Você está na página 1de 52

Processo de implementação

do GHS no Brasil

ANDRÉ FENNER
andre.fenner@saude.gov.br – (61) 81559105

Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador

Ministério da Saúde
SEGURANÇA QUÍMICA
conceito global, desenvolvido para assegurar a
proteção da saúde, da vida e do ambiente,
frente aos riscos decorrentes da produção,
comercialização, uso, armazenagem,
transporte, manuseio e descarte de
substâncias químicas, incluídos os resíduos
industriais e domésticos
SEGURANÇA QUÍMICA NO ÂMBITO INTERNACIONAL
 20 milhões de substâncias de origem natural ou antrópica

 100 mil substâncias possuem uso comercial difundido

 1000 e 2000 novas substâncias a cada ano no mercado

 6000 substâncias foi realizado algum teste de toxicidade

 400 milhões de ton (2000) é a produção mundial

 10% do comércio internacional e rendimentos globais

 produção seja 100% superior em 2020 em relação a 1995

FONTE: IPCS 2005


Pictogramas do GHS
www.traficoadr.com
Sistemas Internacionais sobre
Clasificação e Comunicação de Perigos Químicos

Comer. e Uso Produção

Modelo de
regulamentação
(Livro Laranja) Transporte

Sistema
Comer. e Uso Produ;cão
Globalmente
Harmonizado (Livro
Púrpura)
Transporte
Histórico

• 1998 – Ratificação pelo Brasil da Convenção OIT


170 – Segurança no uso de produtos químicos
nos locais de trabalho.

• 1998 a 2001 – Participação Brasileira (MTE e


FUNDACENTRO) em reuniões do Grupo de
Trabalho de Comunicações de Riscos / GHS
(WGHC – Working Group Hazard Communication) -
OIT
MARCOS INTENACIONAIS

AGENDA 21 – Rio de Janeiro - BRASIL


GHS – Área Programática “B” Capítulo 19 da Agenda 21

FORUM III – Outubro 2000 – Salvador - BRASIL


Declaração da Bahia - GHS implementado até 2008
Prioridades de Ação para depois de 2000

FORUM IV – NOVEMBRO 2003 – Bangkok - TAILÂNDIA


Dinner Workshop – aproximação Brasil/UNITAR/GTZ
Documento de Decisão sobre o GHS

RIO + 10 – Jonnesburgo – ÁFRICA DO SUL


Plano de Implementação – Art. 22
Comissão Nacional de Segurança
Química - CONASQ
• Criada pela Portaria Ministerial N º 319 de 27 de dezembro de
2000 - COPASQ
• Alterada pela Portaria Ministerial Nº 352 de agosto de 2003 -
CONASQ
• Objetivos: articulação institucional e fomentar discussões
sobre segurança química
• Implementar o Programa Nacional de Segurança Química –
PRONASQ – 10 linhas de ação
• Estrutura: 22 instituições (governo e sociedade civil organizada)
• Presidência: Ministério do Meio Ambiente
• Vice-Presidência: Ministério da Saúde
PRONASQ
PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA QUÍMICA

• Mecanismos de controle e fiscalização na Gestão de


Substâncias Químicas
• Rede de Intercâmbio e Difusão de Informações para
Segurança Química no Brasil
• Redução das Vulnerabilidades aos Acidentes com
Produtos Químicos
• Áreas Contaminadas
. Sistema Global Harmonizado de Classificação e
Rotulagem de Produtos Químicos
PRONASQ
PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA QUÍMICA (Cont.)

• Segurança Química nas Universidades e Instituições


de Pesquisa
• Implementação de Convenções Internacionais
(Estocolmo, Roterdã)
• Manejo Integrado de Pragas e Vetores

• Inventário de Emissões e Transferências de Poluentes

• Perfil Nacional da Gestão de Substâncias Químicas


INÍCIO DOS TRABALHOS DO GT
Criado em 2001

Subgrupo de Trabalho da CONASQ:


Ação Prioritária – Implementação do GHS

Coordenação MDIC (Indústria e Comércio)

Vice-Coordenação MTE (Trabalho e Emprego)

Trabalho atuante de outros atores


(Saúde, ABIQUIM, MTE, INMETRO, ABIPHEC, ASSOCIQUIM, SBTOX,
FUNDACENTRO)
Membros do GT-GHS
2000

MDIC
MTE
INMETRO
MCT
SRF/MF
Petrobrás
SITICESP/SP
IBAMA
MMA
3M
ABIQUIM
Bayer
INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES DO GT - 2004
Min. Indústria e Min. Trabalho e Emprego - Min. do Meio Ambiente - Min. da Saúde
Comércio - MDIC MTE MMA CGVAM/ANVISA
Min. Ciência e Min. Transportes ANTT Min. Agricultura - MAPA Min. Relações Exteriores
Tecnologia - MCT - MRE
Ministério da Defesa - Min. Fazenda – INMETRO Universidades de São
MD SRF/Aduana Paulo
IBAMA FUNDACENTRO Min. Integração -Defesa AENDA
Civil
Min. Minas e Energia - DRT/MG Universidade Católica de Universidade de Brasília
MME Brasília
CRQ - IV ABRAFATI ALUMAR SBTox
SITIVESP ABIQUIM ABEMA IBP
PETROBRAS ABIFINA ABIHPEC ABICLOR/
CLOROSUR
ASSOCIQUIM ANDEF ABONG ABNT
ÍntegraBrasilL SINTOX/FIOCRUZ CUT CFQ
ABQ ONIP CEBGAS FIOCRUZ
Volkswagen ** Defesa do Consumidor ** ONG’s de interesse ** Outros Sindicatos
público
Atividades Realizadas - 2002

Reuniões periódicas (5 ao ano)


Formação de um GT
(GT-GHS Brasil e GT-GHS América Latina)
Workshop Nacional - novembro 2002
Diagnóstico de implementação feito pela
ABIQUIM (estado da arte, dificuldades e
desafios)
Implementação da página na internet - MDIC
Questionários do GHS
Criação da Web-page

2002

Inclusão de atas, relatórios, palestras, documentos


e informações atualizadas.
Hospedada no MDIC - Ministério do
Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior
http://www.desenvolvimento.gov.br/sitio/
secex/negInternacionais/claRotSubQuimi
cas/oquee.php
Realizações 2003/2004
Reuniões periódicas (5 anuais)
Criação e reuniões periódicas de Sub-grupos
Glossário
Capacitação/Divulgação
Laboratórios
Legislação
Resíduos
Termo de Referência
Projeto de Implementação

Realização do workshop sobre Laboratórios


Realizações 2005
Oficina do GHS durante o Forum Social Mundial –
Janeiro -Porto Alegre – Brasil

1 Reunião ( Março)

Programação de Atividades para 2005

1 Reunião do Sub-grupo de Laboratórios para


estabelecimento de atividades para o ano 2005

Preparação de uma Mesa e um Mini-curso do GHS


para o Congresso Brasileiro de Toxicologia
Realizações 2006
Reunião do Setor Governamental – Maio
Reunião do GT-GHS – Maio – Brasília
Participação da Conferência Européia sobre o GHS –
incluindo questões do REACH – Bled
Participação da Reunião do Comitê de Especialistas –
Genebra
Reunião do Sub-GT Divulgação e Capacitação –
Setembro
2 Oficinas de divulgação- Rio de Janeiro – DRT/RJ e
ABIFINA

Finalização do Projeto Nacional de Implementação do


GHS (deve ser revisto)
Realizações 2006 (Cont.)

Finalização do Projeto Nacional de


Implementação do GHS
Realização do II Curso de Capacitação sobre
GHS na FUNDACENTRO/SP de 4 a 8 de
dezembro
Tradução do Livro Púrpura para o português
Contração de Consultoria para elaboração de
Metodologia sobre a Comunicação de Risco do
GHS
Trabalhos em Congressos Internacionais (Saúde
no Rio de Janeiro e Toxicologia no Chile)
Realizações 2007

Decreto Presidencial (junho/2007)


Formalização da Implementação do GHS
no Brasil
Realização de 2 Cursos de Capacitação
sobre GHS pela FUNDACENTRO e MS
Tradução do Livro Púrpura para o
português – diversas oficinas (Brasília, Rio
de Janeiro, Porto Alegre, São Paulo)
Ações Futuras

Continuidade e ampliação da participação brasileira nas


sessões do Sub-Comitê do GHS/Genebra e OECD
Reunião de aproximação com setor produtivo de
Agrotóxicos
Realização de Cursos de Capacitação do GHS
Compromisso Voluntário entre os diversos tomadores de
decisão visando a implementação do GHS
Desenvolvimento de material de comunicação e
divulgação do GHS (folders, relatórios, pagina web)
Diagnóstico da situação nacional da legislação
relacionada ao GHS
Consolidação da capacidade laboratorial
Financiamento para implementação do Projeto Nacional
de Implementação do GHS
Perspectivas futuras

Desenvolvimento de Cooperações Técnicas entre o


Brasil e outro países em nível regional e internacional
Apoio dos entidades financiadores ao Projeto Brasileiro
de implementação do GHS no país (via Banco Mundial,
GEF, GTZ, CIDA, e outros)
Desenvolvimento de Cooperação Técnica com os países
de língua portuguesa (Portugal, Guiné Bissau, Timor
Leste, Angola, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e
Príncipe)
Fortalecimento das atividades e do trabalho já
desenvolvido pelo GT-GHS Brasil via parceiros
internacionais
Desenvolvimento de parcerias na implementação do
GHS
Planos de Implementação
 IFCS - Forum III - Bahia - Outubro 2000
Todos os países são encojados a
implementar o GHS com vistas a que
esteja plenamente operacional em todos
os países até 2008

Referendado na Rio +10, em


Joanesburgo 2002 e pelo IFCS IV
Planos de Implementação
Foi iniciado o trabalho em organismos
internacionais (UNITAR, OIT) para a
avaliação das capacidades nacionais e
as necessidades de assistência técnica
para países em desenvolvimento.

O GHS proverá a “plataforma”


sobre a qual os países podem
elaborar programas de gestão de
segurança para produtos químicos.
Conclusão
Na fase inicial de implementação custos
serão agregados.

Países com Sistema,


Sistema fragmentado ou
sem Sistema terão de adotar estratégias
diferentes na implementação.
Países que receberam recursos
internacionais para implementar

Sri Lanka, África do SUl, Zâmbia


Gambia, Nigéria, Senegal
Indonésia, Filipinas, Tailândia
Laos, Camboja
Objetivos de um Projeto Nacional

Participação Pública
Conscientização e formação
Arcabouço Legal para aplicação do GHS
Planos de aplicação por setores
Apoio de alto nível para uma estratégica nacional
para implementação do GHS
Enfoque UNITAR/OIT

Indústria Transporte Agricultura Consumo

Implementação do GHS

Org. Interesse
Setor
Governo Público/
Privado Sindicatos
Metodologia da UNITAR/OIT

Sector
Análise de Privado
Compreensão

-Indústria
Planos de
Estratégia
Análise de Implement -Agricultura Aplicação do
Nacional de
ação do -Transporte GHS
Situação e GHS
Implementação do
de lacunas -Consumo GHS

Interesse Público
e Sindicatos
Conclusão, cont.
BRASIL
- Grupo de Trabalho 2001-2007
- 43 Instituições (NGOs, Governo, Indústria e
Sociedade Civil)
- Reuniões Períodicas (Sub – GT: Legislação,
Laboratório, Capacitação, Divulgação,
Informações Confidenciais, etc.)
- Seminários nacionais e regionais
- 4 Cursos do GHS de 40 horas (120 técnicos
capacitados de diversas áreas)
- Decreto Presidencial – Oficializando o GT
Conclusão, cont.
MERCOSUL
- SGT 6 “Meio Ambiente” e Reunião de Ministros de
Saúde (RMS), SGT 11 “Saúde” e SGT 10 “Trabalho”
- Argentina: Prefeitura Naval, seminários, identificação
de instrumentos legais, curso 2008 CEQUIME
- Chile: comitê nacional multisetorial, identificação de
lacunas, sistema transporte e pesticidas inconsistentes,
apoio da indústria
- Paraguai: não tem comissão ou comitê
- Uruguai: seminários, Evento paralelo COP1 de POPs,
falta estrutura legal, país piloto
- Venezuela: comissão interministerial de segurança
química, legislação para pesticidas
Conclusão, cont.
LACUNAS NO MERCOSUL
- Projeto piloto na região
- Escassos recursos humanos e financeiros
- Consolidação da legislação existente
- Relutância dos doadores internacionais
- Programas de capacitação e treinamento
- Comunicação/coordenação com os
diversos setores envolvidos no GHS
- Programas de educação e divulgação
- Especialistas no GHS
Conclusão, cont.
Sinergias com outras Convenções ou
Acordos Internacionais
- SAICM (política global, plano global de
ação, capacitação e aplicar o GHS nos
planos nacionais)
- POPs (preâmbulo e art. 10)
- Basiléia (contato com o sub-comitê)
- PIC (art. 13)
Conclusão, cont.
Espera-se que o GHS seja amplamente aplicado, e os
benefícios significativos para a saúde humana e ao
meio ambiente sejam o resultado dessa aplicação.

Texto do Documento GHS (livro púrpura)

http://www.unece.org/trans/danger/publi/ghs/ghs_rev00/00files_e.html
“O homem é parte da natureza e sua
guerra contra a natureza é
inevitavelmente uma guerra contra si
mesmo... Temos pela frente um desafio
como nunca a humanidade teve, de
provar nossa maturidade e nosso
domínio, não da natureza, mas de nós
mesmos.”
Rachel Carson - 1962
Obrigado

GT-GHS Brasil

ghs@desenvolvimento.gov.br

andre.fenner@saude.gov.br