Você está na página 1de 9

“Vejo na luta enxadrística um modelo exato da vida humana,

com sua luta diária, suas crises e seus incessantes altos e


baixos."
(GM G. Kasparov)
XADREZ PEDAGÓGICO
O presente projeto visa apontar os benefícios do xadrez como ferramenta pedagógica
complementar no processo de ensino-aprendizagem dos alunos que se submeteram a sua pratica
cotidiana. O eixo norteador é promulgar o xadrez como um importante aliado ao processo de
ensino-aprendizagem do aluno. É utilizado na inferência deste projeto numa abordagem de caráter
exploratório e descritivo com a combinação de métodos quantitativos e qualitativos. Procuramos
nele, demonstrar através de pesquisa bibliográfica, documental e de campo. Os resultados obtidos
mediante aplicação do xadrez como ferramenta pedagógica. Os principais autores utilizados pata
fundamentar a pesquisa nos fizeram entender que o xadrez é uma excelente ferramenta de
emancipação intelectual e emocional da pessoa humana, que somado a outras áreas e disciplinas,
na sua implantação na grade curricular da escola agrega inúmeros benefícios para o
desenvolvimento das habilidades cognitivas dos alunos. Os alunos enxadristas são unânimes ao
afirmar que gostam de jogar xadrez e ressaltam que a pratica do jogo desenvolve a concentração
e a paciência. Fator ratificado pela equipe docente quando afirma que a implantação do xadrez na
grade curricular da escola foi bastante assertiva, pois é notório o desenvolvimento e evolução da
concentração na maioria dos alunos, além de outras habilidades que o ato de jogar desenvolve.

1 - INTRODUÇÃO
Com o advento das novas tecnologias e as práticas educacionais cada vez mais modernas, as
escolas sentem a necessidade de buscarem atividades lúdicas que contribuam para melhorar a
capacidade intelectual e psíquica dos estudantes, fator comprovado por especialistas na área.
Diante do exposto, é preciso fazer uso de novas ferramentas e novos mecanismos que favoreçam
a aprendizagem dos alunos, bem como técnicas que facilitem o aprendizado dos mesmos. Com
base nessa afirmativa, é possível destacar que a prática do jogo de xadrez contribui, efetivamente,
para o desenvolvimento intelectual dos alunos, como aguçar o raciocínio lógico, a capacidade de
análise, síntese e de resolução de problemas, da objetividade, do autocontrole, autoavaliação e até
da autoestima. Dentre todos os jogos, o xadrez tem certo prestígio por ser um esporte voltado para
o desenvolvimento do raciocínio lógico, a concentração e a atenção. Tudo isso é possível por que
o xadrez constitui uma modalidade de jogo que requer cuidados na tomada de decisões, pois
envolve todos os sentidos, que de acordo com Goethe (1876) o xadrez é a ginástica da inteligência.
Assim, representa uma ginástica para o cérebro que auxilia na melhoria da capacidade, força e
flexibilidade mental. Sobre isto Sá (2007), Silva (2002) e Rezende (2002) afirmam que o ensino e
a prática do Jogo de Xadrez quando utilizados como instrumento pedagógico pode trazer benefícios
socioeducativos, tanto por provocar o exercício da sociabilidade, como o trabalho da memória, a
autoconfiança e a organização metódica e estratégica do estudo.
A educação hoje apresenta avanços nos seus mais variados aspectos: formação de professores,
infraestrutura, material didático, inovações tecnológicas, tudo isso para favorecer a aprendizagem.
O xadrez é uma ferramenta a mais que vem para somar às práticas existentes visando trazer
resultados satisfatórios no aprendizado dos discentes. De acordo com Rezende (2005), o jogo de
xadrez é um esporte que possui mecanismos que contribuem para o desenvolvimento das funções
cerebrais, dentre elas a atenção, concentração o julgamento, planejamento, imaginação,
antecipação, memória, análise de situações problemas e a criatividade.

2 – JUSTIFICATIVA
O xadrez é um precioso coadjuvante escolar, e até psicológico. Portanto, os benefícios do xadrez
vão além dos resultados em sala de aula. O enxadrista no seu dia-a-dia, ao se deparar com
situações complexas, costuma observar, avaliar e entender a realidade, capacidade esta que lhe
foi conferida através da prática deste jogo que lhe instiga a aprender a planejar de forma
equilibrada, a aceitar pontos de vista diversos, a discutir sabiamente, compreender limites e valores
estabelecidos. Dentre outras atitudes do ser humano. Vale ressaltar que tais habilidades presentes
no xadrez são possíveis de serem alcançadas em uma prática regular do jogo, mas nem todas as
pessoas serão capazes de apresentar um desenvolvimento nestes aspectos pelo simples fato de
que cada pessoa aprende e apreende de forma diferente um mesmo ensinamento. Além disto,
existem inúmeras maneiras de se utilizar os jogos em sala de aula. Contudo, ao falarmos de xadrez
devemos evitar generalizar as técnicas ou estilos existentes, é preciso levar em consideração que
estes são diferentes em seus objetivos. O xadrez pode ser trabalhado de diversas formas, como
veremos adiante. Mas, asseguramos que todas elas apresentam melhor desempenho além de uma
capacidade de concentração maior. Por experiencia visualizamos os efeitos benéficos que sua
prática proporciona. Tais como: o estímulo do pensamento abstrato, as conexões lógicas e o
desenvolvimento criativo.
Ao mesmo tempo em que o xadrez é uma diversão ligada ao lazer, tem o poder de fazer lúdico um
instrumento útil, o que culmina no aumento da capacidade de concentração, raciocínio, associando-
se ao ensino de outras matérias. Outro ponto bastante positivo do trabalho com xadrez é o aspecto
do desenvolvimento da sociabilidade entre os alunos. Ocorre, por exemplo, quando uma escola
participa de competições, proporcionando o incentivo do convívio social, fazendo com que o aluno
trave conhecimento com novas pessoas e conheça lugares diferentes.

3 - OBJETIVOS
Considerado o segundo esporte mais praticado em países dentro da Europa, Azia e América do
Norte ficando atrás apenas do futebol. Tem o poder de transformar o ambiente por onde é aplicado.
É um esporte que ensina o jogador a aceitar a vitória e ou a derrota de modo que este as visualize
não como sinônimo de sucesso e ou de fracasso. Conforme Mikhail Tal (1961), “o xadrez é a
primeira de todas as artes”. É, portanto, uma arte bela e apresenta inúmeras possibilidades de ser
exercida. Fator este que grandes nomes da história se renderam a essa façanha, dentre eles:
Napoleão, Einstein, Voltaire, Montesquieu, Benjamin Franklin, Victor H ugo, Machado de Assis,
Monteiro Lobato. Outro importante fator, é que se trata de um esporte que além de ser jogado.
Entre os objetos estão:
a- Estimular a imaginação
b- Expandir a percepção sinestésica
c- Instrumentaliza o desenvolvimento da memória
d- Aumentar a capacidade de concentração,
e- Otimizar a velocidade de raciocínio.
f- Promover a socialização entre as pessoas,
g- Ampliar a disposição para atenção,
h- Incitar a paciência e autocontrole,
i- Desenvolver o pensamento estratégico
j- Alimentar o pensamento reflexivo
k- Incentivar a autonomia e proatividade
O jogo como uma atividade lúdica, através do xadrez é possível justificar um amplo campo de
pesquisa cientifica, levando em consideração os processos de comunicação da atividade proposta.
Durante uma partida de xadrez, cada jogador atua de acordo com sua experiência, com seu talento
e habilidades. Cada um deve buscar a melhor jogada, tendo em mente que no jogo de xadrez a
melhor jogada não é casual ou arbitrária, mas sempre contém uma técnica, sendo algo racional e
lógico. Por outro lado, além do fato de criar situações em que os jogadores desenvolvam
habilidades para enfrentar e resolver os problemas cotidianos existe também uma
interdisciplinaridade que busca a fusão entre a arte e a matemática, um acompanhamento da
alfabetização, usando o jogo como ferramenta no desenvolvimento social das crianças. Durante
uma partida de xadrez, o jogador deve estar ciente do peso das peças, sabendo estruturar uma
estratégia que considere tanto o ataque, quanto à defesa, desfrutando do poder da coletividade.
Assim, este trabalho pretende principalmente, colaborar com o desenvolvimento integral da criança
dentro do próprio grupo na qual está inserida em seu estabelecimento de ensino, respeitando as
limitações e potencialidades de cada aluno.

4 - PROJETO DE IMPLANTAÇÃO
O xadrez pode ser trabalhado de diversas formas, dentre elas, três merecem destaque e são mais
utilizadas e uso de uma não diminui a utilização da outra, nem tão pouco diminuí necessidade
instrumental do xadrez como ferramenta pedagógica.
a- Utilização do xadrez como uma distração na qual se priorizam o lazer e a diversão. Essa
forma pode ser denominada como o Xadrez Lúdico que por sinal tem sua relevância já que
o ser humano é constituído de uma natureza lúdica que é utilizada principalmente para o seu
descanso físico ou mental.
b- Fase de preparação para competições. Nesta fase, são trabalhadas técnicas de aberturas,
meio e final de jogo. Cada aluno, de acordo com seu perfil e suas habilidades adota
determinada estratégia com o intuito de lograr êxito nas competições.
c- Essa fase do jogo denomina-se o Xadrez Técnico que por sinal, é mais praticado como
desporto escolar em clubes de xadrez e também pode ser encontrado em livros que abordam
essa temática.
d- Por fim, o ensino do jogo de xadrez como um meio pedagógico, esta forma envolve todas
as três anteriores. O denominado Xadrez Pedagógico. Atualmente muito utilizados pelas
escolas, no qual o professor trabalha o xadrez com o enfoque de desenvolver ou trabalhar
habilidades nas quais os estudantes tenham dificuldades e que comprometa principalmente
o seu desempenho escolar através dos objetivos citados acima.

5 - METODOLOGIA
O trabalho envolve alunos na faixa etária de 5 anos e meio aos 18 anos de idade. Sendo
necessário uma infraestrutura mínima com local adequado para o desenvolvimento das aulas,
não é necessária disponibilidade de materiais de consumo como papel, lápis de cor, tinta, etc.
necessitando apenas material de consumo para a execução das atividades propostas listadas
nos recursos materiais abaixo. As etapas desenvolvidas neste trabalho podem ser descritas da
seguinte maneira:
Etapa 1: Informação e ludificação do jogo - No primeiro contato ocorre a utilização de estórias,
contos, biografias de enxadristas famosos, de personalidades históricas de jogo,
proporcionando um ambiente dinâmico e ganhando a simpatia dos alunos. Cujo objetivo é
encorajar os alunos a avançarem na pratica do esporte O principal objetivo dessa etapa é travar
uma inter/relação entre os alunos e o jogo.
Etapa 2: introdução do jogo - Com apresentação dos componentes básicos (tabuleiros e peças).
- O principal objetivo é atrair a atenção do aluno para a formação do jogo, suas regras e modos
operandi.
Etapa 3: História do xadrez. (Acontece simultaneamente a etapa 1 e 2) - Através da utilização
de textos e vídeo, pretendemos nesta etapa, estimular a imaginação e auxiliar na fixação dos
conceitos através de relações do jogo e seus respectivos contextos.
Etapa 4: Movimentação e fixação das regras de aplicação de cada uma das peças do jogo
(peão, cavalo, bispo, torre, dama e rei) e seu valor estratégico durante uma partida. - Nesta
etapa, é estimulada a imaginação e fixação dos conceitos.
Etapa 5: Aprendizagem das regras completas do jogo, com valores relativos das peças, mates
elementares, etc. Aqui, os alunos são estimulados a elaborar raciocínios e o jogo é usado como
ferramenta auxiliar na obtenção dos objetivos já indicados.
Etapa 6: Comportamento e etiqueta durante as partidas aliadas a conceitos de estratégia e tática
de condução diferenciada nas três fases da partida (abertura, meio jogo, finalização).
Etapa 7: Aplicação de atividades pedagógicas relacionadas ao aprendizado do jogo,
desenvolvendo simultaneamente às outras etapas.
Etapa 8: Execução de práticas que incentivem o desenvolvimento do grupo de crianças como
um todo. Nesta etapa as crianças podem atuar em equipes participando de campeonatos
gincanas e eventos enxadrísticos internos e externos ao ambiente escolar.
As etapas utilizadas para o aprendizado do jogo de xadrez são desenvolvidas considerando
sempre o pensar filosófico e a reflexão. Destarte, o poder de transformação das relações
pessoais com o mundo, a adaptação sobre regras e conceitos, e principalmente o equilíbrio
entre a cooperação e a competição se dão de forma a ampliar as relações do go com o seu
viver cotidiano. Sendo o Xadrez um jogo, é fundamental deixar explícito a importância do
competir e do cooperar, além de respeitar os indivíduos independentemente dos resultados,
não deixando com que a relevância de um jogo, mude as intenções de tal atividade.
6 - RECURSOS MATERIAIS (Materiais e métodos)
A ação deve obedecer a uma sequência, para que os resultados sejam eficientes. A sequência
utilizada será a seguinte:
1) Aquisição do material para aplicação do projeto, tabuleiros e peças, assim como, um quadro
tabuleiro pela escola ou por parceiros para implantação do projeto;
2) Informar, divulgar e apresentar o xadrez aos educandos ou turmas a serem atendidos pelo
projeto.
3) Ensinar através de projeção de imagens um pouco sobre a história e evolução do xadrez,
assim como, os primeiros passos e movimentos das peças;
4) Inserir o tabuleiro e as peças gradualmente, para os educandos irem reconhecendo os
movimentos de cada peça, para que desta forma possam ser gravados os movimentos
específicos de cada uma;
5) Ensinar as regras do xadrez e jogadas;
6) Aprofundar o jogo e fazer competições internas, dentro e fora da sala de aula, e inseri-los em
competições externas, promovendo torneios abertos na escola, e levando os educandos a
participar de competições locais como: Jogos Intercolegiais, Campeonatos da federação,
Circuito estudantil estadual e nacional, gincanas, etc. Isto, para proporcionar experiencias que
possam melhorar o seu convívio social e interpessoal.
Partos, professor do Departamento de Instrução Pública na Suíça, afirma que o xadrez
potencializa várias qualidades: A atenção e a concentração; O julgamento e o planejamento; A
imaginação e a previsão; A memória; A vontade de vencer, a paciência e o autocontrole; O
espírito de decisão e a coragem; A lógica Matemática, o raciocínio analítico e a síntese; A
criatividade; A inteligência; dentre outras. Grau (1973), ressalta que numa partida de xadrez são
exercitadas duas visões de grande importância para o desenvolvimento da capacidade de
abstração: a visão imediata e a a visão mediata.

7 - ADENDO:
Sobre as Aulas:
A ministração dar-se-á: Em horário normais de aula, extraclasse (como esporte) e no horário do
recreio. Assim atende-se a toda a escola. O projeto coopta alunos de 4 a 16 anos.
Nas aulas em horário curricular, se for de preferência da escola, a professora da turma
permanece em sala de aula aprendendo junto com a turma.
Sobre a Programação
Na forma de curso com no mínimo trinta aulas, será ofertada a entrega de diploma de
participação a todos que completarem 50% de frequência. E cada aluno receberá um filtro em
diferentes categorias, sendo elas: Aprendiz, Recruta, Intermediário e Avançado, Sendo que o
intermediário e o avançado, as aulas serão ministradas no molde de troca de turno matutino X
vespertino, e vice e versa.
Sobre o Acompanhamento
Será realizado através da ampliação e sistematização de reuniões e encontros pedagógicos,
proporcionando maior entrosamento nas escolas e acompanhamento do resultado curricular
dos alunos. - Realização semestral de encontro de Xadrez interescolar, premiando e a todos
os participantes - Todo o trabalho será informatizado. Elaborados e apresentados através de
relatórios semestrais.

8 - RECURSOS MATERIAIS E DE INFRAESTRUTURA


Apesar de baixo custo para sua implantação, o projeto necessita de uma infraestrutura mínima
composta:
Recursos Materiais
a- Tabuleiros
b- Relógios
Obs: A quantidade destes materiais dependerá da do expediente de alunos por sala.
Infraestrutura
Sala de aula ou sala de vídeo com acesso à internet ou vídeo.

9 - CONCLUSÃO
Notável é o caráter democrático da prática do xadrez que não distingue sexo, idade, raça ou
condição social. Do ponto de vista da psicologia, pelas características apresentadas, o xadrez
é um dos jogos que mais favorecem as vivências pessoais vinculadas a representações
metafóricas (fantasias) passíveis de serem transferidas. Um estudante que encara com
naturalidade um desafio do jogo poderá também fazê-lo em estudos de Matemática, por
exemplo. As leituras e discussões apresentadas neste trabalho mostram que há um consenso
a respeito dos benefícios do jogo de xadrez no desenvolvimento de várias habilidades
necessárias a formação do aluno. O jogador de xadrez, constantemente exposto a situações
em que precisa efetivamente olhar, avaliar e entender a realidade, pode mais facilmente,
aprender a planejar adequada e equilibradamente, a aceitar pontos de vista diversos, a discutir
possibilidades e compreender limites e valores estabelecidos e a vivenciar a riqueza das
experiências de flexibilidade e reversibilidade de pensamentos e posturas.

10 - SOBRE O AUTOR
André Giordani Alcantara Damasceno, é Professor de Artes formado em Comunicação e Artes
na Escola de Belas Artes (UFBA), onde foi vice-campeão baiano no circuito universitário de
xadrez em 1998, sendo o pioneiro no ensino de Artes em Sergipe. Professor de Filosofia
formado pela Universidade Federal de Sergipe, e filiado ao grupo de estudos Filosofia Para
Crianças do Famoso autor do livro O Mundo de Sofia - Joastein Gaarder. Bacharel em Teologia
pelo Logus Instituto de Ensino e Pesquisa, é Pós-Graduando em Sociologia da Comunicação e
estudante de Arquitetura pela Faculdade Fazer. Desenvolve pesquisa sobre o Ecodesigner,
onde participa de um bloco mensal no Programa da Tv Atalaia VIVA MAIS. Ensaísta, crítico de
Arte, cenógrafo e atualmente está em um projeto literário com o tema: A Ideologia pós-moderna
na Sociedade de Consumo.
ANEXOS
1- O quadro abaixo mostra as características do Xadrez e suas Implicações Educativas. Fonte:
SILVA, W. Processos cognitivos no jogo de xadrez. Curitiba: UFPR, 2004. Dissertação do
Mestrado em Educação. Universidade Federal do Paraná, 2004. p.4.
Características do xadrez Implicações nos aspectos educacionais e de
formação do caráter

Fica-se concentrado e O desenvolvimento do autocontrole psicofísico.


imóvel na cadeira.

Fornecer um número de Avaliação da estrutura do problema e a distribuição do


movimentos num tempo disponível.
determinado tempo.

Desenvolvimento da capacidade de pensar com


Movimentar peças após abrangência e profundidade.
exaustiva análise de lances.

Após encontrar um lance, Tenacidade e empenho no progresso contínuo.


procurar outro melhor.

Partindo de uma posição a


princípio igual, direcionar Criatividade e imaginação.
para uma conclusão
brilhante (combinação).

O resultado indica quem tinha o Respeito à opinião do interlocutor


melhor plano
Dentre as várias possibilidades, Estímulo à tomada de decisões com autonomia.
escolher uma única, sem ajuda
externa
Um movimento deve ser Exercício do pensamento lógico, auto consistência e
consequência lógica do anterior fluidez de raciocínio
e deve apresentar o seguinte.

1;2 Temas pedagógicos envolvidos:


Cidadania, Matemática, Geometria, História, Geografia, Religião, Português, Conteúdos
Enxadrísticos: história do jogo, movimento de peças, anotação do jogo, ética do xadrez,
movimentos especiais, finais elementares e princípios de abertura, capacidades individuais e
coletivas: raciocínio, responsabilidade, objetividade, criatividade, respeito, liderança, memória,
orientação espacial e coordenação motora. 5.4.2 – Características
2- HISTORIA DO JOGO.
A Origem
A invenção do jogo de xadrez se relaciona diretamente com a matemática, a partir de um antigo
pergaminho que relata o seguinte: Estava enfermo certo rei na Índia e lhe indicaram que deveria
se distrair com algo agradável. Para ele Dahir al-Hindi elaborou o jogo de xadrez. Depois de ter
expressado sua alegria pela invenção, o Rei disse: "Peça uma recompensa". Dahir al-Hindi pediu
um dirhem (moeda de prata utilizada pelos árabes na Idade Média) para a primeira casa do tabuleiro
e que fosse dobrando progressivamente este número a cada uma das casinhas restantes, a que o
Rei comentou: "Me assombra que um homem como você, capaz de criar um jogo tão maravilhoso,
aceite recompensa tão pequena. Que receba o que pede". Mas quando o assunto chegou aos
ouvidos de seu Vizir, este se apresentou diante o Rei e disse: “Precisas saber, oh Rei, que mesmo
vivendo mil anos e recolhendo para ti todos os tesouros da Terra, não poderás pagar o que te foi
pedido”. A quantidade que resulta de dobrar o primeiro número para cada uma das casas do
tabuleiro resulta em: 18.446.744.073.709.551.615. Esta lenda já foi contada de muitas maneiras,
trocando os nomes dos protagonistas e até o motivo da recompensa. Porém, os ancestrais do
xadrez provavelmente surgiram a 40 séculos antes de nossa era, dada a escrita pictórica e
escultura, que servem para iniciar as investigações sobre o jogo. Ainda que a informação mais
divulgada durante os últimos três séculos, sustenta que o xadrez foi inventado na Ásia Central, no
noroeste da Índia. Foi no último período da Idade Média, que o xadrez recebe sua denominação
atual. O processo de difusão do jogo ocorre entre os séculos VI e IX quando chega a Europa com
a invasão dos mouros pela península ibérica, Itália e Grécia. Na Espanha o jogo teve grande
desenvolvimento e contou com apoio oficial. Como consequência da assimilação cultural entre os
mulçumanos e os católicos. Nesta etapa se publica o Libro de ajedrez, em 1232, durante o reinado
de Alfonso X, o Sábio, que fora o seu autor. A obra mais importante sobre o xadrez na Idade Média
foi o Códice do mesmo Alfonso X, Sevilha 1283, cujo original se conserva no Monastério de
Escorial. Também na Espanha aparecem outros livros de importância para a história do xadrez
como o de Lucena (1497) que contém três movimentos das peças antigas e o livro da Invención
Liberal y del juego de Ajedrez (1561) dos espanhóis Ruy López de Segura. A Itália contribui com
as obras de Carrera (1617) e de Greco (1688), que foram os precursores do xadrez moderno. No
século XVII e princípios do século XVIII surgiram outros valores como o árabe Felipe Stamma
(1735), o francês André Danican Philidor (1740), e os italianos Ercole do Rio, Loky e Ponziani.
Para o estudo do xadrez e sua melhor compreensão propõem-se a divisão de sua história e
desenvolvimento em dois grandes períodos, o antigo e o moderno. Antigo: desde sua origem até
início do século XVII, quando se consolidam as regras fundamentais.
Moderno: inicia-se na Espanha em 1600 e vai até os nossos dias. Para seu estudo, dividimos em
duas etapas, considerando as características técnicas do jogo: Romântica ou Clássica: (1600-
1886), caracterizada pelos sacrifícios e combinações ao estilo de um dos mais representativos
enxadristas desta etapa, o norte-americano Paul Charles Morphy.
Científica: (1886), definida tecnicamente pelo austríaco Wilhelm Steinitz, que a partir de um estudo
profundo da obra de Morphy e de outros famosos jogadores da etapa anterior, criou as bases para
o estudo do xadrez com critérios formais. Wilhelm Steinitz (1886-1894) é oficialmente o primeiro
campeão mundial de xadrez.
O título de Campeã Mundial Feminino começou a ser disputado em 1927, em Londres, durante o
Torneio das Nações, nome inicial das Olimpíadas de Xadrez. Vera Menchik foi a primeira campeã
e reinou até a sua morte, em 1944.