Você está na página 1de 6

UNIVERSIDADE PEDAGÓGICA

Centro de Educação Aberta e à Distância


Departamento de Produção dos Materiais

MÓDULO DO CURSO DE LICENCIATURA EM


ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EDUCAÇÃO – AGE
NO ENSINO À DISTÂNCIA

CADEIRA DE NOÇÕES DE DIREITO

AULA 01

Elaborado por: Francisco Manguene

Maputo, Fevereiro de 2018


CADEIRA DE NOÇÕES DE DIREITO

A: DESCRIÇÃO E OBJECTIVOS DA CADEIRA


Esta cadeira da área de graduação visa compreender as noções básicas da área do Direito,
incluindo os intervenientes neste domínio do conhecimento, como manter as relações entre os
membros da comunidade – Estado com vista a estabelecerem relações harmoniosas entre si.

B: OBJECTIVOS GERAIS DE APRENDIZAGEM


1. Compreender a actividade jurídica.
2. Conhecer as principais fontes do Direito, sua interpretação e aplicação.
3. Conhecer o papel do Estado no cumprimento dos seus comandos normativos.
4. Conhecer os mecanismos de garante do cumprimento dos comandos normativos.

C: OBJECTIVOS ESPECÍFICOS DAS NOÇÕES DE DIREITO

1. Fornecer aos discentes as noções jurídicas, os conceitos jurídicos de base que


condicionam a compreensão do Direito no seu conjunto, cujo conhecimento é exigido;
2. Permitir que os discentes compreendam o Direito como criação da sociedade que como
tal está num processo de transformações e adaptações as diversas conjunturas sociais ou
históricas;
3. Saber como surgiu o Direito, como evoluiu, que transformações sofreu, quais as suas
partes integrantes, modos de revelação, classificações, em que medida o Direito se difere
da religião, do uso e costumes, da moral e de outras regras que o homem usa no dia-a-dia.
4. Conhecer a história e a fisionomia do Direito;
5. Criar nos estudantes as bases para raciocinar juridicamente, para analisar e resolver
problemas numa perspectiva jurídica.

UNIDADE TEMÁTICA 01

SIGNIFICADO DA PALAVRA DIREITO


1. ETIMOLOGIA

Direito: deriva do Latim (Directum), que significa em linha directa. O que está conforme a
régua, ou seja, está recto. O que está em conformidade com a regra.

Norma – é uma regra de conduta que serve para orientar o comportamento de cada membro da
sociedade com vista a permitir uma convivência harmoniosa à vida social. Harmoniza a vida
estabelecendo limites de actuação, de procedimentos para cada membro da sociedade.

Direito – é o sistema de normas de conduta social assistidas de protecção coactiva- Castro


Mendes. Também, pode ser tido como o complexo de normas jurídicas correlacionadas entre si
que regulam as relações sociais. Conjunto de normas jurídicas que regulam as condutas sociais
assistidas de protecção coactiva.

2. Sentido Tecnicamente Jurídico

Do ponto de vista técnico Jurídico, a palavra Direito tem vários significados e, por isso mesmo,
é uma palavra equívoca (polissémica) porque admite uma variedade de sentidos.

Sentido Objectivo
- Norma/Regra de agir
- Sistema de normas ou regras

Do ponto de vista objectivo, a palavra Direito pode significar uma norma, uma regra de
comportamento ou de conduta, mas também pode significar, um conjunto ou sistema de
regras de condutas. Ex: O artigo 12 da CRM é uma norma.

Direito Objectivo- é o conjunto de regras de conduta social, ou seja, são normas de conduta
social. Usa a letra maiúscula. Exs: O Direito rege os homens; os homens acham-se
submetidos à disciplina de Direito.

Sentido Subjectivo
- Poder ou faculdade de agir
- Poder ou faculdade de exigir

A palavra Direito significa um poder, uma faculdade, prerrogativas conferidas às pessoas, esse
poder pode ser: poder de agir, poder de actuar, mas também pode ser poder de exigir de alguém
que se comporte duma certa maneira.

Direito Subjectivo- é o poder de cada qual agir ou exigir uma certa conduta doutrem. E,
normalmente, escreve-se em letra minúscula. Este poder o Estado atribui as pessoas.

Exs: Eu tenho o direito de fazer algo; não tenho direito; o credor está constituído no direito de
reclamar do devedor o pagamento de determinada quantia.

Diz-se Direito Objectivo porque está fora e acima dos indivíduos que lhes governa.
Diz-se Direito Subjectivo porque está neles encarnado como uma sua prerrogativa.

i. O conjunto das leis do Código Civil Português é Direito Objectivo, exterior aos
indivíduos; um complexo de preceitos abstractos que comandam a conduta dos
particulares e que resolvem e disciplinam os seus conflitos de interesses.
ii. O Direito de Propriedade é um Direito Subjectivo porque se encontra ligado a ele
como uma prerrogativa em face de outros indivíduos em geral, adstritos ao dever de
não o perturbarem no legítimo uso e fruição da coisa que lhe pertence (direito à vida,
direito de crédito).
iii. Diz-se Direito de Propriedade à faculdade que o homem tem de aplicar à conservação
da sua existência e, ao melhoramento da sua condição, tudo quanto para esse fim
legitimamente adquiriu e, de que, portanto, pode dispor livremente.

RELAÇÃO ENTRE DIREITO OBJECTIVO E DIREITO SUBJECTIVO

Os Direitos Subjectivos podem ser atribuídos, conferidos ou dados.

Os Direitos Objectivos correspondem as leis que criam os direitos subjectivos (leis subjectivas).
Portanto, são as leis que colhem os Direitos Subjectivos; especificam quem é que encabeça as
leis subjectivas; quem é que estabelece os direitos subjectivos.

As Leis fixam, ainda, os limites do exercício de um determinado direito e, suprimem os Direitos


Subjectivos.

Contudo, os Direitos Subjectivos não podem existir por si sós, isto é, não podem ser eficazes se
nenhuma lei os criar ou reconhecer, os consagrar, o que significa que o Direito Objectivo e o
Direito Subjectivo nascem ao mesmo tempo e no mesmo lugar, ou seja, constituem uma unidade
dialéctica de nascimento e de existência. Constituem o lado côncavo e convexo da mesma
realidade, mas o Direito Objectivo é um dado primário e prioritário ao Direito Subjectivo.

Direito Positivo- é qualquer lei ou norma ou a totalidade de normas, das leis que estão em vigor.
Ex: O Direito moçambicano não consagra a pena de morte;
Ex: O Direito moçambicano sanciona o crime de homicídio.

Direito Natural – é o conjunto de princípios éticos, princípios da natureza humana que o homem
considera normas naturais, normas que duma ou doutra forma regulam as suas relações. Por
exemplo, o princípio do respeito mútuo; o princípio de reconhecimento da propriedade de cada
um.

NOÇÕES DE DIREITO

Noções de Direito – é uma disciplina que fornece aquilo que podemos designar por
Prolegómenos da Jurisprudência. Ensina, fornece aqueles conhecimentos preliminares,
elementares que são preparatórios para o estudo do Direito, ou seja, ministra aquelas noções
fundamentais, aqueles conceitos basilares de natureza sociológica, jurídica, histórica, política e
filosófica, sem os quais não é possível compreender em toda sua dimensão a Ciência do Direito.

Noções de Direito – é uma disciplina teórica e fundamental que procura apresentar os aspectos
gerais do Direito que constituem a base para a formação em Direito. Procura fazer ingressar
paulatinamente os estudantes na zona do conhecimento geral que se encontram para metê-los na
zona do Direito.

Noções de Direito não é ramo de Direito Público, não é ramo de Direito Privado, não é ramo de
enquadramento híbrido. Isto é, não é ramo de Direito meio Público nem meio Privado, não é uma
disciplina enciclopédica o que significa que não tem posição própria no quadro da Enciclopédia
Jurídica.

Enciclopédia Jurídica – é a totalidade dos conhecimentos que existem sobre todos os ramos do
Direito.

Enciclopédia de Conhecimentos – é o conjunto das formas da chamada Gnoses dispostas


segundo o critério da generalidade decrescente e a complexidade crescente e, essas formas da
gnoses são: a religião, a filosofia, a ciência, a arte e a política.

MÉTODO DAS NOÇÕES DE DIREITO

É o chamado Método Ecléctico que consiste em seleccionar aqueles princípios comuns,


essenciais e que condicionam a compreensão da Ciência Jurídica, é o Método Selectivo,
Descritivo.

EXERCÍCIOS:
1. Defina Direito em sentido formal.
2. Comente a seguinte afirmação: “o Direito Positivo corresponde ao Direito vigente num
determinado Estado”.
3. Apresente o alcance do Direito Subjectivo.
4. Diga que tipo de relações estabelecem entre si, o Direito Objectivo e o Direito
Subjectivo.

BIBLIOGRAFIA

1. BÁSICA

 ANDRADE, Manuel, Introdução ao Direito e Relação Jurídica, 6ª Edição,


Lisboa.
 ASCENÇÃO, José de Oliveira, O Direito Introdução e Teoria Geral, 11ª Edição,
Revista, Almedina, 2001.
 CAETANO, Marcello, Manual de Ciências Políticas e Direito Constitucional,
Tomo I, Coimbra, 1992.
 CANAS, Vitalino, Preliminares do Estudo da Ciência Política, Macau, 1992.
 MARQUES, João Dias, Introdução ao Estudo do Direito, 4ª Edição, Lisboa,
1972.
 MENDES, João Castro, Introdução ao Estudo do Direito, Editor Pedro Ferreira,
Lisboa, 1992.
 MIRANDA, Jorge, Manual de Direito Constitucional, Tomo I, 7ª Edição,
Coimbra editora, 2003.
 MIRANDA, Jorge, Funções, Órgãos e Actos do Estado, Lisboa, 1990.
 MOTA PINTO, Carlos Alberto, Teoria Geral do Direito Civil, 3ª Edição
Actualizada, Coimbra Editora, 1999
 REBELO DE SOUSA, Marcelo e Sofia Galvão, Introdução ao Estudo de Direito,
3ª Edição, Publicações Europa-América, Lda, 1994, Portugal.

2. COMPLEMENTAR

o CORDEIRO, António Menezes, Direito das Obrigações. Vols. I, II e III.


o CUNHA, Paulo A. V., Introdução ao Estudo do Direito (Lições Policopiadas,
Publicadas por António Maria Pereira), Lisboa.
o MACHADO, João Baptista, Introdução ao Direito e ao Discurso Legitimador,
Almedina, Coimbra.
o ROUSSEAU, Jean-Jacques, Do Contrato Social, (Tradução Portuguesa),
Presença, Lisboa, s/d.
o TELLES, Inocêncio Galvão, Introdução ao Estudo do Direito, 9ª Edição, Lisboa.
o VARELA, Antunes, Direito das Obrigações, vols. I e II

3. LEGISLAÇÃO
 CÓDIGO CIVIL, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 47344, de 25 de Novembro de
1966.
 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE, de 16 de
Novembro de 2004.
Elaborado por: Francisco Manguene
Cel: 824550810, e-mail: fmanguenejunior@gmail.com

Você também pode gostar