Você está na página 1de 35

SISTEMAS DE

TRANSPORTES

03 - UNITIZAÇÃO DE
CARGA

Campus Alto Paraopeba


Unitização de Cargas:
- Classificação Universal;
- Equipamentos Disponíveis;
- Vantagens e Desvantagens dos Equipamentos.

2
Classificação Universal

3
Classificação Universal
➢ A necessidade de se agrupar cargas está vinculada a:

✓ Redução de custos;
✓ Segurança do produto;
✓ Agilidade na movimentação.

Peso
Volume Armazenamento
Características Perecibilidade Logística Manuseio
das cargas Inflamabilidade Processamento dos insumos
Fragilidade

RESUMINDO:

CLASSIFICAÇÃO E UNITIZAÇÃO DE CARGAS, FINALIDADES:

CLASSIFICAÇÃO
Realizar o agrupamento de acordo com a natureza das cargas

UNITIZAÇÃO
Agilizar a movimentação, com isso, reduzindo os custos por meio da utilização de modernos equipamentos, além de trazer
segurança por causa da proteção oferecida ao produto.

4
Classificação Universal

A carga pode ser classificada basicamente em:

1. Carga Geral

2. Carga a Granel

3. Carga “break bulk”

4. Carga Frigorífica

5. Carga Perigosa

6. Individual

7. Agrupada

5
Classificação Universal

1. Carga Geral: carga embarcada, com marca de identificação e contagem


de unidades, podendo ser soltas ou unitizadas;

Soltas (não unitizadas): itens avulsos, embarcados separadamente em


embrulhos, fardos, pacotes, sacas, caixas, tambores etc. Este tipo de carga gera
pouca economia de escala para o veículo transportador, pois há significativa
perda de tempo na manipulação, carregamento e descarregamento provocado
pela grande quantidade de volumes.

6
Classificação Universal

2. Carga a Granel: é carga líquida ou seca embarcada diretamente e transportada sem


acondicionamento (embalagem), não apresentando marca de identificação e sem contagem de
unidades. Por exemplo: farelos e grãos.

Figura 01-Carga a Granel.

7
Classificação Universal

3. Carga “break bulk”: termo que vem se tornando usual em transporte marítimo para
designar produtos cujos elementos apresentam individualmente volume expressivo,
como bobinas de papel e de aço, produtos siderúrgicos em barras longas, tubos
metálicos, toras de madeira, etc;

8
Classificação Universal

Cargas Frigoríficas
Exigem manuseio diferenciado Forma especial de classificação
Cargas Perigosas

✓ Carga Frigorificada: É a carga que necessita ser refrigerada ou congelada para conservar
as qualidades essenciais do produto durante o transporte. Por exemplo: frutas e carnes.

✓ Carga Perigosa: Aquela que pode provocar acidentes em virtude de sua natureza, gerando
danos às demais cargas, meios de transportes e/ou colocando em risco as pessoas que
manipulam essa carga. Dividida nas seguintes classes: explosivos, gases, líquidos
inflamáveis, sólidos inflamáveis e semelhantes, substâncias tóxicas (venenosas) e
substâncias infectantes, materiais radioativos, corrosivos e variedades de substâncias
perigosas diversas.

9
Classificação Universal

3. Cargas frigorificadas: embora pudessem ser classificadas em uma das categorias


anteriores, formam uma classe a parte pelo manejo diferenciado que exigem, com
manutenção permanente de temperaturas baixas e controladas para conservar as
qualidades essenciais do produto durante o transporte (frutas frescas, pescados,
carnes, etc.);

10
Classificação Universal

5. Carga perigosa: aquela que, por causa de sua natureza, pode provocar acidentes,
danificar outras cargas ou os meios de transporte ou, ainda, gerar riscos para as
pessoas. É dividida pelo IMCO (Organização Marítima Consultiva Internacional) segundo
as seguintes classes:

I – Explosivos

II – gases

III - líquidos inflamáveis

IV – sólidos inflamáveis

V – substâncias oxidantes

VI – substâncias infecciosas

VII – substâncias radioativas

VIII – corrosivos

IX – variedades de substâncias perigosas

11
Classificação Universal

12
Classificação Universal
6. Carga Individual: Inclui os volumes acondicionados sob dimensões e formas diversas. O
embarque ocorre de maneira convencional, aumentando o tempo na manipulação,
carregamento e descarregamento. Por exemplo, sacarias, fardos, caixas de papelão e
madeira, engradados, veículos, máquinas, etc.

Figura 03-Carga Individual. 13


Classificação Universal
7. Carga Agrupada: É o agrupamento da carga, seja a granel ou geral, em uma unidade
adequada, constituindo materiais arranjados e acondicionados de modo a possibilitar a
movimentação e armazenagem por meios mecanizados como uma única unidade. Por
exemplo, cargas containerizadas.

Figura 04-Carga Agrupada. 14


Classificação Universal

É necessário classificar as cargas, quanto a sua natureza, antes de agrupá-las(unitizar) ou


transportá-las.
1. Carga Geral
2. Carga a Granel
3. Carga “break bulk”
4. Carga Frigorífica
5. Carga Perigosa
6. Individual
7. Agrupada

UNITIZAÇÃO DE CARGAS
Unitizar uma carga significa agrupar vários volumes pequenos ou grandes em um único,
com o objetivo de facilitar o seu manuseio, movimentação, armazenagem e transporte,
fazendo com que a sua transferência, do ponto de origem até o seu destino final, possa ser
realizada tratando o total de volumes envolvidos em cada unitização como apenas um
volume.

15
Unitização de Cargas:

VANTAGENS DA UNITIZAÇÃO DE CARGAS:

• Redução do número de volumes a manipular;


• Menor utilização de mão-de-obra;
• Possibilidade de mecanização das operações de carga e descarga;
• Diminuição do tempo de embarque e desembarque;
• Redução dos custos de embarque e desembarque;
• Redução do custo com embalagens;
• Diminuição das avarias e roubos de mercadorias;
• Redução dos custos de seguro das mercadorias.

16
Equipamentos Disponíveis
➢ Unitização de Cargas:
É o mesmo que agrupar volumes em unidades padronizadas, com o objetivo de facilitar as
operações de manuseio, movimentação, armazenagem e transporte.

Volumes manipulados;
Mão de obra;
A Unitização reduz
Tempo de embarque e desembarque;
Custo de operação.

Possibilita a mecanização das


operações de carga e descarga

17
Equipamentos Disponíveis

18
Equipamentos Disponíveis
➢ DUC’s:
Os equipamentos de unitização (DUC’s – Dispositivos de Unitização de Cargas) dependem
das características do modal de transporte.
Reúne certa quantidade de embalagens de Transporte em uma única unidade, cuja
movimentação é feita de forma mecanizada.

As características físicas dos DUC’s

Compatíveis

Equipamentos de sua movimentação. Equipamentos de sua fixação

✓ Pallet;
✓ Containers;
Tipos de dispositivos de unitização de carga ✓ Big bag;
✓ Barris e Tambores;
19
✓ Marino Slings.
Equipamentos Disponíveis
✓ Equipamentos para movimentação dos DUCs

Figura 04 - Bases roletadas. Figura 05 - Empilhadeiras.

Figura 06 - Transpaleteiras.
Figura 07 - Pórticos. 20
Equipamentos Disponíveis
✓ Equipamentos para movimentação dos DUCs

Figura 08 – Carregadores de Container

21
Equipamentos Disponíveis
✓ Pallet
É uma unidade que, na sua forma, assemelha-se a um estrado. Principalmente construído de
madeira, podendo também ser de alumínio, aço, plástico, fibra, polipropileno.

Figura 09-Pallet de madeira.

22
Equipamentos Disponíveis
✓ Pallet

CARACTERÍSTICAS GERAIS

Quanto às faces, para acomodação da carga, pode ser simples, com


apenas uma face para utilização,
servindo a outra apenas para suporte; ou ter duas faces iguais, isto é, ser
um pallet reversível, podendo ser utilizado para carga em qualquer uma das
duas faces.

23
Equipamentos Disponíveis
✓ Pallet

CARACTERÍSTICAS GERAIS

Pode, também, ser construído em forma de caixa, que poderá acomodar pequenos
volumes que não poderiam ser acondicionados num pallet comum devido a seu pequeno
tamanho e, às vezes, sua irregularidade;

Poderão ainda, ser utilizadas cantoneiras, de diversos


materiais, para proteger a mercadoria paletizada, sendo
colocadas nos quatro cantos da pilha montada sobre o
pallet.
24
Equipamentos Disponíveis
✓ Container
Consiste em uma caixa de carga construída em aço, alumínio ou fibra criada para o
transporte unitizado de mercadorias, dotada de dispositivos de segurança legalmente
previstos, bem como suficientemente forte para resistir ao uso constante.

Figura 10-Container.

25
Equipamentos Disponíveis
✓ Container

A empresa de navegação Sealand (EUA) foi a pioneira na utilização deste tipo de


equipamento (1956), no Ideal X, um navio tanque adaptado para transporte de
contêineres em seu convés, com capacidade para 58 unidades.

Atualmente são utilizados cerca de 200 milhões de unidades ao ano de contêineres.

Atualmente são utilizados cerca de 200 milhões de unidades ao ano de contêineres.

Com o tempo, a maioria dos países acabou adotando como padrão as especificações e
dimensões propostas pela ISO, o que veio facilitar, inclusive, a construção de navios,
trens e caminhões para o seu transporte, bem como guindastes e equipamentos
apropriados para seu embarque, desembarque e movimentação;

As unidades de medida utilizadas para a padronização das dimensões dos contêineres


são pés (´), do inglês feet e polegadas (´´), do inglês inches (um pé é igual a 30,48cm
ou 0,3048m e uma polegada é equivalente a 2,54cm)

26
CONTÊINERES – Tipos:

1 - CARGA SECA GERAL – DRY BOX


2 – VENTILADOS – VENTILATED
3 - FRIGORÍFICO – REEFER
4 - ABERTO – OPEN TOP
5 – MEIA ALTURA – HALF HEIGHT
6 – ABERTO – OPEN SIDE
7 - PLATAFORMA – FLAT RACK
8 – PLATAFORMA – PLATAFORM
9 - TANQUE – TANK
10 – GRANELEIRO – BULK

27
Equipamentos Disponíveis
✓ Big Bag (container flexível )
É uma embalagem feita de material sintético (polipropileno), com fundo geralmente circular
ou quadrado, semelhante a uma grande sacola.

▪ Embalagem feita em polipropileno,


com formato semelhante a uma
grande sacola, que pode acondicionar
até 2.000kg de carga;

▪ Boa aplicação para produtos à granel


ou embalados em sacos que os
mantém melhor acomodados e
protegidos contra artefatos
pontiagudos que podem furá-los ou
rasgá-los;

▪ Quando confeccionado com material


Figura 11-Big bag. impermeável, pode ser armazenado
em pátios abertos, empilhado
uniformemente e transportado em
qualquer modal.

▪ É reutilizável e dobrável, por isso


adequado para retorno vazio. 28
Equipamentos Disponíveis
✓ Barris e Tambores
Recipientes de formato cilíndrico, fabricados em aço, alumínio ou polipropileno comportando
180 até 500 litros. Podendo ser descartáveis ou não.

Indicado para o acondicionamento de


granéis líquidos e sólidos;

Fornece boas condições de manuseio


mais fácil em locais desprovidos de
equipamentos para carga e descarga.

Figura 12-Tambores.
29
Equipamentos Disponíveis
✓ MARINO SLINGS (Linga)
É um dispositivo feito de correntes, cabos ou fitas de tecido para amarrar cargas que se deseja
içar. Apesar do baixo custo e da baixa tara desse DUC, ele sofre cada vez mais a concorrência
de contêiner.

Normalmente usadas
para sacaria.

30
Figura 13-Lingas.
Vantagens e Desvantagens dos Equipamentos

31
Vantagens e Desvantagens dos Equipamentos
➢ Pallet
✓ Vantagens
▪ Redução do custo homem/hora;
▪ Rapidez na estocagem e movimentação das cargas.
▪ Racionalização do espaço de armazenagem, com melhor aproveitamento vertical da área de
estocagem;
▪ Diminuição das operações de movimentação;
▪ Redução de acidentes pessoais;
▪ Diminuição de danos aos produtos;
▪ Melhor aproveitamento dos equipamentos de movimentação;
▪ Uniformização do local de estocagem.

✓ Desvantagens

▪ Espaços perdidos dentro da unidade de carga;


▪ Investimentos na aquisição de pallet, acessórios para a fixação da mercadoria à plataforma
e equipamentos para a movimentação das unidades de carga;
▪ O peso do pallet e o seu volume podem aumentar o valor do frete.

32
Vantagens e Desvantagens dos Equipamentos
➢ Container
✓ Vantagens
▪ Redução de perdas de produtos e mercadorias, a redução de problemas de roubos e de
avarias à carga transportada.
▪ As possíveis reduções de custos, inclusive de rotulagem e embalagem, são muito sentidas
quando a carga precisa ser submetida a grandes percursos, principalmente, nos casos em
que o container é transportado porta-a-porta.
▪ Como transportam grande quantidade e volume de carga simultaneamente, com grande
velocidade operacional, impactando no carregamento e descarregamento de veículos e
embarcações, permitem o aumento da rotatividade de mercadorias.
▪ Possíveis reduções de utilização de mão-de-obra na movimentação da carga.
▪ Carregamentos e descarregamentos de veículos e embarcações sob condições climáticas
adversas também são simplificados.

✓ Desvantagens
▪ Containers são alugados para o transporte de cargas, para isso o pagamento de taxas de
sobre estadia pelo uso do container, devem ser considerados.
▪ Exigência de equipamentos de alto custo para a movimentação dos containers, além de
unidades de carga nos locais de expedição e de recebimento, além dos pontos de
transferência de veículo de transporte.
33
Vantagens e Desvantagens dos Equipamentos
➢ Marino Slings (Lingas)
✓ Vantagens
▪ Possíveis reduções na utilização de mão-de-obra na movimentação da carga, nas
dependências da empresa exportadora;
▪ Maior rapidez nas operações de carregamento e descarregamento de veículos e
embarcações;
▪ Tara.

✓ Desvantagens
▪ Investimentos na aquisição de lingas e equipamentos para movimentação das unidades de
carga;
▪ Custos de reposição e retorno das lingas, caso não sejam descartáveis ( em princípio, esses
custos são sensivelmente menores do que os pertinentes ao contêiner e ao pallet).

34
Bibliografia
Confederação Nacional do Transporte. Plano CNT de Transporte e Logística 2011. Disponível
em:
<http://www.cnt.org.br/Imagens%20CNT/PDFs%20CNT/Plano%20CNT%20de%20Log%C3%A
Dstica/PlanoCNTdeLog2011.pdf>.
BRASIL. Ministério dos Transportes. Plano Nacional de Logística de Transportes, 2007.
Disponível em: < http://transportes.gov.br/public/arquivo/arq1352742260.pdf>
BRASIL; Ministério dos Transportes-Banco de Informações e Mapas de Transportes – BIT,
2014. Disponível em: < http://www2.transportes.gov.br/bit/01-inicial/index.html>.
HOEL, L. Engenharia de Infraestrutura de Transportes - Uma Integração Multimodal. 1ª ed.
Editora Cengage Learning. 598 p. 2011.
RODRIGUES, P. R. A. Introdução aos sistemas de transporte no Brasil e á logística
internacional. 4ª ed. Editora Aduneiras. 243 p. 2007.
MIRANDA, L. M. Sistemas de Transportes e intermodalidade. 1ª ed. Editora Leitura. 2012.
Pereira, D.M.; Ratton E.; Blasi, G.F.; Pereira M.A.; Filho, K.W.; Lendzion, E. Apostila de
Sistemas de Transportes. UFPR, Departamento de Transportes, 2013. Disponível em: <
http://www.dtt.ufpr.br/Sistemas/Arquivos/apostila-sistemas-2013.pdf>.

35