Você está na página 1de 5

Informativo comentado:

Informativo 615-STJ (RESUMIDO)


Márcio André Lopes Cavalcante

DIREITO ADMINISTRATIVO

CADASTRO NACIONAL DE EMPRESAS INIDÔNEAS E SUSPENSAS


Mera divulgação do nome da empresa punida no CEIS da CGU não gera dano

A divulgação do Cadastro Nacional de Empresas Inidôneas e Suspensas - CEIS pela CGU tem
mero caráter informativo, não sendo determinante para que os entes federativos impeçam a
participação, em licitações, das empresas ali constantes.
STJ. 1ª Seção. MS 21.750-DF, Rel. Min. Napoleão Nunes Maia Filho, julgado em 25/10/2017 (Info 615).

DIREITO AMBIENTAL

RESPONSABILIDADE CIVIL
Análise do acidente com o navio Vicuña

As empresas adquirentes da carga transportada pelo navio Vicuña no momento de sua


explosão, no Porto de Paranaguá/PR, em 15/11/2004, não respondem pela reparação dos
danos alegadamente suportados por pescadores da região atingida, haja vista a ausência de
nexo causal a ligar tais prejuízos (proibição temporária da pesca) à conduta por elas
perpetrada (mera aquisição pretérita do metanol transportado).
Situação concreta: três indústrias químicas adquiriam uma grande quantidade de “metanol”,
substância utilizada como matéria-prima para a produção de alguns medicamentos. Elas
adquiriram o metanol da METHANEX CHILE LIMITED, empresa chilena que ficou responsável
tanto pela contratação quanto pelo pagamento do frete marítimo. O navio contratado pela
empresa chilena para o transporte foi o “BTG Vicuña”, de bandeira do Chile. Ocorre que
quando já estava atracado no porto de Paranaguá/PR, o navio explodiu. Isso provocou uma
tragédia ambiental porque houve o vazamento de milhões de litros de óleo e de metanol. Em
razão do derramamento, a pesca na região ficou temporariamente proibida.
STJ. 2ª Seção. REsp 1.602.106-PR, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, julgado em 25/10/2017 (Info 615).

Informativo 615-STJ (06/12/2017) – Márcio André Lopes Cavalcante | 1


Informativo
comentado

DIREITO CIVIL

LEI DE LOCAÇÕES
O prazo de 30 meses previsto no art. 46 da Lei de Inquilinato
não pode ser alcançado pela prorrogação de contratos

Importante!!!
Se a locação residencial foi celebrada por escrito e com prazo igual ou superior a 30 meses,
quando chegar ao fim o prazo estipulado, termina o contrato e o locador poderá pedir a
retomada do imóvel sem a necessidade de apresentar qualquer justificativa. Diz-se, assim, que
o locador pode fazer a chamada “denúncia vazia”. Isso está previsto no art. 46 da Lei nº
8.245/91.
Vale ressaltar, contudo, que não é cabível a denúncia vazia quando o prazo de 30 meses,
exigido pelo art. 46 da Lei nº 8.245/91, é atingido com as sucessivas prorrogações do contrato
de locação de imóvel residencial urbano.
Em outras palavras, o art. 46 da Lei nº 8.245/91 somente admite a denúncia vazia se um único
instrumento escrito de locação estipular o prazo igual ou superior a 30 meses, não sendo
possível contar as sucessivas prorrogações dos períodos locatícios (accessio temporis) para se
atingir esse prazo de 30 meses.
Ex: o contrato de locação foi celebrado por 12 meses; depois foi prorrogado mais duas vezes,
totalizando 36 meses; não se aplica o art. 46 porque o período mínimo de 30 meses foi
alcançado com prorrogações.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.364.668-MG, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, julgado em 07/11/2017 (Info 615).

ALIMENTOS
O valor recebido pelo alimentante (devedor) a título de participação nos
lucros e resultados deve ser incorporado à prestação alimentar devida?

Os valores recebidos a título de “participação nos lucros e resultados” são incluídos no


percentual que é devido a título de pensão alimentícia? Em suma, toda vez que o devedor
receber participação nos lucros e resultados, o valor da pensão deverá ser, automaticamente,
pago a mais?
1ª corrente: NÃO. Os valores recebidos a título de participação nos lucros e resultados não se
incorporam à verba alimentar devida ao menor. É a posição da 3ª Turma do STJ. REsp
1.465.679-SP, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 09/11/2017 (Info 615).
2ª corrente: SIM. As parcelas percebidas a título de participação nos lucros configuram
rendimento, devendo integrar a base de cálculo da pensão fixada em percentual, uma vez que
o conceito de rendimentos é amplo, especialmente para fins de cálculo de alimentos. É a
corrente adotada pela 4ª Turma do STJ. AgInt no AREsp 1070204/SE, Rel. Min. Luis Felipe
Salomão, julgado em 19/09/2017.

Informativo 615-STJ (06/12/2017) – Márcio André Lopes Cavalcante | 2


Informativo
comentado

DIREITO DO CONSUMIDOR

CONTRATOS BANCÁRIOS
Saque indevido em conta-corrente não configura, por si só, dano moral

Importante!!!
O saque indevido de numerário em conta-corrente, reconhecido e devolvido pela instituição
financeira dias após a prática do ilícito, não configura, por si só, dano moral in re ipsa.
O saque indevido em conta corrente não configura, por si só, dano moral, podendo, contudo,
observadas as particularidades do caso, ficar caracterizado o respectivo dano se demonstrada
a ocorrência de violação significativa a algum direito da personalidade do correntista.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.573.859-SP, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgado em 07/11/2017 (Info 615).

Sobre o tema, vale a pena recordar:


O banco deve compensar os danos morais sofridos por consumidor vítima de saque fraudulento
que, mesmo diante de grave e evidente falha na prestação do serviço bancário, teve que intentar
ação contra a instituição financeira com objetivo de recompor o seu patrimônio, após frustradas
tentativas de resolver extrajudicialmente a questão.
STJ. 4ª Turma. AgRg no AREsp 395.426-DF, Rel. Min. Antonio Carlos Ferreira, Rel. para acórdão Marco
Buzzi, julgado em 15/10/2015 (Info 574).

PLANO DE SAÚDE
Legitimidade ativa de usuário de plano de saúde coletivo
para questionar a rescisão unilateral promovida pela operadora

O beneficiário de plano de saúde coletivo por adesão possui legitimidade ativa para se insurgir
contra rescisão contratual unilateral realizada pela operadora.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.705.311-SP, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 09/11/2017 (Info 615).

DIREITO PROCESSUAL CIVIL

JUSTIÇA GRATUITA
Recurso contra a decisão que julga a impugnação à justiça gratuita

A impugnação à justiça gratuita é feita nos autos do próprio processo ou em autos apartados?
• Antes do CPC/2015: autos apartados.
• Depois do CPC/2015: nos autos do próprio processo.

Qual é o recurso cabível contra a decisão que acolhe ou rejeita a impugnação à gratuidade de
justiça?
• Antes do CPC/2015: apelação.
• Depois do CPC/2015: agravo de instrumento.

Informativo 615-STJ (06/12/2017) – Márcio André Lopes Cavalcante | 3


Informativo
comentado

Se a parte ingressou com a impugnação antes do CPC/2015, mas esta somente foi julgada após
a vigência do novo Código, qual é o recurso que deverá ser interposto contra essa decisão que
rejeitou ou acolheu a impugnação?
Agravo de instrumento. Cabe agravo de instrumento contra o provimento jurisdicional que,
após a entrada em vigor do CPC/2015, acolhe ou rejeita incidente de impugnação à gratuidade
de justiça instaurado, em autos apartados, na vigência do regramento anterior.
Aplica-se aqui o princípio do tempus regit actum, no qual se fundamenta a teoria do isolamento
dos atos processuais.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.666.321-RS, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 07/11/2017 (Info 615).

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA
É incabível a rejeição do seguro garantia judicial pelo exequente,
salvo por insuficiência, defeito formal ou inidoneidade da salvaguarda oferecida

Dentro do sistema de execução, a fiança bancária e o seguro garantia judicial produzem os


mesmos efeitos jurídicos que o dinheiro para fins de garantir o juízo, não podendo o
exequente rejeitar a indicação, salvo por insuficiência, defeito formal ou inidoneidade da
salvaguarda oferecida.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.691.748-PR, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, julgado em 07/11/2017 (Info 615).

AÇÃO CIVIL PÚBLICA


Emenda da inicial da ACP mesmo após ter sido apresentada contestação

Admite-se emenda à inicial de ação civil pública, em face da existência de pedido genérico,
ainda que já tenha sido apresentada a contestação.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.279.586-PR, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 03/10/2017 (Info 615).

DIREITO PENAL

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA


In(aplicabilidade) do princípio da insignificância aos crimes contra a Administração Pública

Súmula 599-STJ: O princípio da insignificância é inaplicável aos crimes contra a administração


pública.
STJ. Corte Especial. Aprovada em 20/11/2017, DJe 27/11/2017.

LEI MARIA DA PENHA


Dispensabilidade de coabitação entre autor e vítima

Súmula 600-STJ: Para a configuração da violência doméstica e familiar prevista no artigo 5º


da Lei nº 11.340/2006 (Lei Maria da Penha) não se exige a coabitação entre autor e vítima.
STJ. 3ª Seção. Aprovada em 22/11/2017, DJe 27/11/2017.

Informativo 615-STJ (06/12/2017) – Márcio André Lopes Cavalcante | 4


Informativo
comentado

DIREITO PROCESSUAL PENAL

COMPETÊNCIA
Não compete à JF julgar crime ambiental ocorrido em programa Minha Casa Minha Vida
pelo simples fato de a CEF ter atuado como agente financiador da obra

Importante!!!
Compete à Justiça estadual o julgamento de crime ambiental decorrente de construção de
moradias de programa habitacional popular, nas hipóteses em que a Caixa Econômica Federal
atue, tão somente, na qualidade de agente financiador da obra.
O fato de a CEF atuar como financiadora da obra não tem o condão de atrair, por si só, a
competência da Justiça Federal. Isto porque para sua responsabilização não basta que a
entidade figure como financeira. É necessário que ela tenha atuado na elaboração do projeto
ou na fiscalização da segurança e da higidez da obra.
STJ. 3ª Seção. CC 139.197-RS, Rel. Min. Joel Ilan Paciornik, julgado em 25/10/2017 (Info 615).

NULIDADE
Indeferimento do pedido de incidente de falsidade formulado anos
após a prova ter sido juntada e depois da sentença condenatória

Não há nulidade na decisão que indefere pedido de incidente de falsidade referente à prova
juntada aos autos há mais de 10 anos e contra a qual a defesa se insurge somente após a
prolação da sentença penal condenatória, uma vez que a pretensão está preclusa.
STJ. 5ª Turma. RHC 79.834-RJ, Rel. Min. Felix Fischer, julgado em 07/11/2017 (Info 615).

Informativo 615-STJ (06/12/2017) – Márcio André Lopes Cavalcante | 5