Você está na página 1de 8

TÉCNICAS DE MEDIDAS DE CONDUTIVIDADE, PERMISSÍVIDADE ELÉTRICA E

PERMEABILIDADE MAGNÉTICA EM ALTA FREQUÊNCIA – RELATIVAS À FAIXA


DE MICROONDAS.
Edicarlos Silva¹
1
IESB Centro Universitário, Eng.Computação/ Eng.Elétrica , Campus Edson Machado, SGAS Quadra
613/614–Lotes 97 e 98, CEP: 70200-730, Brasília – DF, Brasil

the techniques of measurements in


high frequency.
RESUMO

As propriedades do materiais que


serão discutidas aqui, são Keywords: Permittivity, Permeability,
permissividade, permeabilidade e Conductivity, Techniques of measure-
condutividade. A resistividade é outra ments, High frequency.
propriedade do material que não será
discutido aqui. É importante notar que Conceito¹
permissividade, permeabilidade e A Permissividade¹ elétrica
condutividade não são constantes. Eles (representada normalmente pela letra
podem mudar com frequência, grega ԑ) de um meio é uma constante
temperatura, orientação, mistura,
física que relaciona a maneira como
pressão e estrutura molecular do um campo elétrico interage com este
material. Neste artigo será definido o meio (Figura 1).
conceito de cada constante (ԑ, µ, σ) e
também as técnicas de medidas em
alta frequência.

Palavras-chave: Permissividade,
Permeabilidade, Condutividade,
Técnicas de medidas, alta frequência.

ABSTRACT

The material properties that will be dis-


cussed here are permittivity, permeabil-
ity and conductivity. Resistivity is an-
other material property which will not be
discussed here. It is important to note
that permittivity, permeability and con-
ductivity are not constant. They can
change with frequency, temperature,
orientation, mixture, pressure, and mo-
Figura 1 – Esquema de duas placas onde o
lecular structure of the material. in this
campo elétrico interage com o meio.
present article will be defined the con-
cept of each constants (ԑ,µ,σ) and too

A permissividade elétrica de um
material é usualmente dada com
relação ao produto da permissividade
relativa “ԑr” (também chamada
constante dielétrica em alguns
casos), pela do vácuo (onde é
ԑo=8,85418782 × 10-12 F/m), onde
temos a seguinte expressão na eq.1
abaixo:

𝜺 = 𝜺𝒓 𝜺𝟎 = (𝟏 + 𝝌𝒆 )𝜺𝟎 (1)

Onde 𝝌𝒆 é a susceptibilidade elétrica


do material. Na tabela 1 abaixo se
mostram as permissividades elétricas
de alguns dielétricos que foram
medidos: Figura 2 – Indutor.

Material ε Material ε A equação L é a indutância com o


(pF/m) (pF/m) material, L0 é a indutância de espaço
Óleo 19,5 Latéx de 20 livre da bobina e µ' é a
mineral a 50
permeabilidade real. Se uma fonte de
Acetona 191 Madeira de 10
a 60 corrente sinusoidal AC (corrente
Ar 8,84 Papelão 49,5 alternada) for colocada através do
Água 707 PVC de 30 mesmo indutor, a tensão resultante
destilada a 40 será constituída por uma tensão
Baquelita de 50 Vidro de 40 induzida e uma tensão de perda
a 80 a 60 relacionada à permeabilidade. A perda
do núcleo pode ser representada por
Tabela 1 – permissividades absolutas de alguns uma resistência (R) em série com um
materiais dielétricos. indutor (L). A permeabilidade
complexa (µ* ou µ) consiste em uma
parte real (µ') que representa o termo
Conceito² de armazenamento de energia e uma
parte imaginária (µ'') que representa o
A permeabilidade magnética² termo de perda de energia. A
(representada normalmente pela letra permitividade relativa μr é a
grega µ) descreve a interação de um permissividade em relação ao espaço
material com um campo magnético. livre:
Uma análise semelhante pode ser
realizada para a permeabilidade
usando um indutor com resistência μ
μ𝑟 = = μ𝑟 − 𝑗μ𝑟 " (2)
para representar perdas de núcleo em μ0
um material magnético (Figura 2). Se
uma fonte de corrente DC (contínua)
for colocada através de um indutor, a μ0 = 4𝜋 × 10−7 𝐻𝑚
indutância com o material do núcleo ( 𝑝𝑒𝑟𝑚𝑒𝑎𝑏𝑖𝑙𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑜 𝑒𝑠𝑝𝑎ç𝑜 𝑙𝑖𝑣𝑟𝑒)
pode estar relacionada à
permeabilidade.
Alguns materiais, como ferro (ferrita),
cobalto, níquel e suas ligas como o
permalloy, onde estas possuem
propriedades magnéticas apreciáveis; Método da sonda Coaxial¹
no entanto, muitos materiais não são
magnéticos, tornando a permeabilidade Características do método:
muito próxima da permeabilidade do  Simples e conveniente ( não
espaço livre (µr = 1). destrutivo);
 Melhor para líquidos ou semi-sólidos.

Conceito3
Para materiais do tipo:
Condutividade elétrica³ é a habilidade
que um material tem em permitir
passagem de corrente elétrica e é  Não magnético;
medida em mhos por metro ou siemens
por metro. Os materiais são  Isotrópicos e homogêneos;
classificados de acordo com sua
condutividade, como condutores ou
 Superfície plana;
não-condutores, ou ainda, metais e
isolantes ou dielétrico. A condutividade
de um material depende da frequência  Sem lacunas de ar.
e da temperatura, onde um material
com elevada condutividade é chamado
de metal e o material com baixa A sonda coaxial de extremidade aberta
condutividade é chamado de dielétrico. é uma seção cortada da linha de
Já o material que está entre a transmissão. O material é medido pela
condutividade de metais e dielétricos é inversão da sonda em um líquido ou
chamado de semicondutores. Quando
tocando-a na face plana de um material
a frequência está acima de um limite
elevado, faz com que a corrente sólido (ou em pó). Os campos na sonda
elétrica flua ao redor do condutor, esse terminam como uma “franja” no material
efeito é chamado efeito pelicular, e mudam quando entram em contato
geralmente ocorre acima de 3GHz, e com o MUT (Teste Ultrassônico Manual)
reduz as propriedades de conforme a figura 3 mostra. O sinal
condutividade elétrica do material e refletido (S11) pode ser medido e
aumenta as propriedades resistivas, já
que a área de condução é menor. relacionado a εr*.

1
𝜌 2
𝑥1 = ( ) (3)
𝜇𝑓𝜋

x1=distância
ρ = é a resistividade volume em ohm-
metros;
f = é a frequência em hertz;
μ = é a permeabilidade em Henry / m.

Figura 3 – Método da sonda coaxial.

Técnicas e medidas
*Quando se refere a permissividade
relativa complexa εr*, estamos nos
referindo a um material sem perdas.

Método da linha de Transmissão1,2

Características do método:

 Mede materiais magnéticos;

 Em materiais anisotrópicos
Figura 4 – Método de linha de transmissão e
podendo ser medidos em guia de guia de onda em um caso de linha coaxial.
onda.
Método do Espaço Livre1,2 (guia
de onda)
Para materiais onde se deve:

Para materiais onde:


 Preenchimento da amostra na
seção transversal do aparelho;  Amostras grandes, planas e de faces
paralelas;
 Sem espaços de ar nas paredes do
aparelho;  Homogênea.

 Faces planas, suaves e Característica do método:


perpendiculares ao longo do eixo;
 Sem contato, não destrutivo;

 Homogêneas;
 Alta frequência – limite inferior
limitado pelo tamanho da amostra;
 Ampla faixa de frequência.

O método de linha de transmissão  Útil para altas temperatura;


envolve em colocar o material dentro
de uma parte de uma linha de  Mede materiais magnéticos.
transmissão fechada. A linha é
geralmente uma seção de guia de onda
O método do espaço livre consiste
retangular ou uma linha coaxial aérea
em usar duas antenas para focalizar a
(Figura 4). A εr*e μr* são calculados a
energia de microondas ou através de
partir da medição do sinal (S11) e do
uma placa de um material sem a
sinal transmitido (S12).
necessidade de um dispositivo de teste
(Figura 5). Este método é sem contato
e pode se aplicado a materiais a serem
testados sob altas frequências (desde
que esteja limitado por um determinado
tamanho da amostra) e também a altas
temperaturas e ambientes hostis. A
figura 5, mostra duas configurações
típicas de medição do espaço livre: em certas frequências. consiste em
Uma configuração de parâmetro S guias de onda onde são tubos
(superior) e o arco NRL(Laboratório de metálicos ocos, preenchidos com
Pesquisas Navais) inferior. material dielétrico utilizados para a
transmissão de energia em altas
frequências. Um pedaço de um
material afeta a frequencia central (f) e
o fator de qualidade (Q) da cavidade. A
partir destes parâmetros, a
permissividade e a permeabildiade do
material pode ser calculada a uma
única frequência. Na figura 6 mostra a
existencia de muitos tipos diferentes de
Figura 5 - Configurações de medição de cavidade e métodos ( letra (a) guia de
espaço livre. onda retangular, (b) guia circular, (c)
um guia retorcido e (d) um guia no
formato de joelho com ângulo de 90°).
Cavidade ressonante1,2 Aqui, daremos um exemplo de apenas
um guia de onda, que é o retangular
pelo método de perfuração. O método
Para materiais em: de perturbação da cavidade requer
uma amostra muito pequena de modo
 ambiente de alta impedância; que os campos na cavidade sejam
apenas ligeiramente perturbados para
 Medições razoáveis com possí- mudar a frequência de ressonância (f)
veis amostras pequenas. e a cavidade Q. Um orifício precisa ser
perfurado exatamente no meio do
comprimento do guia de onda e os dois
acoplados à íris as placas de
Característica do método: extremidade. Para uma medição
dielétrica, a amostra deve ser colocada
 Mede materiais magnéticos; em um campo elétrico máximo e para
uma medição magnética, em um
 Adequado para materiais de baixa
campo magnético máximo. Se a mostra
perda, pois o guia tem paredes
for inserida através de um orifício no
perfeitamente condutoras. meio do comprimento do guia de onda,
então um número ímpar de metade dos
 Normalmente para frequências
comprimentos de onda (n = 2k + 1)
acima de 1 GHz;
trará o campo elétrico máximo para a
localização da amostra. De modo que
 Tem a vantagem de menor
as propriedades da amostra podem ser
atenuação e maior capacidade de medidos. De maneira análoga, só que
transmissão de potência do que o
um número par de meio comprimento
método da linhas de transmissão.
de onda (n= 2k) trará o campo
magnético máximo para a localização
O método da cavidade ressonante da amostra e as propriedades
são estruturas Q altas que ressonam magnéticas da amostra podem ser
medidas (Figura 7).
espessura do revestimento, o sinal de
medição é convertido no instrumento no
valor da espessura de revestimento
conforme mostra a Figura 8.

Figura 6 – Tipos de guias de ondas.

Figura 8 - Diagrama esquemático método de teste


de corrente foucault. A profundidade de penetração
depende da frequência de uso e da condutividade
elétrica do material base.

Método da condutividade toroidal


indutiva³

O método da condutividade toroidal é feita


passando uma corrente AC através de
uma bobina de acionamento toroidal, que
induz uma corrente na solução eletrolítica
(Figura 9).
Figura 7 – Medições da cavidade ressonante.

Método da corrente de Foucault³

O método da corrente de Foucault


consiste em uma corrente de excitação,
onde gera um campo magnético de alta
frequência, que induz correntes de foucault
no material de base. A intensidade das
correntes de foucault corresponde à Figura 9 – Esquema da condutividade
distância entre a sonda de medição e o toroidal indutiva.
material de base. O campo magnético das
correntes de foucault opõe-se ao campo Essa corrente de solução induzida, por sua
magnético original e fornece o sinal de vez, induz uma corrente em uma segunda
medição. Utilizando a função característica bobina toroidal, chamada de toróide de
de saída da sonda, isto é, a correlação captação. A quantidade de corrente
funcional entre o sinal de medição e a induzida no toróide de captação é
proporcional à condutividade da solução. A
principal vantagem da condutividade
toroidal é que as bobinas toroidais não
estão em contato com a solução. Eles são
encapsulados em um material polimérico
ou são externos a um fluxo através da
célula. Uma das principais desvantagens
das medições de condutividade toroidal é a
falta de sensibilidade na medição do
contato. Sensores toroidais também são
tipicamente maiores que os sensores de
contato, e a corrente de solução induzida
pelo toróide ocupa um volume ao redor do
sensor. Portanto, sensores toroidais
precisam ser montados em um tubo maior.
Figura 8 – Comparação dos métodos de
medição.
Comparação dos métodos (somente
para permissividade e permeabilidade)
Referências
Muitos fatores influenciam na capacidade
de medir um determinado material afim de [1] Guias de onda disponível em:
se obter a constante de permissividade, a http://www.dsce.fee.unicamp.br/~pisso/e
figura 8 mostras comparação das e754/Apostila%20Ondas%20Guiadas.pd
medições e alguns destes fatores que f
consideramos que envolve :
[2] Medidas elétricas em altas frequências,
 Propriedades do materiais UFPR - DELT disponível em :
(homogêneos, isotrópicos,
http://www.eletrica.ufpr.br/marlio/mestrad
anisotrópicos);
o/aulas/medidashf.pdf
 Restrições no tamanho da amostra;
 Tipo do material (líquido, em pó, [3] Application Note 1217-1, “Basics of
sólido, semi-sólido); measuring dielectric properties of materi-
 Destrutivo e não destrutivo; als”, HP literature no. 5091-33003, March
 Condutor ou não condutor; 1992
 Temperatura;
 Frequência. [4] Keysight Technologies - Basics of Measur-
ing the Dielectric Properties of Materials
disponível em:

http://literature.cdn.keysight.com/litweb/p
df/5989-2589EN.pdf

[5] Materiais Elétricos e Magnéticos,


http://www.antoniolima.web.br.com/Aula
s/Dieletricos.html
[6] J.F. Gregg, Spin Dynamics in Confined
Magnetic Structures I, Springer, Berlin, 2002,
p. 217.

[7] T.J. Silva, C.S. Lee, T.M. Crawford, C.T.


Rogers, J. Appl. Phys. 85 (1999) 7849.

[8] D. Pain, M. Ledieu, O. Acher, AL Adenot,


F. Duverger, J. Appl. Phys. 85 (1999) 5151.

[9] R. Arias, D.L. Mills, Phys. Rev. B 60 (1999)


7395.