Você está na página 1de 29

TEORIAS DO CURRÍCULO

CULTURAS E CURRÍCULO
Entendemos o currículo como a porção da cultura - em
termos de conteúdos e práticas (de ensino, avaliação, etc.)
- que, por ser considerada relevante num dado momento
histórico, é trazida para a escola, isso é, é escolarizada
(Williams, 1984). De certa forma, então, um currículo
guarda estreita correspondência com a cultura na qual ele
se organizou, de modo que ao analisarmos um
determinado currículo, poderemos inferir não só os
conteúdos que, explícita ou implicitamente, são vistos
como importantes naquela cultura, como, também, de
que maneira aquela cultura prioriza alguns conteúdos em
detrimentos de outros. Esse é o motivo pelo qual o
currículo se situa no cruzamento entre a escola e a cultura.
(Alfredo Veiga-Neto)
QUE IMPLICAÇÕES QUE IMPLICAÇÕES UMA
UMA DETERMINADA DETERMINADA
CONCEPÇÃO DE CONCEPÇÃO DE
I CURRÍCULO TEM CURRÍCULO TEM PARA A
N SOBRE A SELEÇÃO CONSTRUÇÃO DO
D DOS CONTEÚDOS PROJETO POLÍTICO
A ESCOLARES PEDAGÓGICO DA
G ESCOLA
A
Ç QUE IMPLICAÇÕES UMA
QUE IMPLICAÇÕES UMA
Õ DETERMINADA
DETERMINADA
E CONCEPÇÃO DE
CONCEPÇÃO DE
S CURRÍCULO TEM SOBRE
CURRÍCULO TEM SOBRE
OS CONTEÚDOS
O PROCESSO ENSINO
VEICULADOS PELOS
APRENDIZAGEM
LIVROS DIDÁTICOS
Sala de aula vitoriana
A Era Vitoriana no Reino Unido foi o período do reinado da Rainha Vitória, em
meados do Século XIX, a partir de Junho de 1837 a Janeiro de 1901 .
Fonte: Imagens de escolas: espaçostempos de diferença no cotidiano, Educ.
Soc. [online]. 2004, vol.25, n.86
Fonte: Imagens de escolas: espaçostempos de diferença no cotidiano, Educ.
Soc. [online]. 2004, vol.25, n.86
Sala de aula feminina
Fonte: Fotografia que ilustra o livro Histórias da nossa terra, de Julia Lopes
de Almeida, publicado em 1907.
Sala de aula da Escola Caetano de Campos, colégio freqüentado
pelas crianças da elite paulistana.
“Lição da Pata”- Cartilha Sodré, 219a Lição “B” da Cartilha Caminho Suave
Ed.,
1965
1951, p.6.
CURRÍCULO
“Poderia me dizer, por favor, que caminho devo tomar
para sair daqui?”
“Isso depende bastante de onde você quer chegar”, disse
o Gato.
“O lugar não me importa muito...”, disse Alice.
“Então não importa que caminho você vai tomar”, disse
o Gato.
“...desde que eu chegue a algum lugar”, acrescentou
Alice em forma de explicação.
“... você vai certamente chegar a algum lugar”, disse o
Gato, “se caminhar bastante.”
Alice no País das Maravilhas
Lewis Carroll
CURRÍCULO

ERA INDUSTRIAL

PÓS-SEGUNDA
GUERRA
MUNDIAL

PRODUÇÃO DE
SENTIDO ATUAL
AS TEORIAS CURRICULARES TRADICIONAIS
A divisão do trabalho tem como Este é o "não tempo" do
objetivo a adaptação dos trabalhador. O trabalhador troca
sujeitos às máquinas e aos seu tempo para cumprir com
processos industriais obrigações dispostas em seu
posto.

Fonte: Charles Chaplin, Tempos Modernos, 1936.


AS TEORIAS CURRICULARES TRADICIONAIS

• BOBBITT The Curriculum (1918)


• Escrito no momento em que forças
econômicas, políticas e culturais procuravam
moldar o currículo;
• Para Bobbitt A escola deveria
funcionar como qualquer outra empresa
comercial.
AS TEORIAS CURRICULARES TRADICIONAIS

Para Bobbitt o sistema educacional deveria:


1. Especificar precisamente que resultados
pretendia obter estabelecendo objetivos
claros;
2. Estabelecer métodos para obter os objetivos
de forma precisa;
3. Estabelecer formar de mensuração que
permitissem saber com precisão se os
resultados foram alcançados.
AS TEORIAS CURRICULARES TRADICIONAIS
A perspectiva de Bobbitt (1918):
 Currículo é uma questão de organização.
 O currículo é uma mecânica.
 O especialista em currículo deve exercer uma
atividade burocrática.
 Conceito central desenvolvimento
curricular.
 O currículo resume-se a uma questão técnica.
AS TEORIAS
CURRICULARES
TRADICINAIS

O modelo de
Bobbitt (1918)
consolida-se,
definitivamente,
no livro de Ralph
Tyler (1949)
Paradigma
(organização e
desenvolvimento)
AS TEORIAS CURRICULARES TRADICIONAIS
No modelo proposto por Tyler (1949), o
currículo deve responder a 4 questões básicas:
 Que objetivos educacionais a escola deve
procurar atingir?
 Que experiências educacionais podem ser
oferecidas para o alcance daqueles objetivos?
 Como organizar eficientemente essas
experiências?
 Como podemos ter certeza de que os
objetivos foram alcançados?
AS TEORIAS CURRICULARES TRADICIONAIS
• No modelo proposto por Tyler (1949) os objetivos
devem ser claramente definidos além de
formulados em termos de comportamento explícito
• Os objetivos devem ser buscados em diferentes
fontes:
 Estudos sobre os aprendizes.
 Estudos sobre a vida contemporânea fora da
educação.
 Sugestões de especialistas
• Os objetivos devem passar pelo filtro da filosofia
social e educacional e da psicologia da
aprendizagem.
AS TEORIAS CURRICULARES TRADICIONAIS
PARADIGMA TÉCNICO-LINEAR
TAYLORISMO/
FORDISMO

CURRICULO = SISTEMA DE
PRODUÇÃO
ALUNO = MATÉRIA BRUTA >
PRODUTO FINAL
PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM =
PROCESSO DE PRODUÇÃO
AVALIAÇÃO = CONTROLE DE
QUALIDADE

ESCOLA
MODELO DE ORGANIZAÇÃO PROPOSTO
POR TAYLOR
AS TEORIAS CURRICULARES TRADICIONAIS
Conceitos enfatizados pelas teorias tradicionais do
currículo:
 Ensino
 Aprendizagem
 Avaliação
 Metodologia
 Didática
 Organização
 Planejamento
 Eficiência
 Objetivos
AS TEORIAS CRÍTICAS
Principais fundamentos
 Escola Francesa: teoria da reprodução cultural -
“capital cultural”. O currículo da escola está baseado na
cultura dominante, na linguagem dominante, transmitido
através do código cultural (Bourdieu e Passeron)

 Escola de Frankfurt – crítica à racionalidade técnica


da escola “pedagogia da possibilidade”- da resistência:
Currículo como possibilidade de emancipação e
libertação (Giroux e Freire)
AS TEORIAS CRÍTICAS
O currículo oculto
 Crítica à reprodução das relações sociais não
expressa porém, no currículo oficial, mas
manifestada pelas relações sociais na e da escola
(currículo oculto)
 As relações sociais na escola mais que o
conteúdo são responsáveis pela socialização
necessárias para que haja uma ótima adaptação
às exigências do trabalho capitalista. (Bowles e
Gintis)
AS TEORIAS CRÍTICAS
Conceitos enfatizados pelas teorias críticas do
currículo:
 Ideologia
 Reprodução cultural e social
 Poder
 Classe Social
 Capitalismo
 Relações sociais de produção
 Conscientização
 Emancipação e libertação
 Currículo Oculto
 Resistência
AS TEORIAS PÓS-CRÍTICAS
O CONTEXTO DA PÓS-MODERNIDADE (metade do
século XX)

 O fim das metanarrativas (idéias abrangentes)


 Questionamento dos princípios sociais, econômicos e
políticos postos pelo Iluminismo
Educação : instituição moderna por excelência
 Idéia de “mudança de paradigmas”
 Crítica aos padrões considerados “rígidos” da
modernidade
 Tentativa de dar voz aos subalternos excluídos de um
sistema totalizante e padronizado.
AS TEORIAS PÓS-CRÍTICAS
PÓS-MODERNIDADE
 A própria teoria crítica é colocada sob suspeita
Desconfia dos impulsos emancipadores e
libertadores da pedagogia crítica.
 Radicaliza os questionamentos colocados pela teoria
crítica do currículo
Primazia do discurso sobre a realidade
explicada em sua concretude.
 Currículo multiculturalista.
“A existência do objeto é inseparável da trama
lingüística que supostamente descreve” (Silva, 2007)
(pós-estruturalismo)
AS TEORIAS PÓS-CRÍTICAS
Conceitos enfatizados pelas teorias pós-críticas
do currículo:
 Identidade, alteridade, diferença
 Multiculturalismo
 Gênero, raça, etnia, sexualidade
 Relativismo
 Hibridismo
 Significação e discurso
 Saber-Poder
 Representação