Você está na página 1de 37

AEROPORTO

de Araxá
Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária
versão 1.0
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA – UFSC
LABORATÓRIO DE TRANSPORTES E LOGÍSTICA – LABTRANS
MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES, PORTOS E AVIAÇÃO CIVIL

PESQUISAS E ESTUDOS PARA APOIO TÉCNICO À


SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA
REPÚBLICA - SAC/PR NO PLANEJAMENTO DO SETOR
AEROPORTUÁRIO BRASILEIRO

OBJETO 1 - APOIO AO PLANEJAMENTO DO SISTEMA


AEROPORTUÁRIO DO PAÍS

FASE 5 – PLANEJAMENTO DA INFRAESTRUTURA

PLANEJAMENTO DA INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA


AEROPORTO DE ARAXÁ (SBAX)

FLORIANÓPOLIS, FEVEREIRO/2017
Versão 1.0
HISTÓRICO DE VERSÕES
Data Versão Descrição Autor
Entrega da primeira versão do relatório de Planejamento
da Infraestrutura do Aeroporto de Araxá, abrangendo as
seguintes temáticas: descrição de sua infraestrutura
17/02/2017 1.0 LabTrans/UFSC
atual, diagnóstico do entorno, avaliação da demanda e
da capacidade dos componentes aeroportuários,
identificação de déficits de infraestrutura.
Apresentação
O presente trabalho é resultado da cooperação entre a Secretaria de Aviação Civil da
Presidência da República (SAC/PR) – atual Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil
(MTPA) – e o Laboratório de Transportes e Logística da Universidade Federal de Santa Catarina
(LabTrans/UFSC), que atua no desenvolvimento do projeto “Pesquisas e Estudos para Apoio
Técnico à Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República – SAC/PR no Planejamento do
Setor Aeroportuário Brasileiro”.
Nesse sentido, o objetivo da cooperação é a realização de estudos e pesquisas para apoiar
o MTPA no planejamento do sistema aeroportuário do País, com vistas a promover a ordenação e
a racionalização dos investimentos públicos federais, garantindo a observância dos princípios da
eficiência e da economicidade que regem a administração pública.
As análises aqui apresentadas contemplam a Fase 5 (intitulada Planejamento da
Infraestrutura) do Objeto 1 (denominado Apoio ao Planejamento do Sistema Aeroportuário do
País). Essa fase tem como finalidade o planejamento da infraestrutura dos aeródromos com a
caracterização do plano geral de expansão e apresentação de plantas para cada uma das fases de
implantação.
Dessa forma, este documento compreende a primeira etapa do planejamento do
Aeroporto de Araxá, o qual aborda as seguintes atividades: descrição de sua infraestrutura atual,
diagnóstico do entorno do aeroporto, avaliação da demanda e da capacidade dos componentes
aeroportuários e identificação de déficits de infraestrutura.
Os resultados dos estudos apresentados neste documento servirão de subsídio para
definir as adequações necessárias da infraestrutura e, assim, elaborar os layouts de expansão, as
estimativas de orçamento, e o layout da fase final de implantação (capacidade potencial), os quais
serão apresentados na versão final deste documento.

Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá 5


Sumário
Introdução................................................................................................................................9
1. Contextualização ............................................................................................................ 11
1.1. Objetivos .................................................................................................................... 11
1.2. Justificativa do estudo ................................................................................................ 12
1.3. Área de estudo ........................................................................................................... 12
2. Caracterização da infraestrutura atual do aeroporto ...................................................... 13
3. Diagnóstico do entorno .................................................................................................. 20
3.1. Via de acesso ao aeroporto ........................................................................................ 20
3.2. Interação aeroporto–cidade ....................................................................................... 22
3.3. Análise ambiental do entorno do aeroporto .............................................................. 25
4. Caracterização do Plano geral de expansão do aeroporto .............................................. 26
4.1. Demanda .................................................................................................................... 26
4.2. Capacidade ................................................................................................................. 26
Considerações finais ............................................................................................................... 29
Referências............................................................................................................................. 31
Lista de abreviaturas e siglas .................................................................................................. 33
Lista de figuras ....................................................................................................................... 35
Lista de gráficos ...................................................................................................................... 35
Lista de quadros ..................................................................................................................... 35
Lista de tabelas....................................................................................................................... 35

Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá 7


Introdução
Este documento trata do Planejamento da Infraestrutura do Aeroporto de Araxá, cujo
nome oficial é Aeroporto Romeu Zema, localizado no município de Araxá (MG). Este documento
está inserido no contexto de um recente esforço da Secretaria de Aviação Civil da Presidência da
República (SAC/PR) – atual Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil (MTPA) – para
fortalecer e estruturar a rede de aeroportos regionais brasileiros.
Este produto é parte do projeto intitulado “Pesquisas e Estudos para Apoio Técnico à
Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República – SAC/PR no Planejamento do Setor
Aeroportuário Brasileiro”, resultado de uma parceria entre a SAC/PR (atual MTPA) e a
Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), representada pelo Laboratório de Transportes e
Logística (LabTrans).
O estudo, objeto da parceria supracitada, envolve 270 aeródromos brasileiros
contemplados na primeira etapa de investimentos do Plano de Aviação Regional, parte do
Programa de Investimentos em Logística (PIL): Aeroportos. O projeto prevê, entre outras ações, a
elaboração de relatórios de Planejamento de Infraestrutura Aeroportuária para cada um dos 270
aeroportos contemplados, os quais convergem para o aprimoramento do sistema de transporte
aéreo e, para tanto, abordam as ações necessárias para prover infraestrutura aeroportuária
adequada à demanda prevista em cada aeroporto ao longo dos anos.

Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá 9


1. Contextualização
O relatório de Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária apresenta uma
caracterização do plano geral de expansão do aeródromo, a partir da avaliação da sua
infraestrutura atual, da realização de um diagnóstico que evidencie os déficits da infraestrutura
instalada, do levantamento dos requisitos necessários para a expansão projetada e da análise de
demanda de curto, médio e longo prazo.
Para a definição de projetos e obras decorrentes, é necessário um embasamento técnico
de planejamento. Nesse sentido, é fundamental abordar o desenvolvimento dos principais
sistemas que compõem o complexo aeroportuário de forma balanceada, com base em premissas
e estimativas de demanda atualizadas. Assim, a atividade de planejamento da infraestrutura
inicia-se com a caracterização atual do aeroporto, evoluindo, posteriormente, para a
caracterização da sua configuração no futuro.
A partir dessas análises, é possível identificar déficits de capacidade e problemas quanto
ao atendimento dos requisitos de segurança e operacionais, conforme as normas do setor e,
então, definir o plano de expansão do aeroporto, a fim de suprir, com eficiência, as demandas
previstas.
Para a elaboração do relatório de Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária, foram
utilizadas as informações contidas no Estudo de Viabilidade Técnica (EVT) e no Estudo Preliminar
(EP), ambos realizados pelo Consórcio ATP Engenharia – Ineco, nos meses de abril e agosto de
2014, respectivamente. Além dos estudos, foram utilizadas informações da Agência Nacional de
Aviação Civil (ANAC) e de outros órgãos.

1.1. Objetivos
O relatório de Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária possui o objetivo de avaliar a
infraestrutura existente no aeroporto para atendimento à demanda prevista, assim como avaliar
seus requisitos de segurança e operacionais.
Além de descrever a situação atual, o planejamento da infraestrutura visa definir as
alterações necessárias, a fim de garantir o bom funcionamento do aeroporto, atendendo à
demanda por transporte aéreo prevista e às exigências das normas do setor.
Dessa forma, tem-se como objetivos específicos:
 Realizar uma análise comparativa entre as necessidades futuras e as
características atuais do aeródromo.
 Identificar os problemas quanto ao atendimento dos requisitos de segurança
operacional, conforme normas do setor.
 Realizar um estudo de alternativas de expansão de capacidade, caso seja
verificado que a demanda poderá ser superior à capacidade de oferta do sítio
aeroportuário.
 Elaborar uma estimativa de orçamento dos planos de expansão com listagem de
equipamentos e intervenções necessárias em cada fase de implantação.

Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá 11


1.2. Justificativa do estudo
A justificativa deste estudo está, principalmente, no anseio de fortalecimento da rede de
aeroportos regionais no País, em termos de quantidade de linhas e voos regulares e infraestrutura
instalada nos aeródromos.
O Brasil vivencia um ciclo de desenvolvimento em que busca o aprimoramento de serviços
essenciais ao crescimento do País. O sistema de transporte aéreo pode ser citado como um
desses serviços, pois desempenha papel essencial na logística de movimentação de pessoas,
insumos e produtos.
Assim, o estudo justifica-se, ainda, pela necessidade de prover um desenvolvimento
eficiente para os aeroportos, por meio de um planejamento aeroportuário que contemple ações
de melhorias em atendimento à demanda crescente. Por meio desse planejamento da
infraestrutura, tem-se como resultado um instrumento de acompanhamento das necessidades de
investimento no sítio aeroportuário em questão.

1.3. Área de estudo


Situado na Região Sudeste do Brasil e pertencente à Mesorregião do Triângulo Mineiro e
Alto Paranaíba e à Microrregião de Araxá, o município de Araxá possui área territorial de
1.164,062 km² e população estimada para 2015 em 102.238 habitantes, segundo dados do
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2016).
A economia baseia-se na mineração, destacando-se como a principal fonte geradora de
renda na cidade. A atividade é comandada pelas empresas Vale Fosfatados, que produz minérios
fosfatados; e CBMM, que explora o nióbio, gerando assim grande parte da receita local
(PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAXÁ, [2016]). Além disso, o turismo também tem destaque na
economia do município, possibilitando a exploração das águas medicinais, fabricação de
sabonetes e cremes corporais, assim como os artesanatos mais ricos da região. (CONSÓRCIO ATP
ENGENHARIA – INECO, 2014a).
A Figura 1 mostra a localização e a microrregião em que se insere a cidade de Araxá.

Figura 1 – Mapa de localização da cidade de Araxá (MG)


Elaboração: LabTrans/UFSC (2017)

12 Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá


2. Caracterização da infraestrutura atual
do aeroporto
Esta seção visa caracterizar a infraestrutura atual do aeroporto, por meio do
levantamento da sua situação atual. Para tanto, são utilizadas informações contidas nos estudos
já existentes (EP e EVT). A Figura 2 apresenta as informações básicas e os dados de operação do
aeroporto em questão.

Estudo de Viabilidade Consórcio ATP Engenharia – Ineco



Técnica (2014a)
DOCUMENTOS DE
REFERÊNCIA Consórcio ATP Engenharia – Ineco
Estudo Preliminar ✓
(2014b)
Anteprojeto X -

Nome oficial Aeroporto Romeu Zema


Av. Ministro Olavo Drummond, 2100 - Bairro
Endereço
Aeroporto - CEP 38180-400
Distância do centro (km) 3,00
Designador ICAO SBAX
Designador IATA AAX
DADOS BÁSICOS
Ponto de referência 19°33’38’’ S /046°57’56’’ W
Elevação (m) 999,0
Temperatura de
27,6°C
referência
Declinação magnética 21°37' W
Observações -

Tipo de aeródromo Público


Órgão operador Prefeitura de Araxá
Homologação ANAC Sim
Tipo de utilização Civil
DADOS DE OPERAÇÃO Tipo de aviação Aviação geral
Tipo de aeronave Asa fixa
Visual Flight Rules (VFR) diurno/noturno e
Tipo de operação
Instrument Flight Rules (IFR)
Observações -
Nota: N/A – Não aplicável; N/D – Não disponível.
Figura 2 – Informações básicas e dados de operação do Aeroporto de Araxá
Fonte: Consórcio ATP Engenharia – Ineco (2014a; 2014b). Elaboração: LabTrans/UFSC (2017)

A área patrimonial do aeroporto abrange 491.120,00 m², sendo ela integralmente de uso
civil. O aeroporto apresenta cerca patrimonial em bom estado de conservação, mas não
apresenta cerca operacional. A Figura 3 apresenta a configuração da área patrimonial atual; e a
Figura 4, os componentes da infraestrutura do aeroporto.

Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá 13


Figura 3 – Área patrimonial: Aeroporto de Araxá
Fonte: Consórcio ATP Engenharia – Ineco (2014a; 2014b), Consórcio Topocart (2014) e Google Earth (2016).
Elaboração: LabTrans/UFSC (2017)

14 Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá


Figura 4 – Infraestrutura atual do Aeroporto de Araxá
Fonte: Consórcio ATP Engenharia – Ineco (2014a; 2014b), Consórcio Topocart (2014) e Google Earth (2016).
Elaboração: LabTrans/UFSC (2017)

Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá 15


Por meio da Figura 4, observa-se que o aeroporto possui uma pista de pouso e decolagem
(PPD), uma pista de táxi (TXY) ortogonal à PPD, um pátio de aeronaves, instalações para o Serviço
de Prevenção, Salvamento e Combate a Incêndio em Aeródromos Civis (SESCINC), Parque de
Abastecimento de Aeronaves (PAA), além do terminal de passageiros (TPS) e de um
estacionamento de veículos. Existem dois hangares instalados no aeroporto. O sítio não dispõe de
local específico para manuseio de carga aérea.
O Quadro 1, o Quadro 2 e o Quadro 3, trazem as principais informações acerca dos
componentes do aeroporto.
INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA

2020 x 150m
1900 x 30m Acostamento (m): Não possui
PISTA DE POUSO E DECOLAGEM (PPD)

16 34 Declividade long. máxima: N/D


Declividade long. efetiva: N/D
Declividade transversal: N/D
19°33’24” S Lat. 19°34’08” S Pavimento: Flexível
046°57’59” W Long. 046°57’13” W Capacidade de suporte: 26/F/B/X/T
991,64 Altitude (m) 998,51 Estado de conservação: Ruim
155°47'19'' Az. Magnético 335°47'19'' Faixa de pista
✓ Área de giro ✓
1900 TORA (m) 1900
1900 ASDA (m) 1900
1900 TODA (m) 1900
1900 LDA (m) 1900
X RESA X
X Stopway X
X Clearway X

Pavimento: Flexível OBS.: Há uma pista de conexão


Capacidade de suporte: 26/F/B/X/T de 30 m de largura por 20 m de
PISTAS DE TÁXI (TXY)

Estado de conservação: N/D comprimento.


Pista de táxi paralela: Não
Pista de táxi de saída: 1

TXY A

Comp. (m): 81,6


Larg. (m): 17,0
Acostam. (m): Não possui
PÁTIO DE AERONAVES

Pátio principal Pátio secundário


Área (m²): 12.150,0 3.200,0
Dimensões (m): 162 x 75 80 x 40
Posições/Tipo anv.: 04 ATR 72 N/D
Pavimento: Flexível N/D
Capacidade de suporte: 26/F/B/X/T N/D
Estado de conservação: N/D N/D
Sinalização horizontal: N/D N/D

Nota: N/A – Não aplicável; N/D – Não disponível.


Quadro 1 – Caracterização da infraestrutura aeroportuária atual do Aeroporto de Araxá (1)
Fonte: Consórcio ATP Engenharia – Ineco (2014a; 2014b). Elaboração: LabTrans/UFSC (2017)

16 Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá


INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA

TERMINAL DE PASSAGEIROS (TPS)


Área: 740 m²
Saguão de embarque: ✓ N/D
Saguão de desembarque: X -
Check-in: ✓ N/D
Revista pax + bag: N/D N/D
OBS.: - Sala de embarque: ✓ N/D
Sala de desembarque: X -
Esteira de bagagem: N/D N/D
Sanitários: ✓ N/D
Comercial: ✓ N/D
Administração: N/D N/D
Estado de conservação: N/D
ABASTECIMENTO DE
AERONAVES (PAA)

Área (m²): N/D


PARQUE DE

Tipo de serviço: Bomba


Tipo de combustível: AVGAS e JET A1
Armazenamento: ✓
Volume (m³): 2,0
Nº de tanques: 2

Área (m²): N/D


SESCINC

NPCE: 3
Órgão prestador: N/A
Equipamentos: 1
Estado de conservação: Regular

Área total (m²): 1.400,0


Tipo de atividade: Hangaragem e aeroclube
HANGARES

Nº de unidades: 2
Pátio de est. de anvs: N/D
Área (m²): N/D
Pavimento: N/D
Suporte: N/D
ESTACIONAMENTO DE VEÍCULOS

Área total (m²): N/D


Localização/TPS: Em frente ao TPS
Vagas demarcadas: N/D
Vagas públicas
Área (m²): N/D
Nº de vagas: 135
Pavimento: N/D
E. conservação: N/D
Nº de vagas para táxis: N/D
Nº de vagas para PNEs: N/D

Nota: N/A – Não aplicável; N/D – Não disponível.


Quadro 2 – Caracterização da infraestrutura aeroportuária atual do Aeroporto de Araxá (2)
Fonte: Consórcio ATP Engenharia – Ineco (2014a; 2014b). Elaboração: LabTrans/UFSC (2017)

Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá 17


INFRAESTRUTURA AERONÁUTICA

EQUIPAMENTOS DE AUXÍLIO À NAVEGAÇÃO


X EPTA Classe: -
X Torre de controle Altura (m): -
SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO E

✓ Estação meteorológica Classe: N/D


X Comunicação (rádio)
✓ NDB
X VOR/DME OBS.: O estudo não informa se a
AÉREA

X ILS biruta é iluminada.


X Radar primário
X Biruta iluminada
X PAPI
✓ Farol rotativo
✓ Sinalização horizontal
X Sinalização vertical
✓ Balizamento noturno

Nota: N/A – Não aplicável; N/D – Não disponível.


Quadro 3 – Caracterização da infraestrutura aeronáutica atual do Aeroporto de Araxá
Fonte: Consórcio ATP Engenharia – Ineco (2014a; 2014b). Elaboração: LabTrans/UFSC (2017)

Foram levantadas, ainda, informações acerca da movimentação de aeronaves no ano de


2013, a fim de descrever o perfil operacional do aeroporto. O Gráfico 1 apresenta as
movimentações de aeronaves levantadas a partir do Banco de Informações de Movimento de
Tráfego Aéreo – BIMTRA (BRASIL, 2013).

MOVIMENTAÇÃO DE AERONAVES NO ANO DE 2013


Aeroporto de Araxá
633
538
453 464 434 443 464

246 261
215 182 181

Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez.

Gráfico 1 – Movimentações de Aeronaves 2013: Aeroporto de Araxá


Fonte: BIMTRA (BRASIL, 2013). Elaboração: LabTrans/UFSC (2017)

Como pode ser observado no Gráfico 1, o mês com maior número de movimentações
registradas foi janeiro, com 633 movimentações. Observa-se que, no ano analisado, as
movimentações de aeronaves tiveram uma queda nos últimos quatro meses. O Gráfico 2
representa a distribuição das movimentações por aeronaves que operaram no ano de 2013.

18 Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá


ATR 72-202 ATR 42-300
Cessna 152 Citation Excel
ATR 42-500 SR-22
Cessna 172 AB-115
King Air (90, A90 to E90) Outros

17,8%

2,1% 37,6%
2,6%
2,7%

2,8%
4,4%

6,6%

9,2% 14,1%

Gráfico 2 – Aeronaves em operação no ano de 2013


Fonte: BIMTRA (BRASIL, 2013). Elaboração: LabTrans/UFSC (2017)

Conforme se observa no gráfico, 37,6% dos voos foram realizados pela aeronave ATR 72-
202; seguido das aeronaves ATR 42-300 e Cessna 152, com 14,1% e 9,2%, respectivamente.

Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá 19


3. Diagnóstico do entorno
Esta seção tem o objetivo de apresentar um panorama acerca da situação do Aeroporto
de Araxá no que diz respeito à sua relação com o entorno. Para tanto, são apresentadas análises
quanto à capacidade da via de acesso ao aeroporto, quanto à situação do aeroporto em termos
de sua interação com o entorno e em relação a aspectos ambientais.

3.1. Via de acesso ao aeroporto


A via de acesso ao aeroporto é uma rua sem nome, caracterizada por ser pavimentada e
com revestimento asfáltico em bom estado de conservação, além de não possuir pontos de
parada de ônibus, acostamento e calçada. A via liga o sítio aeroportuário à Avenida Min. Olavo
Drummond (BR-262).
A Figura 5 ilustra a via de acesso direto ao aeroporto.

Figura 5 – Estrada de acesso ao Aeroporto de Araxá (2013)


Fonte: Google Earth (2016). Elaboração: LabTrans/UFSC (2017)

A fim de analisar a capacidade da via e determinar necessidades futuras, utilizou-se o


método apresentado no Highway Capacity Manual (HCM), do Transportation Research Board
(TRB, 2000).
A SAC/PR (atual MTPA) realizou pesquisas nos principais aeroportos do País durante o ano
de 2013 e nos dois primeiros trimestres de 2014 (BRASIL, 2014), levantando, entre outras
informações, a divisão modal média dos modos de transporte mais utilizados antes ou depois da
viagem aérea.

20 Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá


A Tabela 1 e a Tabela 2 apresentam um resumo dessas informações, mostrando o número
de entrevistados em cada trimestre e a participação percentual de cada modo, separados,
inicialmente, em transporte privado, passageiro em conexão e transporte público, e,
posteriormente, separando este último em táxi, ônibus e outros, que inclui moto táxi, metrô e
trem, transporte alternativo e veículo alugado.
Tabela 1 – Resumo das pesquisas da SAC/PR (atual MTPA): transporte privado, público e passageiros em conexão
Número de Transporte privado Passageiro em conexão Transporte público
Ano Trimestre
entrevistas Quantidade Participação Quantidade Participação Quantidade Participação
1 21.216 11.032 52,00% 2.122 10,00% 8.062 38,00%
2 23.006 9.663 42,00% 5.521 24,00% 7.822 34,00%
2013
3 19.850 6.551 33,00% 6.551 33,00% 6.749 34,00%
4 18.213 5.100 28,00% 7.285 40,00% 5.828 32,00%
1 18.062 5.238 29,00% 7.767 43,00% 5.057 28,00%
2014
2 15.856 4.123 26,00% 7.452 47,00% 4.281 27,00%
Total / Média 116.203 41.706 35,89% 36.698 31,58% 37.800 32,53%
Fonte: Brasil (2014). Elaboração: LabTrans/UFSC (2017)

Tabela 2 – Resumo das pesquisas da SAC/PR (atual MTPA): táxi, ônibus e outros meios
Número de Táxi Ônibus Outros
Ano Trimestre
entrevistas Quantidade Participação Quantidade Participação Quantidade Participação
1 8.062 5.388 66,83% 2.044 25,35% 630 7,82%
2 7.822 5.163 66,00% 1.799 23,00% 860 11,00%
2013
3 6.749 4.319 64,00% 1.552 23,00% 877 13,00%
4 5.828 3.730 64,00% 1.166 20,00% 933 16,00%
1 5.057 3.540 70,00% 657 13,00% 860 17,00%
2014
2 4.281 2.868 67,00% 728 17,00% 685 16,00%
Total / Média 37.800 25.008 66,16% 7.946 21,02% 4.845 12,82%
Fonte: Brasil (2014). Elaboração: LabTrans/UFSC (2017)

Para fins de utilização desses dados, considera-se uma tendência dos aeroportos
brasileiros a seguirem esse padrão e, portanto, deve-se utilizar o valor médio das pesquisas. Para
o cálculo do incremento de veículos nas vias locais, deve-se levar em consideração alguns pontos:
 Os passageiros em conexão são considerados passageiros que não sairão do
aeroporto e, portanto, não influenciam no tráfego local.
 Os 35,89% que utilizam o transporte privado são aplicados diretamente ao valor
de demanda do aeroporto, considerando um passageiro por veículo.
 Os percentuais de táxi e ônibus são aplicados sobre os 32,53% dos passageiros
que utilizam transporte público e não sobre o total da demanda do aeroporto.
 Para os táxis, considera-se a pior situação, ou seja, um passageiro por táxi.
 Para os ônibus, considera-se dois sentidos (passageiros chegando e passageiros
saindo do aeroporto) e um valor de 60 passageiros por ônibus.
 Como o cálculo deve ser feito em relação ao mesmo tipo de veículo, a quantidade
de ônibus em tráfego é convertida para unidades de veículo padrão (UVP) na
proporção de 1 para 2,5.
 Por representar uma parcela muito pequena e incluir meios de transporte que
não influenciam o tráfego das vias, como metrôs e trens, por exemplo, o item
Outros, dentro do transporte público, pode ser desconsiderado.

Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá 21


O incremento de tráfego nas vias locais dá-se pela equação a seguir:
𝐷𝑒𝑚𝑎𝑛𝑑𝑎×0,3253×0,2102×2,5
𝑉 = 𝐷𝑒𝑚𝑎𝑛𝑑𝑎×0,3589 + 𝐷𝑒𝑚𝑎𝑛𝑑𝑎×0,3253×0,6616 +
2×60
Nessa expressão, a primeira parcela refere-se aos veículos particulares; a segunda, aos
táxis; e a terceira, aos ônibus já convertidos para UVP. Essa expressão pode ser representada na
seguinte forma:
0,3253×0,2102×2,5
𝑉 = 𝐷𝑒𝑚𝑎𝑛𝑑𝑎× (0,3589 + 0,3253×0,6616 + )
2×60
Ou:
𝑉 = 0,575543×𝐷𝑒𝑚𝑎𝑛𝑑𝑎

No caso de Araxá, a Tabela 3 apresenta a demanda do aeroporto na hora-pico (HP) para


diferentes previsões, e a Tabela 4 apresenta a capacidade de vias de acordo com a quantidade de
faixas e o respectivo nível de serviço proposto pelo HCM.
Tabela 3 – Movimentação de passageiros na hora-pico no Aeroporto de Araxá
Ano 2013 2025 2035 2043
Passageiros na hora-pico 116 161 250 265
Incremento de tráfego na hora-pico (UVP) 67 93 144 153
Fonte: Dados fornecidos pela SAC/PR (atual MTPA) e Brasil (2013). Elaboração: LabTrans/UFSC (2017)

Tabela 4 – Capacidade de vias: fluxo versus Nível de Serviço


Nível de Serviço e Fluxo (UVP/hora)
Nº de Faixas
C D E
1 620 820 860
2 1.290 1.590 1.650
3 1.920 2.280 2.370
4 2.620 3.070 3.190
Fonte: TRB (2000). Elaboração: LabTrans/UFSC (2017)

A Tabela 4 mostra o fluxo de veículos versus o Nível de Serviço para vias suburbanas,
conforme o número de faixas. De acordo com esses dados, observa-se que, para a via de acesso
direto ao aeroporto, que possui uma faixa de rolamento em cada sentido de tráfego, e
considerando-se o Nível de Serviço C, tem-se uma capacidade de até 620 veículos/hora. Levando
em conta que o incremento de veículos calculado é de 153 veículos para o ano de 2043, pode-se
considerar que a via existente terá capacidade suficiente para comportar a demanda projetada
para a hora-pico do aeroporto. Portanto, considera-se que não haverá problemas de capacidade
na via de acesso local.

3.2. Interação aeroporto–cidade


Segundo o estudo realizado pelo Consórcio ATP Engenharia – Ineco (2014a), o aeródromo
dista aproximadamente 3 km do centro da cidade de Araxá, na periferia, apresentando
confrontações em seu entorno, as quais se localizam no entorno das duas cabeceiras: na
Cabeceira 16 com a BR-262 e na Cabeceira 34 com ocupação em seu entorno.

22 Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá


Considerando-se o limite da Área de Segurança Aeroportuária (ASA), descrita pela Lei
Federal nº 12.725 (BRASIL, 2012) como uma área circular do território de um município, definida a
partir do centro geométrico da maior pista do aeródromo com 20 km de raio, o uso e a ocupação
do solo estão sujeitos a restrições especiais em função da natureza atrativa de fauna.
Dentro do raio disposto pela ASA, conforme ilustrado na Figura 6, foi observada,
principalmente, a ocorrência de áreas de campos, pastagens e gramíneas, representando
aproximadamente 80,39% da área formada por esse círculo. Em seguida vêm as áreas de
vegetação, que representam 15,10% da região.
As áreas de reflorestamento ocupam 0,11% da ASA. As áreas urbanizadas representam
um total de 1,40% dela e concentram-se, principalmente, na região a sudeste do aeroporto. Em
relação às áreas de solo exposto e de corpos d'água, estas representam 2,88% e 0,12% da ASA,
respectivamente.

Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá 23


Figura 6 – Mapa de uso do solo: ASA
Elaboração: LabTrans/UFSC (2017)

24 Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá


3.3. Análise ambiental do entorno do aeroporto
Situada no estado de Minas Gerais, a uma altitude de 999 m, a cidade de Araxá tem
economia que se baseia na mineração, destacando-se como a principal fonte geradora de renda
na cidade. A atividade é comandada pelas empresas Vale Fosfatados, que produz minérios
fosfatados, e CBMM, que explora o nióbio, gerando assim grande parte da receita local
(PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAXÁ, [2016]).
Segundo o Consórcio ATP Engenharia – Ineco (2014b), no entorno do Aeroporto de Araxá
as zonas residenciais que podem ser afetadas pelo ruído estão localizadas a sudeste da Cabeceira
34, como os bairros de São Francisco, Abolição, Santa Mônica e Novo São Geraldo e com as
moradias localizadas nas imediações da Cabeceira 16. Além disso, deve-se levar em conta as
zonas de expansão urbana que estão localizadas em ambos os lados da pista.
Não há impacto em cursos de água. No entanto, com relação ao impacto em áreas com
vegetação nativa, o impacto ocorrerá, em caso de expansão, através da limpeza e do corte de
vegetação ocasionado principalmente pela construção da faixa de segurança associada à pista e
construção do pátio de aeronaves. Não consta que no interior do aeroporto localizem-se espécies
vegetais raras ou protegidas. No entanto, no caso de existirem, as ações deveriam evitar o
impacto sobre estas espécies projetando as medidas preventivas consideradas necessárias. Não
há impacto direto em áreas de preservação, já que o aeroporto não está próximo a nenhuma área
de conservação.
Não obstante, cabe destacar que a ampliação do aeroporto pode implicar que a rodovia
de acesso ao mesmo seja desviada, com as potenciais repercussões ambientais que essa ação
possa acarretar.
Araxá localiza-se na Supram Triângulo Mineiro, com sede em Uberlândia, e pertence ao
Escritório Regional Alto Paranaíba. Em relação às competências municipais, não consta que o
município de Araxá tenha uma Secretaria Municipal de Meio Ambiente, nem que lhe tenham sido
atribuídas, portanto, as competências específicas em relação ao licenciamento ambiental.
Os aeroportos, tal como se analisou anteriormente, são atividades potencialmente
poluidoras e/ou degradadoras do meio ambiente, com obrigatoriedade de licenciamento
ambiental para a regularização ambiental (esfera estadual), sendo necessárias, portanto, as
licenças Prévia (LP), de Instalação (LI) e de Operação (LO), tal como se estabelece na Deliberação
Normativa Copam 74/04. Caso o aeroporto tivesse licenças ambientais prévias (somente consta
que o posto de abastecimento de aeronaves conta com licenciamento ambiental), no artigo 9º da
Deliberação Normativa Copam 74/04 estabelece-se o procedimento a seguir:
O primeiro passo para a regularização ambiental é o preenchimento do
Formulário Integrado de Caracterização do Empreendimento (FCE), que deverá
ser entregue na SUPRAM más próxima, que neste caso é Triângulo Mineiro e
Alto Paranaíba, com sede em Uberlândia. Após análise do FCE, o órgão
ambiental gera o Formulário de Orientação Básica - FOB (antigo FOBI), no qual
são listados todos os documentos necessários para a formalização dos
processos de licenciamento (MINAS GERAIS, 2004).

Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá 25


4. Caracterização do Plano geral de
expansão do aeroporto
A partir do que foi apresentado, esta seção tem por objetivo destacar as informações para
o planejamento da expansão da infraestrutura aeroportuária. Para tanto, são avaliados os valores
de demanda e capacidade do aeroporto para diferentes horizontes e apontados os déficits de
infraestrutura para cada um deles.
Para o planejamento da expansão, foram considerados três horizontes: curto, médio e
longo prazo, os quais foram definidos em conjunto com a SAC/PR (atual MTPA) e correspondem
aos anos de 2025, 2035 e 2043.

4.1. Demanda
A demanda de um dado aeroporto e sua projeção ao longo do tempo são subsídios
fundamentais para avaliar a capacidade dos componentes aeroportuários. A partir da
confrontação da demanda e da capacidade para um dado horizonte, é possível identificar os
déficits em infraestrutura e levantar os investimentos necessários.
As projeções de movimentação foram disponibilizadas pela SAC/PR (atual MTPA), à
exceção da movimentação para o ano de 2043, que teve de ser extrapolada. Tais valores
encontram-se dispostos na Tabela 5.
Tabela 5 – Demanda atual (2013) e projetada (2025, 2035 e 2043) de passageiros e aeronaves
Movimentação 2013 2025 2035 2043
Passageiros 58.063 123.755 192.493 239.777
Passageiros/hora-pico 116 161 250 265
Aeronaves 4.514* 7.361 11.038 13.604
* Movimentação obtida no BIMTRA.
Fonte: Dados fornecidos pela SAC/PR (atual MTPA) e Brasil (2013). Elaboração: LabTrans/UFSC (2017)

Os valores apresentados serviram de base para avaliar qual a infraestrutura necessária


para atender o tráfego em cada horizonte.

4.2. Capacidade
Os cálculos de capacidade foram efetuados para a infraestrutura atual do aeroporto e
para os horizontes de planejamento. Nesse sentido, foram calculadas as capacidades para os
quatro principais componentes aeroportuários: pista de pouso e decolagem, pátio de aeronaves,
terminal de passageiros e estacionamento de veículos.
Os métodos de cálculo utilizados foram os seguintes:
 Pista de Pouso e Decolagem: método do TRB adaptado pelo LabTrans/UFSC.
 Pátio de Aeronaves: mix de aeronaves e load factor indicados pela SAC/PR (atual MTPA)
em nota técnica (nº 01/2014/DPE/SEAP/SAC-PR).
 Terminal de Passageiros: Internacional Air Transport Association (IATA, 2014).

26 Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá


 Estacionamento de veículos: método da Federal Aviation Administration (FAA).
A descrição dos métodos utilizados e das convenções adotadas pode ser consultada no
relatório de Metodologia do Cálculo de Capacidade.
Para o cálculo da capacidade da PPD, salienta-se que foi utilizado o mix de aeronaves e o
load factor fornecido pela SAC/PR (atual MTPA), constante na Tabela 6. Para o cálculo do pátio de
aeronaves, utilizou-se o mesmo mix.
Tabela 6 – Mix de aeronaves e load factor utilizados no cálculo da capacidade da PPD
Número de Ano
assentos 2013 2025 2035 2043
08 a 18 2,31% 1,29% 0,29% 0,29%
19 a 30 5,31% 2,96% 0,15% 0,15%
31 a 60 27,71% 15,43% 2,82% 2,82%
61 a 130 63,05% 78,31% 89,38% 89,38%
131 a 180 1,62% 2,01% 7,36% 7,36%
Load factor 79,31% 82,41% 85,00% 85,00%
Fonte: Dados fornecidos pela SAC/PR (atual MTPA). Elaboração: LabTrans/UFSC (2017)

A Tabela 7 indica o comparativo entre a capacidade instalada e a capacidade necessária


em cada horizonte. Para a avaliação da capacidade operacional do sistema de pistas e para o
dimensionamento do pátio de aeronaves, levou-se em consideração a aeronave de projeto A319
para todos os horizontes de planejamento. Para a análise do cenário atual, considerou-se a
aeronave ATR 72-600, de acordo com o HOTRAN (ANAC, 2017).

Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá 27


Tabela 7 – Capacidade instalada vs. Capacidade necessária para atender à demanda
Capacidade Capacidade necessária
Componentes Unidade Instalada
(2014) Atual 2025 2035 2043
Pistas de pouso e mov/hora 14 N/D N/D N/D N/D
decolagem (PPD) mov/ano 54.450 4.514 7.361 11.038 13.604
PPD (comprimento) m 1.900 N/D 1.890 1.890 1.890
Terminal de passageiros
m2 740,00 1.440,00 2.880,00 2.880,00 2.880,00
(área)
Pátio de aeronaves (área) m2 12.150,00 N/D 8.080,00 8.080,00 8.080,00
4 LET-410 e
Pátio de aeronaves 1 Cessna 2 aeronaves 2 aeronaves 2 aeronaves
posições N/D
(quantidade de posições) Caravan 3C 3C 3C
ou 3 ATR-72
Estacionamento de
veículos (quantidade de vagas 135 57* 113* 169* 207*
vagas)
Estacionamento de
m² N/D 1.539,00 3.051,00 4.563,00 5.589,00
veículos (área total)
Notas: N/D: Valores não disponíveis ou não há informações suficientes que permitam o cálculo.
* Valores médios calculados a partir do intervalo de número mínimo e máximo de vagas.
1) Células destacadas em vermelho indicam deficiência na infraestrutura instalada.
2) Os comprimentos de pistas indicados referem-se aos valores obtidos a partir do ábaco de
desempenho das aeronaves.
3) O diagnóstico do comprimento de pista atual foi realizado para a aeronave crítica ATR-72-600
(conforme consulta no BIMTRA), operante no ano de 2017, segundo o Horário de Transportes (HOTRAN)
(BRASIL, 2017), para a qual a pista está adequada, considerando ocupação máxima de passageiros e
alcance limitado a 300 Nm.
4) As áreas dos pátios de aeronaves foram calculadas considerando-se saída central realizada por meios
próprios e não simultânea.
Elaboração: LabTrans/UFSC (2017)

Observa-se, a partir das análises, que a pista de pouso e decolagem existente é suficiente
para atender às aeronaves que atualmente operam no aeroporto, uma vez que tem comprimento
suficiente para decolagem da maior aeronave em operação, ATR 72-600, com máxima carga paga
(ocupação total de passageiros) e alcance limitado a 300Nm (aprox. 600 km). Para os horizontes
de planejamento, seu comprimento é suficiente, também, para viabilizar as operações do Airbus
A319 (versão CFM56), com 90% do PMD.
O pátio de aeronaves atual é, também, adequado para atender as operações até o último
horizonte de planejamento, não sendo necessárias intervenções a fim de ampliar sua capacidade
de estacionamento de aeronaves.
O terminal de passageiros, por sua vez, é insuficiente para suportar a demanda existente
e projetada; sendo assim, deve ser ampliado. O estacionamento de veículos se mostra adequado
à demanda até o horizonte de 2025 em número de vagas1, mas está aquém das necessidades
futuras nos demais horizontes.

1
Uma vez que a área do estacionamento não é conhecida, não pode ser analisada.

28 Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá


Considerações finais
Este documento apresentou os principais aspectos inerentes ao planejamento da
infraestrutura do Aeroporto de Araxá, o qual abordou os seguintes tópicos: a caracterização da
infraestrutura atual, o diagnóstico do entorno do aeroporto e a identificação de déficits de
infraestrutura.
As análises apresentadas neste relatório foram voltadas, em parte, à avaliação da
infraestrutura existente e seu entorno, mas seu principal objetivo foi gerar informações de
planejamento.
Observou-se que há um aumento significativo na demanda para os horizontes analisados
e que parte da infraestrutura instalada não será suficiente para atendê-la. Os componentes
analisados do lado ar (PPD e pátio de aeronaves) se mostraram capazes de suportar as
movimentações de aeronaves até o ano de 2043. O TPS e o estacionamento de veículos, no
entanto, necessitam de intervenção a partir do primeiro e do segundo horizonte de
planejamento, respectivamente.
Os layouts de planejamento por horizonte, assim como as estimativas de orçamento das
modificações previstas e a indicação da fase final de implantação serão apresentados na versão
final deste relatório.

Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá 29


Referências
AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL (ANAC). HOTRAN - Horário de Transportes. Atualizado
em: 26 jan. 2017. Disponível em: <https://www.anac.gov.br/hotran>. Acesso em: 26 jan. 2017.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL (ANAC). Regulamento Brasileiro da Aviação Civil (RBAC)
n. 154 – Projeto de Aeródromos, de 12 de junho de 2012. Disponível em:
<http://www.anac.gov.br/assuntos/legislacao/legislacao-1/rbha-e-rbac/rbac/rbac-154-emd-
01/@@display-file/arquivo_norma/RBAC154EMD01.pdf>. Acesso em: 23 jan. 2016.

BRASIL. Ministério da Defesa. Comando da Aeronáutica. Departamento de Controle do Espaço


Aéreo (DECEA). Banco de Informações do Movimento de Tráfego Aéreo (BIMTRA). [Planilhas em
Excel]. 2013.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei n. 12.725, de 16 de outubro de 2012. Dispõe
sobre o controle da fauna nas imediações de aeródromos. Brasília, DF, 16 out. 2012. Disponível
em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12725.htm>. Acesso em: 16
mar. 2016.

BRASIL. Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República (SAC/PR). Dados Estatísticos.


Publicado em: 4 jun. 2013. Última modificação: 6 ago. 2014. Disponível em:
<http://www.aviacao.gov.br/assuntos/informacoes-aos-passageiros/dados-estatisticos/texto-de-
apresentacao-do-orgao>. Acesso em: 1º mar. 2016.

CONSÓRCIO TOPOCART. Ortofoto do aeroporto de Araxá. Mar. 2014.

CONSÓRCIO ATP ENGENHARIA – INECO. Estudo de Viabilidade Técnica para Implantação do


Aeroporto de Araxá – SBAX. Araxá (MG). Volume 01. Relatório de Projeto. Revisão V6. 22 abr.
2014.

______. Programa de Investimentos em Logística (PIL). Estudo Preliminar do Aeroporto de


Araxá– SBAX. Araxá (MG). Volume 01. Relatório de Projeto. Revisão V3. 19 ago. 2014.

GOOGLE EARTH. 2016. Disponível em: <https://www.google.com/earth/>. Vários acessos.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Cidades. Minas Gerais: Araxá. 2016.
Disponível em: <http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=310400>. Acesso em: 12 jul.
2016.

INTERNACIONAL AIR TRANSPORT ASSOCIATION (IATA). Airport Development Reference Manual.


10. ed. Montreal: IATA. 2014. 346 p.

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAXÁ. Principais atividades econômicas. [2016]. Disponível em:


<http://www.araxa.mg.gov.br/link-23>. Acesso em: 1o set. 2016.
MINAS GERAIS (Estado). Deliberação Normativa COPAM n° 74, de 9 de setembro de 2004. Diário
executivo Minas Gerais de 09 de set. 2004. Diário Oficial de Minas Gerais, Poder Executivo, Belo
Horizonte, MG, 02 de out. 2004.
TRANSPORTATION RESEARCH BOARD (TRB). Highway Capacity Manual (HCM). 2000. Disponível
em: <http://sjnavarro.files.wordpress.com/2008/08/highway_capacital_manual.pdf>. Acesso em:
18 ago. 2014.

Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá 31


Lista de abreviaturas e siglas
ANAC Agência Nacional de Aviação Civil
ASA Área de Segurança Aeroportuária
ASDA Accelerate-Stop Distance Available
BIMTRA Banco de Informações de Movimento de Tráfego Aéreo
CCI Carro de Combate a Incêndio
COPAM Conselho Estadual de Política Ambiental
CUT Central de Utilidades
DME Distance Measuring Equipment
EMS Estação Meteorológica de Superfície
EP Estudo Preliminar
EPTA Estação Prestadora de Serviços de Telecomunicações e de Tráfego Aéreo
EVT Estudo de Viabilidade Técnica
FAA Federal Aviation Administration
HCM Highway Capacity Manual
IATA International Air Transport Association
IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
ICAO International Civil Aviation Organization
IFR Instrument Flight Rules
ILS Instrument Landing System
Infraero Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária
LabTrans Laboratório de Transportes e Logística
LDA Landing Distance Available
LED Light Emitting Diode
LGE Líquido Gerador de Espuma
LO Licença de Operação
MTPA Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil
N/A Não aplicável
N/D Não disponível
NDB Non-directional Radio Beacon
NPCE Nível de Proteção Contraincêndio Existente
NPCR Nível de Proteção Contraincêndio Requerido

Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá 33


PAA Parque de Abastecimento de Aeronaves
PAPI Precision Approach Path Indicator
PCN Pavement Classification Number
PIL Programa de Investimentos em Logística
PMD Peso Máximo de Decolagem
PPD Pista de Pouso e Decolagem
PQS Pó Químico Seco
PTR Pista de Táxi e Rolamento
RBAC Regulamento Brasileiro da Aviação Civil
RESA Runway End Safety Area
RNAV Area Navigation
SAC/PR Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República
SBAX Código ICAO do Aeroporto de Araxá
SCI Seção Contraincêndio
SESCINC Serviço de Prevenção, Salvamento e Combate a Incêndio em Aeródromos
Civis
SICOM Sistema Integrado de Controle e Monitoramento
TODA Take-off Distance Available
TORA Take-off Run Available
TPS Terminal de Passageiros
TRB Transportation Research Board
TXY Taxiway
UFSC Universidade Federal de Santa Catarina
UVP Unidade de Veículo Padrão
VFR Visual Flight Rules
VOR VHF Omnidirectional Range

34 Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá


Lista de figuras
Figura 1 – Mapa de localização da cidade de Araxá (MG) ............................................................. 12
Figura 2 – Informações básicas e dados de operação do Aeroporto de Araxá ............................... 13
Figura 3 – Área patrimonial: Aeroporto de Araxá ......................................................................... 14
Figura 4 – Infraestrutura atual do Aeroporto de Araxá ................................................................. 15
Figura 5 – Estrada de acesso ao Aeroporto de Araxá (2013) ......................................................... 20
Figura 6 – Mapa de uso do solo: ASA ............................................................................................ 24

Lista de gráficos
Gráfico 1 – Movimentações de Aeronaves 2013: Aeroporto de Araxá .......................................... 18
Gráfico 2 – Aeronaves em operação no ano de 2013 .................................................................... 19

Lista de quadros
Quadro 1 – Caracterização da infraestrutura aeroportuária atual do Aeroporto de Araxá (1) ....... 16
Quadro 2 – Caracterização da infraestrutura aeroportuária atual do Aeroporto de Araxá (2) ....... 17
Quadro 3 – Caracterização da infraestrutura aeronáutica atual do Aeroporto de Araxá ............... 18

Lista de tabelas
Tabela 1 – Resumo das pesquisas da SAC/PR (atual MTPA): transporte privado, público e
passageiros em conexão ............................................................................................. 21
Tabela 2 – Resumo das pesquisas da SAC/PR (atual MTPA): táxi, ônibus e outros meios ............... 21
Tabela 3 – Movimentação de passageiros na hora-pico no Aeroporto de Araxá ........................... 22
Tabela 4 – Capacidade de vias: fluxo versus Nível de Serviço ........................................................ 22
Tabela 5 – Demanda atual (2013) e projetada (2025, 2035 e 2043) de passageiros e aeronaves ... 26
Tabela 6 – Mix de aeronaves e load factor utilizados no cálculo da capacidade da PPD ................ 27
Tabela 7 – Capacidade instalada vs. Capacidade necessária para atender à demanda .................. 28

Planejamento da Infraestrutura Aeroportuária – Aeroporto de Araxá 35

Interesses relacionados