Você está na página 1de 8

EXPERIMENTO 4 – GIROSCÓPIO

Data: 05/12/2012 e 13/12/12

Grupo 12

Integrantes presentes: André Costa – 12/0072602

Letícia Brito – 12/0045290

Stefano Dantas – 12/0022346

Introdução:

O giroscópio foi inventado por Jean Bernard Léon Foucault para demonstrar a rotação
da Terra de maneira mais eficiente do que o pêndulo já havia mostrado. O giroscópio pode
girar ao redor de três eixos: o horizontal, vertical e o eixo do disco e se baseia na lei de Newton
que diz que, quando em equilíbrio, as forças e os torques
resultantes valem zero.

Como o torque é a derivada do momento angular


em relação ao tempo, quando o giroscópio gira sem atrito, o
momento angular não varia em módulo, mas somente em
direção. A direção e o sentido do torque são dados pela
regra da mão direita.

O momento de inércia do giroscópio pode ser


calculado de duas formas diferentes. Uma através da Lei da
1 1
Conservação da Energia onde mgh= mv ²+ Iω ² e outra pela velocidade angular de
2 2
mgl
precessão, que é dada por Ω= . A velocidade angular de precessão é gerada

quando se aplica um movimento a um corpo de rotação, pois pela segunda lei de
Newton para corpos em rotação, o módulo do momento linear deve permanecer
constante, para tal é necessário que sua direção mude.

Objetivos:

Determinar a direção de grandezas vetoriais como torque e momento angular;

Determinar o momento de inércia do disco a partir do período de precessão e da lei de


conservação da energia.

Materiais utilizados:

- Giroscópio de três eixos;

- Motor elétrico para aceleração do giroscópio;

- Temporizador;
- 4 pesos de 100g;

- Conjunto de pesos de 10g;

- Trena;

- Conjunto de setas indicativas dos vetores;

- Cronômetro digital.

Procedimentos:

A – Análise quantitativa do movimento do giroscópio

A1- Análise das forças estáticas: com o disco parado, ajusta-se a posição do contrapeso de
forma a deixar o giroscópio em equilíbrio. Afixa-se os vetores peso do disco, peso do
contrapeso e força normal. Retirou-se os vetores.

A2- Análise dos torques: com o disco parado e o giroscópio em equilíbrio, colocou-se o suporte
para peso na posição 1. Afixou-se o vetor torque correspondente. Colocou-se o suporte na
posição 8. Afixou-se o vetor torque correspondente. Segurando os eixos horizontal e vertical,
girou-se o giroscópio em torno do eixo vertical para um lado e para o outro. Afixou-se o vetor
torque na posição correspondente. Inverteu-se o sentido da aceleração.

A3- Velocidade e momento angular: Segurou-se o eixo do disco, com o giroscópio em


equilíbrio, girou-se o eixo do disco com ajuda do motor elétrico. Afixou-se o vetor velocidade
angular e o vetor momento angular. Retirou-se os vetores.

A4- Resposta dinâmica: girou-se o giroscópio no sentido anti-horário. Segurando na


extremidade 1 do eixo, girou-se na horizontal e na vertical. O procedimento foi repetido para o
sentido horário.

A5- Movimento de precessão: colocou-se o suporte para pesos na posição 8 com o giroscópio
girando. Retirou-se o suporte e este foi colocado na posição 1. O procedimento foi repetido
para o para o sentido inverso de rotação. Colocou-se os vetores peso, torque, momento
angular, velocidade angular e velocidade angular de precessão.

A6- Conservação do momento angular: acelerou-se o disco com ajuda do motor elétrico.
Levanta-se o giroscópio com este girando e anda-se lentamente pela sala. Analisar que o
giroscópio mantém uma orientação no espaço, independentemente do sentido do movimento.

B – Determinação do momento de inércia usando a lei da conservação da energia: colocou-se o


peso de 400g no suporte e o amarrou ao disco do giroscópio. Com o disco girando o levantou-
se até que estivesse a 10cm do chão. O contador foi preparado e então soltou-se o peso,
quando este encosta no chão o contador é disparado para que calcule o período. Repetiu-se o
procedimento subindo o peso de 10 em 10cm até que estivesse a 80cm do chão. Fez-se um
gráfico 1/T² X h. Com uma regressão linear calculou-se o momento de inércia que compõe o
coeficiente angular da reta.
C- Determinação do momento de inércia usando a velocidade angular de precessão: mediu-se
o período do disco e o período de precessão para um dado torque. Mede-se o tempo de ¼ de
volta, devido ao atrito no eixo. Com o disco em alta velocidade de rotação, mede-se a
velocidade angular de rotação. Liberou-se o giroscópio para precessar e ao mesmo tempo
ligou-se o cronômetro. Repita o procedimento acrescentando massas ao suporte, sendo de
50g, 100g, 150g e 200g. Fez-se um gráfico de 1/T Tp X m. A partir do gráfico e do seu
coeficiente angular, calcula-se o momento angular do disoc.

D- Cálculo do momento de inércia: dada a densidade do Nylon de 1,15g/cm³ e sabendo que


momento de inércia do disco é ½ MR², sendo M a massa do disco e R o raio do disco. Compara-
se o valor encontrado com o valor obtido nos gráficos.

Dados:

Raio do disco: 12,5 ± 0,05 cm Densidade do Nylon: 1,15 g/cm³

Espessura do disco: 2,7 ± 0,05 cm Volume do disco: 421,88 ± 35,15 cm³

Raio (rotação): 2,9 ± 0,05 cm Massa do disco: 1524,16 ± 40,42 g

Massa: 400 ± 0,01 g Distância ao eixo de rotação: 28,0± 0,05 cm

Altura: 27,4 ± 0,05 cm


Análise de dados:

A – Análise quantitativa do movimento do giroscópio

A1 – O peso do disco (Pd) e o peso do contra-peso (Pc) realizam torque sob o giroscópio. Sendo
que o torque realisado por Pd se cancela com o torque realizado por P c, fazendo com que o
giroscópio fique em equilíbrio. A força normal não realiza torque; a distância perpendicular ao
eixo de rotação é zero.

A2 -Posição 1: torque saindo perpendicularmente ao plano do papel.

Posição 8: torque entrando perpendicularmente ao plano do papel.

Giro na vertical: o torque é para baixo quando girado no sentido horário. No sentido anti-
horário o torque é para cima.

Quando se muda a direção da aceleração angular, muda-se também o sentido do


torque, pois este está diretamente ligado à aceleração. Como é possível ver na equação
equivalente a segunda lei de Newton para rotação: T =Iα .

A4 - SENTIDO ANTI-HORÁRIO

Força aplicada na Direção e sentido do Direção e sentido da Direção de movimentação


extremidade (1) torque aplicado reação da extremidade 8 da extremidade do vetor
do giroscópio momento angular
+x Torque para +z A extremidade vai pra +z +z
-x Torque para –z A extremidade vai pra -z -z
+z Torque para –x A extremidade vai pra -x -x
-z Torque para +x A extremidade vai pra +x +x
Gire o suporte central Torque para +z A extremidade vai para +z +z
no sentido horário
Gire o suporte central Torque para –z A extremidade vai para -z -z
no sentido anti-horário

SENTIDO HORÁRIO

Força aplicada na Direção e sentido do Direção e sentido da Direção de movimentação


extremidade (1) torque aplicado reação da extremidade 8 da extremidade do vetor
do giroscópio momento angular
+x Torque para –z A extremidade vai pra -z -z
-x Torque para +z A extremidade vai pra +z +z
+z Torque para -x A extremidade vai pra -x -x
-z Torque +x A extremidade vai pra +x +x
Gire o suporte central Torque para +z A extremidade +z +z
no sentido horário
Gire o suporte central Torque para -z A extremidade -z -z
no sentido anti-horário

O momento angular varia na mesma direção da reação da extremidade 8 do giroscópio.


A5 – Movimento de Precessão

Sentido Posição do peso Sentido velocidade de Vel. Reduz/aumenta


precessão
Horário 1 -x Aumenta
Horário 8 +x Aumenta
Anti-horário 1 +x Aumenta
Anti-horário 8 -x Aumenta

A6 – O giroscópio sempre se mantém na horizontal independentemente do movimento que se


realiza ao andar.

B – Determinação do momento de Inércia usando a lei da energia

Distância do chão (cm) Período (s) Distância do chão (cm) Período (s)
10 ± 0,05 1,375 ± 0,0015 50 ± 0,05 0,4106 ± 0,0015
20 ± 0,05 0,7776 ± 0,0015 60 ± 0,05 0,3590 ± 0,0015
30 ± 0,05 0,5165 ± 0,0015 70 ± 0,05 0,3214 ± 0,0015
40 ± 0,05 0,4258 ± 0,0015 80 ± 0,05 0,2952 ± 0,0015

1 2 2
mgh= ( m v + I ω ) ,
2

v 2π 2π
ω= e ω= logo, v= r
r T T

4π² 4π²
mr ² +I
T² T²
Substituindo-se: )
1
mgh= ¿
2

1 mg
= h
T ² 2 π ²(I +m r 2)

mg
Como representa o coeficiente angular do gráfico, percebe-se que
2 π ²(I +mr 2)
mg
I= −mr ² .
A2 π ²

O valor encontrado no gráfico para I = 0,04782 ± 0,00001 kgm².


C – Determinação do momento angular usando a velocidade de precessão

Massa (g) Período (s) Período de Precessão (s)


0 ± 0,01 0,5742 ± 0,0015 73,6 ± 0,01
50 ± 0,01 0,6169 ± 0,0015 29,6 ± 0,01
100 ± 0,01 0,5798 ± 0,0015 19,2 ± 0,01
150 ± 0,01 0,6189 ± 0,0015 12,8 ± 0,01
200 ± 0,01 0,6149 ± 0,0015 10 ± 0,01

mgl 2π 2π 2π
Ω= e Ω= de onde se tira I =mgl e então
Iω Tp T Tp

1 gl
= 2 m
T Tp 4 π I

Como se pode ver no gráfico:

I(0) = 0,29394 ± 5×10-5


I(0,05) = 0,12692 ± 5×10-5
I(0,1) = 0,07738 ± 5×10-5
I(0,15) = 0,05506 ± 5×10-5
I(0,2) = 0,04274 ± 5×10-5
D – Cálculo do momento de inércia

1
I = MR ²
2

Como foi dada a densidade do Nylon, material do qual o disco é feito, foi possível calcular sua
massa a partir de seu volume.

O volume encontrado para o disco foi de 1325,36 ± 35,15 cm³.


2
V =πe r , onde r é o raio e e é a espessura do disco, que foram citados em “Dados”.

A massa encontrada foi de 1524,16 ± 40,42 g.

m=dV

Tendo a massa e o raio do disco, calculou-se o momento de inércia. O valor encontrado foi de
0,0119 kgm².

E – Caso houvesse atrito, a velocidade de precessão seria maior. Esse fato deve-se à diminuição
da velocidade angular com o atrito. A velocidade angular é inversamente proporcional à
velocidade de precessão.

O atrito, por diminuir a velocidade aumenta o período de rotação. Com esse aumento,
o gráfico obtenha a forma de uma curva para baixo.
Conclusão

Foi possível perceber durante o experimento que o giroscópio é afetado pelo torque
externo de forma que gere um movimento que seja perpendicular ao torque aplicado. Este
torque externo também provoca uma mudança na direção do momento angular; ao contrário
do movimento do giroscópio, a mudança se dá na direção do torque aplicado.

Os valores encontrados para o momento de inércia diferem, na maior parte para o


valor calculado. Os valores obtidos no gráfico são maiores que os calculado. Quando calculado
pela conservação da energia, disparava-se o cronômetro assim que o peso atingia o chão. Isso
não acontecia sempre com a mesma defasagem de tempo, que pode ter se propagado. No
cálculo pelo período de precessão pode ter ocorrido erros quando mediu-se o período de
precessão, já que esta medida foi realizada por integrantes do grupo e com um cronômetro
não tão apurado. Além disso, a massa do disco foi considerada uniforme quando na verdade,
não o é. Esses erros também explicam o fato de o gráfico não cortar a origem.