Você está na página 1de 8

regras de medição

1. ESTALEIRO
1. ESTALEIRO

1.1 Regras Gerais

1.2 Instalações provisórias do estaleiro


1.2.1 Instalações destinadas ao pessoal e para
funcionamento dos serviços de estaleiro
1.2.2 Instalações de vias de acesso, caminhos de circulação
e vedações
1.2.3 Instalação de redes de alimentação, de distribuição e de
esgotos

1.3 Equipamentos do estaleiro

1.4 Pessoal do estaleiro


1. ESTALEIRO

1.1 Regras Gerais

As medições do estaleiro1 - trabalhos de montagem, exploração e desmontagem das instalações


e equipamentos necessários à execução da obra - podem ser individualizadas nos subcapítulos
seguintes:

• Instalações provisórias do estaleiro

• Equipamento do estaleiro

• Pessoal do estaleiro

As medições das instalações provisórias destinadas ao pessoal - casa do guarda, dormitório,


instalações sanitárias, refeitório, habitações e outras - serão realizadas de acordo com os
elementos seguintes:

• legislação em vigor2;

• área do terreno disponível para implantação do estaleiro;

• quantidade de pessoal a empregar para a execução da obra.

As medições das instalações provisórias para funcionamento dos serviços do estaleiro - escritório,
armazéns, oficinas e outras - das vias de acesso e de circulação, das redes de alimentação e
distribuição, dos equipamentos e do pessoal de estaleiro só serão elaboradas nos casos
seguintes:

• Nas obras executadas por percentagem;

• Quando o projecto estabelecer as condições necessárias à sua utilização;

• Quando o orçamento for calculado com base na subdivisão do preço da obra em custos
directos, custos de estaleiro e custos indirectos3.

As medições relativas ao estaleiro indicarão as informações seguintes:


• Localização da área destinada ao estaleiro, medição respectiva e acessos existentes;

• Redes de águas e esgotos, electricidade4 e telefones que podem ser utilizadas durante a
execução da obra;

• Limitações impostas pelo projecto ou por outras circunstâncias relativas à utilização da


área destinada ao estaleiro.

As medições indicarão a natureza dos materiais a aplicar na execução das instalações


provisórias.
1.2 Instalações provisórias do estaleiro

1.2.1 Instalações destinadas ao pessoal e para funcionamento dos serviços de


estaleiro

A medição será realizada em m2 segundo a área determinada em projecção horizontal da


envolvente exterior de cada instalação ou à unidade (un), considerando sempre separadamente
cada tipo de instalação.

A medição engloba todos os trabalhos relativos à execução de cada instalação, incluindo as redes
de águas, esgotos, electricidade, telefones, gás e outras.

A medição compreende o transporte, montagem, exploração, conservação e desmontagem de


cada instalação.

Sempre que necessário as operações da alínea anterior poderão ser medidas em rubricas
próprias.

1.2.2 Instalações de vias de acesso, caminhos de circulação e vedações

A medição será realizada à unidade (un).

A medição inclui todos os trabalhos necessários à sua execução, nomeadamente terraplenagens,


drenagens, pavimentação, conservação e reposição do terreno nas condições indicadas no
projecto.

1.2.3 Instalação de redes de alimentação, de distribuição e de esgotos

As redes de alimentação e distribuição de águas, electricidade, telefones, gás ou outras e as


redes de esgotos serão medidas à unidade (un).

A medição engloba todos os trabalhos necessários à montagem, exploração, conservação e


desmontagem destas instalações.
1.3 Equipamentos do estaleiro

As medições relativas a máquinas - gruas, centrais de betonagem, viaturas, tractores, etc. -, a


ferramentas e utensílios, ao equipamento auxiliar - andaimes, máquinas de oficinas e outras - e a
outros meios mecânicos são, em regra, incluídas nas medições dos diferentes trabalhos em que
este equipamento é utilizado.

As medições destes equipamentos podem no entanto, sempre que seja necessário, serem
individualizadas em rubricas próprias, e serem aplicadas regras específicas5.
1.4 Pessoal do estaleiro

As medições relativas ao pessoal do estaleiro - director técnico, encarregado, pessoal de


escritório e de armazém, operários de limpezas, cargas e descargas, guardas, enfermeiro, etc. -
são, em geral, incluídas nas medições dos diferentes trabalhos da obra.

Quando for necessário a constituição de rubricas próprias para o pessoal do estaleiro, deverão
ser aplicadas regras específicas6
1
Segundo o Decreto-Lei 405/93 de 10 de Dezembro, no capítulo relativo às disposições comuns relativas a
empreitadas por preço global e por série de preços (artigo 24), o empreiteiro tem a obrigação, salvo estipulação
em contrário, de realizar à sua custa todos os trabalhos que, por natureza ou segundo o uso corrente, a execução
da obra implique como preparatórios e acessórios, nomeadamente:
• O fornecimento, construção e manutenção do estaleiro;
• Os meios necessários para garantir a segurança das pessoas na obra e do público em geral;
• A construção de acessos ao estaleiro e das circulações internas.
Os encargos relativos à montagem e desmontagem do estaleiro são da responsabilidade do dono da obra e
constituirão um preço contratual unitário.

2
O dimensionamento deve ser efectuado considerando a regulamentação existente, nomeadamente:
• "Regulamento das Instalações Provisórias Destinadas ao Pessoal Empregado nas Obras" -Decreto-Lei
ne 46427, de 10 de Julho de 1965.
• "Sinalização de Obras e Obstáculos Ocasionais na Via Pública" - Decreto Regulamentar ng 33/88, de 12
de Setembro.
• "Regulamento Municipal sobre a Ocupação de Via Pública com Tapumes, Andaimes, Depósitos de
Materiais, equipamentos e Contentores para Realização de Obras. Edital da Câmara Municipal de
Lisboa ns 108/92 de 24 de Setembro.
• "Segurança e Saúde a Aplicar nos Estaleiros Temporários ou Móveis" - Decreto-Lei n- 155/95, de 1 de
Julho. (Transposição da Directiva ns 92/57/CEE de 24 de Junho de 1992).
• Portaria 101/96 de 3 de Abril que regulamenta o D. L. 155/96, relativo às prescrições mínimas de
segurança e saúde a aplicar nos estaleiros temporários ou móveis.
• "Segurança e Saúde a Aplicar nos Estaleiros Temporários ou Móveis" - Decreto-Lei n- 155/95, de 1 de
Julho. (Transposição da Directiva ns 92/57/CEE de 24 de Junho de 1992).
• Portaria 101/96 de 3 de Abril que regulamenta o D. L. 155/96, relativo às prescrições mínimas de
segurança e saúde a aplicar nos estaleiros temporários ou móveis.

3
Nos casos de empreitadas em que não sejam aplicadas as condições referidas em (1), isto é, em que as
medições do estaleiro não forem elaboradas, os respectivos encargos serão considerados incluídos nas
percentagens relativas a custos indirectos a ter em conta no preço composto de cada trabalho e determinado no
orçamento.

4
Deverá indicar-se, relativamente à energia eléctrica, o número de fases, o valor da tensão e a potência máxima
que o estaleiro poderá dispor.

5
A unidade de medição é a hora efectiva de trabalho de cada unidade de equipamento.
A unidade de medição pode ser a hora de permanência na obra, de cada unidade de equipamento, quando a
determinação do tempo efectivo de trabalho for difícil ou não se justificar.
A medição do tempo relativo a cada equipamento será, em geral, individualizada em rubrica própria.
A medição engloba todos os trabalhos e encargos relativos a cada equipamento, designadamente, amortização,
transporte, montagem, exploração, conservação e desmontagem.

6
A unidade de medição é o tempo de permanência na obra, de cada unidade de pessoal. A medição do tempo de
cada unidade de pessoal será, em geral, individualizada em rubrica própria. A medição engloba todos os
encargos relativos a cada unidade de pessoal, nomeadamente, vencimentos e salários, encargos sociais,
transportes e outros respeitantes à sua remuneração. A medição de encargos com viagens e estadias será, em
geral, individualizada em rubrica própria, salvo indicação contrária do caderno de encargos.