Você está na página 1de 61

FACULDADE INTEGRADA SANTO AUGUSTO

CNPJ: 07.636.719/0001-62 / Port. MEC 1.097 de 04/09/2008

RELATÓRIO DE
ESTÁGIO SUPERVISIONADO
Curso: Teorias em Educação Física - Licenciatura

CONCÓRDIA DO PARÁ
2016

1
ANTONIO SIDNEY DE OLIVEIRA FIGUEIREDO

Faculdade Integrada Santo Augusto – FAISA.


Estágio Supervisionado: Teorias em Educação Física - Licenciatura.
Orientador: Prof. Dr. Evanildo Bragança Mendes / FAISA.
Cidade Pólo: Concórdia do Pará.

CONCÓRDIA DO PARÁ
2016
2
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ........................................................................................................ 4
2. JUSTIFICATIVA...................................................................................................... 5
2.1. Obrigatoriedade do Estágio .................................................................................. 5
3. OBJETIVOS ............................................................................................................ 7
3.1. Objetivo Geral ...................................................................................................... 7
3.2. Objetivos Específicos ........................................................................................... 7
4. DINÂMICAS DO ESTÁGIO ..................................................................................... 7
5. RECURSOS HUMANOS......................................................................................... 8
6. ATRIBUIÇÕES DOS ENVOLVIDOS NO ESTÁGIO ............................................... 8
6.1. Obrigações e Atribuições da Instituição de Ensino .............................................. 9
6.2. Obrigações e Atribuições da Concedente ............................................................ 9
6.3. Obrigações e Atribuições do Estagiário ............................................................. 10
7. REGRAS GERAIS PARA EXECUÇÃO DO ESTÁGIO ........................................ 11
8. ETAPAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ....................................................... 12
8.1. Estágio I - Ensino Fundamental I (1º ao 5º ano)................................................. 12
8.2. Estágio II - Ensino Fundamental II (6º ao 9º ano)............................................... 12
8.3. Estágio III - Ensino Médio (1º ao 3º ano) ............................................................ 12
8.4. Estágio IV – Academia de Musculação .............................................................. 12
9. ATIVIDADES PARA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA .......................................... 12
9.1. Relatos de observações, participações, regências e demais atividades
desenvolvidas no Ensino Fundamental I. .................................................................. 14
9.2. Relatos de observações, participações, regências e demais atividades
desenvolvidas no Ensino Fundamental II. ................................................................. 18
9.3. Relatos de observações, participações, regências e demais atividades
desenvolvidas no Ensino Médio. ............................................................................... 26
9.4. Relatos de observação, participação, regência e demais atividades
desenvolvidas em academia de musculação. ........................................................... 29
10. Critérios para avaliação .................................................................................... 33
11. ANEXO I - Pasta de Estágio .............................................................................. 34
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .......................................................................... 35

3
1. INTRODUÇÃO

O presente Estágio Supervisionado constituiu-se em um trabalho de campo,


em que as atividades práticas e teóricas foram realizadas a partir de uma
experiência adquirida, previamente ou simultaneamente ao curso e ao estágio.

Sendo parte obrigatória e importante para o aprendizado pedagógico do


acadêmico, tanto na teoria, quanto na prática do curso de Educação Física da Faisa
Faculdades, pólo de Concórdia do Pará, essa foi à oportunidade concreta de
observar, participar e de reger minha própria aula antes mesmo de sair da
faculdade, cujo objetivo foivivenciar as oportunidades diárias das práticas
pedagógicas em escolas e academias de musculação, além de analisar o contexto
educacional e fitness em que atua o profissional em questão, com a expectativa de
poder observar as atividades pedagógicas; participar de forma dinâmica nas aulas
do professor de Educação Física; reger aulas aplicando metodologias baseadas no
contexto educacional; acompanhar e participar do cotidiano das academias de
musculação; possibilitar a troca de experiências entre o acadêmico e o professor de
campo e poder planejar ações interdisciplinares relacionadas com os conteúdos
durante o período de formação.

A dinâmica do estágio se deu na Escola Municipal de Ensino Fundamental


Nossa Senhora de Guadalupe, Escola Municipal de Ensino Fundamental Cristo
Libertador, Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Amabilio Alves Pereira
e na Academia de Musculação Corpo Perfeito, conveniadas com a Faisa
Faculdades, desenvolvido pelasetapas de Observação, Participaçãoe Regência, sob
asupervisão dos professores/orientadores de Campo: Professora Eliza Gonçalves
dos Reis Ribeiro, Professora Erica Fanjas Ferreira e Instrutora Ruthilene Oliveira
Basílio, tendo como Orientador de Estágio (FAISA) o professor. Dr. Evanildo
Bragança Mendes e como estagiário o acadêmico Antonio Sidney de Oliveira
Figueiredo. Este relatório foi elaborado de maneira a confirmar a qualidade e a
natureza dos registros diários vivenciados neste Estágio Supervisionado. A
documentação obtida durante o estágio foi organizada em pasta e entregue ao
professor Orientador da Faisa Faculdades para avaliação e validação do presente
Estágio Supervisionado.
4
2. JUSTIFICATIVA

2.1. Obrigatoriedade do Estágio

O Estágio Supervisionado é parte obrigatória e importante para o aprendizado


pedagógico do acadêmico, tanto na teoria, quanto na prática. É a oportunidade
concreta de observar, participar e de reger sua própria aula antes mesmo de sair da
faculdade, é viver a realidade de campo colocando em prática tudo o que aprendeu
durante o Curso de Educação Física.

Faria Junior et al. (1987, p. 7-8) consideram que a Educação Física é:

[...] uma das formas como a Educação se apresenta que maisprivilégios têm
no que concerne a estudar o comportamentodo aluno e suas
transformações, uma vez que ela não se limitaapenas a fornecer subsídios
para o seu desenvolvimento físico,mas também se preocupa com outros
aspectos indispensáveisao desenvolvimento da sua personalidade. Como a
finalidadeda educação é o ‘desenvolvimento integral da
personalidadehumana’ e como isto ‘será o resultado cumulativo das
pequenasconquistas obtidas, parcelada e paulatinamente, durante todo
otempo que durar a ação educativa’, as observações feitas peloprofessor de
Educação Física, continuamente, constituem fatorimportantíssimo na
avaliação de seus alunos, onde ele podeconstatar a obtenção dessas
conquistas, tão significativas noprocesso educativo.

É o Estágio Supervisionado que propicia ao aluno estagiário, por meioda


observação, da participação e da regência a familiarização com os componentes do
processo ensino-aprendizagem, tendo a oportunidade de analisar, construir e aplicar
deforma detalhada aspectos que lhes serão úteis na direção de uma aula.

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação – LDB 9.394/96, que orienta a


elaboração das Diretrizes Curriculares dos Cursos de Graduação, destaca a questão
dos estágios, atribuindo-lhes importância na formação para o trabalho, como um dos
articuladores privilegiados da relação entre teoria e prática. Paralelamente o
Ministério Público do Trabalho exigi o cumprimento da Lei 6.494/77 - a Lei do
Estágio - pelas instituições de Ensino Superior, naquilo que ascompete: A
supervisão dos estágios obrigatórios ou não obrigatórios, garantindo-lhes o caráter
pedagógico.

5
O Parecer CNE/CP 009, de 2001, orienta que a organização do tempo do
estágio precisa ser densa e contínua, para que o aluno-estagiário possa vivenciar a
rotina do trabalho pedagógico durante um período que lhe possibilite o
acompanhamento das propostas da escola, as diferentes dimensões do trabalho do
professor; aspectos necessários para que possa compreender “sem achismos” a
dinâmica do processo ensino-aprendizagem.

A estruturação do Estágio Supervisionado foi realizada considerando-se o que


preconiza a Lei Federal 6.494/77, o decreto 87.497/82 e a Lei Federal número
11.788, de 25 de setembro de 2008, que dispõem sobre o Estágio Curricular
Supervisionado.

Diz o Parecer CNE/CP 21/2001:

Neste sentido, é indispensável que o estágio curricular supervisionado, tal


como definido na Lei 6.494/77 e suas medidas regulamentadoras
posteriores, se consolide a partir do início da segunda metade do curso,
como coroamento formativo da relação teoria-prática e sob a forma de
dedicação concentrada. Assim, o estágio curricular supervisionado deverá
ser um componente obrigatório da organização curricular das licenciaturas,
sendo uma atividade intrinsecamente articulada com a prática e com as
atividades de trabalho acadêmico.

Como parte integrante do currículo do curso, o Estágio Supervisionado


constitui-se de uma atividade da grade curricular, de modo que sua realização é
condição para a integralização do currículo. Nessa modalidade de estágio, é dever
do aluno frequentar uma escola de nível fundamental e médio para a sua realização,
cujas vivências possam contribuir para a sua formação profissional. Tais vivências,
fundamentadas em atos reflexivos, serão registradas em relatórios (pasta de
estágio), os quais serão submetidos à apreciação da coordenação e do professor de
estágio.

Por ser parte integrante do currículo pleno dos cursos de graduação, deverá
ser cumprido pelo aluno para a integralização da carga horária total exigida. Como
as demais atividades, se sujeitam às regras estabelecidas pelaFAISA -
FACULDADES e pela legislação vigente.

6
3. OBJETIVOS

3.1.Objetivo Geral

Vivenciar as oportunidades diárias das práticas pedagógicas em escolas e


academias de musculação, objetivando ainda, analisar o contexto educacional e
fitness em que atua o profissional de Educação Física.

3.2. Objetivos Específicos

 Observar as atividades pedagógicas no contexto educacional;


 Participar de forma dinâmica nas aulas do Professor de Educação Física, sem
interferir no seu planejamento;
 Reger aulas de Educação Física aplicando metodologias baseadas no contexto
educacional;
 Acompanhar e participar do cotidiano em academias de musculação para o fim de
adquirir conhecimento e pôr em prática o aprendizado obtido na faculdade;
 Possibilitar a troca de experiências entre o acadêmico e o Professor de Campo,
para a construção do processo ensino-aprendizagem;
 Vivenciar situações reais tanto nas escolas, quanto nas academias para adquirir
conhecimentos, avaliando-os e replanejando ações coerentes, se necessário for;
 Planejar e desenvolver atividades interdisciplinares relacionadas com os
conteúdos durante o período de formação.

4. DINÂMICAS DO ESTÁGIO

O Estágio Supervisionado foi desenvolvido nas seguintes escolas: Escola


Municipal de Ensino Fundamental Nossa Senhora de Guadalupe, Escola Municipal
de Ensino Fundamental Cristo Libertador e Escola Estadual de Ensino Fundamental
e Médio Amabilio Alves Pereira e na Academia de Musculação Corpo Perfeito,
conveniadas com a Faisa Faculdades. As três fases de estágios vividas foram:
Observação, Participaçãoe Regência, todas desenvolvidas conforme calendário
escolar e horário pré-estabelecido pelas instituições, nos dias de segunda,

7
terça,quarta, quinta e sexta feira em período matutino e vespertino sob o
acompanhamento dos professores/orientadores de Campo: Professora Eliza
Gonçalves dos Reis Ribeiro, Professor Erica Fanjas Ferreira e Instrutora Ruthilene
Oliveira Basílio, tendo como Orientador de Estágio (FAISA) oprofessor. Dr. Evanildo
Bragança Mendes e como estagiário o acadêmico Antonio Sidney de Oliveira
Figueiredo. As atividades foram anotadas em fichas padronizadas pelo Núcleo de
Estágio Supervisionado da FAISA que recebeu as assinaturas dos responsáveis. O
relatório foi elaborado de maneira a confirmar a qualidade e a natureza dos registros
diários vivenciados neste Estágio Supervisionado. A documentação obtida durante o
estágio foi organizada em pasta e entregue ao professor Orientador (da FAISA).

O primeiro momento do estágio foi para observar as características físicas,


administrativas e pedagógicas da escola, bem como, o formato pedagógico de
ensino do Professor de Educação Física. Em um segundo momentonaparticipação
conjunta com o professor durante as aulas inerentes ao ensino-aprendizagem, quer
seja na sala de aula, ou fora dela. No terceiro momento foi realizada a regência
aplicando nas aulas, metodologias de acordo com a proposta pedagógica da escola
e os parâmetros curriculares de forma coerente a possibilitar o ensino-aprendizagem
dos alunos. Ao final, o estagiário elaborou o Relatório contendo todas as
informações necessárias que servirá como base para avaliação de mais uma etapa
de conclusão do Curso de Licenciatura Plena em Educação Física da Faisa
Faculdades.

5. RECURSOS HUMANOS

Além do estagiário acadêmico da Faisa, oEstágio Supervisionado envolveu a


coordenação de estágio, o professor orientador de estágios da Faisa, o professor
supervisor de campo dasescolas, diretores, instrutor de academia, agentes
administrativos e o público alvo principal, os alunos.

6. ATRIBUIÇÕES DOS ENVOLVIDOS NO ESTÁGIO

As partes identificadas no Programa de Estágio Obrigatório são regidas pelas


seguintes atribuições e compromissos, que visam o cumprimento do Estágio Supervisionado
do acadêmico, neste representado.
8
6.1. Obrigações e Atribuições da Instituição de Ensino

a. Aprovar o estágio de que trata o presente instrumento, considerando as


condições de sua adequação a proposta pedagógica de curso, a etapa e
modalidade da formação do Estagiário, ao horário do estágio, ao calendário
escolar e a disponibilidade das respectivas unidades;
b. Pactuar a programação das atividades do estágio/praticas a serem
realizadas com o Corpo Técnico da Unidade, com antecedência mínima de 45
(quarenta e cinco) dias;
c. Aprovar o Plano de Atividade do Estágio, parte integrante do Termo de
Compromisso de estágio, que consubstancia as condições e requisitos
suficientes a exigência legal e adequada a etapa e modalidade da formação
escolar do Estagiário;
d. Anexar ao Termo de Compromisso o Plano de Atividades do Estágio;
e. Analisar as instalações da CONCEDENTE para verificar se oferece as
condições necessárias ao atendimento ao Plano de Atividades do Estágio;
f. Indicar Docente/Supervisor da área a ser desenvolvido o estágio, como
responsável pelo acompanhamento, supervisão e avaliação das atividades do
Estagiário;
g. Solicitar ao estagiário, relatório de atividades realizadas a cada 6 (seis)
meses;
h. Comunicar a CONCEDENTE do estágio, no início dos períodos letivos, as
datas de avaliações;
i. Informar com a devida antecedência a parte concedente o período ou as
datas definidas a realização das avaliações;
j. Iniciar as atividades de estagio apenas após o encaminhamento deste
instrumento assinado pelas partes signatárias.

6.2. Obrigações e Atribuições da Concedente

a. Zelar pelo cumprimento do Termo de Compromisso;


b. Proporcionar ao estagiário as condições para o exercício das atividades
práticas compatíveis com o Plano de Atividade de Estágio;

9
c. Designar o profissional da unidade que se responsabilizará pelo
acompanhamento das atividades desenvolvidas durante o estágio;
d. Solicitar ao estagiário documento comprobatório da regularidade da situação
escolar;
e. Reduzir a jornada de estágio, em 50% (cinquenta por cento), no mínimo nos
períodos de avaliação previamente informados pela Instituição de Ensino;
f. Enviar para a Instituição de Ensino o relatório de atividades de estágio, com
visto do Docente Orientador da área a ser desenvolvido o estágio, assinado pelo
Estagiário ao final do Período de Estágio;
g. Manter em arquivo os documentos que comprovem a relação de estágio;
h. Informar a Instituição de Ensino a rescisão antecipada do Estágio;
i. Permitir o início das atividades de estágio apenas após o recebimento deste
instrumento assinado pelas partes signatárias, com cópia anexa de Plano de
Atividades de Estágio.

6.3.Obrigações e Atribuições do Estagiário

a. Cumprir, com empenho e interesse, a programação estabelecida no Plano de


Atividades de Estágio;
b. Observar, obedecer e cumprir as normas internas da CONCEDENTE,
preservando o sigilo e a confidencialidade das informações a que tiver acesso;
c. Apresentar documentos comprobatórios da regularidade de sua situação
escolar, sempre que solicitado pela CONCEDENTE;
d. Manter atualizados seus dados escolares e cadastrais, junto a
CONCEDENTE;
e. Informar a CONCEDENTE, de imediato, qualquer alteração na sua situação
escolar como desistência de curso ou transferência de Instituição de Ensino;
f. Entregar a Instituição de Ensino e a CONCEDENTE, uma via do presente
termo de Compromisso assinado pelas partes;
g. Informar a CONCEDENTE, previamente, OS PERIODOS DE AVALIAÇÃO da
Instituição de Ensino, para fins de redução das jornadas de estágio;
h. Preencher relatório de Acompanhamento de Estágio e o Plano de Estágio de
acordo com a Frequência estabelecida pelo serviço;

10
i. Preencher, diariamente, o formulário de frequência;
j. Zelar e responsabilizar-se pelos equipamentos, instrumentos e demais
materiais utilizados no desempenho de usas atividades;
k. Comparecer às reuniões periódicas de acompanhamento e avaliação do
Programa.

7. REGRAS GERAIS PARA EXECUÇÃO DO ESTÁGIO

I - O Estágio Supervisionado terá duração de maio a dezembro de 2016, renovável,


caso ocorra manifestação da Instituição de Ensino, observando as condições
previstas em legislação pertinente e em Termo de Convênio;

II - O desligamento do estudante ocorrerá:

a. Por conclusão ou desligamento do curso, de acordo com informação oficial da


Unidade de Ensino;
b. Com encerramento do período de participação estipulado no Termo de
Compromisso;
c. Quando a avaliação de desempenho não for satisfatória;
d. Quando descumprida ou infligida, pelo estagiário, quaisquer das cláusulas do
Termo de Compromisso;
e. Pedido do estágio (com antecedência de oito dias);
f. Quando o estudante deixar de apresentar ao setor competente, dentro de 15
(quinze) dias, a partir da data do início do semestre/ano em curso, comprovante de
matrícula;
g. Pelo não comparecimento, sem motivo justificado, por mais de 5 (cinco) dias,
consecutivos ou não, no período de um mês, ou por 30 (trinta) dias durante todo
período;
h. Por conduta incompatível com a exigida pela administração;
i. Por trancamento de matricula ou abandono do curso.

11
8. ETAPAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Ficouestabelecido pela Faisa Faculdades o mínimo de 360horas de Estágio


Supervisionado, distribuídos conforme os itens abaixo, a serem cumpridas pelo
estagiário de LicenciaturaPlena em Educação Física, com início no mês de maio e
termino no mês de dezembro de 2016, que se iniciou no 6º período, devendo
cumprir as seguintes etapas:

8.1. Estágio I - Ensino Fundamental I (1º ao 5º ano)

 Observação das atividades curriculares diárias, com C.H. de 30hs.


 Participação das atividades curriculares diárias, com C.H. de 30hs.
 Regência nas atividades curriculares diárias, com C.H. de 30hs.

8.2. Estágio II - Ensino Fundamental II (6º ao 9º ano).

 Observação das atividades curriculares diárias, com C.H. de 30hs.


 Participação das atividades curriculares diárias, com C.H. de 30hs.
 Regência nas atividades curriculares diárias, com C.H. de 30hs.

8.3. Estágio III - Ensino Médio (1º ao 3º ano)

 Observação das atividades curriculares diárias, com C.H. de 30hs.


 Participação das atividades curriculares diárias, com C.H. de 30hs.
 Regência nas atividades curriculares diárias, com C.H. de 30hs.

8.4. Estágio IV–Academia de Musculação

 Observação das atividades diárias, com C.H. de 30hs.


 Participação das atividades diárias, com C.H. de 30hs.
 Regência nas atividades diárias, com C.H. de 30hs.

9. ATIVIDADES PARA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Inicia-se neste tópico a fundamentação teórica do Estágio Supervisionado,


baseado na legislação brasileira e em autores que buscam explicar através de suas
12
teorias a importância do estágio para a formação e o desenvolvimento profissional
do futuro licenciado.

O Estágio Supervisionado é parte integrante da estrutura curricular do curso


de licenciatura Plena em Educação Física, é pré-requisito para a obtenção do
diploma de conclusão e representa a formação, vivência, econsolidaçãode
competências esperadas para o exercício acadêmicoem diferentes campos de
intervenção, sob a supervisãode profissional habilitado e está regulamentado na
licenciatura por meiodaResolução n. 1, de 2002, que trata das diretrizes
curricularesnacionais para os cursos de formação de professores:

§ 3º O estágio curricular supervisionado, definido por lei, a ser realizado em


escola de educação básica, e respeitado o regime de colaboração entre os
sistemas de ensino, deve ser desenvolvido a partir do início da segunda
metade do curso e ser avaliado conjuntamente pela escola formadora e a
escola campo de estágio. (BRASIL, 2002)

Todas as atividades do Estágio Supervisionado e seus objetivos são


respaldados pelo Parecer CNE/CP 09/2001e CNE/CP 21/2001que diz:

1 - O planejamento e a execução das práticas de estágio devem estar


apoiados nas reflexões desenvolvidas no curso de formação.A avaliação da
prática, por outro lado, constitui momento privilegiado para uma visão crítica
da teoria e da estrutura curricular do curso’’(Brasil, 2001 p. 23)

2 - Uma concepção de prática mais como componente curricular implica vê-


la como uma dimensão do conhecimento, que tanto está presente nos
cursos de formação nos momentos em que se trabalha na reflexão sobre a
atividade profissional, como durante o estágio nos momentos em que se
exercita a atividade profissional.(Brasil, 2001 p. 23)

3 - A prática não é uma cópia da teoria e nem esta é um reflexo daquela. A


prática é o próprio modo como as coisas vão sendo feitas cujo conteúdo é
atravessado por uma teoria. Assim a realidade é um movimento constituído
pela prática e pela teoria como momentos de um dever mais amplo,
consistindo a prática no momento pelo qual se busca fazer algo, produzir
alguma coisa e que a teoriaprocura conceituar, significar e com isto
administrar o campo e o sentido desta atuação.(Brasil, 2001 p. 09)

De acordo com Faria Junior et al. (1987, p. 1), apud MEDINA e PRUDENTE
(2011, p. 192) a prática de ensino,considerada pelos autores como estágio
supervisionado, “é umprocesso dinâmico de aprendizagem que se realiza pela
práticaprogressiva de atividades correspondentes ao campo profissionaloferecido
pela habilitação especifica, dentro de situações reais,controladas e supervisionadas
13
por professores do curso”, associadasàs teorias aprendidas como conteúdo do
curso.Para afirmar esta teoria, Caldeira (2001) lembra que ossaberes não são
produzidos somente com a prática, mas também narelação entre teoria e prática, ou
seja, é a unidade entre ambas. Dessa forma, podemos entender claramente a
importância do estágio para o acadêmico, o qual vive uma fase de aprendizagem e
que se faz extremamente necessário o contato com a práxis fora da faculdade, ou
seja, o contato direto com a realidade da escola campo, onde passará a ter papel
fundamental na construção de novos saberes extraclasse, que o acompanhará em
toda sua vida profissional.

Segundo Bianchi, A. C. M., Alvarenga e Bianchi, R. (2003, p. 7)


consideramque:“O estágio supervisionado éuma atividade em que o aluno revela
sua criatividade, independênciae caráter, proporcionando-lhe oportunidade
paraperceber se a escolha da profissão para a qual se destinacorresponde a sua
verdadeira aptidão.”Seguindo o pensamento dos autores acima, compreende-seque
o estágio possibilita o desenvolvimento da capacidade criadora e molda como futuro
profissional da área, além de apontar o verdadeiro caminho a seguir, como por
exemplo: Ser professor de educação física com atuação escolar ou profissional da
área que deseja atuar no mundo fitness, justificando a importância do Estágio
Supervisionadopara o acadêmico.

A participação direta e indireta no estágio de Educação Física em Licenciatura


Plena daFaisa Faculdades apresenta aspecto colaborativo entre as instituições,
práticase sujeitos do processo, nesse caso, alunos, professores, alunoestagiário e
professor orientador de estágio. Pressupõe-se que o estágio é uma oportunidade
onde osenvolvidos [...] encontram possibilidade para ressignificar suasidentidades
profissionais, pois estas, [...] não são algo acabado:estão em constante construção,
a partir das novas demandasque a sociedade coloca para a escola e a ação
docente. Formadorese formandos encontram-se constantemente construindosuas
identidades individuais e coletivas em sua categoria.(PIMENTA; LIMA, 2010, p. 127).

9.1. Relatos de observações, participações, regências e demais atividades


desenvolvidas no Ensino Fundamental I.

14
O Estágio Supervisionado I e II aconteceu na Escola Municipal de Ensino
Fundamental Nossa Senhora de Guadalupe, fundada em 1993 no Bairro: Guadalupe
na época, conhecido por “Barba Gato”. Atualmente a Escola é dirigida pelo
professorsenhor Francisco Charles Martins. E, na Escola Municipal de Ensino
Fundamental Cristo Libertador, fundada em 2000 no Bairro: Cristo Libertador que
tem como Diretora a professora, senhora Maria de Fátima Gomes. Tendo como
orientadora de campo nas mencionadas escolas, a professora Eliza Gonçalves dos
Reis Ribeiro.

1ª Etapa: Observação

O Estágio Supervisionado de Observação, referente ao Ensino Fundamental


I, aconteceu na Escola Municipal de Ensino Fundamental Nossa Senhora de
Guadalupe, com duração de 12 dias, compreendendo a data inicio no dia 12 de
setembro com término no dia 16 do mesmo mês, nos turno matutino e vespertino,
sob a orientação da professora Elisa Ribeiro. Importante ressaltar, que as aulas de
educação física na Escola Campo, não são desenvolvidas propriamente pela
professora orientadora, e sim, pelos próprios professores de cada turma de forma
dirigida e organizada pela coordenação pedagógica e pela professora de educação
física. As aulas acontecem em forma de escalas para cada dia da semana,
contemplando todas as turmas do 1ª ao 5ª ano. Todas as turmas são dirigidas a
quadra de esportes em dias e horários diferentes, onde acompanhado pelos
professores desenvolvem atividades lúdicas e de lazer como forma de suprir a
necessidade do profissional de educação física.

Segundo consta no PCN (2007), conhecer algumas de suas possibilidades e


limitações corporais de forma a poder estabelecer algumas metas pessoais faz parte
dos objetivos do primeiro ciclo, sendo, portanto, uma fase onde se deve ter atenção
extrema do professor, o qual deverá desenvolverá suas aulas em função das
possibilidades dos seus alunos.

As turmas do 1º ao 3º ano são as que mais fazem brincadeiras e jogos, tais


como: Cantigas e brincadeiras de rodas, pata cega, brincadeira da estátua, pula

15
corda, e em grupos realizam contos de histórias os quais desenvolvem encenação
dos contos através da imitação. Segundo Gonçalves, et al (2007, p. 38):

No brinquedo cantado a expressão corporal é como uma forma de


desenvolver a livre expressão artística, como um significativo instrumento
de formação, por permitir o aumento do autoconhecimento, a aceitação da
postura física, dos aspectos corporais próprios, das aprofundadas na
realização das dinâmicas propostas.

As turmas do 4º ao 5º ano fazem alongamento e alguns professores


trabalham circuito funcional, onde observei o emprego de equilíbrio, coordenação
motora e velocidade. Alongamentos também são frequentes no inicio das aulas,
seguidos de jogos como futsal, atividades com bola de basquete e muitas
brincadeiras.

2ª Etapa: Participação

Na sequência do estágio, que durou do dia 19 a 23 de setembro, além de


continuar as observações, passei a contribuir com o professor e sua turma, ajudando
no processo de desenvolvimento dos jogos e brincadeiras, sempre respeitando o
limite físico e psicológico da criança. Nessa fase, foram desenvolvidas atividades
para interação social, como dinâmicas e gincanas, trabalhando regras e respeito
mútuo. Com a ausência do professor da área de educação física, cada professor faz
sua aula de acordo com seu conhecimento, tornando-a sem muito embasamento,
porém, os movimentos corporais ali propostos são de certa forma parte do contexto
da educação física. Podem-se ressaltar algumas diferenças nas aulas das turmas do
1º ao 3º ano e nas aulas das turmas do 4º e 5º ano, como a prática de muitas
brincadeiras oriundas da própria cultura local e aplicadas na aula como improviso,
além de jogos como futsal que é a atividade mais praticada entre os alunos dos anos
finais do Ensino Fundamental I. Os professores (a) Rosilda dos Santos, Dilaene
Cavalcante, Vanúbia de Abreu, Agenora Souza, Sandra Cascaes, Sonia Maria,
Rosinete Freire, Maria Nair, Alinha Soares, Antonio Faustino, Elenilda Oliveira e
Gilcinei Ataíde, são os orientadores das atividades direcionadas e relacionadas à
educação física.
3ª Etapa:Regência

16
Na última fase do Estágio Supervisionado, que durou do dia 26 de setembro a
07 de outubro de 2016, tive a oportunidade de trabalhar com as crianças de todos os
anos das séries iniciais. De acordo com meu nível de conhecimento pude contribuir
para o fortalecimento da Educação Física na Escola Campo. Foram momentos
pequenos, mais com muito significado, uma vez que tive que voltar a ser criança,
não deixando de ser educador, mais sim, para viver as brincadeiras e ganhar a
confiança das crianças, haja vista, que naquele momento de vivência eu era um ser
estranho para elas.

Com as crianças do 1º ao 3º ano, foi trabalhada a capoeira lúdica, aonde


desenvolvi brincadeiras como: capitão do mato (com os alunos em círculo, contei
brevemente a história dos capitães do mato, da escravidão e da capoeira em
linguagem própria as suas idades, em seguida expliquei como seria a brincadeira
onde teríamos 1 capitão do mato, 1 Zumbi dos Palmares e os demais alunos seriam
os escravos fujões, sendo que o capitão do mato usaria uma corda de algodão e
correria pela quadra rodando a corda e em quem a corda tocasse, este ficaria de
cocorinha e chamaria pelo Zumbi para libertá-lo passando uma das pernas por cima
de sua cabeça e assim sucessivamente), estátua na capoeira (com os alunos
espalhados pela quadra, iniciava uma música ao som do pandeiro, para eles
correrem aleatoriamente. Depois do meu sinal, ou seja, parando de cantar, com uma
batida forte no pandeiro ditava um nome de movimento de capoeira ou algum
movimento que imitasse animal para ficarem imóvel até reiniciar a música), imitando
os animais (com os alunos espalhados pela quadra, iniciava uma música ao som do
pandeiro, para que eles corressem aleatoriamente e depois do meu sinal, ou quando
eu parasse de cantar, com uma batida forte no pandeiro ditava um nome de um
animal e eles rapidamente o imitariam), escondido na toca (ao meu sinal, um aluno
chamado de capitão do mato, começava a perseguir os seus amiguinhos, os quais
deveriam esconder-se em umas das tocas, cujo, ocupante deveria se retirar para
dar-lhe abrigo e fugir para outra toca para não ser apanhado pelo capitão do mato e
quando um aluno era pego a brincadeira reiniciava com outros dois alunos na toca),
siga o mestre (em uma fileira caminhando pela quadra, eu (mestre) realizava
pequenos movimentos corporais, enquanto, a posição do mestre era trocada entre
os alunos) e outras brincadeiras que improvisamos a pedido das crianças. Outra

17
atividade realizada foi o circuito funcional, com o objetivo de desenvolver habilidades
como coordenação motora, lateralidade e equilíbrio, como recursos materiais foram
usados cordas, cones, colchonetes e bambolês, ao final realizavam alguns
alongamentos para relaxamento da turma. Com as turmas do 4º e 5º ano, foram
desenvolvidas algumas das brincadeiras descritas acima, porém, eles gostavam
muito de atividade com bola, então propomos fazer os circuitos e algumas
brincadeiras e ao final trabalhávamos o futsal, que era finalizado com o jogo entre as
equipes. No último dia de estágio a escola promoveu um evento que foi realizado no
salão da Igreja Nossa Senhora de Guadalupe com todas as crianças do fundamental
I, para celebrar o dia da criança. Neste evento, aconteceram várias brincadeiras e
gincana, onde participaram 4 equipes, assim classificadas: Equipe verde, equipe,
laranja, equipe roxa e equipe vermelha, envolvendo todas as crianças. As
brincadeiras por equipes foram de formar frases com palavras separadas por
pedaços de cartolina; dança da cadeira; quem comia em menos tempo 1 banana e 1
bolacha e depois corria por cima de um banco até o outro lado onde seu colega o
esperava com uma esponja para encher um copo com água; melhor cantor; fazer gol
numa trave pequena, enfim foram várias brincadeiras que aconteceram no turno da
manhã e da tarde, foram momentos de lazer e muita diversão para os alunos, todas
aquelas atividades fizeram com que os alunos fugissem da rotina diária em sala de
aula.

Mediante todas as dificuldades encontradas nesta etapa, posso concluir como


satisfatório o estágio e parabenizo todas as professoras que se propuseram
colaborar com a escola e a educação física, aceitando realizar as aulas (educação
física) dirigidas, como forma de suprir a ausência do profissional de área, por outro
lado, é importante ressaltar que a professora Elisa Ribeiro contribuiu para este
processo de ensino aprendizagem na escola, uma vez que não é sua obrigação, por
ser lotada no Ensino Fundamental II, mas, mesmo assim não deixa de ajudar a
instituição escolar.

9.2.Relatos de observações, participações, regências e demais atividades


desenvolvidas no Ensino FundamentalII.

18
De acordo com Pimenta (2005), o conteúdo da observação ébastante variado:
implica observar toda a organização da escola,a sala de professores, o recreio, o
conteúdo e a metodologia, oplanejamento, as relações professor-aluno, professor-
coordenação,as dificuldades de aprendizagem e de relacionamento dosalunos,
dentre outros aspectos. Neste sentido, é importante elencar na parte de observação
deste Relatório, todos os registros considerados importante pelo estagiário,
contemplando todas as etapas de estágiodescritas a seguir:

1ª Etapa: Observação

A etapa de Observação iniciou no dia 13 de junho de 2016 e terminou no dia


23 do corrente mês e ano. No primeiro dia de estágio, fui recepcionado pela
Professora Eliza Ribeiro na Escola Nossa Senhora de Guadalupe no período
vespertino. Em seguida a Professora se dirigiu a quadra da Escola, um ambiente
bom para as práticas de Educação Física, porém, ainda inacabada. Meu primeiro
contato de observação foi com as Turmas do 6º ano D eE, e 7º ano C. Nestas aulas,
que envolveu as três turmas, a professora trabalhou com “Circuito Funcional”. Antes
das atividades, aconteceu uma conversa com os alunos sobre o uso do uniforme de
educação física durante as atividades, uma vez que a maioria estava usando calça
jeans, e impossibilitava a execução de alguns exercícios. Na sequência, foram
realizados alguns alongamentos para melhorar a amplitude dos movimentos durante
os circuitos propostos pela professora, corrida em duplas ao redor da quadra e
foram desenvolvidos alguns circuitos funcionais utilizando cones, bambolês e
colchonetes em diferentes situações que propuseram ao alunotrabalhar a resistência
física e muscular, força, equilíbrio, velocidade, lateralidade, coordenação motora e
etc...durante todas as atividades, notava-se as dificuldades dos alunos de
coordenação motora, equilíbrio e resistência.

Na EscolaCristo Libertador, também observei que a quadra da escola é um


ambiente bom para as práticas de educação física, mais, que ainda está em fase de
conclusão, faltando concluir a parte elétrica,sendo esteapenas um dos problemas
nas escolas públicas de Concórdia do Pará, além de faltar energia e com algumas
goteiras quando chove é um risco para os alunos.As aulasforam nas turmas do 6º

19
ano C e 8º ano B. Nesta aula, a professora Eliza Ribeiro disse trabalhar “Atividades
Aeróbicas” com o objetivo de melhorar a resistência física e muscular, força,
equilíbrio, velocidade, lateralidade, coordenação motora dos educando. Após
conversar sobre o uso do uniforme foram realizados alongamentos e corrida ao
redor da quadra, inclusive usando os degraus das arquibancadas como obstáculos
para pequenos saltos, e ainda, trabalharam com circuito funcional. A turma do 8º ano
B estavarealizando um trabalho sobre Folclore, e teriam que fazer uma pesquisa
sobre uma dança oriunda da região sul do Brasil chamada de “Vilão de Fitas”, a
Professora Eliza Ribeiro falou que a turma fará uma pesquisa para conhecer a
história e como é realizada a dança, e num segundo momento farão ensaios, e
fecharão o tema da aula com uma apresentação utilizando todas as características
da Dança, que acontecerá em agosto após o retorno das aulas. Ainda na Escola
Cristo Libertador sob a supervisão da professora Eliza Ribeiro e do professor de
educação física,Manoelde Jesus, pude observar e participar da organização do
“Forrozão do Cristo”, evento este, realizado todos os anos e que são desenvolvidas
várias atividades culturais e esportivas, como: Concurso de miss e torneio de futsal.
Na parte do torneio acompanhei todos os jogos pela manhã nas etapas eliminatórias
e pelo período da tarde auxiliei ambos os professores no preenchimento das
súmulas e na coleta de assinaturas dos jogadores. O torneio tinha as seguintes
categorias sub 11, 14, 16 e Livre, e seu término foias 17hs15min. Em paralelo as
atividades esportivas, aconteciam às apresentações folclóricas, concurso de miss,
venda de comidas típicas e leilões. Todos os funcionários trabalharam no evento,
mostrando compromisso com a Instituição e parceria com os colegas de trabalho.
Este evento envolveu alunos de todos os anos e mobilizou toda comunidade escolar.

De volta ao estágio na Escola Guadalupe, no turno matutino, a professora


Eliza Ribeiro realizou suas atividades sobre o tema que está sendo desenvolvido
com as turmas do 6º A e B e do 9º ano A, sobre Capoeira e a dança chamada de
“Vilão de Fitas”. Além de receber os trabalhos de pesquisas sobre os dois temas, a
professora ainda realizou atividades de aquecimento e alongamento, dando
prosseguimento à aula com uma roda de conversa, onde nesta, os alunos
demonstraram alguns movimentos corporais de capoeira e também sobre a dança
“Vilão de Fitas” sendo que os temas foram trabalhados até o mês de agosto quando

20
se realizou a 2ª avaliação. À tarde a professora trabalhou com as turmas 6º ano D e
E, e 7º ano C. Também com temas voltados ao folclore brasileiro e dando
continuidade as aulas anteriores sobre Capoeira e Bumba Meu Boi. Como de praxe
nas aulas, a professora recebeu os trabalhos de pesquisa e depois de dar seu visto,
realizou alongamentos envolvendo todos os alunos e utilizou colchonetes. Em
seguida conversou com os alunos sobre a história da Capoeira, falou sobre os três
estilos mais conhecidos (angola, regional e contemporânea), falou sobre Mestre
Bimba e Mestre Pastinha, dois dos principais representantes da Capoeira e falou
para as turmas que a próxima aula seria de Capoeira ministrada por mim, estagiário,
Antonio Sidney, Instrutor de Capoeira pelo Grupo Muzenza de Capoeira. Na turma
do 7º ano C, a professora usou a mesma metodologia de atividades das aulas
anteriores, porém, deixou metade de sua aula para as equipes realizarem os
ensaios da apresentação do Bumba Meu Boi. Os alunos ensaiaram, e outros ficaram
dispersos. Ao final, a professora realizou a chamada e dispensou a turma.

Ainda na Escola Nossa Senhora de Guadalupe com o acompanhamento da


professora Eliza Ribeiro, participei de um evento interno chamado de “Show de
Talentos 2016” o qual tinha como objetivo descobrir talentos em diversas áreas
como: dança, música, desenhos, instrumental, dentre outros... Além também de
estreitar a relação escola e família. O evento aconteceu durante o período
vespertino, mais foi no períododa manhã que todos, inclusive eu, estagiário,
ajudamos na ornamentação do espaço físico, enquanto isso aconteciam no palco
montado no salão da escola, os ensaios gerais das crianças e adolescentes que se
apresentariam no evento. Observei que a iniciativa da Direção, junto com
funcionários em geral, em realizar este Show de Talentos foi bastante positiva, uma
vez que houve a participação das famílias, funcionários, e alunos do 1º ano ao 9º
ano do Ensino Fundamental. Paralelo ao evento aconteceu leilões, bingos e vendas
de comidas típicas, para angariar recurso financeiro, que segundo a Direção, será
para realizar alguns reparos físicos no prédio da escola. Participar de mais um
evento durante o estágio, seja como observador ou na participação da organização,
foi gratificante e contribuiu muito para minha formação profissional como professor
de educação física. Pude notar as dificuldades da organização, mais também notei o
quanto é prazeroso e gratificante saber que o planejado foi alcançado, assim como o

21
objetivo. Lembrei-me da disciplina que falava sobre Organização de Eventos
Escolares. E assim, concluí mais um dia de estágio, saindo da Observação para a
Participação.

2ª Etapa:Participação

Dando sequência ao Estágio Supervisionado, agora na fase Participação, ou


seja, momento em que o estagiário pode intervir na aula do professor como
auxiliar,que durou do dia 26 de junho a 11 de agosto de 2016, intervalando no mês
de julho por motivo das férias escolares. Seguindo o cronograma iniciei o primeiro
dia na Escola Cristo Libertadore fui recebido novamente pela professora Eliza
Ribeiro, no turno da manhã, especificamente na turma do 9º ano A. Ao iniciar as
atividades em sala de aula, a professora corrigiu alguns trabalhos escritos e
entregues pelos alunos sobre a aula que já vem sendo desenvolvida há semanas
sobre o Folclore, nesta mencionada turma o tema era: “Pau de Fitas” uma dança
originaria do sul do Brasil. Na sequência se dirigiu a quadra da escola juntamente
com os alunos, aonde foram realizadas várias atividades, das quais participei
apoiando a professora na condução de algumas como: Corrida em volta da quadra,
depois corridas em zigzag,desviando de cones, trabalhando a lateralidade e
velocidade. Após realizar alongamentos para relaxamento a professora encerrou a
aula.No turno da tarde, na turma do 6º ano C, após as atividades de praxe, como
correção de trabalhos sobre a Capoeirae frequência dos alunos, a professora
solicitou que eu realizasse uma palestra sobre a capoeira, tema de trabalho em
construção da turma, por eu ter conhecimento teórico e prático da mesma. Convidei
os alunos para o centro da quadra,e os organizei em forma de círculo, e após me
apresentar como estagiário e acadêmico de educação física pela Faisa, iniciei uma
pequena palestra sobre a história da capoeira no Brasil, partindo do período da
escravidão até os dias atuais, como forma de cronologia. Em seguida fiz algumas
demonstrações de movimentações como o movimento base da capoeira, a ginga.
Os alunos interagiram bem, inclusive a professora, os mesmos tentaram realizar
alguns movimentos como: a ginga, esquiva de frente, cocorinha e meia lua de frente.
Chegando ao final da aula agradeci e encerrei meu momento dentro da atividade
proposta. A professora Eliza Ribeiro falou aos alunos que a palestra, assim como os

22
movimentos realizados os ajudaria no desenvolvimento do trabalho que termina em
agosto como 2ª avaliação. Logo após fomos para sala de aula, na turma do 9º ano
B, os alunos estavam confeccionando cartazes, utilizando imagens de jornais,
revistas e impressos da internet para montarem um mural sobre o tema da aula, que
ainda é ligado ao Folclore, “Pau de Fitas”. Nesta aula, ajudei os alunos a fazerem os
cartazes e montar o mural dentro da própria sala de aula, utilizando um quadro
verde que não é mais usado na sala. A professora após conversar com a turma
sobre a apresentação da dança em agosto encerrou a aula. Na sequência, voltamos
para a quadra, onde estava a turma do 8º ano B, a qual também trabalhava o
mesmo tema, “Pau de Fitas”. A professora recebeu alguns trabalhos de pesquisa
realizados pelos alunos e após esse momento fomos para o centro da quadra, onde
participamos dos ensaios da dança que será apresentada em agosto e que será
avaliada para obtenção de nota da 2ª avaliação, somando com os pontos de
participação e vistos dos trabalhos escritos. O ensaio foi positivo, por que além dos
alunos terem tidos uma noção sobre a dança, serviu também para descontração e
entrosamento da turma, uma vez que muitos se divertiram durante os improvisos. E
assim, terminou mais um dia de estágio com muita alegria de ter participado das
aulas junto com a professora e com os alunos.

Na sequência do estágio, agora na Escola Nossa Senhora de Guadalupe,


pela manhã, fui informado pela professora Eliza Ribeiro, por telefone, que ela só
chegaria no horário da segunda aula, por motivos particulares e solicitou que eu
ministrasse a aula sobre capoeira, para as turmas do 6º ano A e B, conforme já
havíamos programado anteriormente, assim sendo, informei aos alunos e nos
dirigimos para a quadra da escola. Após me apresentar informei sobre o tema da
aula, que seria sobre capoeira, e seria desenvolvida com uma palestra inicialmente e
após com uma aula prática para servir como base para os trabalhos que os mesmos
teriam que fazer na continuação das aulas até agosto. Conversamos sobre a história
da capoeira de forma cronológica até os dias atuais. Em seguida já com a presença
da professora auxiliei os alunos nos ensaios da dança conhecida por “Vilão de Fitas”
que estava sendo trabalhada pela turma do 8º ano B. No turno da tarde continuei
com a aula sobre capoeira no 6º ano D, a qual também está trabalhando este tema,
segui a mesma metodologia da aula realizada pela manhã. Logo após, o 7º ano C

23
realizou duas apresentações sobre o “Bumba meu Boi”, a primeira equipe utilizou a
quadra e sua apresentação foi em forma de teatro, onde uma das alunas narrava à
história enquanto os outros a interpretavam. A segunda equipe com uma dinâmica
diferente sobre o mesmo tema apresentou no salão da escola uma dança
coreografada, segundo uma das alunas além dos ensaios na própria escola durante
o horário das aulas, eles também ensaiarão em outro local extraclasse. Ambas as
apresentações foram bem apresentadas e pode se notar a participação e a interação
entre todos os membros das equipes, conseguindo a professora Eliza Ribeiro
alcançar seu objetivo como mediadora.

Após as férias do mês de julho, retorno das aulas de educação física, a


professora Eliza Ribeiro reuniu as turmas do 6º A e B no centro da quadra e falou
sobre os trabalhos para finalizar ainda no mês de agosto. Em seguida realizou a
correção dos trabalhos de pesquisa que recebeu sobre a Capoeira. Em continuidade
a professora realizou uma corrida com os alunos para aquecimento e eu continuei a
aula, dividindo a turma em duas equipes masculina e feminina e fiz algumas
atividades que envolviam competição, estimulando a participação de todos, meninos
contra meninas. Usamos metade da quadra para as atividades. Os homens corriam
até o centro da quadra, faziam exprol e voltavam correndo alternando entre alunos.
As meninas corriam até o centro da quadra e faziam um salto e também alternavam.
No final, as meninas realizaram em menos tempo a atividade e tiveram mais
coletividade. Na sequência realizei uma dinâmica chamada “nó humano”, também
com a divisão das equipes. Novamente as meninas realizaram em menos tempo. Ao
final conversamos sobre coletividade e sobre não desistir do objetivo almejado.
Àtarde a professora corrigiu trabalhos e acompanhamos os ensaios das turmas do
6º ano E, e D com o tema Capoeira e a turma do 7º ano C com o tema Bumba meu
Boi. Com as turmas do 8º ano B, 9º ano A e 7º ano A e B, estavam em fase final
para apresentação dos trabalhos, a professora Eliza Ribeiro e eu acompanhamos os
ensaios das turmas na quadra e realizamos algumas orientações e sugestões em
seguida a professora liberou, devido à reunião com os professores que aconteceria
no Sintepp. À tarde a professora dividiu em duplas (casal) os alunos do 7ºano B, os
quais apresentariam a dança “Bumba meu Boi” e os que não podiam fazer a dança

24
por motivos religiosos apresentariam trabalho escrito em slides, essa alternativa foi
para todas as turmas.

No último dia de estágio da presente fase, com turma do 6º ano C a


professora Eliza Ribeiro falou sobre o trabalho que a turma teria que concluir,
culminando com uma apresentação com tema Capoeira. Avisou que no próximo dia
22 de agosto haverá prova e que o estagiário ficaria responsável pela aplicação da
avaliação. Em seguida a professora solicitou minha participação quanto a fazer a
aula voltada ao tema Capoeira. Assim sendo, organizei os alunos no centro da
quadra, fiz uma introdução voltada à história da capoeira e realizamos juntos alguns
movimentos básicos como a ginga e esquivas, além da roda e da musicalidade,
finalizando a aula com o ensaio de uma roda de capoeira. Em subsequente,
acompanhei o ensaio da turma do 9º ano B com a dança “Pau de Fitas” e na turma
do 8º ano C, a professora Eliza Ribeiro apresentou um vídeo da dança acima citada,
utilizando a sala multimídia para este fim. E assim, finalizei meu estágio de
participação no ensino fundamental II.

3ª Etapa:Regência

A Regência do estágio iniciou no dia 17 de agosto e terminou nodia 12 de


setembro de 2016. No primeiro dia de estágio nesta fase,foi na escola Cristo
Libertador, onde realizei uma aula para o 7º ano A, sobre a história da educação
física brasileira. Está aula aconteceu na quadra com uma conversa inicial sobre o
tema e na sequência fizemos atividades que envolveram aquecimento e
alongamento, finalizando com a dinâmica “nó humano”, e um feedbacksobre
trabalho coletivo. Com a turma do 9º ano A, não foi possível reger alguma atividade,
apenas acompanhar e ajudar no ensaio da dança “Pau de Fitas”. Na turma do 6º ano
B foi possível aplicar uma aula teórica sobre a História da Capoeira, e utilizamos a
sala multimídia da escola para apresentar slides e vídeos, contribuindo assim como
tema do trabalho da turma sobre Capoeira. No período da tarde foram aplicadas as
mesmas aulas para as turmas do 6º ano C, 8º ano B e 9º ano B, com a mesma
dinâmica.

25
No segundo dia de estágio, desta vez na escola Nossa Senhora de
Guadalupe, realizei a aplicação de prova, para alunos do 6º ano C e 7º ano D, 8º
ano B e 9º ano A, suprindo a ausência da professora Eliza Ribeiro. No terceiro dia de
estágio, as turmas dos 6º anos A, B e C realizaram na quadra as apresentações de
dança e capoeira como conclusão dos trabalhos, onde os alunos conseguiram
superar as expectativas.À tarde, alguns alunos fizeram recuperação das provas com
notas baixas e que não conseguiram alcançar a meta da grade curricular. Dando
seguimento ao estágio, agoracom as turmas dos 6º ano D e E, e 7º ano C,
realizeiumaaula sobre a História da Capoeira, com apresentações em slides e
vídeos, utilizando a sala multimídia e seus equipamentos. Em seguida fomos para a
quadra, aonde realizamos alguns exercícios corporais de introdução a capoeira, tais
como a ginga, esquivas, golpes de ataque e etc. Na aula seguinte, apresentei a
turma do 8º ano B e 9º B aula com o tema História da Educação Física Brasileira.
Utilizamos a sala multimídia e seus equipamentos, foi uma aula teórica que mostrou
as contribuições indígenas e africanas (negros escravos – capoeira) para a
educação física brasileira, além de todo seu conteúdo histórico que perpassa pelo
Brasil Colonial a atualidade. Após a apresentação em slides, assistimos a um
documentário sobre o tema que atraiu a atenção dos alunos e assim finalizei a
terceira fase do estágio no ensino fundamental II.

9.3.Relatos de observações, participações, regências e demais atividades


desenvolvidas no Ensino Médio.

O Estágio Supervisionado de Observação referente ao Ensino Médiofoi


desenvolvido na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Amabilio Alves
Pereira, a qual tem como Diretora a senhora Marly Sanches Cardoso, e fica
localizada na Rua João Paulo II, esquina com a Av. Princesa Isabel, Bairro Pedro
Pinheiro no município de Concórdia do Pará. A presente escola é uma das mais
antigas do município e já fora conhecido em outras épocas como “Colégio Novo”
devido na década de 90 a escola ser considerada nova fisicamente, e assim ficou
conhecida por muitos anos.Atualmente já não se usa mais esse termo, que talvez
seja desconhecido pela nova geração de alunos.

1ª Etapa: Observação
26
No dia 14 de outubro de 2016, protocolei na referida escola a documentação
de Estágio Supervisionado, na oportunidade fui recebido pelo vice-diretor senhor
Alberone do Socorro dos Santos Costa, o qual protocolou toda documentação e fez
alguns informes sobre o ambiente escolar e sobre a professora de Educação Física,
senhora Erica Fanjas Ferreira, segundo seu informe a escola não dispunha de
materiais para as aulas e nem de quadra de esporte para as atividades, as aulas
ocorrem em contra turno sob a responsabilidade da professora da área.Conforme
este primeiro contato, que podemos classificar como “familiarização com o ambiente
escolar” deu-se iniciou ao Estágio Supervisionado propriamente dito com a fase de
Observação, a qual teve início no dia 14 de outubro e terminou no dia 25 de corrente
mês e ano.

Nesta fase, observei o espaço físico escolar novo, devido ter passado por
uma recém reforma, porém não existindo área apropriada para as atividades
práticas de educação física, existindo apenas locais improvisados em baixo de
árvores e em uma quadra de areia antiga. As aulas acontecem de forma
improvisada e com matérias da Professora Erica Fanjas. Basicamente a professora
Erica Fanjas, a qual me recebeu muito bem, que acompanhou e orientou meu
estágio na escola campo, desenvolve suas aulas voltadas para jogos recreativos,
envolvendo diversas modalidades adaptadas ao local, como vôlei, futebol na areia,
queimada, brincadeira com elástico, dentre outras, além de realizar em todas as
aulas alongamentos e exercícios na areia como caminhada e corrida. A prática mais
frequente é o vôlei, cuja rede é amarrada em um poste improvisado numa árvore e o
outro lado no esteio da varanda da escola, com delimitação de espaço da quadra
feito com cordas, também improvisadas e no período da tarde o local fica exposto ao
sol. As aulas são desenvolvidas três dias por semana pela manhã e pela parte da
tarde em contra turno, as atividades são dividas em duas partes: primeira parte para
os meninos e segunda parte para as meninas, mesma forma usada para todas as
turmas do 1º ano A, B, C e D, do 2º ano A, B e C e para as turmas do 3º ano A e
B.Porém, diante de todas as dificuldades e improvisações, os alunos participam e se
divertem nas aulas, fazendo da educação física uma atividade lúdica e mesmo sem
que percebam fazem atividade com uma metodologia pedagógica improvisada ao

27
que é permitida a professora Erica Fanjas, a qual recebe por mim, todos os méritos
pelo excelente desenvolvimento de suas aulas na Escola Amabilio Alves Pereira.

2ª Etapa: Participação

A segunda fase do estágio caracterizado de Participação aconteceu entre os


dias 26 de outubro a 09 de novembro de 2016 com a mesma dinâmica das aulas
anteriores. Nesta fase, diante minhas atribuições dentro do estágio, passei a auxiliar
a professora Erica Fanjas nas atividades, realizando alongamentos, apitando jogos
na quadra de areia, recebendo trabalhos escritos, transcrevendo notas de trabalhos
para as cadernetas, inclusive frequência. Está foi uma das fases de mais
aprendizado e contato com os alunos, pude me identificar no papel de professor,
realizar improvisos e repassar confiança, respeito e conhecimento aos alunos. Não
foi fácil, mais consegui quebrar o gelo entre estagiário, professor e aluno, aos
poucos foi fluindoe a amizade com todos os envolvidos veio como prêmio pela
escolha que fiz. A professora realizava em suas aulas jogos e brincadeiras e nos
dias mais difíceis com mais de 100 alunos a nossa volta, ela conseguia mantê-los
estáticos na quadra de areia, atentos para próxima atividade. Os exercícios eram
frequentes, principalmente nas aulas com maior número de alunos, atividades em
grupos, alongamentos em duplas, tudo valia para manter a atenção dos alunos
focada na aula. Quando pude intervir nas aulas, realizei dinâmicas como o “nó
humano”, a brincadeira de fazer “10 passes com bola”, sem deixá-la cair, tudo com
objetivo que ao final era explicado, como por exemplo: O trabalho coletivo, o
raciocínio, a agilidade e outros.Além das dinâmicas, contribuí de várias outras
formas para o resultado positivo das aulas. Para concluir,ressalto que mesmo com a
dificuldade estrutural da escola, ali estava uma professora com força de vontade e
ali também estavam alunos como atores principais moldando a cada instante meu
“eu” professor.

3ª Etapa:Regência

Aúltima fase do Estágio Supervisionado desenvolvido na Escola Estadual


Amabilio Alves Pereira, aconteceu entre os dias 09 de novembro a 01 de dezembro,

28
cabendo a mim, apresentar a todas as turmas de forma metódica e pedagógica
temas como a história da educação física brasileira e a história da capoeira sob o
olhar da Lei 10.639 e da cultura afro-brasileira. Estas aulas foram desenvolvidas na
sala de multimídia em dias agendados, usando como recurso material o projetor de
imagens, notebook e caixa de som, a metodologia usada foi apresentar a aula de
forma teórica através de slides feitos no Power point e repassados através de aulas
expositivas, usandotexto,imagens e vídeos, que valeu como conteúdo para 4ª
avaliação, sendo que cada aula ficava trabalho de pesquisa a fazer em grupo de três
alunos, com pontuação máxima de 2 pontos. Preocupado com o tipo de trabalho a
ser entregue, repassei a todos os alunos um modelo contendo capa e todas as
orientações sobre o desenvolvimento do trabalho, inclusive com as referências
bibliográficas, nessas oportunidades podemos falar sobre nossa história, sobre a
reforma do ensino médio e outros assuntos que os temas nos permitia adentrar. As
aulas foram aplicadas em todas as turmas do 1º ao 3º ano do ensino médio,
seguindo ainda a divisão entre menino e meninas. Após a apresentação dos dois
temas realizei uma aula prática envolvendo um pequeno circuito funcional que foi
desenvolvido na quadra de areia, tendo como recursos materiais, cones, corda, bola,
bambolês, e muita agilidade e resistência dos alunos. É importante ressaltar que
todos os recursos materiais usados nas aulas foram do estagiário. Como conclusão
e avaliação, esse foi um dos estágios mais complexos devido às dificuldades
encontradas no ambiente escolar, porém, muito enriquecedor do ponto de vista
positivo, haja vista, que nem sempre vamos ter as ferramentas, a escola adequada
para lecionar, a vida é assim, quem não se adapta perde espaço no mercado de
trabalho. Com relação à avaliação, acredito ter contribuído com a escola campo e
tenho absoluta certeza que saí fortalecido profissionalmente e com uma bagagem
maior de conhecimento.

9.4.Relatos de observação, participação, regência e demais atividades


desenvolvidas em academia de musculação.

Obedecendo a obrigatoriedade de estágio em academia de musculação,


conforme o item etapas do estágio supervisionado, iniciando está fase na Academia
de Musculação de nome fantasia “Corpo Perfeito” de propriedade da senhora
Ruthilene de Oliveira Basílio, a qual me recebeu no dia 18 de julho de 2016 e

29
autorizou o estágio de 90 horas, assinando todos os documentos apresentados. O
Estágio teve duração de 12 dias, iniciando no dia 18 de julho e terminando no dia 08
de agosto do corrente ano.

No primeiro momento a senhora Ruthilene de Oliveira relatou de forma


resumida sobre a história de sua empresa, (MEI) registrada sob o seu nome
supracitado e de CPNJ:21.407.041/001-77, e que curiosamente começou a mais ou
menos cinco anos, quando a mesma começou a comprar alguns equipamentos para
uso próprio e colou em seu quarto.Segundo ela, com a frequência das amigas,
houve a necessidade de ampliar o local e seu pai cedeu uma pequena casa de
madeira ao lado de sua residência, e que para chegar ao atual estado foi tudo muito
rápido. Hoje sua academia conta com mais de 90 alunos entre homens e mulheres e
funciona de segunda a sábado, das 06 horas da manhã às 22 horas da noite, são
mais de 25 equipamentos, alguns antigos, mais a maioria são novos, inclusive
durante o estágio foram feitos a aquisição de mais dois equipamentos. Além de
proprietária a senhora Ruthilene de Oliveira também é a instrutora de sua academia,
não possui formação acadêmica, mais participou de vários cursos voltados para
musculação e adquiriu experiência com a prática da atividade.

1ª Etapa: Observação

A fase de Observação aconteceu entre os dias 18 e 25 de julho de 2016 nos


horários matutino e vespertino, obedecendo a uma carga horária de 8 horas/dia. Em
observação a rotina dos alunos, pude notar uma atividade de praxe realizada por
todos antes de atividades que envolviam os membros inferiores, que era
aquecimento na parte externa da academia, sendo feito com exercícios livres, de
agachamento, com variações, principalmente entre as mulheres; outra atividade
bastante realizada quase que todos os dias pelo público feminino eram as series de
abdominais, também realizadas em outra área fora da academia; algumas optavam
pelas bicicletas e ficavam em torno de 10 a 20 minutos, para aquecimento. O público
maior da academia Corpo Perfeito são as mulheres, em torno de 65% dos alunos
matriculados. Segundo a instrutora, seus alunos frequentam todos os dias da
semana, menos o domingo, porém os exercícios são alternados em dias diferentes,
com exercícios para membros superiores e inferiores. Sendo que, os homens
30
sempre tendem a trabalhar mais os membros superiores como peitoral, bíceps,
tríceps, ombros, trapézio, costas e abdominal.

Com relação à parte da estrutura organizacional da academia como livro de


matrículas, ficha de anamnese e avaliações periódicas dos alunos, não existem
segundo a senhora Ruthilene de Oliveira, os alunos não gostam, visto que ela já
tentou implantar e ouve resistência por parte de muitos. Com relação à higiene da
academiaé excelente, aparelhos limpos, há bebedouro no ambiente, alunos usam
toalhas e sapatos, e em várias partes da academia se encontram garrafinhas com
álcool para limpeza dos aparelhos.

2ª Etapa: Participação

A segunda fase do estágio voltado a Participação, aconteceu entre os dias 25


de julho de 02 de agosto de 2016. Nos primeiros momentos auxiliei a instrutora com
as atividades de aquecimento com movimentos livres, realizado na parte externa da
academia e na sequência acompanhei as alunas aos aparelhos indicados pela
instrutora. Acompanhei também dois alunos no horário da tarde, os quais
trabalharam exercícios para bíceps, tríceps, antebraço, trapézio e costas, com
variações de três exercícios para cada aparelho, incluindo séries lentas com mais
carga, e rápida com menos carga. Durante essa fase do estágio a instrutora
convidou-me a fazer um esquenta acompanhado pela mesma com o objetivo de me
orientar quanto ao uso e a realização dos exercícios corretos. Por eu já ter feito
musculação por algum tempo e ter parado, optamos por fazer exercícios para os
membros superiores, a princípio trabalhamos o peitoral e ombros. Utilizei o supino
reto e inclinado com 4 séries de 10 repetições cada, com carga proporcional a minha
aptidão física; em seguida fiz crucifixo livre e no aparelho chamado de voador, com
séries de 4 e 10 repetições cada, para definição do peitoral; para os ombros usei a
barra com pouca carga e alteres livres, sentado. Esta vivência foi importante para o
aprendizado e principalmente para melhorar minha participação e entrosamento com
alunos no ambiente da academia. Nos dias seguintes continuei auxiliando os alunos
e alunas com as mesmas atividades. Ressaltar aqui a atenciosidade da proprietária

31
e instrutora com o estagiário, sempre por perto orientando e contribuindo com seus
conhecimentos.

3ª Etapa: Regência

Na sequência do estágio, iniciamos a fase de Regência no dia 02 de agosto


que durou até o dia 08 do mesmo mês. Nesta fase, acompanhei dois alunos recém
matriculados “Junior” e “Emanoel”, os quais seguindo orientação da instrutora e com
meu auxilio iniciaram as atividades de musculação para os membros superiores,
realizando no primeiro treino exercícios para peitoral, que foi desenvolvido no supino
reto e inclinado, 4 séries de 10 repetições em cada aparelho, com peso de 15kg em
cada anilha, ambos já haviam feito outros treinos em anos anteriores e estavam
recomeçando. Em seguida, realizaram crucifixo com alteres 3 séries de 10
repetições cada, 6kg em cada alteres, feito em 2 variações de crucifixo, após este
exercício continuaram no crossolver com 2 variações e 4 séries, de 10 repetições.
Terminado os exercícios para peitoral, os encaminhei para um exercício com alteres,
em 3 séries de 10 repetições, livres e sentado, com variações. Logo em seguida
fizeram remada fechada no aparelho, 3 séries de 10 repetições e para finalizar os
alunos, pediram pra fazer flexões e realizaram 5 séries de 10 repetições.

No dia seguinte foi trabalhado com os alunos acima mencionados, exercícios


para o bíceps, tríceps e finalizou-se com 400 abdominais. Neste treino foi dividido 8
exercícios diferentes, sendo 4 para bíceps e 4 para tríceps, além dos abdominais.
Nos dias subsequentes, foram realizados exercícios para os membros inferiores,
diferente do público feminino, os homens são focados mais para peitoral, braços e
abdômen, porém, contrariando o óbvio eles realizaram treino para ganho de massa
no quadríceps, glúteo e posterior da coxa, realizando exercícios no multiforça com
step, com séries de 4 e de 10 repetições; também trabalharam na cadeira flexora
para desenvolver a musculatura posterior da coxa e gastrocnêmicos com séries de 4
e 10 repetições; nesse mesmo aparelho ajudei algumas alunas que faziam
alternância em seus exercícios usando o mesmo aparelho e os treinos sempre
finalizado com flexões ou abdominais e iniciavam com aquecimento na bicicleta ou
agachamento livre no ambiente fora da academia.

32
Essas atividades se repetiam em dias alternados, tanto com os alunos
iniciantes, quanto com os alunos ou alunas mais experientes, e cada treino tinha
duração de 01 hora e 30 minutos a 02 horas. Foi uma experiência boa, que somou
com o aprendizado obtido nas aulas da Faculdade e posteriormente com o estágio.
Para contribuir com o local do meu estágio tentei ajudar na elaboração de uma ficha
de anamnesee na formulação de carnês para a mensalidade dos alunos, uma vez
que observei que não havia este recurso na Academia Corpo Perfeito.

10. Critérios para avaliação

A avaliação do estagiário dar-se-á de acordo com a classificação de


desempenho descrita pelo orientador de campo e orientador de estágio, referente ao
desenvolvimento do estagiário, classificando-o em uma analise conceitual descrita
como: Muito Bom, Bom, Regular e Insuficiente, nos seguintes itens:

 Adaptabilidade, pontualidade e responsabilidade;


 Capacidade de fazer relação teórica e prática;
 Capacidade de trabalha em equipe;
 Capacidade de trabalho individual;
 Criatividade;
 Flexibilidade;
 Iniciativa;
 Persistência;
 Assiduidade;
 Senso prático;
 Cuidado e zelo nas relações interpessoais;
 Apresenta relacionamento adequado no ambiente escolar;
 Demonstra conhecimento de conteúdos pertinentes ao estagio;
 Utiliza metodologia e recursos adequados na execução do plano de ação;
 Desenvolve as atividades de acordo com o plano e coerência em relação à
problemática detectada no contexto escolar;
 Relatório final (que será avaliado pelos orientadores);
 Analise breve, do desempenho do estagiário (emissão de parecer).
33
11. ANEXO I - Pasta de Estágio

Segue em anexo a pasta de Estágio Supervisionado com os seguintes itens:

1. Carta de Apresentação
2. Termo de Compromisso de Estágios
3. Ficha de Cadastro da Instituição
4. Ficha de Acompanhamento do Estagiário na Entidade Campo e pelo Professor
Orientador
5. Relatório das atividades desenvolvidas no Estágio e seus anexos (atividades
propostas, plano de aula e etc...
6. Ficha de Controle de Frequência Diária do Estagiário na Entidade
7. Anexos – Registros fotográficos.

34
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BIANCHI, A. C. M.; ALVARENGA, M.; BIANCHI, R. Manual de orientação: estágio


supervisionado. São Paulo: Thomson Learning, 2003.

Brasil Ministério da Educação e Cultura. Brasília, 2013. Lei de diretrizes e bases, lei
nº 9.394, de dezembro de 1996, artigo 26. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm>. Acesso em 14 jul. 2016.

Brasil Ministério da Educação e Cultura. Brasília, 2013. Lei de diretrizes e bases, lei
nº 9. 394, de dezembro de 1996, artigo 26. Disponível em: Acesso em 14 out. 2016.

Brasil Ministério da Educação e Cultura. Resolução CNE/CEB nº 7, de 14 de


dezembro de 2010: Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino
Fundamental de 9 (nove) anos. Disponível
em:<http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&id=14906&Itemid=866>
. Acesso em 09 out. de2016.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n. 1, de 18


defevereiro de 2002. Institui as diretrizes curriculares nacionais para a formaçãode
professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura,
degraduação plena. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 9 abr. 2002a.
Disponívelem:
<www.graduacao.univasf.edu.br/.../Resolucao%20CNE.CP%201.2002.pdf>.Acesso
em: 10out. de 2016.

CASTILHA, F. A., ASPECTOS PEDAGOGICOS DA CAPEOIRA. Editora Méritos,


ano 2013.

FARIA JUNIOR, Alfredo Gomes de et al. Prática de ensino em educação física:


estágio supervisionado. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1987.

FREITAS, J. L., CAPOEIRA INFANTIL: Jogos e Brincadeiras.6ª Edição. Editora


Progressiva, 2008.

GONÇALVEZ, Maria Cristina et al. Repensando a Educação Física:Educação


Infantil ao Ensino Fundamental. Modulo 3. Curitiba: Equipe BNL, 2008.

MATTOS, Mauro Gomes; NEIRA, Marcos Garcia. Educação Física Infantil: inter-
relação movimento, leitura, escrita. 2. ed. São Paulo: Phorte, 2007.

35
MEDINA, A. C. R.; PRUDENTE, P. L. G.; ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO
CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA, MODALIDADE A DISTÂNCIA,
DA UNIVERSIDADEFUMEC: um relato de experiência. Minas Gerais: Revista
Paidéia, 2011.

MENEZES, A., org. do livro Textos de Capoeira. Rio de Janeiro, 2015.

PIMENTA, S. G.; LIMA M. S. L. Estágio e docência. 5. ed. São Paulo: Cortez,


2010.

PIMENTA, Selma Garrido. O estágio na formação de professores: unidade teoria


e prática? São Paulo: Cortez, 2005.

ZUNINO, Ana Paula; TONIETTO, Marcos Rafael. Viver é aprender a conhecer.


Curitiba: Positiva, 2010.

36
ANEXOS

37
PLANO DE AULA

1. Identificação

Instituição: E. M. E. F. Nsa. Sra. de Guadalupe

Disciplina: Educação Física

Aula: Capoeira lúdica

Público alvo: Alunos do 1º ao 5º ano do Ens. Fundamental I

Professor Estagiário: Antônio Sidney de Oliveira Figueiredo

Orientador de Campo: Profª. de Educ. Física Eliza Ribeiro

Orientador de Estágio: Prof. Dr. Evanildo B. Mendes

2. Objetivo geral

Apresentar a Capoeira e suas vertentes como ferramenta pedagógica e lúdica.

3. Objetivos específicos

1 – Contar historinhas sobre a Capoeira;

2 – Desenvolver exercícios e alongamentos, envolvendo os movimentos de capoeira,


estimulando sua criatividade;

3 – Trabalhar as habilidades motoras, a lateralidade, e a organização espaço-temporal;


assim como valências físicas (resistência, flexibilidade, agilidade, destreza, expressão
corporal);

4 – Vivenciar nossa história de forma lúdica.

4. Conteúdo programático

1 – Capoeira infantil

2 – Exercícios e alongamentos;

3 – Brincadeiras;

4 – Musicalidade;

38
5. Metodologia

A aula será dividida em duas etapas envolvendo a teoria e a prática de forma lúdica
e aplicada a todas as turmas do Ensino Fundamental I:

1º Mom. Contar historinha sobre a capoeira e os escravos;

2º Mom. Alongamentos básicos e exercícios imitando os animais;

3º Mom. Apresentação dos instrumentos usados na capoeira, todos terão contatos com os
seguintes instrumentos: Berimbau, Pandeiro, Atabaque e Agogô;

4º Mom. Brincadeiras: Capitão do mato, siga o mestre, estátua na capoeira e escondido na


toca;

5º Mom. Recreação atividades livres.

6. Público alvo

Alunos das turmas do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental I

7. Recursos Materiais

Berimbau, pandeiro, agogô, atabaque e acessórios gerais.

8. Avaliação

A avaliação dar-se-á pela participação e interação dos alunos, observados pelo


professor estagiário.

9. Referências

FREITAS, J. L., CAPOEIRA INFANTIL: Jogos e Brincadeiras. 6ª Edição. Editora


Progressiva, 2008.

CASTILHA, F. A., ASPECTOS PEDAGOGICOS DA CAPOEIRA. Editora Méritos,


(2013).

39
PLANO DE AULA

1. Identificação

Instituição: E. M. E. F. Nsa. Sra. de Guadalupe

Disciplina: Educação Física

Aula: Circuito funcional lúdico e recreação

Público alvo: Alunos do 1º ao 5º ano do Ens. Fundamental I

Professor Estagiário: Antônio Sidney de Oliveira Figueiredo

Orientador de Campo: Profª. de Educ. Física Eliza Ribeiro

Orientador de Estágio: Prof. Dr. Evanildo B. Mendes

2. Objetivo geral

Desenvolver habilidades motoras e de recreação.

3. Objetivos específicos

1 – Desenvolver a lateralidade;

2 – Desenvolver habilidades de equilíbrio e velocidade;

3 – Trabalhar a coordenação motora;

4 - Compreender regras dos jogos e brincadeiras;

5 - Valorizar a ludicidade, a inclusão e a socialização;


6 – Realizar recreação com o futsal.

4. Conteúdo programático

1 – O brincar na vida dos alunos;

2 – Jogos e recreação.

5. Metodologia

A aula será desenvolvida para todas as turmas do Ensino Fundamental I da seguinte


forma:

40
1º Mom. Aquecimento com brincadeiras na quadra (brincadeiras da aula anterior);

2º Mom. Alongamentos e conversa com os alunos;

3º Mom. Circuito funcional lúdico;

5º Mom. Recreação atividades livres e futsal para as turmas do 4º e 5º ano.

6. Público alvo

Alunos das turmas do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental I

7. Recursos Materiais

Corda, cones, colchonetes, bambolês e bola de futsal.

8. Avaliação

A avaliação dar-se-á pela participação e interação dos alunos, observados pelo


professor estagiário.

9. Referências Bibliográficas

CASTILHA, F. A., ASPECTOS PEDAGOGICOS DA CAPOEIRA. Editora Méritos,


(2013).

41
PLANO DE AULA

1. Identificação

Instituição: E. M. E. F. Nsa. Sra. de Guadalupe e E. M. E. F. Cristo Libertador

Disciplina: Educação Física

Aula: História da Capoeira

Público alvo: Alunos do 6º ao 9º do Ens. Fundamental II

Professor Estagiário: Antônio Sidney de Oliveira Figueiredo

Orientador de Campo: Profª. de Educ. Física Eliza Ribeiro

Orientador de Estágio: Prof. Dr. Evanildo B. Mendes

2. Objetivo geral

Mostrar a história da Capoeira e suas vertentes como ferramenta pedagógica


evidenciando a teoria e prática.

3. Objetivos específicos

1 - Socializar a história da Capoeira;

2 - Desenvolver a prática da capoeira estimulando a criatividade de movimentos corporais;

3 – Mostrar os benefícios da aula de capoeira para os alunos;

4 – Trabalhar a musicalidade através dos instrumentos utilizados na capoeira;

5 – Destacar as habilidades motoras, a lateralidade, e a organização espaço-temporal;


assim como valências físicas (resistência, flexibilidade, agilidade, destreza, expressão
corporal).

4. Conteúdo programático

1 – CAPOEIRA: Africana ou Brasileira?

2 – Exercícios e alongamentos;

3 – Brincadeiras (dinâmicas);

4 – Movimentos básicos de Capoeira (Ginga. Defesa: Cocorinha, Descida Básica. Ataque:


Meia lua e frente, Queixada, Martelo... Outros: Aú e Negativa)

42
5 – Musicalidade, Instrumentalização e Jogo de Capoeira:

6 – Estilos da Capoeira;

5. Metodologia

A aula será dividida em duas etapas: Teórica e Prática, com carga horária de 12
horas, outras 3 horas foram na aplicação de provas.

1º Mom. Apresentação teórica sobre o tema, através de slides no Power point;

2º Mom. Exercícios aeróbicos, alongamentos e aula prática;

3º Mom. Em filas serão desenvolvidos alguns movimentos básicos, trabalhando


individualmente e seguida em duplas;

4º Mom. Apresentação dos instrumentos usados na capoeira, todos terão contatos com os
seguintes instrumentos: Berimbau, Pandeiro, Atabaque e Agogô;

5º Mom. Serão desenvolvidas músicas de Capoeira em coral, usando o círculo, para que
todos possam interagir juntos, sem exclusão;

6º Mom. Jogo demonstração de Angola e Regional e será o momento aonde todos farão um
jogo para demonstrar o conteúdo prático trabalhado, ou seja, roda de capoeira, finalizando
com samba de roda.

6. Público alvo

Alunos das turmas do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental II

7. Recursos Materiais

Projetor, notebook, berimbau, pandeiro, agogô, atabaque e acessórios gerais.

8. Avaliação

A avaliação dar-se-á pela participação, interação do aluno entre colegas e


professores, e através de um feed back sobre os pontos positivos e negativos da aula
apresentada.

9. Referências Bibliográficas

FREITAS, J. L., CAPOEIRA INFANTIL: Jogos e Brincadeiras. 6ª Edição. Editora


Progressiva, 2008.

CASTILHA, F. A., ASPECTOS PEDAGOGICOS DA CAPOEIRA. Editora Méritos,


(2013).
43
PLANO DE AULA

1. Identificação

Instituição: E. M. E. F. Nsa. Sra. de Guadalupe e E. M. E. F. Cristo Libertador

Disciplina: Educação Física

Aula: História da Educação Física brasileira

Público alvo: Alunos das turmas do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental II

Professor Estagiário: Antônio Sidney de Oliveira Figueiredo

Orientador de Campo: Profª. de Educ. Física Eliza Ribeiro

Orientador de Estágio: Prof. Dr. Evanildo B. Mendes

2. Objetivo geral

Evidenciar a história da educação física no Brasil, destacando sua importância no


meio educacional.

3. Objetivos específicos

1 - Socializar a história da Educação Física;

2 – Estimular a curiosidade dos alunos;

3 – Valorizar a disciplina Educação Física;

4 – Proporcionar o conhecimento histórico e físico, destacando os avanços da Educação


Física Brasileira;

5 – Sensibilizar os alunos sobre a importância da prática de atividades físicas para a saúde


do ser humano.

4. Conteúdo programático

1 – A História da Educação Física no Brasil;

2 – Contribuições indígenas e africanas;

3 – Militarização;

4 – Práticas corporais.

44
5. Metodologia

A aula será dividida em duas etapas: Teórica e Prática, com carga horária de 12
horas, outras 3 horas foram na aplicação de provas e demais atividades.

1º Mom. Aula expositiva apresentada em slides no Pawer point, seguido de um


documentário sobre o tema proposto;

2º Mom. Feed Back entre alunos e professor;

3º Mom. Atividades corporais: Dinâmicas, exercícios e alongamentos;

4º Mom. Avaliação da turma, relativo ao tema exposto.

6. Público alvo: Alunos das turmas do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental II

7. Recurso matérias

Sala multimídia, Quadra Esportiva, projetor e notebook, bola de handebol, cones e


colchonetes.

8. Avaliação

A avaliação dar-se-á pela participação e interação do aluno com o conteúdo, respeito


mútuo entre colegas e professor, e através da roda de conversa sobre os pontos positivos e
negativos da aula apresentada.

9. Referências Bibliográficas

BRASIL. APOSTILA DE ESTUDOS: História da Educação Física, FACULDADE


FAISA, “Professor Ely Carlos Santos”.

45
PLANO DE AULA

1. Identificação

Instituição: E. E. E. F. M. Amabilio Alves Pereira

Disciplina: Educação Física

Aula: História da Capoeira: Africana ou brasileira? Segmento cultura afro-brasileira, a luz da


Lei 10.639/2003.

Público alvo: Turmas do 1º ao 3º ano do Ensino Médio (9 turmas)

Professor Estagiário: Antônio Sidney de Oliveira Figueiredo

Orientador de Campo: Profª. de Educ. Física Erica Fanjas

Orientador de Estágio: Prof. Dr. Evanildo B. Mendes

2. Objetivo geral

Mostrar a história da Capoeira e suas vertentes como ferramenta pedagógica


evidenciando a teoria e prática a luz da lesgilação.

3. Objetivos específicos

1 - Socializar a história da Capoeira;

2 - Desenvolver a prática da capoeira estimulando a criatividade de movimentos corporais;

3 – Mostrar os benefícios da aula de capoeira para os alunos;

4 – Trabalhar a musicalidade através dos instrumentos utilizados na capoeira;

5 – Destacar as habilidades motoras, a lateralidade, e a organização espaço-temporal;


assim como valências físicas (resistência, flexibilidade, agilidade, destreza, expressão
corporal);

6 – Mostrar os amparos legais através da Lei 10.639/2003, para o ensino da cultura afro-
brasileira, com foco na Capoeira.

4. Conteúdo programático

1 – CAPOEIRA: Africana ou Brasileira?

2 – Exercícios e alongamentos;

3 – Brincadeiras (dinâmicas);
46
4 – Movimentos básicos de Capoeira (Ginga, Defesa: Cocorinha, Descida Básica. Ataque:
Meia lua e frente, Queixada, Martelo... Outros: Aú e Negativa)

5 – Musicalidade, Instrumentalização e Jogo de Capoeira:

6 – Estilos da Capoeira;

7 – Legislação.

5. Metodologia

A aula será dividida em duas etapas: Teórica e Prática.

1º Mom. Apresentação teórica sobre o tema, através de slides no Power point, com
destaque para a lei 10.639/2003;

2º Mom. Exercícios aeróbicos, alongamentos e aula prática;

3º Mom. Desenvolvimento de movimentos básicos, trabalhando individualmente e em


duplas;

5º Mom. Trabalho de pesquisa sobre o tema, valendo 2 pts.

6. Público alvo

Alunos das turmas do 1º ao 3º ano do Ensino Médio

7. Recursos Materiais

Projetor, notebook, berimbau e pandeiro.

8. Avaliação

A avaliação dar-se-á pela participação, interação do aluno entre colegas e professor,


e através de um feed back sobre os pontos positivos e negativos da aula apresentada e
trabalho de pesquisa.

9. Referências Bibliográficas

CASTILHA, F. A., ASPECTOS PEDAGOGICOS DA CAPOEIRA. Editora Méritos,


(2013).

BRASIL. Lei Federal n°. 10.639, de 9/01/2003. Estabelece a obrigatoriedade do


Ensino da História e Cultura Afro-brasileira no currículo da Rede de Ensino no Brasil.

MENEZES, A. C., TEXTOS DE CAPOEIRA: Organizado por Antônio Carlos de


Menezes “Mestre Burguês” (2015).

47
PLANO DE AULA

1. Identificação

Instituição: E. E. E. F. M. Amabilio Alves Pereira

Disciplina: Educação Física

Aula: Circuito funcional na areia

Público alvo: Turmas do 1º ao 3º ano do Ensino Médio (9 turmas)

Professor Estagiário: Antônio Sidney de Oliveira Figueiredo

Orientador de Campo: Profª. de Educ. Erica Fanjas

Orientador de Estágio: Prof. Dr. Evanildo B. Mendes

2. Objetivo geral

Desenvolver habilidades físicas.

3. Objetivos específicos

1 – Trabalhar exercícios que desenvolvam habilidades físicas;

2 – Estimular o aluno a participar de práticas esportivas;

3 – Analisar as habilidades: força, resistência, equilíbrio e coordenação motora;

4 – Promover atividades de lazer através de jogos e dinâmicas;

5 – Promover a inclusão social na escola;

4. Conteúdo programático

1 – Circuito funcional na areia;

2 – Contribuições para o bem estar físico;

3 – Importância da prática regular de atividades físicas ao ser humano;

4 – Práticas corporais.

48
5. Metodologia

A aula será aplica em todas as turmas do 1º ao 3º ano do Ensino Médio, em duas


partes: 1º parte - público masculino e na 2ª parte o público feminino.

1º Mom. Aula expositiva: Explicação da aula proposta;

2º Mom. Aquecimento com caminhada e corrida na quadra de areia;

3º Mom. Dinâmicas em grupo: Nó humano e a brincadeira de dar 10 toques na bola sem


deixá-la cair;

4º Mom. Circuito funcional com obstáculos e chute ao gol;

5º Mom. Feed back.

6. Público alvo

Alunos das turmas do 1º ao 3º ano do Ensino Médio

7. Recurso matérias

Quadra de areia, bola, cones, corda e bambolês.

8. Avaliação

A avaliação dar-se-á pela participação e interação do aluno com a aula proposta.

9. Referências Bibliográficas

TREINAMENTO FUNCIONAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA:


http://www.csa.osa.org.br/treino-funcional-nas-aulas-de-educacao-fisica/ Acesso em:
31 de outubro de 2016.

CENFOPEDUCACAOFISICA.
https://cenfopeducacaofisica.wordpress.com/2012/04/09/sugestoes-de-atividades-
circuito/ Acesso em: 31 de outubro de 2016.

49
PLANO DE AULA

1. Identificação

Instituição: E. E. E. F. M. Amabilio Alves Pereira

Disciplina: Educação Física

Aula: História da Educação Física brasileira.

Público alvo: Turmas do 1º ao 3º ano do Ensino Médio (9 turmas)

Professor Estagiário: Antônio Sidney de Oliveira Figueiredo

Orientador de Campo: Profª. de Educ. Física Erica Fanjas

Orientador de Estágio: Prof. Dr. Evanildo B. Mendes

2. Objetivo geral

Mostrar a história da educação física no Brasil, destacando sua importância no meio


educacional.

3. Objetivos específicos

1 - Socializar a história da Educação Física;

2 – Estimular a curiosidade dos alunos;

3 – Valorizar a disciplina Educação Física;

4 – Proporcionar o conhecimento histórico e físico, destacando os avanços da Educação


Física brasileira;

5 – Sensibilizar os alunos sobre a importância da prática de atividades físicas para a saúde


do ser humano;

6 – Mostrar a LDB, Art. 26;

7 – Mostrar as diversas fases da educação física no Brasil.

4. Conteúdo programático

1 – A História da Educação Física no Brasil;

2 – Contribuições indígenas e africanas;

3 – Militarização;
50
4 - Evolução da educação física;

5 – LDB, Art. 26;

6 – Práticas corporais.

5. Metodologia

A aula será dividida em duas etapas: Teórica e Prática. Com divisão de gênero,
masculino e feminino.

1º Mom. Aula expositiva apresentada em slides no Pawer point, seguido de um


documentário sobre o tema proposto;

2º Mom. Feed Back entre alunos e professor;

3º Mom. Atividades corporais: Dinâmicas, exercícios e alongamentos;

4º Mom. Avaliação da turma, relativo ao tema exposto;

5º Mom. Trabalho de pesquisa sobre o tema, valendo 2 pts.

6. Público alvo

Alunos das turmas do 1º ao 3º ano do Ensino Médio

7. Recurso matérias

Sala multimídia, quadra de areia, projetor e notebook, bolas, cones, corda e


bambolês.

8. Avaliação

A avaliação dar-se-á pela participação e interação do aluno com o conteúdo, respeito


mútuo entre colegas e professor, através de feed back e trabalho de pesquisa.

9. Referências Bibliográficas

BRASIL. APOSTILA DE ESTUDOS: História da Educação Física, FACULDADE


FAISA, “Professor Ely Carlos Santos”.

51
Registros fotográficos de observações, participações, regências e demais
atividades desenvolvidas no Ensino Fundamental II

Obs.: Os registros abaixo estão na ordem em que ocorreu o Estágio Supervisionado.

52
53
Registros fotográficos de observação, participação, regência e demais
atividades desenvolvidas em academia de musculação

54
Registros fotográficos de observações, participações, regências e demais
atividades desenvolvidas no Ensino Fundamental I

55
56
57
Registros fotográficos de observações, participações, regências e demais
atividades desenvolvidas no Ensino Médio

58
59
60
61