Você está na página 1de 10

A utilização das técnicas projetivas, Bateria de Grafismo de Hammer e

Desiderativo como instrumentos de diagnóstico - estudo preliminar*

SONIA REGINA LoUREIRO* *


RITA APARECIDA ROMARO***

1. Introdução; 2. Método; 3. Resultados; 4. Discussão;


5. Conclusão.

No diagnóstico clínico, a comparação de várias técnicas se faz necessária,


uma vez que informam sobre diferentes aspectos da personalidade, permitindo
uma comparação e delineamento do perfil psicológico. Nosso objetivo con-
sistiu em comparar o perfil psicológico fornecido isoladamente e pela com-
binação das técnicas projetivas Bateria de Grafismo de Hammer (HTP), De-
siderativo, Teste de Rorschach e Pirâmides Coloridas de Pfister, com a fina-
lidade de caracterizar os índices diagnóstico e de previsão. Efetuamos a ava-
liação isolada e comparada de cada uma das quatro técnicas, aplicadas a 10
pacientes psiquiátricos, encaminhados para avaliação psicológica através do Am-
bulatório de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da FMRP/USP. A aplicação
e a avaliação foram realizadas conforme o procedimento de cada técnica. Os
protocolos foram classificados isoladamente através do agrupamento de índices
levantados, em função dos seguintes aspectos: produção, ritmo, pensamento,
teste do real, afetividade e controle dos impulsos, relacionamentos, defesas
e estrutura da personalidade. A comparação dos índices isolados permitiu a
caracterização do perfil psicológico, com ênfase em diferentes aspectos em
cada técnica, enquanto a combinação permitiu uma avaliação diagnóstica mais
completa. Obteve-se concordância no levantamento isolado dos índices nos
seguintes aspectos: pensamento, relacionamentos interpessoais, afetividade, pro-
dução e teste do real; obteve-se discordância quanto a: ritmo, defesas e estru-
turas egóica. Pareceu-nos de utilidade o uso combinado das técnicas, em
especial da Bateria de Grafismo de Hammer e Desiderativo, considerando-se
os objetivos e as condições da avaliação psicológica.

• Trabalho realizado no Departamento de Neuropsiquiatria e Psicologia Médica da Fa-


culdade de Medicina de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo .. (Artigu apresentado
à Redação em 2.4.84.)
•• Professora assistente no Departamento de Neuropsiquiatria e Psicologia Médica da
FMRP/USP. (Endereço da autora: Rua Anita Garibaldi, 1.419 - 14100 - Ribeirão Preto,
SP.)
••• Estagiária graduada em psioclogia clínica de orientação dinâmica no Hospital das Clí-
nicas da FMRP/USP .

Arq. bras. Psic., Rio de Janeiro, 37(3)132-41. iul / set. 1985


1. Introdução

o trabalho clínico tem como foco de interesse o indivíduo, enquanto "caso


único". Tal enfoque por si só afasta-o do estudo de grupos e de variáveis mais
isoladas, ocupando-se em relatar, interpretar e avaliar os aspectos relativos à sua
singularidade.
Nesse tipo de trabalho, a avaliação psicológica através de testes projetivos é
extensamente utilizada, embora poucas vezes se avalie a fidedignidade desses
instrumentos e sua contribuição para uma teoria básica da personalidade (Mac
Farlane e colaboradores, apud Anderson & Anderson, 1978).
Muitas dificuldades envolvem a pesquisa com as técnicas projetivas e em
especial aquelas que se propõem a estudar sua aplicabilidade clínica.
Com relação à avaliação da personalidade, segundo Van Kolck (1974), apa-
recem inúmeras dificuldades, pois embora seja possível conseguir uma situação
estimuladora padronizada, toma-se difícil ter um critério bem definido para com-
paração, pela diversidade de variáveis envolvidas.
O impasse envolvido pela multiplicidade de variáveis tem implicações meto-
dológicas nem sempre consideradas. Segundo Mac Farlane (apud Anderson &
Anderson, 1978), as técnicas projetivas estão mais adaptadas para irem de
encontro às exigências da situação clínica e não para a avaliação dos princípios
de métodos psicométricos.
A necessidade de sistematizar esses aspectos é fundamental também para o
trabalho clínico na medida em que permite organizar e tomar comunicável essa
experiência.
Nosso estudo está inserido nesse contexto e, como tal, traz as implicações a
nível de pesquisa colocadas por essa condição. Trata-se, pois, de um estudo
clínico com objetivos restritos de agrupar os dados colhidos através de várias
técnicas projetivas, comparando-os entre si na caracterização do perfil psicoló-
gico de um grupo de pacientes.
Assim, nosso objetivo consistiu em comparar o perfil psicológico de um
grupo de pacientes psiquiátricos, obtido através da combinação dos resultados
da Bateria de Grafismo de Hammer (HTP) e do Desiderativo, com os perfis
obtidos pela utilização da técnica das Pirâmides Coloridas de Pfister e do Teste
de Rorschach separadamente.

2. Método

Foram sujeitos um grupo de 10 pacientes psiquiátricos, encaminhados para ava-


liaçãQ psicológica e atendidos através do Ambulatório de Psiquiatria do Hospital
das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - Universidade de
São Paulo. A solicitação da avaliação psicológica para esses pacientes foi feita
no período de agosto de 1982 a janeiro de 1983, com objetivos clínicos de
esclarecimento diagnóstico como parte do seu atendimento em psicoterapia breve.
O grupo foi constituído de seis pacientes do sexo masculino, com idade
variando de 20 a 43 anos (média de 33 anos e cinco meses) e quatro pacientes
do sexo feminino, com idade variando de 23 a 34 anos (média de 29 anos e
sete meses). Todos apresentavam escolaridade de 1.0 grau, completo ou incom-
pleto.
Técnicas pro;etivas 133
A aplicação e a avaliação das técnicas foram realizadas conforme o pro-
cedimento recomendado, sob a supervisão de uma psicóloga treinada. Utilizamos
assim protocolos já aplicados e avaliados com objetivos clínicos por outros psicó-
logos vinculados ao serviço.
Nosso procedimento incluiu como primeira etapa o agrupamento dos índices
oferecidos por cada uma das técnicas, conforme colocados pela literatura, em
categorias representativas das diversas funções do perfil psicológico. Esse agru-
pamento foi realizado por uma das autoras, sendo revisto e comparado com a
síntese de avaliação psicológica, feita com objetivos exclusivamente clínicos, pela
outra autora. A finalidade dessa etapa foi verificar a inclusão de todos os índices
contidos nas sínteses para a caracterização do perfil psicológico.
Assim procedendo, elaboramos uma tabela especificando, para cada uma
das funções do perfil psicológico, os índices correspondentes nas seguintes técni-
cas: HTP, Desiderativo, Pfister e Rorschach, conforme apresentamos no quadro 1.
A etapa seguinte consistiu em analisar os protocolos do HTP, Desiderativo,
Pfister e os psicogramas 1 do Rorschach, de cada um dos 10 pacientes sujeitos
desse estudo, de forma a classificá-los através do agrupamento dos índices levan-
tados. O levantamento dos índices foi feito sempre na seguinte ordem: HTP,
Desiderativo, Pfister e Rorschach. Com isso, objetivamos retirar das duas pri-
meiras técnicas combinadas o maior número de informações, com menor influên-
cia dos elementos colhidos através das outras técnicas, e em especial do Rors-
chach, que traz um maior número de informações sobre a estrutura da perso-
nalidade.
Na avaliação consideramos os índices e normas brasileiras sugeridas por
Campos para o HTP, as de Amaral para o Pfister e as de Augras para o Rors-
chach. Quanto ao Desiderativo, por não apresentar normas brasileiras, utilizamos
os índices sugeridos por O'campo e colaboradores (1976) para a Argentina.
Como decorrência disso, trabalhamos com essa técnica combinada ao HTP, o
que também constitui uma sugestão dos autores dessa técnica quanto ao seu
uso combinado a técnicas gráficas (O'campo).

3. Resultados

Os resultados são apresentados através do levantamento da freqüência de ocor-


rência dos itens relativos a cada aspecto, discriminando-se concordância e dis-
cordância nas técnicas usadas e suas respectivas percentagens. No quadro 2 apre-
sentamos os resultados relativos à concordância e discordância nas técnicas de
avaliação.
Observou-se um bom índice de concordância na caracterização dos diferen-
tes aspectos da avaliação psicológica.
Considerou-se concordância a presença de índices específicos de cada as-
pecto que se fizeram presentes nas técnicas combinadas HTP e Desiderativo e se
confirmaram no· Pfister e Rorschach. Trabalhamos com índices agrupados de
forma a fornecer uma avaliação mais qualitativa.

1 Utilizamos, nesse caso, os psicogramas com o objetivo de obter uma avaliação mais
quantitativa, menos influenciada pela habilidade do avaliador em detectar os elementos
de uma análise mais dinâmica.

134 . A.B.P.3/85
Quadro 1
Agrupamento dos índices do HTP, Desiderativo, Pfister e Rorschach em relação a funções do perfil psicol6gico
HTP Desiderativo Pfister Rorschach

Produção N.· figuras e n. qualita- N.· e tipo de respostas Organização N.· de respostas e choques
tivo F6rmula cromático
Ritmo T.T. T.L. e T.T. T.T. T.L. e TRM
Pensamento N. qualitativo Tipo de resposta G% D% Dd% Dbl %
Transparência Tipo de racionalização N. formal estrutura F% F+%
Tipo de resposta ao in- Esteriotipia BR% construção A%
quérito Az% K%
Tipo de traçado Vd% Verbalizações desviadas
Distorção da figura Comentários pessoais Outros conteúdos
Teste do real N. qualitativo Adequação 16gica das Br% F+%
Tipo de traçado respostas S.E. t +Am=O+La=O D% .
Configuração da casa Ban %
Controle dos impulsos Tamanho Adequação das respostas S.N% FC:CF + C
Tipo de traçado Tipo de temor ligado a S.E% K:kan + Kob + Kp
Características gerais: angústia, nas catexes ne- S.A% FE:EF + E
mãos, olhos, etc. gativas S .F% F. Aug
N. qualitativo Cores .t. ou t Conteúdos saturados
Tipo de resposta ao in- Trocas Choques
quérito ~K: ~C
Esquema corporal ~K: ~E
Figura humana desenha- ~XIV -+ IX + X
da em primeiro lugar x 100
R
Relacionamentos Figuras humanas Defesas - catexes Vd K
interpessoais Desenho da família positivas Ma H, (H), Hd, (Hd)
Tipo de resposta ao in- FC
quérito
Mecanismos de defesa Tamanho Catexes positivas S. incolor % K:kan + Kob + Kp
Tipo de traçado Az% FC: CF + C
Omissões Cores .t. ou t ~C: ~E
Tipo de resposta ao in- Síndromes .t. ou t F +% F%
quérito K. Kan - (H)
Quadro 2
Caracterização dos aspectos da avaliação psicológica especificando-se a freqüência de ocorrência dos itens em
função da concordância e discordância em cada um dos aspectos (N = 10)

índices

Aspectos Desacordo
Acordo
HTP + Desiderativo Pfister Rorschach

Produção Pobre (9) Pobre (1) Boa qualidade (1) Pobre (1)

Ritmo Normal (2) Normal (1) Rápido (1) Rápido (1)


Lento (2) Lento (3) Normal (3) Lento (3)
Rápido (1) Rápido (1) Normal (1) Lento (1)

Pensamento Bloqueado (3)


Contaminado (6)
Desagregado (1)

Teste do real Prejudicado (8) Prejudicado (1) Prejudicado (1) Adequado (1)
Prejudicado (1) Adequado (-1) Prejudicado (1)

Afetividade Controle insuficiente (8)


Controle restritivo (2)
Ansiedade (10)
Ambivalência (4) Ambivalência (2) Ausente (2) Ausente (2)

(Continua)
(Continuação)

lndices

Aspectos Desacordo
Acordo
HTP + Desiderativo Pfister Rorschach

Relacionamentos interpes- Dificuldade de


soais contato (8)
Contato estereotipado (2)
Repressão (10)
Racionalização (1) Ausente (2) Racionalização (1) Racionalização (2)
Sedução (1) Sedução (4) Ausente (4) Ausente (4)
Obsessivas (1)

Defesas Negação (8) Negação (2) Ausente (2) Ausente (2)


Isolamento (6) Isolamento (1) Ausente (1) Ausente (1)
Autismo (1)
Projeção (O) Projeção (8) Ausente (8) Projeção (2)
Onipotência (1) Onipotência (1) Ausente (1) Ausente (1)
Regressão (2) Regressão (1) Ausente (1) Regressão (1)

Estrutura egóica Psicótica (6) Psicótica (2) Neurótica (2) Psicótica (2)
Neur6tica (1) Neurótica (1) Neur6tica (1) Psic6tica (1)
No geral, observou-se uma boa freqüência de concordância entre as técnicas
na caracterização dos diferentes aspectos do perfil de personalidade do grupo
avaliado, o qual se encontra bastante comprometido emocionalmente.
Nos aspectos Pensamento e Relacionamentos interpessoais, observou-se uma
concordância total entre as técnicas, seguida de uma alta freqüência de concor-
dância nos aspectos ligados à Afetividade, Produção e Teste do real. Quanto
à Afetividade, houve discordância somente quanto à presença de indícios de
ambivalência em dois protocolos de HTP e Desiderativo combinados, os quais
estiveram ausentes nas outras técnicas. Com relação à Produção, houve discor-
dância entre HTP e Desiderativo com relação ao Pfister que caracterizou um
dos protocolos como de boa qualidade. A discordância quanto ao Teste do real
ocorreu uma vez na comparação com Pfister e outra com o Rorschach.
Os aspectos relativos à Estruturação egóica, Defesas e Ritmo tiveram uma
menor freqüência de concordância. Quanto à Estruturação egóica, a discordância
ocorreu principalmente com relação ao Pfister, o qual em dois protocolos carac-
terizou um comprometimento a nível neurótico, enquanto as demais técnicas
caracterizaram como psicótico. Com relação às Defesas, a discordância deveu-se
no geral à especificação de mais de uma defesa em cada protocolo e não a uma
discordância entre defesas básicas. Observou-se assim, uma concordância total
quanto à repressão (lO) e quase total quanto à negação (oito), que são meca-
nismos básicos e deles decorrem outros mecanismos de defesa. Esse dado é su-
gestivo de que a combinação das quatro técnicas permite uma visão mais deta-
lhada das defesas, dando às técnicas um caráter complementar. Quanto ao Ritmo,
pareceu-nos que a discordância deveu-se às características do tipo de resposta
pedida em cada técnica e talvez pelo caráter aparentemente lúdico do Pfister.
Quando comparamos as técnicas, observamos que o HTP e o Desiderativo
combinados apresentaram mais diferenças na comparação com o Pfister (31) do
que na comparação com o Rorschach (26). Esse dado é sugestivo de que as téc-
nicas combinadas parecem aproximar-se mais da avaliação da estrutura da per-
sonalidade fornecida pelo Rorschach.
Na análise dos resultados agrupados apresentamos na tabela 1 a compa-
ração entre as técnicas.
Considerando-se o total de ocorrência das características em cada aspecto,
calculamos a percentagem de concordância.
No geral, as percentagens de concordância foram altas. Quando conside-
ramos as altas percentagens observadas quanto a Pensamento, Relacionamentos
interpessoais, Afetividade, Produção e Teste do real, percebemos que esses dados
são sugestivos de que as técnicas aplicadas parecem avaliar de forma concor-
dante aspectos fundamentais para o esclarecimento diagnóstico e a caracteriza-
ção da estrutura da personalidade. Os aspectos que tiveram uma percentagem
mais baixa, embora ainda em um nível razoável, foram Estruturação egóica, Defe-
sas e Ritmo, os quais nos parecem mais ligados ao funcionamento da persona-
Jidade, influenciado na sua avaliação por diversos fatores.
Qualitativamente, quando comparamos Produção, Ritmo e Relacionamentos
interpessoais, observamos diferenças na maneira de caracterizar cada um desses
aspectos pelas diferentes técnicas. Assim, Produção e Ritl1lo são muito mais
detalhadas no Rorschach que nas demais técnicas. No que diz respeito aos Rela-
cionamentos interpessoais, no HTP e no Rorschach esses são caracterizados pelos
elementos de identidade e introjeção do esquema corporal, enquanto no Pfister a
caracterização é baseada principalmente no controle dos afetos. O Desiderativo

138 A.B.P. 3/85


Tabela 1
Percentagem de concordância e discordância dos aspectos gerais do perfil psicológico obtido
através das técnicas HTP e Desiderativo comparadas com Pfister e Rorschach (N = 10)
. ·411

lndices

Aspectos
Acordo Desacordo
(%) (%)

Produção 90 10
Ritmo 50 50
Pensamento 100
Teste do real 80 20
Afetividade 92,3 7,7
Relacionamentos interpessoais 100
Defesas 62 38
Estrutura egóica 70 30

isoladamente informa pouco sobre esses três aspectos (Produção, Ritmo e Rela-
cionamentos interpessoais), sendo a sua utilização combinada ao HTP o que per-
mite uma melhor caracterização. Com relação aos demais aspectos, ele informa
de modo mais consistente, especialmente no que diz respeito às Defesas.

4. Discussão

Os resultados desse estudo apontaram para um bom nível de concordância entre


as técnicas na caracterização do perfil psicológico dos pacientes avaliados. Em-
bora o número reduzido de casos não possibilite um tratamento estatístico, a
própria experiência clínica, aliada à sistematização dos índices dos diversos testes,
permite uma caracterização mais objetiva. Segundo Mac Farlane (apud Anderson
& Anderson, 1978), a necessidade de entendimento dos processos de organiza-
ção da personalidade leva o clínico a se interessar pela descoberta de novas leis
que sejam adicionadas ao seu conhecimento geral e aplicáveis aos indivíduos.
A combinação de técnicas para o estabelecimento do diagnóstico constitui
uma prática necessária para o diagnóstico clínico. Segundo Rapaport (1971),
a avaliação deve ter em conta todos os índices presentes nas diferentes técnicas
mesmo quando o diagnóstico principal não os inclua.
Dentro desse enfoque, a inclusão dos índices concordantes e discordantes
traz como implicação a visão do diagnóstico não como um rotulo, mas cOmO
uma caracterização das tendências principais da personalidade (Rapaport, 1971).
A forma de sistematização do levantamento dos índices das diferentes téc-'
nicas nos pareceu útil na medida em que aproveita a forma de reflexão do tra-

Técnicas pro;etivas 139


balho clínico, estendendo-a para um grupo de sujeitos, fornecendo-nos assim
concomitantemente uma análise clínica e diagnóstica de cada caso e uma ava-
liação da distribuição dessas características em um grupo de sujeitos.
Dessa maneira, respondemos aos objetivos colocados por O'campo (1974)
como próprios da situação de avaliação no contexto clínico, ou seja, descrever
e compreender de forma mais profunda a personalidade total do paciente, englo-
bando aspectos de diagnóstico e prognóstico. Por outro lado, também nos apro-
ximamos, destacando-se as características preliminares desse estudo, dos obje-
tivos colocados como próprios da pesquisa na área clínica, a qual deve-se ocupar
da avaliação da utilidade clínica dos seus instrumentos (Mac Farlane, apud An-
derson & Anderson, 1978).

5. Conclusão

Os resultados desse estudo, embora preliminares, sugerem que a aplicação desse


procedimento a um maior número de sujeitos poderia levar a algumas conclusões
que começaram a se esboçar nesse estudo.
Dentro desse enfoque, pareceu-nos que: a comparação dos aspectos qua-
litativos do perfil psicológico, fornecidos através do HTP e Desiderativo combi-
nados, comparados com o Pfister e o Rorschach, é sugestiva de uma boa concor-
dância, o que favorece a possibilidade de uma avaliação psicológica realizada
em menor tempo de aplicação e avaliação, o que é de utilidade, especialmente em
um serviço de triagem; a introdução de uma técnica nova (não-padronizada) como
o Desiderativo, combinada a outras conhecidas, favorece de forma útil, na situa-
ção clínica, o conhecimento desse instrumento, embora não contribua para a
sua validação; a sistematização dos índices característicos dos diferentes aspec-
tos do perfil psicológico obtido através de diferentes técnicas favorece uma me-
lhor utilização dessas no contexto do trabalho clínico.

Abstract

In the clinicaI diagnosis. the comparison of several technics is most necessary,


once they inform us about different aspects of personality, thus allowing a com-
parison and delineation of the psychological profile. Our goal was to compare
the psychological profile which was supplied separately and by the combination
of the projective technics H-T-P-Test, Desiderative, Rorchach's Test and Pfister's
Color Pyramids to the effect of chãiicterizing the diagnosticaI and prevision
rates.
We have done the isolated and comparative survey of each one of the four
technics applied to 10 psychiatric patients who had been led to psychological
appreciation through the Ambulatory of Psychiatry of Hospital das Clínicas of
the MedicaI School of Ribeirão Preto, University of São Paulo. The application
and survey were accomplished according to the procedure of each technic. The
records were classified separately through the grouping of the rates which were
raised according to the following aspects: production, rhythm, thinking, test of
real, affectiveness and control of impulses, relationships, defenses and structure
of personality.

140 A.B.P. 3/85


, ,ThecompariSQll of,the isolated 'ratcs'.permitted.the ,cl1a.racterization of the
psychological profilé with emphasis' on different àspects in each technic, whereas
the combination allowed a more complete diagno.stic survey. Concordance was
obtained on the isolated raising of the rates in the following aspects: thinking,
interpersonal relationships, affectivenes.s, production and test of real; and
unagreement as to: rhythm, defenses and structure of the ego.
The combined use of the technics seemed useful to us, mainly of the
H-T-P-Test and Desiderative, considering the goals and the conditions of the
psychological survey.

Referências bibliográficas

Amaral, Fernando de Villemor. Pirâmides Coloridas de Pfister. 2. ed. Rio de Janeiro,


Cepa, 1978.
Anderson, H. H. & Anderson, G. L. Técnicas projetivas do diagnóstico psicológico. São
Paulo, Mestre Jou, 1978.
Augras, Monique. Teste de Rorschach; atlas e dicionário. 4. ed. Rio de Janeiro, ISOP,
1981,
Campos, Dinah Martins de Souza. O teste do desenho como instrumento de diagnóstico da
personalidade. Petrópolis, Vozes, 1974.
O'campo, M. L. S.; Arzeno, M. E. G. et aliL Las técnicas proyectivas y el proceso psico-
diagnóstico. Buenos Aires, Nueva Visión, 1976
Rapaport, David. Testes de diagnóstico psicológico. Buenos Aires, Paidós, 1971.
Van Kolck, Odette Lourenção. Interpretação psicológica de desenhos. São Paulo, Pioneira,
1968.
--o Técnicas de exame psicológico e suas aplicações no Brasil. Petrópolis, Vozes, 1974.

"T4cnicag 'projetivas 141