Você está na página 1de 8

Parte

AL 2.1 Características de uma pilha


4
OBJETIVO GERAL

Relatório das atividades laboratoriais


Determinar as características de uma pilha a partir da sua
curva característica.
A realização da atividade laboratorial proposta irá permitir
determinar o valor da resistência interna (r) de uma fonte de
tensão (pilha) e a sua força eletromotriz (f), através da passagem
de corrente elétrica num circuito com uma resistência externa
variável (Rv). A medição da diferença de potencial elétrico nos
terminais da pilha e da corrente elétrica que percorre o circuito, para diferentes valores da resistência
exterior, permite traçar e analisar o gráfico que relaciona estas grandezas, de modo a determinar as
características do gerador (curva característica).
Os geradores são dispositivos capazes de manter entre os seus terminais uma diferença de potencial
cujo valor máximo corresponde à sua força eletromotriz (f. e. m.). Quando se encontra em circuito
fechado, e devido à sua resistência interna, uma parte da energia transformada em energia elétrica é
dissipada, por efeito Joule, no próprio gerador. Assim, a diferença de potencial que se estabelece entre
os seus terminais é inferior ao valor máximo.

PARTE I  Preparação da atividade laboratorial


O que é preciso saber…

1 Qual é a função de um gerador de tensão num circuito?


Um gerador de tensão, ao manter uma diferença de potencial entre os seus terminais, tem por função
provocar o movimento orientado de cargas num circuito fechado (corrente elétrica).

2 Que grandezas são características de um gerador? Qual é o seu significado físico?


A força eletromotriz, f, e a resistência interna, r. A força eletromotriz indica a energia que o gerador é
capaz de transferir para o circuito por cada unidade de carga que o atravessa. A resistência interna é a
capacidade de o gerador se opor à passagem da corrente elétrica entre os seus terminais.

3 A
 diferença de potencial (U) entre os terminais de um gerador de força eletromotriz (f) e
resistência interna (r) quando atravessado por uma corrente de intensidade (I) é traduzida pela
expressão:
U=f-rI
Refira qual é a diferença de potencial entre os terminais de uma pilha quando esta se encontra:
a) em circuito aberto;
Como I = 0 A & U = f; ou seja, a diferença de potencial entre os terminais da pilha é igual à sua
força eletromotriz.
b) em circuito fechado;
Como I ! 0 A & U < f; ou seja, a diferença de potencial entre os terminais da pilha é sempre
inferior à sua força eletromotriz.
c) em curto-circuito (os seus polos são ligados por um fio de resistência elétrica desprezável).
A tensão entre os polos do gerador é nula (U = 0 V) e a corrente elétrica que percorre o gerador é
f
denominada corrente de curto-circuito (Icc = r ).

+ Física  •  Física A  •  10.o ano  •  Material fotocopiável  •  Santillana 155

565577 141-182 P4 AL.indd 155 11/03/15 12:11


Parte

4
4 À
 função linear U = f(I), que representa a diferença de potencial entre os terminais de uma fonte
de tensão em função da corrente que a percorre, dá-se o nome de curva característica desse
gerador.
Relatório das atividades laboratoriais

U
4.1 A partir da representação gráfica, como pode determinar
a força eletromotriz e a resistência interna de uma pilha? f

No caso de um gerador, o gráfico U = f(I) é uma reta


cuja equação é U = f - r I e em que: a força
eletromotriz, f, é a ordenada na origem; e a resistência
interna, ri, corresponde ao módulo do declive da reta.
I
4.2 Esboce a função U = f(I) de duas pilhas, uma com
resistência interna baixa e outra com resistência interna alta.

U
Resistência interna baixa
f
u2p119h2

Resistência interna alta

5 A ALU2P2H1
 associação, em série ou em paralelo, de geradores de tensão num circuito elétrico depende
da função que se pretende que o circuito desempenhe.
 onclua quanto ao valor da força eletromotriz, de uma associação de geradores de tensão iguais,
C
quando ligados:
a) em série;
Uma associação em série permite aumentar a força eletromotriz que pode ser disponibilizada ao
circuito.
b) em paralelo.
Uma associação em paralelo, de geradores de tensão iguais, não faz aumentar a força eletromotriz
mantendo o valor igual ao de uma única pilha. No entanto, permite fornecer ao circuito uma corrente
elétrica superior à que seria possível se apenas fosse utilizada uma pilha.

Refletir e construir o procedimento experimental…

1 P
 ara efetuar o estudo da curva característica de uma pilha, A I
considere o circuito constituído por um gerador (pilha) e
uma resistência exterior variável (Rv), como se ilustra na
Rv
figura ao lado.
1.1 Quais são as grandezas físicas medidas? V U

As grandezas físicas medidas são: diferença de potencial nos


terminais da pilha (U), no voltímetro V; e intensidade de
I
corrente elétrica no circuito (I), no amperímetro A.
1.2 Como proceder experimentalmente para obter dados que permitam traçar a curva característica da
pilha?
SUGESTÃO: A corrente elétrica e a queda de tensão são funções da resistência presente no circuito.

Deve-se fazer variar o valor da resistência exterior do circuito (Rv) e medir para cada um desses
valores U e I.

156 + Física  •  Física A  •  10.o ano  •  Material fotocopiável  •  Santillana

u2p120h1

565577 141-182 P4 AL.indd 156 11/03/15 12:11


Parte

4
1.3 O valor da resistência introduzida no circuito (Rv) deve ser controlado e variar de forma decrescente.
Justifique este procedimento.
O valor deve ser controlado e devem iniciar-se os ensaios utilizando os valores de resistência mais

Relatório das atividades laboratoriais


elevados para que a pilha não comece logo a descarregar-se devido à intensidade de corrente ser
muito elevada. Se a pilha descarregar muito mais depressa do que o normal ou se ocorrerem curto-
-circuitos, pode aumentar a temperatura da bateria, causando danos permanentes à mesma.
1.4 Como poderia, a partir de uma medição direta, medir a força eletromotriz da pilha? Justifique
o procedimento escolhido.
Medindo, com um voltímetro, a diferença de potencial nos terminais da pilha em circuito aberto.
Como o voltímetro tem uma resistência interna muito elevada, podemos considerar que a intensidade
da corrente no circuito é muito pequena (I . 0 A), então, f = U.
1.5 Comente a afirmação: Em circuito fechado, a tensão nos terminais de um gerador é inferior à sua
força eletromotriz.
Um gerador (fonte de tensão real) apresenta uma resistência interna devido ao movimento interno
de cargas. Quando em circuito aberto, a diferença de potencial nos terminais do gerador é igual
ao valor da sua força eletromotriz, no entanto, a partir do momento em que se encontra em circuito
fechado, ocorre uma passagem de corrente elétrica e a diferença de potencial nos seus terminais
passa a ser inferior à sua força eletromotriz, porque, como existe queda de tensão na resistência
interna, a leitura que é feita é (f - r I).

PARTE II  Execução da atividade laboratorial


Material utilizado no procedimento experimental…

•  Pilha ou conjunto de pilhas em série


•  Amperímetro
•  Voltímetro
•  Resistência variável (reóstato)
•  Interruptor
•  Fios de ligação e crocodilos

Execução do procedimento experimental

•  Faça a montagem experimental que lhe permita efetuar a medição das grandezas necessárias para
determinar as características de uma pilha a partir da sua curva característica.
•  Meça, diretamente, a força eletromotriz da pilha (f) e registe esse valor.
•  Planifique o modo de realização da experiência sabendo que se pretende, a partir da medição da diferença
de potencial nos terminais da pilha e da medição da intensidade da corrente elétrica no circuito, traçar a
curva característica e determinar as características da pilha.
SUGESTÃO: Baseie-se no circuito simples representado, no material disponível, e tenha em atenção a reflexão
anteriormente realizada, nomeadamente quanto ao valor da resistência introduzida no circuito.
•  Escolha a escala adequada para cada um dos aparelhos de medida e efetue o número de medições
necessárias para traçar a curva característica da pilha.
É conveniente, em cada medida, fechar o circuito apenas o tempo necessário para ler os valores no voltímetro
e no amperímetro, para não descarregar a pilha de alimentação destes aparelhos.
•  Execute a experiência, seguindo a metodologia escolhida, e conceba tabelas de registo de dados de forma a
sistematizar a informação relevante sobre os instrumentos de medida (grandeza física; menor divisão de
leitura; digital/analógico; incerteza absoluta de leitura — em alternativa, poderá utilizar a proposta de tabela
1) e efetuar o registo das medições diretas (diferença de potencial e intensidade da corrente elétrica).
A medição direta de grandezas deve atender à incerteza experimental associada à leitura do aparelho
de medida.
 OTA: Metade da turma deve utilizar pilhas novas e a outra metade, pilhas usadas. Após a experiência e o tratamento
N
dos dados, os grupos devem comparar, de forma crítica, os resultados experimentais obtidos.

+ Física  •  Física A  •  10.o ano  •  Material fotocopiável  •  Santillana 157

565577 141-182 P4 AL.indd 157 11/03/15 12:11


Parte

4
Registo do resultado das medições efetuadas
Tabela 1 Caracterização de cada instrumento de medida
Relatório das atividades laboratoriais

Aparelhos de medida
Voltímetro Amperímetro
Grandeza física Diferença de potencial elétrico Intensidade da corrente elétrica
Menor divisão de leitura/unidade 0,01 V 0,01 mA
Digital/analógico Digital Digital
Incerteza absoluta de leitura/unidade ! 0,01 V ! 0,01 mA

Tabela 2 Identificação/Caracterização da pilha Tabela 5 Identificação/Caracterização da pilha


Tipo de pilha: Convencional Tipo de pilha: Convencional
Estado de utilização: Nova Estado de utilização: Usada
Tamanho: Grande (D) Tamanho: Grande (D)

Tabela 3 Registo da força eletromotriz antes e após Tabela 6 Registo da força eletromotriz antes e após
dos ensaios. dos ensaios.
Força eletromotriz da pilha Força eletromotriz da pilha
1,53 ! 0,01 V 1,36 ! 0,01 V
antes dos ensaios: fi = antes dos ensaios: fi =
Força eletromotriz da pilha Força eletromotriz da pilha
1,51 ! 0,01 V 1,34 ! 0,01 V
após os ensaios: ff = após os ensaios: ff =

Tabela 4 Registo da diferença de potencial Tabela 7 Registo da diferença de potencial


e intensidade de corrente elétrica. e intensidade de corrente elétrica.
Medições diretas Medições diretas
Diferença de Intensidade da Diferença de Intensidade da
Ensaio potencial/V corrente/mA Ensaio potencial/V corrente/mA
! 0,01 ! 0,01 ! 0,01 ! 0,01
1 1,49 7,82 1 1,35 0,17
2 1,47 14,07 2 1,34 0,19
3 1,45 18,05 3 1,34 0,29
4 1,43 22,07 4 1,33 0,32
5 1,42 27,24 5 1,33 0,42
6 1,39 32,66 6 1,32 0,58
7 1,35 41,43 7 1,31 0,66
8 1,31 50,82 8 1,30 0,72
9 1,28 58,47 9 1,29 0,89
10 1,24 66,91 10 1,28 1,03
11 1,22 73,35 11 1,26 1,38
12 1,19 79,39 12 1,25 1,53
13 1,16 86,50 13 1,22 1,94
14 1,12 96,21 14 1,18 2,48
15 1,09 103,31 15 1,15 2,94
16 1,06 110,58 16 1,12 3,42
17 1,03 118,91 17 1,10 3,76
18 0,99 127,75
19 0,91 144,01

158 + Física  •  Física A  •  10.o ano  •  Material fotocopiável  •  Santillana

565577 141-182 P4 AL.indd 158 11/03/15 12:11


Parte

4
PARTE III  Análise e discussão da atividade laboratorial
1 A partir dos resultados experimentais obtidos, construa o gráfico da diferença de potencial

Relatório das atividades laboratoriais


elétrico aplicada aos terminais da pilha em função da intensidade da corrente elétrica no circuito
— curva característica.
SUGESTÃO: Utilize a calculadora gráfica ou folha de cálculo.

Pilha Convencional/Nova/Grande (D)

y = -0,0042x + 1,53
1,60
U/V 1,40
1,20
1,00
0,80
0,60
0,40
0,20
0,00
0,00 20,00 40,00 60,00 80,00 100,00 120,00 140,00 160,00
I/mA

Pilha Convencional/Usada/Grande (D)


ALU2P5H1
y = 0,069x + 1,36
1,60
U/V

1,40
1,20
1,00
0,80
0,60
0,40
0,20
0,00
0,00 0,50 1,00 1,50 2,00 2,50 3,00 3,50 4,00
I/mA

2 A ALU2P6H1
 linha média (reta mais provável) que se ajusta aos valores experimentais traduz a relação linear
que era esperada?
Sim, onde a força eletromotriz, f, é a ordenada na origem e a resistência interna, r, corresponde ao
módulo do declive da reta.
Sugestão para o professor: Fazer notar que a corrente que passa pelo circuito é uma função
inversamente proporcional ao valor da queda de tensão e ao valor da resistência externa.
A queda de tensão e a resistência são diretamente proporcionais.

3 E
 screva a equação de regressão que melhor se ajusta aos pontos experimentais, identificando as
grandezas físicas na equação da reta de regressão.

y = m x + b; U = -r I + f
A força eletromotriz, f, é a ordenada na origem; e a resistência interna, r, corresponde ao módulo
do declive da reta.
Pilha Convencional/Nova/Grande (D)
U = -0,0042I + 1,53 V
Pilha Convencional/Usada/Grande (D)
U = -0,069I + 1,36 V

+ Física  •  Física A  •  10.o ano  •  Material fotocopiável  •  Santillana 159

565577 141-182 P4 AL.indd 159 11/03/15 12:11


Parte

4
4 D
 etermine, a partir da equação de regressão, o valor da força eletromotriz e da resistência
interna da pilha.
Pilha Convencional/Nova/Grande (D)
Relatório das atividades laboratoriais

U = -0,0042I + 1,53 V
f = 1,53 V
ri = 4,2 X
Pilha Convencional/Usada/Grande (D)
U = -0,069I + 1,36 V
f = 1,36 V
ri = 69 X

5 C
 ompare o valor da força eletromotriz obtido a partir da equação de regressão com o valor da
força eletromotriz medido diretamente nos terminais da pilha. Seja crítico quanto aos resultados
obtidos.
O valor da força eletromotriz, obtido a partir da equação de regressão, está dentro do intervalo de
incerteza associada à medição direta nos terminais da pilha em circuito aberto. Conclui-se, assim, que
ambos os métodos de medição da força eletromotriz são concordantes.

6 C
 ompare, de forma crítica, os valores da força eletromotriz e da resistência interna, relativos a
pilhas novas e usadas.
SUGESTÃO: Deve comparar os resultados experimentais obtidos pelos diferentes grupos.

A força eletromotriz de uma pilha nova é superior à de uma pilha usada, e a resistência interna é
superior no caso da pilha usada.
Sugestão para o professor: Fazer notar que, depois de terminada a atividade, a força eletromotriz da
pilha é menor, o que pode ser comprovado experimentalmente.

7 C
 onclua quanto ao valor da resistência interna de uma pilha em função do tempo de utilização.
A resistência interna da pilha aumenta com o seu uso, e a sua força eletromotriz diminui.

8 D
 iga, justificando, em que condições uma pilha transforma mais energia, isto é, em que a pilha
se «gasta» mais facilmente.
O tempo que a pilha demora a descarregar é proporcional à resistência do dispositivo. Se essa resistência
for baixa, a corrente será maior. Assim, serão transferidas mais cargas, por unidade de tempo, e a pilha
demorará menos tempo a descarregar. Maximiza-se a potência fornecida ao circuito e,
consequentemente, «gasta-se» a pilha mais facilmente.
Aplicando a conservação de energia ao circuito, obtém-se a potência elétrica útil em função da
resistência externa (R):
f2
Pe = R I2 = R
(r + R)2
A função anterior é máxima quando a resistência interna r = R.

0,15
P e /W

Pmax r = 4,2 Ω; f = 1,53 V


0,10

0,05

0,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
R/Ω

160 + Física  •  Física A  •  10.o ano  •  Material fotocopiável  •  Santillana

ALU2P7H1

565577 141-182 P4 AL.indd 160 11/03/15 12:11


Parte

4
9 C
 omente a seguinte recomendação, feita pelos fabricantes de equipamentos: «Não misture
pilhas usadas com pilhas novas, nem tipos de pilhas diferentes.»
Se for feita uma associação de pilhas de diferentes tipos e/ou diferentes tempos de utilização, ou seja,

Relatório das atividades laboratoriais


com resistências internas diferentes, o desempenho da associação sairá prejudicado. Limita-se a
intensidade da corrente elétrica e a potência útil decresce.
Por exemplo, uma pilha alcalina tem uma resistência interna menor do que uma pilha convencional
(ambas novas e do mesmo tamanho).

PARTE IV  Saber +


A procura de pilhas e baterias, de menores dimensões e mais eficientes, levou à existência de
uma grande variedade das mesmas. Na escolha de um determinado tipo de pilha ou bateria,
para a alimentação de um equipamento, deve ter-se
em consideração, a tensão que deverá ser mantida
AAA Lítio AAA Alcalina
no circuito durante o tempo de funcionamento
do mesmo. 1,6

A forma como esta tensão se mantém durante a vida 1,4

Tensão/ V
útil da pilha ou bateria pode, no entanto, variar e isso
1,2
pode afetar o desempenho do equipamento. Tal
como representado na figura, diferentes tipos de 1,0
pilha possuem características de descarga diferentes.
0,8
Por exemplo, a curva típica de descarga de uma pilha 0 6 12 18 24 30
de lítio, mostra que a tensão se mantém estável por Vida útil/h
um longo período. I = 50 mA; t = 21 °C

1 Pilhas e baterias são exemplos de geradores eletroquímicos utilizados em larga escala no dia-a-
dia. Responda às questões seguintes.
1.1 O que é um gerador eletroquímico?
É um gerador que transforma energia química em energia elétrica.
1.2 Existem à venda pilhas/baterias não recarregáveis (gerador primário) eu2p121h1
recarregáveis (gerador
secundário). Faça uma pesquisa sobre o que as distingue e dê exemplos.

Os geradores primários produzem um único processo de descarga, uma vez que as reações químicas
internas são irreversíveis. Exemplos: pilha de zinco-carbono; pilha alcalina; pilha de lítio.

Os geradores secundários permitem cargas e descargas repetidas, uma vez que as transformações
químicas que ocorrem no seu interior podem ser revertidas. Exemplos: bateria de níquel-cádmio
(NiCd); bateria de níquel-metal hidreto (NiMH); bateria de ião-lítio (Li-Ion).
1.3 Estes geradores são exemplos de geradores não ideais. Justifique esta afirmação com base
no efeito provocado na tensão, quando montados num circuito elétrico.

Para um gerador ideal, qualquer que seja a corrente fornecida, a tensão de saída (medida nos
terminais do gerador) será sempre igual à força eletromotriz do gerador. A tensão de saída será
constante para qualquer valor de intensidade de corrente elétrica.

Se estes geradores não são ideais, tal significa que a tensão de saída varia com a intensidade de
corrente elétrica, para este caso diminui com o aumento da intensidade de corrente elétrica
(há dissipação de energia por efeito Joule na resistência interna).

+ Física  •  Física A  •  10.o ano  •  Material fotocopiável  •  Santillana 161

565577 141-182 P4 AL.indd 161 11/03/15 12:11


Parte

4
2 O
 circuito interno de alguns equipamentos impede que o equipamento funcione quando a
tensão na pilha está abaixo de um determinado valor (tensão de corte).
De acordo com a informação disponível, refira:
Relatório das atividades laboratoriais

a) o tipo de pilha a adquirir, alcalina ou Equipamento Microfone s/ fios Leitor MP3


de lítio, para equipar um microfone
Classificação das pilhas AAA AAA
sem fios que se pretende a funcionar
em contínuo durante 20 horas; N.º de pilhas 1 1
Tensão de corte/V 1,25 1,12
Pilha de lítio.
b) o tempo máximo de utilização do leitor de MP3, sabendo que está equipado com uma pilha AAA alcalina.
Nas condições apresentadas, aproximadamente 18 horas.

3 C
 omente a seguinte afirmação: Quanto mais elevada for a tensão de corte de funcionamento de
um equipamento, mais curta será a vida útil da pilha ou bateria usada para alimentá-lo.
Pela análise do gráfico, verifica-se uma diminuição da tensão durante o tempo de vida da pilha/bateria.
Deste modo, quanto mais elevado for o nível mínimo de tensão que esse equipamento permite, mais
rapidamente esse nível será atingido e mais curta será a vida útil da pilha ou bateria usada para o
alimentar. No entanto, se estas forem usadas em equipamentos que permitem tensões inferiores, elas
podem continuar a funcionar durante um período de tempo mais longo.

4 A
 s figuras seguintes permitem comparar as curvas de descarga e a resistência interna de dois
tipos de pilhas com a sua utilização.
 que pode concluir quanto à variação da tensão e da resistência interna de cada tipo de pilha
O
com a sua utilização?

Alcalina AA Lítio AA (Li-FeS2)


1,8 1,0 1,8 1,0

1,6 0,8 1,6 0,8


Resistência/ X

Resistência/ X
Tensão/ V

Tensão/ V

1,4 0,6 1,4 0,6

1,2 0,4 1,2 0,4

1,0 0,2 1,0 0,2

0,8 0,0 0,8 0,0


0 10 20 30 40 50 60 0 10 20 30 40 50 60 70
Tempo/h Tempo/h I = 50 mA

Na pilha alcalina a tensão decresce de forma significativa ao longo do tempo de utilização e a sua
resistência interna aumenta, atingindo um valor de aproximadamente 0,8 X. Na pilha de lítio, após uma
queda inicial, a tensão sofre um decréscimo pouco significativo ao longo da sua vida útil e a sua
resistência interna permanece baixa, num valor inferior a 0,2 X.
u2p121h3
5 R
 efira, justificando, se será possível medir a resistência interna de um gerador utilizando um
u2p121h2
ohmímetro.
Um ohmímetro é um aparelho de medida de resistências. Não é possível medir a resistência interna
do gerador com um ohmímetro, pois tal procedimento danificaria o gerador.

6 J ustifique a seguinte afirmação: Os geradores não fornecem toda a energia elétrica que
produzem. Parte da energia elétrica produzida é dissipada dentro do próprio gerador.
Os geradores não ideais têm uma resistência elétrica interna e parte da energia elétrica é dissipada
por efeito Joule nesta resistência.

162 + Física  •  Física A  •  10.o ano  •  Material fotocopiável  •  Santillana

565577 141-182 P4 AL.indd 162 11/03/15 12:11