Você está na página 1de 2

ESQUEMA DAS QUESTÕES TOMISTAS NA SUMA TEOLÓGICA

LATIM PORTUGUÊS OBJETIVO DA AFIRMAÇÃO

De... Sobre Sobre o Ensino

Utrum... Se Se o homem – ou somente Deus – pode ensinar e ser chamado de mestre

Videtur quod... Parece que Parece que só Deus ensina e deve ser chamado mestre.

Enim... Pois Pois, diz a Escritura (Mt 23,8): “Um só é vosso mestre” (...).

Praeterea... Além disso Além disso, o homem ensina somente por meio de sinais. (...) Ora, por sinais não se pode atingir o conhecimento
da realidade, porque conhecer as coisas é superior a conhecer sinais, pois o conhecimento dos sinais subordina-
se ao fim: o conhecimento das coisas(...).

Praeterea... Além disso Além disso, quando um homem apresenta sinais a outro, das duas uma: ou este já conhece as realidades
sinalizadas ou não. (...) Ora, quem ignora o significado dos sinais não pode aprender nada por sinais. E, sendo o
ensinar propor sinais, parece que um homem não pode ser ensinado por outro.

Tomás de Aquino desenvolve a


Praeterea até o número 18.

Sed contra... Mas, em Em contrário, diz São Paulo (2 Tm 1,11): “No Evangelho fui estabelecido como pregador e mestre das gentes”.
contrário Logo, o homem pode ensinar e ser chamado de mestre.

Sed contra... Mas, em


contrário
Em contrário, diz São Paulo (2 Tm 3,14): “sê constante no que te foi confiado e no que aprendeste”, ao que a
Glosa ajunta “de mim, como de verdadeiro doutor”. E assim vale a conclusão anterior.
Tomás de Aquino desenvolve a Sed
contra até o número 6.

ESQUEMA DAS QUESTÕES TOMISTAS NA SUMA TEOLÓGICA

LATIM PORTUGUÊS OBJETIVO DA AFIRMAÇÃO


ESQUEMA DAS QUESTÕES TOMISTAS NA SUMA TEOLÓGICA

LATIM PORTUGUÊS OBJETIVO DA AFIRMAÇÃO

Ad primum... Ao primeiro Ao primeiro, o Senhor ordenou aos discípulos não se chamarem mestres, mas não os proibiu totalmente. E a
Glosa explica como deve ser entendida essa proibição: é-nos proibido chamar ao um homem mestre como se a
ele atribuíssemos o ensino que só a Deus compete; como se depositássemos nossa esperança na sabedoria dos
homens antes de consultar – nas coisas que ouvimos dos homens – a verdade divina que fala em nós pela
impressão de sua semelhança, pela qual podemos julgar a respeito de todas as coisas.

Ad secundum... Ao segundo Ao segundo, o conhecimento das coisas em nós não se realiza pelo conhecimento de sinais, mas por
conhecimentos mais certos: o dos princípios que são propostos e aplicam-se a algo que antes era por nós
ignorado em termos absolutos, ainda que não relativamente: pois é o conhecimento dos princípios (e não o
Tomás de Aquino continua
conhecimento de sinais) que produz em nós o conhecimento das conclusões.
desenvolvendo o Ad primum até o
número Ad 16.

Ad 17... Ao décimo Ao décimo sétimo, como já dissemos, a certeza do conhecimento provém só de Deus – que nos deu a luz da
sétimo razão, pela qual conhecemos os princípios dos quais se origina a certeza do conhecimento – e, no entanto, como
vimos, o conhecimento de certo modo é causado em nós também pelo homem.

Ad 18... Ao décimo Ao décimo oitavo, o discípulo, se interrogado antes da fala do mestre, responderia sobre os princípios pelos
oitavo quais é ensinado, mas sobre as conclusões que lhe são ensinadas: ele não aprende do professor os princípios,
mas conclusões.