Você está na página 1de 8

ND - 5.

1 6-1

CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA

1. DETERMINAÇÃO DA CARGA INSTALADA

a) Para definição do tipo de fornecimento, o consumidor deve determinar a carga instalada, somando-se a
potência em kW, dos aparelhos de iluminação, aquecimento, eletrodomésticos, refrigeração, motores e
máquina de solda que possam ser ligados em sua unidade consumidora.
b) Os aparelhos com previsão de serem adquiridos e instalados futuramente, podem também ser computados
no cálculo, a critério do consumidor, visando dimensionar a entrada de serviço já considerado o aumento de
carga da unidade consumidora, previsto pelo Capítulo 2, item 8, página 2-8.
c) Não é necessário considerar a potência dos aparelhos de reserva.
Quando o consumidor não dispuser das potências de seus aparelhos, podem ser considerados os valores médios
indicados nas Tabelas 13 e 14, página 7-14.
d) A Cemig definirá o tipo de fornecimento às unidades consumidoras rurais, considerando a carga declarada
pelos consumidores.

No caso das unidades consumidoras urbanas ou rurais atendidas por redes secundárias trifásicas (127/220V),
com carga instalada entre 15,1 kW e 75,0kW, o fornecimento deve ser a 4 fios, sendo a entrada de serviço
dimensionada pela demanda, conforme item 2 deste Capítulo.

e) No Anexo A são apresentados alguns exemplos de cálculos da carga instalada.

2. CÁLCULO DE DEMANDA

2.1) O dimensionamento da entrada de serviço das unidades consumidoras urbanas ou rurais atendidas por
redes secundárias trifásicas (127/220V), com carga instalada entre 15,1 kW e 75,0kW deve ser feito pela
demanda provável da edificação, cujo valor pode ser maior, igual ou inferior a sua carga instalada.

O consumidor pode determinar a demanda de sua edificação, considerando o regime de funcionamento de suas
cargas, ou alternativamente, solicitar à Cemig o cálculo da demanda de acordo com o critério apresentado
nesta Norma. Salientamos que este critério é um exemplo de cálculo da demanda, sendo do consumidor a
responsabilidade da escolha do critério a ser adotado para o cálculo da demanda de sua edificação, que pode
ser o critério apresentado na norma.

2.2) Expressão para o cálculo da demanda:

D=a+b+c+d+e+f (kVA)

Onde:

a = demanda referente a iluminação e tomadas, dada pelas Tabelas 15 e 16, página 7-15.

b = demanda relativa aos aparelhos eletrodomésticos e de aquecimento. Os fatores de demanda, dados pelas
Tabelas 17 e 18,página 7-16, devem ser aplicados, separadamente, à carga instalada dos seguintes
grupos de aparelhos:

- b1: chuveiros, torneiras e cafeteiras elétricas;

- b2: aquecedores de água por acumulação e por passagem;

- b3: fornos, fogões e aparelhos tipo "Grill";

- b4: máquinas de lavar e secar roupas, máquinas de lavar louças e ferro elétrico;

- b5: demais aparelhos (TV, conjunto de som, ventilador, geladeira, freezer, torradeira, liquidificador,
batedeira, exaustor, ebulidor, etc.).
ND - 5.1 6-2

c = demanda dos aparelhos condicionadores de ar, determinada pela Tabela 18, página 7-16.

No caso de condicionador central de ar, utilizar fator de demanda igual a 100%.

d = demanda de motores elétricos, dada pelas Tabelas 19 e 20, páginas 7-17 e 7-18.

e = demanda de máquinas de solda e transformador, determinada por:

- 100% da potência do maior aparelho;

- 70% da potência do segundo maior aparelho;

- 40% da potência do terceiro maior aparelho;

- 30% da potência dos demais aparelhos.

No caso de máquina de solda a transformador com ligação V-v invertida, a potência deve ser considerada em
dobro.

f = demanda dos aparelhos de raios-X, determinada por:

- 100% da potência do maior aparelho;

- 10% da potência dos demais aparelhos.

2.3) No Anexo B, são apresentados alguns exemplos de cálculo de demanda.


ND - 5.1 7-1

TABELA 1

DIMENSIONAMENTO DOS RAMAIS DE LIGAÇÃO E DA MEDIÇÃO PARA UNIDADES CONSUMIDORAS URBANAS OU RURAIS ATENDIDAS
POR REDES DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIAS TRIFÁSICAS (127/220V)

FORNECIMENTO Ramal de ligação subterrâneo


MEDIÇÃO Ramal de ligação aéreo multiplex
Eletroduto
MEDIDOR Extensão ( “e” em metros) Condutor PVC Aço
TRANSF.
TIPO CORRENTE alumínio
FAIXA NÚMERO DE CORRENTE
NOMINAL/ e 15 15 e 25 25 e 30 XLPE-90 Diâmetro nominal
ELEMENTOS (FT=2)
MÁXIMA
A - I1/I2 mm² mm² mm
A1
A
A2
15/100 1 D-10 D-16 D-25 25
B - 2 T-10 T-16 16
C1
- 50 40
C2
15/120 Q-16
C3 50
C4
C C5 3 Q-35
C6
70 60 50
C7 2,5/10 200:5 Q-70
C8
120 75 65
D1 T-10 T-16
D 2
D2 T-16
E1 15/120 - 16 50 40
E E2 3 Q-16
E3

NOTAS:

1 - As seções dos condutores e os diâmetros dos eletrodutos são os valores mínimos admissíveis.
2 - Para condutores com seção igual ou superior a 10mm² é obrigatório o uso de cabo.
3 - O condutor neutro do ramal de entrada deve ter seção igual a dos condutores fase.
ND - 5.1 7-2

TABELA 2

DIMENSIONAMENTO PARA UNIDADES CONSUMIDORAS URBANAS / RURAIS ATENDIDAS POR REDES DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIAS
TRIFÁSICAS (127/220V) - LIGAÇÕES A 2 E 3 FIOS

Fornecimento Número de Proteção Ramal de Entrada Aterramento Poste (5) Pontalete (5)
Carga Instalada Disjuntor Condutor Eletroduto Condutor
Mesmo Lado da Lado Oposto
Cobre de Aço
Rede da Rede
Tipo Faixa Fios Fases Termo - PVC - 700C PVC Aço Condutor Eletrodo proteção
de até Magnético (3) Diâmetro Nominal Cobre NU (mm²) Aço Concreto Aço Concreto
kW A mm2 mm (mm²) Quantidade Tipo Tipo
A1 - 5,0 40 6 6 6
A 2 1
A2 5,1 10,0 70 1 PA1 PC1 PA4 PC2 PT1
16 32 25 16 10
B - 10,1 15,0 3 2 60

NOTAS:

1 - As seções dos condutores e os diâmetros dos eletrodutos são mínimos.


2 - Para condutores com seção igual ou superior a 10mm² é obrigatório o uso de cabo.
3 - O condutor neutro do ramal de entrada deve ter seção igual a dos condutores fase.
4 - Todas as faixas correspondem a ligações com medição direta ( Ver Tabela 1, página 7-1).
5 - As características técnicas dos postes e pontaletes estão indicadas nas páginas 14-20 e 14-21. O engastamento dos postes é simples.
6 - Para ramal de entrada subterrâneo, ver capítulo 4, item 2.2, página 4-3.
ND - 5.1 7-3

TABELA 3

DIMENSIONAMENTO PARA UNIDADES CONSUMIDORAS URBANAS / RURAIS ATENDIDAS POR REDES DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIAS
TRIFÁSICAS (127/220V) - LIGAÇÕES A 4 FIOS

Pontalete
Fornecimento Número de Proteção Ramal de Entrada Aterramento Poste (4)
(4)
Demanda
Condutor Condutor
Provável Disjuntor Eletroduto Mesmo Lado Lado Oposto
Cobre Condutor de Aço
Eletrodo da Rede da Rede
Tipo Faixa Fios Fases Termo - PVC - 700C PVC Aço Cobre NU proteção
de até magnético Diâmetro Nominal (mm²) Aço Concreto Aço Concreto
kVA A mm2 mm (mm²) Quantidade Tipo Tipo
C1 - 15,0 40 10 10
32 25
C2 15,1 23,0 60 16 PA1 PA4
C3 23,1 27,0 70 25 2 16 PC1 PC2 PT1
40 32
C4 27,1 38,0 100 35
C 4 3 10 PA2 PA5
C5 38,1 47,0 120 50 50 40 25
C6 47,1 57,0 150 70 60 50
C7 57,1 66,0 175 3 35 PA3 PC3 PA6 PC3 PT2
95 75 65
C8 66,1 75,0 200

NOTAS:

1 - As seções dos condutores e os diâmetros dos eletrodutos são mínimos.


2 - Para condutores com seção igual ou superior a 10mm² é obrigatório o uso de cabo.
3 - O condutor neutro do ramal de entrada deve ter seção igual a dos condutores fase.
4 - As características técnicas dos postes e pontaletes estão indicadas nas páginas 14-20 e 14-21. O engastamento dos postes deve ser em base concretada.
5 - Para ramal de entrada subterrâneo, ver capítulo 4, item 2.2, página 4-3.
6 - As faixas C6 a C8 correspondem a ligações com medição indireta ( Ver Tabela 1, página 7-1 ). As demais correspondem a medição direta.
ND - 5.1 7- 14

TABELA 13 - POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS E DE


AQUECIMENTO

Aparelhos de Aquecimento e Eletrodomésticos


Tipo Potência Tipo Potência
(W) (W)
Aquecedor de Água até 80 L 1.500 Freezer Horizontal 500
por Acumulação de 100 a 150 L 2.500 Freezer Vertical 300
de 200 a 400 L 4.000 Geladeira 250
Aquecedor de Água por Passagem 6.000 Liquidificador 200
Aquecedor de Ambiente 1.000 Máquina de Costura 100
Aspirador de Pó 600 Máquina de Lavar Louças 1.500
Batedeira 100 Máquina de Lavar Roupas 1.000
Cafeteira Uso Doméstico 600 Máquina de Secar Roupas 3.500
( Maq. Café ) Uso Comercial 1.200 Rádio Gravador 50
Chuveiro 127 V 4.400 Secador de Cabelos 1.000
220 V 6.000 Televisor Preto e Branco 150
Conjunto de som 100 Televisor a Cores 300
Ebulidor 1.000 Torneira 2.500
Enceradeira 300 Torradeira 800
Espremedor de Frutas 200 Ventilador 100
Exaustor 150 Microcomputador 300
Ferro de Automático 1.000 Impressora 45
Passar Roupa Simples 500
Fornos, Fogões e Grill
Fogão 1.500/Boca Grill 1.200
Forno ( de Embutir ) 4.500 Forno de Micro – Ondas 750

TABELA 14 - POTÊNCIAS NOMINAIS DE CONDICIONADORES DE AR TIPO JANELA

Capacidade Potência Nominal


BTU/h Kcal/h W VA
8.500 2.125 1.300 1.550
10.000 2.500 1.400 1.650
12.000 3.000 1.600 1.900
14.000 3.500 1.900 2.100
18.000 4.500 2.600 2.860
21.000 5.250 2.800 3.080
30.000 7.500 3.600 4.000

NOTA :

1 - Valores válidos para aparelhos até 12.000 BTU/h, ligados em 127 V ou 220 V e para aparelhos
acima de 14.000 BTU/h ligados em 220 V.
ND - 5.1 7- 15

TABELA 15 - FATORES DE DEMANDA PARA ILUMINAÇÃO E TOMADAS


UNIDADES CONSUMIDORAS RESIDENCIAIS

Carga Instalada Fator de Demanda


C I ( kW )
CI 1 0.86
1 < CI 2 0.81
2 < CI 3 0.76
3 < CI 4 0.72
4 < CI 5 0.68
5 < CI 6 0.64
6 < CI 7 0.60
7 < CI 8 0.57
8 < CI 9 0.54
9 <CI 10 0.52
CI > 10 0.45

NOTAS:

1 - É recomendável que a previsão de cargas de iluminação e o número de tomadas, feita pelo


consumidor, atenda as prescrições da NBR 5410.
2 - Para lâmpadas incandescentes, considerar : kVA = kW ( fator de potência unitário).
3 - Para lâmpadas de descarga ( vapor de mercúrio, sódio e fluorescente ) e tomada considerar : kVA =
kW / 0,92.

TABELA 16 - FATORES DE DEMANDA PARA ILUMINAÇÃO E TOMADAS


UNIDADES CONSUMIDORAS NÃO RESIDENCIAIS

Descrição Fator de Demanda


%
auditórios, salões para exposições, cinemas e semelhantes 100
bancos e semelhantes 100
barbearias, salões de beleza e semelhantes 100
clubes e semelhantes 100
escolas e semelhantes 100 para os primeiros 12 KVA
50 para o que exceder 12 KVA
escritórios, lojas e salas comercias 100 para os primeiros 20 KVA
70 para o que exceder 20 KVA
garagens comerciais e semelhantes 100
restaurantes, bares, padarias e semelhantes 100
clínicas, hospitais e semelhantes 40 para os primeiros 50 KVA
20 para o que exceder 50 KVA
igrejas, templos e semelhantes 100
hotéis e semelhantes 50 para os primeiros 20 KVA
40 para o que exceder 20 KVA
oficinas, indústrias e semelhantes 100 para os primeiros 20 KVA
80 para o que exceder 20 KVA

NOTAS :

1 - É recomendável que a previsão de cargas de iluminação e tomadas feita pelo consumidor, atenda as
prescrições da NBR 5410.
2 - Para lâmpadas incandescentes e tomada, considerar : kVA = kW ( fator de potência unitário ).
3 - Para lâmpadas de descarga ( vapor de mercúrio, sódio e fluorescente ) considerar : kVA = kW / 0,92.
ND - 5.1 7- 16

TABELA 17 - FATORES DE DEMANDA DE FORNOS E FOGÕES ELÉTRICOS

Número de Aparelhos Fator de Demanda %


Potência até 3,5 kW Potência superior a 3,5 kW
1 80 80
2 75 65
3 70 55
4 66 50
5 62 45
6 59 43
7 56 40
8 53 36
9 51 35
10 49 34

NOTAS :

1 - Considerar para a potência destas cargas kW = kVA ( fator de potência unitário).


2 - Fonte : NEC - 1984.

TABELA 18 - FATORES DE DEMANDA DE APARELHOS ELETRO DOMÉSTICOS, DE


AQUECIMENTO,DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONADORES DE AR

Número de Aparelhos Fator de Demanda % Número de Aparelhos Fator de Demanda %


1 100 16 43
2 92 17 42
3 84 18 41
4 76 19 40
5 70 20 40
6 65 21 39
7 60 22 39
8 57 23 39
9 54 24 38
10 52 25 38
11 49 26 a 30 37
12 48 31 a 40 36
13 46 41 a 50 35
14 45 51 a 60 34
15 44 61 ou mais 33

NOTAS :

1 - Aplicar os fatores de demanda à carga instalada determinada por grupo de aparelhos,


separadamente.
2 - Considerar kW = kVA ( fator de potência unitário ) para os aparelhos de aquecimento; para
os demais, considerar kVA = kW / 0,92.
3 - No caso de hotéis, o consumidor deve verificar a conveniência de aplicação desta tabela ou
de fator de demanda igual 100%.