Você está na página 1de 112

Módulos Eletrônicos , manutenção e

gerenciamento eletrônico do motor


Índice
Esquema elétrico - alimentação de tensão.......................................................................................................................................................................................5
Códigos de cores......................... .....................................................................................................................................................................................................6
Leitura e interpretação de esquemas elétricos ............................................................................................................................................................................... 7
Siglas de identificação .................................................................................................................................................................................................................... 8
Numeração em conectores e módulos.............................................................................................................................................................................................9
Comunicação CAN......................................................................................................................................................................................................................... 10
Medir linha CAN............................................................................................................................................................................................................................... 14
Módulos eletrônicos GM, WS e ZDS.......... .................................................................................................................................................................................... 16
Módulos eletrônicos FM e HM......................................................................................................................................................................................................... 17
Módulos eletrônicos BS e AM ........................................................................................................................................................................................................ 19
Módulos eletrônicos INS ...................... ..........................................................................................................................................................................................20
Módulos eletrônicos FR e MR........................................................................................................................................................................................................ 21
Módulo eletrônico MSF ....................................................................................................................................................................................................................22
Módulos eletrônicos TMF e TMB ................................................................................................................................................................................................... 24
Módulos eletrônicos TCO e GS ................................................................................................................................................................................................... 25
Programação da caixa no GS “pequena”........................................................................................................................................................................................ 26
Programação da caixa no GS “grande”........................................................................................................................................................................................... 27
Falhas na programação do GS................. ................................................................................................................................................................................... 28
Módulos eletrônicos PSM e RS ..................................................................................................................................................................................................... 29
Rede KontAct Actros fora de estrada ...................................... ...................................................................................................................................................... 30
CAN 1 – CAN do veiculo ............................................................................ .................................................................................................................................. 31
CAN 2 – CAN da cabina ................................................................................................................................................................................................................ 32
CAN 3 – CAN do chassis................................................................................................................................................................................................................ 33
CAN 4 – CAN do motor .................................................................................................................................................................................................................. 34
CAN 5 – CAN da caixa ................................................................................................................................................................................................................... 35
CAN 6 – CAN do freio..................................................................................................................................................................................................................... 36
CAN 10 – CAN do tacógrafo.................... .........................................................................................................................................................................................37
Tensão de trabalho CAN do motor....................................................................................................................................................................................................38

3
Exercício: Medir tensão no CAN do motor ..................................................................................................................................................................................... 39
Exercício: Medir alimentação de tensão nos módulos FR e MR.................................................................................................................................................. 40
Exercício: Medir sinal de partida nos módulos MR e FR................................................................................................................................................................. 41
Partida com transponder (Immobilizer) (Funcionamento normal)................................................................................................................................................... 43
Partida com transponder (Immobilizer) (Sem sinal de entrada no MR).......................................................................................................................................... 44
Partida com transponder (Immobilizer) (Bloqueio de funcionamento)............................................................................................................................................ 45
Sensores do motor......................................................................................................................................................................................................................... 46
Sensores indutivos ........................................................................................................................................................................................................................ 47
Sensor indutivo do comando (PMS)............................................................................................................................................................................................... 48
Sensor indutivo do volante (Rotação)............................................................................................................................................................................................. 50
Sensor indutivo com polaridade invertida....................................................................................................................................................................................... 54
Testes nos sensores indutivos ................................................................................................................................................................................................... 55
Sensores de temperatura (NTC) ................................................................................................................................................................................................... 56
Sensor de temperatura do combustível........................................................................................................................................................................................ 58
Sensor de temperatura do liquido de arrefecimento...................................................................................................................................................................... 59
Sensor de temperatura do ar..................... ................................................................................................................................................................................... 60
Sensor de temperatura do óleo do motor e sensor de nível.......................................................................................................................................................... 61
Testes dos sensores NTC ..................................... ....................................................................................................................................................................... 63
Exercícios: Sensores NTC............................................................................ .................................................................................................................................. 66
Proteção do motor devido a alta temperatura................................................................................................................................................................................ 67
Sensores de pressão (Piezelétrico).............................................................................................................................................................................................. 68
Sensor de pressão Atmosférica.................................................................................................................................................................................................... 69
Sensor de pressão do ar .............................................................................................................................................................................................................. 70
Sensor de pressão do óleo do motor............................................................................................................................................................................................ 71
Teste dos sensores de pressão...................................................................................................................................................................................................... 73
Exercício: Sensores de pressão...................................................................................................................................................................................................... 74
Pedal do acelerador......................................................................................................................................................................................................................... 75
Circuito de alta pressão (unidade injetora)...................................................................................................................................................................................... 80
Testes do motor com aparelho de diagnóstico.................................................................................................................................................................................85
Tomada para diagnostico.................................................................................................................................................................................................................89
Manutenção do motor à partir da pagina..........................................................................................................................................................................................91

4
Esquemas elétricos
Vamos começar a trabalhar com esquemas elétricos dos veículos Mercedes-Benz.
Para isso teremos que entender algumas siglas do esquema elétrico.
As principais siglas são as que descriminam as linhas de alimentação de tensão.

KL30: positivo direto da bateria


KL15: positivo pós chave de ignição KL 50
KL31: negativo ou massa
KL 50
KL50: Positivo (sinal de partida) Módulo ADM Módulo PLD

KL 15
KL 30

- + - + KL 31
12V 12V
5
Código de cores dos cabos elétricos

Código de Cores
dos Cabos Elétricos
bl Azul
br Marrom 2,5 rt/bl Cor secundária
ge Amarelo Cor primária
gn verde
gr Cinza Secção transversal (2,5 mm2)
li Lilás
rt Vermelho Obs.: Existem cabos elétricos com até 3 cores.
sw Preto
ws Branco

6
Leitura e Interpretação de esquema elétrico

Secção transversal
(mm2)

Cor do cabo
elétrico

Número total de pinos


Conector do conector X1
do módulo

16/6

Número do pino
no conector X1
Número de página
Continuação do
esquema elétrico Características
do sinal
Nome do módulo eletrônico
Sigla do
Componente
componente
7
Sigla de Identificação

8
Numeração em conectores e módulos

Para verificarmos os conectores dos componentes


precisamos colocar a trava para cima, vendo a conexão
como nas figuras.
Nesta posição é só contarmos da esquerda para direita.

9
Comunicação CAN
CAN - Controller Area Network
Rede
Área
Controlador

10
Sinal CAN no osciloscópio

11
12
Protocolo de Comunicação CAN

Tensão
 Representação simplificada

V = 3,5V CAN L
cabo amarelo

V = 1,5V CAN H
cabo azul

Tempo

: Protocolo CAN utilizado pela Mercedes- Benz em veículos comerciais.

- Os cabos são trançados para evitar interferência eletromagnética.

- O trançado deve possuir de 30 a 40 voltas a cada 1 metro.

- Não deve-se soldar/emendar a linha CAN, para não aumentar sua resistência. 13
Como medir a linha CAN com multímetro

 O cabo comum do multímetro deve estar sempre no


negativo.
(Procure o negativo mais próximo do ponto a ser medido)

 Colocar o cabo positivo em uma linha de cada vez.


(No exemplo: Medição da linha H – Azul)

 Conhecer a tensão de referência


(No exemplo: CAN 4 – CAN do motor 8 a 16V)

14
Módulos eletrônicos
e
Linhas CAN no Actros 4844

15
Módulo GM A7

Também conhecido como módulo básico é a unidade central da


rede, e está conectado através de vários sistemas CAN com os
módulos de comando de todos os sistemas eletrônico.

Módulo WS ZDS
O WS é um sistema de manutenção e está dentro
do GM.

GM

Módulo ZDS
Memória central de dados, armazena os
parâmetros da maioria dos módulos, serve de
backup. Também está dentro do GM. 16
17
Função de emergência HM e FM

Em caso de falta de alimentação no módulo HM e no módulo FM é assegurado através da linha


Wake up uma alimentação de emergência de até 8 Amperes, mantendo acesso as prioridades.
Ex.: farol.

18
Módulo BS

A11

Módulo AM

Válvula moduladora do freio dos eixo traseiros.


Comunica com o BS através do CAN 6

19
Módulo INS

20
Módulo FR
Regula, comanda e monitora todas as funções específicas do veículo necessárias ao seu funcionamento, sua
tarefa principal consiste em calcular o momento nominal do motor desejado pelo motorista e transmiti-lo para a
o módulo MR (regulagem do motor)

O FR (A3), está conectado ao Módulo GM através do CAN 1.

Módulo MR

21
Módulo MSF

22
23
24
Módulo TCO

Tacôgrafo

Módulo GS

Recebe os sinais do sensores da caixa, informações de rotação, torque do motor e outras informações através
do CAN 5.

25
26
27
Falhas de programação GS (Caixa e embreagem)

28
Módulo PSM
Módulo RS

O módulo RS comanda o Retarder

Preparo das funções, as quais de acordo com a


parametrização podem ser ativadas ou desativadas
Os sinais de entrada (dados parametrizados e valores
reais)
são captados nas funções base lógicas (funções E assim
como OU) com o valor "SIM" ou "NÃO".
Onde é originado um valor resultante "SIM" ou "NÃO" para
a
função base. Os próprios valores resultantes das funções
base, por sua vez, são condições de entrada para uma
interligação subordinada E assim como OU.
No final da rede lógica de interligações de uma assim
chamada equação (funcionalidade) ocorrendo com isso a
emissão de sinais de saída exatamente definidos. 29
2

PSM

AM

30
Mercedes-Benz CAN 1 – CAN do veículo

CAN 2
A7

X11

18/9
CAN 2
P2
GM
INS

18/18
CAN 9

X1
Gateway

18/16
18/3
CAN 3
A3 FR

18/1

18/18
X11 CAN 1

X2
18/7 18/9 18/10 18/12 18/13 18/15

CAN 4

CAN 5
X1 X3 X1
18/3 18/1 15/15 15/13 18/3 18/1
A11 A22 A20
BS PSM RS
CAN 6 CAN 11 CAN 7 CAN 8

 Velocidade (Taxa de transferência)


500 Kb/s  Tensão 1,5 a 3,5 V
31
Mercedes-Benz CAN 2 – CAN interior (Cabina)

MSF
A68
6/5 6/ 6 6/2 6/3
X1

31 30
X4
18/8 18/9 18/10 18/11
10/10 10/8

18/5
A66 F6 10A CAN 2
TMB

30 18/2 18/3 18/4


F3 20A
10/9 10/7

31 CAN 9

Gateway
X1

X3

CAN 3
10/10 10/8

18/4 18/5

A67
CAN
TMF

30 F1 20A
1
18/2 18/3
10/9 10/7

31 F17 10A

A7 GM 18/2 18/3 18/4 18/5

X4
X2
X1

X4

18/2 18/11 18/1 18/10


X1
P2

 Velocidade (Taxa de transferência)


125 Kb/s  Tensão 0,3 a 4,8 V
CAN 1
32
Mercedes-Benz CAN 3 – CAN do Chassis

21/5

9/5
A65 A7

21/4
WAKE
WAKE
GM

9/4
HM UP UP

21/3
31 31

9/3
CAN 1 – CAN do veículo CAN 2

21/2

9/2
WAKE

X5

X20
31 UP
21/2 21/3 21/4 21/5
X5 CAN 9

Gateway
CAN 3

X3
21/2 21/3 21/4 21/5
31 WAKE CAN 1
21/5

12/5
UP

WAKE
21/4

WAKE

12/4
UP UP
A64
21/3

12/3
31 31

FM
21/2

12/2
X24
X2

 Velocidade (Taxa de transferência)


 Tensão 1,5 a 3,5 V
250 Kb/s
33
CAN 4 – CAN do motor

A3  Velocidade (Taxa de transferência)


CAN 1 CAN 5
FR/CPC 125Kb/s

18/3 18/2 18/1


X4 1/3 a 2/3 U-Fonte
 Tensão 8 a 16V

X2.2
18/3 18/4 18/2 18/1

X1
16/1 16/4 16/3 16/2

A6
CAN 12
MR
34
CAN 5 – CAN da transmissão (Caixa de mudanças)

A3  Velocidade (Taxa de transferência)


CAN 1 FR CAN 4 250 Kb/s
31
21/21 21/19 21/20 1/3 a 2/3 U-Fonte
X3  Tensão 8 a 16V

X2.1
18/6 18/7 18/8 18/9
.
X1
15/1 15/4 15/2 15/8 X 17 X 10
15/13 15/4
31 30 31
30
F12
GS 15A

A16
GM 35
CAN 6 – CAN do freio

A11
CAN 1
A B BS2 CAN 11
31 + 31 +
18/11 18/16 18/13 18/14 15/9 15/4 15/1 18/7
X1 X1

X4.1 X4.2
18/13 18/16 18/14 18/15 18/1 18/4 18/2 18/3

 Velocidade (Taxa de transferência)


500 Kb/s

X68 X61
1 4 2 3 1 4 2 3
31 + 31 +  Tensão 1,5 a 3,5 V
A B
A28 AM 36
CAN 10 – CAN do tacógrafo

P2  Velocidade (Taxa de transferência)


CAN 1 INS CAN 2 125Kb/s

18/14 18/15 18/13 18/5


X1  Tensão

X124.1
18/12 18/10 18/11 18/9

X1
8/4 8/7 8/8

MTCO
P3
37
Tensão de trabalho da linha L e da linha H (CAN 4 – CAN do motor)

A tensão medida tanto na linha L (Low) como


na linha H (high) deve estar entre 8 e 16 Volts.
Se os valores medidos não corresponderem
com os prescritos, verificar conectores, chicote
elétrico e alimentação dos módulos eletrônicos
pertencentes a rede.

• Em caso de curto-circuito ao positivo de


uma das linhas, L ou H, o valor medido será o
mesmo da fonte de alimentação. (24 Volts)
• Já em caso de curto-circuito ao massa, o
valor medido será O Volts.
• Se acontecer das linhas L e H entrarem em
curto-circuito, uma com a outra, os valores de
tensão de ambas serão idênticos.

• Linha CAN L cabo Amarelo


• Linha CAN H cabo Azul
38
Complete os quadros utilizando Multímetro e esquema elétrico.

• Pontos de medição (conectores e pinos) Tensão


CAN 4 (CAN do motor)
• Cores dos cabos Encontrada
Conector........pino ....... (FR) (Cabo Azul)
...V
Tensão na linha H Conector.......... pino ..........( - ) (FR) (Cabo Marron)

Tensão na linha H Conector........pino ....... (FR) (Cabo Azul)

(Em curto com negativo) Conector.......... pino ..........( - ) (FR) (Cabo Marron)

Tensão na linha H Conector........pino ....... (FR) (Cabo Azul)


(Em curto com positivo) Conector.......... pino ..........( - ) (FR) (Cabo Marron)
Conector........pino ....... (FR) (Cabo Amarelo)
Tensão na linha L
Conector.......... pino ..........( - ) (FR) (Cabo Marron)

Tensão na linha L Conector........pino ....... (FR) (Cabo Amarelo)


(Em curto com negativo) Conector.......... pino ..........( - ) (FR) (Cabo Marron)
Conector........pino ....... (FR) (Cabo Amarelo)
Tensão na linha L
Conector.......... pino ..........( - ) (FR) (Cabo Marron)
(Em curto com positivo)

Tensão na linha L Conector........pino ....... (FR) (Cabo Amarelo)


(Em curto uma com a outra) Conector.......... pino ..........( - ) (FR) (Cabo Marron)

Tensão na linha H Conector........pino ....... (FR) (Cabo Azul)


(Em curto uma com a outra) Conector.......... pino ..........( - ) (FR) (Cabo Marron)

39
Complete os quadros utilizando Multímetro e esquema elétrico

Alimentação de tensão no • Pontos de medição (conectores e pinos) Tensão


Módulo PLD (MR) e FR
• Cores dos cabos Encontrada

Exemplo: Conector de 16 pinos no pino 5 (cabo vermelho)


Primeiro KL 30 no PLD (MR) 24 V
Conector de 16 pinos no pino 9 ( - )(cabo marrom)

Segundo KL 30 no PLD (MR) Conector de 16 pinos no pino ........ (cabo vermelho)


(Teste com o outro negativo) Conector de 16 pinos no pino ........ ( - )(cabo marrom)
Conector de 16 pinos no pino ........ (cabo ............................)
KL 15 no PLD (MR)
Conector de 16 pinos no pino ........ ( - )(cabo marrom)

Conector ....... de .......pinos, no pino ........ (cabo ............................)


KL 30 no FR
Conector........ de ...... pinos no pino ........ ( - )(cabo .......................)

Conector ....... de .......pinos, no pino ........ (cabo ............................)


KL 15 no FR
Conector........ de ...... pinos no pino ........ ( - )(cabo .......................)

40
Complete os quadros utilizando Multímetro e esquema elétrico.

Sinal de partida nos • Pontos de medição (conectores e pinos) Tensão


Módulos PLD (MR) e ADM
• Cores dos cabos Encontrada

KL 50 no PLD (MR) Conector de 16 pinos no pino ........ (cabo ............................)

Entrando no módulo Conector de 16 pinos no pino ........ ( - )(cabo marrom)

Conector ....... de .......pinos, no pino ........ (cabo ............................)


KL 50 no FR
Conector........ De ...... pinos no pino ........ ( - )(cabo .......................)
KL 50 no PLD (MR) Conector de 16 pinos no pino ........ (cabo ............................)
Saindo do módulo Conector de 16 pinos no pino ........ ( - )(cabo marrom)

O motor de partida é Descreva abaixo a reação durante a partida:


acionado?

Remova o KL 50 no FR

Remova o KL 50 no PLD

41
Sistema de partida com Transponder

42
Mercedes-Benz Partida com Transponder (Normal)
1 –Transponder FR MR
2 - Bobina 2
3 - Tambor KL 30 8

1
3

KL 31
Anotações

43
Mercedes-Benz Partida com falha no sinal de entrada do MR

1 –Transponder FR MR
2 - Bobina 2
3 - Tambor KL 30 8

1
3

Anotações KL 31

44
Mercedes-Benz Partida com Bloqueio

1 –Transponder FR MR
2 - Bobina 2
3 - Tambor KL 30 8

1
3

Anotações KL 31

45
Sensores
46
Sensores Indutivos

São 2 sensores indutivos nos Motores eletrónicos


•Sensor de posição PMS (Comando)
•Sensor de Rotação (Virabrequim)
Ex. Sensor de rotação

Neste exemplo o sensor serve para gerar


pulsos elétricos que indicam a rotação do
motor.
Toda vez que os furos do volante do motor
passam na frente do sensor, há uma
variação da intensidade do campo,
causando uma variação de tensão elétrica
correspondente, nos terminais do sensor.

Furo no volante do motor.


47
Sensor indutivo do comando (PMS)

48
Sensor de posição PMS (Comando)

Pistão 1

Volante do motor
Sensor PMS
Engrenagem do virabrequim

Engrenagem do Comando
13 orifícios:
•1 orifício indica Pistão 1 no PMS no tempo de compressão Função principal do Sensor
•12 distribuídos de 30 em 30 graus. (Rotação) Função secundária

49
Sensor indutivo do Volante (Rotação)

• O módulo de comando esta apto a variar o ponto de injeção de


35 graus antes do PMS até 5 graus após o PMS
50
Sensor de Rotação (Virabrequim)

65

Engrenagem do Comando
Sensor do virabrequim

PLD
Volante do motor
Engrenagem do virabrequim
Função Principal do Sensor
•36 orifícios de 10 em 10 graus (Rotação)
Função secundária
•1 orifício para indicar Pistão 1 no PMS (No tempo de compressão ou no tempo de escapamento)

51
Funcionamento com falha no sensor de comando
Caso o sensor do eixo de comando não esteja funcionando, não há como o PLD identificar
o tempo de compressão. Neste caso haverá um sinal elétrico nas unidades injetoras tanto no
tempo de compressão como no tempo de exaustão.

52
Funcionamento com falha no sensor do volante
Caso o sensor do volante não esteja funcionando, o PLD passa a trabalhar somente com o
sensor do comando, neste caso pode haver perda de potência do motor.

53
Sensor com polaridade invertida

54
Sensores indutivos (Testes)

• O módulo PLD (MR) alimenta os sensores de indução com tensão de 12 a 16 V

• Resistência dos sensores em temperatura ambiente 1200 a 1300 Ohms

Complete os quadros utilizando Multímetro e esquema elétrico

• Pontos de medição (conectores e pinos) (Tensão de alimentação)


Sensores
• Cores dos cabos (Sensor desconectado)

Sensor de Rotação
(Virabrequim)

Sensor do PMS
(Comando)

Sensores Medir as resistências dos sensores (Sensores desconectados)

Sensor de Rotação (Virabrequim)

Sensor do PMS (Comando)

55
Sensores de Temperatura (Sensores NTC)

NTC = Coeficiente Térmico Negativo

São 4 sensores no motor eletrônico:

•Temperatura do Combustível
•Temperatura do Líquido de arrefecimento
•Temperatura do Ar da admissão
•Temperatura do Óleo do motor

56
Curva de resposta do Sensor NTC (Termistor de Coeficiente Negativo)
Resistência

Temperatura
57
Temperatura do Combustível

O módulo MR (PLD) usa a informação deste sensor para:


- Calcular o tempo de Injeção

As variações de temperatura alteram a densidade


do óleo diesel e, consequentemente,
o volume injetado pelas unidades injetoras.

O módulo reconhece esta variação de temperatura


através do sensor de temperatura do combustível
e modifica o tempo de injeção para atender
o volume correto a ser injetado

• Matéria = Volume
• Maior a temperatura menor a densidade
58
Sensor Temperatura do Líquido de arrefecimento

O módulo MR (PLD) usa a informação deste sensor para:


-Regulagem do débito de partida,
- Início de Injeção
- Cálculo do torque nominal
- Proteção do motor em caso de
superaquecimento

59
Sensor de temperatura do ar (NTC)

60
Sensor de temperatura do óleo do motor e
Sensor do nível de óleo do motor
O sensor de nível do óleo lubrificante está localizado na
parte inferior do cárter de óleo do motor.

O sensor possui uma resistência que fica junto ao óleo. Para


isso, existem aberturas ao longo do tubo plástico que
permitem a entrada e saída de óleo
junto à resistência.
O óleo ao redor desta resistência esfria uma parte da
mesma. Dependendo do nível, irá esfriar uma parte maior
ou menor do sensor provocando assim uma
variação da resistência proporcional ao nível.
A resistência total do transmissor depende do volume e
temperatura momentânea do óleo do motor.

Para verificar a temperatura, o sistema utiliza o sensor


de temperatura do óleo lubrificante. Após saber a
temperatura, o software converte o valor resistivo do sensor
de nível em quantidade de óleo,

61
Circuito de um sensor NTC

O módulo MR (PLD) alimenta


os sensores de temperatura
com 5V.

Faixa de trabalho (Resposta do


sensor) 0,5V a 4,5V

Valores abaixo de 0,5V ou


acima de 4,5V geram códigos
de falhas.

62
Testes do Sensores NTC
Teste de plausibilidade (Comparação)
Com um aparelho de diagnostico verifique os valores atuais dos sensores, com o motor
em temperatura ambiente não pode haver uma diferença maior que 5 graus entre eles.
Exemplo:
•Temperatura do Combustível ........................26 graus
•Temperatura do Líquido de arrefecimento.....27 graus
•Temperatura do Ar da admissão ...................35 graus
•Temperatura do Óleo do motor ....................26 graus
No exemplo acima o sensor de temperatura do ar está diferente dos demais, essa diferença não gera
código de falha mas pode prejudicar o desempenho do motor.

Verifique a temperatura diretamente no sensor com o termopar de um multímetro ou


aparelho a laser. Meça a resistência do sensor e compare os valores com a tabela da
página 34.

Veja nas próximas paginas como verificar curto circuito ou circuito interrompido no
sensor ou chicote elétrico

63
64
65
Complete os quadros utilizando Multímetro e esquema elétrico.

Tensão de Tensão de Tensão com


• Pontos de medição (conectores e pinos) alimentação Resposta (Sensor
Sensores de sensor ou cabos
Temperatura • Cores dos cabos (Sensor conectado) em curto
desconectado)

Combustível
Medir direto no conector do sensor

Ar da Conector (sensor) 4 pinos no pino ..... e........


admissão

Óleo do
motor Medir direto no conector do sensor

Líquido de
arrefecimento Medir direto no conector do sensor

66
Proteção do motor ( temperatura do líquido de arrefecimento )
O PLD gera um sinal de aviso quando com relação ao valor da temperatura do
motor e executa um programa de redução da potência máxima disponível
sempre que a temperatura ultrapassar 105°C.

67
Sensores de Pressão (Piezelétrico)

São 3 sensores no motor eletrônico:

• Sensor de pressão atmosférica;


• Sensor de pressão do ar de sobrealimentação;
• Sensor de pressão do óleo do motor.

A alimentação elétrica dos sensores de pressão é feita pelo próprio módulo através de um
sinal contínuo de 5 (cinco) Volts.

Os sensores de pressão têm como base o funcionamento de um componente piezelétrico, ou


seja, é um circuito eletrônico que converte um sinal de
pressão, gerado por um cristal, em tensão elétrica. Desta forma, tem-se uma faixa de tensão
que pode varia de 0,5 Volts a 4,5 Volts dependendo da
pressão a qual o sensor está submetido.
68
Sensor de pressão atmosférica

A pressão atmosférica é medida por um


sensor de pressão localizado dentro do
próprio módulo eletrônico.

Para evitar problemas com o


turboalimentador, em situações de baixa
pressão atmosférica, o módulo MR/PLD pode
diminuir (limitar) a potência do motor.

69
Sensor de pressão do ar

O sensor de pressão do ar de sobrealimentação, em


conjunto com o sensor de temperatura do ar de
sobrealimentação,
informam o módulo MR/PLD a massa de ar que
está entrando no motor.

Essa informação é extremamente importante para o


cálculo do volume de combustível a ser injetado.

70
Sensor de pressão do Óleo motor

No caso do sensor de pressão de óleo do motor, existe um sinal de advertência para o


motorista (através do painel de instrumentos) caso a pressão do óleo seja inferior a 0,5
(meio) bar estando o motor em marcha lenta. É importante verificar que a pressão
normal do óleo do motor em marcha lenta é de aproximadamente 2 (dois) bares
podendo chegar a 5 (cinco) bares em rotações elevadas.

Pressão mínima do óleo do motor em temperatura normal de trabalho:

• Marcha lenta 0,5 bar


• Acelerado 2,5 bares

Os sensores de pressão e temperatura do óleo lubrificante não limitam o torque do


motor, apenas disponibilizam aviso sonoro e visual para o condutor através do painel de
instrumentos.

71
Gráfico Pressão X Tensão
Sensores de Pressão
• Óleo do motor
• Ar de admissão

Tensão
72
Testes do Sensores de Pressão

Teste de plausibilidade (Comparação)


Com um aparelho de diagnostico verifique os valores atuais dos sensores, com o motor
desligado os 2 sensores devem marcar pressão atmosférica, por isso não pode haver
uma diferença significativa entre eles.
Exemplo:
• Sensor de pressão Atmosférica ........................0,915 Bar ou 915 mBar
• Sensor de pressão do Ar da admissão ..............0,923 Bar ou 923 mBar

Sensor de pressão do óleo do motor:


Verifique a pressão com um manômetro e compare com o gráfico da página 50

73
Complete os quadros utilizando Multímetro e esquema elétrico.

Tensão de
• Pontos de medição (conectores e pinos) Tensão com
Sensores de alimentação sensor ou cabos
Pressão • Cores dos cabos (Sensor
em curto
desconectado)

Ar de Conector (sensor B71) 4 pinos no pino 1 (negativo)


admissão
Conector (sensor B71) 4 pinos no pino 3 (positivo)

Óleo do Conector (sensor B72) 4 pinos no pino 1 (negativo)


motor
Conector (sensor B72) 4 pinos no pino 3 (positivo)

• Pontos de medição (conectores e pinos) Tensão de Resposta (Sinal)


Sensores de
Pressão • Cores dos cabos (Sensor Conectado)

Ar de
Conector (sensor B71) 4 pinos no pino 1 (negativo)
admissão Conector (sensor B71) 4 pinos no pino 4 (Sinal)

Óleo do Conector (sensor B72) 4 pinos no pino 1 (Negativo)


motor
Conector (sensor B72) 4 pinos no pino 4 (Sinal)

74
Sinal PWM (Modulação por largura de pulso).
75
Sinal PWM (Modulação por largura de pulso).

76
Pedal do acelerador
O pedal do acelerador é um circuito eletrônico que, controlado por um
potenciômetro interno, gera e envia um sinal PWM ao módulo ADM.
É importante verificar que o pedal do acelerador possui dois sensores
internamente trabalhando com sinais invertidos.

O ADM aceita como faixa de marcha lenta uma relação de 10% a 30% e de
40% a 90% para plena carga.

77
A solicitação do pedal é transformada em solicitação de torque pelo FR/ADM
e enviada ao MR/PLD através da linha CAN.

78
Complete os quadros utilizando Multímetro e esquema elétrico

• Pontos de medição (conectores e pinos) Tensão


Pedal do
Acelerador • Cores dos cabos (Encontrada)

Alimentação
Pedal 1

Alimentação
Pedal 2

• Pontos de medição (conectores e pinos)


Pedal do Tensão Pedal Tensão Pedal
Acelerador • Cores dos cabos em repouso Plena carga

Sinal PWM 1

Sinal PWM 2

79
Unidade Injetora (Circuito de alta pressão)

1 - Curso de admissão

Retorno Alimentação
de diesel
Baixa pressão
- Série 900 de 4 a 6 bar
- Série 450 de 2 a 5,5 bar

80
2 - Curso prévio

81
3 - Curso de alimentação (Injeção)

Alta pressão até aproximadamente 1800 bar.

82
4 - Curso residual

83
PULSO NA UNIDADE INJETORA

• T1 Largura do pulso elétrico aplicado pelo PLD.


• T2 Tempo de Atracamento: Tempo gasto no deslocamento da válvula até seu fechamento
• T3 Tempo de injeção: Tempo que a válvula permanece fechada.

84
85
86
87
88
Tomada para diagnose TechMasters 2011

X13
4 5 7 8 16

31 K 15 30
X13
15/12 15/11 15/14 15/15

F25 F17
10A 10A

GM 89
Tomada de Diagnosis

• Pontos de medição Tensão


Alimentação de (conectores e pinos)
tensão Encontrada
• Cores dos cabos

KL30

KL15

Conferir continuidade da linha K (Comunicação tomada / módulos)

• Pontos de medição (conectores e pinos)


• Cor do cabo

GM

90
Remover / Instalar – porta-injetor

Anotações:
- Dependendo da versão o porta-injetor pode ser montado com arruela térmica ou luva
térmica (consultar o EPC)

Comprimento “L” máximo: 91 mm

91
Remover / Instalar - cabeçote

Anotações:
- Verificar a face de assentamento dos parafusos de
fixação dos cabeçotes e medir o comprimento “L”, face
com rebarbas e / ou medida máxima ultrapassada:
substituir o parafuso

92
Medir distância das válvulas ao cabeçote

Anotações:

93
Regular válvulas do motor

Anotações:
- Regular as válvulas com o motor frio ou que tenha sido desligado a pelo menos
30 minutos

94
Medir compressão

Anotações:
- Condições prévias: filtro de ar em ordem, válvulas do motor reguladas com a folga recomendada,
baterias em bom estado e motor na temperatura normal de trabalho

95
Remover / Instalar – êmbolo, selecionar e medir altura

Anotações: BA ou BC
- Selecionar o êmbolo com o código correspondente de
acordo com as medidas efetuadas na camisa

A, B ou C

Comprimento “L” máximo: 74,5 mm

96
Medir entre-pontas dos anéis de segmento

Anotações
- Ajustar o alicate para remoção e instalação dos anéis com a abertura
máxima de 43 mm (A)

97
Montar êmbolo

Anotações:
- Observar o lado mais longo da biela (setas), deve estar
direcionada para o centro do “V”

98
Remover / Instalar - camisas e medir altura

Anotações:
- O método para medir a altura da camisa foi alterado, utilizar a própria ferramenta de instalação após torque
de 50 Nm para efetuar as medições
- Medir em 4 pontos (B)

99
Remover / Instalar - tuchos das válvulas

Anotações:

100
Remover / Instalar - vedador dianteiro

Anotações:
- Após instalar a ferramenta de extração, fazer 2 furos diametralmente
opostos e fixar o retentor com 2 parafusos auto-atarraxantes

101
Remover / Instalar - volante do motor

Anotações:
- Antes de remover o volante, retirar o sensor de rotações

102
Remover / Instalar - compressor de ar

Anotações:

103
Sistema de arrefecimento

Anotações:
- Teste de pressão: 5,0 bar durante 5 minutos – queda de 0,0 bar
- Observar a posição de montagem das válvulas termostáticas

104
Circuito de alimentação de combustível

Anotações:

O pré-filtro de
combustível com
separador de água e
aquecimento, incorpora
uma válvula de vedação
(manual) “2”

105
Esquema do sistema de alimentação de combustível

106
Legenda do esquema do sistema de alimentação de combustível

1 Reservatório de combustível B10 Sensor de temperatura do combustível


1.1 Pescador R3 Vela de pré-aquecimento
2 Pré-filtro de combustível (300 Um) com bomba Y5 Válvula eletromagnética (injetor)
manual e separador de água
3.1 Válvula de tubulação (linha de alimentação)
A Fluxo de alimentação (admissão)
3.2 Válvula de tubulação (linha de retorno)
B Fluxo de alimentação (impulsionado pela bomba)
4 Intercambiador de calor
C Fluxo de alta pressão
5 Bomba alimentadora
D Fluxo de retorno (unidade injetora)
5.1 Válvula limitadora de pressão
E Fluxo de curto-circuito
6 Filtro de combustível (5 Um)
F Fluxo de retorno
6.1 Válvula de retorno
G Comprovação com manômetro
6.2 Orifício de desaeração (0,7 mm)
H Comprovação do fluxo de retorno
7 Porta injetor
8 Unidade injetora
Pontos de comprovação
9 Parafuso oco com restrição permanente (0,7 mm)
I Pressão na saída do filtro: 4,5 a 5,5 bar a 1900 rpm
10 Válvula de controle da pressão (2,65 bar)
II Vazão de retorno: 0,6 a 1,0 em marcha-lenta e de 1,0
10.1 Restrição permanente no corpo da válvula de a 1,6 l/min a 1900 rpm
controle (3,1 mm)
III Pressão para teste de estanqueidade 5,5 bar sem
11.1 Conector por encaixe da linha de alimentação queda de pressào durante o tempo de 5 minutos
11.2 Conexão por encaixe da linha de retorno IV Depressão: -0,35 a -0,25 bar a 1900 rpm
12 Restrição de 0,5 mm (quando equipado com pré-
aquecimento do ar de admissão)

107
Anotações

108
Anotações

109
Anotações

110
111