Você está na página 1de 3

A DBT é o tratamento de referência pro ​transtorno de personalidade borderline​, e é

tida como uma abordagem indicada para ​casos complexos​, tais como pacientes
com múltiplas comorbidades e com grave desregulação emocional.

Desregulação emocional ​-> ​dificuldade ou inabilidade de lidar com as


experiências ou processar as emoções > ​processo que tem como resultado
déficit de repertório, o que faz com que muitos adolescentes se envolvam em
comportamentos destrutivos.
EX:Comportamento de auto-lesão- instalar comportamento alternativo

Aceitação e mudança (Dialética) ​-> ​Aceitar a realidade como ela se demonstra no


momento presente,mas construir repertórios pra modificar esses comportamentos,
por meio do treino de habilidades.

Assim, a intervenção envolve uma busca de equilíbrio entre aceitação e


mudança; ​validar as necessidades emocionais, mas sem deixar de
trabalhar a mudança e a resolução de problemas.

Para a DBT, os problemas enfrentados por indivíduos com desregulação emocional


são oriundos do que Linehan chamou de ​ambientes invalidantes
EX: por ex; criança que chora e que bateu a testa e está sangrando e a mãe diz que
não foi nada.

uma das características fundamentais da DBT é o uso das práticas


zen/​contemplativas. EX: ​prática de ​mindfulness (atenção plena) -> uma
consciência clara do que exatamente está aconte​cendo no momento.

-Análise funcional > análise em cadeia ​(Identificar o que desencadeou a crise)

Metais gerais:

* ajudar o paciente a desenvolver uma tolerância maior ao estresse (dificuldade de


equilíbrio entre as demandas e os recursos que a pessoa tem pra lidar)
* tecnicas pra ajudar a regular as emoções
* eficácia interpessoal
* como dizer nao pro outro
* aprender a se relacionar de forma mais efetiva

Muitos pacientes com desregulação emocional apresentam dificuldade em


compreender que as respostas para muitas perguntas podem ser simultaneamente
sim e não: as coisas podem ser boas e ruins ao mesmo tempo​. Desse modo, a
sabedoria, aqui, consiste em não se acomodar com a primeira resposta, mas se
perguntar: “O que mais pode ser, além disso?” ou, ainda, “O que está sendo
deixado de fora nessa interpretação?”. ​É importante entender que existem
muitos tons de cinza entre o preto e o branco.

A desregulação emocional pode se manifestar tanto como


intensi​ficação excessiva quanto como desativação excessiva das
emoções.

O que é regulação emocional em quatro princípios bem específicos.

1)O primeiro desses define-se pela capacidade de ​inibir o comportamento impulsivo ou


inapropriado relacionados a emoções intensas ​(sejam agradáveis ou desagradáveis de
sentir).
Ex: Imaginem aquela situação onde você está andando no meio da universidade e de
repente tropeça e cai na frente de muitas pessoas. Sentimos vergonha e a vontade de sair
correndo da frente de todo mundo. Mas ao invés disso, simplesmente nos levantamos e nos
direcionamos para fazer a prova. Esse exemplo evidencia muito bem essa capacidade de
inibir o comportamento impulsivo ou inapropriado frente a uma ativação emocional.

2)Já o segundo é definido como a ​capacidade de se auto organizar para desenvolver


ações direcionadas para objetivos ao invés daquelas impulsionadas pela ativação
emocional.
Ex: Uma vez que a pessoa teve de ter uma ação direcionada para um objetivo (fazer a
prova) não executando a ação impulsionada pela ativação emocional (sair correndo).

3) O terceiro envolve conseguir ​reduzir a ativação fisiológica quando alguma emoção


intensa for ativada.
Ex:Aqui tentem relembrar a primeira pessoa pela qual vocês se apaixonaram. Tentem
lembrar-se de uma situação em que vocês iam conversar com essa pessoa e parecia que o
coração de vocês ia sair pela boca, pois ele batia tão forte, mas tão forte, que foi necessário
parar, dar uma respirada, tomar coragem e ir lá falar com essa pessoa. Essa breve pausa
para “tomar coragem” significa conseguir reduzir um pouco e brevemente os sintomas
físicos relacionados a essa intensa ativação emocional, para que fosse possível ter a ação
de ir lá e conversar com a pessoa.

4) ​conseguir alternar o foco atencional quando estiver em uma resposta emocional


intensa.
Ex: Ou seja, imaginem uma reunião de amigos na qual um primo de um dos seus amigos
faz uma afirmação claramente xenofóbica o que acaba deixando vocês muito irritados. A
partir disso, vocês começam a tentar desfocar a atenção do que essa pessoa está falando
para tentar se acalmar para não acabar tendo uma atitude agressiva com um primo de um
amigo seu durante uma confraternização.