Você está na página 1de 25

FACULDADE MATER DEI

CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL

Adair Nunes Junior

RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO NO


MUNICÍPIO DE PATO BRANCO/PR

PATO BRANCO/PR
2017
Adair Nunes Junior

RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO NO


MUNICÍPIO DE PATO BRANCO/PR

Projeto de Pesquisa apresentado ao Curso de


Bacharelado em Engenharia Civil, da
Faculdade Mater Dei como requisito parcial
para a obtenção do título de Bacharelado em
Engenharia Civil.

Professora Orientadora: Tayoná Gomes

PATO BRANCO/PR
2017
FOLHA DE APROVAÇÃO / QUALIFICAÇÃO PROJETO DE PESQUISA

RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO NO


MUNICÍPIO DE PATO BRANCO/PR

Projeto de Pesquisa, apresentado à Faculdade Mater Dei, Curso de Engenharia


Civil, como parte dos requisitos para a sua conclusão.

Pato Branco, 12 de dezembro de 2017.

BANCA EXAMINADORA

____________________________________________________________
Orientador: Profª. Tayoná Gomes

____________________________________________________________

Profª Marlete Turmina Outeiro

____________________________________________________________
Prof. Ronan Brys Völz
SUMÁRIO

1 RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO NO MUNICIPIO


DE PATO BRANCO/PR ...................................................................................................................... 5

2 PROBLEMA DE PESQUISA .......................................................................................................... 8

3 OBJETIVOS....................................................................................................................................... 9

3.1 GERAL............................................................................................................................................. 9

3.2 ESPECÍFICOS ............................................................................................................................... 9

4 JUSTIFICATIVA.............................................................................................................................. 10

5 RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ..................................................................... 11

5.1 LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR ............................................................................................ 12

5.2 IMPACTO AMBIENTAL .............................................................................................................. 14

6 METODOLOGIA ............................................................................................................................. 16

6.1 CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA ....................................................................................... 17

6.2 ETAPAS DA PESQUISA ........................................................................................................... 18

6.3 LOCALIZAÇÃO ............................................................................................................................ 18

7 CRONOGRAMA ............................................................................................................................. 20

REFERÊNCIAS .................................................................................................................................. 21

APENDICÊS ....................................................................................................................................... 23
1 RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO NO
MUNICIPIO DE PATO BRANCO/PR

Com o lançamento do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em 2007


e logo após a criação do Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV) em 2009,
vislumbrou-se um período de amplo crescimento no setor da construção civil dos
municípios e dos estados. (BRASIL, 2005).
Devido a este crescimento, quase que desordenado, também houve grande
aumento na geração de entulhos (resíduos de construção e demolição – RCD),
devido, na sua grande maioria, atrelado a falta de planejamento na execução das
obras, na ampliação de pequenas obras e reformas particulares.
A indústria da construção civil é uma das que mais emprega mão de obra, mas
também é a que mais geram resíduos sendo estes, por muitas vezes destinados e/ou
descartados de maneira incorreta.
Segundo os dados da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da
República (2012), os resíduos da construção civil podem representar de 50% a 70%
da massa dos resíduos sólidos urbanos, o que acarreta nos municípios um passivo
ambiental enorme, uma vez que, não havendo uma correta destinação destes
resíduos, os mesmo vão acabar parando em terrenos baldios, próximos a nascentes
e ou córregos, sendo o município obrigado a realizar mutirões de limpeza para se
evitar a proliferação de doenças e até mesmo que estes resíduos acabem indo para
os sistemas de escoamento de água pluviais, ocasionando entupimentos e
transtornos para as populações como as enchentes. Deste modo, o município acaba
sobrecarregando seus aterros com materiais que deveriam estar sendo destinados
para outros fins.
Conforme pesquisa realizada no ano de 2016, pela Associação Brasileira de
Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais – ABRELPE houve uma redução
de 0,08% na coleta dos resíduos sólidos da construção civil em todo o Brasil,
comparado com o ano de 2015, conforme tabela 1, já na região Sul, houve uma
redução, em média, de 0,33%, conforme tabela 2.

5
Tabela 1 – Quantidade total de RCD Coletado Pelos Municípios no Brasil
2015 2016
RCD Coletado
Região RCD Coletado
(t/dia)/Índice Índice (kg/hab/dia)
(t/dia)
(kg/hab/dia)
Brasil 123.721/0,605 123.619 0,600
Fonte: Pesquisa ABRELPE / IBGE (tabela alterada pelo autor, 2017)

Tabela 2 – Coleta de RCD na Região Sul


2015 2016
RCD Coletado
Região RCD Coletado
(t/dia)/Índice Índice (kg/hab/dia)
(t/dia)
(kg/hab/dia)
Sul 16.662/0,570 16.718 0,568
Fonte: Pesquisa ABRELPE / IBGE (tabela alterada pelo autor, 2017)

Ressalta-se que estes índices se referem apenas aos resíduos coletados pelos
municípios, sendo necessário um olhar mais criterioso, pois a quantidade descartada
destes resíduos é ainda maior.
No Brasil foi instituído em 2010 a Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS
(Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010), onde em seu artigo primeiro institui:

Art.1º esta lei institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, dispondo sobre
seus princípios, objetivos e instrumentos, bem como sobre as diretrizes
relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos,
incluídos os perigosos, às responsabilidades dos geradores e do poder
público e aos instrumentos econômicos aplicáveis.

Desta forma, ficou estabelecido um prazo para o encerramento de serviços em


lixões a céu aberto e aterros controlados, sendo permitidos apenas os aterros
sanitários onde só devem ser depositados resíduos sem a possibilidade de ser
reciclado ou reaproveitado. Também institui a política da logística reversa, bem como
o setor de construção civil fica obrigada a realizar a destinação adequada dos seus
resíduos gerados, não podendo estes ser encaminhados para o aterro sanitário.

6
Bem como a Resolução nº 307, de 5 de julho de 2002, que estabelece
diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil,
onde se prevê as obrigações legais que devem ser cumpridas pelo gerador de
resíduos, bem como pelos municípios, estados e governo federal.
De acordo com a Resolução CONAMA nº 307:
Art. 11. Fica estabelecido o prazo máximo de doze meses, a partir da
publicação desta Resolução, para que os municípios e o Distrito Federal
elaborem seus Planos Municipais de Gestão de Resíduos de Construção
Civil, que deverão ser implementados em até seis meses após a sua
publicação.

Em visita realizada no dia 18/08/2017 ao Aterro Sanitário Municipal de Pato


Branco-PR, juntamente com o Conselheiro Municipal de Meio Ambiente, se constatou
que o município vem desempenhando ações para o atendimento a Política Nacional
de Resíduos Sólidos, porém, ainda está atrasado quando a adoção das ações para o
atendimento da Resolução CONAMA nº 307.
Atualmente, no município de Pato Branco-PR, possuí apenas algumas
empresas que são autorizadas a realizar a destinação/gerenciamento dos resíduos
da demolição e construção civil, através de licenciamento ambiental junto ao Instituído
Ambiental do Paraná –IAP.

7
2 PROBLEMA DE PESQUISA

Os resíduos da construção civil e demolição geram para os municípios um


passivo ambiental enorme, devido à disposição e descarte, muitas vezes, de forma
incorreta.
Estes fatores, aliados à falta do cumprimento das legislações atuais e a certeza
de impunidade por parte dos geradores e das empresas que deveriam realizar a
correta destinação destes resíduos, fazem com que possa vir a ocorrer impactos
ambientais, desde a degradação da área onde o Resíduo da Construção e Demolição
(RCD), está sendo depositados, bem como a contaminação de solos, mananciais,
nascentes, proliferação de pragas, entre outros.
A correta destinação destes resíduos, seja para reciclagem, reuso ou descarte
deve ser incentivada para a diminuição dos volumes dos materiais descartados, bem
como a diminuição da extração das matérias primas para sua fabricação. Dessa
premissa, a pesquisa tem como problemática a seguinte pergunta:
Tendo em vista que o município de Pato Branco/PR não possui um Programa
de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil – PGRCC, qual a situação atual
do município com relação ao gerenciamento de resíduos da construção civil?

8
3 OBJETIVOS

3.1 GERAL

Analisar como é realizado o gerenciamento de resíduos da construção civil no


município de Pato Branco-PR.

3.2 ESPECÍFICOS

 Analisar como é feita a liberação ou autorização para o gerenciamento de


resíduos da construção civil.
 Verificar se as liberações estão de acordo com a Norma vigente.
 Analisar quais empresas são autorizadas a fazer este tipo de gerenciamento.
 Realizar um diagnóstico do gerenciamento nas empresas autorizadas.
 Identificar empresas e obras com gerenciamento e disposições irregulares,
visando auxiliar na futura criação de um PGRCC para o município.

9
4 JUSTIFICATIVA

Um Programa de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil, se bem


elaborado e executado tem por objetivo principal a diminuição dos impactos
ambientais uma vez que os mesmos poderão ser reduzidos, reciclados e/ou
reutilizados.
Consequentemente, com uma triagem sendo executada desde o inicio do
processo, haverá uma disposição adequado dos resíduos da construção civil, com
uma diminuição considerativa dos materiais destinados para áreas de aterros,
aumentando assim a sua vida útil, sendo os demais itens destinados à reciclagem ou
a sua reutilização, gerando para o município uma redução dos valores em campanhas
de políticas públicas e de coletas de resíduos depositados em locais de forma
irregulares.
Desta forma é possível ter uma melhor integração entre o poder público, que
é responsável pela fiscalização das empresas geradoras destes resíduos, sendo estas
responsáveis pela correta destinação e diminuição da geração dos resíduos e das
empresas transportadores que são responsáveis pela correta deposições e
destinação final destes materiais.
Sendo assim, será possível encerrar um circulo de geração, destinação e
fiscalização, para que todo o resíduo gerado na construção civil tenha sua destinação
adequada, conforme sua classe, gerando desta forma um meio ambiente mais limpo
e sadio.

10
5 RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

Conforme o parágrafo I, Art. 2º da Resolução Conama nº 307, fica adotado a


seguinte definição sobre resíduos da construção civil:
São os provenientes de construções, reformas, reparos e demolições de
obras de construção civil, e os resultantes da preparação e da escavação de
terrenos, tais como: tijolos, blocos cerâmicos, concreto em geral, solos,
rochas, metais, resinas, colas, tintas, madeiras e compensados, forros,
argamassa, gesso, telhas, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações,
fiações elétricas, etc., comumente chamados de entulhos de obras, caliça ou
metralha. (RESOLUÇÃO nº 307, de 5 de julho de 2002).

De acordo com esta resolução os resíduos estão classificados em quatro


classes, sendo:
Classe A: são os resíduos reutilizáveis ou recicláveis como agregados, tais
como solos provenientes de terraplanagem, tijolos, telhas, argamassa, concreto,
blocos, tubos, etc.;
Classe B: são os resíduos recicláveis para outras destinações, tais como
plástico, papel, papelão, metais, vidros, madeiras, embalagens vazias de tintas
imobiliárias e gesso;
Classe C: são os resíduos para os quais não foram desenvolvidas tecnologias
ou aplicações economicamente viáveis que permitam a sua reciclagem ou
recuperação;
Classe D: são os resíduos perigosos oriundos do processo de construção, tais
como tintas, solventes, óleos e outros ou aqueles contaminados ou prejudiciais á
saúde oriundo de demolições, reformas e reparos de clínicas radiológicas, instalações
industriais e outros, bem como telhas e demais materiais que contenham amianto ou
outros produtos nocivos á saúde.
As embalagens de tintas usadas na construção civil serão submetidas a
sistema de logística reversa, conforme requisitos da Lei nº 12.305/2010, que
contemple a destinação ambientalmente adequada dos resíduos de tintas presentes
nas embalagens.
Desta forma, os municípios, devem implementar a Gestão de Resíduos da
Construção Civil, para poder orientar os pequenos geradores sobre suas
responsabilidades na disposição final dos resíduos e cobrar dos grandes geradores a

11
elaboração do PGRCC, com o objetivo de estabelecer procedimentos e destinação
final adequada aos resíduos por eles gerados.
Vale ressaltar que o PGRCC deve ser apresentado junto com a documentação
do empreendimento para análise pelo órgão competente do poder público municipal,
salvo se este empreendimento estiver sujeito à obtenção de licenciamento ambiental,
neste caso o mesmo deverá ser analisado dentro do processo junto aos órgãos
ambientais.
Sendo assim o PGRCC deve contemplar:
Caracterização – deve-se identificar e quantificar o tipo do resíduo;
Triagem – deve-se separar os tipos de resíduos de acordo com a sua classe;
Acondicionamento – o resíduos deverá ser confinado, embalado a fim de
garantir o seu transporte até o destino final;
Transporte – deverá ser executado por veículos adequados a cada classe de
material e de acordo com as normas vigentes para transporte de resíduos;
Destinação – local final onde o resíduo deverá ser acondicionado, reutilizado
e/ou reciclado.
Após a triagem os resíduos devem ser destinados da seguinte forma:
Classe A – devem ser reutilizados ou reciclados na forma de agregados ou
encaminhados a aterros de resíduos classe A de reservação de material para usos
futuros;
Classe B – devem ser reutilizados, reciclados ou encaminhados a áreas de
armazenamento temporário, sendo dispostos de modo a permitir a sua utilização
futura;
Classe C – devem ser armazenados, transportados e destinados em
conformidade com as normas técnicas específicas;
Classe D – devem ser armazenados, transportados e destinados em
conformidade com as normas técnicas específicas.

5.1 LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

Juntamente com a Resolução Conama Nº 307, existem um conjunto de leis e


normas que juntas visam ajudar a minimizar a geração de resíduos na construção civil,
como consequência diminuir o impacto ambiental por ela gerada, tais como:
12
Lei Federal Nº 12.305, de 2 de agosto de 2010, que institui a Política Nacional
de Resíduos Sólidos, onde se estabelece um conjunto de princípios, objetivos,
instrumentos, diretrizes, metas e ações no tocante ao gerenciamento dos resíduos
sólidos, deixando claro a responsabilidade de todos, seja o cidadão comum, a pessoa
jurídica, o poder municipal, estadual ou federal;
Portaria do IAP nº 202 de 26 de outubro de 2016, onde se estabelece critérios
para exigência e emissão de Autorizações Ambientais para as Atividades de
Gerenciamento de Resíduos Sólidos;
Lei Estadual nº 12493, de 22 de janeiro de 1999, onde se estabelece princípios,
procedimentos, normas e critérios referente a geração, acondicionamento,
armazenamento, coleta, transporte, tratamento e destinação final dos resíduos sólidos
no Estado do Paraná;
ABNT NBR 15112:2004 – Resíduos da Construção Civil e Resíduos Volumosos
- Áreas de Transbordo e Triagem, esta norma fixa os requisitos exigidos para projeto,
implantação e operação de áreas de transbordo e triagem de resíduos da construção
civil e resíduos volumosos;
ABNT NBR 15113:2004 – Resíduos Sólidos da Construção Civil e Resíduos
Inertes – Aterros, esta norma fixa os requisitos mínimos exigíveis para projeto,
implantação e operação de aterros de resíduos sólidos da construção civil classe A e
de resíduos inertes, visa a reservação de materiais de formas segregadas,
possibilitando o uso futuro ou, ainda a disposição destes materiais, com vistas á futura
utilização da área, além da proteção das coleções hídricas superficiais ou
subterrâneas próximas das condições de trabalho e operação dessas instalações;
ABNT NBR 15114:2004 - Resíduos Sólidos da Construção Civil – Áreas de
Reciclagem, esta norma se aplica na reciclagem de matérias já triados para a
produção de agregados com características para a aplicação em obras de
infraestruturas e edificações, de forma segura, sem comprometimento das questões
ambientas, das condições de trabalho dos operadores dessas instalações e da
qualidade de vida das populações vizinhas;
ABNT NBR 15115: 2004 – Agregados Reciclados de Resíduos Sólidos da
Construção Civil – Execução de Camadas de Pavimentação – Procedimentos,
estabelece os critérios para execução de camadas de reforço do subleito, sub-base e

13
base de pavimentos, bem como camada de revestimento primário, com agregados
reciclado de resíduo sólido da construção civil em obras de pavimentação;
ABNT NBR 15116: 2004 – Agregados Reciclados Sólidos da Construção Civil
– Utilização em Pavimentação e Preparo de Concreto Sem Função Estrutural,
estabelece os requisitos para o emprego de agregados reciclados de resíduos sólidos
da construção civil que se destinam para obras de pavimentação viária em camadas
de reforço de subleito, sub-base e base de pavimentação ou revestimento primário de
vias não pavimentadas, ou de preparo de concreto sem função estrutural.

5.2 IMPACTO AMBIENTAL

Desde a antiguidade, quando o ser humano começou a se fixar em lugares e


construir de forma artesanal, o mesmo já havia iniciado o processo de degradação do
meio ambiente, gerando grandes quantidades de resíduos, com o passar dos anos, e
a evolução dos métodos construtivos e a descoberta de novas matérias primas, este
processo de degradação apenas aumentou.
Apenas de uns anos para cá, é que nos tocamos da real necessidade de
cuidarmos melhor das áreas onde habitamos, de utilizarmos melhor os recursos
disponíveis na natureza, ou seja, produzir mais com menos, reutilizar tudo o que for
possível, reciclar o máximo dos materiais, para desta forma não gerarmos
entulhos/resíduos.
Estima-se que o setor da construção civil é o setor que mais demande de
recursos naturais para a geração, produção e transporte de seus muitos itens, aliado
a explosão populacional e crescimento acelerado de grandes centros urbanos,
acelerando assim as atividades da construção civil e ao grande desperdício destes
quando de sua aplicação, devido a obras mal planejadas, execução deficiente, mão
de obra desqualificada, movimentação interna, entre outros fatores, a geração destes
resíduos atingiu índices preocupantes.
Além da enorme degradação do meio ambiente para a exploração dos seus
recursos, também temos grandes impactos associados a deposição irregular dos
resíduos sólidos da construção, comprometendo desta forma o solo e possíveis
mananciais, drenagem pluvial, gerando vetores de insetos e doenças, poluição física
e visual, entre outros efeitos indesejáveis.
14
Esta enorme quantidade de resíduos gerados, tem sido fonte de diversos
debates para verificar as possibilidades de redução dos mesmos, tendo como base a
Política Nacional de Resíduos Sólidos e a Resolução CONAMA 307.

15
6 METODOLOGIA

Na realização da pesquisa científica não basta definir somente um método, é


preciso definir técnicas de coletas de dados e procedimentos de análises de
resultados, para somente assim, prosseguir ou retroceder se necessário no
desenvolvimento da pesquisa, e, com isso amparado em base científica, as quais são
definidas pela pesquisa bibliográfica, que segundo Cervo, Bervian e da Silva (2007,
p.61), “a pesquisa bibliográfica constitui o procedimento básico para os estudos
monográficos, pelos quais se busca o domínio do estado da arte sobre determinado
tema”.
Por conseguinte, busca-se resultados, com isso abordagens qualitativas e/ou
quantitativas, analisando desta forma as percepções e conhecimentos dos envolvidos
de forma direta ou indireta na geração dos resíduos sólidos e sua correta disposição.
De acordo com Neves (1996, p.01), “ a pesquisa qualitativa não busca
enumerar ou medir eventos, ela serve para obter dados descritivos que expressem os
sentidos dos fenômenos”.
Buscando fundamentar a pesquisa, realizaremos o desenvolvimento a partir
de:

1. Revisão Bibliográfica: buscando através de livros, monografias e artigos a


legislação atual, seus conceitos e aplicação;
2. Solicitação das empresas licenciadas junto ao órgão ambiental: verificar
junto aos devidos órgãos municipais e estaduais através de requerimento a
situação atual das empresas licenciadas a exploração de remoção e
destinação dos resíduos sólidos da construção civil;
3. Contato com as empresas para aplicação de questionário: verificar junto as
empresas licenciadas e em fase de licenciamento o interesse em participar
do questionário para verificação da situação, frente a legislação atual;
4. Coletas de dados de campo com registro fotográfico da atual situação do
gerenciamento das empresas licenciadas e identificação das situações
irregulares: realizar registro fotográfico e documental com as empresas que
concordarem em participar da pesquisa;

16
5. Análise de dados como subsídio para a realização de um Plano de
Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil: com os dados levantados,
espera-se conseguir vislumbrar o panorama atual, frente a legislação, bem
como alencar as dificuldades encontradas, para subsidiar uma proposta de
criação de um PGRCC para o município de Pato Branco/PR.

6.1 CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA

A pesquisa será realizada apresentando as seguintes características:


a) A pesquisa terá como base teórica os seguintes autores e documentos:
Resolução Conama 307; NBR 15112:2004; NBR 15113:2004; NBR
15114:2004; NBR 15115:2004; NBR 15116:2004; Política Nacional de
Resíduos Sólidos Lei 12305/2010; Denise Chaves Ros (2008); Tialison
Romão Dantas (2011); Abrelpe (2016); Tarcísio de Paula Pinto (2005);
Sinduscon-MG (2008); Patrícia Menezes Carvalho (2008); Ana Carolina
Nyznyk Cardoso (2010); Ipea (2012).
b) Quanto aos objetivos da pesquisa: se classificará pelo tipo descritivo, pois
terá como propósito analisar a situação atual do município de Pato Branco-
PR, com relação ao gerenciamento de resíduos da construção civil, bem
como realizar a identificação de empresas licenciadas e atividades
irregulares no tocante ao atendimento da Resolução CONAMA 307.
c) Quanto à abordagem do problema: terá como característica a análise
qualitativa e quantitativa, tendo em vista que os resultados serão analisados
a partir de dados de como estará à situação do município de Pato Branco-
PR com relação ao gerenciamento de resíduos da construção civil.
d) Quanto às técnicas de coletas de dados: os instrumentos de coletas de
dados serão através de aplicação de questionários e registros fotográficos
das obras licenciadas e das atividades irregulares.
e) O questionário está sendo desenvolvido e poderá ser adaptado de acordo
com a evolução da pesquisa.
f) Quanto à análise dos dados: a interpretação dos dados será realizada
através de gráficos e discussão dos resultados com análise de caso a caso.

17
6.2 ETAPAS DA PESQUISA

Revisão Bibliográfica

Identificação
Empresas
Licenciadas

Coleta de Dados

Análise dos
Dados Coletados

Elaboração de
Sugestões

Conclusões

6.3 LOCALIZAÇÃO

Pato Branco, na região sudoeste do Paraná é um município que adotou a


inovação e o empreendedorismo para se desenvolver. Com cerca de mais de 80.710
habitantes e uma área total de 539,029 km², se destaca pelo polo regional de
educação, comércio, serviços, agronegócios e na área industrial.

18
Figura nº 01: Mapa do Município de Pato Branco-PR
Fonte: Google Maps (2017)

19
7 CRONOGRAMA

Descrição out/17 nov/17 dez/17 jan/18 fev/18 mar/18 abr/18 mai/18 jun/18

Projeto de
x
Pesquisa

Pesquisa Teórica x x

Apresentação
x
Projeto
Banca
Qualificação x
Projeto
Revisão
x x x
Bibliográfica
Identificação
Empresas x x
Licenciadas

Coletas de Dados x x

Análise dos Dados


x x
Coletados
Elaboração de
x x
Sugestões

Conclusão TFG II x

Banca Defesa TFG


x
II
Quadro 1: Cronograma. Fonte: Elaborado pelo Autor (2017).

20
REFERÊNCIAS

BERTOL, A.L.; RAFFLER, A.; SANTOS, J.P. Análise da Correlação Entre a


Geração de Resíduos da Construção Civil e as Características das Obras. 2013.
77p. Grau Dissertação (Engenharia de Produção Civil) – Universidade Tecnológica
Federal do Paraná, Curitiba, 2013. Disponível em <:
http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/1054/1/CT_EPC_2012_2_15.PDF
>. Acessada em: 15 ago. 2017
BLUMENSCHEIN, R.N. Gestão de Resíduos em Canteiros de Obras. Brasília:
Sebrae, 2007. Disponível em:< http://bibliotecadigital.puc-
campinas.edu.br/services/e-books/Manual%2520T%25C3%25A9cnico%2520-
%2520Gest%25C3%25A3o%2520de%2520Res%25C3%25ADduos%2520S%25C3
%25B3lidos%2520em%2520Canteiros%2520de%2520Obras.pdf>. Acessado em: 15
ago. 2017
BRASIL. Diagnóstico dos Resíduos Sólidos da Construção Civil, Brasília: Ipea,
2012. In. Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República.
Disponível em: <
http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/relatoriopesquisa/120911_relato
rio_construcao_civil.pdf>. Acessado em: 15 ago. 2017.
CARVALHO, P.M Gerenciamento de Resíduos de Construção Civil e
Sustentabilidade em Canteiros de Obras de Aracaju. 2008. 200p. Grau
Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) – Universidade
Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2008. Disponível em:<
http://livros01.livrosgratis.com.br/cp068415.pdf>. Acessado em: 15 ago. 2017
COMPETIR, et al. Gestão de Resíduos na Construção Civil: Redução,
Reutilização e Reciclagem. [S.l.:s.n], [2012?] Disponível em:<
http://www.fieb.org.br/Adm/Conteudo/uploads/Livro-Gestao-de-
Residuos_id_177__xbc2901938cc24e5fb98ef2d11ba92fc3_2692013165855_.pdf>.
Acessado em: 15 ago. 2017
KARPINSK, L.A. et al. Gestão Diferenciada de Resíduos da Construção Civil.
Porto Alegre: EdiPUCRS, 2009. Disponível em:<
http://www.sinduscondf.org.br/portal/arquivos/GestaodeResiduosPUCRS.pdf>.
Acessado em: 15 ago. 2017
LIMA, R.S; LIMA, R.R.R Resíduos Sólidos. Curitiba: Crea-PR, 2016. Disponível em:
www.crea-pr.org.br. Acessado em 15 ago. 2017
OLIBEIRA, T.F Gestão de Resíduos da Construção Civil: Exigências Para
Construção de Obras Públicas no Estado do Paraná. 2010. 45p. Grau de
Dissertação (Especialista em Construção de Obras Públicas) – Universidade Federal
do Paran-a, Ponta Grossa, 2010. Disponível em: <
http://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/34363/OLIVEIRA%2C%20TANISE
%20FUCKNER%20DE.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acessado em: 18 ago. 2017
PINTO, T.P., Gestão Ambiental de Resíduos da Construção Civil: A Experiência
do Sinduscon-SP. São Paulo: Sinduscon-SP, 2005. Disponível em: <

21
https://www.google.com.br/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&ved=0a
hUKEwjo_pfn277WAhWDxpAKHQMTCNMQjRwIBw&url=https%3A%2F%2Fwww.pa
sseidireto.com%2Farquivo%2F6281707%2Fmanual_residuos_solidos%2F8&psig=A
FQjCNHLcdrel4AE5nGclIuU4PO0jcI48g&ust=1506373245307643>. Acessado em:
18 ago. 2017

22
APENDICÊS

Questionário RCC

I- IDENTIFICAÇÃO

1. Empresa: 2. Data:

3. Nome da Obra:

4. Endereço da Obra:

5. Área do Terreno: 6. Área Construída:

7. Número Total de Trabalhadores (incluindo terceirizados):

8. Entrevistado:

9. Cargo:

II- GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

10. A empresa possui certificação?

( ) Sim ( ) Não Qual certificação?

11. A empresa possui um programa de gerenciamento de resíduos de construção?

( ) Sim ( ) Não

12. Caso positivo, quais foram as principais dificuldades encontradas para a


implantação?

___________________________________________________________________
___________________________________________________________

13. Caso positivo, quais foram os principais resultados positivos alcançados?

___________________________________________________________________
___________________________________________________________

14. A empresa promove treinamentos ou ações educativas voltadas ao meio ambiente


no canteiro de obra?

( ) Sim ( ) Não

23
15. A empresa promove treinamentos no canteiro de obras com o objetivo de melhorar
as atividades operacionais?

( ) Sim ( ) Não

16. Quais os principais Resíduos da Construção Civil gerados?

( ) Alvenaria e concreto ( ) Cerâmica ( ) Metal

( ) Papel e papelão ( ) Madeira ( ) Vidro

( ) Ferram. de Pintura ( ) Plásticos ( ) Solo escavação

( ) Outros ______________________________________________________

17. A empresa possui estrutura para a segregação de resíduos?

( ) Sim ( ) Não ( ) Faltam para alguns tipos de resíduos

18. Quais as formas de acondicionamento dos materiais segregados?

( ) bags

( ) baias

( ) caçambas estacionárias

( ) outros: _____________________________________________________

19. Existe uma pessoa ou equipe responsável para controlar e gerenciar os resíduos
da obra?

( ) Sim ( ) Não

20. Existe alguma política ou iniciativa para a prática de redução/reutilização de


resíduos?

( ) Sim ( ) Não

21. Qual a solução adotada pela empresa para os resíduos gerados no canteiro de
obras?

___________________________________________________________________
___________________________________________________________

24
22. A empresa possui registros da quantidade de resíduos gerados?

( ) Sim ( ) Não

23. Caso positivo, qual a quantidade gerada por classe?

___________________________________________________________________
___________________________________________________________

24. Qual a destinação final dos resíduos? (citar por tipo/classe)

___________________________________________________________________
___________________________________________________________

25. Com qual frequência os resíduos são coletados?

( ) diariamente

( ) semanalmente

( ) quinzenalmente

( ) mensalmente

( ) outros: _______________________________________________________

Adaptado de BRASILEIRO(2008), CARVALHO(2009), RIBEIRO(2011),


CARVALHO(2008), CID(2016), BOCHENEK(2012 E RODRIGUES(2013).

25