Você está na página 1de 3

Endereço da página:

https://novaescola.org.br/conteudo/6715/a-origem-da-
lua

Publicado em NOVA ESCOLA 02 de Setembro | 2017

Ciências

A origem da Lua
novaescola

Objetivo(s)

Conhecer as teorias sobre o surgimento do satélite natural da Terra.


Desenvolver o senso crítico, analisando e comparando cada uma das
teorias.
Exercitar a prática do debate.

Conteúdo(s)

Origem do Sistema Solar: formação dos planetas e da Lua.

Ano(s)

3º, 4º, 5º

Tempo estimado

4 aulas

Material necessário

Cópias de texto Astrônomos aprofundam compreensão sobre origem da Lua


e computador com acesso à internet e com o Google Earth instalado.

Desenvolvimento

1ª etapa

Questione os alunos a respeito de como a Terra e a Lua se formaram. De


onde veio o material que as compõe? Qual delas é maior? A superfície da
Terra é semelhante à da Lua? É possível viver na Lua tal como na Terra?
Diante do computador, mostre imagens do nosso planeta e da Lua, usando o
software Google Earth, para que eles as observem enquanto tentam
responder as questões.

2ª etapa

Oriente a leitura das teorias e pergunte qual delas parece a mais crível. Divida
a turma em grupos, de acordo com a teoria em que acreditam, e proponha a
realização de um congresso de Astronomia, em que cada conjunto vai
defender (em um debate) a teoria que escolheu. Apresente algumas questões
referentes a cada um dos pensamentos para o grupo respectivo, antecipando
perguntas que poderão surgir no evento, como: "Quando um meteorito
atinge a superfície da Lua, forma uma cratera. Onde estaria a cratera formada
pelo gigantesco meteorito que atingiu a Terra?", "Por que o material que
estava ao redor da Terra se juntou, formando a Lua, em vez de ficar
espalhado, como no caso dos materiais que formam os anéis de Saturno?",
"Em uma quebra de rochas, como as que compõem nosso planeta, é comum
obter fragmentos de tamanhos diferentes. Sendo assim, por que se produziu
somente uma única lua e não vários pedaços de rocha pequenos orbitando a
Terra?" e "Se há milhares de outros objetos no espaço, por que nosso planeta
não os atraiu também para orbitar ao seu redor?". Esclareça que o objetivo
do debate não é eleger uma teoria correta. Mencione que os astrônomos,
mesmo com vários anos de pesquisa, ainda buscam indícios para solucionar
a questão. Os estudantes devem tentar formular algumas respostas para
checar, após o debate, se alguma ideia que defenderam pode ser modificada.

3ª etapa

Combine com os alunos as regras do debate. Cada grupo deve apresentar a


teoria que escolheu e responder as questões dos colegas. No fim, peça que
as crianças retomem as explicações que apresentaram e as refaçam, levando
em conta a discussão.

4ª etapa

Proponha à turma formalizar as dúvidas a respeito da origem da Lua e enviar


uma mensagem eletrônica a um cientista do Observatório Nacional. Combine
uma data para analisar a resposta coletivamente.

Avaliação

Observe como os grupos apresentam as teorias, respondem as dúvidas dos


colegas e organizam a mensagem para o astrônomo. Eles se apropriaram dos
conceitos?

Flexibilização
Para alunos com deficiência visual (aluno com domínio do braile), adicione
aos materiais a cópia do texto em braile, programa Dosvox e materiais
informativos de apoio em relevo ou braile (consulte a biblioteca de sua cidade
ou o AEE). Na primeira etapa, investigue o repertório do aluno sobre o tema
e, se necessário, encaminhe um material de apoio (sites com uso do
programa Dosvox, CD interativo, DVD, revistas, livros etc.) para ser explorado
no AEE ou como lição de casa. Na segunda etapa, coloque o aluno em um
grupo menor, que favoreça sua participação. Para a explicação e a
argumentação da teoria que ele quer defender, proponha uso de materiais
concretos - bolas de isopor de diferentes tamanhos, barbante e tinta plástica,
por exemplo. Ao usar ilustrações, faça sempre a descrição das figuras,
propondo aos colegas que também o façam. Relate detalhadamente a
organização das etapas do debate de modo que o aluno com deficiência saiba
os momentos de ouvir e de manifestar suas ideias.

Deficiências

Visual

Créditos: Cristian Annunciato Formação: Professor de Física e pesquisador da


Sangari Brasil, em São Paulo, SP.

Interesses relacionados