Você está na página 1de 10

RESUMOS DE DERMATO

A DERMATO-FUNCIONAL NO ENSINO DE GRADUAÇÃO EM


FISIOTERAPIA: VISÃO DE PROFISSIONAIS ATUANTES NA CIDADE DE
INHUMAS-GO

Introdução
Tomando por base que a Fisioterapia Dermato-Funcional veio ampliar uma área
de atuação da Fisioterapia, antes com a denominação Estética, Faz-se
necessário que os profissionais apresentem-se com formação compatível com
esta realidade, visando à superação do tecnicismo, dos rituais e, principalmente,
do modismo que envolve esta área. Tendo como referência tais pontos, os
objetivos desta pesquisa foram: compreender o cenário de formação do
fisioterapeuta em Demato-Funcional no curso de graduação; conhecer a visão
do profissional quanto a sua formação e quanto a esta disciplina, possibilitando
ressaltar pontos positivos e negativos do processo de formação, contribuindo
para reflexões a cerca dos currículos atuais.

Materiais e método
Este estudo foi desenvolvido por meio da investigação quanti-qualitativa. A
pesquisa bibliográfica e de campo foram escolhidas como modalidades de
pesquisa.
O instrumento utilizado para coleta dos dados foi o questionário que foi aplicado
de maneira indireta (LIMA, 2004). O questionário que se constituiu de uma
primeira parte na qual obteve-se os dados relativos a graduação e atuação do
profissional e uma segunda parte que objetivou a coleta de dados referentes a
opinião dos mesmos quanto a presença ou não da disciplina de Dermato-
funcional em sua graduação e da relevância da mesma no atual mercado de
trabalho da cidade em questão.

Resultados e discussão
Seguindo a metodologia já descrita, o estudo contou com uma amostra de 10
profissionais, que concluíram sua graduação entre os anos de 1993 e 2008, com
variação de 04 (quatro) a 05 (cinco) anos no que se refere à duração do curso.
Analisando-se a presença ou não da disciplina de Dermato-Funcional na matriz
curricular destes profissionais, as respostas obtidas foram de 08 (oito) NÃO, que
se refere à ausência da disciplina e 02 (dois) SIM, sendo que destes, 01 (um)
com carga horária igual às demais disciplinas específicas e 01 (um) com carga
horária inferior.
Dos 08 (oito) que disseram não terem a disciplina, 02 (dois) disseram ainda não
terem tido nenhuma abordagem de temáticas desta área ainda que em outras
disciplinas e 06 (seis) deles revelaram ter tido contato com alguns temas, sendo
que 03 (três) citaram a disciplina de Recursos Terapêuticos Manuais (RTM)
como a responsável por esta abordagem. Percebe-se, ainda, a queixa do
profissional quanto à falta de prática voltada para esta área, tal ponto também
foi levado em consideração quando se questionou aos participantes acerca da
presença de estágios curriculares na matriz curricular. De acordo com Ploszaj
(apud BERNARDI et al., 2007), o estágio supervisionado objetiva garantir ao
aluno condições adequadas para aprendizagem teórico-prática, de forma
condizente com as necessidades do mercado de trabalho que ele encontrará.
Portanto, deve se considerar a presença destes estágios como uma das
garantias de uma boa formação, sendo assim, essencial para uma boa atuação.
Quanto a presença destes estágios em Dermato-Funcional, 100% das respostas
foram NÃO, porém um profissional diz ter tido estágio na disciplina de RTM,
outro, em Queimaduras, e o terceiro profissional nos revela que, embora o
currículo não oferecesse o estágio, alguns alunos o buscaram por si mesmos de
maneira extracurricular.
Outro estudo analisado reafirma em seus resultados a necessidade de buscar
fora da universidade à capacitação para o mercado, afirmando que somente com
o curso de graduação os recém graduados não teriam condições de atender aos
requisitos do perfil profissional demandado no mercado, para tanto o profissional
buscará a pós-graduação ou cursos técnicos (GONDIN, 2002).
Analisou-se ainda no que diz respeito a esta busca além da graduação que dos
10 (dez) participantes, 04 (quatro) atuam na área de Dermato-Funcional. Destes,
02 (dois) dedicaram-se a uma pós-graduação e os outros 02 (dois), embora não
tenham se especializado na área, realizaram cursos técnicos que
possibilitassem sua atuação.
Por um lado, há que se valorizar o interesse e busca destes profissionais, por
outro deve-se levar em conta também que, em seu próprio discurso, é clara a
insatisfação com o que lhe foi transmitido na graduação, o que por vezes foi dito
como insuficiente para atuação. Porém, não podemos desconsiderar as duas
respostas que não compartilham do descontentamento. Dois profissionais que
fizeram parte desta amostra, ambos não atuantes nesta área, nos demonstraram
a partir de suas respostas, que os conteúdos de Dermato- Funcional não
significam nenhum obstáculo para sua atuação

Considerações finais
Os resultados aqui apresentados foram estabelecidos a partir de uma amostra
de 10 Fisioterapeutas atuantes na cidade de Inhumas-GO. Portanto, não
poderão se estender como sendo verdade de toda uma classe, mas de
representantes da classe na cidade em questão. Os dados obtidos nos
revelaram que a maioria dos participantes considerou ter uma formação
insatisfatória na área de Dermato-Funcional, durante o período da graduação,
No entanto, é preciso chamar a atenção para o papel da universidade, enquanto
instituição que se propõe a ser um espaço de produção de conhecimento. O
estudo é, portanto, mais um elemento provocativo para outros estudos do que
uma tentativa de consenso.

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PARA TERAPIA COMBINADA HECCUS® -


Ultrassom e Corrente Aussie no tratamento da lipodistrofia ginóide e da
gordura localizada

INTRODUÇAO
A lipodistrofia ginóide (LDG) termo conheci-
do popularmente como celulite, afeta cerca 85-98% das mulheres de todas as
raças após a puberdade
(Avram, 2004). Acomete especialmente a região glútea e as coxas e pode ou
não estar associado à
presença de gordura localizada (Pavicic et al., 2006). Diversas modalidades
terapêuticas tem sido propostas. Dentre estes tratamentos destacam-se
os agentes físicos e os agentes farmacológicos. Os agentes físicos são
diferentes modalidades de energia que interagem com os tecidos biológicos
comfinalidade terapêutica. Esses incluem calor, frio, pressão, som, radiação
eletromagnética e correntes elétricas (Cameron, 2009). Os agentes físicos mais
comumente usados no tratamento do LDG e da gordura localizada são
pressoterapia, laser, massagem mecânica (vácuo), radiofreqüência, ultrassom e
correntes elétricas terapêuticas tais como: Galvânica, Farádica, FES (Functional
Electrical Stimulation), Diadinâmicas, Interferencial, Russa e Aussie (Rossi e
Vergnanini, 2000; Avran, 2004; Rotunda et al., 2005; Rawlings; 2006, Sant’Ana
et al., 2007; Volga, 2009).
Apesar das inúmeras modalidades de trata- mento, o uso do ultrassom e das
correntes elétricas terapêuticas associadas ou não à permeação transdérmica
de drogas se destacam por se tratar de técnicas não invasivas no tratamento da
LDG e da gordura localizada (Rossi e Vergnanini, 2000). O objetivo deste
trabalho foi buscar na literatura respaldo cientif́ ico para a utilização simultânea
do ultrassom e da corrente terapêutica Aussie e polarizada no tratamento do
LDG e da gordura localizada.

PRINCÍPIOS DE TERAPIA COMBINADA: ULTRASSOM, CORRENTE AUSSIE


E CORRENTE POLARIZADA
A aplicação de duas modalidades terapêuticas ao mesmo tempo e no mesmo
local é denomi- nada terapia combinada e a combinação mais amplamente
utilizada são ultrassom e algum tipo de corrente excitomotora ou polarizada (Low
e Reed, 2001).
No intuito de aperfeiçoar a terapia, a indústria nacional desenvolveu direcionado
́ ica estética, um ultrassom de 3 MHz com um cabeçote tripolar e estes
para a clin
mesmos transdutores podem atuar como eletrodos de transmissão de corrente
alternada Aussie.

ULTRASSOM NO TRATAMENTO DA LDG E DA GORDURA LOCALIZADA

Desde a introdução deste recurso terapêutico há mais de 50 anos, as ações


biológicas do US têm sido investigadas. Contudo, os efeitos mecânicos, térmicos
e quim ́ icos do US ainda não estão completamente esclarecidos. em sido
proposto que em consequência das vibrações longitudinais caracteriś ticas do
ultras- som um gradiente de pressão é desenvolvido nas células individuais.
Como resultado desta variação de pressão, elementos da célula são obrigados
a se moverem, ocorrendo um movimento de micromassagem, que aumenta o
metabolismo celular, o fluxo sanguin ́ eo e o suprimento de oxigênio, produzindo
alteração da permeabilidade da membrana celular e facilitando o fluxo de
nutrientes (Dyson e Suckling,1978; O'Brien Jr, 2007).
O uso do US em tratamentos clin ́ icos e estéticos é recente e a sua aplicabilidade
geralmente se relaciona ao tratamento da LDG e da gordura localizada. A
hipótese para seu uso está vinculada aos seus efeitos mecânicos e térmicos.
dentro dos efeitos não térmicos, pes- quisadores sugerem que a energia acústica
pode interagir com protein ́ as e complexos de protein ́ as da membrana celular
ativando mecanismos de sina lização intracelular que podem culminar com
́ tese protéica, ativação ou inativação de enzimas intracelulares e
sin
denominaram essa teoria de frequência de ressonância (Baker et al., 2001;
Johns, 2002). Os efeitos térmicos ocorrem quando a energia acústica é
absorvida e transformada em calor e dependem da absorção e dissipação da
energia do ultrassom, e o aumento da temperatura é tempo- dose dependente
(Johns, 2002).

CORRENTE AUSSIE: FORTALECIMENTO MUSCULAR E DRENAGEM


LINFÁTICA
O uso de correntes elétricas que desenvolvem ações terapêuticas nos tecidos
biológicos ou possibilitam a manutenção de suas funções tem sido
extensamente preconizado como recurso em nosso paiś (Davini et al., 2005).
O princip ́ io da estimulação elétrica neuro-muscular baseia-se na propagação de
cargas elétri- cas pelas fibras musculares e nas fibras nervosas sensitivas e
motoras que, ao serem excitadas pelos pulsos aplicados, geram mudanças na
atividade metabólica tecidual e tem sido usada de maneira coadjuvante no
treinamento fiś ico (Cameron, 2009; Low e Reed, 2001; Ward e Robertson , 2000;
Ward, 2009; Ward e Chuen, 2009).
Atualmente essas técnicas de fortalecimento muscular, drenagem linfática
sequencial e remo- delação corporal são amplamente utilizadas na clin ́ ica
estética como terapia coadjuvante no tratamento da LDG e da gordura
localizada, porém parâmetros mais adequados de estimulação elétrica estão
sendo estabelecidos.
Comercialmente as correntes Russa, Interferencial e FES são clássicas no que
concerne estimulação neuromuscular, porém pesquisas recentes com o objetivo
de desenvolver e produzir correntes elétricas que proporcionem uma
estimulação sensorial confortável sem comprometer a eficiência ele-
trofisiológica, bem como, uma estimulação motora potente sem que o limiar
doloroso seja alcançado foram realizadas (Ward e Robertson, 1998; Ward e
Robertson, 2001; Ward e Shkuratova, 2002; Delitto, 2002; McManusa et al.,
2006).
Pesquisas atuais apontam que correntes elétricas alternadas moduladas em
Bursts de longa duração produzidos por correntes tradicionais como Russa e
Interferencial não são as melhores para se minimizar o desconforto durante
estimulações sen- soriais e produzir níveis de elevados de torque muscular
durante estimulações motoras (Ward et al. 2004).

CONSIDERAÇOES FINAIS
Os efeitos colaterais da terapia combinada são considerados despreziv́ eis,
desde que observa- dos os critérios para o manejo adequado do equipamento.

CONCLUSAO
Os estudos analisados sustentam a aplicabi- lidade da terapia combinada
Heccus® em todas as suas modalidades de tratamento: sonoforese
tridimensional, sonoeletroporação, corrente Aussie e corrente polarizada, sendo
assim, possiv́ el inferir sua efetividade no tratamento da LDG e da gordura
localizada.
TRATAMENTO DE RUGAS: UMA REVISÃ O BIBLIOGRÁFICA SOBRE
CARBOXITERAPIA, RADIOFREQUÊNCIA E MICROCORRENTE

INTRODUÇÃ O
A pele é considerada o maior órgão do corpo humano e desenvolve várias
funções como a de proteção do organismo contra as agressões externas, mas
com o avançar da idade, os tecidos passam por mudanças, sendo que na pele,
as alterações tornam-se mais visiv́ eis (SOARES et al. 2012). As rugas são um
dos sinais mais perceptiv́ eis do envelhecimento, aparecem ao redor dos olhos,
lábios, testa. Ao longo dos anos surgiram muitas técnicas para tratamentos
faciais decorrentes do envelhecimento, os quais que por sua rápida recuperação
não exigem interrupção da vida social e até do trabalho (RAMOS, s.d.).
Para amenizar este processo de envelhecimento surgem no mercado da
estética, equipamentos indolores, que tem por finalidade irrigar e melhorar a
aparência do tecido cutâneo, além de estimular a formação do colágeno (SILVA;
HANSEN e STURZENNEGER, s.d.).
O presente trabalho teve como por objetivo destacar a eficácia dos tratamentos
eletroterapêuticos: carboxiterapia, radiofrequência e microcorrente, quando
aplicados nas rugas em mulheres, além de abordar os aspectos envolvidos no
envelhecimento da pele, descrever os resultados das terapias no aspecto facial.

Carboxiterapia
Paolo et al. (2012) em seu estudo analisou 90 voluntárias as quais foram
submetidas a técnica da carboxiterapia em rugas na região mediana da pálpebra
inferior e olheiras ao redor dos olhos. As pacientes foram avaliadas antes e 2
meses após o tratamento por meio das escalas analógicas visuais e
documentação fotográfica. Foram realizadas uma sessão semanalmente,
durante 7 semanas. Ao final do perio ́ do de estudo, as pacientes relataram uma
redução de linhas finas e rugas faciais, bem como uma diminuição da
hiperpigmentação periorbital. Miranda e Carmo (s.d.) realizaram um estudo com
a voluntária C.H.M., 42 anos, inicialmente foi feita uma coleta de dados através
de uma ficha de anamnese. Foram realizadas duas sessões por semana, cada
sessão de 30 min., totalizando 10 sessões. A cada sessão foi realizada a
higienização da pele e tonificação, seguido de aplicação da carboxiterapia,
finalizando com aplicação de fotoprotetor solar. Ao final do estudo observou- se
que a voluntária apresentou melhora na viscosidade da pele, com diminuição de
olheiras e bolsa palpebral, diminuição da profundidade das rugas em região
frontal e elevação de arco zigomático, melhora do contorno facial como um todo
e aspecto de hidratação.

Radiofrequência
Nos estudos feitos por Busnardo e Azevedo (s.d.) foi realizada uma amostra com
16 voluntárias, com idade entre 50 e 60 anos, as selecionadas foram divididas
em dois grupos, sendo o grupo A experimental e o grupo B de controle. Foram
feitas avaliações pré e pós em ambos os grupos através de uma ficha de
avaliação facial e fotografias. A radiofrequência foi aplicada a uma temperatura
entre 38oC e 40oC, 1 vez por semana, 40 min. cada sessão, durante 8 semanas.
Verificou-se uma melhora significativa do grupo experimento em relação ao de
controle. Através da pesquisa puderam concluir que a radiofrequência é um
recurso eficaz quando bem indicado para atenuação e tratamento das rugas e
flacidez da face.
Silva; Hansen e Sturzenegger (s.d.) realizaram uma amostra com 5 voluntárias,
com idade entre 35 e 55 anos, primeiramente foi realizada uma anamnese. No
inić io de todas as sessões foram realizadas higienização do rosto. O rosto de
cada voluntária foi divido em 6 zonas designadamente. A temperatura da
radiofrequência foi entre 37oC a 40 oC, em cada região selecionada a aplicação
foi de três minutos, o procedimento foi finalizado utilizando protetor solar na pele.
As sessões foram realizadas semanalmente, cada sessão de 30 minutos,
durante cinco semanas. De acordo com os autores as cinco sessões de
radiofrequência demonstram melhoras efetivas no estado de flacidez de pele,
rugas e linhas de expressão do rosto das voluntárias.
Enquanto Wollina (2011) em sua amostra analisou 20 voluntárias entre 37 a 78
anos de idade, foi usado gel condutor sobre a pele antes da aplicação da RF em
um total de 3 ses- sões com intervalo de 2 semanas. Observou-se melhora da
flacidez de pele e rugas finas após o segundo tratamento em 19 dos 20 pacientes
e após o terceiro tratamento em 100% dos pacientes.

Microcorrente
Felipe (2011) para a pesquisa a amostra contou com 8 voluntárias, na faixa etária
de 45 a 55 anos. Para a coleta de dados foi utilizado uma avaliação
fisioterapêutica e registros fotográficos. Além disso, as voluntárias também
reportaram suas percepções em relação sobre suas rugas. Ao final todas as
mulheres observaram que o tratamento com microcorrente promoveu a
suavização das rugas. Concluiu-se através da comparação visual das imagens,
uma significativa amenização das rugas da região orbicular do olho de todas as
pacientes, além de uma boa melhora no aspecto estético quando analisados
pelas autoras, foi possiv́ el verificar que com apenas 10 sessões os resultados
foram satisfatórios.
Jackson; Durães e Piazza (s.d.) o estudo inicialmente foi composto por 9
voluntárias, com idade entre 40 e 55 anos, para a coleta de dados foi utilizado
uma ficha de anamnese e registros fotográficos pré e pós-tratamento. Foram
realizadas 12 sessões, de 30 min cada, em cada sessão foi realizada a
higienização, aplicação da técnica eletroterapêutica microcorrente, e na
finalização protetor solar. Das voluntárias 6 concluiŕ am, 2 desistiram antes do
término, 1 apresentou alergia a corrente elétrica. Ao final do estudo observou-se
melhora no aspecto geral da pele de todas as voluntárias, 5 delas apresentaram
suavização nas rugas na região orbicular dos olhos, do sulco nasolabial e
principalmente em todas houve melhora da flacidez.
Oliveira (2011) em seu estudo analisou uma voluntária, inicialmente aplicou-se
um protocolo de anamnese, avaliação e registros fotográficos. Antes de cada
sessão foi realizada uma limpeza de pele profunda seguida do tratamento por
microcorrente, foram realizadas 8 sessões, com duração de 1 hora, com
intervalos de dois dias entre elas e intercalado 4 sessões. A voluntária relatou
que sentia sua pele mais suavizada, e com uma textura diferente. Segundo a
autora os resultados foram bem satisfatórios, visto que o intuito do estudo era a
melhoria das disfunções cutânea como a perda do viço e brilho, alterações da
pigmentação, linhas de expressão e as rugas.

CONSIDERAÇÕ ES FINAIS
Através deste estudo por meio de revisão bibliográfica, concluiu-se que embora
fatores hereditários tenham papel fundamental na maneira como ocorre o
envelhecimento cutâneo, principalmente facial, existem medidas preventivas
para retardar as inevitáveis marcas do tempo como o surgimento das rugas,
tendo como exemplos o ato de não fumar, evitar uma má alimentação, e a
ingestão excessiva de bebidas alcoólicas.

Apesar da existência de vários recursos eletroterapêutico, o presente trabalho


focou-se somente em três carboxiterapia, radiofrequência e microcorrente,
através da análise dos resultados encontrados em alguns estudos, foi possiv́ el
concluir que são técnicas eficazes nas disfunções estéticas faciais,
principalmente na atenuação e melhora das rugas nas mulheres, outros
resultados obtidos foram diminuição da hiperpigmentação periorbital, bolsas
palpebrais, linhas de expressões, melhora na flacidez de pele.
As técnicas são seguras e sem grandes contraindicações, entretanto é
importante que para aplicação de qualquer uma delas seja um profissional
habilitado e treinado, com pleno conhecimento dos equipamentos, além das
reações adversas, afim de que se possa chegar a um resultado satisfatório na
disfunção facial a ser tratada.

ANÁLISE DOS EFEITOS DA UTILIZAÇÃ O DA MICROGALVANOPUNTURA E


DO MICROAGULHAMENTO NO TRATAMENTO DAS ESTRIAS ATRÓFICAS

INTRODUÇÃ O
Comumente são encontrados diferentes distúrbios dermatológicos em ambos os
sexos na população, com certo predomin ́ io feminino (ROCHA, K. C. S., 2014).
Entre estas alterações, estão as estrias cutâneas, que se caracterizam por uma
atrofia linear plana, com diminuição da espessura tissular, decorrente da redução
do número e volume de seus elementos dérmicos e representada por
adelgaçamento, pregueamento, ressecamento, menor elasticidade e rarefação
de pelos na pele. Dessa forma, a caracterização das estrias e seus fatores
etiológicos podem ser determinantes na escolha da terapêutica mais adequada
(WHITE, P. A. S. et al., 2006; REZENDE, P. A. et al., 2016). Existem muitas
modalidades que podem ser utilizadas tanto na prevenção quanto no tratamento
das estrias atróficas, entretanto, o seu prognóstico dependerá do tempo de
instalação, profundidade e espessura da lesão (SATO,M.S. et al., 2009; AL‐
HIMDANI, S. et al., 2014). Entre os inúmeros tratamentos terapêuticos,
encontram-se a carboxiterapia, o tratamento com laser, microdermoabrasão,
radiofrequência, vacuoterapia, peelings, microgalvanopuntura e indução
percutânea de colágeno com o microagulhamento, que são recomendados
nesse tipo de afecção estética visando à regeneração do tecido estriado
(MOREIRA et al., 2013; MCCRUDDEN, M. T. et al., 2015).

A microgalvanopuntura consiste no uso de uma corrente galvânica com a


finalidade de provocar um processo inflamatório que determinará a regeneração
tecidual. O trauma provocado pela agulha associado aos efeitos da corrente
galvânica aumenta a atividade metabólica local, com formação de tecido
colagenoso, que preenche a área degenerada (ACOSTA REBONATO, Thaiza et
al., 2012). Já o microagulhamento, utiliza-se de agulhas longas o suficiente para
atingir a derme e desencadear, com o sangramento, estim ́ ulo inflamatório que
resultaria na produção de colágeno no tratamento de cicatrizes deprimidas
(LIMA, E. A. et al., 2013).
Neste contexto, a literatura tem mostrado a efetividade de diferentes terapêuticas
no tratamento de estrias atróficas. No entanto, até o presente momento, não se
encontrou na literatura o efeito da microgalvanopuntura comparado ao
microagulhamento. Assim, com o intuito de melhorar a autoestima dos indivíduos
com esta afecção estética e representar uma alternativa prática e segura neste
tipo de tratamento na área da dermatofuncional, o estudo tem por objetivo avaliar
os efeitos da microgalvanopuntura em comparação ao microagulhamento em
estrias atróficas albas.

MÉTODO
Trata-se de um estudo quase-experimental não controlado composto por 10
voluntárias do sexo feminino, saudáveis, selecionadas por conveniência, com
idade variando entre 20 e 44 anos e estrias atróficas albas, em diferentes áreas
corporais.
Após as avaliações, as voluntárias iniciaram os protocolos de intervenção, que
consistiram na aplicação da microgalvanopuntura no hemicorpo direito e indução
percutânea de colágeno com microagulhamento no hemicorpo esquerdo, em
quatro sessões, com duração média de uma hora para cada sessão e intervalo
de uma semana entre elas. As voluntárias foram reavaliadas após 7 dias da
última intervenção e o nível de satisfação verificado a partir da Escala de Melhora
Estética Global (Global Aesthetic Improvement Scale – GAIS), onde os
resultados foram classificados como pior, sem alteração, melhor, bem melhor ou
muito melhor.
RESULTADOS
Em relação à avaliação dos resultados utilizando-se tanto a planimetria clássica
quanto a digitalizada na análise intragrupo, ou seja, comparando-se os
resultados da estria tratada do lado esquerdo com a do lado direito na mesma
voluntária, não houve diferenças estatisticamente significativas em relação às
técnicas de microagulhamento e microgalvanopuntura. A comparação
intergrupos, entre as técnicas de microagulhamento versus microgalvanopuntura
não mostrou diferenças estatisticamente significativas tanto na análise da
planimetria clássica, quanto na planimetria digitalizada, respectivamente.

DISCUSSÃO
A literatura tem comprovado a eficácia de diversas técnicas na melhora estética
da pele estriada, destacando-se, entre elas, a microgalvanopuntura e, mais
recentemente, a terapia por indução de colágeno conhecida como
microagulhamento. Porém, este estudo foi o primeiro a comparar os efeitos
destas duas intervenções em estrias.
Os resultados encontrados apontam uma melhora na área estriada e na
percepção dos indivíduos em ambos os grupos de tratamento, conforme
observado pela escala de Melhora Estética Global, em que todas as voluntárias
referiram satisfação em relação ao tratamento.
Concordando com os achados, Bandeira de Mello et al (2014), em estudo com
10 sessões de microgalvanopunturado micro, relataram que todas as pacientes
apresentaram satisfação em relação ao tratamento observando alteração visual
do aspecto da pele. Da mesma forma, Aust et al (2008), relataram melhora no
estado geral da pele através da análise por escala visual analógica em 15
pacientes com estrias submetidas à técnica de microagulhamento.
Um fator que pode ter contribuído com os resultados foi a composição amostral,
constituída por voluntárias jovens, com tempo de reparação tecidual menor em
comparação a peles mais maduras, pois segundo Machado (2014), o processo
de envelhecimento parece ser um fator de atraso à colagênese, decorrente da
diminuição do metabolismo celular.
Sabe-se que, no processo de envelhecimento, há uma desaceleração na
atividade metabólica com consequente declínio da replicação fibroblástica,
diminuição da elasticidade, nutrição e hidratação da derme, a qual se torna mais
densa, fato não verificado no perfil amostral, apesar dos resultados obtidos em
relação à ingesta hídrica de água estarem abaixo do recomendado pela literatura
(TOMASINO, F. et al., 2014).

CONCLUSÃO
Embora não tenha havido diferença entre os recursos terapêuticos utilizados,
tanto o microagulhamento quanto a microgalvanopuntura mostraram eficácia
nos resultados de estrias atróficas albas e na satisfação das voluntárias.
Contudo, este estudo apresenta algumas limitações, como: ausência de grupo
controle, randomização, análise histológica e tamanho amostral reduzido. Dessa
forma, novos estudos com métodos mais rigorosos e com tempo maior de
acompanhamento se fazem necessários.

̃ da neocolagênese através da radiofrequência


Estimulaçao

Introdução: A aparência tem preocupado o homem desde a antiguidade levando


a práticas cosméticas e cirúrgicas que exploram a vaidade. A pele é o órgão mais
evidente do corpo humano, tornando-se um marcador real da idade cronológica
e importante para o psiquismo do indivíduo, pois o envelhecimento é um
processo dinâmico e imutável que atinge todos os sistemas do organismo
levando a alterações cutâneas provocadas pelo tempo atingindo dimensões
mais abrangentes que a simples coloração, textura e elasticidade. A
radiofrequência é um tipo de corrente de alta frequência que gera calor por
conversão, atingindo profundamente as camadas tissulares, promovendo a
oxigenação, nutrição e vasodilatação dos tecidos.

Objetivo: Analisar se a radiofrequência promove estimulação do colágeno,


amenizando os sinais do envelhecimento cutâneo.

Métodos: Trata-se de uma revisão de literatura.

Discussão: A radiofrequência é indicada em todos os processos degenerativos


que impliquem na diminuição ou retardo do metabolismo, irrigação e nutrição,
sendo usado geralmente nas patologias crônicas. Os efeitos térmicos da
radiofrequência provocam a desnaturação do colágeno promovendo imediata e
efetiva contração de suas fibras, ativando fibroblastos e ocorrendo a
neocolagenização em diâmetro, espessura e periodicidade, levando a
reorganização das fibras colágenas e subsequente remodelamento do tecido.

Considerações finais: Conclui-se, portanto, que os efeitos térmicos produzidos


pela radiofrequência no tecido subcutâneo não só promove contração das fibras
colágenas, ativando os fibroblastos, e produzindo novas fibras de colágeno
(neocolagênese), como também promove a contração das fibras elásticas,
levando a produção de neoelastogênese.

Fundamentos de criolipólise

INTRODUÇAO

A criolipólise é caracterizada pelo “resfriamento” localizado do tecido adiposo


subcutâneo de forma não invasiva, com temperaturas em torno de -5 a -15 oC,
causando uma paniculite fria localizada e provocando morte adipocitária por
apoptose. Em virtude da grande variedade de equipamentos, assim como, de
uma grande oferta de tratamentos onde não se vê padronização do
procedimento, gerando protocolos de atendimento duvidosos e inconsistentes,
este estudo teve por objetivo, elucidar alguns elementos de fundamentação da
técnica de criolipólise a fim de prover o entendimento necessário para a
realização de um procedimento terapêutico eficiente.