Você está na página 1de 5

PLANO DE ENSINO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO
Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe
Curso: Ciências Biológicas
Professores: Debora Ceretta Jung deborajung@uniarp.edu.br
Período/ Fase: 6º Semestre: 2º Ano: 2012
Disciplina: Educação Ambiental Carga Horária: 60 horas/aula

EMENTA
O compromisso da escola em relação ao meio ambiente. Princípios e
fundamentos da Educação Ambiental (EA). Concepções de educação
ambiental que sustenta nossa prática cotidiana. Histórico, objetivos, diretrizes e
práticas da Educação Ambiental Emancipatória. A educação ambiental no
currículo nacional. Subsídios para a prática da EA emancipatória. Estudo da
Política Brasileira de EA. Organização, representação e participação social.. A
EA e a cidadania. O papel social do biólogo na mudança de valores para a
preservação do ambiente. A percepção e análise da realidade ambiental. A
relação entre EA e qualidade de vida. Vertentes de educação ambiental. A ação
do homem sobre o meio ambiente. Projetos, roteiros, reflexões e atividades de
EA voltados à comunidade - ação educativa. Integração dos diversos setores
sociais e o meio ambiente. A problemática do desenvolvimento econômico, a
sustentabilidade e a Educação Ambiental.

OBJETIVO GERAL DA DISCIPLINA


 Desenvolver o interesse em promover a Educação Ambiental, para que esta seja uma
constante na vida das pessoas que nos cercam, realizando em planos e ações projetos
que visem a qualidade de vida de todos que nos cercam, sejam animais, vegetais ou
outros seres da natureza.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS DA DISCIPLINA


 Desenvolver o senso de interação com o meio sem o prejudicá-lo
 Promover o conhecimento de forma integrada reconhecendo no passado a resposta do
presente.
 Estabelecer entre a EA e a escola uma forma de parceria para que tenhamos uma vida
mais saudável e adequada as necessidades do planeta.
 Conhecer e interpretar algumas leis que promovem a preservação ambiental,
justificando a importância da EA.
 Reconhecer na economia de nosso país uma forma de colocar o humano não mais
como vilão, mas sim como agente de construção e preservação.
 Elaborar após final do semestre um plano de ação que ajude alunos e professores a
falar a mesma linguagem ambiental.
 Criar um conceito de EA, que possa ser seguido por alunos de todas as idades, oriundo
da realidade de nossa cidade.

RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES
 Esta disciplina tem como parcerias as disciplinas de: ecologia, botânica, zoologia,
geologia, bioquímica, biofísica, anatomia, fisiologia.

HABILIDADES REQUERIDAS E COMPORTAMENTO ESPERADO


Capacidade de conscientização a partir de práticas ecologicamente corretas;

Respeito a Educação Ambiental, buscando a interdisciplinaridade no âmbito escolar.

Propagar conhecimentos, disseminando a cultura da proteção e não da devastação


destruição.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

 O compromisso da escola em relação ao meio ambiente. Princípios e


fundamentos da Educação Ambiental (EA).
 Concepções de educação ambiental que sustenta nossa prática
cotidiana.
 Histórico, objetivos, diretrizes e práticas da Educação Ambiental
Emancipatória.
 A educação ambiental no currículo nacional. Subsídios para a prática
da EA emancipatória.
 Estudo da Política Brasileira de EA.
 Organização, representação e participação social.
 A EA e a cidadania.
 O papel social do biólogo na mudança de valores para a preservação
do ambiente.
 A percepção e análise da realidade ambiental.
 A relação entre EA e qualidade de vida. Vertentes de educação
ambiental. A ação do homem sobre o meio ambiente.
 Projetos, roteiros, reflexões e atividades de EA voltados à
comunidade - ação educativa. Integração dos diversos setores sociais e
o meio ambiente.
 A problemática do desenvolvimento econômico, a sustentabilidade e a
Educação Ambiental.

ESTRATÉGIAS DE ENSINO
As aulas ocorrerão nas datas previstas, contando com material elaborado pela professora
e livros previamente selecionados na biblioteca. Serão feitas exposições orais e escritas,
solicitando do aluno participação efetiva, bem como atividades a serem realizadas em sala
de aula, como questionários e aulas práticas, estas acontecerão nos laboratórios que
forem necessários para o aprendizado.
Atividades:
 Aulas expositivas e dialogadas;
 Aulas práticas com visitas a lugares especiais para EA
 Entrevistas
 Filmes/ Vídeos técnicos

SISTEMA DE AVALIAÇÃO

Serão considerados instrumentos de avaliação:


A participação efetiva de todas as aulas de Educação Ambiental;
A entrega dos trabalhos nas datas previamente marcadas (pontualidade)
Prova sem consulta
Prova com consulta
Trabalho de questionários elaborados pela professora
Trabalhos de entrevistas e posteriores conclusões
Debate sobre assunto previamente estudado
Apresentação oral de conteúdos sugeridos pela professora em forma de
seminários.

BIBLIOGRAFIA

BROWN, Lester (org.). Salve o planeta! Qualidade de vida. São Paulo: Globo,
1994.
BRUGGER, Paula. Educação ambiental ou adestramento? Florianópolis: Letras
Contemporâneas, 1999.
BULL, D & HATHAWAY, D. Pragas e venenos: agrotóxicos no Brasil e noterceiro
mundo . Rio de Janeiro: Vozes/Oxfam/Fases, 1986.
CAVALCANTI, Clóvis (org.). Desenvolvimento e natureza: estudos para uma
sociedade sustentável. São Paulo: Cortez, 1998.
CARVALHO, Isabel C. de M. A invenção ecológica: narrativas e trajetórias da
educação ambiental no Brasil. Porto Alegre: UFRGS. 2001
CAPRA, Fritjof. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas
vivos. São Paulo: Coltrix, 1996.
CMMAD. Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: FGV, 1988.
CAPELETTO, Armando Jose. Biologia e educação ambiental: roteiros de
trabalho. São Paulo: Atica, 1992.
DIAS, Genebaldo F. Educação Ambiental: princípios e práticas. 6. ed. São Paulo:
Gaia, 2000.
FUNEZ, Leonilda Maria. A educação ambiental como processo emancipatório:
tensões, conflitos e ações pedagógicas no contexto dos atingidos por barragens na
bacia hidrográfica do Rio Uruguai. Caçador : UnC, 2002
GRÜN, Mauro. Ética e educação ambiental: conexão necessária. Campinas:
Papirus, 2000.
LAUREIRO, Carlos F. B. (Org.) Sociedade e meio ambiente: a educação
ambiental em debate. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.
_______________. Educação ambiental: repensando espaço da cidadania. São
Paulo: Cortez, 2002.
LEIS, Héctor R. (org). Ecologia e política mundial. Rio de Janeiro: Vozes/Fase,
1987.
NOAL, Fernando, O. & BARCELOS, Valdo H. de L. (Org.). Educação ambiental e
cidadania: cenários brasileiros. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2003.
PEDRINI, Alexandre de G. (org.). Educação ambiental: reflexões e práticas
contemporâneas. Petrópolis: Vozes, 1997.
PINHEIRO, Sebastião Ladrões da natureza: uma reflexão sobre a biotecnologia e
o futuro do planeta. Ipê/RS , Fundação Junquira Caudirú: 1998.
PINHEIRO, Sebastião. Agropecuária sem veneno. Porto Alegre: L&PM editores,
1985.
REIGOTA, Marcos. A floresta e a escola: por uma educação ambiental pós-
moderna. São Paulo: Cortez, 1999.
_______________. Meio ambiente e representação social. São Paulo: Cortez,
1995.
__________ Verde cotidiano: o meio ambiente em discussão. Rio de Janeiro:
SEPE/RJ; DP&ª 1999.
QUINTAS, José, S. (org.) Pensando e praticando a educação ambiental na
gestão do meio ambiente. Brasília: IBAMA, 2000.
SOUZA, Nelson M. Educação ambiental: dilemas da prática contemporânea. Rio
de Janeiro: Thex Ed.: Universidade Estácio de Sá, 2000.
UNIVILLE. Revista saúde e ambiente: saúde ambiental, educação ambiental.
Joinville: Univille, 2000/ IBDT, 1999.
SATO, M. & SANTOS, José E. Agenda 21 em sinopse. São Carlos: EDUFSCar,
1999.
Universidade Federal de Viçosa. Ação ambiental. Viçosa: UFV, 1999.
VIANNA, Aurélio. Educação ambiental: uma abordagem pedagógica dos temas da
atualidade. Rio de Janeiro, 1994.
VIEZZER, Moema L. & OVALLES, Ovalles ( org.). Manual latino-americano de
educação ambiental. São Paulo: Gaia, 1994.
VIOLA, Eduardo J. & LEIS, Héctor R. & SCHERER-WARREN, Ilse. Meio ambiente,
desenvolvimento e cidadania: desafios para as ciências sociais. 2. ed. São
Paulo: Cortez; Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 1998.
ZEPPONE, R. M. Educação ambiental: teorias e práticas escolares. Araraquara:
JM, 1999.