Você está na página 1de 34

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO – UEMA

CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS – CCA


CURSO DE AGRONOMIA

RAIMUNDO NONATO VIANA SANTOS

EFEITO ALELOPATICO DO EXTRATO AQUOSO DAS FOLHAS DE


ABÓBORA NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Mimosa nuttalli L.

São Luís
2012
RAIMUNDO NONATO VIANA SANTOS

EFEITO ALELOPATICO DO EXTRATO AQUOSO DAS FOLHAS DE


ABÓBORA NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Mimosa nuttalli L.

Trabalho de Conclusão de Curso


apresentado ao curso de
Agronomia – Bacharelado da
Universidade Estadual do
Maranhão, Campus São Luís, para
obtenção do título de Engenheiro
Agrônomo.

Orientadora: Profª D. Sc. Maria Rosângela Malheiros Silva

São Luís
2012
Santos, Raimundo Nonato Viana.
Efeito alelopático do extrato aquoso das folhas de abobora na
germinação de sementes de Mimosa nuttalli L. / Raimundo Nonato Viana
Santos.– São Luís, 2012.

.35 f

Monografia (Graduação) – Curso de Agronomia, Universidade


Estadual do Maranhão, 2012.

Orientador: Profa. Drª. Maria Rosangela Malheiros Silva.

1.Cucurbita moschata. 2.Alelopatia. 3.Planta daninha. I.Título

CDU: 635.621:664.932.2
Ao Senhor Deus, Pai, misericordioso, santo, bondoso, autor e
consumador da minha fé, pela minha vida,
Aos meus pais, João e Maria José (Zuzinha), pelo amor, confiança,
credibilidade e apoio,
Aos meus irmãos Ester, Alideia, Maria (Nani), Manoel e Socorro,
meus sobrinhos Gustavo e Ana Sofia, pelas boas risadas,
Aos meus professores Soraya Trabulsi e Sérgio Barros, pelo
investimento, por acreditarem em mim e aos meus amigos pela força,
apoio, por todas as horas de alegria, com satisfação e carinho.

DEDICO!
AGRADECIMENTOS

A Deus, o que seria de mim se não fosse as suas misercórdias. Pelo seu poder e
autoridade pude conquistar esta batalha de cinco anos e ainda ficar de pé. Esse é o
DEUS que eu sirvo. Ele é forte, zeloso, bom, benigno, misericordioso. A Ele toda glória,
adoração, louvor e honra pelos séculos dos séculos. Amém!!

Aos meus pais João e Maria José (Zuzinha),

Aos meus irmãos Ester, Alideia, Nani, Manoel, Socorro. Aos meus sobrinhos Gustavo e
Sofia,

Aos meus professores Soraya e Sérgio pelo investimento e por acreditar em mim,

Aos meus padrinhos Citonha e Preto pelo carinho, amizade e respeito,

À minha namorada Luciana, que sempre esteve ao meu lado dando todo apoio e
confiança nas horas mais difíceis,

Aos meus tios Walmir e Socorro por estes oito anos em sua casa. Aos meus primos Werly
e Jeisyane, e a toda minha família que, com muito carinho e apoio, não mediram esforços
para que eu chegasse até esta etapa de minha vida,

Ao meu amigo Luciano companheiro de Ensino Fundamental, Médio, Escola Agrotécnica


pela incentivo dentro e fora da sala de aula,

Aos meus pastores Nílson e Ducarmo pelas orações e carinho,

À professora Rosângela, pela paciência na orientação e incentivo que tornaram possível


a conclusão desta monografia,

À professora Josilda, pelos ensinos, pelo convívio, pelo apoio, pela compreensão e pela
amizade. À professora Maria José por fazer parte da banca e por revisar minha
monografia,

Ao professor Francisco Nóbrega pelo incentivo e pelo respeito. À Denise pela paciência
nas impressões de vários documentos. Deus te abençoe!!!

A todos os professores do curso, que foram tão importantes na minha vida acadêmica e
no desenvolvimento desta monografia,

Ao Sr. José Maria e ao Junior pela ajuda em vários trabalhos no Laboratório de


Sementes,

À Nilselene, pelo apoio no Laboratório de Pós-colheita. Ao meu nobre amigo Eduardo


Henrique pelo apoio prestado na contagem dos testes de germinação,

Aos amigos e colegas, pelo incentivo e pelo apoio constantes. Agradeço!!!


SUMÁRIO
Páginas
LISTA DE ILUSTRAÇÕES........................................................................... vi
CAPÍTULO 1 - REFERENCIAL TEÓRICO..............................................
RESUMO......................................................................................................... 8
ABSTRACT..................................................................................................... 9
1. INTRODUÇÃO...................................................................................... 10
2. ALELOPATIA ....................................................................................... 11
3. ASPECTOS GERAIS DA CULTURA DA ABÓBORA..................... 13
4. CARACTERÍSTICAS DA PLANTA DANINHA MIMOSA............. 15
5. REFERÊNCIAS..................................................................................... 16

CAPÍTULO 2 – POTENCIAL ALELOPATICO DE EXTRATOS


AQUOSOS DE FOLHAS DE ABÓBORA SOBRE A GERMINAÇÃO
DE MIMOSA (Mimosa nuttalli L.)................................................................
Resumo............................................................................................................. 20
Abstract............................................................................................................ 21
Introdução........................................................................................................ 22
Material e Métodos.......................................................................................... 23
Resultados e Discussões.................................................................................. 24
Referências....................................................................................................... 26
ANEXO – Normas para publicação da Revista Biotemas
vi

LISTA DE ILUSTRAÇÕES
Páginas

Tabela 1 Efeitos potencialmente alelopáticos de extratos aquosos de folhas de


Cucurbita moschata (Duchesne) em função da idade fenológica sobre a
germinação de Mimosa nuttalli L. Dados expressos em percentual de
germinação das sementes.....................................................................................
25
Tabela 2 Efeitos potencialmente alelopáticos de extratos aquosos de folhas de
Cucurbita moschata (Duchesne) em função da idade fenológica sobre o índice
de velocidade de germinação de sementes de Mimosa nuttalli
L............................................................................................................................
26
CAPÍTULO 01

REFERENCIAL TEÓRICO
8

RESUMO
O efeito inibitório ou benéfico, de uma planta sobre outra, via produção de compostos
químicos chama-se alelopatia. O objetivo do trabalho foi avaliar o potencial alelopático de
extratos de folhas de abóbora sobre a germinação de sementes de mimosa. O delineamento
experimental foi o inteiramente casualizado, com quatro repetições, no esquema fatorial,
combinando três idades das plantas (2, 4 e 6 semanas) com cinco concentrações dos extratos
de folhas (0, 25, 50, 75 e 100%). Os extratos foram obtidos de folhas trituradas com 675 ml
de água destilada, obtendo-se a solução estoque (100%) e as demais concentrações. Foram
utilizadas 50 sementes em placas de Petri sobre papel de filtro umedecido com 1,3 ml dos
extratos. Foi avaliada a percentagem de germinação e o índice de velocidade de germinação.
O percentual de germinação das sementes foi afetado pelos extratos das folhas de abóbora nas
idades de duas e quatro semanas. O índice de velocidade de germinação não foi influenciado
pela idade das plantas nas concentrações de 0, 50 e 75%. As plantas de abóbora em estágio
inicial de desenvolvimento apresentaram maior efeito alelopático sobre a germinação e o
índice de velocidade de germinação de sementes de mimosa.
Palavras-chave: Cucurbita moschata, alelopatia, planta daninha.
9

Allelopathic potential of extracts of leaves of squash on the germination of mimosa


(Mimosa nuttalli L.)

ABSTRACT:
The inhibitory effect or beneficial, from a plant on another, via production of chemical
compounds called allelopathy. The objective of this work was to evaluate the allelopathic
potential of pumpkin leaves extracts on the germination of seeds of mimosa. The
experimental design was completely randomized design, with four replications in factorial
scheme, combining three ages of plants (2, 4 and 6 weeks) with five concentrations of the
extracts of leaves (0, 25, 50, 75 and 100%). The extracts were obtained from crushed leaves
with 675 ml of distilled water to obtain the stock solution (100%) and the other
concentrations. We used 50 seeds in Petri dishes on filter paper moistened with 1.3 ml of
extracts. It was evaluated the germination percentage and germination speed index. The seed
germination percentage was affected by the extracts from the leaves of squash in the ages of
two and four weeks. The germination speed index was not influenced by age of plants at
concentrations of 0, 50 and 75%. Squash plants in early stages of development had higher
allelopathic effect on germination and germination speed index of seeds of mimosa.
Key-words: Cucurbita moschata, allelopathy, weed.
10

1. INTRODUÇÃO
O aumento da demanda por alimentos produzidos sem uso de agrotóxicos criou um
mercado atrativo aos produtores. Isso fez com que os agricultores interessados em atender
esta demanda alterassem o sistema de produção que vinham adotando, substituindo o sistema
convencional, que permite o uso de agrotóxicos, pelo sistema orgânico, que não permite o uso
de substâncias sintetizadas no processo de produção (VARGAS e BERNARDI, 2003). Entre
os agrotóxicos destacam-se os herbicidas que são aplicados em lavouras com o objetivo de
eliminar as plantas daninhas presentes, nas quais os efeitos sobre a cultura muitas vezes não
são perceptíveis ou não são amplamente considerados. Existem relatos de diferentes efeitos
fisiológicos secundários induzidos por herbicidas. Esses efeitos incluem alterações tanto no
metabolismo do nitrogênio e nos níveis hormonais quanto no metabolismo secundário da
planta (LYDON e DUKE, 1989; DEVINE et al.,1993). Além desses, acrescenta-se a poluição
ao ambiente, o comprometimento da vida silvestre e a contaminação dos alimentos usados na
dieta humana.
Entre as alternativas ao uso de herbicidas nos diversos sistemas orgânicos e mesmo
nos sistemas convencionais tem-se a alelopatia que é definida como o efeito prejudicial ou
benéfico entre plantas por meio de substâncias químicas, chamadas de aleloquímicos lançadas
no meio. As substâncias alelopáticas podem interferir na germinação de sementes e/ou
estabelecimento e desenvolvimento de indivíduos vegetais próximos (FERREIRA, 2004;
GATTI et al., 2007).
Os compostos alelopáticos são produtos naturais que podem ser metabólitos diretos,
subprodutos de outros processos metabólicos ou produtos da decomposição de compostos ou
da biomassa. Esses compostos são liberados pelas plantas de várias maneiras, podem ser
lavados das folhas verdes, lixiviados de folhas secas, volatilizados das folhas, exsudados das
raízes, ou liberados durante a decomposição de restos de plantas (GLIESSMAN, 2009). Esses
compostos podem ser produzidos tanto por plantas daninhas como pelas culturas nos
agroecossistemas.
A produção de aleloquímicos pelas culturas nos agroecossistemas apresentam grandes
possibilidades de manejo de plantas daninhas sem o uso de herbicidas nos sistemas orgânicos
e nos convencionais. Entre as culturas agrícolas citadas na literatura como alelopáticas tem-se
a moranga, que segundo Gliessman, (2009), além do controle físico das ervas adventícias
provocado pelas folhas espessas, largas, horizontais que bloqueiam a luz solar, prevenindo a
germinação e o crescimento de ervas; produzem compostos alelopáticos que lixiviados pelas
chuvas que lavam as folhas inibem o crescimento destas.
11

Segundo Gomide (1993) o conhecimento detalhado das reações alelopáticas de plantas


cultivadas e de invasoras, permitirá melhorar os sistemas agrícolas, por meio da
implementação de técnicas tais como rotação de culturas, época e processos de semeadura
mais adequados. Nunes et al (2002) também destacam a importância desse conhecimento para
inibir as plantas invasoras, pragas e doenças que afetam o desenvolvimento da cultura
posterior bem como estimular o seu crescimento, aumentar a fertilidade do solo e melhorar
sua estrutura física. Esses mesmos autores acrescentam o consórcio entre culturas, a
adubação verde, o plantio direto e a cobertura morta como outras técnicas de controlar
algumas plantas invasoras por meio da liberação dos aleloquímicos. Assim, o conhecimento
de espécies cultivadas que interfiram no crescimento e desenvolvimento de plantas daninhas é
desejável para o manejo destas nos agroecossistemas. Diante do exposto, o objetivo do
trabalho foi avaliar o efeito alelopático de extratos aquosos de folhas de abóbora sobre a
germinação da planta daninha Mimosa nuttallii L.

2. ALELOPATIA
A palavra alelopatia vem do grego allelon (mútuo) e pathos (doença, prejuízo) termo
criado por Molisch, em 1937. Apesar do significado da palavra indicar apenas efeitos
prejudiciais, o próprio Molisch a usava para indicar todas as interferências entre plantas de
diferentes espécies e microorganismos em um mesmo ambiente, ou seja, tantos efeitos
positivos quanto negativos (NUNES et al., 2002). Segundo Souza Filho e Alves (2002),
atualmente, o termo alelopatia é entendido como sendo todo efeito direto e indireto de uma
planta sobre outra, incluindo a participação dos microorganismos, via produção de
substâncias químicas que são liberadas para o meio ambiente.
As substâncias alelopáticas são encontradas em diferentes partes das plantas e durante
seu ciclo de vida (periodicidade). Quando estas substâncias são liberadas em quantidades
suficientes causam inibição ou estimulação (dependendo da concentração) da germinação,
crescimento e/ou desenvolvimento de plantas já estabelecidas (CARVALHO, 1993). Esses
compostos são liberados pelas plantas de várias maneiras, podem ser lavados das folhas
verdes, lixiviados de folhas secas, volatilizados das folhas, exsudados das raízes, ou liberados
durante a decomposição de restos de plantas (GLIESSMAN, 2009). Segundo Nunes et al
(2002), a concentração dessas substâncias está relacionada às condições hídricas e
nutricionais da planta, sendo que normalmente as concentrações aumentam quando ocorre
alguma deficiência na planta. A idade do tecido ou da planta também são fatores que
interferem na concentração e produção de substâncias alelopáticas.
12

De acordo com PITTY (1997), a maioria dos compostos alelopáticos são chamados
compostos secundários, pois se encontram de forma esporádica em algumas plantas e
aparentemente não têm nenhuma função direta no desenvolvimento e crescimento das plantas.
Segundo LUZ (2009) existem mais 300 compostos secundários vegetais e microbiológicos,
entre os agentes alelopáticos, pertencente a muitas classes de produtos químicos e esse
número continua aumentando com a realização de novas pesquisas. A atividade dos
aleloquímicos tem sido usada como alternativa ao uso de herbicidas, inseticidas e nematicidas
(defensivos agrícolas). A maioria destas substâncias provém do metabolismo secundário,
porque na evolução das plantas elas representaram alguma vantagem contra a ação de
microorganismos, vírus, insetos, e outros patógenos ou predadores, seja inibindo a ação destes
ou estimulando o crescimento ou desenvolvimento das plantas (WALLER, 1999; VILELA,
2009).
O conhecimento dos efeitos alelopáticos e dos mecanismos de ação de várias
substâncias são importantes para se entender as interações entre plantas, tanto nos
ecossistemas naturais, como nos agrícolas. A grande diversidade dos compostos que causam
alelopatia indicam diferentes mecanismos de ação (EINHELLIG, 1995). Os aleloquímicos
interferem na germinação, crescimento das plantas, atividades enzimáticas, fotossíntese,
respiração, permeabilidade da membrana, assimilação de nutrientes e na síntese de proteínas
(RICE, 1984; ALMEIDA, 1988; PIRES, 2001). Entretanto, Borella et al. (2011) destacam que
a inibição da germinação das sementes e do crescimento inicial das plântulas é a etapa mais
afetada nas interações alelopáticas, sendo o crescimento inicial das plântulas mais sensível
que a germinação, pois para cada semente, o fenômeno é discreto, germinando ou não
(FERREIRA e AQUILA, 2000). A demonstração dos efeitos alelopáticos tem sido feita
experimentalmente por meio da aplicação de extratos de uma planta a sementes ou plântulas
de outras espécies. O bioensaio mais utilizado para testar a atividade dos aleloquímicos é a
inibição (ou algumas vezes o estímulo) da germinação de sementes (PIRES e OLIVEIRA,
2011). Pesquisas conduzidas por Aires et al., (2005) com extratos de folhas e frutos de
Solanum lycocarpum sobre a germinação e crescimento de Sesamun indicum L. mostraram
que os extratos de frutos aumentaram significativamente o tempo médio de germinação a 30
ºC e reduziram a germinabilidade a 22 ºC.
O efeito alelopático das culturas sobre plantas daninhas não é muito comum, e essa
deficiência de defesa das plantas cultivadas é atribuída à seleção a que estas têm sido
submetidas ao longo do tempo, para a investigação de outras características que não as de
agressividade para com outras plantas (SILVA e SILVA, 2007). Assim, os estudos de
13

espécies cultivadas que tenham potencial alelopático são importantes contribuições para o
manejo das plantas daninhas nos sistemas agrícolas. Culturas agrícolas como arroz, aveia,
milho, trigo, sorgo, girassol são citadas na literatura com propriedades alelopáticas já
comprovadas. Além dessas destacam-se os adubos verdes e determinadas cucurbitáceas como
a moranga que segundo Gliessman (2009) além do controle físico das ervas adventícias
provocado pelas folhas espessas, largas, horizontais que bloqueiam a luz solar, prevenindo a
germinação e o crescimento de ervas; produzem compostos alelopáticos que são lixiviados
pelas chuvas que lavam as folhas, inibindo o crescimento das plantas daninhas.
Experimentos conduzidos por Gliessman (1983) com extratos de folhas maduras de
abóbora em consórcio com milho e feijão inibiram o desenvolvimento da radícula de
sementes de repolho, enquanto as de milho e feijão foram apenas ligeiramente afetadas.
Entretanto pesquisas conduzidas por Qasem e Issa (2005) com lixiviados da folhagem de C.
pepo em baixa concentração reduziu a germinação das plantas daninhas Amaranthus
retroflexus, Chenopodium murale, Eruca sativa, Malva sylvestris, Portulaca oleracea e
Solanum nigrum. Pesquisas realizadas por Teixeira et al. (2004) com adubos verdes
mostraram reduções no índice de velocidade de germinação de sementes de picão preto
submetidas à concentração 12% de extratos de mucuna-preta (Stilozobium aterrimum), para
testes com Crotalaria spectabilis, Crotalaria juncea, Stilozobium sp. e Cajanus cajan houve
tendência a redução do IVG, no entanto não diferiram do controle. Em bioensaio com
semente de tomate, Borella e Pastorini (2009) notaram que o índice de velocidade de
germinação para o tratamento controle e o tratamento submetido a extratos de folhas de umbu
na concentração 1% não diferiu significativamente, no entanto a partir do tratamento com
sementes submetido à concentração 2% observou-se redução do número médio de sementes
germinadas por dia, a redução foi proporcional ao aumento da concentração dos extratos.

3. ASPECTOS GERAIS DA CULTURA DA ABÓBORA

A abóbora (Cucurbita moschata) é uma espécie indígena americana que pertence à


família das Cucurbitáceas com significativa participação na alimentação de muitos países.
Possui ampla distribuição no Sudeste do México, América Central, Colômbia e Peru
(Whitaker e Carter, 1946; Whitaker e Cutler, 1965). No Brasil, é uma cultura cultivada em
diversos estados sendo muito apreciado na culinária regional. Segundo dados do IBGE
(2006), o Brasil teve uma área colhida de 88.204 ha, 384.912 t produzidas e rentabilidade de
R$ 152.814,00 e entre as principais regiões produtoras destaca-se o Sudeste e o Nordeste,
14

sendo esta última a segunda maior produtora, com área colhida de 45.912 ha e 92.894 t
produzidas, com destaque para os estados da Bahia e Maranhão.
No Maranhão, particularmente na Ilha de São Luís que compreende os municípios de
São Luis, Paço do Lumiar, São José de Ribamar e Raposa segundo o Inagro (2005), a
projeção de consumo de abóbora é de 2 ton mês-1, sendo o consumo maior (63,61%) entre
aqueles que recebem até dois salários mínimos.
Na Ilha de São Luís, a abóbora é cultivada principalmente por agricultores familiares
em consórcio com as culturas do feijão, milho e mandioca sem uso de tecnologia, como
adubação química e irrigação. Portanto, é uma cultura de relevante importância sócio-
econômica para os produtores locais.
As abóboras são plantas anuais, em que ocorre o desenvolvimento simultâneo da parte
vegetativa, da floração e da frutificação. O hábito de crescimento é indeterminado, podendo
as ramas atingir 6 metros de comprimento. As folhas são grandes, de coloração verde-escura,
com manchas prateadas nas folhas de abóbora e dos híbridos. É uma espécie de clima quente,
favorecidas por temperaturas elevadas e tolerantes a temperaturas amenas. Os híbridos
interespecíficos são mais tolerantes a temperaturas menores, em relação às abóboras,
adaptando-se melhor à cultura durante o outono-inverno. Todas as cultivares são intolerantes
a baixas temperaturas e também extremamente sensíveis à geadas. A planta é afetada por um
fotoperíodo, sendo os dias curtos favoráveis à floração feminina, em detrimento das flores
masculinas, resultando em maior produtividade. A pluviosidade excessiva é mais bem
tolerada pelas abóboras, inclusive sob temperaturas elevadas. O plantio é mais comumente
efetuado durante a primavera-verão, inclusive sem utilização da irrigação. Em regiões de
baixada, com inverno suave é possível efetuar o plantio de abóboras ao longo do ano, desde
que haja disponibilidade de irrigação São culturas rústicas, adaptáveis a variados tipos de
solo, porém produzem melhor naquele de textura média. Adaptam-se à faixa de pH 5,5 a 6,5.
As abóboras são menos exigentes em nutrientes, em relação a outras cucurbitáceas
(FILGUEIRA, 2003).
Ao grupo das abóboras pertencem a abóbora rasteira (Cucurbita moschata, Duchesne),
a moranga (C. máxima, Duchesne), a moranga híbrida, obtida pelo cruzamento da abóbora
com moranga, e a abobrinha (C. pepo, Duchesne), também chamada abobrinha italiana. Sendo
cultivadas em praticamente todo o mundo, as cucurbitáceas estão distribuídas em
aproximadamente 80 gêneros, tendo grande importância econômica e social (DUTRA et al.,
2006).
15

4. CARACTERÍSTICAS DA PLANTA DANINHA MIMOSA


A espécie Mimosa nuttalli L. pertence à família Mimosoidae constituída de 77
gêneros e 3.000 espécies (DOYLE e LUCKOW, 2003). O gênero Mimosa L. compreende
cerca de 530 espécies (704 táxons) distribuídas principalmente nas Américas, muitas delas
nativas do Brasil. Algumas espécies chegam ao Norte, na região Central temperada dos
Estados Unidos e, ao Sul, na região temperada da Argentina e Uruguai. Poucas são nativas da
África Tropical e Ásia, e algumas endêmicas em Madagascar. Os principais centros de
especiação são o Brasil Central (equivalente à região do Cerrado e Caatinga) e o Centro e Sul
do México (BARNEBY, 1991; LEWIS et al., 2005).
As características de Mimosa são arbustos, subarbustos, lianas ou ervas, raramente
arvores. O caule pode ser aculeado ou não, com presença de pequenos tricomas uniseriais. As
estípulas, na maioria das espécies, são simples, raramente lanceoladas, com uma ou poucas
nervuras e muitas vezes decíduas com a idade. As folhas são geralmente compostas bipinadas,
consistindo de um a 40 pares de folíolos cada um dos quais com um a mais de 100 pares de
folíolos. As inflorescências são do tipo espigas ou capítulos. As flores são hipóginas,
actinomorfas; cálice campanulado, bastante reduzido ou até mesmo obsoleto, prefloração
valvar; corola com pétalas unidas entre si, filetes livres entre si ou curtamente unidos, róseos,
brancos ou amarelos. O fruto é, em geral, do tipo craspédio articulado, algumas vezes,
lomento ou craspédio não articulado (sem fragmentação das valvas), muito variáveis em
forma e dimensão, com artículos deiscentes ou indeiscentes, numero de artículos de 2-20,
réplum e valvas, glabros ou recobertos por tricomas variados ou até mesmo aculeados
(Barneby, 1991).
A espécie M. nuttalli L. é conhecido também como sarça sensível, é uma planta herbácea
perene da subfamília Mimosoideae. Os espinhos são pequenos e recurvados. A haste com
nervuras desta planta tem geralmente 1,20m ou mais e são ramificadas. As plantas alcançam
raramente mais de 30-60cm de altura com talos alternos espinhosos. Como algumas outras
espécies de mimosa, tal como a M. pudica, as folhas dobram-se acima quando tocadas ou
perturbadas. O habitat inclui áreas perturbadas de solos, de estradas, pastagens, de pradarias e
margens arenosas ou siltosas de florestas. (RAREXOTICSEEDS, 2013). É uma planta
comum em áreas perturbadas após o cultivo de culturas alimentares nos agroecossistemas da
Ilha de São Luís.
16

5. REFERÊNCIAS

AIRES, S. S.; FERREIRA, A. G.; BORGHETTI, F. Efeito alelopático de folhas e frutos de


Solanum lycocarpum A. St.-Hil.(Solanaceae) na germinação e crescimento de Sesamun
indicum L. (Pedaliaceae) em solo sob três temperaturas. Acta Botânica Brasílica, v. 19, n.
02, p. 339-344, 2005.

ALMEIDA, F. S. Alelopatia e as plantas. Circular , 53. Londrina: IAPAR. 68 p.1988.

BARNEBY, R. C. Sensitivse censitae: a description of the genus Mimosa Linnaeus


(Mimosaceae) in the New World, 1991. 835p. [Memories of the New York Botanical
Garden, 65].

BORELLA, J.; PASTORINI, L. H. Influciência alelopática de Phytolacca dioica L. na


germinação e crescimento inicial de tomate e picão-preto. Biotemas, Florianópolis, v. 22, n.
3, p. 67-75, 2009.

BORELLA, J.; MARTINAZZO, E. G.; AUMONDE, T. Z. Atividade alelopática de extratos


de folhas de Schinus molle L. sobre a germinação e o crescimento inicial do rabanete. Revista
Brasileira de Biociências, v. 9, n. 3, p. 398-404, 2011.

CARVALHO, S. C. I. Caracterização dos efeitos alelopáticos de Brachiaria brizantha ev.


Marundu no estabelecimento das plantas de Stylosanthes guianensis var. vulgaris cv.
Bandeirantes. Dissertação. Mestrado em Zootecnia. Universidade Federal de Viçosa, Viçosa-
MG. 72 p. 1993.

DEVINE, M.; DUKE, S.O.; FEDTKE, C. Oxygen toxicity and herbicidal action; Secondary
physiological effects of herbicides. In: Physiology of herbicide action. New Jersey:
Prentice-Hall, 1993. Cap.9, cap.16, p.177-188.

DOYLE, J.J.; LUCKOW, M.S. The rest of the iceberg: legume diversity and evolution in a
phylogenetic context. Plant Physiology. v. 131, p. 900-910, 2003.

DUTRA, A.; e VIEIRA, R.D. Teste de condutividade elétrica para a avaliação do vigor e
sementes de abobrinha. Revista brasileira de sementes. v. 28, p. 117 – 122, 2006.

EINHELLIG, F. A. Plant x plant allelopathy: biosynthesis and mechanism of action. In:


Congresso brasileiro de fisiologia vegetal. Anais… Lavras: UFLA. p. 59-74, 1995.

FERREIRA, A. G.; AQUILA, M. E. A. Alelopatia: Uma área emergente da ecofisiologia.


Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal, v.12 (edicao especial): p.175-204. 2000.

FERREIRA, A. G. Interferência: competição e alelopatia. In: FERREIRA, A. G.;


BORGHETTI, F. Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. cap. 16, p.
251-262.

FILGUEIRA, F. A. R. Novo manual de olericultura. 2°edição, Viçosa-MG, Editora UFV,


2003.
17

GATTI, A. B.; PEREZ, S. C. J. G. A.; FERREIRA, A. G. Avaliação da atividade alelopática


de extratos aquosos de folhas de espécies de cerrado. Revista Brasileira de Biociências, v.
05, p. 174-176, 2007. Suplemento 02.

GLIESSMAN S. R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. 4a. ed.


Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2009.

GLIESSMAN, S. R. Allelopathic interactions in crop-weed mixtures: Applications for Weed


Management. Journal of Chemical Ecology, vol. 9, no. 8, 1983.

GOMIDE, M .B. Potencialidades de restos culturais de dois cultivares de cana-de-açucar


(Sacharum sp). no controle de algumas plantas daninhas. Tese – Doutorado em Fitotecnia,
Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, SP,
1993.

INAGRO – INSTITUTO DO AGRONEGÓCIO DO MARANHÃO –


INAGRO/MA. Pesquisa Hortifrutigranjeiros: Região Metropolitana de São Luis (MA). São
Luis, 2005. 148p.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário - Abóboras


(Morangas e Jerimum). Quantidade produzida, área e número de informantes, Brasil e
Unidades da Federação. 2006. Rio de Janeiro. Disponível em:
<http://www.sidra.ibge.gov.br.>. Acesso em: 30 de out. de 2012.

LEWIS, G., SCHRIRE, B., MACKINDER, B., LOCK, M. Legumes of the World. (eds.)
(2005). Royal Botanic Gardens, Kew. 577 pp.

LYDON, J.; DUKE, S.O. Pesticide effects on secondary metabolism of higher plants.
Pesticide Science, London, v.25, n.4, p.361-373, 1989.

LUZ, S. de M. Prospecção de moléculas químicas com propriedades alelopáticas em


Acácia mangium (Wild.). Belem-Pará-Brasil. 2009. 99f. Dissertação (mestrado) -
Universidade Federal do Pará, Núcleo de Ciências Agrárias e Desenvolvimento Rural,
Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, Belém, 2009.

NUNES, M. U. C.; CARVALHO, L. M. de; NETTO, J. B. A. de A. Alelopatia: Ferramenta


importante no manejo de sistemas agrícolas de produção. Circular, 28. Aracaju – SE.
Dezembro, 2002. Disponível em: <http://www.cpatc.embrapa.br>. Acesso em: 21/02/2013.

PIRES, N. M.; PRATES, H. T.; PEREIRA FILHO, I. A. et al. Atividade alelopática da


leucena sobre espécies de plantas daninhas. Science: Agriculture, v.58, n.1, p.61-65,
Jan./Mar. 2001.

PIRES, N. de M; OLIVEIRA, V. R. Alelopatia. In: JUNIOR, R. S. de O.; CONSTANTIN,


J.; INOUE, M. H. Biologia de Plantas Daninhas. cap. 5. p. 96-124. Setembro, 2011.

PITTY, A. Interferência: competência, alelopatia y parasitismo. In: PITTY, A. (Ed.)


Introducción a la biología, ecología y manejo de malezas. Honduras: Zamorano Academic
Press, 1997. cap.3, p.49 – 73.
18

QASEM, J. R.; ISSA, N. N. THE REGIONAL INSTITUTE Ltd. Allelopathic effects of


Squash (Cucurbita pepo L. cv. Scarlette) on certain common weed species in Jordan 2005.
Disponível em: <http://www.regional.org.au/au/allelopathy/2005/2/1/2630_qasemj.htm>.
Acesso em: 20/02/2013.

RAREXOTICSEEDS. Mimosa quadrivalvis nuttallii Sementes (Mimosa nuttallii sementes,


Unha de Gato). Disponível em: <http://www.rarexoticseeds.com/en/mimosa-quadrivalvis-
nuttallii-seeds-mimosa-nuttallii-seeds-cat-s-claw.html>. Acesso em: 15/02/2013.

RICE, E. L. Allelopathy. 2. ed. New York: Academic, 422 p. 1984.

SILVA, A. A. da; SILVA, J. F. da. Tópicos em Manejo de Plantas daninhas. Ed. UFV.
367p. 2007.

SOUZA FILHO, A. P. S.; ALVES, S. M. Alelopatia: princípios básicos e aspectos gerais.


Livraria Embrapa. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. 260p. 2002.

SOUZA FILHO, A. P. de S. Alelopatia e as plantas. Belém: Embrapa Amazônia Oriental,


2006. 159p.

TEIXEIRA, C. M.; ARAÚJO, J. B. S.; CARVALHO, G. J.. Potencial alelopático de plantas


de cobertura no controle de picão-preto (Bidens pilosa L.). Ciências e Agrotecnologia, 28
(3): 691-695. 2004.

VARGAS, L.; BERNARDI, J. Manejo de Plantas Daninhas na Produção Orgânica de Frutas.


Circular, 45. Estação Experimental de Vacaria – Embrapa Uva e Vinho, Caixa Postal 1513;
CEP 95200-000. Bento Gonçalves – RS, Novembro de 2003.

VILELA, H. Alelopatia e os agrossistemas. 2009. Disponível em:


<http://www.agronomia.com.br/conteudo/artigos/artigos_alelopatia_e_os_agrossistemas.html
>. Acesso em: 26/10/2012.

WALLER, G. R. Introduction. In: MACIAS, F. A.; GALINDO, J. C. G.; MOLINILLO, J.


M. G. & CUTLER, H. G. (Eds.) Recent advances in allelopathy. Cadiz, Serv. Pub. Univ.
Cadiz, 1999. v.1, sem paginação.

WARDLE, D. A. Allelopahtic in New Zealand pasture grassland ecosystem. New Z. J.


Exper. Agric., v. 15, p. 243-255, 1987.

WHITAKER, T. W.; CARTER, G. F. Critical notes on the origin and domestication of the
cultivated species of Cucurbita. Journal of Botany, v. 33, n.1, p. 10-15, 1946.

WHITAKER, T. W.; CUTLER, H. C. Cucurbits and cultures in the Americas. Economic


Botany, v. 19, p.344-349, 1965.
CAPITULO 2

POTENCIAL ALELOPÁTICO DE EXTRATOS DE FOLHAS


DE ABÓBORA SOBRE A GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE
MIMOSA (Mimosa nuttalli L.)
20

Potencial alelopático de extratos de folhas de abóbora sobre a germinação de


sementes de mimosa (Mimosa nuttalli L.)

*Raimundo Nonato Viana Santos¹


Maria Rosangela Malheiros Silva¹

Universidade Estadual do Maranhão – UEMA¹


Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade – DFF¹
*Rua do Cobre, Qd: 50, Casa: 04, Coroado, São Luís-MA
rvianasantos@gmail.com

Resumo:
O efeito inibitório ou benéfico, de uma planta sobre outra, via produção de compostos
químicos chama-se alelopatia. O objetivo do trabalho foi avaliar o potencial alelopático de
extratos de folhas de abóbora sobre a germinação de sementes de mimosa. O delineamento
experimental foi o inteiramente casualizado, com quatro repetições, no esquema fatorial,
combinando três idades das plantas (2, 4 e 6 semanas) com cinco concentrações dos extratos
de folhas (0, 25, 50, 75 e 100%). Os extratos foram obtidos de folhas trituradas com 675 ml
de água destilada, obtendo-se a solução estoque (100%) e as demais concentrações. Foram
utilizadas 50 sementes em placas de Petri sobre papel de filtro umedecido com 1,3 ml dos
extratos. Foi avaliada a percentagem de germinação e o índice de velocidade de germinação.
O percentual de germinação das sementes foi afetado pelos extratos das folhas de abóbora nas
idades de duas e quatro semanas. O índice de velocidade de germinação não foi influenciado
pela idade das plantas nas concentrações de 0, 50 e 75%. As plantas de abóbora em estágio
inicial de desenvolvimento apresentaram maior efeito alelopático sobre a germinação e o
índice de velocidade de germinação de sementes de mimosa.
Palavras-chave: Cucurbita moschata, alelopatia, planta daninha.
21

Allelopathic potential of extracts of leaves of squash on the germination of mimosa


(Mimosa nuttalli L.)

Abstract:
The inhibitory effect or beneficial, from a plant on another, via production of chemical
compounds called Allelopathy. The objective of this work was to evaluate the allelopathic
potential of pumpkin leaves extracts on the germination of seeds of mimosa. The
experimental design was completely randomized design, with four replications in factorial
scheme, combining three ages of plants (2, 4 and 6 weeks) with five concentrations of the
extracts of leaves (0, 25, 50, 75 and 100%). The extracts were obtained from crushed leaves
with 675 ml of distilled water to obtain the stock solution (100%) and the other
concentrations. We used 50 seeds in Petri dishes on filter paper moistened with 1.3 ml of
extracts. It was evaluated the germination percentage and germination speed index. The seed
germination percentage was affected by the extracts from the leaves of pumpkin in the ages of
two and four weeks. The germination speed index was not influenced by age of plants at
concentrations of 0, 50 and 75%. Pumpkin plants in early stages of development had higher
allelopathic effect on germination and germination speed index of seeds of mimosa.
Key-words: Cucurbita moschata, allelopathy, weed.
22

Introdução
A interferência natural pelo qual determinada planta produz substâncias que, quando
liberadas no ambiente, podem prejudicar ou estimular outros organismos chama-se alelopatia
(ÁQUILA, 2000; WANDSCHEER; PASTORINI, 2008; SOUZA FILHO et al., 2009). As
substâncias alelopáticas são encontradas em diferentes partes das plantas e durante seu ciclo
de vida (periodicidade). Esses compostos podem ser produzidos tanto por plantas daninhas
como pelas culturas nos agroecossistemas e são liberados pelas plantas quando lavados das
folhas verdes, lixiviados de folhas secas, exsudados das raízes, volatilizados das folhas, ou
liberados durante a decomposição de restos de plantas (GLIESSMAN, 2009).
Os compostos com potencial alelopático podem interferir em diversos processos
fisiológicos dos vegetais, como germinação, crescimento das plantas, atividades vitais,
enzimáticas, fotossíntese, respiração, permeabilidade da membrana, assimilação de nutrientes
e a síntese de proteínas (RICE, 1984; ALMEIDA, 1988; PIRES, 2001), porém, Borela et al.
(2011) destacam que a inibição da germinação das sementes e do crescimento inicial das
plântulas é a etapa mais afetada nas interações alelopáticas, sendo o crescimento inicial das
plântulas mais sensível que a germinação, pois para cada semente, o fenômeno é discreto,
germinando ou não (FERREIRA; AQUILA, 2000). Para Fritz et al. (2007), o entendimento
desses processos é de suma importância na compreensão das interações vegetais em
ambientais naturais e agroecossistemas, pois de acordo com Souza Filho (2006), a alelopatia é
um fenômeno que tem participação direta ou indireta nos problemas de interferência química,
que podem se manifestar em diferentes sistemas de produção agrícola, tanto entre plantas
cultivadas-plantas daninhas como em plantas cultivadas-plantas cultivadas.
Os estudos da produção de aleloquímicos pelas culturas nos agroecossistemas
apresentam grandes possibilidades de manejo de plantas daninhas sem o uso de herbicidas,
pois estes podem dificultar o estabelecimento de plantas daninhas nos sistemas agrícolas.
Entre as culturas agrícolas citadas na literatura como alelopáticas tem-se a moranga que
segundo Gliessman (2009) além do controle físico das ervas adventícias provocado pelas
folhas espessas, largas, horizontais que bloqueiam a luz solar, prevenindo a germinação e o
crescimento de ervas; produzem compostos alelopáticos que são lixiviados pelas chuvas que
lavam as folhas, inibindo o crescimento das plantas daninhas. A abóbora é uma hortaliça
cultivada no Brasil em diversos estados, sendo esta produção realizada principalmente por
agricultores familiares que, muitas vezes produzem suas próprias sementes. São plantas
anuais, em que ocorre o desenvolvimento simultâneo da parte vegetativa, da floração e da
frutificação. O hábito de crescimento é indeterminado, podendo as ramas atingir 6 metros de
23

comprimento. As folhas são grandes, de coloração verde-escura, com manchas prateadas nas
folhas de abóbora e dos híbridos (FILGUEIRA, 2003). Além disso, são culturas rústicas,
adaptáveis a variados tipos de solo, que podem ser uma alternativa no sistema de consórcio ou
rotação para o controle de plantas daninhas. Diante do exposto, o objetivo do trabalho foi
avaliar o possível efeito alelopático de extratos aquosos de folhas de abóbora sobre a
germinação da planta daninha Mimosa nuttallii L.

Material e Métodos
A abóbora (Cucurbita moschata L.) foi semeada em 13 de novembro de 2012 na
Fazenda Escola São Luís do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Estadual do
Maranhão localizada em São Luís-MA. Após a emergência das plantas, as folhas foram
coletadas nas idades de 2, 4 e 6 semanas após a semeadura. Em cada idade de coleta, foram
obtidas 100 folhas frescas com pecíolo, padronizadas quanto à coloração e tamanho.
As folhas frescas foram levadas para o Laboratório de Pós-colheita da Universidade
Estadual do Maranhão onde foram trituradas em um liquidificador com água destilada na
proporção de 675 ml. Essa quantidade de água resultou da relação entre o peso da matéria
fresca e o peso da matéria seca do vegetal em estudo para adição da água destilada (p/v),
conforme metodologia de Medeiros, (1989). Em seguida o extrato foi filtrado em papel de
filtro, obtendo-se a solução estoque, considerada de concentração igual a 100%. A
concentração estoque foi diluída nas concentrações de 25, 50 e 75% e como testemunha foi
usada água destilada (0%).
Para avaliar os efeitos dos extratos foram conduzidos testes de germinação, em placas
de Petri de 9 cm de diâmetro, com 50 sementes de mimosa por repetição, dispostas sobre
papel de filtro, embebidos com 1,3 ml do volume das soluções em todos os tratamentos. O
volume de solução a ser adicionada ao substrato foi obtido da relação volume de solução (mL)
por peso do papel (g). Após pesagem do papel o resultado foi multiplicado por 2,5 (duas vezes
e meia). Os tratamentos foram umedecidos quatro vezes em intervalos de 1 (um) dia. As
placas foram acondicionadas em estufa tipo B.O.D regulada com fotoperíodo de 12 horas
claro e 12 horas escuro sob temperaturas alternadas de 25°-30°C D de acordo com as Regras
para Análise de Sementes (BRASIL, 2009).
As sementes de mimosa (M. nutalli) foram coletadas em área da Fazenda Escola São
Luís e passaram por processo de limpeza e superação de dormência tegumentar feita por
escarificação mecânica utilizando-se uma folha de lixa massa A257 conforme as Regras para
Análise de Sementes (BRASIL, 2009).
24

A germinação foi observada por oito dias para cada tratamento, realizando-se
contagens diárias, tendo inicio em 29 de novembro e término em 3 de janeiro de 2013.
Consideraram-se germinadas aquelas sementes que apresentavam no mínimo 02 mm de
protrusão de raiz primária (BRASIL, 2009). A germinação foi avaliada por meio de dois
aspectos: o percentual de germinação e o Índice de Velocidade de Germinação (IVG). Este
último foi obtido por meio da fórmula IVG = [ N1/1 + N2/2 + N3/3 + ...+ Nn/n ] x 100, onde:
N1, N2, N3 e Nn correspondem à proporção de sementes germinadas no primeiro, segundo,
terceiro e enésimo dias a partir da semeadura (MAGUIRE, 1962).
O experimento foi instalado no esquema fatorial, no delineamento inteiramente
casualizado, com quatro repetições, combinando três idades das plantas (2, 4 e 6 semanas)
com cinco concentrações dos extratos (0, 25, 50, 75 e 100%), resultando 15 tratamentos.
Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância. Para o fator quantitativo
(concentração) foi realizado à análise de regressão e as médias comparadas pelo teste de
Tukey ao nível de 5% de probabilidade, para as idades das plantas. Foi utilizando o programa
estatístico SISVAR (FERREIRA, 2011).

Resultados e Discussões
Para a germinação das sementes, houve efeito significativo da interação entre
concentração e idade das plantas (Tabela 1). Para todas as concentrações dos extratos foram
verificadas inibições significativas sobre a germinação das sementes de mimosa (M. nuttalli)
quando se analisa o efeito das idades, exceto para a testemunha (Tabela 1). A concentração de
100% provocou as maiores inibições da germinação das sementes de Mimosa, sendo da
ordem de 25,0; 54,4 e 69,5%, para a idade de 2, 4 e 6 semanas, respectivamente.
O percentual de germinação de sementes de mimosa (M. nuttalli) foi afetado pelas
idades de duas e quatro semanas dos extratos das folhas de abóbora. As menores porcentagens
de germinação das sementes foram observadas principalmente com extratos de folhas de
abóbora com duas semanas (Tabela 1). Isso sugere que a presença de substância com
potencial alelopático em folhas de abóbora capaz de inibir a germinação de sementes de
mimosa (M. nuttalli) é encontrada em maior concentração em plantas em estágio inicial de
desenvolvimento, uma vez que os extratos das folhas seis semanas de idade não apresentaram
potencial de inibição da germinação. Segundo Luz (2009), é possível que a provável maior
concentração de substâncias com potencial alelopático existente nas folhas de plantas mais
jovens, esteja relacionada com um período de maior vulnerabilidade das folhas ao ataque de
insetos e fungos, visto que nessa fase as folhas são mais tenras, e apresentam menor
25

pilosidade do que as folhas de plantas adultas. Além disso, Ribeiro et al. (2009) destacam que
a folha é o órgão da planta mais ativo metabolicamente, sendo razoável que elas apresentem
maior diversidade de aleloquímicos e maior efeito alelopático.

Tabela 1 – Efeitos potencialmente alelopáticos de extratos aquosos de folhas de


Cucurbita moschata (Duchesne) em função da idade fenológica sobre a germinação de
Mimosa nuttalli L. Dados expressos em percentual de germinação das sementes

Idade Concentração (%)


(semanas)
0 25 50 75 100
2 73,0Aa 35,5Bb 27,5Bb 38,0Bb 25,0Bb
4 72,5Aab 75,0Aa 72,0Aab 67,5Aab 54,4Ab
6 73,5Aa 65,5Aa 72,5Aa 69,5Aa 69,5Aa
Médias seguidas de mesma letra maiúscula na coluna e letra minúscula na linha, não diferem entre si, pelo teste
de Tukey, ao nível de 5% de probabilidade.

O índice de velocidade de germinação não foi influenciado pela idade das plantas nas
concentrações de 0, 50 e 75%. Extratos de folhas com 4 semanas na concentração 25%
aumentou o IVG, enquanto na concentração de 100% diminuiu o IVG das sementes de
mimosa (Tabela 3). Isto indica que no inicio da fase vegetativa as substâncias alelopáticas
foram liberadas pelas plantas em maiores concentrações afetando o IVG das sementes de
mimosa. Entretanto, a idade de 4 semanas favoreceu o aumento do IVG com extratos sob
baixas concentrações. Testando extratos de Cucurbita pepo em diferentes concentrações sobre
as plantas daninhas A. retroflexus, C. murale, E. sativa, M. sylvestris, P. oleracea e S. nigrum,
Qasem e Issa (2005) demonstraram que houve efeito alelopatico sobre crescimento de raízes e
parte aérea e que o efeito inibitório aumentou com a concentração do extrato. De forma
semelhante Borella e Pastorini (2009) em bioensaio com sementes de tomate notaram que o
índice de velocidade de germinação para o tratamento controle e o tratamento submetido a
extratos de folhas de umbu na concentração 1% não diferiu significativamente, no entanto a
partir do tratamento com sementes submetido à concentração 2% observou-se redução do
número médio de sementes germinadas por dia, a redução foi proporcional ao aumento da
concentração dos extratos. Já Teixeira et al. (2004) observaram reduções no índice de
velocidade de germinação de sementes de picão preto submetidas à concentração 12% de
extratos de mucuna-preta (Stilozobium aterrimum), para testes com Crotalaria spectabilis,
Crotalaria juncea, Stilozobium sp. e Cajanus cajan houve tendência a redução do IVG, no
entanto não diferiram do controle.
26

Tabela 2 – Efeitos potencialmente alelopáticos de extratos aquosos de folhas de


Cucurbita moschata (Duchesne) em função da idade fenológica sobre o índice de velocidade
de germinação de sementes de Mimosa nuttalli L.
Idade Concentração (%)
(semanas) 0 25 50 75 100
2 14,5Aa 13,4Bab 14,3Aa 12,8Aab 10,4Bb
4 16,4Aab 18,3Aa 16,3Aab 14,0Ab 14,1Ab
6 15,2Aa 13,1Ba 15,2Aa 13,5Aa 13,8Aa
Médias seguidas de letras maiúsculas iguais na coluna, e letras minúsculas iguais na linha, não diferem entre si
pelo teste de Tukey ao nível de 5% de probabilidade.

Conclui-se que as plantas de abóbora em estágio inicial de desenvolvimento


apresentaram maior efeito alelopático sobre a germinação e o índice de velocidade de
germinação de sementes de mimosa (Mimosa nuttalli). O efeito inibitório foi verificado em
menor intensidade com a planta em idade próxima ao florescimento.

Referências

AIRES, S. S.; FERREIRA, A. G.; BORGHETTI, F. Efeito alelopático de folhas e frutos de


Solanum lycocarpum A. St.-Hil.(Solanaceae) na germinação e crescimento de Sesamun
indicum L. (Pedaliaceae) em solo sob três temperaturas. Acta Botânica Brasílica, v. 19, n.
02, p. 339-344, 2005.

ALMEIDA, F. S. Alelopatia e as plantas. Circular , 53. Londrina: IAPAR. 68 p.1988.

ÁQUILA, M. E. A. Efeito alelopático de Ilex paraguariensis A. St.-Hil. na germinação e


crescimento inicial de Lactuca sativa L. Iheringia Bot., Porto Alegre, v. 53, p. 51-66, 2000.

BORELLA, J.; PASTORINI, L. H. Influciência alelopática de Phytolacca dioica L. na


germinação e crescimento inicial de tomate e picão-preto. Biotemas, Florianópolis, v. 22, n.
3, p. 67-75, 2009.

BORELLA, J.; MARTINAZZO, E. G.; AUMONDE, T. Z. Atividade alelopática de extratos


de folhas de Schinus molle L. sobre a germinação e o crescimento inicial do rabanete. Revista
Brasileira de Biociências, v. 9, n. 3, p. 398-404, 2011.

BRASIL, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de


sementes. Brasília, 2009. 399p.

FERREIRA, A. G.; AQUILA, M. E. A. Alelopatia: Uma área emergente da ecofisiologia.


Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal, v.12 (edição especial): p.175-204. 2000.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia


(UFLA), v. 35, n.6, p. 1039-1042, 2011.
27

FILGUEIRA, F. A. R. Novo manual de olericultura. 2°edição, Viçosa-MG, Editora UFV,


2003.

FRITZ, D.; BERNARDI, A. P. M.; HAAS, J. S.; ASCOLI, B. M.; BORDIGNON, S. A. DE


L.; VON POSER, G. L. Germination and growth inhibitory effects of Hypericum myrianthum
and H. polyanthemum extracts on Lactuca sativa L. Brazilian Journal of pharmacognosy,
v.17, n.1, p.44-48, 2007.

GLIESSMAN S. R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. 4a. ed.


Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2009.

LUZ, S. de M. Prospecção de moléculas químicas com propriedades alelopáticas em


Acácia mangium (Wild.). Belem-Pará-Brasil. 2009. 99f. Dissertação (mestrado) -
Universidade Federal do Pará, Núcleo de Ciências Agrárias e Desenvolvimento Rural,
Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, Belém, 2009.

MEDEIROS, A. R. M. de. Determinação de potencialidades alelopáticas em


agroecossistemas. Brasil. 1989. 92 f. Tese (Doutorado em Fitotecnia) – Escola Superior de
Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination: aid in selection and evaluation or seedling


emergence and vigor. Crop Science, v.2, n.2, p. 176-177, 1962.

PIRES, N. M.; PRATES, H. T.; PEREIRA FILHO, I. A. et al. Atividade alelopática da


leucena sobre espécies de plantas daninhas. Science: Agriculture, v.58, n.1, p.61-65,
Jan./Mar. 2001.

QASEM, J. R.; ISSA, N. N. THE REGIONAL INSTITUTE Ltd. Allelopathic effects of


Squash (Cucurbita pepo L. cv. Scarlette) on certain common weed species in Jordan 2005.
Disponível em:<http://www.regional.org.au/au/allelopathy/2005/2/1/2630_qasemj.htm>.
Acesso em: 20/02/2013.

RICE, E. L. Allelopathy. 2. ed. New York: Academic, 422 p. 1984.

RIBEIRO, J.P.N. MATSUMOTO, R.S.; TAKAO, L.K.; VOLTARELLI, V.M.; LIMA, M.I.S.
Efeitos alelopáticos de extratos aquosos de Crinum americanum L. Revista Brasileira de
Botânica, v. 32, n. 1, p. 183-188. 2009.

SOUZA-FILHO, A. P. S.; VASCONCELOS, M. A. M.; ZOGHBI, M. G. B., CUNHA, R. L.,


Efeitos potencialmente alelopáticos dos óleos essenciais de Piper hispidinervum C. DC. e
Pogostemon heyneanus Benth sobre plantas daninhas. Revista Acta amazônica, Manaus, v.
39, n.2, p.389- 396. 2009.

TEIXEIRA, C. M.; ARAÚJO, J. B. S.; CARVALHO, G. J. 2004. Potencial alelopático de


plantas de cobertura no controle de picão-preto (Bidens pilosa L.). Ciências e
Agrotecnologia, 28 (3): 691-695.

WANDSCHEER, A. C. D.; PASTORINI, L. H. Interferência alelopática de Raphanus


raphanistrum L. sobre a germinação de Lactuca sativa L. e Solanum lycopersicon L.Ciência
Rural, Santa Maria, v.38, n.4, p.949-953, jul, 2008.
ANEXO
NORMAS PARA PUBLICAÇÃO - REVISTA BIOTEMAS

Diretrizes para Autores

Normas para publicação

O período de submissão de manuscrito será de 01 de março a 30 de novembro de cada ano.


Submissões fora deste período serão rejeitadas de imediato.

I – Sobre a formatação dos manuscritos

1) Os manuscritos deverão ser redigidos em português, inglês ou espanhol, com resumos em


português e abstract em inglês, com título nas duas línguas. Deverão ser enviados em versão
eletrônica (arquivo .doc), digitados com espaçamento de 1,5, fonte Times New Roman,
tamanho 12; obedecendo as margens de 3cm e tendo suas páginas numeradas. Os textos
deverão apresentar uma linguagem precisa, clara e sucinta. USE ESTE MODELO COMO
BASE PARA O MANUSCRITO.

2) Na página de rosto, deverá constar o título do manuscrito, o nome completo dos autores e
das instituições envolvidas. Deve-se indicar o autor para correspondência e seus endereços:
postal completo e eletrônico (Estas informações serão, posteriormente, retiradas pela
Comissão Editorial, para garantir o anonimato dos autores). Abaixo devem vir: resumo,
palavras-chave (máximo de cinco), abstract, key words e título abreviado (máximo de 60
caracteres).

3) O resumo e o abstract não poderão exceder a 200 palavras.

4) O limite de páginas de trabalhos teóricos, artigos originais de pesquisa e revisões, incluindo


figuras, tabelas e referências bibliográficas, é de 20, enquanto que para as comunicações
breves e resenhas de livros esse limite é de sete.

5) Os artigos originais de pesquisa deverão conter, sempre que possível, Introdução, Material
e Métodos, Resultados, Discussão, Agradecimentos e Referências. As demais formas de
publicação não necessitam apresentar as subdivisões acima.

6) As citações de referências no texto devem obedecer ao seguinte padrão: um autor (NETTO,


2001); dois autores (MOTTA-JÚNIOR; LOMBARDI, 2002); três ou mais autores (RAMOS
et al., 2002).

7) No caso do(s) nome(s) do(s) autor(es) fazer(em) parte da frase, os nomes devem ser
grafados apenas com a inicial maiúscula e o ano da publicação deve vir entre parênteses. Por
exemplo: "Segundo Assis e Pereira (2010), as aves migram para regiões mais quentes."

8) Quando houver, no mesmo ano, mais de um artigo de mesma autoria, deve-se acrescentar
letras minúsculas após o ano, conforme o exemplo: (DAVIDSON et al., 2000a; 2000b).
Quando houver mais de uma citação dentro de um mesmo parêntese, essas devem ser
colocadas em ordem cronológica. Exemplo: (GIRARD, 1984; GROVUM, 1988; DE TONI et
al., 2000).

9) As citações de referências no final do artigo devem obedecer às normas da ABNT,


seguindo a ordem alfabética do sobrenome do primeiro autor (e assim sucessivamente para os
demais autores). Apenas citações que aparecem no texto devem constar na lista de referências.
As citações de resumos de congressos e reuniões científicas não poderão ultrapassar a 10% do
total de referências citadas. Trabalhos aceitos para publicação devem ser referidos como "no
prelo" ou "in press", quando tratar-se de artigo redigido em inglês. Dados não publicados
devem ser citados apenas no texto como "dados não publicados" ou "comunicação pessoal",
entre parênteses.

Exemplos de citação na lista final de referências

a) artigos em periódicos

ALBUQUERQUE, U. P.; ANDRADE, L. H. C. Uso de recursos vegetais da Caatinga: o caso


do agreste do estado de Pernambuco. Interciência, Caracas, v. 2, n. 28, p. 336-346, 2002.

b) livros na íntegra

MILLIKEN, W.; MILLER, R. P.; POLLARD, S. R.; WANDELLI, E. V. I. Ethnobotany of


the Waimiri atroari indians.London: Royal Botanic Gardens Kew, 1992. 146 p.

c) capítulo de livros

COLLEAUX, L. Genetic basis of mental retardation. In: JONES, B. C.; MORMÈDE, P.


(Eds). Neurobehavioral Genetics – Methods and applications. 2 ed. New York: CRC Press,
1999. p. 275-290.

d) teses, dissertações e monografias

FARIA, P. E. P. Uso de biomarcadores de estresse oxidativo no berbigão Anomalocardia


brasiliana(GMELIN, 1971) para avaliação de poluição aquática em dois sítios em
Florianópolis - Santa Catarina - BRASIL. 2008. 37 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia)
- Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2008.

e) publicações em Congressos, Reuniões Científicas, Simpósios, etc.

SILVA, J. F., BOELONI. J. N.; OCARINO, N. M.; BOZZI, A.; GÓES, A. M.; SERAKIDES,
R. Efeito dose-dependente da Triiodotironina (T3) na diferenciação osteogênica de células
tronco mesenquimais da medula óssea de ratas. In: REUNIÃO ANUAL DA SBPC, 60, 2008,
Campinas. Resumos... Campinas: SBPC, 2008. Versão eletrônica.

f) páginas da Internet

FOX, R. Invertebrate Anatomy - Daphnia magna. 2002. Disponível em <http:


www.science.lander.edu/refox/daphnia.html>. Acesso em: 22 maio 2003.

10) As figuras (fotografias, desenhos, etc.) e as tabelas já devem ser inseridas no corpo do
texto, no melhor local após o final do parágrafo em que foram citadas pela primeira vez.
Quando for o caso, as figuras devem conter a representação da escala em barras. Sempre que
possível, as ilustrações deverão ser coloridas. Tabelas e figuras devem ser numeradas com
algarismos arábicos de acordo com sua sequência no texto, sendo que este deve incluir
referências a todas elas. As tabelas e figuras deverão ter um título (em cima das mesmas)
breve e auto-explicativo. Informações adicionais, necessárias à compreensão das tabelas e
figuras, deverão ser dadas em forma de nota de rodapé, embaixo das mesmas.

II – Sobre a avaliação e a publicação dos manuscritos

1) Preliminarmente, o manuscrito será avaliado por um Editor de Área, que emitirá um


parecer sobre a adequação do mesmo ao escopo da Revista e á qualidade de sua redação.

2) Em caso de parecer favorável ao início da tramitação, pelo Editor de Área, o manuscrito


será analisado por dois avaliadores, especialistas no tema do mesmo, sendo sua aceitação
baseada no seu conteúdo científico.

3) Os autores receberão os pareceres dos avaliadores e deverão encaminhar a nova versão, em


um prazo máximo de 15 dias, com as alterações sugeridas, em formato eletrônico (.doc). No
caso do não atendimento de alguma sugestão dos avaliadores, os autores deverão apresentar
uma justificativa circunstanciada, em documento anexado à parte.

4) A versão corrigida será re-submetida a pelo menos um dos avaliadores para que as
alterações procedidas sejam avaliadas.

5) Uma vez aceito quanto ao mérito científico, os autores se responsabilizarão pelo envio do
texto em inglês a um dos revisores da língua inglesa indicados pela revista. Após a correção
do inglês, os autores deverão encaminhar a versão corrigida juntamente com a certificação do
revisor do texto em inglês.

6) Após a aceitação para publicação, provas definitivas do artigo, em formato pdf, serão
enviadas para a última correção dos autores. Erros nessa última forma serão de total
responsabilidade dos autores.

7) Juntamente com o envio das correções dos pdfs, os autores deverão enviar o comprovante
de pagamento da taxa de publicação, conforme compromisso firmado no momento da
submissão do manuscrito.

8) Os PDFs dos manuscritos aceitos serão disponibilizados, com acesso livre, na página da
revista (http://periodicos.ufsc.br/index.php/biotemas/index)
Condições para submissão

Como parte do processo de submissão, os autores são obrigados a verificar a conformidade da


submissão em relação a todos os itens listados a seguir. As submissões que não estiverem de
acordo com as normas serão devolvidas aos autores.

1. A contribuição é original e inédita, e não está sendo avaliada para publicação por
outra revista.
2. Os arquivos para submissão estão em formato Microsoft Word (.doc).
3. URLs para as referências foram informadas quando necessário.
4. O texto está em espaço 1,5; usa fonte Times New Roman, tamanho 12; emprega
itálico apenas em nomes científicos (gênero e espécie) em vez de sublinhado
(exceto em endereços URL); as figuras e tabelas estão inseridas no texto, no
melhor local após sua primeira citação.
5. O texto segue os padrões de estilo e requisitos bibliográficos descritos
em Diretrizes para Autores, na seção Sobre a Revista.

6. O(s) autor(es) se compromete(m), caso o manuscrito seja aceito, a submeter e arcar


com as despesas da correção do texto em inglês (seja apenas o abstract, seja o texto
completo). Esta correção deverá ser feita por um dos revisores da confiança da
comissão editorial da revista. Após a correção ser realizada, o(s) autor(es) deverá(ão)
encaminhar a cópia da correção feita pelo revisor, bem como uma certificação da
correção realizada.

7. O(s) autor(es) se compromete(m), no caso da aceitação do manuscrito, a realizar


um depósito de R$ 150,00 (no caso de artigo) ou R$ 100,00 (no caso de
comunicação breve).

Declaração de Direito Autoral

Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Unported.

Política de Privacidade

Os nomes e endereços informados nesta revista serão usados exclusivamente


para os serviços prestados por esta publicação, não sendo disponibilizados
para outras finalidades ou a terceiros.

Taxas para autores

Este periódico cobra as seguintes taxas aos autores.


Publicação de Artigos e Comunicações Breves: 0,00 (BRL)
Caso o manuscrito seja aceito para publicação, será necessário o pagamento de uma Taxa de
Publicação de R$150,00 (para artigos) e R$ 100,00 (para comunicações breves).

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925


Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0
Unported.