Você está na página 1de 47

Como as intervenções Tudo o que é sólido se sublima

(orgs.)
arquitetônicas mudaram no ar: políticas públicas e
os espaços históricos do Muro gestão do patrimônio

Cymbalista, Feldman, Kühl


de Berlim Paulo Peixoto
Sybille Frank
Patrimônio de quem? Cidade de
Memoria Abierta: Topografía de quem? Dilemas sociais do
la Memoria patrimônio cultural na
Gonzalo Conte dimensão urbana
Sharon Zukin
“Em casa com o passado”: 97
Orchard Street e o Tenement A obsessão com a memória: O

U
Museum que isso faz conosco e com
David Favaloro m dos pressupostos fundamentais deste livro é o de que não as nossas cidades?
Tali Hatuka

PATRIMÔNIO
há cidade ou espaço urbano dado de antemão, mas apenas
Intervenções arquitetônicas:
aqueles que surgem das diversas construções analíticas e
impactos urbanos Caminhando pelo passado
Beatriz Mugayar Kühl disciplinares. As ciências humanas constroem – e não sim- dos outros
plesmente encontram – seus objetos. Nessa perspectiva, em que a cidade Gabi Dolff-Bonekämper
Patrimônio Cultural e a
dimensão metropolitana
Sarah Feldman
é algo indefinível, o esforço é o de avançar nas explicitações das aproxi-
mações e distanciamentos que cada área, cada recorte teórico-concei-
tual e cada objeto acabam produzindo sobre a cidade. Categorias como
bairros, formas e usos do espaço, vida cotidiana, trabalho, patrimônio,
CULTURAL Santiago de Chile visto a través
de espejos negros: la memoria
pública sobre la violencia
Lugares de memória difícil: as MEMÓRIA E INTERVENÇÕES URBANAS política del periodo 1970-1991,

PATRIMÔNIO CULTURAL
memória, passado e futuro podem ser mobilizadas de forma a fomentar
medidas da lembrança e en una ciudad fragmentada
do esquecimento uma reflexão sobre intervenções possíveis e registros necessários. Carolina Aguilera
Renato Cymbalista Renato Cymbalista Sarah Feldman Beatriz M. Kühl
Infraestructura cultural
organizadores
Memória e espaço desigual: retos para la inclusión
Fraya Frehse en los museos de la Ciudad
de México
Ana Rosas Mantecón

A cidade à escala da rua: usos e


significados do passado na
afirmação de ‘tradições’
locais urbanas
Graça Índias Cordeiro
PATRIMÔNIO
CULTURAL
MEMÓRIA E INTERVENÇÕES URBANAS
PATRIMÔNIO
CULTURAL
MEMÓRIA E INTERVENÇÕES URBANAS
Renato Cymbalista Sarah Feldman Beatriz M. Kühl
organizadores
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
Bibliotecária Juliana Farias Motta CRB7/5880

Patrimônio cultural: memória e intervenções urbanas

Diagramação e capa
Ivan Matuck Ponte

Foto de capa
Carolina Aguilera
Cemitério Geral de Santiago do Chile
8 de setembro de 2013

Projeto e Produção
Coletivo Gráfico Annablume

Annablume Editora
Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
Conselho Científico
Carlos Antônio Brandão
Carlos Fortuna
Giuseppe Cocco
Jeroen Klink
Joana Mello (coordenadora)
Mario Henrique D’Agostino
Maria Irene Szmrecsanyi (coordenadora)
Rosana Denaldi (coordenadora)

1ª edição: fevereiro de 2017

© Renato Cymbalista | Sarah Feldman | Beatriz Mugayar Kühl

Annablume Editora
Rua Dr. Virgílio de Carvalho Pinto, 554, Pinheiros
05415-020 . São Paulo . SP . Brasil
Televendas: (11) 3539-0225 – Tel.: (11) 3539-0226
www.annablume.com.br
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO 7

PARTE I – POSICIONAMENTOS 13

Tudo o que é sólido se sublima no ar: políticas públicas e


gestão do patrimônio 15
Paulo Peixoto

Patrimônio de quem? Cidade de quem? Dilemas sociais do


patrimônio cultural na dimensão urbana 25
Sharon Zukin

A obsessão com a memória: O que isso faz conosco e com


as nossas cidades? 47
Tali Hatuka

Caminhando pelo passado dos outros 61


Gabi Dolff-Bonekämper

Santiago de Chile visto a través de espejos negros: la memoria


pública sobre la violencia política del periodo 1970-1991,
en una ciudad fragmentada 89
Carolina Aguilera
Infraestructura cultural desigual: retos para la inclusión
en los museos de la Ciudad de México 113
Ana Rosas Mantecón

A cidade à escala da rua: usos e significados do passado na


afirmação de ‘tradições’ locais urbanas 133
Graça Índias Cordeiro

Como as intervenções arquitetônicas mudaram os espaços


históricos do Muro de Berlim 155
Sybille Frank

Memoria Abierta: Topografía de la Memoria 173


Gonzalo Conte

“Em casa com o passado”: 97 Orchard Street e o Tenement Museum 201


David Favaloro

PARTE II – RESSONÂNCIAS 213

Intervenções arquitetônicas: impactos urbanos 215


Beatriz Mugayar Kühl

Patrimônio Cultural e a dimensão metropolitana 225


Sarah Feldman

Lugares de memória difícil: as medidas da lembrança e


do esquecimento 231
Renato Cymbalista

Memória e espaço 237


Fraya Frehse

SOBRE OS AUTORES 243


INTRODUÇÃO
PATRIMÔNIO CULTURAL, MEMÓRIA E INTERVENÇÕES URBANAS

De 2012 a 2016, um grupo de pesquisadores de diversas unidades da USP reu-


niu-se no Núcleo de Apoio à Pesquisa “São Paulo: cidade, espaço, memória”,
com o intuito de construção de uma plataforma de pesquisas coletiva e inter-
disciplinar em torno da cidade de São Paulo. O Núcleo de Apoio à Pesquisa
foi coordenado por Ana Lucia Duarte Lanna e foi composto pelos pesquisado-
res Ana Claudia Castilho Barone, Beatriz Mugayar Kuhl, Fraya Frehse, Heitor
Frugoli Jr, Luiz Recaman, Maria Lucia Bressan Pinheiro, Mônica Junqueira de
Camargo, Maria Lucia Caira Gitahy, Paulo César Garcez Marins, Renato Cym-
balista, Sarah Feldman e Simone Scifoni.
Um dos pressupostos fundamentais do projeto foi o de que não há cidade ou
espaço urbano dado de antemão, mas apenas aqueles que surgem das diversas
construções analíticas e disciplinares. As ciências humanas constroem – e não
simplesmente encontram – seus objetos. Nessa perspectiva, em que a cidade é
algo indefinível, o esforço é o de avançar nas explicitações das aproximações e
distanciamentos que cada área, cada recorte teórico-conceitual e cada objeto
acabam produzindo sobre a cidade. Categorias como bairros, formas e usos
do espaço, vida cotidiana, trabalho, patrimônio, memória, passado e futuro
podem ser mobilizadas de forma a fomentar uma reflexão sobre intervenções
possíveis e registros necessários.
Nessas múltiplas perspectivas, a cidade não é abordada como palimpsesto, ou
seja, não se procuram vestígios do passado ocultos na configuração do presen-
te, mas este é composto necessariamente por múltiplas temporalidades. Isto
significa que “a cidade nunca é absolutamente sincrônica: o tecido urbano, o
comportamento dos citadinos, as políticas de planificação urbanística, econô-
mica ou social desenvolvem-se segundo cronologias diferentes. Mas ao mes-
mo tempo, a cidade está inteira no presente. Ou melhor, ela é inteiramente
presentificada por atores nos quais se apóia toda a carga temporal” (Lepetit,
2001: 145).
De fato, a cidade é sempre produto e meio de produção de encontros e desen-
contros, de disputas constantes; amplamente receptiva, portanto, aos modos
como a usam, como a pensam, como a percebem, porque é pela mediação des-
se uso, desse pensamento, dessa percepção que ela vai sendo produzida (Le-
febvre, 2000). A dinâmica urbana resulta de uma multiplicidade de processos
que problematizam também o pensamento arquitetônico sobre a cidade. Se a
reflexão faz sentido, então a cidade como espaço é sempre também produto e
meio de produção de memórias – individuais, coletivas.
A memória implica assumir que o passado nem se conserva, nem ressurge de
maneira idêntica. A memória é um processo de reelaboração permanente do
passado no presente (Nora, 1984; Pollak, 1989; Halbwachs, 2004; Bresciani e
Naxara, 2004) e possui a propriedade de conservar certas informações e apa-
gar outras, em processos renovados; é simultaneamente individual e psicoló-
gica, se liga à vida social e, necessariamente, se espacializa (Le Goff, 2003).
É nesta perspectiva que o patrimônio histórico como bem cultural e suporte
de memória é elemento central de reflexão sobre a cidade, e o faz a partir da
mobilização de diversos saberes.
O Núcleo de Apoio à Pesquisa São Paulo: cidade, espaço, memória promoveu
em agosto de 2013 a Conferência Internacional Patrimônio cultural, memória
e intervenções urbanas, em que especialistas de vários países trouxeram expe-
riências e reflexões no âmbito internacional que entrecruzam as temáticas do
patrimônio, da memória e da construção do tecido urbano.1
Um dos resultados da Conferência é o livro que aqui se apresenta, que reúne
artigos dos participantes internacionais do encontro. No caso brasileiro, desde
a década de 1930 a predominância nos debates na temática do patrimônio
vem recaindo sobre o instrumento do tombamento e suas implicâncias. Os
artigos apresentados neste livro mostram problematizações do patrimônio e
da memória nas cidades em diferentes perspectivas, trazidos pelos autores es-
trangeiros que participaram do encontro.
Os dez primeiros textos problematizam diferentes realidades territoriais e
apontam para uma diversidade de caminhos de pesquisa e ação sobre o terri-
tório. Pela contribuição significativa que trazem ao campo de debates no Bra-
sil, foram enfeixados na primeira seção do livro, intitulada como de “posicio-

1.  A Conferência foi realizada na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP de 28 a 30 de agoasto


de 2013.

8
namentos”. Sem que fossem criadas subseções específicas, o encadeamento dos
textos nesta primeira seção do livro segue uma lógica deliberada.
Um primeiro conjunto de textos levanta questões de fundo que permeiam a
temática da memória e do patrimônio. Paulo Peixoto alerta para os riscos da
operacionalização da categoria do patrimônio imaterial, a transformação de
práticas e ritos em commodities, e ao mesmo tempo revela os processos de
apropriação e cópia de marcos arquitetônicos e paisagísticos ocidentais pelo
urbanismo contemporâneo chinês. Sharon Zukin insere práticas recentes de
memorialização nas dinâmicas gerais do capitalismo, mostrando as aderências
entre a preservação de bairros, a gentrificação e a competição por localização
intra e entre cidades. Tali Hatuka problematiza o crescimento da relevância da
memória e da memorialização no território a partir da ideia de que nas déca-
das recentes ocorreu uma mudança na relação da sociedade ocidental com a
própria dimensão temporal, e oferece um léxico para a compreensão das rela-
ções entre memória e território: comemoração, reconstrução, performance. Gabi
Dolff Bonekämper investiga a propriedade – melhor dito, necessidade impe-
riosa – de mudança de perspectivas, de apropriação de narrativas e memórias
de terceiros, como pressuposto para uma compreensão densa e complexa de
significados históricos vinculados a locais específicos.
Um segundo conjunto de textos volta-se para problemáticas mais específicas.
Ana Rosas Mantecón analisa o panorama das instituições culturais da Cidade
do México, desafiadas pela expansão das demandas por políticas e institui-
ções culturais e as restrições de recursos públicos. Graça Cordeiro recupera
as narrativas de grupos sociais que ocupam bairros em Lisboa e Cambridge
(Massachusetts-EUA), mostrando as estratégias comunitárias de atribuição de
‘caráter’, ‘tradição’, ‘identidade’ aos lugares da cidade contemporânea, em in-
terface com as políticas públicas e os consumidores dessa imagem etnicizada
e folclorizada de determinados trechos urbanos. Carolina Aguilera mostra as
tensões entre as narrativas favoráveis e contrárias ao passado de ditadura –
mas também de progresso econômico – na sociedade chilena contemporânea,
e as formas como tais tensões se rebatem no espaço da capital chilena. Sybille
Frank mostra as várias escalas e ambiguidades que podem ser desveladas a
partir de um ponto estratégico para a memória da guerra fria, o Check Point
Charlie, ponto de passagem entre as antigas Berlim Ocidental e Oriental.
Um terceiro grupo de textos mostra a forma como instituições da sociedade
civil apropriam-se e ocupam as narrativas históricas em busca de incidência na
sociedade contemporânea, produzidos por autores inseridos nesses mesmos
processos e instituições. Gonzalo Conte relata a experiência da ONG argentina
Memoria Abierta no processo de reconstrução da justiça e da verdade após o
9
traumático episódio de ditadura do país, trazendo à tona a própria dimensão
forense dos espaços de memória. David Favaloro relata a trajetória institucio-
nal do Tenement Museum, que pesquisa e explora as narrativas de imigração,
sobrevivência, trabalho, sonhos de ascensão social e desafios de assimilação
cultural que se acomodaram durante décadas em um edifício de cortiços no
nova-iorquino Lower East Side. Os textos escritos originalmente em inglês
(Hatuka, Frank, Dolff-Bonekämper, Zukin e Favaloro) foram traduzidos para
o português; os demais foram mantidos em sua versão original, incluindo os
textos de Peixoto e Cordeiro, com grafia em português de Portugal.
Na segunda seção do livro – batizada de “ressonâncias” – quatro pesquisadores
do Núcleo de Apoio à Pesquisa São Paulo: cidade, espaço, memória constroem
categorias de análise do conjunto de textos, selecionando autores específicos e
apontando as possibilidades por eles abertas. Beatriz Mugayar Kühl aponta as
relações entre as escalas do edifício e da cidade, apontando para as especifici-
dades dos objetos de larga escala tocados pelas problemáticas do patrimônio e
da preservação. Sarah Feldman aborda as especificidades da dimensão metro-
politana do patrimônio cultural, apontando os limites do instrumento de tom-
bamento e as potencialidades que alguns textos trazem para a interpretação da
realidade das metrópoles brasileiras. Renato Cymbalista mostra o crescimento
da relevância e as especificidades de tratamento dos sítios de memórias difíceis
no debate contemporâneo. Fraya Frehse problematiza a seletividade e os crité-
rios de seleção da memória no trânsito entre a materialidade e a imaterialidade
da cidade e de suas narrativas.
Tanto pela contribuição original de pesquisadores maduros, quanto pelas pos-
sibilidades que essas contribuições abrem para novas interrogações e ques-
tionamentos no Brasil, acreditamos que o livro Patrimônio Cultural, memória
e intervenções urbanas constitui contribuição relevante ao campo de estudos,
assim como a conferência homônima que o originou. Em seu conjunto, os tex-
tos apontam para a diversidade: de temáticas, objetos de pesquisa, referenciais
teóricos e metodológicos, fontes bibliográficas. Talvez seja esta a maior contri-
buição do trabalho, apoiando a renovação das práticas e políticas relacionadas
ao patrimônio histórico e à memória no país.

Os organizadores agradecem à Fapesp pelo apoio a publicação deste livro, por


meio do auxílio publicação 2015/11717-9.

10
Referencias Bibliográficas

BRESCIANI, Stella e Naxara, Marcia, orgs (2004). Memória e (res)sentimento:


indagações sobe uma questão sensível. Campinas, UNICAMP.
HALBWACHS, Maurice (2004). A memória coletiva. São Paulo, Centauro.
LEPETIT, Bernard (2001). Por uma nova história urbana. São Paulo, EDUSP.
LE GOFF, Jacques (2003). História e memória. Campinas, Ed. UNICAMP, 5ed.
LEFEBVRE, Henri (2000). La production de l’espace. Paris: Anthropos, 2000,
4ed.
POLLAK, Michael (1989). Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históri-
cos, Rio de Janeiro, v.2,n.3, 1989.
NORA, Pierre (1984) Lieux de mémoire. Paris, Galimard.

11
PARTE I
POSICIONAMENTOS
TUDO O QUE É SÓLIDO SE SUBLIMA NO AR:
POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO DO PATRIMÔNIO

Paulo Peixoto

A cultura do imaterial

Num vôo rasante sobre o século XX e sobre as principais dinâmicas e acon-


tecimentos que o antecederam e atravessaram, pode resumir-se a história dos
processos de patrimonialização a algumas tendências marcantes. Este exercí-
cio é suficiente para a discussão e o argumento central que enquadram meu
argumento. Nesse exercício muito simplificado, a história do patrimônio fica
marcada pela monumentalização, pela celebração das civilizações e das identi-
dades triunfantes nos processos de colonização e pela emergência de uma in-
dústria patrimonial promovida pelos Estados hegemônicos e, mais tarde, pelas
agências multilaterais (como, por exemplo, a Unesco, o Icomos e o Conselho
da Europa). Este patrimônio, que resulta das forças motrizes da colonização le-
vada a cabo pelos europeus, é também, e particularmente, filho de duas Guer-
ras Mundiais, do sofrimento que elas causaram e da evidenciação do grau de
exposição ao risco de desaparecimento súbito. É, nessa perspectiva, um patri-
mônio que é a expressão do luto resultante do sentimento de perda repentina
e lancinante. Com o aproximar do fim do século XX, as representações patri-
moniais ficaram menos circunscritas à monumentalidade, ao nacionalismo e
às hegemonias. O local, o comunitário, a natureza, as expressões das minorias
e o intangível ganham relevância nas representações, nas categorias e nas polí-
ticas patrimoniais.1 Este patrimônio de transição de séculos é um patrimônio
globalizado e tem uma ligação mais forte às políticas públicas urbanas, se ca-
racterizando pela empresarialização das políticas locais de governação, pela
relação intima com os hábitos quotidianos de lazer e de consumo cultural e

1.  Para uma análise mais detalhada deste processo e da relação histórica entre processos de patrimonia-
lização e a construção de hegemonias ver Santos e Peixoto, 2013.
PATRIMÔNIO DE QUEM? CIDADE DE QUEM?
DILEMAS SOCIAIS DO PATRIMÔNIO CULTURAL
NA DIMENSÃO URBANA*

Sharon Zukin
Tradução Carlos Szlak

Desde a década de 1970, a ideia de patrimônio cultural expandiu-se, passando


de uma apreciação existencial de artefatos materiais para um complexo pro-
cesso multidimensional de produção de valor a partir tanto de edifícios tangí-
veis como de formas culturais intangíveis. Atualmente, edifícios antigos, tra-
dições regionais e produtos locais são vistos como recursos simbólicos numa
competição global pelo soft power da imagem criativa, e também pelo poder
econômico de investimentos e receitas proporcionadas pelo turismo. Em vez
de obstáculos à modernização que devem ser superados, os prédios históricos
são uma forma de “riqueza cultural”, que podem ser utilizados para mudar o
caráter moral de regiões abandonadas, atraindo novos grupos de interesse e
círculos de clientes (Bandelj e Wherry, 2011).
Nas cidades, a nova proeminência do patrimônio se constrói em longas ondas
de valorização cultural, que, por sua vez, refletem ciclos de investimento no
ambiente construído e na destruição do mesmo, pontuadas por sensações de
perda, remorso e nostalgia. Embora haja uma predisposição geral em favor da
“destruição criativa”, como o historiador do pensamento econômico Joseph
Schumpeter descreveu de forma memorável o processo de crescimento des-
trutivo do capitalismo, a capacidade de enxergar valor em regiões mais anti-
gas se baseia tanto em interesse material, como em ligação sentimental (Firey,
1945). A súbita destruição de símbolos arquitetônicos do passado de um país
em tempo de guerra, ou o desaparecimento gradual de edifícios clássicos que
pareciam mais majestosos que seus substitutos, não é apenas – e muitas ve-
zes, não principalmente – uma perda econômica, mas também representa um
dano emocional aos homens e às mulheres que vivem nas proximidades.

*  ©Sharon Zukin
A OBSESSÃO COM A MEMÓRIA:
O QUE ISSO FAZ CONOSCO E COM AS NOSSAS CIDADES?

Tali Hatuka
Tradução Carlos Szlak

Introdução

Os monumentos celebrativos concretos e virtuais preenchem nossas cida-


des e contribuem para reescrever suas narrativas. Por que isso acontece,
e o que isso significa? Este texto procura responder essas perguntas por
meio do aprofundamento da compreensão do discurso contemporâneo a
respeito da memória, e também mediante a familiarização com as práti-
cas espaciais da memória. Sustentarei que a reconceituação da memória
coletiva nas ciências sociais e a participação dos cidadãos nas práticas ar-
quitetônicas e de planejamento contribuíram para o comprometimento
intenso dos cidadãos com a memória das cidades do mundo inteiro. Tam-
bém proporei que esse comprometimento deveria nos preocupar, e temos
de ter o cuidado de que nossas cidades não sejam dominadas por lugares
de Ausência Urbana – cidades que desenvolvem espaços que representam
o trans-histórico, o mítico. Sugiro que o acontecimento histórico (trau-
mático) seja utilizado como ponto de referência, para repensar o lugar de
maneiras novas e inovadoras.
Em sua essência, as práticas espaciais de planejamento e arquitetura retratam
o processo de apagar, construir e modificar lugares. Mas para quem? Para nós
que vivemos nesses lugares, participamos do processo de apagamento e cons-
trução, e nos envolvemos constantemente na produção do espaço. Nesse pro-
cesso, escolhemos lembrar ou esquecer, ou, às vezes, lembrar e posteriormen-
te esquecer a história de um lugar. Uma coisa é clara: as decisões de quando
lembrar ou esquecer estão incorporadas em nosso contexto espacial, político
e cultural, e são parte de quem somos e de quem queremos ser. Esse processo
dinâmico não é novo; de certa forma, foi uma rotina para muita gente por
CAMINHANDO PELO PASSADO DOS OUTROS

Gabi Dolff-Bonekämper
Tradução Carlos Szlak

Testemunhando

Oradour sur Glane, agosto de 1967. Tenho 15 anos. Em 10 de junho de 1944,


toda a população de Oradour sur Glane, vilarejo na região de Limousin, no sul
da França, foi assassinada por uma companhia do regimento motorizado da
SS Der Führer, retaliando uma ação empreendida pela Resistência Francesa.
As mulheres e as crianças foram reunidas na igreja e, em seguida, o vilarejo
e a igreja foram incendiados. Vinte e três anos depois, estou caminhando por
Oradour sur Glane. Enquanto caminho, vejo, de passagem, as ruínas conser-
vadas e estabilizadas para observação, as placas de informações, as evidências
do massacre e as paredes enegrecidas pelo fogo, e fico muda, em horror e com-
paixão. Caminhando através dessas coisas, testemunho não o que aconteceu
naquele tempo – isto é, no passado daquele lugar –, mas minha própria expe-
riência e o conhecimento adquirido dela. O lugar me apresenta um passado
que não consigo encontrar em outra parte.
Esse passado pertence aos habitantes atuais dessa parte da zona rural de Li-
mousin. É o passado da França, que sabe da destruição do vilarejo e de seus
moradores como um acontecimento de relevância nacional da época de guer-
ra. Decidiu-se preservar o lugar e proteger as ruínas, para transmitir para as
futuras gerações o conhecimento sobre o acontecimento. No entanto, o passa-
do que encontro ali é também o passado de meu pai. Ele serviu como soldado
na França, gostava da zona rural e da língua. Em julho de 1944, estava baseado
no norte do país, bem longe de Oradour, mas disse que ouviu falar a respeito
do massacre já naquela época. Como soldado do exército alemão, teve de se
considerar como pertencente ao grupo dos que foram responsáveis pelo mas-
sacre, apesar da distância. Acho que aquela visita, em 1967, foi sua maneira
SANTIAGO DE CHILE VISTO A TRAVÉS DE ESPEJOS NEGROS: LA
MEMORIA PÚBLICA SOBRE LA VIOLENCIA POLÍTICA DEL
PERIODO 1970-1991, EN UNA CIUDAD FRAGMENTADA

Carolina Aguilera

La emergencia de lugares de memoria pública de la violencia


política en las ciudadas contemporaneas

Diversas ciudades del mundo han visto emerger en décadas recientes la cons-
trucción de monumentos conmemorativos, museos, parques y espacios de
memoria en ex-centros de detención, donde el recuerdo de personas y hechos
de violencia vinculados a dictaduras militares y totalitarismos toma un lugar
destacado (Bonder, 2009; Foothe y Azaryahu, 2007; Huyssen 2003). Este fe-
nómeno también se ha presentado en el Cono Sur de América Latina en refe-
rencia al último ciclo de dictaduras en la región (Schindel, 2012; Jelin, 2002).
Desde un punto de vista general, este giro conmemorativo ha sido interpretado
de diversas maneras. Por un lado, como parte de una tendencia por forjar ancla-
jes espacio-temporales de experiencias constitutivas de identidades colectivas.
Como se sabe, la figura del anclaje cobra particular importancia en tiempos de
gran incertidumbre y débiles imaginarios de futuro (Huyssen, 2003). Por otro
lado, autores como Misztal (2004) han argumentado que este auge alimenta un
nuevo paradigma interpretativo de la realidad social y política que posiciona a la
víctima en la condición de sujeto histórico central. En tercer lugar, y vinculado
con lo anterior, es el hecho de que los mismos monumentos y memoriales son
resultado de las demandas por reparación simbólica de los grupos de víctimas, a
la salida de una dictadura o de un período de gran violencia interna. Tributario
en distintos grados de estas tres interpretaciones, este artículo propone una lec-
tura a la realidad santiaguina sobre la memoria pública de la violencia política
ocurrida entre 1970 y 1991 en el país. La figura de los espejos negros es evocativa
de los lentes de Claude, aquellos espejos de bolsillo utilizados en los siglos XVII
hambre de la Agrupación de Familiares de Detenidos Desaparecidos (AFDD) a
partir de 1977, la realización del Simposium Internacional de Derechos Huma-
nos en 1978, el encadenamiento de integrantes de la AFDD en el ex-Congreso
Nacional en 1979, las perfomances de Elías Adasme en 1979 y la intervención
artística con cruces de la artista Lotty Rosenfeld. En algunas de estas acciones,
la oposición a la dictadura reunía, en un diálogo tenso pero creativo, una esté-
tica de matriz secular con otra de sello religioso (Cáceres, 2012).

Figura 2. Intervención urbana de Elías Adasme Por Chile, 1979.

92
Las protestas anti-dictatoriales, que incluyeron la creación del Movimiento Con-
tra la Tortura Sebastián Acevedo (1983-1990), resignificaron el espacio público,
ensanchando sus usos. La primavera del ’83 incluyó marchas, ocupaciones, con-
centraciones y paralizaciones que desafiaron a la dictadura. A los rayados y mu-
rales se sumaron animitas a los caídos por la represión y pintadas en casas donde
agencias estatales practicaron la tortura y el asesinato de manera clandestina.

Figura 3. Movimiento Sebastián Acevedo Londres, Narvaez, 1986. Denuncia de casa de torturas
Londres 38, Movimiento Sebastián Acevedo, 1984c.

Junto con el fin de la dictadura, en las décadas de 1990s y 2000s, un conjunto


diverso de organizaciones sociales llevaron adelante procesos de memoriali-
zación en homenaje a las víctimas de la dictadura mediante la instalación de
inscripciones en el espacio público (Aguilera y Cáceres, 2012; FLACSO, 2007).
En un proceso que contó muchas veces con apoyo del Estado, pero en el que
primó más bien una relación conflictiva entre ambos, se erigieron memoriales
en las capitales provinciales, en lugares en que fueron asesinadas o encontra-

93
das muertas las víctimas de la represión, y en poblaciones y cementerios. Se re-
cuperaron también ex-centros de detención de la dictadura para convertirlos
en espacios de memoria, y se instalaron placas conmemorativas en algunas fa-
chadas de edificios públicos. El Estado, por su parte, creó un homenaje oficial
a las víctimas durante el primer gobierno post-dictatorial, el Memorial al De-
tenido Desaparecido y Ejecutado Político en el Cementerio General. El gobier-
no de Eduardo Frei Ruiz-Tagle (1994-2000) fue mucho menos receptivo a las
demandas de las organizaciones de derechos humanos. Sin embargo, y luego
de un largo conflicto, el Estado expropió el predio en que estuvo instalado el
principal centro de represión de la DINA, Villa Grimaldi, y facilitó su conver-
sión en un parque público (1994-1997). Luego, el gobierno de Ricardo Lagos
(2000-2006) realizó una serie de actos conmemorativos, entre ellos la inaugu-
ración de una estatua de Salvador Allende en la Plaza de la Constitución, frente
al Palacio Presidencial de La Moneda, y la apertura de la puerta de Morandé 80
a un costado del Palacio, acceso emblemático por el cual fue sacado el cuerpo
sin vida del ex-presidente Salvador Allende (y que fue eliminada durante la
dictadura). Será la presidenta Michelle Bachelet (2006-2010) quien le pondrá
un acento aún mayor a la memorialización estatal, con la construcción del
Museo de la Memoria y los Derechos Humanos, inaugurado en 2010, y a través
de un aumento del apoyo financiero a diversas iniciativas de la sociedad civil.

Figura 4. Memorial del Detenido Desaparecido y Ejecutado Político en el Cementerio General


de Santiago, 8 de septiembre de 2013.
94
se utilizó como valor el nivel socioeconómico predominante de las manza-
nas aledañas. Como lugares auténticos de la represión se consideraron tanto
las inscripciones existentes en el lugar en que fueron asesinadas personas o
hallados sus cuerpos, como los memoriales que indican a las víctimas de una
población en particular.
Utilizado las cuatro dimensiones, función, narrativa, procedencia socio-políti-
ca y localización espacial, observamos lo siguiente:

Figura 7. Distribución espacial de memoriales, espacios de memoria, y animitas en Santiago


según niveles socio-económicos de las manzanas en Santiago.

1. La gran mayoría de los elementos conmemorativos corresponde a homena-


jes a víctimas de la dictadura (88,3%). Estos memoriales, animitas y museos
dedicados a víctimas de la dictadura están ubicados en sectores de niveles C3
y D de la ciudad. Los localizados en sectores D corresponden al 46% (24) del
total. El 70% de ellos están localizados en los lugares donde ocurrió la repre-
sión, ya sea ex-centros de detención, lugares de fusilamiento y matanzas, así
como en las poblaciones que fueron víctimas de allanamientos. Entre los hitos
que marcan los lugares de fusilamiento y matanzas se encuentra el Memorial

103
INFRAESTRUCTURA CULTURAL DESIGUAL:
RETOS PARA LA INCLUSIÓN EN LOS MUSEOS DE LA CIUDAD
DE MÉXICO

Ana Rosas Mantecón

México fue hasta el 2012 uno de los diez destinos turísticos más visitados del
mundo, pero por los problemas de inseguridad y políticas deficientes fue re-
basado por otros competidores.1 No cabe duda de que en la batalla por el mer-
cado turístico mundial su riqueza patrimonial se cuenta entre sus principales
atractivos: 34 sitios han sido declarados Patrimonio de la Humanidad por la
UNESCO y de acuerdo al número de ciudades patrimonio ocupa el tercer lu-
gar a nivel mundial, después de Italia y España. Los museos son una de las
formas privilegiadas para poner en escena el patrimonio: los edificios que los
albergan y sus colecciones configuran una parte significativa de la imagen que
México proyecta hacia los extranjeros y también hacia los propios habitantes,
dado que una alta proporción de los visitantes son mexicanos.
La mayor parte de los museos que tienen el carácter de nacionales, así como
los de mayor importancia en términos de la diversidad, calidad y cantidad de
sus acervos son manejados por el sector público (65.5%), 26% son privados y el
resto mixtos. Participan también en su gestión instituciones de educación su-
perior, agrupaciones religiosas y asociaciones civiles (Atlas de Infraestructura
Cultural, 2010). Como podemos observar en la gráfica siguiente, dentro de la
distribución temática de los museos y pinacotecas dominan el arte, la historia,
la antropología y la arqueología:

1.  Se estima que México pasará al quinceavo lugar en el 2014. “Retrocede México como destino turísti-
co para extranjeros”, Organización Editorial Mexicana, El Occidental, 19 noviembre de 2013, http://www.
oem.com.mx/eloccidental/notas/n3197400.htm, consultado el 7 de marzo de 2014.
A CIDADE À ESCALA DA RUA
USOS E SIGNIFICADOS DO PASSADO NA AFIRMAÇÃO DE
‘TRADIÇÕES’ LOCAIS URBANAS

Graça Índias Cordeiro

In cities, people force the spaces around them


to take on meaning. No space is permitted to be
neutral, or homogeneous. People’s understanding
transforms space into place.
Robert Rotenberg, 1993: xiii

Introdução

Como afirma Robert Rotenberg na citação que abre este texto, nas cidades as
pessoas dão sentido aos espaços que as rodeiam e é esta atribuição de signifi-
cados que transforma os espaços em lugares únicos. Pensar aquilo que carac-
teriza cada lugar implica valorizar a sua dimensão mais intangível e imaterial,
aquela que não é quantificável nem mensurável, e que revela o seu significado e
continuidade histórica. O passado, nas suas múltiplas formas narrativas, é uma
das dimensões mais poderosas neste processo de significação espacial. A nar-
rativa histórica, nas suas formas discursiva, performativa, ritual ou material,
tem um papel crucial na constituição e visibilização dos territórios urbanos e
alimenta, de múltiplas formas, o sentimento que tem sido designado como ‘de
pertença’1 ou ‘de ligação’2 a espaços particulares, revelando a sua identidade. A
melhor forma de compreender o ‘significado cultural’ de cada espaço urbano
(Rotenberg, 1993) é ir ao encontro do ponto de vista daqueles que o habitam
e usam, numa perspetiva etnográfica centrada em atores e lugares concretos,
com a devida contextualização social e histórica. Só assim se pode compreen-
der as invocações emic do passado que correspondem, muitas vezes, a orga-
1.  belonging
2.  attachement
COMO AS INTERVENÇÕES ARQUITETÔNICAS MUDARAM OS ES-
PAÇOS HISTÓRICOS DO MURO DE BERLIM

Sybille Frank
Tradução Carlos Szlak

Introdução

Um boom associado ao patrimônio tem varrido a Europa desde a década de


1980. As cidades celebram suas datas históricas com grandes festivais e festas,
encenam mercados medievais, reconstroem prodigamente bairros históricos
esquecidos, reerguem igrejas antigas famosas ou reconstroem palácios des-
truídos. A cada dois dias, um novo museu está sendo inaugurado, e a maioria
deles é de propriedade particular. Ao mesmo tempo, inúmeras ruínas são pro-
movidas ao status de “patrimônio” (ou até “patrimônio mundial”), enquanto,
muitas vezes o fluxo de turistas a locais históricos alcançam níveis preocupan-
tes. Quase todo o mundo já passeou em uma das diversas feiras medievais, e
muitos pessoas visitaram um dos muitos parques temáticos históricos, onde,
por exemplo, a época medieval é vivida no tempo presente. A história recente
também tem ficado cada vez mais popular. Em Berlim, por exemplo, um mu-
seu particular oferece uma “experiência prática” da vida na antiga República
Democrática Alemã (RDA) e, se alguém estiver farto de ficar sentado dentro
de um carro Trabant ou de espionar um vizinho, poderá beber uma cerveja no
Zur Firma (“A Firma”), bar do serviço de segurança do estado.
Esse curto esboço mostra que o patrimônio se transformou numa indústria,
numa indústria do patrimônio (Hewison 1987; Lowenthal 1998). Não só agen-
tes públicos locais, nacionais e internacionais lucram com essa indústria, mas
também um número crescente de agentes privados distintos se beneficiam
do passado. Temas e tópicos históricos, que são vistos como relevantes para
o presente e, portanto, como merecedores de preservação, apresentam grande
demanda, servindo cada vez mais para obtenção de lucros.
exposição de museu”), e a encenação da cultura como patrimônio (“exibição
como performance”, Kirshenblatt-Gimblett 1998:149) da seguinte maneira: “O
‘real’ deve ser exposto ao lado do ‘virtual’, num show da verdade” (Kirschen-
blatt-Gimblett 1998:195).
Em Berlim, o Checkpoint Charlie se assemelha ao Plimoth Plantation de uma
maneira muito notável. Nos dois locais, encontramos uma marcação topogra-
ficamente exata do “tema” que tornou o lugar famoso: em Plymouth é, em pri-
meiro lugar, a pedra gravada; no Checkpoint Charlie, em Berlim, é a marcação
da antiga linha do Muro com paralelepípedos.

1a: Plymouth Rock (foto de Avishai Teicher)

1b: Percurso antigo do Muro (foto de Sybille Frank)

Em segundo lugar, no Checkpoint Charlie, a caixa iluminada com os retratos dos


soldados testemunha, como é a missão do pórtico em Plymouth, o desejo de acen-
tuar as marcações com uma obra de arte contemporânea amplamente visível.

2a: Pórtico em Plymouth (foto de Raime. Licença: GNU Free Documentation License 1.2)

2b: Retratos dos soldados, Berlim (foto de Sybille Frank)

160
Em terceiro lugar, no Checkpoint Charlie, as réplicas exatas da cabine do posto
de controle de fronteira dos Aliados e a famosa placa de advertência You are
leaving the American Sector servem, como o Plimoth Village, para restabelecer
muito da antiga estrutura visual e espacial do local histórico.

3a: Plimoth Village (foto de Muns. Licença: Creative Commons Attribution-Share Alike 2.0)

3b: Réplica da cabine do posto de controle de fronteira (foto de Sybille Frank)

E os estudantes de teatro que usam uniformes dos antigos soldados Aliados, no


Checkpoint Charlie? A atividade pode ser interpretada, como as apresentações
dos intérpretes de peregrinos no Plimoth Village, como tentativa de recriar
alguns dos aspectos sociais de locais até então centralizados em artefatos. Em
resumo, no Checkpoint Charlie, as iniciativas do Senado de Berlim (“exibição
como conhecimento”), do Museu do Muro particular (“exibição como exposi-
ção de museu”) e dos estudantes de teatro (“exibição como performance”) po-
dem ser entendidas como apresentações de patrimônio bastante típico, o valor
turístico do que é intensificado de fornecedor para fornecedor, e a interação do
que caracteriza patrimônios experienciais em todo o mundo.

4a: Mulher peregrina e turista (foto em picasaweb.google.com, 18/10/2008)

4b: Inspetores de fronteiras e turista (foto de Sybille Frank)

161
MEMORIA ABIERTA
TOPOGRAFÍA DE LA MEMORIA

Gonzalo Conte

Memoria Abierta es una organización no gubernamental que reúne, organiza


y difunde el acervo documental de organizaciones de derechos humanos y de
otros archivos personales e institucionales vinculados al terrorismo de Estado.
Produce testimonios sobre la vida social y política de los años 60 y 70 y trabaja
sobre la memoria territorial y espacial del período de violencia política en la
Argentina.
Específicamente Topografía de la Memoria releva, sistematiza y produce docu-
mentación sobre sitios, edificios y espacios que fueron utilizados como lugares
de detención transitoria, Centros Clandestinos de Detención (CCD), así como
espacios de homenaje y recordación.
Haber tomado la decisión de involucrar a la arquitectura como complemento
de un conjunto de disciplinas en el campo de la memoria, aporta la posibilidad
para todos de ver y transitar estos espacios que conforman el soporte de los
testimonios de las víctimas involucradas. Me refiero a aquellos espacios donde
se cometieron los crímenes, recintos que componen los centros clandestinos
de detención en ámbitos urbanos, semiurbanos y rurales. En definitiva se trata
de territorios donde se han desarrollado eventos traumáticos caracterizados
por el ejercicio sistemático de prácticas represivas.
Esta combinación entre las representaciones arquitectónicas y las declaracio-
nes testimoniales de las víctimas, sin otra mediación que su interacción plena,
posibilita en algunos casos la construcción de un primer relato común y co-
lectivo entre ellas. A veces resulta de la interacción de sus voces en una ins-
pección judicial. Otras resultan del trabajo conjunto para esclarecer aquellos
hechos ocurridos desde la comprensión y reconocimiento de los espacios –
escenarios donde fueron desarrollados. Pero también son a la vez recorridos
En este paso fundamental y reparatorio para las víctimas se elabora un acta es-
crita que sintetiza lo ocurrido. Sobre este documento fundamental, que orga-
niza el RJA, se interviene segmentado su texto y vinculando a cada uno de los
segmentos con los correspondientes fragmentos filmados de esos momentos
donde el testigo vuelve al espacio y lo reconoce.

La testigo Fátima Cabrera reconociendo su celda de cautiverio en el CCD “Coordinación Federal”.

El texto se convierte en imágenes de los testigos reconociendo el sitio. Simul-


táneamente fotografías y plantas de arquitectura ayudan a ubicar el recorrido
realizado durante la inspección judicial.
Todos estos componentes, combinados entre sí, conforman el Registro Judicial
Audiovisual que propone una representación del acto jurídico, rica en la ex-
presividad de las imágenes, el sonido y, fundamentalmente, consolidando a la
vez su capacidad de prueba.

181
Plano con el recorrido del Juzgado con los testigos durante la Inspección Judicial realizada al
CCD “Coordinación Federal”.

Representaciones Arquitectónicas Integrales (RAI) de los sitios que fueron utili-


zados como Centros Clandestinos de Detención

Esta herramienta combina una multiplicidad de recursos – documentación ar-


quitectónica en dos dimensiones, perspectivas del interior y exterior de los edi-
ficios, reconstrucciones virtuales en tres dimensiones, animaciones y modelos
a escala – que interactúan entre sí para facilitar la comprensión de las caracte-
rísticas físicas de estos sitios, posibilitando la “interacción” con los relatos de los
testigos. Propone una reconstrucción virtual del sitio que permite desplazarse a
través de él y experimentar posibles recorridos. Tiene un gran valor en los casos
en que el CCD ha sido demolido, cuando sus estructuras han sido alteradas y/o
cuando el tribunal no puede, o no quiere, viajar a visitar estos sitios.
Memoria Abierta ha realizado las Representaciones Arquitectónicas Integrales
del CCD El Vesubio, el CCD Mansión Seré, dos sitios que han sido demolidos.
Durante el año 2013 ha realizando la representación arquitectónica integral
(RAI) de un edificio demolido perteneciente al Regimiento 8 de Infantería
General O’Higgins de Comodoro Rivadavia, en la causa N° 8008 caratulada
“Investigación de supuestos ilícitos cometidos en el Regimiento 8 de Infantería
General O’Higgins”, a pedido del Juzgado Federal de Comodoro Rivadavia.
También esta herramienta abarca la realización de maquetas o modelos en es-
cala de aquellas edificaciones que fueran utilizadas como lugares de detención.

182
Es una herramienta que nos vincula con las provincias y las ciudades con quie-
nes desarrollamos este trabajo en conjunto, compartiendo objetivos, visiones
particulares y dificultades para su concreción.
También desarrollamos mapas estáticos de las ciudades y sus alrededores con
los lugares de detención transitoria y los Centros Clandestinos de Detención,
imprimibles para la difusión en espacios sin computadoras ni Internet.

Mapa estático de lugares de detención transitoria y centros clandestinos de detención de la ciu-


dad de Rosario.

195
Reconocer Campo de Mayo

El predio denominado Campo de Mayo fue uno de los CCD más importantes
de Argentina durante el terrorismo de Estado, situado en el partido de San
Miguel, provincia de Buenos Aires.
Se estima que entre 3500 y 5000 personas estuvieron ilegalmente detenidas en
esa guarnición militar que, a su vez, funcionaba en forma coordinada con otras
dependencias militares, policiales, de Gendarmería y Prefectura. La mayoría
de los detenidos en los centros clandestinos de la Zona 4 continúan desapare-
cidos o fueron asesinados.
Memoria Abierta reunió en un material multimedia disponible en la web, tes-
timonios, documentos, fotografías y referencias territoriales sobre  el rol de
Campo de Mayo durante el terrorismo de Estado.

Representación en el territorio del recorrido de las víctimas en el sistema represivo de la región.

196
Representación en el territorio de los sitios que fueron lugares de detención transitoria y Cen-
tros Clandestinos de Detención.

Representación en el territorio de los diferentes edificios y accesos que funcionaban en el predio


conocido como Campo de Mayo.

197
Planta de excavación de los muros de cimiento del CCD “La Escuelita”.

Comparación entre plano catastral del año 1944 y croquis de los testigos G. López y A. Partnoy.

199
“EM CASA COM O PASSADO”:
97 ORCHARD STREET E O TENEMENT MUSEUM

David Favaloro
Tradução Carlos Szlak

Na paisagem urbana do Lower East Side, em Manhattan, a principal interven-


ção do Tenement Museum foi a preservação do prédio de apartamentos de
baixo padrão (tenement) do século XIX, na 97 Orchard Street, e a interpreta-
ção de histórias de gerações de antigos moradores, lojistas e proprietários, que
são relatadas entre suas paredes. No entanto, possivelmente, essa talvez seja a
“intervenção” menos radical empreendida pelo museu. Esse texto procurará
ajudar a emoldurar o tópico de “Intervenções arquitetônicas: Impactos urba-
nos”, compartilhando algumas das experiências, estratégias e métodos que o
Tenement Museum considerou úteis para estimular seus visitantes a realizar
associações entre as experiências de imigrantes do passado e do presente. Basi-
camente, o museu acredita que seja algo que os visitantes dos locais históricos
norte-americanos estão plenamente preparados para fazer. E, assim, está se
ajustando para começar, citando o falecido historiador Roy Rosenzweig que,
com seu colega David Thelen, escreveu o seguinte em seu estudo pioneiro a
respeito de como os norte-americanos contemporâneos utilizam o passado:
“Os norte-americanos com quem conversamos se envolveram com o passado
para levar suas vidas. Quando pensam a respeito dos tipos de pessoas que que-
riam ser e os futuros que queriam construir para si mesmos, voltam-se para o
passado para emoldurar suas buscas”.1
O passado que o Tenement Museum interpreta começa na 97 Orchard Street.
Fundado em 1988, o destaque do museu é o próprio prédio de apartamentos.
Situado no Lower East Side, em Manhattan, entrada de imigrantes por quase
dois séculos, o prédio, segundo as estimativas, serviu de lar para 7 mil pessoas,
de mais de 20 países, entre 1863, ano de sua construção, e 1935, quando foi
condenado como moradia. O prédio ficou vago por mais de cinquenta anos,
1.  Roy Rosenzweig e David Thelen, The Presence of the Past: Popular Uses of History in American Life
(New York: Columbia University Press, 2000).
PARTE II
RESSONÂNCIAS
INTERVENÇÕES ARQUITETÔNICAS: IMPACTOS URBANOS

Beatriz Mugayar Kühl

A questão do patrimônio e suas incidências na escala urbana traz uma série


de questões de grande complexidade, como é possível acompanhar nos vários
textos apresentados neste volume. Entre os vários possíveis recortes para exa-
minar a ressonância dos diversos posicionamentos, optou-se, aqui, por discu-
tir questões em torno de objetos “grandes”, em que o impacto dos problemas
relacionados a uma obra, intervenção, ou política de gestão e preservação ex-
trapola, e muito, a própria escala do objeto. Claro está que vários dos textos
trazem elementos de grande interesse para enriquecer esse debate, assim como
toda ação numa obra arquitetônica ou num espaço público tem repercussão
que vai além de seu perímetro. No entanto, para aprofundar alguns aspectos da
problemática, este texto será estruturado a partir das questões levantadas por
Sybille Frank e David Favaloro.
Sybille Frank aborda problemas contundentes de como, na atualidade, a Ale-
manha vem trabalhando alguns aspectos de sua memória, ao tomar como
exemplo as vicissitudes do Checkpoint Charlie, em Berlim. Ocorrem ações no
país com gamas variadas entre polos extremos, em especial no que se refere à
memória da guerra e do segundo pós-guerra. Há alternância entre demolições
de alguns símbolos da divisão do país, reconstruções de edifícios simbólicos
destruídos pela guerra, e até mesmo museificação de sítios de memória pro-
blemática. Algumas iniciativas parecem tentar apagar a memória da guerra e
do período de divisão; mas, por outro lado, há ações consistentes no sentido
de criar memoriais sobre os eventos que marcaram aquele período da história
do país, com soluções extremamente variadas.
No que respeita ao caso específico do Checkpoint Charlie, as ações a ele re-
lacionadas parecem quase desgovernadas. Num arco temporal muito curto,
de uma década, o sítio passa da obsolescência, acompanhada de destruição,
LUGARES DE MEMÓRIA DIFÍCIL: AS MEDIDAS DA LEMBRANÇA E
DO ESQUECIMENTO

Renato Cymbalista

A criação do SPHAN em 1937, assim como a criação dos órgãos estaduais e


municipais de preservação no Brasil, a partir da década de 1960, deu-se quase
sem exceções em uma chave interpretativa do passado orgulhosa e ufanista, os
bens preservados servindo como emblema da nacionalidade ou das regionali-
dades. Tal cenário começou a mudar a partir da década de 1980, com a demo-
cratização dos processos de tombamento afirmada pela Constituição de 1988.
Até muito recentemente, o principal impacto havia sido o de diversificação das
narrativas, com a inclusão de uma multiplicidade de linguagens arquitetônicas
e de atores sociais representados. Data da última década um novo – e ainda
tímido – movimento de olhar para o legado material do passado a partir de
histórias difíceis e dolorosas. Vários dos textos presentes neste livro trazem
experiências internacionais nesse sentido, que alimentam com muito vigor o
debate no Brasil.
No país, o debate mais estruturado a respeito de sítios de memórias dolorosas
refere-se à última ditadura militar, período em que foram cometidos graves
crimes e violações de direitos. O ano de 2014 marcou os 50 anos do golpe que
iniciou o regime militar no Brasil, e como em todas as efemérides, constituiu-
-se uma oportunidade de debate a respeito da memória socialmente construí-
da no Brasil a esse respeito. Pode-se dizer que essa data foi aproveitada de
forma inédita: reverberaram e potencializaram-se as várias Comissões da Ver-
dade que foram instituídas no país, sucederam-se os depoimentos em vários
canais da mídia e nas redes sociais. Não foi uma efeméride fugaz, e desde então
vem crescendo a revisitação ao período da Ditadura.
O debate atingiu também a esfera do patrimônio e da memória. O debate so-
bre a necessidade de preservação de lugares com memórias relacionadas à di-
tadura veio à tona em várias cidades, como Belo Horizonte, Fortaleza, Porto
MEMÓRIA E ESPAÇO

Fraya Frehse

As reflexões que seguem são fruto do contato que, como pesquisadora do Nú-
cleo de Apoio à Pesquisa “São Paulo: Cidade, Espaço, Memória” (NAPSP) que
coordenou e debateu a mesa-redonda “Mobilizações da memória: relações
entre materialidade e imaterialidade”, pude travar em particular com as con-
tribuições de Gabi Dolff-Bonekämper e Graça Índias Cordeiro à Conferência
Internacional “Patrimônio Cultural: Memória e intervenções urbanas”, organi-
zada pelo NAPSP em agosto de 2013.
Um dos problemas teóricos centrais que marca a existência deste Núcleo é o da
relação entre memória e espaço. A memória é mobilizada socialmente, “usada”.
Mas como? Inevitavelmente mobilizando bens sociais materiais e imateriais.
Se, para além das várias conceituações que assume no pensamento científi-
co, a noção de espaço diz respeito a relações entre elementos – materiais e/ou
imateriais – (cf. a respeito Frehse, 2013, p. 69), então mobilização da memória
envolve necessariamente mobilização de espaço – que é assim “(re)produzi-
do”, “construído” ou “constituído”, dependendo do referencial teórico utilizado
pelo respectivo pesquisador1.
Em especial nas ciências sociais é quase centenária a temática dos vínculos en-
tre memória e espaço. Já nos anos de 1920 Maurice Halbwachs ([1925] 1994)
falava dos “quadros sociais da memória” para apontar o vínculo que deter-
minada localização social nutre com a reconstituição de lembranças2. E mais
tarde o autor (Halbwachs, [1950] 1997, p. 63) sintetizava: “Para se obter uma
lembrança, não basta reconstituir a imagem de um acontecimento passado. Tal
reconstrução opera a partir de dados ou noções comuns que se encontram tan-
to em nosso espírito como naqueles dos outros, porque se movem sem parar
1.  Para exemplos cf., respectivamente, Lefebvre ([1985] 2013), Bourdieu ([1991] 2013) e Löw (2013).
2.  São de minha autoria todas as traduções para o português de textos cujos tradutores não aparecem
indicados nas referências bibliográficas.
SOBRE OS AUTORES

ANA ROSAS MANTECÓN


Antropóloga, professora do Departamento de Antropologia da Universi-
dad Autónoma Metropolitana (UAM) – Iztapalapa.

BEATRIZ MUGAYAR KÜHL


Arquiteta e Urbanista. Professora do Departamento de História da Arquitetu-
ra e Estética do Projeto da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Univer-
sidade de São Paulo. Pesquisadora do CNPq.

CAROLINA AGUILERA
Socióloga e licenciada em Ciências pela Universidade de Chile. Trabalha em
projetos relacionados com sítios de memória da ditadura militar chilena.

DAVID FAVALORO
Graduado em Public History . Diretor de Curadoria no Lower East Side Tene-
ment Museum, em Nova Iorque. Pesquisador do Hebrew Technical Institute.

FRAYA FREHSE
Antropóloga e socióloga. Professora do Departamento de Sociologia da Facul-
dade de Filosofia Letras e Ciencias Humanas da Universidade de São Paulo.
GABI DOLFF-BONEKÄMPER
Historiadora da Arte. Professora titular da Cátedra de Preservação do Patri-
mônio na Technische Universität Berlin.

GONZALO CONTE
Arquiteto, coordena o programa Topografia da Memória da ONG Memória
Aberta, em Buenos Aires.

GRAÇA ÍNDIAS CORDEIRO


Antropóloga urbana, professora auxiliar do ISCTE, Instituto Universitário de
Lisboa.

PAULO PEIXOTO
Sociólogo,professor da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra
e pesquisador do Centro de Estudos Sociais, integrando o Núcleo Cidades,
Cultura e Arquitetura.

RENATO CYMBALISTA
Arquiteto e Urbanista. Professor do Departamento de História da Arquitetura
e Estética do Projeto da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universi-
dade de São Paulo.

SARAH FELDMAN
Arquiteta e Urbanista. Professora Livre-Docente do Instituto de Arquitetura e
Urbanismo da Universidade de São Paulo. Pesquisadora do CNPq.

SHARON ZUKIN
Sociológa, professora do Brooklyn College e da Graduate School da City Uni-
versity of New York (CUNY).
SYBILLE FRANK
Socióloga, Professora de Sociologia da Cidade e do Espaço no Instituto de So-
ciologia da Technische Universität Darmstadt. 

TALI HATUKA
Arquiteta e planejadora urbana.  Chefe do Laboratório de Desenho Urbano
Contemporâneo no Departamento de Geografia e Meio Ambiente Humano da
Universidade de Tel Aviv, onde é professora.

Interesses relacionados