Você está na página 1de 68

Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Centro Multidisciplinar de Pau dos Ferros


Engenharia Ambiental e Sanitária/ Eng. Civil

Estudos e Avaliação de Impactos Ambientais

Métodos de AIA - Aplicações - Escolha


do método
Professor Joel Medeiros Bezerra, D. S.

2017.2
Compreenda a Atividade proposta
Compreenda
TODOS processos AIA começam com a
as atividades compreensão do “O QUÊ?” está sendo
propostas proposto, e “PORQUÊ?”.
Porquê esta
atividade está
sendo
proposta?


O quê está
sendo “construir uma Nao é um
proposto? estrada” O.D.!


“Se não “aumentar o acesso
É um O.D.!
compreendo a mercados”
isso, não posso Nós devemos compreender o
avaliar!” Objetivo de Desenvolvimento para
identificar alternativas
ambientalmente saudáveis
A Situação de Base
Na caracterização da Água Quantidade, qualidade
situação de base, acesso, sazonalidade
muitos Solos Erosão, produtividade da
componentes cultura, pousio, salinidade,
nutrientes
ambientais PODEM
Fauna Populações, habitat
ser de interesse

Saúde Vectores de Doença,


Os componentes de Patogenias
interesse são aqueles
que provavelmente Flora Composição e densidade
serão afetados pela da vegetação natural
produtividade, espécies
atividade – ou sobre as chave
quais o sucesso da
nossa atividade Eco-sistemas Especiais
depende
A situação de base

Lençol de Água
A situação de base não é
simplesmente uma “foto”.
Descrever a situação de base
requer descrever tanto
variabilidade normal nos tempo
componentes ambientais & as
Este gráfico do nível de
tendências correntes nestes agua subterrânea
componentes. mostra tanto a
variabilidade assim
como a tendência no
tempo.

Ambos são parte da


situação base da agua
subterrânea.
Perceba a atividade proposta

Uma vez percebendo o Objetivo de


Desenvolvimento, nós devemos compreender por
completo O QUÊ se está a propor.
Métodos e ferramentas para a identificação, previsão e
avaliação de IA
O E I A É R E A L I Z A D O PA R A P R E V E R A S C A R A C T E R Í S T I C A S
D O S I M PA C T O S P O T E N C I A I S P R I N C I PA I S E S TA FA S E P O D E
S E R D I V I D I D A E M T R Ê S E TA PA S :

I D E N T I F I C A Ç Ã O – E S P E C I F I C A O S I M PA C T O S A S S O C I A D O S
A C A D A FA S E D O P R O J E T O E AT I V I D A D E S I M P L E M E N TA D A S

P R E V I S Ã O – P R E V Ê A N AT U R E Z A , M A G N I T U D E ,
A B R A N G Ê N C I A E D U R A Ç Ã O D O S P R I N C I PA I S I M PA C T O S ;
C A R A C T E R I Z A O S I M PA C T O S P R I N C I PA I S

AVA L I A Ç Ã O – D E T E R M I N A A S I G N I F I C Â N C I A D O S
I M PA C T O S , T E N D O E M C O N TA C O M O A M I T I G A Ç Ã O I R Á
R E D U Z I R O S I M PA C T O S P R E V I S T O S
Considerações Relevantes sobre o Método
de Estudo de Impacto Ambiental

Qualquer método que se utilize deve considerer a


relevância do impacto ambiental e sua magnitude;

Deve ser adequado para que o processo de tomada de


decisão não seja comprometido;

A comunicação entre as partes interessadas deve


favorecer o entendimento do público interessado,
independente do nível de conhecimento dos mesmos
MÉTODOS DE AIA
Principais métodos de AIA:
1. Métodos “Ad Hoc”;
2. Listagens de controle: simples, descritivas,
escalares, escalares ponderadas;
3. Matrizes de interação;
4. Redes de interação (“Networks”);
5. Superposição de cartas;
6. Modelos de simulação.
7. Projeção de Cenários
MÉTODOS DE AIA
1. MÉTODO “AD HOC”
Consiste em reuniões de um grupo de especialistas (técnicos e
cientistas), com formações variadas os quais realizam a avaliação,
inicialmente, dos principais impactos do empreendimento.
Pode ser considerado como um método indicado para uma
análise prévia dos impactos prováveis de um projeto, sendo útil
na definição da melhor alternativa a ser adotada.
Baseia-se na capacidade de especialistas emitirem estimativas
sobre a probabilidade de ocorrência, a extensão espacial e
temporal e mesmo a magnitude de certos impactos ambientais
(visão integrada).
MÉTODOS DE AIA

MÉTODO AD HOC
DESCRIÇÃO Reunião de especialistas
APLICAÇÃO Avaliações rápidas
VANTAGENS (+) / + Rapidez e baixo custo
DESVANTAGENS (-) - Alto grau de subjetividade.
EXEMPLOS Delfos
MÉTODOS DE AIA
2. LISTAGEM DE CONTROLE (CHECKLIST):
Apresentam uma relação dos impactos mais relevantes de um
empreendimento, podendo associá-los às características
ambientais afetadas e às ações que os provocam.
Podem constar de uma simples relação de impactos, como
também atribuir pontos aos mesmos, de forma a indicar sua
magnitude, ou, ainda, fazer uma comparação entre diversas
alternativas para um empreendimento.
Podem ser apresentadas, também, na forma de questionários.
Listas padronizadas por tipo específico de projetos
Checklists
Atividades Propostas
Checklists simplesmente listas Natureza Desmate? ✓
de questões focando sobre Corte/aterro?
das
“sinais de aviso” de impactos --
atividades
potenciais & riscos. As questões Dragagem? ✓
podem abordar.. . Dinamitar? --
As questões da Checklist são: Funções presentes do
Topografia & Ecosistema
• Geralmente facilmente ecosistemas Habitat para desova
respondidas pela inspecção /reprodução? ✓
de campo & informação --
básica acerca da actividade
• Respondidas com sim/não (ou Usos económicos da
quantitativas simples) Uso agua:
costumeiro Beber? --
responses
Irrigação? --
• Muitas checklists existem Etc. Pesca? ✓

After Sadar, 1994


13
Lista de controle para estuários

Fonte: Tommasi (1994)


Impacto de um projeto sobre vetores de doenças
a) Existem, na área, problemas de doenças transmitidas por espécies de vetores, tais como,
mosquitos, pulgas e caracóis? Sim________ Não________ Desc. ________

b) Existem esses vetores associados a:


habitats aquáticos? Sim________ Não________ Desc. ________
habitats florestais? Sim________ Não________ Desc. ________
terras agrícolas? Sim________ Não________ Desc. ________
habitats degradados? Sim________ Não________ Desc. ________
assentamentos humanos? Sim________ Não________ Desc. ________
c) O projeto resultará em:
aumento dos habitats de vetores? Sim________ Não________ Desc. ________
decréscimo dos habitats de vetores? Sim________ Não________ Desc. ________
oportunidade de controle de vetores? Sim________ Não________ Desc. ________
d) Será a força de trabalho do projeto, uma possível fonte de vetores de doenças ainda
desconhecidas na área do projeto? Sim________ Não________ Desc. ________
e) Será o aumento da acessibilidade e do comércio, como a área do projeto, uma possível fonte de
vetores de doenças, ainda desconhecidas na área? Sim________ Não________ Desc. ________
f) O projeto dará oportunidade para o controle de vetores, através da melhoria dos padrões de vida?
Sim________ Não________ Desc. ________

Adaptado: OPAS (Organização Panamericana de Saúde).


MÉTODOS DE AIA
2.1. LISTAGENS PONDERAIS (MÉTODO BATELLE)

Método hierarquizado, constituído por 4 categorias


ambientais que se desdobram em 18 componentes, os
quais se subdividem em 78 parâmetros.
Cada parâmetro está associado a um peso previamente
definido, estabelecendo a importância relativa de cada
um.
Para cada parâmetro é definido um índice de qualidade
ambiental, de 0 a 1, estabelecido pela equipe
multidisciplinar.
Checklists: Pros & Contras
✓ Vantagens !

Desvantagens
• Fáceis de implementar para não
especialistas Qualquer
• Traz estrutura e consistência a: omissão ou
➢ Juntar e classificar
erro na sua
informação
Boas ➢ Caracterizar a natureza Checklist
ferramentas básica de um projecto também se
para trabalho ➢ Identificar impactos torna erro na
de campo! potenciais sua analise.
➢ Desenhar medidas de Se um aspecto
mitigação ou impacto não
• Ajudar a assegurar impactos e
consta da
aspectos chave não sejam
esquecidos Checklist, será
geralmente
19
esquecido
MÉTODOS DE AIA

MÉTODO CHECKLIST
DESCRIÇÃO Listagens de fatores e impactos ambientais
Diagnóstico ambiental até a comparação de
APLICAÇÃO
alternativas
+ Memorização de todos os fatores;
simplicadade
VANTAGENS (+) /
- Não identifica: impactos diretos 2ª ordem e
DESVANTAGENS (-)
indiretos, características temporais e
dinâmica dos sistemas
Threshold of Concem;
EXEMPLOS
Batelle
MÉTODOS DE AIA
3. MATRIZES DE INTERAÇÃO

Permitem associar as ações de um empreendimento às


características ambientais de sua área de influência,
através de uma listagem bidimensional.
Em um dos eixos, são relacionadas as características do
ambiente e, no outro, as ações do projeto, em suas
diversas fases.
Na quadrícula de interseção dos dois eixos, são
assinalados os impactos ambientais que podem ocorrer,
avaliando-se os mesmos quanto ao tipo, magnitude,
duração, etc.
MÉTODOS DE AIA
Tipos de matrizes:
Matrizes descritivas
Matrizes de Símbolos ou desenhos
Matrizes numéricas

Matrizes descritivas
Nestas, comentários ou descrições escritas são usadas. Para cada fase
do projecto, selecção do sítio, construção, operação e desactivação,
são definidos os impactos associados e uma breve descrição é dada.

Matrizes simbolizadas
Neste tipo de matriz, símbolos são usados para expressar os impactos
decorrentes das actividades (C – curta duração; L – longa duração; + -
positivo ; – negativo)
MÉTODOS DE AIA
Matrizes numéricas
◦ Matrizes numéricas e de escala de peso
Ajudam a mostrar o grau do impacto ou a fazer comparações.
Avaliações numéricas, ordinais e intervalos de escalas são dados
por pontuação numérica (1 a 10, Leopold ou -5 a +5, Fisher e
Davies)
Normalmente usam escalas de 1 a 10 para pontuar duas
características de impactos, importância e magnitude.
Extrato de
matriz de
interação
de impactos
Fase de
implantação de um
terminal portuário.
Fonte: Equipe Umah. RAP
Terminal portuário do Rio
Sandi, Empresa Brasileira
de Terminais Portuários
S.A., 2000.
MÉTODOS DE AIA
3.1 MATRIZ DE LEOPOLD

Lista bidimensional de impactos com os fatores


ambientais listados horizontalmente e as ações propostas
listadas verticalmente.
Considera 88 características e condições ambientais e 100
ações causadoras de impactos (8.800 possíveis
cruzamentos).
Devem ser selecionadas apenas as ações relacionadas
com o projeto em questão.
As quadrículas devem ser preenchidas com dois
números: magnitude e importância do impacto.
RELAÇÃO DAS AÇÕES (parte 1)
A. MODIFICAÇÃO DO REGIME h. Linhas de transmissão, dutos e corredores
a. Introdução de flora ou fauna exótica i. Barreiras, inclusive cercas
b. Controles biológicos j. Dragagem e reforço de canais
c. Modificação do habitat k. Revestimento de canais
d. Alteração da cobertura terrestre l. Canais
e. Alteração da hidrologia de lençóis m. Barragens e represas
freáticos n. Terminais marítimos, marinas e
f. Alteração da drenagem ancoradouros
g. Controle do rio e modificação do fluxo o. Estruturas off-shore
h. Canalização p. Estruturas recreativas
i. Irrigação q. Dinamitação e perfuração
j. Modificação do clima r. Desmonte e enchimento
k. Queimadas s. Túneis e estruturas subterrâneas
l. Superfície ou pavimentação
m. Ruído e vibração C. EXTRAÇÃO DE RECURSOS
B. TRANSFORMAÇÃO DO TERRITÓRIO E a. Dinamitação e perfuração
CONSTRUÇÃO b. Escavações superficiais
a. Urbanização c. Escavações subterrâneas
b. Sítios industriais e edifícios d. Perfuração de poço e remoção de fluido
c. Aeroportos e. Dragagem
d. Rodovias e pontes f. Exploração florestal
e. Estradas e trilhas g. Pesca comercial e caça
f. Estradas de ferro
g. Cabos e elevadores
RELAÇÃO DAS AÇÕES (parte 2)
D. PROCESSAMENTO F. RECURSOS RENOVÁVEIS
a. Agricultura a. Reflorestamento
b. Criação de gado e pastagem b. Gerenciamento e controle da vida de
c. Lavoura de alimentos animais selvagens
d. Produção de laticínios c. Recarga no lençol freático
e. Geração de energia d. Aplicação de fertilizantes
f. Processamento mineral e. Reciclagem de resíduos
g. Indústria metalúrgica
h. Indústria química G. MUDANÇAS NO TRÁFEGO
i. Indústria têxtil a. Estradas de ferro
j. Automóveis e aviões b. Automóveis
k. Refinarias c. Caminhões
l. Alimentação d. Navios
m. Serrarias e. Aviões
n. Papel e celulose f. Tráfego fluvial
o. Armazenamento de produtos g. Esportes náuticos
E. ALTERAÇÃO DO TERRENO h. Trilhas
a. Controle de erosão e cultivo em i. Cabos e elevadores
tabuleiros j. Comunicações
b. Controle de resíduos e fechamento de k. Dutos
minas
c. Reabilitação de minas abertas H. DISPOSIÇÃO E TRATAMENTO DE
d. Paisagem RESÍDUOS
e. Dragagem de portos a. Depósito marítimo
f. Aterros e drenagem b. Aterro
RELAÇÃO DAS AÇÕES (parte 3)
c. Disposição de resíduos de minas I. TRATAMENTOS QUÍMICOS
d. Armazenamento subterrâneo a. Fertilização
e. Disposição de sucata b. Descongelamento de rodovias, etc.
f. Descarga de poços de petróleo c. Estabilização química do solo
g. Disposição em poços profundos d. Controle de vegetação silvestre
h. Descarga de água de refrigeração e. Controle de insetos (pesticidas)
i. Descarga de resíduos municipais
j. Descarga de efluentes líquidos J. ACIDENTES
k. Tanques de estabilização e oxigenação a. Explosões
l. Fossas sépticas, comerciais e domésticas b. Vazamentos e perdas
m. Emissão de gases residuais c. Falhas operacionais
n. Lubrificantes utilizados
K. OUTROS
RELAÇÃO DOS FATORES AMBIENTAIS (parte 1)
A. CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E c. Deposição (sedimentação, precipitação)
FÍSICAS d. Solução
1. TERRA e. Sorção (troca de íons, complexos)
a. Recursos minerais f. Compactação e assentamento
b. Material de construção g. Estabilidade (deslizamentos, quedas)
c. Solos h. Sismologia (terremotos)
d. Geomorfologia i. Movimento do ar
e. Campos magnéticos e radioatividade de B. CONDIÇÕES BIOLÓGICAS
fundo 1. FLORA
f. Fatores físicos especiais a. Árvores
2. ÁGUA b. Arbustos
a. Continental c. Grama
b. Oceânica d. Safras
c. Subterrânea e. Microflora
d. Qualidade f. Plantas aquáticas
e. Temperatura g. Espécies ameaçadas
f. Recarga h. Barreiras
g. Neve, gelo e geadas i. Corredores
3. ATMOSFERA 2. FAUNA
a. Qualidade (gases, particulados) a. Aves
b. Clima (micro, macro) b. Animais terrestres, inclusive répteis
c. Temperatura c. Peixes e moluscos
4. PROCESSOS d. Organismos bentônicos
a. Inundações e. Insetos
b. Erosão
RELAÇÃO DOS FATORES AMBIENTAIS (parte 2)
f. Microfauna a. Vistas e paisagens panorâmicas
g. Espécies ameaçadas b. Natureza (qualidades da floresta)
h. Barreiras c. Qualidades de espaços abertos
i. Corredores d. Desenho da paisagem
C. FATORES CULTURAIS e. Agentes físicos especiais
f. Parques e reservas
1.USO DO TERRITÓRIO g. Monumentos
a. Espaços abertos e selvagens h. Espécies ou ecossistemas especiais
b. Zonas úmidas i. Sítios e objetos históricos ou
c. Silvicultura arqueológicos
d. Pastagem j. Presença de desarmonias
e. Agricultura
f. Zona residencial 4. NÍVEL CULTURAL
g. Zona comercial a. Padrões culturais (estilo de vida)
h. Zona industrial b. Saúde e segurança
i. Minas e canteiros c. Emprego
2. RECREAÇÃO d. Densidade populacional
a. Caça 5. SERVIÇOS DE INFRA-ESTRUTURA
b. Pesca a. Estruturas
c. Navegação b. Rede de transporte (movimento, acesso)
d. Natação c. Rede de serviços
e. Acampamento e caminhada d. Disposição de resíduos sólidos
f. Excursão (piqueniques) e. Barreiras
g. Resorts f. Corredores
3. INTERESSES HUMANOS E ESTÉTICOS
RELAÇÃO DOS FATORES
AMBIENTAIS (parte 3)
D. RELAÇÕES ECOLÓGICAS
a. Salinização de recursos
hídricos
b. Eutrofização
c. Vetores de doenças
(insetos)
d. Cadeias alimentares
e. Salinização de materiais
superficiais
f. Invasão de ervas daninhas
g. Outro
E. OUTROS
MAGNITUDE

IMPORTÂNCIA
Matrizes pros & contras
Vantagens

Desvantagens
✓ • Preencher a matriz requer uma ! Não caracteriza a
situação de base
consideração sistemática dos
possíveis impactos de cada
 Não promove a
acção.
consideração de
• Porque as ações são impactos
emparelhadas com impactos, isto secundários
facilita a identificação de medidas
preventivas de mitigação  Difícil de mostrar
mudança com o
• Sumariza muita informação de tempo
uma forma compacta & indica os
impactos mais significantes de
uma forma rápida
• Facilmente acomoda uma mistura
qualitativa & quantitativa de
estimativa de impactos
33
MÉTODOS DE AIA

MÉTODO MATRIZES DE INTERAÇÃO


Listagem de controle bidimensional (fatores x
DESCRIÇÃO
ações)
APLICAÇÃO Identificação de impactos diretos
+ Boa visualização, simplicidade e baixo
VANTAGENS (+) / custo;
- Não identifica: impactos indiretos,
DESVANTAGENS (-) características temporais e dinâmica dos
sistemas; subjetividade na magnitude
Leopold;
EXEMPLOS
Fisher e Davies
MÉTODOS DE AIA
4. REDES DE INTERAÇÃO (“NETWORKS”):
Procuram estabelecer a sequência de impactos ambientais a partir de uma
determinada ação ou intervenção.
São utilizados diagramas, gráficos ou fluxogramas, mostrando a cadeia de
modificações que ocorrem, ou seja, os impactos diretos e indiretos que
podem resultar de um empreendimento.
Ilustra a relação causa - efeito das atividades do projecto e características
ambientais
São importantes na identificação de impactos secundários e de ordem
superior
Este método usado em conjunto com outros ajuda a garantir que impactos
importantes de segunda ordem não sejam omitidos da investigação
Redes de Interação
Um diagrama das ligações de causa-efeito
pelas quais acções propostas afectam a Indicador Chave
qualidade ambiental e recursos da qualidade ambiental
Uso econômico
chave

Populações de +
Salmonídios
O que
+ – –
significam os PESCA – + Desova
sinais? + –
+ causa e efeito Temperatura Fluxo Turbidez
têm relação –
direta
– +
– causa e efeito Acesso Dragar Limpeza
têm relação
inversa After Sadar, 1994
acções propostas
36
Redes de interação - aplicação
Consequências do processo de urbanização sobre os processos de
escoamento das águas superficiais:

Redução da taxa de
Impermeabilização infiltração de água
Urbanização
do solo (aumento do coeficiente
de deflúvio)

Aumento do
escoamento superficial

Aumento rápido da Aumento do aporte


Danos e perdas
vazão dos cursos hídrico para cursos
econômicas
d’água d’água
Redes de interação - aplicação
Consequências sociais da implantação de um grande projeto:

Implantação de grande projeto Atração de mão-de-obra para


industrial ou grande obra civil construção

Atração de pessoas em busca de


empregos e oportunidades

Ocupação de áreas para moradia


de populações de baixa renda

Lançamento de resíduos sólidos


e esgotos não tratados

Poluição hídrica e degradação das


condições sanitárias dos corpos d’água

Aumento da incidência de Aumento da demanda por


doenças de veiculação hídrica Serviços de saúde
39
Redes Pros & Contras
Vantagens
✓ !

Desvantagens
• Uma ferramenta excelente para  Pode ser
identificar impactos indiretos difícil mostrar
• Providencia um sumario visual um nível de
das relações de causa e efeito detalhe
que pode ser facilmente adequado
compreendido e comunicado
 Estático (não
• Pontos de intervenção para mostra
medidas de mitigação que podem mudança no
não ser tão obvias
tempo)
Redes mostram explicitamente  Não mostra a
as relações de causa e efeito significancia
subjacentes na matriz relativa dos
impactos
40
MÉTODOS DE AIA

MÉTODO REDES DE INTERAÇÃO


DESCRIÇÃO Gráfico ou diagrama da cadeia de impacto
APLICAÇÃO Determinação de impactos diretos e indiretos
+ Abordagem integrada de impactos e
interações;
VANTAGENS (+) /
- Não detectam: importância relativa dos
DESVANTAGENS (-)
impactos, aspectos temporais e espaciais,
dinâmica dos sistemas.
EXEMPLOS IMPACT
MÉTODOS DE AIA
5. SUPERPOSIÇÃO DE MAPAS:

Elaboração de vários mapas de uma mesma área, cada um


destacando um aspecto ambiental da mesma.
Superposição dos mapas permite identificar as áreas de maior
valor ambiental, nas quais os impactos são mais significativos.
Método utilizado no planejamento territorial, na realização de
diagnósticos ambientais e na definição de locais adequados para
implantação de determinados empreendimentos.
Usado para ilustrar os impactos espacialmente e em forma de
desenho ou gráfico
Overlays: Pros & Contras

Desvantagens
Vantagens
✓ • A significancia de um impacto
!
 Não mostra
geralmente depende no local.
Overlays tornam os tempo,
aspectos críticos de reversibilidade,
Excelente localização mais claros. e probabilidade
para avaliar dos impactos
rotas dos • Mapas são bem
oleodutos, compreendido (bons para  Definições de
gasodutos, comunicação a revisores e limites muito
estradas, comunidades locais) diferentes
linhas de • Mapas são uma parte básica podem ser mal
transmissão na compilação de informação interpretadas
duma AIA.
Tu tens um mapa. Usa-o
para analizar os impactos

43
MÉTODOS DE AIA

MÉTODO SUPERPOSIÇÃO DE CARTAS


Cartas geradas por superposição de mapas de
DESCRIÇÃO
recursos e usos
APLICAÇÃO Projetos lineares e diagnóstico ambiental
+ Boa visualização e exposição de dados;
- Resultados subjetivos; não quantifica
VANTAGENS (+) /
magnitude, difícil integração de dados
DESVANTAGENS (-)
socioeconômicos, não considera dinâmica dos
sistemas.
EXEMPLOS Mc Harg
MÉTODOS DE AIA
6. MODELOS MATEMÁTICOS E DE SIMULAÇÃO:

Simulam o comportamento de determinado sistema


ambiental, após uma ou mais modificações provocadas
no mesmo.
Pode apresentar bons resultados para a previsão em
determinadas situações específicas, tais como, a
autodepuração de um recurso hídrico, a dispersão de
poluentes atmosféricos, entre outras.
Aplicação algumas vezes difícil devido à grande
quantidade e variedade de parâmetros físicos, biológicos
e socioeconômicos envolvidos.
MÉTODOS DE AIA

MÉTODO SIMULAÇÃO
DESCRIÇÃO Modelos matemáticos automatizados
Diagnósticos e prognósticos da qualidade
APLICAÇÃO
ambiental
+ Considera: dinâmica dos sistemas,
interações entre fatores e impactos e
VANTAGENS (+) /
variável temporal;
DESVANTAGENS (-)
- Custo elevado; representação da
qualidade imperfeita.
EXEMPLOS KSIM
MÉTODOS DE AIA
7. PROJEÇÃO DE CENÁRIOS

O método de Projeção de Cenários está baseado na análise de


situações ambientais prováveis em termos de evolução de um
ambiente (cada situação corresponde a um cenário) e/ou de
situações hipotéticas, referentes a situações diferenciadas geradas
por proposição de alternativas de projetos e programas.

Utiliza de indicadores de tendências prováveis. As variáveis a


serem analisadas terão maior ou menor grau de influência na
determinação dos estudos futuros dos sistemas ambientais.
Os cenários surgem a partir da ação contínua do(s) planejador(es)
e do ambiente a ser estudado, incluídos aí fatores naturais e de
externalidades.
MÉTODOS DE AIA
7. PROJEÇÃO DE CENÁRIOS
De acordo com Ávila & Santos (1989), os cenários podem ser
classificados em três categorias:
1. Cenários evolutivos e antecipatórios – Os cenários evolutivos
descrevem as trajetórias do sistema em estudo, desde o presente
até um horizonte dado, procurando ver as consequências de
decisões tomadas hoje e no futuro próximo. Já os cenários
antecipatórios descrevem um estado futuro do sistema, omitindo
considerações de como chegar lá.
2. Cenários tendenciais e cenários alternativos – A distinção
entre tendências e alternativas está no escopo da análise. Nos
cenários tendenciais, políticas e situações não diferem
radicalmente das tradicionais; para alternativos, no entanto,
procura-se investigar possibilidades estruturalmente distintas
daquelas.
2/19/2018
MÉTODOS DE AIA
3. Cenários exploratórios e cenários normativos – Os cenários
exploratórios procuram, para uma dada situação, analisar as
consequências de várias políticas escolhidas a priori ou de
maneira interativa; ao contrário, os normativos estabelecem as
consequências desejadas e procuram determinar, para cada
situação, que políticas permitem atingir a meta desejada.

2/19/2018
Avaliação de Impacto Ambiental (AIA)
A escolha dos métodos de avaliação dependem de:
•Tipo e tamanho da proposta
•Tipo de alternativas a serem consideradas
•Natureza dos prováveis impactos
•Disponibilidade dos métodos de identificação dos
impactos
•Experiência da equipe da AIA no uso dos métodos
•Disponibilidade de recursos (custos, informação,
tempo e pessoal)
MÉTODOS DE AIA
MÉTODO COMBINAÇÃO DE MÉTODOS
DESCRIÇÃO Utilização de dois ou mais métodos
Avaliar impactos negativos de projetos (uso
APLICAÇÃO
simples ou múltiplo)
+ Simplicidade, rapidez e baixo custo na
avaliação de impactos negativos; boa
VANTAGENS (+) /
visualização;
- Alto grau de controle governamental no
DESVANTAGENS (-)
planejamento ambiental; avaliação
globalizada pouco segura
EXEMPLOS LESA
MÉTODOS DE AIA
Participação popular → maior precisão para
impactos locais

Enfoque técnico → maior precisão para impactos


regionais

Ideal: enfoque participativo + enfoque técnico


ESCOLHA DO MÉTODO DE
AIA
Depende especificamente do projeto em análise.

Premissas básicas para escolha:


➢Tipo de projeto avaliado;
➢Recursos técnicos e financeiros existentes;
➢Quantidade e qualidade dos dados e informações
disponíveis;
➢Tempo disponível para realizar os estudos;
➢Termos de Referência e requisitos legais a serem cumpridos;
e,
➢Atividades, produtos, serviços e processos que estarão
sendo estudados.

O melhor método é o mais adaptado ao problema que se pretende


resolver, dentro do seu contexto
ESCOLHA DO MÉTODO DE
AIA
Questões relevantes:
➢O método é abrangente?
➢O método é seletivo?
Foco em fatores específicos.
➢O método é mutuamente exclusivo?
Evitar contagem dupla de efeitos e impactos.
➢O método é objetivo?
Evitar pré-julgamentos.
➢O método prediz interações?
Mecanismos de feedback de processos ambientais,
sociológicos e econômicos.
Escolher ferramentas
Dois critérios chave para selecionar ferramentas

Apropriado: Custo, tempo & esforço


1 Irá a ferramenta produzir o
resultado esperado? & 2 lembre-se uma AIA é em geral
<1% do custo capital do projeto

Em geral,
! métodos sofisticados e recurso-intensivos não
são os mais apropriados na prática

59
Métodos de AIA
- aplicações
APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO
IMPACTO AMBIENTAL
MATRIZ DE INTERAÇÃO
Impactos Ambientais da execução de Aterros Sanitários
LISTA DE VERIFICAÇÃO
Impactos Ambientais de Empreendimentos de Mineração

➢ SOBRE O MEIO FÍSICO


◦ Alteração da qualidade das águas superficiais e
subterrâneas;
◦ Alteração do regime de escoamento das águas
subterrâneas;
◦ Alteração da qualidade do ar;
◦ Alteração da qualidade do solo;
◦ Alteração das condições climáticas locais.
LISTA DE VERIFICAÇÃO
Impactos Ambientais de Empreendimentos de Mineração

➢ SOBRE O MEIO BIÓTICO


◦ Alteração ou destruição de habitats terrestres;
◦ Alteração de habitats aquáticos;
◦ Redução da produção primária;
◦ Diminuição da disponibilidade de nutrientes;
◦ Diminuição da produtividade dos ecossistemas;
◦ Deslocamento da fauna;
◦ Criação de novos ambientes;
◦ Proliferação de vetores.
LISTA DE VERIFICAÇÃO
Impactos Ambientais de Empreendimentos de Mineração

➢ SOBRE O MEIO ANTRÓPICO


◦ Impacto visual;
◦ Desconforto ambiental;
◦ Riscos à saúde humana;
◦ Substituição de atividades econômicas;
◦ Incremento da atividade comercial;
◦ Aumento local de preços;
◦ Aumento da população;
◦ Perda de patrimônio cultural;
LISTA DE VERIFICAÇÃO
Impactos Ambientais de Empreendimentos de Mineração

➢ SOBRE O MEIO ANTRÓPICO


◦ Perda de referências especiais à memória e à cultura
popular;
◦ Redução da diversidade cultural;
◦ Alteração dos modos de vida tradicionais;
◦ Limitações das opções de uso do solo;
◦ Aumento da arrecadação tributária;
◦ Qualificação profissional da mão-de-obra local.
REDE DE INTERAÇÃO
IMPACTOS DO LANÇAMENTO DE SO2 POR UMA INDÚSTRIA

Corrosão de materiais
Indústria SO2 Poluição do ar H2 SO2 Acidificação de lagos

Efeito sobre a navegação


Problema respiratórios

Deposição de sulfatos
Redução da biodiversidade
Cardiopatias do lago
Efeitos sobre o solo
MODELOS DE SIMULAÇÃO
Modelo para a qualidade do ar: (Modelo Matemático)
Modelo de dispersão gaussiana para uma fonte elevada
(chaminé) (Rau e Wooten, 1980):

  
2
    zh
2
   z  h   
2
Q 1 y  1 1
X ( x, y , z )  exp    .exp      exp     
2 y z   
 2  y     2  z    2   z   
   
X – concentração no estado de equilíbrio;
x,y,z – coordenadas do eixo da pluma;
Q – Taxa de emissão do contaminante;
μ – velocidade média do vento;
σy - coeficiente de dispersão horizontal;
σz - coeficiente de dispersão vertical.
MODELOS DE SIMULAÇÃO
MODELOS DE SIMULAÇÃO
MODELOS DE SIMULAÇÃO
Modelo para corpos hídricos:
Modelo de Westman (1995) para a concentração da matéria
orgânica ao longo de um rio:

dC Co Co Co Co
   k1  k 2  k3
dt t t t t
Ct – concentração de MO num tempo t;
Co – concentração de MO no tempo zero;
Co/t – taxa de descarga de matéria orgânica no rio;
k1 – proporção de MO sedimentada/unidade de tempo;
k2 – proporção de MO decomposta, quando ainda em suspensão na
água;
k3 – Proporção de MO assimilada por organismos detritófagos.
MATRIZ DE LEOPOLD
Rodovia BR
101/RS
Fase de
Construção
MATRIZ DE LEOPOLD
Rodovia BR
101/RS
Fase de
Operação
Gráficos dos Impactos Físicos, Biológicos e Socioeconômicos
Gráfico geral dos Impactos ambientais
PRÓXIMA AULA
ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL