Você está na página 1de 31

Centro de Fotografia

Catálogo Geral de Cursos


2018
Índice Apresentação
Aprender fotografia por quê? Aprender fotografia Pg. 5
para quê? Pg. 7
Aprender o quê? Pg. 8e9
Aprender como? Pg. 11

Cursos
Curso Anual de Fotografia

1° Semestre: Módulo Formação Pg. 15


Calendário Formação Pg. 19

2° Semestre: Módulo Avançado Pgs. 23 e 25


Calendário Avançado Pg. 27

Cursos de Inverno

Fotografia de Animais Domésticos Pg. 31

Iluminação Profissional
com Flash Portátil Pg. 33

Dominando a Luz e
Pg. 35
Criando um Estilo

Fotografia para Pg. 37


Redes Sociais

Professores
Pgs. 40 a 45

Serviço
Pg. 49

Acesso
Pg. 52

Regulamento
Pgs. 56 e 57

Anexo
Pg. 59

2 3
< Índice

Aprender fotografia por quê?

A democratização do ato fotográfico é um


fato desde 1888, quando surge a mar-
ca Kodak acompanhada do slogan “Você
aperta o botão, nós fazemos o resto”. Des-
de então, ninguém precisa mais lidar com
processos difíceis e complicados para foto-
grafar. E agora, com a imagem digital sen-
do processada automaticamente e visuali-
zada no mesmo instante na própria câme-
ra, ou em telefones
celulares, esse
descompromisso
é ainda maior. Se
fotografar ficou as-
sim tão fácil, o que
mais há para apren-
der? Uma resposta
possível parte do
fato de que naquele
“resto” há uma in-
finidade de formas
e significados que
o automatismo das
câmeras, para bem
Anúncio do lançamento da Kodak de 1888.
ou para mal, torna
visível sem a nossa participação. Só quem
viveu o desgosto de ter feito uma foto sem
graça de algo extraordinário, ou já se en-
cantou com a situação inversa, sabe que a
possibilidade dessa quebra de expectativa
é o que transforma a câmera fotográfica
em uma “caixa preta” cheia de surpresas.
Quando isso se torna um problema para
quem fotografa, surge a necessidade de
decifrar o enigma da máquina e do fenô-
meno que ela opera para poder seguir
adiante, e nesse sentido há sempre muito
que aprender.

4 5
< Índice

Aprender fotografia
para quê?

Do ponto de vista prático, a fotografia abre


um leque de possibilidades que, em 186
anos de história, compreende os mais de
cem campos de atividade listados na página
da Enciclopédia Focal de Fotografia – repro-
MODA & ESTILO duzida ao lado. Segundo o verbete Photo-
Raul Krebs graphic Fields, os critérios de classificação
podem levar em consideração o assunto
(fotografia de arquitetura, fotografia de
culinária, fotografia de retrato), o propósito
(fotografia publicitária, fotojornalismo, foto-
grafia forense), e o processo (termografia,
holografia, fotomicrografia). E muitas áreas
ainda comportam subdivisões, como é o
caso da fotografia de retrato, que pode ser
PUBLICIDADE de crianças, de animais, em estúdio, em lo-
Claudio Menëghetti cação, entre outras especialidades. A diver-
sidade é imensa – e cresce constantemente
com as sínteses muito particulares que os
fotógrafos e fotógrafas fazem entre a arte
e a ciência fotográficas. O que traz à tona
a questão final para quem decide estudar
fotografia:

Aprender o quê e como?

CULINÁRIA
Clovis Dariano

NATUREZA
Manuel da Costa

The Focal Encyclopedia of Photography


Third Edition, Focal Press, 1993
Página 583

6 7
­ ­ ­ ­
< Índice

Aprender o quê? A ESPM-Sul mantém um curso anual de qualquer atividade fotográfica. E uma ramento em áreas mais específicas, ao
de fotografia dividido em dois módu- vez que esta abordagem revela e deixa redor de cada módulo gravitam cursos
los, o M
­ ódulo de F
­ ormação e o Módulo em aberto as possibilidades de constru- eletivos de curta e média duração sobre
A­vançado, que ocorrem no primeiro e ção de sentido que esse saber propicia, o os temas especializados que estejam em
­segundo semestres r­ espectivamente. O ­Módulo Avançado expande e aprofunda os maior evidência em cada semestre. Tanto
Módulo de Formação promove o apren- conhecimentos adquiridos no Módulo de os módulos do curso anual quanto os cur-
dizado das técnicas e das teorias mais Formação para possibilitar a diferenciação sos eletivos são indepen­dentes, podendo
abrangentes e essenciais, estruturando o e o desenvolvimento do estilo pessoal ser cursados ­se­paradamente.
conhecimento necessário para o exercício de cada um. Já para quem busca aprimo-

30 h
16 h

Cursos
Intensivos
de Verão 20 h
Módulo 1 Módulo 2
Formação Curso Anual Avançado
de Fotografia Cursos de
90 h 90 h Férias
de Inverno

20 h

30 h
16 h

Cursos
Cursos de Intensivos
Férias 1º 2º de Inverno
de Verão SEMESTRE SEMESTRE

8 9
Foto: Carlos Ferrari < Índice

Aprender como?

Pode-se fotografar muito bem com uma


câmera pinhole, construída a partir de
objetos tão triviais como uma lata de
biscoitos ou uma caixa de sapatos. No
entanto, para buscar o limite da qualidade
técnica que a tecnologia oferece, sobretu-
do a digital, é necessário acesso a
recursos de ponta. Para atender essa
demanda, a ESPM-Sul dispõe de um
estúdio com mais de 100 m2 de área útil e
7 metros de pé direito que, além de contar
com os equipamentos fotográficos e de
iluminação mais modernos e diversifica-
dos, possui um recurso especial: o teto
abre, possibilitando e potencializando o
aproveitamento da luz natural. E para as
aulas de software e tratamento de
imagem, o estúdio é servido de um
laboratório exclusivo, com computadores
de alto desempenho e monitores especiais
com telas calibradas para o gerenciamen-
to da cor. Esses espaços e equipamentos
estão à disposição dos alunos não só
durante as aulas como também em
horários extras mediante agendamento.

10 11
< Índice

As páginas seguintes trazem infor-


mações detalhadas sobre os programas
dos cursos e sobre os currículos dos
professores. Se no final da leitura ainda
restarem dúvidas sobre qual curso é o
ideal para você, não hesite em nos pro-
curar para obter um atendimento mais
personalizado. A equipe de profissionais
que integra o Centro de Fotografia da
ESPM-Sul terá prazer em esclare­cer as
suas questões através das opções de
acesso listadas na página 52.

12 Foto: William Moreira 13


< Índice

PLANO DE AULAS do
MÓDULO FORMAÇÃO:
Objetivo
1. História: uma breve história da fotografia,
Promover o acesso direto às múltiplas do daguerreótipo ao processamento digital.
formas de exercício da fotografia como
condição básica para o aprendizado,
mantendo em paralelo os aspectos te- 2. A Câmera: componentes, categorias, usos,
órico, histórico, técnico e prático do ato acessórios, cuidados e manejo.
fotográfico ao longo de todo o processo
de capacitação dos alunos nas suas áre- 3. A lente: categorias, usos e efeitos.
as de interesse individuais.
4. Fotossensibilidade: zonas de luz, histogra-
ma, exposição média e exposição ideal.
Público-Alvo
5. Valor de exposição (EV): os valores de ex-
Esse curso é destinado àqueles que
buscam a proficiência em fotografia, posição como elemento de linguagem: obtu-
tanto para fins profissionais quanto de rador, diafragma e índice ISO.
­expressão pessoal.
6. Prática convergente 1 (*)
Carga Horária 180 horas-aula
7. Composição: o percurso do olhar nas tri-

>
lhas da imagem.
Encontros: 60
8. Prática convergente 2
Número de vagas: 25 por turma.
Curso Anual de Fotografia
9. Luz 1: os quatro atributos da luz.

Pré-requisitos: possuir câmera 10. Luz 2: iluminação de motivos opacos,


DSLR de qualquer marca ou modelo, e translúcidos e reflexivos.
conhe­cimentos básicos de informática.
11. Luz 3: iluminação de retratos.
Período Letivo:
12. Prática convergente 3
MÓDULO FORMAÇÂO
13. Estúdio: características, equipamentos e
De 13 de março a 28 de junho de 2018, operação.
às terças e quintas-feiras das 14h00 às
16h45. 14. Prática convergente 4

MÓDULO AVANÇADO 15. Luz 4: a lei do inverso do quadrado da


distância
De 2 de agosto a 13 de novembro de
2018, às terças e quintas-feiras das 16. Prática convergente 5
14h00 às 16h45.
17. Cor: temperatura de cor x balanço de cor.
Investimento:
18. Prática convergente 6
Até 14x de R$ 893,00 por boleto ban-
cário. Desconto de 5% para pagamento 19. Experimentalismo
à vista.
20. Lightroom 1: Módulo Biblioteca.
Inscrições:
Curso Anual de Fotografia 21. Estudo x Ensaio: Estudos de caso.

22. Lightroom 2: Módulo Revelação 1.

14 15
23. Estudo 1: Edição.

24. Lightroom 3: Módulo Revelação 2.

25. Estudo 2: apresentação e análise


dos resultados parciais dos estudos in-
dividuais.

26. Lightroom 4: Módulos de saída.

27. Mercado: sistemas de distribuição e


consumo.

28. Lightroom 5: fluxo de trabalho.

29. Estudio VIP: visita de reconhecimen-


to a um estúdio fotográfico profissional.

30. Ensaio: apresentação dos resulta-


dos finais dos ensaios individuais.

(*) Nas aulas práticas os alunos aplicam os


conhecimentos adquiridos nas aulas ante-
riores realizando exercícios dirigidos, cujos
resultados são exibidos em aula e analisa-
dos criticamente pelo professor com a parti-
cipação de toda a turma. Nessas exibições,
os alunos são estimulados a apresentarem
também os resultados dos exercícios reali-
zados extra classe.

Foto: Roberto Raskin


16 17
< Índice

CALENDÁRIO de AULAS do MÓDULO FORMAÇÃO


Terças e Quintas-Feiras
2018 Das 14h às 16h45min

Aula Data Disciplina

1 13 MAR História
2 15 MAR O Dispositivo Fotográfico 1
3 20 MAR O Dispositivo Fotográfico 2
4 22 MAR Fotossensibilidade
5 27 MAR Valor de Exposição
6 29 MAR Prática Convergente 1
7 03 ABR Composição
8 05 ABR Prática Convergente 2
9 10 ABR Luz 1
10 12 ABR Luz 2
11 17 ABR Luz 3
12 19 ABR Prática Convergente 3
13 24 ABR Estúdio
14 26 ABR Prática Convergente 4
15 03 MAI Luz 4
16 08 MAI Prática Convergente 5
17 10 MAI Cor
18 15 MAI Prática Convergente 6
19 17 MAI Experimentalismo
20 22 MAI Lightroom 1
21 24 MAI Lightroom 2
22 29 MAI Estudo x Ensaio
23 05 JUN Lightroom 3
24 07 JUN Estudo 1
25 12 JUN Lightroom 4
26 14 JUN Mercado
27 19 JUN Lightroom 5 (fluxo)
Foto: Juliano Araújo

28 21 JUN Estudo 2
29 26 JUN Estúdio VIP
30 28 JUN Ensaio

18 19
20 Foto: Bernardo Santin 21
< Índice

para, com isso, garantir a melhor acomo-


CURSO ANUAL dação possível das luzes da cena às tonali-
dades da foto.
DE ­FOTOGRAFIA
Sensitometria: enquanto a fotometria
MÓDULO AVANÇADO quantifica as diferenças entre as zonas de
luz e de sombra de uma cena, a sensitome-
tria quantifica a resposta dos suportes fo-
Carga Horária 90 horas-aula tossensíveis a essas luzes. Associada à fo-
tometria, a sensitometria é o procedimento
Encontros: 30 que possibilita o grau mais alto de controle
da escala tonal de uma foto.
Número de vagas: 25 por turma.
Colorimetria: a colorimetria estabelece
parâmetros de referência para a medição e
Período Letivo: para a criação de modelos tridimensionais
de representação das cores. É através dela
De 2 de agosto a 13 de novembro de que o aluno aprende a produzir fotografias
2018, às terças e quintas-feiras das coloridas com o mais alto grau de exatidão
14h00 às 16h45. e adequação às exigências de cada traba-
lho.
Pré-requisitos: de acordo com as
informações detalhadas no anexo da pá- Gerenciamento de cor: o aluno, depois
gina 59 de ter fotografado com a devida precisão
colorimétrica, necessita do gerenciamento
Investimento: de cor para que as características originais
das fotografias não se alterem quando fo-
Módulo Avançado (somente) rem exibidas em diferentes monitores, e re-
Cartão de crédito: até 6x de R$ produzidas em mais de um tipo de impres-
1.043,00. sora ou de papel.
Desconto de 5% para pagamento
à vista por boleto bancário. Impressão: quem fotografa vive em fun-
ção da luz, mas toda vez que uma foto
Inscrições: precisa ser impressa em um cartaz, livro
Informações no item 3 da página 59. ou revista, a luz cede lugar à tinta. Nessa
disciplina, o aluno aprende a gerenciar a
cor de fotografias destinadas à reprodução
em jato-de-tinta e off-set, paralelamente ao
DISCIPLINAS do estudo das rotinas de trabalho atualmente
MÓDULO AVANÇADO: adotas pelos principais fornecedores da in-
dústria gráfica e dos bureaus digitais.
Os Territórios da Foto + Projeto: essas
aulas formam a espinha dorsal do Módulo Sintaxe Visual: é através do visor da câ-
Avançado. Nelas, os professores desenvol- mera que o fotógrafo espreita e recorta o
vem os referenciais técnicos, estéticos e mundo, transformando o recurso do enqua-
teóricos que serão utilizados na elaboração dramento em um dos meios de expressão e
dos Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) informação mais imediatos e efetivos à sua
baseados no propósito de cada aluno, e nas disposição. As aulas de sintaxe visual par-
conexões entre o produto dessas produções tem das possibilidades formais do enqua-
individuais e as obras de autores históricos dramento como condição inicial, e evoluem
e contemporâneos. para resultados mais elaborados através de
interferências feitas tanto antes quanto de-
Fotometria: as aulas de fotometria visam pois da tomada da fotografia.
capacitar o aluno para o domínio das técni-
cas de medição das luminâncias das zonas Veiculação: esta disciplina cobre as opções
de luz e sombra em um enquadramento, e técnicas de montagem de portfolios

22 23
Foto: Camilo Santa Helena < Índice

físicos, ocupação de espaços expositivos,


aproveitamento de mídias e serviços
baseados na internet, incluindo a utilização
de suportes como tablets e smartphones,
até os modos de veiculação através de
livros e jornais.

Photoshop: as aulas de Photoshop do Mó-


dulo Avançado refinam e expandem as téc-
nicas de tratamento de imagem aprendidas
nas aulas de Lightroom do Módulo de For-
mação. Os conteúdos abordados abrangem
técnicas avançadas de ajustes localizados
de cor, contraste e nitidez através do uso
de máscaras e dos efeitos produzidos pelos
modos de mesclagem de camadas.

Iluminação: ao longo de cinco aulas, sen-


do quatroem estúdio e uma em locação,
os alunos aprendem sobre equipamentos,
técnicas e procedimentos de iluminação,
e desenvolvem as habilidades necessárias
para usar a luz e a sombra com profissio-
nalismo e expressividade. O aprendizado
das técnicas de iluminação é feito através
de estudos de caso, possibilitando ao aluno
o benefício do aprendizado que só o acesso
a situações reais de trabalho pode propor-
cionar.

Grande Formato: apesar das câmeras de


pequeno formato serem a maioria, e as de
médio, e sobretudo as de grande formato,
serem a exceção, é nestes outros extremos
da técnica fotográfica que está a maior pos-
sibilidade de controle por parte do fotógra-
fo, e as imagens de maior resolução.

Direito Autoral: as diferenças e as parti-


cularidades do direito de imagem e do direi-
to de autor são o foco dessa disciplina, que
visa esclarecer o aluno sobre os aspectos
mais preponderantes do exercício da foto-
grafia pautada pelo respeito aos direitos e
deveres individuais e coletivos.

Leitura de Portfolio: na aula final, cada


aluno exibe uma versão impressa do seu
TCC para ser analisado e comentado por
uma banca composta por pessoas de notó-
rio saber no campo da fotografia.

24 25
Foto: Camilo Santa Helena < Índice

CALENDÁRIO de AULAS do MÓDULO AVANÇADO


2018
Terças e Quintas-Feiras Das 14h às 16h45min

Aula Data Disciplina

31 02 AGO Os Territórios da Foto 1


32 07 AGO Fotometria
33 09 AGO Os Territórios da Foto 2
34 14 AGO Sensitometria 1
35 16 AGO Sensitometria 2
36 21 AGO Sintaxe Visual 1
37 23 AGO Sensitometria 3
38 28 AGO Iluminação 1
39 30 AGO Iluminação 2
40 04 SET Os Territórios da Foto 3
41 06 SET Iluminação 3
42 11 SET Iluminação 4
43 13 SET Iluminação 5
44 18 SET Sintaxe Visual 2
45 20 SET Photoshop 1
46 25 SET Marketing Aplicado
47 27 SET Photoshop 2
48 02 OUT Colorimetria
49 04 OUT Photoshop 3
50 09 OUT Grande Formato
51 11 OUT Projeto 1
52 16 OUT Gerenciamento de Cor 1
53 18 OUT Gerenciamento de Cor 2
54 23 OUT Marketing Aplicado 2
55 25 OUT Projeto 2
56 30 OUT Veiculação 1-Portfolio Físico
57 01 NOV Veiculação 2 - Fotolivro
58 06 NOV Direito Autoral
59 08 NOV Veiculação 3-Captação de Recursos
60 13 NOV Leitura de Portfolio

27
Foto: Juliano Araújo

Cursos de Verão
>

28 29
< Índice

Fotografia de Estimação
Técnicas para fotografia de animais domésticos
Objetivo Pré-requisitos
Fornecer aos alunos técnicas e ferramentas Possuir conhecimentos básicos de fotogra-
para trabalhar com fotografia de animais, fia digital e da operação de câmaras DSLR.
principalmente cães. Estimular a criativida-
de através da construção de imagens e ins- Corpo Docente
tigar a busca por uma identidade estética. Ana Carolina Leal Trava Dutra

Público Carga Horária


Estudantes, profissionais das áreas de de- O curso totaliza 20 horas-aula divididas em
sign, fotografia, publicidade e propaganda, 5 encontros de 4 horas-aula, de quarta-feira
e jornalismo. a sexta-feira à noite, e no sábado pela ma-
nhã e à tarde.
Metodologia
Exposições dialogadas e exemplificadas. Au- Número de Vagas: 17
las práticas em estúdio e externa.

C a l e nd ár i o d e A ul as e Pro g r ama d o C ur s o
Mês Dia Aula Conteúdos Horário
Breve histórico da fotografia de animais. / A intenção fo-
10 1 tográfica. / Criatividade e identidade / A importância das
referências.
das
O assunto fotográfico: Comportamento. / Técnicas de ades- 19h00
J 11 2 às
tramento. / Prática dirigida.
A 22h30

N Aula teórica e prática em estúdio. / Iluminação e Animais. /


12 3
Prática dirigida.
E
I das
Aula prática em estúdio: aplicação de técnicas para fotogra- 9h00
R 4 às
fias de gatos em ambiente controlado.
12h30
O
13
das
Aula prática em locação: aplicação de técnicas para fotogra- 14h00
5 às
fias de cães “em família”.
17h30

Investimento
Pagamento à vista: R$ 920,00
Parcelamento com Cartão de Crédito: 5x de R$ 184,00

Matrícula
Inscrições abertas até 5 janeiro de 2018.

Inscrição
h ttp ://w w w. e s pm. br/c urso sde fe rias

30 Foto: Tyron Scholem 31


< Índice

Iluminação Profissional com Flash Portátil


Objetivo Pré-requisitos
Capacitar os alunos nas técnicas e nos pro- Conhecimentos básicos de fotografia digi-
cedimentos de iluminação com unidades tal.
de flash portátil para fins profissionais e de
expressão pessoal. Corpo Docente
Guilherme Lund
Público
Profissionais, estudantes e demais interes- Carga Horária
sados em fotografia digital em busca de O curso totaliza 16 horas-aula dividi-
aprimoramento e treinamento. das em 4 encontros de 4 horas-aula, de
segunda-feira a quinta-feira à noite.
Metodologia
Exposições dialogadas e exemplificadas. Número de Vagas: 22
Experimentaçõse e exercícios práticos exe-
cutados pelo aluno elaborados a partir de
situações reais de trabalho.

C a l e nd ár i o d e A ul as e Pro g r ama d o C ur s o
Mês Dia Aula Conteúdos Horário
Os atributos da luz / Apresentação dos recursos do flash
portátil./ Interpretando o número-guia./ Medição da expo-
15 1
sição ideal./ Flashmeter: funcionamento e funções./ Traba-
lhando com o flash fora da câmera.
J
A A direção da luz: acessórios para suporte de flash portátil./
16 2 Modos de operação. / Flash bracketing./ Flash de estúdio x das
N
flash portátil. 19h00
E
às
I A qualidade da luz: acessórios para controle da qualidade
22h30
R 17 3 da luz./ A cor da luz: temperatura de cor e balanço de cor./
Demonstração prática: fotografias de produto em estúdio.
O
Controlando a intensidade da luz: luz do flash e luz ambien-
18 4 te./ Equilibrando a iluminação do flash com a do ambiente./
Demonstração prática: retrato em estúdio e locação.

Investimento
Pagamento à vista: R$ 725,00
Parcelamento com Cartão de Crédito: 5x de R$ 145,00

Matrícula
Inscrições abertas até 11 de janeiro de 2018.

Inscrição
h ttp ://w w w. e s pm. br/c urso sde fe rias

Foto: Carlos Ferrari


32 33
Foto: Carlos Ferrari < Índice

Dominando a Luz e Criando um Estilo


Objetivo processos de iluminação e composição de
Saber identificar os diferentes equipamen- objetos e pessoas. Exercícios práticos exe-
tos de iluminação de estúdio e conhecer cutados pelo aluno.
seus efeitos. Desenvolver a capacidade
de utilizar a iluminação como elemento de Pré-requisitos
transformação e valorização da cena. De- Conhecimentos básicos de fotografia digital.
senvolver a percepção e o senso de com-
posição. Corpo Docente
Clovis Dariano
Público
Estudantes e fotógrafos iniciantes interes- Carga Horária
sados em fotografia de estúdio. O curso totaliza 16 horas-aula dividi-
das em 4 encontros de 4 horas-aula, de
Metodologia segunda-feira a quinta-feira à noite.
Projeções de portfólio dialogadas e exem-
plificadas. Demonstrações práticas dos Número de Vagas: 22

C a le nd ár i o d e A ul as e Pro g r ama d o C ur s o
Mês Dia Aula Conteúdos Horário

Conceitos básicos de luz. / Características da Luz. / Nomenclatura.


22 1 / Projeções de exemplos (portfólio) e análise. / Identificação dos
equipamentos de iluminação de estúdio.
J
Demonstração dos efeitos de cada acessório. / Montagem e
A
23 2 desmontagem. / Exercícios com iluminação para objetos re- das
N flexivos e opacos. / Exercícios com iluminação difusa e dura.
19h00
E
Exemplos práticos de composição e iluminação. / A ilumi- às
I
24 3 nação como elemento de composição e dramatização (con- 22h30
R strução do estilo). / Iluminando pessoas. / Exercícios práticos.
O
Trabalhando luzes conflitantes. / Efeitos e defeitos. / A ilumi-
25 4 nação no trabalho autoral. / Iluminação especial (experiên-
cias com fibra óptica). / Exercícios práticos.

Investimento
Pagamento à vista: R$ 725,00
Parcelamento com Cartão de Crédito: 5x de R$ 145,00

Matrícula
Inscrições abertas até 18 de janeiro de 2018.

Inscrição
h ttp ://w w w. e s pm. br/c urso sde fe rias

35
Foto: Manuel da Costa < Índice

Fotografia com Smartphone para Turbinar


suas Redes Sociais
Objetivo Pré-requisitos
Capacitar os alunos nas técnicas e compre- Possuir um smartphone com câmera foto-
ensão da linguagem fotográfica com smar- gráfica.
tphones para fins de expressão pessoal ou
profissional. Corpo Docente
Prof. Guilherme Lund
Público
Todas as pessoas interessadas em me- Carga Horária
lhorar suas fotografias realizadas com O curso totaliza 12 horas/aula divididas em
smartphones. 3 encontros de 4 horas/aula, de segunda-
-feira a quarta-feira à noite.
Metodologia
Exposições dialogadas e exemplificadas; Número de Vagas: 25
experimentações práticas elaboradas a
partir de situações cotidianas; exercícios
práticos executados pelo aluno.

C a l e nd ár i o d e A ul as e Pro g r ama d o C ur s o
Mês Dia Aula Conteúdos Horário
Organizando a imagem: Composição fotográfica. / Ponto de vista
Perspectiva / Escala / Planos / Momento do clique. / Eliminando
22 1 distrações na imagem. / Reconhecendo e resolvendo problemas.
/ Os grandes temas da fotografia: Retrato / Paisagem / Natureza-
J
morta.
A
Recursos da câmera: Explorando as funções da câmera do das
N
23 2 seu smartphone. / Cuidados importantes. / Acessórios. / Di- 19h00
E
cas fundamentais de iluminação. / Exercício prático. às
I
22h30
R Fotografar e Editar: Exercício prático. / Demonstração e práti-
O ca com os melhores aplicativos para edição. / Preparação e
24 3 envio de fotos para impressão. / Formatos, aplicativos e for-
necedores. / Como baixar as fotografias para o computador e
fazer backup. / Dicas de redes socias, páginas e blogs.

Investimento
Pagamento à vista: R$ 598,00
Parcelamento com Cartão de Crédito: 5x de R$ 119,60

Matrícula
Inscrições abertas até 18 janeiro 2018.

Inscrição
h ttp ://w w w. e s pm. br/c urso sde fe rias

32 37
Foto: Carlos Ferrari
38 39
< Índice

A
Museo Nacional de Arte Moderna Carlos Merida,
na Cidade da Guatemala. Desde 2008 integra o
corpo docente do Curso Avançado de Fotografia
Digital da Escola de Criação da ESPM, onde mi-
nistra a Master Class de Fotografia Publicitária.

h t t p : // w w w. s t u d i o m e . c o m . b r
André Nery é engenheiro por formação, mas de-
dica-se a fotografia desde meados dos anos 90.
A fotografia outdoor é seu tema preferido, em-
bora a arquitetura, tanto Clovis Dariano estudou pintura com Paulo Por-
urbanística como de inte- cella de 1965 a 1967; diplomou-se como técni-
riores, ocupe boa parte de co em p r o p a g a n d a e m 1969; cursou o Ins-
sua agenda. Desde 2005 tituto de Ar tes da UFRGS de 1970 a 1974;
vem se especializando nos r e a l i z o u pesquisas em ar te conceitual com
softwares de tratamento Julio Plaza de 1972 a 1973; estudou gravura em
de imagem, tendo realiza- metal com Iberê Camargo
do cursos nos EUA com os em 1973; e fotografa e
maiores nomes da indús- dirige o seu próprio estú-
tria. Em 2006 ministrou dio desde 1970. Em 1977
palestras no Photoshop funda o “Nervo Óptico -
Conference em São Paulo, tornando-se mem-bro uma publicação aberta às
da National Association of Photoshop Professio- novas poéticas visuais”,
nals (NAPP). No ano seguinte montou estúdio juntamente com os ar-
próprio, onde, além da fotografia, trabalha no tistas Carlos Asp, Carlos

>
tratamento de imagens e impressão. É nesse Pasquetti, Mara Álvares,
mesmo local que ministra uma série de cur- Telmo Lanes e Vera Cha-
sos sobre Photoshop, Lightroom e fluxo digital. ves Barcellos. Possui obras no Museu Francês
da Fotografia, Museu de Arte da UFRGS, na co-
h t t p : / / w w w . a n d r e n e r y . n e t
Professores
leção Joaquim Paiva, Coleção Gerdau, entre ou-
tras. Atualmente ministra oficinas e palestras
sobre a fotografia e suas possibilidades artísti-

C
cas, e cursos de extensão universitária de “Ilu-
minação de estúdio na fotografia publicitária”.
Obteve diversos prêmios na área da fotografia
publicitária e em salões de arte no Brasil e ex-
terior, tendo realizado exposições de destaque
como “A Arte Como Questão”, no Instituto Tomie
Ohtake de São Paulo, e “Filmes de Artista Brasil”,
no Espaço OI Futuro, no Rio de Janeiro, em 2007;
Claudio Mene­ghëtti é formado em Análise de “Re-visões”, no Espaço O‐Fundação VCB, em Por-
Sistemas pela Unisinos. I n i c i o u s u a s a t i v i d a - to Alegre, em 2006; “La Stette nel Mondo”, Proje-
d e s como fotógrafo em 1995, q u a n d o d e c i d i u to Toni Ferro Firenze, em Milão, Itália, em 2003;
t r a n s f o r m a r seu principal h o b b y e m p r o f i s - “Arte Anos 70-, na Galeria Obra Aberta, em Porto
s ã o . A p ó s t r a b a l h a r com outros fotógrafos, Alegre, em 2001; “Simbiose”, projeto financiado
montou, no ano de 2001, pelo FUMPROARTE de Porto Alegre; “Algo Noir”,
seu estúdio próprio para na Galeria Obra Aberta, em Porto Alegre; e “Fo-
atender o mercado de tografia Brasileira Contemporânea”, no Museu
publicidade, trabalhando Nacional de Arte de La Paz, na Bolívia, em 2000.
com agências de propa-
ganda e clientes diretos.

E
Venceu o 8° Concurso
Leica/Revista Fotogra-
fe Melhor, na categoria
Ensaio Fotográfico, com
a série “Autoestima”. É
um dos dez finalista do concurso Hasselblad
Masters 2010 na categoria Fashion & Beauty.
Já expos a série “Autoestima” na Galerie d’Art
François Mansart, em Paris, e na Power House Eduardo Veras é jornalista, professor, crítico
Arena, em Nova York, dentro da programação do de arte e curador independente, atuando como
New York Photo Festival 2011. Com este mesmo pesquisador no campo de artes visuais. É douto-
trabalho, foi o único fotógrafo Sul Americano a rando em História, Teoria e Crítica de Arte pela
ser selecionado, entre mais de 400 inscritos de Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFR-
47 países, para a exposição principal do Gua- GS), com pesquisa sobre enunciados verbais na
tePhoto: International Festival of Contempora- arte contemporânea, sob orientação de Mônica
ry Photography, realizado em julho de 2010 no Zielinsky. É mestre pela mesma instituição, com

40 41
< Índice

dissertação sobre o o uso da entrevista em es- do desenvolvimento informático de instrumen- Guilherme Lund é pós graduado em Poéticas Sentimentos, pela Editora Escrituras. Concebeu
tudos sobre o processo de criação artística, sob tos multimídia de ajuda a decisões em Tecno- Visuais: fotografia e imagem digital, na Feevale. e coordenou o projeto Expedição Natureza San-
orientação de Elida Tessler. Leciona na Univer- logia da Informação para empresas; de 1994 a Trabalhou em assessoria de imprensa, estúdio, ta Catarina, que resultou no livro lançado em
sidade do Vale do Rio dos 2001, em Porto Alegre, trabalha com produção laboratório fotográfico e como fotógrafo still de 2005 pela Editora Letras Contemporâneas. Em
Sinos (Unisinos) no curso multimídia, tratamento e manipulação digital e cinema. Vem participando de exposições foto- 2008 lançou o segundo livro do mesmo projeto,
de Comunicação Social, no fotografia publicitária; em 2001 cria o NextFoto gráficas coletivas e indivi- Expedição Natureza Gaúcha, em parceria com a
Curso de Realização Audio- Banco de Imagens, onde atua como art-buyer e duais, sendo premiado em Editora Metalivros. Atualmente está produzindo
visual (Crav) e na Especia- editor fotográfico até agosto de 2005; a partir de alguns concursos e finan- o terceiro livro da série Expedição: Natureza do
ciamentos culturais. Fez Tocantins. Além disso administra a Vista, seu
lização em Cinema. É ba- 2005, ministra cursos de fotografia digital e fluxo
parte do júri de seleção banco de imagens, fotografa para a Getty Ima-
charel em Jornalismo pela de trabalho com arquivos RAW, presta consulto-
das Galerias Lunara e dos ges e dá oficinas de fotografia de natureza em
UFRGS. Trabalhou por 17 ria em organização de acervos digitais, realiza
Arcos (especializadas em várias cidades do Brasil.
anos no Segundo Caderno do jornal Zero Hora, serviços de tratamento de imagens e desenvol-
fotografia) no município
como repórter, editor e crítico de arte. Entre ve projetos de fotografia documental e autoral. ht tp:// w w w.vist aimagens.com.br
de Porto Alegre entre os
1999 e 2007, editou o caderno Cultura, suple- anos de 2002 e 2005. Na atividade didática, mi-
ht tp://www.photoshowcase.com.br
mento semanal do mesmo jornal. Em 1997, em nistrou uma série de cursos e coordenou a área
parceria com Itamar Melo, conquistou o Prêmio

L
de fotografia do projeto de Descentralização da

F
Esso de Reportagem/Região Sul pela série “No Cultura da Secretaria Municipal da Cultura de
limiar da civilização”. Assinou a curadoria das Porto Alegre entre os anos de 2002 e 2004. Atu-
exposições A linha incontornável – Desenhos almente, trabalha como professor de Fotografia
de Iberê Camargo, na Fundação Iberê Camargo nos cursos de Design e Publicidade e Propagan-
(Porto Alegre, 2011), Francisco Stockinger - O da da ESPM e desenvolve trabalhos como fotó-
combate silencioso, no Centro Cultural dos Cor- grafo comercial.
reios (Rio de Janeiro, 2008) e Palavra figurada, Leopoldo Plentz estudou Artes Plásticas no
Fernando Bakos graduou-se em Comunicação
no Espaço Cultural da ESPM (Porto Alegre, 2007). Instituto de Artes da Universidade Federal do

J
e obteve o título de Mestre em Poéticas Visuais Rio Grande do Sul e gravura no Atelier Livre da
Integra o conselho consultivo da Fundação
pela UFRGS, e aprofundou conhecimento em Prefeitura de Porto Alegre de 1975 a 1980. Co-
Vera Chaves Barcellos, com sede em Viamão.
Performance no The Kitchen em NY (EUA) com ordenou o Gabinete de Fotografia da Faculdade
Philip Glass, Meredith Monk e Laurie Anderson, de Arquitetura da UFRGS de 1980 a 1990. Inte-
entre outros. As pesqui- grou a equipe do Núcleo de Fotografia da Fa-
sas trataram do videoclip culdade de Biblioteconomia e Comunicação da
Edy Kolts nasceu e começou a fotografar pro-
como arte e comunicação, UFRGS de 1990 a 1996 e foi professor de foto-
fissionalmente em Buenos Aires, na Argentina.
das imagens humanas grafia na Faculdade de Artes e Comunicação da
Em 1976, durante nove meses, trabalhou para José Luiz Martins (Zé) Paiva nasceu em 29 de Universidade de Passo Fundo de 1996 a 1998. .
no universo digital e das
editoras de livros e imagens para arquivo nos agosto de 1961, em Porto Alegre. Trocou a en- Fotografa desde 1975, dedicando-se à fotografia
possibilidades narrativas
Estados Unidos. Em 1980 realiza diversos cursos genharia pela fotografia após uma longa viagem de autor e à documentação de bens culturais.
multimidia. Sócio de escri-
de fotografia em Buenos Aires com renomados pela Europa e Norte da África, em 1984. Iniciou- Expõe seus trabalhos regularmente desde 1979
tórios de comunicação e
fotógrafos profissionais: -se na fotografia profissional na sucursal do jor- em mostras coletivas e individuais, possuindo
design por 15 anos, desen- obras em acervos públicos como o Museu de
Retrato, Processos espe- nal O Globo. Mudou-se para Florianópolis onde,
volveu projetos de marca, cenografia e eventos, Arte de São Paulo - Coleção MASP Pirelli de Foto-
ciais em Cromos, Retratos desde 1985, dirige seu estúdio. Aprimorou seus
incluindo Liquid e Planeta Atlantida. Hoje faz grafia, Museu de Arte Contemporânea de Porto
Sociais (Kodak Argentina) estudos no International
consultoria para projetos especiais e eventos. Alegre, Museu de Artes do Rio Grande do Sul Ado
e Iluminação Publicitária Center of Photography,
Foi professor do Pós-Graduação em Arte da Malagoli, Museu de Arte Latino Americana, OEA,
; de 1981 a 1984 trabalha em Nova Iorque. Ensinou
Feevale e atualmente é professor da faculdade Washington, Museu da Fotografia da Fundação
para a Editorial Perfil como fotografia no curso de
de Design da ESPM-Sul nas disciplinas de Lin- Cultural de Curitiba, Biblioteca Nacional de Paris,
laboratorista e fotógrafo, Artes da Universidade do
Museu Nacional de Belas Artes de Buenos Aires
guagem Visual, Arte e Tecnologia, Analise Grá- Estado de Santa Catarina
associando‐se à Asociaci- e em coleções privadas, sendo a mais impor-
fica, Criação e Portfolio, além de orientador de e na Fundação Universida-
ón Argentina de Reporteros Gráficos; de 1984 a tante a coleção de fotografia de Joaquim Paiva.
projetos de graduação e TCCs de Comunicação. de Regional de Blumenau. Foi contemplado em 1998 com o Prêmio Gaúcho
1986, no Brasil, trabalha como fotógrafo/repór-
Mantém uma produção artística em diversos Realizou exposições nas de Fotografia; obteve o pri-
ter correspondente das editoras Perfil e Abril de
meios, de desenho à musica, com várias expo- principais cidades do Brasil e recebeu diversos meiro lugar na categoria
Buenos Aires, Argentina, e da agência Sygma da
sições individuais e coletivas. Como Designer, prêmios, entre eles o Raulino Reitz, da Funda- Fotografia de Arquitetu-
França; de 1986 a 1989 trabalha nas áreas publi- ção do Meio Ambiente de Santa Catarina, em ra do Concurso Nacional
foi premiado pela criação da identidade e car-
citária e autoral, e ministra cursos profissiona- 2002, menções honrosas no International Photo 500 Anos promovido pelo
taz da 22ª Bienal Internacional de São Paulo.
lizantes de fotografia básica, profissional e ilu- Awards – Nova Iorque, em 2005 e 2006, e no Prix CONFEA, 1999; recebeu o

G
minação publicitária, na Preto & Cor - Centro de de la Photographie – Paris, 2007. Em 2009 foi Prêmio Icatu de Artes, que
Estudos em Arte e Propaganda em Porto Alegre; selecionado para a coleção Pirelli Masp de foto- consistiu na estadia de seis
de 1989 a 1994 estuda processos fotográficos grafia. Em 2010 foi finalista do prêmio Conrado meses na Cité internationa-
digitais e multimídia integrando uma equipe de Wessel, na categoria ensaio fotográfico. Teve le des Arts em Paris, 2001.
Recebe Menção Especial no Prêmio Porto Segu-
pesquisa na Université de Sciences Sociales de fotos publicadas em inúmeros livros e revistas.
ro de Fotografia, 2001; Recebe Menção Honrosa
Grenoble II, França, coordenando e participando Em 2004, lançou o livro Santa Catarina – Cores e

42 43
< Índice

pelo Conjunto da Obra no concursointernacional Artes Gráficas do RS, especializou-se em re- sa Vitae de Artes (1997), o Prêmio Nacional Veras, lançou a publicação “Viagem pela linha
O Espaço do Público, promovido pela rede Mer- produção de imagens operando scanners cilín- de Fotografia da FUNARTE (1998) e o Prêmio invisível”, um relato sobre a região da frontei-
cocidades, 2002; recebe a Bolsa Vitae deArtes dricos analógicos de alta Gaúcho de Fotografia (1999). Possui diversas ra do Brasil com a Argentina e o Uruguai. Este
para dar continuidade ao projeto Cidades Vi- definição. Posteriormen- obras em galerias e acervos particulares, as- projeto foi exposto na Galeria Mascate (Porto
síveis, em 2004; recebe o Prêmio Pestana, em te, com a informatização sim como nos acervos públicos do Museu da Alegre), Casa das Onze Janelas (Belém) e Gale-
Portugal, através do concurso internacional de dos processos, voltou- Fotografia da Cidade de Curitiba, Museu de ria Act’image (Bordeaux, França). Possui obras
fotografias Niemeyer 100 anos, 2007. -se para o tratamento de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Museu de arte nas coleções do Museus de Arte Contemporâ-
imagens com Adobe Pho- de São Paulo, Museu de Arte do Rio Grande nea do Rio Grande do Sul (Porto Alegre), Fun-
toshop desde a versão 2.5 do Sul Ado Malagoli, e nas coleções Joaquim dação Vera Chaves Barcellos (Porto Alegre) e
Luiz Armando Capra Filho nasceu em Por- e posteriormente Adobe Paiva, MASP-Pirelli, e Gilberto Chateaubrian. Acervo Espaço Cultural Casa das Onze Janelas
to Alegre, em 1976. É licenciado em História Lightroom. Em 2000 veio (Belém). Participa regularmente de exposições
pela Faculdade Porto-Alegrense de Educação, obter a certificação Adobe Certified Expert na coletivas no Brasil e Europa.
Ciências e Letras (FAPA) e pós-graduado em versão 5.0 através de exame de proficiência. Márcia Lunardi Flores atua há 8 anos como
História Contemporânea pelo Centro Univer- Além disso, buscou o desenvolvimento de pro- advogada.Graduada em Letras pela FAPA no

R
sitário La Salle (Unilasalle). Possui MBA em cessos consistentes de reprodução de cores ano de 1996. Graduada em Ciências Jurídicas e
Gestão Empresarial na (gerenciamento de cores) e a finalização de Sociais na PUCRS no ano de 2002. Pós Gradu-
Fundação Getúlio Vargas arquivos para diversos sistemas de impressão. anda em Direito Processual Civil pela Acade-
(FGV). Atualmente, cursa Neste período percebeu a convergência das mia Brasileira de Direito
o mestrado em Proces- tecnologias do setor gráfico com a fotografia Processual Civil – ABDPC.
sos em Manifestações e buscou o conhecimento que lhe permitiu Atua como advogada
Culturais da FEEVALE. esta integração. Posteriormente desenvolveu desde 2002, dedicando
Tem atuação diversifica- atividades no Estúdio Fotográfico Save, da Im- especial atenção aos ca- Raul Krebs atua há 14 anos no mercado pu-
da nas áreas de cultura, presul Serviços Gráficos, como coordenador e sos envolvendo proprie- blicitário brasileiro. Graduado em Publicidade
pesquisa e patrimônio responsável técnico. Atualmente coordena o dade intelectual e direi- e Propaganda na PUCRS em 1992, dedicou-se
histórico. Entre 2001 e 2002, atuou como his- departamento de pré-impressão da Impresul tos autorais. Atua como à fotografia comercial, sendo eleito Fotógrafo
toriador no Instituto de Patrimônio Histórico Serviços Gráficos e dos Estúdios Meca, voltado professora no Instituto do Ano no Salão da Propaganda-RS em 1996
e Artístico do Estado (IPHAE). Fez parte da para criação de imagens integrando serviços de Fotografia da ESPM, desde maio de 2009, e 2004. Único fotógrafo gaúcho publicado no
equipe do projeto Memória Viva Iberê Camar- de fotografia, 3D e manipulação de imagem, atuando na área relacionada aos Direitos Auto- Anuário do Clube de Criação de São Paulo em
go, da Fundação Iberê Camargo. Atuou como realiza consultoria a clientes, orientando téc- rais na Fotografia. Participou da 5ª Oficina Te- 2002, também foi premia-
coordenador editorial dos livros Intérpretes nicas e materiais para produção de materiais órico Metodológica do Núcleo de Antropologia do no IX New York Festi-
do Brasil: seminário e exposição (2005), Brasil gráficos. Visual da UFRGS, em agosto de 2003, discor- vals - International Adver-
TransVerso: artes e cultura em debate (2005), rendo sobre direito de Imagem e Direitos Au- tising Awards e finalista
Cultura Alemã – 180 anos (2004), Cultura Ita- torais: enfoque sobre as dúvidas rotineiras do do Prêmio Conrado Wes-

M
liana – 130 Anos (2005) e também da série pesquisador acadêmico e cientista social. Em sel de Fotografia Publi-
Histórias de Porto Alegre, Jockey Club (volume abril de 2003, participou como palestrante do I citária em 2005 e 2006.
1) e Chalé da Praça XV (volume 2). Colaborou Seminário de Fotografia, promovido pela AGA- Associado desde 1996 à
na produção e curadoria das exposições Erico FOTO, sobre Direitos Autorais e Fotografia. Co- ABRAFOTO, principal en-
Veríssimo – Retratos da vida inteira (MARGS, laborou com matéria jornalística sobre Direito tidade reguladora do Mercado de Fotografia
2005), Sergio Buarque de Holanda – Intérprete à Imagem e Fotografia, veiculada na Revista Publicitária do país, leciona como professor
do Brasil (CCMQ, 2004) e Simões Lopes Neto Fotografe melhor, edição de fevereiro de 2004. titular da Cadeira de Fotografia na Especializa-
(Centro Cultural CEEE Erico Veríssimo, 2004). Manuel da Costa (coordenador) iniciou ção em Imagem Publicitária (PUCRS), Fotogra-
Até 2006, foi produtor e sócio da empresa Te- carreira no campo das artes visuais, com ên- fia Publicitária da Escola de Criação e Fotogra-
los Empreendimentos Culturais, na qual ge- fase em fotografia, no começo da década de Marco Antonio Filho atua como fotógrafo, fia de Moda na Pós-Graduação em Marketing e
renciou dezenas de projetos, atividade que o 70. Graduou-se em comu- artista visual e professor. É mestre em Poéti- Moda (ESPM). Estudou Retrato e Auto-retrato
qualificou no desenvolvimento e operacionali- nicação pela UFRGS em cas Visuais pelo Instituto de Arte da UFRGS e na Paris Photographic School em 2001 e ex-
dade na área, além de suas leis de fomento, 1984, onde também se bacharel em Comunicação Social pela UNISI- pôs em Porto Alegre, São Paulo e no Canela
como a Lei Estadual de Incentivo a Cultura pós-graduou obtendo o NOS. Em 2015 ganhou o VI Prêmio Diário Con- Workshops/2002 a série de fotografias Fore-
(LIC/RS) e a Lei Federal de Incentivo a Cultura título de mestre em 2006. temporâneo de Fotogra- play (2002), sobre o tema fetiche. Participou
(Lei Rouanet). Assumiu, em 2007, a direção da Hoje, alterna-se entre a fia e em 2012 foi um dos do festival Multiple X do Instituto Goethe com
Assessoria de Projetos Especiais da Secretaria fotografia profissional, ganhadores do XII Prê- o trabalho Hello. my name is it!, em 2004, em
de Estado da Cultura. Em 2009, foi seleciona- o ensino da fotografia mio Funarte Marc Ferrez co-autoria com Marion Velasco, Trampo (gra-
do pelo programa Courants du Monde, onde na ESPM-Sul, onde acu- de Fotografia. “Já não é fitti) e Eduardo Aigner (fotografia). Paralelo ao
participou na cidade de Grenoble, na França, mula as funções de professor e coordenador mais verão”, sua primei- mercado de fotografia publicitária, desenvolve
do Observatoire des Politiques Culturelles. do Centro de Fotografia, e a pesquisa autoral ra exposição individual, trabalho autoral de retratos, auto-retratos, fe-
vinculada a novas tecnologias, em especial a foi apresentada na Casa tiche em fotografia e fotografia pinhole, atu-
digital, que utiliza desde 1990. Realizou vá- de Cultura Mário Quinta- ando também como diretor de fotografia em
Luís Fernando Taboada é administrador de rias exposições no Brasil e no exterior, e en- na (Porto Alegre), no Ateliê da Imagem (Rio de filmes publicitários, atendendo as principais
empresas com especialização em Estratégias tre as premiações recebidas destacam-se o Janeiro) e no International Festival of Photogra- produtoras do Mercado gaúcho.
de Marketing pela UCS e Fotografia Digital pela Prêmio Máximo da I Bienal Internacional de phy PhotoVisa (Krasnodar, Rússia). Em parce-
ESPM-Sul. Com formação técnica no SENAI de Fotografia Cidade de Curitiba (1996), a Bol- ria com o professor e crítico de arte Eduardo ht tp:// w w w.e s t udiomut ante.com.br

44 45
46 47
< Índice

CENTRO DE FOTOGRAFIA
Coordenador Geral
Manuel da Costa, Prof. Me.

Equipe fixa

>
Guilherme Isoppo
Gustavo Jardim

ESPM-Sul Voluntários
Ana Claudia
Anahi Laran
Bianca da Costa
Luiza Kronbauer
Marcelo Vianna

48 49
Foto: Carlos Ferrari
Foto: Carlos Ferrari

50
50 51
51
< Índice

Escola Superior de Propaganda e Marketing

Centro de Fotografia
Rua Guilherme Schell, 268 / 2º subsolo
90640-040 Porto Alegre – RS
Brasil
> Acesso
Fone: (55) 51+ 3218-1340
de segunda a sexta-feira das 9h00 às 18h00
ou pelo e-mail:
fotografia-rs@espm.br

http://foto.espm.br

52 53
Foto: Bernardo Santin
54 55
< Índice

1. Objetivos 6. Cancelamento do curso do cartão de crédito serão debitadas, ou, em


caso de pagamento com cheques, estes serão
Melhorar a capacitação de profissionais ligados 6.1. Cancelamento por parte do aluno depositados e o aluno não terá direito ao res-
à fotografia e de interessados em fotografia sarcimento independente do número de aulas
em geral, oferecendo conteúdo teórico e ins- 6.1.1. O aluno pode solicitar o cancelamento assistidas.
trumental essencial dentro da área de abran- do curso a qualquer momento, comunicando a
gência de cada curso, com ênfase na aplicação sua decisão à secretaria acadêmica através de 8. Registros de aulas
prática dos conhecimentos adquiridos. documento impresso ou e-mail. Porém, caso
queira refazer o curso em outra ocasião, não 8.1. O registro fotográfico das aulas é permiti-
2. Visão geral poderá contar com o abatimento das discipli- do desde que não infrinja o direito de imagem
nas já cursadas, devendo refazê-lo por inteiro. das pessoas retratadas.
Os cursos de fotografia da ESPM-Sul são de
extensão, possuindo, cada um deles, um pro- 6.1.2. Para o aluno que solicitar o cancela- 8.2. A gravação em áudio e/ou vídeo de con­
grama e uma carga horária específica. O pre- teúdos de aulas e/ou palestras é permitida
mento antes do início das aulas, a escola de-
sente Catálogo Geral de Cursos, disponível
volverá 80% do valor pago referente à primei- mediante consulta prévia ao professor/pa-
para download em http://foto.espm.br, com o
ra parcela, e será solicitado o cancelamento lestrante e seu consentimento por escrito.
detalhamento e a estrutura de funcionamen-
das demais parcelas feitas no cartão de cré- Entretanto, mesmo no caso de autorização,
to de cada curso, completa e integra este re-
dito ou a devolução dos cheques pré-datados. é vedada a publicação total ou parcial desse
gulamento.
O mesmo valendo para o pagamento a vista. conteúdo em qualquer meio de comunicação,

>
3. Certificação bem como o compartilhamento com terceiros.
6.1.3. Para o aluno que solicitar o cancela-
A ESPM-Sul fornecerá certificado em nível de mento após o início das aulas, será efetuado o 9. Autorização de uso de imagem
extensão ao aluno que atender aos critérios de cálculo entre a carga horária contratada e pos-
aproveitamento estabelecidos pelo programa ta à sua disposição, até a data da desistência. 9.1. O aluno regularmente matriculado em
de cada curso, vinculado à frequência mínima No caso de valor pago a maior, a escola fará o qualquer um dos cursos de fotografia da
exigida para aprovação de 75% (setenta e cin- reembolso de 80% deste valor. ­ESPM-Sul autoriza a escola a captar imagens
co por cento) de presença nas aulas e à quita- fotográficas e filmagens das atividades que

Regulamento ção de todas as mensalidades. 6.1.4. Por tratar-se de cursos com programa
único, não há possibilidade de trancamento de
realizar durante as aulas.

4. Pré-requisitos disciplina/matrícula. 9.2. As imagens assim captadas poderão ser


reproduzidas em qualquer meio impresso e/ou
Os pré-requisitos são determinados de acordo 6.2. Cancelamento por parte da Escola eletrônico para fins de documentação, expo-
com as necessidades específicas de cada cur- sição pública, promoção, divulgação e propa-
so, cabendo ao aluno atendê-los na íntegra e 6.2.1 A ESPM reserva o direito de cancelar o ganda da ESPM e de seus respectivos cursos
com a devida antecedência ao início das aulas. curso por falta de quorum mínimo de alunos por tempo indeterminado.
por turma, nesse caso a escola devolverá ao
5. Verificação de presença aluno 100% do valor pago. O curso poderá 9.3. A presente autorização é gratuita, não ca-
ser cancelado por falta de quorum mínimo em bendo ao aluno qualquer tipo de remuneração
5.1. A verificação de presença é obrigatória qualquer momento do processo. ou indenização pelo uso de sua imagem nos
em todas as aulas, inclusive nas aulas de re- termos acima descritos.
posição e de apresentação de trabalhos. Cada 6.2.2. Na hipótese de cancelamento por parte
período de aula equivale a uma presença. Por da escola, será devolvido, automaticamente, 10. Disposições gerais
período entende-se uma manhã, uma tarde ou
100% do valor pago por meio de depósito na
uma noite. 10.1. Os casos não contemplados neste regu-
conta bancária indicada pelo aluno, em até
dez dias úteis. lamento devem ser apreciados pelo conselho
5.2. A verificação de presença será feita pelo
de direção geral, cuja decisão é soberana e
professor até no máximo quinze minutos após
6.2.3. A ESPM não se responsabiliza por quais- dela não cabe recurso.
o horário estabelecido para o começo de cada
aula. Após o preenchimento, os diários de quer outros valores que eventualmente te-
classe são recolhidos pela equipe da secreta- nham sido despendidos pelo aluno em virtude 10.2. O aluno deverá aceitar as determina-
ria acadêmica para fins de aferição e arquiva- do cancelamento do curso seja a que título for, ções deste regulamento no ato da matrícula,
mento. tais como passagens aéreas ou rodoviárias, assinando o termo de compromisso corres-
combustível, alimentação, hospedagem, etc. pondente. Esse ato demonstra que o aluno
5.3. Em caso de ingresso no curso após a data conhece, concorda e está disposto a respeitar
estabelecida para o início das aulas, o aluno as- 7. Abandono do curso e cumprir as disposições deste regulamento,
sume a responsabilidade pelas faltas registra- sendo esta uma condição indispensável para
das em diário de classe referente às aulas ocor- Considera-se abandono de curso quando o seu ingresso e permanência na ESPM-Sul.
ridas até a data da efetivação da sua matrícula. aluno deixa de frequentá-lo sem efetuar o can-
celamento formalmente. Nesse caso, até que
5.4. Não há abono de faltas o aluno solicite o cancelamento, as parcelas

56 57
< Índice

PROVA DE ADMISSÃO PARA O MÓDULO AVANÇADO


DO CURSO ANUAL DE FOTOGRAFIA DA ESPM-SUL

1. 8.
A admissão no M
­ ódulo Avançado do C­urso A entrega do ­portfolio e a realização da
Anual de Fotografia da ESPM-Sul é auto- prova ocorrerão no período da manhã, no
mática para quem se matriculou no Cur- sábado do dia 14/07/2018, no Prédio C da
so Anual completo e completou o Módulo ESPM-Sul, na Rua Guilherme Schell N°268.
Formação.
9.
2. A localização da sala da prova - e da en-
Para ingressar no Módulo Avançado sem
ter cursado o Módulo Formação, é neces- trega do portfolio - estará sendo informada
sário possuir uma câmera DSLR, obter a em cartaz afixado no saguão de entrada
pontuação mínima em uma prova escrita do Prédio C.
e apresentar um p
­ ortfolio impresso.
10.
3. O recebimento dos portfolios será realiza-
Para se inscrever na prova, o candidato do no horário das 8h30min às 9h30min.
deve enviar um email até o dia 13/07/2018

>
para fotografia-rs@espm.br informando o 11.
nome completo, número de RG, telefones, A prova será realizada no horário das
e email para contato. A inscrição é gra- 10h00 às 12h00.
tuita.
Anexo 4.
12.
O candidato deverá apresentar o docu-
A prova escrita é composta por 30 ques- mento de identidade informado no item 3
tões objetivas de múltipla escolha sobre para poder realizar a prova.
os conteúdos das aulas do M ­ ódulo For-
mação - conforme os tópicos listados na 13.
­páginas 15 e 17. A inscrição e a realização da prova não
servem como pré-matrícula. As matrículas
5. deverão ser feitas pela internet através de
Os candidatos precisam acertar pelo menos
um link específico enviado para o email de
21 questões da prova para estarem habilita-
dos a ingressar no Módulo Avançado. contato do candidato indicado no item 3.
Cada um dos candidatos será notificado
6. por email sobre o resultado da prova até o
O candidato que acertar entre 15 e 20 final do dia 16/07/2018.
questões ainda poderá ser admitido no
Módulo Avançado se, na opinião da Co- 14.
missão de Seleção, o portfolio apresen- O prazo para os candidatos efetivarem as
tado tiver mérito suficiente para comple- suas matrículas vai até o dia 1°/08/2018.
mentar a nota.
15.
7. A Comissão de Seleção é formada pelo Co-
O portfolio deve conter até vinte fotogra- ordenador Geral do Centro de Fotografia
fias impressas em papel medindo 30x40 da ESPM-Sul e pelos professores titulares
centímetros no máximo. Cada uma das fo- das disciplinas de Projeto do Módulo Avan-
tos deve estar identificada no verso com o çado.
nome, telefone(s), e-mail e endereço do au-
tor, e o conjunto das fotografias deve ser en- 16.
tregue dentro de um único envelope, pasta A decisão da Comissão de Seleção é sobe-
ou caixa identificada da mesma forma. rana e dela não cabe recurso.

58 59
Centro de Fotografia
http://foto.espm.br