Você está na página 1de 32

PROJETO BÁSICO

DE
SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

Estudos populacionais, vazões de projeto e método de


captação

Amanda Pampaloni Pizzi


Diego Cidade
Kawane Korine Lopes
Paula Murakami

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ............................................................................................................... 3
2. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PROJETO ........................................................ 3
2.1. Informações Cadastrais ........................................................................................ 3
2.2. Objetivo...................................................................................................................... 4
3. CARACTERIZAÇÃO GERAL DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO
CAMPO ................................................................................................................................... 4
3.1. Localização e Acessos .......................................................................................... 4
3.2. Aspectos Territoriais e Demográficos ............................................................... 6
3.3. Aspectos Geomorfológicos.................................................................................. 7
3.4. Aspectos Hidrográficos ......................................................................................... 7
3.5. Aspectos Climáticos ............................................................................................ 10
3.6. Evolução Urbana e Aspectos Demográficos ................................................. 10
3.7. Aspectos Econômicos ......................................................................................... 14
3.8. Caracterização Local ............................................................................................ 14
4. PREMISSAS DE PROJETO ..................................................................................... 15
4.1. Componentes Censitários .................................................................................. 15
4.2. Vazão Média do Manancial ................................................................................. 15
4.3. Parâmetros de Projeto ......................................................................................... 16
4.3. Projeção Populacional ......................................................................................... 17
5. VAZÃO DA CAPTAÇÃO, ESTAÇÃO ELEVATÓRIA E ADUTORA ATÉ A ETA
(Q1)........................................................................................................................................ 20
5.1. Seleção do método de captação e regularização de vazão ....................... 21
5.2. Diâmetro da Adutora e Perda de Carga .......................................................... 22
6. CONSIDERAÇÕES FINAIS ...................................................................................... 22
7. BIBLIOGRAFIA ........................................................................................................... 24

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
1. INTRODUÇÃO

A concepção de um sistema de abastecimento de água solicita a análise de


um conjunto de estudos referentes a diretrizes, parâmetros e definições
necessárias para a caracterização completa de um sistema a projetar.

O estudo de concepção deve ser precedido de um diagnóstico das


condições técnicas, ambientais e socioeconômica da área, incluso a
avaliação de documentos de referências e estudos existentes anteriormente
no município.

O estudo concepcional visa identificar e quantificar todos os fatores


intervenientes com o sistema de abastecimento de água, diagnóstico do
sistema existente, levando em consideração a situação atual e futura,
estabelecimento de todos os parâmetros básicos do projeto, pré-
dimensionamento das unidades do sistema, escolha das alternativas mais
adequadas, entre outras.

Os elementos necessários à elaboração e construção de um sistema de


abastecimento de água consistem em manancial, captação, estação
elevatória, adutora, estação de tratamento de água, reservatório e rede de
distribuição (TSUTIYA, 2014).

2. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PROJETO

2.1. Informações Cadastrais

Nome: Projeto Básico de sistema de abastecimento de Água


Localização: Município de São Bernardo do Campo – São Paulo
Proprietário/Empreendedor: Prefeitura do Município de São Bernardo do
Campo
Empresa executante: Faculdade de Tecnologia de São Paulo

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
2.2. Objetivo

Este projeto tem como objetivo a aplicação prática dos conhecimentos


obtidos em aula, para a concepção de um projeto de sistema de
abastecimento de água desde a captação à rede de distribuição. Calculando
através dos métodos aritmético, geométrico e curva logística a projeção
populacional e vazões de dimensionamento de uma cidade para o ano de
2030, definindo o local de captação da água, o tipo do sistema e também
verificando se o mesmo atenderá a demanda prevista.

3. CARACTERIZAÇÃO GERAL DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO


CAMPO

Os aspectos físicos, demográficos e socioeconômicos são necessários para


a elaboração do estudo de concepção e projeto de um sistema de
abastecimento. A seguir apresentamos as características regionais
necessárias à caracterização da área de estudo.

3.1. Localização e Acessos

Localizada a sudoeste da Região Metropolitana de São Paulo, São Bernardo


do Campo é uma das integrantes da região do Grande ABC. Limita-se com
São Vicente, Cubatão, Santo André, São Caetano do Sul, Diadema e São
Paulo.

São Bernardo do Campo é atendida pelas seguintes rodovias: SP-150 –


Rodovia Anchieta (principal acesso à cidade), SP-160 – Rodovia dos
Imigrantes, SP-21 – Rodoanel, SP-31 – Rodovia Índio Tibiriçá e SP-148 –
Caminho do Mar. A Figura 1 apresenta a delimitação do município e suas
principais vias de acesso.

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
Figura 1. Delimitação do município de São Bernardo do Campo
Fonte: Google Maps (2018)

A Figura 2 ilustra a área de estudo na porção central do município de São


Bernardo do Campo.

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
Figura 2. Identificação da área de estudo
Fonte: Google Earth

3.2. Aspectos Territoriais e Demográficos

Apresenta-se a seguir um resumo das características territoriais e


demográficas do município, conforme constantes no Censo 2010.

População (2010): 765.463 habitantes


Área: 407,47 km²
IDHM (2010): 0,805
Densidade demográfica: 1877,94 hab/km²
Ano de Instalação: 1944
Microrregião: São Paulo
Mesoregião: Metropolitana de São Paulo
Renda per capita (2010): R$ 1.212,65;
Taxa anual média de crescimento entre 2000 e 2010: 1,28%.
Índice de Urbanização (2010): 98,26%

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
3.3. Aspectos Geomorfológicos

O município de São Bernardo do Campo situa-se na Bacia Sedimentar de


São Paulo, na porção chamada de Planalto Paulista, com relevo suavizado
de morros e espigões de modestas alturas).

3.4. Aspectos Hidrográficos

A proximidade com o Porto de Santos, fez de São Bernardo uma das


primeiras cidades brasileiras. Sua hidrografia é muito rica, formada pelas
Bacias do Rio Tamanduateí (composta pelo Ribeirão dos Meninos e dos
Couros e seus afluentes) e do Rio Pinheiros (composta pelo represamento
do Rio Grande e seus afluentes). Pelo município nascem ou passam, além
dos já mencionados Ribeirão dos Meninos e Ribeirão dos Couros, os Rios
Cubatão de Cima, Pedra Branca e Capivari, o Ribeirão das Antas e os
Córregos Taióca, Itororó e Palmares (Brasil Channel).

Parte do município encontra-se sobre o Aqüífero São Paulo, sedimentar de


extensão limitada. É constituído por sedimentos arenosos a argilosos
formados há pouco mais de 2 milhões de anos e depositados em ambientes
fluvial (rios) e lacustre (lagos). Sua espessura média é da ordem de 100
metros, chegando a atingir em alguns locais mais de 250 metros.

As vazões recomendadas são, em geral, inferiores a 2,8 litros/segundo por


poço. Em algumas porções onde predominam sedimentos arenosos, as
vazões podem chegar a 11 litros/segundo, como na zona leste da cidade de
São Paulo e nos arredores do Aeroporto Internacional de Guarulhos. As
águas são, de modo geral, adequadas ao consumo humano e para diversos
usos (Governo do Estado de São Paulo, 2017).

Estudos realizados pelo DAEE (1975), com base em análises físico-químicas


realizadas em cerca de 50 poços, mostram que as águas subterrâneas do
Aqüífero São Paulo têm baixa salinidade. A maioria dos poços analisados
apresentou teores de resíduo seco menores que 250 mg/L; dureza total

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
abaixo de 65 mg/L de CaCO3 e baixa concentração de cloretos (65 mg/L de
Cl). Em todos os poços a concentração de sulfato foi menor que 80 mg/L de
SO4 , com o pH variando entre 5,5 e 6,5. As águas bicarbonatadas cálcicas
são os tipos químicos predominantes. A qualidade natural das águas
subterrâneas do Aqüífero São Paulo é, no geral, adequada ao consumo para
os diversos tipos de uso ou atividades. As principais restrições referem-se à
presença de fluoreto, ferro e manganês. Metade dos poços (25) apresentou
fluoreto acima de 0,7 mg/L dos quais seis, no eixo Lapa – Jaguaré – Osasco,
superiores a 1,6 mg/L. Cerca de 25 poços também excedem os padrões de
0,3 mg/L de ferro ou 0,05 mg/L de manganês, ou ambos. Já com relação às
concentrações de boro, em torno de 0,03 mg/L, e de sódio (expresso pela
Relação de Absorção de Sódio – SAR), na faixa de 5 a 15, indicam que
estas águas se mostram adequadas para o uso agrícola.

Figura 3. Vazão explorável do Aquífero São Paulo.


Fonte: Departamento de Água e Energia Elétrica (DAEE)

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
Na Figura 3, extraída do DAEE, é possível verificar a vazão explorável em
todo o Aquífero São Paulo. As áreas em azul mais escuro apresentam vazão
de 20 a 40 m³/h, enquanto que as áreas em azul intermediário apresentam
de 10 a 20 m³/h. O restante da área é menor do que 10 m³/h.

As áreas com potencial de alagamento no município estão identificadas na


Figura 4 (Prefeitura de São Bernardo do Campo, 2012).

Figura 4. Áreas sujeitas a alagamento.


Fonte: Prefeitura de São Bernardo do Campo (2012)

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
3.5. Aspectos Climáticos

O meio ambiente está muito caracterizado em seu território, já que 53,7% de


sua área são de proteção aos mananciais. Sua vegetação tem na área
próxima à Serra do Mar a Mata Atlântica original e, às margens da represa,
capoeiras baixas e ralas. O clima úmido temperado faz com que São
Bernardo tenha médias de temperatura entre 15º e 24ºC e média anual de
índices pluviométricos (últimos 35 anos) de 1.324mm.

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes


ao período de novembro de 1971 a junho de 1976, o maior acumulado
de precipitação em 24 horas foi de 88 milímetros em 5 de abril de 1974, e o
menor índice de umidade relativa do ar de 19%, nos dias 24 de junho de
1972 e 4 de agosto de 1975.

A variação de temperatura no clima impacta na quantidade de água utilizada


e, consequentemente, a definição no dimensionamento do sistema para a
quantidade que deve ser fornecida.

3.6. Evolução Urbana e Aspectos Demográficos

O Plano Diretor de São Bernardo do Campo (Lei nº 5.593/06) foi instituído


em 05 de outubro de 2006. Além disso, o município apresenta a Lei nº
5.716, de 23 de agosto de 2007, que dispõe sobre o uso e ocupação do solo
e define parâmetros reguladores. Essa Lei possui nomenclaturas e
definições compatíveis com o definido na Lei de Mananciais (Lei Estadual nº
9.866/97). A Tabela 1 apresenta as categorias de zoneamento e suas
definições.

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
Tabela 1. Categorias de Zoneamento de São Bernardo do Campo.

Zona de Uso e Ocupação do


Definição
Solo
Zona de
Área caracterizada por adensamento e ocupação e
ZDU Desenvolvimento
atividade urbana, predominantemente regularizada.
Urbano
Macrozona de
Caracterizada por áreas com necessidade de
Vocação Urbana -
intervenções urbanas visando à recuperação de
MVU Zona de
ZRU qualidade de vida, ao desenvolvimento econômico
Recuperação Urbana
sustentável e ao fornecimento de infraestrutura
urbana.

Caracterizada por áreas onde deverão ser implantadas


Zona Empresarial
ZEE as atividades empresariais dos mais diversos
Estratégica
segmentos.

Zona de Caracterizada por porções territoriais localizadas em


Macrozona Urbana
ZRUA Recuperação Urbana áreas de proteção aos mananciais, com possibilidade
de Recuperação
e Ambiental de ordenação da ocupação e de adensamento urbano.
Ambiental - MURA

Zona de Caracterizada por uma faixa de grande extensão


ZRA Recuperação territorial com a necessidade de ações de recuperação
Ambiental e de preservação ambiental.

Caracterizada por áreas que apresentam baixa


Zona Ambiental de
ZAOD densidade populacional e necessitam de recuperação
Ocupação Dirigida
Macrozona de ambiental.

Ocupação Dirigida - Caracterizada por grandes áreas naturais, voltadas


Zona
MOD preferencialmente para produção de água, com
ZOSES Socioeconômica
ocupações esparsas, sem sustentabilidade
Sustentável
socioeconômica e ambiental.

Área como caracterizada de preservação permanente


Zona de Restrição à
Macrozona de ZRO-1 e de interesse para proteção aos mananciais e para a
Ocupação 1
Restrição à conservação dos recursos naturais.
Ocupação - MRO Zona de Restrição à Compreende as áreas protegidas pelo Parque
ZRO-2
Ocupação 2 Estadual da Serra do Mar.
Destinada prioritariamente à regularização fundiária,
Zona Especial de requalificação urbanística e socioambiental e de
ZEIS
Interesse Social mercado popular e sua adequada inclusão ao tecido
Zonas Especiais
urbano do município.
Zona Especial de Destinada prioritariamente à proteção e recuperação
ZEIA
Interesse Ambiental da paisagem e do meio ambiente.

Fonte: Prefeitura Municipal de São Bernardo do Campo - PMSBC

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
Na Figura 5, é possível visualizar as diferentes zonas de uso e ocupação do
solo do Município de São Bernardo do Campo.

Figura 5. Zoneamento do Plano Diretor do Município de São Bernardo do Campo.


Fonte: Secretaria de Estado do Meio Ambiente - Estado de São Paulo.

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
A Figura 6 apresenta as mesmas áreas, destacando as que se encontram
em desacordo com a Lei Estadual nº 13.579/10, que define a Área de
Proteção e Recuperação dos Mananciais da Bacia Hidrográfica do
Reservatório Billings - APRM-B.

Figura 6. Áreas do Zoneamento de São Bernardo do Campo com Parâmetros


Urbanísticos em Desacordo com a Lei Estadual nº 13.579/10.
Fonte: Secretaria de Estado do Meio Ambiente - Estado de São Paulo.

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
3.7. Aspectos Econômicos

Desde a década de 1950, o município tem sua economia baseada


na indústria automobilística – sede das primeiras montadoras de veículos
do Brasil, tais como Volkswagen, Ford, Scania, Toyota, Mercedes-
Benz, Karmann Ghia e Willys-Overland – além das indústrias de autopeças
que as suportam, de indústrias de tintas, como a Basf, que produz as
tintas Suvinil, e da maior planta industrial do mundo de dentifrícios
da Colgate-Palmolive.

Na década de 1990, a economia da região teve uma grande diversificação, o


que elevou a importância do setor de serviços na cidade. O comércio é
variado e encontrado em todos os bairros, destacando-se o tradicional
comércio da Rua Marechal Deodoro e adjacências, e o conhecido
nacionalmente Centro Moveleiro da Jurubatuba, que dá a São Bernardo do
Campo a denominação de Capital do Móvel.

A construção civil e a reforma urbana se impulsionaram em 2008, com a


construção do trecho sul do Rodoanel, um anel viário da Região
Metropolitana de São Paulo, na Avenida Pery Ronchetti com a duplicação e
canalização do córrego Saracantan, além da construção de muitos edifícios,
a maioria residencial, com reformas do Shopping Metrópole, do Golden
Shopping, a inauguração do Shopping Coração, a desconstrução do antigo
prédio do Best Shopping e revitalização da região do bairro Parque dos
Pássaros, e da nova Câmara Municipal.

3.8. Caracterização Local

A área de estudo contempla uma grande porção central no município de São


Bernardo de Campo, abrangendo cerca de 526.000 m² e contempla 10
bairros do município, sendo eles: Jardim Paramount, Jardim Holyood,
Parque Anchieta, Vila Marlene, Vila Marli, Conj. Hab. do Trevo, Vila Júpter

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
Nova, Jardim Chácara Inglesa, Vila Euclides, Vila Planalto e Planalto. A área
é cortada na direção N-S pela Rodovia Anchieta, na direção L-O pela
Avenida Piraporinha.

O principal curso d’água da área é o Córrego Jurubatuba, onde se pretende


realizar a captação para atender o sistema. O relevo é escarpado, tendo a
Rodovia Anchieta como divisor, e altitude variando entre 760m e 805m. A
ocupação urbana é bastante densificada e diversificada, com uso
residencial, comercial e industrial.

4. PREMISSAS DE PROJETO

O munícipio de São Bernardo do Campo decidiu instalar sua própria Estação


de Tratamento de Água em seu território, sendo assim, foi levantada uma
série de dados estatísticos para elaborar esse grande projeto, sendo alguns
deles presentes nos dados abaixo.

4.1. Componentes Censitários

Para a realização dos estudos populacionais, e estimativas de demandas


serão utilizados dados fornecidos pela Contratante. Estes dados
compreendem resultados dos censos e são apresentados na Tabela 2.

Tabela 2. Dados Censitários

Ano População

1990 (P ) 18.651
2000 (P ) 21.952
2010 (P ) 23.792
Fonte: Contratante

4.2. Vazão Média do Manancial

Outro elemento fundamental à elaboração de um sistema de abastecimento


é a disponibilidade hídrica. O manancial indicado pelo Contratante é o

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
Córrego Jurubatuba, cujos dados de vazão mensal são apresentados na
Tabela 3.

Tabela 3. Dados de vazão média do manancial


Mês Vazão (l/s)

Jan 220

Fev 230

Mar 245

Abr 225

Mai 200

Jun 195

Jul 175

Ago 170

Set 185

Out 190

Nov 190

Dez 195

Média 201,67

Fonte: Contratante
Atendendo as diretrizes da boa técnica e do Contratante, para efeito de
dimensionamento, será utilizada a vazão média anual de 201,67 L/s

4.3. Parâmetros de Projeto


A seguir, a Tabela 4 apresenta os parâmetros fornecidos pelo Contratante
para a elaboração do projeto.

Tabela 4. Parâmetros de Projeto


Parâmetro (unidade) Valor
Volume macromedido (m³/mês) 160.325
Volume micromedido (m³/mês) 106.115
Índice de perdas final - 2030 (%) 11
Índice de submedição (%) 15%
Coeficiente de dia de maior consumo (k1) 1,15
Coeficiente de hora de maior consumo (k2) 1,45

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
Consumo especial (CESP) 130 L/s
Consumo na ETA (CETA) 6% da vazão tratada

Fonte: Contratante

Este serão os parâmetros utilizados para o cálculos das vazões de projeto e


dimensionamento das estruturas da ETA.

No Anexo I deste relatório, são apresentados os cálculos do consumo efetivo


e índice de perdas do projeto.

4.3. Projeção Populacional

Os principais métodos utilizados para as projeções populacionais são:


a) Crescimento aritmético
b) Crescimento geométrico
c) Curva logística

Cada um destes métodos apresenta características próprias e se prestam a


diferentes situações. A Tabela 5 é uma compilação das principais
características de cada método.

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
Tabela 5. Métodos de projeção populacional
Fórmula da
Método Descrição Coeficientes
projeção

Crescimento populacional segundo uma


aritmética
Projeção

taxa constante. Método utilizado para P P


Ka  2 0
estimativas de menor prazo Pt  P0  K a .(t  t 0 ) t 2  t0

lnP2  lnP0
Kg 
Crescimento populacional função da K g .(t  t 0 ) t2  t0
geométrica

Pt  P0 .e
Projeção

população existente a cada instante.


Utilizado para estimativas de menor ou ou
prazo.
Kg
Pt  P0 .(1  i)(t  t 0 ) ie 1

2.P0 .P1 .P2  P1 2 .(P0  P2 )


O crescimento populacional segue uma Ps 
relação matemática, que estabelece P0 .P2  P1 2
Crescimento logístico

uma curva em forma de S. A população


tende assintoticamente a um valor de
saturação. Os parâmetros podem ser
também estimados por regressão não Ps c  (Ps  P0 )/P0
Pt 
K l .(t  t 0 )
linear. Condições necessárias: 1  c.e
P0<P1<P2 e P0.P2<P12. O ponto de
inflexão na curva ocorre no tempo [to- 1 P .(P - P )
ln(c)/K1] e com Pt=Ps/2. Kl = .ln[ 0 s 1 ]
t 2 - t1 P1.(Ps - P0 )

Fonte: Von Sperling (2005)

Com base nas informações fornecidas anteriormente, a projeção


populacional da área de estudo foi calculada, com todos os métodos
descritos, conforme apresentado na Tabela 6.

Tabela 6. Projeções Populacionais para a área de estudo


Método Método Método da
Ano
Aritmético Geométrico Curva Logística
2010 (P2) 23792 23792 23792
2020 (P3) 25632 25787 24697
2030 (P4) 27472 27948 25114
Os gráficos de 1 a 3 mostram o comportamento das curvas de crescimento
para os métodos descritos.

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
Gráfico 1. Curva de crescimento - Método Aritmético

Projeção Populacional Aritmético


27472
25632
23792
21952
18651

1990 2000 2010 2020 2030

Gráfico 2. Curva de crescimento - Método Geométrico

Projeção Populacional Geométrico


27948
25787
23792
21952
18651

1990 2000 2010 2020 2030

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
Gráfico 3. Curva de crescimento - Método Curva Logística

Projeção Populacional Curva Logística

24697 25114
23792
21952
18651

1990 2000 2010 2020 2030

Tendo em vista que o horizonte de projeto é de 20 anos, optou-se pela


utilização do método de crescimento curva logística, sendo a população
estimada em 24.697 habitantes para 2020, e 25.114 habitantes para 2030.

5. VAZÃO DA CAPTAÇÃO, ESTAÇÃO ELEVATÓRIA E ADUTORA ATÉ


A ETA (Q1)

Para o dimensionamento das vazões foram utilizados os dados de consumo


efetivo e os coeficientes K, que visam a correção da vazão para os dias e
horas de maior demanda.

A Tabela 7 apresenta resumidamente os resultados obtidos.

Tabela 7. Resumo das Vazões Estimadas


Ano Qmed (L/s) Qmaxd (L/s) Qmaxh (L/s)
2030 200,90 189,52 216,31

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
Apresenta-se no Anexo I a memória de cálculo para os resultados dos
gráficos e da Tabela 7.

5.1. Seleção do método de captação e regularização de vazão

Com a análise dos dados obtidos, verificou-se que o manancial selecionado


é insuficiente para atender as demandas projetadas, com um déficit de
aproximadamente 15 L/s, ampliado no período crítico do manancial,
compreendido entre os meses de maio e dezembro. Esta situação requisita
que método de seja a captação direta em barragem de concreto e a vazão
seja regularizada, conforme apresentado na Tabela 8. Como resultado será
necessário um reservatório com capacidade de mínima de 808,70 m³,
conforme apresentado no Desenho PSAA - ETA - DES - REV0 no Anexo II
deste relatório. Mesmo assim, tendo em vista que mesmo a vazão
regularizada é insuficiente, o Contratante deverá verificar um manancial
suplementar para sanar a deficiência do sistema.

Tabela 8. Regularização de Vazão


Volume
Vazão Volume Capacidade
Vazão Afluente
Média do Qafluente Qr (l/s) necessário Mínima do
Mês Excedente (l/s)
Manancial (l/s) (demanda) no período Reservatório
(l/s) (Período
(l/s) crítico (m³) (m³)
Crítico)

jan 220 0,018 0,220 0,201 - - -


fev 230 0,047 0,230 0,201 - - -
mar 245 0,090 0,245 0,201 - - -
abr 225 0,113 0,225 0,201 - - -
mai 200 0,112 0,200 0,201 6,2 - -
jun 195 0,105 0,195 0,201 5,85 - -
jul 175 0,078 0,175 0,201 5,425 - -
ago 170 0,047 0,170 0,201 5,27 - -
set 185 0,030 0,185 0,201 5,55 - -
out 190 0,018 0,190 0,201 5,89 - -
nov 190 0,007 0,190 0,201 5,7 - -
dez 195 0,000 0,195 0,201 6,045 - -
4254,76 808,70

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
5.2. Diâmetro da Adutora e Perda de Carga

Como premissa para determinação da perda de carga e diâmetro da


adutora, serão adotados os seguintes valores:

Qprojeto = 221L/s
Extensão = 490m
Diferença de nível = 60 m
Material da tubulação = Ferro Fundido (FoFo)

Desta maneira, determinou-se que o diâmetro a ser utilizado é Ø500 mm, e


que a perda de carga, calculada pela Fórmula Universal, é de 1,04, ou seja,
a altura manométrica total é de 61,04 m.

6. CONSIDERAÇÕES FINAIS

A concepção e o projeto de um sistema de abastecimento se mostram


atividades bastante complexas, tendo um grande número de variáveis a
serem consideradas.
Para determinação do crescimento populacional foram utilizados os métodos
aritmético, geométrico e logístico, com base nos valores censitários de 1990,
2000 e 2010, fornecidos pelo Contratante. Para efeito de projeto, adotou-se
os resultados obtidos pelo método logístico, pois o mesmo se mostra mais
adequado para projeções de longo prazo. De posse dos resultados da
projeção populacional, procedeu-se o cálculo das vazões, no qual foi
possível verificar que o manancial não suportará as demandas do sistema.
Desta forma, o método de captação adotado será a captação direta em
barragem de concreto, e ainda, deverá o Contratante providenciar estudo
para manancial suplementar, sanando o déficit do sistema.
Nas etapas posteriores de projeto, serão dimensionadas as estruturas de
tratamento e distribuição, de maneira a contemplar todos os elementos

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
necessários à construção, operação e manutenção de um sistema de
abastecimento.

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
7. BIBLIOGRAFIA

Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. São Bernardo do Campo,


SP. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/perfil_m/sao-
bernardo-do-campo_sp . Acessado em: 01/03/2018.
Brasil Channel. São Bernardo do Campo – SP. Disponível em:
http://brasilchannel.com.br/municipios/mostrar_municipio.asp?nome=S%C3
%A3o%20Bernardo%20do%20Campo&uf=SP&tipo=lazer . Acessado em:
01/03/2018.
Consórcio PCJ. Bacias PCJ. Disponível em: http://agua.org.br/bacias-pcj/ .
Acessado em: 01/03/2018.
DAEE – Departamento de Águas e Energia Elétrica. Disponível em:
http://www.daee.sp.gov.br/images/documentos/MAPA_AS.pdf . Acessado
em: 02/03/2018.
Google Maps. Figura 1 – Delimitação do município de São Bernardo do
Campo. Disponível em:
https://www.google.com.br/maps/place/S%C3%A3o+Bernardo+do+Campo,+
SP/@-23.8046745,-
46.6718363,11z/data=!3m1!4b1!4m5!3m4!1s0x94ce3fc6927dd0c3:0xcdcd0d
550f9656cf!8m2!3d-23.6898429!4d-46.5648481 . Acessado em: 08/03/2018.
Governo do Estado de São Paulo. Aquíferos. Disponível em:
http://arquivos.ambiente.sp.gov.br/publicacoes/2016/12/01-aguas-
subterraneas-2012.pdf . Acessado em: 10/03/2018.
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de
Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa Nacional por
Amostra de Domicílios Contínua 2016. Disponível em:
https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/panorama . Acessado em: 10/03/2018.
INMET – Instituto Nacional de Meteorologia. BDMEP – Dados Históricos.
Disponível em: http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=bdmep/bdmep .
Acessado em: 10/03/2018.
Prefeitura de São Bernardo do Campo. Disponível em:
http://www.saobernardo.sp.gov.br/prefeitura . Acessado em: 02/03/2018.

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
Prefeitura de São Bernardo do Campo. Figura 4 – Áreas sujeitas a
Alagamentos e Inundações. Disponível em:
http://www.saobernardo.sp.gov.br/documents/10181/22150/Mapa1_Areas_al
agamentos.jpg/6482b634-2d5d-4870-9ab7-7a9cec0a83ff?t=1405975059697
. Acessado em: 02/03/2018.
SABESP – Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo.
Programa de Redução de Perdas de Água e Eficiência Energética.
Disponível em: http://www.aesabesp.org.br/arquivos/etbs/02-
progcorporativodeperdas-ceciliahassegawa_sabesp.pdf . Acessado em:
01/03/2018.
Secretaria de Estado do Meio Ambiente – Estado de São Paulo.
Coordenadoria de Planejamento Ambiental. Elaboração do Plano de
Desenvolvimento e Proteção Ambiental da Bacia Hidrográfica do
Reservatório Billings – Relatório Final. Maio/2010. Disponível em:
http://arquivos.ambiente.sp.gov.br/cpla/2013/03/RF_rev.0.pdf .Acessado em:
08/03/2018.
Tsutiya, Milton Tomoyuki. Livro “Abastecimento de Água”. 2014
Von Sperling, M. Livro “Princípios do Tratamento Biológico de Águas
Residuárias”. Vol. 1. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de
esgotos. Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental – UFMG. 3ª ed,
2005. 452 p..

R. Barbosa Jr., Antenor. Hidrologia Aplicada – Regularização de Vazões


Disponível em:
www.esalq.usp.br/departamentos/leb/disciplinas/Fernando/leb1440/Aula%20
6/Regularizacao%20de%20Vazoes.pdf

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
ANEXO I. MEMÓRIA DE CÁLCULO

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
ANEXO Ia. CONSUMO

Consumo efetivo (qe)


Vmicro X Isub 106.115 X 1,15 m
qe = = = 0,167 . dia ou 167 L/s
30,66 X P 30,66 X 23.792 hab

Índice de Perda Real (Ip)


Vmacro − Vmicro 160.325 − 106.115
Ip = = = 0,338 ou 34%
Vmacro 160.325

Consumo per capita (q)


qe 0,167 m
q= = = 0,253 . dia ou 253 L/s
1 − IP2010 1 − 0,338 hab

Para população de 2030

Índice de Perda Real (Ip)


IP2030 = 0,11

Consumo per capita (q)


qe 0,156 m
q= = = 0,178 . dia ou 178 L/s
1 − IP2030 1 − 0,11 hab

Vazão Média (Qmed)


P4 , .
Qmed = ( + Qesp) X CETA = ( + 130) X 1,06 =

0,2009 ou 200,9 L/s

Vazão Máxima Diária (Qmaxd)


K1 X P4 X q 1,15 X 25.114 X 178
Qmaxd = + Qesp = ( + 130 =
86400 86400
m
0,18952 ou 189,52 L/s
s

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
Vazão Máxima Horária (Qmaxh)
P4 , ,
Qmaxh = + Qesp = + 130 =

0,21631 ou 216,31L/s

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
ANEXO Ib. PROJEÇÃO POPULACIONAL

Método Aritmético
P −P
K =
t −t

23.792 − 21.952
K =
2010 − 2000

K = 184

P = P + K (t − t )

P = 23.792 + 184 (2020 − 2010)

P = 25.632 habitantes

𝐏𝟐𝟎𝟑𝟎 = 𝟐𝟑. 𝟕𝟗𝟐 + 𝟏𝟖𝟒 (𝟐𝟎𝟑𝟎 − 𝟐𝟎𝟏𝟎)

𝐏𝟐𝟎𝟑𝟎 = 𝟐𝟕. 𝟒𝟕𝟐 𝐡𝐚𝐛𝐢𝐭𝐚𝐧𝐭𝐞𝐬

Método Geométrico
lnP − lnP
K =
t −t
ln23.792 − ln21.952
K = = 0,008049
2010 − 2000
( )
P=Pe
, ( )
P2020 = 23.792 X e = 25.787 habitantes
, ( )
P2030 = 23.792 X e = 27.948 habitantes

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
Método Logístico
Para a utilização deste método, três condições devem ser atendidas:

P (t ), P (t ) e P (t ) devem ser igualmente espaçados – (atende);


P < P < P – (atende);
P × P < P − 18.651 × 23.792 < 21.952 – (atende).

Logo, pode-se considerar este método.

2P . P . P − P X (P + P )
K=
P XP −P ²
2x18.651x21.952x23.792 − (21.952) X (18.651 + 23.792)
K= = 25.447,36
18.651 X 23.792 − (21.952)²
1 P X (K − P )
b=− X log
0,4343 X d P X (K − P )
1 18.651 X (25.447,36 − 21.952)
b=− X log
0,4343 X 10 21.952 X (25.447,36 − 18.651)
65191959,36
b = − 0,2302555837 X log
149193694,7
b = − 0,2302555837 X log 0,4369618937 = 0,08279

1 K−P 1 25.447,36 − 18.651


a= X log = X log
0,4343 P 0,4343 18.651
a = 2,302555837 X log 0,3643965471 = −1,0095

K 25.447,36
P2020 = = , ,
= 24.697 habitantes
1+e 1+e
K 25.447,36
P2030 = = , ,
= 25.114 habitantes
1+e 1+e

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
ANEXO Ic. Vazões Projetadas

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA
ANEXO- II. Desenho

__________________________________________________________
PROJETO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - PSAA