Você está na página 1de 2

A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL NA MEDICINA

Talvez o primeiro pensamento que vem a sua cabeça quando se fala em Inteligência
Artificial (IA) seja um robô inteligente como aqueles que acostumamos ver nos filmes de
ficção como nos dá série Transformers. Existem sim muitas pesquisas relacionadas a IA,
mas as pesquisas atuais estão muito longe de produzirem robôs inteligentes quanto
aqueles dos filmes, sem levar em consideração o fato dos Transformers serem
extraterrestres. As muitas pesquisas relacionadas a IA estão relacionadas ao emprego da
mesma em automóveis, na automação de casas, nos jogos de videogames e na medicina.
Por se tratar da nossa área de interesse, este artigo discorrerá sobre a IA na medicina.
Mas afinal, o que é Inteligência Artificial? Para responder a esta pergunta
utilizaremos a definição do professor Luiz Carlos Lobo (Professor Honoris Causa da UnB,
e Consultor Sênior da Unasus-Fiocruz), que diz que a IA é um ramo da ciência da
computação que desenvolve sistemas capazes de simular tarefas realizadas por seres
humanos. Estas tarefas são, entre outras, identificar um problema, armazenar um grande
volume de dados, propor ou tomar decisões (LOBO, 2017).
Na medicina a IA funcionaria da seguinte forma: Um enorme banco de dados
disponível na “nuvem” registraria informações de casos de pacientes com seus esquemas
de diagnósticos, tratamentos realizados e os resultados dos mesmos. Estas informações
seriam acessadas por sistemas inteligentes que transformariam as informações em
probabilidades e as exporia aos médicos, que a partir daí poderiam tomar suas decisões
acerca do diagnóstico a ser repassado ao paciente (LOBO, 2017).
Uma das mais importantes experiências do uso da IA na medicina é a plataforma
Watson Health, o supercomputador da IBM. Segundo a própria IBM, além de possuir um
histórico de pacientes, o Watson já leu toda a literatura médica que existe no mundo.
Quando ele é usado, oferece ao médico sugestões probabilísticas de diagnósticos
baseadas no cruzamento das informações disponíveis em seu banco de dados
(NOBESCHI, 2016).
De acordo com Marco Stefanini, fundador e CEO global da empresa Stefanini, uma
empresa multinacional do ramo de software, a IA hoje é muito parecida com a internet em
meados dos anos 90: algo separado que, futuramente será integrada a inúmeros produtos
e serviços, e a medicina sem dúvidas será beneficiada com esta integração (STEFANINI,
2018).
A Medware é uma empresa que desenvolve sistemas médicos a mais de 20 anos e
está sempre inovando na intenção de melhorar o dia a dia dos nossos clientes. Por isso
estamos dando nosso primeiro passo primeiro passo dentro da IA. Trata-se de um
campeonato de IA entre nossos colaboradores. Neste campeonato os participantes estão
divididos em grupos de 03 participantes e irão criar através da plataforma Watson da IBM
(https://watson-conversation.ng.bluemix.net/), um robô virtual que deverá realizar o trabalho
de um atendente virtual do nosso Suporte. A equipe que preparar o robô para atender e
resolver uma situação de suporte mais rapidamente ganhará o campeonato. Esta é uma
forma de incentivar nossos colaboradores a imergir no mundo da IA que cada vez mais se
torna presente no nosso cotidiano em especial a medicina. Futuramente os robôs que serão
criados no campeonato, poderão ajudar nossos clientes a resolver problemas rapidamente
sem que haja a necessidade de ligar no suporte ou solicitar visita técnica.

José Wennas Lima Oliveira


Analista de Suporte Medware

REFERERÊNCIAS BIBLIOGRÀFICAS

LOBO, Luiz Carlos. Inteligência artificial e medicina. 2017. Disponível em:


<http://www.scielo.br/pdf/rbem/v41n2/1981-5271-rbem-41-2-0185.pdf> Acesso em:
01.abr. 2018.

NOBESCHI, Alexandre. Saúde: como a inteligência artificial pode ajudar nos


diagnósticos. 2016. Disponível em:
<https://epoca.globo.com/saude/noticia/2016/12/saude-como-inteligencia-artificial-pode-
ajudar-nos-diagnosticos.html>Acesso em: 01.abr. 2018.

STEFANINI, Marco. Inteligência Artificial na Medicina. 2018. Disponível em:


<https://www.dci.com.br/opiniao/inteligencia-artificial-na-medicina-1.542927>
Acesso em: 01. abr.2018.