Você está na página 1de 82

Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof.

Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

3. Lei 8.159/91

Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras


providências.

Essa é a lei mais importante no estudo da Arquivologia. Ela é pequena e fácil.


Mas importantíssima para que você tenha um bom resultado na prova. É
conhecida, no popular, como a Lei dos Arquivos.

!∀#∃%&∋( ∗

+∗,#(,∗−./, 0/1∀∗,

Art. 1º - É dever do Poder Público a gestão documental e a proteção especial a


documentos de arquivos, como instrumento de apoio à administração, à cultura, ao
desenvolvimento científico e como elementos de prova e informação.

Comentários:
Veja que a lei impõe ao Poder Público a gestão documental arquivística. Há
que se ter cuidado, pois a Constituição Federal, em seu artigo 216 diz que a
responsabilidade é da Administração Pública. Uma diferença sutil, mas já
explorada em prova.

Art. 2º - Consideram-se arquivos, para os fins desta Lei, os conjuntos de documentos


produzidos e recebidos por órgãos públicos, instituições de caráter público e entidades
privadas, em decorrência do exercício de atividades específicas, bem como por pessoa
física, qualquer que seja o suporte da informação ou a natureza dos documentos.

Art. 3º - Considera-se gestão de documentos o conjunto de procedimentos e operações


técnicas referentes à sua produção, tramitação, uso, avaliação e arquivamento em fase
corrente e intermediária, visando a sua eliminação ou recolhimento para guarda
permanente.

Comentários:
Lembre-se que a produção e recebimento de documentos está relacionado à
acumulação. O artigo define arquivo e essa é uma das melhores definições que
há, elogiada até por doutrinadores. Não interessa o suporte (papel, cd, dvd...)
ou o teor dos documentos. Observe que entidades privadas também são
destacadas. Lembre-se que a gestão documental ocorre nas fases corrente e
intermediária.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 2 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

Art. 4º - Todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse
particular ou de interesse coletivo ou geral, contidas em documentos de arquivos, que
serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade, ressalvadas aquelas
cujos sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado, bem como à
inviolabilidade da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem das pessoas.

Comentários:

Esse artigo nos remete à Lei 12.527/11. É um direito constitucional ter acesso
à informação, ressalvando-se os casos de sigilo (graus ultrassecreto, secreto e
reservado). Falaremos mais disso, por ora, é o suficiente.
Veja o que consta no artigo 5° da Constituição Federal
!!!∀∀∀ ∃ %&∋&( )∗+ ∋,−.,)& / −.0.1.− ∋&( 2−34&( 5617,0&( ,89&−+/:;.( ∋. (.< ,8).−.((.
5/−),0<7/−= &< ∋. ,8).−.((. 0&7.),>& &< 3.−/7= ?<. (.−4& 5−.()/∋/( 8& 5−/≅& ∋/ 7.,= (&1
5.8/ ∋. −.(5&8(/1,7,∋/∋.= −.((/7>/∋/( /?<.7/( 0<Α& (,3,7& (.Α/ ,+5−.(0,8∋Β>.7 Χ
(.3<−/8:/ ∋/ (&0,.∋/∋. . ∋& ∆()/∋&Ε
Φ&7).+&( Χ Γ., ΗΕΙϑΚΛΚΙΜ
Art. 5º - A Administração Pública franqueará a consulta aos documentos públicos na
forma desta Lei.

Art. 6º - Fica resguardado o direito de indenização pelo dano material ou moral


decorrente da violação do sigilo, sem prejuízo das ações penal, civil e administrativa.

Comentários:
O acesso aos documentos públicos será franqueado, ou seja: permitido,
liberado. E o sigilo é fator fundamental sendo considerado até mesmo crime a
sua violação.

CAPÍTULO II

DOS ARQUIVOS PÚBLICOS

Art. 7º - Os arquivos públicos são os conjuntos de documentos produzidos e recebidos,


no exercício de suas atividades, por órgãos públicos de âmbito federal, estadual, do
Distrito Federal e municipal em decorrência de suas funções administrativas, legislativas
e judiciárias.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 3 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

Comentários:

A Lei explica e descreve a Teoria das 3 Idades. O nosso, já famoso, CIP,


estudado em outro momento.

1. Corrente (ou arquivo de primeira idade)

2. Intermediária (ou arquivo de segunda idade)

3. Permanente (ou arquivo de terceira idade)

Art. 9º - A eliminação de documentos produzidos por instituições públicas e de caráter


público será realizada mediante autorização da instituição arquivística pública, na sua
específica esfera de competência.

Veja que instituição arquivística pública e de caráter público não pode destruir
documentação sem prévia autorização. Se um instituto estadual quiser se
desfazer de algum conjunto de documentos, deverá submeter esse desejo ao
Instituto responsável na esfera estadual.

Art. 10º - Os documentos de valor permanente são inalienáveis e imprescritíveis.

Os arquivos permanentes possuem valor histórico e não podem ser vendidos,


trocados ou doados (alienados) e também são imprescritíveis (não se extinguem
por não serem usados).

CAPÍTULO III

DOS ARQUIVOS PRIVADOS

Art. 11 - Consideram-se arquivos privados os conjuntos de documentos produzidos ou


recebidos por pessoas físicas ou jurídicas, em decorrência de suas atividades.

Art. 12 - Os arquivos privados podem ser identificados pelo Poder Público como de
interesse público e social, desde que sejam considerados como conjuntos de fontes
relevantes para a história e desenvolvimento científico nacional.

Comentários:

Perceba que os arquivos privados também podem ser considerados de


interesse público e social pelo Poder Público. Mas para isso ocorrer, é necessário

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 5 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

um decreto expedido pelo Presidente da República (art. 22 do Decreto


4.073/2002).

Art. 13 - Os arquivos privados identificados como de interesse público e social não


poderão ser alienados com dispersão ou perda da unidade documental, nem
transferidos para o exterior.

Parágrafo único - Na alienação desses arquivos o Poder Público exercerá preferência na


aquisição.

Art. 14 - O acesso aos documentos de arquivos privados identificados como de interesse


público e social poderá ser franqueado mediante autorização de seu proprietário ou
possuidor.

Art. 15 - Os arquivos privados identificados como de interesse público e social poderão


ser depositados a título revogável, ou doados a instituições arquivísticas públicas.

Art. 16 - Os registros civis de arquivos de entidades religiosas produzidos anteriormente


à vigência do Código Civil ficam identificados como de interesse público e social.

Aqui não há muita relevância para sua prova. Destaco o artigo 16.

Os registros civis de arquivos de entidades religiosas produzidos


anteriormente à vigência do Código Civil ficam identificados como de
interesse público e social.

CAPÍTULO IV

DA ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE INSTITUIÇÕES ARQUIVÍSTICAS


PÚBLICAS

Art. 17 - A administração da documentação pública ou de caráter público compete às


instituições arquivísticas federais, estaduais, do Distrito Federal e municipais.

§ 1º - São Arquivos Federais o Arquivo Nacional os do Poder Executivo, e os arquivos


do Poder Legislativo e do Poder Judiciário. São considerados, também, do Poder
Executivo os arquivos do Ministério da Marinha, do Ministério das Relações Exteriores,
do Ministério do Exército e do Ministério da Aeronáutica.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 6 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

§ 2º - São Arquivos Estaduais os arquivos do Poder Executivo, o arquivo do Poder


Legislativo e o arquivo do Poder Judiciário.

§ 3º - São Arquivos do Distrito Federal o arquivo do Poder Executivo, o Arquivo do Poder


Legislativo e o arquivo do Poder Judiciário.

§ 4º - São Arquivos Municipais o arquivo do Poder Executivo e o arquivo do Poder


Legislativo.

§ 5º - Os arquivos públicos dos Territórios são organizados de acordo com sua estrutura
político-jurídica.

Art. 18 - Compete ao Arquivo Nacional a gestão e o recolhimento dos documentos


produzidos e recebidos pelo Poder Executivo Federal, bem como preservar e facultar o
acesso aos documentos sob sua guarda, e acompanhar e implementar a política
nacional de arquivos.

Parágrafo único - Para o pleno exercício de suas funções, o Arquivo Nacional poderá
criar unidades regionais.

Art. 19 - Competem aos arquivos do Poder Legislativo Federal a gestão e o recolhimento


dos documentos produzidos e recebidos pelo Poder Legislativo Federal no exercício das
suas funções, bem como preservar e facultar o acesso aos documentos sob sua guarda.

Chamo atenção para possíveis pegadinhas com o artigo 17. Note que os arquivos
federais (art. 18 §1°) e estaduais e Distrito Federal (art. 18 §2° e 3°) são
compostos por: arquivo do Poder Executivo, o Arquivo do Poder Legislativo e o
arquivo do Poder Judiciário.

Mas quando vemos os Arquivos Municipais, temos apenas o arquivo do Poder


Executivo e do Poder Legislativo. Não há arquivo do Poder Judiciário.

Art. 20 - Competem aos arquivos do Poder Judiciário Federal a gestão e o recolhimento


dos documentos produzidos e recebidos pelo Poder Judiciário Federal no exercício de
suas funções, tramitados em juízo e oriundos de cartórios e secretarias, bem como
preservar e facultar o acesso aos documentos sob sua guarda.

Art. 21 - Legislação estadual, do Distrito Federal e municipal definirá os critérios de


organização e vinculação dos arquivos estaduais e municipais, bem como a gestão e o
acesso aos documentos, observado o disposto na Constituição Federal e nesta Lei.

∀#∃%&∋() ∗

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 7 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

+) #∀,−−) , +) −./.() +)− +)∀∋0,1&)− ∃23(.∀)−

Os artigos 22 a 24 foram revogados pela Lei 12.527 de 2011, que regula o


acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5o, no inciso II do § 3o do
art. 37 e no § 2odo art. 216 da Constituição Federal. Vamos estudá-la também.
DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 25 - Ficará sujeito à responsabilidade penal, civil e administrativa, na forma da


legislação em vigor, aquele que desfigurar ou destruir documentos de valor permanente
ou considerado como de interesse público e social.

Art. 26 - Fica criado o Conselho Nacional de Arquivos (CONARQ), órgão vinculado ao


Arquivo Nacional, que definirá a política nacional de arquivos, como órgão central de
um Sistema Nacional de Arquivos (SINAR).

§ 1º - O Conselho Nacional de Arquivos será presidido pelo Diretor-Geral do Arquivo


Nacional e integrado por representantes de instituições arquivísticas e acadêmicas,
públicas e privadas.

§ 2º - A estrutura e funcionamento do conselho criado neste artigo serão estabelecidos


em regulamento.

Veja a importância que é dada aos arquivos no art. 25. Aquele que desfigurar
ou destruir documentos de valor permanente ou considerado como de interesse
público e social estará sujeito à responsabilidade penal, civil e administrativa.

O art. 26 trata da criação do Conselho Nacional de Arquivos (CONARQ) e do


Sistema Nacional de Arquivos (SINAR). Ambos são regulamentados pelo Decreto
4.073/2002. Veja um resumo de cada um para não se confundir.

CONARQ – vinculado ao Arquivo Nacional.

SINAR – estrutura organizada, na forma de sistemas, composta por vários


arquivos do país.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 8 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

1. Com relação à política de acesso aos documentos de arquivo,


julgue o item subsecutivo.

A política de acesso aos documentos de arquivo tem, atualmente, como


fundamento a Lei n.º 8.159/1991, conhecida como Lei dos Arquivos.

Comentários:

A Lei 8.159/1991 trata da política nacional de arquivos públicos e privados, mas


a política de acesso aos documentos de arquivo está disciplinada na Lei de
Acesso à Informação – Lei 12.527/2011. Questão capiciosa e errada.

Gabarito: Errada

2. (CESPE – TRE-MS – TEC. JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA)


A lei de arquivos — Lei n.º 8.159/1991 — dispõe que:

a) os documentos privados não podem ser considerados de interesse público.

b) a administração pública deve definir os custos relativos à consulta aos


documentos públicos.

c) o Arquivo Nacional do Poder Executivo, os arquivos do Poder Legislativo, do


Poder Judiciário e aqueles dos ministérios da Marinha, das Relações Exteriores,
do Exército e da Aeronáutica são considerados arquivos federais.

d) os registros civis de arquivos de entidades religiosas não podem ser


identificados como de interesse público e social.

e) os arquivos privados são os conjuntos de documentos produzidos ou


recebidos exclusivamente por pessoas físicas.

Comentários:

Vamos ver cada uma das alternativas:

a)mos documentos privados não podem ser considerados de interesse público.

Veja no artigo 12 da Lei 8.159/1991 que é perfeitamente possível que os


documentos privados sejam considerados como de interesse público e social.
Para isso, devem ser considerados como conjuntos de fontes relevantes para a
história e desenvolvimento científico nacional.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 9 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

b) a administração pública deve definir os custos relativos à consulta aos


documentos públicos.

O Art. 5º da Lei 8.159/1991 diz que a “Administração Pública franqueará a


consulta aos documentos públicos na forma desta Lei”. Franquear quer dizer,
liberar, permitir. Logo, não há custo algum a ser definido.
c) o Arquivo Nacional do Poder Executivo, os arquivos do Poder Legislativo, do
Poder Judiciário e aqueles dos ministérios da Marinha, das Relações Exteriores,
do Exército e da Aeronáutica são considerados arquivos federais.

Transcrição do § 1º do art. 17 da Lei 8.159/1991. Esse é o gabarito.

d) os registros civis de arquivos de entidades religiosas não podem ser


identificados como de interesse público e social.

Veja o art. 16 da Lei 8.159/1991: “Os registros civis de arquivos de entidades


religiosas produzidos anteriormente à vigência do Código Civil ficam
identificados como de interesse público e social”

e) os arquivos privados são os conjuntos de documentos produzidos ou


recebidos exclusivamente por pessoas físicas.

Art. 11 - Consideram-se arquivos privados os conjuntos de documentos


produzidos ou recebidos por pessoas físicas ou jurídicas, em decorrência
de suas atividades.

Gabarito: C

3. (CESPE – TCE-ES – ANALISTA ADMINISTRATIVO – ARQUIVOLOGIA)


De acordo com a legislação arquivística em vigor, a Política Nacional de
Arquivos é definida pelo

a) Sistema Nacional de Arquivos.

b) Sistema de Serviços Gerais.

c) Conselho Nacional de Arquivos.

d) Arquivo Nacional.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 10 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

e) Ministério da Justiça.

Comentários:

Essa é a típica questão de “lei seca”, ou seja, basta saber a lei e acertar.

Art. 26 - Fica criado o Conselho Nacional de Arquivos (CONARQ), órgão


vinculado ao Arquivo Nacional, que definirá a política nacional de arquivos,
como órgão central de um Sistema Nacional de Arquivos (SINAR).

Note que o CONARQ – Conselho Nacional de Arquivos - foi criado pela Lei
81.59/91 e ele é quem DEFINE a política nacional de arquivos.

Gabarito: C

4. (CESPE – 2013 – CNJ – ANALISTA JUDICIÁRIO – ARQUIVOLOGIA)


Com relação às políticas públicas de arquivo e à legislação arquivística,
julgue os itens que se seguem.
Os arquivos do Poder Judiciário estadual são considerados arquivos
estaduais.

Comentários:

Escolhi essa questão por dois motivos. É questão de nível superior para cardo
de Arquivista. Isso assusta. E o mais importante: a questão é tão óbvia que dá
medo de marcar.

Mas é isso mesmo. Se você tem uma noção sobre os 3 Poderes (Executivo,
Legislativo e Judiciário) fica ainda mais fácil fazer essa associação.

Art. 17 - A administração da documentação pública ou de caráter


público compete às instituições arquivísticas federais, estaduais, do
Distrito Federal e municipais.

§ 1º - São Arquivos Federais o Arquivo Nacional, os do Poder Executivo, e


os arquivos do Poder Legislativo e do Poder Judiciário. São considerados,
também, do Poder Executivo os arquivos do Ministério da Marinha, do Ministério
das Relações Exteriores, do Ministério do Exército e do Ministério da Aeronáutica.

§ 2º - São Arquivos Estaduais os arquivos do Poder Executivo, o


arquivo do Poder Legislativo e o arquivo do Poder Judiciário.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 11 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

Gabarito: Certa

5. (CESPE – 2012 – TJ-RR – AUXILIAR ADMINISTRATIVO)


No que se refere à legislação arquivística, julgue os itens seguintes.
Os documentos de arquivo considerados de valor permanente ou
histórico são inalienáveis e imprescritíveis.

Comentários:

Os documentos de terceira idade (permanentes) são inaliáveis e imprescritíveis.

Inalienáveis – não podem ser vendidos, doados ou trocados.

Imprescritíveis – sua guarda é definitiva.

Veja a definição da Lei 8.159/1991.

Art. 10º - Os documentos de valor permanente são inalienáveis e imprescritíveis.

Gabarito: Certa

4.Decreto 4.915/2003 – SIGA – Sistema


de Gestão de Documentos de Arquivo

O Decreto 4.915/2003 dispõe sobre o Sistema de Gestão de Documentos de


Arquivo - SIGA, da administração pública federal, e dá outras providências.

Esse decreto serve para regulamentar (é para isso que decretos servem) o art.
30 do Decreto-Lei no 200, de 25 de fevereiro de 1967, no art. 18 da Lei no 8.159,
de 8 de janeiro de 1991, e no Decreto no 4.073, de 3 de janeiro de 2002.

Ele repete várias disposições constantes de outras leis e decretos. Não irei
repetir esses artigos, a não ser quando julgar pertinente. E vou destacar apenas
o que é relevante para o seu estudo. Esse decreto copia quase tudo da Lei
8.159/91.

Art. 1o Ficam organizadas sob a forma de sistema, com a denominação de Sistema


de Gestão de Documentos de Arquivo - SIGA, as atividades de gestão de
documentos no âmbito dos órgãos e entidades da administração pública federal.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 12 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

O artigo 1° já mostra a que veio: as atividades de gestão de documentos (na


administração pública federal) ficam organizadas de forma sistêmica (em
forma de sistema), cujo nome é SIGA – Sistema de Gestão de Documentos
de Arquivo.
Esse é o artigo mais importante para sua prova!

Mesmo sendo federal, costuma aparecer em provas estaduais e municipais. Isso


é para você ver a influência desse decreto.

Art. 2o O SIGA tem por finalidade:

I - garantir ao cidadão e aos órgãos e entidades da administração pública


federal, de forma ágil e segura, o acesso aos documentos de arquivo e às
informações neles contidas, resguardados os aspectos de sigilo e as restrições
administrativas ou legais;

II - integrar e coordenar as atividades de gestão de documentos de arquivo


desenvolvidas pelos órgãos setoriais e seccionais que o integram;

III - disseminar normas relativas à gestão de documentos de arquivo;

IV - racionalizar a produção da documentação arquivística pública;

V - racionalizar e reduzir os custos operacionais e de armazenagem da


documentação arquivística pública;

VI - preservar o patrimônio documental arquivístico da administração


pública federal;

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 13 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

Esse artigo, que parece confuso, está relacionado ao fato de que quando
estivermos falando de gestão de documentos, o Arquivo Nacional é quem
manda. Mas a estrutura administrativa dos órgãos permanece a mesma. Apenas
nos temas relacionados à gestão de documentos é que o Arquivo Nacional tem
maior relevância. Ficou confuso? Olhe para o gráfico esquemático acima e tudo
ficará mais fácil.
Vamos explicar, parte a parte:
i) Os órgãos setoriais do SIGA ! quais são os órgãos setoriais? Os ministérios
ou órgãos equivalentes.
ii) vinculam-se ao órgão central ! qual o órgão central (olhe o gráfico)? O
Arquivo Nacional!
iii) para os estritos efeitos do disposto neste Decreto ! mas essa
vinculação só vale para os fins desse decreto, ou seja, a gestão de documentos.
Acho que agora desenrolou. Certo?

Resumindo:

a) Art. 9. Os órgãos setoriais do SIGA vinculam-se ao órgão central para os


estritos efeitos do disposto neste Decreto (...)
Significa:
b) ministérios ou órgãos equivalentes vinculam-se ao Arquivo Nacional, mas
essa vinculação só vale para os fins desse decreto, ou seja, a gestão de
documentos.

Logo, a=b. Gostou da “matemática”? rs.

E os demais artigos, Ronaldo? São muito específicos e mais cobrados em cargos


da área de Arquivologia.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 15 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

6. (CESPE – 2012 – TJ-RR – AUXILIAR ADMINISTRATIVO)


No que se refere à legislação arquivística, julgue os itens seguintes.
Os arquivos do TJ/RR são considerados arquivos federais, razão por que devem
ser organizados conforme as orientações do Sistema de Gestão de Documentos
de Arquivo (SIGA).

Comentários:

Essa questão é fácil para quem fez a prova ou estuda para Tribunais. Para os demais,
pode confundir. Então, antes de confirmar sua resposta, saiba que o TJ (Tribunal de
Justiça) é estadual. E o SIGA cuida da atividades de gestão de documentos no âmbito
dos órgãos e entidades da administração pública federal. Esse é o erro.

Gabarito: Errada

7. (CESPE – 2011 – EBC – ANALISTA – ARQUIVOLOGIA)


Julgue os itens que se seguem, relativos a políticas públicas de arquivo
e a legislação arquivística.
A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) compõe o Sistema Nacional de
Arquivos, mas não faz parte do Sistema de Gestão de Documentos de Arquivo
(SIGA).

Comentários:

EBC é uma empresa pública federal. Agora você pode seguir seu raciocínio. O SIGA
cuida de atividades de gestão de documentos no âmbito dos órgãos e entidades da
administração pública federal. A EBC, portanto, faz pare do SIGA – Sistema de
Gestão de Documentos de Arquivo.

Gabarito: Errada

8. (CESPE – 2014 – POLÍCIA FEDERAL – ARQUIVISTA)


Acerca das políticas públicas de arquivo e da legislação arquivística, julgue os
itens a seguir.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 16 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

As ações na área de arquivo do DPF são orientadas pelo Sistema de Informações


Administrativas e estão sob a responsabilidade do Ministério do Planejamento,
Orçamento e Gestão.
Comentários:

Quando se fala em gestão de documentos no âmbito federal, quem manda é o


Arquivo Nacional! Não se esqueça disso. Vale a pena ver de novo:

Art. 9o Os órgãos setoriais do SIGA vinculam-se ao órgão central para os


estritos efeitos do disposto neste Decreto, sem prejuízo da subordinação ou
vinculação administrativa decorrente de sua posição na estrutura organizacional
dos órgãos e entidades da administração pública federal.
Gabarito: Errado

9. (CESPE – MPU – 2013 – ANALISTA ARQUIVOLOGIA)


A respeito de sistemas e redes de arquivo, julgue o item subsecutivo.
A racionalização da produção da documentação arquivística é finalidade
do SIGA.

Comentários:
É isso mesmo o que traz o Decreto 4.915/2003 em seu artigo 2°, IV.
O SIGA tem por finalidade:
IV - racionalizar a produção da documentação arquivística pública;
É um “controlCêControlvê” do decreto!
Gabarito: Certa

5. Decreto 4.073/2002 -
CONARQ

Vamos estudar os artigos mais cobrados. Se você estiver com tempo sobrando,
leia todo o Decreto, mas para fins de concurso e de custo/benefício, não julgo
que valha a pena o estudarmos por inteiro aqui. Recomendo que saiba muito
bem os artigos que coloquei na aula. São os que já foram cobrados ou que têm
mais “cara de prova”.

Vamos lá!

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 17 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

Art. 1° O Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ, órgão colegiado, vinculado


ao Arquivo Nacional, criado pelo art. 26 da Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, tem

por finalidade DEFINIR a política nacional de arquivos públicos e privados,


bem como exercer orientação normativa visando à gestão documental e à proteção
especial aos documentos de arquivo.

Veja que já destaquei na própria lei o que há de mais importante nesse artigo.
O CONAR (Conselho Nacional de Arquivos) é responsável pela definição da
política nacional de arquivos públicos e privados.
É comum você encontrar pegadinhas nas questões, tentando misturar os
conceitos do CONARQ e SINAR. Ainda estudaremos o segundo, mas já anote o
seguinte:
CONARQ – DEFINE a política nacional dos arquivos públicos e privados.
SINAR – IMPLEMENTA a política nacional dos arquivos públicos e privados.
É igual lá em casa! Minha esposa, chamada de CONARQ, DEFINE que eu tenho
que trocar a lâmpada e eu, Ronaldo SINAR, tenho que IMPLEMENTAR e fazer a
troca da lâmpada.

Art. 2° Compete ao CONARQ:

I - estabelecer diretrizes para o funcionamento do Sistema


Nacional de Arquivos - SINAR, visando à gestão, à preservação e ao
acesso aos documentos de arquivos;
II - promover o inter-relacionamento de arquivos públicos e
privados com vistas ao intercâmbio e à integração sistêmica das
atividades arquivísticas;
III - propor ao Ministro de Estado da Justiça normas legais
necessárias ao aperfeiçoamento e à implementação da política nacional de
arquivos públicos e privados;
IV - zelar pelo cumprimento dos dispositivos constitucionais e legais
que norteiam o funcionamento e o acesso aos arquivos públicos;

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 18 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

V - estimular programas de gestão e de preservação de


documentos públicos de âmbito federal, estadual, do Distrito
Federal e municipal, produzidos ou recebidos em decorrência das
funções executiva, legislativa e judiciária;
VI - subsidiar a elaboração de planos nacionais de
desenvolvimento, sugerindo metas e prioridades da política
nacional de arquivos públicos e privados;
VII - estimular a implantação de sistemas de arquivos nos
Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário da União, dos Estados,
do Distrito Federal e nos Poderes Executivo e Legislativo dos
Municípios;
VIII - estimular a integração e modernização dos arquivos públicos
e privados;
IX - identificar os arquivos privados de interesse público e
social, nos termos do art. 12 da Lei no 8.159, de 1991;
X - propor ao Presidente da República, por intermédio do
Ministro de Estado da Justiça, a declaração de interesse público e
social de arquivos privados; (Redação dada pelo Decreto nº 7.430, de
2011)
XI - estimular a capacitação técnica dos recursos humanos que
desenvolvam atividades de arquivo nas instituições integrantes do SINAR;
XII - recomendar providências para a apuração e a reparação de atos
lesivos à política nacional de arquivos públicos e privados;
XIII - promover a elaboração do cadastro nacional de arquivos
públicos e privados, bem como desenvolver atividades censitárias
referentes a arquivos;
XIV - manter intercâmbio com outros conselhos e instituições, cujas
finalidades sejam relacionadas ou complementares às suas, para prover e
receber elementos de informação e juízo, conjugar esforços e encadear
ações;

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 19 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

XV - articular-se com outros órgãos do Poder Público formuladores


de políticas nacionais nas áreas de educação, cultura, ciência, tecnologia,
informação e informática.

Art. 3° São membros conselheiros do CONARQ:

I - o Diretor-Geral do Arquivo Nacional, que o presidirá;

II - dois representantes do Poder Executivo Federal;

III - dois representantes do Poder Judiciário Federal;

IV - dois representantes do Poder Legislativo Federal;

V - um representante do Arquivo Nacional;

VI - dois representantes dos Arquivos Públicos Estaduais e do


Distrito Federal;

VII - dois representantes dos Arquivos Públicos Municipais;

VIII - um representante das instituições mantenedoras de curso


superior de arquivologia;

IX - um representante de associações de arquivistas;

X - três representantes de instituições que congreguem


profissionais que atuem nas áreas de ensino, pesquisa, preservação ou
acesso a fontes documentais.

§ 1o Cada Conselheiro terá um suplente.

§ 2o Os membros referidos nos incisos III e IV e respectivos suplentes


serão designados pelo Presidente do Supremo Tribunal Federal e pelos
Presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal,
respectivamente.

§ 3° Os conselheiros e suplentes referidos nos inciso II e V a X serão


designados pelo Presidente da República, a partir de listas apresentadas
pelo Ministro de Estado da Justiça, mediante indicações dos dirigentes dos
órgãos e entidades representados

§ 4° O mandato dos Conselheiros será de dois anos, permitida uma


recondução.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 20 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

§ 5° O Presidente do CONARQ, em suas faltas e impedimentos,


será substituído por seu substituto legal no Arquivo Nacional.

Art. 4° Caberá ao Arquivo Nacional dar o apoio técnico e


administrativo ao CONARQ.

Art. 5o O Plenário, órgão superior de deliberação do CONARQ,


reunir-se-á, em caráter ordinário, no mínimo, uma vez a cada quatro
meses e, extraordinariamente, mediante convocação de seu Presidente ou
a requerimento de dois terços de seus membros.

§ 1° O CONARQ funcionará na sede do Arquivo Nacional.

§ 2° As reuniões do CONARQ poderão ser convocadas para local fora


da sede do Arquivo Nacional, por deliberação do Plenário ou ad
referendum deste, sempre que razão superior indicar a conveniência de
adoção dessa medida.

Art. 6° O CONARQ somente se reunirá para deliberação com o


quorum mínimo de dez conselheiros.

Art. 7° O CONARQ poderá constituir câmaras técnicas e comissões


especiais, com a finalidade de elaborar estudos, normas e outros
instrumentos necessários à implementação da política nacional de
arquivos públicos e privados e ao funcionamento do SINAR, bem como
câmaras setoriais, visando a identificar, discutir e propor soluções para
questões temáticas que repercutirem na estrutura e organização de
segmentos específicos de arquivos, interagindo com as câmaras técnicas.

Parágrafo único. Os integrantes das câmaras e comissões serão


designados pelo Presidente do CONARQ, ad referendum do Plenário.

Art. 8° É considerado de natureza relevante, não ensejando qualquer


remuneração, o exercício das atividades de Conselheiro do CONARQ e de
integrante das câmaras e comissões.

Comentários.

Bom, todo o capítulo I desse decreto é dedicado ao CONARQ. Recomendo que


leia todos os artigos, mas não fique preocupado em decorar, por exemplo, todos
os membros conselheiros do CONARQ. É bem difícil ver questões do tema, ainda
mais para cargos administrativos (não arquivistas). Mas as bancas têm
aprofundado cada vez mais, portanto, todo cuidado é pouco.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 21 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

Vou colocar aqui o que mais aparece nas provas e os temas que julgo mais
importantes. Anota aí!

Antes de avançar, lembre-se que:

CONARQ – DEFINE a política nacional dos arquivos públicos e privados.


SINAR – IMPLEMENTA a política nacional dos arquivos públicos e privados.

Compete ao CONARQ:
• Estabelecer diretrizes para o funcionamento do SINAR (Sistema Nacional
de Arquivos)
• Promover o inter-relacionamento de arquivos públicos e privados
• Zelar pelo cumprimento dos dispositivos constitucionais e legais
• Estimular programas de gestão e preservação de documentos públicos de
âmbito federal, estadual, do distrito federal e municipal, produzidos ou
recebidos em funções executiva, legislativa e judiciária;
• Identificar os arquivados privados de interesse público e social;
• Promover a elaboração do cadastro nacional de arquivos públicos e
privados;

No artigo 3° temos a lista dos membros conselheiros do CONARQ. Vou listar


alguns para que a estrutura geral vá ficando mais clara. Dentre outros, O
Diretor-Geral do Arquivo Nacional é membro do CONARQ (será o
presidente), assim como um outro representante do Arquivo Nacional.

O mandato dos membros conselheiros é de dois anos, permitida uma


recondução. Na falta do presidente do CONARQ o substituo será o seu
representante legal do Arquivo Nacional. O CONARQ funcionará na sede do
Arquivo Nacional, que proverá o apoio técnico e administrativo.

O CONARQ poderá constituir câmaras técnicas e comissões especiais, com a


finalidade de elaborar estudos, normas e outros instrumentos necessários à

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 22 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

implementação da política nacional de arquivos públicos e privados e ao


funcionamento do SINAR, bem como câmaras setoriais, visando a identificar,
discutir e propor soluções para questões temáticas que repercutirem na
estrutura e organização de segmentos específicos de arquivos, interagindo
com as câmaras técnicas.

Já falamos o suficiente sobre o CONARQ. Vamos partir para o SINAR. Aos


poucos, tudo vai ficando mais claro.

Capítulo II

DO SISTEMA NACIONAL DE ARQUIVOS

Art. 10. O SINAR tem por finalidade implementar a política nacional de

arquivos públicos e privados, visando à gestão, à preservação e ao acesso aos


documentos de arquivo.

Art. 11. O SINAR tem como órgão central o CONARQ.

Art. 12. Integram o SINAR:

I - o Arquivo Nacional;

II - os arquivos do Poder Executivo Federal;

III - os arquivos do Poder Legislativo Federal;

IV - os arquivos do Poder Judiciário Federal;

V - os arquivos estaduais dos Poderes Executivo, Legislativo e


Judiciário;

VI - os arquivos do Distrito Federal dos Poderes Executivo,


Legislativo e Judiciário;

VII - os arquivos municipais dos Poderes Executivo e Legislativo.

§ 1o Os arquivos referidos nos incisos II a VII, quando organizados


sistemicamente, passam a integrar o SINAR por intermédio de seus órgãos
centrais.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 23 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

§ 2o As pessoas físicas e jurídicas de direito privado, detentoras de


arquivos, podem integrar o SINAR mediante acordo ou ajuste com o órgão
central.

Art. 13. Compete aos integrantes do SINAR:

I - promover a gestão, a preservação e o acesso às informações e aos


documentos na sua esfera de competência, em conformidade com as diretrizes
e normas emanadas do órgão central;

II - disseminar, em sua área de atuação, as diretrizes e normas


estabelecidas pelo órgão central, zelando pelo seu cumprimento;

III - implementar a racionalização das atividades arquivísticas, de forma


a garantir a integridade do ciclo documental;

IV - garantir a guarda e o acesso aos documentos de valor permanente;

V - apresentar sugestões ao CONARQ para o aprimoramento do SINAR;

VI - prestar informações sobre suas atividades ao CONARQ;

VII - apresentar subsídios ao CONARQ para a elaboração de dispositivos


legais necessários ao aperfeiçoamento e à implementação da política nacional
de arquivos públicos e privados;

VIII - promover a integração e a modernização dos arquivos em sua


esfera de atuação;

IX - propor ao CONARQ os arquivos privados que possam ser


considerados de interesse público e social;

X - comunicar ao CONARQ, para as devidas providências, atos lesivos ao


patrimônio arquivístico nacional;

XI - colaborar na elaboração de cadastro nacional de arquivos públicos e


privados, bem como no desenvolvimento de atividades censitárias referentes a
arquivos;

XII - possibilitar a participação de especialistas nas câmaras técnicas,


câmaras setoriais e comissões especiais constituídas pelo CONARQ;

XIII - proporcionar aperfeiçoamento e reciclagem aos técnicos da área de


arquivo, garantindo constante atualização.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 24 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

Art. 14. Os integrantes do SINAR seguirão as diretrizes e normas


emanadas do CONARQ, sem prejuízo de sua subordinação e vinculação
administrativa.

Comentários. Vejamos o mais importante desses artigos:

O SINAR tem por finalidade implementar a política nacional de arquivos


públicos e privados, visando à gestão, à preservação e ao acesso aos
documentos de arquivo. Isso cai na prova!!

Lembre-se de que o CONARQ DEFINE e o SINAR, IMPLEMENTA.

§ 2o As pessoas físicas e jurídicas de direito privado, detentoras de


arquivos, podem integrar o SINAR mediante acordo ou ajuste com o órgão
central.

Compete aos integrantes do SINAR:


I - promover a gestão, a preservação e o acesso às informações e aos
documentos na sua esfera de competência, em conformidade com as diretrizes
e normas emanadas do órgão central;
V - apresentar sugestões ao CONARQ para o aprimoramento do SINAR;

10. (CESPE – 2015 – MPOG – ARQUIVISTA CARGO 3)


A respeito das políticas públicas de arquivo, julgue o item a seguir.
Uma das competências do Conselho Nacional de Arquivos é implementar
a política nacional de arquivos públicos e privados.

Comentários:
É uma questão relativamente difícil, pois vai no detalhe! Mas é legal para
ficarmos atentos a uma diferença relevante entre o SINAR e CONARQ.

O CONARQ, conforme art. 1 do Decreto 4.073/2002 define a política nacional


de arquivos públicos e privados, bem como exercer orientação normativa
visando à gestão documental e à proteção especial aos documentos de arquivo.
Já o SINAR, conforme art. 10 do Decreto 4.073/2002, tem por finalidade
implementar a política nacional de arquivos públicos e privados, visando à
gestão, à preservação e ao acesso aos documentos de arquivo.
Resumindo:

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 25 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

CONARQ ! DEFINE
SINAR ! IMPLEMENTA

Gabarito: Errada.

6. Lei. 12.682/2012 – Elaboração e arquivamentos de


documentos eletromagnéticos

Essa lei trata da elaboração e o arquivamento de documentos em meios


eletromagnéticos. Vamos ver apenas o que é mais importante para sua prova.
Mas se tiver um tempinho, pode ler por inteiro. Essa aqui é a lei ideal, tem
apenas 8 artigos e boa parte deles, foram vetados. Tanto é que vou colocar
todos os que “sobreviveram”

http://www.planalto.gov.br/ccivil 03/ ato2011-2014/2012/Lei/L12682.htm

Art. 1o A digitalização, o armazenamento em meio eletrônico, óptico ou equivalente e a


reprodução de documentos públicos e privados serão regulados pelo disposto nesta Lei.

Parágrafo único. Entende-se por digitalização a conversão da fiel imagem de um


documento para código digital.

Art. 3o O processo de digitalização deverá ser realizado de forma a manter a integridade,


a autenticidade e, se necessário, a confidencialidade do documento digital, com o
emprego de certificado digital emitido no âmbito da Infraestrutura de Chaves Públicas
Brasileira - ICP - Brasil.

Parágrafo único. Os meios de armazenamento dos documentos digitais deverão


protegê-los de acesso, uso, alteração, reprodução e destruição não autorizados.

Digitalizar algo é transformar na linguagem binária, ou seja, uma sequência de


“0” e “1”. Se você pega um papel e o insere em um scanner, vai ter um
documento convertido para código digital.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 26 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

A integridade, a autenticidade e, se necessário, a confidencialidade do


documento digital, devem ser mantidas com o emprego de certificado digital. Lá
na SEFAZ SP, nós recebemos um certificado digital para fazer qualquer consulta.
E aqui, a recomendação não é diferente, visando a segurança de que os dados
contidos no original, foram exatamente “transferidos” para sua cópia digital.

Art. 4o As empresas privadas ou os órgãos da Administração Pública direta ou indireta


que utilizarem procedimentos de armazenamento de documentos em meio eletrônico,
óptico ou equivalente deverão adotar sistema de indexação que possibilite a sua
precisa localização, permitindo a posterior conferência da regularidade das etapas do
processo adotado.

Bom, vamos recorrer ao nosso DBTA (Dicionário Brasileiro de Termos


Arquivísticos)

Indexação: processo pelo qual documentos ou informações são apresentados


por termos, palavras-chave ou descritores, propiciando a recuperação da
informação.

E o que são descritores?

Descritor: Palavra ou grupo de palavras que designa um conceito ou um


assunto preciso, excluindo outros sentidos e significados.

Resuminho? Os documentos em meio eletrônico, ótico ou equivalente também


devem ser armazenados. E devem usar um sistema de indexação. E para que
serve isso?

Para facilitar a localização desse documento eletrônico. Tudo deve estar


organizado. Seja em meio físico, seja em meio digital.

Art. 6o Os registros públicos originais, ainda que digitalizados, deverão ser preservados
de acordo com o disposto na legislação pertinente.

Esse artigo é importantíssimo!! Significa que mesmo que você digitalize algum
registro público, o seu original deverá ser preservado.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 27 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

7. LAI – Lei de Acesso à


Informação 12.527/2011 e
Decreto 7.724/2012

Agora vamos atacar a Lei 12.527/2011 (entrou em vigor


em 2012) conhecida como Lei de Acesso à Informação
– LAI. É uma norma muito importante para a Administração
Pública e, para nós, os cidadãos. Ela inverteu o paradigma, a
regra já estabelecida do acesso à informação, tornando a
transparência a regra e tornou o sigilo a exceção. Isso ficará
claro ao começarmos a navegar pelos artigos.

Também vamos estudar o Decreto 7.724 que regulamenta a LAI (vou chamá-la
pelo apelido a partir de agora). Saiba que um decreto costuma ser muito
parecido com a própria lei. Geralmente há poucas mudanças. Por isso, não vou
reproduzir o decreto inteiro. Estudaremos a lei e o decreto em conjunto e vou
chamar sua atenção quando for pertinente. Se você fosse imprimir apenas a LAI
e o Decreto, teria quase o mesmo número de páginas de todo esse PDF (com
comentários, questões e outras leis/decretos comentados).

Obs.: sempre que eu estiver falando sobre o decreto, vou colocar o símbolo
abaixo ou usarei essa formatação aqui: Decreto 7.724/2012. Combinados?

Vamos começar o passeio por alguns dos pontos mais conceituais e importantes.
Essa parte é muito relevante e vou repetir alguns conceitos ao longo da aula.

Segundo a Controladoria-Geral da União (CGU), a informação sob a guarda do


Estado é sempre pública, devendo o acesso a ela ser restringido apenas em
casos específicos.
Dessa forma, é permitido a qualquer cidadão o pedido de acesso às informações
públicas. E o que é informação pública? Aquilo que não é classificada como
sigilosa, conforme o que está previsto na Lei. A Lei de Acesso à Informação

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 28 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

nasceu para regulamentar o artigo 5º, XXXIII, além do inciso II, § 3º, artigo 37,
e o § 2º do art. 216, todos da Constituição Federal, para garantir ao cidadão o
exercício do seu direito de acesso à informação. Mas não se preocupe com esses
artigos. A ideia aqui é te mostrar de onde veio a LAI e você precisa saber que
ela nasce do documento jurídico mais importante do nosso país: a Constituição
Federal.

Principais Aspectos:

Veja algumas características positivas da LAI, extraídas da CGU:

• Acesso é a regra, o sigilo, a exceção (divulgação máxima)

• Requerente não precisa dizer por que e para que deseja a informação (não

exigência de motivação)
• Hipóteses de sigilo são limitadas e legalmente estabelecidas (limitação de

exceções)
• Fornecimento gratuito de informação, salvo custo de reprodução (gratuidade da

informação)

• Divulgação proativa de informações de interesse coletivo e geral (transparência


ativa)

• Criação de procedimentos e prazos que facilitam o acesso à


informação (transparência passiva)

Abrangência:

E quem está sujeito à LAI? Esse tipo de assunto é mais ligado ao Direito
Administrativo, mas não custa nada dar uma olhada. Note como ela é
abrangente. Toda a administração pública está incluída e até mesmo entidades
sem fins lucrativos que receberam recursos públicos estão sujeitas a ela. Faz
sentido! Se houve dinheiro público (meu e seu), precisamos saber, como

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 29 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

cidadãos, como essa grana foi usada. Isso também é abordado no Decreto
7.724/2012 (artigos 63 e 64).

Exceções à LAI.

Mas não é porque existe uma Lei de Acesso à Informação que nós podemos ter
acesso a tudo. Não é bem assim. Você pode até saber quanto eu ganho como
servidor, mas não pode requisitar meus dados pessoais, concorda? E dados
sensíveis à segurança do país? Também não podem ser disponibilizados a
qualquer tempo. Vamos avançar.

As informações sob a guarda do Estado são públicas. O acesso a elas deve ser
restrito apenas em casos específicos e por período de tempo determinado.

A LAI lista como exceções à regra de acesso:

• os dados pessoais;
• as informações classificadas por autoridades como sigilosas;
• e as informações sigilosas com base em outras leis.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 30 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

Você pode fazer pedidos de desclassificação ou reavaliação da


classificação. Isso para o caso de você não concordar com a classificação de
uma informação, por achar que ela não se enquadra nas hipóteses de
sigilo previstas na Lei de Acesso ou que deveria estar classificada em outra
categoria.
→ Informações sigilosas com base em outras leis: são aquelas informações
protegidas por outras legislações, tais como os sigilos bancário, fiscal e
industrial.
Já está ficando claro que a LAI não é bagunça, certo? Só para exemplificar
melhor, vamos pular para o Decreto 7.724. É ele que regulamenta a lei no Poder
Executivo Federal. As leis costumam ser muito genéricas e não dizem
exatamente como as coisas devem acontecer. Quem diz o passo a passo de
como a lei deve ser cumprida é o regulamento. É como se fosse um “manual”.

O Decreto 7.724/2012 (art. 13), prevê que não serão atendidos pedidos de
informação que sejam:

I - genéricos;
II - desproporcionais ou desarrazoados; ou
III - que exijam trabalhos adicionais de análise, interpretação ou consolidação
de dados e informações, ou serviço de produção ou tratamento de dados que
não seja de competência do órgão ou entidade.

Ou seja, não pode sair pedindo qualquer coisa, sem sentido ou absurda, sem
propósito ou razão.

8. Comentários à LAI – Lei de


Acesso à Informação 12.527/2011
e Decreto 7.724/2012

Agora que você já possui uma visão geral da Lei 12.527, vamos direto aos
artigos. Recomendo que a leia por inteiro. Aqui, irei indicar os temas já cobrados

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 32 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

e os com mais “cara de prova”. E é nesses que dedicarei mais parte das
explicações. Vou negritar e colorir os pontos mais relevantes.

A metodologia para o estudo dessa Lei e Decreto será a seguinte:


1) artigos relevantes ou mais complicados – serão comentados logo
abaixo do texto extraído da lei.
2) artigos com menos cobrança em provas ou que têm menos
possibilidade de serem cobrados (não estou dizendo que eles não
cairão na prova!), terão apenas o texto da lei reproduzido.
3) artigos muito importantes – terão os comentários e questões
comentadas logo abaixo deles ou ao final da parte teórica.

Para ter acesso à lei original:

http://www.planalto.gov.br/ccivil 03/ ato20112014/2011/lei/l12527.htm#art


47

CAPÍTULO I

DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 1° Esta Lei dispõe sobre os procedimentos a serem observados pela União,
Estados, Distrito Federal e Municípios, com o fim de garantir o acesso a
informações previsto no inciso XXXIII do art. 5°, no inciso II do § 3º do art.
37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal.

Parágrafo único. Subordinam-se ao regime desta Lei:

I - os órgãos públicos integrantes da administração direta dos Poderes


Executivo, Legislativo, incluindo as Cortes de Contas, e Judiciário e do
Ministério Público;

II - as autarquias, as fundações públicas, as empresas públicas, as


sociedades de economia mista e demais entidades controladas direta ou
indiretamente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios.

Art. 2° Aplicam-se as disposições desta Lei, no que couber, às entidades


privadas sem fins lucrativos que recebam, para realização de ações de interesse
público, recursos públicos diretamente do orçamento ou mediante subvenções
sociais, contrato de gestão, termo de parceria, convênios, acordo, ajustes ou
outros instrumentos congêneres.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 33 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

Parágrafo único. A publicidade a que estão submetidas as entidades citadas


no caput refere-se à parcela dos recursos públicos recebidos e à sua destinação,
sem prejuízo das prestações de contas a que estejam legalmente obrigadas.

Comentários:
Esses artigos iniciais são importantes, pois trazem a fundamentação e o
porquê de a LAI (Lei de Acesso à informação) existir. Note que sua criação foi
“provocada” pela Constituição Federal.

ALERTA:
Não se preocupe em entender a diferenciação entre administração direta e
indireta, empresas públicas e fundações públicas, sociedades de economia mista
e etc. Isso é assunto para o Direito Administrativo e, na prova de Arquivologia,
não vão te perguntar isso. Aqui, o foco é a letra da lei, ou seja, o que vai aparecer
na questão é exatamente igual ao que está escrito na lei. No máximo, ele será
reescrito e você vai precisar identificar o contexto. Não se apegue a
“detalhes”que não tem a ver com a matéria. O tempo é curto. Coooooorre!

Vejamos o quadro ilustrativo para deixar claro quem deve obedecer à LAI para
compreender esses primeiros artigos.

Estão subordinados à LAI:

Nesse finalzinho (entidades sem fins lucrativos) cabem duas observações:

“A publicidade a que estão submetidas as entidades citadas no caput refere-


se à parcela dos recursos públicos recebidos e à sua destinação (...)”

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 34 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

Publicidade é um princípio do Direito Administrativo, mas o que interessa a


você é que sua essência é que as informações sejam públicas e disponíveis aos
cidadãos.

Você já pode saber o que é “caput” se já estiver estudando Direito. Mas sei que
sempre tem alguém que nunca ouviu falar desses termos. Caput nada mais é do
que a “cabeça”, ou seja, o enunciado de artigo de lei ou regulamento. Nesse
caso, o caput é o artigo 2°. Pronto. Agora tô tranquilo. Avancemos.

E no Decreto Decreto 7.724/2012?

O artigo 5° mostra mais algumas exceções à aplicação da LAI:

Art. 5°

§ 2o Não se sujeitam ao disposto neste Decreto as informações relativas


à atividade empresarial de pessoas físicas ou jurídicas de direito privado
obtidas pelo Banco Central do Brasil, pelas agências reguladoras ou por outros
órgãos ou entidades no exercício de atividade de controle, regulação e
supervisão da atividade econômica cuja divulgação possa representar
vantagem competitiva a outros agentes econômicos.

Art. 6o O acesso à informação disciplinado neste Decreto não se aplica:

I - às hipóteses de sigilo previstas na legislação, como fiscal, bancário, de


operações e serviços no mercado de capitais, comercial, profissional, industrial e segredo
de justiça;
Ora, o Poder Público tem acesso a muitas informações sigilosas, concorda? E
não é porque existe a LAI que o Governo poderá sair dizendo por aí quanto uma
empresa fatura ou quanto lucra. Há informações que são estratégicas, pois se
caírem nas mãos dos concorrentes, pode acabar com toda sua vantagem
competitiva.
E tudo que está sujeito ao sigilo (fiscal, bancário, industrial...), previsto em
outras leis, não pode ser disponibilizado ao público.

∀234 56 (7 829:;<=>;?397 82;≅=7397 ?;73Α ∋;= <;73=?Α>Β7; Α Α77;Χ∆2Α2 9 <=2;=39 Ε∆?<Α>;?3ΑΦ <;
Α:;779 Γ =?Ε92>ΑΗΙ9 ; <;≅;> 7;2 ;ϑ;:∆3Α<97 ;> :9?Ε92>=<Α<; :9> 97 82=?:Κ8=97 ΛΜ7=:97 <Α
Α<>=?=732ΑΗΙ9 8ΝΛΦ=:Α ; :9> Α7 7;Χ∆=?3;7 <=2;32=Ο;7Π

∗ Β 9Λ7;2≅Θ?:=Α <Α 8∆ΛΦ=:=<Α<; :9>9 82;:;=39 Χ;2ΑΦ ; <9 7=Χ=Φ9 :9>9 ;ϑ:;ΗΙ9Ρ

∗∗ Β <=≅∆ΦΧΑΗΙ9 <; =?Ε92>ΑΗΣ;7 <; =?3;2;77; 8ΝΛΦ=:9Τ =?<;8;?<;?3;>;?3; <; 79Φ=:=3ΑΗΣ;7Ρ

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 35 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

∗∗∗ Β ∆3=Φ=ΟΑΗΙ9 <; >;=97 <; :9>∆?=:ΑΗΙ9 ≅=ΑΛ=Φ=ΟΑ<97 8;ΦΑ 3;:?9Φ9Χ=Α <Α =?Ε92>ΑΗΙ9Ρ

∗Υ Β Ε9>;?39 Α9 <;7;?≅9Φ≅=>;?39 <Α :∆Φ3∆2Α <; 32Α?78Α2ς?:=Α ?Α Α<>=?=732ΑΗΙ9 8ΝΛΦ=:ΑΡ

Υ Β <;7;?≅9Φ≅=>;?39 <9 :9?329Φ; 79:=ΑΦ <Α Α<>=?=732ΑΗΙ9 8ΝΛΦ=:Α4

Comentários:

O foco na publicidade e transparência são expostos mais uma vez. É por causa
dessa lei (e decreto) que os alunos conseguem ver o salário dos professores que
são servidores (rs). A publicidade deve ser a regra e o sigilo, exceção. Há
informações, como o orçamento público, que devem ser divulgadas, mesmo que
ninguém as peça. A tecnologia da Informação visa facilitar os pedidos de
informação. Normalmente você não precisa ir a um órgão. Você pede ou consulta
pela internet. A ideia por trás de tudo, é que haja maior controle social da
administração pública, ou seja, que o cidadão participe cada vez mais da gestão
da coisa pública.

∀234 Ω6 #Α2Α 97 ;Ε;=397 <;73Α ∋;=Τ :9?7=<;2ΑΒ7;Π

∗ Β 456789:;<7= <Α<97Τ 829:;77Α<97 9∆ ?Ι9Τ Ξ∆; 89<;> 7;2 ∆3=Φ=ΟΑ<97 8Α2Α 829<∆ΗΙ9 ; 32Α?7>=77Ι9
<; :9?Ψ;:=>;?39Τ :9?3=<97 ;> Ξ∆ΑΦΞ∆;2 >;=9Τ 7∆8923; 9∆ Ε92>Α39Ρ

∗∗ Β >7?≅9Α5Β7= ∆?=<Α<; <; 2;Χ=7329 <; =?Ε92>ΑΗΣ;7Τ Ξ∆ΑΦΞ∆;2 Ξ∆; 7;ΖΑ 9 7∆8923; 9∆ Ε92>Α39Ρ

∗∗∗ Χ 456789:;<7 ∆4Ε4Φ7∆:Π ΑΞ∆;ΦΑ 7∆Λ>;3=<Α 3;>892Α2=Α>;?3; Γ 2;732=ΗΙ9 <; Α:;779 8ΝΛΦ=:9 ;>
2ΑΟΙ9 <; 7∆Α =>82;7:=?<=Λ=Φ=<Α<; 8Α2Α Α 7;Χ∆2Α?ΗΑ <Α 79:=;<Α<; ; <9 /73Α<9Ρ

∗Υ Β 456789:;<7 ΓΑ∆∆7:Φ= ΑΞ∆;ΦΑ 2;ΦΑ:=9?Α<Α Γ 8;779Α ?Α3∆2ΑΦ =<;?3=Ε=:Α<Α 9∆ =<;?3=Ε=:Μ≅;ΦΡ

Υ Β Β8:Β:9Α5Β7 >: 456789:;<7= :9?Ζ∆?39 <; ΑΗΣ;7 2;Ε;2;?3;7 Γ 829<∆ΗΙ9Τ 2;:;8ΗΙ9Τ :ΦΑ77=Ε=:ΑΗΙ9Τ
∆3=Φ=ΟΑΗΙ9Τ Α:;779Τ 2;829<∆ΗΙ9Τ 32Α?78923;Τ 32Α?7>=77Ι9Τ <=732=Λ∆=ΗΙ9Τ Α2Ξ∆=≅Α>;?39Τ
Α2>ΑΟ;?Α>;?39Τ ;Φ=>=?ΑΗΙ9Τ Α≅ΑΦ=ΑΗΙ9Τ <;73=?ΑΗΙ9 9∆ :9?329Φ; <Α =?Ε92>ΑΗΙ9Ρ

Υ∗ Β >4∆Γ754Η4Φ4>:>Α= Ξ∆ΑΦ=<Α<; <Α =?Ε92>ΑΗΙ9 Ξ∆; 89<; 7;2 :9?Ψ;:=<Α ; ∆3=Φ=ΟΑ<Α 892 =?<=≅Κ<∆97Τ
;Ξ∆=8Α>;?397 9∆ 7=73;>Α7 Α∆392=ΟΑ<97Ρ

Υ∗∗ Χ :≅ΒΑ5Β4?4>:>Α= Ξ∆ΑΦ=<Α<; <Α =?Ε92>ΑΗΙ9 Ξ∆; 3;?ΨΑ 7=<9 829<∆Ο=<ΑΤ ;ϑ8;<=<ΑΤ 2;:;Λ=<Α 9∆
>9<=Ε=:Α<Α 892 <;3;2>=?Α<9 =?<=≅Κ<∆9Τ ;Ξ∆=8Α>;?39 9∆ 7=73;>ΑΡ

Υ∗∗∗ Β 45ΒΑΕ84>:>Α= Ξ∆ΑΦ=<Α<; <Α =?Ε92>ΑΗΙ9 ?Ι9 >9<=Ε=:Α<ΑΤ =?:Φ∆7=≅; Ξ∆Α?39 Γ 92=Χ;>Τ 32Θ?7=39 ;
<;73=?9Ρ

∗[ Β Γ849:84Α>:>Α= Ξ∆ΑΦ=<Α<; <Α =?Ε92>ΑΗΙ9 :9Φ;3Α<Α ?Α Ε9?3;Τ :9> 9 >Μϑ=>9 <; <;3ΑΦΨΑ>;?39
8977Κ≅;ΦΤ 7;> >9<=Ε=:ΑΗΣ;74

Muita coisa, né?

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 36 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

É! Mas pode parar de preguiça e dar atenção especial a esses incisos (I a IX).
Vou colocar esse artigo em outro formato mais agradável para ter certeza de
que você vai DECORÁ-LO. Principalmente os incisos VI a IX, pois os demais,
creio que já estejam mais claros para você depois de ter estudado as outras
aulas.

E o Decreto 7.724/2012 que regulamenta a LAI?

Ele traz as mesmas definições em seu artigo 3°, porém inclui mais algumas:

.. Χ >:>7∆ Γ87?Α∆∆:>7∆ Β <Α<97 7∆Λ>;3=<97 Α Ξ∆ΑΦΞ∆;2 98;2ΑΗΙ9 9∆ 32Α3Α>;?39 892 >;=9 <;
829:;77Α>;?39 ;Φ;32∴?=:9 9∆ 892 >;=9 Α∆39>Α3=ΟΑ<9 :9> 9 ;>82;Χ9 <; 3;:?9Φ9Χ=Α <Α =?Ε92>ΑΗΙ9Ρ

Ι. Χ 456789:;<7 :Β≅:Φ4ϑ:>: Β =?Ε92>ΑΗΙ9 Ξ∆; 2;Ν?; 97 <Α<97 >Α=7 2;:;?3;7 79Λ2; 9 3;>ΑΤ <; Α:92<9
:9> 7∆Α ?Α3∆2;ΟΑΤ :9> 97 82ΑΟ97 82;≅=7397 ;> ?92>Α7 ;78;:ΚΕ=:Α7 9∆ :9?Ε92>; Α 8;2=9<=:=<Α<;
;73ΑΛ;Φ;:=<Α ?97 7=73;>Α7 =?Ε92>Α3=ΟΑ<97 Ξ∆; Α 92ΧΑ?=ΟΑ>Ρ ;

Ι.. Χ >7?≅9Α5Β7 Γ8ΑΓ:8:ΒΚ847 Β <9:∆>;?39 Ε92>ΑΦ ∆3=Φ=ΟΑ<9 :9>9 Ε∆?<Α>;?39 <Α 39>Α<Α <;
<;:=7Ι9 9∆ <; Α39 Α<>=?=732Α3=≅9Τ Α ;ϑ;>8Φ9 <; 8Α2;:;2;7 ; ?93Α7 3]:?=:Α74

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 37 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

∀#∃%&∋() ..

+) #∀,−−) # .1Λ)Μ0#ΝΟ,− , +# −∋# +.∗∋(/#ΝΠ)

∀234 ⊥6 !ΑΛ; Α97 _2ΧΙ97 ; ;?3=<Α<;7 <9 89<;2 8ΝΛΦ=:9Τ 9Λ7;2≅Α<Α7 Α7 ?92>Α7 ; 829:;<=>;?397
;78;:ΚΕ=:97 Α8Φ=:Μ≅;=7Τ Α77;Χ∆2Α2 ΑΠ

∗ Β Χ;73Ι9 32Α?78Α2;?3; <Α =?Ε92>ΑΗΙ9Τ 8298=:=Α?<9 Α>8Φ9 Α:;779 Α ;ΦΑ ; 7∆Α <=≅∆ΦΧΑΗΙ9Ρ

∗∗ Β 8293;ΗΙ9 <Α =?Ε92>ΑΗΙ9Τ ΧΑ2Α?3=?<9Β7; 7∆Α <=789?=Λ=Φ=<Α<;Τ Α∆3;?3=:=<Α<; ; =?3;Χ2=<Α<;Ρ ;

∗∗∗ Β 8293;ΗΙ9 <Α =?Ε92>ΑΗΙ9 7=Χ=Φ97Α ; <Α =?Ε92>ΑΗΙ9 8;779ΑΦΤ 9Λ7;2≅Α<Α Α 7∆Α <=789?=Λ=Φ=<Α<;Τ
Α∆3;?3=:=<Α<;Τ =?3;Χ2=<Α<; ; ;≅;?3∆ΑΦ 2;732=ΗΙ9 <; Α:;7794

Note que alguns termos já começam a se repetir (disponibilidade, autenticidade,


integridade...). Na dúvida? Releia o artigo 4° e incisos da Lei 12.2527.

∀234 6 ) :?Α∆∆7 Θ 456789:;<7 <; Ξ∆; 32Α3Α ;73Α ∋;= :9>82;;?<;Τ ;?32; 9∆3297Τ 7∆ >48Α4Β7∆ >Α
7ΗΒΑ8=

∗ Β 92=;?3ΑΗΙ9 79Λ2; 97 829:;<=>;?397 8Α2Α Α :9?7;:∆ΗΙ9 <; Α:;779Τ Λ;> :9>9 79Λ2; 9 Φ9:ΑΦ 9?<;
89<;2Μ 7;2 ;?:9?32Α<Α 9∆ 9Λ3=<Α Α =?Ε92>ΑΗΙ9 ΑΦ>;ΖΑ<ΑΡ

∗∗ Β =?Ε92>ΑΗΙ9 :9?3=<Α ;> 2;Χ=73297 9∆ <9:∆>;?397Τ 829<∆Ο=<97 9∆ Α:∆>∆ΦΑ<97 892 7;∆7 _2ΧΙ97 9∆
;?3=<Α<;7Τ 2;:9ΦΨ=<97 9∆ ?Ι9 Α Α2Ξ∆=≅97 8ΝΛΦ=:97Ρ

∗∗∗ Β =?Ε92>ΑΗΙ9 829<∆Ο=<Α 9∆ :∆739<=Α<Α 892 8;779Α ΕΚ7=:Α 9∆ ;?3=<Α<; 82=≅Α<Α <;:922;?3; <;
Ξ∆ΑΦΞ∆;2 ≅Κ?:∆Φ9 :9> 7;∆7 _2ΧΙ97 9∆ ;?3=<Α<;7Τ >;7>9 Ξ∆; ;77; ≅Κ?:∆Φ9 ΖΜ 3;?ΨΑ :;77Α<9Ρ

∗Υ Β =?Ε92>ΑΗΙ9 82=>Μ2=ΑΤ Κ?3;Χ2ΑΤ Α∆3ς?3=:Α ; Α3∆ΑΦ=ΟΑ<ΑΡ

Υ Β =?Ε92>ΑΗΙ9 79Λ2; Α3=≅=<Α<;7 ;ϑ;2:=<Α7 8;Φ97 _2ΧΙ97 ; ;?3=<Α<;7Τ =?:Φ∆7=≅; Α7 2;ΦΑ3=≅Α7 Γ 7∆Α
89ΦΚ3=:ΑΤ 92ΧΑ?=ΟΑΗΙ9 ; 7;2≅=Η97Ρ

Υ∗ Β =?Ε92>ΑΗΙ9 8;23=?;?3; Γ Α<>=?=732ΑΗΙ9 <9 8Α32=>∴?=9 8ΝΛΦ=:9Τ ∆3=Φ=ΟΑΗΙ9 <; 2;:∆2797 8ΝΛΦ=:97Τ
Φ=:=3ΑΗΙ9Τ :9?32Α397 Α<>=?=732Α3=≅97Ρ ;

Υ∗∗ Β =?Ε92>ΑΗΙ9 2;ΦΑ3=≅ΑΠ

Αα Γ =>8Φ;>;?3ΑΗΙ9Τ Α:9>8Α?ΨΑ>;?39 ; 2;7∆Φ3Α<97 <97 829Χ2Α>Α7Τ 829Ζ;397 ; ΑΗΣ;7 <97 _2ΧΙ97 ;


;?3=<Α<;7 8ΝΛΦ=:Α7Τ Λ;> :9>9 >;3Α7 ; =?<=:Α<92;7 829897397Ρ

Λα Α9 2;7∆Φ3Α<9 <; =?78;ΗΣ;7Τ Α∆<=392=Α7Τ 82;73ΑΗΣ;7 ; 39>Α<Α7 <; :9?3Α7 2;ΑΦ=ΟΑ<Α7 8;Φ97 _2ΧΙ97
<; :9?329Φ; =?3;2?9 ; ;ϑ3;2?9Τ =?:Φ∆=?<9 82;73ΑΗΣ;7 <; :9?3Α7 2;ΦΑ3=≅Α7 Α ;ϑ;2:Κ:=97 Α?3;2=92;74

β χ6 ( Α:;779 Γ =?Ε92>ΑΗΙ9 82;≅=739 ?9 :Α8∆3 ?Ι9 :9>82;;?<; Α7 =?Ε92>ΑΗΣ;7 2;Ε;2;?3;7 Α 829Ζ;397


<; 8;7Ξ∆=7Α ; <;7;?≅9Φ≅=>;?39 :=;?3ΚΕ=:97 9∆ 3;:?9Φ_Χ=:97 :∆Ζ9 7=Χ=Φ9 7;ΖΑ =>82;7:=?<Κ≅;Φ Γ
7;Χ∆2Α?ΗΑ <Α 79:=;<Α<; ; <9 /73Α<94

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 39 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

β δ6 ε∆Α?<9 ?Ι9 Ε92 Α∆392=ΟΑ<9 Α:;779 =?3;Χ2ΑΦ Γ =?Ε92>ΑΗΙ9 892 7;2 ;ΦΑ 8Α2:=ΑΦ>;?3; 7=Χ=Φ97ΑΤ ]
Α77;Χ∆2Α<9 9 Α:;779 Γ 8Α23; ?Ι9 7=Χ=Φ97Α 892 >;=9 <; :;23=<Ι9Τ ;ϑ32Α39 9∆ :_8=Α :9> 9:∆Φ3ΑΗΙ9 <Α
8Α23; 79Λ 7=Χ=Φ94

β 59 ( <=2;=39 <; Α:;779 Α97 <9:∆>;?397 9∆ Γ7 =?Ε92>ΑΗΣ;7 ?;Φ;7 :9?3=<Α7 ∆3=Φ=ΟΑ<97 :9>9
Ε∆?<Α>;?39 <Α 39>Α<Α <; <;:=7Ι9 ; <9 Α39 Α<>=?=732Α3=≅9 7;2Μ Α77;Χ∆2Α<9 :9> Α ;<=ΗΙ9 <9 Α39
<;:=7_2=9 2;78;:3=≅94

β Ω6 ∀ ?;ΧΑ3=≅Α <; Α:;779 Γ7 =?Ε92>ΑΗΣ;7 9ΛΖ;39 <; 8;<=<9 Ε92>∆ΦΑ<9 Α97 _2ΧΙ97 ; ;?3=<Α<;7
2;Ε;2=<Α7 ?9 Α234 χ9Τ Ξ∆Α?<9 ?Ι9 Ε∆?<Α>;?3Α<ΑΤ 7∆Ζ;=3Α2Μ 9 2;789?7Μ≅;Φ Α >;<=<Α7 <=7:=8Φ=?Α2;7Τ
?97 3;2>97 <9 Α234 5δ <;73Α ∋;=4

β φ6 ∗?Ε92>Α<9 <9 ;ϑ32Α≅=9 <Α =?Ε92>ΑΗΙ9 79Φ=:=3Α<ΑΤ 89<;2Μ 9 =?3;2;77Α<9 2;Ξ∆;2;2 Γ Α∆392=<Α<;
:9>8;3;?3; Α =>;<=Α3Α ΑΛ;23∆2Α <; 7=?<=:Θ?:=Α 8Α2Α Α8∆2Α2 9 <;7Α8Α2;:=>;?39 <Α 2;78;:3=≅Α
<9:∆>;?3ΑΗΙ94

β ⊥6 Υ;2=Ε=:Α<Α Α Ψ=8_3;7; 82;≅=73Α ?9 β φ6<;73; Α23=Χ9Τ 9 2;789?7Μ≅;Φ 8;ΦΑ Χ∆Α2<Α <Α =?Ε92>ΑΗΙ9
;ϑ32Α≅=Α<Α <;≅;2ΜΤ ?9 82ΑΟ9 <; χγ η<;Οα <=Α7Τ Ζ∆73=Ε=:Α2 9 ΕΑ39 ; =?<=:Α2 3;73;>∆?ΨΑ7 Ξ∆; :9>829≅;>
7∆Α ΑΦ;ΧΑΗΙ94

A LAI tenta proteger o cidadão de diversas formas no artigo 7°. Ele deve ter
acesos à informação primária, íntegra, autêntica e atualizada e pertinente à
administração do patrimônio público, utilização de recursos públicos, licitação e
contratos administrativos.

Mas não é festa na floresta. Você, cidadão, não pode ter acesso as
informações referentes a projetos de pesquisa e desenvolvimento científicos
ou tecnológicos cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade
e do Estado.

Mas....e se apenas uma parte da informação for sigilosa? Aí é assegurado o


acesso à parte não sigilosa por meio de certidão, extrato ou cópia com
ocultação da parte sob sigilo.

E se o servidor, de uma autarquia federal, por exemplo, negar o acesso?


Se a negativa não for fundamentada (ou seja, sem um bom motivo) pode
acarretar em medidas disciplinares contra ele (art. 32).

E se o funcionário estivesse com preguiça e não quisesse fornecer as


informações? Aí, o espertão diz que o documento sumiu....e agora?

O interessado na informação “desaparecida” poderá requerer à autoridade


competente a imediata abertura de sindicância para apurar o desaparecimento
da respectiva documentação. E o “malandrão” terá 10 dias para justificar o fato
e conseguir testemunhas que comprovem sua versão. Claro que nem sempre

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 40 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

será malandragem, às vezes o documento some mesmo. Usei esse exemplo para
facilitar sua compreensão.

∀234 ι6 ϕ <;≅;2 <97 _2ΧΙ97 ; ;?3=<Α<;7 8ΝΛΦ=:Α7 829>9≅;2Τ 45>ΑΓΑ5>Α5ΒΑ9Α5ΒΑ >Α


8ΑΡ≅Α849Α5Β7∆Σ Α <=≅∆ΦΧΑΗΙ9 ;> Φ9:ΑΦ <; ΕΜ:=Φ Α:;779Τ ?9 Θ>Λ=39 <; 7∆Α7 :9>8;3ς?:=Α7Τ <;
=?Ε92>ΑΗΣ;7 <; =?3;2;77; :9Φ;3=≅9 9∆ Χ;2ΑΦ 892 ;Φ;7 829<∆Ο=<Α7 9∆ :∆739<=Α<Α74

β χ6 κΑ <=≅∆ΦΧΑΗΙ9 <Α7 =?Ε92>ΑΗΣ;7 Α Ξ∆; 7; 2;Ε;2; 9 :Α8∆3Τ <;≅;2Ι9 :9?73Α2Τ ?9 >Κ?=>9Π

∗ Β 2;Χ=7329 <Α7 :9>8;3ς?:=Α7 ; ;732∆3∆2Α 92ΧΑ?=ΟΑ:=9?ΑΦΤ ;?<;2;Η97 ; 3;Φ;Ε9?;7 <Α7 2;78;:3=≅Α7


∆?=<Α<;7 ; Ψ92Μ2=97 <; Α3;?<=>;?39 Α9 8ΝΛΦ=:9Ρ

∗∗ Β 2;Χ=73297 <; Ξ∆Α=7Ξ∆;2 2;8Α77;7 9∆ 32Α?7Ε;2ς?:=Α7 <; 2;:∆2797 Ε=?Α?:;=297Ρ

∗∗∗ Β 2;Χ=73297 <Α7 <;78;7Α7Ρ

∗Υ Β =?Ε92>ΑΗΣ;7 :9?:;2?;?3;7 Α 829:;<=>;?397 Φ=:=3Α3_2=97Τ =?:Φ∆7=≅; 97 2;78;:3=≅97 ;<=3Α=7 ;


2;7∆Φ3Α<97Τ Λ;> :9>9 Α 39<97 97 :9?32Α397 :;Φ;Λ2Α<97Ρ

Υ Β <Α<97 Χ;2Α=7 8Α2Α 9 Α:9>8Α?ΨΑ>;?39 <; 829Χ2Α>Α7Τ ΑΗΣ;7Τ 829Ζ;397 ; 9Λ2Α7 <; _2ΧΙ97 ;
;?3=<Α<;7Ρ ;

Υ∗ Β 2;78973Α7 Α 8;2Χ∆?3Α7 >Α=7 Ε2;Ξ∆;?3;7 <Α 79:=;<Α<;4

β δ6 #Α2Α :∆>82=>;?39 <9 <=789739 ?9 :Α8∆3Τ 97 _2ΧΙ97 ; ;?3=<Α<;7 8ΝΛΦ=:Α7 <;≅;2Ι9 ∆3=Φ=ΟΑ2 39<97
97 >;=97 ; =?732∆>;?397 Φ;ΧΚ3=>97 <; Ξ∆; <=78∆7;2;>Τ 7;?<9 9Λ2=ΧΑ3_2=Α Α <=≅∆ΦΧΑΗΙ9 ;> 7Κ3=97
9Ε=:=Α=7 <Α 2;<; >∆?<=ΑΦ <; :9>8∆3Α<92;7 η=?3;2?;3α4

β 56 (7 7Κ3=97 <; Ξ∆; 32Α3Α 9 β δ9 <;≅;2Ι9Τ ?Α Ε92>Α <; 2;Χ∆ΦΑ>;?39Τ Α3;?<;2Τ ;?32; 9∆3297Τ Α97
7;Χ∆=?3;7 2;Ξ∆=7=397Π

∗ Β :9?3;2 Ε;22Α>;?3Α <; 8;7Ξ∆=7Α <; :9?3;Ν<9 Ξ∆; 8;2>=3Α 9 Α:;779 Γ =?Ε92>ΑΗΙ9 <; Ε92>Α 9ΛΖ;3=≅ΑΤ
32Α?78Α2;?3;Τ :ΦΑ2Α ; ;> Φ=?Χ∆ΑΧ;> <; ΕΜ:=Φ :9>82;;?7Ι9Ρ

∗∗ Β 8977=Λ=Φ=3Α2 Α Χ2Α≅ΑΗΙ9 <; 2;ΦΑ3_2=97 ;> <=≅;2797 Ε92>Α397 ;Φ;32∴?=:97Τ =?:Φ∆7=≅; ΑΛ;2397 ; ?Ι9
82982=;3Μ2=97Τ 3Α=7 :9>9 8ΦΑ?=ΦΨΑ7 ; 3;ϑ39Τ <; >9<9 Α ΕΑ:=Φ=3Α2 Α Α?ΜΦ=7; <Α7 =?Ε92>ΑΗΣ;7Ρ

∗∗∗ Β 8977=Λ=Φ=3Α2 9 Α:;779 Α∆39>Α3=ΟΑ<9 892 7=73;>Α7 ;ϑ3;2?97 ;> Ε92>Α397 ΑΛ;2397Τ ;732∆3∆2Α<97 ;
Φ;ΧΚ≅;=7 892 >ΜΞ∆=?ΑΡ

∗Υ Β <=≅∆ΦΧΑ2 ;> <;3ΑΦΨ;7 97 Ε92>Α397 ∆3=Φ=ΟΑ<97 8Α2Α ;732∆3∆2ΑΗΙ9 <Α =?Ε92>ΑΗΙ9Ρ

Υ Β ΧΑ2Α?3=2 Α Α∆3;?3=:=<Α<; ; Α =?3;Χ2=<Α<; <Α7 =?Ε92>ΑΗΣ;7 <=789?Κ≅;=7 8Α2Α Α:;779Ρ

Υ∗ Β >Α?3;2 Α3∆ΑΦ=ΟΑ<Α7 Α7 =?Ε92>ΑΗΣ;7 <=789?Κ≅;=7 8Α2Α Α:;779Ρ

Υ∗∗ Β =?<=:Α2 Φ9:ΑΦ ; =?732∆ΗΣ;7 Ξ∆; 8;2>=3Α> Α9 =?3;2;77Α<9 :9>∆?=:Α2Β7;Τ 892 ≅=Α ;Φ;32∴?=:Α 9∆
3;Φ;Ε∴?=:ΑΤ :9> 9 _2ΧΙ9 9∆ ;?3=<Α<; <;3;?392Α <9 7Κ3=9Ρ ;

Υ∗∗∗ Β Α<93Α2 Α7 >;<=<Α7 ?;:;77Μ2=Α7 8Α2Α ΧΑ2Α?3=2 Α Α:;77=Λ=Φ=<Α<; <; :9?3;Ν<9 8Α2Α 8;779Α7 :9>
<;Ε=:=ς?:=ΑΤ ?97 3;2>97 <9 Α234 χ <Α ∋;= ?9 χγ4γλιΤ <; χλ <; <;Ο;>Λ29 <; δγγγΤ ; <9 Α234 λ9 <Α

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 41 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

!9?≅;?ΗΙ9 79Λ2; 97 +=2;=397 <Α7 #;779Α7 :9> +;Ε=:=ς?:=ΑΤ Α829≅Α<Α 8;Φ9 +;:2;39 ∋;Χ=7ΦΑ3=≅9
?9 χι⊥Τ <; λ <; Ζ∆ΦΨ9 <; δγγι4

β Ω6 (7 µ∆?=:Κ8=97 :9> 898∆ΦΑΗΙ9 <; Α3] χγ4γγγ η<;Ο >=Φα ΨΑΛ=3Α?3;7 Ε=:Α> <=78;?7Α<97 <Α
<=≅∆ΦΧΑΗΙ9 9Λ2=ΧΑ3_2=Α ?Α =?3;2?;3 Α Ξ∆; 7; 2;Ε;2; 9 β δ9Τ >Α?3=<Α Α 9Λ2=ΧΑ392=;<Α<; <; <=≅∆ΦΧΑΗΙ9Τ
;> 3;>89 2;ΑΦΤ <; =?Ε92>ΑΗΣ;7 2;ΦΑ3=≅Α7 Γ ;ϑ;:∆ΗΙ9 92ΗΑ>;?3Μ2=Α ; Ε=?Α?:;=2ΑΤ ?97 :2=3]2=97 ;
82ΑΟ97 82;≅=7397 ?9 Α234 5Βν <Α ∋;= !9>8Φ;>;?3Α2 ?9 χγχΤ <; Ω <; >Α=9 <; δγγγ η∋;= <;
1;789?7ΑΛ=Φ=<Α<; ο=7:ΑΦα4

O mais importante desse artigo está no caput. Vale a releitura:

Art. 8° É dever dos órgãos e entidades públicas promover,


independentemente de requerimentos, a divulgação em local de fácil
acesso, no âmbito de suas competências, de informações de interesse
coletivo ou geral por eles produzidas ou custodiadas.

As informações de interesse coletivo ou geral por eles produzidas ou


custodiadas (em sua posse) devem ser promovidas, INDEPENDENTEMENTE
DE REQUERIMENTOS, pelos órgãos e entidades públicas.

Há informações produzidas pelos órgãos públicos que interessam a toda a


população (ou deveria interessar). Por isso, nós não precisamos pedir que o
Governo publique quanto gastou para construir uma ponte. Isso deve estar
disponível, mesmo que ninguém peça essa informação. Ficou claro? Isso já
caiu em prova. Avancemos!

Adiante, os parágrafos listam os dados mínimos que devem constar na


divulgação de informações.

No § 2o é determinado que os órgãos e entidades públicas deverão utilizar


todos os meios e instrumentos legítimos de que dispuserem, sendo obrigatória
a divulgação em sítios oficiais da rede mundial de computadores
(internet). Mas observe que há uma exceção à regra (sempre, né?)

EXCEÇÃO: os municípios com menos de 10.000 habitantes ficam


dispensados da divulgação obrigatória na internet. Mas, não são dispensados de
divulgar, em tempo real, as informações relativas à Lei de Responsabilidade
Fiscal (aquela das pedaladas).

A LAI também se preocupou garantir a acessibilidade de conteúdo para pessoas


com deficiência, em consonância com a Lei n° 10.098/2000 e da Convenção
sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, de 2008.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 42 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

No âmbito do Poder Executivo Federal, o SIC é uma unidade física existente pelo
menos na sede de todos os órgãos e entidades do poder público, em local
identificado e de fácil acesso, aberto ao público e pronto para atender o cidadão.

Compete a cada estado e município, em legislação própria, obedecidas as


normas gerais estabelecidas na LAI, definir regras específicas quanto à criação
e funcionamento do Serviço de Informação ao Cidadão (art. 45 da LAI).

∀#∃%&∋() ...

+) ∃Μ)∀,+.0,1&) +, #∀,−−) Ω .1Λ)Μ0#ΝΠ)

−Α;<7 .

+7 ∃Α>4>7 >Α #?Α∆∆7

∀234 χγ4 Ξ≅:ΦΡ≅Α8 45ΒΑ8Α∆∆:>7 Γ7>Α8Ψ :Γ8Α∆Α5Β:8 ΓΑ>4>7 >Α :?Α∆∆9 Α =?Ε92>ΑΗΣ;7 Α97 _2ΧΙ97
; ;?3=<Α<;7 2;Ε;2=<97 ?9 Α234 χ9 <;73Α ∋;=Τ 892 Ξ∆ΑΦΞ∆;2 >;=9 Φ;ΧΚ3=>9Τ >ΑςΑ5>7 7 ΓΑ>4>7 ?75ΒΑ8 :
4>Α5Β464?:;<7 >7 8ΑΡ≅Α8Α5ΒΑ Α : Α∆ΓΑ?464?:;<7 >: 456789:;<7 8ΑΡ≅Α84>:Ζ

[ ∴] #Α2Α 9 Α:;779 Α =?Ε92>ΑΗΣ;7 <; =?3;2;77; 8ΝΛΦ=:9Τ Α =<;?3=Ε=:ΑΗΙ9 <9 2;Ξ∆;2;?3; ?Ι9 89<;
:9?3;2 ;ϑ=Χς?:=Α7 Ξ∆; =?≅=ΑΛ=Φ=Ο;> Α 79Φ=:=3ΑΗΙ94

β ⊥] )∆ Κ8Ε<7∆ Α Α5Β4>:>Α∆ >7 Γ7>Α8 ΓΥΗΦ4?7 >ΑςΑ9 ς4:Η4Φ4ϑ:8 :ΦΒΑ85:Β4ς: <; ;?:Α>=?ΨΑ>;?39
<; 8;<=<97 <; Α:;779 Γ78 9Α47 >Α ∆Α≅∆ ∆_Β47∆ 764?4:4∆ 5: 45ΒΑ85ΑΒΖ

[ ] −<7 ςΑ>:>:∆ Ρ≅:4∆Ρ≅Α8 Αα4Εβ5?4:∆ 8ΑΦ:Β4ς:∆ :7∆ 97Β4ς7∆ >ΑΒΑ8945:5ΒΑ∆ >: ∆7Φ4?4Β:;<7
>Α 456789:;ΤΑ∆ >Α 45ΒΑ8Α∆∆Α ΓΥΗΦ4?7Ζ

Veja que agora não estamos mais falando das informações que devem ser
obrigatoriamente oferecidas pelo Poder Público, independentemente de
requerimento (transparência ativa). Agora estamos falando de como deve ser
um pedido de acesso à informação, em que o órgão ou entidade pública são
passivos, ou seja, são provocados por alguém – pessoa natural(física) ou
jurídica.

E o que é a Transparência Passiva?


Assim como estabelece mecanismos da chamada “Transparência Ativa”, a LAI e
Decreto 7.724 (arts. 9 a 24) estabelecem procedimentos e ações a serem
realizados pelos órgãos e entidades públicas de forma a garantir o atendimento.
A “Transparência Passiva” ocorre quando algum órgão ou ente é demandado

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 44 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

pela sociedade a prestar informações que sejam de interesse geral ou


coletivo, desde que não sejam resguardadas por sigilo.

Qualquer interessado poderá apresentar pedido de acesso a informações


por qualquer meio legítimo, devendo o pedido conter:

i) a identificação do requerente;
ii) e a especificação da informação requerida.

Ou seja, você precisa se identificar e detalhar, especificar o que deseja. Mas em


casos de informações de interesse público a identificação do requerente não
pode ser “abusiva”, ou seja, ser usada de forma a pedir dados demais que
dificultem o acesso às informações.

Art. 13. Não serão atendidos pedidos de acesso à informação:

I - genéricos;

II - desproporcionais ou desarrazoados; ou

III - que exijam trabalhos adicionais de análise, interpretação ou


consolidação de dados e informações, ou serviço de produção ou tratamento de
dados que não seja de competência do órgão ou entidade.

Art. 14. São vedadas exigências relativas aos motivos do pedido de acesso
à informação.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 45 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

Da mesma forma que o a pessoa jurídica ou física (natural) não tem que dar
satisfação do porquê ela estar pedindo o acesso à informação ela também tem
obrigações, como não pedir nada genérico, desproporcional ou desarrazoados. Ou
seja, não pode ser um pedido vago e nem algo em sentido. Quer um exemplo?
Tive uma ideia maluca aqui. Vou pedir a seguinte informação:

Quero saber quantos pregos foram usados para construir o prédio sede da
Presidência da República. Isso é totalmente desproporcional e desarrazoado. O
meu pedido, insano, não será atendido.

∀234 χχ4 ( _2ΧΙ9 9∆ ;?3=<Α<; 8ΝΛΦ=:Α <;≅;2Μ Α∆392=ΟΑ2 9∆ :9?:;<;2 9 Α:;779 =>;<=Α39 Γ =?Ε92>ΑΗΙ9
<=789?Κ≅;Φ4

β χ9 κΙ9 7;?<9 8977Κ≅;Φ :9?:;<;2 9 Α:;779 =>;<=Α39Τ ?Α Ε92>Α <=78973Α ?9 :Α8∆3Τ 9 _2ΧΙ9 9∆
;?3=<Α<; Ξ∆; 2;:;Λ;2 9 8;<=<9 <;≅;2ΜΤ ;> 82ΑΟ9 ?Ι9 7∆8;2=92 Α δγ η≅=?3;α <=Α7Π

∗ Β :9>∆?=:Α2 Α <Α3ΑΤ Φ9:ΑΦ ; >9<9 8Α2Α 7; 2;ΑΦ=ΟΑ2 Α :9?7∆Φ3ΑΤ ;Ε;3∆Α2 Α 2;829<∆ΗΙ9 9∆ 9Λ3;2 Α
:;23=<Ι9Ρ

∗∗ Β =?<=:Α2 Α7 2ΑΟΣ;7 <; ΕΑ39 9∆ <; <=2;=39 <Α 2;:∆7ΑΤ 393ΑΦ 9∆ 8Α2:=ΑΦΤ <9 Α:;779 82;3;?<=<9Ρ 9∆

∗∗∗ Β :9>∆?=:Α2 Ξ∆; ?Ι9 8977∆= Α =?Ε92>ΑΗΙ9Τ =?<=:Α2Τ 7; Ε92 <9 7;∆ :9?Ψ;:=>;?39Τ 9 _2ΧΙ9 9∆ Α
;?3=<Α<; Ξ∆; Α <;3]>Τ 9∆Τ Α=?<ΑΤ 2;>;3;2 9 2;Ξ∆;2=>;?39 Α ;77; _2ΧΙ9 9∆ ;?3=<Α<;Τ :=;?3=Ε=:Α?<9 9
=?3;2;77Α<9 <Α 2;>;77Α <; 7;∆ 8;<=<9 <; =?Ε92>ΑΗΙ94

β δ6 ( 82ΑΟ9 2;Ε;2=<9 ?9 β χ6 89<;2Μ 7;2 829229ΧΑ<9 892 >Α=7 χγ η<;Οα <=Α7Τ >;<=Α?3; Ζ∆73=Ε=:Α3=≅Α
;ϑ82;77ΑΤ <Α Ξ∆ΑΦ 7;2Μ :=;?3=Ε=:Α<9 9 2;Ξ∆;2;?3;4

β 56 ,;> 82;Ζ∆ΚΟ9 <Α 7;Χ∆2Α?ΗΑ ; <Α 8293;ΗΙ9 <Α7 =?Ε92>ΑΗΣ;7 ; <9 :∆>82=>;?39 <Α Φ;Χ=7ΦΑΗΙ9
Α8Φ=:Μ≅;ΦΤ 9 _2ΧΙ9 9∆ ;?3=<Α<; 89<;2Μ 9Ε;2;:;2 >;=97 8Α2Α Ξ∆; 9 82_82=9 2;Ξ∆;2;?3; 8977Α 8;7Ξ∆=7Α2
Α =?Ε92>ΑΗΙ9 <; Ξ∆; ?;:;77=3Α24

β Ω6 ε∆Α?<9 ?Ι9 Ε92 Α∆392=ΟΑ<9 9 Α:;779 892 7; 32Α3Α2 <; =?Ε92>ΑΗΙ9 393ΑΦ 9∆ 8Α2:=ΑΦ>;?3; 7=Χ=Φ97ΑΤ
9 2;Ξ∆;2;?3; <;≅;2Μ 7;2 =?Ε92>Α<9 79Λ2; Α 8977=Λ=Φ=<Α<; <; 2;:∆279Τ 82ΑΟ97 ; :9?<=ΗΣ;7 8Α2Α 7∆Α
=?3;2897=ΗΙ9Τ <;≅;?<9Τ Α=?<ΑΤ 7;2ΒΦΨ; =?<=:Α<Α Α Α∆392=<Α<; :9>8;3;?3; 8Α2Α 7∆Α Α82;:=ΑΗΙ94

β φ6 ∀ =?Ε92>ΑΗΙ9 Α2>ΑΟ;?Α<Α ;> Ε92>Α39 <=Χ=3ΑΦ 7;2Μ Ε92?;:=<Α ?;77; Ε92>Α39Τ :Α79 ΨΑΖΑ Α?∆ς?:=Α
<9 2;Ξ∆;2;?3;4

[ χ] ∀:∆7 : 456789:;<7 ∆7Φ4?4Β:>: Α∆ΒΑδ: >4∆Γ75_ςΑΦ :7 ΓΥΗΦ4?7 Α9 6789:Β7 49Γ8Α∆∆7Σ


ΑΦΑΒ8ε54?7 7≅ Α9 Ρ≅:ΦΡ≅Α8 7≅Β87 9Α47 >Α :?Α∆∆7 ≅54ςΑ8∆:ΦΣ ∆Α8<7 456789:>7∆ :7 8ΑΡ≅Α8Α5ΒΑΣ
Γ78 Α∆?84Β7Σ 7 Φ≅Ε:8 Α : 6789: ΓΑΦ: Ρ≅:Φ ∆Α Γ7>Α8Ψ ?75∆≅ΦΒ:8Σ 7ΗΒΑ8 7≅ 8ΑΓ87>≅ϑ48 : 8Α6Α84>:
456789:;<7Σ Γ87?Α>49Α5Β7 Α∆∆Α Ρ≅Α >Α∆75Α8:8Ψ 7 Κ8Ε<7 7≅ Α5Β4>:>Α ΓΥΗΦ4?: >: 7Η84Ε:;<7
>Α ∆Α≅ 6785Α?49Α5Β7 >48ΑΒ7Τ 7ΑΦ≅9 7; 9 2;Ξ∆;2;?3; <;:ΦΑ2Α2 ?Ι9 <=7892 <; >;=97 8Α2Α 2;ΑΦ=ΟΑ2 892
7= >;7>9 3Α=7 829:;<=>;?3974

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 46 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

Esse artigo é muito importante!! Aparece bem nas provas. O ideal é que órgão
ou entidade pública conceda o acesso à informação de forma imediata. Mas nem
sempre isso é possível.

Nesses casos, a Lei estipula o prazo para resposta de até 20 (vinte) dias
corridos, prorrogáveis por mais 10 (dez) dias corridos, desde que justificada a
prorrogação, mediante justificativa encaminhada ao requerente antes do término
do prazo inicial de vinte dias (Decreto 7.724, art. 16)

Ou seja: o prazo máximo é de até 30 dias corridos (20 + 10)! Fique atento aos
detalhes.

O que tem sido mais cobrado são os prazos, mas não deixe de ler os demais
parágrafos.

Veja que caso a Informação solicitada já esteja disponível ao


público, não fará sentido gastar, dinheiro público, designando um
servidor para responder algo que já está disponível e acessível a todos. Faz
sentido e está disciplinado no art. 11, § 6° da LAi e no art. 17 , § único do
Decreto 7724/2012.

∀234 χδ4 ( ∆Α8ς4;7 >Α Η≅∆?: Α 6785Α?49Α5Β7 >: 456789:;<7 φ Ε8:Β≅4Β7Τ 7ΑΦ≅9 ?Α7 Ψ=8_3;7;7 <;
2;829<∆ΗΙ9 <; <9:∆>;?397 8;Φ9 _2ΧΙ9 9∆ ;?3=<Α<; 8ΝΛΦ=:Α :9?7∆Φ3Α<ΑΤ 7=3∆ΑΗΙ9 ;> Ξ∆; 89<;2Μ 7;2
:9Λ2Α<9 ;ϑ:Φ∆7=≅Α>;?3; 9 ≅ΑΦ92 ?;:;77Μ2=9 Α9 2;77Α2:=>;?39 <9 :∆739 <97 7;2≅=Η97 ; <97 >Α3;2=Α=7
∆3=Φ=ΟΑ<974

#Α2ΜΧ2ΑΕ9 Ν?=:94 ,∆Β:8Ψ 4∆Α5Β7 >Α 8Α∆∆:8?48 7∆ ?≅∆Β7∆ Γ8Ας4∆Β7∆ 57 ?:Γ≅Β Β7>7 :Ρ≅ΑΦΑ ?≅δ:
∆4Β≅:;<7 Α?75ε94?: 5<7 ΦγΑ ΓΑ894Β: 6:ϑβΧΦ7 7;> 82;Ζ∆ΚΟ9 <9 7∆73;?39 82_82=9 9∆ <Α ΕΑ>ΚΦ=ΑΤ
<;:ΦΑ2Α<Α ?97 3;2>97 <Α ∀#∃ %& ∋())∗+ ,# −. ,# /0&12& ,# ).34(

Esse artigo fala da gratuidade do serviço de busca e fornecimento da informação.


Só é preciso pagar se cópias forem necessárias. E se o requerente comprovar
não ter condições financeiras, ficará isento de cobrança financeira.

∀234 χ54 ε∆Α?<9 7; 32Α3Α2 <; Α:;779 Γ =?Ε92>ΑΗΙ9 :9?3=<Α ;> <9:∆>;?39 :∆ΖΑ >Α?=8∆ΦΑΗΙ9 8977Α
82;Ζ∆<=:Α2 7∆Α =?3;Χ2=<Α<;Τ <;≅;2Μ 7;2 9Ε;2;:=<Α Α :9?7∆Φ3Α <; :_8=ΑΤ :9> :;23=Ε=:ΑΗΙ9 <; Ξ∆; ;73Α
:9?Ε;2; :9> 9 92=Χ=?ΑΦ4

#Α2ΜΧ2ΑΕ9 Ν?=:94 κΑ =>8977=Λ=Φ=<Α<; <; 9Λ3;?ΗΙ9 <; :_8=Α7Τ 9 =?3;2;77Α<9 89<;2Μ 79Φ=:=3Α2 Ξ∆;Τ Α
7∆Α7 ;ϑ8;?7Α7 ; 79Λ 7∆8;2≅=7Ι9 <; 7;2≅=<92 8ΝΛΦ=:9Τ Α 2;829<∆ΗΙ9 7;ΖΑ Ε;=3Α 892 9∆329 >;=9 Ξ∆; ?Ι9
89?ΨΑ ;> 2=7:9 Α :9?7;2≅ΑΗΙ9 <9 <9:∆>;?39 92=Χ=?ΑΦ4

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 47 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

β χ9 ( 2;:∆279 82;≅=739 ?;73; Α23=Χ9 79>;?3; 89<;2Μ 7;2 <=2=Χ=<9 Γ !9?329ΦΑ<92=ΑΒ0;2ΑΦ <Α &?=Ι9
<;89=7 <; 7∆Λ>;3=<9 Γ Α82;:=ΑΗΙ9 <; 8;Φ9 >;?97 ∆>Α Α∆392=<Α<; Ψ=;2Α2Ξ∆=:Α>;?3; 7∆8;2=92 ΓΞ∆;ΦΑ
Ξ∆; ;ϑΑ29∆ Α <;:=7Ι9 =>8∆Χ?Α<ΑΤ Ξ∆; <;Φ=Λ;2Α2Μ ?9 82ΑΟ9 <; φ η:=?:9α <=Α74

β δ9 Υ;2=Ε=:Α<Α Α 829:;<ς?:=Α <Α7 2ΑΟΣ;7 <9 2;:∆279Τ Α !9?329ΦΑ<92=ΑΒ0;2ΑΦ <Α &?=Ι9 <;3;2>=?Α2Μ
Α9 _2ΧΙ9 9∆ ;?3=<Α<; Ξ∆; Α<93; Α7 829≅=<ς?:=Α7 ?;:;77Μ2=Α7 8Α2Α <Α2 :∆>82=>;?39 Α9 <=789739
?;73Α ∋;=4

β 56 κ;ΧΑ<9 9 Α:;779 Γ =?Ε92>ΑΗΙ9 8;ΦΑ !9?329ΦΑ<92=ΑΒ0;2ΑΦ <Α &?=Ι9Τ 89<;2Μ 7;2 =?3;289739
2;:∆279 Γ !9>=77Ι9 µ=73Α <; 1;Α≅ΑΦ=ΑΗΙ9 <; ∗?Ε92>ΑΗΣ;7Τ Α Ξ∆; 7; 2;Ε;2; 9 Α234 5φ4

∀234 χ4 κ9 :Α79 <; =?<;Ε;2=>;?39 <; 8;<=<9 <; <;7:ΦΑ77=Ε=:ΑΗΙ9 <; =?Ε92>ΑΗΙ9 82939:9ΦΑ<9 ;>
_2ΧΙ9 <Α Α<>=?=732ΑΗΙ9 8ΝΛΦ=:Α Ε;<;2ΑΦΤ 89<;2Μ 9 2;Ξ∆;2;?3; 2;:922;2 Α9 µ=?=7329 <; /73Α<9 <Α Μ2;ΑΤ
7;> 82;Ζ∆ΚΟ9 <Α7 :9>8;3ς?:=Α7 <Α !9>=77Ι9 µ=73Α <; 1;Α≅ΑΦ=ΑΗΙ9 <; ∗?Ε92>ΑΗΣ;7Τ 82;≅=73Α7 ?9
Α234 5φΤ ; <9 <=789739 ?9 Α234 χ⊥4

β χ6 ( 2;:∆279 82;≅=739 ?;73; Α23=Χ9 79>;?3; 89<;2Μ 7;2 <=2=Χ=<9 Γ7 Α∆392=<Α<;7 >;?:=9?Α<Α7
<;89=7 <; 7∆Λ>;3=<9 Γ Α82;:=ΑΗΙ9 <; 8;Φ9 >;?97 ∆>Α Α∆392=<Α<; Ψ=;2Α2Ξ∆=:Α>;?3; 7∆8;2=92 Γ
Α∆392=<Α<; Ξ∆; ;ϑΑ29∆ Α <;:=7Ι9 =>8∆Χ?Α<Α ;Τ ?9 :Α79 <Α7 ο92ΗΑ7 ∀2>Α<Α7Τ Α9 2;78;:3=≅9
!9>Α?<94

β δ6 ∗?<;Ε;2=<9 9 2;:∆279 82;≅=739 ?9 :Α8∆3 Ξ∆; 3;?ΨΑ :9>9 9ΛΖ;39 Α <;7:ΦΑ77=Ε=:ΑΗΙ9 <; =?Ε92>ΑΗΙ9
7;:2;3Α 9∆ ∆Φ32Α77;:2;3ΑΤ :ΑΛ;2Μ 2;:∆279 Γ !9>=77Ι9 µ=73Α <; 1;Α≅ΑΦ=ΑΗΙ9 <; ∗?Ε92>ΑΗΣ;7 82;≅=73Α
?9 Α234 5φ4

∀234 χι4 (7 829:;<=>;?397 <; 2;≅=7Ι9 <; <;:=7Σ;7 <;?;ΧΑ3_2=Α7 829Ε;2=<Α7 ?9 2;:∆279 82;≅=739 ?9
Α234 χφ ; <; 2;≅=7Ι9 <; :ΦΑ77=Ε=:ΑΗΙ9 <; <9:∆>;?397 7=Χ=Φ9797 7;2Ι9 9ΛΖ;39 <; 2;Χ∆ΦΑ>;?3ΑΗΙ9
82_82=Α <97 #9<;2;7 ∋;Χ=7ΦΑ3=≅9 ; π∆<=:=Μ2=9 ; <9 µ=?=73]2=9 #ΝΛΦ=:9Τ ;> 7;∆7 2;78;:3=≅97
Θ>Λ=397Τ Α77;Χ∆2Α<9 Α9 79Φ=:=3Α?3;Τ ;> Ξ∆ΑΦΞ∆;2 :Α79Τ 9 <=2;=39 <; 7;2 =?Ε92>Α<9 79Λ2; 9 Α?<Α>;?39
<; 7;∆ 8;<=<94

∀234 χλ4 ηΥ/%∀+(α4

β χ9 ηΥ/%∀+(α4

β δ9 (7 _2ΧΙ97 <9 #9<;2 π∆<=:=Μ2=9 ; <9 µ=?=73]2=9 #ΝΛΦ=:9 =?Ε92>Α2Ι9 Α9 !9?7;ΦΨ9 κΑ:=9?ΑΦ <;
π∆73=ΗΑ ; Α9 !9?7;ΦΨ9 κΑ:=9?ΑΦ <9 µ=?=73]2=9 #ΝΛΦ=:9Τ 2;78;:3=≅Α>;?3;Τ Α7 <;:=7Σ;7 Ξ∆;Τ ;> Χ2Α∆
<; 2;:∆279Τ ?;ΧΑ2;> Α:;779 Α =?Ε92>ΑΗΣ;7 <; =?3;2;77; 8ΝΛΦ=:94

∀234 δγ4 ∀8Φ=:ΑΒ7; 7∆Λ7=<=Α2=Α>;?3;Τ ?9 Ξ∆; :9∆Λ;2Τ Α ∀#∃ %& .(∋35+ ,# −. ,# 6/%#∃7& ,# )...Τ Α9
829:;<=>;?39 <; Ξ∆; 32Α3Α ;73; !Α8Κ3∆Φ94

Eu não priorizaria esse tema, mas ter uma visão geral, é importante. Vamos
recorrer à cartilha da CGU, com um bom exemplo.

De acordo com a LAI e o Decreto 7.724/2012 (art. 21), o solicitante de


informação pública pode entrar com recurso em dois casos:

i) Quando há negativa de acesso à informação;


ii) Quando não há a motivação obrigatória da negativa de acesso.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 49 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

2011, que deverá se manifestar no prazo de cinco dias, contado do


recebimento da reclamação.

§ 1o O prazo para apresentar reclamação começará trinta dias após a


apresentação do pedido.

§ 2o A autoridade máxima do órgão ou entidade poderá designar outra


autoridade que lhe seja diretamente subordinada como responsável pelo
recebimento e apreciação da reclamação.

Art. 23. Desprovido o recurso de que trata o parágrafo único do art. 21 ou


infrutífera a reclamação de que trata o art. 22, poderá o requerente apresentar
recurso no prazo de dez dias, contado da ciência da decisão, à Controladoria-
Geral da União, que deverá se manifestar no prazo de cinco dias, contado do
recebimento do recurso.

∀#∃%&∋() .∗

+#− Μ,−&Μ.ΝΟ,− +, #∀,−−) Ω .1Λ)Μ0#ΝΠ)

−Α;<7 .

+4∆Γ7∆4;ΤΑ∆ /Α8:4∆

∀234 δχ4 κΙ9 89<;2Μ 7;2 ?;ΧΑ<9 Α:;779 Γ =?Ε92>ΑΗΙ9 ?;:;77Μ2=Α Γ 3∆3;ΦΑ Ζ∆<=:=ΑΦ 9∆ Α<>=?=732Α3=≅Α
<; <=2;=397 Ε∆?<Α>;?3Α=74

#Α2ΜΧ2ΑΕ9 Ν?=:94 ∀7 =?Ε92>ΑΗΣ;7 9∆ <9:∆>;?397 Ξ∆; ≅;27;> 79Λ2; :9?<∆3Α7 Ξ∆; =>8Φ=Ξ∆;>
≅=9ΦΑΗΙ9 <97 <=2;=397 Ψ∆>Α?97 82Α3=:Α<Α 892 ΑΧ;?3;7 8ΝΛΦ=:97 9∆ Α >Α?<9 <; Α∆392=<Α<;7 8ΝΛΦ=:Α7
?Ι9 89<;2Ι9 7;2 9ΛΖ;39 <; 2;732=ΗΙ9 <; Α:;7794

∀234 δδ4 ( <=789739 ?;73Α ∋;= ?Ι9 ;ϑ:Φ∆= Α7 <;>Α=7 Ψ=8_3;7;7 Φ;ΧΑ=7 <; 7=Χ=Φ9 ; <; 7;Χ2;<9 <; Ζ∆73=ΗΑ
?;> Α7 Ψ=8_3;7;7 <; 7;Χ2;<9 =?<∆732=ΑΦ <;:922;?3;7 <Α ;ϑ8Φ92ΑΗΙ9 <=2;3Α <; Α3=≅=<Α<; ;:9?∴>=:Α
8;Φ9 /73Α<9 9∆ 892 8;779Α ΕΚ7=:Α 9∆ ;?3=<Α<; 82=≅Α<Α Ξ∆; 3;?ΨΑ Ξ∆ΑΦΞ∆;2 ≅Κ?:∆Φ9 :9> 9 89<;2
8ΝΛΦ=:94

Se a informação for necessária à tutela judicial ou administrativa de direitos


fundamentais, seu acesso não poderá ser negado. Note que os direitos
fundamentais estão elencados na Constituição Federal. Não se preocupe em
saber quais são, pois não são cobrados em Arquivologia.

Se houver informações sobre violação de direitos humanos cometida por agentes


públicos ou a mando de autoridades públicas, não poderá haver restrição de
acesso à informação. Note:
E algo grave: violação de direitos humanos. Não poderia ser usado o sigilo para
acobertar crimes.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 51 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

No Decreto 7.724/2012, você vê o mesmo texto nos artigos 41 e 42.

−Α;<7 ..

+: ∀Φ:∆∆464?:;<7 >: .56789:;<7 Ρ≅:5Β7 :7 /8:≅ Α ∃8:ϑ7∆ >Α −4Ε4Φ7

#8ΒΖ ⊥Ζ −<7 ?75∆4>Α8:>:∆ 49Γ8Α∆?45>_ςΑ4∆ Θ ∆ΑΕ≅8:5;: >: ∆7?4Α>:>Α 7≅ >7 ,∆Β:>7 ΑΣ
Γ78Β:5Β7Σ Γ:∆∆_ςΑ4∆ >Α ?Φ:∆∆464?:;<7 :∆ 456789:;ΤΑ∆ ?≅δ: >4ς≅ΦΕ:;<7 7≅ :?Α∆∆7 488Α∆Β84Β7
Γ7∆∆:9=

∗ Β 8∴2 ;> 2=7:9 Α <;Ε;7Α ; Α 79Λ;2Α?=Α ?Α:=9?Α=7 9∆ Α =?3;Χ2=<Α<; <9 3;22=3_2=9 ?Α:=9?ΑΦΡ

∗∗ Β 82;Ζ∆<=:Α2 9∆ 8∴2 ;> 2=7:9 Α :9?<∆ΗΙ9 <; ?;Χ9:=ΑΗΣ;7 9∆ Α7 2;ΦΑΗΣ;7 =?3;2?Α:=9?Α=7 <9 #ΑΚ7Τ
9∆ Α7 Ξ∆; 3;?ΨΑ> 7=<9 Ε92?;:=<Α7 ;> :Α2Μ3;2 7=Χ=Φ979 892 9∆3297 /73Α<97 ; 92ΧΑ?=7>97
=?3;2?Α:=9?Α=7Ρ

∗∗∗ Β 8∴2 ;> 2=7:9 Α ≅=<ΑΤ Α 7;Χ∆2Α?ΗΑ 9∆ Α 7ΑΝ<; <Α 898∆ΦΑΗΙ9Ρ

∗Υ Β 9Ε;2;:;2 ;Φ;≅Α<9 2=7:9 Γ ;73ΑΛ=Φ=<Α<; Ε=?Α?:;=2ΑΤ ;:9?∴>=:Α 9∆ >9?;3Μ2=Α <9 #ΑΚ7Ρ

Υ Β 82;Ζ∆<=:Α2 9∆ :Α∆7Α2 2=7:9 Α 8ΦΑ?97 9∆ 98;2ΑΗΣ;7 ;732Α3]Χ=:97 <Α7 ο92ΗΑ7 ∀2>Α<Α7Ρ

Υ∗ Β 82;Ζ∆<=:Α2 9∆ :Α∆7Α2 2=7:9 Α 829Ζ;397 <; 8;7Ξ∆=7Α ; <;7;?≅9Φ≅=>;?39 :=;?3ΚΕ=:9 9∆ 3;:?9Φ_Χ=:9Τ


Α77=> :9>9 Α 7=73;>Α7Τ Λ;?7Τ =?73ΑΦΑΗΣ;7 9∆ Μ2;Α7 <; =?3;2;77; ;732Α3]Χ=:9 ?Α:=9?ΑΦΡ

Υ∗∗ Β 8∴2 ;> 2=7:9 Α 7;Χ∆2Α?ΗΑ <; =?73=3∆=ΗΣ;7 9∆ <; ΑΦ3Α7 Α∆392=<Α<;7 ?Α:=9?Α=7 9∆ ;732Α?Χ;=2Α7 ;
7;∆7 ΕΑ>=Φ=Α2;7Ρ 9∆

Υ∗∗∗ Β :9>829>;3;2 Α3=≅=<Α<;7 <; =?3;Φ=Χς?:=ΑΤ Λ;> :9>9 <; =?≅;73=ΧΑΗΙ9 9∆ Ε=7:ΑΦ=ΟΑΗΙ9 ;>
Α?<Α>;?39Τ 2;ΦΑ:=9?Α<Α7 :9> Α 82;≅;?ΗΙ9 9∆ 2;82;77Ι9 <; =?Ε2ΑΗΣ;74

∀234 δΩ4 ∀ =?Ε92>ΑΗΙ9 ;> 89<;2 <97 _2ΧΙ97 ; ;?3=<Α<;7 8ΝΛΦ=:Α7Τ 9Λ7;2≅Α<9 9 7;∆ 3;92 ; ;> 2ΑΟΙ9
<; 7∆Α =>82;7:=?<=Λ=Φ=<Α<; Γ 7;Χ∆2Α?ΗΑ <Α 79:=;<Α<; 9∆ <9 /73Α<9Τ 89<;2Μ 7;2 :ΦΑ77=Ε=:Α<Α :9>9
∆Φ32Α77;:2;3ΑΤ 7;:2;3Α 9∆ 2;7;2≅Α<Α4

β χ6 (7 82ΑΟ97 >Μϑ=>97 <; 2;732=ΗΙ9 <; Α:;779 Γ =?Ε92>ΑΗΙ9Τ :9?Ε92>; Α :ΦΑ77=Ε=:ΑΗΙ9 82;≅=73Α
?9 :Α8∆3Τ ≅=Χ92Α> Α 8Α23=2 <Α <Α3Α <; 7∆Α 829<∆ΗΙ9 ; 7Ι9 97 7;Χ∆=?3;7Π

∗ Β ∆Φ32Α77;:2;3ΑΠ δφ η≅=?3; ; :=?:9α Α?97Ρ

∗∗ Β 7;:2;3ΑΠ χφ ηΞ∆=?Ο;α Α?97Ρ ;

∗∗∗ Β 2;7;2≅Α<ΑΠ φ η:=?:9α Α?974

β δ6 ∀7 =?Ε92>ΑΗΣ;7 Ξ∆; 8∆<;2;> :9Φ9:Α2 ;> 2=7:9 Α 7;Χ∆2Α?ΗΑ <9 #2;7=<;?3; ; Υ=:;Β#2;7=<;?3;
<Α 1;8ΝΛΦ=:Α ; 2;78;:3=≅97 :∴?Ζ∆Χ;7 ; Ε=ΦΨ97ηΑ7α 7;2Ι9 :ΦΑ77=Ε=:Α<Α7 :9>9 2;7;2≅Α<Α7 ; Ε=:Α2Ι9 79Λ
7=Χ=Φ9 Α3] 9 3]2>=?9 <9 >Α?<Α39 ;> ;ϑ;2:Κ:=9 9∆ <9 ΝΦ3=>9 >Α?<Α39Τ ;> :Α79 <; 2;;Φ;=ΗΙ94

β 56 ∀Φ3;2?Α3=≅Α>;?3; Α97 82ΑΟ97 82;≅=7397 ?9 β χ9Τ 89<;2Μ 7;2 ;73ΑΛ;Φ;:=<Α :9>9 3;2>9 Ε=?ΑΦ <;
2;732=ΗΙ9 <; Α:;779 Α 9:922ς?:=Α <; <;3;2>=?Α<9 ;≅;?39Τ <;7<; Ξ∆; ;73; 9:922Α Α?3;7 <9 32Α?7:∆279
<9 82ΑΟ9 >Μϑ=>9 <; :ΦΑ77=Ε=:ΑΗΙ94

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 52 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

∗ Β ?9 Χ2Α∆ <; ∆Φ32Α77;:2;39Τ <Α7 7;Χ∆=?3;7 Α∆392=<Α<;7Π

Αα #2;7=<;?3; <Α 1;8ΝΛΦ=:ΑΡ

Λα Υ=:;Β#2;7=<;?3; <Α 1;8ΝΛΦ=:ΑΡ

:α µ=?=73297 <; /73Α<9 ; Α∆392=<Α<;7 :9> Α7 >;7>Α7 82;229ΧΑ3=≅Α7Ρ

<α !9>Α?<Α?3;7 <Α µΑ2=?ΨΑΤ <9 /ϑ]2:=39 ; <Α ∀;29?Μ∆3=:ΑΡ ;

;α !Ψ;Ε;7 <; µ=77Σ;7 +=8Φ9>Μ3=:Α7 ; !9?7∆ΦΑ2;7 8;2>Α?;?3;7 ?9 ;ϑ3;2=92Ρ

∗∗ Β ?9 Χ2Α∆ <; 7;:2;39Τ <Α7 Α∆392=<Α<;7 2;Ε;2=<Α7 ?9 =?:=79 ∗Τ <97 3=3∆ΦΑ2;7 <; Α∆3Α2Ξ∆=Α7Τ Ε∆?<ΑΗΣ;7
9∆ ;>82;7Α7 8ΝΛΦ=:Α7 ; 79:=;<Α<;7 <; ;:9?9>=Α >=73ΑΡ ;

∗∗∗ Β ?9 Χ2Α∆ <; 2;7;2≅Α<9Τ <Α7 Α∆392=<Α<;7 2;Ε;2=<Α7 ?97 =?:=797 ∗ ; ∗∗ ; <Α7 Ξ∆; ;ϑ;2ΗΑ> Ε∆?ΗΣ;7
<; <=2;ΗΙ9Τ :9>Α?<9 9∆ :Ψ;Ε=ΑΤ ?Κ≅;Φ +∀, χγχ4φΤ 9∆ 7∆8;2=92Τ <9 02∆89Β+=2;ΗΙ9 ; ∀77;7792Α>;?39
,∆8;2=92;7Τ 9∆ <; Ψ=;2Α2Ξ∆=Α ;Ξ∆=≅ΑΦ;?3;Τ <; Α:92<9 :9> 2;Χ∆ΦΑ>;?3ΑΗΙ9 ;78;:ΚΕ=:Α <; :Α<Α _2ΧΙ9
9∆ ;?3=<Α<;Τ 9Λ7;2≅Α<9 9 <=789739 ?;73Α ∋;=4

β χ6 ∀ :9>8;3ς?:=Α 82;≅=73Α ?97 =?:=797 ∗ ; ∗∗Τ ?9 Ξ∆; 7; 2;Ε;2; Γ :ΦΑ77=Ε=:ΑΗΙ9 :9>9 ∆Φ32Α77;:2;3Α ;
7;:2;3ΑΤ 89<;2Μ 7;2 <;Φ;ΧΑ<Α 8;ΦΑ Α∆392=<Α<; 2;789?7Μ≅;Φ Α ΑΧ;?3; 8ΝΛΦ=:9Τ =?:Φ∆7=≅; ;> >=77Ι9
?9 ;ϑ3;2=92Τ ≅;<Α<Α Α 7∆Λ<;Φ;ΧΑΗΙ94

β δ6 ∀ :ΦΑ77=Ε=:ΑΗΙ9 <; =?Ε92>ΑΗΙ9 ?9 Χ2Α∆ <; 7=Χ=Φ9 ∆Φ32Α77;:2;39 8;ΦΑ7 Α∆392=<Α<;7 82;≅=73Α7 ?Α7
ΑΦΚ?;Α7 θ<ρ ; θ;ρ <9 =?:=79 ∗ <;≅;2Μ 7;2 2Α3=Ε=:Α<Α 8;Φ97 2;78;:3=≅97 µ=?=73297 <; /73Α<9Τ ?9 82ΑΟ9
82;≅=739 ;> 2;Χ∆ΦΑ>;?394

β 56 ∀ Α∆392=<Α<; 9∆ 9∆329 ΑΧ;?3; 8ΝΛΦ=:9 Ξ∆; :ΦΑ77=Ε=:Α2 =?Ε92>ΑΗΙ9 :9>9 ∆Φ32Α77;:2;3Α <;≅;2Μ
;?:Α>=?ΨΑ2 Α <;:=7Ι9 <; Ξ∆; 32Α3Α 9 Α234 δι Γ !9>=77Ι9 µ=73Α <; 1;Α≅ΑΦ=ΑΗΙ9 <; ∗?Ε92>ΑΗΣ;7Τ Α
Ξ∆; 7; 2;Ε;2; 9 Α234 5φΤ ?9 82ΑΟ9 82;≅=739 ;> 2;Χ∆ΦΑ>;?394

Aqui há uma divergência entre a LAI e seu decreto regulamentador:

Resumidamente: a LAI diz que pode haver delegação de classificação nos graus
de sigilo ultrassecreto e secreto e o Decreto 7.724/2011 diz que não pode haver
delegação para esses graus de sigilo!

E agora, Ronaldo? Duvido que a prova entre no meio dessa briga e se entrar,
vai se por distração. Se o enunciado não falar de onde vem a questão (do decreto
ou da lei), siga a lei (pode delegar). Mas vai caber recurso....

Art. 30. A classificação de informação e de competência (...)

§ 1o É vedada a delegação da competência de classificação nos graus


de sigilo ultrassecreto ou secreto.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 55 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

§ 2o O dirigente máximo do órgão ou entidade poderá delegar a competência


para classificação no grau reservado a agente público que exerça função de
direção, comando ou chefia.

§ 3o É vedada a subdelegação da competência de que trata o § 2o.

§ 4o Os agentes públicos referidos no § 2o deverão dar ciência do ato de


classificação à autoridade delegante, no prazo de noventa dias.

§ 5o A classificação de informação no grau ultrassecreto pelas autoridades


previstas nas alíneas “d” e “e” do inciso I do caput deverá ser ratificada pelo
Ministro de Estado, no prazo de trinta dias.

§ 6o Enquanto não ratificada, a classificação de que trata o § 5o considera-


se válida, para todos os efeitos legais.

Ou seja, de acordo com o decreto: não pode haver “transferência” de


responsabilidade dos que devem fazer as classificações de sigilo utrassecreto ou
secreto. Apenas os legitimados (elencados em lei) podem fazer essa
classificação.

Em alguns casos, pode haver delegação, mas apenas para os graus “reservados”
de sigilo. E não pode haver subdelegação, ou seja, não dá para alguém receber
a responsabilidade e depois passar para outro.

−Α;<7 ...

+: ∃87ΒΑ;<7 Α >7 ∀75Β87ΦΑ >Α .56789:;ΤΑ∆ −4Ε4Φ7∆:∆

∀234 δφ4 ϕ <;≅;2 <9 /73Α<9 :9?329ΦΑ2 9 Α:;779 ; Α <=≅∆ΦΧΑΗΙ9 <; =?Ε92>ΑΗΣ;7 7=Χ=Φ97Α7 829<∆Ο=<Α7
892 7;∆7 _2ΧΙ97 ; ;?3=<Α<;7Τ Α77;Χ∆2Α?<9 Α 7∆Α 8293;ΗΙ94 89#0:;/<#%2&=

β χ9 ( Α:;779Τ Α <=≅∆ΦΧΑΗΙ9 ; 9 32Α3Α>;?39 <; =?Ε92>ΑΗΙ9 :ΦΑ77=Ε=:Α<Α :9>9 7=Χ=Φ97Α Ε=:Α2Ι9


2;732=397 Α 8;779Α7 Ξ∆; 3;?ΨΑ> ?;:;77=<Α<; <; :9?Ψ;:ςΒΦΑ ; Ξ∆; 7;ΖΑ> <;≅=<Α>;?3; :2;<;?:=Α<Α7
?Α Ε92>Α <9 2;Χ∆ΦΑ>;?39Τ 7;> 82;Ζ∆ΚΟ9 <Α7 Α32=Λ∆=ΗΣ;7 <97 ΑΧ;?3;7 8ΝΛΦ=:97 Α∆392=ΟΑ<97 892 Φ;=4

β δ9 ( Α:;779 Γ =?Ε92>ΑΗΙ9 :ΦΑ77=Ε=:Α<Α :9>9 7=Χ=Φ97Α :2=Α Α 9Λ2=ΧΑΗΙ9 8Α2Α ΑΞ∆;Φ; Ξ∆; Α 9Λ3;≅;
<; 2;7Χ∆Α2<Α2 9 7=Χ=Φ94

β 59 1;Χ∆ΦΑ>;?39 <=7892Μ 79Λ2; 829:;<=>;?397 ; >;<=<Α7 Α 7;2;> Α<93Α<97 8Α2Α 9 32Α3Α>;?39


<; =?Ε92>ΑΗΙ9 7=Χ=Φ97ΑΤ <; >9<9 Α 8293;ΧςΒΦΑ :9?32Α 8;2<ΑΤ ΑΦ3;2ΑΗΙ9 =?<;≅=<ΑΤ Α:;779Τ 32Α?7>=77Ι9
; <=≅∆ΦΧΑΗΙ9 ?Ι9 Α∆392=ΟΑ<974

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 56 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

∀234 δ⊥4 ∀7 Α∆392=<Α<;7 8ΝΛΦ=:Α7 Α<93Α2Ι9 Α7 829≅=<ς?:=Α7 ?;:;77Μ2=Α7 8Α2Α Ξ∆; 9 8;779ΑΦ Α ;ΦΑ7
7∆Λ92<=?Α<9 Ψ=;2Α2Ξ∆=:Α>;?3; :9?Ψ;ΗΑ Α7 ?92>Α7 ; 9Λ7;2≅; Α7 >;<=<Α7 ; 829:;<=>;?397 <;
7;Χ∆2Α?ΗΑ 8Α2Α 32Α3Α>;?39 <; =?Ε92>ΑΗΣ;7 7=Χ=Φ97Α74

∃:8ΨΕ8:67 Υ54?7Ζ ∀ 8;779Α ΕΚ7=:Α 9∆ ;?3=<Α<; 82=≅Α<Α Ξ∆;Τ ;> 2ΑΟΙ9 <; Ξ∆ΑΦΞ∆;2 ≅Κ?:∆Φ9 :9> 9
89<;2 8ΝΛΦ=:9Τ ;ϑ;:∆3Α2 Α3=≅=<Α<;7 <; 32Α3Α>;?39 <; =?Ε92>ΑΗΣ;7 7=Χ=Φ97Α7 Α<93Α2Μ Α7 829≅=<ς?:=Α7
?;:;77Μ2=Α7 8Α2Α Ξ∆; 7;∆7 ;>82;ΧΑ<97Τ 82;897397 9∆ 2;82;7;?3Α?3;7 9Λ7;2≅;> Α7 >;<=<Α7 ;
829:;<=>;?397 <; 7;Χ∆2Α?ΗΑ <Α7 =?Ε92>ΑΗΣ;7 2;7∆Φ3Α?3;7 <Α Α8Φ=:ΑΗΙ9 <;73Α ∋;=4

Comentários: esse assunto ainda não é o favorito das bancas. E o texto é bem
claro. Recomendo a leitura.

O artigo 26 da LAI fala sobre medidas e procedimentos de segurança para


tratamento de informações sigilosas. E eles estão elencados nos artigos 31 a 34
do Decreto 7.724/2012. Veja os destaques. Está com pouco tempo? Pule essa
parte!

A decisão que classificar a informação em qualquer grau de sigilo


deverá ser formalizada no Termo de Classificação de Informação – TCI.

Art. 32. A autoridade ou outro agente público que classificar


informação no grau ultrassecreto ou secreto deverá encaminhar cópia do
TCI à Comissão Mista de Reavaliação de Informações no prazo de trinta
dias, contado da decisão de classificação ou de ratificação.

Art. 33. Na hipótese de documento que contenha informações classificadas


em diferentes graus de sigilo, será atribuído ao documento tratamento do grau
de sigilo mais elevado, ficando assegurado o acesso às partes não
classificadas por meio de certidão, extrato ou cópia, com ocultação da parte sob
sigilo.

Art. 34. Os órgãos e entidades poderão constituir Comissão Permanente


de Avaliação de Documentos Sigilosos – CPADS (...)

Voltando para a LAI!

∀234 διΖ # ?Φ:∆∆464?:;<7 >Α 456789:;<7 Α9 Ρ≅:ΦΡ≅Α8 Ε8:≅ >Α ∆4Ε4Φ7 >ΑςΑ8Ψ ∆Α8 6789:Φ4ϑ:>: Α9
>Α?4∆<7 Ρ≅Α ?75ΒΑ8ΨΣ 57 9_5497Σ 7∆ ∆ΑΕ≅45ΒΑ∆ ΑΦΑ9Α5Β7∆=

∗ Β :∆∆≅5Β7 79Λ2; 9 Ξ∆ΑΦ ≅;27Α Α =?Ε92>ΑΗΙ9Ρ

∗∗ Β 6≅5>:9Α5Β7 <Α :ΦΑ77=Ε=:ΑΗΙ9Τ 9Λ7;2≅Α<97 97 :2=3]2=97 ;73ΑΛ;Φ;:=<97 ?9 Α234 δΩΡ

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 57 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

∗∗∗ Β 45>4?:;<7 >7 Γ8:ϑ7 >Α ∆4Ε4Φ7Τ :9?3Α<9 ;> Α?97Τ >;7;7 9∆ <=Α7Τ 9∆ <9 ;≅;?39 Ξ∆; <;Ε=?Α 9 7;∆
3;2>9 Ε=?ΑΦΤ :9?Ε92>; Φ=>=3;7 82;≅=7397 ?9 Α234 δΩΡ ;

∗Υ Β 4>Α5Β464?:;<7 <Α Α∆392=<Α<; Ξ∆; Α :ΦΑ77=Ε=:9∆4

#Α2ΜΧ2ΑΕ9 Ν?=:94 ∀ <;:=7Ι9 2;Ε;2=<Α ?9 :Α8∆3 7;2Μ >Α?3=<Α ?9 >;7>9 Χ2Α∆ <; 7=Χ=Φ9 <Α =?Ε92>ΑΗΙ9
:ΦΑ77=Ε=:Α<Α4

∀234 δλ4 ∀ :ΦΑ77=Ε=:ΑΗΙ9 <Α7 =?Ε92>ΑΗΣ;7 7;2Μ 2;Α≅ΑΦ=Α<Α 8;ΦΑ Α∆392=<Α<; :ΦΑ77=Ε=:Α<92Α 9∆ 892
Α∆392=<Α<; Ψ=;2Α2Ξ∆=:Α>;?3; 7∆8;2=92Τ >;<=Α?3; 829≅9:ΑΗΙ9 9∆ <; 9ΕΚ:=9Τ ?97 3;2>97 ; 82ΑΟ97
82;≅=7397 ;> 2;Χ∆ΦΑ>;?39Τ :9> ≅=73Α7 Γ 7∆Α <;7:ΦΑ77=Ε=:ΑΗΙ9 9∆ Γ 2;<∆ΗΙ9 <9 82ΑΟ9 <; 7=Χ=Φ9Τ
9Λ7;2≅Α<9 9 <=789739 ?9 Α234 δΩ4 89#0:;/<#%2&=

β χ6 ( 2;Χ∆ΦΑ>;?39 Α Ξ∆; 7; 2;Ε;2; 9 :Α8∆3 <;≅;2Μ :9?7=<;2Α2 Α7 8;:∆Φ=Α2=<Α<;7 <Α7 =?Ε92>ΑΗΣ;7


829<∆Ο=<Α7 ?9 ;ϑ3;2=92 892 Α∆392=<Α<;7 9∆ ΑΧ;?3;7 8ΝΛΦ=:974

β δ6 κΑ 2;Α≅ΑΦ=ΑΗΙ9 Α Ξ∆; 7; 2;Ε;2; 9 :Α8∆3Τ <;≅;2Ι9 7;2 ;ϑΑ>=?Α<Α7 Α 8;2>Α?ς?:=Α <97 >93=≅97
<9 7=Χ=Φ9 ; Α 8977=Λ=Φ=<Α<; <; <Α?97 <;:922;?3;7 <9 Α:;779 9∆ <Α <=≅∆ΦΧΑΗΙ9 <Α =?Ε92>ΑΗΙ94

β 56 κΑ Ψ=8_3;7; <; 2;<∆ΗΙ9 <9 82ΑΟ9 <; 7=Χ=Φ9 <Α =?Ε92>ΑΗΙ9Τ 9 ?9≅9 82ΑΟ9 <; 2;732=ΗΙ9 >Α?3;2Μ
:9>9 3;2>9 =?=:=ΑΦ Α <Α3Α <Α 7∆Α 829<∆ΗΙ94

∀234 5γ4 # :≅Β784>:>Α 9Ψα49: >Α ?:>: Κ8Ε<7 7≅ Α5Β4>:>Α Γ≅ΗΦ4?:8ΨΣ :5≅:Φ9Α5ΒΑΣ ;> 7Κ3=9 Γ
<=7897=ΗΙ9 ?Α =?3;2?;3 ; <;73=?Α<9 Γ ≅;=:∆ΦΑΗΙ9 <; <Α<97 ; =?Ε92>ΑΗΣ;7 Α<>=?=732Α3=≅Α7Τ ?97 3;2>97
<; 2;Χ∆ΦΑ>;?39Π

∗ Χ 87Φ >:∆ 456789:;ΤΑ∆ Ρ≅Α ΒΑ5γ:9 ∆4>7 >Α∆?Φ:∆∆464?:>:∆ 57∆ ΥΦΒ497∆ ∴⊥ η>7ϑΑι 9Α∆Α∆Ρ

.. Χ 87Φ >Α >7?≅9Α5Β7∆ ?Φ:∆∆464?:>7∆ Α9 ?:>: Ε8:≅ >Α ∆4Ε4Φ7Σ ?79 4>Α5Β464?:;<7 Γ:8: 8Α6Α8β5?4:
6≅Β≅8:ϕ

∗∗∗ Β 2;ΦΑ3_2=9 ;73Α3Κ73=:9 :9?3;?<9 Α Ξ∆Α?3=<Α<; <; 8;<=<97 <; =?Ε92>ΑΗΙ9 2;:;Λ=<97Τ Α3;?<=<97 ;
=?<;Ε;2=<97Τ Λ;> :9>9 =?Ε92>ΑΗΣ;7 Χ;?]2=:Α7 79Λ2; 97 79Φ=:=3Α?3;74

β χ6 (7 _2ΧΙ97 ; ;?3=<Α<;7 <;≅;2Ι9 >Α?3;2 ;ϑ;>8ΦΑ2 <Α 8∆ΛΦ=:ΑΗΙ9 82;≅=73Α ?9 :Α8∆3 8Α2Α :9?7∆Φ3Α
8ΝΛΦ=:Α ;> 7∆Α7 7;<;74

β δ6 (7 _2ΧΙ97 ; ;?3=<Α<;7 >Α?3;2Ι9 ;ϑ32Α39 :9> Α Φ=73Α <; =?Ε92>ΑΗΣ;7 :ΦΑ77=Ε=:Α<Α7Τ


Α:9>8Α?ΨΑ<Α7 <Α <Α3ΑΤ <9 Χ2Α∆ <; 7=Χ=Φ9 ; <97 Ε∆?<Α>;?397 <Α :ΦΑ77=Ε=:ΑΗΙ94

Comentários:
Resumidamente, vamos destacar os pontos mais relevantes desse trecho da lei.

Artigo 28 da LAI -- A classificação de informação em qualquer grau de sigilo


(reservado, secreto e ultrassecreto) deverá ser formalizada em decisão que
conterá, no mínimo, os seguintes elementos:

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 58 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

I – assunto;
II - fundamento da classificação;
III - indicação do prazo de sigilo, contado em anos, meses ou dias, ou do evento
que defina o seu termo final, conforme limites previstos no art. 24 e
IV - identificação da autoridade que a classificou.

No Decreto 7.724/2012 temos essas informações no artigo 45.

Vimos a classificação. Agora vamos para a desclassificação:

Art. 30 da LAI -- A autoridade máxima de cada órgão ou entidade publicará,


anualmente, em sítio à disposição na internet e destinado à veiculação de
dados e informações administrativas, nos termos de regulamento:

I - rol das informações que tenham sido desclassificadas nos últimos 12


(doze) meses;
II - rol de documentos classificados em cada grau de sigilo, com
identificação para referência futura;

−Α;<7 ∗

+:∆ .56789:;ΤΑ∆ ∃Α∆∆7:4∆


∀234 5χ4 ( 32Α3Α>;?39 <Α7 =?Ε92>ΑΗΣ;7 8;779Α=7 <;≅; 7;2 Ε;=39 <; Ε92>Α 32Α?78Α2;?3; ; :9> 2;78;=39
Γ =?3=>=<Α<;Τ ≅=<Α 82=≅Α<ΑΤ Ψ9?2Α ; =>ΑΧ;> <Α7 8;779Α7Τ Λ;> :9>9 Γ7 Φ=Λ;2<Α<;7 ; ΧΑ2Α?3=Α7
=?<=≅=<∆Α=74

β χ9 #∆ 456789:;ΤΑ∆ ΓΑ∆∆7:4∆Σ Α Ξ∆; 7; 2;Ε;2; ;73; Α23=Χ9Τ 2;ΦΑ3=≅Α7 Γ =?3=>=<Α<;Τ ≅=<Α 82=≅Α<ΑΤ
Ψ9?2Α ; =>ΑΧ;>Π

∗ Β ΒΑ8<7 ∆Α≅ :?Α∆∆7 8Α∆Β84Β7Τ =?<;8;?<;?3;>;?3; <; :ΦΑ77=Ε=:ΑΗΙ9 <; 7=Χ=Φ9 ; ΓΑΦ7 Γ8:ϑ7 9Ψα497
>Α ∴κκ η?Α9ι :57∆ Α :9?3Α2 <Α 7∆Α <Α3Α <; 829<∆ΗΙ9Τ Α ΑΧ;?3;7 8ΝΛΦ=:97 Φ;ΧΑΦ>;?3; Α∆392=ΟΑ<97
; Γ 8;779Α Α Ξ∆; ;ΦΑ7 7; 2;Ε;2=2;>Ρ ;

∗∗ Β 89<;2Ι9 3;2 Α∆392=ΟΑ<Α 7∆Α <=≅∆ΦΧΑΗΙ9 9∆ Α:;779 892 3;2:;=297 <=Α?3; <; 82;≅=7Ι9 Φ;ΧΑΦ 9∆
:9?7;?3=>;?39 ;ϑ82;779 <Α 8;779Α Α Ξ∆; ;ΦΑ7 7; 2;Ε;2=2;>4

β δ9 ∀Ξ∆;Φ; Ξ∆; 9Λ3=≅;2 Α:;779 Γ7 =?Ε92>ΑΗΣ;7 <; Ξ∆; 32Α3Α ;73; Α23=Χ9 7;2Μ 2;789?7ΑΛ=Φ=ΟΑ<9 892
7;∆ ∆79 =?<;≅=<94

β 59 ( :9?7;?3=>;?39 2;Ε;2=<9 ?9 =?:=79 ∗∗ <9 β χ9 ?Ι9 7;2Μ ;ϑ=Χ=<9 Ξ∆Α?<9 Α7 =?Ε92>ΑΗΣ;7 Ε92;>
?;:;77Μ2=Α7Π

∗ Β Γ 82;≅;?ΗΙ9 ; <=ΑΧ?_73=:9 >]<=:9Τ Ξ∆Α?<9 Α 8;779Α ;73=≅;2 ΕΚ7=:Α 9∆ Φ;ΧΑΦ>;?3; =?:Α8ΑΟΤ ; 8Α2Α
∆3=Φ=ΟΑΗΙ9 Ν?=:Α ; ;ϑ:Φ∆7=≅Α>;?3; 8Α2Α 9 32Α3Α>;?39 >]<=:9Ρ

∗∗ Β Γ 2;ΑΦ=ΟΑΗΙ9 <; ;73Α3Κ73=:Α7 ; 8;7Ξ∆=7Α7 :=;?3ΚΕ=:Α7 <; ;≅=<;?3; =?3;2;77; 8ΝΛΦ=:9 9∆ Χ;2ΑΦΤ
82;≅=7397 ;> Φ;=Τ 7;?<9 ≅;<Α<Α Α =<;?3=Ε=:ΑΗΙ9 <Α 8;779Α Α Ξ∆; Α7 =?Ε92>ΑΗΣ;7 7; 2;Ε;2=2;>Ρ

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 59 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

∗∗∗ Β Α9 :∆>82=>;?39 <; 92<;> Ζ∆<=:=ΑΦΡ

∗Υ Β Γ <;Ε;7Α <; <=2;=397 Ψ∆>Α?97Ρ 9∆

Υ Β Γ 8293;ΗΙ9 <9 =?3;2;77; 8ΝΛΦ=:9 ; Χ;2ΑΦ 82;89?<;2Α?3;4

β Ω9 ∀ 2;732=ΗΙ9 <; Α:;779 Γ =?Ε92>ΑΗΙ9 2;ΦΑ3=≅Α Γ ≅=<Α 82=≅Α<ΑΤ Ψ9?2Α ; =>ΑΧ;> <; 8;779Α ?Ι9
89<;2Μ 7;2 =?≅9:Α<Α :9> 9 =?3∆=39 <; 82;Ζ∆<=:Α2 829:;779 <; Α8∆2ΑΗΙ9 <; =22;Χ∆ΦΑ2=<Α<;7 ;> Ξ∆; 9
3=3∆ΦΑ2 <Α7 =?Ε92>ΑΗΣ;7 ;73=≅;2 ;?≅9Φ≅=<9Τ Λ;> :9>9 ;> ΑΗΣ;7 ≅9Φ3Α<Α7 8Α2Α Α 2;:∆8;2ΑΗΙ9 <; ΕΑ397
Ψ=73_2=:97 <; >Α=92 2;Φ;≅Θ?:=Α4

β φ9 1;Χ∆ΦΑ>;?39 <=7892Μ 79Λ2; 97 829:;<=>;?397 8Α2Α 32Α3Α>;?39 <; =?Ε92>ΑΗΙ9 8;779ΑΦ4

No Decreto 7.724/2012também temos essas definições nos artigos 55 a 57

Muito embora o que está na Lei de Acesso seja de publicidade máxima, nem
toda informação pode ser disponibilizada para acesso público. O Estado deve
proteger a informação sigilosa e a informação pessoal.

E o que é informação pessoal? É aquela relativa à intimidade, à vida privada, à


honra e à imagem das pessoas.

A informação pessoal diz respeito ao Estado ou ao interesse público. Interessa


apenas ao indivíduo. Assim, o órgão ou entidade que possui esse tipo de
informação deve restringir o seu acesso. Os mecanismos regulares de
transparência ativa e passiva da LAI não permitem o acesso às informações
pessoais e por isso elas não são classificáveis, ou seja, não necessitam receber
o tratamento dado às informações sigilosas. A LAI dedica atenção especial para
o tratamento e hipóteses de acesso a essas informações (artigo 31). E por causa
da proteção ao direito da pessoa, a LAI prevê a restrição de acesso de
informações pessoais pelo prazo máximo de 100 (cem) anos a partir da sua data
de produção – independentemente de classificação de sigilo.

E quem tem acesso às informações pessoais? Somente os agentes públicos


autorizados e as pessoas a quem a informação se referir. Havendo previsão legal
ou consentimento expresso da pessoa a quem a informação faz referência,
terceiros podem ter acesso a tais informações.

Creio que já avancei bastante para uma prova de Arquivologia.

∀#∃%&∋() ∗

+#− Μ,−∃)1−#3.(.+#+,−

∀234 5δ4 !9?73=3∆;> :9?<∆3Α7 =ΦΚ:=3Α7 Ξ∆; ;?7;ΖΑ> 2;789?7ΑΛ=Φ=<Α<; <9 ΑΧ;?3; 8ΝΛΦ=:9 9∆ >=Φ=3Α2Π

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 60 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

∗ Β 2;:∆7Α2Β7; Α Ε92?;:;2 =?Ε92>ΑΗΙ9 2;Ξ∆;2=<Α ?97 3;2>97 <;73Α ∋;=Τ 2;3Α2<Α2 <;Φ=Λ;2Α<Α>;?3; 9 7;∆
Ε92?;:=>;?39 9∆ Ε92?;:ςΒΦΑ =?3;?:=9?ΑΦ>;?3; <; Ε92>Α =?:922;3ΑΤ =?:9>8Φ;3Α 9∆ =>82;:=7ΑΡ

∗∗ Β ∆3=Φ=ΟΑ2 =?<;≅=<Α>;?3;Τ Λ;> :9>9 7∆Λ32Α=2Τ <;732∆=2Τ =?∆3=Φ=ΟΑ2Τ <;7Ε=Χ∆2Α2Τ ΑΦ3;2Α2 9∆ 9:∆Φ3Α2Τ 393ΑΦ
9∆ 8Α2:=ΑΦ>;?3;Τ =?Ε92>ΑΗΙ9 Ξ∆; 7; ;?:9?32; 79Λ 7∆Α Χ∆Α2<Α 9∆ Α Ξ∆; 3;?ΨΑ Α:;779 9∆
:9?Ψ;:=>;?39 ;> 2ΑΟΙ9 <9 ;ϑ;2:Κ:=9 <Α7 Α32=Λ∆=ΗΣ;7 <; :Α2Χ9Τ ;>82;Χ9 9∆ Ε∆?ΗΙ9 8ΝΛΦ=:ΑΡ

∗∗∗ Β ΑΧ=2 :9> <9Φ9 9∆ >ΜΒΕ] ?Α Α?ΜΦ=7; <Α7 79Φ=:=3ΑΗΣ;7 <; Α:;779 Γ =?Ε92>ΑΗΙ9Ρ

∗Υ Β <=≅∆ΦΧΑ2 9∆ 8;2>=3=2 Α <=≅∆ΦΧΑΗΙ9 9∆ Α:;77Α2 9∆ 8;2>=3=2 Α:;779 =?<;≅=<9 Γ =?Ε92>ΑΗΙ9 7=Χ=Φ97Α


9∆ =?Ε92>ΑΗΙ9 8;779ΑΦΡ

Υ Β =>892 7=Χ=Φ9 Γ =?Ε92>ΑΗΙ9 8Α2Α 9Λ3;2 829≅;=39 8;779ΑΦ 9∆ <; 3;2:;=29Τ 9∆ 8Α2Α Ε=?7 <; 9:∆Φ3ΑΗΙ9
<; Α39 =Φ;ΧΑΦ :9>;3=<9 892 7= 9∆ 892 9∆32;>Ρ

Υ∗ Β 9:∆Φ3Α2 <Α 2;≅=7Ι9 <; Α∆392=<Α<; 7∆8;2=92 :9>8;3;?3; =?Ε92>ΑΗΙ9 7=Χ=Φ97Α 8Α2Α Λ;?;Ε=:=Α2 Α 7=
9∆ Α 9∆32;>Τ 9∆ ;> 82;Ζ∆ΚΟ9 <; 3;2:;=297Ρ ;

Υ∗∗ Β <;732∆=2 9∆ 7∆Λ32Α=2Τ 892 Ξ∆ΑΦΞ∆;2 >;=9Τ <9:∆>;?397 :9?:;2?;?3;7 Α 8977Κ≅;=7 ≅=9ΦΑΗΣ;7 <;
<=2;=397 Ψ∆>Α?97 892 8Α23; <; ΑΧ;?3;7 <9 /73Α<94

β χ9 ∀3;?<=<9 9 82=?:Κ8=9 <9 :9?32Α<=3_2=9Τ <Α Α>8ΦΑ <;Ε;7Α ; <9 <;≅=<9 829:;779 Φ;ΧΑΦΤ Α7 :9?<∆3Α7
<;7:2=3Α7 ?9 :Α8∆3 7;2Ι9 :9?7=<;2Α<Α7Π

∗ Β 8Α2Α Ε=?7 <97 2;Χ∆ΦΑ>;?397 <=7:=8Φ=?Α2;7 <Α7 ο92ΗΑ7 ∀2>Α<Α7Τ 32Α?7Χ2;77Σ;7 >=Φ=3Α2;7 >]<=Α7 9∆
Χ2Α≅;7Τ 7;Χ∆?<9 97 :2=3]2=97 ?;Φ;7 ;73ΑΛ;Φ;:=<97Τ <;7<; Ξ∆; ?Ι9 3=8=Ε=:Α<Α7 ;> Φ;= :9>9 :2=>; 9∆
:9?32Α≅;?ΗΙ9 8;?ΑΦΡ 9∆

∗∗ Β 8Α2Α Ε=?7 <9 <=789739 ?Α ∀#∃ %& 3())−+ ,# )) ,# ,#>#<?7& ,# )..≅Τ ; 7∆Α7 ΑΦ3;2ΑΗΣ;7Τ =?Ε2ΑΗΣ;7
Α<>=?=732Α3=≅Α7Τ Ξ∆; <;≅;2Ι9 7;2 Α8;?Α<Α7Τ ?9 >Κ?=>9Τ :9> 7∆78;?7Ι9Τ 7;Χ∆?<9 97 :2=3]2=97 ?;ΦΑ
;73ΑΛ;Φ;:=<974

β δ9 #;ΦΑ7 :9?<∆3Α7 <;7:2=3Α7 ?9 :Α8∆3Τ 89<;2Μ 9 >=Φ=3Α2 9∆ ΑΧ;?3; 8ΝΛΦ=:9 2;789?<;2Τ 3Α>Λ]>Τ 892
=>829Λ=<Α<; Α<>=?=732Α3=≅ΑΤ :9?Ε92>; 9 <=789739 ?Α7 ∀#∃1 %&1 )(≅∋.+ ,# )≅ ,# /?7∃; ,# ).∗≅Τ ; 3(5−.+
,# − ,# 6:%Α& ,# )..−(

O artigo 32 da LAI está replicado no art. 65 do Decreto 7.442/2012.

∀234 55Ζ # ΓΑ∆∆7: 6_∆4?: 7≅ Α5Β4>:>Α Γ84ς:>: Ρ≅Α >ΑΒ4ςΑ8 456789:;ΤΑ∆ Α9 ς48Β≅>Α >Α ς_5?≅Φ7
>Α Ρ≅:ΦΡ≅Α8 5:Β≅8Αϑ: ?79 7 Γ7>Α8 ΓΥΗΦ4?7 Α >Α4α:8 >Α 7Η∆Α8ς:8 7 >4∆Γ7∆Β7 5Α∆Β: (Α4 Α∆Β:8Ψ
∆≅δΑ4Β: Θ∆ ∆ΑΕ≅45ΒΑ∆ ∆:5;ΤΑ∆=

∗ Β Α<≅;23ς?:=ΑΡ

∗∗ Β >∆Φ3ΑΡ

∗∗∗ Β 2;7:=7Ι9 <9 ≅Κ?:∆Φ9 :9> 9 89<;2 8ΝΛΦ=:9Ρ

∗Υ Β 7∆78;?7Ι9 3;>892Μ2=Α <; 8Α23=:=8Α2 ;> Φ=:=3ΑΗΙ9 ; =>8;<=>;?39 <; :9?32Α3Α2 :9> Α
Α<>=?=732ΑΗΙ9 8ΝΛΦ=:Α 892 82ΑΟ9 ?Ι9 7∆8;2=92 Α δ η<9=7α Α?97Ρ ;

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 61 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

II - inferior a R$ 5.000,00 (cinco mil reais) nem superior a R$


600.000,00 (seiscentos mil reais), no caso de entidade privada.

§ 5o O prazo para apresentação de defesa nas hipóteses previstas neste


artigo é de dez dias, contado da ciência do ato.

∀#∃%&∋() ∗.

+.−∃)−.ΝΟ,− Λ.1#.− , &Μ#1−.&λΜ.#−


∀234 5φ4 ηΥ/%∀+(α4

β χ6 ϕ =?73=3∆Κ<Α Α ∀794∆∆<7 04∆Β: >Α ΜΑ:ς:Φ4:;<7 >Α .56789:;ΤΑ∆Τ Ξ∆; <;:=<=2ΜΤ 57 µ9Η4Β7 >:
:>9454∆Β8:;<7 ΓΥΗΦ4?: 6Α>Α8:ΦΣ 79Λ2; 9 32Α3Α>;?39 ; Α :ΦΑ77=Ε=:ΑΗΙ9 <; =?Ε92>ΑΗΣ;7 7=Χ=Φ97Α7 ;
3;2Μ :9>8;3ς?:=Α 8Α2ΑΠ

∗ Β 8ΑΡ≅4∆4Β:8 >: :≅Β784>:>Α Ρ≅Α ?Φ:∆∆464?:8 456789:;<7 ?797 ≅ΦΒ8:∆∆Α?8ΑΒ: Α ∆Α?8ΑΒ:


Α∆?Φ:8Α?49Α5Β7 7≅ ?75ΒΑΥ>7Σ Γ:8?4:Φ 7≅ 45ΒΑΕ8:Φ >: 456789:;<7ϕ

∗∗ Β8ΑςΑ8 : ?Φ:∆∆464?:;<7 >Α 456789:;ΤΑ∆ ≅ΦΒ8:∆∆Α?8ΑΒ:∆ 7≅ ∆Α?8ΑΒ:∆Σ >Α 76_?47 7≅ 9Α>4:5ΒΑ


Γ87ς7?:;<7 >Α ΓΑ∆∆7: 45ΒΑ8Α∆∆:>:Τ 9Λ7;2≅Α<9 9 <=789739 ?9 Α234 6 ; <;>Α=7 <=7897=3=≅97 <;73Α
∋;=Ρ ;

∗∗∗ Β Γ87887Ε:8 7 Γ8:ϑ7 >Α ∆4Ε4Φ7 >Α 456789:;<7 ?Φ:∆∆464?:>: ?797 ≅ΦΒ8:∆∆Α?8ΑΒ:Σ ∆Α9Γ8Α Γ78
Γ8:ϑ7 >ΑΒΑ8945:>7Σ Α5Ρ≅:5Β7 7 ∆Α≅ :?Α∆∆7 7≅ >4ς≅ΦΕ:;<7 Γ≅>Α8 7?:∆475:8 :9Α:;: ΑαΒΑ85:
Θ ∆7ΗΑ8:54: 5:?475:Φ 7≅ Θ 45ΒΑΕ84>:>Α >7 ΒΑ884ΒΚ847 5:?475:Φ 7≅ Ε8:ςΑ 84∆?7 Θ∆ 8ΑΦ:;ΤΑ∆
45ΒΑ85:?475:4∆ >7 ∃:_∆Τ 9Λ7;2≅Α<9 9 82ΑΟ9 82;≅=739 ?9 β χ9 <9 Α234 δΩ4

[ ⊥] ) Γ8:ϑ7 8Α6Α84>7 57 45?4∆7 ... φ Φ494Β:>7 : ≅9: Υ54?: 8Α57ς:;<7Ζ

β 56 ∀ 2;≅=7Ι9 <; 9ΕΚ:=9 Α Ξ∆; 7; 2;Ε;2; 9 =?:=79 ∗∗ <9 β χ9 <;≅;2Μ 9:922;2Τ ?9 >Μϑ=>9Τ Α :Α<Α Ω
ηΞ∆Α329α Α?97Τ Α8_7 Α 2;Α≅ΑΦ=ΑΗΙ9 82;≅=73Α ?9 Α234 5λΤ Ξ∆Α?<9 7; 32Α3Α2 <; <9:∆>;?397 ∆Φ32Α77;:2;397
9∆ 7;:2;3974

β Ω6 ∀ ?Ι9 <;Φ=Λ;2ΑΗΙ9 79Λ2; Α 2;≅=7Ι9 8;ΦΑ !9>=77Ι9 µ=73Α <; 1;Α≅ΑΦ=ΑΗΙ9 <; ∗?Ε92>ΑΗΣ;7 ?97
82ΑΟ97 82;≅=7397 ?9 β 59 =>8Φ=:Α2Μ Α <;7:ΦΑ77=Ε=:ΑΗΙ9 Α∆39>Μ3=:Α <Α7 =?Ε92>ΑΗΣ;74

β φ6 1;Χ∆ΦΑ>;?39 <=7892Μ 79Λ2; Α :9>897=ΗΙ9Τ 92ΧΑ?=ΟΑΗΙ9 ; Ε∆?:=9?Α>;?39 <Α !9>=77Ι9 µ=73Α


<; 1;Α≅ΑΦ=ΑΗΙ9 <; ∗?Ε92>ΑΗΣ;7Τ 9Λ7;2≅Α<9 9 >Α?<Α39 <; δ η<9=7α Α?97 8Α2Α 7;∆7 =?3;Χ2Α?3;7 ;
<;>Α=7 <=7897=ΗΣ;7 <;73Α ∋;=4

Agora encontramos um artigo importantíssimo! E por que é importantíssimo?


Porque já caiu em prova. Muita atenção ao § 1° e seus incisos.

Veja que aqui começamos a tratar da Comissão Mista de Reavaliação de


Informações (administração pública federal). Note que o inciso II do §1° e § 3°,
assim como o art. 35 do Decreto 7.724/2012 determinam que o prazo para a
revisão de ofício é de 4 anos. O Decreto também lista quem são os componentes
da Comissão Mista de Reavaliação de Informações Classificadas (art.46). E no

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 63 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

art. 47 vemos de onde sai a regra para prorrogação de prazo da informação


ultrassecreta:

Art. 46. A Comissão Mista de Reavaliação de Informações, instituída nos termos


do § 1o do art. 35 da Lei no 12.527, de 2011, será integrada pelos titulares dos seguintes
órgãos:

I - Casa Civil da Presidência da República, que a presidirá;

II - Ministério da Justiça;

III - Ministério das Relações Exteriores;

IV - Ministério da Defesa;

V - Ministério da Fazenda;

VI - Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão;

VII - Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República;

VIII - Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República;

IX - Advocacia-Geral da União; e

X - Controladoria Geral da União.

As reuniões da Comissão Mista ocorrerão uma vez por mês e com a presença
mínima de seis integrantes.

Art. 47 (...)

IV - prorrogar por uma única vez, e por período determinado não


superior a vinte e cinco anos, o prazo de sigilo de informação classificada no
grau ultrassecreto, enquanto seu acesso ou divulgação puder ocasionar ameaça
externa à soberania nacional, à integridade do território nacional ou grave risco
às relações internacionais do País, limitado ao máximo de cinquenta anos o
prazo total da classificação; e

∀234 5⊥4 ( 32Α3Α>;?39 <; =?Ε92>ΑΗΙ9 7=Χ=Φ97Α 2;7∆Φ3Α?3; <; 32Α3Α<97Τ Α:92<97 9∆ Α397 =?3;2?Α:=9?Α=7
Α3;?<;2Μ Γ7 ?92>Α7 ; 2;:9>;?<ΑΗΣ;7 :9?73Α?3;7 <;77;7 =?732∆>;?3974

∀234 54 ϕ =?73=3∆Κ<9Τ ?9 Θ>Λ=39 <9 0ΑΛ=?;3; <; ,;Χ∆2Α?ΗΑ ∗?73=3∆:=9?ΑΦ <Α #2;7=<ς?:=Α <Α 1;8ΝΛΦ=:ΑΤ
9 κΝ:Φ;9 <; ,;Χ∆2Α?ΗΑ ; !2;<;?:=Α>;?39 ηκ,!αΤ Ξ∆; 3;> 892 9ΛΖ;3=≅97Π 89#0:;/<#%2&=

∗ Β 829>9≅;2 ; 829892 Α 2;Χ∆ΦΑ>;?3ΑΗΙ9 <9 :2;<;?:=Α>;?39 <; 7;Χ∆2Α?ΗΑ <; 8;779Α7 ΕΚ7=:Α7Τ
;>82;7Α7Τ _2ΧΙ97 ; ;?3=<Α<;7 8Α2Α 32Α3Α>;?39 <; =?Ε92>ΑΗΣ;7 7=Χ=Φ97Α7Ρ ;

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 64 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

∗∗ Β ΧΑ2Α?3=2 Α 7;Χ∆2Α?ΗΑ <; =?Ε92>ΑΗΣ;7 7=Χ=Φ97Α7Τ =?:Φ∆7=≅; ΑΞ∆;ΦΑ7 829≅;?=;?3;7 <; 8ΑΚ7;7 9∆
92ΧΑ?=ΟΑΗΣ;7 =?3;2?Α:=9?Α=7 :9> 97 Ξ∆Α=7 Α 1;8ΝΛΦ=:Α ο;<;2Α3=≅Α <9 ν2Α7=Φ 3;?ΨΑ Ε=2>Α<9 32Α3Α<9Τ
Α:92<9Τ :9?32Α39 9∆ Ξ∆ΑΦΞ∆;2 9∆329 Α39 =?3;2?Α:=9?ΑΦΤ 7;> 82;Ζ∆ΚΟ9 <Α7 Α32=Λ∆=ΗΣ;7 <9 µ=?=73]2=9 <Α7
1;ΦΑΗΣ;7 /ϑ3;2=92;7 ; <97 <;>Α=7 _2ΧΙ97 :9>8;3;?3;74

#Α2ΜΧ2ΑΕ9 Ν?=:94 1;Χ∆ΦΑ>;?39 <=7892Μ 79Λ2; Α :9>897=ΗΙ9Τ 92ΧΑ?=ΟΑΗΙ9 ; Ε∆?:=9?Α>;?39 <9 κ,!4

∀234 5ι4 ∀8Φ=:ΑΒ7;Τ ?9 Ξ∆; :9∆Λ;2Τ Α ∀#∃ %& .(∗≅∋+ ,# )− ,# %&Β#<?7& ,# )..∋Τ ;> 2;ΦΑΗΙ9 Γ
=?Ε92>ΑΗΙ9 <; 8;779ΑΤ ΕΚ7=:Α 9∆ Ζ∆2Κ<=:ΑΤ :9?73Α?3; <; 2;Χ=7329 9∆ ΛΑ?:9 <; <Α<97 <; ;?3=<Α<;7
Χ9≅;2?Α>;?3Α=7 9∆ <; :Α2Μ3;2 8ΝΛΦ=:94

∀234 5λ4 (7 _2ΧΙ97 ; ;?3=<Α<;7 8ΝΛΦ=:Α7 <;≅;2Ι9 829:;<;2 Γ 2;Α≅ΑΦ=ΑΗΙ9 <Α7 =?Ε92>ΑΗΣ;7
:ΦΑ77=Ε=:Α<Α7 :9>9 ∆Φ32Α77;:2;3Α7 ; 7;:2;3Α7 ?9 82ΑΟ9 >Μϑ=>9 <; δ η<9=7α Α?97Τ :9?3Α<9 <9 3;2>9
=?=:=ΑΦ <; ≅=Χς?:=Α <;73Α ∋;=4

β χ9 ∀ 2;732=ΗΙ9 <; Α:;779 Α =?Ε92>ΑΗΣ;7Τ ;> 2ΑΟΙ9 <Α 2;Α≅ΑΦ=ΑΗΙ9 82;≅=73Α ?9 :Α8∆3Τ <;≅;2Μ
9Λ7;2≅Α2 97 82ΑΟ97 ; :9?<=ΗΣ;7 82;≅=7397 ?;73Α ∋;=4

β δ9 κ9 Θ>Λ=39 <Α Α<>=?=732ΑΗΙ9 8ΝΛΦ=:Α Ε;<;2ΑΦΤ Α 2;Α≅ΑΦ=ΑΗΙ9 82;≅=73Α ?9 :Α8∆3 89<;2Μ 7;2 2;≅=73ΑΤ
Α Ξ∆ΑΦΞ∆;2 3;>89Τ 8;ΦΑ !9>=77Ι9 µ=73Α <; 1;Α≅ΑΦ=ΑΗΙ9 <; ∗?Ε92>ΑΗΣ;7Τ 9Λ7;2≅Α<97 97 3;2>97
<;73Α ∋;=4

β 59 /?Ξ∆Α?39 ?Ι9 32Α?7:922=<9 9 82ΑΟ9 <; 2;Α≅ΑΦ=ΑΗΙ9 82;≅=739 ?9 :Α8∆3Τ 7;2Μ >Α?3=<Α Α
:ΦΑ77=Ε=:ΑΗΙ9 <Α =?Ε92>ΑΗΙ9 ?97 3;2>97 <Α Φ;Χ=7ΦΑΗΙ9 82;:;<;?3;4

β Ω9 ∀7 =?Ε92>ΑΗΣ;7 :ΦΑ77=Ε=:Α<Α7 :9>9 7;:2;3Α7 ; ∆Φ32Α77;:2;3Α7 ?Ι9 2;Α≅ΑΦ=Α<Α7 ?9 82ΑΟ9 82;≅=739


?9 :Α8∆3 7;2Ι9 :9?7=<;2Α<Α7Τ Α∆39>Α3=:Α>;?3;Τ <; Α:;779 8ΝΛΦ=:94

∀234 Ωγ4 κ9 82ΑΟ9 <; ⊥γ η7;77;?3Αα <=Α7Τ Α :9?3Α2 <Α ≅=Χς?:=Α <;73Α ∋;=Τ 9 <=2=Χ;?3; >Μϑ=>9 <; :Α<Α
_2ΧΙ9 9∆ ;?3=<Α<; <Α Α<>=?=732ΑΗΙ9 8ΝΛΦ=:Α Ε;<;2ΑΦ <=2;3Α ; =?<=2;3Α <;7=Χ?Α2Μ Α∆392=<Α<; Ξ∆; ΦΨ;
7;ΖΑ <=2;3Α>;?3; 7∆Λ92<=?Α<Α 8Α2ΑΤ ?9 Θ>Λ=39 <9 2;78;:3=≅9 _2ΧΙ9 9∆ ;?3=<Α<;Τ ;ϑ;2:;2 Α7
7;Χ∆=?3;7 Α32=Λ∆=ΗΣ;7Π

∗ Β Α77;Χ∆2Α2 9 :∆>82=>;?39 <Α7 ?92>Α7 2;ΦΑ3=≅Α7 Α9 Α:;779 Α =?Ε92>ΑΗΙ9Τ <; Ε92>Α ;Ε=:=;?3; ;
Α<;Ξ∆Α<Α Α97 9ΛΖ;3=≅97 <;73Α ∋;=Ρ

∗∗ Β >9?=392Α2 Α =>8Φ;>;?3ΑΗΙ9 <9 <=789739 ?;73Α ∋;= ; Α82;7;?3Α2 2;ΦΑ3_2=97 8;2=_<=:97 79Λ2; 9 7;∆
:∆>82=>;?39Ρ

∗∗∗ Β 2;:9>;?<Α2 Α7 >;<=<Α7 =?<=78;?7Μ≅;=7 Γ =>8Φ;>;?3ΑΗΙ9 ; Α9 Α8;2Ε;=Η9Α>;?39 <Α7 ?92>Α7 ;


829:;<=>;?397 ?;:;77Μ2=97 Α9 :922;39 :∆>82=>;?39 <9 <=789739 ?;73Α ∋;=Ρ ;

∗Υ Β 92=;?3Α2 Α7 2;78;:3=≅Α7 ∆?=<Α<;7 ?9 Ξ∆; 7; 2;Ε;2; Α9 :∆>82=>;?39 <9 <=789739 ?;73Α ∋;= ; 7;∆7
2;Χ∆ΦΑ>;?3974

∀234 Ωχ4 ( #9<;2 /ϑ;:∆3=≅9 ο;<;2ΑΦ <;7=Χ?Α2Μ _2ΧΙ9 <Α Α<>=?=732ΑΗΙ9 8ΝΛΦ=:Α Ε;<;2ΑΦ 2;789?7Μ≅;ΦΠ

∗ Β 8;ΦΑ 829>9ΗΙ9 <; :Α>8Α?ΨΑ <; ΑΛ2Α?Χς?:=Α ?Α:=9?ΑΦ <; Ε9>;?39 Γ :∆Φ3∆2Α <Α 32Α?78Α2ς?:=Α ?Α
Α<>=?=732ΑΗΙ9 8ΝΛΦ=:Α ; :9?7:=;?3=ΟΑΗΙ9 <9 <=2;=39 Ε∆?<Α>;?3ΑΦ <; Α:;779 Γ =?Ε92>ΑΗΙ9Ρ

∗∗ Β 8;Φ9 32;=?Α>;?39 <; ΑΧ;?3;7 8ΝΛΦ=:97 ?9 Ξ∆; 7; 2;Ε;2; Α9 <;7;?≅9Φ≅=>;?39 <; 82Μ3=:Α7
2;ΦΑ:=9?Α<Α7 Γ 32Α?78Α2ς?:=Α ?Α Α<>=?=732ΑΗΙ9 8ΝΛΦ=:ΑΡ

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 65 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

∗∗∗ Β 8;Φ9 >9?=392Α>;?39 <Α Α8Φ=:ΑΗΙ9 <Α Φ;= ?9 Θ>Λ=39 <Α Α<>=?=732ΑΗΙ9 8ΝΛΦ=:Α Ε;<;2ΑΦΤ
:9?:;?32Α?<9 ; :9?79Φ=<Α?<9 Α 8∆ΛΦ=:ΑΗΙ9 <; =?Ε92>ΑΗΣ;7 ;73Α3Κ73=:Α7 2;ΦΑ:=9?Α<Α7 ?9 Α234 5γΡ

∗Υ Β 8;Φ9 ;?:Α>=?ΨΑ>;?39 Α9 !9?Χ2;779 κΑ:=9?ΑΦ <; 2;ΦΑ3_2=9 Α?∆ΑΦ :9> =?Ε92>ΑΗΣ;7 Α3=?;?3;7 Γ
=>8Φ;>;?3ΑΗΙ9 <;73Α ∋;=4

∀234 Ωδ4 ( #9<;2 /ϑ;:∆3=≅9 2;Χ∆ΦΑ>;?3Α2Μ 9 <=789739 ?;73Α ∋;= ?9 82ΑΟ9 <; χιγ η:;?39 ; 9=3;?3Αα
<=Α7 Α :9?3Α2 <Α <Α3Α <; 7∆Α 8∆ΛΦ=:ΑΗΙ94

∀234 Ω54 ( =?:=79 Υ∗ <9 Α234 χχ⊥ <Α ∀#∃ %& 3())−+ ,# )) ,# ,#>#<?7& ,# )..≅Τ 8Α77Α Α ≅=Χ92Α2 :9>
Α 7;Χ∆=?3; 2;<ΑΗΙ9Π

θ∀234 χχ⊥4 4444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444

44444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444

Χ∆ Ε Φ;≅Α2 Α7 =22;Χ∆ΦΑ2=<Α<;7 <; Ξ∆; 3=≅;2 :=ς?:=Α ;> 2ΑΟΙ9 <9 :Α2Χ9 Α9 :9?Ψ;:=>;?39 <Α Α∆392=<Α<;
7∆8;2=92 9∆Τ Ξ∆Α?<9 Ψ9∆≅;2 7∆78;=3Α <; ;?≅9Φ≅=>;?39 <;73ΑΤ Α9 :9?Ψ;:=>;?39 <; 9∆32Α Α∆392=<Α<;
:9>8;3;?3; 8Α2Α Α8∆2ΑΗΙ9Ρ

444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444ρ ηκ1α

∀234 ΩΩ4 ( !Α8Κ3∆Φ9 ∗Υ <9 %Κ3∆Φ9 ∗Υ <Α ∋;= ?9 ι4χχδΤ <; χλλγΤ 8Α77Α Α ≅=Χ92Α2 Α:2;7:=<9 <9 7;Χ∆=?3;
Α234 χδ⊥Β∀Π

ΦΓ72( )−ΗΕΓ( κ;?Ψ∆> 7;2≅=<92 89<;2Μ 7;2 2;789?7ΑΛ=Φ=ΟΑ<9 :=≅=ΦΤ 8;?ΑΦ 9∆ Α<>=?=732Α3=≅Α>;?3; 892
<Α2 :=ς?:=Α Γ Α∆392=<Α<; 7∆8;2=92 9∆Τ Ξ∆Α?<9 Ψ9∆≅;2 7∆78;=3Α <; ;?≅9Φ≅=>;?39 <;73ΑΤ Α 9∆32Α
Α∆392=<Α<; :9>8;3;?3; 8Α2Α Α8∆2ΑΗΙ9 <; =?Ε92>ΑΗΙ9 :9?:;2?;?3; Γ 82Μ3=:Α <; :2=>;7 9∆
=>829Λ=<Α<; <; Ξ∆; 3;?ΨΑ :9?Ψ;:=>;?39Τ Α=?<Α Ξ∆; ;> <;:922ς?:=Α <9 ;ϑ;2:Κ:=9 <; :Α2Χ9Τ ;>82;Χ9
9∆ Ε∆?ΗΙ9 8ΝΛΦ=:Α4ρ

#8ΒΖ νοΖ ∀:ΗΑ :7∆ ,∆Β:>7∆Σ :7 +4∆Β84Β7 ΛΑ>Α8:Φ Α :7∆ 0≅54?_Γ47∆Σ Α9 ΦΑΕ4∆Φ:;<7 Γ8ΚΓ84:Σ
7ΗΑ>Α?4>:∆ :∆ 5789:∆ ΕΑ8:4∆ Α∆Β:ΗΑΦΑ?4>:∆ 5Α∆Β: (Α4Σ >Α64548 8ΑΕ8:∆ Α∆ΓΑ?_64?:∆Σ
Α∆ΓΑ?4:Φ9Α5ΒΑ Ρ≅:5Β7 :7 >4∆Γ7∆Β7 57 :8ΒΖ π7 Α 5: −Α;<7 .. >7 ∀:Γ_Β≅Φ7 ...Ζ

∀234 Ω⊥4 1;≅9ΧΑ>Β7;Π

∗ Β Α ∀#∃ %& ))()))+ ,# ∗ ,# </∃& ,# −≅≅∗Ρ ;

∗∗ Β 97 /721( −− / −5 ,/ ∀#∃ %& 3()∗.+ ,# 3 ,# 6/%#∃7& ,# )..)4

∀234 Ω4 /73Α ∋;= ;?32Α ;> ≅=Χ92 χιγ η:;?39 ; 9=3;?3Αα <=Α7 Α8_7 Α <Α3Α <; 7∆Α 8∆ΛΦ=:ΑΗΙ94

ν2Α7ΚΦ=ΑΤ χι <; ?9≅;>Λ29 <; δγχχΡ χλγ9 <Α ∗?<;8;?<ς?:=Α ; χδ59 <Α 1;8ΝΛΦ=:Α4

O artigo 37 da LAI nos remete ao Regulamento? Então toma! Decreto


7.724/2012.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 66 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

•Ultrassecreta: prazo de segredo - 25 anos (renovável uma única vez)


•Secreta: prazo de segredo - 15 anos
• Reservada: prazo de segredo - 5 anos

Gabarito: Errado

14. (2015 – FUNCAB – MPOG – ATIVIDADE TÉCNICA –


ARQUIVOLOGIA)
A Lei de Acesso a Informação, n° 12.527/2011, estabelece que órgãos e
entidades públicas devem divulgar informações de interesse geral ou coletivo,
ressalvadas as hipóteses de sigilo legalmente estabelecidas. Conforme essa lei,
os prazos máximos de restrição de acesso às informações classificadas como
ultrassecreta, secreta e reservada são, respectivamente:

a) 30, 25 e 10 anos.
b) 25, 15 e 5 anos.
c) 15, 5 e 2anos.
d) 20 ,15 e 10 anos
e) 10, 7 e 3 anos.

Questão direta e importante para sua aprovação. Não erre esses prazos em
hipótese alguma!

•Ultrassecreta: prazo de segredo - 25 anos (renovável uma única vez)


•Secreta: prazo de segredo - 15 anos
• Reservada: prazo de segredo - 5 anos

Gabarito: B

15. (CESPE – 2015 – MPOG – ARQUIVISTA – CARGO 3)


Com base na legislação federal em vigor, julgue o item a seguir, relativo
à política de acesso aos documentos de arquivo.
O órgão público terá até trinta dias para atender às demandas de
informação com base na Lei de Acesso à Informação (LAI).

Comentários:

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 68 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

Questão mal formulada e difícil (por isso). Ora, o prazo é de 20 dias. Mas pode
ser prorrogado por mais 10 dias, totalizando 30 dias. Por isso, em provas CESPE,
a leitura deve ser muito atenta. Note: “o órgão público terá até 30 dias”.

Art. 11. O órgão ou entidade pública deverá autorizar ou conceder o acesso


imediato à informação disponível.
§ 1° Não sendo possível conceder o acesso imediato, na forma disposta
no caput, o órgão ou entidade que receber o pedido deverá, em prazo não
superior a 20 (vinte) dias:
§ 2° O prazo referido no § 1o poderá ser prorrogado por mais 10 (dez) dias,
mediante justificativa expressa, da qual será cientificado o requerente.

Gabarito: Certa

16. (2014 – CESPE – TC-DF – ANALISTA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA


– ARQUIVOLOGIA)
Em relação às políticas de acesso aos documentos de arquivo, julgue o
item que se segue.
O acesso rápido e seguro à informação demandada, incluindo aquela
classificada como reservada, deve ser buscado em qualquer situação

Comentários:

Bom, já sabemos que a informação classificada como reservada deve permanecer


indisponível por 5 anos, certo? E 5 anos é tempo pra caramba! Logo, não há como
haver acesso rápido, como diz a questão. Nem rápido, nem lento, afinal, é informação
reservada.

Gabarito: Errado

17. (2013 – CESPE – TELEBRAS – TÉCNICO EM GESTÃO DE


TELECOMUNICAÇÕES – ASSISTENTE ADMINISTRATIVO)
Com base na Lei n.º 12.527/2011 e no Decreto n.º 7.724/2012, que tratam do
acesso a informações, julgue os seguintes itens.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 69 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

É dever dos órgãos e entidades, mediante requerimento, a divulgação de


informações de interesse coletivo ou geral por eles produzidas ou
custodiadas. O pedido deve ser apresentado em formulário padrão, contendo,
obrigatoriamente, nome do requerente, número de documento de
identificação, especificação da informação requerida, motivo determinante da
solicitação e endereço do requerente.

Comentários:

Note que as palavras centrais da questão são: “informações de interesse


coletivo ou geral”. E esse tipo de informação produzida por órgãos públicos é
um dever! Não depende de requerimentos de ninguém. Portanto, quando a
questão diz que é um dever (ok), mas é “mediante requerimento”, induz o
candidato ao erro. E você não vai errar, não é!?

Art. 8° É dever dos órgãos e entidades públicas promover,


independentemente de requerimentos, a divulgação em local de fácil
acesso, no âmbito de suas competências, de informações de interesse
coletivo ou geral por eles produzidas ou custodiadas.

Gabarito: Errado

18. (CESPE – 2013 – ANP – ANALISTA ADMINISTRATIVO – ÁREA 1)


Com base na Lei de Acesso à Informação, Lei n.º 12.527/2011, julgue
os itens seguintes.
Cabe à comissão mista de reavaliação de informações rever, de ofício ou
mediante provocação de pessoa interessada, a classificação de
informações ultrassecretas ou secretas.

Comentários:
Na Administração Federal existe a Comissão Mista de Reavaliação de Informações que
pode decidir sobre o tratamento e classificação de informações sigilosas. Ela tem
elevados poderes, dentre eles, “rever a classificação de informações ultrassecretas
ou secretas, de ofício ou mediante provocação de pessoa interessada”.

Leia novamente ☺

Art. 35(VETADO)

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 70 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

§ 1o É instituída a Comissão Mista de Reavaliação de Informações, que


decidirá, no âmbito da administração pública federal, sobre o tratamento e a
classificação de informações sigilosas e terá competência para:

I - requisitar da autoridade que classificar informação como ultrassecreta e


secreta esclarecimento ou conteúdo, parcial ou integral da informação;

II - rever a classificação de informações ultrassecretas ou secretas, de ofício


ou mediante provocação de pessoa interessada, observado o disposto no art. 7o e
demais dispositivos desta Lei; e

III - prorrogar o prazo de sigilo de informação classificada como ultrassecreta,


sempre por prazo determinado, enquanto o seu acesso ou divulgação puder
ocasionar ameaça externa à soberania nacional ou à integridade do território
nacional ou grave risco às relações internacionais do País, observado o prazo
previsto no § 1o do art. 24.

Gabarito: Certo

19. (CESPE – 2015 – MPOG – ARQUIVISTA – CARGO 3)


A respeito das políticas públicas de arquivo, julgue o item a seguir.
A informação, quando classificada na categoria secreta, permanece por
quinze anos com restrição de acesso.

Comentários:
Nessa questão sobre a LAI, pode haver polêmica. Certamente você já decorou
os prazos de classificação da informação de 25 anos (ultrassecreta), 15 anos
(secreta) e 5 anos (reservadas).

Mas veja que destaquei ali no § 1° do artigo 24 que esses são prazos máximos.
E a questão não cita isso, mas claro que isso não a deixa errada, mas a deixa
polêmica (rs). Mas sejamos objetivos: esse é o entendimento da CESPE. Se vir
outra similar, marque o gabarito e parte para o abraço.

Art. 24. A informação em poder dos órgãos e entidades públicas,


observado o seu teor e em razão de sua imprescindibilidade à segurança
da sociedade ou do Estado, poderá ser classificada como ultrassecreta,
secreta ou reservada.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 71 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

§ 1° Os prazos máximos de restrição de acesso à informação, conforme


a classificação prevista no caput, vigoram a partir da data de sua produção
e são os seguintes:
I - ultrassecreta: 25 (vinte e cinco) anos;
II - secreta: 15 (quinze) anos; e
III - reservada: 5 (cinco) anos.

Gabarito: Certo.

20. (CESPE – 2015 – FUB – TÉCNICO EM ARQUIVO)


Com relação à Política Nacional de Arquivos Públicos e Privados, julgue
o item subsecutivo.
Os documentos públicos incluem os conjuntos de documentos
produzidos e recebidos por instituições de caráter público e por
entidades privadas encarregadas da gestão de serviços públicos no
exercício de suas atividades.

Comentários:

Voltamos à lei que é a mãe da Arquivologia. Aqui você vê a transcrição do artigo 7°,
conforme meus grifos.

Art. 7º - Os arquivos públicos são os conjuntos de documentos produzidos e recebidos,


no exercício de suas atividades, por órgãos públicos de âmbito federal, estadual, do
Distrito Federal e municipal em decorrência de suas funções administrativas, legislativas
e judiciárias.

§ 1º - São também públicos os conjuntos de documentos produzidos e recebidos por


instituições de caráter público, por entidades privadas encarregadas da gestão de
serviços públicos no exercício de suas atividades.

Gabarito: Certo

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 72 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

9. Lista completa de
Questões

1. Com relação à política de acesso aos documentos de arquivo,


julgue o item subsecutivo.

A política de acesso aos documentos de arquivo tem, atualmente, como


fundamento a Lei n.º 8.159/1991, conhecida como Lei dos Arquivos.

2. (CESPE – TRE-MS – TEC. JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA)

A lei de arquivos — Lei n.º 8.159/1991 — dispõe que:

a) os documentos privados não podem ser considerados de interesse público.

b) a administração pública deve definir os custos relativos à consulta aos


documentos públicos.

c) o Arquivo Nacional do Poder Executivo, os arquivos do Poder Legislativo, do


Poder Judiciário e aqueles dos ministérios da Marinha, das Relações Exteriores,
do Exército e da Aeronáutica são considerados arquivos federais.

d) os registros civis de arquivos de entidades religiosas não podem ser


identificados como de interesse público e social.

e) os arquivos privados são os conjuntos de documentos produzidos ou


recebidos exclusivamente por pessoas físicas.

3. (CESPE – TCE-ES – ANALISTA ADMINISTRATIVO –


ARQUIVOLOGIA)

De acordo com a legislação arquivística em vigor, a Política Nacional de


Arquivos é definida pelo

a) Sistema Nacional de Arquivos.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 73 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

b) Sistema de Serviços Gerais.

c) Conselho Nacional de Arquivos.

d) Arquivo Nacional.

e) Ministério da Justiça.

4. (CESPE – 2013 – CNJ – ANALISTA JUDICIÁRIO – ARQUIVOLOGIA)

Com relação às políticas públicas de arquivo e à legislação arquivística,


julgue os itens que se seguem.

Os arquivos do Poder Judiciário estadual são considerados arquivos


estaduais.

Gabarito: Certa

5. (CESPE – 2012 – TJ-RR – AUXILIAR ADMINISTRATIVO)

No que se refere à legislação arquivística, julgue os itens seguintes.

Os documentos de arquivo considerados de valor permanente ou


histórico são inalienáveis e imprescritíveis.

6. (CESPE – 2012 – TJ-RR – AUXILIAR ADMINISTRATIVO)

No que se refere à legislação arquivística, julgue os itens seguintes.

Os arquivos do TJ/RR são considerados arquivos federais, razão por que


devem ser organizados conforme as orientações do Sistema de Gestão
de Documentos de Arquivo (SIGA).

7. (CESPE – 2011 – EBC – ANALISTA – ARQUIVOLOGIA)

Julgue os itens que se seguem, relativos a políticas públicas de arquivo


e a legislação arquivística.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 74 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) compõe o Sistema Nacional de


Arquivos, mas não faz parte do Sistema de Gestão de Documentos de
Arquivo (SIGA).

8. (CESPE – 2014 – POLÍCIA FEDERAL – ARQUIVISTA)

Acerca das políticas públicas de arquivo e da legislação arquivística,


julgue os itens a seguir.

As ações na área de arquivo do DPF são orientadas pelo Sistema de


Informações Administrativas e estão sob a responsabilidade do
Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

9. (CESPE – MPU – 2013 – ANALISTA ARQUIVOLOGIA)

A respeito de sistemas e redes de arquivo, julgue o item subsecutivo.

A racionalização da produção da documentação arquivística é finalidade


do SIGA.

10. (CESPE – 2015 – MPOG – ARQUIVISTA CARGO 3)

A respeito das políticas públicas de arquivo, julgue o item a seguir.

Uma das competências do Conselho Nacional de Arquivos é implementar


a política nacional de arquivos públicos e privados.

11. (2012 – FCC – TRT – 6° REGIÃO – PE – ANALISTA JUDICIÁRIO –


ARQUIVOLOGIA)

De acordo com a Lei no 12.527, de 18 de novembro de 2011, a qualidade


da informação coletada na fonte, com o máximo de detalhamento
possível, sem modificações, é identificada como

a) objetividade.
b) autenticidade.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 75 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

c) integridade.
d) primariedade.
e) disponibilidade

12. (CESPE – 2011 – EBC – ANALISTA DE ARQUIVOLOGIA)

O direito de receber dos órgãos públicos informações de interesse


particular ou coletivo é limitado pelo sigilo indispensável de
determinadas informações.Parte superior do formulário

13. (CESPE – 2015 – MPOG – ARQUIVISTA – CARGO 3)

Com base na legislação federal em vigor, julgue o item a seguir, relativo


à política de acesso aos documentos de arquivo.

Com relação ao grau de sigilo, os documentos podem ser classificados


como ostensivos, reservados, secretos ou ultrassecretos.

14. (2015 – FUNCAB – MPOG – ATIVIDADE TÉCNICA –


ARQUIVOLOGIA)

A Lei de Acesso a Informação, n° 12.527/2011, estabelece que órgãos


e entidades públicas devem divulgar informações de interesse geral ou
coletivo, ressalvadas as hipóteses de sigilo legalmente estabelecidas.
Conforme essa lei, os prazos máximos de restrição de acesso às
informações classificadas como ultrassecreta, secreta e reservada são,
respectivamente:

a) 30, 25 e 10 anos.
b) 25, 15 e 5 anos.
c) 15, 5 e 2anos.
d) 20 ,15 e 10 anos
e) 10, 7 e 3 anos.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 76 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

15. (CESPE – 2015 – MPOG – ARQUIVISTA – CARGO 3)

Com base na legislação federal em vigor, julgue o item a seguir, relativo


à política de acesso aos documentos de arquivo.

O órgão público terá até trinta dias para atender às demandas de


informação com base na Lei de Acesso à Informação (LAI).

16. (2014 – CESPE – TC-DF – ANALISTA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA


– ARQUIVOLOGIA)

Em relação às políticas de acesso aos documentos de arquivo, julgue o


item que se segue.

O acesso rápido e seguro à informação demandada, incluindo aquela


classificada como reservada, deve ser buscado em qualquer situação

17. (2013 – CESPE – TELEBRAS – TÉCNICO EM GESTÃO DE


TELECOMUNICAÇÕES – ASSISTENTE ADMINISTRATIVO)

Com base na Lei n.º 12.527/2011 e no Decreto n.º 7.724/2012, que


tratam do acesso a informações, julgue os seguintes itens.

É dever dos órgãos e entidades, mediante requerimento, a divulgação


de informações de interesse coletivo ou geral por eles produzidas ou
custodiadas. O pedido deve ser apresentado em formulário padrão,
contendo, obrigatoriamente, nome do requerente, número de
documento de identificação, especificação da informação requerida,
motivo determinante da solicitação e endereço do requerente.Parte
superior do formulário

18. (CESPE – 2013 – ANP – ANALISTA ADMINISTRATIVO – ÁREA 1)

Com base na Lei de Acesso à Informação, Lei n.º 12.527/2011, julgue


os itens seguintes.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 77 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

Cabe à comissão mista de reavaliação de informações rever, de ofício ou


mediante provocação de pessoa interessada, a classificação de
informações ultrassecretas ou secretas.

19. (CESPE – 2015 – MPOG – ARQUIVISTA – CARGO 3)

A respeito das políticas públicas de arquivo, julgue o item a seguir.

A informação, quando classificada na categoria secreta, permanece por


quinze anos com restrição de acesso.

20. (CESPE – 2015 – FUB – TÉCNICO EM ARQUIVO)

Com relação à Política Nacional de Arquivos Públicos e Privados, julgue


o item subsecutivo.

Os documentos públicos incluem os conjuntos de documentos


produzidos e recebidos por instituições de caráter público e por
entidades privadas encarregadas da gestão de serviços públicos no
exercício de suas atividades.

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 78 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

10. Gabarito

1. ERRADA
2. C
3. C
4. CERTA
5. CERTA
6. ERRADA
7. ERRADA
8. ERRADA
9. CERTA
10. ERRADA
11. D
12. CERTA
13. ERRADA
14. B
15. CERTA
16. ERRADA
17. ERRADA
18. CERTA
19. CERTA
20. CERTA

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 79 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

11. Bibliografia

Paes, Marilena Leite (2015). Arquivologia – Teoria e Prática (3ª edição). Editora
FGV

Bellotto, Heloísa Liberalli (2006). Arquivos Permanentes. Tratamento


documental (4ª edição).

Santos, Vanderlei Batista (2013). Arquivística – Temas contemporâneos. Editora


Senac (3° edição).

Fonseca, Maria Odila (2013). Arquivologia e Ciência da Informação. Editora FGV


(1° edição)

Schellenberg, T. R. (2006). Arquivos Modernos – Princípios e Técnicas. Editora


FGV (6° edição)

Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística in


http://www.portalan.arquivonacional.gov.br/Media/Dicion%20Term%20Arquiv.
pdf

Lei federal 8.159 de 1991 in


http://www.planalto.gov.br/ccivil 03/Leis/L8159.htm

+/!1/%( Ω4λχφσδγγ5 Β ,=73;>Α <; 0;73Ι9 <; +9:∆>;?397 <; ∀2Ξ∆=≅9 Β ,∗0∀Τ <Α
Α<>=?=732ΑΗΙ9 8ΝΛΦ=:Α Ε;<;2ΑΦ

http://www.planalto.gov.br/ccivil 03/decreto/2003/D4915.htm

DECRETO 4.073/2002 – Regulamenta a lei 8.159.

http://www.planalto.gov.br/ccivil 03/decreto/2002/d4073.htm

Lei de Acesso à Informação – 12.527/2011

http://www.planalto.gov.br/ccivil 03/ ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm

DECRETO 7724 – Regulamenta a Lei. 12.527

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 80 de 81


Noções de Arquivologia para Técnico Administrativo –MPU - Prof. Ronaldo
Fonseca – Aula 04
Prof Ronaldo Fonseca – Aula 1

http://www.planalto.gov.br/ccivil 03/ ato2011-2014/2012/decreto/d7724.htm

LEI 12.682 – Elaboração e arquivamento de documentos em meios


eletromagnéticos.

http://www.planalto.gov.br/ccivil 03/ ato2011-2014/2012/Lei/L12682.htm

Prof. Ronaldo Fonseca www.estrategiaconcursos.com.br 81 de 81