Você está na página 1de 67

CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT

PROFESSOR PEDRO IVO

AULA 04 - DO CRIME - PARTE 03

Caros alunos,

Hoje finalizaremos a parte do Código Penal que trata sobre a teoria do crime e,
com certeza, ao final da aula você já terá garantido importantes pontos na sua
prova.

Bons estudos!!!

4.1 TENTATIVA
4.1.1 CONCEITO

Como vimos no final da aula passada, o crime possui um caminho que se


denomina "iter criminis". Ele é composto da cogitação, preparação,
execução e consumação, das quais apenas as duas últimas têm importância
para o estudo da tentativa.
Digo isto, pois o legislador deixa claro no Código Penal que tentativa é o
início da execução de um crime que somente não se consuma por
circunstâncias alheias à vontade do agente. Observe:

Art. 14 - Diz-se o crime:


[...]

II - tentado, quando, iniciada a execução, não se consuma por


circunstâncias alheias à vontade do agente.

A tentativa, muitas vezes, recebe outras denominações, tais como crime


imperfeito ou crime incompleto, em oposição ao crime consumado,
reconhecido como completo ou perfeito.

A TENTATIVA É A REALIZAÇÃO INCOMPLETA DO TIPO


PENAL, DO MODELO DESCRITO NA LEI.
NA TENTATIVA, HÁ PRÁTICA DE ATO DE EXECUÇÃO, MAS
NÃO CHEGA O SUJEITO À CONSUMAÇÃO POR
CIRCUNSTÂNCIAS INDEPENDENTES DE SUA VONTADE.

1
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

4.1.2 ELEMENTOS DA TENTATIVA

De forma bem objetiva, pode-se dizer que 03 elementos compõem a


estrutura do crime tentado. São eles:

1. INICIO DA EXECUÇÃO;
2. AUSÊNCIA DE CONSUMAÇÃO POR CIRCUSTÂNCIAS ALHEIAS À
VONTADE;
3. DOLO DE CONSUMAÇÃO.

Observe, caro(a) aluno(a), que uma característica fundamental da tentativa


é o dolo da consumação, ou seja, o agente QUERIA, TINHA VONTADE de
alcançar a consumação, mas por circunstâncias que não havia previsto, não
consegue atingir seu objetivo.
Aqui surge um importante questionamento que deve ser estudado com
muita atenção: É cabível a tentativa no dolo eventual?

PARA LEMBRAR:
NO DOLO EVENTUAL, O SUJEITO PREVÊ O RESULTADO E,
EMBORA NÃO O QUEIRA PROPRIAMENTE ATINGIR, POUCO
SE IMPORTA COM A SUA OCORRÊNCIA ("EU NÃO QUERO,
MAS SE ACONTECER, PARA MIM TUDO BEM, NÃO É POR
CAUSA DESSE RISCO QUE VOU PARAR DE PRATICAR
MINHA CONDUTA; NÃO QUERO, MAS TAMBÉM NÃO ME
IMPORTO COM A SUA OCORRÊNCIA")

A doutrina é extremamente divergente neste ponto, mas, com foco na


sua PROVA, o que é necessário conhecer é o entendimento das bancas
segundo o qual É CABÍVEL A TENTATIVA NOS CASOS DE DOLO
EVENTUAL.
Este é o entendimento que vem sendo seguido pela maioria dos
Tribunais. Veja:

TJMA - RECURSO EM SENTIDO ESTRITO: RSE 137722007 MA

Não cabe a desclassificação do crime de tentativa de homicídio,


quando presente o dolo eventual na conduta do acusado,
porquanto, o tipo penal não faz diferenciação em relação ao dolo
direto.

2
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

TJDF - RECURSO EM SENTIDO ESTRITO : RECSENSES


20030510017029 DF

PROCESSUAL PENAL. TENTATIVA DE HOMICÍDIO SIMPLES.


[...]

2. AO DESFERIR TIROS NO TÓRAX DA VÍTIMA, REGIÃO DE


LETALIDADE IMEDIATA, FICA EVIDENCIADO, NO MÍNIMO, O
DOLO EVENTUAL, RAZÃO PELA QUAL IMPOSSÍVEL EXCLUIR
ANTECIPADAMENTE O ÁNIMO DO DELITO.

4.1.3 ESPÉCIES DE TENTATIVA

A tentativa apresenta a seguinte divisão:

• TENTATIVA BRANCA OU INCRUENTA * O


agente não atinge o objeto material. Imagine
que Tício está com uma blusa branca,
perfeitamente lavada pela sua mãe. Ao
encontrar Mévio, este começa a atirar e Tício
começa a correr. Nenhum tiro é acertado, logo
o que era branco permanece branco, pois o objeto não foi atingido.

• TENTATIVA VERMELHA OU CRUENTA * Diferentemente da


tentativa branca, aqui a vítima é atingida, mas o delito não se
consuma.

• TENTATIVA PERFEITA ^ Neste tipo de tentativa fica caracterizada


a INCOMPETÊNCIA do agente, ou seja, o autor do delito utiliza TODOS
os meios executórios disponíveis e, mesmo assim, não atinge a
consumação. É o caso do indivíduo que, portando um revolver com 06
cartuchos, utiliza todos, mas não consegue atingir a vítima em um
ponto letal.

• TENTATIVA IMPERFEITA ^ O agente inicia a execução, mas não


utiliza todos os meios de que dispõe. É o caso do indivíduo que
começa a atirar e, no 3° disparo, é interrompido pela chegada de
policiais que estavam passando pelo local.

3
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

4.1.4 PUNIBILIDADE DA TENTATIVA

Ao punir a tentativa, o Direito está protegendo um bem jurídico, ainda


que este não tenha corrido perigo de maneira efetiva, mas pelo simples
fato de a tentativa poder vir a proporcionar a vivência do perigo. A
ordem jurídica teme pelo sujeito passivo, mesmo que este não tenha
sentido temor algum e nem tenha percebido a ameaça.
Duas teorias existem a respeito da punibilidade da tentativa. A subjetiva
prega a aplicação da mesma pena que a do delito consumado,
fundamentando-se na vontade do autor, contrária ao direito.
Diferentemente, a objetiva propõe para a tentativa pena menor que a
do crime consumado, já que a lesão é menor ou não ocorreu qualquer
resultado lesivo ou perigo de dano. Foi esta a adotada pelo Código Penal
ao determinar que:

Art. 14
[... ]
Parágrafo único - Salvo disposição em contrário, pune-se a
tentativa com a pena correspondente ao crime consumado,
diminuída de um a dois terços

A redução da pena concernente à tentativa deve resultar das


circunstâncias da própria tentativa. Isto quer dizer que não devem ser
consideradas na redução da pena as atenuantes ou agravantes
porventura existentes, mas sim o iter criminis percorrido pelo agente
em direção à consumação do delito.
A diminuição entre os limites legais deve ter como fundamento
elementos objetivos, ou seja, a extensão do iter criminis percorrido pelo
agente, graduando-se o percentual em face da maior ou menor
aproximação da meta objetivada. Ou seja, quanto mais o agente se
aprofundou na execução, quanto mais se aproximou da consumação,
menor a redução.

Na hipótese de homicídio, tem-se considerado em especial a redução


máxima para a tentativa branca e também a maior ou menor gravidade
da lesão efetiva para a dosagem da pena na tentativa.
A lei prevê exceções à regra geral no art. 14, parágrafo único,
cominando a mesma pena para a consumação e a tentativa do resultado
lesivo. É cominada a mesma sanção, por exemplo, para a evasão ou
tentativa de evasão com violência do preso (art. 352), para a conduta
de votar ou tentar votar duas vezes (art. 309 do Código Eleitoral) etc.
Veja:

4
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

Art. 352 - Evadir-se ou tentar evadir-se o preso ou o indivíduo


submetido a medida de segurança detentiva, usando de violência
contra a pessoa:

Pena - detenção, de três meses a um ano, além da pena


correspondente à violência.

Afora as exceções expressas, é obrigatória a redução da pena entre os


limites de um e dois terços.
Podemos resumir:

PROXIMIDADE DA CONSUMAÇÃO

DIMINUIÇÃO
DIMINUIÇÃO
MÍNIMA DA
MÁXIMA DA
PENA
PENA

4.1.5 CRIMES QUE NÃO ADMITEM TENTATIVA

A regra geral é a de que os crimes dolosos são compatíveis com a tentativa,


pouco importando se são materiais formais ou de mera conduta.
A título de exemplo, imagine que Mévio e Tícia decidem realizar um show de
sexo explícito em uma praça pública. No momento em que vão tirar a
última peça de roupa, são abordados e presos por policiais. Neste caso, as
condutas se enquadram como tentativa de ato obsceno (crime de mera
conduta).
Sendo assim, REPITO, a regra geral é a COMPATIBILIDADE dos delitos
com a tentativa.
Algumas espécies de infrações penais, entretanto, não admitem tentativa.
São elas:

5
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

1. CRIMES CULPOSOS * Como vimos, não se admite tentativa no


crime culposo, pois este só se consuma com a ocorrência do
resultado naturalístico. Pode-se, porém, falar em tentativa na
culpa imprópria, uma vez que, nessa hipótese, o agente visa o
evento que não vem a ocorrer por circunstâncias alheias à sua
vontade. Ocorre na realidade um crime doloso tentado que, por
ter sido executado por erro ou excesso culposo, tem o tratamento
do crime culposo por disposição legal.

2. CRIMES PRETERDOLOSOS * Também já tratamos deste delito


e sabemos que ele, por se caracterizar pela culpa no resultado,
não admite tentativa. É ela possível, porém, nos crimes
qualificados pelo resultado em que este é abrangido pelo dolo do
sujeito. Assim, se em um roubo o sujeito tentar matar a vítima, há
tentativa de crime qualificado pelo resultado.

3. CRIMES UNISUBSISTENTES * Também chamado de crime


único, é aquele em que a conduta é exteriorizada mediante um
único ato, não se podendo falar em iter criminis e,
consequentemente, na ocorrência da tentativa. É o caso do delito
de desacato cometido verbalmente: ao ser dita a palavra
empregada, com a finalidade de menosprezar a função pública,
consumado está o crime.

4. CRIMES OMISSIVOS PRÓPRIOS * Os crimes omissivos puros


também não admitem a tentativa, pois não se exige um resultado
naturalístico decorrente da omissão. Se o sujeito deixou escoar o
momento em que deveria agir, ocorreu a consumação; se ainda
pode atuar, não há que se falar em tentativa.

Atenção que nos crimes omissivos impróprios, admite-se a


tentativa. A mãe que, desejando a morte do filho recém-nascido,
deixa de alimentá-lo, sendo a vítima socorrida por terceiro, pratica
tentativa de infanticídio.

5. CONTRAVENÇÕES PENAIS * Segundo a Lei de Contravenções


Penais (que não importa para a sua prova), NÃO É ADMITIDA A
TENTATIVA PARA AS CONTRAVENÇÕES PENAIS.

6. CRIMES CONDICIONADOS * São aqueles que dependem do


cumprimento de uma condição para que possam ser punidos. Um
exemplo claro é o crime de participação em suicídio. Exemplo:
Tício, percebendo que seu cunhado está na janela, começa a
gritar: "PULA! PULA! PULA! PULA!. Se o cunhado não pular, não há

6
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

delito, pois só há punição se resultar em morte ou lesão corporal


grave.

7. CRIMES HABITUAIS * Entende a doutrina majoritária NAO ser


possível a tentativa nos crimes habituais. Ex: Tentativa de
curandeirismo.

8. CRIMES DE ATENTADO ^ Fala-se em crime de atentado ou de


empreendimento quando a tentativa é punida com a mesma pena
do crime consumado. Exemplo: art. 352, do CP.

Resumindo:
NÃO ADMITEM TENTATIVA:

4.1.6 DESISTENCIA VOLUNTARIA E ARREPENDIMENTO EFICAZ

Imagine que Tício, a fim de ocupar a vaga de presidente em uma empresa,


ministra veneno para Mévio. Este ingere o veneno e começa a perder os
sentidos.
Se neste momento Tício já respondesse, de qualquer forma, pela execução,
o que o levaria a interromper o feito, dando, por exemplo, um antídoto para
Mévio?
Exatamente para estimular esta interrupção e impedir o resultado
naturalístico advindo da execução, o legislador optou por colocar um
dispositivo no Código Penal prevendo que caso haja a desistência do
prosseguimento na ação ou o impedimento do resultado, responderá o
agente SOMENTE pelos seus atos já praticados. Observe:

7
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

Art. 15 - O agente que, voluntariamente, desiste de prosseguir na


execução ou impede que o resultado se produza, só responde
pelos atos já praticados.

Deste supracitado artigo, surgem os conceitos da desistência voluntária e


do arrependimento eficaz, que são formas da chamada tentativa
abandonada, assim denominada porque a consumação do crime não ocorre
em razão da VONTADE DO AGENTE.
Vamos estudar cada um destes institutos:

1. DESISTÊNCIA VOLUNTÁRIA * O agente, por ato voluntário,


interrompe a execução do crime, abandonando a prática dos demais
atos necessários e que estavam à sua disposição para a consumação.
Observe, caro(a) concurseiro(a), que em nenhum momento ocorre de
o agente NÃO PODER PROSSEGUIR na execução, e este
entendimento é importantíssimo para a sua PROVA. Exemplificando:
Imagine que Tício prende Mévio (esse Mévio sofre...) em uma parede
e começa a atirar de uma distância de 50 metros, errando o primeiro
disparo. Efetua o segundo disparo de 25 m e também erra. Nervoso,
resolve se posicionar a 1 metro de Mévio e, ao encostar a arma em
sua cabeça, vê a foto da filha da vítima caída no chão. Comovido, e
ainda com 05 cartuchos no revólver, desiste da ação. Neste caso,
temos a desistência voluntária.

Sendo assim, entenda e GUARDE PARA SUA PROVA:

DESISTÊNCIA VOLUNTÁRIA * QUANDO O


AGENTE DIZ: "POSSO PROSSEGUIR, MAS
NÃO QUERO".
TENTATIVA * QUANDO O AGENTE DIZ:
"QUERO PROSSEGUIR, MAS NÃO POSSO".

2. ARREPENDIMENTO EFICAZ ^ Diferentemente do que ocorre na


desistência voluntária, o agente pratica todos os atos suficientes à
consumação do delito, mas adota providências para impedir o
resultado.
É o caso do exemplo que vimos no início deste tópico em que Tício
dá veneno para Mévio. Ao ingerir o veneno, Mévio só não morre se
Tício der a ele o antídoto. Se Tício age desta forma e impede a
morte, operou-se o arrependimento eficaz.
8
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

É importante ressaltar que o arrependimento eficaz só é possível


nos crimes materiais, pois o CP é claro o dizer " impede que o
resultado se produza". Logo, se o resultado é relevante ao fato,
obviamente, não há que se falar em delitos formais ou de mera
conduta.

4.1.6.1 REQUISITOS

Ainda dentro do assunto desistência voluntária e arrependimento eficaz,


é preciso citar que existem dois requisitos a serem cumpridos para que o
agente seja beneficiado pelo disposto no artigo 15. São eles:
1. VOLUNTARIEDADE ^ Idéia originada da mente do agente.
2. EFICÁCIA * Tem que impedir o resultado. Se tentou impedir, mas
não conseguiu...Azar o dele...

4.1.6.2 EFEITOS

A desistência voluntária e o arrependimento eficaz não são causas de


diminuição da pena e sim de atipicidade.
"Mas como assim professor? Quer dizer que ele não vai ser punido?"
Claro que vai, mas não de forma tentada pelo delito, mas somente pelos
atos já praticados. Nos exemplos citados referentes a disparo de arma de
fogo, por exemplo, não responderá o agente por tentativa de homicídio e
sim por lesões corporais.

EXISTEM ALGUMAS CORRENTES QUE NÃO CONSIDERAM OS


INSTITUTOS DA DESISTÊNCIA VOLUTÁRIA E DO ARREPENDIMENTO
EFICAZ COMO FORMA DE AFASTAR A TIPICIDADE. E O QUE ISSO
IMPORTA? ABSOLUTAMENTE NADA, POIS PARA SUA PROVA:

A DESISTÊNCIA VOLUNTÁRIA E O
ARREPENDIMENTO EFICAZ AFASTAM A
TIPICIDADE, RESPONDENDO O AGENTE PELOS
ATOS JÁ PRATICADOS.

9
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

4.2 ARREPENDIMENTO POSTERIOR

4.2.1 CONCEITO

Sobre o tema, dispõe o Código Penal da seguinte forma:

Art. 16 - Nos crimes cometidos sem violência ou grave ameaça à


pessoa, reparado o dano ou restituída a coisa, até o recebimento
da denúncia ou da queixa, por ato voluntário do agente, a pena
será reduzida de um a dois terços.

O chamado arrependimento posterior é CAUSA DE DIMINUIÇÃO DA


PENA, diferentemente do que vimos na desistência voluntária e no
arrependimento eficaz. Ocorre quando o agente, nos crimes cometidos sem
violência ou grave ameaça à pessoa, voluntariamente e até o recebimento
da denúncia ou queixa, restitui a coisa ou repara o dano provocado por sua
conduta.
Segundo entendimento doutrinário e jurisprudencial, o arrependimento
posterior pode ocorrer em qualquer espécie de crime e não somente nos
delitos contra o patrimônio. Basta, como deixa claro o texto legal, que
exista um dano passível de reparação.
Observe o que diz sobre o tema o STJ, deixando claro o que é
arrependimento posterior e a OBRIGATORIEDADE da diminuição da pena:

STJ - RECURSO ORDINARIO EM HABEAS CORPUS: RHC 20051 RJ


2006/0181741-0

RECURSO ORDINÁRIO EM HABEAS CORPUS. DIREITO PROCESSUAL PENAL.


CRIMES DE ESTELIONATO E FORMAÇÃO DE QUADRILHA. ARREPENDIMENTO
POSTERIOR. DEPOIMENTO CONTIDO NOS AUTOS PELA PRÓPRIA VÍTIMA QUE
ATESTA QUE O DANO FOI REPARADO VOLUNTARIAMENTE PELO PACIENTE.
INCIDÊNCIA OBRIGATÓRIA DA CAUSA DE DIMINUIÇÃO DE PENA.

1. O arrependimento posterior é causa de diminuição de pena objetiva, bastando


para a sua configuração seja voluntário e realizado antes do recebimento da
denúncia, mediante a devolução ou reparação integral do bem jurídico lesado.

2. Na hipótese, observa-se, mormente da leitura do termo de declarações


prestado pela própria vítima, que o recorrente, voluntariamente e logo após os
fatos narrados na denúncia, restituiu, relativamente ao crime de estelionato, os
bens havidos de forma indevida e fraudulenta 3. Recurso provido para, mantida a
condenação do recorrente, determinar ao juízo sentenciante que realize nova
dosimetria da pena, relativamente ao crime de estelionato a ele imputado, na
qual deverá incidir a causa de diminuição da pena do arrependimento posterior
prevista no art. 16, do Código Penal.
10
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

Antes de prosseguirmos, uma pequena observação:

CONHECER PARA ENTENDER

A DENÚNCIA E A QUEIXA SÃO OS PEDIDOS INICIAIS PARA


QUE O ESTADO PROMOVA UMA AÇÃO PENAL.
DIANTE DOS ELEMENTOS APRESENTADOS PELO INQUÉRITO
POLICIAL OU PELAS INFORMAÇÕES QUE RECEBEU, O ÓRGÃO
DO MINISTÉRIO PÚBLICO FORMA A SUA CONVICÇÃO E
PROMOVE A AÇÃO PENAL PÚBLICA COM O OFERECIMENTO DA
DENÚNCIA.
A QUEIXA É A DENOMINAÇÃO DADA PELA LEI À PETIÇÃO
INICIAL DA AÇÃO PENAL PRIVADA INTENTADA PELO
OFENDIDO OU SEU REPRESENTANTE LEGAL.

4.2.1.1 REQUISITOS

Para que o arrependimento posterior seja aceito, os seguintes requisitos


devem ser cumpridos, CUMULATIVAMENTE:

1. CRIME SEM VIOLÊNCIA OU GRAVE AMEAÇA * Imagine que


Tício, querendo furtar uma loja, quebra uma janela de vidro,
depois explode duas portas de madeira, mata três cachorros e, por
fim, estrangula o gato da dona da loja. Neste caso, será possível a
aplicação do instituto do arrependimento posterior?
Claro que sim, pois houve violência contra a COISA e não contra a
pessoa.

2. REPARAÇÃO VOLUNTÁRIA, PESSOAL E INTEGRAL * O agente


não pode ser coagido a reparar o dano, o que não quer dizer que
não pode ter sido induzido por outra pessoa a tal ato. Aqui não
importa se a idéia surgiu ou não da mente do agente. Basta que a
reparação seja voluntária.
A reparação deve ser pessoal, ou seja, não pode o pai do criminoso
querer restituir, por exemplo, uma quantia furtada.
"Mas professor, como saber se não foi o pai do agente que deu o
dinheiro para ele devolver?"
Boa pergunta, mas com certeza a banca não vai cobrar este
"subjetivo conhecimento" de você! Fique tranquilo (a).

11
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

Por fim, não basta reparar ou restituir parcela do que foi lesado.

3. LIMITE TEMPORAL ^ A reparação do dano ou restituição da


coisa deve ocorrer antes do RECEBIMENTO da denúncia ou queixa.

Agora que já conhecemos a desistência voluntária, o arrependimento eficaz e o


arrependimento posterior, podemos resumir:

DESISTÊNCIA VOLUNTÁRIA EXCLUI A TIPICIDADE,


RESPONDENDO O AGENTE
PELOS ATOS JÁ
PRATICADOS
ARREPENDIMENTO EFICAZ

OBRIGATORIAMENTE
ARREPENDIMENTO POSTERIOR
DIMINUI A PENA

E ainda:

INÍCIO DA FIM DA CONSUMAÇÃO RECEBIMENTO


EXECUÇÃO EXECUÇÃO DO CRIME DA DENÚNCIA
OU QUEIXA

4.3 CRIME IMPOSSÍVEL

4.3.1 CONCEITO

Crime impossível, também chamado pela doutrina de quase-crime,


tentativa inadequada ou inidônea, na conceituação de Fernando Capez, "é
aquele que, pela ineficácia total do meio empregado ou pela impropriedade
absoluta do objeto material é impossível de se consumar".

12
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

O renomado jurista Antonio José Miguel convencionou chamar de crime


impossível "a atitude do agente, quando o objeto pretendido não pode ser
alcançado dada a ineficácia absoluta do meio, ou pela absoluta
impropriedade do objeto".
Por sua vez, para reforçar as definições aqui apresentadas, o art. 17 do
Código Penal dispõe que:

"Art. 17. Não se pune a tentativa quando, por ineficácia absoluta


do meio ou por absoluta impropriedade do objeto, é impossível
consumar-se o crime."

Diante dos conceitos apresentados, caro aluno, existe


alguma semelhança entre o crime tentado e o crime
impossível? A resposta é positiva, pois nos dois a execução
da conduta criminosa não alcança a consumação.
Entretanto, as diferenças são bem claras.
Na tentativa, a consumação é plenamente possível, a qual só não ocorre por
circunstâncias alheias à vontade do agente. Diferentemente, no crime
impossível a consumação nunca pode ocorrer, seja em razão da ineficácia
absoluta do meio, seja por força da impropriedade absoluta do objeto.

4.3.2 TEORIA ADOTADA PELO CÓDIGO PENAL

O Código Penal, ao tratar do crime impossível, resolveu adotar a chamada


teoria objetiva temperada ou intermediária. Segundo esta teoria, para a
configuração do crime impossível, os meios empregados e o objeto do crime
devem ser ABSOLUTAMENTE inidôneos a produzir o resultado.
Inidoneidade absoluta é aquela em que o crime nunca poderia chegar a ser
consumado.
Exemplo tradicional na doutrina é o indivíduo que falsifica grosseiramente
uma nota e tenta comprar algo com ela. Você, caro aluno, aceitaria as notas
abaixo?

Claro que não, nem você, nem ninguém. Logo, é hipótese de CRIME
impossível. Diferentemente, se lhe é apresentada a seguinte nota:

13
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

Embora seja falsa, a diferenciação não é possível por um simples olhar.


Logo, não caracteriza o crime impossível.

Neste sentido já se pronunciou o STJ:

STJ - HC 45.616/SP - 09/08/2007

PENAL. HABEAS CORPUS. TENTATIVA DE FURTO. CRIME IMPOSSÍVEL.


ORDEM DENEGADA.

1. O crime impossível somente se caracteriza quando o agente, após a


prática do fato, jamais poderia consumar o crime pela ineficácia absoluta
do meio empregado ou pela absoluta impropriedade do objeto material,
nos termos do art. 17 do Código Penal.

2. A ação externa alheia à vontade do agente, impedindo a consumação


do delito após iniciada a execução, caracteriza a tentativa (art. 14, II, do
CP).

3. Ordem denegada

4.3.3 ESPÉCIES DE CRIME IMPOSSÍVEL

A leitura atenta do artigo 17 nos traz duas espécies de crime impossível:

• POR INEFICÁCIA ABSOLUTA DO MEIO;


• POR IMPROPRIEDADE ABSOLUTA DO OBJETO.

Ocorre o primeiro caso, segundo o Ilustre DAMASIO, "quando o meio


executório empregado pelo insciente pseudo autor, pela sua natureza, é
absolutamente incapaz de causar o resultado (ausência de potencialidade
lesiva)".
O exemplo por ele apresentado é do sujeito que, por erro, desejando matar
a vítima mediante veneno, coloca açúcar em sua alimentação, pensando
tratar-se de arsênico. Outro exemplo clássico na doutrina é o da tentativa
de homicídio com a utilização de revólver sem munição ou de armas cujas
cápsulas já foram deflagradas.

14
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

Inclui-se nessa hipótese, ainda, a chamada tentativa irreal ou supersticiosa,


cujo exemplo é do agente que deseja matar a vítima mediante ato de magia
ou bruxaria.
Na segunda parte do artigo 17, encontra-se a segunda hipótese de
ocorrência do crime impossível: o objeto material sobre o qual deveria
incidir o comportamento não existe ou, pela sua situação ou condição,
torna-se absolutamente impossível a produção do resultado visado, por
circunstâncias desconhecidas pelo agente.
Assim, há integral impropriedade do objeto quando o bem jurídico é
inexistente. Ocorre, por exemplo, quando a mulher erroneamente acredita
estar grávida e, desejando se livrar do feto, faz uso de práticas abortivas.
Outro exemplo bastante utilizado na doutrina é o caso do sujeito que,
desejando matar a vítima, efetua disparos em direção a um cadáver. Fica
claro, neste caso, que o bem jurídico protegido, a vida, já não existe.

Agora, pergunto, Futuro Aprovado: Imaginemos que Tício tenta furtar


Mévio, mas ao colocar a mão no bolso direto, não consegue pegar o objeto,
pois este estava no esquerdo.
Neste caso, como Tício tentou pegar o celular em um bolso que nada tinha,
é caso de crime impossível?
A resposta é negativa, pois o objeto material existia e, nesta situação,
estamos diante de uma impropriedade RELATIVA do objeto. Como o Código
Penal exige impropriedade ABSOLUTA, não será caso de crime impossível,
mas tentado.

E no caso do roubo, se o indivíduo não possui nenhum bem a ser roubado?


É crime impossível? Não, pois para a sua PROVA, deve-se seguir o
entendimento do STJ:

STJ - REsp 897.373/SP - 03/04/2007

RECURSO ESPECIAL. PENAL. ROUBO. CRIME COMPLEXO. AUSÊNCIA


DE BENS. TENTATIVA. INEXISTÊNCIA DE CRIME IMPOSSÍVEL.
DIVERGÊNCIA JURISPRUDENCIAL COMPROVADA.

1. A divergência jurisprudencial restou devidamente comprovada.

2. Tratando-se o crime de roubo, tem-se por iniciada a


execução tão-logo praticada a violência ou grave ameaça à
vítima. O fato de inexistir bens materiais em poder da vítima,
não desnatura a ocorrência do crime em sua modalidade
tentada.

15
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

Para finalizar, um último caso prático. Imaginemos que Tício entra em um


supermercado repleto de câmeras e seguranças. Mesmo assim, resolve colocar
um produto no bolso a fim de não ser cobrado por ele. Devido ao
monitoramento, é descoberto e levado à polícia. Neste caso, devido ao
monitoramento, é caso de crime impossível?
A resposta é negativa e novamente o STJ já se pronunciou sobre o caso:

STJ - REsp 911.756/RS - 17/04/2008

1. Cinge-se a controvérsia à configuração ou não de crime impossível


na hipótese em que o agente, ao tentar sair do estabelecimento
comercial com produtos pertencentes a este, é detido por seguranças,
em decorrência da suspeita de funcionários da empresa.
2. No caso dos autos, o fato de o agente ter sido vigiado pelo
segurança do estabelecimento não ilide, de forma absolutamente
eficaz, a consumação do delito de furto, pois existiu o risco, ainda que
mínimo, de que o agente lograsse êxito na consumação do furto e
causasse prejuízo à vítima, restando frustrado seu intento por
circunstâncias alheias à sua vontade.

3. Desta maneira, não se pode reconhecer, nesta situação, a


configuração de crime impossível pela absoluta ineficácia do meio
empregado, mas sim a tentativa de furto. O crime impossível somente
se caracteriza quando o agente, após a prática do fato, jamais poderia
consumar o crime pela ineficácia absoluta do meio empregado ou pela
absoluta impropriedade do objeto material, nos termos do art. 17 do
Código Penal.

4.4 ILICITUDE

4.4.1 CONCEITO

Ilicitude é a relação de antagonismo que se estabelece entre a conduta


humana voluntária e o ordenamento jurídico, de modo a causar lesão ou
perigo de lesão a um bem jurídico tutelado.
Entretanto, nem toda conduta que se enquadra perfeitamente no
ordenamento jurídico penal deve ser punida. Imagine, por exemplo, que
Tício chega em casa e percebe que há um bandido com uma arma, prestes
a assassinar sua esposa. Diante de tal fato, pega sua arma e mata o
invasor.
Nesta situação, podemos dizer que Tício deve ser punido? Claro que não,
pois a conduta dele é aceitável.

16
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

O que ele deveria fazer? Deixar a esposa morrer? A resposta, obviamente,


é negativa.
Sendo assim, existem determinadas situações que excluem a ilicitude da
conduta, e a elas, IMPORTANTÍSSIMAS PARA SUA PROVA, dá-se o
nome de CAUSAS DE EXCLUSÃO DA ILICITUDE.
Vamos estudá-las!!!

4.4.2 CAUSAS DE EXCLUSÃO DA ILICITUDE

A maioria das causas excludentes de ilicitude está presente no Código


Penal. Estas causas recebem a denominação de LEGAIS e dividem-se em
genéricas e específicas.
As causas genéricas são aquelas presentes no artigo 23 do CP, as quais
iremos estudar uma a uma. São elas:

ESTADO DE NECESSIDADE;
LEGÍTIMA DEFESA;
ESTRITO CUMPRIMENTO DO DEVER LEGAL;
EXERCÍCIO REGULAR DO DIREITO.

As chamadas causas específicas, que não são de grande relevância para


concursos públicos, são aquelas que estão previstas na parte especial do
Código Penal e são referentes a delitos específicos, como no caso do artigo
142 que versa sobre a injúria e a difamação.
Observe:

Art. 142 - Não constituem injúria ou difamação punível:


I - a ofensa irrogada em juízo, na discussão da causa, pela parte
ou por seu procurador;
II - a opinião desfavorável da crítica literária, artística ou
científica, salvo quando inequívoca a intenção de injuriar ou
difamar;
III - o conceito desfavorável emitido por funcionário público, em
apreciação ou informação que preste no cumprimento de dever
do ofício.

Além das causas legais, a doutrina e a jurisprudência vêm admitindo causas


de exclusão da ilicitude que não encontram previsão direta em lei,
conhecidas como supralegais.
17
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

Na verdade, aqui não se trata de uma atuação extralegal, mas de uma


extensão das normas, pois, nas lições de Mezger, "Nenhuma lei esgota a
totalidade do direito".
Para os que admitem as causas supralegais, a que é aceita por todos e
importa para sua PROVA diz respeito ao consentimento do ofendido.
Sendo assim, um indivíduo que faz uma tatuagem em outro não comete
lesão corporal, pois está amparado no consentimento do ofendido como
causa supralegal de exclusão da ilicitude.
Do exposto, podemos resumir:

4.4.3 ESTADO DE NECESSIDADE

Estado de necessidade é o sacrifício de um interesse juridicamente


protegido para salvar de perigo atual e inevitável o direito do próprio agente
ou de terceiros.
É causa de exclusão de ilicitude, desde que outra conduta, nas
circunstâncias reais, não fosse razoável exigir.
Existem duas teorias adotadas mundialmente quanto ao Estado de
Necessidade. Uma delas é a chamada "Teoria Unitária", adotada no Brasil,
que determina um Estado de necessidade excludente da antijuridicidade. A
18
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

outra é conhecida por "Teoria Diferenciadora", segundo a qual o Estado de


Necessidade ora exclui a antijuridicidade, ora a culpabilidade.

PARA A SUA PROVA, O IMPORTANTE É VOCÊ SABER QUE O BRASIL


ADOTA A TEORIA UNITÁRIA E QUE O ESTADO DE NECESSIDADE É
EXCLUDENTE DE ILICITUDE (OU ANTIJURIDICIDADE).

Um exemplo de estado de necessidade amplamente tratado na doutrina é o


dos dois náufragos que avistam uma tábua de madeira capaz de suportar o
peso só de um indivíduo. Durante a "briga" pela madeira, A deixa B morrer
afogado a fim de se salvar. Neste caso, podemos dizer que A agiu em
estado de necessidade.
Perceba que no estado de necessidade não há, como vemos, uma agressão
a um direito, mas um choque, em que alguém, na defesa de direito próprio
ou alheio, se vê na contingência de praticar fato considerado criminoso, a
fim de salvá-lo de perigo atual e iminente que não provocou por sua
vontade, não sendo justo exigir-se o sacrifício desse direito.
Encontra-se disposto no artigo 24 do Código Penal, nos seguintes termos:

Art. 24 - Considera-se em estado de necessidade quem pratica o


fato para salvar de perigo atual, que não provocou por sua
vontade, nem podia de outro modo evitar, direito próprio ou alheio,
cujo sacrifício, nas circunstâncias, não era razoável exigir-se.

§ 1° - Não pode alegar estado de necessidade quem tinha o dever


legal de enfrentar o perigo.

§ 2° - Embora seja razoável exigir-se o sacrifício do direito


ameaçado, a pena poderá ser reduzida de um a dois terços.

4.4.3.1 REQUISITOS

A análise do artigo supracitado revela a existência de dois momentos


distintos QUE DEVEM SER SOMADOS para a correta verificação da
ocorrência do estado de necessidade. São eles:

1. Situação de Necessidade ^ Que depende de:

• PERIGO ATUAL;
• PERIGO NÃO PROVOCADO VOLUNTARIAMENTE;
• AMEAÇA A DIREITO PRÓPRIO OU ALHEIO;

19
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

• AUSÊNCIA DE DEVER LEGAL DE ACEITAR O PERIGO.


2. Fato necessitado ^ A conduta típica em face do perigo tem como
requisitos:

• INEVITABILIDADE DO PERIGO POR OUTRO MODO;


• PROPORCIONALIDADE.

4.4.3.2 SITUAÇÃO DE NECESSIDADE

Existência de perigo atual ^ Perigo é a exposição do bem


jurídico a uma situação de probabilidade de dano. Sua origem pode
vir de um fato da natureza, de seres irracionais (como um
cachorro) ou mesmo da atividade humana.
Atual é o que está acontecendo, é o perigo concreto, imediato, não
se admitindo o uso de tal excludente quando se trata de perigo
remoto, ou seja, de perigo passado.

• Proteção de direito próprio ou alheio ^ É necessário que o


bem a ser salvo esteja protegido pelo ordenamento jurídico, pois,
do contrário, não poderá alegar estado de necessidade. Exemplo:
Um preso não pode matar o carcereiro sob o pretexto de exercício
do seu direito de liberdade.

• Perigo não provocado voluntariamente A pessoa que deu


origem ao perigo não pode invocar a excludente para sua própria
proteção, pois seria injusto e despropositado. É o caso, por
exemplo, do indivíduo que põe fogo em uma lancha por
imprudência e depois mata o outro viajante afogado a fim de ficar
com a única bóia existente.

• Inexistência do dever legal de enfrentar o perigo ^ Deve


inexistir o dever legal de enfrentar o perigo, pois caso a lei o
determine, este deve tentar salvar o bem ameaçado sem destruir
qualquer outro, mesmo que para isso tenha que correr os riscos
inerentes à sua função.
Exemplificativamente, não pode um bombeiro, para salvar um
morador de uma casa em chamas, destruir a residência vizinha,
quando possível fazê-lo de forma menos lesiva, ainda que mais
arriscada à sua pessoa.

20
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

4.4.3.3 FATO NECESSITADO

Inevitabilidade do perigo * Somente se admite o sacrifício do


bem quando o perigo for inevitável, bem como seja necessário a
lesão a bem jurídico de outrem para escapar da situação perigosa.
Exemplo: Se para fugir do ataque de um boi bravio de
R$500.000,00 o agende puder facilmente pular uma cerca, não
está autorizado a matar o animal.

Proporcionalidade do sacrifício Exige que o agente aja de


acordo com a razoabilidade do sacrifício, ou seja, deve-se buscar
sacrificar um bem de menor importância para salvar um bem de
maior ou igual valor. Exemplo: Entre uma vida e o patrimônio,
sacrifica-se o patrimônio.
Mas e se o indivíduo, visando proteger bem próprio ou de terceiro,
sacrifica outro bem jurídico de maior valor?
Neste caso, não há exclusão do crime. É mantida a tipicidade, mas
é possível a diminuição de pena nos termos do parágrafo 2° do
artigo 23:

§ 2° - Embora seja razoável exigir-se o sacrifício do


direito ameaçado, a pena poderá ser reduzida de um a
dois terços.

Observe que no supra dispositivo legal não há OBRIGATORIEDADE


da diminuição de pena, mas simplesmente a POSSIBILIDADE do
magistrado, avaliando o caso, aplicar tal redução.

4.4.4 LEGÍTIMA DEFESA


A legítima defesa é a segunda causa de exclusão da antijuridicidade
prevista pelo artigo 23 do Código Penal, e está regulada no artigo 25 do
mesmo ordenamento:

Art. 25 - Entende-se em legítima defesa quem, usando


moderadamente dos meios necessários, repele injusta agressão,
atual ou iminente, a direito seu ou de outrem.

Segundo NUCCI, "é a defesa necessária empreendida contra agressão


injusta, atual ou iminente, contra direito próprio ou de terceiro, usando,
para tanto, moderadamente, os meios necessários."
21
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

E continua:
"Valendo-se da legítima defesa, o indivíduo consegue repelir as agressões a
direito seu ou de outrem, substituindo a atuação da sociedade ou do
Estado, que não pode estar em todos os lugares ao mesmo tempo, através
dos seus agentes. A ordem jurídica precisa ser mantida, cabendo ao
particular assegurá-la de modo eficiente e dinâmico".
A análise do artigo 25 revela que a legítima defesa deve atender,
CUMULATIVAMENTE, aos seguintes requisitos:

AGRESSAO INJUSTA;
AGRESSÃO ATUAL OU IMINENTE;
DEFESA DE DIREITO PRÓPRIO OU ALHEIO;
REAÇÃO COM OS MEIOS NECESSÁRIOS;
USO MODERADO DOS MEIOS NECESSÁRIOS

4.4.4.1 AGRESSAO INJUSTA

Agressão é o comportamento humano capaz de gerar lesão ou provocar


um perigo concreto dano. Trata-se de atividade exclusiva do ser
humano, não podendo ser efetuada por um animal, por exemplo.
Sendo assim, se um indivíduo é atacado por um animal e o mata, regra
geral, pode ser caracterizado o estado de necessidade, mas não a
legítima defesa.
Dito isto, pergunto: Imagine que Tício faz um treinamento intensivo para
que seu cachorro aprenda a atacar os outros quando ordenado. Em
determinado momento, ao encontrar Mévio, ordena ao cão o ataque.

22
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

Mévio, utilizando seu canivete, mata o cachorro. Neste caso, está


caracterizado o estado de necessidade ou a legítima defesa?
Para esta situação particular, temos a LEGÍTIMA DEFESA, pois Tício
utiliza o cachorro como se fosse uma arma e obriga Mévio a repelir
injusta agressão.

4.4.4.2 AGRESSÃO ATUAL OU IMINENTE

A agressão humana injusta e real deve ser marcada pela atualidade ou


pela iminência. Significa que a mesma deverá estar ocorrendo ou prestes
a acontecer, e nunca quando já terminada.
Aqui encontramos uma diferença com relação ao dispositivo que trata do
estado de necessidade. Neste, temos a obrigatoriedade do perigo ATUAL,
enquanto na legítima defesa pode ser ATUAL ou iminente.

4.4.4.3 AGRESSÃO ATUAL OU IMINENTE

A ação de defesa promovida em face da agressão deve ser praticada com


vontade de defesa. Isto indica a intenção do agredido de se defender ou
de defender um bem jurídico de terceiro.
Agora me responda: A vida é um bem jurídico? Claro que sim... Sendo
assim, imagine que Tício, médico, percebe que Mévio vai injetar uma
quantidade tão grande de drogas que facilmente o levaria a morte. Visto
isso, tentando impedir a situação, bate em Mévio a fim de que este
desmaie e deixe de ingerir a substância. Neste caso, está configurada a
LEGÍTIMA DEFESA?
A resposta é POSITIVA, pois Tício está defendendo um bem jurídico de
terceiro (A VIDA) que no momento sofre agressão.

4.4.4.4 REAÇÃO COM OS MEIOS NECESSÁRIOS

Meios necessários são todos aqueles suficientes a repulsa da agressão


injusta que está ocorrendo ou prestes a ocorrer.
Ensina a doutrina majoritária que os meios necessários, além de
suficientes, devem estar disponibilizados no momento da agressão,
existindo, em todo caso, a observância da proporcionalidade entre o bem
jurídico a que se visa resguardar e a repulsa contra o agressor.
Se um indivíduo joga uma pedra e como resposta obtêm um tiro de
bazuca na testa, obviamente que não há proporcionalidade.

23
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

Corroborando tal posicionamento, vem a calhar a opinião sempre


abalizada do professor Heleno Cláudio Fragoso: "Empregar
moderadamente os meios necessários significa usar os meios
disponíveis, na medida em que são necessários para repelir a agressão.
Deverão aqui considerar-se as circunstâncias em que a agressão se fez,
tendo-se em vista a sua gravidade e os meios de que o agente podia
dispor."
É importante ressaltar que o meio necessário, desde que seja o único
disponível ao agente para repelir a agressão, pode ser desproporcional
em relação a ela, se empregado MODERADAMENTE. É o caso, por
exemplo, do indivíduo que, ao ser atacado com uma barra de ferro,
utiliza uma arma de fogo, meio de defesa que estava ao seu alcance.

4.4.4.5 USO MODERADO DOS MEIOS NECESSÁRIOS

Além do emprego do meio adequado, é imprescindível que se faça o uso


com moderação, a fim de não se incorrer no chamado excesso de
legítima defesa.

4.4.4.6 LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA (IMAGINÁRIA)

É aquela em que, devido a um erro, o agente acredita existir injusta


agressão, atual ou iminente a direito seu ou de outrem.
É o exemplo mais do que já tratado em que Mévio coloca a mão no bolso
para pegar um lenço e Tício, achando que ele vai retirar uma arma,
efetua disparos.
Neste caso, NÃO OCORRE A EXCLUSÃO DA ILICITUDE.

LEGÍTIMA DEFESA REAL X LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA


A LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA, TECNICAMENTE, NÃO CARACTERIZA LEGÍTIMA
DEFESA, ISTO É, CAUSA DE EXCLUSÃO DA ANTIJURIDICIDADE.
NA VERDADE, A DENOMINADA LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA CARACTERIZA
ERRO DE TIPO, OU SEJA, O AGENTE TEM UMA FALSA PERCEPÇÃO DA
REALIDADE QUE FAZ COM QUE O MESMO PENSE QUE ESTÁ AGINDO EM UMA
SITUAÇÃO DE LEGÍTIMA DEFESA, QUANDO, DE FATO, NÃO ESTÁ SOFRENDO
AGRESSÃO ALGUMA.
A LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA EXCLUIRÁ O DOLO, ISTO É, O FATO TÍPICO,
MAS NÃO A ANTIJURIDICIDADE DA CONDUTA.

4.4.5 ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL

24
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

Diferentemente do que fez com o "estado de necessidade" e com a "legítima


defesa", o Código Penal não definiu o conceito de "estrito cumprimento de
dever legal", limitando-se a dizer que:

Art. 23. Não há crime quando o agente pratica o fato: [...]


III - em estrito cumprimento de dever legal...

Sua conceituação, porém, é dada pela doutrina, como, por exemplo,


Fernando Capez, que assim define o estrito cumprimento do dever legal: "É
a causa de exclusão da ilicitude que consiste na realização de um fato
típico, por força do desempenho de uma obrigação imposta por lei, nos
exatos limites dessa obrigação". Em outras palavras, a lei não pode punir
quem cumpre um dever que ela impõe.

Dentro desse conceito, importante atentar para duas expressões: "dever


legal" e "cumprimento estrito".
O que vem a ser "dever legal"?
Como a própria expressão sugere, é uma obrigação imposta por lei,
significando que o agente, ao atuar tipicamente, não faz nada mais do que
cumprir uma obrigação.
Mas para que esta conduta, embora típica, seja lícita, é necessário que esse
dever derive, direta ou indiretamente, de "lei".
O que significa, por sua vez, o "cumprimento estrito"?
Quando a lei impõe determinada obrigação, existem limites, parâmetros,
para que tal obrigação seja cumprida, isto é, a lei só obriga ou impõe dever
até certo ponto e o agente obrigado só dever proceder até esse exato limite
imposto pela lei.
Dessa forma, exige-se que o agente tenha atuado dentro dos rígidos limites
do que obriga a lei ou determina a ordem que procura executar o comando
legal. Fora desses limites, desaparece a excludente, surgindo, então, o
abuso ou excesso.
Exemplo clássico de estrito cumprimento de dever legal é o do policial que
priva o fugitivo de sua liberdade ao prendê-lo em flagrante. Nesse caso, o
policial não comete crime de constrangimento ilegal ou abuso de
autoridade, por exemplo, pois que ao presenciar uma situação de flagrante
delito, a lei obriga que o policial efetue a prisão do respectivo autor,
preenchido, portanto, o requisito do dever legal.
Por outro lado, é necessário também que o policial se limite a cumprir
exatamente o que a lei lhe impõe, isto é, que o cumprimento desse dever
cinja-se estritamente ao imposto por tal lei.
Assim, basta que o policial prenda o agente flagrado, privando sua
liberdade. Haveria abuso ou excesso se o policial, depois de contido o

25
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

sujeito, continuasse desnecessariamente a fazer uso da força ou de ofensas


físicas contra aquele.
Outro exemplo tradicional é o do oficial de justiça que retira da casa de
alguém objetos de sua propriedade em cumprimento de mandado de
penhora contra aquela pessoa. Ora, por um lado, há o dever legal de assim
agir, pois que o mandado judicial entregue ao oficial de justiça impõe-lhe o
dever de cumpri-lo, não havendo, portanto, crime de roubo, embora a
conduta seja típica.
Da mesma forma, necessário que o oficial de justiça permaneça nos limites
rígidos do que lhe impôs o mandado.
Assim, haveria o excesso por parte do servidor se, por exemplo, além da
penhora e seqüestro de um quadro valioso, de propriedade do executado,
aquele resolvesse penhorar e seqüestrar também outro bem do executado
não relacionado no "mandado judicial", apenas por imaginar que
futuramente teria que voltar àquela residência para fazer "reforço de
penhora".

4.4.5.1 ELEMENTO SUBJETIVO

Assim como as demais excludentes de ilicitude, o estrito cumprimento do


dever legal exige que o agente tenha consciência de que age sob essa
causa de justificação.
Em outras palavras, é preciso que o agente que praticou a conduta típica
tenha atuado querendo praticá-la, mas com a consciência de que
cumpria um dever imposto pela lei.
Dessa forma, se, por exemplo, o delegado de polícia, querendo vingar-se
de seu desafeto, prende-o sem qualquer justificativa, amedrontando-o
pelo fato de "ser delegado" e descobre, posteriormente, que já existia
mandado de prisão preventiva contra aquele cidadão, cabendo a ele,
delegado, cumpri-lo, nem por isso sua conduta deixa de ser criminosa,
porque atuou sem a consciência e sem a intenção de cumprir o seu
dever.
É pela necessidade desses elementos subjetivos que não é possível a
ocorrência do estrito cumprimento de dever legal na prática de condutas
típicas culposas, mas apenas em condutas dolosas. Aliás, todas as
excludentes de ilicitude só podem ser verificadas em crimes dolosos.

4.4.5 EXERCÍCIO REGULAR DE DIREITO

Trataremos agora da última excludente de ilicitude, presente no final do


artigo 23 do CP nos seguintes termos:

26
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

Art. 23 - Não há crime quando o agente pratica o fato: [...]


III - [...] no exercício regular de direito.

O exercício regular de direito pressupõe uma faculdade de agir atribuída,


regra geral, pelo ordenamento jurídico a alguma pessoa, pelo que a prática
de uma ação típica não configuraria um ilícito.
Mirabete cita como exemplos de exercício regular de direito:

• A correção dos filhos por seus pais;


• Prisão em flagrante por particular;
• No expulsar, quando da invasão da propriedade.

Em qualquer caso, não se pode ultrapassar os limites que a ordem jurídica


impõe ao exercício do direito. Caso os pais, a pretexto de corrigir os filhos,
incorram em maus-tratos, responderão pelo crime.

4.4.5.1 OFENDÍCULOS

Ofendículos são aparatos defensivos da


propriedade (cacos de vidro no muro, cercas de
arame farpado, maçanetas eletrificadas etc.).
Embora sejam considerados, por parte da
doutrina, como legítima defesa, são, na verdade,
exercício regular de um direito, pois faltaria o
elemento subjetivo da defesa à agressão.
Também se consideram exercício regular de direito as lesões ocorridas
na prática de esportes violentos, desde que toleráveis e dentro das
regras do esporte.

4.4.6 ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL X EXERCÍCIO


REGULAR DO DIREITO

Sabemos que tanto o estrito cumprimento de dever legal quanto o exercício


regular do direito são causas excludentes de ilicitude. Todavia, estes dois
importantes institutos do Direito Penal possuem diferenças claras. São elas:

Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br 27


CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

FACULTATIVA O
AGENTE ESTÁ
COMPULSÓRIA O AGENTE AUTORIZADO A AGIR PELO
NATUREZA ESTÁ OBRIGADO A CUMPRIR O ORDENAMENTO JURÍDICO,
MANDAMENTO LEGAL MAS A ELE PERTENCE A
OPÇÃO DE EXERCER O
DIREITO ASSEGURADO.

O DIREITO CUJO EXER-


CÍCIO SE AUTORIZA PODE
O DEVER DE AGIR TEM ORIGEM ADVIR DA LEI, DE REGU-
ORIGEM
EXCLUSIVAMENTE NA LEI LAMENTOS E, PARA PARTE
DA DOUTRINA, ATÉ MES-
MO DOS COSTUMES.

4.4.7 LEGÍTIMA DEFESA X ESTADO DE NECESSIDADE

Dentre as várias questões que aparecem em PROVA exigindo o


conhecimento das causas excludentes de ilicitude, sem dúvida, uma que
disputa a preferência dos examinadores é a que tenta confundir os
candidatos com os conceitos de legítima defesa e estado de necessidade.
Para que você não erre em prova, vou apresentar essas diferenças neste
tópico a fim de que você não se confunda. Vamos começar:

A) NO ESTADO DE NECESSIDADE, HÁ UM CONFLITO ENTRE


DOIS BENS JURÍDICOS EXPOSTOS A PERIGO; NA
LEGÍTIMA DEFESA, UMA REPULSA A ATAQUE;

B) NO ESTADO DE NECESSIDADE, O BEM JURÍDICO É


EXPOSTO A PERIGO; NA LEGÍTIMA DEFESA, O DIREITO
SOFRE UMA AGRESSÃO ATUAL OU IMINENTE;

C) NO ESTADO DE NECESSIDADE, O PERIGO PODE OU NÃO


ADVIR DA CONDUTA HUMANA; NA LEGÍTIMA DEFESA, A
AGRESSÃO SÓ PODE SER PRATICADA POR PESSOA
HUMANA;

D) NO ESTADO DE NECESSIDADE, A CONDUTA PODE SER


DIRIGIDA CONTRA TERCEIRO INOCENTE; NA LEGÍTIMA
DEFESA, SOMENTE CONTRA O AGRESSOR;

E) NO ESTADO DE NECESSIDADE, A AGRESSÃO NÃO


PRECISA SER INJUSTA; NA LEGÍTIMA DEFESA, POR
28
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

OUTRO LADO, SÓ EXISTE SE HOUVER INJUSTA AGRESSÃO


(EXEMPLO: DOIS NÁUFRAGOS DISPUTANDO A TÁBUA DE
SALVAÇÃO. UM AGRIDE O OUTRO PARA FICAR COM ELA,
MAS NENHUMA AGRESSÃO É INJUSTA).

4.5 EXCESSO

Há determinadas situações nas quais o agente, baseado em uma excludente


de ilicitude, age com excesso, ou seja, ultrapassa as barreiras do aceitável.
Sendo assim, o Código Penal, depois de apresentar as excludentes de ilicitude,
dispõe, no parágrafo único do artigo 23, que:

Art.23[...]
Parágrafo único - O agente, em qualquer das hipóteses deste
artigo, responderá pelo excesso doloso ou culposo.

A expressão "em qualquer das hipóteses deste artigo" indica a penalização do


excesso, doloso ou culposo, em todas as causas legais genéricas de exclusão
de ilicitude. Podemos exemplificar:

• EXCESSO NO ESTADO DE NECESSIDADE * O indivíduo, tentando


fugir do ataque de um cão feroz, quebra o vidro de um carro, quando
podia resguardar-se em uma casa que tinha à sua disposição.
O excesso no estado de necessidade recai na expressão "nem podia de
outro modo evitar", presente no artigo 24 do CP.

• EXCESSO NA LEGÍTIMA DEFESA * Mévio, começa a jogar pedras em


Tício. Este por sua vez, pega a arma e efetua 14 disparos sendo 05 na
cabeça.
O excesso na legítima defesa ocorre quando o agente utiliza meios
desnecessários ou emprega os meios sem moderação.

• EXCESSO NO ESTRITO CUMPRIMENTO DO DEVER LEGAL * Tício,


policial, usa a força para prender Mévio e continua agredindo o agente
depois de preso.
O excesso no estrito cumprimento do dever legal resulta da não
observância, pelo agente, dos limites definidos pela lei.

• EXCESSO NO EXERCÍCIO REGULAR DE DIREITO * Tício, visando à


boa educação de seu filho, Mévio, resolve, no exercício regular do direito

29
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

de corrigir o comportamento da criança, utilizar uma barra de ferro a


título de castigo físico.
O excesso no exercício regular de direito decorre da utilização abusiva do
direito consagrado pelo ordenamento jurídico.
Do exposto até agora, podemos resumir:

EXCESSO
NO ESTADO DE NECESSIDADE, RECAI NA EXPRESSÃO "NEM PODIA DE
OUTRO MODO EVITAR".
NA LEGÍTIMA DEFESA, OCORRE QUANDO O AGENTE UTILIZA MEIOS
DESNECESSÁRIOS OU EMPREGA OS MEIOS SEM MODERAÇÃO.
NO ESTRITO CUMPRIMENTO DO DEVER LEGAL, RESULTA DA NÃO
OBSERVÂNCIA, PELO AGENTE, DOS LIMITES DEFINIDOS PELA LEI.
NO EXERCÍCIO REGULAR DE DIREITO, DECORRE DO EXERCÍCIO
ABUSIVO DO DIREITO CONSAGRADO PELO ORDENAMENTO JURÍDICO.

4.5.1 ESPECIES DE EXCESSO

DOLOSO OU CONSCIENTE * E o excesso voluntário. O agente


dolosamente extrapola os limites legais. E o caso, por exemplo, de um
indivíduo que desarma um bandido e, posteriormente, com o ladrão já
imobilizado, dispara dois tiros em sua cabeça.

CULPOSO OU INCONSCIENTE É o excesso que deriva de culpa


(negligência, imperícia ou imprudência) em relação à moderação e, para
alguns doutrinadores, também quanto à escolha dos meios necessários.
O agente, assim, responde por crime culposo. Exemplo: Tício, visando
defender-se de tapas efetuados por uma mulher, empurra Mévia que
tropeça, cai e bate com a cabeça, vindo a falecer.

Para finalizar, observe o que o STF dispõe sobre o tema:

"Depois da Reforma Penal em 1984, segundo o parágrafo único do


art. 23 do CP, o agente responderá pelo excesso doloso ou culposo
em qualquer das causas de exclusão de ilicitude.

Desde então, tornou-se obrigatório o questionamento do excesso


doloso ou culposo, sempre que o Conselho de Sentença negar, na

30
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

excludente da legítima defesa, o uso dos meios necessários ou a


moderação no emprego dos meios.

Pela ordem de precedência, questiona-se em primeiro lugar o


excesso doloso, porquanto o Júri, até ali, negou a legítima defesa,
prevalecendo ainda a prática do fato criminoso a título de dolo, pois
ação é única. Respondido afirmativamente, estará o réu condenado
por crime doloso.

Negado, questiona-se o excesso culposo. Negado ambos, o réu


estará absolvido, pois o Júri reconheceu o excesso casual. Se o Juiz
Presidente deixa de questionar o excesso doloso, indagando apenas
o excesso culposo, ocorrerá nulidade por deficiência dos quesitos,
independentemente de protesto no momento próprio, pois se trata
de quesito obrigatório. Tem incidência a Súmula 156 do STF" (n°
697023711, Rel. Des. Danúbio Edon Franco. j. 25.6.97, DJ 8.8.97,
p. 31)."

Parabéns! Chegamos ao término de mais uma aula.

Para complementar o seu aprendizado, apresento abaixo um resumo sobre


os principais temas abordados até agora (Teoria do Crime).

Abraços e bons estudos,

Pedro Ivo

"Não tenhamos pressa, mas não percamos tempo."


(José Saramago)

31
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

RESUMO

TEORIA GERAL DO CRIME

01) Sujeito ativo do crime: É quem pratica o fato descrito na norma penal
incriminadora; só o Homem possui a capacidade para delinqüir.

02) Capacidade penal: É o conjunto das condições exigidas para que um


sujeito possa tornar-se titular de direitos ou obrigações no campo de Direito
Penal.

03) Sujeito passivo do crime: É o titular do interesse cuja ofensa constitui a


essência do crime.

04) Objeto do delito: É aquilo contra que se dirige a conduta humana que o
constitui.

05) Crimes comuns e especiais: Comuns são os descritos no Direito Penal


comum; especiais, os definidos no Direito Penal especial.

06) Crimes comuns e próprios: Comum é o que pode ser praticado por
qualquer pessoa; Ex: furto, estelionato, homicídio, etc.;

Crime próprio é o que só pode ser cometido por uma determinada categoria de
pessoas, pois pressupõe no agente uma particular condição ou qualidade
pessoal. Ex: Crimes praticados por funcionários contra a Administração
Pública.

07) Crimes materiais, formais e de mera conduta: Os crimes materiais,


formais e de mera conduta são assim classificados em relação ao seu
resultado.

Crime material é aquele em que há necessidade de um resultado externo à


ação, descrito na lei, e que se destaca lógica e cronologicamente da conduta
(ex.: no homicídio: morte).

Crime formal é aquele em que não há necessidade de realização daquilo que é


pretendido pelo agente e o resultado jurídico previsto no tipo ocorre em

32
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

concomitância com o desenrolar da conduta (ex: no delito de ameaça, a


consumação dá-se com a prática do fato, não se exigindo que a vítima
realmente fique intimidada; no de injúria, é suficiente que ela exista,
independentemente da reação psicológica do indivíduo).

No crime de mera conduta, a lei não exige qualquer resultado naturalístico,


contentando-se com a ação ou omissão do agente. Em outras palavras, o
crime é classificado como sendo de mera conduta quando não é relevante o
resultado material (ex.: violação de domicílio, ato obsceno, omissão de
notificação de doença e a maioria das contravenções).

08) Crimes comissivos: São os praticados mediante ação; o sujeito faz


alguma coisa.

09) Crimes omissivos: São os praticados mediante inação; o sujeito deixa de


fazer alguma coisa; podem ser:

a) omissivos próprios: São os que se perfazem com a simples abstenção da


realização de um ato, independentemente de um resultado posterior.

b) omissivos impróprios: São aqueles em que o sujeito, mediante uma


omissão, permite a produção de um resultado posterior, que os condiciona.

10) Crimes permanentes: São os que causam uma situação danosa ou


perigosa que se prolonga no tempo; o momento consumativo se protrai no
tempo. Ex: Sequestro, cárcere privado;

11) Crime continuado: Diz-se que há crime continuado quando o agente,


mediante mais de uma ação ou omissão, pratica dois ou mais crimes da
mesma espécie e, pelas condições de tempo, lugar, maneira de execução e
outras semelhantes, devem os subseqüentes ser tidos como continuação do
primeiro .

12) Crimes habitual e profissional: Habitual é a reiteração da mesma


conduta reprovável, de forma a constituir um estilo ou hábito de vida. Ex:
curandeirismo.

13) Elementos do fato típico (de forma geral): Para a integração do fato
típico, concorre, primeiramente, uma ação ou omissão, uma vez que,
consistindo na violação de um preceito legal, supõe um comportamento
humano;

A ação humana, porém, não é suficiente para compor o primeiro requisito do

33
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

crime; é necessário um resultado;

Todavia, entre a conduta e o resultado se exige uma relação de causalidade;


finalizando, para que um fato seja típico, é necessário que os elementos acima
expostos estejam descritos como crime.

Resumindo:

Elementos do fato típico:

1-Conduta - é toda ação humana ou omissão consciente e dirigida a uma


finalidade; dolosa ou culposa. A princípio, pune-se apenas quando há vontade
(dolo), porém, como exceção, pune-se quando não há vontade, mas há
negligência.

2-Nexo Causal - é a relação de causa e efeito entre a conduta e o resultado;

3-Resultado - é a modificação do mundo exterior causada pela conduta.

4-Tipicidade - é a correspondência exata, a adequação perfeita entre o fato


natural, concreto e a descrição contida na norma penal incriminadora.

14) Tipo: É o conjunto dos elementos descritivos do crime contidos na lei


penal; varia segundo o crime considerado.

Crime Doloso

15) Conceito: Dolo é a vontade de concretizar as características objetivas do


tipo; constitui elemento subjetivo do tipo (implícito).

16) Elementos do dolo: Presentes os requisitos da consciência e da vontade,


o dolo possui os seguintes elementos:

a) consciência da conduta e do resultado;

b) consciência da relação causal objetiva entre a conduta e o resultado;

c) vontade de realizar a conduta e produzir o resultado.

17) Dolo direto e indireto: No dolo direto, o sujeito visa a certo e


determinado resultado. Ex: o agente desfere golpes de faca na vítima com
intenção de matá-la, projetando-se de forma direta no resultado morte;

Há dolo indireto quando a vontade do sujeito não se dirige a certo e

34
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

determinado resultado; possui duas formas:

a) dolo alternativo: quando a vontade do sujeito se dirige a um outro


resultado; ex: o agente desfere golpes de faca na vítima com intenção
alternativa de ferir ou matar;

b) dolo eventual: ocorre quando o sujeito assume o risco de produzir o


resultado, isto é, admite e a aceita o risco de produzi-lo.

18) Dolo genérico e específico: dolo genérico é a vontade de realizar fato


descrito na norma penal incriminadora; dolo específico é a vontade de praticar
o fato e produzir um fim especial.

Crime Culposo

19) Noção: Quando se diz que a culpa é elemento do tipo, faz-se referência à
inobservância do dever de diligência;

A todos no convívio social é determinada a obrigação de realizar condutas de


forma a não produzir danos a terceiros; é o denominado cuidado objetivo. A
conduta torna-se típica a partir do instante em que não se tenha manifestado o
cuidado necessário nas relações com outrem, ou seja, a partir do instante em
que não corresponda ao comportamento que teria adotado uma pessoa dotada
de discernimento e prudência, colocada nas mesmas circunstâncias que o
agente.

A inobservância do cuidado necessário objetivo é o elemento do tipo.

20) Elementos do fato típico culposo: São seus elementos a conduta


humana e voluntária de fazer ou não fazer, a inobservância do cuidado
objetivo manifestada através da imprudência, negligência ou imperícia, a
previsibilidade objetiva, a ausência de previsão, o resultado involuntário, o
nexo de causalidade e a tipicidade.

21) Imprudência: É a prática de um fato perigoso; ex: dirigir veículo em rua


movimentada com excesso de velocidade.

22) Negligência: É a ausência de precaução ou indiferença em relação ao ato


realizado; ex: deixar arma de fogo ao alcance de uma criança.

23) Imperícia: É a falta de aptidão para o exercício de arte ou profissão.

24) Culpa consciente e inconsciente: Na inconsciente, o resultado não é


previsto pelo agente, embora previsível; é a culpa comum que se manifesta
35
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br 35
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

pela imprudência, negligência ou imperícia.

Na consciente, o resultado é previsto pelo sujeito, que espera levianamente


que não ocorra ou que pode evitá-lo.

25) Culpa própria e imprópria: Culpa própria é a comum, em que o


resultado não é previsto, embora seja previsível; nela, o agente não quer o
resultado nem assume o risco de produzi-lo; na imprópria, o resultado é
previsto e querido pelo agente, que labora em erro de tipo inescusável ou
vencível.

26) Compensação e concorrência de culpas: A compensação de culpas é


incabível em matéria penal; não se confunde com a concorrência de culpas;

Suponha-se que 2 veículos se choquem num cruzamento, produzindo


ferimentos nos motoristas e provando-se que agiram culposamente; trata-se
de concorrência de culpas; os dois respondem por crime de lesão corporal
culposa.

Crime Preterdoloso

27) Conceito: Podemos conceituar como crime preterdoloso aquele em que


há dolo na conduta inicial do agente e o resultado desta é diverso do almejado
por este, em outras palavras, o agente ao agir dolosamente obtém um
resultado lesivo diferente do almejado, mais gravoso - é o que ocorre quando
o agente quer o mínimo de dano à vítima, contudo lhe causa dano desastroso,
como, por exemplo, uma lesão corporal seguida de morte. Portanto, ao final,
concluímos que nos crimes preterdolosos há um misto de dolo na conduta
inicial e a culpa no resultado.

Erro de Tipo

28) Conceito: É o que incide sobre as elementares ou circunstâncias da


figura típica, sobre os pressupostos de fato de uma causa de justificação ou
dados secundários da norma penal incriminadora.

É o que faz o sujeito supor a ausência de elemento ou circunstância da figura


típica incriminadora ou a presença de requisitos da norma permissiva.

Ex: Sujeito dispara um tiro de revólver no que supõe ser uma animal bravio,
vindo a matar um homem; o erro de tipo pode ser essencial e acidental.

36
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

29) Efeito: O erro de tipo exclui sempre o dolo, seja evitável ou inevitável;
como o dolo é elemento do tipo, a sua presença exclui a tipicidade do fato
doloso, podendo o sujeito responder por crime culposo, desde que seja típica a
modalidade culposa.

30) Descriminantes putativas: Ocorrem quando o sujeito, levado a erro


pelas circunstâncias do caso concreto, supõe agir em face de uma causa
excludente de ilicitude.

É possível que o sujeito, por erro plenamente justificado pelas circunstâncias,


suponha encontrar-se em face de estado de necessidade, de legítima defesa,
de estrito cumprimento do dever legal ou do exercício regular de direito;
quando isso ocorre, aplica-se o disposto no art. 20, § 1°, 1 a parte: "é isento de
pena quem, por erro plenamente justificado pelas circunstâncias, supõe
situação de fato que, se existisse, tornaria a ação legítima".

31) Erro provocado por terceiro: Responde pelo crime o terceiro que
determina o erro (20, § 2°).

32) Erro sobre objeto: Ocorre quando o sujeito supõe que sua conduta recai
sobre determinada coisa, sendo que na realidade incide sobre outra. É o caso
do sujeito subtrair açúcar supondo tratar-se de farinha.

33) Erro sobre pessoa: Ocorre quando há erro de representação, em face do


qual o sujeito atinge uma pessoa supondo tratar-se da que pretendia ofender;
ele pretende atingir certa pessoa, vindo a ofender outra inocente, pensando
tratar-se da primeira.

34) Erro na execução (aberratio ictus): Ocorre quando o sujeito,


pretendendo atingir uma pessoa, vem a ofender outra. Há disparidade entre a
relação de causalidade pretendida pelo agente e o nexo causal realmente
produzido. Ele pretende que, em conseqüência de seu comportamento, seja
produzido um resultado contra Antônio. Realiza a conduta e causa evento
contra Pedro.

Crime Consumado

35) Conceito: Determina o art. 14, I, do CP, que o crime se diz consumado
quando nele se reúnem todos os elementos de sua definição legal;

A noção da consumação expressa total conformidade do fato praticado pelo


agente com a hipótese abstrata descrita pela norma penal incriminadora.

37
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

36) A consumação nos crimes materiais: Nos crimes materiais, de ação e


resultado, o momento consumativo é o da produção deste; assim, consuma-se
o homicídio com a morte da vítima.

37) Crimes culposos: A consumação ocorre com a produção do resultado;


assim, no homicídio culposo, o momento consumativo é aquele em que se
verifica a morte da vítima.

38) Crimes de mera conduta: A consumação se dá com a simples ação; na


violação de domicílio, uma das formas de consumação é a simples entrada.

39) Crimes formais: A consumação ocorre com a conduta típica


imediatamente anterior à fase do evento, independentemente da produção do
resultado descrito no tipo.

40) Crimes permanentes: A consumação se protrai no tempo desde o


instante em que se reúnem os seus elementos até que cesse o comportamento
do agente.

41) Crime omissivo próprio: Tratando-se de crime que se perfaz com o


simples comportamento negativo (ou ação diversa), não se condicionando à
produção de um resultado ulterior, o momento consumativo ocorre no instante
da conduta.

42) Crime omissivo impróprio: A consumação se verifica com a produção


do resultado, visto que a simples conduta negativa não o perfaz, exigindo-se
um evento naturalístico posterior.

43) Iter Criminis: É o conjunto das fases pelas quais passa o delito; compõe-
se das seguintes etapas:

a) cogitação;

b) atos preparatórios;

c) execução;

d) consumação.

Tentativa

44) Conceito: É a execução iniciada de um crime que não se consuma por


circunstâncias alheias à vontade do agente. Seus elementos são o início da
execução e a não-consumação por circunstâncias alheias à vontade do agente.
38
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

45) Tentativa perfeita e imperfeita: Quando o processo executório é


interrompido por circunstâncias alheias à vontade do agente, fala-se em
tentativa imperfeita ou tentativa propriamente dita.

Quando a fase de execução é integralmente realizada pelo agente, mas o


resultado não se verifica por circunstâncias alheias à sua vontade, diz-se que
há tentativa perfeita ou crime falho.

46) Infrações que não admitem tentativa:

1. Crimes culposos;
2. Crimes preterdolosos;
3. Crimes unisubsistentes;
4. Crimes omissivos próprios;
5. Contravenções penais;
6. Crimes condicionados;
7. Crimes habituais.

47) Aplicação da pena: Pune-se a tentativa com a pena correspondente ao


crime consumado, diminuída de um a dois terços.

A diminuição de um a dois terços não decorre da culpabilidade do agente, mas


da própria gravidade do fato constitutivo da tentativa. Quanto mais o sujeito
se aproxima da consumação, menor deve ser a diminuição da pena (1/3).
Quanto menos ele se aproxima da consumação, maior deve ser a atenuação
(2/3).

48) Desistência voluntária: Consiste numa abstenção de atividade: o sujeito


cessa o seu comportamento delituoso; assim, só ocorre antes de o agente
esgotar o processo executivo.

49) Arrependimento eficaz: Tem lugar quando o agente, tendo já ultimado


o processo de execução do crime, desenvolve nova atividade impedindo a
produção do resultado.

50) Arrependimento posterior: Nos termos do art. 16 do CP, "nos crimes


cometidos sem violência ou grave ameaça à pessoa, reparado o dano ou
restituída a coisa, até o recebimento da denúncia ou da queixa, por ato
voluntário do agente, a pena será reduzida de um a dois terços".

51) Crime impossível: É também chamado de quase-crime; tem disciplina


jurídica contida no art. 17 do CP:

39
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

"não se pune a tentativa quando, por ineficácia absoluta do meio ou por


absoluta impropriedade do objeto, é impossível consumar-se o crime".

Há dois casos de crime impossível:

a) por ineficácia absoluta do meio;

b) por impropriedade absoluta do objeto;

Dá-se o primeiro quando o meio empregado pelo agente, pela sua própria
natureza, é absolutamente incapaz de produzir o evento; Ex.: o agente,
pretendendo matar a vítima mediante veneno, ministra açúcar em sua
alimentação, supondo-o arsênico.

Dá-se o segundo caso quando inexiste o objeto material sobre o qual deveria
recair a conduta ou quando, pela situação ou condição, torna-se impossível a
produção do resultado visado pelo agente.

Nos dois casos, não há tentativa por ausência de tipicidade.

Para que ocorra o crime impossível, é preciso que a ineficácia do meio e a


impropriedade do objeto sejam absolutas; se forem relativas, haverá tentativa.

52) Antijuricidade: É a contradição do fato, eventualmente adequado ao


modelo legal, com a ordem jurídica, constituindo lesão a um interesse
protegido.

53) Causas de exclusão da antijuricidade: A antijuricidade pode ser


afastada por determinadas causas, as determinadas causas de exclusão de
antijuricidade. Quando isso ocorre, o fato permanece típico, mas não há crime.

Excluindo-se a ilicitude, e sendo ela requisito do crime, fica excluído o próprio


delito e, em conseqüência, o sujeito deve ser absolvido.

São causas de exclusão de antijuricidade, previstas no art. 23 do CP:

1 - ESTADO DE NECESSIDADE;

2 - LEGÍTIMA DEFESA;

3 - ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL;

4 - EXERCÍCIO REGULAR DE DIREITO.

40
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

54) Estado de necessidade: É uma situação de perigo atual de interesses


protegidos pelo direito, em que o agente, para salvar um bem próprio ou de
terceiro, não tem outro meio senão o de lesar o interesse de outrem; perigo
atual é o presente, que está acontecendo; iminente é o prestes a desencadear-
se.

55) Legítima defesa: Nos termos do art. 25 do CP, entende-se em legítima


defesa quem, usando moderadamente os meios necessários, repele injusta
agressão, atual ou iminente, a direito seu ou de outrem.

56) Estrito cumprimento do dever legal e exercício regular de direito:


Determina o art. 23, III, do CP, que não há crime quando o sujeito pratica o
fato em estrito cumprimento do dever legal. É causa de exclusão da
antijuricidade.

O art. 23, III, parte final, do CP, determina que não há crime quando o agente
pratica o fato no exercício regular de direito. Desde que a conduta se enquadre
no exercício de um direito, embora típica, não apresenta o caráter de
antijurídica.

41
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

PRINCIPAIS ARTIGOS TRATADOS NA AULA

DO CRIME

Art. 14 - Diz-se o crime:

Tentativa

II - tentado, quando, iniciada a execução, não se consuma por circunstâncias


alheias à vontade do agente.

Pena de tentativa

Parágrafo único - Salvo disposição em contrário, pune-se a tentativa com a


pena correspondente ao crime consumado, diminuída de um a dois terços.

Desistência voluntária e arrependimento eficaz

Art. 15 - O agente que, voluntariamente, desiste de prosseguir na execução


ou impede que o resultado se produza, só responde pelos atos já praticados.

Arrependimento posterior

Art. 16 - Nos crimes cometidos sem violência ou grave ameaça à pessoa,


reparado o dano ou restituída a coisa, até o recebimento da denúncia ou da
queixa, por ato voluntário do agente, a pena será reduzida de um a dois
terços.

Crime impossível

Art. 17 - Não se pune a tentativa quando, por ineficácia absoluta do meio ou


por absoluta impropriedade do objeto, é impossível consumar-se o crime.

Exclusão de ilicitude

Art. 23 - Não há crime quando o agente pratica o fato:

I - em estado de necessidade;

II - em legítima defesa;

42
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

III - em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício regular de direito.

Excesso punível

Parágrafo único - O agente, em qualquer das hipóteses deste artigo,


responderá pelo excesso doloso ou culposo.

Estado de necessidade

Art. 24 - Considera-se em estado de necessidade quem pratica o fato para


salvar de perigo atual, que não provocou por sua vontade, nem podia de outro
modo evitar, direito próprio ou alheio, cujo sacrifício, nas circunstâncias, não
era razoável exigir-se.

§ 1° - Não pode alegar estado de necessidade quem tinha o dever legal de


enfrentar o perigo.

§ 2° - Embora seja razoável exigir-se o sacrifício do direito ameaçado, a pena


poderá ser reduzida de um a dois terços.

Legítima defesa

Art. 25 - Entende-se em legítima defesa quem, usando moderadamente dos


meios necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito seu ou
de outrem.

43
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

EXERCÍCIOS

1. (ESAF / Auditor Fiscal do Trabalho / 2006) O agente que, voluntariamente,


desiste de prosseguir na execução do crime, responde:

A) pela prática do crime tentado.


B) pela prática do crime consumado.

C) somente pelos atos já praticados.


D) pelo crime consumado, mas reduzida a pena de um a dois terços em virtude do
arrependimento posterior.

E) pelo crime consumado, sem qualquer redução da pena.

GABARITO: C
COMENTÁRIOS: Questão que exige do candidato a literalidade do artigo 15 do
Código Penal.

Art. 15 - O agente que, voluntariamente, desiste de prosseguir na


execução ou impede que o resultado se produza, só responde pelos
atos já praticados.

2. (FCC / Defensor - DPE-RS / 2011) Miro, em mera discussão com Geraldo a


respeito de um terreno disputado por ambos, com a intenção de matá-lo,
efetuou três golpes de martelo que atingiram seu desafeto. Imediatamente
após o ocorrido, no entanto, quando encerrados os atos executórios do
delito, Miro, ao ver Geraldo desmaiado e perdendo sangue, com remorso,
passou a socorrer o agredido, levando-o ao hospital, sendo que sua postura
foi fundamental para que a morte do ofendido fosse evitada, pois foi
providenciada a devida transfusão de sangue. Geraldo sofreu lesões graves,
uma vez que correu perigo de vida, segundo auto de exame de corpo de
delito. Nesse caso, é correto afirmar:

a) Miro responderá pelo crime de lesão corporal gravíssima previsto no art. 129, § 2o,
do Código Penal, em vista da sua vontade inicial de matar a vítima e da quantidade de
golpes, circunstâncias que afastam a validade do auto de exame de corpo de delito.

44
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

b) Incidirá a figura do arrependimento eficaz e Miro responderá por lesões corporais


graves.
c) Incidirá a figura do arrependimento posterior, com redução de eventual pena
aplicada.

d) Incidirá a figura da desistência voluntária e Miro responderá por lesões corporais


graves.
e) Miro responderá por tentativa de homicídio simples, já que o objetivo inicial era a
morte da vítima.

GABARITO: B

COMENTÁRIOS: Questão interessante e que exige do candidato o conhecimento do


art. 15 do CP que define, inclusive, o arrependimento eficaz:

Art. 15 - O agente que, voluntariamente, desiste de prosseguir na


execução ou impede que o resultado se produza, só responde pelos
atos já praticados.

3. (VUNESP / Juiz - TJ-SP / 2011) Antônio, durante a madrugada, subtrai,


com o emprego de chave falsa, o automóvel de Pedro. Depois de oferecida a
denúncia pela prática de crime de furto qualificado, mas antes do seu
recebimento, por ato voluntário de Antônio, o automóvel furtado é devolvido
à vítima. Nesse caso, pode-se afirmar a ocorrência de

a) arrependimento posterior.
b) desistência voluntária.
c) arrependimento eficaz.
d) circunstância atenuante.
e) causa de extinção da punibilidade.

GABARITO: A
COMENTÁRIOS: Trata-se de exemplo de Arrependimento Posterior já que o autor,
não tendo empregado violência ou grave ameaça, antes do recebimento da
denúncia/queixa, restituiu o objeto furtado por ato voluntário. A pena neste caso será
reduzida de 1/3 a 2/3.

45
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

4. (CESPE / Analista - STM / 2011) Por expressa disposição legal, não há


crime quando o agente pratica o fato no exercício regular de direito ou em
estrito cumprimento de dever legal.

GABARITO: CERTA
COMENTÁRIOS: Questão simples e que exige o conhecimento do art. 23 do Código
Penal:

Art. 23 - Não há crime quando o agente pratica o fato:


I - em estado de necessidade;
II - em legítima defesa;
III - em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício regular de
direito

5. (CESPE / Analista - TJ-ES / 2011) Na tentativa perfeita, também


denominada quase-crime, o agente realiza todos os atos executórios, mas
não atinge a consumação por circunstâncias alheias à sua vontade.

GABARITO: ERRADA

COMENTÁRIOS: Pegadinha da banca! Na prova em que a questão foi exigida, muitos


candidatos consideraram que a assertiva estava correta, pois traz a definição exata de
tentativa perfeita.
Ocorre, todavia, que a tentativa perfeita não é denominada "quase-crime", mas
"crime falho". A denominação "quase crime" é atribuída ao crime impossível.

6. (FCC / MPE - SE / 2009) Considere:


I. Tício resolveu matar seu desafeto. Elaborou um plano de ação, apanhou
uma faca e o atacou, desferindo- lhe golpes. Este, no entanto, conseguiu
desviar-se e, utilizando técnicas de defesa pessoal, dominou e desarmou o
agressor.

II. Caio resolveu matar seu desafeto. Adquiriu uma arma e efetuou diversos
disparos em sua direção, errando o alvo e acabou sendo preso por policiais
que acorreram ao local.

Nas situações indicadas, deve ser reconhecida a ocorrência de:

A) fatos penalmente irrelevantes.

46
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

B) crime tentado e crime consumado, respectivamente.

C) crimes consumados.
D) crimes tentados.

E) crime consumado e crime tentado, respectivamente.

GABARITO: D
COMENTÁRIOS: Nas duas situações o agente não atinge o seu objetivo por fatores
ALHEIOS À SUA VONTADE. Desta forma, fica caracterizado o crime tentado, conforme
o artigo 14, II, do Código Penal.

Art. 14 - Diz-se o crime:


[...]

II - tentado, quando, iniciada a execução, não se consuma por


circunstâncias alheias à vontade do agente.

7. (FCC / MPE - SE / 2009) Pedro efetuou disparo de arma de fogo contra


Paulo. Em seguida, arrependido, o levou até um hospital, onde, apesar de
atendido e medicado, veio a falecer. Nesse caso, houve:

A) arrependimento posterior.
B) desistência voluntária.

C) arrependimento eficaz.
D) crime tentado.
E) crime consumado.

GABARITO: E

COMENTÁRIOS: Esta é uma questão típica de prova e ainda vejo muitos


concurseiros errando.
Como vimos em nossa aula, o arrependimento eficaz só é válido quando o indivíduo
consegue EFICAZMENTE impedir o resultado. No caso em tela, o resultado
naturalístico acontece, logo, não há que se falar em qualquer outro crime que não o
consumado.

Art. 15 - O agente que, voluntariamente, desiste de prosseguir na


execução ou impede que o resultado se produza, só responde pelos
atos já praticados.

47
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

8. (FCC / MPE - SE / 2009) No estado de necessidade,

A) o agente pode responder pelo excesso doloso, mas não pelo culposo.
B) a situação de perigo não pode ter sido provocada por vontade do agente.

C) a reação contra agressão humana deve ser atual.


D) a ameaça só pode ser a direito próprio.
E) há extinção da punibilidade.

GABARITO: B

COMENTÁRIOS: O estado de necessidade encontra-se disposto no artigo 24 do


Código Penal, nos seguintes termos:

Art. 24 - Considera-se em estado de necessidade quem pratica o fato


para salvar de perigo atual, que não provocou por sua vontade, nem
podia de outro modo evitar, direito próprio ou alheio, cujo sacrifício,
nas circunstâncias, não era razoável exigir-se.
§ 1° - Não pode alegar estado de necessidade quem tinha o dever
legal de enfrentar o perigo.

Do supra artigo retiramos que para caracterizar o estado de necessidade devemos


ter:

PERIGO ATUAL;
PERIGO NÃO PROVOCADO VOLUNTARIAMENTE;
AMEAÇA A DIREITO PRÓPRIO OU ALHEIO;
AUSÊNCIA DE DEVER LEGAL DE ACEITAR O PERIGO.
INEVITABILIDADE DO PERIGO POR OUTRO MODO;
PROPORCIONALIDADE.

Analisando as alternativas, verifica-se que a que se enquadra dentro dos requisitos é


a alternativa "B", deixando claro que não há caracterização do estado de necessidade
quando o agente cria a situação de perigo.
48
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br 48
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

É importante lembrar que o estado de necessidade extingue a ILICITUDE, pode ser


alegado para direito próprio ou de terceiro e a AGRESSÃO deve ser atual.

9. (CESPE / PC - PB / 2009) Um indivíduo, portador do vírus da AIDS,


manteve regularmente relações sexuais com sua namorada, com a intenção
de matá-la por meio do contágio da doença. A namorada não tinha
conhecimento do estado patológico de seu parceiro. Dias após, foi
constatado, por meio de exames médicos e laboratoriais, que houve
efetivamente a transmissão do vírus, apesar de os efeitos da doença ainda
não terem se manifestado, não impedindo, portanto, o desempenho das
atividades cotidianas da pessoa infectada. Nessa situação hipotética, o
indivíduo portador do vírus:

A) não cometeu ilícito penal, uma vez que se trata de crime impossível.
B) cometeu tentativa de homicídio.

C) cometeu o crime de perigo para a vida ou saúde de outrem.


D) cometeu o crime de perigo de contágio venéreo.
E) cometeu o crime de perigo de contágio de moléstia grave.

GABARITO: B

COMENTÁRIOS: Esta situação não é muito comum em provas, mas, como abrange
uma parte importante da matéria, resolvi colocá-la.
Qual era a VONTADE do agente? MATAR A NAMORADA.
Ele conseguiu? Não, por fatores alheios à sua vontade (não importa quais são esses
fatores).
Logo, responde por:
TENTATIVA DE HOMICÍDIO!!!
Este deve ser o raciocínio utilizado em sua prova.

10. (FCC / MPE - PE / 2006) Inclui-se dentre as causas excludentes da


antijuridicidade:

A) o erro inevitável sobre a ilicitude do fato.


B) o exercício regular de um direito.

C) a obediência à ordem, não manifestamente ilegal, de superior hierárquico.


D) a embriaguez fortuita completa.
E) a coação irresistível.
49
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

GABARITO: B

COMENTÁRIOS: Essa é fácil! As causas legais excludentes de ilictude são:

• ESTADO DE NECESSIDADE;
• LEGÍTIMA DEFESA;
• ESTRITO CUMPRIMENTO DO DEVER LEGAL;
• EXERCÍCIO REGULAR DO DIREITO.
Logo, a única resposta correta é a alternativa "B".

11. (VUNESP / OAB 2007 - Adaptada) Com relação às causas excludentes de


ilicitude (ou antijuridicidade), assinale a opção correta.

A) Agem em estrito cumprimento do dever legal policiais que, ao terem de prender


indiciado de má fama, atiram contra ele para dominá-lo.
B) O exercício regular do direito é compatível com o homicídio praticado pelo militar
que, em guerra externa ou interna, mata o inimigo.

C) Considera-se em estado de necessidade quem pratica o fato para salvar-se de


perigo atual ou futuro que não provocou por sua vontade ou era escusável.
D) A legítima defesa putativa é causa de exclusão da ilicitude
E) N. R. A

GABARITO: E
COMENTÁRIOS:

Alternativa "A" * Está errada, porque não existe dever legal de matar ou para matar.
A Lei não poderia determinar a destruição da vida de uma pessoa. Conforme a
orientação da doutrina penal pátria, havendo a agressão de determinada pessoa
contra um policial, poderá este reagir em legítima defesa. Não é o caso de estrito
cumprimento do dever legal, mas sim de situação de legítima defesa. Afora isso, outro
argumento considerado para descaracterizar o dever legal na ação é o excesso da
mesma, justamente porque não é necessário, nem aceitável, atirar num indiciado com
o intuito de dominá-lo.
Alternativa "B" ^ O homicídio praticado pelo militar em guerra externa ou interna
caracteriza situação de estrito cumprimento do dever legal, e não de exercício regular
de direito. Excepcionalmente (caso de guerra) se aceita, no Direito Penal, a ação de
matar como estrito cumprimento do dever legal.

Alternativa "C" * Está errada, porque o estado de necessidade enseja o perigo atual,
e não o futuro.

50
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

Alternativa "D" ^ A legitima defesa putativa não é causa excludente de ilicitude.


Alternativa "E" * É a resposta correta, pois todas as alternativas estão erradas.

12. (ESAF / AGU / 2000) A, imputável, jamaicano, sem assimilar a cultura


brasileira, agindo como se estivesse em seu país, pratica conduta definida
como crime, no Brasil. Na Jamaica, tal conduta é lícita. O fato configura erro
de:

A) Tipo
B) Fato
C) Proibição
D) Crime impossível
E) Crime consumado

GABARITO: C

COMENTÁRIOS: Essa questão abrange a matéria apresentada na aula 02 e


apresenta nas alternativas conceitos introduzidos na aula 03. No exemplo
apresentado, fica caracterizado o erro sobre a ilicitude do fato, logo, estamos tratando
de erro de proibição.

Art. 21 - O desconhecimento da lei é inescusável. O erro sobre a


ilicitude do fato, se inevitável, isenta de pena; se evitável, poderá
diminuí-la de um sexto a um terço.

13. (ESAF / AGU / 2000) "A", imputável, inicia atos de execução de um


crime; antes de ocorrer o resultado, deixa de praticar os demais atos para
atingir a consumação. A consumação não acontece. A hipótese configura:

A) tentativa
B) arrependimento posterior

C) desistência voluntária
D) arrependimento eficaz
E) crime impossível

GABARITO: C

COMENTÁRIOS: O agente interrompe a execução por vontade própria antes do


término da execução, logo, é caso de desistência voluntária. Para relembrar a relação
51
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br 51
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

entre a desistência voluntária, o arrependimento eficaz e o arrependimento posterior,


observe o gráfico abaixo:

INÍCIO DA FIM DA CONSUMAÇÃO RECEBIMENTO


EXECUÇÃO EXECUÇÃO DO CRIME DA DENÚNCIA
OU QUEIXA

14. (ESAF / BACEN / 2002) No que se refere ao arrependimento posterior


pode-se afirmar que:

A) para que haja a redução da pena, exige-se a completa reparação do dano ou a


restituição da coisa, além da necessidade da voluntariedade do ato realizado pelo
agente.
B) se trata de causa facultativa de diminuição de pena.
C) só é aplicável caso a reparação do dano ou a restituição da coisa ocorra após o
recebimento da denúncia ou da queixa.
D) a redução da pena neste caso atinge todos os crimes, inclusive aqueles cometidos
com violência ou grave ameaça à pessoa.
E) a reparação feita por um dos acusados não aproveita aos demais.

GABARITO: A
COMENTÁRIOS:
Alternativa "A" * Traz os requisitos obrigatórios para a caracterização do
arrependimento posterior, nos termos do artigo 16. Observe:

Art. 16 - Nos crimes cometidos sem violência ou grave ameaça à


pessoa, reparado o dano ou restituída a coisa, até o recebimento da

52
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

denúncia ou da queixa, por ato voluntário do agente, a pena será


reduzida de um a dois terços.

Alternativa "B" ^ O arrependimento posterior é causa OBRIGATÓRIA de redução de


pena.
Alternativa "C" * Não é após o recebimento, e sim antes do RECEBIMENTO da
denúncia ou queixa.
Alternativa "D" ^ O artigo 16 deixa claro só ser cabível o arrependimento posterior
aos delitos cometidos SEM violência ou grave ameaça.
Alternativa "E" * No arrependimento posterior, o importante é a reparação do dano.
Sendo assim, se dois indivíduos cometeram o delito, a reparação feita por um deles
pode ser aproveitada pelo outro. Este tema não é pacífico, havendo muita divergência
doutrinária.

15. (FCC / Promotor - CE / 2008) A, imputável, inicia a execução de um


crime; antes da consumação, por deliberação própria, deixa de prosseguir os
atos delituosos. A hipótese caracteriza:

A) arrependimento eficaz

B) tentativa
C) desistência voluntária
D) consumação
E) exaurimento

GABARITO: C

COMENTÁRIOS: Mais uma questão que exige o conhecimento do conceito de


desistência voluntária.

16. (ESAF / Fiscal trabalho / 2003) Assinale a opção cujo instituto jurídico
não seja comum ao crime e à contravenção penal.

A) tentativa
B) pena
C) resultado
D) consumação
E) execução

53
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

GABARITO: A

COMENTÁRIOS: Como tratamos, uma das hipóteses de impossibilidade de tentativa


são as contravenções penais.

17. (ESAF / MPU / 2004) Quanto ao arrependimento posterior, previsto no


artigo 16 do Código Penal, pode-se afirmar que:

A) não há limite temporal para a sua aplicação.


B) a redução de pena é aplicável aos crimes cometidos com ou sem violência ou grave
ameaça à pessoa.

C) se trata de mera atenuante e não de causa obrigatória de diminuição de pena.


D) a pena pode ser reduzida de 1 (um) a 2/3 (dois terços).
E) a reparação do dano exigida não precisa ser efetiva, bastando a simples intenção
de fazê-la.

GABARITO: D

COMENTÁRIOS: Exige do candidato o simples conhecimento do texto presente no


artigo 16 do Código Penal. Observe:

Art. 16 - Nos crimes cometidos sem violência ou grave ameaça à


pessoa, reparado o dano ou restituída a coisa, até o recebimento da
denúncia ou da queixa, por ato voluntário do agente, a pena será
reduzida de um a dois terços.

Como já vimos, o arrependimento posterior possui um limite temporal (antes do


recebimento da denúncia ou queixa), só é cabível aos delitos praticados sem violência
ou grave ameaça à pessoa e é causa obrigatória de diminuição de pena.
Além disso, a reparação do dano deve ser EFETIVA, não bastando a simples intenção
de fazê-la.

Aqui, o que importa NÃO É A INTENÇÃO!!!

18. (FCC / Analista Judiciário - TRE-RN / 2011) Quando o agente dá início à


execução de um delito e desiste de prosseguir em virtude da reação oposta
pela vítima, ocorre

a) arrependimento eficaz.

54
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

b) crime consumado.
c) fato penalmente irrelevante.
d) desistência voluntária.

e) crime tentado.

GABARITO: E

COMENTÁRIOS: No caso em tela o agente desiste da ação por circunstâncias alheias


a sua vontade. Assim, trata-se de crime tentado.

19. (FCC / BACEN / 2006) A tentativa:

A) constitui causa geral de diminuição da pena, devendo o respectivo redutor


corresponder à culpabilidade do agente.
B) é impunível nos casos de ineficácia absoluta do meio e de relativa impropriedade
do objeto.

C) exige comportamento doloso do agente.


D) não prescinde da realização de atos de execução, ainda que se trate de
contravenção penal.
E) dispensa o exaurimento da infração, necessário apenas para que se reconheça a
consumação.

GABARITO: C
COMENTÁRIOS:

Alternativa "A" * A redução da pena concernente à tentativa deve resultar das


circunstâncias da própria tentativa. Isto quer dizer que não devem ser
consideradas na redução as atenuantes ou agravantes porventura existentes e sim
tendo-se em vista o iter criminis percorrido pelo agente em direção à consumação
do delito.
Alternativa "B" * A impropriedade do objeto não deve ser relativa e sim absoluta.
Observe o que dispõe o Código Penal:

Art. 17 - Não se pune a tentativa quando, por ineficácia absoluta


do meio ou por absoluta impropriedade do objeto, é impossível
consumar-se o crime.

55
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

Alternativa "C" * É a alternativa correta, pois não há que se falar em tentativa


para o crime culposo (salvo a culpa imprópria). Desta forma, deve-se exigir um
comportamento DOLOSO para a caracterização da tentativa.

Alternativa "D" ^ Está completamente incorreta. Primeiro porque para as


contravenções não cabe tentativa, segundo porque será necessário o início da fase
de execução para caracterização do instituto penal. Veja:

Art. 14 - Diz-se o crime:


[...]

II - tentado, quando, iniciada a execução, não se consuma por


circunstâncias alheias à vontade do agente.

Alternativa "E" ^ Na tentativa, o indivíduo vai até o final em busca do resultado


almejado, mas é interrompido por circunstâncias alheias à sua vontade.

20. (CESPE / PC-DF / 2005) Entre as alternativas abaixo, é correto afirmar


que os ofendículos excluem:

a) o nexo causal;
b) a culpabilidade;
c) a imputabilidade;
d) a ilicitude;
e) a culpa.

GABARITO: D

COMENTÁRIOS: Ofendículos são artefatos utilizados para o resguardo do patrimônio,


tais como cercas elétricas, cacos de vidro etc. Se um indivíduo tenta invadir uma casa
e morre com a alta voltagem da cerca, os donos da propriedade estarão amparados e
a ilicitude da conduta será excluída.

21. (FCC / PC - MA / 2006) Salvo disposição em contrário, pune-se a


tentativa com a pena correspondente ao crime consumado, diminuída de um
a dois terços. A redução de pena decorrente da tentativa deve resultar:

A) do iter criminis percorrido pelo agente em direção à consumação do delito.


B) da prevalência das circunstâncias atenuantes sobre as circunstâncias agravantes.
56
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

C) da maior ou menor periculosidade do agente, tendo em conta os dados constantes


do processo.
D) da valoração dos antecedentes do agente, especialmente da primariedade e da
reincidência.

E) da intensidade do dolo, do grau da culpa, e dos motivos determinantes da conduta


delituosa.

GABARITO: A

COMENTÁRIOS: Mais uma questão que exige o conhecimento do fator que deve ser
levado em consideração na mensuração da redução da pena a ser aplicada no caso de
tentativa. Como já vimos, quanto mais próximo da consumação, menor será a
redução.

22. (FCC / PC - MA / 2006) Considere:

I. Paulo deseja matar José, mas desiste de seu intento.


II. João deseja matar José, adquire veneno, mas se arrepende e também
desiste.

III. Luiz deseja matar José, adquire veneno, coloca na xícara de café deste,
mas se arrepende e impede o mesmo de ingeri-lo.
IV. Pedro deseja matar José, adquire veneno, coloca na xícara de café deste;
José toma o veneno, mas é levado por sua empregada a um hospital, onde os
médicos conseguem salvá-lo.

Há tentativa de homicídio nas hipóteses indicadas APENAS em:

A) IV.
B) III.
C) III e IV.
D) II, III e IV.
E) I e II.

GABARITO: A

COMENTÁRIOS: Vamos analisar cada item:


Item "I" ^ Neste primeiro item temos um indiferente penal, ou seja, não há nenhum
delito. Estamos no início do iter criminis, na fase do desejo, da cogitação.

57
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

Item "II" ^ Ainda estamos tratando de um indiferente penal. O agente está na fase
dos atos preparatórios e desiste de seu intento.
Item "III" ^ Aqui a fase de execução tem início, mas o agente se arrepende
(desistência voluntária). Neste caso, responderá somente pelos atos já praticados
que, no caso em tela, não caracterizam crime.
Item "IV" ^ Agora sim!!! Aqui temos a tentativa de homicídio. O agente só não obtêm
o resultado naturalístico por fatores alheios à sua vontade.

23. (FCC / PC - MA / 2006) Inclui-se dentre as causas excludentes da


ilicitude:

A) a coação física irresistível.

B) o estado de necessidade.
C) a legítima defesa putativa.
D) a coação moral irresistível.
E) o desconhecimento da lei.

GABARITO: B

COMENTÁRIOS: Como já vimos, o ESTADO DE NECESSIDADE é uma excludente de


ilicitude.

24. (FCC / Defensor Publico - MA / 2003) A tentativa:

A) é impunível nos casos de ineficácia absoluta do meio e de relativa impropriedade


do objeto.
B) dispensa o exaurimento da infração, necessário apenas para que se reconheça a
consumação.

C) não prescinde, para seu reconhecimento, da realização de atos de execução, ainda


que se trate de contravenção penal.
D) exige comportamento doloso do agente.
E) constitui causa geral de diminuição da pena, devendo o respectivo redutor
corresponder à culpabilidade do agente.

GABARITO: D

COMENTÁRIOS: Questão bem parecida com a número 14 e aqui valem os mesmos


comentários, ou seja, a tentativa exige comportamento DOLOSO do agente.

58
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

25. (FCC / ISS-SP / 2007) Exclui a ilicitude da conduta:

A) a coação irresistível.

B) a obediência hierárquica.

C) a desistência voluntária.
D) o estrito cumprimento do dever legal.
E) o arrependimento posterior.

GABARITO: D

COMENTÁRIOS: O estrito cumprimento do dever legal é uma EXCLUDENTE DE


ILICITUDE.

59
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

LISTA DAS QUESTÕES APRESENTADAS

1. (ESAF / Auditor Fiscal do Trabalho / 2006) O agente que, voluntariamente,


desiste de prosseguir na execução do crime, responde:

A) pela prática do crime tentado.


B) pela prática do crime consumado.

C) somente pelos atos já praticados.


D) pelo crime consumado, mas reduzida a pena de um a dois terços em virtude do
arrependimento posterior.

E) pelo crime consumado, sem qualquer redução da pena.

2. (FCC / Defensor - DPE-RS / 2011) Miro, em mera discussão com Geraldo a


respeito de um terreno disputado por ambos, com a intenção de matá-lo,
efetuou três golpes de martelo que atingiram seu desafeto. Imediatamente
após o ocorrido, no entanto, quando encerrados os atos executórios do
delito, Miro, ao ver Geraldo desmaiado e perdendo sangue, com remorso,
passou a socorrer o agredido, levando-o ao hospital, sendo que sua postura
foi fundamental para que a morte do ofendido fosse evitada, pois foi
providenciada a devida transfusão de sangue. Geraldo sofreu lesões graves,
uma vez que correu perigo de vida, segundo auto de exame de corpo de
delito. Nesse caso, é correto afirmar:

a) Miro responderá pelo crime de lesão corporal gravíssima previsto no art. 129, § 2o,
do Código Penal, em vista da sua vontade inicial de matar a vítima e da quantidade de
golpes, circunstâncias que afastam a validade do auto de exame de corpo de delito.

b) Incidirá a figura do arrependimento eficaz e Miro responderá por lesões corporais


graves.
c) Incidirá a figura do arrependimento posterior, com redução de eventual pena
aplicada.

60
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

d) Incidirá a figura da desistência voluntária e Miro responderá por lesões corporais


graves.
e) Miro responderá por tentativa de homicídio simples, já que o objetivo inicial era a
morte da vítima.

3. (VUNESP / Juiz - TJ-SP / 2011) Antônio, durante a madrugada, subtrai,


com o emprego de chave falsa, o automóvel de Pedro. Depois de oferecida a
denúncia pela prática de crime de furto qualificado, mas antes do seu
recebimento, por ato voluntário de Antônio, o automóvel furtado é devolvido
à vítima. Nesse caso, pode-se afirmar a ocorrência de
a) arrependimento posterior.
b) desistência voluntária.
c) arrependimento eficaz.
d) circunstância atenuante.
e) causa de extinção da punibilidade.

4. (CESPE / Analista - STM / 2011) Por expressa disposição legal, não há


crime quando o agente pratica o fato no exercício regular de direito ou em
estrito cumprimento de dever legal.

5. (CESPE / Analista - TJ-ES / 2011) Na tentativa perfeita, também


denominada quase-crime, o agente realiza todos os atos executórios, mas
não atinge a consumação por circunstâncias alheias à sua vontade.

6. (FCC / MPE - SE / 2009) Considere:


I. Tício resolveu matar seu desafeto. Elaborou um plano de ação, apanhou
uma faca e o atacou, desferindo- lhe golpes. Este, no entanto, conseguiu
desviar-se e, utilizando técnicas de defesa pessoal, dominou e desarmou o
agressor.

II. Caio resolveu matar seu desafeto. Adquiriu uma arma e efetuou diversos
disparos em sua direção, errando o alvo e acabou sendo preso por policiais
que acorreram ao local.

Nas situações indicadas, deve ser reconhecida a ocorrência de:


A) fatos penalmente irrelevantes.
B) crime tentado e crime consumado, respectivamente.

C) crimes consumados.

61
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

D) crimes tentados.
E) crime consumado e crime tentado, respectivamente.

7. (FCC / MPE - SE / 2009) Pedro efetuou disparo de arma de fogo contra


Paulo. Em seguida, arrependido, o levou até um hospital, onde, apesar de
atendido e medicado, veio a falecer. Nesse caso, houve:
A) arrependimento posterior.
B) desistência voluntária.

C) arrependimento eficaz.
D) crime tentado.
E) crime consumado.

8. (FCC / MPE - SE / 2009) No estado de necessidade,


A) o agente pode responder pelo excesso doloso, mas não pelo culposo.
B) a situação de perigo não pode ter sido provocada por vontade do agente.
C) a reação contra agressão humana deve ser atual.
D) a ameaça só pode ser a direito próprio.
E) há extinção da punibilidade.

9. (CESPE / PC - PB / 2009) Um indivíduo, portador do vírus da AIDS,


manteve regularmente relações sexuais com sua namorada, com a intenção
de matá-la por meio do contágio da doença. A namorada não tinha
conhecimento do estado patológico de seu parceiro. Dias após, foi
constatado, por meio de exames médicos e laboratoriais, que houve
efetivamente a transmissão do vírus, apesar de os efeitos da doença ainda
não terem se manifestado, não impedindo, portanto, o desempenho das
atividades cotidianas da pessoa infectada. Nessa situação hipotética, o
indivíduo portador do vírus:
A) não cometeu ilícito penal, uma vez que se trata de crime impossível.
B) cometeu tentativa de homicídio.

C) cometeu o crime de perigo para a vida ou saúde de outrem.


D) cometeu o crime de perigo de contágio venéreo.
E) cometeu o crime de perigo de contágio de moléstia grave.

62
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

10. (FCC / MPE - PE / 2006) Inclui-se dentre as causas excludentes da


antijuridicidade:
A) o erro inevitável sobre a ilicitude do fato.
B) o exercício regular de um direito.
C) a obediência à ordem, não manifestamente ilegal, de superior hierárquico.
D) a embriaguez fortuita completa.
E) a coação irresistível.

11. (VUNESP / OAB 2007 - Adaptada) Com relação às causas excludentes de


ilicitude (ou antijuridicidade), assinale a opção correta.
A) Agem em estrito cumprimento do dever legal policiais que, ao terem de prender
indiciado de má fama, atiram contra ele para dominá-lo.
B) O exercício regular do direito é compatível com o homicídio praticado pelo militar
que, em guerra externa ou interna, mata o inimigo.

C) Considera-se em estado de necessidade quem pratica o fato para salvar-se de


perigo atual ou futuro que não provocou por sua vontade ou era escusável.
D) A legítima defesa putativa é causa de exclusão da ilicitude
E) N. R. A

12. (ESAF / AGU / 2000) A, imputável, jamaicano, sem assimilar a cultura


brasileira, agindo como se estivesse em seu país, pratica conduta definida
como crime, no Brasil. Na Jamaica, tal conduta é lícita. O fato configura erro
de:

A) Tipo
B) Fato
C) Proibição
D) Crime impossível
E) Crime consumado

13. (ESAF / AGU / 2000) "A", imputável, inicia atos de execução de um


crime; antes de ocorrer o resultado, deixa de praticar os demais atos para
atingir a consumação. A consumação não acontece. A hipótese configura:
A) tentativa
B) arrependimento posterior

C) desistência voluntária
D) arrependimento eficaz

63
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

E) crime impossível

14. (ESAF / BACEN / 2002) No que se refere ao arrependimento posterior


pode-se afirmar que:
A) para que haja a redução da pena, exige-se a completa reparação do dano ou a
restituição da coisa, além da necessidade da voluntariedade do ato realizado pelo
agente.

B) se trata de causa facultativa de diminuição de pena.


C) só é aplicável caso a reparação do dano ou a restituição da coisa ocorra após o
recebimento da denúncia ou da queixa.
D) a redução da pena neste caso atinge todos os crimes, inclusive aqueles cometidos
com violência ou grave ameaça à pessoa.
E) a reparação feita por um dos acusados não aproveita aos demais.

15. (FCC / Promotor - CE / 2008) A, imputável, inicia a execução de um


crime; antes da consumação, por deliberação própria, deixa de prosseguir os
atos delituosos. A hipótese caracteriza:
A) arrependimento eficaz

B) tentativa
C) desistência voluntária
D) consumação
E) exaurimento

16. (ESAF / Fiscal trabalho / 2003) Assinale a opção cujo instituto jurídico
não seja comum ao crime e à contravenção penal.
A) tentativa
B) pena
C) resultado
D) consumação
E) execução

17. (ESAF / MPU / 2004) Quanto ao arrependimento posterior, previsto no


artigo 16 do Código Penal, pode-se afirmar que:
A) não há limite temporal para a sua aplicação.

B) a redução de pena é aplicável aos crimes cometidos com ou sem violência ou grave
ameaça à pessoa.
64
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

C) se trata de mera atenuante e não de causa obrigatória de diminuição de pena.


D) a pena pode ser reduzida de 1 (um) a 2/3 (dois terços).
E) a reparação do dano exigida não precisa ser efetiva, bastando a simples intenção
de fazê-la.

18. (FCC / Analista Judiciário - TRE-RN / 2011) Quando o agente dá início à


execução de um delito e desiste de prosseguir em virtude da reação oposta
pela vítima, ocorre
a) arrependimento eficaz.
b) crime consumado.
c) fato penalmente irrelevante.
d) desistência voluntária.
e) crime tentado.

19. (FCC / BACEN / 2006) A tentativa:


A) constitui causa geral de diminuição da pena, devendo o respectivo redutor
corresponder à culpabilidade do agente.
B) é impunível nos casos de ineficácia absoluta do meio e de relativa impropriedade
do objeto.

C) exige comportamento doloso do agente.


D) não prescinde da realização de atos de execução, ainda que se trate de
contravenção penal.
E) dispensa o exaurimento da infração, necessário apenas para que se reconheça a
consumação.

20. (CESPE / PC-DF / 2005) Entre as alternativas abaixo, é correto afirmar


que os ofendículos excluem:
a) o nexo causal;
b) a culpabilidade;
c) a imputabilidade;
d) a ilicitude;
e) a culpa.

21. (FCC / PC - MA / 2006) Salvo disposição em contrário, pune-se a


tentativa com a pena correspondente ao crime consumado, diminuída de um
a dois terços. A redução de pena decorrente da tentativa deve resultar:
65
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

A) do iter criminis percorrido pelo agente em direção à consumação do delito.


B) da prevalência das circunstâncias atenuantes sobre as circunstâncias agravantes.

C) da maior ou menor periculosidade do agente, tendo em conta os dados constantes


do processo.
D) da valoração dos antecedentes do agente, especialmente da primariedade e da
reincidência.

E) da intensidade do dolo, do grau da culpa, e dos motivos determinantes da conduta


delituosa.

22. (FCC / PC - MA / 2006) Considere:

I. Paulo deseja matar José, mas desiste de seu intento.


II. João deseja matar José, adquire veneno, mas se arrepende e também
desiste.
III. Luiz deseja matar José, adquire veneno, coloca na xícara de café deste,
mas se arrepende e impede o mesmo de ingeri-lo.

IV. Pedro deseja matar José, adquire veneno, coloca na xícara de café deste;
José toma o veneno, mas é levado por sua empregada a um hospital, onde os
médicos conseguem salvá-lo.

Há tentativa de homicídio nas hipóteses indicadas APENAS em:


A) IV.
B) III.
C) III e IV.
D) II, III e IV.
E) I e II.

23. (FCC / PC - MA / 2006) Inclui-se dentre as causas excludentes da


ilicitude:
A) a coação física irresistível.

B) o estado de necessidade.
C) a legítima defesa putativa.
D) a coação moral irresistível.
E) o desconhecimento da lei.

24. (FCC / Defensor Publico - MA / 2003) A tentativa:

66
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br
CURSO ON-LINE - DIREITO PENAL PARA AFT
PROFESSOR PEDRO IVO

A) é impunível nos casos de ineficácia absoluta do meio e de relativa impropriedade


do objeto.
B) dispensa o exaurimento da infração, necessário apenas para que se reconheça a
consumação.

C) não prescinde, para seu reconhecimento, da realização de atos de execução, ainda


que se trate de contravenção penal.
D) exige comportamento doloso do agente.
E) constitui causa geral de diminuição da pena, devendo o respectivo redutor
corresponder à culpabilidade do agente.

25. (FCC / ISS-SP / 2007) Exclui a ilicitude da conduta:


A) a coação irresistível.
B) a obediência hierárquica.
C) a desistência voluntária.
D) o estrito cumprimento do dever legal.
E) o arrependimento posterior.

GABA R I T O

1-C 2-B 3-A 4-C 5-E ******

6-D 7-E 8-B 9-B 10-B 11-E

12-C 13-C 14-A 15-C 16-A 17-D

18-E 19-C 20-D 21-A 22-A 23-B

24-D 25-D ***** ***** *****


*****

67
Professor: Pedro Ivo www.pontodosconcursos.com.br