Você está na página 1de 4

Princípios básicos do raciocínio geológico:

A história da Terra é marcada por grandes modificações geológicas e biológicas, que


podem ser interpretadas à luz de várias
teorias: catastrofismo, uniformitarismo e neocatastrofismo.

Catastrofismo:

principal defensor: Georges Cuvier;

segundo esta teoria, as alterações que ocorreram na Terra foram provocadas por
fenómenos catastróficos.

Uniformitarismo:

atribuído a James Hutton;

postula que os diferentes aspetos geológicos podem ser interpretados segundo


processos naturais semelhantes aos que se observam atualmente, processando-se,
geralmente, de forma lenta e gradual;

assenta em três princípios:

Princípio do atualismo ou das causas atuais: as causas que provocaram


determinados fenómenos no passado são idênticas às que provocam o mesmo tipo
de fenómenos no presente.
Princípio do gradualismo: a maior parte das mudanças que ocorrem na Terra
desenvolvem-se de uma forma lenta e gradual.
As leis naturais são constantes no espaço e no tempo.
Neocatastrofismo:

combina os princípios do uniformitarismo com a possibilidade de ocorrência de


fenómenos catastróficos ocasionais.

Mobilismo geológico. As placas tectónicas e os seus movimentos:

As alterações observadas, ao longo dos tempos, na configuração dos oceanos e dos


continentes revelam o dinamismo da Terra levando à formulação da teoria da tectónica
das placas, que admite que a superfície da Terra está dividida em diferentes placas
litosféricas, que se movimentam umas em relação às outras.

A superfície terrestre e o limite das placas litosféricas.

As placas litosféricas são constituídas por crusta e pela parte mais externa do manto e
estão assentes sobre uma camada com propriedades plásticas - a astenosfera.
Estrutura da parte mais externa da Terra.

Os limites das placas litosféricas, marcados por intensa atividade geológica, podem ser de
diversos tipos: divergentes, convergentes e conservativos.

Limites Divergentes

As placas deslocam-se em sentido contrário, afastando-se uma da outra. Situam-se nas


zonas de rifte das dorsais oceânicas, onde se verifica a ascensão de magma e
consequente formação de nova litosfera.
Limites Convergentes

Zona de colisão de placas, o sentido do movimento relativo das duas placas faz com que
elas se aproximem. Localizam-se, geralmente, em zonas de fossas oceânicas - zonas de
subducção, onde se verifica a destruição da placa litosférica, que mergulha.

Limites Conservativos

Zonas onde não se verifica formação nem destruição de litosfera. O sentido do movimento
relativo entre as duas placas litosféricas faz com que haja apenas a deslizamento de uma
placa em relação à outra. Situam-se em determinadas falhas - falhas transformantes.