que me derrubam. 04. Faco as coisas acontecerem. 15. Tipo César, general Patton... Os quatro personagens do proceso criativo Porque certas pessoas fervilham de idéias novas e outras s6 contam vantagem? Vamos examinar dois entre os principais fatores que prejudicam 0 desempenho dos papéis criativos: maus atores e entradas em cena fora de hora. Imagine as conseqiéncias de ter um canastrao no seu elenco criativo. Um explorador sempre com a cabega enfiada na areia no pode trazer novas informagdes. Um artista sem inspiracao fard obras banais, desprovidas de impacto. Um juiz que nao tenha senso critico 6 incapaz de distinguir entre lixo e idéias potencialmente boas. E se o guerreiro é um moleirao, pode dar adeus a realizagao dos seus planos. Portanto, faga 0 possivel para colocar € 6 095 20 514 505 2 57 IT MS 205 24 ZS TT 8 20 RH US 10 OF 210 OID 255 GO OA ON 2H 1282 1 64 TE KO OZ 106 01 256 98 OCT 10 $20 OFS OST B64 M2 TOL 25 11922974 OOK 128 SEP HEL OUE AS ASP IR? 257 AN 3HT eH NG 252 1 COOL 86 OO O60 US 213 8 RE TG 15 2H 29 1 1D IS OM 16 UH 206 SB 3 295 SH 205 O72 08 I TD ONE 72 OM 0 1S 10 15 ON DAL 38 199 10 $0 OS) 18 6H 27 AGE NE GL AEP STD ORY HSH MD 151 118 0] 285 9 OE OTe DS ASL M208 MO E7225 ORG 8D St AG 1 1 ST AST MOB 1 10 A 1 9 268 27 NI ON 9 ARV G6 A 17 2 25508 128 9a 38} ZI 39823010562 DLO Sd 84 A ATH SK OO O12 OM ANT 46 6H OBL BSE mG OUT an ep OTS CET aL U2 2 5 AF ME T5486 O11 58 188 D328 GO 66 28 27 9K 2G kL 7 TE 26 3 OD 21 0 HD SH BL OD 98 9D 5 0 15 8 2 ST | 18 20 1S 171 968 IO Sa OH 1 217 99 OI SL 20H S22 ZT LA 1 2252262 37 1S 2A OS IRD 1 OTT IS 30 00 87 3820 0 266 24 O52 BT SIS 90 1 YT O81 HPP 206 17 1D 82 2 186 RO 8G an 2S ZT A OT 3 EN 7B B07 OR 4 982 MO OH SI9 114 122 TH 4 5 CCD ON ST OOD RH RD GE ED HF TT A 20 AO OW OE BA UL OT SSD TH BH aT (2 289 550-28 OAT 58115 4 729 OT HE 56 OMY 51 8 0 COL HS 19 2H BU 15 OOD 125 26 28 24 8 OB OE 4 TOR A 22 21 96) 58 1S 5 OE BT 38 0 OF 3 I 1H 208 1? SS 08 a SO A IO 108 1 EF UST SM A 3 HS 525 1S 9 UR 22 8D 819-28 200 YE 5 71 A 25 19 OE 1D SR 2 2 2 01 SAD ARV TLL AS IE ITE AS I SH HE TOR ) 222 JG 215 508 St2 ZY STO 250 OSE 255 JOT Ok SUG RT 06 220 CAT OK 6 152 8H LY 7 AS-D AT Rn 2 ED-257 3 OT 28 93 S85 WO A 12 O77 2M 1S 78 8 2D 12 US AD 29 a He OD SELL SS 272 LOL 21 UG 290 3 OG 128 STU 18 81 205 290 5 95 251210 22 140178 18 12S OT 256 BSH A IF OER 28 OY STO TOO 221 TG OHS 82 UST NT UH AT ON Ho 22 28 150 1B SD OST 188 185 OO ORD CS BS AO8 85 277 9G Rr UH can 8 OT OS SHS 8 BH 2 D252 918 AE 0 20 BT 21S 32 2D 7D 90 O85 2 5 1 17 5H IO SS OK 105 21739 OS IDL BE ZA I 522A 195225298 2057 198 2A) OHH 1 AY 21 1D 286 OD OE {SL 2S 124 225 184 6 TB St LS OF OUT 6 CL 5 SS OT 10 SO OS UT 264 2 TOL 25119 2 LONG 12 IT 61 O18 266 8 25 A 90 347 10-5 28 8 18 51 0 O57 HD 18 GO OED A 2 O25 S249 OAT ST 1G 2342) 1a) LS US OB 1 OH 5350218 3 Hs 2a WH 223 SO 10 OZ GM 24 08 1S U8 ISCO OM SH 1 19) $29 OR) 196 CO ZF 194 77H 16} 29T S72 OT HSS TO 158 1K {0 CON BBS 1S 19 07a 25S HR CES Ooo SY AS AE IM ET US LE I HS A SH 6 SO 18 26 7 IT 9K AE BL 129 OD 12 236 28 24 18 NE 9D 280 11 158 18 178 18 $4 258 08 1 OD tT OS 2 225 SZ ZI OH AD ISS TH SSE OO OD DH AAT E166 21 258 80 GOT ED 2295 O57 6 2 HOD HS SH HG OL OH ED 9D 08 0 27 HM 26 A BT a 2 BD HO aR 10 ‘SL 9 908 9 25 O87 105 05 208 7 Ue 2 16 20 1 AT NB 5 2 GA 1 217 296 2S 250 SSS SR BIT HTL RS 04288 TT Explorador Escolhi esses termos por varias raz6es. Primeiro, porque sio objetos simples, que vocé conhece e assimilou. Depois, por serem facilmente visualizaveis, o que é importante, pois © pensamento criativo é orientado pelo fator visual. Um estudo feito com cem matematicos de destaque evidenciou que eles trabalham melhor quando formam imagens mentais do que quando usam simbolos mateméticos. Enfim, e mais importante, por sua capacidade de criar associacées, ou seja, porque sugerem conceitos similares ou idéias conrelatas. Exemplo: “bolso” detona as idéias de calga, jaqueta, camisa, cagapas de bilhar, coadores, bolsas, jarras... HA varios modos de escolher um conceitonador, Uma delas 6 procurar na Tabela 1 até encontrar algum de que goste. Outro é fechar os olhos e apontar aleatoriamente um ponto na pagina. Uma terceira maneira é usar os nuimeros aleatérios da Tabela 2. Ponha o dedo sobre um desses nameros e encontre 0 conceitanador correspondente. Se apontou para “137”, seu conceito 6 “ima”. ‘Agora pense em coisas relacionadas ao seu conceito, Exemplo: 0 que faz um ima? Exerce atracao.O que ele atrai? Que coisas funcionam como um ima? Bons terrenos sao imas para incorporadores imobilidrios. Agicar é um ima para formi- gas. Um zagueiro fraco é um verdadeiro ima para o atacante. Um astro de rock é um ima para adolescentes. Uma regiao conde os impostas s40 baixos 6 um ima para investidores. Outras associagdes podem ser feitas a partir de coisas proximas em relacao ao termo escolhida. Se o conceitonador for “sapa- to”, idéias prOximas sao: meias, chao, engraxay, galochas, tapete, xulé, pédeatleta, escadas, nadadeiras, dangar.. Como usar um conceitonador para gerar idéias? Forcan- do uma conexo entre ele e um problema ao qual vocé queira dar um enfoque diferente. Exemplo: enquanto escrevo este livro, procuro idéias. Desenho 0 conceitonador “gancho” e comego a pensar em ganchos. Sera que este livro tem um gancho inicial para atrair a atengao do leitor? Existem gan- chos capazes de prender a aten¢&o ao longo dele? As vezes, um gancho é uma alfinetada. Existem nele alfinetadas, inten- cionais ou nao? Nas comédias de vaudeville, usavase um gancho ou bengala para tirar de cena atores ou cantores que nao estavam agradanda. Como evitar esse tipo de perigo? Que coisas tém forma de gancho? Bengalas, como ja vimos. Sera que 0 leitor idoso gostaria do meu livro? Aquelas bengalinhas que enfeitam as arvores de Natal também sao ganchos. Conséguirei acabar o livro antes do Natal? Explorador Procure coisas engracadas Faga um arquivo de coisas que acha divertidas e curio- sas: citacdes, padroes inusitados, as leis da vida. Talvez encontre nelas alguma utilidade. Por serem engragadas, podem ajudar a tornar sua idéia mais interessante. Eis alguns exemplos do que guardo no meu “arquivo de coisas engracadas”. Quadrado para um cavalo Leonhard Euler, um matematico do século XVIll, criou um quadrado formado por 64 algarismos dispostos em oito linhas horizontais € oito colunas verticais. O resultado da soma de cada linha ou coluna inteira é 260,o de cada meia linha ou coluna é 130.0 mais curioso, porém, é que 0 cavalo do jogo de xadrez pode partir do ntimero | e,executando seu movimento em L, passar por todos os algarismos em ordem crescente. 1 48 31 50 33 16 63 18 30 51 46 3 62 19 14 35 47 2 49 32 15 34 17 64 52 29 4 45 20 61 36 13 5 44 25 56 9 40 21 60 28 53 8 41 24 57 12 37 43° 6 55 26 39 10 59 22 54 27 42 7 58 23 38 11 Gravidade, o dobro ou a metade Se a forga da gravidade fosse duplicada, nao poderiamos mais andar sobre nossos pés.A maioria dos animais terrestres se arrastaria como as serpentes. Os passaros também iriam sofrer seus efeitos, mas os insetos seriam pouco afetados.Os menores dificilmente mudariam; os micrdbios, por sua vez, nao enfrentariam nem dificuldades nem mudangas. J4 se a forca da gravidade fosse dividida por dois, terfamos formas mais leves ¢ esbeltas, seriamos mais ativos. Precisarfamos de menos energia, menos calor e terfamos volume de sangue, massa muscular e pulmdes menores. Mas os micrdbios nao ganhariam nada com isso. —D’Arcy Thompson, morfologista Explorador O ovo achatado Chamado a palacio na corte espanhola, Colombo per guntou aos nobres presentes se conseguiriam colocar um ovo em pé. Todos tentaram, em vao. Entio, Colombo cozinhou o ovo, quebrou uma de suas extremidades e o fez ficar em pé sobre a mesa. Os nobres protestaram:“Nao vale! Vocé quebrou as regras” Ele respondeu:“Tudo é valido, desde que seja feito” Torta de morango para 25 mil pessoas Jé pensou por que os grandes projetos costumam esbar rar em problemas imprevistos, atrasos e dores de cabega? Aqui vai uma explicacao. Suponhamos que vocé tenha uma receita de torta de morango para quatro porcoes. Um vez, convida sete amigos para degustar a especialidade. Para isso, tera que dobrar a receita. Outra vez, convida uma pessoa s6. Bastadhe cortar a receita pela metade. Mas vamos supor que convide 25 mil amigos dos mais chegados para experimentar a torta. Agora, sua receita nao prevé a parte mais dificil: comprar Os morangos no atacado, garantir o fornecimento do creme de leite, alugar formas, tigelas, colheres, mesas e cadeiras aos montes e ainda coordenar o fluxo desses obje- tos.O mesmo acontece com os grandes projetos. Aparecem mihares de coisas para resolver — coisas que sequer haviam sido pensadas nos planos originais. —lack Grimes, filésofo (citado por Bob Barton, arquiteto de computadores) Trés definigdes . Desenvolver software é como procurar gato preto em quarto escuro. . Desenvolver sistemas é como procurar gato preto num quarto escuro onde nao ha gato. . Desenvolver conhecimento € como procurar gato preto em quarto escuro, $6 que nele nao existe gato e de repente alguém grita:“Pegueil” won Cartaz da Syntelligence Corporation, (citado por Brock Brower) Explorador O aviaozinho de Joe Eddy Brown Jogue nesta diregao ———> Veja como se faz 0 avido de papel favorito \ Xe Joe Eddy Brown. Antes de mais nada, tire xerox desta pagina. Depois, recorte os retangulos A,B e C.A seguir, ligue e cole \ as pontas de A e B, formando anéis. \ No ‘ Monte um triangulo com C.O aviao esté pronto para voar. Experimente também com tiras de varios tamanhos. Explorador Filosofia de vida de Big Al Juodikis ® Se Jack est apaixonado, nao pode julgar a beleza de Jill. ® Quase todo mundo acha que quem dirige um caminhao de cinco toneladas nao precisa ter educagao no transito. ® Nao vé o quadro quem esta dentro da moldura. ® Muitas vezes encontramos o destino no caminho escolhido para fugir dele. ® Quando é a sua vez de ser ajudado, tem gente que para antes de dar o primeiro passo. Muita gente acredita dominar uma profiss4o s6 porque aprendeu seus truques. -® Dizer um dia desses é dizer dia nenhum. ® So se ouve e capta aquilo que ja se sabe. ® Viveré como tocar violino e aprender a tocar ao mesmo tempo. ® Cachoro que anda solto acha osso. Quem espera que as coisas brotem do chao tem olhos no dedao dos pés. Regras praticas de Tom Hirshfield + Se vocé nunca erra 0 alvo, ele esta perto demais. > Nunca trate dos detalhes antes de definir a abordagem geral + Nunca formule um problema nos mesmos termos em que lhe foi proposto. + O segundo ataque a um mesmo problema deve sempre vir de uma direcao diferente. % Se nao compreende um problema, explique seus termos a alguém e ouga 0 que esta dizendo. 4 Nao se preocupe com enfoques que transformam um problema em algo diferente; pode vir dai uma nova oportunidade. % Se for surpreendente, é ttil. > Estude o problema invertendo seus termos. Isso sempre ajuda. % Dedique parte do seu tempo a andlise dos seus métodos de trabalho. Explorador Ponha no papel Novas descobertas, idéias e informagdes podem aparecer a qualquer momento. Quando isso acontecer, esteja pronto para fazer seu registro. Eu costumava ter idéias incriveis, verdadeiras iluminagées, antes de desenvolver esse habito. Dizia a mim mesmo: “Vou tomar nota assim que tiver papel ¢ lapis” Duas horas depois, com as ferramentas necessarias 4 mao, a idéia havia sumido. Agora, registro todas as que me aparecem. No final do dia ‘ou no fim de semana, folheio meus apontamentos para verificar 0 que escrevi. Ainda que 80 por cento sejam banalidades ou redundancias, algumas pérolas se salvam. O esquecimento se dé porque nossa memoria é situacio- nal. Quando mudamos de lugar ou de circunstancia, perde- mos as associacées feitas. Bom exemplo disso é Luzes da cidade, um filme de Charlie Chaplin do tempo do cinema mudo. Nele, Carlitos se vé as voltas com um milionario beber rao que muda constantemente de humor Na noite em que se encontram pela primeira vez, Carlitos salva a vida do homem, prestes a cometer suicidio. O sujeito trata Carlitos como amigo e 0 leva para sua casa. Na manha seguinte, j4 sdbrio, o milionario nao reconhece seu héspede e poe Carlitos no olho da rua, De noite, babado de novo, o homem reencontra Carlitos ¢ é cordial com ele. A seqiiéncia acontece varias vezes, mas voce ja captou © espitito da coisa Explorador Um sujeito me disse que todas as manhas, quando entra no chuveiro, faz um exercicio mental que chama de “vinte minutos descarogando idéias”. Para nao perder nenhuma delas, comprou um pedaco de plastico especial e um lapis-cera e anota tudo enquanto permanece em seu “tanque de idéias”. Explorador Sumario Explorador é 0 personagem que procura, pesquisa e experimenta. Quando vocé assume esse papel, aventura-se por trilhas desconhecidas, investiga outras areas e esta atento a diferentes tipos de informagao. Se sua atuagao for boa, poder passar 0 bastio para 0 artista, que vai se encarregar de criar uma nova idéia. Muita gente ndo parte para explorar — por varios motivos. Um deles € que é facil se deixar atolar nas rotinas do cotidiano. Na verdade, quebrar a rotina exige esforco. Mas, se vocé nao se empenhar, ficara trancafiado num mesmo lugar, incapaz de descobrir nada de novo. Em segundo lugar, o explorador cone o risco de se perder — e isso é 0 minimo que Ihe pode acontecer. Embora descobrir 0 diferente e inusitado possa ser excitante e revigorante, também é perigoso. Existem portas que, uma vez abertas, nunca mais poderao ser fechadas. Vocé tera que conviver com sua descoberta. E preciso assumir esse risco. Outro fator que inibe o explorador é a especializacao. Para sobreviver no emprego, muita gente tem sido obrigada a se especializar em temas cada vez mais limitados. O psicélogo Abraham Maslow reconheceu os perigos do fendmeno quando disse: Para quem s6 sabe usar martelo todo problema é um prego. A conseqiiéncia disso é que essa gente reluta em olhar para fora. Limita-se ao campo conhecido. Para ter sucesso, o explorador que existe em vocé precisa de flexibilidade, coragem e receptividade. Explorador Seja curioso. Adote a visio perceptiva Crie um mapa para se orientar. ‘Tenha em mente o que procura. Z Saia do seu quintal. Explore outras areas, outros ramos ¢ setores. Bastante nao basta. ‘Tenha idéias aos monies. Nao tenha medo de se perder. Encontrara coisas que nem imaginava. <<< Quebre a rotina. Use obstaculos para sair dos trilhos. Mude a sintonia. Atente para diferentes tipos de informagao, Nao subestime o ébvio. O que esta bem diante do seu nariz? Dispense lentes de aumento. Pequenos pacotes contém grandes coisas. O que significa isso? Afastese e observe 0 quadro geral. Mate o dragao. Procure idéias em lugares que vocé evita. Lembre-se de onde esteve. Volte a usar idéias que jé teve. Tome posse do territério conquistado. Anote sua idéia quando ela surgir. Artista O personagem que transforma informacdes em novas idéias Artista Exercicio: Aqui esté uma oportunidade para usar sua imaginacdo. Esses quadrados se parecem com 0 qué? Pense em pelo menos trés coisas diferentes. Artista Acrescente alguma coisa Alguns pintores transformam o sol em mancha amarela. Outros, transformam a mancha amarela em sol. —Pablo Picasso, artista Um dos meus antincios preferidos foi uma propaganda criada nos anos 60 por Charles Piccirillo e Monte Ghertler (ambos da agéncia Doyle Dane Bernbach). Objetivo: promo- yer a Semana Nacional da Biblioteca. 0 titulo era o alfabeto @esenhado em letras mintisculas, assim: abcdefghijklmnopqrstuvwxyz Em seguida vinha o texto: Na biblioteca ptiblica, essas letras foram arranja- das para fazer vocé rir, chorar, amar, odiar, encantar se, refletir e compreender. E incrivel 0 que essas 26 letrinhas podem fazer. Nas maos de Shakespeare elas se tornaram Hamlet. Mark Twain talhou com elas Huckleberry Finn. James Joyce as desdobrou em Ulysses. Gibbon as apertou em Declinio e Queda do Impé- rio Romano. Milton nelas lapidou Paraiso Perdido. Einstein juntou nimeros e sinais (para economi- zar tempo e espaco) e com elas fez A Teoria Geral da Relatividade... O antncio continua, louvando as virtudes da leitura e dizendo quantos livros bons estéo disponiveis na biblioteca piiblica. Ha varias mensagens nele. Mas, para mim, a mais importante 6 que as idéias criativas sao geradas a partir da manipulacao e da transformacao dos recursos de que dispomos — por mais simples e escassos que sejam. Em outras palavras: para ganhar valor, o material coleta- do pelo explorador precisa ser transformado. £ como disse 0 artista plastico Jasper Johns ao lhe pedirem para descrever 0 processo de criagao:"E simples. Vocé pega uma coisa, ‘a —®) Antista acrescenta alguma coisa, depois outra. Continua fazendo isso e logo, logo surge alguma coisa” O artista é 0 personagem que usamos para “acrescentar alguma coisa”. Vocé retine os materiais coletados pelo explorador e pergunta:“E se eu pusesse isso, tirasse aquilo, ignorasse as regras, virasse do avesso, trocasse as bolas ou comparasse com outra coisa?” Logo, logo, alguma coisa aparece. E assim que se transforma a matéria-prima em idéias novas, um problema em oportunidade. Artistas por todo lado O artista nao é um tipo diferente de pessoa, mas toda pessoa 6 um tipo diferente de artista. —Eric Gill, filésofo ho Sempre que pensamos em artistas, pensamos em pintores, misicos ¢ bailarinos. Mas a mentalidade de “acrescentar alguma Coisa”, que caracteriza © artista, pode ser adotada por qualquer pessoa que queira se beneficiar com ela. Veja alguns exemplos de artistas com a mao na massa. s)) Os misicos da orquestra de Franz Joseph Haydn estavam irritados com o duque, seu patrao, que sempre adiava as férias prometidas ao grupo. Pediram a Haydn que reclamasse ao duque um periodo _gafisvi8 de descanso em nome deles. Haydn pensou um pouco e decidiu que 0 melhor era fazer a misica levar 0 recado: compés a “Sinfonia do Adeus”. ‘A-execugao da mtisica se inicia com a ‘orquestra completa. Mas Haydn a compés de forma tal que, conforme a musica avan¢a, vai precisando de cada vez menos instrumentos. A medida que cada miisico terminava sua parte, apagava sua vela € deixava 0 palco. Todos fizeram © isso, um a um, até 0 palco ficar vazio. 0 duque entendeu a mensagem. Artista Dale Strumpell foi quem fez a sonoplastia do filme de ficedo cientifica 2010, Seu trabalho era criar 0 som da desaceleragao de uma espagonave na atmosfera de Jupiter Onde achar um som como esse? Bom, o negocio é experimentar. Depois de varias tentativas, Strumpell pés gelo seco numa placa de metal, acendeu um macarico embaixo € colocou © microfone por perto, Derretendo rapidamente, 0 gelo seco produziu exatamente o som que ele procurava. O que é um nanossegundo? E 1 bilionésimo de segundo (10°) e é a unidade basica de tempo do relogio interno de-um supercomputador. Grace Hopper, da Marinha dos EUA, precisava explicar o significado de um nanossegundo a usuarios leigos em informatica. Pensou: “Como fazélos entender como um nanossegundo é breve? E se eu consideré-lo um problema de espaco, ¢ nao de tempo? Vou usar a distancia que a luz pode percorrer em | bilionésimo de segundo’ Dito e feito. Ela pegou um pedaco de barbante de 30 cms e disse aos ouvintes: “Isto é um nanossegundo” Artista Estamos no século II a.C.e um jovem bibliotecario grego esta tentando descobrir um modo mais eficiente de organizar e recuperar os milhares de manuscritos que ete tem guarda- dos.“Como catalogélos? Por assunto? Por autor? Pela cor?” Entao, lembrase do alfabeto. Seus contemporaneos pensam nele apenas como simbolos fonéticos usados para criar palavras quando colocados lado a lado — alpha, beta, gam- ma, delta, epsilon. Nosso bibliotecdrio decide desconsiderar as qualidades lingiiisticas do alfabeto e utilizar apenas as letras por ordem de seqiiéncia. Assim, colocou todos os documentos que comegavam com gamma depois dos que comecavam com beta, mas antes dos que comegavam com delta. No processo, criou a ordem alfabética, a ferramenta basica de que dispomos para organizar, guardar e recuperar informagao. Stanley March queria embelezar a estrada de acesso a seu rancho no Texas. Também queria alguma coisa mais original do que plantas, rochas e arbustos habituais. Estava procurando alternativas quando viu um Cadillac do fim dos anos 50 — 0 modelo chamado “rabo de peixe”. Adorou o que viu e inspirouse: comprou varios carros e mandou enterrélos lado a lado ao longo da estrada, deixando s6 0 “rabo de peixe” para fora. Com isso, fez do acesso ao seu rancho uma atragao turistica. Artista Ser artista é isso: mudar padrées, olhar as coisas de modo diferente, experimentar diversas abordagens. E. assim que 0 derreter do gelo seco se transforma em desaceleracao de espaconave, 0 alfabeto vira sistema de ordenacao, ques- t6es trabalhistas sao convertidas em sinfonia,“rabos de peixe” se tormam elementos paisagisticos e um nanossegundo é€ visto em forma de barbante. E por falar em “acrescentar”, vocé fez 0 exercicio dos quadrados, proposto no inicio deste capitulo? A primeira vista, tratase de um conjunto de quadrados em diferentes tons. Mas, brincando com o problema, podem aparecer varias coisas: ~ ex Uma colcha t# Um ninho de cubos =A foto aérea de uma zona agricola = Seis tons de cinza «sr Um labirinto construido por tm psicético «= Um grafico de densidade populacional «= Um padrao de distribuicao de calor Todas essas descrigées so boas. Note, porém, que a maioria das idéias esta sintonizada nos quadrados. Se virar a figura de cabeca para baixo e olhar de longe, nao vera mais quadradinhos, mas o retrato de Abraham Lincoln. Assim como o pintor deve contar com varias cores em sua paleta, um bom artista recorreré a diferentes estratégias para transformar seus materiais, Inclui neste capitulo algumas. das minhas técnicas favoritas de manipulacao de idéias. Sao elas: Adapte Compare Imagine Elimine Inverta Parodie Conecte Incube Recomendo experimentar todas elas para descobrir quais sao as mais adequadas para voce. Artista Adapte: mude o contexto Exercicio: Suponha que é 0 gerente de marketing de uma empresa. Vocé recebe um telefonema do presidente ™ e fica sabendo que o sistema de gerencia- mento de estoque pirou. Agora, a empresa tem 1 milhao de ddlares em esferas de rolamento das quais nao tem a menor necessidade. Além do mais, nao pode devolvé-las ao fornece- dor Compete a vocé descobrir 0 que fazer com as bolinhas, em Conjunto ou separadamente. Tem alguma idéia? Pense um pouco e liste uma por uma. Eis algumas possibilidades: Use-as para testar a inclinagao de superticies Use-as para fazer méveis, tipo “poltrona-saco” Sao adequadas a lugares piiblicos, pois pesam demais para serem roubadas. Sirva-as em canapés para robés: eles vao se deliciar com esse “caviar”. Costure-as dentro de um colete de lona,a ser usado como peso durante treinos atiéticos ou corridas. Use-as para esticar cortinas amassadas. Jogue-as como confete em concertos de punk rock Use-as para fazer bijuteria: brincos, pulseiras, colares. Use-as como truque promocional: encha um vidro ©ecceo © ©¢ com elas para as pessoas adivinharem quantas sao. O que importa é que coisas, idéias objetos gg (no caso, esferas de rolamento) adquitem significados diferentes, conforme 0 contexto em que estejam colocados. Se mudar 0 contexto, muda o significado. Exemplo: transferir as esferas de rolamento do contexto de “coisa que reduzem o atrito” para 0 de “coisas brilhantes e bonitas” nos faz pensar em joias e arte. Enfatizar a caracteristica de “massa” conduz.& idéia de “peso”, tanto para cortinas como para lastro de navios. Mudar de contexto 3 é uma técnica interessante para descobrir 0 potencial dos recursos de que dispornos. Exemplo: uma caneta Vista de um mode, tratase de um instrumento para escrever. Sob outro ponto de vista, pode ser uma arma, um indicador, um cotonete, um calgo para portas. Artista Sempre que eu enfatizar aspectos diferentes e mudar de contexto, terei idéias novas. A propésito, lembro-me do terceiro aniversario da minha filha, quando dei a ela uma caixinha com uma dtizia de cubos colorides. Ela pegou, sacudiu a caixa e disse que era um chocalho. Depois, abriu- ae disse que era um cofre — os cubos eram o dinheiro. Depois, empilhou os cubos: eles viraram bolo de aniversatio. Nessa linha, imagine a primeira pessoa que olhou para um monte de serragem e pensou “aglomerado de madeira”, na que olhou para 0 alcatrao e pensou “asfalto”, na primeira que viu uma alcachofra e pensou “comida”, Artista Exercicio: Abaixo esté 0 ntimero sete em algarismos romanos. Faca virar um oito acrescentando uma Unica linha. VII E facil. Basta acrescentar uma linha vertical a direita do VIT para criar um VIll. Quer algo mais complicado? Abaixo esta niimero nove. Faga virar um seis acrescentando uma tinica linha. Ix ‘Tem gente que traga uma linha horizontal pelo meio do niimero e pronto. Virado de cabega para baixo e com a metade superior coberta, aparece o numero VI. Uma solugao mais artistica, e poliglota, é desenhar um “S” & esquerda do IX, que se transforma em “SIX” — seis em inglés e em francés. O que fizemos, no caso, foi transferir 0 IX do contexto da gratia do simbolo numérico para o da grafia por extenso, Muitos nao chegam a essa solucao. porque uma simples seqiiéncia de algarismos romanos — VII, VIII, IX — basta para prend&os ao contexto simbdlico. Uma das dicas do explorador é procurar a segunda resposta certa. Vocé conseguiria pensar em outras maneiras de acrescentar uma Unica linha e transformar o IX em 6? IX Uma segunda solucao consiste em acrescentar 0 némero 6, que € uma Gnica linha, A direita do IX. Fica IX6: uma vez seis, sendo que o X deixa de representar 0 nimero 10 e passa a equivaler ao sinal matematico de multiplicagao. ‘Todo mundo tem muito conhecimento acumulado; a0 mudar 0 contexto em que vocé se habituou a pensar nas coisas, elas se transformam em novas idéias. Artista Imagine: pergunte “e se...?” Exercicio: Que tal se os fabricantes de ragaéo para caes resolvessem usar aditivos nao digeriveis em seus produtos, como sementes de petiinia ou malmequer? Os caes se transformariam em sistemas ambulantes de plantio e fertilizagao de flores. Outro aditivo poderia ser um material fluorescente atdxico, de grande utilidade nas cidades: os pedestres saberiam que aquele objeto brilhando no escuro, bem a sua frente na calgada, é algo em que nao gostariam de pisar. Imagine outros aditivos. Tenho uma amiga com quem sempre converso a respeito do processo criativo. Ela considera minhas idéias interessantes, mas acha que “o que realmente acontece na camara secreta do pensamento criativo é pura magia”. E esta certa. Pare e pense. Nosso pensamento é mesmo magico. Podemos pensar em qualquer coisa que seja: quarks, raiz quadrada de -1, planetas fantasticos, férias de sonho. £ essa capacidade magica de pensar erm idéias imaginérias que confere ao artista muito de seu poder. Artista Um modo simples de por em pratica o pensamento de tipo imaginario é perguntar Ese As reticéncias devem ser substituidas por alguma situa cao extraordindria ou inexistente. Nao se preocupe em ser pratico. Ao contrario, abuse da imaginacdo. Em geral, ficamos presos a tantos pressupostos sobre como as coisas deveriam ser que s6 uma pergunta“e se,.2" bern inusitada nos permite abordéas de maneira original. 0 passo seguinte é responder A questo. Mas lembrese: enquanto faz. isso, mantenha 0 juiz A distancia, suspend sua veia critica. E exatamente por ndo serem muito praticas que essas idéias esquisitas podem se tomar o caminho das pedras para outras, mais criativas e liteis, As vezes, idéias malucas, absurdas ou estranhas podem levar a coisas praticas.E a Gnica maneira de chegar s tlti- mas é pelo caminho das pedras. Exemplo: digamos que vocé seja um arquiteto em busca de idéias para projetar um novo edificio de escritorios. Vocé pergunta:“E se na parte externa os prédios fossem revestidos de pele, como os animais? Seriam mais faceis de aquecer ou refrigerar? Talvez os pélos caissem no vera. Talvez. pudessem ser cortados, conforme o tipo dos usuarios. Nas bases militares, o corte seria ‘escovinha’, Em colénias de aposentados, os pélos receberiam uma tintura prateada. Republicas de estudantes teriam cabelos compridos” Depois de brincar um pouco, essa idéia leva seu pensamento para outro animal: a cobra. Vocé comega pensando no desenho da pele, em como parece perfeitamente encaixado, ¢ acaba chegando a uma nova concepgao de telhado, mais eficiente na conservacao de energia e mais bonito de ver. Aqui vao alguns “e se...?” para voce se exercitar # E se fosse implantada uma roleta para calcular co imposto de renda, isto é, se o percentual a ser pago fosse determinado aleatoriamente, pelo girar da roleta? Ser que a Policia Federal prenderia os grandes sonegadores por trapacga no jogo? "= Ese, em vez do lucro,a prioridade das empresas fosse o atendimento ao consumidor? Calculariamos 08 prémios € comissGes com base no indice de Artista queda das reclamagdes? Teriamos que entrar na cabeca dos consumidores para prever 0 tipo de produto desejado para o ano que vem... r= E se houvesse um ntimero determinado de palavras que pudéssemos usar ao longo da vida, um total que nao pudesse ser ultrapassado? Seriamos mais precisos? Como os politicos iriam se arranjar? Encontrariamos outras formas de comunicacao? Nossas roupas seriam mais berrantes e expressivas? Sera que desenvolveriamos a telepatia? ex E se as pessoas fossem capazes de cumprir certas tarefas simples — como cortar grama, lavar pratos e pintar cercas — enquanto dormem? s= E se as pessoas j4 nao mostrassem sinais de envelhecimento apés os quarenta? vw E se todos os meses, durante cinco minutos, pudés- ‘semos nos transformar em nossas plantas ou verduras prediletas? ex E se nossas roupas fossem comestiveis? Talvez a moda mudasse de acordo com os perfodos de safra e entressafra. Convidar alguém para almogar poderia significar algo completamente diferente do que é hoje. Poderiamos dizer coisas do tipo: “Minhas meias lhe apetecem? Em que quitanda renovou seu guarda-roupa?” «= E se os gatos vendessem seguro de vida aos passaros? tw E se cada estudante secundarista tivesse um cadaver para dissecar na aula de biologia? Eles aprenderiam a conhecer as pessoas pelo avesso. E também a reconhecer a importancia de cuidar bem do proprio corpo. Dica: Construa sua prépria lista de perguntas “e se...?"e veja até onde elas levam sua imaginagao. Quanto mais vocé perguntar, mais vai conseguir e mais perto estara de encontrar algo que valha a pena Artista Inverta: olhe o avesso das coisas ob anit eozzon ogmst ozo o obo} smoT sib 8 sbiv A basi ..shom A Soeei moo zomsrinsg oup 0 9 .ssmse sup ob ozevs 0 3 sbiv sb oldia o sup ondA Isensqmozs1 ainiv taviv ziogab roniom sup ovioming zomsisT 192 sitovob aniovoj zomoeedviles obrisuQ zodlev 9b olies mun eons. -srinsy 61 sb orllo ort aoleog 2omshisz .Al 189i1 s16q zismab aisnoizeitorg eomstismo} zon 9 owwo 9b oigdle1 mu 2omsht 0 anavoj 2onmsoit 316 20r8 sinsisup siastub ezomsinsdisdsiT 2omstti 08304 .sitobsinseogs 6 1stiovorgs sisq oinsiesd 9 looala zsgorb eomatsinemitoqxe absbluost s s16q usty obmiugse o s1sq 2olnorg zommstes dis smysbsd eomsiist esinionsits 2ormstiv 318 sloseo sn zomsiteoit 6 eomsitsilov sbsbilidsetoqest touplsup mse eomstisonitd 2022011 zomsiiszasq rail os zomsitsmmio}or 25dod 192 my omios eomshsninnet 9 obasutul eseom von eomillis mupls 9b eorllo 20m orllind ominéns steinomuH— Exercicio: Um rei velho e excéntrico quer passar 0 trono para um de seus dois filhos. Decide realizar um concurso hipico da qual saira vencedor o filho que tiver 0 cavalo mais lento. Os filhos, temendo a possibilidade de 0 outro fazer trapaga (obrigando o cavalo a trotar mais devagar do que é realmente capaz) pedem conselho a um sabio. Com apenas duas palavras, o sabio indica 0 que fazer para nio haver trapaca no concurso, Que palavras séo essas? Artista Inverter sua perspectiva de um problema constitui uma técnica excelente para abrir a cabeca. Vejamos um exemplo. de como funciona essa estratégia. Carl Djerassi, um dos pesquisadores que criaram a pilula anticoncepcional nos anos 50, € hoje presidente de uma empresa que fabrica inseticidas € agrotéxicos. Nessa condicao, preocupa-se com os danos sociais, econdmicos e de satide provocados por certos insetos. E, como muitos outros cientistas, também nao perde de vista os efeitos danosos desses produtos sobre 0 meio ambiente. Certo dia, perguntou a si mesmo:“Como, eliminar insetos nocivos sem prejudicar o meio ambiente?” Brincando com as idéias em torno desse objetivo, decidiu nao sintonizar morte, mas nascimento.“Que tal se impedisse- ios os insetos de nascer,em vez de maté-los? Se pudéssemos evitar a maturagao de seus Grgaos sexuais com horménios especificos, eles nao poderiam se reproduzir’ A formula foi adotada. E funciona. Imagine que vocé fosse um professor pensando:*Como me tornar menos eficiente e ativo?” Isso implicaria estudantes mais responsaveis por seu aprendizado, o que poderia levar ao desenvolvimento de um programa de estudos autodirigi- dos e de um método adequado ao ritmo de cada aluno. ‘Vamos agora supor que vocé esteja projetando uma bateria solar Se colocar como objetivo a necessidade de aumentar a eficiéncia em 30 por cento, suas idéias evoluirao em um sentido. Se o objetivo for reduzir a ineficiéncia em 70 por cento, imprimira outra diregao ao seu pensamento, Do mesmo modo, a medicina mudou completamenté de rumo quando se alterou a sintonia de “cura” para “prevencao”’ Dica: Olhe para o lado oposto, procure 0 avesso das coisas. Descobrira coisas nunca vistas. Essa é também uma excelente maneira de se livrar de preconceitos profundamente arraiga- dos. fente o seguinte: descreva em tés pardgrafos alguma idéia em que esteja trabalhando, mas fazendo alguma inver sao. Se for hornem, escreva sob 0 ponto de vista feminino e vice-versa. Vocé criard, no minimo, um caminho interessante para novas idéias. Artista Conecte: faga associacgao de idéias O filésofo René Descartes entra num bar e se senta. O garcom chega e pergunta se ele quer uma cerveja. Descartes respon- de: “Nao penso..” e vai embora. E provavel que vocé nao ache a menor graga nessa piada,a menos que a associe com o célebre principio filos6fico proposto por Descartes — “Penso, logo existo”. Entretanto, nao é s6 o humor que se baseia em conexdes. Ele também é fundamento para invengao, poesia, viagens aéreas, sucesso nos neg6cios e investigagao de crimes. De acordo com o critico Ralph Caplan, “toda arte, assim como grande parte do conhecimento, implica perceber ou fazer conexées. Nada pode ser aprendido ou assimilado sem que antes seja associado ao que ja sabemos”. Também o pensamento criativo envolve o estabeleci- mento de associacao entre idéias desconexas e sua transformagao em algo novo. Gutenberg ligou a idéia da cunhagem de moedas com a prensa usada na fabricagao de vinho para criar o tipo mével e o prelo. Gregor Mendel associou matematica e biologia para criar o campo da genética. Fred Smith conectou a idéia de distribuigao centralizada das companhias aéreas com a de um servico de entrega em 24 horas ¢ criou o Federal Express. Uma aplicagao engragada dos conceitonadores listados no capitulo do Explorador consiste em escolher e associar alguns deles para ver que tipo de idéias despertam. Exemplo: Artista Labirinto + Agua = vz Um rio cavando seu curso das montanhas até o mar ve As veias dos seres vivos vr As tentativas feitas no século XIX de encontrar a nascente do rio Nilo sx Um submarino participando de uma corrida de obstaculos Ima + Biblioteca = 3x Uma “atracdo” ou incentivo para devolugao de livros em atraso, talvez oferecendo acesso a seco de livros, raros st Uma livraria em campanha de descontos + Uma mulher ou um homem bonitos (devido a seu “arquivo genético”, que Ihes garantiu fisionomia atraente) Ferramenta + Colchao = st Um aparelho para jogadores de futebol americano praticarem técnicas de bloqueio ve Uma droga para induzir sonhos yx Uma superficie para a pratica de saltos Lixa + Anel = 4 Instrumento para polir objetos redondos + Tatica de guerra em que, para sitiar uma cidade, ela é rodeada e literalmente reduzida a po 3 O ciclo do Anel de Nibelungo, de Richard Wagner: quatro 6peras que, de to longas, acabam por “lixar” a paciéncia do ouvinte O que vocé faria com Arco-iris + Relégio? Com Roteiro + Freios? Com Satélite + Parasita? As vezes nao sai nada. As vezes surge uma boa idéia. Divirta-se tentando. Pergunte a si mesmo: Que idéias posso associar a0 meu conceito? Artista Compare: faga uma metéfora Devo compararte com um dia de verao? —William Shakespeare, dramaturgo Exercicio: Tente comparat. 1. Um excelente jantar 6 como: a) Arremessar um dardo a enorme distancia. b) Observar a areia escoar numa ampulheta. c) Ler um bom livro na praia ) Pintar as unhas dos pés. 2, Educar uma crianga é como: a) Atravessar um grande pais, de lado a lado, dirigindo um automével. b) Limpar as ervas daninhas de um jardim. c) Acender uma fogueira e vé-la queimar. d) Pescar um peixe raro, 3.Dar um recital de piano é como: a) Investir no mercado de agoes. b) Cultivar orquideas. C) Dirigir na hora do pico, estando o tanque na reserva. d) Jejuar durante trés dias. 4. Encontrar a verdade é como: a) Fazer casca de banana virar pao. b) Entrar num lugar e esquecer o que nos levou 14. c) Atravessar uma tormenta num veleiro. d) Fazer um teste que nao tem alternativas erradas. Artista Como se saiu no exercicio? Bem, é claro, porque qual- quer resposta estaria certa. Afinal, o objetivo era apenas fazé- lo encontrar alguma semelhanga entre diferentes idéias. Se vocé respondeu que educar uma crianga é como arrancar ervas daninhas do jardim ou que dar um recital de piano é como investir na Bolsa, significa que conseguiu encontrar algo em comum nessas idéias. E disso que se tata quando se fazem metaforas: descobrir semelhancas. Vocé pega uma idéia e a usa para descrever outra, devido a similaridade que apresentam. Usamas esse recurso 0 tempo todo. Falamos em “pé” de alface,“cabega” de martelo, “cérebro” eletronico, “asas” da imaginagao, “coragao financeiro” da cidade; dizemos que as idéias “estao fervendo” ma nossa cabega, que o motor do carro “morreu”, que os candidatos conseguiram uma “montanha’” de votos. Alias, muitas descobertas foram feitas porque alguém encontrou uma metafora para descrever determinada situacao. No século XVII, William Harvey viu no coracao uma “bomba”, nao um 61gé0 ou mtisculo, e descobriu a circulaco do sangue. No inicio do século XX, 0 fisico dinamarqués Niels Bohr desenvolveu um novo modelo do dtomo, partindo de uma comparagao com o sistema solar. De acordo com essa idéia, imaginou que 0 sol representava © nticleo atémico, enquanto os planetas represen- tavam os elétrons. Com isso, ele suplantou o modelo de Ruther ford, que comparava o dtomo a um “pudim de passas”. vezes, uma metdfora é como uma luz que Ihe indica uma nova entrada para penetrar no problema. Exemplo: ha varios anos, tive um cliente do ramo de computadores que no conseguia entender por que suas vendas eram baixas num mercado em plena expansao. Como ele estivesse proxi- mo demais do problema para ter dele uma perspectiva am- pla, criamos uma metafora. Decidimos considerar que sua empresa era um restaurante.O cardapio (linha de produtos) era variado, mas havia muitas limitagdes no atendimento dos pedidos — um cliente nao podia pedir salada com carne de porco, por exemplo. Como cada cozinheiro (gerente de divisio) decidia individuaimente sobre os itens do cardapio, nao havia complementaridade nos pratos oferecidos. Isso levava & necessidade de especializagao dos garcons (vende- dores). Resultado: o fregués nao podia pedir peixe ao gargom encarregado de servir carne. Levamos a metafora ao limite, mas logo ficou claro para os diretores que sua linha de produ- tos, ampla € restrita ao mesmo tempo, confundia a clientela — razio pela qual as vendas eram baixas. Artista A Biblia é bastante metaforica. Seja em Jesus, falando por parabolas, seja em Sao Paulo, com suas epistolas salpicadas de comparagdes, ou nas visdes dos profetas, vocé encontrar muitas idéias expressas por metaforas. Isso é particularmente verdadeiro no que tange ao Livro dos Provérbios. Associe a metafora que aparece no lado esquerdo com a idéia representada no lado direito. seu POO Ee xt 3 vse awe asels a rede © Mque Antista Exercicio: Pegue lapis, papel e um reldgio. Veja as duas listas abaixo. Estude a lista da esquerda durante um minuto (marque o tempo no reldgio). Vocé tem um minuto para escrever 6 maximo de palavras que puder lembrar. Repita © proceso com a segunda lista. Lista 1 Lista 2 mesmo pordo-sol perda espelho certo tijolo déficit diamante termo Osso virgula vaca sobre rosas envia guarda-chuva quantidade macaco determinar biscoito fase taga trabalho castelo seqiiéncia violao © conjunto relogio de pulso muito lapis apéndice lata de dleo Que tal? Descobri que a maioria das pessoas memoriza mais palavras da segunda lista. Em parte, porque as palavras desse rol sio mais visualizdveis. E possivel imaginar a figura de um macaco tocando violao na frente de um castelo. Depois, quando for preciso lembrar cada item, basta recorrer a imagem. Artista Faco associacées e construo metaforas porque a maioria das metaforas é visual. Logo, vocé dificilmente se esquecera das coisas se for capaz de criar uma metafora para o que quiser lembrar. Ha alguns anos, precisei memorizar varias partes de um sistema operacional de computador. Nao queria lembrar cada detalhe, mas precisava conhecer as diferentes relagdes de uns elementos com os outros. Defini para meu uso:“Esse sistema operacional € como um automével. Tal parte € o chassi, esta 6 0 motor, esta é 0 volante” e assim por diante. Sempre que foi preciso lembrar, eu trouxe a tona a imagem mental do automével. Dica: Descobri que as metaforas mais faceis de elaborar s&o as que apresentam algum tipo de aco. Eis uma lista de candidatas potenciais. Procure comparar sua situagao com uma ou mais acdes: Preparar uma refeicao Dirigir um automével Fazer um discurso Formar um jardim Podar uma drvore Escrever uma histéria Realizar um negécio Atirar num alvo Distribuir propaganda Iniciar uma revolugao Promover um produto Reger uma orquestra Educar uma crianca Combater um incéndio Travar uma guerra Garimpar ouro Ir pescar Solucionar um problema Coordenar um projeto Observar as estrelas Colonizar um territério Ler um romance Planejar férias Professar uma religiao Competir numa raia Ter um filho Vender por telefone Executar uma magica Construir uma casa Fazer um arranjo de flores Como preparar uma refeigao pode se assemelhar a fazer um discurso? Existe alguma semelhanga entre solucionar um problema e ter um filho? Coordenar um projeto ¢ planejar férias tém algo em comum? Divirtase misturando essas idéias’. + As vezes as pessoas conseguem combinar metloras de modo exranha sso pode levar no 36a inconsiséncias mas também a imagens engracadas,quase sumealitas. Roland Banelum profesor do estado ce Oregon coleciona esse tipo de metafores. Aqui v0 algmmas de suas fnvortas’A questo € saber qual dos patos sero bode expat’ lores ‘irgem € aquela onde a mao do homem ainda nao fineou pé"E preciso cuidado para n2o tenlorar o ealde,ou vio pensar que estamos lvando roupa sje a cozina” Artista Elimine: quebre as normas Se vocé nao pergunta suficientemente “por que isso?”, alguém perguntara “por que vocé?” —Tom Hirshfield, inventor Matar vacas sagradas resulta em Otimos bifes. —Dick Nicolosi, filésofo Exercicio: O desenho abaixo é um labirinto. Tente achar 0 caminho de A para B. Use lapis para’tragar suas tentativas. Nao {oi dificil, certo? Agora, observe 0 que fez. Para resolver o problema, vocé deve ter usado uma de trés estraté- gias, Primeira: comecou em A, abrindo caminho até B. Cada vez que chegou a um beco sem safda, recuou e comecou de novo. Segunda: comecou em B e avangou em marcha a ré para A.Usamos este método em quase tudo 0 que fazemos. Se vocé tem um projeto que precisa estar pronto dentro de trés meses, vai pensar:“Onde deverei estar dentro de dois meses? E em um més? E na semana que vem?” Terceira solucdo: quebre as normas. Que tal desenhar uma linha reta do ponto A ao ponto B? Ou talvez contornar 0 labirinto pela linha de fora? Vocé também pode arrancar a pagina do livro, dobréla ao meio e fazer B ficar em cima de A.Nao faltard quem objete que quebrar as normas € contra as normas. E. ato de indisciplina, verdade, mas as vezes 6 preciso fazer isso para inovar. Como diz o educador Rudolph Flesch: Pensar criativamente pode significar a mera constatagao de que nao ha mérito algum em fazer as coisas do jeito como sempre foram feitas. Olhe 0 que acontece nos esportes. Se as regras nao tivessem evoluido, os jogadores ainda continuariam atrasando a bola pata o goleiro no futebol, as partidas de volei durariam demais e nao haveria arremesso de trés pontos no basquete. Na verdade, muitos avancos em ciéncia, tecnologia, design, arquitetura, medicina e agricultura s6 aconteceram depois que alguém quebrou as normas ou as suspendeu temporariamente. Com 0 arcondicionado, Willis Canier quebrou a norma de que 8 escritérios tinham que ser verdadeiros foros no verao. Com, seus versos apaixonados, Safo infringiu a regra de que s6 homens podiam escrever boa poesia lirica. Ao formular que a soma dos angulos de um triéngulo nao precisa resultar em 180°, Karl Gauss acabou com a regra de que a geometria euclidiana era a unica possivel. Com os ataquesrelampagos de suas divisdes blindadas, Rommel revolucionou as normas de combate numa guerra. A propaganda miliondria de Mitch Kapor para o Lotus 1-2-3 rompeu as regras de como langar software no mercado de informatica. Artista Um banqueiro meu conhecido, que gosta dessa ligacao entre eliminar e inovar, pediu para seus oito assessores diretos porem no papel as cinco coisas que mais os desagradavam no trabalho — politicas da empresa, rotinas, métodos, rela- es com os clientes, o que fosse. Curiosamente, trés itens apareceram em todas as listas. Esses diretores se concentra- ram nos tais problemas e conseguiram eliminar dois deles imediatamente, por serem obsoletos, Tente fazer 0 mesmo. Aponte cinco coisas que nao Ihe agradam em sua atividade. Serd que alguma delas j4 nao pode ser eliminada? Um contador me disse que usa processo semelhante para eliminar a papelada em seu trabalho. Mensalmente, prepara certo numero de relatérios, que envia as pessoas “distadas em sua agenda. Ele faz tudo no prazo certo. Mas, a cada seis meses mais ou menos, atrasa 0 envio por alguns dias, pata ver se ha alguma reclamacao. Se houver queixa, ele fica sabendo que determinado relatério é mesmo importante. Se nao houver, discute sua utilidade. Os atrasos tm tido resultado muito positivo em sua rotina. Exercicio: Vocé esta dirigindo um comercial de automével que sera exibido em rede nacional pela televisdo. Procure cinco “regras” que podera quebrar na apresentagao do produto: Dica: Quebre as normas. Se costuma comecar a se barbear pelo lado esquerdo do rosto, comece amanh pelo lado direito. Se nunca assiste a novelas, experimente. Se sé ouve jazz, mude para musica classica. Se sempre volta do trabalho pela via expressa, passe a usar ruas onde o trafego € mais lento e a paisagem mais bonita. Artista Parodie: brinque com as coisas A imaginagao foi dada ao homem para compensé-lo pelo que nao é. O senso de humor foi-lhe concedido para que se consolasse pelo que é. —Horace Walpole, literato Exercicio: E, se as pessoas dormissem na geladeira? Prova- velmente iriam sonhar com esquis ¢ guerras de bolas de neve. E se quisessem um sono mais profundo, poriam a cabeca no congelador. Gente que faz poupanga embaixo do colcho descobriria que seu dinheiro era frio. As frigidas teriam uma boa desculpa: “Hoje nao, querido, estou resfriada’ Muitas geladeiras sa autolimpantes. Talvez nem se precisasse mais tomar banho. O que mais poderia acontecer? Artista Em geral, quando pensamos em artistas, nos ocorre a imagem do escultor que modela suas figuras em argila. De vez em quando, ele precisa de mais um pouco de massa e € entdo que entra em cena sua outra matéria-prima: a irreveréncia, a disposigao para brincar com as coisas. O artista formula os “e se...?” mais ousados e inverossimeis para soltar a imaginagao, habilitando-se a olhar as coisas sem preconceito. Exemplo: ele pode fazer piadas. Pergunta: O que é 0 que é: um charlatéo que se apresenta como “bruxo”, diz ser capaz de ler a sorte das pessoas e sempre consegue escapar da policia? Resposta: Um médium volante. Pergunta: Qual 6 a tiltima coisa que passa pela cabeca de um inseto quando se choca no seu para-brisa? Resposta: O rabo dele. Pergunta: Por que um arquedlogo pagaria 20 délares por uma folha de lixa? Resposta: Porque pensa que é um mapa do deserto do Sahara. Ele também pode criar uma nova tabela de conversoes. 10 microfones = 1 megafone 10” pés = 1 centopéia 3 1/3 dentes = 1 decadente 4 seminarios = 1 binario 10?! picolos = 1 gigolé 1 militante = quantidade de explosivo necessaria para detonar um patrao Ele talvez possa inventar trocadilhos (ou citar trocadi- Ihistas célebres, como faz Herb Caen). Matei dois coelhos com uma caixa d’agua so. Resposta do bébado ao apressado: “Espere sO um copinho” Artista Ele pode sugerir os patos de um cardépio: Patada Patavina Patogénico Patota Patamar Patacoada Patim O artista acredita que existe uma relagdo intima entre o ha-ha-ha do humor e o aha! da descoberta criativa. Quem é capaz de rir diante das coisas tem mais possibilidade de desafiar a norma subjacente As idéias, pois exercita um modo diferente de olhar para elas. Foi 0 que constatou um teste de criatividade aplicado a um grupo de atunos do segundo grau hA alguns anos. Os participantes foram divididos em dois grupos. Um deles foi levado a uma sala e mantido em silén- cio enquanto aguardava o teste. O outro passou esse periodo ouvindo uma fita gravada de um humorista famoso. Depois, ambas as turmas foram submetidas ao teste.O segundo grupo saiu-se muito melhor em todas as fases do teste. Estimulados pelo humor,estavam com a cabeca mais aberta. Um de meus clientes, fabricante de satélites, participou de uma reuniao de criagdo com projetistas na qual todos decidiram banear os loucos. Achincalharam o modelo, fize- ram piadas e se divertiram a valer Resultado: sairam idéias excelentes sobre como projetar o satélite. Na semana seguin- te, quando o grupo estava sério, nao surgiu nenhuma idéia. Exercicio: Vocé é 0 prefeito da sua cidade. Descubra trés coisas nela que sejam dignas de piada. Dica: Brinque com as coisas. Veja programas e espetculos de humor. Leia livros de piadas para despertar o espirito criativo. 0 humor é particularmente eficaz quando o artista em vocé esta sob pressao. Segundo o fisico Niels Bohr, “certas coisas so tao sérias que s6 se pode rir delas” Artista Incube: nao facga nada Aprenda a parar... Sendo, nunca sera alcangado por algo que valha a pena. —Doug King, poeta Exercicio: Pare um momento ¢ pense em sete colegas de escola, Quando a ateng&o esta toda voltada para a frente, é dificil ver as boas idéias que ficaram para trés. As vezes, largar tudo e deixar agir a forga do inconsciente é a melhor saida. Rick Tendy que é engenheiro de sistemas e cria softwares, diz: “Nunca tento resolver um problema tentando resolver 0 problema?” Incubar idéias traz,no minimo, trés vantagens. Antes de mais nada, vocé coloca o problema em perspectiva, dando- Ihe as devidas proporgées. A propésito, um publicitério me contou que sua estratégia para gerar idéias inclui um ou dois meses em que ele se empanturra de todo tipo de informagao sobre 0 cliente e seu mercado. Depois, sai trés dias para pescar, deixando que “as idéias borbulhem e venham & tona’, Fazendo uma analogia com 0 exercicio 14 de tras, sobre 0 retrato de Lincoln, é facil perceber que passamos a maior parte do tempo “pensando quadrado”. Mas, se voce tomar distancia em relacao 4 situacao, vera 0 quadro completo. Artista Em segundo lugar, enquanto incubamos, estamos plan- tando idéias. Quando nos afastamos, as sementes continuam: a germinar: Deitam raizes na massa cinzenta e soltam ramiti- cacées. Exemplo: 0 que resultou do seu exercicio com os colegas de escola? Nao foi dificil, claro. Mas, agora que 0 problema foi plantado em sua mente, vera que outros sete serao lembrados quando acordar amanha e outros continua- ro a aparecer — mesmo que inconscientemente. Finalmente, quando voltamos a idéia ou <> ao problema, depois do perfodo de incubacao, é mais do que provavel que nossa abor dagem sera diferente. Um engenheiro, vice-presidente de uma empresa, me dis- se que seu conselho aos funcionatios é: Uma da tarde tem que trazer novidade. E que seu pessoal passa 0 dia debrucado sobre um problema. Depois de trabalhar a manha inteira, os funcio- narios abrem suas lancheiras e devoram um sanduiche rapidinho sem sair de suas mesas e bancadas. A uma da tarde, continuam a trabalhar no problema. Resultado: nao arejam a cabeca e ndo conseguem idéias novas. 0 que esse executivo pretende € encorajar 0 pessoal a sair para © almoco, aproveitar para fazer exercicio ou ir até a biblioteca — qualquer coisa capaz'de quebrar o ritmo, de introduzir uma pausa. Uma tltima palavra sobre incubagao: as vezes, retardar a entrada em aco significa obter mais informagao. O designer Christopher Williams conta a respeito de um arquiteto que concebeu um grupo de edificios comerciais a ser construido em tomo de uma Area verde. Quando os prédios ficaram prontos, os paisagistas Ihe perguntaram onde pretendia colo- car as calgadas.‘Ainda nao sei”, ele respondeu. “Por ora, cubram tudo de grama’. Foi o que fizeram. No fim do verao, acessos € safdas estavam marcados por grama pisada. Williams explica:‘Aquelas trilhas representavam © melhor percurso entre os locais. Seu tragado eram curvas suaves,em vez. de reas e ngulos. E sua largura indicava o fluxo do trafego. No outono, o arquiteto s6 fez pavimentar as trilhas. Assim, as calgadas nao sé ficaram com um belo desenho como cones pondiam exatamente & necessidade dos usuarios” Artista Sumario O artista € 0 personagem que “acrescenta coisas” a partir da matéria-prima, transformando informacao, padrées e idéias ‘em coisas novas. As ferramentas para “acrescentar alguma coisa” sao: mudar © contexto, adotar atitude irreverente, brincar com as coisas e observar o que fazemos sob outros angulos. ‘Também podemos incluir ou retirar algo, usar a imaginacao e fazer experiéncias. No fim, ha de sair alguma idéia original O maior perigo a que se expoe o artista é ficar preso rotina do que é familiar. Quanto mais olhamos ou fazemos as coisas do mesmo modo, mais dificil se tora pensar nelas sob novos Angulos. Picasso devia ter isso em mente quando disse: Toda crianga é artista. O problema é como permanecer artista depois de crescer. E preciso ter muita confianca em si, muita auto-estima, para encarnar este personagem. Afinal, é impossivel saber ao certo até onde todo esse “acrescentar” nos levara. Pode ser a coisa nenhuma (tempo perdido), a uma saraivada de criticas (orgulho ferido) ou a uma idéia totalmente original (parabéns!). Artista A paleta do artista Pegue uma idéia e “faca” algo com ela. “Acrescente”, Quais os padrdes que podem ser alterados? Como vocé pode mudar a maneira de encaré-lo? Adapte. Em que outros contextos vocé pode colocar sua idéia? Num contexto histérico? Num cenario futuro? Em que contexto geografico ou politico ela se encaixaria? Imagine. Existem perguntas inusitadas do tipo “e se...?” com as quais questionar sua idéia? A que extremos vocé pode levéta? Até o surrealismo? Inverta, Othe sua idéia pelo avesso. Como ela fica de cabega para baixo? E de tras para a frente? Conecte. 0 que pode ser associado & sua idéia? Como ela se encaixa com seus outros conhecimentos? Compare. Crie uma metafora para sua idéia. Que seme- Ihangas ela tem com a misica,a medicina, a guerma? E com a jardinagem, as viagens, 0 namoro? Elimine, Quais as normas que podem ser quebradas? Quais as obsoletas? Quais os tabus? Quais delas s40 desnecessarias? Parodie, Brinque com sua idéia. Desligue a tecla do autocontrole e seja irreverente.A que ponto vocé consegue bancar 0 bobo? Até se tomar inconveniente? Quantas piadas consegue inventar com sua idéia? Incube. Das idéias que anda ruminando, quais as que gostaria de deixar em banho-maria? J e O personagem que avalia e decide sobre os destinos de uma idéia Juiz Exercicio: O desenho abaixo representa um novo modelo de xicara de café. Enumere trés usos que daria a ela. Novo design para xicara de café Sua idéia provocaraé um ah! ou um 6000? Jogo é 0 que fago para viver. O trabalho sé aparece na hora de avaliar o resultado. —Mac MacDougall, arquiteto de computadores Vocé teve uma idéia e gostaria de vé-la concretizada. Pode ser 0 esboco de um quadro, o projeto para uma nova empresa, uma receita nova de frango, uma festa beneficente ou um estrutura diferente para um banco de dados. Entao, vém as perguntas:“Essa idéia é boa? Vai funcionar? Vale a pena investir meu tempo nela? Quais sao os riscos? Produzira os resultados desejados? Qual é 0 reverso da medalha? Vou ficar famoso ou virar um joao-ninguém?”. Um modo de saber é fazer para ver no que da. Esse método funciona razoavelmente bem quando a idéia é simples e um possfvel fracasso nao chega a assustar. Mas nem sempre vocé pode se dar esse luxo. Portanto, precisa aprender a pensar como juiz. Todo mundo sabe o que é um juiz. Provavelmente, esse € 0 papel que melhor interpretamos, jd que ¢ usado para avaliar tudo — da roupa que vestimos ¢ livros que lemos as decisées de onde passar férias e investir nossas economias. No proceso criativo, o papel de juiz é bastante delicado. Vocé tem que ser critico o bastante para dar ao guerreiro a seguranga de que vale a pena lutar por uma idéia, Mas precisa ser suficientemente aberto para nao abafar a imaginacao do artista. Se falhar na critica, poe o guerreiro em perigo; se nao for flexivel, tolhe o artista. Além do mais, precisa ter senso de oportunidade. No fundo, a arte de ser juiz consiste em saber qual decisao tomar em seis segundos e qual pode esperar seis meses. Neste capitulo, vamos examinar conviegdes, compor tamentos ¢ preconceitos que podem afetar sua capacidade de atuar como juiz na hora de tomar decisdes. Juiz: O que ha de errado com esta idéia? Assim como 0 corpo estranha substancias desconhecidas, a mente humana nao gosta de idéias estranhas e a elas reage com igual energia. —WI. Beveridge, cientista Quando avalia uma nova idéia no papel de juiz, vocé pergunta: “Sera que vai dar certo? Quanto custa? Quanto tempo até a implementacao? Existe mercado? Quais os recursos disponiveis? Vai ser uma experiéncia interessante? O que vou aprender com isso? Traré novas oportunidades?” No. curso dessa investigagao, o juiz examinard a idéia cuidadosa- mente para descobrir 0 que ha de errado com ela. Mas atencdo para um detalhe: alguns jufzes levam o rigor a extre- mos, sintonizando apenas falhas e pontos fracos. Quais foram as suas impresses sobre o modelo da xicara de café? Se vocé é como a maioria, provavelmente disse 0 que vai abaixo ou algo parecido: «= Nao tem ponto de equilibrio. «= Nao hd como apoiar. » Parece que vai quebrar, + A asa 6 muito pequena. «= O design nao é bom. es E feia que doi. Repare que todos os comentarios so negativos. Muitas pessoas nao questionam sequer onde ou como a xicara sera usada. E se fosse utilizada na Lua ou embaixo d’Agua? E se fosse para praia ou para uma mesa com furos no tampo, como as dos avides e navios? Nosso juiz deveria considerar que, além de descobrir o que ha de errado com a idéia, sua fungao é também dizer se vale a pena fazer alguma coisa a partir dela e apresentar as alternativas para tanto, Um bom juiz sabe que um ponto fraco — quando a idéia é interessante — pode ser 0 caminho das pedras para op¢des mais praticas e criativas. Adotando um comportamento construtivo, ele poderd olhar para a xicara e dizer: V Boa idéia, 0 pé ficaré no fundo e nao vird até a boca. V Seria um sucesso na praia. £ s6 enfiar na areia. v E perfeita para se prender na amurada de um navio. v £ otima para definir com precisao a quantidade de whisky, acticar, mel ou creme que se queira misturar ao café. 0 juiz precisa levar em conta que seu principal objetivo 6 ajudar na producao de boas idéias, e nao se deslumbrar com a beleza de seu proprio julgamento. Para contrabalancar a natural tendéncia ao negativismo, localize antes de mais nada os aspectos positivos ¢ interessantes da idéia. Os aspectos negatives surgem sem nenhum esforco, Dica:“O nao criativo”, foi assim que o dramaturgo Jerome Lawrence apelidou a técnica que desenvolveu para quando trabalha em colaboragao com outra pessoa. Funciona da seguinte maneira: cada membro da parceria tem poder de veto sobre a idéia do outro, Entretanto, cada vez que exerce o poder de veto, é obrigado a apresentar uma idéia substitutiva capaz de agradar a ambos. Assim, o velo ganha um carater construtivo. Juiz E se nao der certo? % O navio é seguro quando esta no porto. Mas nao é para isso que se fazem navios. —Grace Hopper, inventora Nao fazer é tao arriscado quanto fazer. —Tramme! Crow, incorporador imobiliario Ninguém jamais alcangou a gloria agindo com prudéncia. —Harry Gray, executivo © Gostaria de ter bebido mais champagne. —Ultimas palavras de John Maynard Keynes, economista ‘Todo empreendimento envolve risco. Esteja voc® esco- Ihendo uma cor para pintar sua sala ou lutando para obter exclusividade na transmissao dos Jogos Olimpicos pela TV, ha sempre a possibilidade de nao dar certo. O pintor pode errar na cor Vocé pode exagerar ou se intimidar na negociacao.O risco é to inerente ao processo criativo quanto aos atos de atravessar a rua ou de se apaixonar, Afinal, a eventualidade de ser atropelado, de ser rejeitado ou de fracassar existe. Para o juiz, uma parte fundamental da avaliagao € conside- rar o risco e estimar as chances de sucesso e fracasso.E evidente que nenhum juiz gostaria de passar ao guerreiro uma idéia destinada a nao dar certo. Entretanto, ele também sabe que nada é infalivel. Como o “inafundavel” Titanic, tudo 0 que €“100 por cento seguro” acaba encontrando um iceberg pela frente. Entao, 0 que fazer? No papel de juiz, vocé precisa se conscientizar de que pensar criativamente implica nao temer © fracasso. O mal do conservadorismo é 0 medo. Como diz Woody Alien, “quem nao fracassa de vez. em quando é porque nao esta procurando nada muito inovador’. Claro que nin- guém gosta de errar, mas, se acontecer, vocé pode aprender com o erro. Primeiro, fica sabendo o que nao funciona e, portanto, tem a oportunidade de experimentar novas idéias e outras abordagens. O romancista James Joyce disse: “Os erros de um homem so seus portais para a descoberta” Em segun- do lugar, aprende que a vida continua.’Tem gente que se Preocupa tanto com o fracasso que chega ao ponto de nunca tentar nada inovador. Por tiltimo, se vocé tem medo de falhar, pode usar isso para agucar sua capacidade de julgar Infelizmente, a maioria das pessoas aprendeu que errar 6 péssimo. A escola ensina que: 90% correto ou mais = A, timo 80% correto ou mais = B, bom 70% correto ou mais = C, regular 60% correto ou mais = D, mau Abaixo de 60% = Reprovado Com esse tipo de sistema de avaliagao, aprendemos que apenas 22 por cento de erro bastam para nos condenar a um “regular”. E, 0 que € pior, cedo aprendemos a evitar situagdes em que podemos fracassar. O problema é que isso leva ao conservadorismo, tanto nos padrées de pensamento como nos de ago. Embora tal atitude possa ser adequada para boa parte do que fazemos, nao serve quando estamos tentando pér uma nova idéia em pratica. Se a probabilidade de sucesso for de apenas 50 por cento, mas a aposta paga 10 por 1,seremos um juiz sem jufzo se evitarmos continuar — sobretudo se o desafio for estimulante para o guerreiro. Um juiz criativo distingue entre “erros por ag’io” (cometi- dos quando se tenta fazer algo novo) e“erros por omissao”_ (cometidos quando nao se age, perdendo oportunidades). As vezes, nao agir (e nao cometer erros) é pior do que tentar alguma coisa e errar Edison conhecia 1.800 maneiras de como nao fabricar uma lampada. Um dos fracassos de Mada- me Curie foi justamente o radio, o elemento quimico que descobriu. Colombo pensou que havia descoberto as Indias Ocidentais. Freud bateu a cabega varias vezes até vislumbrar a psicandlise. A primeira colaboracao de Rodgers e Hammers- tein, a grande dupla dos musicais da Broadway, foi um fracas- so to retumbante que eles passaram anos evitando trabalhar juntos. A verdade € que toda a histria do pensamento esta cheia de gente que “pegou o caminho errado”. Charles Kettering, da General Motors, uma das grandes cabegas criativas deste século, costumava dizer a respeito da importancia de errar e aprender:"Inventor é simplesmente alguém que nao da importancia excessiva a sua formacao. Juiz Veja bem: desde os seis anos de idade até sua formatura na universidade, o sujeito passa por tés ou quatro exames anuais. Se fracassar uma vez, esté frito. Mas um inventor est sempre errando. Ele tenta e falha centenas de vezes talvez. Se acerta uma vez sé6, est feito. As duas situagGes sao diametral- mente opostas. Sempre dizemos que nossa principal tarefa é ensinar aos novos funciondrios como falhar com inteligéncia. Precisamos treiné-los no sentido de experimentar constante- mente e continuar tentando e errando, até aprenderem o que de fato funciona” Exereicio: Quais 0s dois maiores riscos que vocé jé correu? Foi bem sucedido? Qual 0 isco que nao valeu a pena? Ele ajudou a melhorar seu senso critico e sua capacidade de julgar? As vezes, 0 fracasso se di porque temos a idéia certa na hora errada. E como diz o especialista em tecnologia Robert Gelber:*Nunca se esqueca de que mesmo a melhor das idéias & perdedora quando acontece na hora errada, Observe coisas que hoje estao na lideranca mas eram de segundo plano quando surgiram — o que tiveram a seu favor € que foram oportunas. O senso de oportunidade esté para 0 campo das idéias como a localizagdo para o ramo imobilidrio? Pergunte a si mesmo: Este 6 0 momento oportuno? E se eu esperasse seis meses antes de por minha idéia em pratica? © que terei a ganhar ou a perder? E se eu a tivesse implementado seis meses atris? Juiz Que pressupostos usar? Exercicio: Vamos brincar de Sherlock Holmes. Vocé entra num aposento e vé John e Mary mortos no chao. Ha vidro quebrado e Agua derramada em volta deles. Sua missao é descobrir como eles morreram, Exercicio: Uma senhora entra numa loja, pretendendo comprar coisas para sua casa e pergunta o preco.Q vendedor responde:“O preco de um é 39,0 de 25 é 78 e o de 144 é 11770 que a mulher quer comprar? Pressupostos sa0 0 grande sucesso da nossa mente. Por sermos capazes de aprender com a experiéncia passada, conseguimos prever as situagdes do dia-a-dia, formular nossas expectativas e agir para responder a elas de maneira adequa- da. Exemplo: se faz sete semanas que seu chefe chega de péssimo humor as segundas-eiras, vocé vai supor que a préxima segunda nao € 0 dia certo para pedirlhe aumento. Assim, nossos pressupostos nos ajudam a lidar com o mundo. O problema, no caso do pensamento criativo, é que eles as vezes nos conduzem para 0 lado errado. Um exercicio que gosto de propor nos meus seminarios é 0 de fazer avidezinhos de papel. Divido os participantes em grupos e distribuo a cada um cingiienta folhas de papel. Depois, desenho uma linha no fundo da sala e dou aos grupos cinco minutos para jogar os avides. ence o grupo que conseguir ultrapassar a linha com 0 maior numero de avides. A tendéncia deles é dobrar o papel da maneira tradicional. Todavia, o melhor aviao ainda é uma bola de papel amassado, que sempre ultrapassa a linha — e essa 6 a linica regra a ser obedecida no exercicio. Como as pessoas j4“sabem” antecipadamente o que é um avidozinho de papel, clas impGem restrigdes desnecessdrias ao seu pensamento. Do mesmo modo, muita gente prejulga uma nova idéia e nunca se permite fazer as perguntas certas. Thomas Edison tinha uma saida para isso. Sempre que ia contratar um novo funciondrio, convidava o candidato para almocar e Ihe oferecia um prato de sopa. Entao, observava se ele punha sal na sopa antes de provérla. Se fizesse isso, nao era admitido. Edison estava consciente dos numerosos pressu- postos que instalamos em nossa mente em vista dos desafios da vida. E nao queria ver seu pessoal “pondo sal em sua experiéncia de vida antes mesmo de provéla”. Juiz Como se saiu no exercicio de Sherlock proposto ali atras? Como John e Mary morreram? Foi um homicidio? Eles foram envenenados ou morreram de tiro? Talvez tenham sido perfurados com pedagos de vidro? Teriam sido atingidos por um maremoto e se alogado? Essas hipdteses siio todas plaust veis, considerandose a informagao recebida e supondo-se que John e Mary sejam pessoas. Contudo, parta do principio de que eles so dois peixinhos ormameniais: seu julgamento seri completamente diferente.Talvez o gato tenha derrubado © aquario de cima da mesa. O mesmo acontece com o exercicio da loja.A maioria das pessoas pressupde que 1,25 e 144 representem a quantida- de de objetos que a mulher quer comprar E se,em vez disso, supusermos que esses mimeros indicam determinados objetos? Vocé nao s6 chegara a uma conclusao diferente como achara justo que 0 144 custe apenas trés vezes mais do que 0 1... Uma professora me contou uma historia exemplar, acontecida durante uma aula de desenho com uma colega. As instrucées da professora eram:“Vocés receberam uma folha de papel contendo uma casa, arvores, flores, nuvens e céu. Pintem cada uma dessas figuras com as cores apropriadas” Uma das alunas, Patty, tabalhou bastante na tarefa. Ao receber a li¢ao de volta, ficou surpresa com um enorme °X" que a professora havia riscado sobre o desenho. Ela perguntou o por qué daquilo.“Vocé ganhou esse risco porque nao seguiu as instrugées: a grama é verde, e nao cinza; 0 céu deveria ser azul, € nao amarelo como vocé fez. Por que nao usou as cores normais?” Patty respondeu: “Porque é assim que eu vejo quando acordo cedinho para ver o sol nascer” A professora tinha um pressuposto, que considerava a tinica resposta certa. O repertério de experiéncias do juiz é um recurso impor tantissimo. Em determinadas situag6es, porém, ignorar pode ser tao decisivo quanto saber Esquecer 0 que se sabe — no mo- mento adequado — também leva a boas idéias. Desprovida da capacidade de esquecer, nossa mente fica entupida de respostas pronias, e percemos a oportunidad de fazer as perguntas certas, Lembrese: todo mundo é capaz de esquecer.A arte est em saber quando usar essa capacidade. Quem confirmava isso era 0 escritor Henry Miller, que dizia que seus “esquuecimentos” ram to importantes para seu sucesso quanto sua meméria. Juiz Meus pressupostos estao na ordem do dia? E importante verificar se nossos pressupostos sao atuais e ainda tém validade. Como seu fundamento sao as experiéncias passadas, nao é raro encontrar quem tome decis6es como o motorista que dirige numa via expressa olhando pelo retrovisor Essa abordagem até funciona — basta 0 que est pela frente ser igual ao que ficou para trés. Mas, se houver uma curva logo adiante, ele vai ter problemas, Portanto, juiz precisa estar revendo e atualizando constantemente seus pressupostos. Em Los Angeles existe um grupo de imigrantes russos que ainda mantém a tradigao de comemorar a passagem de ano na tarde de 30 de dezembro. Perguntaram a eles por que festejavam 0 Ano Novo 36 horas antes de todo mundo, e um deles respondeu:*Quando éramos pequenos € mordvamos na Europa do Leste, s6 tinhamos dinheiro para contratar uma banda para a tarde do dia 30, pois no dia seguinte era muito mais caro. Foi assim que comecou esta nossa tradicao” O curioso € que, agora,a maioria desses imigrantes est bem de vida e pode se dar o luxo de pagar pela festa no dia certo. que isso prova? Que, uma vez estabelecidos, certos comporta- mentos e crencas tendem a se repetir — mesmo que nao exista mais nenhum motivo para isso. Motivos obsoletos fazern com que certos problemas e situagdes tenham um qué da “comemoracao antecipada” dos russos de Los Angeles. Pode ser 0 caso dos impressos que vocé usa na sua empresa ou da maneifa como educa seus filhos. Talvez ocorra na viséo que vocé tem do mercado para um novo produto ou na sua decisao de se aposentar com determinada idade, Alids, a idade para a aposentadoria, que é de 65 anos em muitas nagdes ocidentais, é um bom exemplo desse fendmeno, Por volta de 1870, 0 chanceler alemao Otto von Bismarck definiu arbitrariamente que, com 65 anos, os funciondrios piiblicos do pais poderiam requerer aposentado- ria e passar a receber pensao. Em termos fiscais, a deciséo era adequada naquele tempo, quando a média da expeciativa de vida estava abaixo de 65 anos. problema é que, hoje, os alemaes viver muito mais — e a idade da aposentadoria continua a mesma, embora a realidade fiscal indique que deveria ser alterado. Para obter bons resultados, o juiz deve estar a todo momento localizando idéias obsoletas. Esse é,na verdade, um dos pontos basicos do pensamento criativo. Juiz Ter idéias novas é facil; dificil 6 abandonar o que funcionava bem ha dois anos, mas logo, logo vai ficar obsoleto. Juiz: Qual é o viés da minha cultura? Os padrées de exceléncia sao a tal ponto determinados pela época e pelo lugar que é possivel alguém se vangloriar de uma coisa numa rua e envergonharse da mesma coisa na rua seguinte. —Dr, Johnson, lexicégrafo Exercicio: Responda depressa: no Paralelogramo de Sander, qual a linha mais longa, AB ou B-C? A B Exercicio: Suponha que esté no meio de uma guerra civil. Ha dois exércitos em luta, um “vermélho” e um “branco” Considerando unicamente as associagées que cada cor Ihe sugere, qual dos exércitos apoiaria? ‘As vezes, nossos pressupostos estao inculcados tao profundamente que nem sequer temos consciéncia de que eles esto dirigindo nosso julgamento. A fonte de muitas dessas idéias arraigadas é a nossa cultura. Ha muitos tipos de cultura: a do motorista de caminhao, a do executivo, a do praticante de esportes,a do universitario ¢ assim por diante. © que é ébvio para umn pode parecer estranho a outro. Um modo de entender a que ponto a cultura modela nosso modo de pensar é nos afastarmos dela. Exemplo: ha alguns anos, quando morei na Alemanha, passei 0 réveillon em Hamburgo. Foi uma festa muito agradavel: boa comida, boa bebida, boa companhia. Ali pelas dez da noite, alguém apareceu com uma tigela de pipoca. Juiz Pensei:“Que bom, faz uns seis meses que néo como ” Peguei um punhado iei na boca. Gente! Foi uma surpresa: alguém tinha posto agticar na pipoca. Eu esperava que fosse salgada, é claro. Aprendi naquela noite que, em certos paises do norte da Europa, é fo costume temperar a £ pipoca com acticar. Como foi no exercicio do paralelogramo de Sander? Qual a linha mais comprida? Em geral, as pessoas respondem que é a AB. Mas trate de media: vera que a BC é 10 por cento mais longa. Por que vocé nao vé isso? Um dos motivos é 0 fato de vivermos num mundo retilineo. Os angulos retos esto por toda a parte: nas janelas, nas portas, nos livros, nas folhas de papel. No entanto, raramente percebemos os angulos retos — 0 que vemos sao os paralelogramos. Mas, a partir do momento em que sabemos que sao retangulos, fazemos um ajuste mental e passamos a pensar neles como angulos retos, Ai est 0 motivo da ilusio. Quando esse mesmo exercicio é mostrado a pessoas que vivem em mundos “circulares” (como a zona rural de Uganda), elas dizem logo que BC é a linha mais comprida. E sobre a guerra civil, qual foi a sua resposta? Se disse que apoiaria o exército “branco”, esté com a maioria. Para quase todo mundo, a cor branca sugere idéias positivas como “pureza”, “beleza”, “castidade”, “justia”. J4 o vermetho lembra “perigo”,“sangue”, “comunismo”. Ora, essa situacao existiu de verdade na Russia durante a guerra civil: 0 exército Vermelho em luta contra 0 exército Branco. No inicio do conflito, os brancos tinham superioridade sobre os vermelhos, mas acabaram perdendo, Existiram muitas razdes para a denota, mas uma tinha a ver com a associacao de idéias dos russos relativamente as duas cores. Para eles, vermelho é sindnimo de “beleza’,“papoulas florescendo na primavera’, “regenera- 0 da vida’, enquanto o branco sugere “frio”, “neve”, exilio”, “Sibéria” e outras experiéncias negativas. Meu exemplo favorito de confusao cultural é a descricao feita pelo psicdlogo Paul Watzlawick do que aconteceu quan- do soldados americanos comecaram a namorar mocas inglesas durante a Il Guerra Mundial. O problema era que tanto os rapazes quanto as Mogas se acusavam mutuamente de comportamento sexual agressivo. Por que? Porque interpretavam erroneamente os sinais emitidos de parte a parte. Os antropélogos sustentam que toda cultura tem um padrao de corte amorosa, procedimento que inclui cerca de tuinta etapas, comegando pelo contato de olhares e culminando com a relacao sexual. O curioso é que a ordem dessas etapas varia. Segundo os padroes americanos, o beijo coresponde mais ou menos ao quinto passo — é um modo amigavel de dar o relacionamento por iniciado. Na Inglaterra daquele periodo, beijar era mais ou menos a etapa 25 — uma atividade profundamente erética. Assim, é facil imaginar 0 que acontecia entre um pracinha americano e uma garota inglesa. Eles se conheciam, marcavam dois ou trés encontros, € logo 0 soldado pensaria:"Vou dar um beijinho nela para mostrar que isso é sério” Surpreendida pelo beijo,a moga precisaria tomar uma atitude: romper o namoro, que avancou depressa demais, ou se mostrar disposta a ir para a cama, j4 que estava a apenas cinco passos dela. Do ponto de vista do homem,a situagao era igualmente constrangedora: ou a moca reagia como histérica ou parecia uma ninfomaniaca. O que pretendo mostrar com esses exercicios € historias € que a vida é um jogo para o qual cada cultura estabelece regras diferentes. Seguir cegamente as regras pode levar o juiz a decisées deploraveis. Juiz O que obscurece meu pensamento? Certas pessoas possuem filtros internos que abafam as vaias e amplificam os aplausos. Gente desse tipo nunca sabe quando esta metida numa encrenca. —Tommy Davis, capitalista Digo que Wellington é mau general e os ingleses sao maus soldados; a questao estaré esclarecida por volta da hora do almogo. —Napoledo Bonaparte a seus generais na manha da batalha de Waterloo Nada como um dogma para turvar a mente de um juiz.O. dogma pode advir de fora de nés, de uma autoridade externa, ou ser gerado em nés por sucessos passados. Veja alguns exemplos. ‘Como foi ninguém menos do que Platéo quem definiu que © circulo era a forma perfeita do movimento celeste, os astrGno- mos passaram 2 mil anos dizendo que as Grbitas dos planetas ram circulares — ainda que suas observacées no corroboras- sen essa idéia.Até Copérnico usou circulos no seu modelo heliocéntrico do universo.S6 depois de muita pesquisa Kepler usou a elipse para descrever os caminhos dos planetas no céu. Foi um médico htingaro do século passado, Joseph Semmelweis, quem percebeu que bastaria os facultativos lavarem as maos com Agua clorada e limao antes de examinar seus pacientes para reduzir a incidéncia de doencas. Seus colegas, que se tinham na conta de verdadeiras deuses,o atacaram, ofendidissimos com a sugestao de que estariam “espalhando a morte com as prdéprias maos”. Mais tarde, a descoberta das bactérias provou que Semmelweiss tinha razao. Um grande sucesso obtido a partir de um conjunto de pressupostos pode criar facilmente a visio dogmatica. Edison fundou a indiistria de fornecimento de energia elétrica com base na corrente continua (CC). Com isso, ficou impedido de perceber a utilidade da corrente alternada (CA), que seria 0 futuro dessa indtistria — que também foi incapaz de prever. Juiz Hemry Ford ficou famoso produzindo carros que fornecia em uma s6 cor. E costumava alardear:“Na cor que voce preferir, desde que seja preto” Ele acreditava na eficiéncia de sua formula e nao queria mudda. Com isso, nao viu que o fim da I Guerra Mundial tinha gerado um novo tipo de consumidor, avido de variedade em cores € estilos que pudesse escolher. Resultado; Ford perdeu sua participaao no mercado para a General Motors. Para decidir bem, 0 juiz nao se deve deixar seduzir pelas idéias — principalmente aquelas que Ihe trouxeram glorias no passado. Juiz Exercicio: Quais idéias o seduzem a ponto de impedir uma visdo clara das coisas? Juiz Ponha em cena o bobo da corte De vez em quando, até o juiz precisa desligar a tecla do autocontrole e dar uma chance as loucuras. Um exercicio altamente recomendavel para qualquer juiz é brincar de “Os bobos e as normas”. No processo, vocé pde abaixo normas basicas e preconceitos. E, ao faz@lo, descobre que alguns de seus pressupostos, por estarem obsoletos ou serem dog- miaticos, estéo obscurecendo seu pensamento. Aqui vao alguns exemplos: REGRA: Deveriamos atingir a “exceléncia gerencial”. BOBO: Nada disso. Precisamos de gerentes mediocres. Isso vai nos ajudar a resolver o problema do desempre- go, porque um gerente fraco precisa de mais gente para realizar o trabalho. Gerentes ineficientes farao cair © preco das aces da empresa, de modo que mais gente poder comprélas. Uma chefia incompetente também melhora a produtividade, Para que as coisas salam a contento, os outros sistemas internos tém que estar azeitados e funcionando muito bem. REGRA: Nossa politica é: nada de bebidas em horario de trabalho. BOBO: Mas é claro que devemos beber durante © trabalho. E um incentivo para as pessoas se abrirem. Mais ainda, isso reduziva o stress e acarretard maior sinceri- dade entre as pessoas. Os colegas ficarao mais alegres. Havera menos queixas salariais. 0 absenteismo vai cair, porque se pode vir trabalhar de ressaca.E a comunicacao sera muito melhor: cada qual dira ao chefe exatamente o que pensa. Vai ser possivel economizar com a calefagao no inverno e sera incrementada a carona como sistema de transporte para o local de trabalho. Caira a insatisfagao com o emprego, ja que ninguém sabera se gosta ou nao. .. Por fim, as férias serao abolidas: 0 ir para a fabrica. Exercicio: Pegue uma de suas crengas bésicas e arrase com ela A hora da decisio Se gastar muito.tempo no aquecimento, vocé pode perder a hora da corrida. Se nao se aquecer, nao atingira a fita de chegada. —Grant Heidrich, corredor A tarefa mais importante do juiz € decidir Se ele nao tomar uma decis4o, bloquearé o processo criativo, As vezes, vocé tem apenas alguns segundos para avaliar a situagao. As vezes, seis meses. Em certas ocasides, as informagées esto incompletas. Em outras, elas so excessivas.O mundo é assim. Vocé tem que decidir o que fazer com sua idéia: avangar ou recuar, Dica: Diz Bob Metcalfe, o inventor da rede Ethernet para computadores: “Nao permita que a busca da grande idéia 0 deixe cego para idéias simplesmente boas ou promissoras. Geralmente, é $6 disso que um guerreiro precisa. Se tiver uma idéia sensacional, tanto melhor. Mas, se rejeitar tudo que nao seja o maximo, poderé deixar seu guerreiro sem ter pelo que lutar” O reitor da Universidade Stanford, Donald Kennedy, concorda: “Tem muita gente frustrada parada na esquina, esperando um Onibus chamado Perfeicao” Outra dica: A raz 6 muito importante na hora da deciséio, mas nao despreze o instinto. Um sujeito me disse: “Se me ocorrem trés idéias e uma delas me fascina, é nessa que me concentro” Juiz Sumario A funcao do juiz no processo criativo é avaliar Quando assume o papel de critico, vocé decide o que fazer com a idéia: colocéa em pratica, modificéa, descartéla definitiva- mente. Ao executar essa tarefa, precisa reconhecer as imper: feicdes presentes na idéia, mas sem darlhes importancia excessiva. Também Ihe compete manterse aberto a possibili- dades interessantes e usar a imaginacao para desenvolvé-las. Mas sem nunca perder o senso de realidade e a objetividade. Ser juiz é uma arte. Por um lado, vocé tem que ser suficientemente critico para garantir que o guerreiro lute por uma idéia que valha a pena. Por outro, tem que ser aberto o bastante, de modo a nao sufocar o artista. Além disso, é necessario saber distinguir as decis6es que podem ser rapidas das que exigem tempo para um estudo cuidadoso. Se demorar, vocé perde a oportunidade; se nao estudar como deve, decidiré mal Se existe um papel no qual as pessoas se atolam, esse é © de juiz. As principais razOes para isso sao trés. Primeira: 0 mundo est tao cheio de porcaria, bobagem e enganagao que precisamos apelar constantemente ao nosso juiz para fazer uma travessia segura. Segunda: esse é o papel que requer menor energia para ser desempenhado, pois é mais facil criticar do que explorar, transformar, agir. Terceira: é 0 papel que apresenta menos risco.O explorador pode se perder, o artista, ser rejeitado; 0 guerreiro, se ferir. Por isso, bom lembrar: o juiz nao cria nem pée nada em pratica; logo, se perder tempo demais nesse papel, vocé pode acabar de mos vazias. Para terminar, nenhum juiz é perfeito. Todos nés conhe- cemos exemplos de grandes idéias que tiveram resultados mediocres e de idéias mediocres que se revelaram fantasticas. duiz A balanca do juiz agile eS Objetivo: Para que | serve esta idéia? | Pros: 0 que ela tem tt de interessante e valido? _ Contras: Quais sao suas desvantagens? Probabilidades: Quais as chances de éxito? Revertério: Se falhar,o que se pode aproveitar? Maturidade: 0 momento é adequado para langé-la? Prazo: De que tempo disponho para decidir? Vieses: De que pressupostos estou partindo? Atualidade: Os pressupostos ainda sao validos? Ponto cego: Que pressupostos utilizo sem perceber, inconscientemente? Arrogancia: Ja obtive sucesso com idéias semelhantes? Em caso positivo, o éxito anterior poderia me impedir de ver os limites da idéia atual? Humor: O que o bobo da corte teria a dizer? Veredicto: Qual a minha sentenga? Guerreiro O personagem que poe idéias em pratica Guerreiro Passe do dito ao feito Tentar? Isso nao existe. S6 existe fazer ou nao fazer. —Yoda, em O império contra-ataca Vocé tem uma idéia e deseja implementéla.O que fazer? De duas uma: alguma coisa ou nada. Alguma coisa acontece quando vocé assume responsabilidade pela idéia e faz 0 que é necessario para transforméa em realidade. Nada acontece quando algo se interpde a sua frente e vocé nao tem nem capacidade nem energia para transpor 0 obstaculo. Infelizmente, muitas idéias acabam na segunda categoria. Isso acontece porque € facil gerar idéias; realizé-las é que sao elas. mundo da imaginagao esta cheio de infinitas possibilidades e de recursos ilimitados.O mundo da acao é diferente. Nele, os recursos sao finitos e mais limitada ainda é a matéria-prima indispensavel: o tempo. Daf porque to poucas cruzam a linha que separa 0 campo da hipétese (“e se...") para 0 dos fatos (“o qué”). poeta € filésofo alemao Goethe disse:‘A coisa mais dificil do mundo é transformar idéias em acao” Guerreiro Ha dois principios basicos na vida: 1) A mudanga é inevitavel 2) Todo mundo resiste mudanga A verdade € que a maioria das pessoas conserva a guarda bem fechada para manter as novas idéias distancia. Pense um pouco para ver 0 quanto ha de muros, cercas € linhas divisorias em tudo o que existe: as paredes das células que impedem a entrada de substancias estranhas no corpo; as secretérias que filtram as chamadas telefSnicas do chele; a linguagem corporal que é usada no elevador para desestimu- lar aproximagoes indesejadas. Por isso mesmo, é provavel que vocé tenha que lutar bastante se quiser realizar sua idéia, O personagem para executar essa misao € o guerreiro, Na funcao de guerreito, seu papel é em parte o de general e em parte o de soldado raso. Por um lado, concebe a estratégia e planeja. Por outro, tem a disciplina necessdria para o duro trabalho das trinchei- ras € a paixao que estimula o avanco, mesmo em situagoes dificeis, Resumindo, ao incorporar esse personagem, vocé se responsabiliza pela realizagao de uma idéia. Quem é 0 gueneiro? E Alexandre, o Grande, esmagando os persas,e é Joana D’Arc rompendo 0 cerco de Orleans. E Susan B. Anthony liderando as mulheres do movimento sufragista dos UA, e é Mahatma Ghandi resistindo em prol da independéncia da india. E 0 vendedor que extrapola uma cota de vendas dificil de atingir, porque nao se desencoraja com um “nao” e continua procurando novos clientes. £0 seu vizinho que luta para conseguir uma nova lei de zoneamento para o bairro e convence os vereadores a aprovéia. Eo empregado de escritorio que descobre como economizar 10 por cento dos custos de xerox ¢ faz o departamento adotar novos procedimentos. Como pensador criativo, seja qual for campo de batalha — 0 mercado, no qual compete por novos clientes para sua firma de contabilidade, ou a sala de aula, onde esta prestando um exame decisive —, vocé tera que pensar como guerteiro se quiser pér uma idéia em pratica, Guerreiro. Um exemplo pessoal: hd muitos anos, resolvi promover uma conferéncia que reuniria os maiores inovadores do mundo no setor de alta tecnologia para discutir o futuro de cada area da indiistria. Queria que fosse um evento de pri- meirissima qualidade. Desejava que fosse polémico. E, claro, queria que fosse um sucesso de publico, para ter algum lucro. O que fiz entéo? Tracei um plano. Fiz reservas num hotel de luxo. Levantei os temas de maior interesse na industria e os conferencistas que as pessoas gostariam de ouvir. Consegui atrair varias personalidades para dar credibilidade ao evento. Liguei para cada um dos meus conferencistas, mesmo saben- do que alguns deles nao retornariam a ligacao. Fiz amizade com as secretarias deles. Tentei descobrir amigos meus que poderiam comentar com eles a importancia desse trabalho. Depois de muito esforco, consegui organizar o programa. ‘Agora, sim, 6 que a coisa ia ficar engragada: eu tinha que fazer a conteréncia acontecer. Afinal, a tiltima coisa que eu queria era reunir os maiores lideres em inovagao tecnolé- gica numa sala cheia de poltronas vazias. Tratei de fazer um folheto, mas nao um folheto qualquer: contratei o melhor arlista gréfico que eu podia pagar e passei a ele 0 texto criado por mim. Organizei a mala direta. Publiquei um antincio no The Wall Street Journal. E. as pessoas comegaram a aderir Agora, eu precisava organizar o show em si. Precisava ser interessante para que 0s participates desejassem prestigiar outro evento que eu organizaria dali a seis meses. Contratei 0 melhor organizador de eventos para me ajudar na logistica. Providenciei um trio de jazz para tocar as sete da manha. Usei antigos comerciais de'TV para apresentar os oradores € dar um toque de graga ao programa. Consegui patrocinio para um coquetel. E a conferéncia foi um sucesso. Usei 0 explorador, o artista e 0 juiz para criar a idéia. Mas foi 0 guerreiro que fez o evento acontecer. Apresento a seguir oito estratégias basicas que 0 guerreiro pode usar para atingir seus objetivos. Guerreiro Planeje Se vocé abordar pessoas na rua e perguntar se elas querem ficar ricas, 90 por cento vao responder:“Claro que sim”. Mas estarao dispostas a fazer o que for necessario para chegar ao sucesso? Bem poucas. —Arthur Rock, capitalista Qual 0 seu objetivo? O que quer fazer? Pode responder com uma ou duas frases? Consegue colocar isso em forma de desenho? E capaz de visualizarse realizando seu objetivo? Qual é 0 seu plano? Como pretende ir daqui até 14? Quais as cinco ou dez coisas mais importantes a fazer para alcangar sua meta? Quais séo as mais cruciais? Quais as menos importantes? Quais delas poderiam ser feitas hoje mesmo? Quais dependem do que vocé fara amanha? E provvel que enfrente varias pequenas batalhas a caminho do seu objetivo. Vocé dispde de uma estratégia? Como pretende lidar com os obsticulos que surgiraio pelo caminho? Com forga bruta? Com cortesia? A base da surpresa? Reconendo a diplomacia? Com inflexivel persisténcia? De que recursos vocé dispée? Tem uma armadura? Quais sao seus aliados? Conhece cinco pessoas que possam ajudé-lo a chegar onde pretende? Quem ja fez algo parecido com 0 que vocé deseja realizar? O que pode aprender com essas pessoas? Imagine como vai vender sua idéia. Sintonize seu objetivo e concentrese nele. Se tentar fazer cingiienta coisas diferentes ao mesmo tempo, nao vai fazer bem nenhuma delas. Descubra as batalhas que valem a pena e quais as que sio mera perda de tempo e energia. Comprometa-se com o sucesso. Considere os sacrificios que tera que fazer Pese as conseqiiéncias de um eventual fracasso. Nao se considere satisfeito enquanto nao tiver dado o melhor de si. Guerreiro Atice sua chama interior A diferenca fundamental entre o homem comum e€ 0 guerreiro é que o guerreiro encara tudo como desafio, enquanto 0 homem comum encara tudo como béngao ou maldigao. —Carlos Castafieda, antropélogo Exercicio: 0 que 0 estimula a por sua idéia em pratica? O que acende sua chama intima? Fama: Dinheiro Sobrevivéncia Reconhecimento Prazer e diversao Tédio Medo do fracasso Prazos Insatisfagao ‘Todas essas coisas representam lenha para a fogueira da sua criatividade. Um fator de motivagao é a velocidade com que as coisas mudam. O que funcionou no ano passado pode nao ser a melhor maneira de resolver os problemas do ano em curso ou uma boa plataforma para obter vantagens no ano que vern. Logo, sobreviver significa implementar as idéias novas que tiver Outro estimulo é a insatisfagao. Conheci um inventor que passava dezesseis horas por dia criando. Quando Ihe perguntei por que gastava tanto tempo perseguindo idéias, ele me respondeu:*Porque nao gosto das coisas como elas sao” Esse € 0 tom da observacao do humorista britanico Christopher Morley, que contava a seguinte piada:“Quem, inventou os saltos altos foi uma mulher que s6 ganhava beijo na testa” E quanto aos prazos? O criador de jingles Steve Karmen dizia:“O prazo é a maior inspiragao que existe. E ele que Jeva a gente a fazer 0 que precisa ser feito” Nolan Bushnell, empresario do setor de entretenimento, pensa da mesma maneira. Segundo sua teoria, a razio do sucesso econdmico americano € 0 “espfrito de feira comercial” que é inerente ao sistema. E explica: “Duas vezes por ano, todos 6s talentos criativos do pais trabalham até meianoite para ter 0 que mostrar nas feiras especializadas. Isso é 6timo para a econo- mia. Sem esse tipo de pressdo, tudo néo passaria de uma massa informe, como um puré de batatas” Outro fator de estimulo é ter paixao por sua idéia. Muitos empreendedores j& me disseram:“Vocé é capaz de tudo quando quer uma coisa, O desejo é 0 impulso que leva a transpor os obstdculos existentes no caminho para 0 objetivo” que atica sua chama interior? Seja o que for, lance mao disso para dar a partida no seu motor e entre em acao. Guerreiro Arme-se com um coragao de leao Se o Criador teve algo em mente quando nos deu um pescogo, certamente foi a intencdo de que nds 0 arriscdssemos. —Arthur Koestler, estudioso da natureza humana A coragem é a mais alta das qualidades humanas, pois é a qualidade que garante as outras. —Aristételes, filésofo Uma idéia nova é diferente por sua propria natureza. Est fora da velha trilha — e requer que se tenha coragem para enfrentar 0 fracasso ou a rejeigao. Considere: como voc pode ter certeza de que sua brilhante inspiracdo nao vai levé-lo a um beco sem saida? De que nao vai fazer papel de trouxa? De que nao vai perder dinheiro? Simplesmente, nao pode. Portanto, um elemento crucial do pensamento ctiativo é a coragem de assumir riscos. Guerreiro Exercicio: © que ihe inspira a coragem necesséria para experimentar uma idéia nova? Dispor de um bom plano de ataque Sucessos anteriores Alto potencial de retorno financeiro Apoio de outras pessoas Autoconfianga (1 Acreditar na idéia Dispor de um plano substitutivo Nao ter outra alternativa 0 que € coragem? 0 diciondrio diz, entre outras coisas, que é"a capacidade de se aventurar, perseverar € enfrentar perigos, medo ou dificuldades’. Penso que a etimologia da palavra nos di uma definicao melhor, Coragem vem do latim cor, cordis, que quer dizer coracao. Portanto, ter coragem significa por 0 coracao naquilo que.se faz. Dica: Todo mundo tem 0 “misculo do risco”. E preciso manté lo em forma, tentanto coisas novas, senao ele se atrofia. Faca disso um objetivo: exerciteo pelo menos uma vez ao dia. Guerreiro Arregace as mangas e va em frente Se continua adiando coisas que sempre desejou fazer, o que est esperando? Sempre quis tocar banjo? Comece a tomar aulas. Seu sonho é visitar as ilhas gregas? Ligue para a agén- cia de turismo, Detesta os azulejos do banheiro? Coloque outros. Precisa fazer exercicio fisico? Ande. £ contra os agroté- xicos? Faga sua horta. Fica inritado com os buracos na sua rua? Reclame na Prefeitura. Se estiver adiando, faga agora, seja 14 0 que for, Amanha pode ser tarde demais. —Hanry Gray, executivo Se precisa fazer alguma coisa, arregace as mangas e faga. Va em frente. Nao arrume previsdes pessimistas quanto aos resultados. Deixe 0 juiz se preocupar com isso. Afie a espada. Desenvolva as habilidades necessdrias para a realizagao da sua idéia. Se precisar aprender a vender, aprenda. Se depender de habilidades técnicas, trate de adqui- tidas. Se a questao € treinar pessoal, providencie. ‘Tome posi¢ao e preparese para alingir seu objetivo. Se deseja ser cantor, nao fique querendo. Cante. Cante no ba- nheiro. Cante para os amigos. Entre para um coral. Cante por cantar, mas cante. Va e faca. ee Gverretir0 —___________ Livre-se dos pretextos Vocé nunca vai acertar um belo direto sem subir no ringue. Nem pescar um peixe sem langar o anzol.Nem chegar a coisa alguma nao tentar. —Kathy Seligman, jornalista Saber e nao fazer é nao saber. —Maxima de Wall Street Exercicio: Qual foi a tiltima grande idéia que vocé nao realizou? Por que nao realizou? [_]*Nao tive tempo” “Nao sabia o que fazer” [1] “Nao consegui vendé1a” “Nao tive apoio nenhum” “Nao dispunha de recursos” “Fiquei com medo de falhar” “Nao me empenhei de verdade” Todas essas razdes sao vilidas. Porém, validas ou nao, sio pretextos para nao fazer e desculpas por nao fazer. A tarefa do guerreiro é eliminé-las. O descobridor espanhol e conquistador do México Hernan Cortez, sabia tudo sobre isso, Quando aportou em Vera Cruz no século XVI,a primeira providéncia que tomou foi queimar seus navios. A seguir, falou a sua tripulagao: “Homens, vocés podem lutar ou morrer’ Ao queimar os navios, sua intengao eva eliminar uma terceira alternativa — a de retroceder e voltar 4 Espanha. Cortez sabia que essa possibilidade era uma desculpa para perder a batalha e que, sem navios, seus homens teriam uma poderosa motivagao. para vencer. Logo, vocé precisa se comprometer com sua idéia e aprender a “queimar seus navios”, convencendose de que nao tem para onde recuar. Guerreiro Algo parecido aconteceu comigo ha muitos anos. Eu era nadador e,na véspera da minha primeira competic¢ao de Ambito nacional, eu e meus companheiros de equipe estava- mos conversando. Comentei que aquele era o maior acontec mento da nossa carreira desde os tempos da universidade, Um deles, especialista em nado de peito, disse que tinha decidido rapar os pélos das pernas para reduzir a resisténcia na Agua, Discutimos um pouco sobre isso e decidi fazer 0 mesmo, pois sentia necessidade de ter um trunfo psicolégico para me ajudar na prova mais importante, a de 500 metros nado livre. Ela dura no maximo 5 minutos, mas eu costumava iniciar com ritmo forte, cansar na virada dos 400 metros e ficar sem gas para continuar. Naquela noite, prometi a mim mesmo que nao desistiria por nada neste mundo, No dia seguinte, tive um grande desempenho e terminei em sexto lugar, na frente de um antigo campeao olimpico. Percebi que, tendo depilado as pernas, anulei a possibilidade de arranjar desculpas ou justificativas. Se meu desempenho fosse sofrivel e eu tentasse justificd-lo, dizendo que nao estava preparado para competir, seria incapaz de responder & pergunta:“Entao, por que depilou as pernas?” Um engenheiro me contou que havia feito varias tentati- vas para deixar de fumar Sempre que parava, ficava com prisio de ventre e logo recorria a essa desculpa para voltar a fumar Ele repetiu esse circulo vicioso varias vezes. Até perce- ber que precisava acabar com o pretexto, Foi 4 mercearia, comprou um pacote de ameixas secas e largou os cigarros. Assim, cada vez que sentia vontade de fumar, comia uma ameixa. Em poucas semanas, seus dois problemas tinham sido resolvidos. Exercicio: Cite trés fatores que poderiam atrapalhar a realiza- 0 de seus objetivos. Vocé pretende usar essas “razoes” — desculpas — para nao chegar onde quer? Guerreiro Reforce seu escudo Ter casca grossa é um dom de Deus. —Konrad Adenauer, lider da Alemanha no pos-guerra Se nao agiienta o calor, saia da cozinha. —Hanry Truman, presidente dos EUA Exercicio: Como vocé reage a critica? “Faz parte do jogo. Se nossa intengao é fazer coisas novas, precisamos estar preparados. Haver pessoas querendo até nos matar, seja por se sentirem ameagadas, seja por nao entenderem a proposta” “S6 de pensar nas criticas, fico com medo de comegar” Idéias novas podem ser ameagadoras. Por definicao, elas questionam normas, hierarquias ¢ pressupostos estabelecidos. Quando Stravinsky estreou A sagracdo da primavera, eniren- tou a ira da platéia. Kepler foi execrado quando comunicou suia solucao para o problema das érbitas planetérias, usando (corretamente) elipses em vez de. circulos. Quando os pionet ros do microcomputador tentaram vender sua idéia, nos anos 70, as grandes companhias de informatica zombaram deles. E como diz 0 educador Roy Blitzer: A tnica pessoa que gosta de mudanga é 0 bebé que molhou a fralda. Reagées negativas diante de idéias novas nao é coisa ruim em si, Muitas idéias ndo so boas mesmo (as vezes, 0 juiz nao faz seu papel direito), ¢ as reagdes negativas podem nos afastar delas, evitando que acarretem grandes perdas em termos de recursos. Além disso, se todo mundo resolvesse levar adiante todas as idéias que surgem, seria 0 caos. Guerreiro Um filme inglés de 1951, The Man in the White Suit (*O homem do terno branco”), ilustra bem esse ponto. Na hist6- ria, Alec Guiness faz o papel de Sid, um engenheiro quimico que criou uma fibra indestrutivel que dispensa lavagem. Soa como uma dadiva para a humanidade, certo? Errado. Os empresarios da indstria téxtil nao querem nem ouvir falar da fibra, que acabaria com o mercado de seus produtos. Os operarios muito menos, pois ficariam sem emprego. Observe- mos 0 didlogo da cena em que Sid fala de sua descoberta com um colega de fabrica: Sid: Vamos comunicar 4 imprensa a descoberta da minha fibra agora mesmo. Colega (lendo em voz alta o press release que Sid Ihe passou): “Nao suja nem se desgasta”. Sid: E isso ai. Colega: E voc’ acha que vai ter 0 apoio da diretoria? Sid: Claro. Colega: Até parece que vocé nasceu ontem. O que acha que aconteceu com tantas outras descobertas? A lamina de bar bear que nunca fica cega? O automovel que usa agua e uma gotinha de nao sei o qué como combustivel? Eles nunca vao deixar essa fibra entrar no merca- do. Nem aqui nem na China. Sid: Nao é bem assim... Colega: Claro que é. Se esse trogo nunca se desgasta, basta fabricar um lote e estamos conversados. Em seis meses, todas as tecelagens do pais estarao fechadas. Alguém vai ter que tomar alguma providéncia. Guerreiro. Orresto do filme mostra Sid sendo perseguido tanto pelos industriais quanto pelos operarios, que querem se livrar da tal fibra. Quando final mente conseguem cerclo, descobrem, com grande alivio,que o produto nao era indestrutivel coisa nenhuma: (0 temo dele, feito com a fibra maravilhosa, esta em frangalhos. Ou seja, o que interessa aqui é que muita gente vai atacar sua idéia € vocé ouviré comentarios do tipo: E radical demais. Contraria nossa politica. Vocé garante que vai funcionar? O departamento juridico desaconselha. Nao é pratico. Nao tem espaco para isso no mercado. Nao temos tempo. Talvez o pessoal esteja certo, Talvez sua idéia ainda esteja crua. No fundo, a critica construtiva € o melhor pre- sente que se pode desejar. Contudo, nao € raro as pessoas se sentirem ameagadas e usarem a critica s6 para demolir uma idéia. E é fundamental ter em mente que existem os “mata- dores de idéias”, gente que critica por criticar. Por isso, quando alguém comegar a contestar sua idéia, trate de ver se a critica é valida ou despropositada Guerreiro Venda, venda, venda SO € criativo se vender. —tLema da agéncia de publicidade Benton & Bowles Exercicio: Ha varios anos, apareceu o seguinte anincio no The Wall Street Journal: nnn tinea nnd Orel AS tne Ni tnt A SINDROME DO STRESS | ‘Tem uma coisa acontecendo em escritérios | e fabricas. Em restaurantes e hospitais. Em bancos e | supermercados. E o stress. Ele é, em parte, causado i pelo barulho. Qualquer barulho — do sininho da } } mAquina de escrever ao blablablé das conversas. As } pesquisas mostram que 0 stress debilita e compromete { \ © desempenho. Ele nos torna vulnerdveis. Faga alguma 4 | coisa a respeito da sindrome do stress. Vocé pode. 4 Pacha wuliiaidaualae sesdadclastld Na seqiiéncia,o antincio diz ao leitor como resolver seu problema de stress. Adivinhe © produto que é anunciado. Muitas idéias exigem tempo, recursos ou apoio de outras pessoas. Um guerreiro deveria pensar:"O que a minha idéia tem de interessante para atrair a atengao dos outros? Como transformé-la numa idéia vendedora?” O guerreiro que existe em vocé pensa como um homem de vendas? Pois deveria. Em economia de mercado, estamos vendendo idéias constantemente: ao patrao, aos colegas, aos subordinados. Até marido e mulher vendem idéias um ao outro. Se vocé se sente incapaz de vender suas idéias, vai ter problemas. Conheci pessoas que tinham grandes idéias, mas eram incapazes de chegar a sua realizago porque nao sa- biam vendélas. F fato que as vezes é preciso tanta criatividade para vender quanto para gerar idéias originais. Guerreiro Uma técnica de venda que admiro € a que nao enfati- za a idéia ou 0 produto, mas O produto do produto. Ao vender“o produto do produto”, vocé coloca a idéia num contexto que o comprador potencial conhece e domina. Aqui vao alguns exemplos. No inicio dos anos 60, um dos lideres da inddstria de ferramentas introduziu no mercado uma nova linha de brocas. Eram de excelente qualidade, mas. nao vendiam.A empresa resolveu fazer uma pesquisa de mercado e descobriu que os compradores potenciais do produto nunca pensam em “brocas”, mas em “furos”— que 40 0 produto desse produto. Eles reverteram a situagao assim que posicionaram o produto, enfatizando a capacidade das brocas de produzir furos. Outro episédio aconteceu com Charles Revson, um dos fundadores da Revlon. Durante um coquetel ocorrido na década de 70, ele foi abordado por uma mulher que queria saber quais eram os produtos de sua fabrica. Revson respon- deu: “Minha cara senhora, nossos produtos dentro da fabrica se chamam cosméticos; nas lojas, se chamam esperanca? nerve iro O que vocé respondeu no exercicio da“sindrome do stress"? Descobriu qual era o produto anunciado? Maquinas de escrever silenciosas? Revestimentos actisticos? Abafadores de ruido? Consultores especializados em stress? Uma agéncia de turismo? Algum remédio? Todos esses palpites so bons. Mas 0 andincio era da Muzak™, especializada em instalacio de misica ambiente. Na continuacao do antincio se Ié: Com Muzak, vocé pode criar um ambiente envolvente e agradavel. Ele quebra a monotonia, é um relax para os pacientes, deixa as pessoas bem dispostas durante a refeicao e melhora a concentracao. Em resumo, a proposta da Muzak era tomar as pessoas mais produtivas. Uma estratégia mercadolégica inteligente. Ao pensar em Muzak, a tendéncia das pessoas seria colocar seu produto no contexto das flores de plastico ¢ da miisica de velério. Ao enfatizar o produto de seu produto,a empresa se posicionou no mercado do combate ao stress e do aumento de produtividade. Outra observagao a respeito disso: existem varios produtos de um produto. Depende do seu interlocutor, se é uma dona de casa, um engenheiro ou um fazendeiro. Dica: Pense em como vender sua idéia. Qual o produto do seu produto? Que oportunidades ele cria para as pessoas? Rees: Guerreiro Exercicio: Segue-se um teste para ajudé-lo a pensar como homem de marketing. Meu amigo Bryan Mattimore é um inventor fantastico. No entanto, é incapaz de lembrar os nomes com os quais a agéncia de publicidade batizou suas ito criagdes mais recentes, Dé uma ajuda ao Bryan. Ligue ‘o nome do produto com sua descrigao. Nome do produto dy 2) 3) 4) +) 6) a 8) Pimba Seu adversario na cagapa. Pensadois Ponha uma segunda cabega para pensar por vocé, Prazerol Ele também é responsavel! Placastop Vocé nunca mais vai estacionar “de ouvido”. Segurtex Para vocé durar tanto quanto suas roupas. Sonofilm Para uma vida noturna sem interrupcées. Snif-le Ball 10 mil fragrancias para vocé sair com a bola toda. Aquasound Vocé nunca sera pego de surpresa por um tubarao. Descricao do produto A) Videos para dormir B) Roupas & prova de de bala C)Esfera multiperfumante D) Tacos de bilhar com mira digital E) Apareiho auditivo subaquatico F) Transteridor de dados, direto de cérebro a cérebro, G)Placa de automével com sensor de distancia. H)A pilula do homem. Guerreiro Seja persistente Corramos com paciéncia na carreira que nos é proposta. —Hebreus 12:1 Quando sentir que esta sendo “engolido’, lembre-se de Jonas — ele saiu inteivo do ventre da baleia. —Thomas Edison, inventor Se quiser atingir seu alvo, prepare-se para um ataque- relampago. Mas nao descarte a guerra prolongada. Cerca de 80 por cento do processo criativo consiste em rastejar obstinadamente para o objetivo. E provavel que vocé leve varios tombos pelo caminho. Se acontecer, levantese depressa. Sendo, sera pisoteado. ‘Todo mundo tem contratempos. Gente que nao retorna suas ligagoes. Folhetos impressos no papel errado. O suflé que murcha. A chuva no dia do desfile. Os macetes de venda que nao funcionam. Quando qualquer coisa nao da certo, o gueneiro tem que descobrir a causa e voltar & carga Uma pesquisa recente sobre aplicadores de capital de risco demonstrou recentemente que a caracteristica buscada por eles quando investem num empreendedor é“a capacidade de persistir num esforco constante”, Esse item obteve maior ntimero de pontos do que “conhecimento do mercado”, “capacidade comprovada de lideranga’ e “capacidade de assumir riscos”. Michelangelo teve que passar sete anos deitado de costas no alto de um estrado para pintar o teto da Capela Sixtina. Vladimir Lénin passou trinta anos preparando a Revolugao Russa. O inventor Chester Carlson gastou muita sola de sapato & procura de quem patrocinasse seu sistema de fotocdpias — o xerox. O romancista James Michener teve seus originais recusados varias vezes até conseguir publicar 0 livro ales of South Pacific (“Contos do Pacifico Sul”). A mara- tonista Joan Benoit foi operada do joelho a apenas dezessete dias das provas de selecao para a representagao dos EUA nos Jogos Olimpicos — sua determinagao garantiulhe nao so fazer parte da equipe, mas dar a seu pais a primeira medalha, de ouro na categoria. Quando perguntaram a Winston Chur chill qual a licdo mais importante que a vida lhe ensinara, ele respondeu: “Nunca desista, nunca desista, nunca desista” Certa vez, recebi um conselho que expressa muito bem esse ponto de vista: Nada neste mundo pode substituir a persisténcia. Nem o talento — pois nada é mais comum do que talentos fracassados; Nem a genialidade — pois 0 génio incompreendido é quase um pleonasmo; Nem a educagéo — pois o mundo esta cheio de pessoas cultas marginalizadas. S6 a persisténcia e a determinagdo tudo podem. Aviso: Se vocé nao executar suas idéias, elas morrerao. Guerreiro. Sumario Guerreiro é 0 personagem que transfere uma idéia do mundo do “e se...?” para o mundo da ago. Ao interpretar esse papel, vocé nao apenas assume a responsabilidade de por sua idéia em pratica, mas também a de garantir 0 sucesso do processo criativo como um todo. Isso se da porque 0 processo criativo nao é uma seqiiéncia linear de passos, mas um circulo em continuo movimento, E 0 guerreiro que liga as duas pontas e informa aos outros personagens 0 que funcio- na, 0 que nao funciona e quais sao as possibilidades. Os maiores inimigos da ago? O medo e a inseguranga. A arma mais poderosa que existe para combat@os esta em sua cabega: é a convicgo de que vocé pode fazer acontecer. Henry Ford dizia:"Vocé est sempre certo, quer pense que pode, quer pense que nao pode’ Com uma atitude positiva, nos enchemos de coragem e eliminamos a divida e o medo do fracasso, capazes de impedir a consecugao dos nossos objetivos. Lembre-se sempre das palavras de Carl Ally: Ou vocé nao faz as coisas que deseja, e deixa a vida passar, ou se levanta e trata de fazé-las. Guerreiro O grito de guerra do guerreiro Seja ousado. Que qualidades vocé tem para ajuda-lo a realizar sua idéia? Trace um plano. Qual a sua estratégia para atingir 0 objetivo? Atice sua chama interior. O que o leva a agir? Arme-se com um cora¢ao de ledo. O que esta disposto a arriscar? Se falhar, quais serao as conseqiiéncias? Va em frente. Que pretextos podem desmotiva-lo? Capitalize seus recursos. Cite cinco pessoas que possam ajudé-lo. Afie sua espada. Que habilidades é capaz de desenvolver para implementar sua idéia? Saiba 0 que esté vendendo. Qual o produto do seu produto? Reforce seu escudo. A seu ver, vai receber criticas de que tipo? Como pensa neutralizé-las? Force @ passagem. Que obstaculos podem surgir no trajeto? Como pretende contorné-los? Use bem sua energia. Que batalhas intiteis vocé pode evitar? Levante-se quando for derrubado. Até que ponto vocé é persistente? Saboreie as vit6rias e aprenda com as derrotas. Que coisas realizou? O que aprendeu com elas? Recapitulando t Recapitulando Recapitulando Neste livro, estudamos os quatro personagens do proceso criativo. Vamos fazer uma revisdo. Explorador é 0 personagem que usamos quando é preciso procurar matéria-prima para gerar novas idéias, Artista é 0 personagem que nos abre para a imaginagao e o bom humor Sua tarela é pegar 0 material coletado pelo explorador e transforma-lo em idéias originais e inovadoras. Juiz € 0 personagem que avalia. Sua fungéio 6 examinar a criacao do artista e decidir o que fazer com ela: realizé-la, modificé-la ou descartéla. Guerreiro € 0 “fazedor”. O papel desse personagem é fazer 0 necessario para implemeniar as idéias que 0 juiz considerou validas. As vezes, vivemos todos esses papéis num curto periodo de tempo. Imagine-se tendo que responder a uma questo crucial numa importante reuniao.O explorador ira vasculhar sua mente, procurando fatos e informacoes ligados & questo. O artista dara forma‘a esses elementos, construindo a resposta. O juiz decidira se a resposta € adequada. O guerreiro, seguro de si, respondera. Em outras ocasides, passamos um tempao desempe- nhando um tinico papel. Imaginese desenvolvendo um determinado produto. Podera passar meses no papel do explorador, pesquisando o mercado, E tempo igual nos papéis de artista e juiz, criando e refinando um conceito. Depois, um. ano ou mais para vencer as dificuldades inerentes 4 fabricacao do produto e a sua colocagao no mercado. ‘Analise sua equipe de criacdo. Até que ponto seu explorador € ousado? Seu artista é mesmo original? Em que medida seu juiz é confidvel? Qual o grau de persisténcia do seu guerreiro? Tenho um amigo que é um explorador competente, um artista fabuloso e um juiz equilibrado, mas um guerreiro preguicoso. Por isso, suas idéias maravilhosas nunca chegam a nada. Outra amiga Recapitulando minha, mediocre mas competente nos trés primeiros papéis, 6 uma guerreira feroz. Razao pela qual consegue implementar muitas idéias moderadamente inovadoras. Um terceiro amigo meu é bom como artista, fraco no papel de juiz e um tremendo guerreiro. Obviamente, ele consegue transformar muitas idéias em realidade, tanto as brilhantes quanto as ridiculas. Portanto, ser capaz de bem interpretar esses quatro papéis € de vital importancia na dinamica do processo criativo. Conforme apontei anteriormente, uma deficiéncia marcante em qualquer deles pode significar problema a vista. Se o explorador nao sair das trilhas mais batidas, nao tera informacoes novas nas quais se basear. Se o artista nao usar de imaginagao, suas idéias nao serao originais. Se 0 juiz nao tiver bom discernimento, poder dar um passo em falso. Se 0 guerreiro nao for suficientemente enérgico, suas idéias nao chegarao a realizarse, pois ser impossivel vencer os obstaculos do caminho. Logo, é fundamental dominar esses papéis e manter os quatro personagens em forma. Também é importante saber quando servirse deles. Como em tudo na vida, ter senso de oportunidade é algo decisivo. Sair de maié para ir praia 6 0 esperado. Chegar de maié para uma reuniao com o presidente da Reptblica vai dificultar as coisas corm os segurancas. Do mesmo modo, langar mao de um perso- nagem no momento errado pode ser contraproducente. Diferentes resultados decorrem de uma situagao, depen- dendo do personagem que vocé tiver adotado. Exemplo: imaginese acampando numa floresta. O explorador vai querer procurar flores silvestres e escalar cachoeiras. O artista preferira contar estrelas e preparar um guisado diferente.O juiz estard ponderando sobre o clima e a existéncia de ani- mais selvagens.O guerreiro ficard alerta para o que der e vier. Também € importante ser flexivel, desenvolvendo a capacidade de mudar de papéis, pois o mais provavel é que vocé tenha que trabalhar em varios projetos diferentes ao mesmo tempo. Precisa ser juiz ao investir suas economias, guerreiro ao vender uma idéia ao seu chele, artista ao fazer © paisagismo do seu quintal. Ou seja, vocé nao estard sim- plesmente passando de um papel para 0 outro dentro de um Unico projeto, mas recorrendo a personagens diferentes em cada projeto. Por isso, 6 necessario no ficar preso ao personagem que acabou de interpreta. Sendo assim, divirta-se. 0 palco é todo seu. Jack retorna ao médico de idéias TT Jack retorna ao médico de idéias O retorno de Jack Ter idéias 6 como fazer a barba: basta falhar um dia para virar vagabundo. —Alex Kroll, publicitario Um més depois de levar aquele chute no traseiro, Jack voltou ao consultério do médico de idéias. “Sabe, doutor, aquele tranco que o senhor me deu mexeu comigo”, dise Jack.“Comecei a explorar areas diferentes, criei coisas novas, meu senso critico melhorou e me tornei mais persistente” *Otimo’, disse o médico de idéias."E 0 que mais posso fazer por voc’ “Bom. E que estou com medo de o chute perder o efeito. Como saber se nao estou precisando de mais um?” “Vou lhe contar uma historia’, respondeu o médico, olhando nos olhos dele."H4 muitos anos, um sujeito que frigorificava pescados estava com problemas nas vendas. Nao recebia pedidos de reposi¢ao para uma das linhas de produto. Ele era o presidente da empresa, Analisou a questao e concluiu: aquilo estava acontecendo porque os consumidores achavam que o peixe congelado ficava insosso, sua carne nao era tenra como a do peixe fresco. Para solucionar o problema, ele tentou de tudo, inclusive um método para manter os peixes vivos até‘o tiltimo momento, quando se iniciava 0 congelamento. Nada funcionou. Ele ja sentia ter esgotado todos os recursos quando um especialista em piscicultura Ihe sugeriu: Experimente por um predador dentro do tanque’ A idéia funcionou as mil maravilhas, Os peixes se mantinham em movimento para nao serem devorados e, em conseqiténcia, mantinham a vitalidade. Claro que o predador acarretou alguma perda, mas esta foi mais do que compensada pela recuperacao do mercado. Sabe 0 que 0 predador fez? Ele obrigou os peixes a estarem atentos para 0 que acontecia em volta deles” O médico de idéias ainda continuou: “Vou lhe dar uma coisa que fara vocé prestar atenc&o aos seus pensamentos” Entao, foi até 0 cofre e tirou de dentro dele uma fotografia Jack retorna ao médico de idéias “Este € um instrumento para vocé monitorar seus pensamentos”, disse 0 médico."E uma foto do sapato que eu estava usando quando the dei aquele chute no traseiro. Sempre que olhar para ela, quero que as seguintes perguntas pipoquem na sua cabeca: Estou ficando preguicoso? Estou muito ocupado? Estou me tornando arrogante? Estou ficando timido? Se responder ‘sim’ para qualquer pergunta, é sinal de que estara precisando dar um chute na atitude correspon- dente. Exemplo: se achar que esta ficando preguigoso, estabelega um prazo bem curto para realizar um objetivo especifico. Se sentir que esté ocupado demais, tire um dia ou dois para observar 0 quadro geral e colocar as coisas em perspectiva, dandothes uma ordem de prioridade. Se estiver ficando arrogante, imagine 0 que faria se a situagao de que tanto se orgulha deixasse de existir. Se sentir que a timidez esta tomando conta de vocé, exercite o ‘mtisculo do risco’ e ponha-se & prova para saber quem de fato é e qual o seu valor. “Use este monitor uma vez por dia. Garanto que nunca mais vai sofrer de inversdo de extremidades. Eo que é melhor, mantera a vitalidade da sua mente e continuara a fazer muitas coisas criativas” Jack levou a foto do sapato para casa e a pendurou num lugar bem visivel, de modo que pudesse observérla todas as manhas ao fazer a barba. Ele havia aprendido que, em Ultima instancia, se alguém tinha que dar um chute na rotina, esse alguém era ele mesmo. Desde entao, Jack tem feito coisas muitissimo cyiativas. Muitas coisas. Jack retorna ao médico de idéias Pensamento final As tnicas pessoas realmente felizes sao as criangas e a minoria que cria. —Jean Caldwell, bisavé Ao longo deste livro, tratei dos varios papéis do processo criativo. Mas uma coisa eu nao fiz: nao disse qual © produto desse processo. Para ser sincero, fui bastante vago sobre isso. Deixei que voce, leitor, imaginasse 0 produto que bem quisesse, fosse a criagao de uma nova empresa, de uma receita diferente ou de um estilo escultérico inovador. Agora, porém, vou me_redimir, sendo bem claro a esse respeilo. O produto do processo criativo & voce. ‘Assim como a pedra é modelada pelo fluxo da agua do rio e a 4rvore do monte € vergada pelo vento e pela chuva, somos moldados pelo nosso ambiente: pela lingua que falamos, pelo sistema econdmico de que participamos, pelas roupas que vestimos, pela comida que comemos, pela midia que nos bombardeia. Tudo isso influencia nossa maneira de ser e de pensar. Ao contrario da pedra no rio ou da Arvore na montanha, somos livres para escolher alguns. dos processos nos quais nos envolvemos. Se vocé optar por se envolver em projetos que aticem sua criatividade, seré forgado a explorar, transformar, avaliar e agir, aceitando desafios constantemente. E, em Ultima andlise, serd o maior beneficidrio disso tudo. Esse 6 0 chute mais certeiro que existe. Notas pag. 14: Um dos primeiros a reconhecer o fendmeno da inversao de extremidades foi Bill Grove pag. 37: Respostas do exercicio sobre bidnica: -C, 2-H, 3G, 44, 5A, 6B, TD, 8, 9F OE. pag. 39: Alan Kay. Palestra apresentada durante a conferéncia “Inovacao na Indiistria”, promovida pela Creative Think, em 26 de marco de 1985. pag. 40: Steve Jobs. Palestra apresentada durante a confe- yéncia “Inovacao na Indistria”, promovida pela Creative Think, em 7 de outubro de 1981 pag. 64: Abraham Lincoln. Baseado em trabalho realizado nos Laboratérios Bell, no inicio da década de 70, para determinar a quantidade minima de informagao necessaria para o reconhecimento de padrées. pag. 65: Semana da Biblioteca Nacional, in Larry Dobrow, When Advertising Tried Harder. The Sixties: The Golden Age of American Advertising, Friendly Press, New York, 1984, pag. 76: As palavras que o sdbio disse: “Trocar cavalos”. pag. 77; Carl Djerassi, Palestra apresentada durante a confe- réncia “inova¢ao na Indiistria’, promovida pela Creative Think, em 2 de novembro de 1982. pag. 83: Um livro divertido sobre pensamento visual é 0 de Robert Sommer, The Mind Eye: Imagery in Everiday Life, Dell, New York, 1978. pag. 90: Testes de criatividade que usam 0 humor, in James A. Austin, Chase, Chase & Creativity, Columbia University Press, New York, 1978. pag. 92: Paisagismo, passagens e calcadas, in Christopher Williams, Origins of Form, Architectural Book Publishing Company, New York, 1981. pag. 104: Robert Gelber e senso de oportunidade. Extraido da coluna “Inside Track”, de John Dvorak, it Info World, 28 de dezembro de 1984. pg. 110: Paralelogramo de Sander, in Peter Farb, Humankind, Houghton Mifflin, Boston, 1978. pg. 112: Namoro entre soldados americanos e mocas inglesas, in Paul Watzlawic, How Real is Real? Confusion, Disinformation, Communication, Random House, New York, 1976. pag. 139: Respostas do exercicio das corespondéncias: LD, 24 3H, 4G, 5B, 6A, ZC, BE. Sobre o autor Roger von Oech é fundador e presidente da Creative Think, empresa com sede em Menlo Park, California, especializada em estimular a inovacao e a criatividade no campo dos negécios, mediante consultoria, seminarios, publicagées e conferéncias. Antes de fundar sua empresa, em 1976, Roger von Oech foi funciondrio da IBM nas areas de banco de dados e comunicagao de informagao, tendo trabalhado também para a Remington Rand na Holanda. Graduou-se com louvor pela Ohio State University e se doutorou pela Stanford University com uma tese sobre “Historia das Idéias”. E casado com Wendy (que também trabalha na Creative Think), com quem tem dois filhos: Athena e Alexander, Espero que vocé tenha gostado deste livro. Se desejar compartilhar comigo idéias, comentarios ou experiéncias criativas, terei prazer em receber sua correspondéncia, Escreva para: Creative Think Box 7354 Menlo Park, California 94026 EUA