Você está na página 1de 10

Cálculos

Matemáticos em

Farmácia
Prof. Farm. Flavio
Jorge
Cálculos Matemáticos em Farmácia.

Frações: A fração decimal é uma fração com denominador 10 ou qualquer outro


múltiplo de 10, onde a vírgula é o ponto de referência usado para determinar o valor do
lugar de um dígito em um número. Dígitos à esquerda da virgula decimal indicam
valores igual ou maiores que 1, enquanto dígitos à direita da vírgula decimal indicam
valores menores que 1.

Porcentagem: É muito utilizado para expressar concentrações em formulações


farmacêuticas. Por cento significa “partes por cem”e tem o símbolo “%”. #% significa
3 partes em 100 partes totais.

Expressão de concentrações em porcentagem:

A) Porcentagem peso por volume ( % p/v ): número de gramas de um constituinte


( soluto ) em 100ml de uma preparação líquida ( solução ).
B) Porcentagem peso por peso ( % p/p ): número de gramas de um constituinte em
100g de uma preparação.
C) Porcentagem volume por volume ( % v/v ): número de mililitros de um
constituinte em 100ml de uma preparação.

Regra de três ( Razão e proporção ):

Quando se é confrontado com o problema de comparar duas ou mais


quantidades, o procedimento de regra de três é um bom método para se utilizar e
resolver o problema. Razão considera os tamanhos relativos de dois números, é
encontrada dividindo-se um número com o qual ele está sendo comparado.
Utilizando-se regra de três, as duas razões sendo comparadas devem ser escritas
na mesma ordem e devem estar nas mesmas unidades.

Ex: Se em uma solução de hipossulfito de sódio, tenho 20g em 100ml, quantos


gramas de hipossulfito eu precisaria para preparar 20ml de uma solução na
mesma concentração?

20g - 100ml
Xg - 20ml

100X = 20 x 20
100X = 400
X = 400/100

2
X = 4g em 20ml

Diluição de concentração:

Para calcular a concentração de uma solução preparada através da diluição de


uma outra solução de concentração conhecida, uma proporção pode ser empregada
como a seguinte:

Q1 x C1 = Q2 x C2

Onde:

Q1 = quantidade conhecida
C1 = concentração conhecida
Q2 = quantidade final a ser obtida após
C2 = concentração final após a diluição

Ex: Se 5ml de uma solução aquosa de furosemida 20% p/v for diluída para 10ml,
qual será a concentração final de furosemida?

Q1 = 5ml
C1 = 20%
Q2 = 10ml
C2 = X?

5 (ml) x 20 (%p/v) = 10 (ml) x X (%p/v)


X = 5x20/10
X = 10% p/v

Densidade:

Em farmácia de manipulação, usa-se quantidades de medidas como densidade ou


gravidade específica quando se relaciona peso (massa) e volume. A densidade é
derivada da combinação de massa e volume.
É definida como massa por unidade de volume de uma substância em
temperatura e pressão fixas. No sistema métrico internacional é expresso como ( g/ml ).

d = m/v

d = densidade
m = massa
v = volume

Ex.: 100ml da solução de lugol pesam 120g em mesmas condições de


temperatura e pressão, calcule a densidade.

d = 120 (g)/100 (ml)


d = 1,2 g/ml

3
Densidade Aparente e Volume Aparente:

A densidade aparente corresponde ao volume ocupado pelo sólido, sem a


exclusão das porosidades ( espaços entre os grânulos sólidos ). Sua determinação é
necessária para determinação da capacidade volumétrica para formas farmacêuticas em
cápsulas e em comprimidos.
A medição do volume aparente é feita com auxílio de uma proveta graduada.
Esta determinação é importante no processo de encapsulação e repartição volumétrica
dos grãos ( comprimidos ).
Cálculo da densidade aparente (Dap):

Dap = Massa (g)/ Volume (ml )

Sistema Métrico de pesos:

0,001 kilograma (kg ) 1 grama ( g )


1.000 miligramas ( mg ) 1 grama ( g )
1.000.000 microgramas ( mcg ) ou ( g ) 1 grama ( g )

Conversões:

g => mg = multiplique por 1.000


Ex: 0,1g x 1.000 = 100mg

mg => mcg = multiplique por 1.000


Ex: 1mg x 1.000 = 1.000mcg
0,25mg x 1.000 = 250mcg

g => mcg = multiplique por 1.000.000


Ex: 1g x 1.000.000 = 1.000.000mcg

Mcg => mg = divida por 1.000


Ex: 250 mcg / 1.000 = 0,25mg

Mg => g = divida por 1.000


Ex: 100mg / 1.000 = 0,1g

mcg => g = divida por 1.000.000


Ex: 500mcg / 1.000.000 = 0,0005g

Sistema métrico de volume:

1.000 mililitros ( ml ) 1 litro ( L )

Nota: 1ml = 1cm³

Medidas caseiras:

4
1 colher de café 2ml

1 colher de chá 5ml


1 colher de sobremesa 10ml
1 colher de sopa 15ml
1 cálice 30ml
1 copo 150ml

Calibração de gotas:

Uma gota é calibrada através da contagem do número de gotas requeridas para


transferência de 1ml da formulação ou substância que se deseja calibrar, do recipiente
original ( frasco conta gotas, conta gotas, etc) para uma proveta graduada de 5ml,
estabelecendo a relação do número de gotas por ml.

Ex: Se para um determinado líquido eu tenho 40 gotas em 2ml, quantas gotas eu terei
em 0,15ml deste líquido?

40 gotas - 2ml
X - 0,15ml

X x 2 = 40 x 0,15

X = 6/2

X = 3 gotas ( 0,15ml contém 3 gotas ).

Calculo envolvendo produtos industrializados ( alteração da dosagem ):

Seja a seguinte prescrição:


Glicazida....................................60mg
Excipiente qsp.....................1 cápsula.
Mande 30 cápsulas.

A matéria prima não está disponível na forma de sal para manipulação, sendo
necessário a utilização do produto industrializado chamado Diamicron que se encontra
disponível nas apresentações de 80mg com 20 ou 60 comprimidos. Qual o número de
comprimidos de Diamicron são necessários para o aviamento da formulação acima?

60mg de glicazida x 30 cps = 1.800mg glicazida/ 80mg (Diamicron) = 22,5


comprimidos de Diamicron e quantidade de excipiente necessário para completar 30
cápsulas.

Cálculos de concentrações percentuais em preparações:

5
Qual a porcentagem de álcool na formulação abaixo:

Espírito de clorofórmio...............................................50,0ml (90% álcool)


Elixir aromático........................................................150,0ml (21% álcool)
Elixir de terpeno hidratado.......................................300,0ml (45% álcool)
Tome 5 ml para tosse.

Solução:

50 + 150 + 300 = 500ml

50 x 90 = 4500
150 x 21 = 3150
300 x 45 = 13.500 +
-----------
 21.150

21.150 / 500 = 42,3%

Resposta = 42,3% de álcool.

Unidades de medidas – UI, UTR:

Os produtos prescritos nestas unidades terão suas conversões efetuadas


utilizando-se uma regra de três simples.

Ex: Formulação com 5.000 UTR de Thiomucase. Sabendo-se que 350.000 UTR’s
equivalem a 1 grama, devemos calcular:

350.000 UTR - 1gr


5.000 UTR - X

X x 350.000 = 5.000 x 1

X = 5.000 / 350.000

X = 0,014g

Devemos pesar então 0,014g ou 14mg de thiomucase.


Os cálculos em UI’s seguem o mesmo princípio.

UI – Unidade Internacional: atividade específica de uma droga contida numa quantidade


determinada de um padrão ( medida de atividade ou potência da substância).
UTR – Unidade de Turbidez

Exemplos:

Vitamina A oleosa (palmitato)....................................1.000.000 UI/g

6
Acetato de vitamina A pó..............................................500.000 UI/g
Vitamina D2 pó........................................................40.000.000 UI/g
Vitamina D3.............................................................40.000.000 UI/g
Vitamina E oleosa..............................................................1.000 UI/g
Vitamina E pó 50%...............................................................500 UI/g
Thiomucase....................................................................350.000 UTR/g
Heparina................................................................................100 UI/g
Hialuronidase.................................................................250.000 UTR/g
Nistatina.....................................................................6.273.000 UI/g
Quantidade suficiente para ( qsp ):

É bastante comum o médico ao final da formulação indicar a quantidade de


veículo suficiente para determinada quantidade. Devemos então somar a quantidade
total dos demais itens e subtrair do total solicitado.

Ex: Creme

Uréia..........................................5g
Óleo de amêndoas...................10g
Creme base qsp.......................50g

Utilizaremos de veículo: 50 – ( 5 + 10 ) = 35g de creme.

Ex: Cápsulas

Cáscara sagrada..........................100mg
Espirulina....................................200mg
Excipiente qsp............................500mg

Devemos utilizar: 500 – ( 100 + 200 ) = 200mg de excipiente por cápsula.

Matérias primas diluídas:

Dentro dos laboratórios trabalhamos com diversas matérias primas diluídas.

Diluições pela farmácia magistral: é realizada para facilitar a pesagem de matérias


primas cuja dosagem é muito pequena como no caso de T3 em uma diluição de 1:1.000,
onde devemos multiplicar a dosagem prescrita na receita por 1.000. Triac 1:100 – FC =
100, Diazepam 1:10 – Fc = 10.

Diluições pelo fabricante (fornecedor): Selênio quelado 0,2% - devemos multiplicar por
500 a dosagem prescrita na receita. PCA-Na 50% - devemos multiplicar por 2.

Importância da correção do teor do princípio ativo em fórmulas farmacêuticas:

É desnecessário dizer que a não correção ou correção indevida do teor de um


princípio ativo em uma formulação, implicará em uma dosificação errada e
consequentemente, uma não conformidade passível de sansões legais.

7
Todavia, em que situações deveremos fazer a correção, seja do sal para molécula
base ou de uma molécula base hidratada para a forma anidra. Sabemos que não há uma
regra fixa que estabeleça a necessidade ou não de correção, ora se faz e ora não se faz.
O certo é que devemos sempre basear-nos no produto farmacêutico de referência
( produto inovador ) que foi primeiramente patenteado e com o qual se fez todos os
ensaios farmacológicos.

Está relacionado com o ajuste de teor, compensação da hidratação ou de uma


diluição de uma substância.

Fator de equivalência:

Permite intercambiar uma substância na sua forma “salina”, “ester” ou


“hidratada” com a sua “molécula base” ou “anidra”, em relação a forma farmacêutica de
referência estaria dosificada.

Situações em que se emprega o fator de correção ou fator de equivalência:

Substância comercializada em sua forma diluída, substância salina (sal) cujo


produto farmacêutico de referência que a contém é dosificado em relação à sua
molécula base. Substância comercializada na forma de sal ou base hidratadacujo
produto de referência é dosificado em relação à base ou sal anidro.

Substância que por razões farmacotécnicas e de segurança são diluídas na


farmácia. Sais minerais ou minerais aminoácidos quelados em prescrições que se deseja
o teor elementar. Correção do teor, quando o doseamento indicar valores menores do
que o mínimo especificado na monografia farmacopeica.

Substâncias comercializadas na forma diluída:

As diluições são fornecidas no rótulo pelo fabricante ou revendedor. O cálculo


do fator de correção ( Fc ) deve ser feito para 100%.

Ex: Betacaroteno 10% => Fc = 10


Omeprazol pellets 8,5% => Fc = 8,5
Vitamina E 50% => Fc = 2

“Sal” cujo produto farmacêutico de referência é dosificado em relação à molécula


base:

A necessidade ou não de adoção do fator de equivalência é determinada pelo


produto de referência ( produto inovador ).

Bibliografia para pesquisa: Farmacopéias, USP-DI, Compêndio médico, DEF,


Bulas, PDR.

Cálculo do fator de equivalência ( FEq )

PM ( peso molecular ) do “sal”


FEq = ___________________________

8
PM ( peso molecular ) da “base”

Exemplos:

1. Estolato de Eritromicina

FEq = 1056,41 (sal) / 733,94 (base)

FEq = 1,44
2. Acetato de hidrocortisona

FEq = 404,51 (sal) / 362,47 (base)

FEq = 1,12

“Sal” ou “Base” Hidratada cujo produto de referência é dosificado em relação à


base ou sal anidro:

A necessidade ou não de correção em relação a água de hidratação de uma


substância farmacêutica é determinada em comparação com produto de referência
( produto inovador ).

Bibliografia para pesquisa: Farmacopéias, USP-DI, Compêndio Médico, DEF,


Bulas, PDR.

Cálculo do fator de equivalência ( FEq)

PM Sal ou Base hidratada


FEq = ______________________

PM Sal ou Base anidra

Exemplos:

1. Amoxacilina trihidratada

FEq = 419,46 (mol. Hidratada) / 365,41 (mol. Anidra)

FEq = 1,15

2. Lisinopril dihidratado

FEq = 441,52 (mol. Hidratada) / 405,42 (mol. Anidra)

FEq = 1,09

Fitoterápicos com Ativos Padronizados:

9
Quando a prescrição solicitar o fitoterápico, não corrigir. Ex: Ginkgo Biloba
extrato seco 24% e Citrin Extract, Kawa Kawa, etc. Quando a prescrição expressar em
relação ao princípio ativo do fitoterápico, deve-se corrigir. Ex: Kavapironas xmg 9Kawa
Kawa 30% de kavapironas).

Referências Bibliográficas:

Guia Prático da Farmácia Magistral, 2ª Edição, Anderson de Oliveira Ferreira


– Pharmabooks

Técnica Farmacêutica e Farmácia Galênica vol I, II, III, 2ª e 3ª Edição, Luiz


Nogueira Prista, Antônio Corrêa Alves, Rui Manoel R. Morgano – Fundação
Calouste Gulbenkian

Manual de Terapêutica Dermatológica e Cosmetologia, Aureliano da Fonseca,


Luiz Nogueira Prista – Roca

Farmacotécnica 1ª edição, João Haikal Helou, José Sylvio Cimino, Cláudio


Daffre – Artpress

Farmacopéia Brasileira 4ª Edição - Atheneu

10