Você está na página 1de 587

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução

(Versão Preliminar)

Reginaldo J. Santos
Departamento de Matemática-ICEx
Universidade Federal de Minas Gerais
http://www.mat.ufmg.br/~regi

Julho 2011
Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução
Copyright c 2011 by Reginaldo de Jesus Santos (110804)

Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida por qualquer meio sem a prévia autorização, por
escrito, do autor.

Ilustrações:
Reginaldo J. Santos

Ficha Catalográfica

Santos, Reginaldo J.
S237i Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução / Reginaldo J. Santos
- Belo Horizonte: Imprensa Universitária da UFMG, 2011.

1. Equações Diferenciais I. Tı́tulo

CDD: 515.3
Sumário

Prefácio vii

1 Equações Diferenciais Ordinárias 1


1.1 Introdução às Equações Diferenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.1.1 Classificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.1.2 Soluções de Equações Ordinárias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.1.3 Equações Ordinárias de 1a. Ordem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.2 Equações Lineares de 1a. Ordem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.2.1 Equações em que p(t) = 0 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.2.2 Equações Lineares - Caso Geral . . . . . R. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.2.3 Como chegar ao fator integrante µ(t) = e p(t)dt ? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
1.3 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte I . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
1.3.1 Soluções Fundamentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
1.3.2 Fórmula de Euler . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

iii
iv Sumário

Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
1.4 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte II . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
1.4.1 Obtendo-se uma Segunda Solução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
1.4.2 Equações Homogêneas com Coeficientes Constantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
1.5 Equações Não Homogêneas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
1.5.1 Equações Não Homogêneas com Coeficientes Constantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
1.6 Oscilações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
1.6.1 Oscilações Livres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
1.6.2 Oscilações Forçadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
1.6.3 Circuitos Elétricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
1.7 Respostas dos Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106

2 Séries de Fourier 160


2.1 Teorema de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
2.1.1 Séries de Fourier de Funções Pares e Ímpares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
2.1.2 Demonstração do Teorema sobre a Convergência da Série de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191
2.1.3 Limites e Derivação de Séries de Funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
2.1.4 Tabela de Coeficientes de Séries de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
2.2 Séries de Fourier de Senos e de Cossenos de Índices Ímpares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 226
2.3 Oscilações Forçadas com Força Externa Periódica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231
2.3.1 Oscilações Forçadas sem Amortecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231
2.3.2 Oscilações Forçadas com Amortecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 245
2.4 Respostas dos Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 248

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


Sumário v

3 Equação do Calor em uma Barra 273


3.1 Extremidades a Temperaturas Fixas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 274
3.1.1 Condições de Fronteira Homogêneas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 274
3.1.2 Condições de Fronteira Não Homogêneas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 282
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 288
3.2 Barra Isolada nas Extremidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 289
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 298
3.3 Condições de Fronteira Mistas e Equação não Homogênea . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 299
3.3.1 Condições de Fronteira Mistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 299
3.3.2 Equação do Calor não Homogênea . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 306
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 311
3.4 Respostas dos Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 313

4 Equação da Onda Unidimensional 327


4.1 Corda Elástica Presa nas Extremidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 327
4.1.1 Com Velocidade Inicial Nula . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 328
4.1.2 Com Deslocamento Inicial Nulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 342
4.1.3 Caso Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 351
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 357
4.2 Corda Elástica Solta em uma Extremidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 360
4.2.1 Com Velocidade Inicial Nula . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 361
4.2.2 Com Deslocamento Inicial Nulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 371
4.2.3 Caso Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 379
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 383
4.3 Corda Elástica Infinita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 386
4.3.1 Solução Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 386
4.3.2 Problema de Valor Inicial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 387
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 389
4.4 Respostas dos Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 391

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


vi Sumário

5 Equação de Laplace Bidimensional 417


5.1 Equação de Laplace num Retângulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 417
5.1.1 Apenas k(y) não Nula . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 418
5.1.2 Apenas h(y) não Nula . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 425
5.1.3 Caso Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 431
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 434
5.2 Equação de Laplace numa Faixa Semi-infinita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 437
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 445
5.3 Equação de Laplace em Regiões Circulares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 446
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 454
5.4 Respostas dos Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 464

6 Transformada de Fourier 499


6.1 Definição e Propriedades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 499
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 525
6.2 Inversão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 527
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 531
6.3 Convolução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 533
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 539
6.4 Aplicações às Equações Diferenciais Parciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 540
6.4.1 Equação do Calor em uma Barra Infinita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 540
6.4.2 Equação da Onda em uma Dimensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 544
6.4.3 Problema de Dirichlet no Semi-plano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 547
Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 549
6.5 Tabela de Transformadas de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 551
6.6 Relação com a Série de Fourier e a Transformada de Fourier Discreta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 552
6.7 Respostas dos Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 561

Bibliografia 576

Índice Alfabético 577

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


Prefácio

Este é um texto para uma disciplina introdutória sobre Equações Diferenciais Parciais e Transformada de
Fourier para alunos da área de Ciências Exatas. Pode ser considerado um texto alternativo aos livros Boyce-
DiPrima [1] para a parte de Equações Diferenciais Parciais e Valéria Iório[4] para a parte de Transformada
de Fourier, sendo nos dois casos mais objetivo e mais elementar. Entretanto aqui estão apresentadas provas
elementares de resultados como o teorema sobre convergência pontual da série de Fourier, derivação e limites
de séries de funções. O conteúdo corresponde ao programa da disciplina ’Equações Diferenciais B’ que é
ministrado para os alunos da área de ciências exatas na Universidade Federal de Minas Gerais. O texto é
dividido em cinco capı́tulos.
No Capı́tulo 1 são estudadas as séries de Fourier. Terminamos o capı́tulo com uma aplicação às oscilações
forçadas com força periódica. As séries de Fourier são aplicadas na solução de problemas de valor inicial e de
fronteira para equações como a do calor em uma dimensão que é estudada no Capı́tulo 2, a equação da corda
elástica, no Capı́tulo 3 e a equação de Laplace, no Capı́tulo 4. No Capı́tulo 5 estudamos a transformada de
Fourier e suas aplicações às equações diferenciais.
Todos os exercı́cios estão resolvidos no final do capitulo correspondente. Uma coisa que acho importante
é somente ler a solução de um exercı́cio depois de ter tentado verdadeiramente resolvê-lo. É como quando
lhe dão um enigma para decifrar. Se lhe contarem logo a solução você não vai lembrar depois. Quanto mais
tempo você ficar tentando decifrar antes de lhe contarem a solução mais tempo você vai lembrar.

vii
viii Prefácio

Os desenhos e gráficos foram feitos usando o M ATLABr ∗ com o pacote GAAL e o Maxima também com
o pacote GAAL disponı́veis no site do autor (http://www.mat.ufmg.br/~regi). Neste site também estão
disponı́veis páginas interativas para o estudo de oscilações, equações parciais, séries de Fourier e outros.
Gostaria de agradecer aos professores Joana Darc A. S. da Cruz, Grey Hercole e Helder C. Rodrigues pelas
crı́ticas e sugestões apresentadas.

∗ MATLAB é marca registrada de The Mathworks, Inc.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1

Equações Diferenciais Ordinárias

1.1 Introdução às Equações Diferenciais


Uma equação algébrica é uma equação em que as incógnitas são números, enquanto
uma equação diferencial é uma equação em que as incógnitas são funções e a
equação envolve derivadas destas funções. Numa equação diferencial em que a
incógnita é uma função y(t), t é a variável independente e y é a variável dependente.
Vejamos alguns exemplos.

1
2 Equações Diferenciais Ordinárias

−mg sen θ

θ mg cos θ

Figura 1.1 – Pêndulo Simples P = mg

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.1 Introdução às Equações Diferenciais 3

Exemplo 1.1. O movimento de um pêndulo simples de massa m e comprimento l é


descrito pela função θ (t) que satisfaz a equação diferencial

d2 θ g
+ sen θ = 0.
dt2 l
Nesta equação a incógnita é a função θ (t). Assim θ é a variável dependente e t é a
variável independente.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


4 Equações Diferenciais Ordinárias

Fr = −γ v Fext = Focos(ωt)
Fe = − k x

Fr = −γ v Fext = Focos(ωt)

Fr = −γ v Fext = Focos(ωt)

Fe = − k x

Figura 1.2 – Sistema massa-mola 0 x

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.1 Introdução às Equações Diferenciais 5

Exemplo 1.2. Em um sistema massa-mola composto de um corpo de massa m preso


a uma mola com constante elástica k, sujeita a uma força de resistência Fr = −γv =
−γ dx
dt e uma força externa Fext ( t ) = F0 cos( ωt ) o deslocamento da massa x ( t ) satisfaz
a equação diferencial
d2 x dx
m 2 +γ + kx = F0 cos(ωt).
dt dt
Nesta equação a incógnita é a função x (t). Assim x é a variável dependente e t é a
variável independente.

Exemplo 1.3. Numa região do plano em que não há cargas elétricas o potencial
elétrico u( x, y) em cada ponto ( x, y) da região satisfaz a equação diferencial

∂2 u ∂2 u
+ 2 = 0.
∂x2 ∂y

Nesta equação a incógnita é a função u( x, y). Assim u é a variável dependente e x e


y são as variáveis independentes.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


6 Equações Diferenciais Ordinárias

Figura 1.3 – Circuito RC V (t)

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.1 Introdução às Equações Diferenciais 7

Exemplo 1.4. Um circuito RC é um circuito que tem um resistor de resistência R, um


capacitor de capacitância C e um gerador que gera uma diferença de potencial V (t)
ligados em série. A carga Q(t) no capacitor satisfaz a equação diferencial
dQ 1
R + Q = V ( t ).
dt C
Nesta equação a incógnita é a função Q(t). Assim Q é a variável dependente e t é a
variável independente.

1.1.1 Classificação

As equações são classificadas quanto ao tipo, a ordem e a linearidade.

(a) Quanto ao tipo uma equação diferencial pode ser ordinária ou parcial. Ela
é ordinária se as funções incógnitas forem funções de somente uma variável.
Caso contrário ela é parcial. Portanto as derivadas que aparecem na equação
são derivadas totais. Por exemplo, as equações que podem ser escritas na forma
F (t, y, y0 , y00 , ...) = 0,
em que y é função apenas de t, são equações diferenciais ordinárias, como as
equações dos Exemplos 1.1, 1.2 e 1.4. A equação do Exemplo 1.3 é parcial.

(b) Quanto à ordem uma equação diferencial pode ser de 1a. , de 2a. , ..., de n-ésima
ordem dependendo da derivada de maior ordem presente na equação. Uma
equação diferencial ordinária de ordem n é uma equação que pode ser escrita
na forma
F (t, y, y0 , y00 , ..., y(n) ) = 0.
As equações dos Exemplos 1.1, 1.2 e 1.3 são de 2a. ordem e a equação do Exemplo
1.4 é de 1a. ordem.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


8 Equações Diferenciais Ordinárias

(c) Quanto a linearidade uma equação diferencial pode ser linear ou não linear.
Ela é linear se as incógnitas e suas derivadas aparecem de forma linear na
equação, isto é, as incógnitas e suas derivadas aparecem em uma soma em
que cada parcela é um produto de alguma derivada das incógnitas com uma
função que não depende das incógnitas. Por exemplo uma equação diferencial
ordinária linear de ordem n é uma equação que pode ser escrita como

dy d2 y dn y
a0 ( t ) y + a1 ( t ) + a2 ( t ) 2 + . . . + a n ( t ) n = f ( t ).
dt dt dt
As equações diferenciais ordinárias que não podem ser colocadas nessa forma
são não lineares. As equações dos Exemplos 1.2, 1.3 e 1.4 são lineares e a
equação do Exemplo 1.1 é não linear.

1.1.2 Soluções de Equações Ordinárias

Uma solução (particular) de uma equação diferencial ordinária de ordem n em um


intervalo I é uma função y(t) definida no intervalo I tal que as suas derivadas de
ordem até n estão definidas no intervalo I e satisfazem a equação neste intervalo.

Exemplo 1.5. Considere a equação


ay00 + by0 + cy = 0, com a, b, c ∈ R, a 6= 0 tais que b2 − 4ac = 0.
b
Vamos mostrar que y(t) = e− 2a t é solução desta equação para t ∈ R.

b −bt b2 − b t
y0 (t) = − e 2a , y00 (t) = e 2a
2a 4a2

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.1 Introdução às Equações Diferenciais 9

Substituindo-se y(t), y0 (t) e y00 (t) no primeiro membro da equação obtemos

b2 − b t
 
00 0 b −bt b
ay + by + cy = a 2e 2a +b − e 2a + ce− 2a t
4a 2a
 2
b2

b b
= − + c e− 2a t
4a 2a
−b2 + 4ac − b t
= e 2a = 0,
4a
b
pois por hipótese b2 − 4ac = 0. Assim y(t) = e− 2a t é solução da equação.

A solução geral de uma equação diferencial ordinária de ordem n em um inter-


valo I é uma famı́lia de soluções y(t) no intervalo I, dependendo de n constan-
tes arbitrárias, tal que qualquer solução particular pode ser obtida da solução geral
atribuindo-se valores às constantes.

Exemplo 1.6. A equação


dy
= e3t
dt
pode ser resolvida por integração direta obtendo

e3t
Z
y(t) = e3t dt = + c,
3
que é a solução geral da equação diferencial dada válida para −∞ < t < ∞, que é o
maior intervalo em que a solução e sua derivada estão definidas.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


10 Equações Diferenciais Ordinárias

1.5

−2
y

−10 −8
−6
1

−4
2
2

0.5

−2
0

−8
0 0

−10
−6
t

−4
−0.5
−2
−2

−1

−8
−4

−6

−10
Figura 1.4 – Soluções da equação do Exem- −4

plo 1.6 −1.5


−1.5 −1 −0.5 0 0.5 1 1.5

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.1 Introdução às Equações Diferenciais 11

1.1.3 Equações Ordinárias de 1a. Ordem


As equações diferenciais ordinárias de 1a. ordem são equações que podem ser escritas
como
F (t, y, y0 ) = 0.
Vamos estudar equações de primeira ordem que podem ser escritas na forma
dy
= f (t, y) (1.1)
dt

Uma solução (particular) de uma equação diferencial (1.1) em um intervalo I é


uma função y(t) definida no intervalo I tal que a sua derivada y0 (t) está definida no
intervalo I e satisfaz a equação (1.1) neste intervalo.
O problema 
 dy
= f (t, y)
dt (1.2)
y ( t0 ) = y0

é chamado problema de valor inicial (PVI). Uma solução do problema de valor


inicial (1.2) em um intervalo I é uma função y(t) que está definida neste intervalo,
tal que a sua derivada também está definida neste intervalo e satisfaz (1.2).

Exemplo 1.7. Vamos encontrar a solução do PVI



 dy
= e3t
dt
y(1/3) = e/3

A equação
dy
= e3t
dt

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


12 Equações Diferenciais Ordinárias

pode ser resolvida por integração direta obtendo

e3t
Z
y(t) = e3t dt = + c,
3
que é a solução geral da equação diferencial.
Substituindo t = 1/3 e y = e/3 na solução geral encontrada obtendo c = 0. Assim a
solução do PVI é
e3t
y(t) =
3
válida para −∞ < t < ∞, que é o maior intervalo em que a solução e sua derivada
estão definidas.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.1 Introdução às Equações Diferenciais 13

Exercı́cios (respostas na página 106)


1.1. Classifique as equações abaixo quanto ao tipo, a ordem e a linearidade.
(a) yy0 + t = 0 (b) x2 y00 + bxy0 + cy = 0

1.2. Determine qual ou quais das funções y1 ( x ) = x2 , y2 ( x ) = x3 e y3 ( x ) = e− x são soluções da equação

( x + 3)y00 + ( x + 2)y0 − y = 0

1.3. Sejam a, b, c ∈ R. Mostre que


(a) y(t) = ert , com r raiz de ar + b = 0, é solução da equação ay0 + by = 0.
(b) y(t) = ert , com r raiz de ar2 + br + c = 0, é solução da equação ay00 + by0 + cy = 0.
(c) y( x ) = xr , com r raiz de r2 + (b − 1)r + c = 0, é solução da equação x2 y00 + bxy0 + cy = 0.

1.4. Determine os valores de r para os quais a função y(t) é solução da equação.


r r
(a) y(t) = 2 e y0 + ty2 = 0. (c) y(t) = 2 e y0 − 6ty2 = 0.
t −3 t +1
r r
(b) y(t) = 2 e y0 − 2ty2 = 0. (d) y(t) = 2 e y0 − ty2 = 0.
t +1 t +2
1.5. Determine todas as soluções da equação diferencial

ty00 + (t − 1)y0 − y = 0

que são funções de 1o. grau, ou seja, da forma y(t) = at + b, para a e b constantes.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


14 Equações Diferenciais Ordinárias

1.2 Equações Lineares de 1a. Ordem


As equações (diferenciais ordinárias) lineares de 1a. ordem são equações que po-
dem ser escritas como
dy
+ p ( t ) y = q ( t ). (1.3)
dt

1.2.1 Equações em que p(t) = 0


Se a função p(t) = 0 a equação (1.3) torna-se

dy
= q ( t ), (1.4)
dt
que é facilmente resolvida integrando-se os dois lados. Assim a solução geral desta
equação é dada por Z
y(t) = q(t)dt + c.

Exemplo 1.8. A equação


dy
= sen(2t)
dt
pode ser resolvida por integração direta obtendo-se a solução geral

cos(2t)
Z
y(t) = sen(2t) dt = − + c.
2

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.2 Equações Lineares de 1a. Ordem 15

3
3
3 y
3
2
2 2
2
2
1
1 1
1
1
0
0 0
0
t
0
−1
−1 −1 −1
−1
−2
−2 −2 −2
−2
Figura 1.5 – Soluções da equação do Exem-
−3 −3
plo 1.8 −3 −2 −1 0 1 2 3

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


16 Equações Diferenciais Ordinárias

Na subseção 1.2.2 e na seção 1.3 veremos técnicas de se encontrar soluções de


equações de 1a. ordem que se baseiam em transformar a equação inicial em uma
equação do tipo (1.4).

1.2.2 Equações Lineares - Caso Geral


Vamos considerar equações da forma

dy
+ p ( t ) y = q ( t ). (1.5)
dt

Vamos definir uma função auxiliar, µ(t), de forma que ao multiplicarmos a equação
(1.5) por esta função a equação obtida é uma equação linear com p(t) = 0, ou seja,
do tipo (1.4), que já resolvemos anteriormente. Uma função com esta propriedade é
chamada fator integrante da equação linear.

Seja
R
p(t)dt
µ(t) = e .
R
Vamos mostrar agora que µ(t) = e p(t)dt é um fator integrante da equação (1.5).

Observe em primeiro lugar que


Z 
dµ R
p(t)dt d R
p(t)dt
=e p(t)dt =e p ( t ) = µ ( t ) p ( t ). (1.6)
dt dt

Assim multiplicando-se (1.5) por µ(t), obtemos

dy
µ(t) + µ(t) p(t)y = µ(t)q(t) (1.7)
dt

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.2 Equações Lineares de 1a. Ordem 17


mas como por (1.6), µ(t) p(t) = , então (1.7) pode ser reescrita como
dt
dy dµ
µ(t) + y = µ ( t ) q ( t ). (1.8)
dt dt
Mas o lado esquerdo dessa equação é a derivada de um produto o que faz com que
ela possa ser reescrita na forma

d
(µ(t)y(t)) = µ(t)q(t) (1.9)
dt

A equação (1.9) é uma equação do tipo (1.4), ou seja,

dY
= f (t)
dt
em que Y (t) = µ(t)y(t) e f (t) = µ(t)q(t). Assim, a solução geral de (1.9) é dada por
Z
µ(t)y(t) = µ(t)q(t)dt + c.

Como µ(t) 6= 0, para todo t ∈ R, dividindo-se a equação anterior por µ(t) obtemos
que a solução geral de (1.5) é dada por
Z 
1
y(t) = µ(t)q(t)dt + c
µ(t)

R
Mostraremos na Subseção 1.2.3 como podemos chegar a µ(t) = e p(t)dt como fator
integrante da equação (1.5).

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


18 Equações Diferenciais Ordinárias

Atenção: Não se deve memorizar a fórmula obtida no final. O que fizemos aqui foi mostrar o caminho que
deve ser seguido para resolver uma equação linear de 1a. ordem.

No próximo exemplo vamos seguir os mesmos passos que seguimos no caso geral.

Exemplo 1.9. Considere a equação


dy 2
+ y = t.
dt t
O fator integrante é
2 dt 2
R
µ(t) = e t = e2 ln t = eln t = t2 .
Multiplicando-se a equação acima por µ(t) obtemos:
dy
t2 + 2ty = t3 .
dt
O lado esquerdo é igual a derivada do produto t2 y(t). Logo a equação acima é equi-
valente a
d 2 
t y ( t ) = t3 .
dt
Integrando-se obtemos
t4
t2 y ( t ) = +c
4
Explicitando y(t) temos que a solução geral da equação diferencial é

t2 c
y(t) = + 2. (1.10)
4 t

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.2 Equações Lineares de 1a. Ordem 19

Podemos esboçar as soluções desta equação diferencial. Para c = 0 a solução é a


parábola
t2
y(t) = .
4
Para c 6= 0, temos que o domı́nio de y(t) é o conjunto dos números reais tais que
t 6= 0. limt→±∞ y(t) = +∞, se c 6= 0. Além disso

lim y(t) = +∞, se c > 0


t →0

e
lim y(t) = −∞, se c < 0.
t →0

Vamos analisar o crescimento e decrescimento das soluções

dy t 2c
= − 3 =0
dt 2 t
se, e somente se,
t4 = 4c.

Assim se c > 0 as soluções têm somente pontos crı́ticos em t = ± 4 4c e se c < 0 elas
não têm ponto crı́tico.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


20 Equações Diferenciais Ordinárias

0
y

8
8
16 16
4

−8 −16

6
−1
3

−8
0
2

0
1

−8
0 0
t

−16
−16

−8
−1

−2

−3

Figura 1.6 – Soluções da equação do Exem-

−8
−4
plo 1.9 e a solução do problema de valor

−16
−16

−8
inicial do Exemplo 1.10 −5
−5 −4 −3 −2 −1 0 1 2 3 4 5

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.2 Equações Lineares de 1a. Ordem 21

Exemplo 1.10. Considere o problema de valor inicial



 dy 2
+ y = t.
dt t
y (2) = 3

A equação é a mesma do Exemplo 1.9. Substituindo-se t = 2 e y = 3 em (1.10)


obtemos
4 c
3= +
4 4
De onde obtemos que c = 8. Portanto a solução do problema de valor inicial é
t2 8
y(t) = + 2.
4 t
Observe que a solução deste problema de valor inicial é válida no intervalo (0, +∞),
que é o maior intervalo contendo t = 2 (pois a condição inicial é y(2) = 3) em que
a solução e sua derivada estão definidas. Se a condição inicial ao invés de y(2) = 3
fosse y(−2) = 3 a solução teria a mesma expressão, mas o intervalo de validade da
solução seria (−∞, 0).
R
1.2.3 Como chegar ao fator integrante µ(t) = e p(t)dt ?
R
Vamos mostrar como podemos chegar ao fator integrante µ(t) = e p(t)dt .
Comparando-se as equações (1.7) e (1.8) na página 16 vemos que o fator integrante
µ(t) deve ser uma função que satisfaz a equação diferencial

= p ( t ) µ ( t ).
dt
Esta é também uma equação linear, mas com q(t) = 0. Supondo-se µ(t) 6= 0, vamos
multiplicar esta equação por 1/µ(t) obtendo a equação
1 dµ
= p ( t ).
µ(t) dt

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


22 Equações Diferenciais Ordinárias

1 d
Como µ(t)
= dµ (ln |µ(t)|) a equação anterior pode ser reescrita como

d dµ
(ln |µ(t)|) = p ( t ).
dµ dt

Mas pela regra da cadeia esta equação é equivalente a

d
(ln |µ(t)|) = p(t)
dt
que é uma equação do tipo (1.4) que pode ser resolvida simplesmente integrando-se
ambos os membros obtendo
Z
ln |µ(t)| = p(t)dt + c1

Aplicando-se a exponencial a ambos os membros e eliminando-se o valor absoluto


obtemos R R
µ(t) = ±ec1 e p(t)dt = ce p(t)dt .
Como estamos interessados em apenas um fator integrante podemos tomar c = 1 e
obtermos R
µ(t) = e p(t)dt .

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.2 Equações Lineares de 1a. Ordem 23

Exercı́cios (respostas na página 109)


2.1. Resolva os problemas de valor inicial:
2 +sen t
y0 − cos t y = tet
 0 
y + (1 − 2x )y = xe− x (c)
(a)
y (0) = 2 y (0) = 2
3
(
4x5
y0 + 3t2 y = e−t +t

(b) (d) y0 + x4 y = x4 e 5
y (0) = 2 y (0) = 1

2.2. Resolva as equações:


4 2
(a) y0 − y = − 3 .
x x 4
(c) y0 − y = x5 e x .
0 1 x
(b) y − y = − x.
x
2.3. (a) Resolva
 0 o problema de valor inicial:
y + 5x4 y = x4
y (0) = y0
(b) Para quais valores de y0 a solução é crescente e para quais valores de y0 a solução é decrescente.
(c) Qual o limite de y( x ) quando x tende a +∞. O limite depende de y0 ?
2.4. (a) Resolva
 2 o problema de valor inicial:
( x − 9)y0 + xy = 0
y (5) = y0
(b) Qual o intervalo de validade da solução?
(c) Qual o limite de y( x ) quando x tende a +∞. O limite depende de y0 ?
2.5. Considere a equação
dy
+ p(t)y = 0
dt
(a) Mostre que se y1 (t) e y2 (t) são soluções da equação, então y(t) = y1 (t) + y2 (t) também o é.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


24 Equações Diferenciais Ordinárias

(b) Mostre que se y1 (t) é solução da equação, então y(t) = cy1 (t) também o é, para qualquer constante
c.

2.6. Considere as equações


dy
+ p(t)y = 0 (1.11)
dt
dy
+ p(t)y = q(t) (1.12)
dt
Mostre que se y1 (t) é solução da equação (1.11) e y2 (t) é solução da equação (1.12), então y(t) = cy1 (t) +
y2 (t) é solução de (1.12), para qualquer constante c.

2.7. Resolva o PVI


dy y
( 1
= 2te− 100 t − .
dt 100
y(0) = 100
e faça um esboço do gráfico da solução.

1.3 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte I


Para as equações diferenciais lineares de 2a. ordem é válido um resultado semelhante
ao que é válido para equações lineares de 1a. ordem (Teorema ?? na página ??) com
relação a existência e unicidade de soluções, mas a demonstração, infelizmente, não
é tão simples quanto naquele caso.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.3 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte I 25

Teorema 1.1 (Existência e Unicidade). O problema de valor inicial


y00 + p(t)y0 + q(t)y = f (t)


y(t0 ) = y0 , y0 (t0 ) = y00

para p(t), q(t) e f (t) funções contı́nuas em um intervalo aberto I contendo t0 tem uma única solução neste intervalo.

Exemplo 1.11. Vamos determinar o intervalo máximo em que o problema de valor


inicial 
et
(t2 − 4)y00 + y0 + (sen t)y =

 y (1) = y , y 0 (1) = y 0 t
0 0

tem solução. Para esta equação

1 sen t et
p(t) = , q(t) = , f (t) = .
t2 −4 t2 − 4 t ( t2− 4)

Assim p(t), q(t) e f (t) são contı́nuas para t 6= ±2, 0. Como t0 = 1, então o problema
de valor inicial tem solução no intervalo 0 < t < 2, que é o maior intervalo contendo
t0 = 1 onde p(t), q(t) e f (t) são contı́nuas.

Uma equação diferencial linear de 2a. ordem é homogênea se ela pode ser escrita
como
y00 + p(t)y0 + q(t)y = 0. (1.13)
Para as equações lineares homogêneas é válido o princı́pio da superposição.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


26 Equações Diferenciais Ordinárias

Teorema 1.2 (Princı́pio da Superposição). Se y1 (t) e y2 (t) são soluções de (1.13), então
y ( t ) = c1 y1 ( t ) + c2 y2 ( t ) (1.14)

para c1 e c2 constantes, também o é.

Demonstração. Vamos verificar que realmente y(t) dado por (1.14) é solução de
(1.13).

y00 (t) + p(t)y0 (t) + q(t)y(t) =


= (c1 y1 (t) + c2 y2 (t))00 + p(t) (c1 y1 (t) + c2 y2 (t))0 + q(t) (c1 y1 (t) + c2 y2 (t))
= c1 y100 + c2 y200 + c1 p(t)y10 (t) + c2 p(t)y20 (t) + c1 q(t)y1 (t) + c2 q(t)y2 (t)
= c1 y100 (t) + p(t)y10 (t) + q(t)y1 (t) +c2 y200 (t) + p(t)y20 (t) + q(t)y2 (t)
 
| {z } | {z }
=0 =0
= c1 · 0 + c2 · 0 = 0,

pois y1 (t) e y2 (t) são soluções de (1.13). 

Usando a linguagem da Álgebra Linear podemos dizer que o conjunto das soluções
de uma equação diferencial linear homogênea é um subespaço vetorial.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.3 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte I 27

cy(t)
y1 (t)+ y2 (t)

y1 ( t ) y(t)

y2 ( t )

Figura 1.7 – Soma de soluções de uma equação Figura 1.8 – Multiplicação de solução de uma
diferencial homogênea equação diferencial homogênea por escalar

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


28 Equações Diferenciais Ordinárias

1.3.1 Soluções Fundamentais


Considere, agora, o problema de valor inicial
 00
y + p(t)y0 + q(t)y = 0,
(1.15)
y(t0 ) = y0 , y0 (t0 ) = y00

em que y0 e y00 são condições iniciais dadas no problema.


Vamos determinar condições sobre duas soluções y1 (t) e y2 (t) para que existam
constantes c1 e c2 tais que y(t) = c1 y1 (t) + c2 y2 (t) seja solução do problema de valor
inicial (1.15).

Substituindo-se t = t0 na solução y(t) = c1 y1 (t) + c2 y2 (t) e na derivada de y(t),


y0 (t) = c1 y10 (t) + c2 y20 (t) obtemos o sistema de equações lineares

c1 y1 ( t0 ) + c2 y2 ( t0 ) = y0
c1 y10 (t0 ) + c2 y20 (t0 ) = y00

que pode ser escrito na forma


AX = B
em que
     
y1 ( t0 ) y2 ( t0 ) c1 y0
A= , X= e B= .
y10 (t0 ) y20 (t0 ) c2 y00

Se a matriz do sistema A é invertı́vel, então para todo par de condições iniciais


(y0 , y00 ) o sistema tem uma única solução (c1 , c2 ) (A solução é X = A−1 B). Mas
uma matriz quadrada é invertı́vel se, e somente se, o seu determinante é diferente
de zero. Ou seja, se
 
y1 ( t0 ) y2 ( t0 )
det 6= 0,
y10 (t0 ) y20 (t0 )

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.3 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte I 29

então para todo par de condições iniciais (y0 , y00 ) existe um único par de constantes
(c1 , c2 ) tal que y(t) = c1 y1 (t) + c2 y2 (t) é solução do problema de valor inicial (1.15).

Acabamos de provar o seguinte resultado.

Teorema 1.3. Sejam y1 (t) e y2 (t) duas soluções da equação (1.13) em um intervalo aberto I onde p(t) e q(t) são
contı́nuas tais que, em um ponto t0 ∈ I,  
y1 ( t0 ) y2 ( t0 )
det 6= 0.
y10 (t0 ) y20 (t0 )
Então para todo par de condições iniciais (y0 , y00 ) o problema de valor inicial
 00
y + p(t)y0 + q(t)y = 0,
y(t0 ) = y0 , y0 (t0 ) = y00

tem uma única solução da forma


y ( t ) = c1 y1 ( t ) + c2 y2 ( t ),
no intervalo I.

Definição 1.1. (a) O determinante


 
y1 ( t0 ) y2 ( t0 )
W [y1 , y2 ](t0 ) = det
y10 (t0 ) y20 (t0 )

é chamado wronskiano das funções y1 (t) e y2 (t) em t0 .

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


30 Equações Diferenciais Ordinárias

(b) Se duas soluções y1 (t) e y2 (t) de (1.13), em um intervalo aberto I onde p(t) e q(t) são contı́nuas, são tais
que o seu wronskiano é diferente de zero em um ponto t0 ∈ I dizemos que elas são soluções fundamen-
tais de (1.13) no intervalo I.

Teorema 1.4. Se y1 (t) e y2 (t) são soluções fundamentais de (1.13) em um intervalo aberto I, então a famı́lia de soluções
y ( t ) = c1 y1 ( t ) + c2 y2 ( t ), (1.16)

para constantes c1 e c2 arbitrárias é a solução geral de (1.13) em I.

Demonstração. Seja z(t) uma solução qualquer de (1.13) no intervalo I. Seja t1 ∈ I. Considere o PVI formado
por (1.13) e as condições iniciais y(t1 ) = z(t1 ) e y0 (t1 ) = z0 (t1 ). Como y1 (t) e y2 (t) são soluções fundamentais,
existe um ponto t0 ∈ I tal que W [y1 , y2 ](t0 ) 6= 0, então pelo Teorema de Abel (Exercı́cio 1.10 na página 41)
W [y1 , y2 ](t1 ) 6= 0, e assim pelo Teorema 1.3 existem constantes c1 e c2 tais que z(t) = c1 y1 (t) + c2 y2 (t). 

Assim para encontrar a solução geral de uma equação diferencial linear homogênea
de 2a. ordem (1.13) em um intervalo I, precisamos encontrar duas soluções funda-
mentais da equação (1.13), ou seja, duas soluções y1 (t) e y2 (t) tais que em um ponto
t0 ∈ I  
y1 ( t0 ) y2 ( t0 )
det 6= 0.
y10 (t0 ) y20 (t0 )

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.3 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte I 31

Exemplo 1.12. Seja b um número real não nulo. Vamos mostrar que y1 (t) = cos bt e
y2 (t) = sen bt são soluções fundamentais da equação diferencial

y00 + b2 y = 0.

Como y10 (t) = −b sen bt, y100 (t) = −b2 cos bt, y20 (t) = b cos bt e y200 (t) = −b2 sen bt,
então
y100 + b2 y1 = −b2 cos bt + b2 cos bt = 0
e
y200 + b2 y2 = −b2 sen bt + b2 sen bt = 0.
Assim, y1 (t) e y2 (t) são soluções da equação y00 + b2 y = 0. Além disso,
   
y1 ( t ) y2 ( t ) cos bt sen bt
det = det = b(cos2 bt + sen2 bt) = b 6= 0 para todo t ∈ R.
y10 (t) y20 (t) −b sen bt b cos bt

Portanto, y1 (t) = cos bt e y2 (t) = sen bt são soluções fundamentais de y00 + b2 y = 0


e a solução geral da equação diferencial é

y(t) = c1 cos bt + c2 sen bt.

Dependência Linear

Dizemos que duas funções y1 (t) e y2 (t) são linearmente dependentes (L.D.) em um
intervalo I, se uma das funções é um múltiplo escalar da outra, ou seja, se

y1 (t) = αy2 (t) ou y2 (t) = αy1 (t), para todo t ∈ I.

Caso contrário, dizemos que elas são linearmente independentes (L.I.).

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


32 Equações Diferenciais Ordinárias

Se duas funções são L.D. em um intervalo I, então


 
y1 ( t ) y2 ( t )
W [y1 , y2 ](t) = det = 0, para todo t ∈ I
y10 (t) y20 (t)

pois uma coluna da matriz acima é um múltiplo escalar da outra. Assim, vale o
seguinte resultado.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.3 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte I 33

Teorema 1.5. Se y1 (t) e y2 (t) são funções tais que


 
y1 ( t0 ) y2 ( t0 )
W [y1 , y2 ](t0 ) = det 6= 0, para algum t0 ∈ I,
y10 (t0 ) y20 (t0 )

então y1 (t) e y2 (t) são linearmente independentes (L.I.) em I.

y1 ( t )

y2 ( t )

Figura 1.9 – y1 (t) e y2 (t) soluções funda-


mentais de uma equação diferencial li-
near homogênea

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


34 Equações Diferenciais Ordinárias

Usando a linguagem de Álgebra Linear podemos dizer que duas soluções fun-
damentais formam uma base para o subespaço das soluções de uma equação
homogênea (1.13), pois elas são L.I. e geram o subespaço (toda solução é uma
combinação linear delas).

Observe que o wronskiano pode ser calculado para quaisquer par de funções mesmo
que elas não sejam soluções de uma equação diferencial. Também os conceitos de
dependência e independência linear são definidos para duas funções que podem ou
não ser soluções de uma equação diferencial.

Exemplo 1.13. Seja b um número real não nulo. Mostramos no exemplo anterior que
y1 (t) = cos bt e y2 (t) = sen bt são soluções L.I. da equação

y00 + b2 y = 0.

A recı́proca do Teorema 1.5 não é verdadeira, ou seja, duas funções podem ser L.I.
com
W [y1 , y2 ](t) = 0, para todo t ∈ R.
Vejamos o próximo exemplo.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.3 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte I 35

1 1
y y

0.5 0.5

0 0
t t

−0.5 −0.5

−1 −1
−1 −0.5 0 0.5 1 −1 −0.5 0 0.5 1

Figura 1.10 – y1 (t) = t2 e y2 (t) = t|t| são L.I. mas o wronskiano é igual a zero para todo t

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


36 Equações Diferenciais Ordinárias

t2

se t ≥ 0
Exemplo 1.14. Sejam y1 (t) = t2 e y2 ( t ) = t | t | = .
− t2 se t < 0

t2
 
t|t|
W [y1 , y2 ](t) = det = 0.
2t 2| t |

Apesar do wronskiano ser zero para todo t ∈ R as funções y1 e y2 são L.I., pois uma
função não é múltiplo escalar da outra. Para t ≥ 0, y2 (t) = y1 (t) e para t < 0,
y2 ( t ) = − y1 ( t ).

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.3 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte I 37

1.3.2 Fórmula de Euler


Queremos definir a função exponencial ert para números complexos r = a + ib, de
forma que satisfaça as propriedades

e(a+ib)t = e at eibt (1.17)


d rt 
e = rert (1.18)
dt
Observamos que a função z(t) = eibt é solução da equação y00 + b2 y = 0. Pois pela
propriedade (1.18)
z0 (t) = ibeibt , z00 (t) = −b2 eibt = −b2 z(t)
e assim
z00 (t) + b2 z(t) = 0.
Assim z(t) = eibt é solução do problema de valor inicial
 00
y + b2 y = 0,
y(0) = 1, y0 (0) = ib
Agora, como mostramos no Exemplo 1.12 que y1 (t) = cos bt e y2 (t) = sen bt são
soluções fundamentais de y00 + b2 y = 0, então pelo Teorema 1.3 existem constantes
c1 e c2 tais que
z(t) = eibt = c1 cos bt + c2 sen bt. (1.19)
Vamos determinar estas constantes c1 e c2 . Substituindo-se t = 0 na equação (1.19)
obtemos que c1 = 1. Derivando a equação (1.19) em relação a t obtemos
ibeibt = −c1 b sen bt + c2 b cos bt. (1.20)
Substituindo-se t = 0 na equação (1.20) obtemos que c2 = i. Assim substituindo-se
c1 = 1 e c2 = i já obtidos na equação (1.19) obtemos
eibt = cos bt + i sen bt.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


38 Equações Diferenciais Ordinárias

Portanto, pela propriedade (1.17),

e(a+ib)t = e at eibt = e at (cos bt + i sen bt). (1.21)

Tomando t = 1 temos
e a+ib = e a (cos b + i sen b). (1.22)
Esta equação é conhecida como fórmula de Euler.

Exemplo 1.15. Usando a fórmula de Euler temos que


π π √ √
eiπ = −1, ei 2 = i, eln 2+ 4 i = 2 + i 2,

que foram obtidas fazendo em (1.22)


π π
a = 0, b = π; a = 0, b = ; a = ln 2, b = ,
2 4
respectivamente.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.3 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte I 39

Exercı́cios (respostas na página 116)


3.1. Considere a equação diferencial y00 − ω 2 y = 0, para ω > 0.

(a) Mostre que y(t) = c1 e−ω ( x− a) + c2 eω ( x−a) , para a ∈ R fixo, é solução geral de equação diferencial.
(b) Mostre que y(t) = c1 cosh(ω ( x − a)) + c2 senh(ω ( x − a)), para a ∈ R fixo, é solução geral de
equação diferencial.

3.2. (a) Mostre que y1 ( x ) = x2 e y2 ( x ) = x5 são soluções da equação

x2 y00 − 6xy0 + 10y = 0.

(b) Obtenha a solução do problema de valor inicial


 2 00
 x y − 6xy0 + 10y = 0,
y (1) = 3,
 0
y (1) = 3.

3.3. As equações de Euler são equações que podem ser escritas na forma

x2 y00 + bxy0 + cy = 0, em que b, c ∈ R. (1.23)

Mostre que existem valores constantes de r tais que y( x ) = xr é uma solução de (1.23). Além disso mostre
que y( x ) = xr é solução da equação (1.23) se, e somente se,

r2 + (b − 1)r + c = 0, (1.24)

A equação (1.24) é chamada equação indicial de (1.23).

3.4. Mostre que se a equação indicial (1.24) tem duas raı́zes reais (distintas), r1 e r2 , então

y 1 ( x ) = x r1 e y 2 ( x ) = x r2

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


40 Equações Diferenciais Ordinárias

são soluções fundamentais de (1.23) e portanto


y ( x ) = c 1 x r1 + c 2 x r2
é a solução geral de (1.23), para x > 0.
3.5. Se a equação indicial (1.24) tem duas raı́zes complexas, r1 = α + iβ e r2 = α − iβ, use a fórmula de Euler
para escrever a solução geral complexa em termos das soluções reais, para x > 0,
u( x ) = x α cos( β ln x ) e v( x ) = x α sen( β ln x ).
Mostre que estas soluções são soluções fundamentais de (1.23) e portanto
y( x ) = c1 x α cos( β ln x ) + c2 x α sen( β ln x )
é a solução geral de (1.23), para x > 0.
1− b 1− b
3.6. Se a equação indicial (1.24) tem somente uma raı́z real, mostre que y1 ( x ) = x 2 e y2 ( x ) = x 2 ln x são
soluções fundamentais de (1.23) e portanto a solução geral de (1.23), para x > 0, é
1− b 1− b
y ( x ) = c1 x 2 + c2 x 2 ln x.

3.7. Use os exercı́cios anteriores para encontrar a solução geral das seguintes equações:
(a) x2 y00 + 4xy0 + 2y = 0
(b) x2 y00 − 3xy0 + 4y = 0
(c) x2 y00 + 3xy0 + 5y = 0
3.8. Baseado no Teorema 1.1 na página 25, determine um intervalo em que os problemas de valor inicial
abaixo
( têm uma única solução, sem resolvê-los: (
(t2 − 1)y00 + (t − 2)y = t (t2 − t)y00 + (t + 1)y0 + y = et
(a) (c)
y(0) = y0 , y0 (0) = y00 y(−1) = y0 , y0 (−1) = y00
( (
(t2 − 1)y00 + y0 + ty = t2 (t2 − t)y0 + (t + 3)y0 + 2y = cos t
(b) (d)
y(2) = y0 , y0 (2) = y00 y(2) = y0 , y0 (2) = y00

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.3 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte I 41

3.9. Considere a equação homogênea y00 + p(t)y0 + q(t)y = 0, com p(t) e q(t) funções contı́nuas num inter-
valo I. Usando o Teorema 1.1 na página 25 mostre que esta equação tem soluções fundamentais.
3.10. (Teorema de Abel) Considere a equação homogênea y00 + p(t)y0 + q(t)y = 0, com p(t) e q(t) funções
contı́nuas num intervalo I. Sejam y1 (t) e y2 (t) duas soluções desta equação no intervalo I. Seja
W [y1 , y2 ](t) o wronskiano de y1 (t) e y2 (t) no intervalo I. Mostre que:

(a) W [y1 , y2 ]0 (t) = y1 (t)y200 (t) − y2 (t)y100 (t)


(b) W [y1 , y2 ](t) satisfaz a equação diferencial y0 + p(t)y = 0 no intervalo I.
R
(c) W [y1 , y2 ](t) = ce− p(t)dt
.
(d) W [y1 , y2 ](t) = 0, para todo t ∈ I ou W [y1 , y2 ](t) 6= 0, para todo t ∈ I.
3.11. Mostre que se y1 (t) e y2 (t) são soluções fundamentais da equação y00 + p(t)y0 + q(t)y = 0 num intervalo
I, então
y2 (t)y100 (t) − y1 (t)y200 y0 (t)y200 − y20 (t)y100 (t)
p(t) = e q(t) = 1 , para t ∈ I.
W [y1 , y2 ](t) W [y1 , y2 ](t)
Sugestão: substitua y1 (t) e y2 (t) na equação diferencial e resolva o sistema correspondente para p(t) e
q ( t ).

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


42 Equações Diferenciais Ordinárias

1.4 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte II

1.4.1 Obtendo-se uma Segunda Solução


Considere uma equação linear de 2a. ordem homogênea

y00 + p(t)y0 + q(t)y = 0. (1.25)

Seja y1 (t) uma solução conhecida da equação acima num intervalo I onde p(t) e q(t)
são contı́nuas e tal que y1 (t) 6= 0 para todo t ∈ I. Vamos procurar uma segunda
solução da equação (1.25) da forma

y ( t ) = v ( t ) y1 ( t ).

Derivando-se esta expressão obtemos

y0 (t) = vy10 + y1 v0 e y00 (t) = vy100 + 2y10 v0 + y1 v00 .

Substituindo-se y(t), y0 (t) e y00 (t) na equação (1.25) obtemos

(vy100 + 2y10 v0 + y1 v00 ) + p(t)(vy10 + y1 v0 ) + q(t)vy1 = 0.


Colocando-se em evidência v00 , v0 e v obtemos

y1 v00 + (2y10 + p(t)y1 )v0 + (y100 + p(t)y10 + q(t)y1 )v = 0.

Como y1 (t) é solução da equação (1.25), então y100 + p(t)y10 + q(t)y1 = 0 e assim a
equação anterior se torna

y1 v00 + v0 (2y10 + p(t)y1 ) = 0. (1.26)

Fazendo a mudança de variáveis w(t) = v0 (t), a equação (1.26) se transforma em

y1 w0 + (2y10 + p(t)y1 )w = 0.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.4 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte II 43

Esta é uma equação de 1a. ordem linear e separável. Resolvendo-se esta equação,
como w(t) = v0 (t), então Z
v(t) = w(t)dt. (1.27)

Substituindo-se v(t) em y(t) = v(t)y1 (t) obtemos uma segunda solução da equação
(1.25).

No próximo exemplo vamos seguir os mesmos passos que seguimos no caso geral.

Exemplo 1.16. Sejam a, b, c ∈ R, com a 6= 0. Considere a equação


ay00 + by0 + cy = 0 com b2 − 4ac = 0. (1.28)
b
Deixamos como exercı́cio verificar que y1 (t) = e− 2a t é uma solução da equação
diferencial (1.28). Vamos procurar uma segunda solução da forma

b
y(t) = v(t)y1 (t) = v(t)ert , em que r = − .
2a
Como

y0 (t) = v0 (t)ert + rv(t)ert e y00 (t) = v00 (t)ert + 2rv0 (t)ert + r2 v(t)ert ,

então substituindo-se y(t), y0 (t) e y00 (t) na equação diferencial (1.28) obtemos
h i
a(v00 + 2rv0 + r2 v) + b(v0 + rv) + cv ert = 0.

Dividindo-se por ert obtemos

a(v00 + 2rv0 + r2 v) + b(v0 + rv) + cv = 0.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


44 Equações Diferenciais Ordinárias

Colocando-se em evidência v00 , v0 e v obtemos


av00 + (2ar + b)v0 + ( ar2 + br + c)v = 0.
b
Como r = − 2a é (a única) solução da equação ar2 + br + c = 0 e
2ar + b = 0, então a equação diferencial anterior fica sendo
av00 = 0 ou v00 = 0.
Seja w(t) = v0 (t). Então a equação v00 = 0 torna-se w0 = 0 que tem solução w(t) = c̃1 .
Resolvendo-se a equação v0 (t) = w(t) = c̃1 obtemos
v(t) = c̃1 t + c̃2
e
y(t) = v(t)y1 (t) = (c̃1 t + c̃2 )ert . (1.29)
Tomando-se c̃2 = 0 e c̃1 = 1 obtemos uma segunda solução, que chamamos de y2 (t),
da equação diferencial (1.28)
y2 (t) = tert .
b
Vamos ver que y1 (t) = ert e y2 (t) = tert , em que r = − , são soluções fundamentais
2a
da equação diferencial (1.28)
ert tert
   
y1 ( t ) y2 ( t )
det = det
y10 (t) y20 (t) rert (1 + rt)ert
 
2rt 1 t
= e det
r (1 + rt)
= e2rt 6= 0, para todo t ∈ R.
Assim
b
y(t) = c1 ert + c2 tert , em que r = −
2a
é a solução geral da equação ay00 + by0 + cy = 0, tal que b2 − 4ac = 0 e a 6= 0.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.4 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte II 45

Atenção: Atribuindo-se diferentes valores a c̃1 e a c̃2 em (1.29) obtemos uma infinidade de funções v(t), mas
precisamos de apenas uma tal que W [y1 , vy1 ](t0 ) 6= 0 para algum ponto t0 . Você pode escolher c̃1 e c̃2 da
maneira que você quiser, com exceção de c1 = 0, pois neste caso terı́amos y2 (t) = y1 (t)v(t) = c2 y1 (t) e assim
terı́amos W [y1 , y2 ](t) = 0, para todo t.

1.4.2 Equações Homogêneas com Coeficientes Constantes


Vamos tratar equações da forma
ay00 + by0 + cy = 0, para a, b, c ∈ R, a 6= 0. (1.30)
Vamos mostrar que para esta equação existem valores constantes de r tais que y(t) =
ert é uma solução.
Substituindo-se y(t) = ert , y0 (t) = rert e y00 (t) = r2 ert em (1.30) obtemos

ar2 ert + brert + cert = ( ar2 + br + c)ert = 0.


Como ert 6= 0, então y(t) = ert é solução de (1.30) se, e somente se, r é solução da
equação
ar2 + br + c = 0, (1.31)
que é chamada equação caracterı́stica de (1.30).
Observe que a equação caracterı́stica pode ser obtida da equação diferencial com
coeficientes constantes trocando-se y00 por r2 , y0 por r e y por 1.
Como uma equação de 2o. grau pode ter duas raı́zes reais, somente uma raiz real
ou duas raı́zes complexas, usando a equação caracterı́stica podemos chegar a três
situações distintas.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


46 Equações Diferenciais Ordinárias

A Equação Caracterı́stica Tem Duas Raı́zes Reais


Se ∆ = b2 − 4ac > 0, então a equação caracterı́stica de (1.30) tem duas raı́zes reais
(distintas), r1 e r2 . Neste caso

y 1 ( t ) = e r1 t e y 2 ( t ) = e r2 t

são soluções fundamentais, pois o wronskiano de y1 (t) = er1 t e y2 (t) = er2 t é


 rt
e r2 t
  
y1 ( t ) y2 ( t ) e1
W [y1 , y2 ](t) = det 0 0 = det
y1 ( t ) y2 ( t ) r 1 e r1 t r 2 e r2 t
 
1 1
= er1 t er2 t det
r1 r2
= (r2 − r1 )e(r1 +r2 )t 6= 0, para todo t ∈ R.

Assim no caso em que a equação caracterı́stica tem duas raı́zes reais distintas r1 e r2 ,

y ( t ) = c 1 e r1 t + c 2 e r2 t

é a solução geral de (1.30).


Exemplo 1.17. Seja ω um número real positivo. Vamos encontrar a solução geral da
equação y00 − ω 2 y = 0.
A equação caracterı́stica desta equação diferencial é r2 − ω 2 = 0, que tem como
raı́zes r1 = ω e r2 = −ω. Assim, a solução geral da equação diferencial acima é

y(t) = c1 eωt + c2 e−ωt .

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.4 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte II 47

Figura 1.11 – Algumas soluções da equação


do Exemplo 1.17

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


48 Equações Diferenciais Ordinárias

A Equação Caracterı́stica Tem Somente Uma Raiz Real


Se ∆ = b2 − 4ac = 0, então a equação caracterı́stica (1.31) tem somente uma raiz real
b
r = − . Neste caso,
2a
b
y1 (t) = ert = e− 2a t
é solução da equação diferencial (1.30).
No Exemplo 1.16 na página 43 mostramos como encontrar uma segunda solução
b
para esta equação. Lá mostramos que y2 (t) = tert = te− 2a t também é solução da
b b
equação (1.30) e que y1 (t) = e− 2a t e y2 (t) = te− 2a t são soluções fundamentais da
equação diferencial (1.30).
b
Portanto no caso em que a equação caracterı́stica tem somente uma raiz real r = − ,
2a
b b
y(t) = c1 e− 2a t + c2 te− 2a t

é a solução geral de (1.30).


Exemplo 1.18. Vamos encontrar a solução geral da equação y00 + 2y0 + y = 0.
A equação caracterı́stica é r2 + 2r + 1 = 0, que tem como raiz r1 = −1. Assim a
solução geral da equação é

y(t) = c1 e−t + c2 te−t .

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.4 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte II 49

2 4 6 8

-2

-4

-6

Figura 1.12 – Algumas soluções da


equação do Exemplo 1.18

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


50 Equações Diferenciais Ordinárias

A Equação Caracterı́stica Tem Duas Raı́zes Complexas


Se ∆ = b2 − 4ac < 0, então a equação caracterı́stica (1.31) tem duas raı́zes complexas,
que são conjugadas, ou seja, se r1 = α + iβ é uma raiz da equação caracterı́stica (1.31),
então a outra raiz é r2 = α − iβ. Neste caso, pela fórmula de Euler (1.21) temos:

y1 ( t ) = er1 t = e(α+iβ)t = eαt (cos βt + i sen βt) e


y2 ( t ) = er2 t = e(α−iβ)t = eαt (cos(− βt) + i sen(− βt)) = eαt (cos βt − i sen βt).

Pela análise feita no inı́cio dessa seção sabemos que y1 (t) = er1 t e y2 (t) = er2 t são
soluções (complexas) da equação diferencial (1.30). Além disso, assim como quando
r1 e r2 são reais, o wronskiano
 rt
e r2 t
  
y1 ( t ) y2 ( t ) e1
W [y1 , y2 ](t) = det = det
y10 (t) y20 (t) r 1 e r1 t r 2 e r2 t
 
r1 t r2 t 1 1
= e e det
r1 r2
= (r2 − r1 )e(r1 +r2 )t = −2iβe2αt 6= 0, ∀t ∈ R,

ou seja, y1 (t) e y2 (t) são soluções fundamentais de (1.30). Assim no caso em que a
equação caracterı́stica tem duas raı́zes complexas r1 = α + iβ e r2 = α − iβ,

y(t) = C1 er1 t + C2 er2 t , C1 , C2 ∈ C

é a solução geral complexa de (1.30).


Vamos encontrar um conjunto fundamental de soluções reais. A solução geral com-
plexa pode ser escrita como

y(t) = C1 e(α+iβ)t + C2 e(α−iβ)t


= C1 eαt (cos βt + i sen βt) + C2 eαt (cos βt − i sen βt)
= (C1 + C2 )eαt cos βt + i (C1 − C2 )eαt sen βt (1.32)

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.4 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte II 51

1
Tomando C1 = C2 = em (1.32), temos a solução real u(t) = eαt cos βt.
2
1
Tomando C1 = −C2 = , temos a solução real v(t) = eαt sen βt.
2i
Vamos mostrar, agora, que se as raı́zes da equação caracterı́stica são complexas,
então u(t) e v(t) são soluções fundamentais de (1.30).

   
u(t) v(t) eαt cos βt eαt sen βt
W [u, v](t) = det = det
u0 (t) v0 (t) eαt (α cos βt − β sen βt) eαt (α sen βt + β cos βt)
    
cos βt sen βt cos βt sen βt
= e2αt α det + β det
cos βt sen βt − sen βt cos βt
= βe2αt 6= 0, para todo t ∈ R.

Assim no caso em que a equação caracterı́stica tem duas raı́zes complexas r1 = α + iβ


e r2 = α − iβ,
y(t) = c1 eαt cos βt + c2 eαt sen βt

é a solução geral de (1.30).

Exemplo 1.19. Seja ω um número real positivo. Vamos encontrar a solução geral da
equação y00 + ω 2 y = 0.
A equação caracterı́stica desta equação diferencial é r2 + ω 2 = 0, que tem como
raı́zes r1 = iω e r2 = −iω. Assim, a solução geral da equação diferencial acima é

y(t) = c1 cos ωt + c2 sen ωt. (1.33)

Escrevendo o par (c1 , c2 ) em coordenadas polares temos que

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


52 Equações Diferenciais Ordinárias

( c1 , c2 )
c2

c1 = R cos δ,
(1.34)
R
c2 = R sen δ.

δ
c1 x

Substituindo-se os valores de c1 e c2 na equação (1.33) obtemos


q
y(t) = R (cos δ cos (ωt) + sen δ sen (ωt)) = R cos(ωt − δ), em que R = c21 + c22 e δ são obtidos de (1.34).

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.4 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte II 53

y(t) = R cos(ωt − δ), δ > 0, ω > 0, R > 0

+R __

ω

δ
__ δ+2π
____ t
ω ω

−R

Figura 1.13 – Uma solução da equação do


Exemplo 1.19

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


54 Equações Diferenciais Ordinárias

Resumo
Para resolver a equação diferencial ay00 + by0 + cy = 0, para a, b, c ∈ R, a 6= 0,
encontramos a equação caracterı́stica ar2 + br + c = 0.
(a) Se ∆ = b2 − 4ac > 0, então a solução geral da equação diferencial é

r1 t r2 t −b ± ∆
y(t) = c1 e + c2 e , em que r1,2 = .
2a

(b) Se ∆ = b2 − 4ac = 0, então a solução geral da equação diferencial é


b b
y(t) = c1 e− 2a t + c2 te− 2a t .

(c) Se ∆ = b2 − 4ac < 0, então a solução geral da equação diferencial é



−b −∆
y(t) = c1 eαt cos βt + c2 eαt sen βt, em que α = , β= .
2a 2a

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.4 Equações Lineares de 2a. Ordem Homogêneas - Parte II 55

Exercı́cios (respostas na página 124)


4.1. Mostre que y1 ( x ) = x3 é solução da equação diferencial

2x2 y00 − xy0 − 9y = 0.

Encontre uma função u( x ) tal que y2 ( x ) = u( x )y1 ( x ) seja solução da equação dada. Prove que as duas
soluções y1 ( x ) e y2 ( x ) são soluções fundamentais.
4.2. Mostre que y1 ( x ) = x −1 , x > 0, é solução da equação diferencial

x2 y00 + 3xy0 + y = 0.

Encontre uma função u( x ) tal que y2 ( x ) = u( x )y1 ( x ) seja solução da equação dada. Prove que as duas
soluções y1 ( x ) e y2 ( x ) são soluções fundamentais.
4.3. As equações de Euler são equações que podem ser escritas na forma

x2 y00 + bxy0 + cy = 0, em que b, c ∈ R. (1.35)

Existem valores constantes de r tais que y( x ) = xr é uma solução de (1.35). Além disso y( x ) = xr é
solução da equação (1.35) se, e somente se,

r2 + (1 − b)r + c = 0, (1.36)

que é chamada equação indicial de (1.35). Se a equação indicial r2 + (b − 1)r + c = 0 tem somente
1−b
uma raiz real, r = , determine uma segunda solução linearmente independente da forma
2
1− b
y2 ( x ) = v ( x ) y1 ( x ) = v ( x ) x 2 , para x > 0.

4.4. (a) Determine qual ou quais das funções z1 ( x ) = x2 , z2 ( x ) = x3 e z3 ( x ) = e− x são soluções da equação

( x + 3)y00 + ( x + 2)y0 − y = 0

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


56 Equações Diferenciais Ordinárias

(b) Seja y1 ( x ) uma das soluções obtidas no item anterior. Determine uma segunda solução y2 ( x ) de
forma que y1 ( x ) e y2 ( x ) sejam soluções fundamentais da equação.
(c) Determine a solução geral da equação

( x + 3)y00 + ( x + 2)y0 − y = 0
e obtenha a solução do problema de valor inicial

 ( x + 3)y00 + ( x + 2)y0 − y = 0,

y(1) = 1,
 0
y (1) = 3.
Justifique sua resposta!
4.5. Mostre que a solução do problema y00 + 2y0 = 0, y(0) = a, y0 (0) = b tende para uma constante quando
t → +∞. Determine esta constante.
4.6. Mostre que se 0 < b < 2, então toda solução de y00 + by0 + y = 0 tende a zero quando t → +∞.
4.7. Considere o problema y00 − 4y = 0, y(0) = 0, y0 (0) = b 6= 0. Mostre que y(t) 6= 0 para todo t 6= 0.

4.8. Considere o problema y00 − y0 + 41 y = 0, y(0) = 2, y0 (0) = b. Determine os valores de b para os quais a
solução y(t) → +∞ quando t → +∞.
4.9. Considere a equação y00 + 2by0 + y = 0. Para quais valores de b a solução y(t) tende a zero quando
t → +∞, independente das condições iniciais.
4.10. (a) Encontre a solução geral da equação

y00 + 2y0 + αy = 0

para α > 1, para α = 1 e para α < 1.


(b) Para quais valores de α todas as soluções tendem a zero quando t → +∞.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.5 Equações Não Homogêneas 57

1.5 Equações Não Homogêneas


Uma equação diferencial linear de 2a. ordem é não homogênea se ela pode ser escrita
como
y00 + p(t)y0 + q(t)y = f (t). (1.37)
com f (t) uma função não-nula.

Teorema 1.6. Seja y p (t) uma solução particular da equação (1.37). Sejam y1 (t) e y2 (t) soluções fundamentais da
equação homogênea correspondente. Então a solução geral da equação não homogênea (1.37) é

y ( t ) = c1 y1 ( t ) + c2 y2 ( t ) + y p ( t ).

Ou seja, a solução geral da equação diferencial linear de 2a. ordem não homogênea é a soma da solução geral da equação
homogênea correspondente, c1 y1 (t) + c2 y2 (t), com uma solução particular da equação diferencial não homogênea, y p (t).

Demonstração. Seja y(t) uma solução qualquer de (1.37) e y p (t) uma solução par-
ticular de (1.37). Vamos mostrar que Y (t) = y(t) − y p (t) é solução da equação ho-
mogênea associada
y00 + p(t)y0 + q(t)y = 0. (1.38)

Y 00 (t) + p(t)Y 0 (t) + q(t)Y (t) = (y(t) − y p (t))00 + p(t)(y(t) − y p (t))0 + q(t)(y(t) − y p (t))
  
= y00 (t) + p(t)y0 (t) + q(t)y(t) − y00p (t) + p(t)y0p (t) + q(t)y p (t)
| {z } | {z }
= f (t) = f (t)
= f (t) − f (t) = 0.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


58 Equações Diferenciais Ordinárias

Assim se y1 (t) e y2 (t) são soluções fundamentais da equação homogênea associada


(1.38), existem constantes c1 e c2 tais que

Y ( t ) = y ( t ) − y p ( t ) = c1 y1 ( t ) + c2 y2 ( t ),

ou seja, se y(t) é uma solução qualquer de (1.37) e y1 (t) e y2 (t) são soluções funda-
mentais da equação homogênea associada (1.38), então

y ( t ) = c1 y1 ( t ) + c2 y2 ( t ) + y p ( t ). (1.39)

Portanto para encontrar a solução geral de uma equação linear de 2a. ordem não ho-
mogênea precisamos encontrar uma solução particular e duas soluções fundamen-
tais da equação homogênea correspondente.

t
Exemplo 1.20. A função y p (t) = é solução da equação diferencial
4

y00 + 4 y = t.

(verifique!) Já vimos no Exemplo 1.12 na página 31 que a solução geral da equação
diferencial homogênea correspondente, y00 + 4 y = 0, é

y(t) = c1 cos 2t + c2 sen 2t.

Logo a solução geral da equação não homogênea y00 + 4 y = t é

t
y(t) = c1 cos 2t + c2 sen 2t + .
4

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.5 Equações Não Homogêneas 59

t
A função y2 (t) = sen(2t) é solução da equação
2

y00 + 4 y = 2 cos(2t)

(verifique!). Logo
t
y(t) = c1 cos 2t + c2 sen 2t + sen(2t).
2
é solução geral da equação diferencial

y00 + 4 y = 2 cos(2t).

Teorema 1.7 (Princı́pio da Superposição para Equações Não Homogêneas). Se y(p1) (t) é uma solução de

y00 + p(t)y0 + q(t)y = f 1 (t)

(2)
e y p (t) é uma solução de
y00 + p(t)y0 + q(t)y = f 2 (t),
(1) (2)
então y p (t) = y p (t) + y p (t) é solução de

y00 + p(t)y0 + q(t)y = f 1 (t) + f 2 (t).

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


60 Equações Diferenciais Ordinárias

Demonstração.
y p (t)00 + p(t)y0p (t) + q(t)y p (t) =
(1) (2) (1) (2) (1) (2)
= (y p (t) + y p (t))00 + p(t)(y p (t) + y p (t))0 + q(t)(y p (t) + y p (t)) =
(1) (1) (1) (2) (2) (2)
= y p (t)00 + p(t)y p (t)0 + q(t)y p (t) + y p (t)00 + p(t)y p (t)0 + q(t)y p (t) =
| {z } | {z }
= f 1 (t) = f 2 (t)
= f 1 ( t ) + f 2 ( t ),
(1)
pois y p (t) é solução da equação

y00 + p(t)y0 + q(t)y = f 1 (t)


(2)
e y p (t), da equação
y00 + p(t)y0 + q(t)y = f 2 (t).


t
Exemplo 1.21. Vimos no Exemplo 1.20 que a função y1 (t) = é solução da equação
4
diferencial
y00 + 4 y = t
t
e a função y2 (t) = sen(2t) é solução da equação
2
y00 + 4 y = 2 cos(2t).
Pelo Princı́pio da Superposição para Equações Não Homogêneas (Teorema 1.7)
t t
y(t) = + sen(2t) é solução da equação
4 2
y00 + 4 y = 2 cos(2t) + t

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.5 Equações Não Homogêneas 61

e a solução geral desta equação é


t t
y(t) = c1 cos 2t + c2 sen 2t + + sen(2t).
4 2

1.5.1 Equações Não Homogêneas com Coeficientes Constantes


Vamos tratar equações da forma
ay00 + by0 + cy = f (t). (1.40)
em que a, b e c são números reais, a 6= 0.

Este método funciona quando a função f (t) tem uma das seguintes formas:
(1) f (t) = a0 + . . . + an tn , em que a0 , . . . , an ∈ R.
Neste caso deve-se procurar uma solução particular da forma
y p ( t ) = t s ( A0 + . . . + A n t n ),
em que s é o menor inteiro não negativo que garanta que nenhuma parcela
de y p (t) seja solução da equação homogênea correspondente e A0 , . . . , An são
coeficientes a serem determinados substituindo-se y p (t) na equação (1.40). O
Exemplo 1.22 ilustra este caso.
(2) f (t) = ( a0 + . . . + an tn )eαt , em que a0 , . . . , an , α ∈ R.
Neste caso deve-se procurar uma solução particular da forma
y p (t) = ts ( A0 + . . . + An tn )eαt ,
em que s é o menor inteiro não negativo que garanta que nenhuma parcela
de y p (t) seja solução da equação homogênea correspondente e A0 , . . . , An são
coeficientes a serem determinados substituindo-se y p (t) na equação (1.40). O
Exemplo 1.23 ilustra este caso.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


62 Equações Diferenciais Ordinárias

(3) f (t) = ( a0 + . . . + an tn )eαt cos βt ou f (t) = ( a0 + . . . + an tn )eαt sen βt,


em que a0 , . . . , an , α, β ∈ R.
Neste caso deve-se procurar uma solução particular da forma

y p (t) = ts [( A0 + . . . + An tn )eαt cos βt + ( B0 + . . . + Bn tn )eαt sen βt],

em que s é o menor inteiro não negativo que garanta que nenhuma


parcela de y p (t) seja solução da equação homogênea correspondente e
A0 , . . . , An , B0 , . . . , Bn são coeficientes a serem determinados substituindo-se
y p (t) na equação (1.40). O Exemplo 1.24 ilustra este caso.

Exemplo 1.22. Vamos encontrar a solução do problema de valor inicial


y00 + y0 = 2 + t2


y(0) = 1, y0 (0) = 2.

Precisamos encontrar a solução geral da equação homogênea correspondente y00 +


y0 = 0. A equação caracterı́stica é

r2 + r = 0

que tem como raı́zes r1 = 0 e r2 = −1. Assim a solução geral da equação homogênea
correspondente y00 + y0 = 0 é

y ( t ) = c1 + c2 e − t .

O segundo membro da equação diferencial, 2 + t2 , é da forma (1). Vamos procurar


uma solução particular da forma

y p ( t ) = t1 ( A0 + A1 t + A2 t2 ) = A0 t + A1 t2 + A2 t3

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.5 Equações Não Homogêneas 63

O valor de s é igual a 1, pois para s = 0, a parcela A0 é solução da equação ho-


mogênea (c2 = 0 e c1 = A0 ).

y0p (t) = A0 + 2A1 t + 3A2 t2

y00p (t) = 2A1 + 6A2 t.


Substituindo y0p (t) e y00p (t) na equação y00 + y0 = 2 + t2 obtemos

(2A1 + 6A2 t) + ( A0 + 2A1 t + 3A2 t2 ) = ( A0 + 2A1 ) + (2A1 + 6A2 )t + 3A2 t2 = 2 + t2


Comparando os termos de mesmo grau obtemos o sistema linear

 A0 + 2A1 = 2
2A1 + 6A2 = 0
3A2 = 1

que tem solução A0 = 4, A1 = −1 e A2 = 1/3. Assim uma solução particular da


equação não homogênea é
1
y p (t) = 4t − t2 + t3
3
e a solução geral da equação não homogênea é
1
y(t) = c1 + c2 e−t + 4t − t2 + t3 (1.41)
3
Para resolvermos o problema de valor inicial vamos calcular a derivada da solução
geral da equação não homogênea

y 0 ( t ) = − c2 e − t + t2 − 2 t + 4 (1.42)
Substituindo-se t = 0 e y = 1 em (1.41) e t = 0 e y0 = 2 em (1.42) obtemos

c1 + c2 = 1
4 − c2 = 2

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


64 Equações Diferenciais Ordinárias

de onde obtemos c1 = −1 e c2 = 2. Logo a solução do PVI é

1
y(t) = −1 + 2e−t + 4t − t2 + t3
3

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.5 Equações Não Homogêneas 65

-4 -2 2 4

Figura 1.14 – A solução do problema de va-


-2
lor inicial do Exemplo 1.22

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


66 Equações Diferenciais Ordinárias

Exemplo 1.23. Vamos encontrar a solução geral da equação


y00 + 2y0 + y = (2 + t)e−t .
Precisamos encontrar a solução geral da equação homogênea correspondente y00 +
2y0 + y = 0. A equação caracterı́stica é

r2 + 2r + 1 = 0
que tem como raiz r1 = −1. Assim a solução geral da equação homogênea corres-
pondente y00 + 2y0 + y = 0 é
y(t) = c1 e−t + c2 te−t .
O segundo membro da equação diferencial, (2 + t)e−t , é da forma (2). Vamos procu-
rar uma solução particular da forma

y p ( t ) = t2 ( A0 + A1 t ) e − t = ( A0 t2 + A1 t3 ) e − t

O valor de s é igual a 2, pois para s = 0 as parcelas A0 e−t e A1 te−t são soluções da


equação homogênea (c1 = A0 , c2 = 0 e c1 = 0, c2 = A1 ) e para s = 1 a parcela
A0 te−t é solução da equação homogênea (c1 = 0 e c2 = A0 ).
 
y0p (t) = 2A0 t + (3A1 − A0 )t2 − A1 t3 e−t
 
y00p (t) = 2A0 + (6A1 − 4A0 )t + ( A0 − 6A1 )t2 + A1 t3 e−t .

Substituindo y0p (t) e y00p (t) na equação y00 + 2y0 + y = (2 + t)e−t obtemos
 
2A0 + (6A1 − 4A0 )t + ( A0 − 6A1 )t2 + A1 t3 e−t +
 
+ 2 2A0 t + (3A1 − A0 )t2 − A1 t3 e−t +
+ ( A0 t2 + A1 t3 ) e − t = (2 + t ) e − t

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.5 Equações Não Homogêneas 67

Simplificando o primeiro membro obtemos

(2A0 + 6A1 t) e−t = (2 + t)e−t ⇒ 2A0 + 6A1 t = 2 + t

Comparando os termos de mesmo grau obtemos o sistema linear



2A0 = 2
6A1 = 1

que tem solução A0 = 1 e A1 = 1/6. Assim uma solução particular da equação não
homogênea é
1
y p ( t ) = ( t2 + t3 ) e − t
6
e a solução geral da equação não homogênea é

1
y(t) = c1 e−t + c2 te−t + (t2 + t3 )e−t
6

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


68 Equações Diferenciais Ordinárias

2 4 6 8

-2

-4

-6

Figura 1.15 – Algumas soluções da


equação do Exemplo 1.23

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.5 Equações Não Homogêneas 69

Exemplo 1.24. Vamos encontrar a solução geral da equação


y00 + 2y0 + 2y = et cos t.

Precisamos encontrar a solução geral da equação homogênea correspondente y00 +


2y0 + 2y = 0. A equação caracterı́stica é

r2 + 2r + 2 = 0

que tem como raı́zes r1 = −1 + i e r2 = −1 − i. Assim a solução geral da equação


homogênea correspondente y00 + 2y0 + 2y = 0 é

y(t) = c1 e−t cos t + c2 e−t sen t.

O segundo membro da equação diferencial, et cos t, é da forma (3). Vamos procurar


uma solução particular da forma

y p (t) = t0 ( Aet cos t + Bet sen t) = Aet cos t + Bet sen t

O valor de s é igual a 0, pois nenhuma parcela de y p (t) é solução da equação ho-


mogênea.

y0p (t) = A(et cos t − et sen t) + B(et sen t + et cos t+) = ( A + B)et cos t + ( B − A)et sen t

y00p (t) = 2Bet cos t − 2Aet sen t.


Substituindo y0p (t) e y00p (t) na equação y00 + 2y0 + y = et cos t obtemos

2Bet cos t − 2Aet sen t + 2 ( A + B)et cos t + ( B − A)et sen t




+ 2( Aet cos t + Bet sen t) = et cos t


Simplificando o primeiro membro obtemos

(4A + 4B)et cos t + (4B − 4A)et sen t = et cos t

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


70 Equações Diferenciais Ordinárias

Comparando os coeficientes de et cos t e de et sen t obtemos o sistema linear



4A + 4B = 1
−4A + 4B = 0

que tem solução A = 1/8 e B = 1/8. Assim uma solução particular da equação não
homogênea é
1 1
y p (t) = et cos t + et sen t
8 8
e a solução geral da equação não homogênea é

1
y(t) = c1 e−t cos t + c2 e−t sen t + et (cos t + sen t)
8

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.5 Equações Não Homogêneas 71

-4 -2 2 4

-2

Figura 1.16 – Algumas soluções da -4


equação do Exemplo 1.24

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


72 Equações Diferenciais Ordinárias

Exercı́cios (respostas na página 132)


5.1. Encontre a solução geral das equações:

(a) y00 + 5y0 + 6y = xe−5x .


(b) y00 − 4y0 + 6y = 3x.
(c) y00 + 4 y = 2 sen(2t) + t
(d) y00 + 2y = et + 2

5.2. Resolva os problemas de valor inicial:


(a) y00 + y0 − 2y = t2 + 3, y(0) = 0, y 0 (0) = 0
(b) y00 + 2 y0 + y = 3 sen(2t), y(0) = 0, y 0 (0) = 0
(c) y00 − 4 y0 + 4 y = 3e−t , y(0) = 0, y 0 (0) = 0
(d) 2y00 + 2y0 + y = t2 , y(0) = 0, y 0 (0) = 0
5.3. (a) Encontre a solução geral da equação

y00 + 2y0 + αy = 0

para α > 1, para α = 1 e para α < 1.


(b) Determine a forma adequada para uma solução particular da equação

y00 + 2y0 + αy = te−t sen( α − 1 t)

para α > 1.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.6 Oscilações 73

1.6 Oscilações

Fe = − k L

F =−ky
0

e
F =−γv
r
0 L

P=mg

P=mg
Fext
Figura 1.17 – Sistema massa-mola na verti-
cal u y

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


74 Equações Diferenciais Ordinárias

Considere um sistema massa-mola na vertical. Seja L o alongamento provocado na


mola pela colocação da massa m quando o sistema está em equilı́brio. Neste caso a
magnitude da força elástica é igual a magnitude do peso, ou seja,
mg = kL. (1.43)
Aqui k é chamada constante da mola. Seja y(t) o alongamento da mola em um
instante t. Defina a nova função
u(t) = y(t) − L.
Sobre a massa agem o seu peso,
P = mg,
a força da mola que é proporcional ao seu alongamento e tem sentido oposto a ele,
Fe = −ky(t) = −k(u(t) + L),
uma força de resistência proporcional a velocidade,
Fr = −γy0 (t) = −γu0 (t)
e uma força externa Fext . Aqui γ é a constante de amortecimento.
Pela segunda lei de Newton, temos que
my00 (t) = mg − ky(t) − γy0 (t) + Fext
ou escrevendo em termos de u(t) = y(t) − L:
mu00 (t) = mg − k( L + u(t)) − γu0 (t) + Fext (1.44)
Assim, por (1.43) e (1.44), u(t) satisfaz a seguinte equação diferencial
mu00 (t) + γu0 (t) + ku(t) = Fext . (1.45)
que é a mesma equação que satisfaz x (t) no caso da mola estar na posição horizontal.
Verifique!

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.6 Oscilações 75

1.6.1 Oscilações Livres


Sem Amortecimento

F = −k x
e

Fe = −k x

Figura 1.18 – Sistema massa-mola li-


vre não amortecido 0 x

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


76 Equações Diferenciais Ordinárias

Como as oscilações são livres, Fext = 0 e como são não amortecidas, γ = 0. Assim a
equação (1.45) para o movimento da massa é

mu00 + ku = 0

A equação caracterı́stica é
r
2 k
mr + k = 0 ⇔ r=± i.
m
Assim a solução geral da equação é
r ! r !
k k
u(t) = c1 cos t + c2 sen t
m m
q
k
Seja ω0 = m. Então a equação acima pode ser escrita em termos de ω0 como

u(t) = c1 cos (ω0 t) + c2 sen (ω0 t) . (1.46)

Marcando o ponto (c1 , c2 ) no plano e escrevendo em coordenadas polares temos que


y

( c1 , c2 )
c2

c1 = R cos δ,
(1.47)
R c2 = R sen δ.

δ
c1 x

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.6 Oscilações 77

Substituindo-se os valores de c1 e c2 obtidos de (1.47) na equação (1.46) obtemos

u(t) = R cos δ cos (ω0 t) + R sen δ sen (ω0 t)


= R (cos δ cos (ω0 t) + sen δ sen (ω0 t))
= R cos(ω0 t − δ),

Aqui foi usada a relação

cos( a − b) = cos a cos b + sen a sen b.

ω0 é chamada frequência natural do sistema, δ a fase e R a amplitude.



Neste caso a solução da equação é periódica de perı́odo T = . Este movimento
ω0
oscilatório é chamado movimento harmônico simples.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


78 Equações Diferenciais Ordinárias

Oscilação Livre sem Amortecimento

u u(t) =qR cos(ω0 t − δ)


ω0 = mk


+R ω0

δ δ+2π
ω0 ω0 t

−R

Figura 1.19 – Solução do sistema massa-


mola livre não amortecido

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.6 Oscilações 79

Exemplo 1.25. Sabendo-se que o problema de valor inicial que descreve um sistema
massa-mola é dado por

y00 + 2y = 0, y(0) = 0, y 0 (0) = 1

(a) Encontre a solução geral da equação diferencial e resolva o problema de valor


inicial. Determine a amplitude, a frequência, a fase e o perı́odo.
(b) Esboce o gráfico da solução obtida.
Solução:

(a) Equação caracterı́stica é r2 + 2 = 0, que tem como raı́zes r = ± 2i.
Logo a solução geral da equação diferencial é :
√  √ 
y(t) = c1 cos 2 t + c2 sen 2t .

Para resolver o PVI precisamos calcular a derivada da solução geral:


√ √  √ √ 
y0 (t) = −c1 2 sen 2 t + c2 2 cos 2t

Substituindo-se t = 0, y = 0, y0 = 1 obtemos:

2
c1 = 0, c2 = .
2
Solução do PVI: √
2 √ 
y(t) = sen 2t .
2
√ √
2 2 π
Marcando o ponto (c1 , c2 ) = (0, ) no plano obtemos que R = eδ= ,
2 2 2
ou seja, √ √
2 √  2 √ π
y(t) = sen 2t = cos 2 t−
2 2 2

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


80 Equações Diferenciais Ordinárias

√ √
A amplitude é igual a 22 , a frequência é igual a 2, a fase é igual a π/2 e o

perı́odo é igual a 2π/ 2.
(b)
y

+21/2/2


____ t
21/2

−21/2/2

Com Amortecimento
Como as oscilações são livres, Fext = 0. Assim a equação (1.45) para o movimento da
massa é
mu00 + γu0 + ku = 0
A equação caracterı́stica é mr2 + γr + k = 0 e ∆ = γ2 − 4km

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.6 Oscilações 81

F = −γ v F = −k x
r e

Fr = −γ v

Fr = −γ v

Fe = −k x

Figura 1.20 – Sistema massa-mola livre com amor-


tecimento 0 x

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


82 Equações Diferenciais Ordinárias

Aqui temos três casos a considerar:



(a) Se ∆ = γ2 − 4km > 0 ou γ > 2 km, neste caso

u ( t ) = c 1 e r1 t + c 2 e r2 t ,

em que √
−γ ± ∆
p
−γ ± γ2 − 4km
r1,2 = = <0
2m 2m
Este caso é chamado superamortecimento e a solução

u(t) → 0 quando t → +∞.

Super Amortecimento

u u ( t ) = c 1 e r1 t + c 2 e r2 t
p
−γ ± γ2 − 4km
r1,2 =
2m
c1 + c2 = u0

u0

Figura 1.21 – Algumas soluções do sis-


tema massa-mola livre com superamor-
tecimento

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.6 Oscilações 83


(b) Se ∆ = γ2 − 4km = 0 ou γ = 2 km, neste caso
γt γt
u(t) = c1 e− 2m + c2 te− 2m

Este caso é chamado amortecimento crı́tico e a solução

u(t) → 0 quando t → +∞.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


84 Equações Diferenciais Ordinárias

Amortecimento Crítico

u γt γt
u(t) = c1 e− 2m + c2 te− 2m
c1 = u0

u0

Figura 1.22 – Algumas soluções do sis-


tema massa-mola livre com amorteci-
mento crı́tico

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.6 Oscilações 85


(c) Se ∆ = γ2 − 4km < 0 ou 0 < γ < 2 km, neste caso
γt
u(t) = e− 2m (c1 cos µt + c2 sen µt) (1.48)

em que r
p
4km − γ2 γ2
µ= = ω02 −
< ω0
2m 4m2

Aqui, µ é chamado quase frequência e T = é chamado quase perı́odo.
µ
Escrevendo novamente o par (c1 , c2 ) em coordenadas polares temos que
y

( c1 , c2 )
c2

c1 = R cos δ,
(1.49)
R c2 = R sen δ.

δ
c1 x

Substituindo-se os valores de c1 e c2 na equação (2.24) obtemos


γt γt
u(t) = e− 2m ( R cos δ cos µt + R sen δ sen µt) = Re− 2m cos(µt − δ),
q
em que R = c21 + c22 e δ são obtidos de (1.49).
Este caso é chamado subamortecimento e a solução

u(t) → 0 quando t → +∞.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


86 Equações Diferenciais Ordinárias

γt
Este é um movimento oscilatório com amplitude Re− 2m é chamado quase-
periódico.
Observe que nos três casos a solução tende a zero quando t tende a +∞.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.6 Oscilações 87

Sub Amortecimento
γt
u u(t) = e− 2m (c1 cos µt + c2 sen µt)
q
2
µ = ω02 − γ 2 < ω0
4m

c1 = u0

u0

Figura 1.23 – Algumas soluções do sis-


tema massa-mola livre com subamorte-
cimento
Sub Amortecimento
γt
u u(t) = Re− 2m cos(µt − δ),
q
2
µ = ω02 − γ 2 < ω0
4m

+R µ

−γt/2m
← Re

δ δ+2π
µ µ t
← −Re−γt/2m

−R

Figura 1.24 – Solução tı́pica do sistema


massa-mola livre com subamortecimento

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


88 Equações Diferenciais Ordinárias


super amortecimento, γ > 2 km




amortecimento crı́tico, γ = 2 km

t




sub amortecimento, γ < 2 km

Figura 1.25 – Comparação das soluções do


sistema massa-mola livre com amorteci-
mento para diferentes valores da cons-
tante de amortecimento γ

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.6 Oscilações 89

1.6.2 Oscilações Forçadas


Vamos supor que uma força externa periódica da forma Fext = F0 cos(ωt), com
ω > 0, seja aplicada à massa. Então a equação (1.45) para o movimento da massa é

mu00 + γu0 + ku = F0 cos(ωt)

Oscilações Forçadas sem Amortecimento


Neste caso a equação diferencial para o movimento da massa é

mu00 + ku = F0 cos(ωt) (1.50)

Sabemos que as soluções são da forma

u(t) = c1 cos (ω0 t) + c2 sen (ω0 t) + u p (t)

em que, pelo método dos coeficientes a determinar,

u p (t) = ts [ A cos(ωt) + B sen(ωt)]

é uma solução particular e s é o menor inteiro não negativo que garanta que ne-
nhuma parcela de u p (t) seja solução da equação homogênea correspondente e A e B
são coeficientes a serem determinados substituindo-se u p (t) na equação diferencial
(1.50).
Temos dois casos a considerar:
(a) Se ω 6= ω0 . Neste caso s = 0, pois nenhuma das parcelas de u p (t) é solução da
equação homogênea correspondente. Então a solução particular é da forma

u p (t) = A cos(ωt) + B sen(ωt)

e a solução geral da equação é da forma

u(t) = c1 cos (ω0 t) + c2 sen (ω0 t) + A cos(ωt) + B sen(ωt)

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


90 Equações Diferenciais Ordinárias

Deixamos como exercı́cio para o leitor verificar que substituindo-se u p (t) na


equação diferencial (1.50) encontramos
F0
A= e B = 0.
m(ω02 − ω2 )
Assim
F0
u(t) = c1 cos (ω0 t) + c2 sen (ω0 t) + cos(ωt).
m(ω02 − ω 2 )
Neste caso a solução u(t) é oscilatória e limitada.
(b) Se ω = ω0 . Neste caso s = 1, pois para s = 0 as parcelas, A cos(ω0 t)
e B sen(ω0 t), de u p (t), são soluções da equação homogênea correspondente.
Então a solução particular é da forma

u p (t) = t[ A cos(ωt) + B sen(ωt)]

e a solução geral da equação é da forma

u(t) = c1 cos (ω0 t) + c2 sen (ω0 t) + t[ A cos(ω0 t) + B sen(ω0 t)]

Deixamos como exercı́cio para o leitor verificar que substituindo-se u p (t) na


equação diferencial (1.50) encontramos
F0
A=0 e B= .
2mω0
Assim
F0
u(t) = c1 cos (ω0 t) + c2 sen (ω0 t) + t sen(ω0 t).
2mω0
Neste caso u(t) é oscilatória, mas fica ilimitada quando t tende a +∞. Este
fenômeno é conhecido como ressonância e a frequência ω = ω0 é chamada
frequência de ressonância.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.6 Oscilações 91

Fext = Focos(ωt)

F =−kx
e

Fext = Focos(ωt)

Fext = Focos(ωt)
Fe = − k x

Figura 1.26 – Sistema massa-mola


forçado sem amortecimento 0 x

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


92 Equações Diferenciais Ordinárias

Exemplo 1.26. Vamos considerar o problema de valor inicial


mu00 + ku = F0 cos(ωt),


u(0) = 0, u0 (0) = 0
Temos dois casos a considerar:
(a) Se ω 6= ω0 . A solução geral da equação é
F0
u(t) = c1 cos (ω0 t) + c2 sen (ω0 t) + cos(ωt)
m(ω02 − ω2 )
Derivando e substituindo-se t = 0, u = 0 e u0 = 0 obtemos que (verifique!)
F0
c1 = − , c2 = 0
m(ω02 − ω2 )
Assim a solução do problema de valor inicial é
F0
u(t) = (cos(ωt) − cos(ω0 t)) .
m(ω02 − ω 2 )
Como
cos( A − B) − cos( A + B) = 2 sen A sen B
então
2F0
u(t) = sen(ω1 t) sen(ω2 t)
m(ω02 − ω 2 )
em que
ω0 − ω ω0 + ω
ω1 = , ω2 = .
2 2
Como ω1 = ω02−ω é menor do que ω2 = ω02+ω , então o movimento é uma
oscilação de frequência ω2 com uma amplitude também oscilatória R(t) =
2F0
m(ω 2 −ω 2 )
sen(ω1 t) de frequência ω1 . Este movimento é chamado batimento.
0

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.6 Oscilações 93

Batimento Ressonância

u u(t) = R sen(ω1 t) sen(ω2 t), u u(t) = R t sen(ωt)


2F0
R= 2 2 ,
m ( ω0 − ω )
ω0 − ω ω0 + ω
ω1 = 2 , ω2 = 2
+R
R sen(ω t) → Rt→
1

2π 2π
ω t ω0 t
1

−R sen(ω1t) → −R t →
−R

Figura 1.27 – Solução do sistema massa-mola, para Figura 1.28 – Solução do sistema massa-mola, para
u(0) = u0 (0) = 0, no caso de batimento u(0) = u0 (0) = 0, no caso de ressonância

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


94 Equações Diferenciais Ordinárias

(b) Se ω = ω0 . A solução geral da equação é

F0
u(t) = c1 cos (ω0 t) + c2 sen (ω0 t) + t sen(ω0 t)
2mω0

Já vimos que neste caso u(t) fica ilimitada quando t tende a +∞ que é o
fenômeno da ressonância. Derivando e substituindo-se t = 0, u = 0 e u0 = 0
obtemos que (verifique!)
c1 = 0, c2 = 0
Assim a solução do problema de valor inicial é

F0
u(t) = t sen(ω0 t).
2mω0

Este movimento é uma oscilação de frequência ω0 com uma amplitude

F0
R(t) = t
2mω0

que aumenta proporcionalmente a t.

Oscilações Forçadas com Amortecimento


Neste caso a equação diferencial para o movimento da massa é

mu00 + γu0 + ku = F0 cos(ωt) (1.51)

Seja u(t) = c1 u1 (t) + c2 u2 (t) a solução da equação homogênea correspondente.


Então a solução geral desta equação é

u ( t ) = c1 u1 ( t ) + c2 u2 ( t ) + u p ( t )

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.6 Oscilações 95

em que u p (t) é uma solução particular. Pelo método dos coeficientes a determinar

u p (t) = A cos(ωt) + B sen(ωt).

Deixamos como exercı́cio para o leitor verificar que substituindo-se u p (t) e suas de-
rivadas na equação diferencial (1.51) encontramos

F0 m(ω02 − ω 2 ) F0 γω
A= , B= ,
∆ ∆
em que ∆ = m2 (ω02 − ω 2 )2 + γ2 ω 2 . Podemos escrever

u p (t) = A cos(ωt) + B sen(ωt) = R cos(ωt − δ)



em que R = A2 + B2 e δ é tal que A = R cos δ e B = R sen δ. Neste caso a amplitude
da solução estacionária é dada por

F0
R= √ .

Assim a solução geral da equação é

u(t) = c1 u1 (t) + c2 u2 (t) + R cos(ωt − δ).

A solução geral da equação homogênea correspondente, c1 u1 (t) + c2 u2 (t), é a


solução do problema de oscilação livre amortecida e já mostramos que tende a zero
quando t tende a +∞, por isso é chamada solução transiente, enquanto a solução
particular, R cos(ωt − δ), permanece e por isso é chamada solução estacionária.
u(t) = c1 u1 (t) + c2 u2 (t) + R cos(ωt − δ) ≈ R cos(ωt − δ), para t suficientemente grande.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


96 Equações Diferenciais Ordinárias

Fr = −γ v Fext = Focos(ωt)
Fe = − k x

Fr = −γ v Fext = Focos(ωt)

Fr = −γ v Fext = Focos(ωt)

Fe = − k x

0 x

Figura 1.29 – Sistema massa-mola forçado com amortecimento

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.6 Oscilações 97

Oscilaçao Forçada com Amortecimento

u
u(t) = c1 u1 (t) + c2 u2 (t) + R cos(ωt − δ)


+R ω

t
−R

Figura 1.30 – Solução do sistema massa-mola forçado com amortecimento

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


98 Equações Diferenciais Ordinárias

1.6.3 Circuitos Elétricos


Considere um circuito elétrico formado por um capacitor, um resistor e um indutor
ligados em série a um gerador como mostrado na Figura 1.31.

L C

Figura 1.31 – Circuito LRC V (t)

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.6 Oscilações 99

A queda de potencial num resistor de resistência R é igual a RI, num capacitor de


Q dI
capacitância C é igual a e em um indutor de indutância L é igual a L . Pela
C dt
segunda lei de Kirchhoff (lei das malhas) a soma da forças eletromotrizes (neste caso
apenas V (t)) é igual a soma das quedas de potencial (neste caso R I na resistência,
dI
Q/C no capacitor e L no indutor), ou seja,
dt
dI 1
L + RI + Q = V (t) (1.52)
dt C
dQ
Substituindo-se I = obtemos uma equação diferencial de 2a. ordem para a carga
dt
elétrica no capacitor.
d2 Q dQ 1
L 2
+R + Q = V (t) (1.53)
dt dt C
com condições iniciais Q(0) = Q0 e Q0 (0) = I0 . Uma equação diferencial de 2a.
ordem para a corrente elétrica no circuito pode ser obtida derivando-se a equação
(1.52), ou seja,
d2 I dI 1 dQ dV
L 2 +R + = (t)
dt dt C dt dt
dQ
e substituindo-se I =
dt

d2 I dI 1 dV
L +R + I = (t)
dt2 dt C dt
V (0) − RI0 − Q0 /C
com condições iniciais I (0) = I0 e I 0 (0) = . A última condição é
L
obtida usando a equação (1.53).
Exemplo 1.27. Um circuito possui um capacitor de 0, 5 × 10−1 F, um resistor de 25 Ω
e um indutor de 5 H, em série. O capacitor se encontra descarregado. No instante

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


100 Equações Diferenciais Ordinárias

t = 0 conecta-se esse circuito a uma bateria cuja tensão é de 10e−t/4 V, e o circuito é


fechado.
Vamos determinar a carga no capacitor em qualquer instante t > 0. A equação
diferencial para a carga no capacitor é

1
5Q00 + 25Q0 + Q = 10e−t/4 .
0, 5 · 10−1
Dividindo-se por 5 obtemos a equação

Q00 + 5Q0 + 4Q = 2e−t/4 .

Equação caracterı́stica é
r2 + 5r + 4 = 0
cujas raı́zes são r = −1, −4.
Assim a solução geral da equação homogênea é

Q(t) = c1 e−t + c2 e−4t .

Vamos procurar uma solução particular da equação não homogênea da forma


Q p (t) = A0 e−t/4 .

1 A0 −t/4
Q0p (t) = − A0 e−t/4 , Q00p (t) = e
4 16
Substituindo-se na equação Q p (t), Q0p (t) e Q00p (t) obtemos

A0 −t/4 5
e − A0 e−t/4 + 4A0 e−t/4 = 2e−t/4
16 4
45 32
A0 = 2 ⇒ A0 =
16 45

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.6 Oscilações 101

Portanto a solução geral da equação diferencial é

32 −t/4
Q(t) = c1 e−t + c2 e−4t + e
45

Derivada da solução geral: Q0 (t) = −c1 e−t − 4c2 e−4t − 45


8 −t/4
e
0
Substituindo-se t = 0, Q = 0, Q = 0 obtemos
32
 
c1 + c2 + 45 =0 c1 = −8/9
8 , ⇒
−c1 − 4c2 − 45 = 0 c2 = 8/45

Portanto a solução do PVI formado pela equação diferencial e Q(0) = 0, Q0 (0) = 0 é

8 8 32
Q(t) = − e−t + e−4t + e−t/4
9 45 45
Observe que
lim Q(t) = 0.
t→∞

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


102 Equações Diferenciais Ordinárias

Exercı́cios (respostas na página 139)


6.1. Sabendo-se que o problema de valor inicial que descreve um sistema massa-mola é dado por

y00 + 5y = 0, y(0) = 1, y 0 (0) = 0

(a) Encontre a solução geral da equação diferencial e resolva o problema de valor inicial. Determine a
amplitude, a frequência, a fase e o perı́odo.
(b) Esboce o gráfico da solução obtida.

6.2. Sabendo-se que o problema de valor inicial que descreve um sistema massa-mola é dado por

2y00 + 3y = 0, y(0) = 1, y 0 (0) = 0

(a) Encontre a solução geral da equação e resolva o problema de valor inicial. Determine a amplitude,
a frequência, a fase e o perı́odo.
(b) Esboce o gráfico da solução obtida.

6.3. Uma mola, de um sistema massa-mola sem amortecimento, tem constante de elasticidade igual a 3 N/m.
Pendura-se na mola uma massa de 2 kg e o sistema sofre a ação de uma força externa de 3 cos(3t).
Determine a função que descreve o movimento da massa em qualquer instante t, considerando a posição
inicial igual u0 e a velocidade inicial u00 .

6.4. Se um sistema massa-mola com uma massa de 2 kg e uma mola com constante de elasticidade igual 0,5
N/m é colocado em movimento, no instante t = 0, num meio em que a constante de amortecimento é
igual a 1 N.s/m, determine a posição da massa em qualquer instante t, considerando a posição inicial
igual a u0 e a velocidade inicial u00 .

6.5. Uma massa de 100 gramas estica uma mola 10 centı́metros. Suponha que não haja amortecimento e que
a aceleração da gravidade seja de 103 centı́metros por segundo ao quadrado. Encontre a frequência, o
perı́odo e a amplitude do movimento. Determine a posição u em função do tempo t e faça um esboço do
seu gráfico.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.6 Oscilações 103

(a) Se a massa é colocada em movimento a partir da sua posição de equilı́brio com uma velocidade
apontada para cima de 4 centı́metros por segundo.
(b) Se a massa é puxada para baixo esticando a mola 1 centı́metro e depois colocada em movimento
com uma velocidade para baixo de 10 centı́metros por segundo.
(c) Se a massa é puxada para baixo esticando a mola 2 centı́metros e depois é solta.
6.6. Uma massa de 100 gramas estica uma mola 10 centı́metros. A massa está presa a um amortecedor viscoso.
Suponha que a aceleração da gravidade seja de 103 centı́metros por segundo ao quadrado.
(a) Para quais valores da constante de amortecimento γ o sistema é super-amortecido, tem um amorte-
cimento crı́tico e é sub-amortecido.
(b) Suponha que o amortecedor exerce uma força de 104 dinas (=gramas·centı́metros por segundos2 )
quando a velocidade é de 10 centı́metros por segundo. Se a massa é puxada para baixo 2 centı́metros
e depois é solta, determine a posição u em função do tempo t e faça um esboço do seu gráfico. Qual
o valor do quase perı́odo?
6.7. Uma massa de 100 gramas estica uma mola 10 centı́metros. Suponha que não haja amortecimento e que
a aceleração da gravidade seja de 103 centı́metros por segundo ao quadrado. Se o sistema é colocado em
movimento com uma força externa de 9600 cos(6t) dinas, determine a posição da massa como função do
tempo e faça um esboço do seu gráfico.
6.8. Uma massa de 100 gramas estica uma mola 10 centı́metros. Suponha que não haja amortecimento e que
a aceleração da gravidade seja de 103 centı́metros por segundo ao quadrado. Se o sistema é colocado
em movimento na posição de equilı́brio com uma força externa de 1000 cos(ωt) dinas, para ω igual a
frequência de ressonância, determine a posição da massa como função do tempo e faça um esboço do
seu gráfico.
6.9. Uma massa de 100 gramas estica uma mola 10 centı́metros. A massa está presa a um amortecedor viscoso.
Suponha que a aceleração da gravidade seja de 103 centı́metros por segundo ao quadrado. Suponha que
o amortecedor exerce uma força de 4200 dinas quando a velocidade é de 1 centı́metro por segundo. Se a
massa está sob a ação de uma força externa de 26000 cos(6t) dinas, determine a posição u em função do
tempo t e faça um esboço do seu gráfico, considerando somente a solução estacionária.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


104 Equações Diferenciais Ordinárias

6.10. Considere um sistema massa-mola descrito pela equação

u00 + u0 + 2u = cos ωt, ω > 0, u(0) = 0, u0 (0) = 2

(a) Determine a solução estacionária deste problema.


(b) Encontre a amplitude da solução estacionária como função de ω.
6.11. Considere a equação diferencial do sistema massa-mola forçado sem amortecimento

mu00 + ku = F0 cos(ωt)

Mostre que a solução geral:


(a) Se ω 6= ω0 é dada por
F0
u(t) = c1 cos (ω0 t) + c2 sen (ω0 t) + cos(ωt);
m(ω02 − ω2 )

(b) Se ω = ω0 é dada por


F0
u(t) = c1 cos (ω0 t) + c2 sen (ω0 t) + t sen(ω0 t).
2mω0

6.12. Mostre que a solução do PVI


mu00 + ku = F0 cos(ωt),


u(0) = 0, u0 (0) = 0
(a) Se ω 6= ω0 é dada por
F0
u(t) = (cos(ωt) − cos(ω0 t)) .
m(ω02 − ω2 )
(b) Se ω = ω0 é dada por
F0
u(t) = t sen(ω0 t).
2mω0

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.6 Oscilações 105

6.13. Encontre a solução estacionária de

mu00 + γu0 + ku = F0 cos(ωt).

6.14. Um circuito possui um capacitor de 0,125 × 10−1 F, um resistor de 60 Ω e um indutor de 10 H, em série.


A carga inicial no capacitor é zero. No instante t = 0 conecta-se o circuito a uma bateria cuja tensão é de
12 V e o circuito é fechado.
(a) Determine a carga no capacitor em qualquer instante t > 0.
(b) Determine a carga no capacitor quando t → +∞.
(c) Esboce o gráfico da solução obtida.

6.15. O movimento de um pêndulo simples de massa m e comprimento l é descrito pela função θ (t) que
satisfaz a equação diferencial
d2 θ g
2
+ sen θ = 0.
dt l
Considere a aproximação sen θ ≈ θ.
(a) Encontre θ (t) sabendo-se que o pêndulo é solto de um ângulo θ0 .
(b) Determine a frequência, o perı́odo e a amplitude de oscilação do pêndulo.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


106 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

1.7 Respostas dos Exercı́cios


1. Introdução às Equações Diferenciais (página 13)
1.1. (a) Equação diferencial ordinária de 1a. ordem não linear.
(b) Equação diferencial ordinária de 2a. ordem linear.
1.2. ( x + 3)y100 + ( x + 2)y10 − y1 = ( x + 3)2 + ( x + 2)2x − x2 = x2 + 6x + 6 6= 0
( x + 3)y200 + ( x + 2)y20 − y2 = ( x + 3)6x + ( x + 2)3x2 − x3 = 2x3 + 12x2 + 18x 6= 0
( x + 3)y300 + ( x + 2)y30 − y3 = ( x + 3)e− x − ( x + 2)e− x − e− x = 0
Logo, y1 ( x ) = x2 e y2 ( x ) = x3 não são soluções da equação e y3 ( x ) = e− x é solução da equação.

dy
(a) Substituindo-se y = ert e = rert e na equação obtemos
dt
arert + bert = ( ar + b)ert = 0,

pois por hipótese ar + b = 0.


dy d2 y
(b) Substituindo-se y = ert , = rert e 2 = r2 ert na equação obtemos
dt dt
ar2 ert + brert + cert = ( ar2 + br + c)ert = 0,

pois por hipótese ar2 + br + c = 0.


dy d2 y
(c) Substituindo-se y = xr , = rxr−1 e 2 = r (r − 1) xr−2 em (1.23) obtemos
dx dx
x2 r (r − 1) xr−2 + bxrxr−1 + cxr = 0.

r (r − 1) xr + brxr + cxr = 0.
 
r2 + (b − 1)r + c xr = 0,

pois por hipótese r2 + (b − 1)r + c = 0.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 107

dy
1.3. (a) Substituindo-se y = ert e = rert na equação diferencial obtemos
dt
arert + bert = ( ar + b)ert = 0.
Como ert 6= 0, então y(t) = ert é solução da equação diferencial se, e somente se, r é solução da
equação
ar + b = 0
dy d2 y
(b) Substituindo-se y = ert , = rert e 2 = r2 ert na equação diferencial obtemos
dt dt
ar2 ert + brert + cert = ( ar2 + br + c)ert = 0.
Como ert 6= 0, então y(t) = ert é solução da equação diferencial se, e somente se, r é solução da
equação
ar2 + br + c = 0
dy d2 y
(c) Substituindo-se y = xr , = rxr−1 e 2 = r (r − 1) xr−2 na equação diferencial obtemos
dx dx
x2 r (r − 1) xr−2 + bxrxr−1 + cxr = 0.
 
r2 + (b − 1)r + c xr = 0.
Como xr 6= 0, então y = xr é solução da equação diferencial se, e somente se, r é solução da equação

r2 + (b − 1)r + c = 0.

1.4. (a)
−2tr tr2 (−2r + r2 )t
0 = y0 + ty2 = + = ∀t
( t2 − 3)2 ( t2 − 3)2 ( t − 3)2
⇒ r2 − 2r = 0
⇒ r=0 ou r=2

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


108 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

(b)
−2rt 2tr2 (−2r − 2r2 )t
0 = y0 − 2ty2 = − = ∀t
( t2 + 1)2 ( t2 + 1)2 ( t2 + 1)2
⇒ r2 + r = 0
⇒ r=0 ou r = −1
(c)
−2rt 6tr2 (−2r − 6r2 )t
0 = y0 − 6ty2 = − 2 = ∀t
( t2+ 1) 2 ( t + 1) 2 ( t2 + 1)2
⇒ 3r2 + r = 0
⇒ r=0 ou r = −1/3
(d)
−2rt tr2 (−2r − r2 )t
0 = y0 − ty2 = − = , ∀t
( t2 + 2)2 ( t2 + 2)2 ( t2 + 2)2
⇒ r2 + 2r = 0
⇒ r=0 ou r = −2

1.5. y(t) = at + b ⇒ y0 (t) = a e y00 (t) = 0.


Substituindo-se y(t) = at + b, y0 (t) = a e y00 (t) = 0 na equação diferencial ty00 + (t − 1)y0 − y = 0
obtemos
t · 0 + (t − 1) a − ( at + b) = 0.
Simplificando-se obtemos:
− a − b = 0 ou a = −b.
Logo para que y(t) = at + b seja solução da equação diferencial temos que ter a = −b, ou seja,

y(t) = at − a = a(t − 1).

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 109

Portanto todas as soluções da equação diferencial que são funções de 1o. grau são múltiplos escalares de

y0 (t) = t − 1.

2. Equações Lineares de 1a. Ordem (página 23)

2.1. (a)
2
R
(1−2x )dx
µ( x ) = e = e x−x
2
Multiplicando a equação por µ( x ) = e x− x :

d  x − x2  2 2
e y = e x− x xe− x = xe− x
dx

1
Z
2 2 2
e x−x y( x ) = xe− x dx = − e− x + C
2

1 2
y( x ) = − e− x + Ce x − x
2

1
2 = y(0) = − + C ⇒ C = 5/2
2

1 5 2
y( x ) = − e− x + e x − x
2 2
(b)
3t2 dt 3
R
µ(t) = e = et
3
Multiplicando a equação por µ(t) = et :

d  t3  3 3
e y = et e−t +t = et
dt

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


110 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

Z
3
et y(t) = et dt = et + C

3 3
y(t) = et−t + Ce−t

2 = y (0) = 1 + C ⇒ C = 1

3 3
y (t ) = et−t + e−t

(c) R
− cos t dt
µ(t) = e = e− sen t

d − sen t  2 2
e y = e− sen t tet +sen t = tet
dt

1 t2
Z
2
e− sen t y(t) = tet dt = e +C
2

1 t2 +sen t
y(t) = e + Cesen t
2

1
2 = y (0) = + C ⇒ C = 3/2
2

1 t2 +sen t 3 sen t
y(t) = e + e
2 2

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 111

(d)
x4 dx x5
R
µ( x ) = e =e 5

x5
Multiplicando a equação por µ( x ) = e 5 :
 5 
d x x5 4x5 5
e 5 y = e 5 x4 e 5 = x4 e x
dx

x5 1 x5
Z
5
e 5 y( x ) = x4 e x dx = e
5

1 4x5 x5
y( x ) = e 5 + Ce− 5
5

1
1 = y (0) = + C ⇒ C = 4/5
5

1 4x5 4 x5
y( x ) = e 5 + e− 5
5 5
2.2. (a)
4 2
y0 − y=− 3
x x
− 4x dx
R
µ( x ) = e = x −4
Multiplicando a equação por µ( x ) = x −4 :
d  −4  2
x y =− 7
dx x
Integrando-se
2 1
Z
x −4 y ( x ) = − dx = 6 + C
x7 3x

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


112 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

1
y( x ) = + Cx4
3x2
(b)
1
y0 − y = −x
x
− 1x dx
R
µ( x ) = e = x −1
Multiplicando a equação por µ( x ) = x −1 :
d  −1 
x y = −1
dx
Integrando-se Z
−1
x y( x ) = − dx = − x + C

y( x ) = − x2 + Cx
(c)
4
y0 − y = x5 e x
x
− 4x dx
R
µ( x ) = e = x −4
Multiplicando a equação por µ( x ) = x −4 :
d  −4 
x y = xe x
dx
Integrando-se Z
x −4 y ( x ) = xe x dx = xe x − e x + C

y( x ) = x5 e x − x4 e x + Cx4

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 113

2.3. (a)
5x4 dx 5
R
µ( x ) = e = ex
5
Multiplicando a equação por µ( x ) = e x :
d  5
 5 5
e x y = e x x4 = x4 e x
dx

1 x5
Z
5 5
e x y( x ) = x4 e x dx = e +C
5
1 5
y( x ) = + Ce− x
5
1
y0 = y (0) = + C ⇒ C = y0 − 1/5
5
 
1 1 − x5
y ( x ) = + y0 − e
5 5
  5
(b) y0 ( x ) = −5x4 y0 − 51 e− x . Para y0 > 1/5 a solução é decrescente e para y0 < 1/5 a solução é
crescente.
(c) limx→+∞ y( x ) = 1/5 e claramente independe do valor de y0 .
2.4. (a)
x
y0 + y=0
x2 − 9
x
R
dx 1 2
p
µ( x ) = e x2 −9 = e 2 ln | x −9| = x2 − 9

Multiplicando a equação por µ( x ) = x2 − 9:
d p 2 
x −9y = 0
dx

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


114 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

p
x2 − 9 y( x ) = C

C
y( x ) = √
x2 −9
C
y0 = y (5) = ⇒ C = 4y0
4
4y0
y( x ) = √
x2 − 9
(b) x > 3, para y0 6= 0 e −∞ < x < ∞, para y0 = 0.
(c) limx→+∞ y( x ) = 0 e claramente independe do valor de y0 .
   
dy d dy dy
2.5. (a) dt + p(t)y = dt (y1 (t) + y2 (t)) + p(t)(y1 (t) + y2 (t)) = dt1 + p(t)y1 + dt2 + p(t)y2 = 0 + 0 =
0  
dy d dy1
(b) dt + p(t)y = dt (cy1 (t)) + p(t)(cy1 (t)) = c
+ p(t)y1 = c0 = 0
dt
   
dy d dy dy
2.6. dt + p(t)y = dt (cy1 (t) + y2 (t)) + p(t)(cy1 (t) + y2 (t)) = c dt1 + p(t)y1 + dt2 + p(t)y2 = c0 +
q(t) = q(t)
1 1
R
2.7. Para resolver a equação precisamos determinar o fator integrante: µ(t) = e 100 dt = e 100 t .
1
Multiplicando-se a equação diferencial por µ(t) = e 100 t obtemos
d 1
(e 100 t y) = 2t
dt
Integrando-se ambos os membros obtemos
1
e 100 t y(t) = t2 + C

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 115

ou 1 1
y(t) = t2 e− 100 t + Ce− 100 t .
Substituindo-se t = 0 e y = 100, obtemos 100 = C. Ou seja, a solução do problema de valor inicial é
1 1 1
y(t) = t2 e− 100 t + 100e− 100 t = (t2 + 100)e− 100 t .

Para fazer um esboço do gráfico:

1 t2 + 100 − 1 t −t2 − 100 + 200t − 1 t


y0 (t) = 2te− 100 t − e 100 = e 100 .
100 100
0 2
Como a função exponencial é sempre √ positiva o sinal de y (t) depende apenas de −t − 100 + 200t que é
zero se, e somente se, t = 100 ± 30 11.
2

0 )) é negativa para t < 100 − 30 11 ≈ 0, 5 e para t >
√ −t − 100 + 200t (e portanto y (t√
Além disso √
100 + 30 11 ≈ 199, 5 e positiva para 100 − 30 11 ≈ 0, 5 < t < 100 + 30 11 ≈ 199, 5.
√ √
Logo a solução do PVI, y(√ √ − 30 11 ≈ 0, 5 e para t > 100 + 30 11 ≈ 199, 5
t), é decrescente para t < 100
e crescente para 100 − 30 11 ≈ 0, 5 < t < 100 + 30 11 ≈ 199, 5.
t t t
t2 − 200 t + 100 e− 100 (2 t − 200) e− 100 t2 − 400 t + 20100 e− 100
 
00
y (t) = − = .
10000 100 10000
00 2
√ positiva o sinal2 de y (t) é o mesmo de t −00400 t + 20100 que é
Como a função exponencial é sempre
zero se, e somente
√ se, t = 200 ± 10 99. Além
√ disso, t − 400 t + 20100 (e portanto
√ y (t)) é positiva para
t < 200 −√10 99 ≈ 59 e para t > 200 + 10 99 ≈ 341 e negativa para 200 − 10 99 ≈ 59 ≈ 0, 5 < t <
200 + 10 99 ≈ 341.

√ para t < 200 − 10 99√≈ 59 e para t > 200 +
√ a solução do PVI, y(t), tem concavidade para cima
Logo
10 99 ≈ 341 e concavidade para baixo para 200 − 10 99 ≈ 59 < t < 200 + 10 99 ≈ 341.
Além disso, limt→∞ y(t) = 0.
Abaixo o esboço do gráfico feito usando o programa Paint que é um acessório do MSWindows
c
.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


116 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

3. Equações Homogêneas - Parte I (página 39)


3.1. (a) Sejam y1 (t) = e−ω (t− a) e y2 (t) = eω (t− a) .
y100 (t) − ω 2 y1 (t) = ω 2 e−ω (t−a) − ω 2 e−ω (t−a) = 0.
y200 (t) − ω 2 y2 (t) = ω 2 eω (t−a) − ω 2 eω (t− a) = 0.
Logo y1 (t) = e−ω (t−a) e y2 (t) = eω (t− a) são soluções da equação diferencial.
e−ω (t− a) eω (t− a)
     
y1 ( t ) y2 ( t ) 1 1
W [y1 , y2 ](t) = det = det = det = 2ω 6=
y10 (t) y20 (t) −ωe−ω (t−a) ωeω (t−a) −ω ω
0.
Logo a solução geral da equação diferencial é
y ( t ) = c1 y1 ( t ) + c2 y2 ( t ) = c1 e − ω ( t − a ) + c2 e ω ( t − a ) .

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 117

e−ω (t− a) + eω (t− a) e−ω (t− a) − eω (t− a)


(b) Sejam y1 (t) = cosh(ω (t − a)) = e y2 (t) = senh(ω (t − a)) = .
2 2
00 2 2 2
y1 (t) − ω y1 (t) = ω cosh(ω (t − a)) − ω cosh(ω (t − a)) = 0.
y200 (t) − ω 2 y2 (t) = ω 2 senh(ω (t − a)) − ω 2 senh(ω (t − a)) = 0.
Logo y1 (t) = cosh(ω (t −  (ω (t − a))
 a)) e y2 (t) = senh  são soluções da equação diferencial. 
y1 ( t ) y2 ( t ) cosh(ω (t − a)) senh(ω (t − a))
W [y1 , y2 ](t) = det 0 (t) y0 (t) = det =
 y 1 2  ω senh ( ω ( t − a )) ω cosh(ω (t − a))
cosh(ω (t − a)) senh(ω (t − a))
ω det = ω 6= 0, pois cosh2 x − senh2 x = 1.
senh(ω (t − a)) cosh(ω (t − a))
Logo, a solução geral da equação diferencial é
y(t) = c1 y1 (t) + c2 y2 (t) = c1 cosh(ω (t − a)) + c2 senh(ω (t − a)).

3.2. (a) x2 y100 − 6xy10 + 10y1 = x2 (2) − 6x (2x ) + 10( x2 ) = 0


x2 y200 − 6xy20 + 10y2 = x2 (20x3 ) − 6x (5x4 ) + 10( x5 ) = 0
Logo, y1 ( x ) = x2 e y2 ( x ) = x5 são soluções da equação.
(b) Como    
y1 (1) y2 (1) 1 1
W [y1 , y2 ]( x ) = det = det = 3 6= 0
y10 (1) y20 (1) 2 5
então a solução geral é
y ( x ) = c1 y1 ( x ) + c2 y2 ( x ),
Agora, como y(1) = 3, então substituindo x = 1 e y = 3 na expressão de y( x ) obtemos que c1 + c2 =
3. Como y0 (1) = 3, substituindo-se x = 1 e y0 = 3 na expressão obtida derivando-se y( x ):
y0 ( x ) = 2c1 x + 5c2 x4
obtemos 2c1 + 5c2 = 3. Resolvendo o sistema
c1 + c2 = 3, 2c1 + 5c2 = 3
obtemos c2 = 4 e c1 = −1. Assim a solução do problema de valor inicial é
y( x ) = 4x2 − x5

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


118 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

dy d2 y
3.3. Substituindo-se y = xr , = rxr−1 e 2 = r (r − 1) xr−2 em (1.23) obtemos
dx dx
x2 r (r − 1) xr−2 + bxrxr−1 + cxr = 0.
 
r2 + (b − 1)r + c xr = 0.
Como xr 6= 0, então y = xr é solução da equação (1.23) se, e somente se, r é solução da equação

r2 + (b − 1)r + c = 0.

3.4.
x r1 x r2
   
y1 ( x ) y2 ( x )
det = det
y10 ( x ) y20 ( x ) r 1 x r1 −1r 2 x r2 −1
 
r1 −1 r2 −1 x x
= x x det
r1 r2
= (r2 − r1 ) xr1 +r2 −1 6= 0,
para todo x > 0.
3.5. Neste caso, para x > 0, pela fórmula de Euler:

y1 ( x ) = xr1 = er1 ln x = e(α+iβ) ln x


= eα ln x (cos( β ln x ) + i sen( β ln x ))
= x α (cos( β ln x ) + i sen( β ln x )) e
y2 ( x ) = xr2 = er2 ln x = e(α−iβ) ln x
= eα ln x (cos(− β ln x ) + i sen(− β ln x ))
= x α (cos( β ln x ) − i sen( β ln x ))
são soluções complexas da equação diferencial (1.23).

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 119

A solução geral complexa é

y( x ) = C1 xr1 + C2 xr2
= C1 x α (cos( β ln x ) + i sen( β ln x ))
+ C2 x α (cos( β ln x ) − i sen( β ln x ))
= (C1 + C2 ) x α cos( β ln x )
+ i (C1 − C2 ) x α sen( β ln x )

Tomando C1 = C2 = 1/2, temos que a solução

u( x ) = x α cos( β ln x )

i i
e tomando C1 = − e C2 = , temos a solução
2 2

v( x ) = x α sen( β ln x ).

 
u( x ) v( x )
det = βx2α−1 6= 0, ∀ x > 0.
u0 ( x ) v0 ( x )

3.6. Vamos mostrar que


y1 ( x ) = x r e y2 ( x ) = xr ln x
1− b
são soluções fundamentais da equação de Euler, em que r = 2 .
y20 ( x ) = xr−1 (r ln x + 1),
y200 ( x ) = xr−2 ((r2 − r ) ln x + 2 r − 1))
x2 y200 + bxy20 + cy2 =

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


120 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

= xr ((r2 + (b − 1)r + c) ln x + 2r + b − 1) = 0.
x r1 xr1 ln x
   
y1 ( x ) y2 ( x )
det = det
y10 ( x ) y20 ( x ) r1 xr1 −1 (1 + r1 ln x ) xr1 −1
 
2r1 −1 1 ln x
= x det
r1 (1 + r1 ln x )
= x2r1 −1 6= 0, para todo x > 0.

3.7. (a) Equação indicial:


r (r − 1) + 4r + 2 = 0 ⇔ r = −2, −1
Solução geral:
y ( x ) = c 1 x −2 + c 2 x −1
(b) Equação indicial:
r (r − 1) − 3r + 4 = 0 ⇔ r = 2
Solução geral:
y( x ) = c1 x2 + c2 x2 ln x
(c) Equação indicial:
r (r − 1) + 3r + 5 = 0 ⇔ r = −1 ± 2i
Solução geral:
y( x ) = c1 x −1 cos(2 ln x ) + c2 x −1 sen(2 ln x )
3.8. (a)
p(t) = 0
t−2 t−2
q(t) = 2 =
t −1 (t − 1)(t + 1)
t t
f (t) = 2 = .
t −1 (t − 1)(t + 1)
Como t0 = 0, então o problema de valor inicial tem solução no intervalo −1 < t < 1.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 121

(b)
1 1
p(t) = =
t2 −1 (t − 1)(t + 1)
t t
q(t) = =
t2 −1 ( t − 1 )( t + 1)

t2 t2
f (t) = = .
t2 −1 (t − 1)(t + 1)
Como t0 = 2, então o problema de valor inicial tem solução no intervalo t > 1.
(c)
t+1 t+1
p(t) = =
t2 − t t ( t − 1)
1 t+1
q(t) = =
t2 − t t ( t − 1)

et et
f (t) = = .
t2 − t t ( t − 1)
Como t0 = −1, então o problema de valor inicial tem solução no intervalo t < 0.
(d)
t+3 t+3
p(t) = =
t2 − t t ( t − 1)
2 t+3
q(t) = =
t2 − t t ( t − 1)
cos t cos t
f (t) = = .
t2 − t t ( t − 1)
Como t0 = 2, então o problema de valor inicial tem solução no intervalo t > 1.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


122 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

3.9. Sejam y1 (t) a solução do PVI


y00 + p(t)y0 + q(t)y = 0,


y(t0 ) = 1, y0 (t0 ) = 0
e y2 (t) a solução do PVI
y00 + p(t)y0 + q(t)y = 0,


y(t0 ) = 0, y0 (t0 ) = 1,
então W [y1 , y2 ](t0 ) = 1 6= 0.
3.10. (a)
W [y1 , y2 ](t) = y1 (t)y20 (t) − y2 (t)y10 (t)

W [ y1 , y2 ] 0 ( t ) = y10 (t)y20 (t) + y1 (t)y200 (t)


− y20 (t)y10 (t) − y2 (t)y100 (t)
= y1 (t)y200 (t) − y2 (t)y100 (t)

(b) Como y1 (t) e y2 (t) são soluções da equação


y00 + p(t)y0 + q(t)y = 0, então

y100 (t) + p(t)y10 (t) + q(t)y1 (t) = 0 (1.54)

y200 (t) + p(t)y20 (t) + q(t)y2 (t) = 0 (1.55)


Multiplicando-se a equação (1.55) por y1 (t) e subtraindo-se da equação (1.54) multiplicada por y2 (t)
obtemos

y1 (t)y200 (t) − y2 (t)y1 (t)00


+ p(t)(y1 (t)y20 (t) − y10 (t)y2 (t)) = 0,

ou seja, pelo item anterior


W [y1 , y2 ]0 (t) + p(t)W [y1 , y2 ](t) = 0

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 123

(c) Pelo item anterior o wronskiano satisfaz a equação diferencial W 0 + p(t)W = 0. A equação diferen-
cial pode ser escrita como uma equação separável

W0
= − p ( t ).
W
Integrando-se em relação a t obtemos

W0
Z Z
dt = − p(t)dt
W
1
Z Z
dW = − p(t)dt
W
Z
ln |W (t)| = − p(t)dt

Aplicando-se a exponencial a ambos os membros obtemos


R
W (t) = W [y1 , y2 ](t) = ce− p(t)dt
.

(d) Pelo item anterior, se para algum t0 ∈ I, W [y1 , y2 ](t0 ) = 0, então c = 0 e W [y1 , y2 ](t) = 0, para todo
t ∈ I.
Por outro lado, se para algum t0 ∈ I, W [y1 , y2 ](t0 ) 6= 0, então c 6= 0 e W [y1 , y2 ](t) 6= 0, para todo
t ∈ I.
(e) Substituindo-se y1 (t) e y2 (t) na equação  0 diferencial y00 + p(t)y0 + q(t)y = 0 obtemos o sis-
−y100 (t)
 
y1 ( t ) y1 ( t ) p(t)
tema AX = B, em que A = , X = e B = . Assim,
y20 (t) y2 (t) q(t) −y200 (t)
   0 −1  00     00 
p(t) y1 ( t ) y1 ( t ) − y1 ( t ) y2 ( t ) − y1 ( t ) y1 ( t )
= X = A −1 B = 0 (t) y (t)
1
00 ( t ) = W [y1 ,y2 ](t) − y0 ( t ) =
q(t) y 2 2 − y 2 2 y10 (t) y200 (t)
00 00

1 y2 ( t ) y1 ( t ) − y1 ( t ) y2
W [y1 ,y2 ](t) y0 ( t ) y00 − y0 ( t ) y00 ( t )
. Observe a aplicação do Teorema de Abel (exercı́cio anterior).
1 2 2 1

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


124 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

4. Equações Homogêneas - Parte II (página 55)

4.1. (a) 2x2 y100 − xy10 − 9y1 = 2x2 (6x ) − x (3x2 ) − 9x3 = 12x3 − 3x3 − 9x3 = 0
Logo, y1 ( x ) = x3 é solução da equação.
(b) Seja y1 ( x ) = x3 . Vamos procurar uma segunda solução da equação da forma

y ( x ) = v ( x ) y1 ( x ) = v ( x ) x 3 .
Como
y0 ( x ) = v0 ( x ) x3 + 3v( x ) x2 e
00 00 3 0 2
y ( x ) = v ( x ) x + 6v ( x ) x + 6v( x ) x,
então y( x ) é solução da equação se, e somente se,
2x2 y00 − xy0 − 9y = 0
2x2 (v00 ( x ) x3 + 6v0 ( x ) x2 + 6v( x ) x ) − x (v0 ( x ) x3 + 3v( x ) x2 ) − 9v( x ) x3 = 0
2x5 v00 ( x ) + 11x4 v0 ( x ) = 0.
Seja w( x ) = v0 ( x ). Então a equação acima pode ser escrita como

2xw0 + 11w = 0.

Esta é uma equação de 1a. ordem separável.

w0 11
2 =−
w x
d 11
(2 ln |w|) = −
dx x
2 ln |w| = −11 ln | x | + c̃1

ln x11 (w( x ))2 = c̃1

w( x ) = v0 ( x ) = c1 x −11/2

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 125

Resolvendo a equação para v( x ):

2
Z
v ( x ) = c1 x −11/2 dx = −c1 x −9/2 + c2
9

Tomando-se c2 = 0 e c1 = −9/2 obtemos v( x ) = x −9/2 e uma segunda solução da equação é

y2 ( x ) = v( x )y1 ( x ) = x −9/2 x3 = x −3/2

Vamos ver que y1 ( x ) = x3 e y2 ( x ) = x −3/2 são soluções fundamentais da equação.


x −3/2
   3 
y1 ( x ) y2 ( x ) x
W [y1 , y2 ]( x ) = det = det = − 92 x1/2 6= 0, para x 6= 0.
y10 ( x ) y20 ( x ) 3x2 − 32 x −5/2

4.2. (a) x2 y100 + 3xy10 + y1 = x2 (2x −3 ) + 3x (− x −2 ) + x −1 = 2x −1 − 3x −1 + x −1 = 0


Logo, y1 ( x ) = x −1 é solução da equação.
(b) Seja y1 ( x ) = x −1 . Vamos procurar uma segunda solução da equação da forma

y ( x ) = v ( x ) y 1 ( x ) = v ( x ) x −1 .
Como
y 0 ( x ) = v 0 ( x ) x −1 − v ( x ) x −2 e

y00 ( x ) = v00 ( x ) x −1 − 2v0 ( x ) x −2 + 2v( x ) x −3 ,


então y( x ) é solução da equação se, e somente se,
x2 y00 + 3xy0 + y = 0
x2 (v00 ( x ) x −1 − 2v0 ( x ) x −2 + 2v( x ) x −3 ) + 3x (v0 ( x ) x −1 − v( x ) x −2 ) + v( x ) x −1 = 0
xv00 ( x ) + v0 ( x ) = 0.
Seja w( x ) = v0 ( x ). Então a equação acima pode ser escrita como

xw0 + w = 0.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


126 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

Esta é uma equação de 1a. ordem separável.


w0 1
=−
w x
d 1
(ln |w|) = −
dx x
ln |w| = − ln | x | + c̃1
ln | xw( x )| = c̃1
w ( x ) = v 0 ( x ) = c 1 x −1
Resolvendo a equação para v( x ):
Z
v ( x ) = c1 x −1 dx = c1 ln x + c2

Tomando-se c2 = 0 e c1 = 1 obtemos v( x ) = ln x e uma segunda solução da equação é

y2 ( x ) = v( x )y1 ( x ) = x −1 ln x

Vamos ver que y1 ( x ) = x −1 e y2 ( x ) = x −1 ln x são soluções fundamentais da equação.


 −1
x −1 ln x
  
y1 ( x ) y2 ( x ) x
W [y1 , y2 ]( x ) = det = det = x −3 6= 0, para x 6= 0
y10 ( x ) y20 ( x ) − x −2 x −2 (1 − ln x )
4.3. 1− b
y ( x ) = v ( x ) y1 ( x ) = v ( x ) x 2 .
Como
1− b 1−b −1− b
y0 ( x ) = v0 ( x ) x 2 + v( x ) x 2 e
2
1− b −1− b
y00 ( x ) = v00 ( x ) x 2 + (1 − b)v0 ( x ) x 2

1 − b2 −3− b
− v( x ) x 2 ,
4

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 127

Substituindo na equação de Euler:


1− b −1− b 1− b2 −3− b 1− b 1− b −1− b 1− b
x2 (v00 ( x ) x 2 + (1 − b ) v 0 ( x ) x 2 − 4 v( x ) x
2 ) + bx ( v 0 ( x ) x 2 + 2 v( x ) x
2 ) + cv ( x ) x 2 =0
5− b 3− b
x 2 v00 ( x ) + x 2 v0 ( x ) = 0.
xv00 ( x ) + v0 ( x ) = 0.
Seja w( x ) = v0 ( x ). Então a equação acima pode ser escrita como

xw0 + w = 0.

Esta é uma equação de 1a. ordem separável.

w0 1
+ =0
w x
d
(ln |w| + ln | x |) = 0
dx
ln | xw( x )| = c̃1
w ( x ) = v 0 ( x ) = c 1 x −1
Resolvendo a equação para v( x ):
Z
v ( x ) = c1 x −1 dx = c1 ln x + c2

Tomando-se c2 = 0 e c1 = 1 obtemos v( x ) = ln x e uma segunda solução da equação é


1− b
y2 ( x ) = v ( x ) y1 ( x ) = x 2 ln x

Vamos mostrar que


y1 ( x ) = x r e y2 ( x ) = xr ln x

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


128 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

são soluções fundamentais da equação de Euler.

xr xr ln x
   
y1 ( x ) y2 ( x )
det = det
y10 ( x ) y20 ( x ) rxr−1 (1 + r ln x ) xr−1
 
1 ln x
= x2r−1 det
r (1 + r ln x )
= x2r−1 6= 0, para todo x > 0.

4.4. (a) ( x + 3)z100 + ( x + 2)z10 − z1 = ( x + 3)2 + ( x + 2)2x − x2 = 3x2 + 6x + 6 6= 0


( x + 3)z200 + ( x + 2)z20 − z2 = ( x + 3)6x + ( x + 2)3x2 − x3 = 2x3 + 12x2 + 18x 6= 0
( x + 3)z300 + ( x + 2)z30 − z3 = ( x + 3)e− x − ( x + 2)e− x − e− x = 0
Logo, z1 ( x ) = x2 e z2 ( x ) = x3 não são soluções da equação e z3 ( x ) = e− x é solução da equação.
(b) Seja y1 ( x ) = e− x . Vamos procurar uma segunda solução da equação da forma

y ( x ) = v ( x ) y1 ( x ) = v ( x ) e − x .
Como
y0 ( x ) = (v0 ( x ) − v( x ))e− x e y00 ( x ) = (v00 ( x ) − 2v0 ( x ) + v( x ))e− x ,
então y( x ) é solução da equação se, e somente se,
( x + 3)y00 + xy0 − y = 0
( x + 3)(v00 ( x ) − 2v0 ( x ) + v( x ))e− x + ( x + 2)(v0 ( x ) − v( x ))e− x − v( x )e− x = 0.
( x + 3)v00 ( x ) + (−2( x + 3) + ( x + 2))v0 ( x ) = 0
( x + 3)v00 ( x ) − ( x + 4)v0 ( x ) = 0
Seja w( x ) = v0 ( x ). Então a equação acima pode ser escrita como

( x + 3)w0 − ( x + 4)w = 0.
Esta é uma equação de 1a. ordem separável.

w0 x+4
=
w x+3

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 129

d x+4 1
(ln |w|) = = 1+
dx x+3 x+3
ln |w| = x + ln( x + 3) + c̃1

w( x )
ln
− x = c̃1
x + 3
w ( x ) = v 0 ( x ) = c1 e x ( x + 3)
Resolvendo a equação para v( x ):
Z
v ( x ) = c1 e x ( x + 3)dx = c1 ( x + 2)e x + c2

Tomando-se c2 = 0 e c1 = 1 obtemos v( x ) = ( x + 2)e x e uma segunda solução da equação


y2 ( x ) = v ( x ) y1 ( x ) = ( x + 2) e x e − x = x + 2

Vamos ver que y1 ( x ) = e− x e y2 ( x ) = x + 2 são soluções fundamentais da equação.


   −x 
y1 ( x ) y2 ( x ) e x+2
W [y1 , y2 ]( x ) = det = det = e− x (3 + x ) 6= 0, para x 6= −3
y10 ( x ) y20 ( x ) −e− x 1
(c) Como y1 ( x ) = e− x e y2 ( x ) = x + 2 são soluções fundamentais da equação a solução geral é
y ( x ) = c1 e − x + c2 ( x + 2),
Agora, como y(1) = 1, então substituindo x = 1 e y = 1 na expressão de y( x ) obtemos que c1 e−1 +
3c2 = 1. Como y0 (1) = 3, substituindo-se x = 1 e y0 = 3 na expressão obtida derivando-se y( x ):
y0 ( x ) = − c1 e − x + c2
obtemos −c1 e−1 + c2 = 3. Resolvendo o sistema
c1 e−1 + 3c2 = 1, − c 1 e −1 + c 2 = 3
obtemos c1 = −2e e c2 = 1. Assim a solução do problema de valor inicial é

y( x ) = −2e− x+1 + x + 2

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


130 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

4.5. y00 + 2y0 = 0 tem solução geral y(t) = k1 e−2t + k2 . Logo, k1 + k2 = a, k1 = −b/2 e k2 = a + b/2 e
y → a + b/2 quando t → +∞.

4.6. Se 0 < b < 2 então as raı́zes da equação caracterı́stica são


p
−b/2 ± i 4 − b2 /2

e as soluções são da forma

y(t) = c1 e(−b/2)t cos ωt + c2 e(−b/2)t sen ωt,



onde ω = 4 − b2 /2. Logo, como 0 < b, então y → 0 quando t → +∞.

4.7. As raı́zes da equação caracterı́stica são ±2 e a solução geral é y(t) = c1 e2t + c2 e−2t . Então c1 = −c2 = b/4
e
b
y(t) = (e2t − e−2t ) = 0
4
Como b 6= 0, então e2t = e−2t , ou seja, e4t = 1 e t = 0.

4.8. A equação caracterı́stica tem 1/2 como única raiz. Assim, a solução geral é da forma

y(t) = c1 et/2 + c2 tet/2 .

y(0) = 2 implica que c1 = 2.


c1 t/2 t
y0 (t) = e + c2 (1 + )et/2
2 2
y0 (0) = b implica que c1 /2 + c2 = b. Assim, c2 = b − 1 e a solução do problema de valor inicial é

y(t) = e(1/2)t (2 + (b − 1)t).

Logo, se b ≥ 1, y(t) → +∞ quando t → +∞.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 131

4.9. A equação caracterı́stica é


r2 + 2b + 1 = 0
∆ = 4( b2 − 1)

• Se |b| > 1 então as raı́zes da equação caracterı́stica são −b ± b2 − 1 e as soluções da equação
diferencial são da forma √ √
2 2
y(t) = c1 e(−b− b −1)t + c2 e(−b+ b −1)t .
Se b > 1, então y(t) → 0, quando t → +∞.
• Se b = ±1 então a raı́z da equação caracterı́stica é −b e as soluções da equação diferencial são da
forma
y(t) = c1 e−bt + c2 te−bt .
Se b = 1, então y(t) → 0, quando t → +∞.

• Se −1 < b < 1 então as raı́zes da equação caracterı́stica são −b ± i 1 − b2 e as soluções da equação
diferencial são da forma
p  p 
y(t) = c1 e−bt cos 1 − b2 t + c2 e−bt sen 1 − b2 t .

Se 0 < b < 1, então y(t) → 0, quando t → +∞.

Logo, para b > 0, então y(t) → 0 quando t → +∞.

4.10. A equação caracterı́stica é


r2 + 2r + α = 0
∆ = 4 − 4α = 4(1 − α)

(a) Se α > 1, então ∆ < 0, as raı́zes da equação caracterı́stica são r1,2 = −1 ± i α − 1 e a solução geral
da equação é
√ √
y(t) = c1 e−t cos( α − 1 t) + c2 e−t sen( α − 1 t)

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


132 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

(b) Se α = 1, então ∆ = 0 e r = −1 é a única raiz da equação caracterı́stica e a solução geral da equação



y(t) = c1 e−t + c2 te−t

(c) Se α < 1, então ∆ > 0, as raı́zes da equação caracterı́stica são r1,2 = −1 ± 1 − α e a solução geral
da equação é √ √
y(t) = c1 e(−1− 1−α)t + c2 e(−1+ 1−α)t

5. Equações não Homogêneas (página 72)

5.1. (a) A equação caracterı́stica é


r2 + 5r + 6 = 0.
∆ = 25 − 24 = 1
As raı́zes da equação caracterı́stica são r1 = −3 e r2 = −2 e a solução geral da equação homogênea

y( x ) = c1 e−3x + c2 e−2x
y p ( x ) = ( A0 + A1 x )e−5x ,
y0p ( x ) = A1 e−5x − 5( A0 + A1 x )e−5x = ( A1 − 5A0 − 5A1 x )e−5x ,
y00p ( x ) = −5A1 e−5x − 5( A1 − 5A0 − 5A1 x )e5 x = (−10A1 + 25A0 + 25A1 x )e−5x .
Substituindo-se y p ( x ), y0p ( x ) e y00p ( x ) na equação obtemos
(−10A1 + 25A0 + 25A1 x ) + 5( A1 − 5A0 − 5A1 x ) + 6( A0 + A1 x ) = x
Comparando os termos de mesmo grau obtemos o sistema linear

6A0 − 5A1 = 0
6A1 = 1

que tem solução A0 = 5/36 e A1 = 1/6. Assim uma solução particular da equação não homogênea
é  
5 1
y p (x) = + x e−5x
36 6

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 133

e a solução geral da equação não homogênea é


 
5 1
y( x ) = + x e−5x + c1 e−3x + c2 e−2x
36 6

(b) A equação caracterı́stica é


r2 − 4r + 6 = 0.

∆ = 16 − 24 = −8

As raı́zes da equação caracterı́stica são r1,2 = 2 ± i 2 e a solução geral da equação homogênea é
√ √
y( x ) = c1 e2x cos( 2 x ) + c2 e2x sen( 2 x )

y p ( x ) = A0 + A1 x, y0p ( x ) = A1 , y00p ( x ) = 0. Substituindo-se y p ( x ), y0p ( x ) e y00p ( x ) na equação obtemos

−4A1 + 6( A0 + A1 x ) = 3x

Comparando os termos de mesmo grau obtemos o sistema linear



6A0 − 4A1 = 0
6A1 = 3

que tem solução A0 = 1/3 e A1 = 1/2. Assim uma solução particular da equação não homogênea

1 1
y p (x) = + x
3 2
e a solução geral da equação não homogênea é

1 1 √ √
y( x ) = + x + c1 e2x cos( 2 x ) + c2 e2x sen( 2 x )
3 2

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


134 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

(c) Eq. caracterı́stica: r2 + 4 = 0 ⇔ r = ±2i.


Sol. geral da eq. homog.: y(t) = c1 cos(2t) + c2 sen(2t)
(1)
y p (t) = t[ A cos(2t) + B sen(2t)] é uma solução da equação y00 + 4 y = 2 sen(2t) e
(2)
y p (t) = Ct + D é uma solução da equação y00 + 4 y = t, pelo Princı́pio da Superposição para
equações não homogêneas:
(1) (2)
Sol. particular da forma y p (t) = y p (t) + y p (t) = t[ A cos(2t) + B sen(2t)] + C + Dt.
y0p (t) = A cos(2t) + B sen(2t) + t[−2A sen(2t) + 2B cos(2t)] + D
y00p (t) = (−4At + 4B) cos(2t) + (−4Bt − 4A) sen(2t)
Substituindo-se na equação
(−4At + 4B) cos(2t) + (−4Bt − 4A) sen(2t) + 4t[ A cos(2t) + B sen(2t)] + 4C + 4Dt = 2 sen(2t) + t
[−4At + 4B + 4At] cos(2t) + [−4Bt − 4A + 4Bt] sen(2t) + 4C + 4Dt = 2 sen(2t) + t

 4B = 0
−4A = 2
4C + 4Dt = t

Obtemos A = −1/2, B = 0, C = 0, D = 1/4. Assim a solução geral da equação é

t 1
y(t) = c1 cos(2t) + c2 sen(2t) − cos(2t) + t
2 4

(d) Eq. caracterı́stica: r2 + 2 = 0 ⇔ r = ± 2i.
√ √
Sol. geral da eq. homog.: y(t) = c1 cos( 2t) + c2 sen( 2t)
Sol. particular da forma y p (t) = Aet + B.
y0p (t) = Aet
y00p (t) = Aet
Substituindo-se na equação

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 135

Aet + 2( Aet + B) = et + 2
3Aet + 2B = et + 2 
3A = 1
2B = 2
Obtemos A = 1/3, B = 1. Assim a solução geral da equação é
√ √ 1
y(t) = c1 cos( 2t) + c2 sen( 2t) + et + 1
3
5.2. (a) Solução geral da equação homogênea:

y ( t ) = c 1 e −2 t + c 2 e t

y p ( t ) = A2 t2 + A1 t + A0
y00p + y0p − 2y p = (−2A2 )t2 + (2A2 − 2A1 )t + (2A2 + A1 − 2A0 )

 −2A2 = 1
2A2 − 2A1 = 0
2A2 + A1 − 2A0 = 3

1
 
  −
 2 
A2
 A1  =  − 1 
 
 2 
A0  9 

4
y p (t) = −9/4 − 1/2 t − 1/2 t2
Solução geral:
y(t) = c1 e−2 t + c2 et − 9/4 − 1/2 t − 1/2 t2
Solução do PVI
y(t) = 7/12 e−2 t + 5/3 et − 9/4 − 1/2 t − 1/2 t2

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


136 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

(b) Solução geral da equação homogênea:

y(t) = c1 e−t + c2 te−t

Solução particular da equação não homogênea:

y p (t) = A cos 2t + B sen 2t

Substituindo-se na equação
y00p + 2y0p + y p = (−3A + 4B) cos 2t + (−4A − 3B) sen 2t = 3 sen 2t

−3A + 4B = 0
−4A − 3B = 3

12
   
A − 25
= 9
B − 25
12 9
y p (t) = − cos 2t − sen 2t
25 25
Solução geral:
12 9
y(t) = c1 e−t + c2 te−t − cos 2t − sen 2t
25 25
Derivada da solução geral:
y0 (t) = −c1 e−t + c2 (1 − t)e−t + 24
25 sen 2t −
18
25 cos 2t
Substituindo-se t = 0, y = 0, y0 = 0:
12 6
c1 = , c2 =
25 5
Solução do PVI:
12 −t
y(t) = 25 e + 65 te−t − 12
25 cos 2t − 9
25 sen 2t

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 137

(c) Solução geral da equação homogênea:

y ( t ) = c1 e2 t + c2 e2 t t

y p (t) = 1/3 e−t


Solução geral:
y(t) = c1 e2 t + c2 e2 t t + 1/3 e−t

Solução do PVI
y(t) = −1/3 e2 t + e2 t t + 1/3 e−t

(d) Solução geral da equação homogênea:

y(t) = c1 e−t/2 cos(t/2) + c2 e−t/2 sen(t/2)

Solução particular:
y p ( t ) = A2 t2 + A1 t + A0
Substituindo-se na equação:
2y00p + 2y0p + y p = ( A2 )t2 + (4A2 + A1 )t + (4A2 + 2A1 + A0 ) = t2

 A2 = 1
4A2 + A1 = 0
4A2 + 2A1 + A0 = 0

   
A2 1
 A1  =  −4 
A0 4

y p (t) = t2 − 4t + 4 = (t − 2)2

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


138 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

Solução geral:
y(t) = c1 e−t/2 cos(t/2) + c2 e−t/2 sen(t/2) + (t − 2)2

Derivada da solução geral:


y0 (t) = c1 e−t/2 (−(1/2) cos(t/2) − (1/2) sen(t/2)) + c2 e−t/2 (−(1/2) sen(t/2) + (1/2) cos(t/2)) +
2( t − 2)
Substituindo-se t = 0, y = 0, y0 = 0:
c1 = −4, c2 = 4
Solução do PVI:

y(t) = −4e−t/2 cos(t/2) + 4e−t/2 sen(t/2) + (t − 2)2

5.3. (a) A equação caracterı́stica é


r2 + 2r + α = 0
∆ = 4 − 4α = 4(1 − α)

i. Se α > 1, então ∆ < 0, as raı́zes da equação caracterı́stica são r1,2 = −1 ± i α − 1 e a solução
geral da equação é
√ √
y(t) = c1 e−t cos( α − 1 t) + c2 e−t sen( α − 1 t)
ii. Se α = 1, então ∆ = 0 e r = −1 é a única raiz da equação caracterı́stica e a solução geral da
equação é
y(t) = c1 e−t + c2 te−t

iii. Se α < 1, então ∆ > 0, as raı́zes da equação caracterı́stica são r1,2 = −1 ± 1 − α e a solução
geral da equação é
√ √
y(t) = c1 e(−1− 1− α ) t
+ c2 e(−1+ 1−α)t
√ √
(b) y p (t) = t[( A0 + A1 t)e−t sen( α − 1 t) + ( B0 + B1 t)e−t cos( α − 1 t)], se α > 1.

6. Oscilações (página 102)

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 139

6.1. (a) A equação caracterı́stica é

r2 + 5 = 0


que tem como raı́zes r = ± 5i. Assim a solução geral da equação é

√  √ 
y(t) = c1 cos 5 t + c2 sen 5t

Para resolver o problema de valor inicial precisamos calcular a derivada da solução geral

√ √  √ √ 
y0 (t) = − 5 c1 sen 5 t + 5 c2 cos 5t

Substituindo-se t = 0, y = 1 e y0 = 0 obtemos c1 = 1 e c2 = 0 e a solução do problema de valor


inicial é

√ 
y(t) = cos 5t

√ √
A amplitude é igual a 1, a frequência é igual a 5, a fase é igual a zero e o perı́odo é igual a 2π/ 5.

(b)

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


140 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

+1


____ t
51/2

−1

6.2. (a) Equação caracterı́stica:


√ 2r2 + 3 = 0
Raı́zes: r = ± 3/2 i q  q 
3 3
Solução geral: y(t) = c1 cos 2 t + c 2 sen 2 t
Derivada da√solução geral:
√ √ √
y0 (t) = −c1 3/2 sen
 
3/2 t + c2 3/2 cos 3/2 t
Substituindo-se t = 0, y = 1, y0 = 0:
c1 = 1, c2 = 0
Solução do PVI: r !
3
y(t) = cos t
2
q
3
A amplitude é igual a 1, a frequência é igual a 2, a fase é igual a zero e o perı́odo é igual a
√ √
2 2π/ 3.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 141

(b)

+1

1/2
2____2π t
31/2

−1

6.3.
2u00 + 3u = 3 cos(3t)


2r2 + 3 = 0 r = ±i 3/2

Solução da equação homogênea


√  √ 
u(t) = c1 cos 3/2 t + c2 sen 3/2 t

u p (t) = A cos(3t) + B sen(3t)

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


142 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

u0p (t) = −3A sen(3t) + 3B cos(3t)

u00p (t) = −9A cos(3t) − 9B sen(3t)

Substituindo-se u p (t), u0p (t) e u00p (t) na equação obtemos

−15A cos(3t) − 15B sen(3t) = 3 cos(3t)



−15A = 3
−15B = 0
que tem solução A = −1/5 e B = 0. Assim uma solução particular da equação não homogênea é

1
u p (t) = − cos(3t)
5
e a solução geral da equação não homogênea é
√ √
u(t) = − 15 cos(3t) + c1 cos
 
3/2 t + c2 sen 3/2 t .
√ √  √ √
u0 (t) = 53 sen(3t) − 3/2c1 sen

3/2 t + 3/2c2 cos 3/2 t .
u(0) = u0 = − 51 + c1 ⇒ c1 = u0 + 1
5

√ √
u0 (0) = u00 = 3/2c2 ⇒ c2 = 2/3u00
Assim a solução do problema de valor inicial é
√  √ √
u(t) = − 51 cos(3t) + (u0 + 51 ) cos 3/2 t + 2/3u00 sen

3/2 t .

6.4.
1
2u00 + u0 + u = 0 ∆ = 1 − 4 = −3
2

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 143


1 3
r1,2 = − ±i
4 4
√  √ 
u(t) = c1 e−t/4 cos 43 t + c2 e−t/4 sen 43 t
 √  √  √   √  √ √ 
u0 (t) = c1 − 41 e−t/4 cos 43 t − 43 e−t/4 sen 43 t + c2 − 14 e−t/4 sen 43 t + 4
3
cos 4
3
t

u (0) = u0 = c1

4u00 +u0
u0 (0) = u00 = − c41 + 3c2
4 ⇒ c2 = √
3
Assim a solução do problema de valor inicial é
√  √ 
4u00 +u0 −t/4
u(t) = u0 e−t/4 cos 43 t + √ e sen 43 t
3

6.5. A constante da mola é


mg 100 · 103
k= = = 104
L 10
A equação diferencial que descreve o movimento é

102 u00 + 104 u = 0

Equação caracterı́stica:
r2 + 100 = 0 ⇔ r = ±10i
Solução geral:
u(t) = c1 cos(10t) + c2 sen(10t)
A frequência natural é
r r
k 104
ω0 = = = 10.
m 100

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


144 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

O perı́odo é
2π 2π
T= = segundos
ω0 10
(a) A posição em função do tempo é a solução do problema de valor inicial
 00
 u + 100u = 0,
u(0) = 0,
 0
u (0) = −4.

u0 (t) = −10c1 sen(10t) + 10c2 cos(10t)



u (0) = 0 = c1 ,
u0 (0) = −4 = 10c2 .
Assim a solução do problema de valor inicial é
2
u(t) = − sen(10t)
5
A amplitude é igual a 2/5.
u
2/5

0
2π/10
t

−2/5

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 145

(b) A posição em função do tempo é a solução do problema de valor inicial


 00
 u + 100u = 0,
u(0) = 1,
 0
u (0) = 10.

u0 (t) = −10c1 sen(10t) + 10c2 cos(10t)



u (0) = 1 = c1 ,
u0 (0) = 10 = 10c2 .
Logo c1 = 1 e c2 = 1. Assim

q √ c1 2
R= c21 + c22 = 2, δ = arccos = arccos = π/4
R 2
e a solução do problema de valor inicial é

u(t) = cos(10t) + sen(10t) = 2 cos(10t − π/4)

A amplitude é igual a 2.
u
2^(1/2)

0
π/40 π/40+2π/10
t

−2^(1/2)

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


146 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

(c) A posição em função do tempo é a solução do problema de valor inicial


 00
 u + 100u = 0,
u(0) = 2,
 0
u (0) = 0.

u0 (t) = −10c1 sen(10t) + 10c2 cos(10t)



u (0) = 2 = c1 ,
u0 (0) = 0 = 10c2 .
Assim a solução do problema de valor inicial é

u(t) = 2 cos(10t)

A amplitude é igual a 2.
u
2

0
2π/10
t

−2

6.6. A constante da mola é


mg 100 · 103
k= = = 104
L 10

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 147

A equação diferencial que descreve o movimento é

102 u00 + γu0 + 104 u = 0

Equação caracterı́stica:
102 r2 + γr + 104 = 0
∆ = γ2 − 4 · 106
(a) • Se γ > 2 · 103 o sistema é super-amortecido.
• Se γ = 2 · 103 o o sistema tem um amortecimento crı́tico.
• Se γ < 2 · 103 o sistema é sub-amortecido
(b) Neste caso a constante de amortecimento é dada por

Fr 104
γ= = = 103 .
v 10
A equação diferencial que descreve o movimento é

102 u00 + 103 u0 + 104 u = 0

Equação caracterı́stica:

102 r2 + 103 r + 104 = 0 ⇔ r = −5 ± 5 3 i

Solução geral: √ √
u(t) = c1 e−5t cos(5 3 t) + c2 e−5t sen(5 3 t)
A posição em função do tempo é a solução do problema de valor inicial
 00
 u + 10u0 + 100u = 0,
u(0) = 2,
 0
u (0) = 0.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


148 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

√ √
u0 (t) = e−5t ((5 3c2 − 5c1 ) cos(5 3 t) +
√ √
+ (−5 3 − 5c2 ) sen(5 3 t))


u(0) = 2 = c1√,
u0 (0) = 0 = 5 3c2 − 5c1 .

Logo c1 = 2 e c2 = 2/ 3. Assim
4
q
R= c21 + c22 = √ ,
3

c 3
δ = arccos 1 = arccos = π/6
R 2
e a solução do problema de valor inicial é
√ √ √
u(t) = 2e−5t cos(5 3 t) + √2 e−5t sen(5 3 t) = √4 e−5t cos(5 3 t − π/6)
3 3
√ √
A quase frequência é igual a 5 3 e o quase perı́odo é igual a 2π/5 3.
u
4/3^(1/2)

0
π/(30 31/2) π/(30 31/2)+2π/(5 31/2)
t

−4/3^(1/2)

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 149

6.7.
102 u00 + 104 u = 9600 cos(6t),


u(0) = 0, u0 (0) = 0
A solução geral da equação homogênea é

u(t) = c1 cos (10t) + c2 sen (10t)

A solução particular pelo método dos coeficientes a determinar é da forma

u p (t) = A0 cos(6t) + B0 sen(6t)

Pelo método das constantes a determinar encontramos A0 = 3/2 e B0 = 0.


A solução geral da equação é

3
u(t) = c1 cos (10t) + c2 sen (10t) + cos(6t)
2

Derivando e substituindo-se t = 0, u = 0 e u0 = 0 obtemos que

c1 = −3/2, c2 = 0

Assim a solução do problema de valor inicial é

3
u(t) = (cos(6t) − cos(10t)) .
2
Como
cos( A − B) − cos( A + B) = 2 sen A sen B
então
u(t) = 3 sen(2t) sen(8t)

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


150 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

0
π t

−3

6.8.
102 u00 + 104 u = 103 cos(10t),


u(0) = 0, u0 (0) = 0
A solução geral da equação homogênea é
u(t) = c1 cos (10t) + c2 sen (10t)
A solução particular pelo método dos coeficientes a determinar é da forma
u p (t) = t( A0 cos(10t) + B0 sen(10t))
Pelo método das constantes a determinar encontramos A0 = 0 e B0 = 1/2.
A solução geral da equação é
t
u(t) = c1 cos (10t) + c2 sen (10t) + sen(10t)
2
Derivando e substituindo-se t = 0, u = 0 e u0 = 0 obtemos que
c1 = 0, c2 = 0

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 151

Assim a solução do problema de valor inicial é


t
u(t) = sen(10t)
2
u

0.5 t →

π
__ t
5

−0.5 t →

6.9. Neste caso a constante de amortecimento é dada por


Fr 4200
γ= = = 4200
v 1
A equação diferencial que descreve o movimento é

102 u00 + 4200u0 + 104 u = 26000 cos(6t)

A solução estacionária é a solução particular da equação não homogênea


u p (t) = A0 cos(6t) + B0 sen(6t)
Pelo método das constantes a determinar encontramos
A0 = 16/65, B0 = 63/65,

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


152 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

A0 16
q
R= A20 + B02 = 1, δ = arccos = arccos ≈ 1, 32.
R 65
16 63
u p (t) = cos(6t) + sen(6t) = cos(6t − 1, 32)
65 65
u

+1

1,32
__ 1,32+2π
____ t
6 6

−1

6.10. (a) A solução da equação



homogênea√correspondente é
t t
u(t) = c1 e− 2 cos 27 t + c2 e− 2 sen 27 t .
Então a solução geral desta equação é
√ √
t 7t t 7t
u(t) = c1 e− 2 cos + c2 e− 2 sen + u p (t)
2 2
em que u p (t) é uma solução particular. Pelo método dos coeficientes a determinar

u p (t) = A cos(ωt) + B sen(ωt).

u0p (t) = ω cos (ω t) B − ω sen (ω t) A


u00p (t) = −ω 2 sen (ω t) B − ω 2 cos (ω t) A

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 153

Substituindo-se u p (t), u0p (t) e u00p (t) na equação diferencial obtemos


ω B − ω 2 A + 2 A cos ωt


− ω 2 B − 2 B + ω A sen ωt = cos ωt

π
Substituindo-se t = 0 e t = 2ω obtemos o sistema

2 − ω 2 A + ω B = 1
 

−ω A + 2 − ω 2 B = 0

que tem solução


2 − ω2 ω
A= , B= 4 .
ω4
−3ω +4 2 ω − 3 ω2 + 4
Logo, uma solução particular da equação diferencial que é a solução estacionária é dada por

(2 − ω 2 ) ω
u p (t) = 4 2
cos(ωt) + 4 sen(ωt).
ω −3ω +4 ω − 3 ω2 + 4

(b) A amplitude é
p 1
R = R(ω ) = A2 + B2 = 1/2
( ω 4 − 3 ω 2 + 4)
6.11. A solução geral da equação homogênea é dada por

u(t) = c1 cos (ω0 t) + c2 sen (ω0 t) ,



em que ω0 = k/m.
(a) Vamos procurar uma solução particular da forma

u p (t) = A cos (ω t) + B sen (ω t) .

Derivando-se:
u0p (t) = Bω cos (ω t) − Bω sen (ω t)

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


154 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

u00p (t) = − Bω 2 sen (ω t) − Aω 2 cos (ω t) .


Substituindo-se na equação diferencial:
 
k − m ω 2 (sen (ω t) B + cos (ω t) A) = F0 cos (ω t)

Comparando-se os termos em cosseno e em seno obtemos

k − m ω 2  A = F0
 

k − m ω2 B = 0

Assim
F0 F0
A= 2
= 2
, B = 0.
k−mω m ( ω0 − ω 2 )
Logo a solução geral é

F0
u(t) = c1 cos (ω0 t) + c2 sen (ω0 t) + cos(ωt).
m(ω02 − ω 2 )

(b) Dividindo a equação diferencial por m e substituindo-se k/m = ω02 obtemos:

F0
u00 + ω02 u = cos (ω0 t)
m
Vamos procurar uma solução particular da forma

u p (t) = t [ A cos (ω0 t) + B sen (ω0 t)] .

Derivando-se:
u0p (t) =
(ω0 t B + A) cos (ω0 t) + ( B − ω0 t A) sen (ω0 t)
u00p (t) =

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 155

− ω0 (ω0 t B + 2 A) (sen (ω0 t) − (2 B − ω0 t A)) cos (ω0 t) .


Substituindo-se na equação diferencial u00 + ω02 u = Fm0 cos (ω0 t):

2 ω0 (cos (ω0 t) B − sen (ω0 t) A) = F0 cos (ω0 t)

Comparando-se os termos em cosseno e em seno obtemos



2 ω0 B = F0 /m
− 2 ω0 A =0

Assim
F0
A = 0, B = .
2mω0
Logo a solução geral é

F0
u(t) = c1 cos (ω0 t) + c2 sen (ω0 t) + t sen(ω0 t).
2mω0

6.12. (a)
F0 cos (ω t)
u(t) =  + c2 sen (ω0 t) + c1 cos (ω0 t)
ω02 − ω 2 m
F0 ω sen (ω t)
u0 (t) = − − ω0 c1 sen (ω0 t) + ω0 c2 cos (ω0 t)
ω02 − ω 2 m


Derivando e substituindo-se t = 0, u = 0 e u0 = 0 obtemos que

F0
 + c1
ω02 − ω 2 m
ω0 c 2
F0
c1 = − , c2 = 0
m(ω02 − ω 2 )

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


156 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

Assim a solução do problema de valor inicial é

F0
u(t) = (cos(ωt) − cos(ω0 t)) .
m(ω02 − ω 2 )

(b)
F0
u(t) = c1 cos (ω0 t) + c2 sen (ω0 t) + t sen(ω0 t)
2mω0
F0 sen(ω0 t)
u0 (t) = 2 ω0 m − ω0 c1 sen (ω0 t)
F0 t cos(ω0 t)
+ 2m + ω0 c2 cos (ω0 t)
Derivando-se e substituindo-se t = 0, u = 0 e u0 = 0 obtemos que

c1 = 0, c2 = 0

Assim a solução do problema de valor inicial é

F0
u(t) = t sen(ω0 t).
2mω0

6.13. Seja u(t) = c1 u1 (t) + c2 u2 (t) a solução da equação homogênea correspondente. Então a solução geral
desta equação é
u ( t ) = c1 u1 ( t ) + c2 u2 ( t ) + u p ( t )
em que u p (t) é uma solução particular. Pelo método dos coeficientes a determinar

u p (t) = A cos(ωt) + B sen(ωt).

u0p (t) = ω cos (ω t) B − ω sen (ω t) A

u00p (t) = −ω 2 sen (ω t) B − ω 2 cos (ω t) A

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 157

Substituindo-se u p (t), u0p (t) e u00p (t) na equação diferencial obtemos ω B γ + ω02 − ω 2 m A cos ωt
 

+ ω02 − ω 2 m B − ω A γ sen ωt = F0 cos ωt


 
π
Substituindo-se t = 0 e t = 2ω obtemos o sistema

ω02 − ω 2 m A + ωγ B = F0
 

−ω γ A + ω02 − ω 2 m B = 0
encontramos
F0 m(ω02 − ω 2 ) F0 γω
A= , B= ,
∆ ∆
em que ∆ = m2 (ω02 − ω 2 )2 + γ2 ω 2 . Logo, uma solução particular da equação diferencial é

F0 m(ω02 − ω 2 ) F0 γω
u p (t) = cos(ωt) + sen(ωt).
∆ ∆

6.14. (a)
1
10Q00 + 60Q0 + = 12
0, 125 · 10−1
Dividindo-se por 10:
6
Q00 + 6Q0 + 8Q =
5
Equação caracterı́stica: r2 + 6r + 8 = 0
Raı́zes: r = −2, −4
Solução geral da equação homogênea: Q(t) = c1 e−2t + c2 e−4t
Solução particular da forma Q p (t) = A0 .

Q0p (t) = Q00p (t) = 0

Substituindo-se na equação:
6 3
8A0 = ⇒ A0 =
5 20

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


158 Equações Diferenciais de 1a. Ordem

Solução geral:
3
Q(t) = c1 e−2t + c2 e−4t +
20
Derivada da solução geral: Q0 (t) = −2c1 e−2t − 4c2 e−4t
Substituindo-se t = 0, Q = 0, Q0 = 0:

3
 
c1 + c2 + 20 =0 c1 = −3/10
, ⇒
−2c1 − 4c2 = 0 c2 = 3/20

Solução do PVI:
3 −2t 3 3
Q(t) = − e + e−4t +
10 20 20

(b)
3
lim Q(t) = C
t→∞ 20

(c)
0.16
Q
0.14

0.12

0.1

0.08

0.06

0.04

0.02

0
t
−0.02

−0.5 0 0.5 1 1.5 2 2.5 3

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


1.7 Respostas dos Exercı́cios 159

6.15. (a) Com a aproximação sen θ ≈ θ a equação diferencial se torna


g
θ 00 + θ = 0,
l
que tem solução geral
r  r 
g g
θ (t) = c1 cos t + c2 sen t
l l
θ0 = θ (0) = c1
r
0 g
0 = θ (0) = c2
l
Logo a solução do PVI é
r 
g
θ (t) = θ0 cos t
l
q q
g l
(b) A frequência é l, o perı́odo é 2π g e a amplitude é θ0 .

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


2

Séries de Fourier

Neste capı́tulo estudaremos as séries de Fourier.


Uma função f : [ a, b] → R é seccionalmente contı́nua ou contı́nua por partes se
f (t) é contı́nua em [ a, b] exceto possivelmente em um número finito de pontos, nos
quais os limites laterais existem. De forma análoga uma função f : R → R é secci-
onalmente contı́nua ou contı́nua por partes se f (t) é contı́nua por partes em todo
intervalo [ a, b]. Consideramos duas funções contı́nuas por partes iguais se elas dife-
rem possivelmente apenas nos pontos de descontinuidade.

Para toda função f : [− L, L] → R contı́nua por partes a série de Fourier da função f


é definida por
∞ ∞
a0 nπt nπt
S f (t) = + ∑ an cos + ∑ bn sen , (2.1)
2 n =1
L n =1
L

160
2.1 Teorema de Fourier 161

em que os coeficientes são dados por

1 L nπt
Z
an = f (t) cos dt, para n = 0, 1, 2, . . . (2.2)
L −L L
1 L nπt
Z
bn = f (t) sen dt, para n = 1, 2, . . . (2.3)
L −L L

2.1 Teorema de Fourier

O teorema seguinte, cuja demonstração será realizada somente no final desta seção,
afirma que para toda função f : [− L, L] → R contı́nua por partes, cuja derivada f 0
também é contı́nua por partes a série de Fourier de f converge.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


162 Séries de Fourier

Teorema 2.1 (Fourier). Seja L um número real maior que zero. Para toda função f : [− L, L] → R contı́nua por partes
tal que a sua derivada f 0 também seja contı́nua por partes, a série de Fourier de f
∞ ∞
a0 nπt nπt
S f (t) = + ∑ an cos + ∑ bn sen ,
2 n =1
L n =1
L

em que

1 L nπt
Z
an = f (t) cos dt para n = 0, 1, 2, . . .
L −L L
1 L nπt
Z
bn = f (t) sen dt, para n = 1, 2, . . .
L −L L
converge para f nos pontos de (− L, L) em que f é contı́nua. Ou seja, podemos representar f por sua série de Fourier:
∞ ∞
a0 nπt nπt
f (t) = + ∑ an cos + ∑ bn sen , para t ∈ (− L, L) em que f é contı́nua.
2 n =1
L n =1
L

As funções cos nπt nπt


L e sen L são periódicas com perı́odo (fundamental=menor
perı́odo) igual a 2L
n , para n = 1, 2, 3 . . . Assim 2L é perı́odo comum a todas elas. Logo
a série de Fourier de uma função f : [− L, L] → R é periódica de perı́odo T = 2L. O
termo constante
a0 1 L
Z
= f (t) dt
2 L −L
a0
representa a média da função f no intervalo [− L, L] e está escrito desta forma ( e
2
não simplesmente a0 ) somente para que a fórmula que vale para os coeficientes dos
cossenos da série de Fourier fique valendo também para o termo constante (n = 0).

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 163

Como a série de Fourier é periódica de perı́odo 2L ela pode ser entendida como a
série de Fourier da extensão periódica de f , f˜ : R → R, que é definida por

f˜(t) = f (t), se t ∈ [− L, L] e é tal que f˜(t + 2L) = f˜(t).

Ou seja, a série de Fourier de f é a mesma série de Fourier de f˜ que é a função que


é periódica de perı́odo 2L e que coincide com f no intervalo [− L, L]. Assim temos a
versão do Teorema de Fourier para funções periódicas.

Teorema 2.2 (Fourier para Funções Periódicas). Para toda função f : R → R periódica de perı́odo 2L, contı́nua
por partes tal que a sua derivada f 0 também seja contı́nua por partes, a série de Fourier de f
∞ ∞
a0 nπt nπt
S f (t) = + ∑ an cos + ∑ bn sen ,
2 n =1
L n =1
L

em que

1 L nπt
Z
an = f (t) cos dt para n = 0, 1, 2, . . .
L −L L
1 L nπt
Z
bn = f (t) sen dt, para n = 1, 2, . . .
L −L L
converge para f nos pontos em que f é contı́nua. Ou seja, podemos representar f por sua série de Fourier:
∞ ∞
a0 nπt nπt
f (t) = + ∑ an cos + ∑ bn sen , para t ∈ R em que f é contı́nua.
2 n =1
L n =1
L

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


164 Séries de Fourier

y y
N=0 N=1

1.5 1.5
1 1
0.5 0.5
t t

-π -π/2 π/2 π -π -π/2 π/2 π

y y
N=2 N=3

1.5 1.5
1 1
0.5 0.5
t t

-π -π/2 π/2 π -π -π/2 π/2 π

y y
N=4 N = 10

1.5 1.5
1 1
0.5 0.5
t t

-π -π/2 π/2 π -π -π/2 π/2 π

Figura 2.1 – Somas parciais da série de Fourier da função do Exemplo 2.1, para N = 0, 1, 2, 3, 4, 10

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 165

Exemplo 2.1. Seja L um número real maior que zero. Considere a função
f : [− L, L] → R dada por

(0) 1, se cL < t ≤ dL,
f (t) = f c,d (t) = para c e d fixos satisfazendo −1 ≤ c < d ≤ 1.
0, caso contrário,

(0) nπt
Vamos calcular a série de Fourier de f c,d . Fazendo a mudança de variáveis s =
L
obtemos

1 dL 1 dL
Z Z
a0 = f (t)dt = dt = d − c,
L cL L cL
1 dL nπt 1 dL nπt 1 nπd
Z Z
an = f (t) cos dt = cos dt = sen s , para n = 1, 2, . . .

L cL L L cL L nπ nπc
1 dL nπt 1 dL nπt 1 nπd
Z Z
bn = f (t) sen dt = sen dt = − cos s , para n = 1, 2, . . .

L cL L L cL L nπ nπc

Logo,
∞ ∞
a0 nπt nπt
S f (t) = + ∑ an cos + ∑ bn sen
2 n =1
L n =1
L
∞ ∞
d−c 1 sen nπd − sen nπc nπt 1 cos nπc − cos nπd nπt
=
2
+
π ∑ n
cos
L
+
π ∑ n
sen
L
.
n =1 n =1

Exemplo 2.2. Vamos calcular a série de Fourier da função u0 : [− L, L] → R dada


por u0 (t) = 1. Usando o exemplo anterior vemos que a série de Fourier da função
(0)
u0 = f −1,1 é
Su0 ( t ) = 1 = u 0 ( t ).
que é a própria função.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


166 Séries de Fourier

Exemplo 2.3. Vamos calcular a série de Fourier da função f : [−π, π ] → R dada por

 0, se −π ≤ t < −π/4
f (t) = 1, se −π/4 ≤ t < π/2
0, se π/2 ≤ t < π

Usando a notação do Exemplo 2.1, podemos escrever


(0)
f (t) = f ( t ), com L = π.
− 41 , 12

(0)
Portanto usando os coeficientes que obtivemos para f c,d no Exemplo 2.1, com
1 1
c = − e d = temos que
4 2
∞ ∞
3 1 1 nπ nπ  1 1 nπ nπ 
S f (t) = +
8 π ∑ n
sen
2
+ sen
4
cos nt +
π ∑ n
cos
2
− cos
4
sen nt.
n =1 n =1

Pelo Teorema 2.1 (de Fourier) temos que f pode ser representada por sua série de
Fourier
∞ ∞
3 1 1 nπ nπ  1 1 nπ nπ 
f (t) = S f (t) = +
8 π ∑ n
sen
2
+ sen
4
cos nt +
π ∑ n
cos
2
− cos
4
sen nt,
n =1 n =1

π π
para t 6= − e t 6= .
4 2

Exemplo 2.4. Vamos calcular a série de Fourier da função g : R → R dada por



 0, se −π ≤ t < −π/4
g(t) = 1, se −π/4 ≤ t < π/2 e tal que g(t + 2π ) = g(t)
0, se π/2 ≤ t < π

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 167

(0)
Esta função é a extensão periódica da função f = f com perı́odo igual a 2π.
− 14 , 21
Logo a sua série de Fourier é a mesma da função do Exemplo anterior
∞ ∞
3 1 1 nπ nπ  1 1 nπ nπ 
Sg (t) = +
8 π ∑n sen
2
+ sen
4
cos nt +
π ∑n cos
2
− cos
4
sen nt.
n =1 n =1

Pelo Teorema 2.1 (de Fourier) temos que g pode ser representada por sua série de
Fourier
∞ ∞
3 1 1 nπ nπ  1 1 nπ nπ 
g(t) = Sg (t) = +
8 π ∑n sen
2
+ sen
4
cos nt +
π ∑n cos
2
− cos
4
sen nt,
n =1 n =1

π π
para t 6= − + 2nπ e t 6= + 2nπ, n ∈ Z.
4 2

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


168 Séries de Fourier

y
1.5
1
0.5

t
-5π/2 -2π -3π/2 -π -π/2 π/2 π 3π/2 2π 5π/2

Figura 2.2 – Soma parcial da série de Fourier da função do Exemplo 2.4, com N = 10

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 169

Exemplo 2.5. Seja L um número real maior que zero. Seja m um inteiro positivo. Seja

um : [− L, L] → R definida por

mπt
um (t) = cos , para t ∈ [− L, L]
L

πt
Fazendo a mudança de variáveis s = ,
L
Z L
1 mπt 1
Z π
a0 = cos dt = cos msds = 0,
L −L L π −π

Vamos calcular os coeficientes an , para n = 0, 1, 2 . . . Fazendo a mudança de variáveis


πt
s= , para n > 0 e n 6= m temos que,
L

1 L mπt nπt 1 π
Z Z
an = cos cos dt = cos ms cos nsds
L −L L L π −π
1
Z π
= [cos(m + n)s + cos(m − n)s]ds
2π −π
1 π 1 π
= sen(m + n)s + sen(m − n)s =0

2π (m + n) −π 2π (m − n) −π

e para n = m,

Z L
1 mπt 1 1
Z π Z π
am = cos2 dt = cos2 msds = [1 + cos 2ms]ds = 1
L −L L π −π 2π −π

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


170 Séries de Fourier

Vamos calcular os coeficientes bn , para n = 1, 2 . . .


1 L mπt nπt
Z
bn = cos sen dt
L −L L L
1
Z π
= cos ms sen nsds
π −π
1
Z π
= [sen(m + n)s + sen(m − n)s]ds = 0
2π −π

Nestas integrais usamos as relações


cos(m + n)s
= cos ms cos ns − sen ms sen ns
cos(m − n)s = cos ms cos ns + sen ms sen ns
sen(m + n)s = sen ms cos ns + cos ms sen ns
sen(m − n)s = sen ms cos ns − cos ms sen ns.
Assim a série de Fourier de um : [− L, L] → R é dada por
mπt
Sum (t) = cos = um (t), para m = 1, 2 . . .
L

Exemplo 2.6. Seja L um número real maior que zero. Seja m um inteiro positivo. Seja
vm : [− L, L] → R definida por
mπt
vm (t) = sen , para t ∈ [− L, L]
L
Vamos calcular os coeficientes an , para n = 0, 1, 2 . . . Fazendo a mudança de variáveis
πt
s= ,
L
1 L mπt 1 π
Z Z
a0 = sen dt = sen msds = 0.
L −L L π −π

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 171

πt
Fazendo a mudança de variáveis s = , temos que para n = 1, 2, 3 . . .
L
1 L mπt nπt
Z
an = sen cos dt
L −L L L
1 π
Z
= sen ms cos nsds
π −π
1
Z π
= [sen(m + n)s + sen(m − n)s]ds = 0
2π −π

Vamos calcular os coeficientes bn , para n = 1, 2 . . . Para n 6= m temos que

1 L mπt nπt 1 π
Z Z
bn = sen sen dt = sen ms sen nsds
L −L L L π −π
1
Z π
= [− cos(m + n)s + cos(m − n)s]ds = 0
2π −π
E para n = m,
Z L
1 mπt 1 1
Z π Z π
bm = sen2 dt = sen2 msds = [1 − cos 2ms]ds = 1
L −L L π −π 2π −π

Assim a série de Fourier de vm : [− L, L] → R é dada por

mπt
Svm (t) = cos = vm (t), para m = 1, 2 . . .
L

Com os coeficientes das funções destes exemplos podemos determinar os coeficien-


tes das séries de Fourier de várias funções que são combinações lineares delas. Isto
por que os coeficientes das séries dependem linearmente das funções, ou seja,

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


172 Séries de Fourier

Proposição 2.3. Sejam f , g : [− L, L] → R. Se


Z L Z L
1 nπt 1 nπt
an ( f , L) = f (t) cos dt, bn ( f , L) = f (t) sen dt,
L −L L L −L L
Z L Z L
1 nπt 1 nπt
an ( g, L) = g(t) cos dt, bn ( g, L) = g(t) sen dt,
L −L L L −L L
então para quaisquer números α e β,

an (α f + βg, L) = αan ( f , L) + βan ( g, L) e bn (α f + βg, L) = αbn ( f , L) + βbn ( g, L).

Demonstração.

an (α f + βg, L) =
Z L Z L Z L
1 nπt 1 nπt 1 nπt
(α f (t) + βg(t)) cos dt = α f (t) cos dt + β g(t) cos dt =
L −L L L −L L L −L L
αan ( f , L) + βan ( g, L).

bn (α f + βg, L) =
Z L Z L Z L
1 nπt 1 nπt 1 nπt
(α f (t) + βg(t)) sen dt = α f (t) sen dt + β g(t) sen dt =
L −L L L −L L L −L L
αbn ( f , L) + βbn ( g, L).

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 173

Exemplo 2.7. Seja L um número real maior que zero. Seja n um inteiro positivo. Seja
f : [− L, L] → R definida por

15πt 31πt
f (t) = 3 − 2 cos + 4 sen , para t ∈ [− L, L]
L L
Usando a Proposição 2.3 temos que os coeficientes da série de Fourier de f são dados
por

15πt 31πt
an ( f , L) = 3an (1, L) − 2an (cos , L) + 4an (sen , L) = 3an (u0 , L) − 2an (u15 , L) + 4an (v31 , L)
L L

15πt 31πt
bn ( f , L) = 3bn (1, L) − 2bn (cos , L) + 4bn (sen , L) = 3bn (u0 , L) − 2bn (u15 , L) + 4bn (v31 , L)
L L
Como já calculamos estes coeficientes nos exemplos anteriores e obtivemos que

1, se n = 0,
a n ( u0 , L ) = bn (u0 , L) = 0, para n = 1, 2, . . .
0, caso contrário,

1, se n = 15,
an (u15 , L) = bn (u15 , L) = 0, para n = 1, 2, . . .
0, caso contrário,

1, se n = 31,
an (v31 ) = 0, para n = 1, 2, . . . , bn (v31 , L) =
0, caso contrário,
então temos que a série de Fourier da função deste exemplo é ela própria:

15πt 31πt
S f (t) = 3 − 2 cos + 4 sen = f ( t ).
L L

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


174 Séries de Fourier

Exemplo 2.8. Considere a função f : [− L, L] → R dada por



(1) t, se cL < t ≤ dL,
f (t) = f c,d (t) = para c e d fixos satisfazendo −1 ≤ c < d ≤ 1.
0, caso contrário,

(1) nπt
Vamos calcular a série de Fourier de f cd . Fazendo a mudança de variáveis s =
L
e integrando-se por partes obtemos

1 dL 1 dL L
Z Z
a0 = f (t)dt = t dt = (d2 − c2 )
L cL L cL 2
Z dL Z dL Z nπd
1 nπt 1 nπt L
an = f (t) cos dt = t cos dt = 2 2 s cos s ds
L cL L L cL L n π nπc
L nπd
= ( s sen s + cos s )

n2 π 2

nπc
1 dL 1 dL
Z nπd
nπt nπt L
Z Z
bn = f (t) sen dt = t sen dt = 2 2 s sen s ds
L cL L L cL L n π nπc
L nπd

= 2 2
(−s cos s + sen s)
n π nπc

Logo
∞ ∞
a0 nπt nπt
S f (t) = + ∑ an cos + ∑ bn sen
2 n =1
L n =1
L
nπd nπd
∞ (s sen s + cos s) ∞ (−s cos s + sen s)

L ( d2 − c2 ) L nπt L nπt
=
4
+ ∑
π 2 n =1 n2
nπc
cos
L
+ 2 ∑
π n =1 n
nπc
sen
L
.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 175

2.1.1 Séries de Fourier de Funções Pares e Ímpares


Lembramos que uma função h : [− L, L] → R é par, se

h(−t) = h(t), para todo t ∈ [− L, L]

e é ı́mpar, se
h(−t) = −h(t), para todo t ∈ [− L, L].
Lembramos também que se h : [− L, L] → R é uma função ı́mpar, então
Z L
h(t)dt = 0,
−L

e que se h : [− L, L] → R é uma função par, então


Z L Z L
h(t)dt = 2 h(t)dt.
−L 0

Já vimos que se uma função f : [− L, L] → R é contı́nua por partes com derivada f 0
também contı́nua por partes, então pelo Teorema 2.1 ela pode ser representada por
sua série de Fourier
∞ ∞
a0 nπt nπt
S f (t) = + ∑ an cos + ∑ bn sen .
2 n =1
L n =1
L

nπt nπt
Se a função f é par, então f (t) sen é ı́mpar e f (t) cos é par (verifique!). Logo
L L
os coeficientes da série de Fourier de f são dados por:

1 L
Z L
nπt 2 nπt
Z
an = f (t) cos dt = f (t) cos dt, para n = 0, 1, 2, . . .
L −L L L 0 L
1 L nπt
Z
bn = f (t) sen dt = 0, para n = 1, 2, . . .
L −L L

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


176 Séries de Fourier

Ou seja, se uma função f : [− L, L] → R é par a sua série de Fourier tem somente os


termos em cossenos,

a0 nπt
S f (t) = + ∑ an cos .
2 n =1
L

Para as funções f que são definidas apenas em [0, L] podemos prolongá-las de forma
que elas se tornem par no intervalo [− L, L]:

˜f (t) = f (−t), se − L ≤ t < 0
f ( t ), se 0 ≤ t < L

é a extensão par de f . E assim temos o seguinte resultado.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 177

-L L

Figura 2.3 – Prolongamento par de uma função definida inicialmente somente no intervalo [0, L]

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


178 Séries de Fourier

Corolário 2.4. Seja L um número real maior que zero. Para toda função f : [0, L] → R contı́nua por partes tal que a sua
derivada f 0 também seja contı́nua por partes. A série de Fourier de cossenos de f

a0 nπt
Sc f (t) = + ∑ an cos ,
2 n =1
L

em que
Z L
2 nπt
an = f (t) cos dt, para n = 0, 1, 2, . . .
L 0 L

converge para f nos pontos do intervalo (0, L) em que f é contı́nua. Ou seja, podemos representar f por sua série de
cossenos de Fourier:

a0 nπt
f (t) = + ∑ an cos , para t ∈ (0, L) em que f é contı́nua.
2 n =1
L

nπt
Analogamente, se a função f : [− L, L] → R é ı́mpar, então f (t) sen é par e
L
nπt
f (t) cos é ı́mpar (verifique!) e assim os coeficientes da série de Fourier de f são
L
dados por:

1 L nπt
Z
an = f (t) cos dt = 0, para n = 0, 1, 2, . . .
L −L L
Z L
1 nπt 2 L nπt
Z
bn = f (t) sen dt = f (t) sen dt, para n = 1, 2, . . .
L −L L L 0 L

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 179

Ou seja, se uma função f : [− L, L] → R é ı́mpar a sua série de Fourier tem somente


os termos em senos,

nπt
S f (t) = ∑ bn sen .
n =1
L
Para as funções f que são definidas apenas em [0, L] podemos prolongá-las de forma
que elas se tornem ı́mpar no intervalo [− L, L]:

− f (−t), se − L ≤ t < 0
f˜(t) =
f ( t ), se 0 ≤ t < L

é a extensão ı́mpar de f . E assim temos o seguinte resultado.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


180 Séries de Fourier

-L L

Figura 2.4 – Prolongamento ı́mpar de uma função definida inicialmente somente no intervalo [0, L]

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 181

Corolário 2.5. Seja L um número real maior que zero. Para toda função f : [0, L] → R contı́nua por partes tal que a sua
derivada f 0 também seja contı́nua por partes. A série de Fourier de senos de f

nπt
Ss f (t) = ∑ bn sen L
,
n =1
em que
Z L
2 nπt
bn = f (t) sen dt, para n = 1, 2, . . .
L 0 L
converge para f nos pontos do intervalo (0, L) em que f é contı́nua. Ou seja, podemos representar f por sua série de
senos de Fourier:

nπt
f (t) = ∑ bn sen , para t ∈ (0, L) em que f é contı́nua.
n =1
L

Exemplo 2.9. Considere a função f : [0, L] → R, dada por f (t) = 1, para 0 ≤ t ≤ 1.


A série de cossenos é obtida estendo-se f ao intervalo [− L, L] de forma que ela seja
par e a série de senos é obtida estendo-se f ao intervalo [− L, L] de forma que ela seja
ı́mpar. Os coeficientes podem ser obtidos da tabela na página 199.
(0) (0)
a0 = 2a0 ( f 0,1 , L) = 2, an = 2an ( f 0,1 , L) = 0,

(0) 2(cos nπ − 1) 2(1 − (−1)n )


bn = 2bn ( f 0,1 , L) = − = .
nπ nπ

Sc f (t) = 1,
∞ ∞
2 1 − (−1)n nπt 4 1 (2n + 1)πt
Ss f (t) =
π ∑ n
sen
L π ∑ 2n + 1
sen
L
.
n =1 n =0

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


182 Séries de Fourier

y y y
N=1 N=3 N=5

1 1 1

t t t

L L L

y y y
N=7 N=9 N = 11

1 1 1

t t t

L L L

Figura 2.5 – A função f : [0, L] → R dada por f (t) = 1 para t ∈ [0, L] e as somas parciais da série de Fourier de
senos de f , para N = 1, 3, 5, 7, 9, 11

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 183

Assim os termos de ı́ndice par da série de senos são nulos. Pelo Corolário 2.5 temos
que
∞ ∞
2 1 − (−1)n nπt 4 1 (2n + 1)πt
f (t) = Ss f (t) =
π ∑ n
sen
L π ∑ 2n + 1
sen
L
, para t ∈ (0, L).
n =1 n =0

Exemplo 2.10. Considere a função f : [0, L] → R, dada por f (t) = t, para 0 ≤ t ≤ L.


A série de cossenos é obtida estendo-se f ao intervalo [− L, L] de forma que ela seja
par e a série de senos é obtida estendo-se f ao intervalo [− L, L] de forma que ela seja
ı́mpar. Os coeficientes podem ser obtidos da tabela na página 199.
(1)
a0 = 2a0 ( f 0,1 , L) = L,
(1) 2L 2L
an = 2an ( f 0,1 , L) = 2 2 (cos nπ − 1) = 2 2 ((−1)n − 1),
n π n π
(1) 2L (−1)n+1 2L
bn = 2bn ( f 0,1 , L) = (− cos nπ ) = .
nπ nπ
∞ ∞
L 2L (−1)n − 1 nπt L 4L 1 (2n + 1)πt
Sc f (t) =
2
+ 2 ∑ 2
cos
L
= − 2
2 ∑ 2
cos
L
,
π n =1 n π n=0 (2n + 1)

2L (−1)n+1 nπt
Ss f (t) =
π ∑ n
sen
L
.
n =1
Assim os termos de ı́ndice par da série de cossenos (exceção de a0 ) são nulos. Pelo
Corolário 2.4 e pelo Corolário 2.5 temos que f pode ser representada por sua série
de cossenos e por sua série de senos de Fourier
∞ ∞
L 2L (−1)n − 1 nπt L 4L 1 (2n + 1)πt
f (t) =
2
+ 2
π ∑ n 2
cos
L
= − 2
2 π ∑ ( 2n + 1 ) 2
cos
L
,
n =1 n =0

2L (−1)n+1 nπt
=
π ∑ n
sen
L
,
n =1

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


184 Séries de Fourier

para t ∈ (0, L).

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 185

y y y
L N=0 L N=1 L N=3

L/2 L/2 L/2

t t t

L L L

Figura 2.6 – A função f : [0, L] → R dada por f (t) = t para t ∈ [0, L] e somas parciais da sua série de Fourier de
cossenos para N = 0, 1, 3

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


186 Séries de Fourier

y y y
L N=1 L N=2 L N=3

L/2 L/2 L/2

t t t

L L L

y y y
L N=4 L N=5 L N=6

L/2 L/2 L/2

t t t

L L L

Figura 2.7 – A função f : [0, L] → R dada por f (t) = t para t ∈ [0, L] e as somas parciais da sua série de Fourier
de senos de f , para N = 1, 2, 3, 4, 5, 6

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 187

y y y
N=0 N=2 N=6

L/2 L/2 L/2

t t t

L L L

Figura 2.8 – A função f : [0, L] → R, dada por f (t) = t se t ∈ [0, L/2] e f (t) = L − t se t ∈ [ L/2, L] e somas
parciais da série de Fourier de cossenos para N = 0, 2, 6

y y y
N=1 N=3 N=5

L/2 L/2 L/2

t t t

L L L

Figura 2.9 – A função f : [0, L] → R, dada por f (t) = t se t ∈ [0, L/2] e f (t) = L − t se t ∈ [ L/2, L] e somas
parciais da série de Fourier de senos para N = 1, 3, 5

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


188 Séries de Fourier

Exemplo 2.11. Considere a função f : [0, L] → R definida por



t, se 0 ≤ t ≤ L/2
f (t) =
L − t, se L/2 < t ≤ L

A série de cossenos é obtida estendo-se f ao intervalo [− L, L] de forma que ela seja


par e a série de senos é obtida estendo-se f ao intervalo [− L, L] de forma que ela seja
ı́mpar.
Usando a tabela na página 199 os coeficientes an e bn podem ser calculados como

2 L L
Z  
(1) (0) (1)
a0 = f ( x )dx = 2 a0 ( f 0,1/2 , L) + La0 ( f 1/2,1 , L) − a0 ( f 1/2,1 , L) =
L 0 2
2 L nπx
Z
an = f ( x ) cos dx
L 0 L
 
(1) (0) (1)
= 2 an ( f 0,1/2 , L) + Lan ( f 1/2,1 , L) − an ( f 1/2,1 , L)
2L nπ/2 2L nπ 2L nπ
= ( s sen s + cos s ) + sen s − ( s sen s + cos s )

n2 π 2 nπ n2 π 2

0 nπ/2 nπ/2
4L nπ 2L 2L
= cos − 2 2 − 2 2 cos nπ
n2 π 2 2 n π n π

2 cos 2 − 1 − (−1)n
= 2L , n = 1, 2, 3 . . .
n2 π 2
Entretanto alguns termos são nulos. Podemos separar os termos em de ı́ndice par e
de ı́ndice ı́mpar
a2k+1 = 0
2 cos kπ − 2 (−1)k − 1
a2k = 2L 2 2
=L .
(2k) π k2 π 2
os termos de ı́ndice par podem ainda ser separados:

a2·2l = 0

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 189

−2 2L
a2(2l +1) = L =− .
(2l + 1)2 π 2 (2l + 1)2 π 2

2 L nπx
Z
bn = f ( x ) sen( )dx
L 0 L
 
(1) (0) (1)
= 2 bn ( f 0,1/2 ) + Lbn ( f 1/2,1 ) − bn ( f 1/2,1 )
2L nπ/2 2L nπ 2L nπ
= (−s cos s + sen s) − cos s − 2 2 (−s cos s + sen s)

2
n π 2 0 nπ nπ/2 n π nπ/2
4L  nπ nπ nπ  2L nπ
= − cos + sen + cos
n2 π 2 2 2 2 nπ 2
4L sen nπ 2
= , n = 1, 2, 3 . . .
n2 π 2

Entretanto alguns coeficientes são nulos:

b2k = 0

4L(−1)k
b2k+1 = .
(2k + 1)2 π 2

Como a função f é contı́nua com sua derivada f 0 também contı́nua, pelo Corolário
2.4, ela pode ser representada por sua série de Fourier de cossenos e pelo Corolário

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


190 Séries de Fourier

2.5 por sua série de Fourier de senos :


∞ 2 cos nπ n
L 2L 2 − 1 − (−1) nπt
f (t) =
4
+ 2
π ∑ n 2
cos
L
n =1

L L (−1)n − 1 2nπt
=
4
+ 2
π ∑ n 2
cos
L
n =1

L 2L 1 2(2n + 1)πt
=
4
− 2 ∑ 2
cos
L
π n=0 (2n + 1)
∞ sen nπ
4L nπt
f (t) =
π2 ∑ n 2
2
sen
L
n =1

4L (−1)n (2n + 1)πt
=
π2 ∑ ( 2n + 1 ) 2
sen
L
n =0

Vários coeficientes são nulos e não é por acaso. Sempre que um coeficiente é cal-
culado por uma integral de 0 a L de uma função h(t) que é simétrica em relação
ao ponto (t, y) = ( L2 , 0), ou seja, tal que h(t) = −h( L − t), para t ∈ [0, L/2], o seu
valor é igual a zero (verifique!). No exemplo anterior isto ocorreu com os coeficien-
tes de ı́ndice ı́mpar da série de cossenos e com os de ı́ndice par da série de senos
(verifique!). Isto é análogo ao que ocorre com funções ı́mpares sendo integradas em
intervalos simétricos.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 191

2.1.2 Demonstração do Teorema sobre a Convergência da Série de Fourier


Demonstração do Teorema 2.1 na página 162. Vamos mostrar que a soma par-
cial da série tende a f ( x ), se x ∈ (− L, L) é um ponto de continuidade de f .
Substituindo-se os coeficientes an e bn na soma parcial da série,

N 
a0 nπx nπx 
SN (x) = + ∑ an cos + bn sen ,
2 n =1
L L

obtemos
Z L
1
SN (x) = f (t)dt
2L −L
N  Z L Z L 
1 nπx nπt nπx nπt
+
L ∑ cos
L −L
f (t) cos
L
dt + sen
L −L
f (t) sen
L
dt =
n =1
!
Z L N
1 1 nπx nπt nπx nπt
= + ∑ (cos cos + sen sen ) f (t)dt =
L −L 2 n =1 L L L L
!
Z L N
1 1 nπ (t − x )
= + ∑ cos f (t)dt (2.4)
L −L 2 n =1 L

Mas
N 
s N

1 1 1 1
sen( N + )s − sen s = ∑ sen(n + )s − sen(n − )s = 2 sen ∑ cos ns
2 2 n =1
2 2 2 n =1

Logo
1 N sen( N + 12 )s
+ ∑ cos ns = .
2 n =1 2 sen 2s

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


192 Séries de Fourier

π (t − x )
Substituindo-se s por obtemos
L
π (t − x )
1 N
nπ (t − x ) sen( N + 12 )
2 n∑
+ cos = L . (2.5)
=1 L π ( t − x )
2 sen
2L
Substituindo-se (2.5) em (2.4) obtemos

π (t − x )
Z L sen( N + 1 )
1 2 L
SN (x) = f (t)dt
L −L π (t − x )
2 sen
2L
Substituindo-se f pela sua extensão periódica de perı́odo 2L, f˜, usando o fato de que
neste caso as integrais anteriores podem ser calculadas de − L + x até L + x e fazendo
a mudança de variáveis s = t − x obtemos

π (t − x )
Z L+ x sen( N + 1 )
1 2 L
SN (x) = f˜(t)dt =
L − L+ x π (t − x )
2 sen
2L
πs
Z L sen( N + 1 )
1 2 L f˜( x + s)ds
= πs (2.6)
L −L 2 sen
2L
Tomando-se f ( x ) = 1 em (2.6) obtemos
πs
Z L sen( N + 1 )
1 2 L = 1.
πs (2.7)
L −L 2 sen
2L

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 193

Assim de (2.6) e (2.7) temos que

1 πs
1
Z L  sen( N + 2 ) L
SN (x) − f (x) = f˜( x + s) − f ( x ) πs ds =
L −L 2 sen
2L
s
Z L ˜
1 f ( x + s) − f˜( x ) 2 1 πs
= πs sen( N + 2 ) L ds. (2.8)
L −L s sen
2L
˜ ˜0
Como f é contı́nua por partes com derivada f também contı́nua por partes, então
para x ∈ (− L, L) tal que f ( x ) é contı́nua temos que a função
s
f˜( x + s) − f˜( x ) 2
g(s) = πs
s sen
2L
é contı́nua por partes. Pois, pelo Teorema do valor médio, se f 0 é contı́nua em x,
então g é contı́nua em s = 0. Se f não é contı́nua em x, então os limites laterais de
f 0 (ξ ) quando ξ tende a zero existem. Assim segue do lema que apresentaremos a
seguir que
Z L
1 1 πs
lim (S N ( x ) − f ( x )) = lim g(s) sen( N + ) ds = 0.
N →∞ N →∞ L −L 2 L


Lema 2.6 (Riemann-Lebesgue). Seja g : R → R uma função contı́nua por partes, então
Z b
lim g(s) sen λs ds = 0
λ→∞ a

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


194 Séries de Fourier

Demonstração. Seja
Z b
I (λ) = g(s) sen λs ds (2.9)
a

Vamos supor inicialmente que g seja contı́nua. Fazendo-se a mudança de variáveis


π
s = t + obtemos
λ
Z b− π
λ π
I (λ) = − g(t + ) sen λt dt (2.10)
a− πλ λ

Seja M = max g(s). Somando-se (2.9) e (2.10) e calculando-se o módulo obtemos


s∈[ a−π,b]
que

b− πλ
Z b Z
π
|2I (λ)| = g(s) sen λs ds − g(s + ) sen λs ds =
a a− πλ λ
Z a Z b− π Z b
π λ π π
≤ | g(s + )| ds + | g(s) − g(s + )| ds + | g(s + )| ds
a− πλ λ a λ b− πλ λ
Z b− π
2Mπ λ π
≤ + | g(s) − g(s + )| ds < 2e,
λ a λ

2Mπ π e
para λ > tal que | g(s) − g(s +
)| < , para todo s ∈ [ a, b]. O caso geral
e λ b−a
segue da aplicação do argumento acima para cada parte de g que é contı́nua. 

2.1.3 Limites e Derivação de Séries de Funções

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 195

Teorema 2.7. Sejam u1 , u2 . . . : [ a, b] → R diferenciáveis. Seja u : [ a, b] → R definida por



u( x ) = ∑ u n ( x ).
n =0

Se
dun
( x ) ≤ an , para todo x ∈ [ a, b], n = 1, 2, . . .
dx

e

∑ an < ∞,
n =0

então

du dun
(x) = ∑ ( x ), para todo x ∈ [ a, b].
dx n =1
dx

Demonstração. Seja x ∈ [ a, b]. Seja e > 0. Sejam



dun
g( x ) = ∑ dx
( x ).
n =1

N
SN (x) = ∑ un ( x )
n =1

S N ( x ) − S N ( x + h)
q N ( x, h) =
h
u( x ) − u( x + h)
q( x, h) = .
h

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


196 Séries de Fourier

N
e
Existe N0 ∈ N tal que M, N > N0 implica ∑ an <
3
. Então
n= M

N du N
dun
N
e
|S N ( x ) − S M ( x )| = ∑ ( x ) ≤ ∑ ( x ) ≤ ∑ an < ,
0 0 n
(2.11)

n= M dx n= M dx n= M
3

para todo x ∈ [ a, b]. Deixando N fixo e passando ao limite quando M tende a infinito
obtemos
e
|S0N ( x ) − g( x )| ≤ . (2.12)
3
Sejam M, N > N0 . Pelo Teorema do Valor Médio aplicado a S N ( x ) − S M ( x ) e por
(2.11) obtemos que existe ξ entre x e x + h tal que
e
|q N ( x, h) − q M ( x, h)| = |S0N (ξ ) − S0M (ξ )| < .
3
Deixando N fixo e passando ao limite quando M tende a infinito obtemos
e
|q N ( x, h) − q( x, h)| ≤ , para todo h tal que x + h ∈ [ a, b]. (2.13)
3
Como lim q N ( x, h) = S0N ( x ), existe δ > 0 tal que 0 < h < δ implica que
h →0
e
|q N ( x, h) − S0N ( x )| < (2.14)
3
De (2.13), (2.14) e (2.12) segue-se que

|q( x, h) − g( x )|
≤ |q( x, h) − q N ( x, h)| + |q N ( x, h) − S0N ( x )| + |S0N ( x ) − g( x )|
e e e
< + +
3 3 3


Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 197

Teorema 2.8. Sejam u1 , u2 . . . : [ a, b] → R. Seja u : [ a, b] → R definida por



u( x ) = ∑ u n ( x ).
n =0

Se
|un ( x )| ≤ an , para todo x ∈ [ a, b], n = 1, 2, . . .
e

∑ an < ∞,
n =0

então

lim u( x ) =
x → x0
∑ xlim
→ x0
u n ( x ),
n =1

para x0 ∈ [ a, b] tal que existam lim un ( x ), para n = 1, 2 . . .


x → x0

Demonstração. Seja e > 0. Sejam

N
SN (x) = ∑ un ( x )
n =1

Ln = lim un ( x )
x → x0

N
S̃ N = ∑ Ln
n =1

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


198 Séries de Fourier

∞ ∞
Existe L = ∑ Ln , pois | Ln | ≤ an e ∑ an < ∞.
n =1 n =1
Logo existe N0 ∈ N tal que para N > N0 temos que

N
e
| L − S̃ N | = | L − ∑ Ln | < 3 . (2.15)
n =1

N
e
Também existe N1 ∈ N tal que M, N > N1 implica ∑ an <
3
. Então
n= M

N N N
e
|S N ( x ) − S M ( x )| = ∑ un ( x ) ≤ ∑ |un ( x )| ≤ ∑ an < , (2.16)

n= M n= M n= M
3

para todo x ∈ [ a, b]. Deixando N fixo e passando ao limite quando M tende a infinito
obtemos
e
|S N ( x ) − u( x )| < , para todo x ∈ [ a, b]. (2.17)
3
Seja N > max{ N0 , N1 }. Como lim S N ( x ) = S̃ N , então existe δ > 0 tal que para
x → x0
| x − x0 | < δ,
e
|S̃ N − S N ( x )| < (2.18)
3
De (2.15), (2.18) e (2.16) segue-se que
e e e
| L − u( x )| ≤ | L − S̃ N | + |S̃ N − S N ( x )| + |S N ( x ) − u( x )| < + +
3 3 3


Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 199

2.1.4 Tabela de Coeficientes de Séries de Fourier

Coeficientes das Séries de Fourier de Funções Elementares

1 L nπt 1 L nπt
Z Z
f : [− L, L] → R, −1 ≤ c < d ≤ 1 an ( f , L) = f (t) cos dt bn ( f , L ) = f (t) sen dt
L −L L L −L L

(0)
(0)

1, se t ∈ [cL, dL] a0 ( f c,d , L) = d−c (0)
nπd
1
f c,d (t) = bn ( f c,d , L) = − nπ cos s
nπd
0, caso contrário (0) 1 nπc
an ( f c,d , L) = sen s

nπ nπc

(1) L 2 2
a0 ( f c,d , L) = 2 (d − c ) (1)
(1)

t, se t ∈ [cL, dL] (1) bn ( f c,d , L) =
f c,d (t) = an ( f c,d , L) = nπd
0, caso contrário nπd L
(−s cos s + sen s)

L n2 π 2
( s sen s + cos s ) nπc

2
n π 2
nπc

(2) L2 3
a0 ( f c,d , L) = 3 (d − c3 ) (2)
(2)

t2 , se t ∈ [cL, dL] (2) bn ( f c,d , L) =
f c,d (t) = an ( f c,d , L) =  nπd
0, caso contrário L2
2s sen s + 2 − s2 cos s

L2
 nπd
2 − 2 sen s + 2s cos s
 n3 π 3
3
n π 3 s nπc
nπc

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


200 Séries de Fourier

Exercı́cios (respostas na página 248)


1.1. Mostre que uma função f : [− L, L] → R é par, então os coeficientes da sua série de Fourier são dados por
1 L nπt 2 L nπt
Z Z
an = f (t) cos dt = f (t) cos dt, para n = 0, 1, 2, . . .
L −L L L 0 L
Z L
1 nπt
bn = f (t) sen dt = 0 para n = 1, 2, . . .
L −L L

1.2. Mostre que uma função f : [− L, L] → R é ı́mpar, então os coeficientes da sua série de Fourier são dados
por
1 L nπt
Z
an = f (t) cos dt = 0 para n = 0, 1, 2, . . .
L −L L
1 L nπt 2 L nπt
Z Z
bn = f (t) sen dt = f (t) sen dt, para n = 1, 2, . . .
L −L L L 0 L

L
1.3. (a) Mostre que se uma função h : [0, L] → R é simétrica em relação ao ponto (t, y) = ( , 0), ou seja, se
2
L
h ( L − t ) = − h ( t ), para t ∈ [0, ],
2
então Z L
h(t) dt = 0.
0
L
(b) Mostre que se f : [0, L] → R é simétrica em relação à reta t = , ou seja, tal que
2
L
f ( t ) = f ( L − t ), para t ∈ [0, ],
2
então os coeficientes de ı́ndice par da série de senos de Fourier são nulos, ou seja, b2k = 0, para
k = 1, 2, 3 . . . (Sugestão: use o item anterior.)

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 201

L
(c) Mostre que se f : [0, L] → R é simétrica em relação ao ponto (t, y) = ( , 0), ou seja, tal que
2
L
f ( t ) = − f ( L − t ), para t ∈ [0, ],
2
então os coeficientes de ı́ndice par da série de cossenos de Fourier são nulos, a2k = 0, para k =
0, 1, 2. . . . (Sugestão: use o item (a).)
(2)
1.4. Determine a série de Fourier da função f c,d : [− L, L] → R dada por

t2 ,

(2) se cL < t ≤ dL,
f c,d (t) = para c e d fixos satisfazendo −1 ≤ c < d ≤ 1.
0, caso contrário,

1.5. Determine as séries de Fourier das funções f : [− L, L] → R:



−1, se − L ≤ t < 0,
(a) f (t) = (b) f (t) = L/2 − |t|
1, se 0 ≤ t ≤ L,
1.6. Determine a série de Fourier da função f : R → R dada por

f (t) = L/2 − |t − L/2|, se − L/2 < t < 3L/2 e f (t + 2L) = f (t).

1.7. Determine séries de Fourier de senos e de cossenos da função f : [0, L] → R dada por

f ( t ) = t ( L − t ), para t ∈ [0, L].

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


202 Séries de Fourier

y y y
N=0 N=2 N=4

L/2 L/2 L/2

t t t

L L L

Figura 2.10 – Somas parciais da série de Fourier de cossenos da função f (t) = t( L − t), para t ∈ [0, L], para
N = 0, 2, 4.

y y
N=1 N=3

L/2 L/2

t t

L L

Figura 2.11 – Somas parciais da série de Fourier de senos da função f (t) = t( L − t), para t ∈ [0, L], para N = 1, 3

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 203

1.8. Determine as séries de Fourier de senos e de cossenos das funções f : [0, L] → R:



 0, se 0 ≤ t < L/2,
0, se 0 ≤ t < L/2, (c) f (t) =
(a) f (t) = t − L/2, se L/2 ≤ t < L,
1, se L/2 ≤ t ≤ L, 
  t, se 0 ≤ t < L/4
1, se L/4 ≤ t < 3L/4,
(b) f (t) = (d) f (t) = L/4, se L/4 ≤ t < 3L/4
0, caso contrário,
L − t, se 3L/4 ≤ t ≤ L

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


204 Séries de Fourier

y y y
N=0 N=1 N=3

1 1 1

t t t

L L L

y y y
N=5 N=7 N=9

1 1 1

t t t

L L L

Figura 2.12 – A função f : [0, L] → R definida por f (t) = 1, se t ∈ [ L/2, L] e f (t) = 0, caso contrário e as somas
parciais da sua série de Fourier de cossenos, para N = 0, 1, 3, 5, 7, 9.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 205

y y y
N=1 N=2 N=3

1 1 1

t t t

L L L

y y y
N=5 N=6 N=7

1 1 1

t t t

L L L

Figura 2.13 – A função f : [0, L] → R definida por f (t) = 1, se t ∈ [ L/2, L] e f (t) = 0, caso contrário e as somas
parciais da sua série de Fourier de senos, para N = 1, 2, 3, 5, 6, 7.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


206 Séries de Fourier

y y y
N=0 N=2 N=6

1 1 1

t t t

L L L

y y y
N = 10 N = 14 N = 18

1 1 1

t t t

L L L

Figura 2.14 – A função f : [0, L] → R definida por f (t) = 1, se t ∈ [ L/4, 3L/4] e f (t) = 0, caso contrário e as
somas parciais da sua série de Fourier de cossenos, para N = 0, 2, 6, 10, 14, 18.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 207

y y y
N=1 N=3 N=5

1 1 1

t t t

L L L

y y y
N=7 N=9 N = 11

1 1 1

t t t

L L L

Figura 2.15 – A função f : [0, L] → R definida por f (t) = 1, se t ∈ [ L/4, 3L/4] e f (t) = 0, caso contrário e as
somas parciais da sua série de Fourier de senos, para N = 1, 3, 5, 7, 9, 11.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


208 Séries de Fourier

y y y
N=1 N=2 N=3

L/2 L/2 L/2

t t t

L L L

y y y
N=4 N=5 N=6

L/2 L/2 L/2

t t t

L L L

Figura 2.16 – A função f : [0, L] → R definida por f (t) = t − L/2, se t ∈ [ L/2, L] e f (t) = 0, caso contrário e as
somas parciais da sua série de Fourier de cossenos, para N = 1, 2, 3, 4, 5, 6.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 209

y y y
N=1 N=2 N=3

L/2 L/2 L/2

t t t

L L L

y y y
N=4 N=5 N=6

L/2 L/2 L/2

t t t

L L L

Figura 2.17 – A função f : [0, L] → R definida por f (t) = t − L/2, se t ∈ [ L/2, L] e f (t) = 0, caso contrário e as
somas parciais da sua série de Fourier de senos, para N = 1, 2, 3, 4, 5, 6.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


210 Séries de Fourier

y y y
N=0 N=2 N=4

L/2 L/2 L/2

t t t

L L L

Figura 2.18 – A função f : [0, L] → R, f (t) = t, se t ∈ [0, L/4], f (t) = L/4, se t ∈ [ L/4, 3L/4] e f (t) = L − t, se
t ∈ [3L/4, L] e somas parciais da sua série de Fourier de cossenos para N = 0, 2, 4.

y y y
N=1 N=3 N=5

L/2 L/2 L/2

t t t

L L L

Figura 2.19 – A função f : [0, L] → R, f (t) = t, se t ∈ [0, L/4], f (t) = L/4, se t ∈ [ L/4, 3L/4] e f (t) = L − t, se
t ∈ [3L/4, L] e somas parciais da sua série de Fourier de senos para N = 1, 3, 5.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.1 Teorema de Fourier 211

1.9. Considere a seguinte função :

f ( t ) = 1 − | t |, se − 1 < t ≤ 1 e tal que f ( t + 2) = f ( t ).

(a) Calcule a série de Fourier S f da função f ;


(b) Determine os valores S f (0) e S f (100.5). Justifique.

1.10. Considere a função f : [0, L] → R dada por f (t) = 1.


(a) Encontre uma representação de f em série de Fourier que contenha somente termos em cossenos.
(b) Encontre uma representação de f em série de Fourier que contenha somente termos em senos.
(c) Encontre uma representação de f em série de Fourier que contenha termos em cossenos e senos.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


212 Séries de Fourier

2.2 Séries de Fourier de Senos e de Cossenos de Índices Ímpares


Análogo ao caso de integração de funções ı́mpares no intervalo [− L, L], se
h : [0, 2L] → R é simétrica em relação ao ponto (t, y) = ( L, 0), ou seja, se é tal
que
h(2L − t) = −h(t), para todo t ∈ [0, L],
então (verifique!)
Z 2L
h(t)dt = 0. (2.19)
0
Também análogo ao caso de integração de funções pares no intervalo [− L, L], se
h : [0, 2L] → R é simétrica em relação à reta t = L, ou seja, se é tal que

h(2L − t) = h(t), para todo t ∈ [0, L],

então (verifique!)
Z 2L Z L
h(t)dt = 2 h(t)dt. (2.20)
0 0
Já vimos que se uma função f : [0, 2L] → R é contı́nua por partes com derivada f 0
também contı́nua por partes, então pelo Corolário 2.5 ela pode ser representada por
sua série de Fourier de senos

nπt
f (t) = ∑ bn sen 2L
.
n =1

com os coeficientes dados por


Z 2L
1 nπt
bn = f (t) sen dt para n = 1, 2, . . .
L 0 2L
Se a função f é simétrica em relação à reta t = L, isto é, se

f (2L − t) = f (t), para todo t ∈ [0, L],

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.2 Séries de Fourier de Senos e de Cossenos de Índices Ímpares 213

2kπt
como sen é simétrica em relação ao ponto (t, y) = ( L, 0) (veja a Figura 2.20),
2L
2kπt
então o produto f (t) sen é simétrico em relação ao ponto (t, y) = ( L, 0) e como
2L
(2k + 1)πt
sen é simétrica em relação à reta t = L (veja a Figura 2.20), então o pro-
2L
(2k + 1)πt
duto f (t) sen é simétrico em relação à reta t = L (verifique!). Assim,
2L
separando os coeficientes em de ı́ndice par e de ı́ndice ı́mpar e usando as relações
(2.19) e (2.20) obtemos que:

b2k = 0
Z L
4 (2k + 1)πt
b2k+1 = f (t) sen dt para k = 0, 1, 2, . . .
2L 0 2L
E assim

(2k + 1)πt
f (t) = ∑ b2k+1 sen 2L
, para t ∈ (0, 2L)
k =0

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


214 Séries de Fourier

y y
n=1 n=2

t t

2L L 2L

y y
n=3 n=4

t t

2L/3 4L/3 2L L/2 L 3L/2 2L

nπt
Figura 2.20 – sen , para n = 1, 2, 3, 4
2L

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.2 Séries de Fourier de Senos e de Cossenos de Índices Ímpares 215

Ou seja, se uma função f : [0, 2L] → R é simétrica em relação à reta t = L, a sua série
de Fourier de senos tem somente os termos de ı́ndice ı́mpar.
Para as funções f que são definidas apenas em [0, L] podemos prolongá-las ao inter-
valo [0, 2L] de forma que elas sejam simétricas em relação à reta t = L, ou seja,

f ( t ), se 0 ≤ t < L
f˜(t) =
f (2L − t), se L ≤ t < 2L
é simétrica em relação à reta t = L. Assim temos o seguinte resultado.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


216 Séries de Fourier

L 2L

Figura 2.21 – Prolongamento com simetria em relação à reta t = L de uma função definida inicialmente somente
no intervalo [0, L]

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.2 Séries de Fourier de Senos e de Cossenos de Índices Ímpares 217

Corolário 2.9. Seja L um número real maior que zero. Para toda função f : [0, L] → R contı́nua por partes tal que a sua
derivada f 0 também seja contı́nua por partes. A série de Fourier de senos de ı́ndice ı́mpar de f

(2k + 1)πt
Ssi f (t) = ∑ b2k+1 sen 2L
,
k =0

em que
Z L
4 (2k + 1)πt
b2k+1 = f (t) sen dt para k = 0, 1, 2, . . .
2L 0 2L
converge para f nos pontos do intervalo (0, L) em que f é contı́nua. Ou seja, podemos representar f por sua série de
senos de Fourier de ı́ndice ı́mpar:

(2k + 1)πt
f (t) = ∑ b2k+1 sen 2L
, para t ∈ (0, L) em que f é contı́nua.
k =0

Além disso se f˜ : R → R definida por



f ( t ), se 0 ≤ t < L,
f˜(t) =
f (2L − t), se L ≤ t < 2L,

f˜(t) = − f˜(−t), se −2L ≤ t < 0, f˜(t + 4L) = f˜(t).


ou seja, f˜ é a extensão de f que é periódica de perı́odo 4L, ı́mpar e simétrica em relação a reta t = L, então

(2k + 1)πt
f˜(t) = ∑ b2k+1 sen 2L
, para t ∈ R em que f˜ é contı́nua.
k =0

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


218 Séries de Fourier

Já vimos que se uma função f : [0, 2L] → R é contı́nua por partes com derivada f 0
também contı́nua por partes, então pelo Corolário 2.4 ela pode ser representada por
sua série de Fourier de cossenos

nπt
f (t) = ∑ bn cos 2L
.
n =1

com os coeficientes dados por


Z 2L
1 nπt
an = f (t) cos dt para n = 0, 1, 2, . . .
L 0 2L
Se a função f é simétrica em relação ao ponto ( L, 0), isto é,
f (2L − t) = − f (t), para todo t ∈ [0, L],
2kπt
como cos é simétrica em relação à reta t = L (veja a Figura 2.22), então
2L
2kπt
o produto f (t) cos é simétrico em relação ao ponto (t, y) = ( L, 0) e como
2L
(2k + 1)πt
cos é simétrica em relação ao ponto (t, y) = ( L, 0) (veja a Figura 2.22),
2L
(2k + 1)πt
então o produto f (t) cos é simétrica em relação à reta t = L (verifique!).
2L
Separando os coeficientes em de ı́ndice par e de ı́ndice ı́mpar e usando as relações
(2.19) e (2.20) obtemos que:
a2k = 0
Z L
4 (2k + 1)πt
a2k+1 = f (t) cos dt para k = 0, 1, 2, . . .
2L 0 2L
E assim

(2k + 1)πt
f (t) = ∑ a2k+1 cos 2L
, para t ∈ (0, 2L)
k =0

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.2 Séries de Fourier de Senos e de Cossenos de Índices Ímpares 219

y y
n=1 n=2

t t

L 2L L/2 3L/2 2L

y y
n=3 n=4

t t

2L/6 L 5L/3 2L L/4 3L/4 5L/4 7L/4 2L

nπt
Figura 2.22 – cos , para n = 1, 2, 3, 4
2L

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


220 Séries de Fourier

Ou seja, se uma função f : [0, 2L] → R é simétrica em relação ao ponto ( L, 0), a sua
série de Fourier de cossenos tem somente os termos de ı́ndice ı́mpar.
Para as funções f que são definidas apenas em [0, L] podemos prolongá-las ao inter-
valo [0, 2L] de forma que elas sejam simétricas em relação ao ponto ( L, 0), ou seja,

f ( t ), se 0 ≤ t < L
f˜(t) =
− f (2L − t), se L ≤ t < 2L
é simétrica em relação ao ponto ( L, 0). E assim temos o seguinte resultado.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.2 Séries de Fourier de Senos e de Cossenos de Índices Ímpares 221

L 2L

Figura 2.23 – Prolongamento com simetria em relação ao ponto (t, y) = ( L, 0) de uma função definida inicial-
mente somente no intervalo [0, L]

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


222 Séries de Fourier

Corolário 2.10. Seja L um número real maior que zero. Para toda função f : [0, L] → R contı́nua por partes tal que a
sua derivada f 0 também seja contı́nua por partes. A série de Fourier de cossenos de ı́ndice ı́mpar de f

(2k + 1)πt
Sci f (t) = ∑ a2k+1 cos 2L
,
k =0

em que
Z L
4 (2k + 1)πt
a2k+1 = f (t) cos dt para k = 0, 1, 2, . . .
2L 0 2L
converge para f nos pontos do intervalo (0, L) em que f é contı́nua. Ou seja, podemos representar f por sua série de
cossenos de Fourier de ı́ndice ı́mpar:

(2k + 1)πt
f (t) = ∑ a2k+1 cos 2L
, para t ∈ (0, L) em que f é contı́nua.
k =0

Além disso, se f˜ : R → R definida por



f ( t ), se 0 ≤ t < L,
f˜(t) =
− f (2L − t), se L ≤ t < 2L,

f˜(t) = f˜(−t), se −2L ≤ t < 0, f˜(t + 4L) = f˜(t),


ou seja, f˜ é a extensão de f que é periódica de perı́odo 4L, par e simétrica em relação ao ponto (t, y) = ( L, 0), então

(2k + 1)πt
f˜(t) = ∑ a2k+1 cos 2L
, para t ∈ R em que f˜ é contı́nua.
k =0

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.2 Séries de Fourier de Senos e de Cossenos de Índices Ímpares 223

Exemplo 2.12. Determine as representações da função f : [0, L] → R em termos das


séries de Fourier de senos e de cossenos de ı́ndices ı́mpares:

0, se 0 ≤ t < L/2,
f (t) =
t − L/2, se L/2 ≤ t < L,

[0, 2L]:

(1) L (0)
a2k+1 = a2k+1 ( f 1 1 , 2L) − a ( f , 2L)
4,2 2 2k+1 14 , 12
2L (2k+1)π L 1 (2k+1)π
2 2
= 4· 2 2
( s sen s + cos s ) (2k+1)π
− · 4 · sen s (2k+1)π
(2k + 1) π 2 (2k + 1)π

4 4
 
8L (2k + 1)π (2k + 1)π 2L (2k + 1)π
= cos − cos + sen
(2k + 1)2 π 2 2 4 (2k + 1)π 2
 
(2k+1)π
− cos (2k+41)π
 
2L ∞  4 cos
(2k+1)π
sen
2
 cos (2k + 1)πt
π k∑
2
f (t) = 2π
+
=0
( 2k + 1 ) ( 2k + 1 ) 2L

(1) L (0)
b2k+1 = b2k+1 ( f 1 1 , 2L) − b ( f , 2L)
4,2 2 2k+1 14 , 12
2L (2k+1)π L −1 (2k+1)π
2 2
= 4· (− s cos s + sen s ) − · 4 · cos s
(2k + 1)2 π 2 (2k+1)π (2k+1)π
2 ( 2k + 1 )

4
π 4
 
8L (2k + 1)π (2k + 1)π 2L (2k + 1)π
= sen − sen − cos
(2k + 1)2 π 2 2 4 (2k + 1)π 2
 
(2k+1)π
− sen (2k+41)π
 
2L ∞  4 sen
(2k+1)π
cos
2
 sen (2k + 1)πt
π k∑
2
f (t) = 2π

=0
( 2k + 1 ) ( 2k + 1 ) 2L

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


224 Séries de Fourier

y y y
L/2 N=0 L/2 N=1 L/2 N=2

t t t

L L L

-L/2 -L/2 -L/2

y y y
L/2 N=3 L/2 N=4 L/2 N=5

t t t

L L L

-L/2 -L/2 -L/2

Figura 2.24 – A função f : [0, L] → R definida por f (t) = t − L/2, se t ∈ [ L/2, L] e f (t) = 0, caso contrário e as
somas parciais da sua série de Fourier de cossenos de ı́ndices ı́mpares, para N = 0, 1, 2, 3, 4, 5.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.2 Séries de Fourier de Senos e de Cossenos de Índices Ímpares 225

y y y
L/2 N=0 L/2 N=1 L/2 N=2

t t t

L L L

-L/2 -L/2 -L/2

y y y
L/2 N=3 L/2 N=4 L/2 N=5

t t t

L L L

-L/2 -L/2 -L/2

Figura 2.25 – A função f : [0, L] → R definida por f (t) = t − L/2, se t ∈ [ L/2, L] e f (t) = 0, caso contrário e as
somas parciais da sua série de Fourier de senos de ı́ndices ı́mpares, para N = 0, 1, 2, 3, 4, 5.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


226 Séries de Fourier

Exercı́cios (respostas na página 260)


2.1. (a) Mostre que se uma função h : [0, 2L] → R é simétrica em relação ao ponto (t, y) = ( L, 0), ou seja, se

h(2L − t) = −h(t), para t ∈ [0, L],

então
Z 2L
h(t) dt = 0.
0

(b) Mostre que se uma função h : [0, 2L] → R é simétrica em relação à reta t = L, ou seja, se

h(2L − t) = h(t), para t ∈ [0, L],

então
Z 2L Z L
h(t) dt = 2 h(t) dt.
0 0

(c) Mostre que se f : [0, 2L] → R é simétrica em relação à reta t = L, ou seja, tal que

f (t) = f (2L − t), para t ∈ [0, L],

então os coeficientes de ı́ndice par da série de senos de Fourier são nulos, ou seja, b2k = 0, para
k = 1, 2, 3 . . . e os coeficientes de ı́ndice ı́mpar são dados por
Z L
4 (2k + 1)πt
b2k+1 = f (t) sen dt para k = 0, 1, 2, . . .
2L 0 2L

(Sugestão: use os itens (a) e (b).)


(d) Mostre que se f : [0, 2L] → R é simétrica em relação ao ponto (t, y) = ( L, 0), ou seja, tal que

f (t) = − f (2L − t), para t ∈ [0, L],

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.2 Séries de Fourier de Senos e de Cossenos de Índices Ímpares 227

então os coeficientes de ı́ndice par da série de cossenos de Fourier são nulos, a2k = 0, para k =
0, 1, 2. . . . e os coeficientes de ı́ndice ı́mpar são dados por
Z L
4 (2k + 1)πt
a2k+1 = f (t) cos dt para k = 0, 1, 2, . . .
2L 0 2L

(Sugestão: use os itens (a) e (b).)

2.2. Determine as séries de Fourier de senos e de cossenos de ı́ndices ı́mpares da função f : [0, L] → R:

L/2 − t, se 0 ≤ t < L/2,
f (t) =
0, se L/2 ≤ t < L.

2.3. Determine a série de Fourier da função f : R → R dada por

f ( t ) = L − | t − L |, se − L < t < 3L e f (t + 4L) = f (t).

2.4. Determine a série de Fourier de senos da função f : [0, L] → R, dada por



 t, se 0 ≤ t < L/4
f (t) = L/4, se L/4 ≤ t < 3L/4
L − t, se 3L/4 ≤ t ≤ L.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


228 Séries de Fourier

y y y
L/2 N=0 L/2 N=1 L/2 N=2

t t t

L L L

-L/2 -L/2 -L/2

y y y
L/2 N=3 L/2 N=4 L/2 N=5

t t t

L L L

-L/2 -L/2 -L/2

Figura 2.26 – A função f : [0, L] → R definida por f (t) = L/2 − t, se t ∈ [0, L/2] e f (t) = 0, caso contrário e as
somas parciais da sua série de Fourier de cossenos de ı́ndices ı́mpares, para N = 0, 1, 2, 3, 4, 5.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.2 Séries de Fourier de Senos e de Cossenos de Índices Ímpares 229

y y y
L/2 N=0 L/2 N=1 L/2 N=2

t t t

L L L

-L/2 -L/2 -L/2

y y y
L/2 N=3 L/2 N=4 L/2 N=5

t t t

L L L

-L/2 -L/2 -L/2

Figura 2.27 – A função f : [0, L] → R definida por f (t) = L/2 − t, se t ∈ [0, L/2] e f (t) = 0, caso contrário e as
somas parciais da sua série de Fourier de senos de ı́ndices ı́mpares, para N = 0, 1, 2, 3, 4, 5.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


230 Séries de Fourier

y y
L N=0 L N=1

t t

-L L 2L 3L -L L 2L 3L

-L -L

y y
N=2 N=3
L L

t t

-L L 2L 3L -L L 2L 3L

-L -L

Figura 2.28 – A função f : R → R definida por f (t) = L − |t − L|, se −t ∈ [− L, 3L] e tal que f (t) = f (t + 4L) e
as somas parciais da sua série de Fourier, para N = 0, 1, 2, 3.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.3 Oscilações Forçadas com Força Externa Periódica 231

2.3 Oscilações Forçadas com Força Externa Periódica


Vamos supor que uma força externa periódica Fext (t), com perı́odo T, é aplicada à
massa. Então a equação para o movimento da massa é

mu00 + γu0 + ku = Fext (t).

Supondo que a força externa seja seccionalmente contı́nua com a sua derivada
também seccionalmente contı́nua, então como ela é periódica de perı́odo T, ela pode
ser representada por sua série de Fourier.
∞ ∞
a0 2nπt 2nπt
Fext (t) = + ∑ an cos + ∑ bn sen
2 n =1
T n =1
T

em que os coeficientes são dados por


T
2 2nπt
Z
2
an = f (t) cos dt, para n = 0, 1, 2, . . .
T − T2 T
Z T
2 2 2nπt
bn = f (t) sen dt. para n = 1, 2, . . .
T − T2 T

2.3.1 Oscilações Forçadas sem Amortecimento


Neste caso a equação diferencial para o movimento da massa é

mu00 + ku = Fext (t) (2.21)

A solução geral é a soma da solução geral da equação homogênea correspondente


com uma solução particular da equação não homogênea. A equação homogênea
correspondente é
mu00 + ku = 0,

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


232 Séries de Fourier

que é a equação do problema de oscilação livre não amortecida. A equação carac-


terı́stica é r
2 k
mr + k = 0 ⇔ r = ± i
m
Assim a solução geral da equação homogênea é
r ! r !
k k
u(t) = c1 cos t + c2 sen t
m m
q
k
Seja ω0 = m. Então a equação acima pode ser escrita em termos de ω0 como

u(t) = c1 cos (ω0 t) + c2 sen (ω0 t) . (2.22)

Assim a solução geral da equação não homogênea é da forma

u(t) = c1 cos (ω0 t) + c2 sen (ω0 t) + u p (t).

Pelo método das coeficientes a determinar, devemos procurar uma solução particu-
lar da forma
∞ ∞
2nπt 2nπt
u p (t) = A0 + ∑ An cos + ∑ Bn sen ,
n =1
T n =1
T
em que An e Bn são coeficientes a serem determinados substituindo-se u p (t) na
2nπ
equação diferencial (2.21). Temos que supor que ω0 6= , para n = 1, 2, 3 . . .
T
(por que?)

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.3 Oscilações Forçadas com Força Externa Periódica 233

Fext(t)

Fe = − k x

Fext(t)

Fext(t)
Fe = − k x

0 x

Figura 2.29 – Sistema massa-mola forçado sem amortecimento

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


234 Séries de Fourier

0.5

1 2 3 4 5 6 7 8 t
-0.5

-1

Figura 2.30 – Parte não homogênea, f (t) da equação do problema de valor inicial do Exemplo 2.13

0.5

1 2 3 4 5 6 7 8 t

-0.5

Figura 2.31 – Solução do problema de valor inicial do Exemplo 2.13 para ω0 = π/2.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.3 Oscilações Forçadas com Força Externa Periódica 235

Exemplo 2.13. Vamos considerar o problema de valor inicial


u00 + ω02 u = f (t),


u(0) = 0, u0 (0) = 0

1, se 0 ≤ t < 1
f (t) = e tal que f ( t + 2) = f ( t )
−1, se 1 ≤ t < 2
A solução geral da equação diferencial é

u(t) = c1 cos ω0 t + c2 sen ω0 t + u p (t),

em que u p (t) é uma solução particular. Como f é ı́mpar, seccionalmente contı́nua


com derivada seccionalmente contı́nua, ela pode ser representada por sua série de
Fourier de senos:

f (t) = ∑ bn sen nπt.
n =1
com Z 1 nπ
2 2
bn = 2 f (t) sen nπt dt = −
cos s = (1 − (−1)n )

0 nπ 0 nπ
Vamos procurar uma solução particular da forma

u p (t) = ∑ ( An cos nπt + Bn sen nπt)
n =1

com coeficientes An , Bn a determinar. Vamos supor que a derivada da série seja igual
a série das derivadas:

u0p (t) = ∑ (−nπ An sen nπt + nπBn cos nπt),
n =1

u00p (t) = − ∑ (n2 π2 An cos nπt + n2 π2 Bn sen nπt).
n =1

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


236 Séries de Fourier

Substituindo-se u p (t) e u00p (t) na equação diferencial obtemos


− ∑ n2 π2 ( An cos nπt + Bn sen nπt)
n =1
∞ ∞
+ ω02 ∑ ( An cos nπt + Bn sen nπt) = ∑ bn sen nπt,
n =1 n =1

que podemos reescrever como


∞ ∞
∑ [ Bn (ω02 − n2 π2 ) − bn ] sen nπt + ∑ (ω02 − n2 π2 ) An cos nπt = 0.
n =1 n =1

De onde obtemos
bn
An = 0, Bn = , para n = 1, 2, . . .
ω02 − n2 π 2

Assim uma solução particular da equação diferencial é


∞ ∞
bn 2 1 − (−1)n
u p (t) = ∑ ω2 − n2 π2 sen nπt = π ∑ 2 2 2
sen nπt
n =1 0 n =1 n ( ω0 − n π )

A solução geral da equação diferencial é então



2 1 − (−1)n
u(t) = c1 cos ω0 t + c2 sen ω0 t + ∑ 2 2 2
sen nπt
n =1 n ( ω0 − n π )
π

Substituindo-se t = 0 e u = 0, obtemos c1 = 0. Substituindo-se t = 0 em



1 − (−1)n
u0 (t) = ω0 c2 cos ω0 t + 2 ∑ 2 2 2
cos nπt
n =1 ω0 − n π

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.3 Oscilações Forçadas com Força Externa Periódica 237

obtemos

2 (−1)n − 1
c2 = ∑ 2 2 2
n =1 ω0 − n π
ω0
Logo a solução do PVI é
∞ ∞
!
2 (−1)n − 1 2 1 − (−1)n
u(t) = ∑ 2 2 2 sen ω0 t + ∑ 2 2 2
sen nπt
n =1 ω0 − n π n =1 n ( ω0 − n π )
ω0 π

!
4 1
=
ω0 ∑ (2n + 1)2 π2 − ω2 sen ω0 t
n =0 0

4 1
+
π ∑ ( 2n + 1 )( ω 2 − (2n + 1)2 π 2 )
sen(2n + 1)πt
n =0 0

Para encontrar u p (t) fizemos a suposição de que as derivadas da série eram a série
das derivadas. Seja

u p (t) = ∑ u n ( t ).
n =1
Então

u0p (t) = ∑ u0n (t),
n =1

u00p (t) = ∑ u00n (t)
n =1
pois,
4 1
|u0n (t)| ≤ ,
π ω02 − n2 π 2
4 n
|u00n (t)| ≤ 2
.
π ω0 − n 2 π 2

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


238 Séries de Fourier

2.3.2 Oscilações Forçadas com Amortecimento


Neste caso a equação diferencial para o movimento da massa é

mu00 + γu0 + ku = F0 (t) (2.23)

A solução geral é a soma da solução geral da equação homogênea correspondente


com uma solução particular da equação não homogênea. A equação homogênea
correspondente é
mu00 + γu0 + ku = 0,
que é a equação do problema de oscilação livre amortecida. A equação caracterı́stica
é mr2 + γr + k = 0 e ∆ = γ2 − 4km
Aqui temos três casos a considerar:

(a) Se ∆ = γ2 − 4km > 0 ou γ > 2 km, neste caso

u ( t ) = c 1 e r1 t + c 2 e r2 t ,

em que

−γ ± ∆
p
−γ ± γ2 − 4km
r1,2 = = <0
2m 2m
Este caso é chamado superamortecimento.

(b) Se ∆ = γ2 − 4km = 0 ou γ = 2 km, neste caso
γt γt
u(t) = c1 e− 2m + c2 te− 2m

Este caso é chamado amortecimento crı́tico.



(c) Se ∆ = γ2 − 4km < 0 ou 0 < γ < 2 km, neste caso
γt
u(t) = e− 2m (c1 cos µt + c2 sen µt) (2.24)

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.3 Oscilações Forçadas com Força Externa Periódica 239

em que r
p
4km − γ2 γ2
µ= = ω02 − < ω0
2m 4m2

Aqui, µ é chamado quase frequência e T = é chamado quase perı́odo. Este
µ
caso é chamado subamortecimento.
Observe que nos três casos a solução tende a zero quando t tende a +∞.

Seja u(t) = c1 u1 (t) + c2 u2 (t) a solução geral da equação homogênea correspondente.


Então a solução geral da equação não homogênea (2.23) é

u(t) = c1 u1 ( t ) + c2 u2 ( t ) + u p ( t )

em que u p (t) é uma solução particular. Pelo método dos coeficientes a determinar
∞ ∞
2nπt 2nπt
u p ( t ) = A0 + ∑ An cos
T
+ ∑ Bn sen
T
,
n =1 n =1

em que An e Bn são coeficientes a serem determinados substituindo-se u p (t) na


equação diferencial (2.23).
A solução geral da equação homogênea correspondente, c1 u1 (t) + c2 u2 (t), é a
solução do problema de oscilação livre amortecida e já mostramos que tende a zero
quando t tende a +∞, por isso é chamada solução transiente, enquanto a solução
particular, u p (t), permanece e por isso é chamada solução estacionária.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


240 Séries de Fourier

Fr = −γ v Fext(t)
Fe = − k x

Fr = −γ v Fext(t)

Fr = −γ v Fext(t)

Fe = − k x

0 x

Figura 2.32 – Sistema massa-mola forçado com amortecimento

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.3 Oscilações Forçadas com Força Externa Periódica 241

0.5

1 2 3 4 5 6 7 8 t

-0.5

Figura 2.33 – Solução estacionária do problema de valor inicial do Exemplo 2.14.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


242 Séries de Fourier

Exemplo 2.14. Vamos considerar o problema de valor inicial


u00 + 3u0 + 2u = f (t),


u(0) = 0, u0 (0) = 0

1, se 0 ≤ t < 1
f (t) = e tal que f ( t + 2) = f ( t )
−1, se 1 ≤ t < 2
A solução geral da equação diferencial é

u(t) = c1 e−t + c2 e−2t + u p (t),

em que u p (t) é uma solução particular. Como f é ı́mpar, seccionalmente contı́nua


com derivada seccionalmente contı́nua, ela pode ser representada por sua série de
Fourier de senos:

f (t) = ∑ bn sen nπt
n =1
com Z 1 nπ
2 2
bn = 2 f (t) sen nπt dt = −
cos s = (1 − (−1)n )

0 nπ 0 nπ
Vamos procurar uma solução particular da forma

u p (t) = ∑ ( An cos nπt + Bn sen nπt)
n =1

com coeficientes An , Bn a determinar. Vamos supor que a derivada da série seja igual
a série das derivadas:

u0p (t) = ∑ (−nπ An sen nπt + nπBn cos nπt),
n =1

u00p (t) = − ∑ (n2 π2 An cos nπt + n2 π2 .Bn sen nπt)
n =1

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.3 Oscilações Forçadas com Força Externa Periódica 243

Substituindo-se u p (t), u0p (t) e u00p (t) na equação diferencial obtemos


− ∑ n2 π2 ( An cos nπt + Bn sen nπt)
n =1

+3 ∑ (−nπ An sen nπt + nπBn cos nπt)
n =1
∞ ∞
+2 ∑ ( An cos nπt + Bn sen nπt) = ∑ bn sen nπt,
n =1 n =1

que podemos reescrever como

∞ ∞
∑ [(2 − n2 π2 ) Bn − 3nπ An − bn ] sen nπt + ∑ [(2 − n2 π2 ) An + 3nπBn ] cos nπt = 0.
n =1 n =1

De onde obtemos o sistema

(2 − n2 π 2 ) An + 3nπBn

= 0
−3nπ An + (2 − n2 π 2 ) Bn = bn

que tem solução

3nπbn ( 2 − n 2 π 2 ) bn
An = − , Bn = , para n = 1, 2, . . .
∆n ∆n

em que ∆n = 9n2 π 2 + (2 − n2 π 2 )2 . Assim uma solução particular da equação dife-

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


244 Séries de Fourier

rencial é
∞ ∞
3nπbn ( 2 − n 2 π 2 ) bn
u p (t) = − ∑ ∆n
cos nπt + ∑
∆n
sen nπt
n =1 n =1
∞ ∞
(−1)n − 1 2 (2 − n2 π 2 )(1 − (−1)n )
= 6 ∑ ∆n
cos nπt +
π ∑ n∆n
sen nπt
n =1 n =1
∞ ∞
1 4 2 − (2n + 1)2 π 2
= −12 ∑ ∆2n+1
cos(2n + 1)πt +
π ∑ (2n + 1)∆2n+1
sen(2n + 1)πt
n =0 n =0

que é a solução estacionária. Para encontrar u p (t) fizemos a suposição de que as


derivadas da série eram a série das derivadas. Seja

u p (t) = ∑ u n ( t ).
n =1

Então

u0p (t) = ∑ u0n (t),
n =1

u00p (t) = ∑ u00n (t)
n =1
pois,
n 4 (2 − n2 π 2 )
|u0n (t)| ≤ 12 + ,
∆n π ∆n
n2 4 n (2 − n2 π 2 )
|u00n (t)| ≤ 12 + .
∆n π ∆n

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.3 Oscilações Forçadas com Força Externa Periódica 245

Exercı́cios (respostas na página 265)


3.1. Considere a seguinte função :

−1, se 0 ≤ t < 1
f (t) = e tal que f ( t + 2) = f ( t )
1, se 1 ≤ t < 2

(a) Encontre uma solução particular e a solução geral da equação diferencial 2y00 + y = f (t).
(b) Encontre a solução do problema de valor inicial

2y00 + y = f (t),


y(0) = 0, y0 (0) = 0

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


246 Séries de Fourier

0.5

1 2 3 4 5 6 7 8 t
-0.5

-1

Figura 2.34 – Termo não homogêneo da equação do problema de valor inicial do Exercı́cio 3.2.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.3 Oscilações Forçadas com Força Externa Periódica 247

3.2. Considere 
t, se 0 ≤ t < 1
f (t) = e tal que f ( t + 2) = f ( t )
2 − t, se 1 ≤ t < 2

(a) Resolva o problema de valor inicial

u00 + ω02 u = f (t),




u(0) = 0, u0 (0) = 0

(b) Encontre a solução estacionária do problema de valor inicial


 00
u + 3u0 + 2u = f (t),
u(0) = 0, u0 (0) = 0

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


248 Séries de Fourier

2.4 Respostas dos Exercı́cios


1. Séries de Fourier (página 200)
1.1. Separando a integral em duas partes, usando a mudança de variáveis t = −s na primeira parte e usando
o fato de que o cosseno e a função f são pares:

1 L nπt
Z
an = f (t) cos dt
L −L L
1 0 nπt 1 L nπt
Z Z
= f (t) cos dt + f (t) cos dt
L −L L L 0 L
1 0 −nπs 1 L nπt
Z Z
= f (−s) cos (−ds) + f (t) cos dt
L L L L 0 L
1 0 nπs 1 L nπt 2 L nπt
Z Z Z
= − f (s) cos ds + f (t) cos dt = f (t) cos dt
L L L L 0 L L 0 L

Separando a integral em duas partes, usando a mudança de variáveis t = −s na primeira parte e usando
o fato de que o seno é ı́mpar e a função f é par:

1 L nπt
Z
bn = f (t) sen dt
L −L L
1 0 nπt 1 L nπt
Z Z
= f (t) sen dt + f (t) sen dt
L −L L L 0 L
1 0 −nπs 1 L nπt
Z Z
= f (−s) sen (−ds) + f (t) sen dt
L L L L 0 L
Z 0 Z L
1 nπs 1 nπt
= f (s) sen ds + f (t) sen dt = 0
L L L L 0 L

1.2. Separando a integral em duas partes, usando a mudança de variáveis t = −s na primeira parte e usando

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.4 Respostas dos Exercı́cios 249

o fato de que o cosseno é par e a função f é ı́mpar:

1 L nπt
Z
an = f (t) cos dt
L −L L
1 0 nπt 1 L nπt
Z Z
= f (t) cos dt + f (t) cos dt
L −L L L 0 L
1 0 −nπs 1 L nπt
Z Z
= f (−s) cos (−ds) + f (t) cos dt
L L L L 0 L
Z 0 Z L
1 nπs 1 nπt
= f (s) cos ds + f (t) cos dt = 0
L L L L 0 L

Separando a integral em duas partes, usando a mudança de variáveis t = −s na primeira parte e usando
o fato de que o seno e a função f são ı́mpares:

1 L nπt
Z
bn = f (t) sen dt
L −L L
1 0 nπt 1 L nπt
Z Z
= f (t) sen dt + f (t) sen dt
L −L L L 0 L
Z 0 Z L
1 −nπs 1 nπt
= f (−s) sen (−ds) + f (t) sen dt
L L L L 0 L
1 0 nπs 1 L nπt 2 L nπt
Z Z Z
= − f (s) sen ds + f (t) sen dt = f (t) sen dt
L L L L 0 L L 0 L

1.3. (a) Dividindo a integral em duas partes, fazendo a mudança de variáveis t = L − s na segunda parte e
usando o fato de que

h ( L − t ) = − h ( t ), para t ∈ [0, L/2]

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


250 Séries de Fourier

obtemos

Z L Z L/2 Z L
h(t) dt = h(t) dt + h(t) dt
0 0 L/2
Z L/2 Z 0
= h(t) dt + h( L − s) (−ds)
0 L/2
Z L/2 Z 0
= h(t) dt + h(s) ds = 0
0 L/2

(b) Para h(t) = f (t) sen 2kπt


L temos que

2kπ ( L − t)
   
2kπt 2kπt
h( L − t) = f ( L − t) sen = f (t) sen 2kπ − = f (t) sen −
L L L
 
2kπt
= − f (t) sen = −h(t)
L

Assim segue da aplicação do item (a) que b2k = 0.

(c) Para h(t) = f (t) cos 2kπt


L temos que

2kπ ( L − t)
   
2kπt 2kπt
h( L − t) = f ( L − t) cos = − f (t) cos 2kπ − = − f (t) cos −
L L L
 
2kπt
= − f (t) cos = −h(t)
L

Assim segue da aplicação do item (a) que a2k = 0.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.4 Respostas dos Exercı́cios 251

nπt
1.4. Fazendo a mudança de variáveis s = L e integrando-se por partes duas vezes obtemos

1 dL 1 dL 2 L2 3
Z Z
a0 = f (t)dt = t dt = ( d − c3 )
L cL L cL 3
1 dL 1 dL 2 L2
Z nπd
nπt nπt
Z Z
an = f (t) cos dt = t cos dt = 3 3 s2 cos s ds
L cL L L cL L n π nπc
L2
 nπd Z nπd 
2
= s sen s − 2 s sen s

n3 π 3

nπc nπc
L 2    nπd
2
= s − 2 sen s + 2s cos s

n3 π 3

nπc

L2
Z dL
1 dL 2
Z nπd
1 nπt nπt
Z
bn = f (t) sen dt = t sen dt = 3 3 s2 sen s ds
L cL L L cL L n π nπc
L 2  nπd Z nπd 
= −s2 cos s +2 s cos s

n3 π 3 nπc nπc
L2  2
 nπd
= 2s sen s + ( 2 − s ) cos s

n3 π 3

nπc

∞ ∞
a0 nπt nπt
S (2) (t) = + ∑ an cos + ∑ bn sen
f c,d 2 n =1
L n =1
L
 nπd
s2 − 2 sen s + 2s cos s


L2 L2 nπt
=
6
( d3 − c3 ) +
π3 ∑ n3
nπc
cos
L
n =1
 nπd
L2 ∞ 2s sen s + (2 − s2 ) cos s nπt
+
π3 ∑ n3
nπc
sen
L
n =1

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


252 Séries de Fourier

1.5. (a) A função é ı́mpar. A sua série de Fourier de perı́odo 2L é dada por

nπt
S f (t) = ∑ bn sen L
.
n =1

com Z L
nπt 2 nπ 2
bn = 2 f (t) sen dt = − cos s = (1 − (−1)n ).

0 L nπ 0 nπ
Assim os termos de ı́ndice par (com exceção do primeiro) são iguais a zero e neste caso a série de
Fourier de f é dada por
4 ∞ 1 (2k + 1)πt
π k∑
S f (t) = sen .
=0
2k + 1 L

(b) A função é par. Logo a sua série de Fourier de perı́odo 2L é dada por

a0 nπt
S f (t) = + ∑ an cos
2 n =1
L

 
L (0) (1)
a0 = 2 a0 ( f 0,1 , L) − a0 ( f 0,1 , L)
2
L
=
2

 
L (0) (1)
an = 2 an ( f 0,1 , L) − an ( f 0,1 , L)
2
L nπ 2 nπ
= sen s − 2 2 (s sen s + cos s)

nπ 0 n π 0
2 2
= 0 − 2 2 ((−1) − 1) = − 2 2 ((−1)n − 1).
n
n π n π

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.4 Respostas dos Exercı́cios 253

Assim os termos de ı́ndice par (com exceção do primeiro) são iguais a zero e neste caso a série de
Fourier de f é dada por


L 4 1 (2k + 1)πt
S f (t) =
4
+ 2
π ∑ ( 2k + 1 ) 2
cos
L
.
k =0

1.6. A função f é ı́mpar e periódica de perı́odo 2L. Logo a sua série de Fourier é da forma


nπt
S f (t) = ∑ bn sen L
.
n =1

2 L nπx
Z
bn = f ( x ) sen dx
L 0 L
 
(1) (0) (1)
= 2 bn ( f 0,1/2 ) + Lbn ( f 1/2,1 ) − bn ( f 1/2,1 )
2L nπ/2 2L nπ 2L nπ
= (−s cos s + sen s) − cos s − 2 2 (−s cos s + sen s)

2
n π 2 0 nπ nπ/2 n π nπ/2
4L  nπ nπ nπ  2L nπ
= − cos + sen + cos
n2 π 2 2 2 2 nπ 2
4L sen nπ 2
= , n = 1, 2, 3 . . .
n2 π 2

Entretanto alguns coeficientes são nulos:


b2k = 0

4L(−1)k
b2k+1 = .
(2k + 1)2 π 2

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


254 Séries de Fourier

Assim a sua série de Fourier é dada por


∞ sen nπ
4L nπt
S f (t) =
π2 ∑ n 2
2
sen
L
n =1

4L (−1)n (2n + 1)πt
=
π2 ∑ 2
sen
L
n=0 (2n + 1)

1.7. A função f : [0, L] → R, dada por f (t) = t( L − t) = −t2 + Lt

−2L2
Z L Z L
2 2
a0 = f (t)dt = (−t2 + Lt) dt = + L2
L 0 L 0 3
(2) (1)
an = − an ( f 0,1 , L) + L an ( f 0,1 , L)
2L2  2 2   2L2
= − 3 3 n π − 2 sen nπ + 2nπ cos nπ + 2 2 (nπ sen nπ + cos nπ − 1)
n π n π
2L2 2L2
= 2 2
(− cos nπ − 1) = 2 2 ((−1)n+1 − 1)
n π n π
Entretanto os coeficientes de ı́ndice ı́mpar são nulos. Podemos separar os termos em de ı́ndice par e de
ı́ndice ı́mpar
a2k+1 = 0
−4L2 − L2
a2k = = .
(2k)2 π 2 k2 π 2

(2) (1)
bn = −bn ( f 0,1 , L) + L bn ( f 0,1 , L)
2L2     2L2
= − 3 3 2nπ sen nπ + 2 − n2 π 2 cos nπ − 2 + 2 2 (−nπ cos nπ + sen nπ )
n π n π
4L2 4L2 n +1
= (− cos nπ + 1) = 3 3 ((−1) + 1)
n3 π 3 n π

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.4 Respostas dos Exercı́cios 255

Entretanto os coeficientes de ı́ndice par são nulos. :


b2k = 0
8L2
b2k+1 = .
(2k + 1)3 π 3

L2 2L2 2L2 (−1)n+1 − 1 nπt
Sc f (t) =
2

6
+ 2
π ∑ n 2
cos
L
n =1

L2 2L2 L2 1 2nπt
=
2

6
− 2
π ∑ n 2
cos
L
n =1


4L2 (−1)n+1 + 1 nπt
Ss f (t) =
π3 ∑ n 3
sen
L
n =1

8L2 1 (2n + 1)πt
=
π3 ∑ ( 2n + 1 ) 3
sen
L
n =0

(0) (0) 2 2 sen nπ
1.8. (a) a0 = 2a0 ( f 1/2,1 , L) = 1, an = 2an ( f 1/2,1 , L) = nπ sen s nπ = − nπ 2 ,

nπ 2
(0) 2 2((−1)n −cos nπ
2 )
bn = 2bn ( f 1/2,1 , L) = − nπ cos s nπ = − .


2
1 2 ∞ sen nπ nπt 1 2 ∞
(−1)n (2n + 1)πt
Sc f (t) = − ∑
2 π n =1 n
2
cos
L
= −
2 π ∑ 2n + 1
cos
L
.
n =0
2 ∞ cos nπ − (− 1 ) n
nπt
π n∑
2
Ss f (t) = sen
=1 n L
3nπ 3nπ −sen nπ )
(0) (0) 2 4 2(sen 4 4
(b) a0 = 2a0 ( f 1/4,3/4 , L) = 1, an = 2an ( f 1/4,3/4 , L) = nπ sen s nπ = nπ ,
4
3nπ nπ
(0) 2 4 2(cos 3nπ
4 −cos 4 )
bn = 2bn ( f 1/4,3/4 , L) = − nπ cos s nπ = − nπ .
4

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


256 Séries de Fourier

∞ sen 3nπ nπ
1 2 4 − sen 4 nπt
Sc f (t) = +
2 π ∑ n
cos
L
n =1
∞ cos nπ 3nπ
2 4 − cos 4 nπt
Ss f (t) =
π ∑ n
sen
L
n =1

 
(1) (0)
(c) a0 = 2 a0 ( f 1/2,1 , L) − L2 a0 ( f 1/2,1 , L) = L4 ,
2L((−1)n −cos nπ
 
(1) (0) 2 )
an = 2 an ( f 1/2,1 , L) − L2 f 1/2,1 , L) = n 2 π2 ,
L(nπ (−1)n +2 sen nπ
 
(1) L (0) 2 )
bn = 2 bn ( f 1/2,1 , L) − 2 bn ( f 1/2,1 , L) = n2 π 2
.

L 2L ∞ (−1)n − cos nπ nπt


Sc f (t) = + 2 ∑ 2
2
cos .
8 π n =1 n L
L ∞ nπ (−1)n + 2 sen nπ nπt
Ss f (t) = − 2 ∑ 2
2
sen
π n =1 n L

 
(1) (0) (0) (1)
(d) a0 = 2 a0 ( f 0,1/4 , L) + L4 a0 ( f 1/4,3/4 , L) + La0 ( f 3/4,1 , L) − a0 ( f 3/4,1 , L) = 3L
8 ,
2L(cos nπ 3nπ n
4 +cos 4 −1−(−1) )
 
(1) ( 0 ) ( 0 ) ( 1 )
an = 2 an ( f 0,1/4 , L) + L4 an ( f 1/4,3/4 , L) + Lan ( f 3/4,1 , L) − an ( f 3/4,1 , L) = n2 π 2
,
 
2L ( sen nπ +sen 3nπ )
(1) ( 0 ) ( 0 ) ( 1 )
bn = 2 bn ( f 0,1/4 , L) + L4 bn ( f 1/4,3/4 , L) + Lbn ( f 3/4,1 , L) − bn ( f 3/4,1 , L) = 4
n2 π 2
4
.

3L 2L ∞ cos nπ 3nπ
4 + cos 4 − 1 − (−1)
n
nπt
Sc f (t) = + 2 ∑ cos .
16 π n =1 n2 L
2L ∞ sen nπ 3nπ
4 + sen 4 nπt
Ss f (t) = 2 ∑ 2
sen .
π n =1 n L

1.9.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.4 Respostas dos Exercı́cios 257

y y y
N=0 N=1 N=3
1 1 1

t t t

-1 1 -1 1 -1 1

(a) A função é par, contı́nua por partes, de perı́odo igual a 2. Logo a sua série de Fourier é dada por

a0
S f (t) = + ∑ am cos mπt
2 m =1

 
(0) (1)
a0 = 2 a0 ( f 0,1 , 1) − a0 ( f 0,1 , 1)
= 2−1 = 1

 
(0) (1)
an = 2 an ( f 0,1 , 1) − an ( f 0,1 , 1)
2 nπ 2 nπ
= sen s − 2 2 (s sen s + cos s)

nπ 0 n π 0
2 2
= 0 − 2 2 ((−1)n − 1) = − 2 2 ((−1)n − 1).
n π n π
Assim os termos de ı́ndice par (com exceção do primeiro) são iguais a zero e neste caso a série de
Fourier de f é dada por

1 4 1
S f (t) = + 2
2 π ∑ (2k + 1)2
cos(2k + 1)πt,
k =0

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


258 Séries de Fourier

(b) Como a função f é contı́nua por partes com derivada f 0 também contı́nua por partes, então a série
de Fourier de f , S f (t), converge para f (t) nos pontos onde f é contı́nua, que é o caso de t = 0. Logo

S f (0) = f (0) = 1.
Como a série de fourier é periódica de perı́odo fundamental igual a 2, então
S f (t + 100) = S f (t + 50 · 2) = S f (t).
Assim,
1 1 1
S f (100.5) = S f (100 + ) = S f ( ) = .
2 2 2
Além disso, para t = 1/2 a função f também é contı́nua, logo
1 1 1
S f (100.5) = S f ( ) = f ( ) = .
2 2 2
1.10. (a) Estendo-se f ao intervalo [− L, L] de forma que ela seja par obtemos uma série de Fourier em que os
coeficientes dos termos de senos são nulos. Os coeficientes podem ser obtidos da tabela na página
199.
(0) (0)
a0 = 2a0 ( f 0,1 , L) = 2, an = 2an ( f 0,1 , L) = 0,

f (t) = 1, para 0 ≤ t ≤ L

(b) Estendo-se f ao intervalo [− L, L] de forma que ela seja ı́mpar obtemos uma série de Fourier em que
os coeficientes dos termos de cossenos são nulos. Os coeficientes podem ser obtidos da tabela na
página 199.
(0) 2(cos nπ − 1) 2(1 − (−1)n )
bn = 2bn ( f 0,1 , L) = − = .
nπ nπ
∞ ∞
2 1 − (−1)n nπt 4 1 (2n + 1)πt
f (t) =
π ∑ n
sen
L
=
π ∑ 2n + 1
sen
L
, para 0 ≤ t ≤ L.
n =1 n =0

Assim os termos de ı́ndice par da série de senos são nulos.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.4 Respostas dos Exercı́cios 259

(c) Estendo-se f ao intervalo [− L, L] de forma que ela não seja nem par nem ı́mpar obtemos uma série
de Fourier em que os coeficientes os termos de cossenos e de senos são não nulos. Por exemplo, se
a função f é estendida ao intervalo [− L, L] da forma da a seguir

0, se − L ≤ t < 0
f (t) =
1, se 0 ≤ t ≤ L

então os coeficientes que podem ser obtidos da tabela na página 199 são dados por.
(0) (0)
a0 = a0 ( f 0,1 , L) = 1, an = an ( f 0,1 , L) = 0,

(0) cos nπ − 1 1 − (−1)n


bn = bn ( f 0,1 , L) = − = .
nπ nπ

∞ ∞
1 1 1 − (−1)n nπt 1 1 1 (2n + 1)πt
f (t) = +
2 π ∑ n
sen
L
= +
2 π ∑ 2n + 1
sen
L
, para − L ≤ t ≤ L.
n =1 n =0

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


260 Séries de Fourier

2. Séries de Fourier de Senos e de Cossenos de Índices Ímpares (página 226)


2.1. (a) Dividindo a integral em duas partes, fazendo a mudança de variáveis t = 2L − s na segunda parte
e usando o fato de que
h(2L − t) = −h(t), para t ∈ [0, L]
obtemos
Z 2L Z L Z 2L
h(t) dt = h(t) dt + h(t) dt
0 0 L
Z L Z 0
= h(t) dt + h(2L − s) (−ds)
0 L
Z L Z 0
= h(t) dt + h(s) ds = 0
0 L

(b) Dividindo a integral em duas partes, fazendo a mudança de variáveis t = 2L − s na segunda parte
e usando o fato de que
h(2L − t) = h(t), para t ∈ [0, L]
obtemos
Z 2L Z L Z 2L
h(t) dt = h(t) dt + h(t) dt
0 0 L
Z L Z 0
= h(t) dt + h(2L − s) (−ds)
0 L
Z L Z 0 Z L
= h(t) dt − h(s) ds = 2 h(t) dt
0 L 0

(c) Para h(t) = f (t) sen 2kπt


2L temos que

2kπ (2L − t)
   
2kπt 2kπt
h(2L − t) = f (2L − t) sen = f (t) sen 2kπ − = f (t) sen −
2L 2L 2L
 
2kπt
= − f (t) sen = −h(t)
2L

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.4 Respostas dos Exercı́cios 261

Assim segue da aplicação do item (a) que b2k = 0.


(2k+1)πt
Para h(t) = f (t) sen 2L temos que
(2k + 1)π (2L − t)
 
(2k + 1)πt
h(2L − t) = f (2L − t) sen = f (t) sen (2k + 1)π −
2L 2L
   
(2k + 1)πt (2k + 1)πt
= f (t) sen π − = f (t) sen = h(t)
2L 2L
Assim segue da aplicação do item (b) que
Z L
2 (2k + 1)πt
b2k+1 = f (t) sen dt para k = 0, 1, 2, . . .
L 0 2L

(d) Para h(t) = f (t) cos 2kπt


2L temos que

2kπ (2L − t)
   
2kπt 2kπt
h(2L − t) = f (2L − t) cos = − f (t) cos 2kπ − = − f (t) cos −
2L 2L 2L
 
2kπt
= − f (t) cos = −h(t)
2L
Assim segue da aplicação do item (a) que a2k = 0.
(2k+1)πt
Para h(t) = f (t) cos 2L temos que
(2k + 1)π (2L − t)
 
(2k + 1)πt
h(2L − t) = f (2L − t) cos = − f (t) cos (2k + 1)π −
2L 2L
   
(2k + 1)πt ((2k + 1)πt
= − f (t) cos π − = f (t) cos = h(t)
2L 2L
Assim segue da aplicação do item (b) que
Z L
2 (2k + 1)πt
a2k+1 = f (t) cos dt para k = 0, 1, 2, . . .
L 0 2L

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


262 Séries de Fourier

2.2. Lembrando que a integração deve ser feita no intervalo [0, 2L]:
 
L (0) (1)
a2k+1 = 4 a2k+1 ( f 1 , 2L) − a2k+1 ( f 1 , 2L)
2 0, 4 0, 4
(2k+1)π (2k+1)π
L 1
4 2L 4
= ·4· sen s −4· ( s sen s + cos s )
2 (2k + 1)π (2k + 1)2 π 2

0 0
 
8L (2k + 1)π
= 1 − cos
(2k + 1)2 π 2 4

∞ 1 − cos
(2k+1)π
8L (2k + 1)πt
Sci f (t) =
π2 ∑ 4
(2k + 1)2
cos
2L
k =0

 
L (0) (1)
b2k+1 = 4 b2k+1 ( f 1 , 2L) − b2k+1 ( f 1 , 2L)
2 0, 4 0, 4
(2k+1)π (2k+1)π
L −1
4 2L 4
= ·4· cos s −4· (− s cos s + sen s )
2 (2k + 1)π (2k + 1)2 π 2

0 0
 
2L (2k + 1)π
= (2k + 1)π − 4 sen
(2k + 1)2 π 2 4

∞ (2k + 1)π − 4 sen (2k+41)π


2L (2k + 1)πt
Ssi f (t) = 2
π ∑ ( 2k + 1 ) 2
sen
2L
k =0

2.3. A função é ı́mpar e simétrica em relação a reta t = L. Logo a sua série de Fourier é uma série de senos de
ı́ndices ı́mpares.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.4 Respostas dos Exercı́cios 263

4
ZL (2n + 1)πt
b2n+1 = f (t) sen dt
2L 0 2L
 
(1)
= 4 b2n+1 ( f 0,1/2 , 2L)
8L (2n+1)π/2
= (−s cos s + sen s)

2
(2n + 1) π 2 0
 
8L (2n + 1)π (2n + 1)π (2n + 1)π
= − cos + sen
(2n + 1)2 π 2 2 2 2
(2n+1)π
8L sen 2 8L(−1)n
= 2 2
= , n = 0, 1, 2, 3 . . .
(2n + 1) π (2n + 1)2 π 2


8L (−1)n (2n + 1)πt
S f (t) =
π2 ∑ 2
sen
2L
n=0 (2n + 1)

2.4. A função é simétrica em relação a reta t = L/2. Logo a sua série de senos de Fourier tem somente os
termos de ı́ndice ı́mpar.

2 L (2n + 1)πt
Z
b2n+1 = f (t) sen dt
L 0 L
 
(1) L (1)
= 4 b2n+1 ( f 0,1/4 , L) + b2n+1 ( f 1/4,1/2 , L)
4
4L (2n+1)π/4 L (2n+1)π/2
= (− s cos s + sen s ) − cos s

2
(2n + 1) π 2
0 (2n + 1)π

(2n+1)π/4
(2n+1)π
4L sen 4
= , n = 0, 1, 2, 3 . . .
(2n + 1)2 π 2

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


264 Séries de Fourier

∞ sen
(2n+1)π
4L (2n + 1)πt
Ss f (t) =
π2 ∑ (2n + 41)2 sen L
n =0

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.4 Respostas dos Exercı́cios 265

3. Oscilações Forçadas com Força Externa Periódica (página 245)

3.1. (a) Como f : R → R é contı́nua por partes com a derivada f 0 também contı́nua por partes, ı́mpar e
periódica de perı́odo igual a 2 podemos escrevê-la em termos de sua série de Fourier como

f (t) = ∑ bm sen mπt, para t 6= n, n ∈ Z.
m =1

com Z 1 mπ
2 2
bm = 2 f (t) sen mπt dt =
cos s = ((−1)m − 1)

0 mπ 0 mπ
A solução da equação homogênea correspondente é
√ √
2 2
y(t) = c1 cos t + c2 sen t
2 2
Podemos procurar uma solução particular da forma

y(t) = ∑ ( Am cos mπt + Bm sen mπt)
m =1

com coeficientes Am , Bm a determinar.



y0 (t) = ∑ (−mπ Am sen mπt + mπBm cos mπt)
m =1


y00 (t) = − ∑ (m2 π2 Am cos mπt + m2 π2 Bm sen mπt)
m =1

Substituindo-se y(t) e y00 (t) na equação diferencial obtemos


∞ ∞ ∞
−2 ∑ m2 π 2 ( Am cos mπt + Bm sen mπt) + ∑ ( Am cos mπt + Bm sen mπt) = ∑ bm sen mπt
m =1 m =1 m =1

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


266 Séries de Fourier

∞ ∞
∑ [( Bm (1 − 2m2 π2 ) − bm ] sen mπt + ∑ Am cos mπt) = 0
m =1 m =1
Fazendo t = 0 e t = 1 obtemos
bm
Am = 0, Bm = , para m = 1, 2, . . .
1 − 2m2 π 2
Assim uma solução particular da equação diferencial é
∞ ∞
bm 2 (−1)m − 1
y p (t) = ∑ − 2 π2
sen mπt = ∑ 2 2
sen mπt
1 2m m=1 m (1 − 2m π )
m =1
π

A solução geral é então


√ √ ∞
2 2 2 (−1)m − 1
y(t) = c1 cos t + c2 sen t+ ∑ 2 2
sen mπt
m=1 m (1 − 2m π )
2 2 π

(b) y(0) = 0 implica que c1 = 0. Logo,


√ √ ∞
2 2 (−1)m − 1
y 0 ( t ) = c2 cos t+2 ∑ 2 2
cos mπt
m=1 1 − 2m π
2 2

Substituindo-se t = 0 e y0 = 0 obtemos
√ ∞
(−1)m − 1
c2 = −2 2 ∑ 2 2
m=1 1 − 2m π

e a solução do PVI é

! √ ∞
√ (−1)m − 1 2 2 (−1)m − 1
y(t) = −2 2 ∑ 2 2
sen t+ ∑ 2 2
sen mπt
m=1 1 − 2m π m=1 m (1 − 2m π )
2 π

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.4 Respostas dos Exercı́cios 267

3.2. (a) A solução geral da equação diferencial é

u(t) = c1 cos ω0 t + c2 sen ω0 t + u p (t),

em que u p (t) é uma solução particular. Como f é par, seccionalmente contı́nua com derivada secci-
onalmente contı́nua, ela pode ser representada por sua série de Fourier de cossenos:

a0
f (t) = + ∑ an cos nπt
2 n =1

com
(1)
a0 = 2a0 ( f 0,1 , 1) = 1,
(1) 2 2
an = 2an ( f 0,1 , 1) = (cos nπ − 1) = 2 2 ((−1)n − 1),
n2 π 2 n π


1 2 (−1)n − 1
f (t) = −
2 π2 ∑ n2
cos nπt
n =0

Vamos procurar uma solução particular da forma



u p ( t ) = A0 + ∑ ( An cos nπt + Bn sen nπt)
n =1

com coeficientes An , Bn a determinar. Vamos supor que a derivada da série seja igual a série das
derivadas:

u0p (t) = ∑ (−nπ An sen nπt + nπBn cos nπt).
n =1

u00p (t) = − ∑ (n2 π2 An cos nπt + n2 π2 Bn sen nπt)
n =1

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


268 Séries de Fourier

Substituindo-se u p (t) e u00p (t) na equação diferencial obtemos


− ∑ n2 π2 ( An cos nπt + Bn sen nπt)
n =1
∞ ∞
a0
+ ω02 ( A0 + ∑ ( An cos nπt + Bn sen nπt)) = 2
+ ∑ an cos nπt
n =1 n =1

∞ ∞
a0
∑ Bn (ω02 − n2 π 2 ) sen nπt + ω02 A0 −
2
+ ∑ [ An (ω02 − n2 π 2 ) − an ] cos nπt = 0
n =1 n =1
De onde obtemos
a0 an
A0 = , An = , Bn = 0, para n = 1, 2, . . .
2ω02 ω02 − n2 π 2

Assim uma solução particular da equação diferencial é



a0 an
u p (t) = 2
+ ∑ 2
2ω0 n=1 ω0 − n2 π 2
cos nπt


1 2 (−1)n − 1
= 2
+ 2 ∑ 2 2 2 2
cos nπt
2ω0 π n =1 n ( ω0 − n π )

A solução geral é então



1 2 (−1)n − 1
u(t) = c1 cos ω0 t + c2 sen ω0 t + 2
+ 2 ∑ 2 2
− n2 π 2 )
cos nπt
2ω0 π n =1 n ( ω0

Substituindo-se t = 0 e u = 0, obtemos

2 1 − (−1)n 1
c1 =
π2 ∑ ω 2 − n2 π 2

2ω 2
.
n =1 0 0

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.4 Respostas dos Exercı́cios 269

Substituindo-se t = 0 em

2 1 − (−1)n
u0 (t) = −ω0 c1 sen ω0 t + ω0 c2 cos ω0 t + ∑ 2 2 2
sen nπt
n =1 n ( ω0 − n π )
π

obtemos c2 = 0. Logo a solução do PVI é

∞ ∞
!
2 1 − (−1)n 1 1 2 (−1)n − 1
u(t) =
π2 ∑ ω2 − n2 π2 − 2ω2 cos ω0 t +
2ω02
+ 2 ∑ 2 2
− n2 π 2 )
cos nπt
n =1 0 0
π n =1 n ( ω0

!
4 1 1
=
π2 ∑ ω2 − (2n + 1)2 π2 − 2ω2 cos ω0 t
n =0 0 0

1 4 1
+
2ω02
+ 2
π ∑ (2n + 1)2 ((2n + 1)2 π 2 − ω02 )
cos(2n + 1)πt
n =0

0.5

1 2 3 4 5 6 7 8 t

-0.5

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


270 Séries de Fourier

(b) A solução geral da equação diferencial é

u(t) = c1 e−t + c2 e−2t + u p (t),

em que u p (t) é uma solução particular. Como f é par, seccionalmente contı́nua com derivada secci-
onalmente contı́nua, ela pode ser representada por sua série de Fourier de cossenos:

a0
f (t) = + ∑ an cos nπt
2 n =1

com
(1)
a0 = 2a0 ( f 0,1 , 1) = 1,
(1) 2 2
an = 2an ( f 0,1 , 1) = (cos nπ − 1) = 2 2 ((−1)n − 1),
n2 π 2 n π


1 2 (−1)n − 1
f (t) = +
2 π2 ∑ n2
cos nπt
n =0

Vamos procurar uma solução particular da forma



u p ( t ) = A0 + ∑ ( An cos nπt + Bn sen nπt)
n =1

com coeficientes An , Bn a determinar. Vamos supor que a derivada da série seja igual a série das
derivadas:

u0p (t) = ∑ (−nπ An sen nπt + nπBn cos nπt),
n =1

u00p (t) = − ∑ (n2 π2 An cos nπt + n2 π2 .Bn sen nπt)
n =1

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


2.4 Respostas dos Exercı́cios 271

Substituindo-se u p (t), u0p (t) e u00p (t) na equação diferencial obtemos


− ∑ n2 π2 ( An cos nπt + Bn sen nπt)
n =1

+3 ∑ (−nπ An sen nπt + nπBn cos nπt)
n =1
∞ ∞
a0
+ 2( A0 + ∑ ( An cos nπt + Bn sen nπt)) = 2
+ ∑ an cos nπt
n =1 n =1

que podemos reescrever como


∑ [(2 − n2 π2 ) Bn − 3nπAn ] sen nπt
n =1

a0
+ 2A0 − + ∑ [(2 − n2 π 2 ) An + 3nπBn − an ] cos nπt = 0.
2 n =1

a0
De onde obtemos A0 = e o sistema de equações
4

(2 − n2 π 2 ) An + 3nπBn

= an
−3nπ An + (2 − n2 π 2 ) Bn = 0

que tem solução

(2 − n2 π 2 ) a n 3nπan
An = , Bn = , para n = 1, 2, . . .
∆n ∆n

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


272 Séries de Fourier

em que ∆n = 9n2 π 2 + (2 − n2 π 2 )2 . Assim uma solução particular da equação diferencial é


∞ ∞
a0 (2 − n2 π 2 ) a n 3nπan
u p (t) = +∑ cos nπt + ∑ sen nπt
4 n =1
∆ n n =1
∆n
∞ ∞
1 2 (2 − n2 π 2 )((−1)n − 1) 6 (−1)n − 1
= +
4 π2 ∑ n 2∆
n
cos nπt +
π ∑ n∆n
sen nπt
n =1 n =1

1 4 (2n + 1)2 π 2 − 2 12 ∞ 1
= +
4 π2 ∑ ( 2n + 1 ) 2 ∆ 2n + 1
cos(2n + 1)πt −
π ∑ (2n + 1)∆2n+1 sen(2n + 1)πt
n =0 n =0

que é a solução estacionária.


u

0.5

1 2 3 4 5 6 7 8 t

-0.5

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3

Equação do Calor em uma Barra

Neste capı́tulo estudaremos a equação do calor unidimensional usando o método de


separação de variáveis e as séries de Fourier.

Pode-se mostrar que a temperatura em uma barra homogênea, isolada dos lados, em
função da posição e do tempo, u( x, t), satisfaz a equação diferencial parcial

∂u ∂2 u
= α2 2
∂t ∂x

chamada equação do calor em uma barra. Aqui α > 0 é uma constante que depende
do material que compõe a barra é chamada de difusividade térmica.

273
274 Equação do Calor em uma Barra

3.1 Extremidades a Temperaturas Fixas

Vamos determinar a temperatura em função da posição e do tempo, u( x, t) em uma


barra isolada dos lados, de comprimento L, sendo conhecidos a distribuição de tem-
peratura inicial, f ( x ), e as temperaturas nas extremidades, T1 e T2 , que são mantidas
constantes com o tempo, ou seja, vamos resolver o problema de valor inicial e de
fronteira (PVIF)
2

∂u 2∂ u
 ∂t = α ∂x2


 u( x, 0) = f ( x ), 0 < x < L


u(0, t) = T1 , u( L, t) = T2

Vamos inicialmente resolver o problema com T1 = T2 = 0, que chamamos de


condições de fronteira homogêneas.

3.1.1 Condições de Fronteira Homogêneas

2

∂u 2∂ u
 ∂t = α ∂x2


 u( x, 0) = f ( x ), 0 < x < L


u(0, t) = 0, u( L, t) = 0

Vamos usar um método chamado separação de variáveis. Vamos procurar uma


solução na forma de um produto de uma função de x por uma função de t, ou seja,
u( x, t) = X ( x ) T (t).
Calculando-se as derivadas parciais temos que

∂u ∂2 u
= X ( x ) T 0 (t) e = X 00 ( x ) T (t).
∂t ∂x2

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.1 Extremidades a Temperaturas Fixas 275

Substituindo-se na equação diferencial obtemos

X ( x ) T 0 (t) = α2 X 00 ( x ) T (t).

Dividindo-se por α2 X ( x ) T (t) obtemos

X 00 ( x ) 1 T 0 (t)
= 2
X (x) α T (t)

O primeiro membro depende apenas de x, enquanto o segundo depende apenas de


t. Isto só é possı́vel se eles forem iguais a uma constante, ou seja,

X 00 ( x ) 1 T 0 (t)
= 2 = λ.
X (x) α T (t)

Obtemos então duas equações diferenciais ordinárias com condições de fronteira:

X 00 ( x ) − λX ( x ) = 0,
(
X (0) = 0, X ( L) = 0 (3.1)
0 2
T (t) − α λT (t) = 0 (3.2)

As condições X (0) = X ( L) = 0 decorrem do fato de que a temperatura nas extremi-


dades da barra é mantida igual a zero, ou seja,

0 = u(0, t) = X (0) T (t) e 0 = u( L, t) = X ( L) T (t).

A equação X 00 ( x ) − λX ( x ) = 0 (a sua equação caracterı́stica é r2 − λ = 0) pode ter


como soluções, √ √
Se λ > 0 : X ( x ) = c1 e λ x + c2 e− λ x .
Se λ = 0 : X ( x ) = c1 + c2 x.
√ √
Se λ < 0 : X ( x ) = c1 sen( −λ x ) + c2 cos( −λ x ).
As condições de fronteira X (0) = 0 e X ( L) = 0 implicam que

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


276 Equação do Calor em uma Barra

Se λ > 0 :
Substituindo-se x = 0 e X = 0 na solução geral de X 00 − λX = 0,
√ √
X ( x ) = c1 e λx
+ c2 e − λx
,

obtemos que 0 = c1 + c2 , ou seja, c2 = −c1 . Logo


√ √
X ( x ) = c1 ( e λx
− e− λx
).
√ √
Agora substituindo-se x = L e X = 0 obtemos que c1 (e λL − e− λ L) = 0.
Logo, se c1 6= 0, então
√ √
e λL
= e− λL

o que só é possı́vel se λ = 0, que não é o caso.


Se λ = 0 :
Substituindo-se x = 0 e X = 0 na solução geral de X 00 − λX = 0,

X ( x ) = c1 + c2 x,

obtemos que c1 = 0. Logo


X ( x ) = c2 x.
Agora substituindo-se x = L e X = 0 obtemos c2 L = 0. Logo, também c2 = 0.
Se λ < 0 :
Substituindo-se x = 0 e X = 0 na solução geral de X 00 − λX = 0,
√ √
X ( x ) = c1 sen( −λx ) + c2 cos( −λx ),

obtemos que c2 = 0. Logo



X ( x ) = c1 sen( −λx ). (3.3)

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.1 Extremidades a Temperaturas Fixas 277


Agora substituindo-se x = L e X = 0 em X ( x ) = c1 sen( −λx ), obtemos

c1 sen( −λL) = 0.

Logo se c1 6= 0, então −λL = nπ, para n = 1, 2, 3, . . .
Portanto as condições de fronteira X (0) = 0 e X ( L) = 0 implicam que (3.1) tem
solução não identicamente nula somente se λ < 0 e mais que isso λ tem que ter
valores dados por
n2 π 2
λ = − 2 , n = 1, 2, 3, . . .
L
Substituindo-se estes valores de λ em (3.3) concluı́mos que o problema de valores de
fronteira (3.1) tem soluções fundamentais
nπx
Xn ( x ) = sen , para n = 1, 2, 3, . . . .
L
2 2
Substituindo-se λ = − n Lπ2 na equação diferencial (3.2) obtemos

α2 n2 π 2
T 0 (t) + T (t) = 0,
L2
que tem solução fundamental
2 n2 π 2
−α t
Tn (t) = e L2 , para n = 1, 2, 3, . . .
Logo o problema
∂2 u

 ∂u
= α2 2
∂t ∂x
u(0, t) = 0, u( L, t) = 0.

tem soluções soluções fundamentais


nπx − α2 n22π2 t
un ( x, t) = Xn ( x ) Tn (t) = sen e L para n = 1, 2, 3, . . .
L

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


278 Equação do Calor em uma Barra

∂2 u

 ∂u
= α2 2
∂t ∂x
u(0, t) = 0, u( L, t) = 0.

Combinações lineares das soluções fundamentais são também solução (verifique!),


N N
nπx − α2 n22π2 t
u( x, t) = ∑ cn un (x, t) = ∑ cn sen L
e L .
n =1 n =1

Mas uma solução deste tipo não necessariamente satisfaz a condição inicial

u( x, 0) = f ( x ),

para uma função f ( x ) mais geral.


Vamos supor que a solução do problema de valor inicial e de fronteira possa ser
escrita como uma série da forma
∞ ∞
nπx − α2 n22π2 t
u( x, t) = ∑ cn un ( x, t) = ∑ cn sen
L
e L . (3.4)
n =1 n =1

Para satisfazer a condição inicial u( x, 0) = f ( x ), temos que impor a condição



nπx
f ( x ) = u( x, 0) = ∑ cn sen L
.
n =1

Esta é a série de Fourier de senos de f ( x ). Assim, pelo Corolário 2.5 na página 181,
se a função f : [0, L] → R é contı́nua por partes tal que a sua derivada f 0 também
seja contı́nua por partes, então os coeficientes da série são dados por
Z L
2 nπx
cn = f ( x ) sen dx, n = 1, 2, 3 . . . (3.5)
L 0 L
Vamos verificar que realmente (3.4) com os coeficientes dados por (3.5) é a solução
do problema de valor inicial. Claramente (3.4) satisfaz as condições de fronteira e a

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.1 Extremidades a Temperaturas Fixas 279

condição inicial é satisfeita para os valores de x ∈ (0, L) tais que f ( x ) é contı́nua. Va-
mos ver que (3.4) satisfaz a equação do calor. Cada termo da série satisfaz a equação
do calor. Basta provarmos que podemos passar as derivadas para dentro do sinal de
somatório. Isto decorre da aplicação do Teorema 2.7 na página 195 usando o fato de
que
n
α2 n2 π 2 2 2

∂un − α π2 t1
∂t ( x, t) ≤ M L2
cn e L

 2 2
n
∂un nπ − α π2 t1
∂x ( x, t) ≤ M L e
cn L

n
∂2 u n 2 2  2 2

≤ Mn π − α π2 t1

cn
∂x2 ( x, t ) e L
L2
RL
para M = L2 0 | f ( x )|dx, 0 ≤ x ≤ L, 0 < t1 ≤ t ≤ t2 , n = 1, 2, 3, . . . e que

∞ n
α2 n2 π 2 2 π2

−α
∑ L2
t1
e L2 < ∞,
n =1

∞  2 π2
n
nπ −α
∑ L
t1
e L2 < ∞,
n =1

∞ n
n2 π 2 2 π2

−α
∑ L2
t1
e L2 < ∞.
n =1

Observamos que a temperatura em cada ponto da barra tende a zero quando t tende
a +∞, ou seja,
∞  
lim u( x, t) =
t→∞
∑ cn lim un ( x, t)
t→∞
= 0, para x ∈ [0, L],
n =1

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


280 Equação do Calor em uma Barra

que decorre da aplicação do Teorema 2.8 na página 197, usando o fato de que
 2 π2
n
−α t1
|cn un ( x, t)| ≤ M e L2

para 0 < t1 ≤ t ≤ t2 , 0 ≤ x ≤ L, n = 1, 2, 3, . . . e
∞  2 π2
n
−α

t1
e L2 < ∞.
n =1

Exemplo 3.1. Vamos considerar uma barra de 40 cm de comprimento, isolada nos


lados, com coeficiente α = 1, com as extremidades mantidas a temperatura de 0◦ C
e tal que a temperatura inicial é dada por

x, se 0 ≤ x < 20
f (x) =
40 − x, se 20 ≤ x ≤ 40

Temos que resolver o problema de valor inicial e de fronteira

∂2 u

∂u
=


∂x2

 ∂t

 u( x, 0) = f ( x ), 0 < x < 40

u(0, t) = 0, u(40, t) = 0

A solução é então

nπx − n2 π2
u( x, t) = ∑ cn sen 40
e 1600 t
n =1

em que cn são os coeficientes da série de senos de f ( x ), ou seja, usando a tabela na

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.1 Extremidades a Temperaturas Fixas 281

y y y
t=0 t = 10 t = 20
20 20 20

10 10 10

x x x

20 40 20 40 20 40

y y y
t = 40 t = 80 t = 160
20 20 20

10 10 10

x x x

20 40 20 40 20 40

y y y
t = 320 t = 640 t = 1280
20 20 20

10 10 10

x x x

20 40 20 40 20 40

Figura 3.1 – Solução, u( x, t), do PVIF do Exemplo 3.1 tomando apenas 3 termos não nulos da série.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


282 Equação do Calor em uma Barra

página 199, multiplicando por 2 os valores obtemos:

1 40 nπx
Z
cn = = f ( x ) sen dx
20 0 40
 
(1) (0) (1)
= 2 bn ( f 0,1/2 , 40) + 40bn ( f 1/2,1 , 40) − bn ( f 1/2,1 , 40)
80 nπ/2 80 nπ 80 nπ
= (− s cos s + sen s ) − cos s − (− s cos s + sen s )

2
n π 2
0 nπ

nπ/2 2
n π 2
nπ/2
160  nπ nπ nπ  80 nπ
= − cos + sen + cos
n2 π 2 2 2 2 nπ 2
160 sen nπ 2
= , n = 1, 2, 3 . . .
n2 π 2
Entretanto coeficientes de ı́ndice par são nulos:

c2k = 0

160(−1)k
c2k+1 = .
(2k + 1)2 π 2
Portanto a solução do problema é

160 ∞ sen nπ nπx − n2 π2


u( x, t) = 2 ∑
π n =1 n 2
2
sen
40
e 1600 t

160 ∞ (−1)n (2n + 1)πx − (2n+1)2 π2


= ∑
π 2 n=0 (2n + 1)2
sen
40
e 1600 t

3.1.2 Condições de Fronteira Não Homogêneas

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.1 Extremidades a Temperaturas Fixas 283

2

∂u 2∂ u
 ∂t = α ∂x2


 u( x, 0) = f ( x ), 0 < x < L


u(0, t) = T1 , u( L, t) = T2

Observe que uma função somente de x (derivada parcial em relação a t nula), tal que
a segunda derivada (em relação a x) é igual a zero satisfaz a equação do calor. Assim,
T2 − T1
 
v( x, t) = T1 + x
L
satisfaz a equação do calor e as condições de fronteira u(0, t) = T1 e u( L, t) = T2 . O
que sugere como solução do problema inicial a função
u( x, t) = v( x, t) + u0 ( x, t),
em que u0 ( x, t) é a solução do problema com com condições homogêneas, ou seja,

T2 − T1 nπx − α2 n22π2 t
 
u( x, t) = T1 + x + ∑ cn sen e L .
L n =1
L

Para satisfazer a condição inicial u( x, 0) = f ( x ), precisamos que



T2 − T1
 
nπx
f ( x ) = T1 + x + ∑ cn sen
L n =1
L

ou ainda,

T2 − T1
 
nπx
f ( x ) − T1 −
L
x= ∑ cn sen L
.
n =1
 
T2 − T1
Esta é a série de Fourier de senos de f ( x ) − T1 − L x. Assim, pelo Corolário 2.5
na página 181, se a função f : [0, L] → R é contı́nua por partes tal que a sua derivada

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


284 Equação do Calor em uma Barra

f 0 também seja contı́nua


  por partes, então os coeficientes da série de Fourier de senos
T2 − T1
de f ( x ) − T1 − L x são dados por

Z L
T2 − T1
  
2 nπx
cn = f ( x ) − T1 − x sen dx, n = 1, 2, 3 . . .
L 0 L L

Observe que
T2 − T1
 
lim u( x, t) = T1 + x, para x ∈ [0, L]
t→∞ L
ou seja, quando t tende a mais infinito, a solução u( x, t) tende a solução

T2 − T1
 
v( x, t) = T1 + x
L

chamada solução estacionária ou solução de equilı́brio. Observe que a solução


estacionária é solução do problema

2

∂u 2∂ u
 ∂t = α ∂x2 = 0



 u( x, 0) = f ( x ), 0 < x < L

u(0, t) = T1 , u( L, t) = T2

Exemplo 3.2. Vamos considerar uma barra de 40 cm de comprimento, isolada nos


lados, com coeficiente α = 1, com as extremidades mantidas a temperaturas de 10◦
C e 30◦ C e tal que a temperatura inicial é dada por

10 + 2x, se 0 ≤ x < 20
f (x) =
70 − x, se 20 ≤ x ≤ 40

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.1 Extremidades a Temperaturas Fixas 285

Temos que resolver o problema de valor inicial e de fronteira

∂2 u

∂u
 ∂t = ∂x2


 u( x, 0) = f ( x ), 0 < x < 40


u(0, t) = 10, u(40, t) = 30

A solução é então


x nπx − n2 π2
u( x, t) = 10 + + ∑ cn sen e 1600 t
2 n =1 40

em que cn são os coeficientes da série de senos de

3

x 2 x, se 0 ≤ x < 20
g( x ) = f ( x ) − 10 − = 3
2 60 − 2 x, se 20 ≤ x ≤ 40

ou seja,

1 40
 
nπx 3 3
Z
(1) (0) (1)
cn = g( x ) sen dx = 2 bn ( f 0,1/2 , 40) + 60bn ( f 1/2,1 , 40) − bn ( f 1/2,1 , 40)
20 0 40 2 2
120 nπ/2 120 nπ 120 nπ
= (−s cos s + sen s) − cos s − 2 2 (−s cos s + sen s)

2
n π 2 0 nπ nπ/2 n π nπ/2
240  nπ  120
= − cos(nπ/2) + sen(nπ/2) + cos(nπ/2)
n2 π 2 2 nπ
240 sen nπ 2
= , n = 1, 2, 3 . . .
n2 π 2

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


286 Equação do Calor em uma Barra

Portanto a solução é dada por

x 240 ∞ sen nπ nπx − n2 π2


u( x, t) = 10 + + 2 ∑ 2
sen e 1600 t
2 π n =1 n 2 40
x 240 ∞ (−1)n (2n + 1)πx − (2n+1)2 π2
= 10 + + 2 ∑ 2
sen e 1600 t
2 π n=0 (2n + 1) 40

Observe que
x
lim u( x, t) = 10 + , para x ∈ [0, L]
t→∞ 2
ou seja, quando t tende a mais infinito a solução tende a solução estacionária
x
v( x, t) = 10 + .
2

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.1 Extremidades a Temperaturas Fixas 287

y y y
50 t=0 50 t = 20 50 t = 80

40 40 40

30 30 30

20 20 20

10 10 10
x x x

20 40 20 40 20 40

y y y
50 t = 160 50 t = 320 50 t = 640

40 40 40

30 30 30

20 20 20

10 10 10
x x x

20 40 20 40 20 40

Figura 3.2 – Solução, u( x, t), do PVIF do Exemplo 3.2 tomando apenas 3 termos não nulos da série.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


288 Equação do Calor em uma Barra

Exercı́cios (respostas na página 313)


1.1. (a) Encontre a temperatura u( x, t) em uma barra de metal com 40 cm de comprimento, isolada dos
lados e que está inicialmente a uma temperatura uniforme de 20◦ C, supondo que α = 1 e que suas
extremidades são mantidas a temperatura de 0◦ C.
(b) Determine o tempo necessário para que o centro da barra esfrie a temperatura de 10◦ C.
1.2. Encontre a temperatura u( x, t) em uma barra de metal com 40 cm de comprimento, isolada dos lados e
que está inicialmente a uma temperatura uniforme de 20◦ C, supondo que α = 1 e que suas extremidades
são mantidas a temperatura de 0◦ C e 60◦ C respectivamente. Qual a temperatura estacionária?
1.3. Resolva o problema de valor inicial e de fronteira usando o método de separação de variáveis

∂2 u

∂u ∂u


 = 2 +2
∂t ∂x ∂x
 u( x, 0) = f ( x ), 0 < x < L


u(0, t) = 0, u( L, t) = 0

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.2 Barra Isolada nas Extremidades 289

3.2 Barra Isolada nas Extremidades


Vamos determinar a temperatura em função da posição e do tempo, u( x, t) em uma
barra isolada dos lados, de comprimento L, sendo conhecidos a distribuição de tem-
peratura inicial, f ( x ), e sabendo que as extremidades são mantidas também isoladas,
ou seja, vamos resolver o problema de valor inicial e de fronteira (PVIF)
2
2∂ u

∂u

 = α
∂x2

 ∂t

 u( x, 0) = f ( x ), 0 < x < L

 ∂u (0, t) = 0, ∂u ( L, t) = 0


∂x ∂x
Vamos procurar uma solução na forma de um produto de uma função de x por uma
função de t, ou seja,
u( x, t) = X ( x ) T (t).
Calculando-se as derivadas parciais temos que
∂u ∂2 u
= X ( x ) T 0 (t) e = X 00 ( x ) T (t).
∂t ∂x2
Substituindo-se na equação diferencial obtemos
X ( x ) T 0 (t) = α2 X 00 ( x ) T (t).
Dividindo-se por α2 X ( x ) T (t) obtemos
X 00 ( x ) 1 T 0 (t)
= 2 .
X (x) α T (t)
O primeiro membro depende apenas de x, enquanto o segundo depende apenas de
t. Isto só é possı́vel se eles forem iguais a uma constante
X 00 ( x ) 1 T 0 (t)
= 2 = λ.
X (x) α T (t)

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


290 Equação do Calor em uma Barra

Obtemos então duas equações diferenciais ordinárias com condições de fronteira:


( 00
X ( x ) − λX ( x ) = 0, X 0 (0) = 0, X 0 ( L) = 0 (3.6)
T 0 (t) − α2 λT (t) = 0 (3.7)
As condições X 0 (0) = X 0 ( L) = 0 decorrem do fato de que a barra está isolada nas
extremidades, ou seja,
∂u ∂u
0= (0, t) = X 0 (0) T (t) e 0= ( L, t) = X 0 ( L) T (t).
∂x ∂x
A equação X 00 ( x ) − λX ( x ) = 0 pode ter como soluções,
√ √
Se λ > 0 : X ( x ) = c1 e λ x + c2 e− λ x .
Se λ = 0 : X ( x ) = c1 + c2 x.
√ √
Se λ < 0 : X ( x ) = c1 sen( −λx ) + c2 cos( −λx ).
As condições de fronteira X 0 (0) = 0 e X 0 ( L) = 0 implicam que
Se λ > 0 : √ √ √
Substituindo-se x = 0 e X 0 = 0 em X 0 ( x ) = λ(c1 e λ x − c2 e− λ x ), obtemos
que 0 = c1 − c2 , ou seja, c2 = c1 . Logo
√ √
X ( x ) = c1 ( e λx
+ e− λx
).
√ √ √
Agora substituindo-se x = L e X 0 = 0 obtemos λc1 (e λL − e− λ L ). Logo, se
c1 6= 0, então √ √
e λ L = −e− λ L
o que não é possı́vel se λ > 0.
Se λ = 0 :
Substituindo-se x = 0 e X 0 = 0 em X 0 ( x ) = c2 , obtemos que c2 = 0. Logo
X ( x ) = c1 .

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.2 Barra Isolada nas Extremidades 291

Se λ < 0 :
Substituindo-se x = 0 e X 0 = 0 em
√ √ √
X 0 ( x ) = −λ(c1 cos( −λx ) − c2 sen( −λx )),

obtemos que c1 = 0. Logo



X ( x ) = c2 cos( −λx ). (3.8)

Agora substituindo-se x = L e X 0 = 0 em
√ √
X 0 ( x ) = −λc2 sen( −λx ),

obtemos √
c2 sen( −λL) = 0.

Logo, se c2 6= 0, então −λL = nπ, para n = 1, 2, 3, . . .. Logo
n2 π 2
λ=− , n = 1, 2, 3, . . .
L2
Portanto o problema de valores de fronteira (3.6) tem solução não nula somente se

n2 π 2
λ=0 ou λ=− , n = 1, 2, 3, . . .
L2
Substituindo-se estes valores de λ em (3.8) vemos que o problema de valores de
fronteira (3.6) tem soluções fundamentais
nπx
X0 = 1 e Xn ( x ) = cos , para n = 1, 2, 3, . . . .
L
2 2
Substituindo-se λ = − n Lπ2 na equação diferencial (3.7) obtemos

α2 n2 π 2
T 0 (t) + T (t) = 0
L2

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


292 Equação do Calor em uma Barra

que tem como solução fundamental


2 n2 π 2
−α t
Tn (t) = c2 e L2 , para n = 0, 1, 2, 3, . . . .

Logo o problema 
∂u ∂2 u
= α2 2



∂t ∂x
 ∂u ∂u

 (0, t) = 0, ( L, t) = 0.
∂x ∂x
tem soluções fundamentais

nπx − α2 n22π2 t
un ( x, t) = Xn ( x ) Tn (t) = cos e L para n = 0, 1, 2, 3, . . . .
L
Combinações lineares das soluções fundamentais são também solução (verifique!),

N N
nπx − α2 n22π2
∑ cn un (x, t) = ∑ cn cos
t
u( x, t) = e L
n =0 n =0
L

Mas uma solução deste tipo não necessariamente satisfaz a condição inicial u( x, 0) =
f ( x ), para uma função f ( x ) mais geral. Vamos supor que a solução do problema de
valor inicial e de fronteira seja uma série da forma
∞ ∞
nπx − α2 n22π2 t
u( x, t) = ∑ cn un ( x, t) = ∑ cn cos
L
e L . (3.9)
n =0 n =0

Para satisfazer a condição inicial u( x, 0) = f ( x ), temos que ter



nπx
f ( x ) = u( x, 0) = ∑ cn cos L
.
n =0

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.2 Barra Isolada nas Extremidades 293

Esta é a série de Fourier de cossenos de f ( x ). Assim, pelo Corolário 2.4 na página


178, se a função f : [0, L] → R é contı́nua por partes tal que a sua derivada f 0 também
seja contı́nua por partes, então os coeficientes da série são dados por
Z L Z L
1 2 nπx
c0 = f ( x )dx, cn = f ( x ) cos dx, n = 1, 2, 3 . . . (3.10)
L 0 L 0 L
Vamos verificar que realmente (3.9) com os coeficientes dados por (3.10) é a solução
do problema de valor inicial. Claramente (3.9) satisfaz as condições de fronteira e a
condição inicial é satisfeita para os valores de x ∈ (0, L) tais que f ( x ) é contı́nua. Va-
mos ver que (3.9) satisfaz a equação do calor. Cada termo da série satisfaz a equação
do calor. Basta provarmos que podemos passar as derivadas para dentro do sinal de
somatório. Isto decorre da aplicação do Teorema 2.7 na página 195 usando o fato de
que
2 2 2 α2 n2 π 2

≤ M α n π e − L2 t1
∂un
cn ( x, t )
∂t L2
nπ − α2 n22π2 t1

∂un
∂x ( x, t) ≤ M L e
cn L

∂2 u n 2 2 α2 n2 π 2

≤ M n π e − L2 t1

cn
∂x2 ( x, t ) 2
L
L
para M = L2 0 | f ( x )|dx, 0 < t1 ≤ t ≤ t2 , 0 < x1 ≤ x ≤ x2 < L, n = 1, 2, 3, . . . e que
R


α2 n2 π 2 − α2 n22π2

t1
e L < ∞,
n =1 L2

nπ − α2 n22π2

t1
e L < ∞,
n =1
L

n2 π 2 − α2 n22π2

t1
2
e L < ∞.
n =1 L

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


294 Equação do Calor em uma Barra

Decorre da aplicação do Teorema 2.8 na página 197, usando o fato de que


2 n2 π 2
−α t1
|cn un ( x, t)| ≤ Me L2

para 0 < t1 ≤ t ≤ t2 , 0 < x1 ≤ x ≤ x2 < L, n = 1, 2, 3, . . . e


∞ 2 n2 π 2
−α
∑e
t1
L2 < ∞,
n =1
que
∞  
lim u( x, t) = c0 +
t→∞
∑ cn lim un ( x, t)
t→∞
= c0 , para x ∈ [0, L]
n =1
ou seja, quando t tende a mais infinito, a solução u( x, t) tende a solução constante
e igual ao valor médio da temperatura inicial, chamada solução estacionária ou
solução de equilı́brio.
Exemplo 3.3. Vamos considerar uma barra de 40 cm de comprimento, isolada nos
lados, com coeficiente α = 1 e as extremidades também isoladas, ou seja,
∂u ∂u
(0, t) = (40, t) = 0
∂x ∂x
e tal que a temperatura inicial é dada por

x, se 0 ≤ x < 20
f (x) =
40 − x, se 20 ≤ x ≤ 40
Temos que resolver o problema de valor inicial e de fronteira
 2
∂ u ∂u


 2
=
 ∂x
 ∂t
 u ( x, 0 ) = f ( x ), 0 < x < 40

 ∂u
 ∂u
 (0, t) = 0, (40, t) = 0
∂x ∂x

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.2 Barra Isolada nas Extremidades 295

y y y
t=0 t = 10 t = 20
20 20 20

10 10 10

x x x

20 40 20 40 20 40

y y y
t = 40 t = 80 t = 160
20 20 20

10 10 10

x x x

20 40 20 40 20 40

Figura 3.3 – Solução, u( x, t), do PVIF do Exemplo 3.3 tomando apenas 3 termos não nulos da série.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


296 Equação do Calor em uma Barra

A solução é então

nπx − n2 π2
u( x, t) = ∑ cn cos 40
e 1600 t
n =0

em que cn são os coeficientes da série de cossenos de f ( x ), ou seja,

1 40
Z
c0 = f ( x )dx = 10,
40 0
1 40 nπx
Z
cn = f ( x ) cos dx
20 0 40
 
(1) (0) (1)
= 2 bn ( f 0,1/2 , 40) + 40 bn ( f 1/2,1 , 40) − bn ( f 1/2,1 , 40)
80 nπ/2 80 nπ 80 nπ
= ( s sen s + cos s ) + sen s − ( s sen s + cos s )

n2 π 2 nπ n2 π 2

0 nπ/2 nπ/2
160 nπ 80 80
= cos − 2 2 − 2 2 cos nπ
n2 π 2 2 n π n π
2 cos nπ 2 − 1 − (− 1 ) n
= 80 , n = 1, 2, 3 . . .
n2 π 2
Entretanto alguns termos são nulos:

c2k+1 = 0

2 cos kπ − 2 (−1)k − 1
c2k = 80 = 40
(2k)2 π 2 k2 π 2
e
c2·2l = 0

−2 80
c2(2l +1) = 40 2 2
=− .
(2l + 1) π (2l + 1)2 π 2

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.2 Barra Isolada nas Extremidades 297

Portanto a solução é dada por


∞ 2 cos nπ n
80 2 − 1 − (−1) nπx − n2 π2
u( x, t) = 10 +
π2 ∑ n2
cos
40
e 1600 t
n =1

40 (−1)n − 1 nπx − n2 π2 t
= 10 +
π2 ∑ n 2
cos
20
e 400
n =1

80 1 (2n + 1)πx − (2n+1)2 π2
= 10 −
π2 ∑ 2
cos
20
e 400 t
n=0 (2n + 1)

Observe que a solução tende a v( x, t) = 10, quando t tende a mais infinito, que é a
solução estacionária.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


298 Equação do Calor em uma Barra

Exercı́cios (respostas na página 318)


2.1. Considere uma barra com 40 cm de comprimento , α = 1, isolada dos lados e que está inicialmente a
temperatura dada por u( x, 0) = 3x/2, 0 ≤ x ≤ 40 e que as extremidades estão isoladas.
(a) Determine u( x, t).
(b) Qual a temperatura estacionária?
2.2. Resolva o problema de valor inicial e de fronteira usando o método de separação de variáveis

∂2 u

∂u


 = 2 +u
 ∂t
 ∂x
 u( x, 0) = f ( x ), 0 < x < 1

 ∂u (0, t) = 0, ∂u u(1, t) = 0, t ≥ 0


∂x ∂x

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.3 Condições de Fronteira Mistas e Equação não Homogênea 299

3.3 Condições de Fronteira Mistas e Equação não Homogênea


3.3.1 Condições de Fronteira Mistas
Vamos resolver o seguinte problema de valor inicial e de fronteira que corresponde
ao problema do calor em uma barra de comprimento L que do lado esquerdo está
mantida a temperatura zero e do lado direito é mantida isolada.

2
2∂ u

∂u

 = α
∂x2

 ∂t

 u( x, 0) = f ( x ), 0 < x < L

 u(0, t) = 0, ∂u ( L, t) = 0


∂x

Vamos procurar uma solução na forma de um produto de uma função de x por uma
função de t, ou seja,
u( x, t) = X ( x ) T (t).
Derivando e substituindo na equação diferencial obtemos

α2 X 00 ( x ) T (t) = X ( x ) T 0 (t)

que pode ser reescrita como


X 00 ( x ) 1 T 0 (t)
= 2
X (x) α T (t)
O primeiro membro depende apenas de x, enquanto o segundo depende apenas de
t. Isto só é possı́vel se eles forem iguais a uma constante, ou seja,

X 00 ( x ) 1 T 0 (t)
= 2 = λ.
X (x) α T (t)

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


300 Equação do Calor Unidimensional

Obtemos então duas equações diferenciais ordinárias com condições de fronteira


( 00
X ( x ) − λX ( x ) = 0, X (0) = 0, X 0 ( L) = 0 (3.11)
T 0 (t) − α2 λT (t) = 0 (3.12)
As condições de fronteira X (0) = X 0 ( L) = 0 decorrem do fato de que
∂u
0 = u(0, t) = X (0) T (t) e 0= ( L, t) = X 0 ( L) T (t).
∂x
A equação X 00 ( x ) − λX ( x ) = 0 pode ter como soluções,
√ √
Se λ > 0 : X ( x ) = c1 e λ x + c2 e− λ x .
Se λ = 0 : X ( x ) = c1 + c2 x.
√ √
Se λ < 0 : X ( x ) = c1 sen( −λx ) + c2 cos( −λx ).
As condições de fronteira X (0) = 0 e X 0 ( L) = 0 implicam que
Se λ > 0 : √ √
Substituindo-se x = 0 e X = 0 em X ( x ) = c1 e λ x + c2 e− λ x , obtemos que
0 = c1 + c2 , ou seja, c2 = −c1 . Logo
√ √
X ( x ) = c1 ( e λx
− e− λx
).
√ √ √
Agora substituindo-se x = L e X 0 = 0 em X 0 ( x ) = λc1 (e λx + e− λ x ), obte-
mos que se c1 6= 0, então √ √
e λL
= e− λL

o que não é possı́vel se λ > 0 (só é possı́vel se λ = 0).


Se λ = 0 :
Substituindo-se x = 0 e X = 0 em X ( x ) = c1 + c2 x, obtemos que c1 = 0. Logo
X ( x ) = c2 x.
Substituindo-se x = L e X 0 = 0 em X 0 ( x ) = c2 , obtemos que também c2 = 0.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.3 Condições de Fronteira Mistas e Equação não Homogênea 301

Se λ < 0 : √ √
Substituindo-se x = 0 e X = 0 em X ( x ) = c1 sen( −λx ) + c2 cos( −λx ),
obtemos que c2 = 0. Logo

X ( x ) = c1 sen( −λx ).
√ √
Agora substituindo-se x = L e X 0 = 0 em X 0 ( x ) = −λc2 cos( −λx ), obtemos
que se c2 6= 0, então

cos( −λL) = 0
o que implica que
√ (2n + 1)π
−λL = , para n = 0, 2, 3, . . .
2
Logo
(2n + 1)2 π 2
λ=− , n = 0, 1, 2, 3, . . .
4L2
Portanto o problema de valores de fronteira (3.11) tem soluções fundamentais

(2n + 1)πx
X2n+1 ( x ) = sen , para n = 0, 1, 2, 3, . . .
2L
(2n+1)2 π 2
Substituindo-se λ = − 4L2
na equação diferencial (3.12) obtemos

α2 (2n + 1)2 π 2
T 0 (t) + T (t) = 0
4L2
que tem como solução fundamental
2 (2n+1)2 π 2
−α t
T2n+1 (t) = e 4L2 , para n = 0, 1, 2, 3, . . .

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


302 Equação do Calor Unidimensional

Logo o problema formado pela equação diferencial parcial e as condições de fron-


teira tem soluções fundamentais

(2n + 1)πx − α2 (2n+21)2 π2 t


u2n+1 ( x, t) = X2n+1 ( x ) T2n+1 (t) = sen e 4L
2L
Além disso, combinações lineares dessas soluções são também solução
N N
(2n + 1)πx − α2 (2n+21)2 π2 t
u( x, t) = ∑ c2n+1 u2n+1 (x, t) = ∑ c2n+1 sen 2L
e 4L
n =0 n =0

Vamos supor que a solução do PVIF seja a série


∞ ∞
(2n + 1)πx − α2 (2n+21)2 π2 t
u( x, t) = ∑ c2n+1 u2n+1 (x, t) = ∑ c2n+1 sen 2L
e 4L
n =0 n =0

Então, para satisfazer a condição inicial u( x, 0) = f ( x ), temos que impor a condição



(2n + 1)πx
f ( x ) = u( x, 0) = ∑ c2n+1 sen 2L
.
n =0

Esta é a série de Fourier de senos de ı́ndice ı́mpar de f ( x ).


Assim, pelo Corolário 2.9 na página 217, se a função f : [0, L] → R é contı́nua por
partes tal que a sua derivada f 0 também seja contı́nua por partes, então os coeficien-
tes da série são dados por
Z L
4 (2n + 1)πx
c2n+1 = f ( x ) sen dx.
2L 0 2L
para n = 0, 1, 2, 3 . . .

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.3 Condições de Fronteira Mistas e Equação não Homogênea 303

Exemplo 3.4. Vamos considerar uma barra de 40 cm de comprimento, isolada nos


lados, com coeficiente α = 1, a extremidade da esquerda mantida a temperatura
zero e extremidade da direita isolada, ou seja,
∂u
u(0, t) = (40, t) = 0
∂x
e tal que a temperatura inicial é dada por

0, se 0 ≤ x < 20
f (x) =
x − 20, se 20 ≤ x ≤ 40
Temos que resolver o problema de valor inicial e de fronteira
 2
∂ u ∂u


 2
=
 ∂x
 ∂t
 u( x, 0) = f ( x ), 0 < x < 40

 u(0, t) = 0, ∂u (40, t) = 0


∂x
A solução é então

(2n + 1)πx − (2n+1)2 π2 t
u( x, t) = ∑ c2n+1 sen 80
e 6400

n =0

em que cn são os coeficientes da série de senos de ı́ndice ı́mpar de f ( x ), ou seja,


 
(1) (0)
c2k+1 = 4 b2k+1 ( f 1 1 , 80) − 20b2k+1 ( f 1 1 , 80)
4,2 4,2

2L (2k+1)π L −1 (2k+1)π
2 2
= 4· (−s cos s + sen s) (2k+1)π − · 4 · cos s (2k+1)π
(2k + 1)2 π 2 4
2 ( 2k + 1 ) π 4
 
8L (2k + 1)π (2k + 1)π 2L (2k + 1)π
= sen − sen − cos
(2k + 1)2 π 2 2 4 (2k + 1)π 2

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


304 Equação do Calor Unidimensional

Portanto a solução é dada por


  (2k+1)π (2k+1)π
 
∞ 4 sen − sen cos
(2k+1)π
(2n+1)2 π 2
u( x, t) =
80
∑  2 4
− 2  sen (2k + 1)πt e− 6400 t .
π k =0 2
(2k + 1) π (2k + 1) 80

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.3 Condições de Fronteira Mistas e Equação não Homogênea 305

y y y
t=0 t = 20 t = 80
20 20 20

10 10 10

x x x

20 40 20 40 20 40

y y y
t = 320 t = 1280 t = 5120
20 20 20

10 10 10

x x x

20 40 20 40 20 40

Figura 3.4 – Solução, u( x, t), do PVIF do Exemplo 3.4 tomando apenas 6 termos não nulos da série.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


306 Equação do Calor Unidimensional

3.3.2 Equação do Calor não Homogênea


Considere o seguinte PVIF
2

∂u 2∂ u
 ∂t = α ∂x2 + g( x )


 u( x, 0) = f ( x ), 0 < x < L


u(0, t) = T1 , u( L, t) = T2

Vamos mostrar que a solução deste problema é dada por

u( x, t) = v( x ) + u0 ( x, t),

em que v( x ) é a solução do problema de fronteira


 2 00
α v = − g( x )
v(0) = T1 , v( L) = T2

e u0 ( x, t) é a solução do PVIF homogêneo com condições de fronteiras homogêneas


2

∂u 2∂ u
 ∂t = α ∂x2



 u( x, 0) = f ( x ) − v( x ), 0 < x < L

u(0, t) = 0, u( L, t) = 0

Calculando as derivadas temos que

∂u ∂u
= 0
∂t ∂t

∂2 u ∂2 u0 1
2
= − 2 g( x )
∂x ∂x2 α

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.3 Condições de Fronteira Mistas e Equação não Homogênea 307

Substituindo-se na equação diferencial

∂u ∂2 u
− α2 2 = g ( x )
∂t ∂x
obtemos

∂u ∂2 u ∂u ∂2 u
− α2 2 = 0 + g( x ) − α2 20 = g( x )
∂t ∂x ∂t ∂x

u( x, 0) = v( x ) + u0 ( x, 0) = v( x ) + f ( x ) − v( x ) = f ( x ),

u(0, t) = v(0) + u0 (0, t) = v(0) = T1 ,

u( L, t) = v( L) + u0 ( L, t) = v( L) = T2 .
Como mostramos quando estudamos o problema homogêneo com condições de
fronteira homogêneas
lim u0 ( x, t) = 0.
t→∞

Logo
lim u( x, t) = v( x ) + lim u0 ( x, t) = v( x ), para x ∈ [0, L]
t→∞ t→∞

ou seja, quando t tende a mais infinito, a solução u( x, t) tende a v( x ), chamada


solução estacionária ou solução de equilı́brio.

Exemplo 3.5. Vamos considerar uma barra de 40 cm de comprimento, com coefici-


ente α = 1, com as extremidades mantidas a temperaturas de 10◦ C e 30◦ C e tal que
a temperatura inicial é dada por
πx
f ( x ) = 10 + sen ,
80

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


308 Equação do Calor Unidimensional

Vamos resolver o problema de valor inicial e de fronteira



 ∂u ∂2 u π2 πx

 = 2
+ sen

 ∂t
 ∂x 640 80
πx
u( x, 0) = f ( x ) = 10 + 10 sen , 0 < x < 40
80





u(0, t) = 10, u(40, t) = 30

A solução é então
u( x, t) = v( x ) + u0 ( x, t),
em que v( x ) é a solução do problema de fronteira

2
 v00 = − π sen πx

640 80

 v(0) = 10, v(40) = 30

e u0 ( x, t) é a solução do PVIF homogêneo com condições de fronteiras homogêneas


∂2 u

∂u
 ∂t = ∂x2



 u( x, 0) = f ( x ) − v( x ), 0 < x < 40

u(0, t) = 0, u(40, t) = 0

Logo
πx x
v( x ) = 10 sen + + 10
80 4

πx x nπx − n2 π2
u( x, t) = 10 sen + + 10 + ∑ cn sen e 1600 t
80 4 n =1
40
em que cn são os coeficientes da série de senos de
x
f ( x ) − v( x ) = −
4

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.3 Condições de Fronteira Mistas e Equação não Homogênea 309

ou seja,
 
1 (1)
cn = 2 − an ( f 0,1 )
4
20 nπ
= − 2 2 (−s cos s + sen s)

n π 0
20 20(−1)n
= cos(nπ ) = , n = 1, 2, 3 . . .
nπ nπ
Aqui usamos a tabela na página 199, multiplicando por 2 os valores. Portanto a
solução é dada por

πx x 20 ∞ (−1)n nπx − n2 π2
u( x, t) = 10 sen
80
+ + 10 +
4 ∑
π n =1 n
sen
40
e 1600 t

Observe que
πx x
lim u( x, t) = v( x ) = 10 sen + + 10, para x ∈ [0, 40]
t→∞ 80 4
ou seja, quando t tende a mais infinito a solução tende a solução estacionária
πx x
v( x ) = 10 sen + + 10.
80 4

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


310 Equação do Calor Unidimensional

y y y
50 t=0 50 t = 20 50 t = 80

40 40 40

30 30 30

20 20 20

10 10 10
x x x

20 40 20 40 20 40

y y y
50 t = 160 50 t = 320 50 t = 640

40 40 40

30 30 30

20 20 20

10 10 10
x x x

20 40 20 40 20 40

Figura 3.5 – Solução, u( x, t), do PVIF do Exemplo 3.5 tomando apenas 3 termos não nulos da série.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.3 Condições de Fronteira Mistas e Equação não Homogênea 311

Exercı́cios (respostas na página 321)


3.1. Resolva o seguinte problema de valor inicial e de fronteira que corresponde ao problema do calor em
uma barra de comprimento L que do lado esquerdo é mantida isolada e está mantida a temperatura fixa
igual a zero do lado direito.

∂2 u

∂u


 = α2 2
 ∂t
 ∂x
 u ( x, 0 ) = f ( x ), 0 < x < L

 ∂u (0, t) = 0, u( L, t) = 0.


∂x
3.2. Resolva o seguinte problema de valor inicial e de fronteira que corresponde ao problema do calor em
uma barra de comprimento L que do lado esquerdo está mantida a temperatura fixa T1 e do lado direito
é mantida isolada.
2
2∂ u

∂u

 = α
∂x2

 ∂t

 u( x, 0) = f ( x ), 0 < x < L


 ∂u
 u(0, t) = T1 , ( L, t) = 0
∂x
3.3. Resolva o PVIF e determine a solução estacionária.

∂2 u

∂u 3
= −


2 40

 ∂t ∂x

 u ( x, 0 ) = 20, 0 < x < 40

u(0, t) = 0, u(40, t) = 60

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


312 Equação do Calor Unidimensional

y y y
60 60 60
t=0 t = 10 t = 20

50 50 50

40 40 40

30 30 30

20 20 20

10 10 10
x x x

20 40 20 40 20 40

y y y
60 60 60
t = 40 t = 80 t = 160

50 50 50

40 40 40

30 30 30

20 20 20

10 10 10
x x x

20 40 20 40 20 40

Figura 3.6 – Solução, u( x, t), do PVIF do Exercı́cio 3.3 tomando apenas 10 termos não nulos da série.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.4 Respostas dos Exercı́cios 313

3.4 Respostas dos Exercı́cios

1. Extremidades a Temperaturas Fixas(página 288)


1.1. (a) Temos que resolver o problema

∂2 u

∂u
 ∂t = ∂x2



 u( x, 0) = f ( x ) = 20, 0 < x < 40

u(0, t) = 0, u(40, t) = 0

A solução é então

nπx − n2 π2
u( x, t) = ∑ cn sen 40
e 1600 t
n =1

em que cn são os coeficientes da série de senos de f ( x ), ou seja,

1 40 nπx
Z
cn = f ( x ) sen( )dx
20 0 40
 
(0)
= 2 20bn ( f 0,1 , 40)
2 nπ
= −20 cos s

nπ 0
40
= (1 − cos(nπ ))

40
= (1 − (−1)n ), n = 1, 2, 3 . . .

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


314 Séries de Fourier e Equações Diferenciais Parciais

Portanto a solução é dada por

40 ∞ 1 − (−1)n nπx − n2 π2
u( x, t) = ∑
π n =1 n
sen
40
e 1600 t

80 ∞ 1 (2n + 1)π − (2n+1)2 π2


= ∑
π n=0 2n + 1
sen
40
xe 1600 t

(b)
π2
80 ∞
n
80 e− 1600 t

π2 t 80 1
π n∑
− 1600
|u( x, t)| ≤ e = π2 t
= π2 t
, para 0 < x < 40,
=1 π −
1 − e 1600 π e 1600 − 1
é equivalente a
80
π2
e 1600 t ≥ π
+ 1.
|u( x, t)|
Ou seja, se ! !
80 80
1600 1600
t≥ ln π
+1 = 2 ln π
+1 ≈ 200 segundos,
π2 |u( x, t)| π 10
então a temperatura no centro da barra será menor ou igual a 10◦ C.
1.2. Temos que resolver o problema

∂2 u

∂u
 ∂t = ∂x2


 u( x, 0) = f ( x ) = 20, 0 < x < 40




u(0, t) = 0, u(40, t) = 60

A solução é então

3x nπx − n2 π2
u( x, t) = + ∑ cn sen e 1600 t
2 n =1
40

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.4 Respostas dos Exercı́cios 315

em que cn são os coeficientes da série de senos de


3x 3x
g( x ) = f ( x ) − = 20 −
2 2
ou seja,

1 40 nπx
Z
cn = g( x ) sen( )dx
20 0 40
 
(0) 3 (1)
= 2 20bn ( f 0,1 , 40) − bn ( f 0,1 , 40)
2
40 nπ 120 nπ
= − cos s − 2 2 (−s cos s + sen s)

nπ 0 n π 0
40 120
= − (cos(nπ ) − 1) − 2 2 (−nπ cos(nπ ))
nπ n π
40(1 + 2(−1)n )
= , n = 1, 2, 3 . . .

Portanto a solução é dada por

3x 40 ∞ 1 + 2(−1)n nπx − n2 π2
u( x, t) =
2
+ ∑
π n =1 n
sen
40
e 1600 t

3x
Quando t tende a mais infinito a solução tende a solução estacionária v( x, t) = .
2
1.3. Vamos procurar uma solução na forma de um produto de uma função de x por uma função de t, ou seja,

u( x, t) = X ( x ) T (t).

Derivando e substituindo na equação diferencial obtemos

X ( x ) T 0 (t) = X 00 ( x ) T (t) + 2X 0 ( x ) T (t)

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


316 Séries de Fourier e Equações Diferenciais Parciais

que pode ser reescrita como


X 00 ( x ) + 2X 0 ( x ) T 0 (t)
=
X (x) T (t)
O primeiro membro depende apenas de x, enquanto o segundo depende apenas de t. Isto só é possı́vel
se eles forem iguais a uma constante, ou seja,

X 00 ( x ) + 2X 0 ( x ) T 0 (t)
= = λ.
X (x) T (t)

Obtemos então duas equações diferenciais ordinárias com condições de fronteira X (0) = X ( L) = 0 que
decorrem do fato de que 0 = u(0, t) = X (0) T (t) e 0 = u( L, t) = X ( L) T (t):

X 00 ( x ) + 2X 0 ( x ) − λX ( x ) = 0,
(
X (0) = 0, X ( L) = 0 (3.13)
0
T (t) − λT (t) = 0 (3.14)

A equação X 00 ( x ) + 2X 0 ( x ) − λX ( x ) = 0 pode ter como soluções,


√ √
Se λ > −1 : X ( x ) = c1 e(−1+ 1+ λ ) x + c2 e(−1− 1+ λ ) x .

Se λ = −1 : X ( x ) = c1 e− x + c2 xe− x .
√ √
Se λ < −1 : X ( x ) = c1 e− x sen( −1 − λ x ) + c2 e− x cos( −1 − λ x )).
As condições de fronteira X (0) = 0 e X ( L) = 0 implicam que (3.13) tem solução não identicamente nula
somente seλ < −1, mais que isso λ tem que ter valores dados por

n2 π 2
λ = −1 − , n = 1, 2, 3, . . .
L2
ou seja, o problema de valores de fronteira (3.13) tem solução
nπx
X ( x ) = c1 e− x sen , para n = 1, 2, 3, . . . .
L

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.4 Respostas dos Exercı́cios 317

n2 π 2
Substituindo-se λ = −1 − L2
na equação diferencial (3.14) obtemos

n2 π 2
T 0 ( t ) + (1 + ) T (t) = 0
L2
que tem solução
2 π2
−n t
T ( t ) = c2 e − t e L2 , para n = 1, 2, 3, . . . .
Logo o problema formado pela equação diferencial parcial e as condições de fronteira tem soluções fun-
damentais
nπx − n2 π2 2 t
un ( x, t) = X ( x ) T (t) = e− x−t sen e L
L
Além disso, combinações lineares dessas soluções são também solução
N N
nπx − n2 π2 2
∑ cn un (x, t) = ∑ cn e−x−t sen
t
u( x, t) = e L
n =1 n =1
L

Vamos considerar as séries


∞ ∞
nπx − n2 π2 2 t
u( x, t) = ∑ un (x, t) = ∑ cn e−x−t sen L
e L .
n =1 n =1

Mas para satisfazer a condição inicial u( x, 0) = f ( x ), temos que impor a condição



nπx
f ( x ) = u( x, 0) = e− x ∑ cn sen L
.
n =1

Esta é a série de Fourier de senos de f ( x )e x . Assim, se a função f : [0, L] → R é contı́nua por partes tal
que a sua derivada f 0 também seja contı́nua por partes, então os coeficientes da série são dados por
Z L
2 nπx
cn = f ( x )e x sen dx, n = 1, 2, 3 . . .
L 0 L

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


318 Séries de Fourier e Equações Diferenciais Parciais

2. Barra Isolada nas Extremidades (página 298)


2.1. (a) Temos que resolver o problema

 ∂u ∂2 u
 =
∂x2


 ∂t

 u( x, 0) = f ( x ) = 3x
2 , 0 < x < 40

 ∂u
 ∂u

 (0, t) = 0, (40, t) = 0
∂t ∂t
A solução é então

nπx − n2 π2
u( x, t) = ∑ cn cos 40
e 1600 t
n =0
em que cn são os coeficientes da série de cossenos de f ( x ), ou seja,
1 40
Z
c0 = f ( x )dx = 30,
40 0
1 40 nπx
Z
cn = f ( x ) cos dx
20 0 40
  nπ
3 (1) 120
= 2 an ( f 0,1 ) = 2 2 (s sen s + cos s)

2 n π 0
(−1) − 1n
= 120 , n = 1, 2, 3 . . .
n2 π 2
Portanto a solução é dada por
120 ∞ (−1)n − 1 nπx − n2 π2
u( x, t) = 30 + 2 ∑
π n =1 n 2
cos
40
e 1600 t

240 ∞ 1 (2n + 1)πx − (2n+1)2 π2


π 2 n∑
t
= 30 − 2
cos e 1600

=0 (2n + 1) 40

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.4 Respostas dos Exercı́cios 319

(b) lim u( x, t) = 30.


t→∞

2.2. Vamos procurar uma solução na forma de um produto de uma função de x por uma função de t, ou seja,

u( x, t) = X ( x ) T (t).

Calculando-se as derivadas parciais temos que

∂u ∂2 u
= X ( x ) T 0 (t) e = X 00 ( x ) T (t).
∂t ∂x2
Substituindo-se na equação diferencial obtemos

X ( x ) T 0 (t) = X 00 ( x ) T (t) + X ( x ) T (t).

Dividindo-se por X ( x ) T (t) obtemos


X 00 ( x ) T 0 (t)
= + 1.
X (x) T (t)
O primeiro membro depende apenas de x, enquanto o segundo depende apenas de t. Isto só é possı́vel
se eles forem iguais a uma constante

X 00 ( x ) T 0 (t)
= + 1 = λ.
X (x) T (t)

Obtemos então duas equações diferenciais ordinárias com condições de fronteira:

X 00 ( x ) − λX ( x ) = 0, X 0 (0) = 0, X 0 (1) = 0,
(
(3.15)
0
T ( t ) + (1 − λ ) T ( t ) = 0 (3.16)

A equação X 00 ( x ) − λX ( x ) = 0 pode ter como soluções,


√ √
Se λ > 0 : X ( x ) = c1 e λx + c2 e − λ x.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


320 Séries de Fourier e Equações Diferenciais Parciais

Se λ = 0 : X ( x ) = c1 + c2 x.
√ √
Se λ < 0 : X ( x ) = c1 sen( −λ x ) + c2 cos( −λ x ).

As condições de fronteira X 0 (0) = 0 e X 0 (1) = 0 implicam que (3.15) tem solução não identicamente nula
somente se λ ≤ 0. Mais que isso λ tem que ter valores dados por

λ = −n2 π 2 , n = 0, 1, 2, 3, . . .

ou seja, o problema de valores de fronteira (3.15) tem soluções fundamentais

Xn ( x ) = cos nπx, para n = 0, 1, 2, 3, . . . .

Substituindo-se λ = −n2 π 2 na equação diferencial (3.16) obtemos

T 0 ( t ) + (1 + n2 π 2 ) T ( t ) = 0

que tem como solução fundamental


2 π 2 +1) t
Tn (t) = e−(n , para n = 0, 1, 2, 3, . . . .

∂u ∂2 u
Logo o problema formado pela equação diferencial parcial = + u e as condições de fronteira
∂t ∂x2
∂u ∂u
(0, t) = (1, t) = 0 tem soluções fundamentais
∂x ∂x
2 π2 ) t
un ( x, t) = Xn ( x ) Tn (t) = cos(nπx )e−(1+n para n = 0, 1, 2, 3, . . . .

Vamos supor que a solução do problema de valor inicial e de fronteira seja uma série da forma
∞ ∞
∑ cn un (x, t) = e−t ∑ cn cos nπxe−n π
2 2 t
u( x, t) = . (3.17)
n =0 n =0

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.4 Respostas dos Exercı́cios 321

Para satisfazer a condição inicial u( x, 0) = f ( x ), temos que ter



f ( x ) = u( x, 0) = ∑ cn cos nπx.
n =0

Esta é a série de Fourier de cossenos de f ( x ). Assim, pelo Corolário 2.4 na página 178, se a função
f : [0, 1] → R é contı́nua por partes tal que a sua derivada f 0 também seja contı́nua por partes, então os
coeficientes da série são dados por
Z 1 Z 1
c0 = f ( x )dx, cn = 2 f ( x ) cos nπx dx, n = 1, 2, 3 . . . (3.18)
0 0

3. Condições de Fronteira Mistas e Equação não Homogênea (página 311)

3.1. Vamos procurar uma solução na forma de um produto de uma função de x por uma função de t, ou seja,

u( x, t) = X ( x ) T (t).

Derivando e substituindo na equação diferencial obtemos

α2 X 00 ( x ) T (t) = X ( x ) T 0 (t)

que pode ser reescrita como


X 00 ( x ) 1 T 0 (t)
= 2
X (x) α T (t)
O primeiro membro depende apenas de x, enquanto o segundo depende apenas de t. Isto só é possı́vel
se eles forem iguais a uma constante, ou seja,

X 00 ( x ) 1 T 0 (t)
= 2 = λ.
X (x) α T (t)

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


322 Séries de Fourier e Equações Diferenciais Parciais

Obtemos então duas equações diferenciais ordinárias com condições de fronteira

X 00 ( x ) − λX ( x ) = 0, X 0 (0) = 0, X ( L) = 0
(
(3.19)
0 2
T (t) − α λT (t) = 0 (3.20)

As condições de fronteira X 0 (0) = X ( L) = 0 decorrem do fato de que

∂u
0= (0, t) = X 0 (0) T (t) e 0 = u( L, t) = X ( L) T (t).
∂x
Se λ > 0 : √ √ √
Substituindo-se x = 0 e X 0 = 0 em X 0 ( x ) = λ(c1 e λ x − c2 e− λ x ), obtemos que 0 = c1 − c2 , ou
seja, c2 = c1 . Logo
√ √
X ( x ) = c1 ( e λx
+ e− λx
).
√ √
Agora substituindo-se x = L e X = 0 em X ( x ) = c1 (e λx + e− λ x ), obtemos que se c1 6= 0, então
√ √
e λL
= −e− λL

o que não é possı́vel.


Se λ = 0 :
Substituindo-se x = 0 e X 0 = 0 em X ( x ) = c2 , obtemos que c2 = 0. Logo

X ( x ) = c1 .

Substituindo-se x = L e X = 0 em X ( x ) = c1 , obtemos que também c1 = 0.


Se λ < 0 : √ √ √
Substituindo-se x = 0 e X 0 = 0 em X 0 ( x ) = −λ(c1 cos( −λx ) − c2 sen( −λx )), obtemos que
c1 = 0. Logo

X ( x ) = c2 cos( −λx ).

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.4 Respostas dos Exercı́cios 323


Agora substituindo-se x = L e X = 0 em X ( x ) = c2 cos( −λx ), obtemos que se c2 6= 0, então

cos( −λL) = 0
√ (2n+1)π
o que implica que −λL = 2 , para n = 0, 2, 3, . . .. Portanto

(2n + 1)2 π 2
λ=− , n = 0, 1, 2, 3, . . .
4L2

Portanto o problema de valores de fronteira (3.19) tem soluções fundamentais

(2n + 1)πx
X2n+1 ( x ) = cos , para n = 0, 1, 2, 3, . . .
2L
(2n+1)2 π 2
Substituindo-se λ = − 4L2
na equação diferencial (3.20) obtemos

α2 (2n + 1)2 π 2
T 0 (t) + T (t) = 0
4L2
que tem como solução fundamental
2 (2n+1)2 π 2
−α t
T2n+1 (t) = e 4L2 , para n = 0, 1, 2, 3, . . .

Logo o problema formado pela equação diferencial parcial e as condições de fronteira tem soluções fun-
damentais
(2n + 1)πx − α2 (2n+21)2 π2 t
u2n+1 ( x, t) = X2n+1 ( x ) T2n+1 (t) = cos e 4L
2L
Além disso, combinações lineares dessas soluções são também solução
N N
(2n + 1)πx − α2 (2n+21)2 π2 t
u( x, t) = ∑ c2n+1 u2n+1 ( x, t) = ∑ c2n+1 cos
2L
e 4L
n =0 n =0

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


324 Séries de Fourier e Equações Diferenciais Parciais

Vamos supor que a solução do PVIF seja a série

∞ ∞
(2n + 1)πx − α2 (2n+21)2 π2 t
u( x, t) = ∑ c2n+1 u2n+1 ( x, t) = ∑ c2n+1 cos
2L
e 4L
n =0 n =0

Então, para satisfazer a condição inicial u( x, 0) = f ( x ), temos que impor a condição


(2n + 1)πx
f ( x ) = u( x, 0) = ∑ c2n+1 cos 2L
.
n =0

Esta é a série de Fourier de cossenos de ı́ndice ı́mpar de f ( x ).


Assim, pelo Corolário 2.10 na página 222, se a função f : [0, L] → R é contı́nua por partes tal que a sua
derivada f 0 também seja contı́nua por partes, então os coeficientes da série são dados por
Z L
4 (2n + 1)πx
c2n+1 = f ( x ) cos dx.
2L 0 2L

para n = 0, 1, 2, 3 . . .

3.2. Observamos que v( x, t) = T1 é uma solução da equação

∂v ∂2 u
= α2 2 = 0
∂t ∂x

que satisfaz as condições


∂u
u(0, t) = T1 , ( L, t) = 0
∂x
Logo a solução do problema é
u( x, t) = v( x, t) + u0 ( x, t),

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


3.4 Respostas dos Exercı́cios 325

em que u0 ( x, t) é a solução de
∂2 u

∂u


 = α2 2
 ∂t
 ∂x
 u ( x, 0 ) = f ( x ), 0 < x < L

 u(0, t) = 0, ∂u ( L, t) = 0


∂x
Assim,

(2n + 1)πx − α2 (2n+21)2 π2 t
u( x, t) = T1 + ∑ c2n+1 sen
2L
e 4L
n =0
é a solução do problema da valor inicial e de fronteiras se

(2n + 1)πx
u( x, 0) = f ( x ) = T1 + ∑ c2n+1 sen 2L
n =0

ou seja, os coeficientes são dados por


Z L
2 (2n + 1)πx
c2n+1 = [ f ( x ) − T1 ] sen dx.
L 0 2L

3.3. A solução de
v00 = 40
3


v(0) = 0, v(40) = 60
3 2
é v( x ) = x . A solução de
80
∂2 u

∂u

 =
∂x2

 ∂t

3
 u( x, 0) = 20 − x2 , 0 < x < 40



 80
u(0, t) = 0, u(40, t) = 0

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


326 Séries de Fourier e Equações Diferenciais Parciais



nπx − n2 π2
u( x, t) = ∑ cn sen 40
e 1600 t
n =1
em que cn são os coeficientes da série de senos de
3 2
g( x ) = 20 − x
80
ou seja,

1 40 nπx
Z
cn = g( x ) sen( )dx
20 0 40
 
(0) 3 (2)
= 2 20bn ( f 0,1 , 40) − bn ( f 0,1 , 40)
80
40 nπ 120     nπ
= − cos s − 3 3 2s sen s + 2 − s2 cos s

nπ 0 n π 0
40 120  2 2

= − (cos(nπ ) − 1) − 3 3 (2 − n π ) cos(nπ ) − 2
nπ n π
40 2π 2 n2 (−1)n − 6(−1)n + π 2 n2 + 6

= , n = 1, 2, 3 . . .
π 3 n3
Portanto a solução é dada por

3 2 40 2π 2 n2 (−1)n − 6(−1)n + π 2 n2 + 6 nπx − n2 π2
u( x, t) =
80
x + 3
π ∑ n 3
sen
40
e 1600 t
n =1

Quando t tende a mais infinito a solução tende a solução estacionária


3 2
v( x ) = x .
80

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


4

Equação da Onda Unidimensional

4.1 Corda Elástica Presa nas Extremidades


Pode-se mostrar que o deslocamento vertical de cada ponto de uma corda elástica
homogênea como função da posição e do tempo, u( x, t), satisfaz a equação diferen-
cial
∂2 u ∂2 u
2
= a2 2
∂t ∂x
chamada equação da corda elástica. Aqui a > 0 é uma constante que depende do
material que compõe a corda e mostraremos que é a velocidade de propagação das
ondas na corda.
Vamos determinar o deslocamento vertical em função da posição e do tempo, u( x, t),
de cada ponto de uma corda de comprimento L presa nas extremidades, sendo co-

327
328 Equação da Onda Unidimensional

nhecidos o deslocamento inicial de cada ponto da corda, f ( x ), e a velocidade inicial


de cada ponto da corda, g( x ), ou seja, vamos resolver o problema de valor inicial e
de fronteira (PVIF)
 2 2
∂ u 2∂ u
= a


2 ∂x2

 ∂t


∂u
 u( x, 0) = f ( x ), ( x, 0) = g( x ), 0 < x < L


 ∂t

u(0, t) = 0, u( L, t) = 0

A solução deste problema é a soma da solução do problema com deslocamento ini-


cial nulo ( f ( x ) = 0),
 2 2
∂ u 2∂ u
= a


2 ∂x2

 ∂t


∂u
 u( x, 0) = 0, ( x, 0) = g( x ), 0 < x < L


 ∂t

u(0, t) = 0, u( L, t) = 0

com a solução do problema com velocidade inicial nula (g( x ) = 0),


 2 2
∂ u 2∂ u
= a


 ∂t2

∂x2
∂u
 u( x, 0) = f ( x ), ( x, 0) = 0, 0 < x < L

 ∂t
u(0, t) = 0, u( L, t) = 0.

4.1.1 Com Velocidade Inicial Nula

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


4.1 Corda Elástica Presa nas Extremidades 329

Vamos determinar o deslocamento vertical em função da posição e do tempo, u( x, t),


de cada ponto de uma corda elástica de comprimento L presa nas extremidades,
sabendo-se que o deslocamento inicial de cada ponto da corda é dado por f ( x ), e
que a velocidade inicial de cada ponto da corda é nula, ou seja, vamos resolver o
problema de valor inicial e de fronteira (PVIF)
 2 2
 ∂ u = a2 ∂ u

2 ∂x2

 ∂t


∂u
 u( x, 0) = f ( x ), ( x, 0) = 0, 0 < x < L


 ∂t

u(0, t) = 0, u( L, t) = 0

Vamos procurar uma solução na forma de um produto de uma função de x por uma
função de t, ou seja,
u( x, t) = X ( x ) T (t).
Calculando-se as derivadas parciais e substituindo-se na equação diferencial obte-
mos
X ( x ) T 00 (t) = a2 X 00 ( x ) T (t).
Dividindo-se por a2 X ( x ) T (t) obtemos
X 00 ( x ) 1 T 00 (t)
= 2 .
X (x) a T (t)
O primeiro membro depende apenas de x, enquanto o segundo depende apenas de
t. Isto só é possı́vel se eles forem iguais a uma constante
X 00 ( x ) 1 T 00 (t)
= 2 = λ.
X (x) a T (t)
Obtemos então duas equações diferenciais ordinárias com condições de fronteira:
( 00
X ( x ) − λX ( x ) = 0, X (0) = 0, X ( L) = 0 (4.1)
T 00 (t) − a2 λT (t) = 0, T 0 (0) = 0 (4.2)

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


330 Equação da Onda Unidimensional

As condições X (0) = X ( L) = 0 decorrem do fato de que a corda está presa nas


extremidades, ou seja,

0 = u(0, t) = X (0) T (t) e 0 = u( L, t) = X ( L) T (t).

A condição T 0 (0) = 0, decorre do fato de que a velocidade inicial é nula, ou seja,


∂u
0= ( x, 0) = X ( x ) T 0 (0).
∂t
A equação (4.1) com as condições de fronteira foi resolvida no problema do calor em
uma barra com condições homogêneas - equação (3.1) na página 275 - e tem solução
não identicamente nula somente se
n2 π 2
λ=− , n = 1, 2, 3, . . .
L2
e tem como soluções fundamentais
nπx
Xn ( x ) = sen .
L
2 2
Substituindo-se λ = − n Lπ2 na equação (4.2) obtemos

a2 n2 π 2
T 00 (t) + T (t) = 0.
L2
Para resolver esta equação temos que encontrar as raı́zes da sua equação carac-
terı́stica:
a2 n2 π 2 anπ
r2 + 2
=0 ⇔ r=± i.
L L
Logo a solução geral da equação diferencial para T (t) é
anπt anπt
T (t) = c1 cos + c2 sen .
L L

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


4.1 Corda Elástica Presa nas Extremidades 331

Com a condição inicial T 0 (0) = 0 concluı́mos que a equação diferencial para T (t)
com a condição inicial T 0 (0) = 0 tem soluções fundamentais (verifique!)

anπt
Tn (t) = cos
L
Logo o problema

 ∂2 u 2
2∂ u

 = a
∂t2 ∂x2 (4.3)
 ∂u
 u(0, t) = u( L, t) = 0;
 ( x, 0) = 0, 0 < x < L
∂t
tem soluções fundamentais
nπx anπt
un ( x, t) = Xn ( x ) Tn (t) = sen cos para n = 1, 2, 3, . . . . (4.4)
L L

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


332 Equação da Onda Unidimensional

y n = 1, t = 0 y n = 2, t = 0

x x

L L/2 L

y n = 3, t = 0 y n = 4, t = 0

x x

L/3 2L/3 L L/4 L/2 3L/4 L

anπt nπx
Figura 4.1 – Modos naturais de vibração un ( x, t) = cos sen , para n = 1, 2, 3, 4 e t = 0.
L L

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


4.1 Corda Elástica Presa nas Extremidades 333

Para cada n, a solução fundamental (4.4) do problema (4.3)

anπt nπx
un ( x, t) = [cos ] sen
L L
é chamada modo normal (ou natural) de vibração, onda estacionária ou harmônico
2L
e o seu perı́odo fundamental na variável x é igual a e é chamado comprimento de
n
onda do modo normal. Os modos normais de vibração podem ser vistos como senos
anπt
com amplitude variando de forma cossenoidal Rn (t) = cos com frequências
anπ
L
L chamadas frequências naturais da corda. Portanto, neste caso, os perı́odos
2L
fundamentais da corda são Tn = . Observe, também, que cada modo normal
na
un ( x, t) tem n − 1 pontos fixos no intervalo 0 < x < L (quais são?).

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


334 Equação da Onda Unidimensional

y t=0 y t = 1 L/32a y t = 2 L/32a

x x x

L/4 L/2 3L/4 L L/4 L/2 3L/4 L L/4 L/2 3L/4 L

y t = 3 L/32a y t = 4 L/32a y t = 5 L/32a

x x x

L/4 L/2 3L/4 L L/4 L/2 3L/4 L L/4 L/2 3L/4 L

y t = 6 L/32a y t = 7 L/32a y t = 8 L/32a

x x x

L/4 L/2 3L/4 L L/4 L/2 3L/4 L L/4 L/2 3L/4 L

4aπt 4πx L
Figura 4.2 – Modo natural de vibração u4 ( x, t) = cos sen , para t = 0, . . . , .
L L 4a

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


4.1 Corda Elástica Presa nas Extremidades 335

Combinações lineares das soluções fundamentais são também solução (verifique!),

N N
nπx anπt
u( x, t) = ∑ cn un ( x, t) = ∑ cn sen L
cos
L
n =1 n =1

Mas uma solução deste tipo não necessariamente satisfaz a condição inicial
u( x, 0) = f ( x ), para uma função f ( x ) mais geral. Assim vamos supor que a solução
do problema de valor inicial e de fronteira é uma série da forma
∞ ∞
nπx anπt
u( x, t) = ∑ cn un (x, t) = ∑ cn sen L
cos
L
(4.5)
n =1 n =1

Para satisfazer a condição inicial u( x, 0) = f ( x ), temos que ter



nπx
f ( x ) = u( x, 0) = ∑ cn sen L
.
n =1

Esta é a série de Fourier de senos de f ( x ). Assim, pelo Corolário 2.5 na página 181,
se a função f : [0, L] → R é contı́nua por partes tal que a sua derivada f 0 também
seja contı́nua por partes, então os coeficientes da série são dados por
Z L
2 nπx
cn = f ( x ) sen dx, n = 1, 2, 3 . . .
L 0 L

Observe que a solução do problema de valor inicial e de fronteira



nπx anπt
u( x, t) = ∑ cn sen L
cos
L
n =1

2L
para cada x, é periódica com relação a t com perı́odo fundamental T = , se c1 6= 0.
a

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


336 Equação da Onda Unidimensional

Para cada n, podemos reescrever a solução fundamental (4.4) do problema (4.3) na


forma (verifique!)

nπ ( x − at)
 
anπt nπx 1 nπ ( x + at)
un ( x, t) = cos sen = sen + sen
L L 2 L L

Substituindo-se esta expressão na série (4.5) obtemos que a solução do problema de


valor inicial e de fronteira pode ser reescrita como

∞ ∞
!
1 nπ ( x − at) nπ ( x + at)
2 n∑
u( x, t) = cn sen + ∑ cn sen
=1 L n =1
L
1 ˜
f ( x − at) + f˜( x + at) ,

= (4.6)
2

em que f˜ é a extensão de f que é ı́mpar e periódica de perı́odo 2L. A solução dada


desta forma é chamada solução de d’Alembert do problema de valor inicial e de
fronteira. A solução representa duas ondas se propagando em sentidos opostos com
velocidade igual a a que se refletem e se invertem em x = 0 e x = L.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


4.1 Corda Elástica Presa nas Extremidades 337

y t=0 y t = 1 L/8a y t = 2 L/8a

x x x

y t = 3 L/8a y t = 4 L/8a y t = 5 L/8a

x x x

y t = 6 L/8a y t = 7 L/8a y t = 8 L/8a

x x x

Figura 4.3 – Solução, u( x, t), do problema da corda presa nas extremidades com velocidade inicial nula, para t
variando entre 0 e T/2.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


338 Equação da Onda Unidimensional

Deixamos como exercı́cio para o leitor verificar que se f é contı́nua por partes com
as suas derivadas, f 0 e f 00 , também contı́nua por partes, então para ( x, t) tal que f˜00 é
contı́nua em x − at e x + at temos que u( x, t) dado pela solução de d’Alembert, (4.6),
satisfaz a equação da onda e u( x, 0) = f ( x ) para todo x ∈ [0, L].

Exemplo 4.1. Vamos considerar uma corda de 40 cm de comprimento, presa nas


extremidades, com coeficiente a = 2 solta do repouso de forma que o deslocamento
inicial seja dado por


x, se 0 ≤ x < 20,
f (x) =
40 − x, se 20 ≤ x ≤ 40.

Temos que resolver o problema de valor inicial e de fronteira

 2
∂ u ∂2 u
=4 2


2

 ∂t ∂x


∂u
 u( x, 0) = f ( x ), ( x, 0) = 0, 0 < x < 40


 ∂t

u(0, t) = 0, u(40, t) = 0

A solução em série é dada por


nπx nπt
u( x, t) = ∑ cn sen 40
cos
20
n =1

em que cn são os coeficientes da série de senos de f ( x ). Usando a tabela na página

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


4.1 Corda Elástica Presa nas Extremidades 339

199, multiplicando por 2 os valores obtemos:

1 40 nπx
Z
cn = f ( x ) sen( )dx
20 0 40
 
(1) (0) (1)
= 2 bn ( f 0,1/2 , 40) + 40bn ( f 1/2,1 , 40) − bn ( f 1/2,1 , 40)
80 nπ/2 80 nπ 80 nπ
= (− s cos s + sen s ) − cos s − (− s cos s + sen s )

2
n π 2
0 nπ

nπ/2 2
n π 2
nπ/2
160  nπ nπ nπ  80 nπ
= − cos + sen + cos
n2 π 2 2 2 2 nπ 2
160 sen nπ 2
= , n = 1, 2, 3 . . .
n2 π 2
Entretanto coeficientes de ı́ndice par são nulos:

c2k = 0

160(−1)k
c2k+1 = .
(2k + 1)2 π 2
Portanto a solução é dada por

160 ∞ sen nπ nπx nπt


π 2 n∑
2
u( x, t) = 2
sen cos
=1 n 40 20
160 ∞ (−1)n (2n + 1)πx (2n + 1)πt
π 2 n∑
= 2
sen cos
=0 ( 2n + 1 ) 40 20

A solução de D’Alembert é dada por

1 ˜
f ( x − 2t) + f˜( x + 2t) ,

u( x, t) =
2

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


340 Equação da Onda Unidimensional

em que f˜ é a extensão de f que é ı́mpar e periódica de perı́odo 80, ou seja, f˜ : R → R


é dada por

 40 + x, se −40 ≤ x < −20,
f˜( x ) = x, se −20 ≤ x < 20, f˜( x + 80) = f˜( x ).
40 − x, se 20 < x ≤ 40,

A solução u( x, t) é periódica de perı́odo T = 40 segundos.

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


4.1 Corda Elástica Presa nas Extremidades 341

y y y
t=0 t=5 t = 10
10 10 10

x x x

20 40 20 40 20 40
-10 -10 -10

y y y
t = 15 t = 20 t = 25
10 10 10

x x x

20 40 20 40 20 40
-10 -10 -10

y y y
t = 30 t = 35 t = 40
10 10 10

x x x

20 40 20 40 20 40
-10 -10 -10

Figura 4.4 – Solução, u( x, t), do PVIF do Exemplo 4.1.

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


342 Equação da Onda Unidimensional

4.1.2 Com Deslocamento Inicial Nulo


 2
∂ u ∂2 u
= a2 2


2

 ∂t ∂x


∂u
 u( x, 0) = 0, ( x, 0) = g( x ), 0 < x < L


 ∂t

u(0, t) = 0, u( L, t) = 0

Vamos procurar uma solução na forma de um produto de uma função de x por uma
função de t, ou seja,
u( x, t) = X ( x ) T (t)
Derivando e substituindo-se na equação obtemos

a2 X 00 ( x ) T (t) = X ( x ) T 00 (t).

Dividindo-se por a2 X ( x ) T (t) obtemos

X 00 ( x ) 1 T 00 (t)
= 2
X (x) a T (t)
O primeiro membro depende apenas de x, enquanto o segundo depende apenas de
t. Isto só é possı́vel se eles forem iguais a uma constante

X 00 ( x ) 1 T 00 (t)
= 2 = λ.
X (x) a T (t)
Obtemos então duas equações diferenciais ordinárias, uma com condições de fron-
teira e a outra com condição inicial:

X 00 ( x ) − λX ( x ) = 0,
(
X (0) = 0, X ( L) = 0 (4.7)
00 2
T (t) − a λT (t) = 0, T (0) = 0 (4.8)

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


4.1 Corda Elástica Presa nas Extremidades 343

As condições X (0) = X ( L) = 0 decorrem do fato de que a corda está presa nas


extremidades, ou seja,

0 = u(0, t) = X (0) T (t) e 0 = u( L, t) = X ( L) T (t).

A condição T (0) = 0, decorre do fato de que o deslocamento inicial é nulo, ou seja,

0 = u( x, 0) = X ( x ) T (0).

A equação (4.7) com as condições de fronteira foi resolvida no problema do calor em


uma barra com condições homogêneas - equação (3.1) na página 275 - e tem solução
não identicamente nula somente se
n2 π 2
λ=− , n = 1, 2, 3, . . .
L2
e tem soluções fundamentais
nπx
Xn ( x ) = sen , para n = 0, 1, 2, 3, . . . .
L
2 2
Substituindo-se λ = − n Lπ2 na equação (4.8) obtemos

a2 n2 π 2
T 00 (t) + T (t) = 0
L2
Para resolver esta equação temos que encontrar as raı́zes da sua equação carac-
terı́stica:
a2 n2 π 2 anπ
r2 + =0 ⇔ r=± i.
L2 L
Logo a solução geral da equação diferencial para T (t) é
anπt anπt
T (t) = c1 cos + c2 sen .
L L

Julho 2011 Reginaldo J. Santos


344 Equação da Onda Unidimensional

Usando a condição inicial T (0) = 0 concluı́mos que a equação diferencial para T (t)
com a condição inicial T (0) = 0 tem soluções fundamentais (verifique!)

anπt
Tn (t) = sen , para n = 1, 2, 3, . . . .
L
Logo o problema
 2 2
 ∂ u 2∂ u
= a
∂t2 ∂x2 (4.9)
u(0, t) = u( L, t) = 0; u( x, 0) = 0, 0 < x < L

tem soluções fundamentais

nπx anπt
un ( x, t) = Xn ( x ) Tn (t) = sen sen para n = 1, 2, 3, . . . . (4.10)
L L
chamadas modos normais (ou naturais) de vibração, ondas estacionárias ou
2L
harmônicos e o seu perı́odo fundamental na variável x é igual a e é chamado
n
comprimento de onda do modo normal. Os modos normais de vibração podem ser
anπt
vistos como senos com amplitude variando de forma senoidal Rn (t) = sen
L
anπ
com frequências chamadas frequências naturais da corda. Portanto, neste
L
2L
caso, os perı́odos fundamentais da corda são Tn = . Observe, também, que cada
na
modo normal un ( x, t) tem n − 1 pontos fixos no intervalo 0 < x < L (quais são?).
Assim vamos supor que a solução do problema de valor inicial e de fronteira seja
uma série da forma
∞ ∞
nπx anπt
u( x, t) = ∑ cn un (x, t) = ∑ cn sen L
sen
L
. (4.11)
n =1 n =1

Equações Diferenciais Parciais: Uma Introdução (Versão Preliminar) Julho 2011


4.1 Corda Elástica Presa nas Extremidades 345

∂u
Para satisfazer a condição inicial ( x, 0) = g( x ), devemos ter
∂t

∂u anπ nπx
g( x ) = ( x, 0) = ∑ cn sen . (4.12)
∂t n =1
L L

Esta é a série de Fourier de senos de g( x ). Assim, pelo Corolário 2.5 na página 181,
se a função g : [0, L] → R é contı́nua por partes tal que a sua derivada g0 também
seja contı́nua por partes, então os coeficientes da série são dados por
Z L
anπ 2 nπx
cn = g( x ) sen dx, n = 1, 2, 3 . . .
L L 0 L
Observe que a solução do problema de valor inicial e de fronteira

nπx anπt
u( x, t) = ∑ cn sen L
sen
L
n =1

2L
para cada x, é periódica com relação a t com perı́odo fundamental T = , se c1 6= 0.
a

Para cada n, podemos reescrever a solução fundamental (4.10) do problema (4.9) na


forma (verifique!)

nπ ( x − at)
 
anπt nπx 1 nπ ( x + at)