Você está na página 1de 35

DIAGRAMAS TTT

DIAGRAMAS TTT

Prof. Dr. Anael Krelling

1
DIAGRAMAS TTT

MATERIAIS METÁLICOS

•Ampla gama de propriedades mecânicas

•Mecanismos de aumento de resistência


•Refino do tamanho de grão
•Formação de solução sólida
•Encruamento

•Outras técnicas através de alterações da microestrutura


•Transformações de fases

2
DIAGRAMAS TTT

Transformações de Fases

•Envolve alterações da microestrutura


Três tipos de transformações
•Dependem da difusão e não há alterações do número e composição
de fases
•Solidificação de um metal puro
•Transformações alotrópicas
•Recristalização e crescimento de grão
•Dependem da difusão e há alterações nas composições das fases e,
frequentemente, no número de fases
•Reação eutetóide
•Sem difusão com produção de uma fase metaestável
•Reação martensítica

3
DIAGRAMAS TTT

TRANSFORMAÇÕES MULTIFÁSICAS

•Transformações de fase são induzidas através de alterações de


temperatura – tratamentos térmicos.

•Corresponde a se cruzar um contorno entre fases no diagrama de fases


composição-temperatura à medida que uma liga é aquecida ou
resfriada.

•A maioria das transformações necessita de um tempo finito para atingir


sua conclusão.

•Velocidade ou taxa – importante na relação entre o tratamento térmico


e o desenvolvimento da microestrutura.

4
DIAGRAMAS TTT

•Limitação do diagrama de fases – NÃO indica o tempo necessário para


que o equilíbrio seja atingido.

•Taxa de aproximação do equilíbrio – muito lenta – estruturas em


verdadeiro equilíbrio raramente são atingidas.

•Resfriamento em condições de equilíbrio – inviável na prática.

•Para condições fora do equilíbrio – transformações deslocadas para


temperaturas mais baixas (resfriamento).

•Ocasionalmente deseja-se estruturas metaestáveis diferentes daquelas


obtidas nas condições de equilíbrio - INFLUÊNCIA DO TEMPO nas
transformações de fases.

5
DIAGRAMAS TTT

DIAGRAMAS DE TRANSFORMAÇÕES ISOTÉRMICAS (CURVAS TTT)

•Servem para indicar quanto tempo se deve ficar a determinada


temperatura para atingir o grau de transformação desejado.

•Indicam as transformações que ocorrem tendo o tempo como variável.

•São geradas a partir de gráficos de fração de transformação em função


do logaritmo do tempo para diferentes temperaturas.

•Válido para uma única liga Fe-C.

•Precisos somente quando a temperatura da liga é mantida constante.

6
DIAGRAMAS TTT

PERLITA
Reação Eutetóide:

Para uma liga ferro-carbono com composição eutetóide (0,76%p C), a fração reagida
isotermicamente em função do log do tempo para transformação de austenita em perlita
7
DIAGRAMAS TTT

Demonstração de como
um diagrama de transformação
isotérmica (parte inferior) é gerado
a partir de medições da
porcentagem da transformação em
função do logaritmo do tempo.

8
DIAGRAMAS TTT

9
DIAGRAMAS TTT

10
DIAGRAMAS TTT

Fotomicrografias de amostras de (a) perlita grosseira e (b) perlita fina.

11
DIAGRAMAS TTT

•A razão entre as espessuras das camadas de ferrita e de cementita na


perlita é de aproximadamente 8 para 1.

•A espessura absoluta da camada depende da temperatura na qual se


deixa prosseguir a transformação isotérmica.

•Em temperaturas imediatamente abaixo da eutetóide são produzidas


camadas relativamente grossas, tanto para a ferrita quanto para a
cementita devido ao fato das taxas de difusão serem relativamente
altas, dessa forma, os átomos de carbono podem se difundir ao longo
de distâncias relativamente longas. A estrutura é conhecida como
perlita grosseira.

•Com a diminuição da temperatura, a taxa de difusão do carbono


também diminui, e as camadas se tornam progressivamente mais finas.
A estrutura é conhecida como perlita fina. 12
DIAGRAMAS TTT

Para ligas Fe-C com outras composições, uma fase proeutetóide


(ferrita ou cementita) irá coexistir com a perlita. Dessa forma, também
devem ser incluídas no diagrama de transformação isotérmica as
curvas adicionais que correspondem a uma transformação
proeutetóide.

Diagrama de transformação
isotérmica de uma liga Fe-C
contendo 1,13%p C: A,
austenita; C, cementita
proeutetóide; P, perlita.
13
DIAGRAMAS TTT

BAINITA
Temperatura abaixo daquela na qual a perlita fina se forma – são
formados outros microconstituintes.

•Bainita
•Bainita Superior
•Bainita Inferior

Consiste em ferrita e cementita, porém com arranjos distintos da


estrutura lamelar da perlita.

•Entre 300 e 540°C - Bainita Superior - série de ripas paralelas (tiras finas
e estreitas) ou agulhas de ferrita separadas por partículas alongadas de
cementita.

14
DIAGRAMAS TTT

•Entre 200 e 300°C - Bainita Inferior – ferrita na forma de placas finas e


partículas estreitas de cementita (forma de bastões ou lâminas muito
finas) se formam no interior das placas de ferrita.

Micrografia eletrônica de transmissão de réplica que mostra a estrutura da bainita superior.


15
DIAGRAMAS TTT

•Natureza dupla: apresentando propriedades típicas de transformação


com nucleação e crescimento (como na formação da perlita), mas
apresenta ao mesmo tempo características semelhantes à
transformação martensítica.

•Envolve mudanças de composição – difusão de C, diferente da reação


Martensítica.

•Bainíta não é fase, é uma mistura de ferrita + carbonetos.

•Grande quantidade de defeitos – material duro (frágil)

16
DIAGRAMAS TTT

17
DIAGRAMAS TTT

CEMENTITA GLOBULIZADA
Aquecimento de uma liga de aço com microestrutura perlítica ou
bainítica a temperatura abaixo da temperatura eutetóide, por longo
período (700°C, 18 – 24h) – cementita globulizada – força motriz é a
redução na área de contornos entre as fases α e Fe3C.

Fotomicrografia de um aço que possui uma


microestrutura de cementita globulizada. As
partículas pequenas são de cementita, a fase
contínua consiste em ferrita α. 18
DIAGRAMAS TTT

Fotomicrografia de um aço que se


transformou parcialmente em cementita
globulizada.

19
DIAGRAMAS TTT

MARTENSITA
•Resfriamento rápido (temperadas) até uma temperatura baixa.

•Transformação polimófica, CFC – TCC.

•Transformação com ausência de difusão.

20
DIAGRAMAS TTT

•Ocorre quase instantaneamente (quase 1/3 da velocidade do som). A


energia de ativação para o crescimento de uma placa é muito baixa.

•Dois tipos de estruturas martensíticas nas ligas Fe-C:


•<0,6%p C – em ripas (placas longas e finas, tais como lâminas de
uma folha de grama) lado a lado alinhadas paralelamente.
•>0,6%p C – lenticular (placas). Aparência em forma de agulhas.

•Não aparece no diagrama de fases – fora do equilíbrio.

•No diagrama isotérmico – linhas horizontais (início, 50% e 90%).

•Independente do tempo (depende exclusivamente da temperatura).

•A nova fase não cresce – não há transformação por nucleação e


crescimento. 21
DIAGRAMAS TTT

•Não há transformação isotérmica – formação de martensita pára com a


parada do resfriamento.

•A martensita é dura, resistente e frágil porque não possui estrutura


cúbica (é tetragonal) e todo o C permanece em solução sólida.

•Quanto maior a % de C, maior será a dureza da martensita.

22
DIAGRAMAS TTT

Em branco – austenita retida


Austenita que não se transformou no
processo de resfriamento rápido.

Fotomicrografia mostrando a
microestrutura martensítica
lenticular ou em placas
23
DIAGRAMAS TTT

24
DIAGRAMAS TTT

REVENIMENTO DA MARTENSITA
1. (Temperatura ambiente até 200°C) – a martensita se transforma em
um precipitado de transição cuja composição varia de Fe2C a Fe3C.

2. (de 200 a 300°C) – qualquer austenita retida se decompõe em


bainita (mescla fina de ferrita e cementita).

3. (de 260 a 360°C) – a martensita de baixo carbono e o carboneto ε, se


decompõem em ferrita e cementita.

4. (de 360 até a temperatura eutetóide, 727°C) – se produz uma


esferoidização e um crescimento das partículas de carboneto.

25
DIAGRAMAS TTT

MEV de aço temperado e revenido a 594°C, mostrando a Martensita Revenida


(partículas de cementita em matriz de ferrita). 9300X

26
DIAGRAMAS TTT

Fragilização por Revenido

27
DIAGRAMAS TTT

28
DIAGRAMAS TTT

INFLUÊNCIAS NOS DIAGRAMAS TTT

•Elementos de liga (Cr, Ni, Mo e W) – alterações significativas na posição


e formas das curvas TTT.

29
DIAGRAMAS TTT

Diagrama de transformação
isotérmica para um aço-liga (tipo
4340): A, austenita; B, bainita; P,
perlita; M, martensita; F, ferrita
proeutetóide.
30
DIAGRAMAS TTT

EXERCÍCIO: Descrever as estruturas formadas (em termos dos microconstituintes presentes e


das porcentagens aproximadas).

31
DIAGRAMAS TTT

COMPORTAMENTO MECÂNICO DE LIGAS Fe-C

32
DIAGRAMAS TTT

33
DIAGRAMAS TTT

34
DIAGRAMAS TTT

Com difusão

Sem difusão

35