Você está na página 1de 4

Guide de traduction I > GUIA DE TRADUÇÃO I

> On doit tout fragmenter! Devemos fragmentar tudo.

Sujet + verbe + complément

Sujet > Quoi nous avons ici dedans cette partie ?

O que temos dentro do segmento do sujeito? Há um termo nominal e ele vem determinado,
indicado ou qualificado, ou seja, há artigos, pronomes e adjetivos que um substantivo. É
importante ter atenção aos membros desse segmento. Pense sempre num bloco, num tijolo
que carrega dentro de si tijolos menores, mas que na produção de sentido é tomado em
estrutura como um. Para traduzir bem é necessária atenção à relação entre as palavras em
cada segmento (tijolo) sintático e antes de qualquer coisa, valendo-se da linearidade regular
das frases em francês (sujeito, verbo e complemento na afirmação) é bem positivo perceber o
sujeito como o que geralmente antecede um verbo. Assim sendo, a identificação de um dos
segmentos, esses tijolos, acaba por levar à identificação dos demais, mas o mais interessante é
que se guarde um tanto de atenção ao que é essência de cada segmento. Um artigo não
compõe o segmento do verbo, mas um artigo pode certamente acompanhar e se relacionar na
frase (atenção à concordância) com um substantivo, assim, possivelmente há artigos não só no
primeiro tijolinho, mas no que sucede ao verbo também.

Como identificar cada classe gramatical se houve pouco contato com língua? Aplicando
padrões de organização frasal geral das línguas que são um tanto lógicos, mas ficam mais
claros após se ter atenção aos padrões de uma frase simples.

Les chats mangent du sucre.

Le – la - Les > a semelhança de grafia leva a uma associação na forma, pense em plantas,
existem várias, mas entre elas, existem aquelas que se assemelham entre si, o que leva a quem
as analisa a agrupá-las num mesmo grupo. Este grupo não vai se assemelhar só pela forma,
normalmente a semelhança em forma está ligada também a uma paridade de sentido e função
na frase. Le, la, les > os três semelhantes em escrita > os três são artigos definidos.

Un, une, des > artigos indefinidos. Outra família > Ex.: Une vie sans examen est sans valeurs >
atenção ao paralelismo em francês, é uma língua de bases sintáticas firmes.

No exemplo Les chats mangent du sucre, haveria uma dificuldade para quem acaba de
começar a estudar em fragmentar a frase por não conhecer tantas palavras já, mas lembremos
que o geral na afirmação é sujeito, verbo e complemento e já sabemos que les é um artigo,
então chats é substantivo, isso já nos encaminha a um entendimento da frase em estrutura,
mas ainda ficaria a dúvida de como identificar um verbo e separá-lo de seu complemento. Pois
bem, é de novo fazendo atenção a termos como os artigos que não cumprem uma função de
vincular algo real, eles não se relacionam a um objeto ou ser do mundo, por isso, eles são
menos variados e são uma boa entrada na língua. São termos fixos que temos que entender
pra que sejam nosso solo firme na tradução. Outro exemplo de termo que chamamos de
gramaticalizado, porque ele vem num momento posterior da língua, depois do nomear das
coisas, é o du que é uma contração da preposição de com le, artigo masculino, resultando
numa noção chamada de partitivo. O partitivo é uma forma de se referir à quantidade sem
determiná-la. O entendimento dessa parte vem como uma abstração da ideia de preposição
mesmo, mas já saber que o composto du vai anteceder substantivo nos ajuda demais.

Sabendo dos termos menos variados na frase, esses que não importam senão pra reforçar uma
ideia sobre substantivos e termos essenciais e não para se referir à realidade ou para uma
ação, como os artigos, as preposições, os advérbios e os pronomes, é possível entender o
esquema de frases mais e mais complexas e a necessidade de consulta a um dicionário vai se
restringir à identificação dos termos essenciais.

Les chats mangent du sucre > numa tradução literal, diríamos : os gatos comem do açúcar,
porém na nossa língua pensamos a indeterminação de quantidade de outras formas e
normalmente nós nos valemos não de um partitivo, mas de termos indefinidos como um
tanto, pouco de, sendo o partitivo uma estrutura pouco regular na nossa língua, apesar de ser
possível.

Verbe – Complément > On doit toujours faire attention aux liaisons entre le verbe et le
complément. Como os verbos estão ligados aos complementos ? C’est une question de forme
et aussi de sens > A atenção à ligação entre verbos e complementos traz bastante de precisão
para uma tradução. Depois de sabida a natureza do verbo, é positivo pensar em qual a
preposição usada após o verbo, não para um estudo da língua francesa profundo e de última
hora, mas para passarmos tal verbo em ideia para uma regência adequada em nossa língua.
Assim como os partitivos, a transitividade e a regência de alguns verbos em francês têm
nuances diferentes, mas as raízes dos verbos e os verbos transparentes são muitos e isso ajuda
demais no pensar de estruturas comutáveis.

On doit faire attention aussi aux mots isolés > Importante termos atenção às palavras isoladas,
sejam conectivos, marcadores discursivos (essa classe se refere um tanto à oralidade e à
retórica) ou advérbios separados por vírgulas. Essas palavras são invariáveis em forma, é
positivo entender a formação de cada uma e guarda-la consigo. O estudo como aqui referido
parece coisa que vai tomar tempo ou muito estudo, mas pelo contrário um método que
analisa a língua de forma mais profunda acaba por tomar tempo inicialmente e o progresso
posterior vai ser somente ascendente mesmo. Quelle fonction chacun a ? Qual a função de
cada um? Com atenção a cada palavra, é possível de novo agrupá-las em grupos, tanto pela
posição que ocupam numa frase (exemplo: advérbios ao início com vírgula, de tempo após o
auxiliar ou ao fim da frase) quanto pela sua forma novamente (a grafia igual nos fala de função
e sentido semelhantes numa frase – sentido se pensando no sentido sobre a outra frase.
Muito interessante pensar que talvez uma preposição não tenha um sentido próprio a não ser
quando ligada a um termo!). On doit analyser un mot par fois mais en pensant à sa place dans
une structure, parce qu’il y a des mots qui seront toujours dans la même place dans une
phrase et il y a toujours une relation entre les mots, même quand ils sont isolés ! Devemos
analisar uma palavra de cada vez porém sempre a relacionando à estrutura e com as palavras
que as cercam, porque sempre há relação entre as palavras, mesmo quando são ditas isoladas
e a relação se dá num eixo mais sutil e isso já nos encaminha a pontes entre frases, criando
relações de sentido não mais numa frase, mas entre elas.
Qu’est-ce que c’est fixe dans toutes phrases ? O que é fixo em todas as frases ? Les parties
bien liés à la grammaire, celles qui ne sont pas lies aux choses ou à la realité >

REFORÇO > SÃO FIXAS AS PARTES DA FRASE QUE NÃO FALAM DE VERBOS OU SUBSTANTIVOS E
NÃO SE FALA EM FIXO PELA POSIÇÃO, MAS PELA FORMA DA PALAVRA, ELA COM UMA GRAFIA
VAI SE RELACIONAR COM MUITAS PALAVRAS, DIFERENTE DO QUE OCORRE QUE
SUBSTANTIVOS E VERBOS, QUE EXISTEM AOS MONTES E PODEM CAMBIAR DE PARCEIRO
NUMA PALAVRA EM RAZÃO DE UM CERTO PODER QUE TÊM NUMA FRASE. PARA UMA BOA
TRADUÇÃO A ATENÇÃO DEVE SER DADA EM ESPECIAL AO QUE NOS DÃO SUBSTANTIVOS E
VERBOS, os termos acessórios são na verdade um facilitador e o tempo com o dicionário deve
ser gasto mais com esses termos essenciais.

Palavras > como analisar palavras em francês quando realmente as desconhecemos então?
Depois de percebermos numa frase o que não vincula ser ou ação, e se mesmo assim não há
um caminho de entendimento com uma frase? Le début et la fin du mot ont des traits ? Quels
sont-ils ces traits ? O início e o fim das palavras tem traços próprios ? Quais são eles? No
processo de estranhamento de cada palavra, antes de as agruparmos em grupos vamos olhar
para as sílabas e é possível perceber a repetição de algumas em palavras diversas, esses
pequenos trechos das palavras são os prefixos e sufixos. A atenção para alguns nos leva a
facilmente poder distinguir um advérbio de um adjetivo e também de um substantivo.

RESUMO: ATENÇÃO À ESTRUTURA E A SEUS COMPONENTES > SUJEITO > ARTIGO +


SUBSTANTIVO / VERBO / COMPLEMENTO (ARTIGO + SUBSTANTIVO). HÁ PREPOSIÇÃO? QUAIS
SÃO? O QUE ELAS FAZEM NESSE CASO E COMO PASSAR PARA O PORTUGUÊS DE FORMA QUE
HAJA SENTIDO E MANUTENÇÃO DA IDEIA ORIGINAL?

Determinantes na língua > quais são os tipos possíveis e as famílias que pertencem a esse
posto funcional?

Substantivos > quais são suas marcas? Atentar ao que lhes antecede e ao que lhes sucede.

Verbos > os verbos em francês são pensados a partir de uma conjugação distintiva de pessoa;
diferente do inglês e parecido com o português, cada tempo e cada pessoa terá uma marca
própria assinalada pela desinência (parte final e diferente do radical do verbo). Na análise de
verbo, o que nos ajuda? Procurar os padrões de conjugação (o z ao fim dos verbos na segunda
do plural – Vous). Com esses padrões, é possível fazer uma tradução limpa de certas
incorreções. Resumo > Analyser ses origines et les marques de sa composition – quel temps
est rapporté ? > SEMPRE analisar as originas do verbo e suas marcas de composição (radical,
desinência modo-temporal e particularidades de concordância com cada pessoa discursiva).
Qual o tempo referido?

Verbo-complemento > relações > C’est la partie la plus compliquée en français. Des verbes ont
des relations avec les autres mots qui ne sont pas toujours pareilles qu’en portugais. As
relações entre verbo e complemento não são idênticas às do português > cuidado com
nuances significativas para manutenção de sentido.
Identificação de advérbio > l’adverbe vient du adjectif au féminin et après on met « ment » à la
fin. O advérbio vem do adjetivo com a adição de « ment » em português. É importante atenção
ao que dá um advérbio a um verbo.

Les mots entre eux-mêmes ont des necessités limitées par ses fonctions. Chaque
caractéristique trace un chemin différent dans une phrase. Un mouvement particulier est fait
par chaque mot comme si chaque phrase c’est un dessin et nous devons le reproduire avec
mots.

Fim das coisas abstratas e processos a se ter em mente ao se deparar com um texto em
francês.