Você está na página 1de 21

 

ARTE, CULTURA E EDUCAÇAO: MULTIPLAS


POSSIBILIDADES DE ARTICULAÇAO
Clara Cecchini do Prado  
 
 

Apresentação  do  campo  da  Educação    


sob  a  perspectiva  dos  objetivos  da  disciplina    

“Devemos  deixar-­‐nos  orientar  pela  utopia  que  faz  convergir  o  mundo  para  uma  maior  
compreensão  mútua,  acompanhada  por  um  sentido  mais  arraigado  de  responsabilidade  e  
mais  solidariedade,  na  aceitação  de  nossas  diferenças  de  natureza  espiritual  e  cultural.  Ao  
permitir  que  todos  tenham  acesso  ao  conhecimento,  a  educação  desempenha  um  papel  
bem  concreto  na  plena  realização  desta  tarefa  universal:  ajudar  a  compreender  o  mundo  e  
o  outro,  a  fim  de  que  cada  um  adquira  maior  compreensão  de  si  mesmo.”1  

Lugar  de  observação  e  escolha  do  percurso  

Cultura   e   Educação   são   campos   da   existência   humana   profundamente   conectados.   Dizem  


alguns   que   foram   separados   simplesmente   para   efeito   didático.   Dizem   outros   que   foram  
apartados   em   um   traumático   divórcio,   que   afastou   da   Educação   seu   potencial   de  
significação  e  privou  a  Cultura  de  seu  potencial  de  transformação.  Nesta  disciplina,  não  nos  
interessa  fazer  uma  crítica  à  Educação  do  ponto  de  vista  da  Cultura  ou  vice-­‐versa:  propõe-­‐se  
compreender   os   fundamentos   desses   dois   campos   e   analisar   experiências   de   articulação  
entre  eles  (o  que  inclui  as  artes),  com  o  objetivo  de  delinear  potencialidades  de  ação  para  
projetos  e  políticas  culturais  de  cunho  educativo.  

Em  busca  do  Humano:  Cultura  e  Educação  

Em  seu  texto  A  construção  da  humanidade2,  a  professora  Maria  Helena  Pires  Martins  define  
a   educação   como   processo   de   humanização   do   indivíduo   e   a   cultura   como   processo   de  
cultivo   do   ser   no   seu   processo   de   humanização.   A   própria   filósofa   reconhece   o   caráter   de  

                                                                                                                       
1 Educação: um tesourou a descobrir. Relatório para a da Comissão Internacional da
Educação para o Século XXI. Jaques Delors (org.). UNESCO, 2010.
http://unesdoc.unesco.org/images/0010/001095/109590por.pdf. Consultado em 29 de
setembro de 2013. P. 27. Grifo nosso.
2 MARTINS, Maria Helena Pires. A Construção da Humanidade. Cadernos Cenpec, número 7,
2010. Disponível em
http://cadernos.cenpec.org.br/cadernos/index.php/cadernos/article/view/60/75.
Consultado em 6 de outubro de 2013.
 
 

generalidade  das  duas  definições  e  as  diferencia:  a  cultura  é  também  processo  de  atribuição  
de  significados.    

Construímos  nossa  humanidade  por  meio  da  cultura  e  da  educação  –  


porque  a  educação  é  um  modo  de  nos  inserirmos  na  cultura  e  de  nos  
tornarmos   seres   humanos.   É   importante   ter   sempre   em   mente   essa  
premissa  fundamental  de  que  o  ser  humano  não  está  pronto  quando  
nasce  –  ele  se  torna  um  ser  humano.3    

Portanto,   compreende-­‐se   a   proximidade   desses   dois   campos   da   existência   e   da   ação  


humana  e  mesmo  a  sua  inseparabilidade,  em  termos  conceituais  e  filosóficos:  a  educação  é  
um   modo   de   inserção   na   cultura.   Em   termos   da   constituição   de   políticas   públicas   e   da  
história  de  suas  instituições,  porém,  Cultura  e  Educação  tomaram,  no  Brasil,  rumos  bastante  
diferentes  e  a  sua  reconciliação  tem  sido  um  objetivo  para  muitas  instituições  e  gestores  na  
contemporaneidade.  É  para  contribuir  com  a  realização  desse  objetivo  que  serão  abordados,  
a   seguir,   alguns   pontos   específicos   sobre   os   assuntos.   Pretende-­‐se     delinear   um   campo   de  
debate,  sem  o  intuito  de  esgotar  as  discussões.  

Alguns  pontos  fundamentais  sobre  Educação:  

Os  avanços  de  métodos  e  ferramentas  e  a  dificuldade  em  fazer  o  essencial  

Frequentemente  se  atribui  à  Educação  um  atraso  de  métodos,  uma  dificuldade  em  lidar  com  
as   tecnologias   e,   a   essa   questão   instrumental,   o   “fracasso”   da   escola   e   dos   processos   de  
ensino  e  aprendizagem.  Analisemos  com  mais  calma  essa  questão.  

A   Educação,   enquanto   área   do   conhecimento,   vem   conquistando   importantes   avanços.   A  


pesquisa  científica  em  Educação,  associada  a  psicologia,  política,  neurociência,  tecnologias,  
gestão,   entre   outros   campos   do   conhecimento,   já   há   décadas   vem   se   consolidando   nas  
principais   universidades   do   mundo,   que   dialogam   em   maior   ou   menor   grau   com   os  
responsáveis  pela  gestão  dos  sistemas  educacionais,  sejam  públicos  ou  não4.  A  pesquisa  em  
Educação   conquistou   espaço   e   cumpre   seu   papel,   por   meio   da   proposição   de   novos  

                                                                                                                       
3 Idem, p. 14.
4 Um exemplo é a Universidade de Stanford, nos Estados Unidos da América, que tem uma
importante escola de Educação – Stanford Graduate School of Education. É interessante
explorar o site: https://ed.stanford.edu (em inglês). Consultado em 13 de outubro de 2013.
 
 

métodos,   regulação   das   políticas   públicas   e   geração   de   dados   para   acompanhamento,   em  


forma   de   pesquisas   quanti   e   qualitativas.   A   sociedade,   por   meio   principalmente   das  
universidades   e   organizações   não-­‐governamentais   (entre   elas   as   organizações  
internacionais),   propõe   e   acompanha   as   políticas   educacionais.   A   crítica   aos   sistemas  
educacionais   é   exercida   pela   sociedade,   não   apenas   pela   parcela   que   é   diretamente  
beneficiária  dos  serviços.    

Porém,  em  que  pesem  os  grandes  avanços  em  relação  à  pesquisa  educacional  aplicada  (em  
termos  de  tecnologias  e  métodos),  existe  uma  questão  de  fundo  em  relação  à  Educação,  que  
está   relacionada   à   sua   concepção   primeira.   É   preciso   ter   atenção   para   notar   que,   o   que  
muitas   vezes   aparece   como   uma   crítica   ao   método   –   como   se   a   questão   fosse   pura   e  
simplesmente  equipar  tecnologicamente  as  escolas  –  é,  em  essência,  a  necessidade  de  uma  
redefinição   sobre   qual   Educação   se   deseja.   Para   isso,   é   necessária   uma   mudança   de   foco,  
analisando  o  percurso  histórico  das  grandes  mudanças  de  valores  e  paradigmas  da  Cultura  
em  sentido  amplo,  indo  além  da  perspectiva  do  avanço  tecnológico.  Também  é  necessário  
compreender   que   a   Educação,   mais   do   que   responder   às   necessidades   de   uma   sociedade,  
define   ela   mesma   a   sociedade   que   se   busca   construir,   estabelecendo   modelos   de  
pensamento  e  ação,  valores  e  crenças.  

A  Educação  que  desejamos  

Em  termos  da  Educação  que  se  deseja,  ainda  vivemos  uma  transição  do  modelo  tecnicista,  
que   buscava   educar   para   uma   profissão,   para   uma   educação   para   a   liberdade5.   Nesse  
sentido,   o   relatório   Educação:   um   tesourou   a   descobrir6,   da   Comissão   Internacional   da  
Educação   para   o   Século   XXI,   liderada   por   Jaques   Delors,   propõe   dois   imperativos   para  
responder   ao   desafio   da   educação   na   contemporaneidade:   (1)   a   noção   de   educação   ao  
longo   da   vida,   superando   a   distinção   inicial   entre   educação   inicial   e   permanente   –   para  
responder  ao  desafio  das  rápidas  transformações  sociais  –  (2)  a  exigência  de  compreensão  

                                                                                                                       
5Para uma compreensão histórica sobre as concepções de Educação, ver os vídeos da
UNIVESP TV - História da Educação no Brasil. UNIVESP TV. Série de 11 vídeos.
https://www.youtube.com/watch?v=eTYWvbW8XPw&list=PL9F95A9E32D491A3F.
Consultado em 6 de outubro de 2013.

6Educação: um tesourou a descobrir. Relatório para a da Comissão Internacional da


Educação para o Século XXI. Jaques Delors (org.). UNESCO, 2010.
http://unesdoc.unesco.org/images/0010/001095/109590por.pdf. Consultado em 29 de
setembro de 2013.
 
 

mútua,   ajuda   pacífica   e   harmonia   –   para   responder   à   necessidade   cada   vez   maior   da  
compreensão   do   outro   e   do   mundo.   A   partir   desses   dois   imperativos,   são   estruturados   os  
quatro  pilares  básicos  da  Educação,  descritos  no  Capítulo  4  do  referido  Relatório  –  Os  quatro  
pilares  da  educação:  pistas  e  recomendações7:  

• “A   educação   ao   longo   da   vida   baseia-­‐se   em   quatro   pilares:   aprender   a  


conhecer,  aprender  a  fazer,  aprender  a  conviver  e  aprender  a  ser.    

• Aprender   a   conhecer,   combinando   uma   cultura   geral,   suficientemente  


ampla,   com   a   possibilidade   de   estudar,   em   profundidade,   um   número  
reduzido  de  assuntos,  ou  seja:  aprender  a  aprender,  para  beneficiar-­‐se  das  
oportunidades  oferecidas  pela  educação  ao  longo  da  vida.    

• Aprender  a  fazer,  a  fim  de  adquirir  não  só  uma  qualificação  profissional,  
mas,  de  uma  maneira  mais  abrangente,  a  competência  que  torna  a  pessoa  
apta   a   enfrentar   numerosas   situações   e   a   trabalhar   em   equipe.   Além  
disso,  aprender  a  fazer  no  âmbito  das  diversas  experiências  sociais  ou  de  
trabalho,  oferecidas  aos  jovens  e  adolescentes,  seja  espontaneamente  na  
sequência   do   contexto   local   ou   nacional,   seja   formalmente,   graças   ao  
desenvolvimento  do  ensino  alternado  com  o  trabalho.    

• Aprender   a   conviver,   desenvolvendo   a   compreensão   do   outro   e   a  


percepção  das  interdependências  –  realizar  projetos  comuns  e  preparar-­‐se  
para   gerenciar   conflitos   –   no   respeito   pelos   valores   do   pluralismo,   da  
compreensão  mútua  e  da  paz.    

• Aprender   a   ser,   para   desenvolver,   o   melhor   possível,   a   personalidade   e  


estar   em   condições   de   agir   com   uma   capacidade   cada   vez   maior   de  
autonomia,   discernimento   e   responsabilidade   pessoal.   Com   essa  
finalidade,   a   educação   deve   levar   em   consideração   todas   as  
potencialidades   de   cada   indivíduo:   memória,   raciocínio,   sentido   estético,  
capacidades  físicas,  aptidão  para  comunicar-­‐se.”    

Portanto,   fica   claro   que   o   acesso   ao   conteúdo   (aprender   a   conhecer)   e   a   aquisição   de  


habilidades   (aprender   a   fazer)   são   componentes   dessa   concepção   de   educação   –  
componentes   essenciais,   mas   não   únicos.   Aprender   a   conviver   a   aprender   a   ser   são   tão  

                                                                                                                       
7 Idem, p. 31 e 32.
 
 

importantes   quanto   –   inclusive,   do   ponto   de   vista   da   cooperação   internacional,   sob   o   qual   o  


relatório  é  escrito,  aprender  a  conviver  ganha  destaque  e  é  o  primeiro  pilar  apresentado.  

Portanto,   estamos   diante   de   uma   concepção   de   Educação   profundamente   conectada   à  


noção  de  Cultura.  Mais  uma  vez,  nota-­‐se  a  compreensão  de  que  a  Educação  é  um  modo  de  
inserção   na   Cultura   (como   afirma   a   professora   Maria   Helena   Pires   Martins).   A   Educação   é  
decorrência  da  Cultura;  é  o  meio  de  acesso  aos  saberes  reconhecidos  por  uma  sociedade  –  
apropriação  da  Cultura  –  mas  também  é  o  espaço  de  reflexão,  elaboração  e  criação  a  partir  
desses   saberes.   Compreender   a   Educação   –   formal   ou   não   formal   –   sob   essa   perspectiva  
abre   todo   um   novo   campo   de   ação   para   as   políticas   e   projetos   culturais,   conforme  
estudaremos  a  seguir.    

   
 
 

Formatos  consagrados  e  usuais  de  articulação  e  reflexão  sobre  novas  possibilidades    

Dando  corpo  aos  conceitos  /  quebrando  preconceitos    

Compreendida   a   concepção   a   partir   da   qual   se   observa,   nesta   disciplina,   a   Educação   e   sua  


relação   com   a   Cultura,   serão   analisados   aspectos   institucionais   e   executivos   que   configuram  
as   articulações   entre   os   dois   campos   como   as   percebemos   hoje:   o   que   dá   corpo   aos  
conceitos  e  conforma  as  políticas  e  projetos.    

É   opinião   corrente   que   a   educação   está   “fadada   ao   fracasso”,   pois   “não   se   conecta   às  
crianças   e   jovens   do   Século   XXI”.   Também   se   afirma,   muitas   vezes,   que   a   escola   é   uma  
“instituição  falida”,  “autoritária”  e  “opressora”,  que  as  crianças  estariam  muito  melhores  se  
pudessem   aprender   “livres   pelas   cidades”,   “de   acordo   com   seus   interesses”   e   “de   forma  
criativa”.  Outra  afirmação  corriqueira  é  que  “a  educação  formal  não  tem  mais  jeito”,  e  que  a  
solução   já   existe   em   experiências   de   pequena   escala   e   “basta   replicá-­‐las”.   Não   há   como  
fechar   os   olhos   para   as   graves   questões   relacionadas   à   qualidade   da   educação   pública   no  
Brasil,   porém   é   necessário   ir   além   do   senso   comum   para   que   se   possa   compreender   a  
dimensão   real   do   problema,   especialmente   face   ao   percurso   histórico   e   ao   projeto   de  
Educação  –  de  qualidade  E  para  todos  –  que  se  pretende  implementar.  

A  educação  formal:  aprendendo  com  as  políticas  educacionais  

Para  compreender  um  pouco  mais  sobre  a  História  da  Educação  no  Brasil,  assista  ao  primeiro  
vídeo  desta  série:    

https://www.youtube.com/watch?v=eTYWvbW8XPw&list=PL9F95A9E32D491A3F.  

É  fato  que  há,  ainda  hoje,  sérios  problemas  na  qualidade  da  educação  pública  brasileira.  No  
caso  da  Educação  Básica  (Educação  Infantil,  Ensino  Fundamental  e  Ensino  Médio),  é  corrente  
nos  depararmos  com  a  (má)  classificação  do  país  nos  rankings  mundiais  da  educação,  como  
no  recém  divulgado  Relatório  de  Capital  Humano  20138  do  Fórum  Econômico  Mundial,  que  
nos   relega   a   nada   honrosa   88ª   posição   em   um   total   de   122   países   na   categoria   Educação.  
Mas   conhecer   os   rankings   pelas   manchetes   dos   meios   de   comunicação,   sem   compreender  
                                                                                                                       
8
  The Human Capital Report. World Economic Forum 2013. Disponível em
http://www3.weforum.org/docs/WEF_HumanCapitalReport_2013.pdf. Consultado em 6 de
outubro de 2013.
 
 
 

como  se  formam  esses  indicadores  ou  o  percurso  histórico  da  educação  brasileira,  em  pouco  
ou   nada   contribui   para   a   crítica   consistente   e   o   avanço   na   construção   de   uma   educação  
formal  de  qualidade  para  todos.    

Um  balanço  da  educação  formal  no  Brasil:  cenário  atual    

Uma   vez   que   a   análise   das   características   negativas   da   educação   no   país   é   mais   comum   e  
acessível,   vamos   aqui   fazer   um   esforço   para   compreender   um   lado   que,   usualmente,   não  
discutimos:  os  avanços  históricos  e  suas  perspectivas  –  positivas.  

No  percurso  histórico  da  educação  brasileira,  é  importante  destacar  três  grandes  conquistas,  
que  contribuíram  e  continuam  contribuindo  para  o  fortalecimento  da  educação  pública:  

1. Lei  de  Diretrizes  e  Bases  da  Educação  Nacional  (LDB),  nº  9.394  de  20  de  dezembro  de  
1996,   que   estabelece   princípios   e   direitos,   determinando   competências   para   sua  
garantia.9  

2. Mecanismos  transparentes  de  financiamento,  com  a  criação  do  FUNDEF  e  posterior  


FUNDEB   –   O   Fundo   de   Manutenção   e   Desenvolvimento   da   Educação   Básica   e   de  
Valorização  dos  Profissionais  da  Educação.10    

3. Implantação   de   mecanismos   de   avaliação   periódicos   com   dados   publicados,  


notadamente  o  IDEB  –  Índice  de  Desenvolvimento  da  Educação  Básica.11  

A   essas   3   conquistas,   correspondem   alguns   efeitos   dos   quais   mencionaremos   3:   acesso,  


consolidação  da  compreensão  da  aprendizagem  como  direito  e  qualificação  da  gestão  por  
meio  da  avaliação  
                                                                                                                       
9 Recomenda-se a leitura na íntegra da LDB: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/ldb.pdf.
Consultado em 7 de outubro de 2013.
10 Para conhecer as características gerais desse Fundo, leia:

http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12327&Itemid=
669. Consultado em 6 de outubro de 2013.

11 As médias de desempenho da Prova Brasil e do Saeb são utilizadas no cálculo do Índice de


Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) , ferramenta de acompanhamento das metas de
qualidade da educação básica, no âmbito do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE),
do MEC. A média na Prova Brasil é usada para calcular os Idebs de municípios e escolas,
enquanto a nota no Saeb subsidia o cálculo dos Idebs dos estados e do Ideb nacional. Além
das notas nas avaliações, o cálculo do indicador usa as taxas de aprovação escolar,
informação prestada pelas redes por meio do Censo Escolar.
http://provabrasil.inep.gov.br/o-ideb. Consultado em 6 de outubro de 2013.
 
 

Acesso  

A  questão  da  universalização  do  acesso  é  digna  de  ser  mencionada.  Hoje  contamos  com  uma  
taxa   líquida   de   matrícula   no   Ensino   Fundamental   de   92,4%,   para   crianças   de   6   a   14   anos  
(dados  IBGE/PNAD  2011).  Colocando  o  dado  em  contexto,  nota-­‐se  que  o  número  absoluto  
de  crianças  fora  da  escola  nesta  faixa  etária  é  de  539,7  mil  –  ainda  muito  elevado.  Porém,  
não  se  pode  negar  que  houve  avanço  em  relação  à  universalização  do  ensino.12  Não  se  pode  
negar,  também,  que  aos  avanços  em  relação  ao  acesso  não  corresponderam  os  avanços  em  
relação   à   qualidade.   Quanto   à   qualidade   da   educação   básica,   os   desafios   ainda   são   grandes.  
Para   acompanhar   esse   debate,   é   interessante   estar   atendo   ao   portal   do   Todos   pela  
Educação:  http://www.todospelaeducacao.org.br.    

A  aprendizagem  como  direito  

A  universalização  do  acesso  aquece  uma  discussão  importante  na  área  educacional:  qual  o  
“currículo   oficial”   de   cada   uma   das   etapas   do   ensino?   O   que,   afinal,   esses   milhões   de  
crianças   e   jovens   devem   aprender?   Essa   questão   está   intimamente   relacionada   à   Cultura,  
pois   a   definição   do   currículo   corresponde   à   delimitação   (e   legitimação)   de   um   campo   de  
conhecimentos  que  devem  ser  levados  à  discussão  em  sala  de  aula:  portanto,  correspondem  
a  uma  escolha  e,  em  última  instância,  um  projeto  de  país.    

O  debate  sobre  o  grau  de  delimitação  do  currículo  é  um  dos  mais  candentes  na  Educação,  
em   uma   dicotomia   entre   um   currículo   altamente   delimitado   –   que   corresponde   hoje   aos  
Sistemas  de  Ensino  que  se  disseminaram  nas  instituições  particulares,  com  suas  apostilas  e  
provas   padronizadas;   ou   ao   grau   máximo   de   autonomia   do   professor,   sem   determinação   do  
que  e  como  ensinar.  A  evolução  dessa  discussão  pode  ser  acompanhada  pelos  documentos  
oficiais  do  Ministério  da  Educação,  em  uma  análise  mais  ampla,  ou  de  forma  sistematizada  
no   texto   Contexto   do   Movimento   Curricular   do   Ensino   Fundamental,   que   faz   parte   do  
documento   Elementos   Conceituais   e   Metodológicos   para   Definição   dos   Direitos   de  

                                                                                                                       
12
 Para uma análise dos números da educação brasileira, recomenda-se a leitura do Anuário
Brasileiro da Educação Básica 2013, realizado por Todos Pela Educação e Editora Moderna,
disponível em:
http://www.moderna.com.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=8A8A8A833F33698B
013F346E30DA7B17. Consultado em 6 de outubro de 2013.
 
 

Aprendizagem   e   Desenvolvimento   do   Ciclo   de   Alfabetização   (1º,   2º   e   3º   anos)   do   Ensino  


Fundamental13.    

A  noção  de  direitos  de  aprendizagem  e  desenvolvimento  emerge  como  uma  possibilidade  de  
superar   essa   dicotomia,   propondo   uma   abordagem   que   busca   garantir   o   acesso   à  
aprendizagem   (sem   delimitá-­‐lo   como   currículo   mínimo   ou   expectativas   de   aprendizagem),  
mantendo   a   autonomia   do   professor,   subsidiando   e   apoiando   seu   trabalho   e   mantendo   a  
abertura  para  as  possibilidades  de  variantes  regionais  sobre  a  forma  de  ensinar  e  aprender.    

Parece-­‐nos   inegável   que   as   crianças   brasileiras   (especialmente   aquelas   que   frequentam   a  


educação  pública,  mas  não  apenas)  têm  direito  de  aprender  determinados  conteúdos,  e  que  
isso  não  significa,  necessariamente,  um  direcionamento  excessivo  do  Estado  sobre  o  que  se  
passa  em  sala  de  aula.  É  necessário  que  a  sociedade  e  os  profissionais  de  educação  estejam  
atentos   à   questão,   mas   o   caminho   encontrado   parece,   no   momento,   uma   solução  
promissora.    

Para  conhecer  as  propostas  e  diretrizes  curriculares  recomenda-­‐se  a  leitura  do  documento  
Diretrizes   Curriculares   Nacionais   para   a   Educação   Básica   2013,   do   Ministério   da   Educação,  
disponível  no  Saiba  Mais  desta  disciplina.  

Qualificação  da  gestão  por  meio  da  avaliação  institucional14  

Em   um   país   de   dimensões   continentais   como   o   Brasil,   de   grande   diversidade   regional   e  


profundas   desigualdades   socioeconômicas,   os   indicadores   que   revelam   médias   sobre  
desempenho   de   políticas   públicas   são   pouco   úteis   para   análises   propositivas.   A   gestão   da  
educação   no   Brasil   –   acompanhando   o   movimento   mundial   descrito   no   primeiro   tópico  
desta   disciplina   –   conta   com   produção   sistematizada   de   dados   sobre   números   de   matrículas  
há  bastante  tempo  e,  mais  recentemente,  com  o  fortalecimento  dos  sistemas  de  avaliação  
institucional,  é  possível  ter  acesso  a  índices  que  nos  revelam  os  níveis  de  aprendizagem  dos  
alunos   por   etapa   de   ensino,   chegando   ao   detalhe   do   Município   e   da   Unidade   Escolar.   A  

                                                                                                                       
13
 Tal material está em fase de análise pelo Conselho Nacional de Educação para futura
normatização. Disponível no Saiba Mais desta disciplina.
14
  É importante notar que, em Educação, são diferentes a avaliação institucional e a avaliação
da aprendizagem. A avaliação institucional tem como objeto o sistema de ensino, o que
contempla também o desempenho dos alunos, mas sob outra perspectiva – como reflexo do
desempenho do sistema em que estão inseridos. A avaliação da aprendizagem, por sua vez,
leva em conta os percursos individuais e suas múltiplas variáveis, e tem o objetivo de
contribuir para a organização dos próximos passos do processo de ensino e aprendizagem
de cada um.
 
 

plataforma  QEdu15,  por  exemplo,  disponibiliza  gratuitamente  informações  sobre  os  níveis  de  
desempenho   dos   alunos,   com   possibilidade   de   cruzamentos   diversos,   geração   de   mapas,  
fontes  diferenciadas  de  informação.  Esse  é  apenas  um  exemplo  de  como  a  informação  para  
embasar  a  crítica  e  a  ação  de  forma  mais  contextualizada  está  ao  alcance  de  todos.  Portanto,  
é  notável  que  houve  avanço  e  refinamento  em  relação  ao  sistema  de  avaliação  institucional  
da  educação  brasileira.  

Breve  conclusão  sobre  a  educação  formal  

Conjugando  a  definição  de  princípios  a  mecanismos  claros  de  financiamento  e  avaliação,  a  


política  educacional  brasileira  está  bastante  estruturada.  Porém,  ainda  há  um  longo  caminho  
em  direção  à  garantia  da  educação  de  qualidade  para  todos.    

A  educação  não-­‐formal:  experiências  culturais  

Em  uma  concepção  ampliada  de  Educação  -­‐  aquela  baseada  nos  4  pilares  do  Relatório  Delors  
-­‐  a  escola  é  apenas  um  dos  lugares  de  aprender.  Um  lugar  importante,  mas  não  exclusivo.  

A   educação   não-­‐formal   é   o   território   no   qual   os   projetos   culturais   e   artísticos   de   cunho  


educativo   mais   vêm   se   desenvolvendo,   com   a   criação   de   metodologias   inovadoras   e  
significativa   inserção   nas   comunidades.   Neste   ponto,   é   necessário   diferenciar   educação  
formal,  não-­‐formal  e  informal.    

A  educação  informal  é  aquela  que  acontece  no  cotidiano,  por  meio  da  realização  das  tarefas  
necessárias   e   do   relacionamento   com   as   pessoas   –   um   exemplo   da   educação   informal   é   a  
educação  familiar.  A  educação  formal  é  aquela  que  obedece  a  uma  legislação,  a  educação  
escolar  tratada  nos  tópicos  anteriores  desta  disciplina.  Já  a  educação  não-­‐formal  é:  

(...)   toda   aquela   que   é   mediada   pela   relação   ensino/aprendizagem;  


tem   forma,   mas   não   tem   uma   legislação   nacional   que   a   regule   e   incida  
sobre   ela.   Ou   seja,   uma   série   de   programas,   propostas,   projetos   que  
realizam   ações   e   interferências,   que   são   perpassados   pela   relação  

                                                                                                                       
15
  QEdu é um portal aberto e gratuito, com informações sobre a qualidade do aprendizado
em cada escola, município e estado do Brasil. É um projeto desenvolvido em parceria entre a
Meritt e a Fundação Lemann. http://www.qedu.org.br. Consultado em 6 de outubro de 2013.  
 
 

educacional,   mas   que   se   organizam   e   se   estruturam   com   inúmeras  


diferenças  –  em  suma,  um  leque  bastante  amplo  de  possibilidades.16  

Desde   a   década   de   1990,   a   educação   não-­‐formal   vem   sendo   reconhecida   em   sua  


importância   para   o   processo   de   ensino   e   aprendizagem,   assim   como   cada   vez   mais  
respeitada   em   sua   elaboração   metodológica.   Não   com   o   objetivo   de   substituir   a   educação  
formal  –  para  o  que  haveria,  inclusive,  impedimentos  legais  –  mas  para  complementá-­‐la  com  
experiências  e  sentidos  ligados  à  vivencias  sociais  e  à  construção  de  laços  de  afetividade.  A  
educação  não-­‐formal  é  profundamente  ligada  à  comunidade  em  que  se  insere  e  tem  clara  
intersecção  com  o  campo  cultural.  Para  aprofundar  o  entendimento  sobre  a  educação  não-­‐
formal,   assim   como   compreender   o   percurso   histórico   que   leva   ao   seu   reconhecimento   a  
partir   da   década   de   1990,   recomenda-­‐se   a   leitura   do   texto   Educação   não-­‐formal:   um  
conceito   em   movimento,   de   Olga   Simson,   Margareth   Park   e   Renata   Fernandes,   integrante  
da   publicação   Visões   Singulares,   conversas   Plurais,   do   Ministério   da   Cultura   e   Itaú   Cultural  
(2007)17.  

   

                                                                                                                       
16SIMSON, Olga R. de M. von; PARK, Margareth B.; FERNANDES, Renata S.. Educação não-
formal: um conceito em movimento. IN: Visões Singulares, conversas plurais. p. 16.

17 Disponível em : http://www.itaucultural.org.br/bcodemidias/000459.pdf   Consultado em 13 de


outubro de 2013.
 
 

A  arte  nesse  contexto    

A   Arte   e   a   Educação   se   entrelaçam   de   diversas   formas,   desde   a   educação   formal   até   a  


informal,  passando  pelas  infinitas  possibilidades  da  educação  não-­‐formal.    

A  arte  na  escola  

A  mais  direta  dessas  relações  é  o  ensino  de  Arte  enquanto  componente  da  educação  formal,  
integrante  do  currículo.  Em  uma  linha  histórica,  o  ensino  formal  da  arte  foi  tratado  como18:  

1. Ensino   da   Arte   como   Técnica:   aprendizagem   das   técnicas   artísticas,   nos   moldes  
acadêmicos,   tendo   como   marcos   a   criação   da   Academia   de   Belas   Artes   (1816)   e   a  
chegada  da  Missão  Artística  Francesa.  

2. Ensino   da   Arte   como   Expressão:   a   arte   na   educação   tem   o   objetivo   de   permitir   que   a  
criança   expresse   seus   sentimentos,   de   forma   livre.   Esse   entendimento   ganha   força  
com  o  Movimento  das  Escolinhas  de  Arte,  ao  final  da  década  de  1940,  e  vigora  até  
1971.  

3. Ensino   de   Arte   como   Atividade:   resulta   do   esvaziamento   dos   conteúdos  de   Arte  no  
currículo  escolar.  A  Lei  de  Diretrizes  e  Bases  da  Educação  Nacional,  nº  5.692  de  1971,  
instituiu   a   obrigatoriedade   do   ensino   da   arte,   mas   lhe   deu   o   status   de   atividade,  
estabelecendo   a   conhecida   dinâmica   de   produção   de   decoração   para   datas  
comemorativas,  atividades  recreativas  e  passatempo.  

4. Ensino  da  Arte  como  Conhecimento:  a  arte  como  área  do  conhecimento,  construção  
histórica,   social   e   cultural,   com   forte   caráter   interdisciplinar   e   preocupação   com   a  
diversidade  cultural.    

A  concepção  do  ensino  de  arte  como  conhecimento,  que  valoriza  processo  e  produto,  vem  
sendo  defendida  pela  professora  Ana  Mae  Barbosa  desde  a  década  de  1970.  Essa  concepção  
se   baseia   na   “Proposta   Triangular",   que   compreende   o   ensino   da   arte   articulando   três  
                                                                                                                       
18
 SILVA, Everson Melquiades Araújo; ARAÚJO, Clarissa Martins de. Tendências e Concepções
do Ensino de Arte na Educação Escolar Brasileira: Um Estudo a Partir da Trajetória Histórica e
Sócio-Epistemológica da Arte/Educação
. UFPE. Disponível em
http://www.anped.org.br/reunioes/30ra/grupo_estudos/ge01-3073--int.pdf. Consultado
em 7 de outubro de 2013.
 
 

vertentes   do   conhecimento   artístico:   o   fazer   artístico,   a   leitura   da   imagem   e   a   História   da  


Arte.   Para   aprofundar   o   entendimento   sobre   o   tema,   recomenda-­‐se   o   estudo   da   obra   da  
professora   Ana   Mae,   especialmente   nos   livros:   Inquietações   e   Mudanças   no   Ensino   da   Arte  
(2002,  Cortez)  e  A  Imagem  no  Ensino  da  Arte  (1991,  Perspectiva).  

Também   se   recomenda   a   visita   ao   portal   do   Instituto   Arte   na   Escola19  


(www.artenaescola.org),   uma   instituição   sem   fins   lucrativos,   cujo   portal   reúne   Midiateca,  
Relatos  de  Experiência,  Publicações,  entre  outros,  com  o  objetivo  de  incentivar  e  qualificar  o  
ensino  de  arte  na  Educação  Básica.  

A  Educação  como  dispositivo  da  Arte  

Outra   interface   possível   entre   Arte   e   Educação,   já   distante   das   questões   escolares,   é   a  
prática   artística   que   incorpora   dispositivos   pedagógicos   em   seu   processo   criativo.   Essa  
relação  íntima  entre  a  arte  e  a  educação  se  dá  por  diversas  dinâmicas  e  vem  sido  bastante  
explorada   por   artistas   contemporâneos,   por   meio   de   projetos   multidisciplinares,   coletivos,  
intervenções  e  pesquisa.  

O   artista   visual,   educador   e   pesquisador   mexicano   Pablo   Helguera,   que   atualmente   vive   e  
trabalha  em  Nova  Iorque,  é  uma  referência  nessa  área.  Cunhou  o  termo  Transpedagogia:  

Em   contraste   com   a   disciplina   da   educação   artística,   que,  


tradicionalmente,  está  focada  na  interpretação  da  arte  ou  em  ensinar  
habilidades  para  criar  arte,  na  Transpedagogia,  o  processo  pedagógico  
é  o  núcleo  do  trabalho  de  arte.  Esse  trabalho  cria  seu  próprio  ambiente  
autônomo;   na   maioria   das   vezes,   fora   de   qualquer   estrutura  
acadêmica  ou  institucional.20  

                                                                                                                       
19
  O Instituto Arte na Escola é uma associação civil sem fins lucrativos que, desde 1989,
incentiva e qualifica o ensino da arte, por meio da formação continuada de professores da
Educação Básica. Tem como premissa que a Arte, enquanto objeto do saber, desenvolve nos
alunos habilidades perceptivas, capacidade reflexiva e incentiva a formação de uma
consciência crítica, não se limitando à auto-expressão e à criatividade. (do site da
instituição: http://artenaescola.org.br/institucional/).
20 HELGUERA, Pablo. Transpedagogia. In: Pedagogia no campo expandido / Organização:

Pablo Helguera e Mônica Hoff; tradução de Camila Pasquetti, Camila Schenkel, Carina
Alvarez, Gabriela Petit, Francesco Settineri, Martin Heuser e Nick Rands. Porto Alegre:
Fundação Bienal de Artes Visuais do Mercosul, 2011. p. 11
 
 

     

Helguera  foi  curador  pedagógico  da  8ª  Bienal  do  Mercosul.  Nesse  trabalho,  ele  se  baseou  na  
noção  de  “Pedagogia  no  Campo  Expandido”,  que  se  baseia  em  três  pontos21:  

1. A  realização  criativa  do  ato  de  educar;  

2. O  fato  de  que  a  construção  coletiva  de  um  ambiente  artístico,  com  obras  de  arte  e  
ideias,  é  uma  construção  coletiva  de  conhecimento;  

3. O  fato  de  que  o  conhecimento  sobre  arte  não  termina  no  conhecimento  da  obra  de  
arte,  ele  é  uma  ferramenta  para  compreender  o  mundo.  

Como  outro  exemplo  de  trabalho  do  mesmo  artista,  destaca-­‐se  a  “Escola  Panamericana  do  
Desassossego”,   uma   escola   itinerante,   instalada   em   uma   camionete,   que   cruzou   o  
continente  americano  de  norte  a  sul  –  do  Alaska  à  Terra  do  Fogo  –  realizando  uma  série  de  
atividades   em   busca   de   conexões   entre   as   várias   regiões   da   América.   Em   cada   uma   das   mais  
de   30   paradas,   temas   como   imigração,   globalização   e   o   papel   da   arte   na   sociedade   foram  
discutidos.  No  primeiro  vídeo  de  apresentação  do  projeto,  o  artista  diz:  “Estou  em  busca  de  
um  lugar  que  não  sei  se  é  real  ou  imaginário,  chamado  América”22.  Esse,  que  ficou  conhecido  
como  um  dos  maiores  projetos  de  arte  pública  já  realizados,  tem  claramente  elementos  da  
educação   em   sua   constituição   de   linguagem.   Para   compreender   melhor   a   proposta,  
recomenda-­‐se   a   leitura   desta   entrevista   com   o   artista:  
http://www.forumpermanente.org/revista/edicao-­‐0/entrevistas/pablo-­‐helguera.    

A  Educação  como  mediação  para  a  Arte  

O   fortalecimento   da   ação   educativa   em   instituições   culturais   é   também   uma   manifestação  


concreta  das  potencialidades  de  intersecção  entre  Arte  e  Educação  fora  do  espaço  escolar.    

As  ações  educativas  de  projetos  artísticos  são  concebidas  de  acordo  com  as  especificidade  
de  cada  obra  ou  com  a  curadoria  de  cada  exposição.  O  objetivo  é  criar  condições  para  que  o  
espectador  potencialize  sua  experiência  de  fruição,  e  para  isso  são  formados  profissionais  –  
os   mediadores,   ou   monitores   –   especialmente   treinados   para   conduzir   o   espectador   em   sua  

                                                                                                                       
21
 Idem, p. 12.
22
  Vídeo disponível em http://www.youtube.com/watch?v=zI2nvi9Jd2M. Em inglês. Consultado em 7 de
outubro de 2013.
 
 

experiência,  e  não  mais  sufocá-­‐lo  com  referências  que  direcionam  –  ou  mesmo  diminuem  –  
sua  relação  com  a  obra.  

A   importância   desse   trabalho   vem   sendo   reconhecida,   ocupando   espaço   na   curadoria   de  


grandes  exposições,  a  exemplo  da  Bienal  de  Arte  de  São  Paulo,  que  conta  com  um  educativo  
permanente  desde  2011.  Sua  curadora,  Stela  Barbieri,  que  afirma  que:  

A  arte  e  a  educação  são  áreas  revolucionárias  por  natureza.  Por  meio  


delas,  mudamos  nossa  visão  de  mundo  e  criamos  outras  maneiras  de  
olhar   e   agir.   Ser   artista   e   professor   exige   um   exercício   constante   de  
criação   e   descoberta   de   novos   caminhos.   O   papel   do   Educativo   em  
uma   instituição   cultural   é   propor   questionamentos   sobre   a   vida   e   a  
arte  contemporânea  através  do  contato  com  a  arte.  As  perguntas,  os  
problemas   e   as   proposições   explicitados   pelos   artistas   nos   trazem  
atravessamentos,  nos  suscitam  ações  que  alimentam  nossa  maneira  de  
inventar   a   educação   através   da   arte.  Todas   as   ações   do   Programa  
Educativo   da   Bienal   de   São   Paulo   são   voltadas   à   relação   dos   públicos  
com   a   arte.    As   visitas   orientadas   às   exposições,   os   encontros   com  
professores   das   redes   públicas   e   privadas,   com   educadores   de   ONGs,  
os  ateliês,  os  cursos  presenciais  e  a  distância,  as  palestras  e  seminários,  
assim   como   as   ações   poéticas   e   intervenções   nas   cidades   são  
disparadores  de  processos  que  se  conectam  com  as  práticas  cotidianas  
de  cada  um.23  

Como   exemplo   fora   do   mundo   das   artes   visuais,   pode-­‐se   citar   ações   de   grupos   teatrais,  
como  a  Cia  Teatro  Balagan,  de  São  Paulo,  que  tem  uma  ação  pedagógica  específica  chamada  
“Educação  do  Olhar  para  o  Teatro”.  Do  site  da  Companhia:  

O  projeto  constituiu-­‐se  de  encontros  –  orientados  por  artistas  da  Cia.  


ou   por   artistas   convidados   –   que   reuniam   diversos   grupos   de  
espectadores,   a   fim   de   estimular   outras   perspectivas   do   olhar   para   a  
cena;   buscava-­‐se   um   reencontro   do   caráter   sensível   da   apreciação,   a  
ampliação   das   possibilidades   de   leitura   dos   elementos   que   constituem  

                                                                                                                       
23
 Stela Barbieri em http://www.bienal.org.br/pagina.php?i=80. Consultado em 7 de outubro de 2013.
 
 

a   linguagem   cênica   e,   assim,   buscava-­‐se   potencializar   a   cena   como   um  


lugar  de  experiência  entre  artista  e  espectadores.24  

No   endereço   http://www.ciateatrobalagan.com.br/acoes/formacao-­‐do-­‐olhar/#   podem   ser  


baixados  os  Cadernos  Pedagógicos  que  detalham  essa  experiência.  

A  Arte  e  a  Educação  não-­‐formal  

É   nesta   interface   que   está   a   maior   profusão   de   projetos,   metodologias   e   experiências  


relacionadas  a  Arte  e  Educação  conhecidas  dos  gestores  culturais.  O  Brasil  é  conhecido  pela  
criatividade  com  que  propõe  práticas  e  metodologias  para  o  ensino  de  arte  fora  da  escola,  
por   meio   da   profusão   de   projetos   ligados   a   comunidades   e   à   expressão   da   diversidade  
cultural  brasileira,  com  seus  métodos  próprios  de  ensino  e  aprendizagem25.    

São  mestres  populares  que  educam  por  meio  da  prática  de  suas  tradições.  São  artistas  que  
fundam   um   trabalho   educativo   profundamente   associado   a   seu   exercício   criativo.   São  
educadores   que   elegem   uma   linguagem   artística   para   trabalhar   valores   e   conteúdos.   Podem  
ser  ações  voltadas  a  crianças,  jovens,  adultos,  idosos.  De  caráter  erudito  ou  popular.    

Esse  tipo  de  projeto,  por  não  ter  que  obedecer  às  regras  da  educação  formal  e,  muitas  vezes,  
não  estarem  associados  a  nenhum  caráter  institucional,  têm  grande  potencial  de  liberdade  
em   relação   às   possíveis   articulações   de   elementos   das   artes,   da   cultura   e   da   educação.  
Muitas  experiências  são  ricas  e  surpreendentes  nesse  sentido.    

Muitas  vezes,  porém,  as  ações  acabam  reduzidas  à  lógica  de  oficinas  culturais  e  artísticas,  na  
maior   parte   de   iniciação,   com   pouco   potencial   de   continuidade   ou   aprofundamento,   de  
relação  com  a  comunidade  ou  com  outros  projetos.  

 
 
                                                                                                                       
24
  Cia Teatro Balagan: http://www.ciateatrobalagan.com.br/acoes/formacao-do-olhar/#. Consultado
em 7 de outubro de 2013.
25
 A esse respeito, recomenda-se pesquisa sobre a 2ª Edição do Prêmio Cultura Viva, cujo tema foi
Cultura, Educação e Comunidade. Este site tem textos sobre o processo e informações sobre as
iniciativas premiadas: http://www.premioculturaviva.org.br/2edicao.php.
 
 

   
 
 

 
Breve  conclusão  

Essa  disciplina  teve  o  objetivo  de  fazer  um  voo  panorâmico  sobre  conceitos  fundamentais  e  
operações  possíveis  para  projetos  de  arte,  cultura  e  educação.  Partindo  de  uma  abordagem  
filosófica,   para   harmonizar   as   concepções   sobre   Cultura   e   Educação,   foram   trazidos   alguns  
tópicos   relacionados   à   educação   formal   e   políticas   educacionais,   pois   raramente   os   gestores  
culturais   são   levados   a   esse   tipo   de   reflexão.   Posteriormente,   apresentaram-­‐se   algumas  
possibilidades  de  articulação  entre  os  campos  das  Artes,  da  Cultura  e  da  Educação,  de  modo  
a  provocar  uma  reflexão  sobre  as  potencialidades  metodológicas  e  a  enorme  disponibilidade  
de  fontes  de  pesquisa.    

A   partir   da   ampliação   do   repertório   e   do   profundo   conhecimento   das   realidades   locais,   é  


possível   o   desenho   cada   vez   mais   detalhado   e   rigoroso   de   ações   culturais   e   artísticas   de  
cunho  educativo,  ou  qualquer  outra  composição  que  se  deseje  realizar.  

   
 
 

Bibliografia  

ALMEIDA,  Fernando  José;  SILVA,  Maria  da  Graça  Moreira  da;  FRANCO,  Monica  M.  Gardelli.  
Materiais   Mediadores   e   Abertos   para   a   Construção   do   Conhecimento.   Revista   Currículo  
sem   Fronteiras,   v.   12,   n.   3,   p.   97-­‐124,   Set/Dez   2012.   Disponível   em:  
http://www.curriculosemfronteiras.org/vol12iss3articles/almeida-­‐silva-­‐franco.pdf.  
Consultado  em  6  de  outubro  de  2013.  

ARANHA,   Carmem   S.   G.;   CANTON,   Catia   (Coords.).   Espaços   de   Mediação.   São   Paulo:  
PGEHA/Museu  de  Arte  Contemporânea  da  Universidade  de  São  Paulo,  2011.  

BARBOSA,  Ana  Mae  (Org.).  Inquietações  e  mudanças  no  ensino  da  arte.  São  Paulo:  Cortez,  
2002.  

BARBOSA,  Ana  Mae.  Arte-­‐Educação  no  Brasil.  São  Paulo:  Perspectiva,  2002.  

__________.  A  imagem  no  ensino  da  arte.  São  Paulo:  Perspectiva,  1991.  

BRASIL.   Constituição   da   República   Federativa   do   Brasil.   1988.  


http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.   Consultado   em   6   de  
outubro  de  2013.  

BRASIL.   Diretrizes   Curriculares   Nacionais   para   a   Educação   Básica.   Ministério   da   Educação,  


2013.  
http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=0CDAQFjA
A&url=http%3A%2F%2Fportal.mec.gov.br%2Findex.php%3Foption%3Dcom_docman%26tas
k%3Ddoc_download%26gid%3D13448%26Itemid%3D&ei=biRTUsv8DI2A9QSgyIDgBg&usg=A
FQjCNG8wYoRBffnmcsdc1BzPhx9Ds2xZg&sig2=qhVRZ9q1AN28IIDm1_M5Yw&bvm=bv.5353
7100,d.eWU.  Consultado  em  7  de  outubro  de  2013.  

BRASIL.   Ministério   da   Educação   (MEC).   Secretaria   de   Educação   Básica   (SEB).   Elementos  


Conceituais   e   Metodológicos   para   Definição   dos   Direitos   de   Aprendizagem   e  
Desenvolvimento   do   Ciclo   de   Alfabetização   (1º,   2º   e   3º   anos)   do   Ensino   Fundamental.  
Brasília,  2012.    

CENTRO   DE   ESTUDOS   E   PESQUISAS   EM   EDUCAÇAO,   CULTURA   E   AÇAO   COMUNITARIA.  


Cadernos  Cenpec  –  Educação  e  Cultura,  n.  7.  São  Paulo:  Cenpec,  2006.  

CRUZ,   Priscila;   MONTEIRO,   Luciano.   Anuário   Brasileiro   da   Educação   Básica   2013.   São   Paulo:  
Todos   Pela   Educação   e   Editora   Moderna,   2013.   Disponível   em:  
 
 

http://www.moderna.com.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=8A8A8A833F33698B
013F346E30DA7B17.  Consultado  em  6  de  outubro  de  2013.  

DELORS,  Jaques  et.  al.  Educação,  um  tesouro  a  descobrir.  Brasília:  Unesco,  2010.  

HELGUERA,   Pablo;   HOFF,   Mônica.   (Org.)   Pedagogia   no   campo   expandido.   Porto   Alegre:  
Fundação  Bienal  de  Artes  Visuais  do  Mercosul,  2011.    

OLIVEIRA,  Lúcia  Lippi.  Cultura  é  Patrimônio.  Rio  de  Janeiro:  Editora  FGV,  2008.  

SILVA,  Everson  Melquiades  Araújo;  ARAÚJO,  Clarissa  Martins  de.  Tendências  e  Concepções  
do   Ensino   de   Arte   na   Educação   Escolar   Brasileira:   Um   Estudo   a   Partir   da   Trajetória  
Histórica   e   Sócio-­‐Epistemológica   da   Arte/Educação  .   UFPE.   Disponível   em  
http://www.anped.org.br/reunioes/30ra/grupo_estudos/ge01-­‐3073-­‐-­‐int.pdf.  Consultado  em  
7  de  outubro  de  2013.  

SIMSON,   Olga   R.   de   M.   von;     PARK,   Margareth   B.;   FERNANDES,   Renata   S.   Educação   não-­‐
formal:   um   conceito   em   movimento.   IN:   Visões   singulares,   conversas   plurais.   Itaú   Cultural   e  
Ministério   da   Cultura.   São   Paulo,   2007.   Disponível   em  
http://www.premioculturaviva.org.br/download/Livro2ed_miolo.pdf.   Consultado   em   7   de  
outubro  de  2013.  

VEIGA-­‐NETO,   Alfredo.   Cultura,   culturas   e   educação.   Revista   Brasileira   de   Educação,   nº   23,  


Maio/Jun/Jul/Ago  2003.