Você está na página 1de 5

AO JUIZO DA 1ª VARA CIVEL DA COMARCA DA CAPITAL DE SÃO PAULO /

SP

Processo nº ...

Distribuição por dependência

MARILENE, nacionalidade, estado civil, profissão , portadora da identidade nº ...,


inscrita no CPF sob nº ..., endereço eletrônico ..., residente e domiciliada à rua ...,
número ..., bairro..., CEP ..., Cidade.../UF..., vem por meio de seu advogado OAB/UF...,
legalmente habilitado, endereço eletrônico ..., e com endereço profissional à rua...,
número..., bairro..., CEP..., Cidade/UF..., com fulcro no art. 77, v, do Código de
Processo Civil (CPC) e com fundamento no art. 305 do CPC e demais dispositivos
aplicáveis à espécie, perante Vossa Excelência, OPOR os presentes

EMBARGOS À EXECUÇÃO com efeito suspensivo

Em face de BRENO, nacionalidade..., estado civil..., profissão..., portador da identidade


nº..., inscrito no CPF ..., endereço eletrônico ..., residente e domiciliado à rua..., nº...,
bairro..., CEP..., Cidade.../UF..., pelos fatos e fundamentos a seguir expostos:

DA TEMPESTIVIDADE

Consoante se depreende dos autos o mandado de citação foi juntado aos autos aos…
(738, CPC) e o embargante opôs o presente incidente aos…portanto dentro do prazo
previsto no artigo 738 do CPC.

5. Trata-se de execução por quantia certa contra devedor solvente com base em título
executivo extrajudicial. Nessa situação, cabível no caso em tela embargos à execução.

6. Aliás, é o que preconiza o artigo 736 do CPC: (transcrição)

Tendo em vista que o prazo para apresentar embargos é de 15 (quinze) dias, e assim o
fez a embargante conforme previsão do art. 915 do CPC
O prazo é contado da data de juntada aos autos do mandado cumprido conforme art.231,
II, CPC.

DOS FATOS

Há duas semanas, a embargante recebeu a visita de um Oficial de Justiça, que entregou


a ela um Mandado de Citação e Intimação. O Mandado refere-se à ação de execução de
título extrajudicial ajuizada por Breno, em que é pretendida a satisfação de crédito de
R$ 15.000,00 (quinze mil reais), consubstanciado em instrumento particular de
confissão de dívida, subscrito por Marilene e duas testemunhas, e vencido há mais de
um mês.
O embargado indicou à penhora valores que Marilene tem em três contas bancárias, um
carro e o imóvel em que reside com sua família. Alegou ainda que a executada estaria
buscando desfazer-se dos bens, razão pela qual o juízo deferiu de plano a
indisponibilidade dos ativos financeiros de Marilene pelo sistema eletrônico gerido pela
autoridade supervisora do sistema financeiro nacional.

Pelo andamento processual no sítio do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, foi
verificado que o mandado de citação e intimação positivo foi juntado aos autos há dois
dias.

A embargante, muito nervosa, relata que manteve relacionamento com Breno, durante o
qual ele insistiu que ela assinasse alguns papéis, informando se tratar de documentos
necessários para que ele pudesse receber um benefício previdenciário acumulado.

Ela, sem muito estudo, assinou, acreditando estar apenas declarando que ele, Breno,
ainda não tinha recebido R$ 15.000,00 (quinze mil reais), aos quais alegava fazer jus
frente ao INSS.

Informa, inclusive, que uma das pessoas que assinou como testemunha é uma vizinha
sua, que sabe que ele a induziu a acreditar que estava assinando apenas uma declaração
para que ele obtivesse o benefício.

Esclarece que, quando o relacionamento acabou, Breno se tornou agressivo e afirmou


que tomaria dela as economias que sabia ter em uma poupança, mas, na época, ela
achou que era uma ameaça vazia de um homem ressentido.

Ela está especialmente preocupada em resguardar sua moradia e os valores que tem em
uma de suas contas bancárias, que é uma poupança, que se tornou fundamental para a
subsistência da família, já que sua mãe está se submetendo a um tratamento médico que
pode vir a demandar a utilização dessas economias, informando que, em caso de
necessidade, preferia ficar sem o carro que sem o dinheiro.

FUNDAMENTOS JURIDICOS

DO MÉRITO

DESCONSTITUIÇÃO DO TÍTULO EXECUTIVO VICIADO POR DOLO

Em razão de se basear em negócio jurídico viciado por dolo, deve ser anulado por com
base no art.145 do CC, pois por se valer do relacionamento que mantia com a
embargante, o embargado agiu com dolo quando insistiu a assinatura de vários papeis,
com a informação falsa de que se tratava de documentos para que pudesse receber
benefícios previdenciários acumulados.
Por acreditar em seu companheiro assinou o instrumento particular de confissão de
dívida, sendo assim o título se torna ineficaz e inexeqüível conforme art.917, I, CPC,
Tendo sido vítima de artifício para a celebração de negócio jurídico que, se ciente da
realidade dos fatos, não realizaria, ela tem direito à anulação do negócio e,
conseqüentemente, à desconstituição do título executivo em que se baseia o processo.

IMPENHORABILIDADE DA CONTA POUPANÇA/ IMOVEL BEM DE FAMILIA

No termino do relacionamento o embargado se apresentou de forma agressiva fez


ameaças de que tomaria as economias que sabia ter em uma poupança para fins de
tratamentos médicos de sua mãe.
Não estando de nenhuma forma vinculada com a divida preterida pelo embargado, deve
ser reconhecida a impenhorabilidade da conta poupança da embargante, até o valor de
40 salários mínimos, com base no Art. 833, inciso X, do CPC, bem como do imóvel em
que reside com sua família, por se tratar de bem de família, com base no Art. 1º da Lei
nº 8.009/90.

É sabido que a Lei nº 8.090/90, ao dispor sobre a impenhorabilidade do bem de família,


visou conferir especial proteção à moradia da família, direito assegurado
constitucionalmente. (CF, art. 6º, art. 5º, inc. XI, art. 226)

A questão em debate se cinge ao exame da nulidade da penhora, uma vez que o bem
constrito é bem de família. Desse modo, acobertado pela Lei n.º 8.009/90.

De mais a mais, colhe-se do art. 1º, da referida legislação, a seguinte diretriz:

Art. 1º O imóvel residencial próprio do casal, ou da entidade familiar, é impenhorável e


não responderá por qualquer tipo de dívida civil, comercial, fiscal, previdenciária ou de
outra natureza, contraída pelos cônjuges ou pelos pais ou filhos que sejam seus
proprietários e nele residam, salvo nas hipóteses previstas nesta lei.

Parágrafo único. A impenhorabilidade compreende o imóvel sobre o qual se assentam a


construção, as plantações, as benfeitorias de qualquer natureza e todos os equipamentos,
inclusive os de uso profissional, ou móveis que guarnecem a casa, desde que quitados.

Inquestionável que a prova documental colacionada demonstra, fartamente, que a


propriedade guerreada é a única destinada à moradia da família do Embargante,
sobretudo conforme certidões negativas de imóveis imersas.

Nesse contexto, a penhora se torna absolutamente nula.

DO EFEITO SUSPENSIVO
Os embargos à execução de título extrajudicial não são recebidos sob efeito devolutivo,
via de regra, em razão do art. 919, § 1º, do Código de Processo Civil, mostrando-se a
sua concessão em situações excepcionais e desde que garantida a execução por penhora,
depósito ou caução suficiente. À toda evidência, no presente caso o embargado utiliza a
via inadequada para cobrar o que entende ser-lhe devido.

Outrossim, o bem imóvel indicado à penhora, cuja matrícula segue anexa (documento
3), mostra-se suficiente a garantir a execução. Assim, a suspensão não trará prejuízos ao
embargado, mas o prosseguimento da execução nos termos em que foi proposta coloca a
embargante, empresa séria, atuante na construção e incorporação civil há mais de
quarenta anos, em situação de risco de difícil ou incerta reparação, posto que já tem seus
negócios prejudicados pela atitude desairosa do embargante. Isto posto, a concessão do
efeito suspensivo, com fundamento no § 1º do art. 919 do CPC é medida que se impõe e
desde já se requer.

PEDIDOS

Ante todo o exposto, pelo recebimento destes Embargos à Execução no efeito


suspensivo, requer seja o exequente-embargado declarado carecedor das condições da
ação de execução por inexequibilidade do título e inexigibilidade da obrigação, devendo
a vertente execução ser extinta, o que se requer com supedâneo no art. 917, I, do CPC,
condenando o embargado nas custas e honorários.

Protesta-se pela produção de todos os meios de prova em direito admitidos. Termos em


que, dando à causa o valor de R$ (...). Pede deferimento.

Isso posto requer:

i) A concessão do efeito suspensivo nos termos do artigo 739-A, § 1º do CPC

ii) A intimação do embargado para, em querendo se manifestar no prazo de 15 dias


(CPC, art. 740)

iii) Ao final a procedência dos embargos para o fim de…

iv) A condenação do embargado nas custas e honorários advocatícios a serem arbitrados


por Vossa Excelência (CPC, art. 20).

v) A juntada da inclusa guia de custas devidamente recolhida

vi) As intimações sejam dirigidas ao advogado…no endereço…

vii) Protesta provar o alegado por todos os meios de prova em direito admitidos
especialmente testemunhais , especialmente das testemunhas (vizinhas) e documentais
conforme disposto no art 369/cpc
Atribui-se à causa o valor de R$ 15.000,00 (quinze mil reais)
Termos em que, pede deferimento

Local e data..

ADVOGADO…

OAB…

Ante o exposto requer :

A desconstituição do titulo executivo, bem como anulação da confissão da divida;


Juntada do comprovante de recolhimento de custas ou pedido de gratuidade da justiça
Oitiva do embargado no prazo de 15 dias conforme art. 920 ,I do CPC
Suspensão da penhora nos embargos para extinguir a presente execução com relação ao
embargante e a desconstituição da penhora que recai sobre este imóvel onde reside a
família da embargante
A condenação do embargado ao pagamento dos ônus sucubênciais