Você está na página 1de 5

Resumo Velho do Restelo

O canto anterior terminou com o Velho do Restelo a amaldiçoar a expansão para o Oriente, o que
desde logo sugere ao leitor que a viagem não será fácil.
Ora, terminada a narração da História de Portugal, Vasco da Gama vai contar ao rei de Melinde
como decorreu a sua viagem de Lisboa até ali.
Mais uma vez, realidade e fantasia se misturam, pois a par da indicação do percurso geográfico
efetuado aparecem episódios fantásticos.
Nesta etapa da viagem, os navegadores enfrentam inúmeros perigos que reforçam a ousadia dos
Portugueses.
Os fenómenos atmosféricos como o Fogo de Santelmo e a Tromba Marítima geraram nos navegadores
um grande receio, mas que estes conseguiram superar.
Surge-nos, mais adiante, um episódio cómico. Fernão Veloso, um marinheiro fanfarrão resolve arriscar-
se em terra, mas logo se arrepende e volta para o barco perseguido pelos africanos.
Um ponto crítico desta etapa da viagem era, sem dúvida, a passagem do Cabo das Tormentas, famoso
pelos inúmeros naufrágios aí ocorridos. O episódio do Gigante Adamastor representa de um modo
simbólico a desproporção de forças: por um lado, a fragilidade das naus e dos homens a bordo, por
outro, a fúria do mar, magnificamente personificada por este gigante aterrador.
Mas, os problemas dos Portugueses não terminariam aqui, ultrapassadas as dificuldades de navegação,
surge uma doença mortal: o Escorbuto, provocado pela falta de ingestão de alimentos frescos.
Por fim, Vasco da Gama termina a sua longa narração iniciada no canto III.
Gigante Adamastor (C. V, 37-60)

As naus portuguesas navegavam há cinco dias, estando junto do Cabo das Tormentas (futuro Cabo da Boa
Esperança) quando subitamente aparece, perante o espanto dos marinheiros uma nuvem escura e
imensa, que escondia o céu; o mar bramia e agitava-se, pressagiando uma ameaça terrível.
Desenha-se a imensa figura do Adamastor, gigante de aspeto horrendo e irado. O Poeta compara-o ao colosso
de Rodes, não se poupando a adjetivos para a sua descrição. O monstro interpela os marinheiros
aterrorizados, reduzidos pela sua presença avassaladora à dimensão de seres frágeis e indefesos.
Censura-lhes a ambição, a constante procura do novo, a ousadia de invadirem domínios que jamais tinham
sido atravessados.
Vasco da Gama enfrentando o próprio medo, ergue-se e frente àquela grandíssima estatura (59.5), ousa
perguntar: Quem és tu? (49.3).O poeta mostra, com estes efeitos cenográficos e intensamente dramáticos, a
sua conceção de valentia: herói não é aquele que não teme, mas o que supera o temor.
O gigante, irritado, profetiza a sua terrível vingança para os portugueses que ousarem por ali passar
no futuro. Os segredos do mar nunca tinham sido a nenhum grande humano concedidos (42.3), e nem a
coragem reconhecida do povo luso poderá alterar essa lei. Vasco da Gama fica a saber quais serão os destinos
fatais de Pedro Álvares Cabral, Bartolomeu Dias, D. Fernando de Almeida e Manuel de Sousa Sepúlveda,
com sua mulher e filhos, que irão morrer naquele local, a que D. João II dá o nome de Cabo da Boa Esperança.
Mas, diante da pergunta de Vasco da Gama, o Gigante muda o seu discurso. Explica que ele é o próprio
Cabo Tormentoso, castigo que os deuses lhe deram pela sua paixão por Tétis, que o despreza. A cólera
das suas primeiras palavras termina em lágrimas de dor. A nuvem negra desfaz-se, depois desta
confidência.
O Adamastor condensa em si todos os medos que suscitava o Mar Tenebroso, com o imaginário domínio
de forças sobrenaturais e maléficas. Mais um obstáculo vencido, à custa da coragem e inteligência de alguns
Portugueses.

Adamastor

O Adamastor de Os Lusíadas, poema épico de Camões, recupera a figura mitológica de um dos titãs que
se revoltaram contra Zeus e foram, por este, castigados e transformados em rochedos, ilhas e
promontórios. Inicialmente, o seu aspeto é o de uma figura descomunal, estranha e medonha. A aparência
horrenda do gigante é sugerida ainda antes de ele surgir, quando, nas estrofes 37 e 38 do canto V, se forma
uma «temerosa nuvem negra», acompanhada dos bramidos do mar irado. Este aspeto negro e carregado do
céu e do mar funciona como uma espécie de presságio, anunciando qualquer coisa de temível, que vem
a corporizar-se no Adamastor.

A sua imagem traduz as dificuldades sentidas pelos navegadores na passagem do oceano Atlântico para o
oceano Índico, ao dobrarem o cabo das Tormentas, mais tarde da Boa Esperança. É mais um processo de
enaltecimento, ao encarnar a vingança dos elementos naturais face à audácia dos navegadores
portugueses, que se atreviam a penetrar em espaços até então inacessíveis ao homem.

Na primeira parte do seu discurso, o Adamastor apresenta-se como senhor do mar desconhecido,
ameaçando os portugueses, que queriam devassar os seus domínios secretos, e profetizando para eles
duros castigos futuros. Na segunda parte do seu discurso, o Adamastor, identificando-se com o cabo
Tormentório e elogiando-se por ter conseguido o domínio dos mares, logo se abre em confidências,
revelando os acontecimentos que o levaram até àquele estado. A sua paixão por Tétis mereceu o castigo
dos deuses, que converteram o seu gigantesco corpo no cabo das Tormentas.
O Adamastor surge, no poema de Camões, como uma criação maravilhosa, a corporizar e simbolizar a quase
intransponível força do mar. O gigante é, pois, o símbolo das forças cósmicas que continuamente limitam
o homem. A vitória sobre o obstáculo que este gigante constitui significa o completo domínio dos mares
pelos portugueses.

Sugestão de Esquematização do Episódio

est. 37 e 38
"Porém já cinco sois eram passados" localização das naus
est. 39 e 40
Caracterização da figura do Adamastor
est. 41 a 48
Discurso do Adamastor:
 referência à ousadia dos portugueses;
 profecias do gigante sobre o futuro dos Portugueses

est. 49
Interrupção do discurso por Vasco da Gama "Quem és tu?"
est. 50 a 59
 O Gigante explica a sua génese;
 Referência ao drama amoroso do Gigante;
 Metamorfose do Adamastor.

est. 60
Desaparecimento do Gigante
Pedido do Gama a Deus para que as profecias do Gigante não se realizassem.

Quer Luís de Camões, quer Fernando Pessoa, dois dos maiores poetas portugueses, realçam nas suas
obras Os Lusíadas e Mensagem, respetivamente, a importância dos
Descobrimentos portugueses para Portugal e para o mundo, dando especial destaque para o dobrar do
Cabo das Tormentas, a partir daí conhecido como o Cabo da Boa Esperança, pelas perspetivas de novas
terras que a partir de então se poderiam conhecer.
A oposição da Natureza aos intentos dos Portugueses é metaforicamente representada tanto por Luís de
Camões, através do Adamastor, como por Fernando Pessoa, que recorre ao mostrengo para retratar esses
medos.
O Adamastor é um episódio de Os Lusíadas situado no Canto V, no momento em que Vasco da Gama
narra a sua viagem de Lisboa até ao Canal de Moçambique ao Rei de Melinde. "O Mostrengo" é um
poema que se situa na segunda parte de Mensagem, " Mar Português", momento em que Fernando
Pessoa retrata os Descobrimentos portugueses, realçando a ânsia pela conquista do desconhecido e o
esforço heroico da luta com o mar.

Caracterização do Adamastor / Caracterização do mostrengo


Ambas as figuras são disformes, poderosas e aterrorizadoras.
O Adamastor surge de uma nuvem com uma figura " robusta e válida", como um monstro horrendo de
tamanho descomunal, " De disforme e grandíssima estatura "; rosto severo e barba suja, desalinhada;
olhos "encovados" e negros; cabelos " cheios de terra e crespos"; " boca negra" e " dentes amarelos".
Apresenta uma " cor terrena e pálida", tem uma " postura medonha e má" e a sua voz é horrenda e
grossa, " pesada " e amarga.
Por sua vez, o mostrengo é caracterizado com uma figura que voa e chia, " imundo e grosso", que habita
em cavernas, metáfora dos perigos do mar. Apresenta, assim, semelhanças com um morcego
monstruoso.
Discurso do Adamastor/ Discurso do mostrengo
O Adamastor inicia o seu discurso com um tom assustador, como se pode notar, por exemplo, em: " E
da primeira armada, que passagem/ Fizer por estas ondas insofridas,/ Eu farei de improviso tal castigo,/
Que seja mor o dano que o perigo!" ( est. 43, vv.5-8)
De igual modo, no discurso do mostrengo nota-se uma certa agressividade e um tom de ameaça, como
é evidente nalgumas expressões, tais como: "Quem vem poder o que só eu posso,/ Que moro onde nunca
ninguém me visse / E escorro os medos do mar sem fundo?»( vv.14-16)
Todavia, deixa transparecer uma certa admiração e espanto, tal como o Adamastor, por este povo
aventureiro que ousou o que jamais algum ser humano o fizera: " Ó gente ousada, mais que quantas/
No mundo cometeram grandes cousas,/ (...) Pois os vedados términos quebrantas/ E navegar meus
longos mares ousas" (est. 42, vv.1-6)
É de notar igualmente a presença de funestas profecias por parte do Adamastor e que contribuem para
intensificar o momento de terror que está a ser vivido pelos argonautas portugueses:" Antes, em
vossas naus vereis, cada ano,/ (...)/ Naufrágios, perdições de toda a sorte, / Que o menor mal de todos
seja a morte!" ( est.44, vv. 5-8 )
Contudo, no final deste episódio, o Adamastor deixa de lado a figura assustadora e medonha para
dar lugar a um ser sofredor e castigado, mostrando assim uma faceta muito humana. Se por um
lado representa uma figura causadora de sofrimento, por outro assume-se como um ser vítima de um
fracasso amoroso: "Da mágoa e da desonra ali passada,/ A buscar outro mundo, onde não visse/ Quem de
meu pranto e de meu mal se risse." (est.57,vv.6-8) e " Comecei a sentir do fado immigo,/ Por meus
atrevimentos, o castigo." (est.58, vv.7-8)
Pelo contrário, o mostrengo não é autor de profecias e mantém a sua postura horrenda do princípio ao
fim, tendo sido vencido pela coragem e determinação dos Portugueses.

Reação de Vasco da Gama e seus homens / Reação do homem do leme

A aparição do gigante mitológico, a que Luís de Camões chamou


Adamastor e Fernando Pessoa o mostrengo, suscitou reações
semelhantes.
Vasco da Gama e os seus homens começam por sentir receio
perante a visão horrenda do Adamastor: " Arrepiam-se as carnes
e o cabelo / A mi e a todos, só de ouvi-lo e vê-lo "( est.40, vv.7-8).
No entanto, esse sentimento é depois substituído por uma certa
admiração : " Lhe disse eu : " Quem és tu ? Que esse estupendo /
Corpo, certo, me tem maravilhado !" " ( est. 49, vv. 3-4 ).
De igual modo, no poema de Fernando Pessoa, o homem do leme
revela sentimentos de temor e receio: "E o homem do leme tremeu e disse" ( v. 17 ). Mas após as
primeiras hesitações do homem do leme que sente vontade de fugir, de largar o leme, este acaba por
reunir toda a sua determinação e permanecer no seu posto : "Três vezes do leme as mãos ergueu, /
Três vezes ao leme as reprendeu " ( vv.19-20 ) . Ele sente que essa não é apenas a sua vontade, mas a
do povo português por ordem de D. João II : " Aqui ao leme sou mais do que eu : / Sou um Povo que
quer o mar que é teu ; / E mais que o Mostrengo, que me a alma teme / E roda nas trevas do fim do
mundo, / Manda a vontade, que me ata ao leme, / De El-Rei D. João Segundo " ( vv. 22 a 27 ).
O temor causado por esta figura não demoveu nem o homem do leme nem Vasco da Gama dos
seus propósitos, terminando o episódio d’Os Lusíadas com um apelo de Vasco da Gama, pois mais
horrendo que o aspeto do Adamastor eram as suas profecias para o futuro, tanto que pediu a Deus que
lhes evitasse semelhante sofrimento.

Simbologia do Adamastor e do mostrengo

O Adamastor e o mostrengo, embora associados à representação do denominado Cabo das Tormentas,


são personificações do medo e do receio que os navegadores revelavam ao enfrentar o desconhecido e o
nunca antes navegado. Simbolizam também as histórias fantásticas relacionadas com seres monstruosos
que habitavam os mares e que destruíam todos aqueles que tivessem a ousadia de entrar nos seus
domínios, histórias essas em que os navegadores da época acreditavam.
O monstro representa ainda o guardião, que se encontra a impedir o acesso ao "tesouro", obrigando
assim o homem a praticar um ato heroico e a vencer o medo. Primeiro, Bartolomeu Dias e seus homens,
no reinado de D. João II, superaram os seus receios e provaram ser possível navegar para além do Cabo
das Tormentas, a partir daí conhecido como cabo da Boa Esperança, e Fernando Pessoa imortalizou-lhes
o mérito em " O Mostrengo". Depois, Vasco da Gama e seus homens, no reinado de D. Manuel I,
descobriram o caminho marítimo para a Índia, chegaram até ao "tesouro", e Luís de Camões
imortalizou-os na sua obra épica.