Você está na página 1de 7

BLOCO HISTORIA Marcelo

1 – Era uma doença exótica, contra a qual os organismos dos europeus não tinham defesas. Veio
da Ásia pela rota da seda. Veja: a epidemia, essa catástrofe, é, portanto, também um dos efeitos
do progresso, do crescimento.

O texto refere-se à peste que atingiu a Europa no século XIV. Indique dois fatores, além da falta
de defesa dos organismos dos europeus, que ajudaram na propagação da doença, e explique a
associação, feita pelo texto, da peste.

Resposta: Além da falta de defesa do organismo do europeu, deve se destacar como fatores
preponderantes para a propagação desta doença altamente contagiosa a ausência de condições
sanitárias e de higiene adequadas na Europa do século XIV e a intensificação das trocas
comerciais entre as várias regiões da Europa, resultando em uma maior movimentação de
pessoas que contribuiriam para que a doença se disseminasse. Georges Duby quis destacar em
seu texto, como o avanço mercantil trazido pelo Renascimento Comercial (séculos XII-XIII)
trouxe uma nova realidade para a Europa, marcada pelo estabelecimento de inúmeras rotas
comerciais e crescimento urbano acentuado. A Europa vivia, naquele século, um forte
crescimento econômico e a dinamização da vida urbana, indicando um período de progresso.
Contudo, esse mesmo contexto contribuiu para que a peste avançasse ao facilitar os contatos
interpessoais e ao concentrar as pessoas em cidades ainda lúgubres e pouco higiênicas, nas quais
os ratos proliferavam e, por consequência, a própria doença que suas pulgas transmitiam.

2 a) Discorra sobre o que era considerado como “bruxaria” no contexto da sociedade europeia
entre a Baixa Idade Média e o início da Idade Moderna.

Resposta: Na sociedade europeia, as “bruxas” eram acusadas de adulterar o controle divino da


natureza. Tal ingerência se daria por meio de palavras, gestos, objetos ou oferendas. Portanto,
estavam sempre relacionadas com a dimensão sobrenatural. O estereótipo foi construído, a
partir do século XVI, por teólogos e magistrados. As bruxas eram comumente acusadas de
fazerem pactos demoníacos e realizarem feitos sobrenaturais, como voar pelos ares. Foi com
esse imaginário simbólico que acusações foram legitimadas e várias mulheres foram mortas
em diversas cidades da Europa até a chegada do Iluminismo. A bruxaria foi considerada uma
prática demoníaca, e a mulher, o principal agente do demônio. A “caça às bruxas” era
realizada pelo Tribunal da Inquisição.

b) Quais poderiam ser as comparações possíveis entre o relatado no texto e as noções sobre
“bruxaria” na sociedade europeia entre a Baixa Idade Média e o início da Idade Moderna?

Resposta: Espera-se que o candidato consiga, por meio da análise do texto da reportagem,
discorrer sobre a característica específica que conecta as duas temporalidades, qual seja, a
degradação da imagem feminina. A mulher foi reduzida a um objeto sem valor, portanto, sua
vida era passível de ser removida. Em períodos do passado, as bruxas vivenciaram a fogueira e
as torturas corporais dos mais variados níveis de intensidade. O candidato também poderia
discorrer sobre outros temas de banalização da condição humana da mulher com base no
preconceito, cujos exemplos são inúmeros: o estupro justificado como responsabilidade da
mulher; a violência doméstica contra a mulher ainda existente e crescente; a diferença entre
salários de homens e mulheres; o preconceito contra as mulheres que amamentam em
público; a desqualificação realizada em relação às mulheres que atuam no espaço político ou
profissional; a propensão de se ter mais assédio sexual no trabalho em relação à mulher, entre
outros.

3 – “Guerreiros a pé e cavaleiros fizeram um caminho através dos cadáveres. Mas tudo isso
ainda era pouca coisa. Fomos ao Templo de Salomão, onde os sarracenos tinham o costume de
celebrar seus cultos. O que se passou nestes lugares? Se dissermos a verdade, ultrapassaremos
o limite do que é possível crer. Será suficiente dizer que, no Templo e no pórtico de Salomão,
cavalgava-se em sangue até os joelhos dos cavaleiros e até o arreio dos cavalos. Justo e
admirável julgamento de Deus, que quis que este lugar recebesse o sangue daqueles que
blasfemaram contra Ele durante tanto tempo.” (Raymond d’Aguiller, Historia Francorum qui
ceperunt Jerusalem. http://www.fordham.edu/halsall/source/raymondcde.asp#jerusalem2.
Acessado em 01/10/2014.)

O texto acima se refere à Primeira Cruzada (1096-1099). Responda às questões abaixo.

a) Identifique um motivo econômico e um motivo político para o movimento das Cruzadas.

Resposta:

O motivo econômico causador do movimento cruzadista foi a tentativa dos comerciantes,


sobretudo das cidades de Gênova e Veneza, de retomar o controle sobre as rotas comerciais
do Mar Mediterrâneo, que estava controlado pelos islâmicos desde a Alta Idade Media.

OU

As Cruzadas, ocorridas entre os anos de 1096 e 1270, foram motivadas por interesses
econômicos como a conquista de territórios e saques nas regiões do Oriente Médio, então sob
o domínio muçulmano, e em áreas do Império Bizantino;

Já em relação à motivação política se pode identificar a ajuda da Igreja católica ao Império


Bizantino, que estava sofrendo ataques de povos islamizados. Essa ajuda era vista pelo clero
católico como uma forma de acabar com o Cisma do Oriente (1054 d. C) e, desse modo,
reunificar o cristianismo na Europa, aumentando o poder da Igreja Católica e do papa no
continente.

OU

quanto à motivação política, a Igreja e o papa buscavam ampliar sua influência no Oriente,
assim como os cristãos em geral tentavam impedir a expansão turco-muçulmana em direção à
Europa.
b) Que grupo social liderou esse movimento e como o cronista citado identifica o apoio de
Deus ao empreendimento cruzadístico.

Resposta:

A nobreza foi o grupo social que liderou o movimento cruzadista. O cronista identifica o apoio
de Deus as Cruzadas como um ato de reparação ou mesmo de vingança, pois afirma que seria
uma forma de punição aos que invadiram e blasfemaram os locais sagrados do cristianismo,
sobretudo na terra santa de Jerusalém.

OU

As Cruzadas foram idealizadas pelo papa Urbano II, que convocou os cavaleiros cristãos a
retomarem o Santo Sepulcro em Jerusalém, sob o domínio muçulmano. O cronista identifica o
apoio de Deus ao empreendimento cruzadístico como um “justo e admirável julgamento de
Deus, que quis que este lugar recebesse o sangue daqueles que blasfemaram contra Ele
durante tanto tempo”

4 - A ocorrência de feiras livres é observada, em cidades brasileiras, desde a época colonial,


quando se destacaram a Feira de Santana e as feiras de Sorocaba, Campina Grande, Caruaru,
entre outras. Em cidades europeias, esses eventos econômicos e culturais se tornaram comuns, a
partir da Idade Média, com o renascimento do comércio e da vida urbana, quando se
notabilizaram as feiras de Provins e de Troyes, na região de Champagne; as feiras de Bruges e
de Antuérpia, na região de Flandres; as feiras de Colônia, de Lubeck e de outras cidades que
constituíram a Liga Hanseática.

Explique

a) dois fatores que contribuíram para o renascimento do comércio e da vida urbana, no contexto
europeu;

b) o significado das corporações de ofícios, que se difundiram, a partir do século XII, nas
cidades europeias.

Resposta:

a) As peregrinações de cristãos europeus aos Lugares Santos, mesmo que sob o controle
de povos da fé islâmica, criando laços comerciais, relações de troca de produtos e de
moedas. Outro fator seria o enriquecimento da nobreza feudal, dado aos saques da
Guerra Santa ou Cruzadas, na busca do gosto pelo luxo e nas trocas por especiarias. Isso
mudaria, inclusive, os hábitos alimentares, introduzindo novos métodos para a
conservação de alimentos, baseadas negociações com entrepostos multinacionais como
o da Itália.
b) As corporações de ofícios, assim como as 'guildas', protegiam-se com a intervenção de
um fundo nos burgos, especialmente para suportarem a investida da aristocracia feudal,
que se impunha sobre os feudos. Tinham como objetivo principal proteger os interesses
dos trabalhadores associados, formadas por mestres e donos das oficinas, agregando
artesãos, artistas e aprendizes das artes e ofícios. A partir dos séculos XII e XIII,
reuniriam os professores nas Universitas Magistrarum e os estudantes nas Universitas
Scholarium, o que seriam as futuras Universidades. Com o passar do tempo, as
corporações de ofícios ligaram-se mais à pesquisa de aprendizagem e de formação
profissional, enquanto as guildas fixaram-se como corporações de comerciantes e de
atividade mercantil.

5 - A Idade Média, na Europa, foi caracterizada pelo aparecimento, apogeu e decadência de


um sistema econômico, político e social denominado “feudalismo”. Esse sistema começou a se
estruturar na Europa, ao final do Império Romano do Ocidente (século V), atingiu seu apogeu
no século X e registrou-se o seu declínio ao final do século XV. (MELLO; COSTA, 1994, p. 235).
De acordo com o texto e com os conhecimentos sobre o sistema econômico e político-
administrativo que caracterizou o feudalismo na Europa, indique uma característica do seu
apogeu, no século X, e um fator responsável pelo seu declínio no final do século XV.

a) Século X — apogeu:
Resposta:
Características: • vigência das relações de suserania e vassalagem;
• complexa hierarquia feudal, baseada nas relações de dependência entre os
diferentes papéis representados pela nobreza;
• confirmação do poder figurativo dos reis;
• fortalecimento da sociedade estamental, legitimada pela ideologia católica expressa
na “Cidade de Deus” de Santo Agostinho.
• fortalecimento do feudalismo como modo de produção: terra/servidão/economia
fechada e autossuficiente. Fatores responsáveis:
b) Século XV — declínio:
Resposta:
Fatores responsáveis:
• crescimento demográfico na Europa Ocidental criando novas demandas de consumo;
• renascimento das cidades e ocorrência de lutas visando à autonomia por parte das
mais fortes e desenvolvidas;
• revolução comercial na área europeia/mediterrânea, trazendo novas práticas
financeiras e comerciais;
• mudanças na estrutura social com a formação da burguesia comercial;
• guerra dos Cem Anos;
• peste Negra;
• formação das monarquias nacionais e expansão marítimo-comercial.

Vale destacar que essa cronologia e interpretação são tradicionais e podem variar.
Muitos historiadores consideram que, a partir do século XI a Europa vivenciou o
apogeu do feudalismo. Segundo a divisão que adotamos, a questão deve ser
enquadrada em duas classificações, Alta e Baixa Idade Média.
7- “O ar da cidade torna os homens mais livres”

Resposta O provérbio medieval acima denota uma mudança no cenário europeu com o declínio
do feudalismo e ressurgimento das cidades. As alterações que ocorreram no final da Idade
Média refletiam a nova visão do homem desse tempo perante o mundo.

Enquanto a vida no campo era marcada por uma estrutura social estratificada, nos novos centros
urbanos, o desenvolvimento comercial e artesanal criaram condições para a possibilidade de
ascensão social para o homem urbano.
O futebol brasileiro vive ainda no sistema feudal. E é verdade. As federações são feudos, e os
cartolas, senhores feudais. Embora estejam todos milionários, não têm dimensão do quanto
podem tirar desta galinha de ovos de ouro sem matá-la. Eles querem é raspar o tacho.

No seu comentário, Juca Kfouri faz uma comparação entre o sistema feudal medieval e o
futebol contemporâneo, desconsiderando a historicidade do feudalismo. Tendo em vista esta
afirmação:

a) explique o que fundamenta, no texto, a comparação entre o sistema feudal e a organização


do futebol brasileiro.

b) Caracterize um elemento do sistema feudal, que foi desconsiderado na comparação


apresentada.

Resposta:

a) A comparação entre o sistema feudal e a organização do futebol brasileiro


fundamenta-se: na redução do feudalismo a um sistema fechado, autossuficiente e
hierárquico, o que permite associar o feudo às federações, uma vez que ambos são
apreendidos como unidades capazes de produzir riqueza e sustentar relações de
poder; na atribuição de riqueza, de poder de mando e de exploração aos senhores
feudais e aos cartolas. No caso do senhor feudal, a “massa” explorada é constituída
pelos servos; no caso dos cartolas, a “massa” explorada é composta de torcedores dos
vários clubes de futebol.
b) Na comparação, são desconsiderados os seguintes elementos que caracterizam o
feudalismo (o candidato deve caracterizar apenas um): economia com uso restrito de
moeda, baseada na troca e no dom; posse da terra como critério de diferenciação dos
grupos sociais, sobretudo dos senhores e dos servos; constituição da camada servil
pela maior parte da população camponesa; presença da cavalaria que, em decorrência
da relação feudo-vassálica, cumpre obrigações militares para com os senhores feudais.

3. (Uel 2017) A respeito do período conhecido como Idade Média, durante muito tempo,
historiadores e literatos referiam-se a esses séculos como “Idade das Trevas”. Segundo a
historiadora Nuncia S. de Oliveira, por mais que se tenha repensado essas ideias, elas ainda
persistem na atualidade. Para a autora, “afinal, quantas vezes não ouvimos críticas àqueles
que porventura têm um comportamento fora daqueles tidos como “civilizados” serem
chamados de “bárbaros”?

Quantas vezes não encontramos o adjetivo medieval ser usado para definir comportamentos
violentos? Ou ainda, quem nunca ouviu alguém dizer “não vivemos mais na Idade Média”
desejando exaltar a mudança de comportamentos para atitudes “inovadoras” ou
“modernas”?”

A respeito dessas afirmações que a autora cita, responda aos itens a seguir.

a) Por que se construiu a ideia de Idade Média como a autora coloca?


b) Pode-se ou não contestar essa noção sobre a Idade Média? Justifique sua resposta.

Resposta: a) A noção da Idade Média como um período de “trevas” e “atrasos” foi construída
no período histórico seguinte a ela: o Renascimento. Para os renascentistas, eles eram os
portadores da razão e da experimentação científica e tinham como obrigação combater o
misticismo e o teocentrismo do período medieval. Se o Renascimento era “luz”, o Feudalismo
era “treva”.

b) Deve-se contestar. Basta citar o avanço tecnológico ocorrido no campo, a arquitetura e a


literatura cavalheiresca desenvolvidos no período medieval.

14. (Ucs 2015) A arabização foi um fenômeno ligado à expansão muçulmana nos séculos VII e
VIII. Sobre esse processo, é correto afirmar que

a) os árabes impunham sua religião aos povos dominados. Cristãos e judeus eram
violentamente perseguidos e, algumas vezes vendidos como escravos e, até mesmo, mortos.
b) o idioma foi um dos fatores que prejudicou a afirmação árabe, em especial na Península
Ibérica, onde se falavam línguas de origem latina. Assim, não puderam impor sua religião, nem
mesmo sua cultura.

c) a convivência com os judeus foi pacífica desde o início do islamismo, não existindo maiores
incompatibilidades com o judaísmo. Em função disso, a região da Palestina foi preservada das
conquistas islâmicas.

d) os árabes consentiam, nos primeiros anos da expansão, que os povos conquistados


seguissem suas próprias religiões. No entanto, impunham o pagamento do imposto aos infiéis.
e) os árabes eram monogâmicos e não aceitavam o casamento com pessoas que não
praticassem a mesma religião que a sua. Dessa forma, foi difícil solidificar a etnia e a cultura
árabe nas regiões conquistadas.

Resposta: Os árabes, nos anos iniciais de expansão pela Península Arábica, buscavam
converter os povos conquistados à religião muçulmana, mas davam às populações a opção da
não conversão. Nesses casos, quem não se convertia tinha que pagar um imposto aos árabes
pela não conversão.