Você está na página 1de 3

FICHAMENTO DO TEXTO: “FONTES DO DIREITO TRIBUTÁRIO

Conceito de fonte de direito


O direito é uma ordem normativa que tem o objetivo de determinar condutas em uma
sociedade para a melhor organização. Se alguém contrariar o que está prescrito, sofrerá
determinada sanção.
Para kelsen, as normas jurídicas são consideradas fontes de direito, pois como definição
de fontes temos que são os meios pelos quais se formam as regras jurídicas e, assim sendo, o ato
produtor de cada norma só é considerado como tal se outra norma lhe conferir competência ao
ato produtor.
A Constituição Federal é considerada a fonte de todo o direito positivo e para haver
harmonia, a Constituição funda-se na norma fundamental hipotética.

Fontes do direito Tributário: Proposta de Classificação


Existem diversas formas de classificação das fontes de direito, porem essas classificações
são alguns esquemas para os estudiosos.
A Constituição Federal já traz uma classificação básica das fontes do direito tributário, a lei
das leis cuida da necessidade de sua complementação por intermédio de normas situadas em
posições inferiores na estrutura normativa.
Essa classificação possui uma grande utilidade, pois é através dela que é possível formar
um quadro geral onde todas as fontes encontrem o seu lugar e que o conjunto delas, acabe
mostrando uma visão de totalidade da ordem jurídica.

As fontes principais do Direito Tributário

- A Constituição
É considerada a mais importante das fontes, sendo a lei fundamental e suprema de um
Estado.
Dispõe dos princípios fundamentais que regem a tributação em nossa pátria, como por
exemplo, à estruturação do Estado, à administração pública, à forma de governo, à distribuição de
competências e a direitos e garantias do cidadão.

- As leis
As leis são os atos normativos que, em nível infra-constitucional, possuem forca legal.

- As leis complementares
As leis complementares, no plano normativo, são as leis que podem complementar.
Há uma grande discussão de estudiosos sobre a posição hierárquica dessas leis, mas
independente disso, reconhecemos elas como sendo uma das principais fontes do direito
tributário. E a Constituição estabeleceu, em cada matéria onde isso seja exigível, as hipóteses em
que somente lei complementar pode disciplinar o assunto.
Miguel Horvath Júnior diz que a lei complementar é uma lei que, por exigência de caráter
material, regulamenta matéria constitucional e que pelo aspecto formal tem processo legislativo,
aprovada por quorum de maioria absoluta.

- As leis ordinárias
A lei ordinária é um ato normativo primário e contem, em regra, normas gerais e abstratas.
A elas, incumbe um relevante papel definidor dos tributos, com suas características
fundamentais, sendo o principal veiculo utilizado pelo Poder Constituinte para a criação,
majoração, extensão e extinção dos tributos.

- As leis delegadas
As leis delegadas são previstas pelo artigo 68 da Constituição Federal que diz: “As leis
delegadas serão elaboradas pelo Presidente da República, que deverá solicitar a delegação ao
Congresso Nacional.”

- As medidas provisórias
A medida provisória não é lei e não deve ser considerada como fonte principal do direito
tributário, mas ainda assim é um ato normativo que possui força de lei, e são próprias do regime
parlamentar.
Ela é utilizada para tratar de assunto urgente e relevante.
Está disciplinado pelo art. 9, V e 62 da Constituição Federal.

- Os decretos legislativos
Os decretos legislativos são as leis a que a Constituição não exige a remessa ao
Presidente da República para sanção; estes são atos destinados a regulamentar matérias de
competência exclusiva do Congresso Nacional.
O Congresso Nacional utiliza o ato normativo como veiculo para a aprovação de
importantes instrumentos de tributação que são os tratados e convenções internacionais.
Outra função importante está prevista na Constituição que defere ao Congresso o poder
para sustar os atos normativos do Poder Executivo que exorbitem do poder regulamentar ou dos
limites da delegação legislativa.

- As resoluções
As resoluções são atos do Congresso Nacional destinadas a regular a matéria de
competência do Poder Legislativo, em regra com efeitos internos; porem são tomados por
procedimento diferente do previsto para a elaboração das leis.
Tal competência distinta daquela que cabe ao legislador ordinário que, para cada tributo,
terá que definir o respectivo fato gerador, base de calculo e alíquota; o Senado irá definir alíquotas
com base na lei de tributação.