Você está na página 1de 3

DURKHEIM.

FATOS SOCIAIS
● Fatos sociais são o objeto central de estudo do sociólogo, segundo Durkheim.
● Para Durkheim, os fatos sociais são o modo de pensar, agir, sentir de um determinado
grupo social.
● Ele são desejáveis
● Para saber se algo é ou não um fato social, ele precisa ter três características
fundamentais:
o Generalidade
▪ Comum a todos os membros de um determinado grupo.
o Exterioridade
▪ Existe independentemente da vontade do indivíduo
o Coercitividade
▪ Indivíduos se sentem obrigados - explícita ou implicitamente - a seguir
um comportamento estabelecido

● Os fatos sociais podem ser divididos em dois grupos.


o Fatos sociais normais:
▪ Que são aqueles que não extrapolam a ordem vigente
● A criminalidade por exemplo.
o Fatos sociais anormais ou patológicos:
▪ Aqueles que extrapolam a ordem vigente
▪ Epidemias, fome, guerras, crises econômicas, e desastres naturais, por
exemplo.

● Além disso, a coerção gera sanções, estas podem ser também divididas em:
o Sanções legais
▪ Que são as consequências que o indivíduo sofre ao burlar as leis
o Sanções espontâneas
▪ Onde o indivíduo sofre por ir contra a conduta/moral vigente de
determinado grupo ou sociedade.

Mas, e o que não é um fato social?

São acontecimentos que não se pode observar, por exemplo, os sentimentos e a subjetividade
individual.

CONSCIÊNCIA
▪ COLETIVA
o A consciência coletiva é um sistema exterior a todos os indivíduos, esta os
controla pela moral imposta pela sociedade. É o acúmulo de vários modos de
pensar e agir que moldam a moral de determinado grupo ou sociedade.

SOLIDARIEDADE
▪ O conceito de solidariedade para Durkheim, é a coesão social, ou seja, um certo
consenso entre os indivíduos.
▪ A solidariedade se divide em duas:
o Solidariedade mecânica:
▪ Esta é pré-capitalista, referente a sociedades simples como tribos e
clãs, onde estes se identificam pela família, religião, crenças,
tradições, mesmas noções e valores sociais, a caça e os bens
materiais.
o Solidariedade orgânica:
▪ Referente as sociedades complexas, ou já capitalistas. Os indivíduos
nesta sociedade, não compartilhar necessariamente dos mesmos
valores e religiões. Aqui a individualidade de cada um é superior a
comunidade.
A divisão do trabalho é maior e mais rápida, ou seja, há uma pluralidade que separa
profundamente as pessoas, dificultando uma interação social mais profunda, como existia nas
sociedades simples.
Nesta sociedade, não existe mais a coesão, mas uma interdependência entre os indivíduos.
Ainda assim, há uma consciência coletiva afrouxada.