Você está na página 1de 22
Análise Preliminar de Riscos dos Conservadores da Via Permanente Uilian Lucas de Souza – Eng.
Análise Preliminar de Riscos
dos Conservadores da Via Permanente
Uilian Lucas de Souza – Eng. Eletricista
Curitiba, 02 de Março de 2010
Análise Preliminar de Riscos dos Conservadores da Via Permanente CBO 991105 – Conservador da Via
Análise Preliminar de Riscos
dos Conservadores da Via Permanente
CBO 991105 – Conservador da Via Permanente
• Reparam a superestrutura e infraestutura das ferrovias.
• Substituem os componentes e corrigem a geometria e o
desnível das vias.
• Utilizam máquinas de pequeno porte.
Análise Preliminar de Riscos dos Conservadores da Via Permanente Trecho Estudado: • Lote 8 –
Análise Preliminar de Riscos
dos Conservadores da Via Permanente
Trecho Estudado:
• Lote 8 – Paranaguá até Lapa
• Aproximadamente 250 km
• 250 trabalhadores
• Período: Nov/09 a Fev/2010
Análise Preliminar de Riscos dos Conservadores da Via Permanente Objetivo: Identificar os Perigos e Avaliar
Análise Preliminar de Riscos
dos Conservadores da Via Permanente
Objetivo: Identificar os Perigos e Avaliar os Riscos.
Agente
Alvo
Exposição
Agressor
“O dano só é produzido pelo agente agressor se
existir um alvo e se este alvo for exposto”.
Método Utilizado: APR – Análise Preliminar de Riscos.
Classificação dos Agentes Conforme sua Natureza
Classificação dos Agentes
Conforme sua Natureza
Categorias de Frequência
Categorias de Frequência
Categorias de Consequência
Categorias de Consequência
Matriz de Risco Risco = Probabilidade x Severidade Categoria de Risco = Frequência x Consequência
Matriz de Risco
Risco = Probabilidade x Severidade
Categoria de Risco = Frequência x Consequência
Categorias de Risco
Categorias de Risco
Cenário 1: carga, descarga e distribuição de dormentes de madeira O serviço consiste basicamente do
Cenário 1: carga, descarga e
distribuição de dormentes de madeira
O serviço consiste
basicamente do
transporte manual de
dormentes
Cenário 2: carga, descarga e movimentação de trilhos O serviço é realizado através de guinchos
Cenário 2: carga, descarga e
movimentação de trilhos
O serviço é
realizado através
de guinchos
montados na
plataforma dos
vagões para
içamento dos
trilhos.
Cenário 3: abertura e fechamento de linha O serviço é executado com o auxílio de
Cenário 3: abertura e fechamento
de linha
O serviço é
executado com o
auxílio de máquinas
como tirefonadeira,
furadeira de
dormente e
policorte.
Cenário 4: substituição de dormentes O serviço consiste na retirada do dormente velho e colocação
Cenário 4: substituição de dormentes
O serviço consiste
na retirada do
dormente velho e
colocação do
dormente novo.
Cenário 5: substituição trilhos O serviço consiste na retirada do trilho velho e colocação do
Cenário 5: substituição trilhos
O serviço consiste
na retirada do trilho
velho e colocação
do trilho novo.
Resultados das APR’s Fator Meio Ambiente FONTE AGENTE PERIGO CONSEQUÊNCIA FREQUÊNCIA RISCO GERADORA
Resultados das APR’s
Fator Meio Ambiente
FONTE
AGENTE
PERIGO
CONSEQUÊNCIA
FREQUÊNCIA
RISCO
GERADORA
Radiação Não
Ionizante
7
- Muito
FÍSICO
Sol
6
- Grave
4 - Alta
Elevado
FÍSICO
Umidade
Chuva
4
- Média
3 - Média
5 - Médio Não
Tolerado
Animais
1 - Muito
4
- Médio
ACIDENTE
Picada
4
- Média
Peçonhentos
Baixa
Tolerado
ACIDENTE
Atropelamento
Locomotiva /
Auto de Linha
8 -
Extremamente
Grave
1 - Muito
3
- Médio
Baixa
Baixo
Resultados das APR’s Fator Materiais Ferroviários FONTE AGENTE PERIGO CONSEQUÊNCIA FREQUÊNCIA RISCO GERADORA
Resultados das APR’s
Fator Materiais Ferroviários
FONTE
AGENTE
PERIGO
CONSEQUÊNCIA
FREQUÊNCIA
RISCO
GERADORA
Queda / Impacto
de Objeto
4
- Médio
ACIDENTE
Dormente
5 - Média Alta
2
- Baixa
Tolerado
ACIDENTE
Queda / Impacto
de Objeto
7
- Muito
5
Trilho
2
- Baixa
Grave
- Médio Não
Tolerado
4
- Médio
ACIDENTE
Arranhão / Corte
Farpas de madeira
e grade
antirrachante do
dormente
2 - Leve
3
- Média
Tolerado
3
- Média
5
ACIDENTE
Projeção de
objeto
Grampo elástico
3
- Média
Baixa
- Médio Não
Tolerado
Levantamento e
transporte manual
de peso
3
- Média
5
ERGONÔMICO
Dormente
4 - Alta
Baixa
- Médio Não
Tolerado
Resultados das APR’s Fator Máquinas e Ferramentas FONTE AGENTE PERIGO CONSEQUÊNCIA FREQUÊNCIA RISCO GERADORA
Resultados das APR’s
Fator Máquinas e Ferramentas
FONTE
AGENTE
PERIGO
CONSEQUÊNCIA
FREQUÊNCIA
RISCO
GERADORA
FÍSICO
Ruído
Máquinas
5
- Média Alta
4
- Alta
6
- Elevado
Vagão /
1
- Muito
4
- Médio
ACIDENTE
Queda de pessoa
4
- Média
Plataforma
Baixa
Tolerado
Partes móveis de
máquinas
Máquinas de
manutenção
4
- Médio
ACIDENTE
5
- Média Alta
2
- Baixa
Tolerado
ERGONÔMICO
Levantamento e
transporte manual
de peso
Máquinas de
manutenção
4
- Média
3 - Média
5 - Médio Não
Tolerado
4
- Médio
ERGONÔMICO
Exigência de
postura
inadequada
Forcado / Picareta
2 - Leve
4
- Alta
Tolerado
ERGONÔMICO
Esforço físico
intenso
Alavanca / Tenaz
de trilho
4
- Média
4
- Alta
6
- Elevado
Análise dos Resultados Riscos Físicos: (Verde) • Radiações Não Ionizantes (Sol) – 7 • Umidade
Análise dos Resultados
Riscos Físicos: (Verde)
• Radiações Não Ionizantes (Sol) – 7
• Umidade (Chuva) – 5
• Ruído (Máquinas) – 6
Análise dos Resultados Riscos Ergonômicos: (Amarelo) • Carregamento e transporte manual de peso. • Esforço
Análise dos Resultados
Riscos Ergonômicos: (Amarelo)
• Carregamento e transporte manual de peso.
• Esforço físico intenso.
• Exigência de Postura Inadequada.
Análise dos Resultados Riscos de Acidente: (Azul) • Queda / Impacto de Trilhos e Dormentes.
Análise dos Resultados
Riscos de Acidente: (Azul)
• Queda / Impacto de Trilhos e Dormentes.
• Máquinas de Manutenção: atenção para o
Policorte.
• Atropelamento por veículos ferroviários
(fatal).
Recomendações – EPI’s
Recomendações – EPI’s
Análise Preliminar de Riscos dos Conservadores da Via Permanente Uilian Lucas de Souza – Eng.
Análise Preliminar de Riscos
dos Conservadores da Via Permanente
Uilian Lucas de Souza – Eng. Eletricista
Curitiba, 02 de Março de 2010